Fórum dos Leitores

TOTALITARISMO

O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2014 | 02h07

Horizonte sombrio

Com o título Pescaria em águas turvas (8/1, A2), o artigo do professor Ricardo Vélez Rodríguez é um lúcido alerta para a extrema gravidade do momento que o Brasil atravessa. Conforme sua corajosa análise, está em ascensão, no horizonte político, perigoso esquema hegemônico que coopta tudo e todos ao redor do projeto de poder total que anima o núcleo duro do PT. As referências feitas à coluna da jornalista Dora Kramer É assim que começa, de 31/10/2013, e ao artigo do professor Eugênio Bucci Uma aliança crimino-estudantil?, da mesma data, são veementes. Como um vulcão nas profundezas marinhas, diz o autor, que impele rochas incandescentes por baixo da calmaria das águas, ensejando um tsunami que tudo arrasa, seria esse o espírito da "democracia totalitária" em gestação. Reforçando essa visão, não é menos contundente o alerta do professor e ex-ministro do STF Eros Roberto Grau (31/12/2013, A2) referindo-se aos ataques do partido do governo às decisões da Corte Suprema. Dele destaco este trecho: "Tristes tempos. Tempos que prenunciam, no silêncio incontido dos que consentem com afrontas à soberania e ao regime democrático, a volta ao passado".

CELSO L. P. MENDES

socelta@uol.com.br

São Paulo

Águas claras

Nada é mais claro que o objetivo do PT de ser hegemônico neste país. Falta pouco para chegar lá, se as oposições ficarem esperando Godot baixar aqui, nesta terra de Pindorama. Não é falta de aviso de jornalistas, especialistas em política, etc., para que opositores exerçam o seu papel, tal qual o PT fazia tão bem antes de se alçar ao poder. Hoje, fazendo uma política de governo pragmática, a imagem do PT ainda é beneficiada pela antiga postura oposicionista. A não aprovação da constituição de 1988 pelo PT é assunto hoje minimizado. Na contramão do momento, foram necessárias manifestações populares para que opositores acordassem da letargia. Mas pouco depois voltaram a dormir para sucumbir em disputas menores internas, sem vislumbrar que ao acordarem a Inês estará morta. Será que mais uma vez seremos a Argentina amanhã?

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

BRASILIDADE E CIDADANIA

Para quem escrevemos?

Lendo inúmeras cartas neste Fórum, é fácil entender quão confortável é manter-se no poder, pois as formas de informação usadas pelos governantes ditam tanto verdades como inverdades, utilizando jogo de palavras bonitas para disfarces e desvios de seriedade. Nosso interesse pela leitura correta e verdadeira é muito vago, o que leva a crer que aqui não se escreve para quem vota no modelo atual, ou seja, o que aqui se divulga é para quem deseja um País mais justo, sério, competitivo, sem corrupção, com justiça social e que os governantes busquem incessantemente cumprir, e não fugir à Constituição. De qualquer forma, fica nosso pleito e desejo de buscarmos cada vez mais o conceito de brasilidade sempre coerente com as formas de aplicação de cidadania. Do povo para o povo!

JOSÉ DOMINECE

domi51@terra.com.br

São Paulo

MENSALEIROS

A multa e o chefe

A família do sr. José Genoino alega não ter condições para pagar o que o brilhante militante deve. Na realidade, quem tem condições e deve pagar é Lulla, que está milionário e era o grande chefe na época do mensalão.

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

Doações tributáveis

É preciso informar aos familiares do sr. José Genoino que a arrecadação para pagar a multa à União no processo do mensalão é doação, portanto, tributável. Recomendaria que não se esquecessem de juntar a guia do tributo para evitar nova condenação, agora por sonegação de impostos - e, desta feita, ele já não seria réu primário!

JOSÉ RUBENS MACEDO SOARES

federmacedo@terra.com.br

São Paulo

Dúvida

O ministro Joaquim Barbosa saiu de férias sem expedir mandado de prisão contra João Paulo Cunha. Tortura silenciosa ou benevolência?

MODESTO LARUCCIA

modesto.laruccia@hotmail.com

São Paulo

O 'esquecido' Barbosa

O ato do presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, ao decretar a prisão de João Paulo Cunha e sair de férias sem assinar o mandado de prisão teria espaço perfeito na genial ficção de Franz Kafka: um homem sujeito a processo interminável, em que o sofrimento do réu não é a pena concretizada, mas a expectativa e a depressão imposta pelas postergações. Se hei de sofrer, que seja logo; não se prolongue minha punição pela ansiedade numa antessala do temor, como bem sabem fazer experientes torturadores ou burocracias insensíveis aos processados, anatematizadas pelo literato checo.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Passar dos limites

A prisão de João Paulo Cunha, como dos outros do PT, só causou indignação aos petistas, pois a lei está sendo cumprida. Cândido Vaccarezza (PT-SP) diz que há uma visão generalizada de que Barbosa passou dos limites. Sim, passou dos limites da proteção geral aos políticos, para a aplicação da lei penal. Políticos como João Paulo, que sem ética e moral a usou para se esconder e à própria mulher. Isso, sim, é passar dos limites. Apropriar-se de verbas públicas é não ter moral, é ser desonesto. Vaccarezza defender os seus atacando consta da cartilha petista. Se João Paulo se sente prejudicado por estar pagando quando ainda há muitos soltos, entregue os companheiros e faça a maior bancada presa do mundo. Mas talvez por medo não os entregue...

