Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2014 | 02h09

O sarau

Fevereiro chegou e com ele a velha conhecida dança das cadeiras no Planalto, cujos salões recebem os mesmos convidados de sempre para um sarau de fazer inveja aos dos séculos passados. Haja paciência para assistirmos (e pagarmos caro) a essa esbórnia. Competência é substituída por compadrio, honestidade por esperteza, trabalho por discurso, planejamento de longo prazo por servicinhos de terceira por onde escoam as nossas economias. E dona Dilma Rousseff promete que 2014 será muito melhor que 2013. Ai que medo de quem jura fazer o "diabo"!

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Copa, eleições...

Já é possível calcular o que pode acontecer no campo político este ano: Copa do Mundo, eleições e o grande poder econômico dos atuais dirigentes vão criar muita confusão. A "reforma" ministerial começou, no velho estilo "toma lá, dá cá", e já se pode antever o final da contenda. A campanha eleitoral irregular e ilegal está ativa há quase um ano. Nada mais importa senão a perpetuação no poder. Feliz o atual governo, que há 11 anos não precisa preocupar-se com a oposição, que encerrou suas atividades em 2003 e só agora mostra insignificantes sinais de atuação. Democracia de verdade teria de contar com ela, mas no Brasil...

PLÍNIO ZABEU

pzabeu@uol.com.br

Americana

Verbas de publicidade

A ministra (?) Helena Chagas foi defenestrada pelo PT. Por quê? Ora, simples: porque não contemplava as "mídias alternativas" na distribuição de verbas de publicidade do governo federal - como "mídias alternativas", por favor, entendam mídia oficial do PT. Na verdade, não passam de rádios, jornais, revistas, internet (blogs, grupos no Facebook, etc.) dependentes das verbas governamentais para sobreviver e que "vendem" suas opiniões, notícias e seus comentários a quem pagar mais. São essas as "mídias alternativas" petistas.

GERALDO BANASKIWITZ

geraldo.banas@gmail.com

São Paulo

'Blogs sujos'

A jornalista Helena Chagas, que acaba de deixar a Secretaria de Comunicação do governo Dilma, saiu atirando, e com muita razão, contra petistas sem intimidade com a ética quando o assunto é verba pública. "Fritaram" a ministra porque ela se recusava a liberar verbas para os tais "blogs sujos" do PT, que alimentam a internet 24 horas por dia para transmitir conquistas do atual governo que não existem e achincalhar opositores. Ou seja, tal como ocorreu com o mensalão, querem utilizar verbas públicas, bancadas pelo sempre explorado contribuinte, para as orgias de poder da turma do Lula. Por isso é que os raros colaboradores sérios que o PT conseguiu ter nestes quase 12 anos de Planalto, como Helena Chagas, e que jamais compactuaram com a picaretagem institucional do partido, foram destituídos de seus cargos, porque o objetivo dos camaradas nunca foi servir à Nação, mas, o quanto possível, dela se favorecer.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

GESTÃO HADDAD

Trapalhadas nas faixas

Ainda sobre o editorial Mais trapalhadas nas faixas (31/1, A3), há que acrescentar a diminuição de faixas, de quatro para três, na ligação da Avenida Moreira Guimarães com o Viaduto João Julião da Costa Aguiar, no sentido aeroporto. Dado o alto volume de automóveis, provoca retenção e o consequente congestionamento por quilômetros.

OCTÁVIO LOPES DA SILVA

olsadv@gmail.com

São Paulo

Corredores de ônibus

Segundo a ideologia do PT, quem anda de automóvel são as elites, proletário anda de ônibus, salvo os que pertencem à Nomenklatura, como Fernando Haddad e Jilmar Tatto. Um, creio eu, nunca andou de ônibus na vida e o outro só passou a andar de carro oficial depois que conseguiu pertencer à Nomenklatura do PT. Complementando o que escreveu o leitor sr. Nicolae Gorescu (3/2), as faixas de ônibus só são possíveis à esquerda nas vias expressas, como 23 de Maio, Rubem Berta e similares. Na Avenida Washington Luís só servem para carro ser multado (creio ser essa a intenção). Do jeito que está, observando rigorosamente a determinação municipal, nenhum carro pode entrar ou sair de um posto de gasolina porque está sujeito a ser multado. Espero que os competentes engenheiros de trânsito sejam imediatamente chamados para orientar Jilmar Tatto nas decisões absurdas que tem tomado, mostrando que não conhece São Paulo além do Largo do Socorro.

JOSÉ CARLOS DE CASTRO RIOS

jc.rios@globo.com

São Paulo

MULTAS

Inspeção veicular

Mais uma pegadinha do prefeito Haddad. Anunciou em campanha eleitoral que ia acabar com a inspeção veicular. Criou uma grande polêmica. Cancelou o contrato com a Controlar, que fazia a vistoria. Deixou os proprietários de veículos sem saber o que valia. Hoje descobri o golpe: recebi uma multa de R$ 550 por não ter feito a inspeção. Foi uma maneira bem sorrateira de a Prefeitura receber R$ 550, em vez de uns trocados da Controlar. Esta foi boa, prefeito! Mas não é assim que se governa.

GASPAR GASPARIAN FILHO

gaspar@sanktgallen.com.br

São Paulo

Carros clonados

O que mais incomoda nessa situação (2/2, A20) é o proprietário vítima ter as multas das infrações cometidas pelo dublê indeferidas pelo DSV (ou outro órgão autuante) e se sentir um mentiroso ou falsário. É mais fácil indeferir do que apurar e simplesmente tratar a vítima como culpada por haver um dublê do seu carro. No antigo Detran, quando era comandado pela Polícia Civil, inicialmente se trocavam as placas do veículo com formatos diferentes de letras, números e tamanho, para constatação e comprovação das multas seguintes (com fotos) que chegassem do veículo infrator (o dublê). Posteriormente, autorizava-se a mudança da numeração da placa do veículo da vítima e se expediam novos documentos, com a nova numeração de placa, e se colocava a numeração anterior nos registros e bloqueios de veículos procurados.

