Fórum dos Leitores

MAIS MÉDICOS

O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2014 | 02h05

A primeira baixa

A cubana Ramona Matos Rodríguez, participante do programa Mais Médicos no Pará, descobriu que foi enganada por Cuba: estava recebendo US$ 400 no Brasil e outros US$ 600 ela receberia ao retornar à ilha. Além de denunciar estar sendo perseguida pela Polícia Federal, a médica contou que para se deslocar entre cidades precisava avisar um supervisor cubano que ficava em Belém. Felizmente, a dra. Ramona chegou ao Congresso, onde foi amparada pelo deputado Ronaldo Caiado, do DEM, e por isso não deve ter a mesma sorte daqueles atletas cubanos que o governo brasileiro devolveu rapidamente a Fidel Castro. Aos poucos vamos ficar sabendo mais do mirabolante projeto eleitoreiro Mais Médicos, que não passou de uma farsa para aliciar cubanos, sob a vigilância de um algoz. Claro que ela ganhava pouco. Quem paga o salário do seu algoz? O Brasil nesse acordo espúrio com Cuba está servindo à ditadura castrista, mas até as eleições muita água vai rolar por baixo da ponte. Aguardem!

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Deportação

Será que a dra. Ramona Rodríguez sabe da história de Rigondeaux e Lara? Se sabe, é melhor se aprontar para ser deportada.

JOSÉ ROBERTO PALMA

palmapai@ig.com.br

São Paulo

Banho de água fria

Ramona Matos Rodríguez é também a primeira integrante do programa Mais Médicos a pedir asilo. Quanto à fraude de que a dra. Ramona se diz vítima, todo mundo já sabia desse golpe: recebia somente US$ 400 para viver no Brasil, dos R$ 10 mil pagos aos irmãos Castro. E mais: o governo brasileiro está se esquecendo dos compromissos de natureza trabalhista, ou seja, os tais encargos trabalhistas. Na verdade, esse é um verdadeiro banho de água fria no governo e, com este calor, até que fará bem à presidente Dilma Rousseff.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Deslavada mentira

O mínimo que se espera de um ministro de Estado e da presidente da República é que não mintam para a Nação. No caso do contrato dos médicos cubanos, agora se sabe que tudo não passa de deslavada mentira. Dá para confiar na palavra deles? Eles merecem nossos votos?

LUIZ NUSBAUM, médico

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Tragédia cubana

O pedido de asilo da médica Ramona Rodríguez é o primeiro de outros que devem vir nos próximos meses. Essa bola já havia sido cantada pelos críticos do Mais Médicos quando foi anunciada a vinda dos cubanos. Tragédia mais do que anunciada e que trará desdobramentos, tanto internos como externos, negativos para o governo federal.

LUCIANO HARARY, médico

lharary@hotmail.com

São Paulo

Retaliações

Como toda bomba com o pavio aceso, essa também teria, mais hora, menos hora, de estourar. Dá-se início ao programa "Menos Médicos". A primeira a acordar, Ramona Matos Rodríguez, percebeu tardiamente, como "marido traído", que a contratação de médicos cubanos nada mais é do que uma forma de o PT enviar valores dos cofres públicos brasileiros diretamente para as mãos do governo ditatorial de Cuba. Já que dona Dilma é uma alma caridosa, como diz, ela que conceda urgentemente o asilo a essa cidadã que foi enganada por seu governo (e pelo nosso também). Além disso, dona Dilma interceda junto a seus grandes amigos do peito, os ditadores cubanos, e peça-lhes que não apliquem suas costumeiras retaliações aos familiares dessa pobre coitada, em especial à filha, com quem ela demonstra preocupação, com muita razão.

CELSO VICENTE FIORINI

celsofiorini@ig.com.br

São Paulo

Reféns

A imprensa brasileira deve ficar de olho nos parentes dessa médica em Cuba. Serão seriamente perseguidos (perderão os seus empregos, com certeza) para intimidar os médicos que se encontram aqui e que estejam tentados a fazer a mesma coisa. Quem tem pais, companheiros ou os filhos por lá, mesmo adultos, não vai poder agir com liberdade. São reféns.