EUGÊNIO IWANKIW JUNIOR

iwankiwjr@hotmail.com

Curitiba

Questão de lógica

O mensalão foi criado para que os políticos comprados seguissem as ideias atrasadas do PT. João Paulo Cunha faz parte desse atraso e não precisaria ser comprado. Logo, foi simples roubo, mesmo. Nenhuma outra conotação.

GERALDO SIFFERT JUNIOR

siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

Aposta

Pago pra ver se um só dos mensaleiros passará mais de dois anos em prisão - e domiciliar! No Brasil cadeia é só pra pobres.

FERNANDO CASTELLARI

castellarinando@yahoo.com.br

São Paulo

*

SOB A PROTEÇÃO DO PT

A situação horrorosa do sistema prisional maranhense é de arrepiar qualquer pessoa. Os vídeos das barbáries divulgados só vêm mostrar ao mundo que o Partido dos Trabalhadores (PT) apoia um governo criminoso como há muito já se tem notícia. Tudo o que já é ruim no Brasil é pior lá, no Maranhão. O que mais se nota é a ausência até agora de manifestações dos que apoiam a família Sarney: os petistas. Onde está a sra. Maria do Rosário, ministra dos Direitos Humanos, que nada falou sobre tudo isso? Será que ela telefonou à família da menina Ana Clara, de 6 anos, barbaramente queimada pelos bandidos? E a sra. Dilma Rousseff, por que não se manifestou? E o ministro da Justiça, o que ele falou e fez sobre o caso? Não é dele a responsabilidade sobre o sistema penitenciário nacional? Essas pessoas só aparecem quando há uma desocupação de terra ou de propriedades invadidas em São Paulo? O que mais choca é que o PT apoia incondicionalmente o clã Sarney e nunca nada fala sobre os absurdos que acontecem no Maranhão. Vai se manifestar sobre as compras de itens de luxo da governadora Roseana Sarney para abastecer o palácio do governo, enquanto o povo não tem condições dignas de vida no Estado? Vai se manifestar sobre a falta de planejamento e administração desse Estado? Onde estão os valentes protetores do povo, dos direitos dos maranhenses?

Maria Tereza Murray

terezamurray@Hotmail.com

São Paulo

*

EM CHAMAS

Com os presídios em chamas, o Maranhão escolherá nesta semana as empresas que abastecerão as geladeiras de Roseana Sarney em 2014. A lista da governadora inclui 80 kg de lagosta fresca, uma tonelada e meia de camarão e oito sabores de sorvete. As iguarias deverão ser entregues na residência oficial e na casa de praia usada pela peemedebista. O Estado prevê gastar R$ 1 milhão para alimentar a família Sarney e seus convidados até o fim do ano. O que falar disso? Nem matando resolve, a família já emporcalhou o Estado de tal maneira que ninguém mais resolve. O Brasil deveria de chamar RALO, todos tiram dinheiro do Estado e sempre falta dinheiro para o básico. Aliás, no Maranhão, a saúde, a segurança, a educação estão pela hora da morte. Não existem verbas?

Antonio Jose Gomes Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

VERGONHA NACIONAL

Se os cangaceiros Virgulino Ferreira da Silva e Maria Bonita assistissem aos vídeos gravados pelos detentos no Presídio de Pedrinhas, no Estado do Maranhão, tenho certeza absoluta de que eles morreriam de inveja. Não é possível que um Estado que nesses últimos 50 anos viveu sob as ordens do político mais influente de nosso país, José Sarney, chegasse aonde chegou: uma vergonha nacional.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

DESUMANIDADE

A declaração do secretário de Estado de Justiça e Administração Penitenciária do Maranhão, Sebastião Uchôa, referindo-se ao atentado que resultou na morte da menina Ana Clara de Sousa, de 6 anos, como sendo "males que vêm para o bem", é simplesmente absurda, ridícula e nada inteligente. Gostaria de perguntar ao digníssimo secretário: "E se, infelizmente, tal fato tivesse acontecido com a sua filha? Sua declaração seria a mesma?".

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

LAGOSTAS E CAMARÕES

O verbete "maranhão" no dicionário Aurélio é definido como: mentira, intriga caluniosa, mexerico e fofoca. O oligarca José Sarney está há mais de 50 anos no poder no Estado do Maranhão, destruindo, saqueando, matando, censurando uns dos maiores e íntegros jornais do Brasil, "O Estado de S. Paulo". Criminosos comuns do Maranhão estão praticando crimes similares aos da Idade Média, e os criminosos "diferenciados" (referência do ex-presidente Lula ao senador José Sarney), como a governadora Roseana Sarney, estão preocupados com a licitação da sua comida para o ano de 2014, toneladas de camarões e lagostas. Sem dúvida, o atraso e a corrupção no Brasil começam no Estado oligárquico do Maranhão.

José Francisco Peres França

josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

SARNEY, INCOMUM ATÉ DEMAIS

Pode haver cena mais patética que a personalizada pela dirigente do Maranhão, Roseana, filha de Sarney, tentando justificar o injustificável, tentando eximir-se das responsabilidades e jogar a culpa de sua inércia e incompetência em outros, do que seu pronunciamento pela televisão, quando há 60 presidiários mortos que deveriam estar sob a responsabilidade e proteção do Estado? Talvez seu pai tentando defendê-la. O que esperar dos que promoveram mais esta barbárie quando tiverem direito a voltar ao convívio da sociedade?