ARCANGELO SFORCIN FILHO

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

TORCIDAS

Fim da impunidade

Li no Estadão que finalmente acabou a impunidade das torcidas. A mãe de um deles já deu uma bela bronca no travesso!

LUIZ HENRIQUE PENCHIARI

luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

*

MUDANÇA NA SECOM

Com a constância e o crescimento dos inúmeros malfeitos, tropeços e trapalhadas do governo federal, revelados diariamente pela imprensa, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência (Secom) acaba de substituir Helena Chagas por Thomas Traumann (apadrinhado de Franklin Martins), tendo por objetivo um jornalismo mais agressivo e contundente. A Secom, que em seus estatutos tem como função a disseminação de informações de interesse público, acabou sendo transformada no núcleo central de marketing e comunicação da campanha de reeleição "Dilma 2014", para espanto geral daqueles que a consideravam tão somente um órgão público apartidário. Cabe, aqui, anotar que é preciso mudar os fatos e as notícias, não o jornalista que as divulga. Muda, Brasil!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

A VOLTA DE FRANKLIN MARTINS

A troca inesperada de Helena Chagas, ministra da Comunicação Social, por outro escolhido por Franklin Martins, que finalmente volta às fileiras dos mais chegados à Presidência, demonstra que a campanha de Dilma Rousseff não poupara esforços nem enormes quantias em dinheiro público da Secom para usar contra os adversários, contratando blogueiros a seu serviço, como também a "cooptação de gente bastante ativa na internet que, nas campanhas anteriores, esteve nas fileiras da oposição". Como a própria presidente disse que em campanha pode-se "fazer o diabo", esse golpe baixo seria fichinha em termos de truques pouco dignos. Todo o cuidado é pouco quando essa gente acha que está numa verdadeira "guerra". A oposição que se cuide. Os ratos já estão à solta!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

REFORMA MINISTERIAL

Como bem disse Maquiavel, para avaliar a inteligência de um governante, basta olhar para os que estão à sua volta...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

EDUCAÇÃO

Está comprovado que a Educação é de pouquíssima ou nenhuma prioridade para o PT. Haja vista a velocidade com que o ilustre Aloizio Mercadante abandonou a pasta para ir para a Casa Civil. Esse é o Brasil que os petralhas tanto amam e que, infelizmente, o povo aprova.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

MERCADANTE, O HOMEM FORTE

Outra versão pitoresca do "cara" de Obama para Lula. O que se sabe bem de Mercadante é ser um ótimo "travador", inclusive com dossiês fajutos. Talvez seja o que o "poste" esteja esperando do seu homem forte, enquanto vai pelo Brasil esbanjando dinheiro público em campanha política.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

A REELEIÇÃO FAZ A REFORMA

Muito bem dito: "o que não tem nada de natural e tudo de indecente". É mais do que chegada a hora de dar um basta nesta festa para evitar depois da reeleição um inquérito no Ministério Público nos acertos de contas ou evitar mais manifestações populares iguais às de junho passado. Estamos vivendo uma ditadura-democrática em matéria de propaganda eleitoral para a reeleição de nossa presidente. É um horror! Nós, brasileiros, não merecemos!

Monica de Queirós Mattoso

mqmattoso@gmail.com.br

Ilhabela

*

‘MENOS MARKETING E MAIS TRANSPARÊNCIA’

Embora seja contra o PT, existem alguns assuntos em que a gente fica em dúvida se não há intolerância contra os petistas. O caso da escala da presidente Dilma Rousseff em Portugal é um desses casos que me deixam em dúvida. Mas, depois de ler um artigo como "Menos marketing e mais transparência", do jornalista Carlos Alberto Di Franco (3/1, A2), a dúvida acaba. E ainda desperta para pontos obscuros que a gente não costuma observar. Com argumentos serenos, criteriosos, verdadeiros e convincentes, Di Franco mostra que o marketing hoje está forjando líderes da mentira com uma aparência superficial de verdade, com isso camuflando o que, mais do que um direito, é uma obrigação do povo: fiscalizar. O marqueteiro hoje é um mentiroso que, a partir de referências falsas, tergiversa valores verdadeiros essenciais ao bem-estar social.

Luiz Antônio da Silva

lastucchi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

INÉRCIA IRRITANTE

"Mudar, com pé no chão e visão de futuro." Título do artigo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no domingo (2/2, A2). Aborda com propriedade a pífia administração da atual presidente, Dilma Rousseff, citando desde a insatisfação do povo nas ruas em junho do ano passado até o último escorregão, a mal explicada aterrissagem secreta em Portugal. O rol da incompetência administrativa é vasto. E o que tem feito o PSDB, maior partido oposicionista, além de notinhas despercebidas em jornais? Absolutamente nada. Terá uma carta de alto valor na manga, capaz de desbancar a situação? Acredito que não, pois nem no jogo entrou. Assim fica fácil demais, os "donos" atuais do poder treinam incansavelmente há 11 anos jogadas ensaiadas com blefes e trapaças. Realmente, os eleitores não mostram sinais de cansaço, como afirmou no início do artigo, a fadiga é patente entre todos os que sempre apostam para um Brasil melhor.

Sérgio Dafré

Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

OPOSIÇÃO

Que a oposição é incompetente todos sabemos. Ponto final. Mas vamos nos reorganizar, perceber os pontos fracos do PT, vamos fazer algo mais sério para combater estes bandidos que tomaram conta do poder. O governo central não é dono do País. Mas, a cada dia que passa, isso se torna mais perto da realidade. Vamos reagir ao PT. Voltemos a ser brasileiros.

