Fórum dos Leitores

ENERGIA ELÉTRICA

O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2014 | 02h08

Usinas a fio d'água

Diante da crise de energia atual, com os baixos níveis dos reservatórios, é muito oportuno discutir a equivocada opção por usinas a fio d'água que os chamados "ambientalistas" nos estão impondo. Reservar água é reservar energia, um bem que a cada dia se torna mais precioso. Os grandes reservatórios das hidrelétricas regularizam os rios, evitando enchentes e erosões, criam vias de navegação, permitem irrigação de lavouras. Deixar de fazê-los significa ter de utilizar a energia de usinas térmicas, muito mais caras e poluidoras. O dano inicial da inundação de grandes extensões poderia ser compensado com a recuperação das imensas áreas degradadas do nosso país, contra as quais não se ouve nem se lê uma única palavra desses mesmos "ambientalistas", que só sabem retardar grandes projetos.

NÍVEO AURÉLIO VILLA, engenheiro

niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

Modelo arcaico e caro

Nossa energia elétrica é uma das mais caras do planeta. Ainda assim, é um mau negócio para o empresário e péssimo para o consumidor, pela qualidade, pelo preço e pela indisponibilidade do produto, a eletricidade. Como ressalta o editorial Modelo elétrico danoso (7/2, A3), só pelo fato de ser danoso para todas as partes já seria motivo mais do que suficiente a justificar a sua mudança. O economista e ex-presidente do BNDES André Lara Resende indicou em Capitalismo de Estado patrimonialista (22/12, B4) o caminho para esse e outros setores da nossa economia: reduzir o gigantismo do Estado brasileiro. O modelo centralizado do setor elétrico do Brasil, para um país com suas dimensões geográficas, é anacrônico, caro, ineficiente, gera descontroles de toda ordem pela profusão de cargos e empresas que o acompanha. Nos EUA - que também têm problemas sazonais, até mais complexos -, seu poder concedente é regional, por bacias hidrográficas, e com autonomia para decidir sobre tarifas e caducidade das concessões sem a interferência federal. Nesse arranjo institucional vivem harmonicamente empresas públicas e privadas, sem nenhuma insegurança jurídica. Beneficiam-se disso - pela competição - o investidor, o consumidor e, sobretudo, o contribuinte.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

Cobrança seletiva

Estranha a dança da chuva que já começam a ensaiar as autoridades do governo do PT ante a prolongada estiagem, que deixou em níveis preocupantes os reservatórios das principais hidrelétricas. Também chama a atenção o estresse quase diário a que vem sendo submetido o sistema de geração e transmissão de energia, pelo calor acima da média neste verão. Afinal, após se esgoelarem em críticas à condução da questão energética pelo PSDB, politizando o tema e usando-o eleitoralmente, o mínimo que os brasileiros esperavam era ver o governo do PT trabalhando duro para que não se repetisse, nem em sonho, a crise de 2000. A rigor, não há grande diferença entre os temores de antes e os de agora. Mas os que tanto criticaram FHC não parecem ter a mesma disposição de cobrar do governo petista o que exigiam dos tucanos.

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Tirando o corpo fora

Dilma Rousseff irritar-se privadamente com o apagão, tudo bem. Mas indignar-se e cobrar providências publicamente, como se fosse oposição e não dela a responsabilidade, é ridículo. E essa responsabilidade é ainda maior pelo fato de ter sido ministra de Energia, de onde foi alçada à Casa Civil para ser a mãe do PAC, filho que deixou morrer.

ROBERTO MACIEL

rvms@oi.com.br

Salvador

Apagões

Num sistema elétrico de tamanho continental, sem investimentos apropriados e carente de manutenções, é bem factível que um raio possa ter sido a causa do mais recente apagão da série petista. O fato provocou a ira da presidente Dilma, que não admite que um raio possa derrubar o frágil sistema elétrico brasileiro em ano de eleição. Agora, de uma coisa a presidente pode ter certeza: não foram os raios que provocaram o gigantesco e longo apagão do seu governo.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Raios

Concordo totalmente com a sra. Dilma: o "sistema elétrico brasileiro é à prova de raios". Mas não é à prova de incompetência e péssima gestão. Que o diga a ex-ministra de Minas e Energia e atual responsável maior por tudo de ruim que anda acontecendo no País.

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

Eparrei, Dilma!