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

VIOLÊNCIA

Não é nenhuma surpresa o comportamento animal exibido pelos presidiários do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Afinal, Roseana Sarney, governadora do Estado com os piores índices sociais da União, parece estar mais preocupada em encomendar quilos de lagosta e camarão para abastecer suas residências oficiais do que em tirar o Maranhão dessa posição lamentável. Qual violência é pior?

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

PEDRINHA NO SAPATO

O que está ocorrendo em matéria de barbárie no Estado do Maranhão não deveria causar o estardalhaço e o sensacionalismo que a mídia quer emprestar. O Ministério Público Federal, por seu procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cogita de pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) intervenção, principalmente nos presídios maranhenses, e poderia estender essa intervenção também à administração estadual. Pedrinhas é apenas a ponta de um iceberg do que acontece na maioria das prisões brasileiras, grande parte delas carimbadas como de "segurança máxima", mas que não conseguem evitar a entrada de drogas e celulares, meio pelo qual os chefes de quadrilhas comandam toda sorte de violências que estão ocorrendo nos principais centros. O problema é de tal gravidade que, com cerca de 150 e 550 mil presos ainda há um déficit de 150 mil vagas, número que dobraria se fossem executados os mandados de prisão. O domínio político do clã dos Sarney tem sido responsável pelo acúmulo dos piores indicadores sociais e de desenvolvimento da Federação e do mundo. A tranquilidade da Copa está em razão direta do controle dos Beira-Mar e dos Marcolas.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ESTILINGUE MARANHENSE

Quem diria! A "grife Sarney" atira "Pedrinhas" nas vidraças dos Ministérios da Justiça, Direitos Humanos e o secretário-geral da lulopresidência não diz nada?

A.Fernandes

standyball@hotmail.com.br

São Paulo

*

QUEM MANDA NO ESTADO

O governo do Maranhão proibiu a venda de combustível em galão. Espera aí. Não há uma lei que proíbe isso? Ah, sim, esqueci. É o Maranhão. É outro país. Ali manda a família Sarney.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

JÁ ESTÃO FAZENDO ‘O DIABO’

A campanha eleitoral de 2014 promete muita baixaria. E, certamente, o Partido dos Trabalhadores (PT) deve ter pesquisas em mãos que projetam dificuldade para a reeleição de Dilma Rousseff. Não fosse assim, então por que, no site do PT, o partido ataca um ex- importante aliado e possível candidato pelo PSB ao Planalto, Eduardo Campos, chamando-o de "tolo" e "playboy mimado" - já que nas pesquisas eleitorais divulgadas em dezembro de 2013 o governador de Pernambuco estava em terceiro lugar, distante ainda do segundo, Aécio Neves, provável candidato do PSDB? E a previsão de Dilma se confirma: recentemente ela afirmou que, se for necessário, nas eleições pode-se até "faz o diabo" para vencer. É lógico que o PT recebeu o troco de Campos, dizendo que fora um "ataque covarde". Como se vê, esta eleição promete de tudo, menos o debate de ideias.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

INSOLÊNCIA

Com certeza a cúpula e o marqueteiro do PT aprovou a ideia, manifestada no Facebook: Eduardo Campos é um "playboy mimado". Até onde vai a insolência desse partido?

J. Perin Garcia

jperin@ull.com.br

São Paulo

*

VAQUINHA PARA GENOINO

Familiares e companheiros do ex-deputado federal José Genoino estão se mobilizando para arrecadar recursos a fim de pagar a multa de R$ 468.000,00, atribuída a ele, pelo desvio de dinheiro público no "escândalo do mensalão". Pasmem, senhores, o homem que ocupou a legislatura federal por vários mandatos, cujo salário atual é de R$ 26 mil, mais uma série de verbas e mordomias, não teve a capacidade para poupar parte de tudo o que recebia e, agora vem de chapéu na mão, esmolar uma dívida que é de sua inteira responsabilidade? O que dizer de sua capacidade para gerenciar os bens públicos? Lembram-se de que, anos atrás, o PT lançou-o para o governo do Estado de São Paulo como grande administrador? Imaginem em que situação estaria o Estado de São Paulo se tivesse sido governado por um homem que não teve a capacidade para gerir seu próprio salário? Felizmente, o povo soube votar; seu salário atual como aposentado pelo Legislativo federal é de R$ 23 mil, que tal o Supremo Tribunal Federal (STF) obrigar o sr. Genoino a fazer um empréstimo consignado para pagamento de sua dívida com recursos dessa sua polpuda aposentadoria? Os aposentados do INSS, que recebem 30 vezes menos que o ex-deputado, são muitas vezes obrigados a utilizar o famigerado empréstimo consignado, para o ex-parlamentar não vai doer muito.

João A. S. Martins

ntsmartins@hotmail.com

Santo André

*

AÇÃO ENTRE AMIGOS

Simplesmente hilário: a petralha como um todo "passa o chapéu" entre os agora lembrados compatriotas do ex-presidente do PT para amealhar uns trocados que ajudem a pagar o dinheiro dele cobrado pela Justiça. E o tempo das vacas gordas, não serviu para nada?

Flávia de Castro Lima

lgcastrolima@uol.com.br

São João da Boa Vista

*

BALANÇA A CUECA

Quando vi o pedido da quadrilha petista de contribuições para pagar a dívida do prisioneiro José Genoino, lembrei-me de que basta balançar a cueca do irmão do ex-deputado que o dinheiro aparece. Não precisa arrecadar. Se já apareceram R$ 200 mil, deve ter mais. Balança a cueca!