ROZINA RODRIGUES

rozina@uol.com.br

São Paulo

O contrato

Uma das maiores fontes de renda de Cuba, hoje, é o fornecimento de médicos a países selecionados, como Venezuela, Brasil e outros. Para isso foram criadas condições para graduar médicos aos milhares e milhares. Esse serviço de exportação é cuidado pela recentemente criada empresa Comercializadora de Servicios Médicos S.A., cujo documento de constituição está na internet, em http://www.dncontabilidad.sld.cu/Doc/act/circulares/2012/CIRC %2001-2012.pdf. Nele chama a atenção que a empresa receba em pesos cubanos um valor numericamente igual aos valores que são pagos a Cuba em dólares. Como um dólar vale 24 pesos cubanos, a empresa fica com apenas 1/24 do valor que governos contratantes pagam pelos seus serviços. O fato de os médicos cubanos receberem cerca de R$ 1 mil a cada R$ 10 mil pagos à empresa sugere que o governo brasileiro pode estar pagando a Cuba bem mais do que os alegados R$ 10 mil por médico por mês. Convém averiguar.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

Petismo

Eugênio Bucci (PMFiespDB, 6/2, A2) pergunta se a publicidade em cartaz da Fiesp está a serviço da indústria ou do PMDB. E eu indago: a publicidade do Mais Médicos que se segue, na televisão, ao noticiário sobre a deserção da cubana Ramona Matos Rodríguez está a serviço da Nação brasileira ou do PT?

A. C. SCARTEZINI

acscarte@terra.com.br

Brasília

AINDA MARIEL

Nova sigla

Prolfaças! Com as obras do porto de Mariel podemos comemorar o nascimento "exitoso" de uma nova sigla, PACC, o Programa de Aceleração do Crescimento Cubano. Pouco importa se nossos portos não atendem à demanda e que embarques de soja tenham sido cancelados por causa da falta de capacidade do porto de Santos. Parece que há outras prioridades a serem atendidas com maior urgência. Vamos torcer para não termos de carregar "cubanetas", a exemplo das famigeradas polonetas.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

*

ACIDENTE DE PERCURSO

Será que Dilma Rousseff achava que iria levar a bom termo essa importação de cubanos para o programa Mais Médicos, sem que acontecesse um grave acidente de percurso, como este da deserção da médica Ramona Matos Rodriguez, para desnudar o sórdido esquema montado no programa, que beira à escravidão e em que só o governo de Cuba sai ganhando? Logo com cubanos, que vivem aprisionados naquela ilha onde tudo falta e que tradicionalmente desertam de delegações no exterior quando têm oportunidade? É mais um tiro que sai pela culatra que, em vez de ajudar a sua reeleição e a de seu candidato ao governo de São Paulo, vai ser exaustivamente usado com muita propriedade por seus adversários.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

EFEITO RAMONA

Quem poderia imaginar que um dia uma cidadã cubana poderia se insurgir contra uma das maiores farsas do governo petista, perfeitamente engendrada com o governo cubano, na contratação de profissionais da ilha de Cuba para o programa Mais Médicos? Pois é, a médica Ramona Matos Rodriguez não só se rebelou contra este programa Mais Médicos, do PT - inclusive pedindo asilo político, porque somente aqui, no Brasil, ficou sabendo que recebia como salário apenas 75% do que recebem todos os seus colegas vindos de outros países -, como também está decidida a entrar com uma ação trabalhista no Estado do Pará, para reaver uma diferença em torno de R$ 36 mil que deixou de receber pelos quatro meses em que trabalhou na cidade de Pacajá. Coisa que o Ministério do Trabalho deste país não se prestou a contestar sobre esta manipulação vergonhosa contra os profissionais de Cuba. Agradeço à dra. Ramona Matos Rodriguez pela sua coragem, porque certamente com essa sua digna atitude prestará um grande serviço ao Brasil.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

NO VÁCUO DA OPOSIÇÃO

A casa vai cair mesmo, e antes da Copa do Mundo, pois a dra. Ramona é só a primeira pedra do dominó a cair da mentira petista que é este famigerado programa Mais Médicos, que não passa de mais uma farsa. Chego a crer que essa senhora vai ser a nossa heroína ainda, ao desmascarar os bandoleiros que estão no poder, coisa que a oposição não fez.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

TEMOR NO PLANALTO

Opa, dona Dilma está temerosa com a deserção da médica cubana e já tirou de seu caminho o assunto com medo de que o caso respingue na campanha da reeleição, porque o programa Mais Cubanos, digo, Mais Médicos, é carro-chefe de campanha tanto para o governo federal como para a disputa estadual em São Paulo. Disse que o assunto deverá ser tratado pelos Ministérios da Justiça, Relações Exteriores e da Saúde. Na sequência, aparecem o novo ministro da Saúde, timidamente minimizando o ocorrido; e, depois, o ministro da Justiça, do alto de sua sapiência, informando que, em havendo rompimento do contrato, o prestador (escravo?) perde o visto de permanência no Brasil e o direito de exercer a Medicina, e, neste caso, estaria em situação irregular no País - o que está subentendido nas entrelinhas a gente pode deduzir... Mas como este é um ano eleitoral, talvez o desfecho seja favorável à médica, diferentemente do que ocorreu com os pugilistas cubanos em 2007.