Feliz é o país que tem uma "presidenta" poderosa e polivalente. Além de eletricista, ela é agora representante de Iansã nesta terra. Como tal, proibiu a queda de raios na rede de distribuição de energia de todo o Brasil. Espera-se agora que ela possa ser inspirada também pelos dois maridos de Iansã: por Ogum, o padroeiro dos metais, ela poderia ser influenciada a livrar a indústria de todas as correntes que a prendem e a sucateiam; e Xangô, o padroeiro da justiça, poderia influenciá-la a recomendar a seus companheiros de partido mais moderação e respeito às leis.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

Calamidade

A calamidade é alarmante! Há muito tempo não cai uma boa chuva para encher as represas ressecadas pela falta de água, mas ainda assim o barraco do PT não suportou a estiagem da ética e fez água, desabando. É raio sem chuva provocando apagão, é Pizzolato apanhado após fuga cinematográfica, é médica cubana pedindo asilo, sugerindo ter trabalhado em regime de escravidão, é mensaleiro preso que queria exercer mandato parlamentar de dentro da prisão... Conclusão: a falta d'água é ruim, mas a seca da credibilidade de quem governa parece estar afundando a Nação.

LEON DINIZ

leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

ELEIÇÕES

Cacife

Inflação, pibinho, apagões, superfaturamento de obras para a Copa do Mundo, engodo do programa Mais Médicos, porto cubano de Mariel, prisão de mensaleiros, doações para pagar multas impostas pelo Supremo Tribunal Federal, noves fora o resto. Essa oposicinha só não fará "o diabo" se não quiser!

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

O BRASIL NO ESCURO

Governo federal nega que o sistema elétrico esteja sobrecarregado, mas o apagão de terça-feira atingiu 11 Estados brasileiros. Na verdade, não é necessário ter competência para ser ministro de qualquer área governamental, basta que o sujeito seja aliado do governo. Eis que o ministro Edison Lobão por diversas vezes garantiu que o risco de haver apagão era zero e, no entanto, as falhas ocorridas na linha de transmissão entre Tocantins e Goiás deixou 6 milhões de pessoas sem energia. Há tempos se sabe que não há investimento na área elétrica e que o sistema está defasado. Faltando quatro meses para a Copa do Mundo, o Brasil não tem nada de bom para mostrar. Os estádios superfaturados e inacabados, o sistema elétrico com esgotamento da sua capacidade e os portos e aeroportos não conseguem atender à demanda. Da parte do governo, a propaganda pinta um Brasil cor de rosa que os vermelhos nunca viram, só na mágica. Brasil, um país de tolos.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

RISCO PARA A REELEIÇÃO

Posso queimar minha língua, mas, além da inflação, que promete para breve fugir do controle do governo, dos protestos que irão acontecer contra o descalabro que foram os gastos de dinheiro público na construção de estádios faraônicos para a Copa do Mundo, esses apagões, que chegaram para ficar, pois são resultados da falta de investimentos no setor, vão ser a pá de cal na pretensão de Dilma Rousseff de conseguir um segundo mandato.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

ÁGUA E LUZ

Neste ano de Copa do Mundo e de eleições, o Brasil vive o verão mais quente e inclemente dos últimos 20 anos e a pior estiagem das últimas seis décadas. A falta de planejamento e de investimentos do governo federal em infraestrutura de geração hídrica e elétrica tem como consequência as inevitáveis previsões de que viveremos, em breve, um duro período de racionamento de energia e de desabastecimento de água. Neste improvisado país do jeitinho e das medidas de última hora, tomadas e decididas "aos 45 minutos do segundo tempo", cabe lembrar trecho da famosa marchinha de carnaval "Vagalume", mudando a letra para "Brasil, país que nos seduz, de dia falta água, de noite falta luz". Muda, Brasil!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

LOROTAS

Pois é, nada como um dia após o outro e 11 anos de incompetência. Mais de 6 milhões de pessoas em 13 Estados, e um apagão num calor senegalesco. Os representantes do governo petralha alegaram que houve "perturbação" no sistema. Perturbados ficaram eles, sem saber o que havia acontecido, e tivemos de ouvir tantas lorotas por parte do ONS, do presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e do secretário do Ministério da Energia. A culpa é da gerentona, que num ato eleitoreiro, para baratear a energia para os consumidores, empobreceu os distribuidores de energia, que estão sem poder investir e modernizar todo o sistema.