José Rubens Macedo Soares

federmacedo@terra.com.br

São Paulo

*

AJUDA ORIGINAL

A multa imposta ao ex-deputado José Genoíno (que, em se tratando de petista, não tem nada de originaíno) tem de ser paga tim-tim por tim-tim, soubesse - ou participasse - ele ou não dos crimes. Se o seu patrimônio é modesto, como alegam a família e os advogados, que ele peça socorro, por exemplo, ao irmão, José Guimarães, cujo assessor foi flagrado com milhares de dólares e reais na cueca. De repente, é só balançar um pouco mais a peça do vestuário para ver se sai algum. O que não pode é o ex-presidente do PT, agora, além de doente, duro igual a um coco, se livrar da cadeia e ainda ficar com benefícios do mensalão, sejam eles quais forem.

João Direnna

joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

FÁCIL

Finalmente a Justiça começou a cobrar as multas impostas aos condenados do mensalão. As multas não se referem ao ressarcimento das roubalheiras realizadas pelos condenados, mas, sim, uma pena que complementa a sentença prolatada das prisões. Se fosse uma multa para ressarcir a União, é óbvio que os valores seriam muito maiores. No caso de Genoino, o valor é praticamente irrisório, motivo pelo qual creio ser facílimo o pagamento devido porque, sem dúvida, os companheiros do PT não faltarão com a ajuda de um de seus líderes mais queridos e admirados.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

VALEU A PENA

Nada mais natural que o PT fazer uma vaquinha para pagar as multa dos mensaleiros do partido, já que lá eles são considerados heróis que foram punidos por atos cometidos em nome de uma causa maior, maior e mais importante que a nossa democracia, atos que todos os demais membros teriam orgulho de cometer, caso tivessem tido a oportunidade.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

VAQUINHA

Não vejo nenhuma dificuldade na "vaquinha" para o Genoino. Uma grande parte de seus amigos são grandes fazendeiros.

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

ÁGUAS TURVAS

Em artigo publicado no jornal "O Estado de S. Paulo" em 8/1/2014, sob o título "Pescaria em águas turvas", o sr. Ricardo Vélez Rodriguez referiu-se a artigo escrito por Dora Kramer publicado em 31/10/2013 Em que é relatado o motivo do crescimento da criminalidade no Rio de Janeiro a partir de 1983, ficando evidente a culpa por esse crescimento da política populista adotada por Leonel Brizola, isso tudo segundo Dora Kramer e aparentemente com a aprovação do sr. Vélez. Assim eu pergunto: Quais seriam, então, os motivos do crescimento da criminalidade em São Paulo? Como surgiu o tal do PCC em São Paulo? Os governadores de São Paulo não são responsáveis? Por que, quando se trata de falar de governadores pertencentes aos quadros do PSDB (Covas, Alckmin e Serra) e DEM (Lembo), nada é dito nem publicado por este jornal?

Joao Carlos Baptista

jcamilobap@uol.com.br

São Paulo

*

CARTEL NOS TRENS EM SÃO PAULO

Conforme matéria do "Estadão" (4/1, A6), o governador Geraldo Alckmin afirmou que, se houve formação de cartel no sistema metroferroviário paulista, as empresas serão punidas e o Estado será ressarcido. Lembrando que, em 2008, quando surgiam na imprensa as primeiras suspeitas do tal cartel, a bancada do PSDB na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo barrou a formação de uma CPI. Passaram-se vários anos e recentemente, em dezembro de 2013, novamente os deputados tucanos barraram na Assembleia a formação de uma CPI sobre o cartel. Afinal, por que será que os deputados tucanos estão tão temerosos? Ainda bem que a Procuradoria-Geral da República já está estudando o caso, pois, se fosse depender dos nobres deputados paulistas, esse caso já teria sido engavetado há muito tempo.

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

OS CORREDORES DE ÔNIBUS DE HADDAD

O Tribunal de Contas do Município (TCM) suspendeu na terça-feira o principal projeto do prefeito Fernando Haddad para os próximos três anos: a construção de corredores de ônibus. O TCM considerou que falta o dinheiro para as obras e falta também o projeto básico de engenharia e urbanismo dos corredores. Pensando bem, não basta espalhar tinta, tem de comprar novos ônibus e reformar os ônibus existentes. Consequentemente, rever os contratos com a máfia que controla o transporte público em São Paulo. Além disso, não basta impor que não se deve mais andar de automóvel na cidade. Tem de ser dada uma opção viável a quem não quer se arriscar no transporte coletivo existente. Governar, senhor Poste 2, não é impor, mas, sim, apresentar viabilidade para todo tipo de cidadão. Como já dizia o grande Nelson Rodrigues, "a unanimidade é burra", e, verificando o estado em que ficou a educação brasileira depois dos sete anos de sua passagem pelo Ministério da Educação, é fácil constatar que de burrice o senhor entende.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