Aparecida Dileide Gaziolla

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

SANGUE NAS MÃOS

Ramona Rodríguez, médica cubana do programa Mais Médicos, desertou e pediu asilo político, ao descobrir que receberia somente cerca de 30% dos R$ 10 mil que custam ao Brasil cada médico, já que os outros 70% ficariam com o governo cubano. Essa semiescravatura revela que o contribuinte brasileiro está sendo obrigado, pelo governo da presidenta Dilma Rousseff, a custear a sanguinolenta ditadura dos irmãos Castro, que provocou a morte, desde a sua instalação, de aproximadamente 100 mil pessoas, sendo 17 mil fuziladas e as demais, afogadas, tentando fugir da ilha caribenha. O governo do PT está aspergindo o sangue de cubanos mortos nas mãos de pacíficos cidadãos brasileiros.

Túllio M. Soares Carvalho

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

POR QUE TANTO SILÊNCIO?

Vendo o novo ministro da Saúde defender o programa Mais Médicos, que claramente é uma afronta a todos os princípios de uma democracia, sinto-me como se fosse uma idiota total. Quanto mais ele ia falando na defesa desta estrovenga, mais se acredita que o Brasil está explorando mãos de obra semelhantes à escrava com a anuência do Ministério Público do Trabalho. Por que os analistas desse órgão ainda estão avaliando as condições de trabalho dos médicos cubanos, quando todos sabemos como são as leis trabalhistas no País e como os órgãos responsáveis pelas relações trabalhistas até exageram na sua função? (Ainda ontem havia um fiscal do Trabalho em meu escritório medindo a temperatura perto de cada funcionário para verificar se estavam em condições saudáveis.) Todos sabemos também que, em toda disputa trabalhista, mesmo que o patrão tenha toda a documentação em ordem e todas as provas a seu favor, o juiz sempre determina alguma pena ou acordo para beneficiar o trabalhador reclamante, que muitas vezes demanda absurdos. Como pode o governo fazer coisas que jamais seriam permitidas ao setor privado, como pagar menos de 25% do salário contratado, vincular o trabalhador a um emprego impedindo-o de participar de sindicatos e associações de classe, impedindo o ir e vir das pessoas dentro do território nacional, entre outros absurdos? Por que não se fala mais sobre a remuneração "doada" à ilha-presídio dos irmãos Castro e explica-se o que realmente está acontecendo com o dinheiro dos contribuintes? Estão alimentando uma ditadura sanguinolenta, asquerosa, com o trabalho de humanos explorados em nome de que ideologia? O povo brasileiro não compartilha dela, não aceita essa exploração. É só perguntar e explicar direito aos que, dizem eles, são os beneficiários deste programa. Por que tanto silêncio?

Maria Tereza Murray

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

AUXÍLIO

Não seria o caso de contratarem psicólogos e economistas para auxiliar na adaptação dos médicos cubanos?

Luiz Ress Erdei

gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

QUE BOMBA, HEIN?

A gerentona quer distância do pedido de asilo, justamente num ano eleitoral, feito pela médica cubana Ramona Rodriguez, que veio ao País pelo programa Mais Médicos, com um contrato obscuro feito com o governo de Cuba. Aliás, depois da dissolução da URSS, a falência da Venezuela e a morte do amiguito Chávez, o Brasil, leia-se Lula, que idolatra o matador Fidel, faz o papel de sustentador do sistema cruel em que vive a ilha cubana há mais de 50 anos. Dilma, que esteve há poucos dias na ilha agradecendo ao matador Fidel pela vinda dessas pessoas, que são usadas por Fidel como "mercadorias", considera esse caso da médica dissidente como isolado, e cruza os dedos para que mais bombas (médicos) não caiam em seu colo. Veremos se a gerentona e seu ministrinho da Justiça agirão com a mesma covardia que Lula e Tarso Genro, quando deportaram para Cuba os dois pugilistas cubanos, com ajuda de Chávez.