 

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com

Porto Feliz

 

*

FALTA PLANEJAMENTO

Os pronunciamentos das autoridades em decorrência da interrupção do fornecimento de energia elétrica em várias regiões do País no dia 4/2 procuraram esclarecer que o problema decorreu de uma falha na linha de transmissão que liga o Norte ao Sudeste, não foi um apagão. Já a imprensa optou por noticiar o fato como apagão, pois as explicações não convenceram totalmente. O acontecido trouxe à minha memória reportagens publicadas tempos atrás sobre a energia eólica no Brasil. Citavam o fato absurdo de 148 parques prontos nos Estados da Bahia e do Rio Grande do Norte se encontrarem inertes por falta de conexão entre as usinas e a rede elétrica. E assim o governo é obrigado a pagar pelo funcionamento delas sem poder usufruir da energia que poderia estar alimentando o sistema e a gerar energia térmica, que é mais cara, para atender à demanda. Essas usinas estão deixando de gerar 1,2 GW. Já matéria publicada no "Estadão" de 6/2 informava que no "dia que não teve apagão", o sistema operou com 850 megawats a menos que o recomendado. Um especialista do setor informou à reportagem que há algo muito estranho na geração de energia, que precisa ser investigado. Evidentemente, um bom começo seria desvendar com detalhes por que os parques eólicos ficaram prontos e as linhas de transmissão, não. Verificando os dados que reproduzi acima, concluímos que, se as usinas eólicas citadas estivessem em plena atividade, teriam compensado, com folga, a energia que faltou no dia do "não apagão". Eu aprendi ainda na faculdade de Engenharia que um projeto, constituído de várias etapas para a sua implantação, pode e deve ser planejado, de maneira a caminhar levando em consideração as dificuldades e os correspondentes aportes de capital. A isso chamamos planejamento, aliado a um competente gerenciamento. Em minha época contávamos para tanto com a técnica Pert/CPM e o nosso cérebro, mas hoje, com o advento da informática, ficou até mais fácil e ágil.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

A IMAGEM VALE MAIS

O governo, em vez de se preocupar com os prejuízos causados aos consumidores pelos apagões, preocupa-se com a imagem da presidente Dilma, candidata à reeleição. O fator político se sobrepõe aos outros. Em vez de fazerem uma autocrítica e verem que não fizeram nada neste país em 12 anos de governo, a não ser o Bolsa Disso ou Daquilo, que são formadores de lenientes, ninguém quer trabalhar - e Dilma foi ministra de Minas e Energia no primeiro mandato do ex-presidente Lula -, ficam se preocupando com a repercussão negativa do apagão. Eles acham o quê? Querem encobrir o quê? Todos os países sabem da fragilidade da economia brasileira, as contas não estão bem, a dívida pública já representa quase a metade do PIB, e querem o quê? Tapar o sol com peneira?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

DILMA X ONS

Já que a presidente Dilma discorda do ONS, de que a causa do apagão foi um raio, o ideal nesse caso seria trocar o "chip" do sistema.

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

NEM AÍ

Há algumas décadas, apagão era sinal de preocupação para o povo, hoje é sinal de piadas e gozações. Como dizia o palhaço Tiririca, pior do está não vai ficar, apagões serão apenas mais uma burrada petista, que o eleitor esquece quando vai votar. E os "parceiros de maracutaias" de fato não estão nem aí como o andor, desde que a corrupção corra solta.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

APAGÃO

Não se discute mais se o copo está meio cheio ou meio vazio ao analisar a situação do País. Após o apagão e o fim da paciência de todo mundo, discute-se apenas se isso foi a gota d’água que fez o copo transbordar ou se o copo já estava seco e vazio.

 

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

 

*

MODO DE DIZER

Segundo nosso "expert" ministro de Minas e Energia, não havia nenhum risco (risco zero) de apagão. Mas, talvez, poderíamos ter falta de energia...

 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

RISCO QUANTO?

Seria mais coerente o ministro Edison Lobão mudar a frase "risco Zero" para risco 10 ou 11.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

DESALENTO

Sinceramente, estou jogando a toalha. Numa mesma página do "Estadão" (A3) de 6/2, três textos, que falam sobre o apagão, o Metrô e o racionamento de água, me levam ao desalento. A incompetência que lavra neste país não respeita partidos, níveis governamentais e áreas dos serviços públicos. Esse pessoal é muito ruim.