O FIM DA INSPEÇÃO VEICULAR

Acabo de ver a notícia de que a partir de hoje (9/1/2014) os funcionários da Controlar estarão em aviso prévio, visto que no final deste mês, por determinação judicial, encerram-se os trabalhos de Inspeção Veicular em São Paulo. São cerca de 800 pessoas - famílias - que ficarão sem a sua fonte de renda, sem o seu trabalho, mas não porque tenham cometido algum erro, ou provocado de alguma maneira esta grande crise pessoal que irão passar. São as primeiras vítimas - inocentes - dessa determinação, fruto de uma promessa de campanha do prefeito Haddad. Na verdade, inicialmente ele havia prometido acabar com a taxa de inspeção, pois considerava injusto que os proprietários de automóveis gastassem R$ 50 por ano (menos de meio tanque de combustível) com esta taxa. Embora de minha parte considere que um dono de automóvel não tenha o direito de alegar que R$ 50 por ano possam lhe fazer falta (se fizesse, jamais poderia ter um carro), o que de fato é injusto é que se desviem recursos públicos para pagar despesas geradas por proprietários de automóveis. Ora, vejamos, a política declarada da atual gestão municipal é clara em sua prioridade ao transporte público, com a construção de extensos corredores de ônibus e diversas promessas de investimento neste setor, ao mesmo tempo que dia a dia dificulta a vida do motorista de automóvel, indiretamente incentivando-o ao uso do transporte público. Por outro lado, utilizou uma fortuna para reembolsar a taxa de inspeção veicular. É fácil estimar isso, alguns milhões de veículos inspecionados, multiplicado por R$ 47 cada, dá dinheiro suficiente para comprar uns tantos ônibus, ou construir terminais, enfim, foi dinheiro que na prática - pela política declarada do prefeito - pertencia aos usuários do transporte público, foi desviado para o bolso dos proprietários de automóveis. Bela justiça social essa! Mas quando digo que as 800 famílias que perderão sua fonte se renda são apenas as primeiras vítimas, quero lembrar que o restante da população - incluindo essas 800 famílias - será a vítima mais grave em médio prazo. Os índices de CO (monóxido de carbono) em São Paulo nunca estiveram tão baixos. O CO é o poluente gerado quase que exclusivamente por veículos automotores, sendo por isso o indicador por excelência da eficácia dos programas de controle de emissões automotivas. Com o Proconve, implantado a partir do final da década de 80, iniciou-se um lento e gradativo processo de melhoria da qualidade do ar que, após alguns anos, estagnou-se, pois o gargalo passou a ser a manutenção dos veículos em circulação. Com o Proconve os veículos novos passaram a sair de fábrica emitindo menos, desde 1997 a níveis similares aos europeus e norte-americanos. Mas isso é apenas o início, pois se estes veículos não sofrerem uma manutenção adequada, em poucos anos de uso os seus níveis de emissão aumentam, pondo a perder todo o esforço despendido pela indústria e governo. A Inspeção Veicular tem justamente o papel de corrigir isso, fazendo com que os donos de veículos automotores os mantenham adequadamente, garantindo assim que continuem a emitir dentro de suas especificações de projeto. Desde 2008 - quando se iniciou o trabalho da Controlar - os níveis de CO voltaram a baixar, e nos últimos anos finalmente passaram de "aceitável" para "bom", tendo eliminado totalmente os dias com ultrapassagens do padrão de CO, algo que nunca se viu desde que se iniciou o monitoramento de qualidade do ar em São Paulo, na década de 70. Enfim, em termos de saúde pública o programa de inspeção veicular foi um total e absoluto sucesso, evitando milhares de mortes precoces decorrentes de enfermidades cardíacas e respiratórias, como comprovado por diversos estudos de renomados especialistas. Bem, toda a argumentação para a suspensão do trabalho da Controlar é que o contrato venceu em 2012. Ora, o trabalho de inspeção iniciou-se em 2008 e pelo contrato a concessão do serviço era de dez anos. Desde que aprendi aritmética, isso daria 2018 para finalização do prazo. Apenas em 2008 a Controlar recebeu a ordem de serviço da Prefeitura para iniciar o seu trabalho. Mas isso é apenas um detalhe. O que choca é que foi determinada a suspensão, sem nem sequer ter uma ideia de quem ou como será a feita a continuidade deste fundamental programa. Quem já levou um veículo para ser inspecionado na Controlar sabe muito bem da facilidade disso. Agenda-se por internet, chega-se na hora marcada, é atendido num máximo de 15 minutos e, se o veículo estiver em ordem, volta para casa em seguida, com tudo regularizado. Problemas aconteceram, principalmente nos primeiros anos, quando mecânicos mal preparados "garantiam" que o carro estava em ordem mesmo quando estava com o motor completamente fora de especificações. Mas, pouco a pouco, a mentalidade geral vinha se adaptando, os mecânicos buscando equipamentos de aferição e treinamento adequados, e a população se conscientizando da necessidade de, pelo menos uma vez por ano, fazer uma correta revisão do seu veículo. Bem, em 31 de janeiro a Controlar encerra suas atividades, e temos uma licitação aberta para a contratação de novas empresas para fazer o trabalho, iniciando do zero, depois de transcorrido todo o tempo de licitação, contestações, julgamentos, contratos, adiamentos, etc., etc., tudo aquilo que estamos acostumados a ver que emperram qualquer obra ou serviço público. Está se jogando fora um sistema que - mesmo não sendo perfeito - funciona muito bem e atende com qualidade as necessidades da população, com centros de inspeção bem equipados e estrategicamente espalhados pela cidade, operados por técnicos treinados e, em troca, temos a expectativa de, dentro de alguns meses, mas mais provavelmente anos, ver uma nova empresa começar a fazer novamente o que já estava sendo realizado com eficiência até agora. Trocamos o certo pelo incerto, mas com a certeza de que no mínimo neste ano que se inicia não teremos Inspeção Veicular e, fatalmente, os índices de qualidade do ar irão piorar. Ante tantos fatos incontestáveis, e de conhecimento do prefeito, é difícil compreender porque o sr. prefeito manteve esta sua promessa de campanha, se foi apenas por birra com a empresa concessionária, ou foi simples incompetência administrativa. O fato é que todos nós iremos pagar esta conta. Antes de mais nada, com a despesa enorme decorrente da ação municipal de assumir os custos da inspeção veicular, aliviando assim em R$ 50 os bolsos dos proprietários de automóveis. Depois, com a inevitável piora em nossa qualidade de vida com o iminente retorno dos níveis inadequados de qualidade do ar. E 800 famílias já vítimas desta ação impensada. Finalmente, que ninguém que me lê acredite que não sei do que estou falando, ou melhor, sobre o que estou chorando. Tive a honra, nos anos 80, como jovem engenheiro, de fazer parte da equipe que elaborou o Proconve. Depois disso estive por anos na indústria automobilística e nos últimos 20 anos como consultor em estudos ambientais de qualidade do ar e ruído ambiental, além de professor universitário e autor de alguns livros sobre o tema. Em minha trajetória profissional travei conhecimento com o trabalho desenvolvido pela Controlar, o qual passei a admirar pela sua qualidade técnica. Choro por ver tanto trabalho competente e esforço sendo perdido, desperdiçado por um capricho político. E a população é que sofrerá as consequências disso, e mais ainda se continuarem a acreditar no discurso demagógico que justificou tudo isso.