Geraldo Banaskiwitz

geraldo.banas@gmail.com

São Paulo

*

PAÍS MARAVILHA É DELÍRIO

A palavra de um grande estadista sempre vai valer, ou enriquecer qualquer história institucional, mais do que figuras públicas demagogas, populistas como, por exemplo, de um Lula ou Dilma Rousseff. E FHC, este estadista que aprendemos a admirar, e que fez o possível em seu governo para que o Brasil avançasse como Nação, mais uma vez nos brinda com um excelente artigo no "Estadão" ("Mudar, com pé no chão e visão de futuro"). É lógico que o ex-presidente não acredita que essa tarefa em tempo algum poderá ser realizada por uma administração como a petista que há quase 12 anos no poder só consegue protagonizar indignações. E FHC dá o caminho de como mudar uma Nação, com pé no chão e visão de futuro, sugerindo que "o governo seja simples, mais honesto, diga a verdade, mostre os problemas e não se fie no estilo "Brasil maravilha". "E que seja mais poupador de impostos, reduzindo-os para todos e não apenas para beneficiar as empresas ‘campeãs’, ou ‘estratégicas’." Sabemos muito bem de quem está falando... E, aproveitando esse gancho do estadista tucano, nada melhor do que recomendar aos milhões de eleitores deste nosso país que se eleja um novo presidente capaz de realizar mudanças, com pé no chão e visão de futuro, privilegiando o bem comum. E a tal data já está marcada: outubro de 2014. Até lá, gente boa!

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

RECADO À OPOSIÇÃO

Em suma, o que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deixou claro em seu artigo de domingo no "Estadão" é que, com tantas lambanças, desmandos e incongruências do governo Dilma, a oposição também dará um recibo de grande incompetência se não despachar a "cumpanheirada" petista do "pudê", logo no primeiro turno das eleições deste ano...

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

SÓ VALE SE ME FAVORECE

Circula na internet uma foto do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, ao lado do empresário Antonio Mahfuz, morando em Miami após problemas com a Justiça brasileira. A foto foi postada pelo PT com texto criticando o ministro por deixar-se fotografar ao lado de um procurado da Justiça. O ministro conhece a pessoa? Sabe de seus ilícitos? Pediu-lhe documentos? Pesquisou-o antes de se deixar fotografar? O PT se aproveita de qualquer coisa para denegrir a imagem daqueles que não fazem parte der seus ideais. Ora, quando uma personalidade circula por espaços públicos, chama a atenção de seus admiradores, que lhe pedem uma foto em sua companhia. Se eu encontrasse o papa Francisco, Mandela (falecido), Pelé, Fernando Henrique, Marina Silva, Obama e até Mickey, eu pediria para ter uma foto em sua companhia. No caso específico da foto de Joaquim Barbosa com Antonio Mahfuz, o texto que a acompanha diz que o empresário tem vários processos por estelionato. Se é um foragido, ele vive em Miami, em liberdade e sem ordem de prisão pela Interpol. Dito isso, seria bom comparar essa foto com aquela tirada nos jardins da casa de Maluf, na qual aparecem Lula e Haddad felizes, cumprimentando o anfitrião que tem ordem de prisão pela Interpol e não pode sair do Brasil porque, se o fizer, será preso. Naquela ocasião só faltaram os abraços e beijinhos, se é que não houve, longe das câmeras dos fotógrafos. Portanto, o que têm a dizer os petistas que postaram a foto, numa demonstração clara de revide por causa dos condenados do mensalão? Luiz Eduardo Greenhalgh, advogado petista, lembrou-se da foto na casa de Maluf, quando fez várias postagens da foto de Joaquim Barbosa? Tudo se pode fazer em época de eleição, mentiras, dossiês falsos, para prejudicar a imagem de opositores. Como alguém já disse, "pode-se fazer o diabo".

Alvaro Salvi

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

HIPOCRISIA

Pobres petistas, não têm do que reclamar a respeito do caráter do ministro Joaquim Barbosa, então ficam de plantão aguardando uma oportunidade para ver se conseguem manchar a honra deste brasileiro que colocou essa quadrilha na cadeia. Quem estaria interessado em saber quem é o sujeito da foto que aparece ao lado do ministro Joaquim, a não ser os mensaleiros que não se conformam com a justiça, ainda que tardia, que lhes foi aplicada? Interessante observar que Lula anda de braços com Sarney, Maluf, Collor, que tanto mal fizeram e fazem aos brasileiros, e nesse caso tudo bem? Falta do que fazer mesmo, só quando vão presas essas pessoas procuram trabalho...

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

COMPARAÇÃO INFUNDADA

O deputado André Vargas, do PT (partido dos trambiqueiros) do Paraná, tem a ousadia de querer comparar Lula com o ministro Joaquim Barbosa. Impossível, senão vejamos: um trabalha há mais de 40 anos, o outro não trabalha há mais de 40 anos; um é presidente da mais alta Corte, o outro é chefe dos aloprados, quadrilheiros; um defendeu publicamente o caixa dois, o outro levou à prisão os que praticaram o caixa dois; um sempre sabe das coisas e o outro nunca sabe de nada, nunca viu nada... Um deve ter feito doação aos amigos condenados/presos, enquanto o outro jamais faria isso, verdadeira afronta; um se expôs durante todo o processo de julgamento dos quadrilheiros e o outro, como de costume, aninhou-se com eles. Ô, deputado, quer mais ou ficamos por aqui?

Hélio José Cury

heliocury@gmail.com

São Paulo

*

ARROGÂNCIA E PREPOTÊNCIA

Pela primeira vez na história do Brasil um presidente pisou na Constituição, conforme fez o sr. Lula da Silva por inúmeras vezes. Pela primeira vez na história deste país um condenado pela Justiça desacata o presidente do STF - é o que fez o "dito" deputado João Paulo Cunha, por escrito, via imprensa, dentro de sua própria visão de ser um cidadão "imaculado e sem pecados", como todos os integrantes do PT. Convenhamos, é muita arrogância e petulância esse deputado de fala fina, pegajosa e subserviente querer julgar o ministro Joaquim Barbosa quando não foi ele o único a condená-lo, mas a maioria do Supremo. E maior sua petulância em declarar, ameaçadoramente: "Caro ministro, o senhor pode muito, mas não tudo". Até parece que ele se mirou no espelho petista para fazer tal acusação desrespeitosa, ao bom estilo lulista quando abria a boca para proferir suas sandices, como quando, fora do País, desmereceu, de longe e covardemente, o Exército brasileiro. Êta, povinho infeliz se deixando influenciar por figuras desse quilate.