Éden A. Santos edensantos@uol.com.br

São Paulo

 

*

APAGÃO GERAL

Além dos mais de 13 apagões já ocorridos apenas este ano, apesar de todas as balelas de Edison Lobão e seus asseclas do Operador do Sistema Nacional (ONS), que só nos "brindam" com suas colocações desafortunadas e desprovidas de noções técnicas, sempre com as mesmas desculpas de que foram os "raios", temos os apagões do PT de Lula, Dilma, Mercadante, André Vargas e todos os mensaleiros arrogantes, prepotentes e seus suspeitos doadores de dinheiro que ninguém consegue explicar de maneira clara e objetive de onde saiu para que as dívidas destes "senhores" corruptos fossem pagas por seus crimes cometidos dentro da Ação Penal 470 (mensalão do PT). Ricardo Lewandowski, quando ocupou interinamente a cadeira de presidente do STF, teve pressa em "liberar" José Dirceu para que este criminoso fosse trabalhar, apesar de todas as suspeitas que recaem sobre este bandido no uso de celular dentro do presídio da Papuda, e mais ainda, apressou o andamento de processo de José Eduardo Martins Cardozo contra José Aníbal em que este o teria "ofendido" quando das suspeitas levantadas nas investigações do cartel do Metrô e da CPTM em São Paulo. Isso é a partidarização acintosa do STF, onde o próprio Lewandowski, Dias Toffoli e outros tantos têm este tipo de comportamento partidário pró-PT de maneira acintosa influindo em todos os julgamentos, inclusive na Ação Penal 470.

 

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

 

*

MENSALÃO

É realmente um descaramento a tentativa dos petistas (mensaleiros e seus cúmplices no Congresso) de desmoralizar o Poder Judiciário com ataques à pessoa do ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF. O vergonhoso deputado João Paulo Cunha, corrupto flagrado recebendo propina de Marcos Valério e por isso condenado no processo, faz cara de santo, alardeia sua (pretendida) inocência e parte para o ataque ao STF, dizendo-se vítima de julgamento de exceção. Ignorando convenientemente a ampla transparência do julgamento, sua obediência ao devido processo legal e os caríssimos advogados de defesa que representaram os mensaleiros, esse despudorado senhor desonrou o mandato que o povo lhe conferiu e a presidência da Câmara que um dia lhe foi confiada por seus pares. Trata-se de exemplo de péssimo político, a merecer a cadeia e o desprezo dos brasileiros. Enfim, na terça-feira, o esperto malandro foi recolhido à Papuda. Igualmente estarrecedora foi a cena publicada pelo "Estado" (4/2/2014), com o vice-presidente da Câmara dos Deputados, deputado André Vargas, do PT, fazendo provocação gestual ao ministro Joaquim Barbosa, sentado ao seu lado durante o evento de reabertura dos trabalhos do Congresso. Não contente, o deputado petista ainda deixou-se flagrar trocando mensagens debochadas pelo celular com um amigo (dizendo querer "dar uma cotovelada" em Barbosa), deixando patente o nível de baixaria e de molecagem dessa turma que hoje governa o País, e pondo à mostra sua pequenez e a mediocridade. É preciso que as pessoas de bem ponham um basta a toda essa arrogância, a toda essa desfaçatez que caracteriza o "presidencialismo de cooptação", e também à incompetência dessa política econômica sem rumo e sem prumo.

 

Ailton Coentro Filho coefilho@uol.com.br

São Paulo

*

VAI VIRAR MODA

Na capa do "Estadão" de 4/2 estava estampada a foto do Senhor Justiça, o nosso Joaquim Barbosa; ao seu lado, o gesto de punho cerrado que ficou marcado pelos condenados em direção à penitenciária. É um gesto que lembra cadeia, prisão, penitenciária, dinheiro na cueca, etc. e tal. Talvez vire moda o punho cerrado, toda vez que um ladrão, corrupto, assassino for para a cadeia, levante o braço, salvo se os tiver algemados.