Eduardo Murgel

eduardo@murgelengenharia.com.br

São Paulo

*

SANCIONADA LEI CONTRA DESMANCHE

Enfim, o governador Geraldo Alckmin deu importante passo, mas não o único, para coibir o roubo e furto de veículos que há décadas vem atormentando a população e tirando a vida e os únicos bens de centenas de pessoas ano após ano, ao sancionar lei que disciplina o funcionamento dos desmanches, para onde vão sabidamente 80% dos veículos levados - em boa parte dos casos acima citados, com desfecho trágico- seus proprietários, em grande parte sem seguro do carro. No meu humilde entendimento dois pontos merecem destaque: a adoção do chamado "manejo completo", segundo o qual as empresas que atuam na compra de veículos para desmanche terão de ser responsáveis pela venda para o consumidor final, ou seja, não poderão repassar essas peças para revendedores; e a obrigatoriedade de implementação de um sistema que permita o rastreamento - leia-se identificação - das peças. Porém há problemas na legislação. Segundo empresários do setor pesquisados, a lei não discrimina exatamente quais peças devam ser identificadas. Além disso, as montadoras pouco ajudam, pois numeram poucas peças - basicamente motor, para brisa e vidros laterais, além do chassi. Assim seria interessante que os fabricantes também entrassem neste debate. Paralelamente, é importante que o consumidor faça a sua parte e não adquira peças em estabelecimentos irregulares; os chamados "boca de porco". Afinal, como sabemos, o mercado paralelo existe porque há complacência das autoridades governamentais, como também gente disposta a levar vantagem adquirindo produtos de origem duvidosa, sem se importar com o fato de que pessoas inocentes perderam a vida por causa disso. Inclusive crianças.

Turíbio Liberatto

turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

VEÍCULOS IRREGULARES

Os veículos irregulares devem ser apreendidos e, se não regularizados em 15 dias, seguir para pátios de prensagem, que deveriam ser criados estrategicamente, começando pelas zonas leste e sul. O reaproveitamento dos blocos resultantes, vendidos em leilão ou concorrência pública, manteria o sistema com lucratividade. Também o índice de acidentes, congestionamentos por quebras, poluição sonora, etc., certamente cairia significativamente.

André C. Frohnknecht

caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

PÁGINA VIRADA

A discussão que já se faz recorrente sobre a possibilidade de rebaixamento da nota de classificação de risco da dívida soberana do Brasil - agora envolvendo a agência Moody’s - bem retrata o morro abaixo do Brasil do PT. Ninguém mais indaga se vamos melhorar a balança comercial, e sim qual será o tamanho do déficit. Ninguém vislumbra um horizonte melhor para a conta de serviços, ano após ano no vermelho. No "front" interno, poucos creem que a dívida bruta - hoje em 60% do PIB - recue a níveis confortáveis e ninguém imagina um superávit primário idôneo, que dê para honrar integralmente a conta de juros da dívida pública mobiliária interna. Recente levantamento com mais de 700 empresários mostrou que os investidores estrangeiros nunca estiveram tão céticos quanto à condução da economia brasileira e 90% deles acreditam num rebaixamento de nossa nota de crédito em algum momento nos meses porvindouros. O fluxo de Investimento Estrangeiro Direto (IED), acreditam, será também menor em 2014. Dependemos desses dólares para fechar as contas externas, já tomada por déficits por todos os lados. Com a corrosão dos fundamentos, o dólar ensaia querer alçar voos mais altos, assim como a inflação que já é salgada e dificilmente se manterá estável neste ano eleitoral. Convenhamos, um quadro desalentador, bem diferente daquele pintado nos palanques de Lula, quando vendia o seu Brasil imaginário do "nunca antes". Sorte teve ele, que esteve à frente do governo num tempo de "vento a favor", quando os dólares entravam copiosos, valorizando o real e segurando a inflação. Página virada. O estadista se conhece em tempos de escassez e dificuldades, não de fartura e facilidades.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

O QUE O BANCO INGLÊS VÊ

Embora a agência de classificação de risco Moody’s deva manter a nota de risco do Brasil em 2014, o banco inglês RBS sugere a investidores que vendam o Brasil em 2014 para recomprá-lo em 2015, depois das eleições, muito mais barato, é claro. O prestígio do Brasil lá fora está pior que as ações das empresas do senhor Eike Batista, aquele queridinho do governo petista e amicíssimo do ex-presidente Lula.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