João Roberto Gullino

jrobertogullino@gmail.com

Petrópolis (RJ)

*

CARTA SEMIABERTA

Pela sua condição de condenado pelos crimes de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro por sua participação no mensalão e cuja pena foi mantida por unanimidade do plenário do STF em 13 de novembro de 2013, após julgamento de recurso do réu, João Paulo Cunha deveria se abster de colocar como único culpado por sua condenação o ministro Joaquim Barbosa. Além do mais, essa ridícula, e sem conteúdo, carta aberta ao ministro Joaquim Barbosa publicada pelo condenado deveria com mais propriedade ter sido intitulada carta semiaberta, para ficar consistente com a condição prisional atual de João Paulo.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A ‘VAQUINHA’ DO PT

Difícil saber se as tais doações para pagamento das multas a que foram condenados José Genoino e Delúbio Soares foram sinceras e espontâneas, fruto de reflexão e do convencimento de que as punições a eles cominadas pelo STF foram "injustas". Mesmo que se admita - por mero amor à argumentação - a hipótese de ditas doações estarem devidamente identificadas, com nome e CPF do doador, ainda assim não há de escapar aos mais atentos que o PT impõe desde sempre um dízimo aos filiados que ocupam cargos na administração pública em todos os níveis de governo - e são milhares esses felizardos que mamam nas tetas da viúva Brasil afora. Dentre esses, há os que ocupam cargos de confiança, alguns de alta remuneração, cargos de livre nomeação, podendo, portanto, seus ocupantes serem demitidos "ad nutum", numa simples penada da autoridade superior. Num ambiente assim, em que manda quem pode e obedece quem tem juízo, a simples sugestão da chefia para que o "companheiro" procure ajudar na "vaquinha" ao condenado se transforma, para bom entendedor, em ordem direta para a colaboração, que, em se tratando de PT, é tão "espontânea" quanto o dízimo arrecadado à militância.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

DOAÇÕES

Como as doações dos companheiros petistas de quase R$ 2 milhões em poucos dias, para José Genoino e Delúbio Soares, saldaram as dívidas com a Justiça, o PT não precisa mais posar como refém do caixa 2 (Dora Kramer, 2/2, A6). Lembrando que partido político é uma organização constituída por cidadãos em torno de ideias políticas e movido pelo espírito público, por que sobreviver de recursos públicos vindo do Fundo Partidário? Será que as doações de pessoas físicas somadas às contribuições lícitas de empresas não mudariam esse cenário de nepotismo em que familiares dos donos da legenda (32 partidos) sobrevivem à custa do dinheiro público?

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

REBANHO

Devido ao sucesso das vaquinhas de Genoino e de Delúbio, o deputado Ronaldo Caiado teme perder a liderança da Bancada Ruralista.

Claudio Juchem

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

MANOBRA LEGAL

Como se não bastasse os "embargos infringentes" atenuando as penas dos mensaleiros, agora a vaquinha organizada para quitar as multas impostas pelo STF foi considerada manobra legal por este. A Receita Federal, no âmbito de suas ações, bem que deveria, como dever de ofício, rastrear as doações, já que são efetuadas por depósitos identificados, e verificar se seus doadores têm lastro para tal. Apesar de serem isentas de Imposto de Renda, as doações, o recebedor delas, é obrigado a pagar o ITCMD, que varia de 4% a 8%, dependendo do Estado. Assim, a pena de prisão, bem como a pena pecuniária, não deixa de ser uma condenação - no Brasil a pena pecuniária é financiada por aliados do réu, através de campanhas pela TV. Êta Brasilzinho mesmo.

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho

arluolf@hotmail.com

Itapeva

*

CUMPLICIDADE

Os excelentes resultados das "vaquinhas" do PT são nada mais do que a confissão da cumplicidade dos militantes com os crimes cometidos. E, o pior, à ideologia trotskista de que os fins justificam os meios.

José Antônio Garbino

garbino.blv@terra.com.br Bauru

*

FECHARAM O CÍRCULO

O Estado brasileiro está tão bem aparelhado que seus funcionários em cargo de confiança, oficialmente 25 mil - na verdade são mais de 50 mil - conseguem transformar vaquinhas em touros bravos em poucas horas. Os mensaleiros estão tendo suas penas pecuniárias pagas com doações compulsórias dos tais funcionários, sob o risco de perderem os cargos, caso não ajudem os "cumpanheiro". Ou seja, os não condenados oficialmente estão pagando pelos condenados. Espero que notifiquem ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o erro cometido, quando não especificou na sentença final que as multas poderiam ser pagas por terceiros e com dinheiro público, fechando o círculo da corrupção.

Humberto de Luna Freire Filho

hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

JOGADA AMADORA

Absolutamente incrível a "esperteza" dos petistas. Eles lançaram campanhas de doação para que os seus "coitadinhos" condenados por participação no escândalo do mensalão possam pagar as multas impostas pelo Supremo Tribunal Federal. O objetivo é passar a impressão de que, a partir da obtenção de vultosas doações, muitos estariam ao lado dos petistas, manifestando, assim, seu descontentamento pelas penas. Ora, resta evidente que se trata de uma falácia - uma série de pesquisas anteriormente realizadas deram conta de que, até mesmo entre simpatizantes do PT, a maioria está ao lado do STF e, pois, da Justiça, e contra a impunidade. A suspeita óbvia é de que petistas graúdos ou gente íntima à máquina partidária possa estar participando em massa das tais "campanhas". Mas essa jogada amadora do PT é o de menos - lamentável mesmo é que, com ela, o partido demonstra que não aprendeu nada com os graves desvios morais cometidos por meio da montagem do maior esquema de corrupção da nossa recente história republicana.