Jorge Peixoto Frisene jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo

*

SOCO NA CARA

O artigo "Um soco na cara de cada um de nós" (5/2, A2), do ilustre ex-desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo Aloisio de Toledo Cesar, espelha tudo o que gostaríamos de dizer em relação à afronta proporcionada por este desclassificado deputado federal Andre Vargas, que, pasmem, é o vice-presidente da Câmara, ou seja, fruto de negociação (ou negociata) de todos os partidos. O gesto nazista do deputado foi um desrespeito não ao presidente do STF, mas, sim, ao Judiciário brasileiro em todas as instâncias. Gostaríamos de assistir a um desagravo público da magistratura brasileira, repudiando o gesto do desclassificado deputado, que agora, como todo bom petista, diz que a troca de mensagens foi invenção da imprensa, não tendo a coragem e a hombridade de assumir os seus atos.

 

Roberto Luiz Pinto e Silva rlpsadv@terra.com.br

São Paulo

 

*

GROTESCO

Quem levará a taça do mais grotesco? Aquele político que disse "Dilma, eu te amo" tentando se agarrar no ministério ou este deputado com o braço esticado e punho fechado ao lado do eminente juiz Joaquim Barbosa, presidente do STF?

 

Luiz Carlos Tiessi tiessilc@hotmail.com

Jacarezinho (PR)

 

*

PROVOCAÇÃO E DESRESPEITO

Lamentável e até deprimente ver um cidadão, vice-presidente da Câmara, eleito representante do povo, estampado numa foto na primeira página deste jornal na terça-feira, fazendo um gesto de punho levantado e mãos fechadas em solidariedade aos companheiros que foram julgados e condenados por comportamentos antiéticos, imorais e lesivo aos cofres públicos, ao lado do presidente do STF, o mais alto nível da Justiça do País, com o intuito de desagravá-lo, além do fato de estar trocando mensagens grosseiras no celular durante uma cerimônia de abertura do ano legislativo no Congresso Nacional. Que exemplo este político está passando a sociedade? Valores, ética, moral e respeito não existem para ele.

José Fiorezi jose.fiorezi@hotmail.com

São Paulo

 

*

GRANDE NOVIDADE

Todo criminoso safado, preso, critica a Justiça, sem novidades, porém vice-presidente da Câmara fazendo gestos fascistas e desejando dar cotoveladas no ministro do Supremo é novidade. É no mínimo estilo de frequentador de boteco de segunda ou puxa-saco sabe lá de quem.

Ricardo Guerrini irgguerrini@uol.com.br

São Paulo

 

*

COTOVELADA

Por favor me esclareçam com urgência: Quem é o rei da cotovelada? O que ele já fez pelo Brasil? Pergunto pois os jornais estão dando tanta importância a este "boxer" que me causou curiosidade.

 

Jose Roberto Marforio bobmarforio@gmail.com

São Paulo

 

*

SOB SUSPEITA

O ministro Gilmar Mendes pediu abertura de investigação pelo Ministério Público para apurar as doações recebidas pelos mensaleiros José Genoino e Delúbio Soares, para que pagassem as multas que lhes foram aplicadas pelo Supremo. Finalmente alguém, além de toda a população brasileira, suspeita de que essas doações, que chegaram a mais de R$ 1 milhão em pouco mais de 15 dias, podem se tratar de lavagem do dinheiro sujo do PT arrecadado pelos mensaleiros para suas famosas maracutaias. O ministro poderia também incluir num pacote de suspeitas os estranhos contratos do programa Mais Médicos, que desrespeitam toda a legislação trabalhista do País. Esse suspeitíssimo programa do governo Dilma ficou muito mais estranho quando a médica cubana Ramona Matos Rodriguez, depois de pedir asilo político aos EUA, mostrou um contrato com a Sociedade Mercantil Cubana Comercializadora de Serviços Médicos Cubanos, e não entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), como o governo brasileiro vinha informando. O asilo foi pedido pela médica cubana assim que tomou conhecimento de que o seu salário era 1/5 do salário de outros médicos não cubanos participantes do mesmo programa. Senhor ministro, por entregar 80% dos salários dos médicos escravos cubanos ao governo dos assassinos Castro, esse programa do governo Dilma é muito mais suspeito de ser uma doação ao falido governo cubano do que um programa que vise a solucionar o problema do atendimento médico no nosso país.