GUIDO MANTEGA

O Brasil continua com os nervos à flor da pele e a economia do pibinho patinando em ponto morto sob o comando do calminho ministro da Fazenda. É preciso entregar resultados e números robustos para "acalmar os nervosinhos", e não medidas de improviso e discursos maquiados "PIV" (para inglês ver). Com inflação crescente, déficit na balança comercial, desvalorização do real e ameaça de ter o rating rebaixado nos próximos meses, não há maracugina que acalme o mercado! Só mesmo a troca do ministro. Basta!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

CONSEQUÊNCIAS GRAVES

Este governo de plantão, que na área econômica nada mais faz do que tomar decisões pontuais, sem nenhum projeto de longo prazo, leva a balança comercial do País a um superávit de US$ 2,561 bilhões, o menor em 13 anos. Não há evidência mais clara de uma incompetência funesta que põe a perder tudo o que foi feito de bom para o nosso país quando em décadas passadas foi capitaneado por economistas de comprovada capacidade.

Francisco Zardetto

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

SUPERÁVIT PETISTA

Superávit de US$ 2,651 bilhões de dólares? Analisados com cautela, trata-se de mais uma alquimia do petismo. Começa e termina mal com a conta petróleo, leia-se importação de US$ 4,5 bilhões, ocorridas em 2012, porque mudaram o calendário de forma que as de 2013 serão apropriadas em 2014, e assim jogam com a sorte nas melhoras das contas públicas. A Petrobrás, com uma dívida que evoluiu de US$ 46 bilhões, em 2006, para US$ 250 bilhões, em 2013, a maior do mundo em empresas graças aos desmandos na gestão Lula/Gabrielli, diminuiu seu valor de mercado de US$ 200 bilhões para US$ 90 bilhões, prejudicando milhares de acionistas de uma empresa de capital aberto sendo utilizada como ferramenta de política de governo na contenção do preço interno da gasolina e diesel, a evitar aumento da inflação, como só dependesse dessa ação, aliás a mais fácil, o que num país sério traria sérias consequências aos seus administradores. Lembrando de que a União detém 32% do capital da Petrobrás, significando 56% do capital votante, e o restante nas mãos dos investidores, incluídos aqueles contribuintes empregados, induzidos a converterem parte do FGTS em ações da empresa. Não satisfeitos, prejudicaram o etanol, nossa melhor fonte de energia renovável. Exportaram, contabilmente, plataformas de petróleo, "Zé para Zé", em US$ 7,7 bilhões, sem que as mesmas saíssem do Brasil, indicando receita, mas sem o pagamento de impostos, e assim apresentaram resultados positivos à balança comercial. Seriam tantas, mas essas bastam, a mostrar algumas maquinações contábeis, contas de chegar, tudo apresentado de forma singela com falsa humildade, quando não propositadamente confusas a iludir os menos avisados ou preparados. E, como não poderia deixar de acontecer, atendendo ao padrão do "socialismo bolivariano do século 21", culpando terceiros.

Mario Cobucci Junior

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

ENDIVIDAMENTO DA PETROBRÁS

Com o governo segurando o preço dos combustíveis, a Petrobrás captando R$ 12 bilhões (nunca antes na história desse país uma dívida tão grande) e o governo tendo como foco o pré-sal, a coisa não anda muito boa. Os EUA estão explorando o gás de xisto e aqui ficamos na ladainha de sempre dos ambientalistas, mais uma vez ficando pra trás. Como o governo não quer ser rebaixado pelas agências de rating? Esse, infelizmente, é apenas um dos problemas que faz com que o Brasil tenha a possibilidade de ser rebaixado. Acorda, Brasil!

Felipe da Silva Prado

felipeprado39@gmail.com

São Paulo

*

INVESTIDOR IDIOTA

O ex-ministro Delfim Netto declarou que nossa indústria foi destruída não por acidente, mas por erros de nossa política econômica. O governo "ampliou os salários muito acima da produtividade e usou a taxa de juros - a maior do mundo - para valorizar o câmbio nominal. De 2002 a 2008, tínhamos um excedente de exportação de manufaturados de US$ 120 bilhões. Depois virou um déficit de US$ 170 bilhões. Ou seja, na verdade a valorização do câmbio roubou quase US$ 300 bilhões de demanda do setor industrial. Se o sujeito diante desse roubo investir, é um idiota". Delfim ainda crê ser possível inverter a situação atual com uma mudança na política econômica. Acaba de ser anunciado que em 2013 tivemos o pior resultado na balança comercial dos últimos 13 anos. Como a presidente Dilma "se acha o máximo" na administração do País, não precisando de conselhos, as coisas vão piorando como inflação, juros, empregos, vendas internas, exportações. Tomara que ela deixe o poder o mais rápido possível, permitindo que uma nova e mais qualificada equipe assuma o comando da economia. Enquanto isso, só idiota investe no Brasil, como diz Delfim. A presidente Dilma acusa "assombrações" de prejudicarem o País com más previsões que desencorajam investimentos.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