Henrique Brigatte

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

OPORTUNIDADES PERDIDA

Aproveitando a boa vontade/generosidade dos doadores "em prol" dos meliantes do mensalão, as multas estipuladas deveriam ter o valor de toda a quantia "angariada" pelo bando durante o esquema. Quanto foi? Pesquisei (um pouco) e vi algo entre R$ 101 milhões a R$ 350 milhões... Mas aí, será que os "doadores" seriam generosos a tal ponto? Ai, ai... Isso porque estamos falando do mensalão, um "boi de piranha" que deixou uma manada muito mais impressionante de picaretagens ficarem de fora do radar. Vivo num circo, e não num país. Meu nariz é vermelho e redondo.

Vivien Marion B. Hornett

hornettvivien@hotmail.com

São Paulo

*

NÃO TEM PREÇO

Perdoar dívidas de países africanos, US$ 1 bilhão; construir um porto em Cuba, US$1,2 bilhão; fazer uma Copa, não sei, mas sei; pagar as multas de mensaleiros, não tem preço.

Nelio Esquerdo

nelioesquerdo@terra.com.br

São Paulo

*

ESTRANHO

O Ministério Público deveria investigar estas "doações" que os mensaleiros receberam para quitar suas multas. Deveriam solicitar a divulgação dos nomes e valores. Isso tudo é muito estranho. O mais interessante é que, se alguém sem condições tentar fazer uma campanha para arrecadar fundos para uma cirurgia/transplante, por exemplo, é super difícil e, na maioria das vezes, não consegue. Realmente este mundo é muito estranho.

Marcelo de Moura

mdemoura@globo.com

São Paulo

*

FICOU CLARO

A rapidez com que foram "doados" quase R$ 1,8 milhão para os mensaleiros Genoino e Delúbio pagarem suas multas com a Justiça e a quantidade de "doadores" mostram como é imensa e poderosa a rede de tentáculos construída e mantida pelo partido-máfia que hoje (des)governa este país. Mostra também para onde vai uma grande parte da carga tributária de quase 40% que assola a produção brasileira e mantém o País no atoleiro em que se encontra.

Jorge Manuel de Oliveira

jmoliv11@hotmail.com

Guarulhos

*

JOSÉ GENOINO

É errado informar que José Genoino (foi) "deputado federal ‘licenciado’". Ele nunca foi "deputado federal ‘licenciado’". Ele foi suplente de deputado federal. Assim como é errado informar que o "deputado federal ‘licenciado’" José Genoino renunciou ao mandato de deputado federal. Quem renunciou foi o suplente de deputado federal José Genoino. José Genoino renunciou à sua suplência na Câmara dos Deputados. Suplente de deputado não se licencia. Quem se licencia é o deputado eleito. Os suplentes (de vereadores e de deputados estaduais e de deputados federais e de senadores) não se licenciam. Eles (os suplentes) substituem os eleitos (os titulares). O suplente de deputado federal pode ser deputado federal, mas não pode ser deputado federal "licenciado". O suplente não tem mandato. Ele nunca será "ex-deputado federal ‘licenciado’". Ele será ex-suplente de deputado federal. Como alguém pode se "licenciar" de um cargo que não tem?

Ney José Pereira

neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

REGIME DE DETENÇÃO

José Genoino foi internado em hospital após passar mal novamente. Tudo bem, senhor Genoino, ao invés de ficar internado no Presídio da Papuda, fica logo num hospital. Mas nada de regime semiaberto, combinado?

Maria Elisa Amaral

luffersanto@bol.com.br

São Paulo

*

SISTEMA PRISIONAL

O artigo "As masmorras consentidas", de autoria do advogado Miguel Reale Júnior (1/2, A2), apresenta mais uma brilhante defesa da melhoria das condições em nossos presídios, sabidamente desumanos (masmorras) não é de hoje. Todavia, seria também muito mais interessante melhorar as condições para as vítimas dos prisioneiros, sabidamente desamparadas pelo Estado e especialmente pouco lembradas pelos juristas.

José Elias Laier

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

‘AS MASMORRAS CONSENTIDAS’

Lendo o artigo em foco (1/2, A2) pareceu-me estar numa feira livre, numa banca de abobrinhas, tamanhas sua variedade. O sr. ex-ministro da Justiça escancara a falência da tal Lei de Execução Penal, cujas medidas não foram (durante 30 anos!) aplicadas, nem mesmo durante a sua gestão no citado Ministério. Reclama das condições prisionais (superlotação, ócio/vagabundagem remunerada, dificuldade na progressão de regime carcerário, entre outras) dessas joias da sociedade. Propugna por medidas de suporte, mas omite que essas mesmas medidas são negadas à maior parte da população não criminosa produtiva e pagante dos impostos que sustentam essas chagas sociais que são os presídios; quando o fazem, reivindicam por puro proselitismo oportunista . Sr. ex-ministro da Justiça, vivemos num país em que o banditismo em todas as esferas da sociedade é patente, e esse, sim, consentido. Estamos em meio a uma guerra praticamente perdida para o crime. E não é palavrório paternalista a arma correta para o combate. São atitudes punitivas que infundam medo ao erro, sim. E de forma dura e eficaz, para tentar que, primeiro, não delinquam e, quando o fizerem, se recuperem e mereçam ser reinseridos na sociedade que os sustenta e à sua família (ah, as bolsas...). Senão, as saidinhas no Dia dos Pais para aqueles que não têm filhos, no Natal, no Dia das Mães, etc., que eles comemoram estuprando, assaltando, traficando e matando, continuarão a acontecer, pois são, na verdade, facilitação para que persistam na vida criminosa, mesmo para os que voltam. São muito poucos os que, beneficiados pelas atuais diretrizes, se reciclam e ganham a condição de voltar a pertencer à sociedade: são tiros no escuro, verdadeiras apostas sem qualquer avaliação séria de possibilidade de recuperação que, ao sabor do acaso, acabam por se concretizar; é porque, mesmo nesse meio, já haviam entendido o valor da vida limpa e da liberdade. Esses, sim, merecem ser assistidos. Deveria constituir vergonha a crescente criminalidade, há poucos dias declarada (não dá mais para esconder) por um evidentemente constrangido e pouco ou nada convincente nas justificativas secretário de Segurança Pública do nosso Estado, e a sugestão de "abrir o gargalo" da progressão da pena. E olhe que o que há de bandidos livres, desde pés de chinelo a graúdos até amparados por fiéis seguidores (ou comensais), é uma parcela considerável dos que deveriam estar engrossando essa população. Que nem se fale dos mandados não cumpridos e criminosamente protelados. E também da hostilidade à atuação da Polícia, essa, sim, estigmatizada por combater o crime, e tolher de todas as formas seu papel na organização do Estado: se agem, devem fazê-lo com brandura e, se não agem, deixam a população desamparada e desprotegida. O povo decente deste país já está saturado de blá blá blá e de sustentar o banditismo em todas as esferas, inclusive a carcerária. Aqueles que acreditam na recuperação nesse molde mostrem, na prática, que estão convencidos: lutem para poder abrigar esses estigmatizados e os levem para cumprir a progressão da pena no sagrado, bem intencionado e sadio ambiente de sua própria família. Quero ficar vivo para ver...