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

O JULGAMENTO NÃO ACABA

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), levantou a suspeita de que o dinheiro obtido pelos mensaleiros José Genoino e Delúbio Soares foi doado pelo PT a pessoas físicas, fato que caracteriza "lavagem de dinheiro". O ministro estranhou que tão elevada quantia em dinheiro fosse obtida em pouco tempo. A investigação da origem do dinheiro para o pagamento das multas será a continuação do mensalão. Parece que a conclusão deste processo está longe do fim e está se tornando uma "bola de neve".

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

UMA COMPLETA LAVANDERIA

Segundo noticiário, o ministro do STF Gilmar Mendes suspeita de que está havendo lavagem de dinheiro, ou coisa que o valha, nessas gordas doações que os mensaleiros têm recebido para pagar as multas impostas pela Justiça. Ora, senhor ministro Gilmar, se isso não era de conhecimento das autoridades, já era uma desconfiança muito grande até mesmo do mundo mineral. Com ironia, por favor!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

 

*

DÚVIDA CRUEL

O ministro do STF Gilmar Mendes anda em dúvida sobre a origem do dinheiro da vaquinha feita pelos petistas para pagamento das multas impostas aos condenados do mensalão. O dinheiro arrecadado seria sujo, sobras da corrupção? O ministro poderia nos esclarecer consultando primeiramente seus colegas ministros Dias Toffoli e Roberto Barroso. Além do mais, por se tratar de um fato não corriqueiro, poderia consultar também o ministro Celso de Mello, que, com seu amplo saber jurídico poderia alertá-lo sobre a possibilidade de haver uma brecha na lei, semelhante aos embargos infringentes, que poderia tornar tal prática legal.

 

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

 

*

VAQUINHA DO PT

É simplesmente estarrecedora a conclusão a que se chega ao ver que sobre a vaquinha para o pagamento das multas impostas aos réus do mensalão ninguém discute ou menciona o mais importante aspecto do assunto. Só se fala em impostos, em quem são os supostos doadores e por aí vai. Agora aparece o senador Suplicy, essa inefável "figurinha", a dizer-se contribuinte da vergonhosa e incivil empreitada. Ora, o que se deveria perguntar é "que país é este onde no mais torpe e vil desrespeito ao Judiciário marginais se cotizam a fim de pagar as multas impostas aos réus por seus atos infames e impatrióticos e contrários a ética e a moral pública". Maior prova de incivilidade e de primitivismo de uma nação não poderia ser dada que a existência dessa aberração moral. É difícil de acreditar no futuro deste país, a quem falta tudo e, em especial, civilização de seu povo e de suas altas camadas sociais.

 

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

 

*

ANULAÇÃO DO JULGAMENTO

Tenho lido nos jornais a "grita" dos condenados do mensalão que ficam descendo o "pau" no STF. O mensaleiro João Paulo Cunha diz que vai pedir "revisão criminal e levará o tema aos organismos internacionais", pois, como todos, é um santo inocente. Fiquei pensando que todos eles têm razão quando pedem a anulação do julgamento, e eu concordo, pois as penas foram muito brandas e as multas, muito leves. Essa camarilha toda deveria ficar em regime fechado por um longo tempo, sem visitas íntimas, sem indulto de Natal, ano-novo, Dia dos Pais, etc. Deveriam trabalhar na cadeia como muitos outros, costurando bolas e fazendo outros serviços. Nada de ir para a rua. Essa cambada de debochados ainda tem apoio de muitos "companheiros", como o do vice da Câmara. O Brasil já foi o país do futebol, país do carnaval, país do povo alegre e hoje é o país da corrupção, do desmando e da impunidade.

 

Luiz F. A. Salgado direg@sp.senac.br

São Paulo

 

*

RAMONA, A MÉDICA CUBANA

O Partido dos Trabalhadores (PT) que se prepare para enfrentar um adversário que não aceita conchavos, não depende de maiorias parlamentares e pulveriza qualquer medida provisória. Quando os petistas combatem a homofobia, quando defendem o direito das mulheres, quando defendem a liberdade sexual, todo esse moralismo deflorado só existe quando se trata de defender o poder "ad aeternum". A médica cubana Ramona Rodriguez, que desertou do Programa Mais Médicos, foi desqualificada profissionalmente e acusada de devassidão pelo deputado José Geraldo (PT-PA). Se a doutora Ramona aceitasse submissa a semiescravidão imposta pelo programa, não teria recebido essa saraivada de ofensas. Quem não se lembra do tratamento dado a Yoani Sánchez, uma dissidente da ditadura castrista? A ministra Eleonora Menicucci, das Mulheres, e Maria do Rosário, dos Direitos Humanos, não se pronunciaram até agora sobre a baixaria do deputado do Pará, porque estão ocupadas com o objetivo maior do partido. A doutora Ramona levantou o véu dessa farsa que só num país de Eremildos pode acontecer.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