DEUS NOS LIVRE

De escachar a entrevista do dr. Delfim Netto ao "Estadão" no primeiro dia de 2014. O interlocutor privilegiado da gerentona na economia vê nela "qualidades muito interessantes". Seria importante saber interessantes para quem e para quê. Talvez ela prefira também cheiro de cavalo ao de gente, como seu ex-chefe. Ou tenha predileções pelas heterodoxias e irresponsabilidades fiscais e cambiais, tema no qual o entrevistado é especialista desde que quebrou o País no início dos anos 80. Algumas das pérolas do entrevistado: 1) "é preciso dar muito mais capital humano e físico para o trabalhador. OU seja, ele precisa de um pouco mais (sic) de saúde, de educação...", o que o governo vem fazendo com maestria e denodo, tendo em vista os resultados dos alunos brasileiros nas avaliações internacionais da educação; 2) "há também a destruição da indústria, que não é acidente. Foi um erro de política econômica". Simples, não? Um erro que deve custar algumas décadas para ser recuperado, se um dia o for, e que pode nos relegar a candidatos a empregos de segundo nível no mundo globalizado; 3) "como acho que a probabilidade de reeleição dela supera os 50%, a minha tendência é dizer: o jeito é nós usarmos a Dilma". Parece-me, pelo histórico, ser utensílio de pouca utilidade, exceto gerar renda para marqueteiros. Sinceramente, Deus e as eleições deste ano nos livrem. Da gerentona e de seus conselheiros.

Jorge Luiz Babadópulos

jorgeluiz@babadopulos.com.br

São Paulo

*

ÁGUA, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA

A prefeitura de Guarujá multou ingressou na Justiça contra a Sabesp, por falhas no abastecimento de água àquela cidade. O fato, inusitado, é difícil de aplicar a uma boa parcela do Estado. A Sabesp opera o sistema de água de 354 municípios. Nos outros 288, o serviço é municipal, também falta água e, logicamente, os prefeitos jamais se autopuniriam. Mas, nem por isso, seus consumidores serão menos protegidos. Quando faltar água, podem recorrer à Justiça, levando em consideração a essencialidade do líquido e o dever que o poder público tem de fornecê-lo com regularidade, já que mantém um serviço e cobra pela sua execução. Pode, inclusive, exigir ressarcimento por prejuízos e até pelo desconforto sofrido. Alerta-se que o mundo ainda pode guerrear por falta de água. O Brasil, felizmente, possui grandes reservas. Mas é perverso em sua exploração. As cidades jogam nos rios seus dejetos e os despejos industriais, os sistemas de captação e potabilização são precários, a distribuição é falha e o consumidor é irresponsável. É preciso reinventar o uso da água de forma a garantir que cada indivíduo tenha acesso à sua litragem diária e dela faça o mais adequado proveito. É um grande desafio e não pode demorar a ser enfrentado.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

FALTA DE ÁGUA

É inaceitável o problema de falta de água no litoral norte paulista, atingindo cidades como Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela, em pleno verão. Todos sabem que o verão é a alta temporada no litoral e que obviamente aumenta muito o número de turistas na região, algo mais do que previsível e esperado. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) deveria pedir desculpas à população local e aos milhares de turistas que foram veranear no belo litoral norte paulista e se depararam com uma situação caótica, sem água, ao invés de dar desculpas esfarrapadas que nem sequer são dignas de comentários.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

VELHO PROBLEMA

Em 1951, quando meu pai comprou a casa do Guarujá, faltava água. Agora, passados 62 anos, falta água no litoral. Belo planejamento estratégico nos investimentos em infraestrutura fizeram nossos governantes nesse período!

Aldo Bertolucci

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

*

FALTA D’ÁGUA, GOVERNO E EMPRESÁRIOS

A Casan e outras concessionárias deveriam distribuir gratuitamente caixa d’água para os moradores sujeitos à falta de água armazenarem água para consumo em momentos de muita demanda. Os edifícios e grandes consumidores como hotéis, pousadas e hospitais deveriam ter cisternas que atendam ao consumo de três a cinco dias. O governo do Estado deveria financiar a juros zero a construção de cisternas. O senhor Pasqualotto fez uma cisterna para a casa de Caras. Ou a cisterna é de espumante? As centenas de prédios que fez em Itapema contam com cisternas? E os prédio de 60 andares?

Luis Carlos de S. Fonseca

lcsfonseca9@gmail.com

São Paulo

*

JUSCELINO KUBITSCHEK

Excelente a postura do perito Sérgio de Souza Leite, um dos responsáveis pelo laudo sobre o acidente no qual o ex-presidente Juscelino Kubitschek veio a falecer, em processar o vereador Gilberto Natalini, que preside a Comissão da Verdade de São Paulo. Embasado no trabalho sério que ele e os seus companheiros realizaram, o perito não aceita a revisão imposta pelos que reexaminaram, mais uma vez o caso, tentando criar uma versão de assassinato. Seria muito bom que outros peritos procedessem da mesma maneira, já que as ditas Comissões da Verdade que proliferaram pelo País afora, filhotes da principal, estão sendo pródigas em rever laudos, favorecendo alterações de causa mortis, as quais propiciam, em alguns casos, vultosas indenizações para os herdeiros.

Marco Antonio Esteves Balbi

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

MEDO DA VERDADE?

Por favor, alguém dessa tal "Comissão da Verdade" pode informar quando serão investigados os assassínios dos ex-prefeitos petistas Antonio da Costa Santos (Campinas) e Celso Daniel (Santo André)? É possível, pelo menos, descobrir a quem não interessa saber? A omissão e o silêncio se devem ao medo ou à incompetência?

Moacyr Castro

jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

O ASSASSINATO DE JFK

Em 1963, JFK convenceu-se de que Jango & Cia. poderiam transformar o Brasil em mais uma Cuba, e avaliava uma intervenção militar para impedir. Lee Oswald, treinado na Rússia, assassinou-o pouco depois. Será que o nexo causal do enigmático assassinato foi finalmente encontrado?

Gilberto Dib

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.