Ricardo Hanna

ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

*

TERRORISMO NO FUTEBOL

Cerca de cem trogloditas que se dizem torcedores do time invadiram o Centro de Treinamento do Corinthians, armados de paus e pedras, e efetuaram agressões, roubos e depredações como se fossem seres da Idade das Pedras recém-desembarcados na era moderna. O clube chamou a polícia, mas a PM não prendeu ninguém. Mas não prendeu por quê? Um dos elementos, entre os invasores, foi identificado como um velho conhecido da polícia e do clube e, além de passar um tempo na prisão boliviana, continua com a sua insensatez e já fez o Corinthians perder mando de campo várias vezes. O título desta carta se deve ao grito de guerra dos meliantes: "Ou joga por amor ou por terror". Obviamente, a reação dos jogadores, que tiverem de se esconder numa sala e colocar barricada na porta, seria negar-se a jogar no domingo (2/2) em Campinas. Ora, esse verdadeiro absurdo tem de parar de vez e a solução é enquadrar os baderneiros não no Código do Torcedor, mas no Código Penal, por formação de quadrilha, invasão de propriedade particular, agressões, furto e o que mais couber. Segundo o "Estadão", alguns "valentes" estavam mascarados. Ora, tenho por mim que essas pessoas não esperam que, ameaçando os jogadores, eles joguem melhor, mas agem assim por causa da impunidade e em sua visão distorcida da realidade acreditam que estão se tornando famosos e fazendo acontecer. Como truculência e terrorismo nunca foram solução para cosa nenhuma, o Corinthians perdeu para a Ponte Preta e dois jogadores da defesa foram expulsos. O clube, aliás, historicamente, sempre foi vítima de pessoas destemperadas. Por causa delas, o maior goleiro do Brasil de todos os tempos, Gylmar dos Santos Neves, e o genial Roberto Rivelino acabaram se transferindo para outros times e se tornaram campeões do mundo.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

VÂNDALOS

Só uma pergunta: como podem chamar de torcedores os vândalos e bandidos que invadiram o CT do Corinthians ameaçando os jogadores com o slogan "ou joga por amor ou joga por terror"?

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

TORCIDAS ‘ORGANIZADAS’

As torcidas "organizadas" são necessárias? De alguma maneira elas realmente ajudam os times a ganharem? Eu responderia "não" a ambas as perguntas. Um time realmente bom vence com ou sem as tais torcidas. Para os clubes, muito mais interessantes são os sócios pagantes. Então não há motivo para estimular esses bandos que ignoram que futebol é apenas entretenimento. Frequentemente essa "paixão" do torcedor por seu time não tem nada que ver com liberdade de pensamento - na maioria das vezes os pais desses torcedores já na maternidade colocaram os escudos dos seus times na porta do quarto e vestiram os inocentes bebês com seus uniformes. Na realidade tudo não passa de fanatismo, da mesma espécie que embala os homens-bomba. Enfim, tudo muito compreensivo num país que valoriza muito mais o circo do futebol do que o pão da cultura. Creio que este ótimo divórcio entre a diretoria do Corinthians e sua torcida organizada não tem futuro - tudo por causa do circo.

Nestor Rodrigues Pereira Filho

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

REFLEXO DA SEGURANÇA PÚBLICA

O que aconteceu no Parque São Jorge nesse fim de semana (em tempo, não sou corintiano) é um reflexo do que acontece em nosso país, em matéria de segurança pública: as leis que não punem, a Justiça que é lenta e a impunidade que é geral. Queimam-se ônibus, mata-se no trânsito por motivos torpes ou bebedeira de motoristas, as passeatas justas se transformam em badernas generalizadas (incluem-se aí os rolezinhos, etc.) e, quando a polícia reage, é acusada de agir com força desmedida. Enquanto isso vêm o secretário de Segurança e o governador com estatísticas de redução da criminalidade. Senhores secretários, governadores, presidente da República, saibam que a população está farta de conversa e quer ação e punição exemplar de todos aqueles que, acintosamente, desafiam a sociedade e as leis, na certeza da impunidade. Todos sabem quem são os invasores do Parque São Jorge, que estão certos de que não serão criminalizados. Esqueçam as eleições que se aproximam e cumpram com o seu dever, para que possamos sair de casa com um mínimo de segurança. Prestigiem a polícia militar e deixem que ela exerça suas funções sem injunções políticas e pré-eleitoreiras, pois hoje não mais sabem como agir. Aí, quem sabe, poderemos ter esperança de mudanças para melhor.

Roberto L. P Silva

robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

*

PUNIÇÃO

O que o governo do Estado, a Secretaria de Segurança e o Comando da Polícia Militar fizeram no episódio da invasão do Corinthians se chama prevaricação, que é quando o agente público não cumpre seu dever de agir. Aquilo foi invasão de propriedade privada, destruição de propriedade privada, tentativa de homicídio, porte ilegal de armas, formação de quadrilha, etc., etc. Tinham de ser presos em flagrante. Chega de utilizar o termo "torcida organizada", são gangues, quadrilhas, bandos. Chega de lhes reservar espaço na arquibancada, chega de fazer comboios de ônibus com escolta da polícia, chega de relacionamento das diretorias dos clubes com as gangues.