TEM GATO NA TUBA

A médica cubana dra. Ramona Matos Rodriguez, de 51 anos, afirmou ter "se sentido enganada" após ter abandonado o Programa Mais Médicos. A revelação mais estranha, todavia, foi a participação da Sociedade Mercantil Cubana Comercializadora de Serviços Cubanos como intermediadora da contratação dos médicos junto ao governo de Cuba. O governo brasileiro havia anunciado a contratação via Organização Pan-americana da Saúde (Opas), vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS) uma entidade séria, que não despertaria qualquer suspeita. Agora surge a Sociedade Mercantil Cubana Comercializadora de Serviços Cubanos. Esse fato novo lança séria suspeitas sobre os reais motivos da contratação, que por si só já era contestada pela tipificação de contrato na modalidade de semiescravidão laboral. Cabe investigar a dita Sociedade Mercantil Cubana Comercializadora de Serviços Cubanos, e nada me surpreenderia se tivesse sede no Panamá, sendo seu presidente o sr. José Eugenio Silva Ritter, presidente também da Truston International Inc, com sede na cidade do Panamá e que controla o Hotel Saint Peter de Brasília, que se propunha a pagar R$ 20 mil para o sr. José Dirceu gerenciá-lo. No Brasil do governo do PT, tudo é possível e pouco é explicável.

 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

 

*

A LIBERDADE DA DOUTORA

O presidente do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), sr. Paulo Abrão, garantiu que, ao ingressar com pedido de refúgio no Brasil, a médica cubana Ramona Matos Rodriguez passará a ter as mesmas garantias e isonomias de qualquer cidadão brasileiro, até o julgamento do processo. Teoricamente, significa que ela terá todos os seus direitos garantidos. Que direitos? O de ir e vir, por exemplo, é básico. Como, no entanto, qualquer cidadão, brasileiro ou não, pode ser ameaçado, assaltado e até mesmo assassinado, numa saidinha de banco, por exemplo, é bom que ela não se entusiasme muito com a aparente liberdade que passará a gozar ora em diante. Talvez ela não tenha conhecimento, dada a liberdade de informação vigente em seu país, do destino dado aos seus dois conterrâneos atletas cubanos, que se "arrependeram" de pedir asilo e foram devolvidos a Cuba, sem que a imprensa pudesse ouvir dos próprios atletas sobre o arrependimento alegado. O fato é que ambos apareceram algum tempo depois, um na Alemanha, outro nos Estados Unidos, tendo conseguido, finalmente, fugir do paraíso cubano.

 

Adilson Lucca Sabia adilsonsabia@gmail.com

São Paulo

 

*

TRATAMENTO PARA A MÉDICA CUBANA

De acordo com o ParTido, a médica cubana (dos R$ 10 mil para Castro) deverá receber o mesmo tratamento propiciado pelo presidente aos atletas de lá que pediram asilo aqui. Ou seja: será colocada num avião cedido por empresa "amiga" e levada de volta ao lar. Para ela, nada de tratamento como o que demos ao criminoso italiano. "Cuba es hermana!"

 

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

 

*

RECADO A RAMONA RODRIGUEZ

Cara dra. Ramona Matos Rodriguez, foi uma surpresa, para mim, saber que os profissionais de saúde cubanos vieram para o Brasil enganados pelo governo dos Castro. Aqui, no Brasil, nas redes sociais, todos já sabíamos que tudo não passa de uma forma de enviar dinheiro grosso para a "Nomenklatura cubana", explorando o trabalho escravo dos cubanos com a conivência vergonhosa das autoridades brasileiras. O seu gesto fará com que muitos dos seus compatriotas fiquem informados, mas certamente a segurança já se organizou para que não ocorra uma debandada em massa. O seu pedido de asilo terá o mesmo destino daquele dos atletas cubanos do Pan-Americano. E a senhora em breve se arrependerá da sua decisão, não pelo seu amor à pátria, mas pelas ameaças que a sua filha, refém em Cuba, poderá sofrer. E voltará atrás, concordando com as regras do jogo. Mas eu admiro muito a sua coragem e a aplaudo. A senhora obrigou a grande mídia do Brasil a noticiar esse esquema perverso. Parabéns! O povo brasileiro está tendo a oportunidade de saber que tipo de algozes estão no poder tanto aqui como na sua pátria, embora, infelizmente, os mesmos que vaiaram Yoani Sánchez no Brasil estejam neste momento indignados com a sua decisão desumana e antipatriótica. Que Deus a proteja! E que eu esteja enganada quanto ao desenrolar dos fatos.