Agnes Eckermann

agneseck@gmail.com

Porto Feliz

*

ÁGUA FRIA

Os meus cumprimentos ao deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) pela solidariedade e amparo dados à médica cubana Ramona Matos Rodriguez, e que tudo tenha um desfecho feliz com a concessão de asilo pelos Estados Unidos. Como o governo brasileiro está se fazendo de "esquecido" dos compromissos de natureza trabalhista do programa Mais Médicos (encargos trabalhistas), esse é mais um motivo para que outros médicos cubanos caiam fora dessa exploração dos irmãos Castro. Os cidadãos de bem deste país ficarão na torcida para que o programa Mais Médicos, ou trabalho escravo, se transforme num banho de água fria no governo da presidente Dilma.

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

DISCREPÂNCIA ABOMINÁVEL

Pode haver maior ofensa do que esta: médicos estrangeiros recebem R$ 10 mil por mês de salários e a pobre médica cubana Ramona Matos Rodriguez, exercendo a mesma função, recebe apenas R$ 900? Isso não é exploração sórdida de trabalho escravo? Que loucura é essa de nossos irresponsáveis dirigentes? Ainda querem que a mulher fique calada?

Francisco Zardetto

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PEDIDOS DE ASILO

Quando é que o governo do PT vai criar vergonha na cara (tem alguma?) e parar de defender este regime comunista jurássico, totalitário, opressor e repugnante de Cuba, que já matou milhares de cidadãos e persegue e escraviza outros tantos? É inaceitável que nosso governo invista em Cuba, quando - por claras razões - o mundo inteiro implementou um embargo a fim de execrar o regime violador de direitos humanos exercido pelos maléficos irmãos Castro. O pedido de socorro da médica cubana é apenas mais um - entre milhares - de exemplos do horror cubano.

Sérgio Eckermann Passos

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

QUARENTENA

Apesar de todas as precauções, os cubanos continuam suscetíveis ao vírus "deserção"...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ENGANA, MAS NÃO RESOLVE

O programa Mais Médicos não resolve, mas engana. Nosso sistema de saúde pública é muito precário, além de médicos, falta quase tudo: mamógrafos, raios-x, esparadrapo, soro, roupa de cama e outras coisas, enfim, falta equipar os hospitais para atender com um mínimo de cuidados a população carente. A fabulosa publicidade em torno dos Mais Médicos disfarça as deficiências que o povo denuncia. O melhor padrão de assistência médica é concedido ao Planalto e ao Congresso Nacional. Quisera todos nós pudéssemos fazer parte dessa elite.

Odiléa Mignon

cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A PORTA ERRADA

A médica cubana Ramona Matos Rodrigues, que abandonou o programa Mais Médicos, disse que iria procurar a polícia. Embora eu não conheça absolutamente nada de lei, presumo que, em vez da polícia, ela deveria procurar o Ministério do Trabalho, até porque trabalho escravo não é caso de polícia.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

UM DIA DO CÃO

O Partido dos Trabalhadores (PT) jamais imaginou viver um dia tão ruim como foi terça-feira. A médica cubana abandonou o programa Mais Médicos, o Ministério Público Federal (MPF) vai investigar as doações para pagamento das multas dos mensaleiros, o apagão da dona Dilma e, para completar, prenderam Henrique Pizzolato. Isso vai gerar um problema incontrolável, pois ele está louco para contar tudo e, como a Itália não gosta do Lula (caso Battisti), eu tenho quase certeza de que ela vai extraditar o fugitivo, que é para ele abrir o bocão.

Ivan Bertazzo

bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

PASSAPORTE FALSO

Ao falsificar passaporte a partir de documentos de irmão falecido, Henrique Pizzolato demonstrou pleno aproveitamento do curso de trapaçalogia que concluiu com louvor na Universidade PT de Brasília enquanto exerceu o cargo de diretor do Banco do Brasil, durante o governo Lula.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

UM TEATRO PARA PIZZOLATO

A partir da prisão do petralha Henrique Pizzolato, em Modena, na Itália - país em que o petralha também tem cidadania -, tudo o que se pode prever será uma sucessão de encenações teatrais e midiáticas, com o governo do PT jogando para a plateia, dizendo estar cumprindo o dever de acionar os meios diplomáticos para pedir o retorno do foragido. Tudo formalidade, sem empenho real, já que o próprio governo do PT argumenta que os crimes do mensalão não existiram e as condenações foram impostas pela "mídia golpista", demonstrando-o sempre com os punhos cerrados, em afronta ao Supremo Tribunal Federal (STF). De sua parte, considerando que o mensaleiro tampouco cometeu seus crimes na famosa península, também a Itália fará a sua parte na encenação teatral, recepcionando os documentos brasileiros atinentes à matéria e dizendo que vai estudar a questão. Enquanto isso, um providencial "habeas corpus" se incumbirá de pôr em liberdade o nosso foragido, que, ao fim e ao cabo, terá sua extradição negada pelas autoridades da Bota. Primeiro, porque não é costume local extraditar nacionais - e os italianos jamais o fariam. Depois, foi o Brasil que começou com essa história de negar extradição - aliás, de um italiano -, como visto no deplorável affaire Cesare Battisti - quem não se lembra? No máximo, Pizzolato responderá por porte de documento falso, delito pelo qual, provavelmente, responderá em liberdade. Fecham-se as cortinas.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