Antonio C. Ciccone

cicconeac@hotmail.com

São Paulo

*

OPERAÇÃO TARTARUGA NO DF

A violência no Distrito Federal (DF) aumentou muito no início de 2014 devido a um duplo crime de Estado. De um lado, os criminosos, que usam farda, realizam o que a imprensa chama de "operação tartaruga", quando na realidade se trata de motim, um crime gravíssimo, que pode levar à expulsão da corporação, depois de os amotinados serem submetidos a conselhos de justificação (no caso de oficiais) ou disciplina (no caso de praças). De outro lado, existe o crime de prevaricação das autoridades, a começar pelo comandante do batalhão da Polícia Militar, onde existem amotinados, que não faz valer sua autoridade, que é intransferível, passando pelo comandante-geral da PM, pelo secretário de Segurança Pública e finalizando no governador Agnelo Queiroz (PT), que apenas ameaça e nada faz. Não sei quem é o maior criminoso nessa história macabra, porque quem passa a mão na cabeça de criminoso criminoso também é!

Félix Maier

felix.maier50@gmail.com

Águas Claras (DF)

*

A GCM E A SEGURANÇA DOS ÔNIBUS

O prefeito Fernando Haddad (PT) demonstra desconhecimento ao afirmar que Guarda Civil Metropolitana (GCM) não pode atuar na segurança de ônibus. É com imenso pesar que nós, operadores da Guarda Civil Metropolitana, constatamos que o prefeito da cidade de São Paulo não tem conhecimento das funções da GCM nem tão pouco das obrigações da Prefeitura. Este jovem senhor tem, já em tão pouco tempo à frente da Prefeitura, um bom histórico de confusões, começando pela condução desastrosa da questão do aumento da tarifa de ônibus, em que a sua demora e indecisão em tratar da questão foram fatores preponderantes para que ocorressem as maiores manifestações espontâneas já vistas no Brasil, muitas delas que terminaram em cenas surreais de vandalismo e de revolta popular. Recentemente, mais uma vez, na questão do IPTU, Haddad demonstrou seu jeito confuso de governar, com o anúncio nos meios de imprensa de resoluções das questões sociais, principalmente o enorme déficit de creches, vinculando a milagrosa solução com o aumento do IPTU, sem nem sequer pensar na razoabilidade da questão, crendo, inocentemente, que um aumento muito acima do índice inflacionário do IPTU poderia vir sem ser repudiado por movimentos sociais e combatido na esfera judicial, o que de fato ocorreu. Agora, mais uma vez este senhor parece não pensar na consequência de seus atos ou de suas palavras e chama toda uma categoria de destreinada e incompetente para atuar na proteção dos ônibus, sem nem sequer tem o conhecimento mínimo da matéria, obrigação daquele que exerce o cargo político de maior relevância no município. Haddad tem o dever de, minimamente, saber as funções dos seus órgãos subordinados, principalmente as atribuições oriundas da Constituição federal. Ocorre que, no aspecto legal, a GCM tem por obrigação a defesa dos bens públicos, de uso comum e especial, bem como a proteção dos serviços municipais, o que inclui os serviços de transporte público municipal. Podemos afirmar que os ônibus municipais estão dentro do que chamamos de bens públicos de uso especial, e o transporte, além disso, é serviço municipal de caráter "essencial" de responsabilidade da Prefeitura, conforme prevê a Constituição federal em seu artigo 30, inciso V. Cabe, ainda, observar o desconhecimento de Haddad das principais leis da cidade, pois a GCM é órgão de execução do Sistema Integrado de Segurança Urbana, destinado a prestar o pronto atendimento à segurança primária e preventiva da população da cidade, art. 15 A das disposições transitórias da Lei Orgânica de São Paulo. E também desconhece os artigos 45, 46 e 47 da Lei n.º 13.430, que estabelece o Plano Diretor da Cidade, os quais resumidamente, comprovam que o município tem o "dever" de assegurar a integridade física e patrimonial dos cidadãos da cidade, e que a GCM é o principal órgão executor dessa premissa básica. Ao contrário do que Haddad afirma, a GCM está há muito tempo preparada e atua na segurança pública, pois atende diariamente a diversas ocorrências policiais de tráfico de drogas, roubos, homicídios, latrocínios, etc., enfrentando, no seu dia a dia, pessoas armadas e de alta periculosidade, com o sacrifício muitas vezes da vida do GCM. O reconhecimento da GCM não está nas palavras deste confuso senhor, mas a sua atuação como órgão de segurança pública foi de fato e de direito reconhecida como capacitada pelos seguintes órgãos: 1) Pelo TJ-SP, em milhares de acórdãos que são decisões de segunda instância, em casos de prisões realizadas por GCMs, em que desembargadores decidiram que o GCM é agente policial e tem o dever de atender ocorrências policiais de roubo, furto, tráfico de drogas e outras e que o depoimento do GCM goza de legitimidade tanto quanto o depoimento de outros policiais (Acórdãos TJ-SP números: 02083138, 02083466, 02088024, 01988357). 2) Pelo Deic - Policia Civil que em matéria jornalística sobre os primeiros ataques do PCC em 2/12/2003, afirmou que a GCM é órgão da hierarquia policial e atuou com vigor nas investidas do PCC no ano de 2006, que mesmo sem recursos rechaçaram ataques das bases da GCM, pelos bandidos do PCC, que se utilizavam de armamento pesado. 3) Pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que afirma que o GCM é policial, portanto está impedido de exercer advocacia. 4) Pelo Ministério do Trabalho, que regulamentou a profissão de GCM como função policial, incluindo no Código Brasileiro de Ocupações CBO (2008) sobre o código 5172-15 (funções policiais) e traz em a descrição diversas atividades policiais, tais como: efetuar prisões em flagrante; prevenir uso de entorpecentes; realizar operações de combate ao crime em geral; transportar vítimas de acidentes; prestar segurança na realização de eventos públicos; escoltar autoridades; promover segurança nas escolas e imediações; fazer rondas ostensivas em áreas determinadas; deter infratores para a autoridade competente; abordar pessoas com fundadas suspeitas. 5) Pelo Ministério da Justiça, através do Estatuto do Desarmamento (lei 10.826/03) que considera a GCM como órgão policial, e exige formação policial com no mínimo 640 horas, corregedoria, ouvidoria, exames periódicos e cursos de aperfeiçoamento anual em São Paulo conforme informação do site oficial da Prefeitura o curso é de 840 horas, com estágio de qualificação todos os anos de mais 80 horas. 6) Pelos juízes e promotores que validam a função policial da GCM, dizendo que o GCM exerce função semelhante as do PM, sendo imprescindível que ande armado para defender os munícipes e a si próprio (processos: n.º 050.04.081810-1, n.º 050.04.065947-0, n.º 050.04.025797-5 e n.º 050.05.003739-0). 7) Pelo Metro (resolução 150/87), ao conceder isenção de passagens aos GCMs por afirmar ser o GCM policial do município. 8) Pelo presidente do TJ-SP, que proibiu a greve dos GCMs de São Paulo no ano de 2009, por serem funcionários policiais e pelo risco graves danos a segurança pública do município. Sendo assim, é inquestionável a capacidade de atuação da GCM, bem como é sua "obrigação" constitucional a proteção dos ônibus na categoria bens de uso do povo, e do serviço municipal de transporte público, ao contrário do que Haddad quer dizer. É, sim, sua obrigação colocar a GCM para proteção dos ônibus municipais, somente ele, por ser um político, ao que demonstra, confuso dispensa o uso de uma força de segurança capaz de auxiliar em muito a questão.