Sueli Caramello Uliano scaramellu@terra.com.br

São Paulo

 

*

PODE PERDER AS ESPERANÇAS

A médica cubana que, ao denunciar e abandonar o programa Mais Médicos, teve a coragem de pedir asilo político ao governo brasileiro, que perca as esperanças de consegui-lo. Lembremo-nos dos lutadores de boxe cubanos que tentaram o mesmo por ocasião dos jogos Pan-americanos de 2007. O ministro da Justiça de então, sr. Tarso Genro, dando vazão à sua histeria ideológica e em pronta obediência às demandas dos Castro, eternos ditadores do paraíso caribenho, idolatrados pela esquerda de sarcófago que ainda esbraveja por aqui, resolveu rapidamente a questão, antes que ela crescesse, ao determinar a imediata prisão dos atletas pela Polícia Federal e sua posterior deportação. Que a nossa pobre doutora, a julgar pelas implicações políticas do seu ato, com desdobramentos na campanha eleitoral de Dilma, não espere algo mais suave do que, sabe Deus, deve ter acontecido com os lutadores.

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

MAIS MÉDICOS

Cubana, Ramona Matos Rodriguez, de 51 anos, participante do programa Mais Médicos, que se refugiou na Câmara dos Deputados, informou que vive com salário de pouco mais de R$ 900 por mês do salário total de R$ 10 mil pagos por mês ao governo de Cuba. Pergunta: como pode, pagar ao profissional (médico) menos de 10% do valor do salário desembolsado pelo governo brasileiro para o governo de Cuba? Ahh tem uma explicação? do governo brasileiro: a relação do governo brasileiro é com a Organização Pan-Americana da Saúde e o Brasil está cumprindo sua parte? Então tá! Outras perguntas: 1) que organização é esta que embolsa (ou deixa o governo cubano embolsar) 90% do salário de um médico? 2) Pode um médico sobreviver com um salário de R$ 900 no Brasil? 3) Outros médicos de outros países, que trabalham no Brasil também ganham R$ 900 líquidos por mês? 4) Isso é justo? 5) A Justiça brasileira concorda com tudo isso? 6) Vão deportar a cubana por falar a verdade e por querer liberdade? Poderia listar mais uma centena de perguntas, mas somente as repostas a essas bastam. Com a palavra, os responsáveis.

 

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

 

*

UMA MULHER DE PEITO

A dra. Ramona foi extremamente corajosa. Com certeza outros(as) farão o mesmo. É o mínimo de dignidade que um ser humano deveria ter. E deu sorte de cair nas graças daquele deputado do DEM. Imagina se ela pede ajuda a alguém do PT. Já estaria em Cuba, devidamente enjaulada. Aliás, é bom lembrar aos mensaleiros e políticos simpatizantes com aquele regime que o comportamento antiético que faz parte de suas rotinas de vida que lá, em Cuba, seriam punidos no mínimo com prisão perpétua.

Iria de Sa Dodde iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

ROMEU TUMA JR.

Diante dos graves relatos feitos no livro "Assassinato de Reputações", do ex-secretário Nacional da Justiça Romeu Tuma Jr. e da entrevista aberta dada em TV na segunda-feira, no programa "Roda Viva", o mínimo que se espera é que alguma autoridade claramente apontada venha a público se defender ou tentar puni-lo por seus relatos. Estarão todos acuados ou com a certeza de impunidade? Onde estarão, por exemplo, Lula, Tarso Genro, Gilberto Carvalho, entre outros? Afinal, que país é este?

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

‘ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES’

Após a entrevista de Tuma Jr. no "Roda Viva" e o que ele escreveu no livro, acho que ele corre grande risco de acabar como Celso Daniel. O Brasil teve chance de conhecer um pouco mais do ex-verborrágico presidente, uma nota de R$ 17,45.

 

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.