JOGO

Se a Itália não extraditar Pizzolato, estará fazendo o jogo das mesmas pessoas que deixaram livre em nosso solo o terrorista-assassino italiano.

Níveo A. Villa

niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

*

PIZZOLATO, O HOMEM-BOMBA

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirma que irá pedir a extradição de Henrique Pizzolato. Se a Itália condicionar a entrega de Pizzolato à contrapartida da extradição de Cesare Battisti, o governo aceitaria? Por ter 12 anos e 7 meses a cumprir de pena, poderia Pizzolato propor uma delação premiada, entregando todo o esquema e todo mundo envolvido (inclusive "o cara")? Haveria segurança para Pizzolato nas cadeias brasileiras? Convém lembrar a trilha de cadáveres que ficou no rastro do caso Celso Daniel. Acho que vem jogo de cena, por aí. A conferir.

Claudio Juchem

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

FRAGILIDADE ÉTICA

Há um conhecido ditado italiano: "Dal frutto si conosce il albero" (pelos frutos se conhece a árvore). Com tanta tecnologia, supostamente segura e controlada, segundo o governo, é estarrecedor e intrigante como um sujeito condenado tem, "oficialmente", CPF, título de eleitor e passaporte falsos, com o nome de um falecido, e fuja do País. Só a fragilidade ética e moral podem explicar tal fato, diante de interesses econômicos ou de algum(ns) figurão(ões) envolvido(s). Xeque-mate no aparato (tecnológico?), na segurança do sistema ou no aparelhamento do Estado (humano). O que dizer, por exemplo, da segurança das eleições (quantos títulos eleitorais falsos existem no País?), ficando só nesse documento. É a teoria do caos instalada: "pequenas" (e dissimuladas) causas geram grandes consequências.

Luiz A. Bernardi

luizbernardi@uol.com.br

São Paulo

*

NA CADEIA

É uma boa notícia a prisão na Itália do corrupto Pizzolato, condenado no escândalo do mensalão e que estava foragido naquele país. Pizzolato praticou graves crimes contra o País e fugiu, na maior impunidade. Oxalá ele seja extraditado e pague aqui pelos crimes cometidos contra o Brasil e o povo brasileiro. Lugar de Pizzolato é na cadeia!

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

FUJÃO

Graças à Polícia Federal, à Interpol e à polícia italiana, o caso do mensaleiro-fujão Henrique Pizzolato não acabou em pizza, como se temia. Detido em Maranello com documentos falsos, vai acabar tendo de cumprir prisão mezzo italiana, mezzo brasiliana. Cadeia nele! Eco!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

DECORO PARLAMENTAR

Na abertura dos trabalhos do Congresso Nacional, o vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas (PT-PR), de punho cerrado, repetiu o gesto utilizado por petistas condenados pelo mensalão, afrontando o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, sentado ao seu lado. Afinal, este ato do deputado não se enquadra no parágrafo 1.º do artigo 55 da Constituição Cidadã, que trata do "decoro parlamentar"?

Francisco Alves da Silva

profealves@gmail.com

São Paulo

*

BRAÇO ERGUIDO, PUNHO CERRADO

Erra feio aquele que pensa que o arrogante petista André Vargas (PT-PR), lidimo representante do "partidão do mensalão" na "casa do povo" (?!), fez gesto semelhante ao de José Genoino e José Dirceu para demonstrar coragem e repudiar as atitudes do ilustre ministro Joaquim Barbosa, sentado ao seu lado em recente cerimonial realizado em Brasília. A bem da verdade, como este deputado está respondendo a processo crime que tramita no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF), tudo indica que se trata de teste fotográfico, pois está treinando o gestual que exibirá no momento em que receber a ordem de prisão.