Eziquiel Edson Faria, presidente da Associação Brasileira dos Guardas Municipais (Abraguardas) presidente.abraguardas@gmail.com

São Paulo

*

FALTA DE PROFESSORES

Acredito que grande parte dos problemas sociais que afligem nossa população brasileira seria solucionada se houvesse o mesmo nível de educação para todas as crianças e jovens do País, de acordo com os parâmetros curriculares nacionais. Como é possível o governador do Estado anunciar em 2013 um concurso para 59 mil professores (concurso este que já foi concluído neste mês de janeiro) e o secretário da Educação anunciar no dia 31/1/2014 que há falta de professores neste início de aulas? E, além disso, referiu-se apenas à contratação de professores temporários, enquanto os milhares de concursados aguardam. Qual o grau de importância para o governo da contratação desses professores concursados que estão com seus nomes no "Diário Oficial"? Deixo aqui minha indignação e essas questões a serem respondidas para os educadores de um país democrata.

Luciana Mendes de Aguiar Maia

luciana@aguiar.com

Santana de Parnaíba

*

DOMINGO DE LUTO NO CINEMA

Triste a perda do cineasta e documentarista Eduardo Coutinho, aos 81 anos, e do ator Philip Seymour Hoffman, aos 46, ambos em 2/2/2014, no dia de Iemanjá, a rainha dos mares. Coutinho e Hoffman foram dois gigantes que muito engrandeceram a arte do cinema e dos documentários. Descansem em paz.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Lemos o editorial de 3/2/2014, sob o título "Reforma da Previdência é vital" (página A3), inspirado no estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), recentemente publicado, sobre o "bônus demográfico", que sinaliza para 2050 o crescimento da população acima de 65 anos para 19%, contra os 6,8% atuais, o que poria em risco o equilíbrio atuarial do nosso modelo previdenciário de repartição simples. Tudo bem, louvamos a preocupação de "O Estado de S. Paulo", geralmente recorrente em tais questões, em alertar as autoridades, do Executivo, do Legislativo e do Judiciário, bem como as dos Estados e municípios, coisa que nós, da Associação Nacional dos Servidores da Previdência Social (Anasps), vimos fazendo há 22 anos, pois vivemos e respiramos Previdência Social pública. É verdade que há grupos de pressão e opinião que se identificam com as vossas preocupações. Como é verdade que as lideranças dos trabalhadores são omissas e ignoram o presente o futuro da Previdência no Brasil. Só pensam no seu umbigo. O tema é estratégico e tem um viés que geralmente é deixado à margem, para o qual pedimos a vossa atenção: o destrambelhamento do financiamento e da receita previdenciária. O que tem de ser feito não é pensado na Fazenda. A arrecadação, na fonte, pode até crescer, mas a sonegação também cresce, em maior escala, além do que os parcelamentos de 20 anos, as renuncias e as desonerações contributivas fragilizam a Previdência. Também nada é fiscalizado, a dívida administrativa e ativa é cada vez maior e a recuperação de crédito é cada vez menor, menos de 1% da dívida. Não há regime que suporte isso! O que se clama em relação à Previdência é por uma gestão de qualidade, uma governança eficaz e efetiva e um controle adequado dos seus gastos. Não ajuda nada a terceirização da perícia médica para afrouxar a concessão de auxilio doença e aposentadoria por invalidez.

Paulo César Regis de Souza, diretor vice-presidente da Anasps

anasps@anasps.org.br

Brasília

*

DESVIOS DOS FUNDOS

As notícias da imprensa sobre o rombo da Previdência em dezenas de bilhões de reais omitem a verdadeira origem dessa situação. Trata-se dos desvios dos fundos previdenciários, ocorridos em 1942/1988, para sustentar integralmente a construção de Brasília, sendo assim, o pretendido aperto do governo das regras para benefícios deve ser direcionado também ao Tesouro, no sentido de ressarcir ao INSS das cifras confiscadas, permitindo a Previdência Social desenvolver suas atribuições, isentas de qualquer anomalia.

Alcides Benjamin Porcaro

porcaro2010@hotmail.com

São Paulo

*

REGIME ÚNICO

O problema somente será definitivamente resolvido quando for adotado o regime único da Previdência proposto em 1993 pelo então presidente FHC e impiedosamente torpedeado pelo PT capitaneado pelo então seu líder no Congresso, o mensaleiro José Genoino. Quem tiver dúvidas a respeito, consulte a edições do "Estadão" no seu acervo da internet.

José Gilberto Silvestrini

jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.