Ulisses Nutti Moreira

ulissesnutti@uol.com.br

Jundiaí

*

UM DIA A CASA CAI

Os petistas não desistem nunca! E ainda esfregam em nossa cara o seu cinismo com atitudes para se imporem aos brasileiros, mesmo em meio a tanta corrupção escancarada, cambalachos e dá-lhe deboche contra todos e todas nossas instituições. Dilma, com seu "rolezinho" em Lisboa, já tão criticada por torrar nosso dinheiro em Roma em hotéis luxuosos para ela e toda uma inútil comitiva, reafirmou que "faz, sim, e o que vocês têm com isso?". Mostra que adora um luxo, que não vive mais sem, e os brasileiros que paguem por ele, ora bolas! O vice-presidente da Câmara, o tal André Vargas, com o símbolo fascista que marcou a prisão de Dirceu e Genoino, exibiu seu claro desprezo pelo STF na presença de Joaquim Barbosa, em quem gostaria de ter "dado uma cotovelada". Isso dentro daquela que chamou de "sua Casa", o Congresso, sentindo-se "o dono", onde entende que pode fazer o que quer. Eles todos acham que o Brasil é deles e nos enfrentam, sem disfarces, sem corar. Estão cutucando a onça com vara curta quando não respeitam suas posições e muito menos o povo brasileiro, a quem representam muito mal. Uma hora "serão voltados" para seus condizentes lugares.

Myrian Macedo

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

JOÃO NINGUÉM

Não fosse pelo gesto, ninguém estaria perdendo tempo com André Vargas, "pessoa" que não significa nada, absolutamente nada, na história do nosso Brasil.

Fernando Moreno

frodg434@hotmail.com

São Paulo

*

CINCO SEGUNDOS DE FAMA

Se o deputado André Vargas (sim, sem o sr., porque só merece respeito quem respeita os outros ) queria cinco segundos de fama, ele conseguiu. Antes de escrever esta carta fui olhar a vida deste "ilustre parlamentar" e constatei que ele não fez nada de útil para melhorar a vida do povo brasileiro, do qual ele é representante. Mostrou que, além de incompetente, é mal educado. Deputados deveriam aparecer naturalmente na mídia pelos seus atos e ações a favor do povo que o elegeu e seu país. Se ele não concorda com o desfecho do mensalão, um julgamento feito pela mais alta Corte do País, com amplo direito de defesa, inclusive pelos maiores advogados (regiamente pagos por alguma "vaquinha"), no qual seus companheiros foram todos condenados por grande maioria de votos, demonstra seu grau de democracia. Falar para ele sobre Três Poderes, respeito, educação e democracia acho muito, ele não entenderia ou não se interessaria. O que ele quer para o seu país? Desculpe, para ele não devo falar em país, uma vez que o partido e a manutenção do poder a qualquer custo estão sempre na frente de qualquer coisa. Está na hora de desmascararmos estes incompetentes que estão nos representando atualmente. Temos uma chance de ouro pela frente, aí vem a eleição.

Olavo Bruschini

o.bruschini@terra.com.br

Monte Azul Paulista

*

‘UM SOCO NA CARA DE CADA UM DE NÓS’

Quero mais uma vez cumprimentar o dr. Aloisio de Toledo Cesar pelo artigo escrito em 5/2/2014, pela clareza de suas ideias. Em seu artigo, diz tudo sobre os mensaleiros e o PT, tudo o que as pessoas esclarecidas deste país sabem de cor e salteado sobre os desvios que acontecem de corrupção e desejo de perpetuação do PT no poder. O gesto do deputado André Vargas ao lado do ministro Joaquim Barbosa mostra cada vez mais como o partido e seus seguidores pararam no tempo e acabam com suas atitudes, se expondo ao ridículo perante a sociedade brasileira.

Henrique Schnaider

hschnaider@terra.com.br

São Paulo

*

O CASTIGO VIRÁ NAS URNAS

Assim como a ex-deputada Ângela Guadagnin (aquela da dança no plenário da Câmara), que não foi reeleita e hoje é vereadora em São José dos Campos, espero que os paranaenses castiguem este André Vargas, que não aprendeu em sua casa - nem junto aos "cumpanheiros" - um mínimo de educação e respeito. A atitude fotografada e a mensagem enviada por este elemento são o retrato do PT. Continuem votando neste partido e teremos - em breve - uma nova Cuba ou Venezuela aqui, no Brasil. Será que é isso que você quer para seus filhos e netos?

Geraldo Roberto Banaskiwitz

geraldo.banas@gmail.com

São Paulo

*

INCONFORMADOS

A atitude do deputado petista André Vargas, desrespeitosa não só com o presidente do Supremo Tribunal Federal, mas também com o Judiciário como um todo, deve ser punida exemplarmente. Essa arrogância é incompatível com a moral que os congressistas possuem, seja na Câmara ou no Senado. Outro que deve receber uma reprimenda é o deputado Vicentinho, por seu discurso do dia 4/2, às 22 horas, em que proferiu inúmeras ofensas ao Poder Judiciário e calúnias ao ministro Joaquim Barbosa, que vem sendo caluniado e atacado constantemente por este bando de malfeitores inconformados.

Jose Mendes

josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

DEFENDENDO CRIMINOSOS

Atitude ridícula do parlamentar André Vargas, deveria levar uma descompostura pela grosseria com uma autoridade tão considerada. É lamentável o que se faz para defender ladrões do erário.

Wilson Mendes de Oliveira

wilsonmendes@adv.oabsp.org.br

Assis

*

O RESPEITO DO PT ÀS NOSSAS INSTITUIÇÕES

O gesto do "deputado" André Vargas (PT-PR) na abertura do Congresso mostra com toda clareza o desrespeito que o PT tem por nossas mais altas instituições. Ele próprio, apesar de ocupar a vice-presidência da Câmara, desrespeita o Congresso Nacional e os seus pares. Desrespeita também a mais alta corte de justiça do Brasil, cujo presidente, Joaquim Barbosa, compareceu ao Congresso Nacional, na sua abertura, como convidado. André Vargas assemelha-se àqueles vândalos que participam de manifestações apenas visando o quebra-quebra e a destruição da propriedade e da imagem de entidades que prestam serviços úteis para o País e para sua população.

Flavio Bassi

flavio-bassi@uol.com.br

São Paulo

*

TOSCO E GROSSEIRO

A (im)postura do deputado André Vargas, do PT-PR, mostra perfeitamente o cinismo exacerbado do PT no que tange à sua ideologia atrasada perante as decisões do Poder Judiciário e as letras da lei. Mostrar punho cerrado é um gesto tosco e grosseiro, como atitude de absoluta falta de educação ao receber o presidente do STF, Joaquim Barbosa, figura que tentam desmoralizar após apenas ter feito cumprir o que 88% da população brasileira, segundo pesquisa, esperava em relação aos mensaleiros corruptos. Enfim, já sabemos que cada um oferece o que tem, e, neste caso, constata-se o óbvio, pois quem apela geralmente está errado.

João Batista Pazinato Neto

pazinato51@hotmail.com

Barueri

*

INSTITUTOS DE PESQUISA

Ao mesmo tempo que as universidades paulistas buscam um caminho para a internacionalização, inovação e excelência, os institutos de pesquisa caminham para a extinção. Não é apenas constrangedora a situação, como bem mostrado no editorial "Institutos de pesquisa em crise" (28/1, A3), mas, sim, criminosa. Como pode um governo estadual conduzir tal desrespeito ao patrimônio científico e cultural dos habitantes da região mais rica do País? Seria apenas o utilitarismo imediato e ignorante que não vê que os frutos da pesquisa científica acontecem no longo prazo, e não naquele de um mandato ou ao bel prazer de quem quer apenas produzir e não consolidar? Infelizmente, as plúmbeas nuvens continuam sobre os institutos de pesquisa, pois não há qualquer sinal de mudança da política para o setor, focando investimentos apenas numa pretensa capacitação técnica. Permitindo-me um trocadilho, parece que São Paulo perde o trem da história.

Adilson Roberto Gonçalves

prodomoarg@gmail.com

Lorena

*

ULTRAPASSADOS

O Brasil, que já foi o país do futuro, tem se revelado o país do (ultra)passado. Fazer como o governo do Estado, que destruiu os institutos de pesquisa, nos transforma em meros "clientes" dos avanços científicos de outros países. Ou seja, São Paulo, ainda é o Estado locomotiva do País, pena que em pleno século 21 ela seja movida a vapor.

Ilan Rubinsteinn

ilanrubi@uol.com.br

São Paulo

*

QUESTÃO SALARIAL

Com relação à matéria de Herton Escobar, publicada na edição de 27/1/2014, gostaria de salientar que uma das razões desse "esvaziamento" dos 19 institutos de pesquisa listados é o não cumprimento da Lei Complementar 727/1993, que equipara os salários de pesquisadores científicos ao dos docentes de universidades públicas do Estado. Muitos pesquisadores científicos ganharam na Justiça essa equiparação, o que criou uma situação esdrúxula, em que pesquisadores com a mesma função, e na mesma instituição, têm salários completamente diferentes. Outra situação que ocorre é pesquisador de nível superior na carreira ter salário inferior ao seu colega, de nível inferior, que ganhou na Justiça o direito de equiparação salarial aos docentes. O nosso governador do Estado sempre afirmou que seu governo respeita as leis. Nesse caso, ele só fez o contrário! Essa situação perdura desde ao governo Covas. Isso é um verdadeiro exemplo de descaso e desrespeito a instituições centenárias que tanto produziram à sociedade deste país. É um exemplo de como destruir alicerces da ciência do Estado de São Paulo.

Alexander George Razook

agrazook@hotmail.com.br

Marília

*

O FIM DA PESQUISA (E DO PAÍS)

Lendo a matéria, pensei em como reagirão os leitores que frequentam esta coluna e tanto defendem as administrações do PSDB no Estado? Tenho a esperança de que estes leitores compreendam que no Brasil, não importa o partido, as administrações são nefastas, pois estão a serviço dos seus "financiadores de campanha". E não é porque uma delas se apropria do mote da "gestão e honestidade" que ela pratica o que prega. No nosso país, e no nosso Estado, infelizmente, o domínio é ainda dos grandes coronéis, pré-capitalistas travestidos em industriais e empreendedores, ou magnatas do agronegócio, que investem em políticos para obter retorno em benesses e favorecimentos. Infelizmente (e tristemente), há ainda outros exemplos que não foram citados como Cetesb, que foi nos primórdios um centro de produção e de excelência, e que na atualidade não passa de uma "carimbadora", onde são aprovados "projetos" que custarão muito caro à saúde e ao futuro dos brasileiros. Manda que pode, obedece quem deve, paga o povo, sempre.

Marc Marteen

marcmarteen@yahoo.com.br

São Paulo

*

DESCASO

A reportagem sobre o sucateamento dos institutos de pesquisa de São Paulo (Butantan, Biológico, Adolfo Lutz, etc.) mereceu página inteira do jornal, pela gravidade do assunto e pelo descaso do governo com a pesquisa científica e tecnológica desenvolvida por esse institutos há décadas e, em alguns casos, há mais de um século. Tão grave quanto o sucateamento das instalações é o acintoso desrespeito à Lei 727/93, que determina a remuneração dos pesquisadores dessas instituições, que se obrigam a recorrer à Justiça para que, depois de décadas de trâmite legal, o governo do Estado de São Paulo seja obrigado pelo STF a cumprir a lei. O governador, sendo médico, com pós-graduação nos Estados Unidos, desconhece a importância da pesquisa para o desenvolvimento do país? Não seria esperado que, pela sua posição de liderança, fosse o primeiro a cumprir a lei, ao invés de recorrer "ad aeternum" a uma causa perdida já julgada pelo STF?

Frederico Fontoura Leinz

fredy1943@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PANE NO METRÔ

O secretário dos Transportes de São Paulo culpou "vândalos" pelos problemas causados esta semana no metrô, que deixou milhões de usuários sem condições de voltar para casa. Oras, secretário, não seria o dinheiro desviado do cartel, das propinas, da corrupção envolvendo o metrô e os trens de São Paulo que causaram todos estes problemas que vêm de muito tempo?

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

‘ESTAMOS INVESTIGANDO’

É impressionante como o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, tem sempre uma desculpa na ponta da língua para justificar cada mazela do seu governo. A última foi essa do metrô.

Eleonora Samara

eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo

*

PROBLEMAS DIÁRIOS

O Metrô tem problemas dia sim, outro também, esse foi só o maior deles. Se, como dizem o governador e o secretário, isso é fruto de sabotagem, onde estão os sabotadores? Não é de hoje que eles usam esse argumento. Como disse, o Metrô apresenta problemas praticamente todos os dias, os usuários não são informados, é só "estamos aguardando a movimentação do trem à frente", e só. Além disso, temos de aguentar a má educação e arrogância dos funcionários. Aqui, no Tucuruvi, eu só não agredi um bilheteiro porque ele estava protegido na cabine, tamanha foi a grosseria e o desrespeito com que fui tratado no ano passado. E, pior, não adianta reclamar no SAC do Metrô, neste caso, o que prevaleceu foi a versão do funcionário e só faltou me chamarem de mentiroso.

Alexandre Fontana

alexfontana70@yahoo.com.br

São Paulo

*

GREVE NO FUTEBOL?

Se houver greve no futebol, em represália à invasão de membros da torcida organizada do Corinthians ao centro de treinamento do time, o impacto na sociedade brasileira será maior que as manifestações de rua acontecidas em junho e julho de 2013. O impacto será tão grande que as autoridades constituídas ficarão atônitas e sem capacidade de reação.

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.