Fórum dos Leitores

MANIFESTAÇÕES

O Estado de S.Paulo

11 Fevereiro 2014 | 02h07

Assassinato do cinegrafista

Ontem, por volta do meio-dia, foi anunciada a morte cerebral de Santiago Andrade, cinegrafista da Rede Bandeirantes, estupidamente assassinado por dois membros do Black Bloc. Esse infausto acontecimento era há muito previsível, já que o indigitado grupo vem cometendo seus desatinos sob a vista da Polícia Militar, que ainda não os trancafiou por tudo o que já cometeram. E eles, sem nenhuma meta a ser atingida, passaram a se infiltrar em todas as passeatas pacíficas realizadas pela população, a ponto de as pessoas de bem desistirem de realizá-las. Um dos acusados, agora réu confesso do assassinato, deu uma longa entrevista à Rede Globo e serviu de amostra do que pensam esses trogloditas. Não apresentou nenhuma justificativa para os seus atos, o que nos faz concluir que provocam o quebra-quebra sem nenhuma ideologia, ainda que errada. Limitou-se a dizer que o artefato mortal não era dele, que o achou no chão e pegou. Ora, pegou para quê? Eis a pergunta cuja resposta ficou no ar. Continuou a entrevista dizendo que o entregou a outra pessoa que nem sequer conhecia e foi ela que acendeu o rojão e causou a morte de um trabalhador chefe de família. Só faltou dizer, no seu linguajar peculiar: "Desculpa aí, meu". Só nos sobra a esperança de que nossas autoridades desbaratem essa turba de uma vez por todas, caso contrário teremos mais vítimas a lamentar.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

A morte anunciada

Meus mais sinceros sentimentos aos familiares do sr. Santiago, cinegrafista da Band vítima de barbárie causada por um bando de irresponsáveis - certamente orquestrados por algum partido político -, hoje verdadeira escória da nossa sociedade. Do outro lado ficam os brasileiros de bem, vítimas de um Código Penal ultrapassado, que vai mais uma vez contemplar a impunidade, comemorada pelos profissionais dos direitos humanos, capitaneados pela exma. ministra Maria do Rosário. Aliás, por onde andam essa digníssima senhora e seus seguidores?

FLAVIO CARLOS GERALDO

madflavio@uol.com.br

São Paulo

Violência

Quem vai resolver a situação insustentável de violência no País. Como nós, os governantes repudiam veementemente os atos de violência e dizem que os responsáveis devem ser exemplarmente punidos, blá-blá-blá... E daí?

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Solidariedade não basta

Com todo o respeito, à presidenta Dilma Rousseff não basta postar solidariedade pelo Twitter no caso do cinegrafista da TV Bandeirantes. É preciso uma política social séria que não dê motivos para que as pessoas se revoltem e precisem ir às ruas fazer reivindicações de seus direitos mais básicos.

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

Do lado errado

A partir de hoje o governo vai enfrentar manifestações cada vez maiores e pacíficas. Não haverá confronto com policiais, pois a "força oculta" chapa-branca fez a vítima do lado errado. Perdeu! A rua agora é do povo!

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

MAIS MÉDICOS

Outra deserção

O mal ajambrado programa Mais Médicos está se revelando um esquema "Mais Desertores". Se a vida em Cuba é tão boa como alardeiam os petistas, por que médicos que vieram de lá nos prestar uma "caridade" (pois só assim se entende eles receberem apenas uma pequena parcela do que pagamos aos irmãos Castro) estão fugindo? O precedente já foi estabelecido. Vão ter de trancar melhor a "gaiola", do contrário mais médicos/escravos buscarão o caminho de mais liberdade.

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

Condições de vida e trabalho

O cidadão brasileiro está atento e sensível aos que defendem os direitos humanos, dos animais, etc. A constatação de trabalho escravo entre os médicos cubanos e suas precárias condições de vida exigem uma manifestação forte dos partidos em defesa do seu asilo político, independentemente de aspectos legais. Abrir o contrato com o governo de Cuba, conhecer suas entranhas, forçar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) - sugiro TAC Ramona Rodríguez, à semelhança da Lei Maria da Penha - junto ao Ministério Público do Trabalho para que esses médicos ganhem pelo menos o salário mínimo instituído para a categoria e, finalmente, constituir uma comissão externa, com a participação da OAB, CFM, etc., para verificar in loco as condições de trabalho dos médicos contratados seriam ações muito bem-vindas. Resposta adequada de um país com tradição na defesa dos direitos individuais e coletivos dos que aqui habitam e trabalham.

MILTON F. M. LAUTENSCHLAGER

miltonflaviol@gmail.com

São Paulo

EM CAMPANHA

Língua solta

O ex-presidente Lula, em "evento" do PT em Ribeirão Preto, além de lançar o futuro "poste" Alexandre Padilla para o governo de São Paulo, criticou a atuação dos ministros do STF no caso do mensalão, insinuando que adotaram uma posição política. Se não nos falha a memória, foi Lula que procurou os srs. ministros para tentar interferir, sem êxito, no julgamento do mensalão. O ex-presidente continua com sua língua solta, sem medir as consequências de suas afirmações. Um verdadeiro desastre para um político que ensinou um dia que ex deveria ficar recolhido e não dar palpites.

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Lula e juízes do STF

Lula diz que os ministros não devem sair por aí dizendo o que pensam, que isso é política. Quando ele sai dando opiniões de como deveriam ser o julgamento ou as condenações, ele não está agindo como "magistrado"? Cada um no seu lugar e assim a Nação anda.

JOÃO MENON

joaomenon42@gmail.com

São Paulo

Só para entender

Gostaria de saber: investido de qual cargo do atual governo brasileiro o cidadão Luiz Inácio Lula da Silva se vai reunir com empresários e investidores em Nova York e se encontrar com o ex-presidente Bill Clinton? O sr. Lula da Silva estará lá representando quem, exatamente? Essas atitudes não são inerentes aos governantes de um país? Eu só queria entender...

MARINA R. BLANCO

mmalufi@terra.com.br

Olímpia

*

SANTIAGO ILÍDIO ANDRADE

A morte do cinegrafista da Rede Bandeirantes Santiago Ilídio Andrade, de 49 anos, deixa clara a todos a confusão na cabeça de quem usa foguetes e sinalizadores em manifestações, desde junho de 2013. Manifestar-se contra qualquer fato dentro da lei e da ordem é da democracia, porém é inaceitável a hostilidade de muitas pessoas contra jornalistas, que estão nestes lugares para cobrir o acontecimento e para serem porta-vozes da sociedade. Em suma, as autoridades policiais têm de tomar providências mais efetivas, para que não aconteçam mais mortes como esta.

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

REVOLTANTE

Não podemos mais aceitar esse tipo de violência. Isso é uma afronta contra os direitos de liberdade de qualquer um de nós, cidadãos de bem. Meus pêsames à família do cinegrafista Santiago Andrade, que estava apenas cumprindo seu dever, como estaria um policial que tivesse sido atingido e como estaríamos qualquer um de nós que desejasse participar de manifestações. Chega de inversão de valores neste país! Lei é lei e tem de ser igual para todos. Se chegamos ao ponto em que chegamos, é porque o Brasil está doente, os que nos governam não conseguem passar que a ordem e o respeito ao outro é um direito fundamental numa sociedade organizada. Que dona Maria do Rosário e dona Dilma Rousseff venham a público mostrar que defendem os direitos humanos de cada brasileiro, e não só os dos que estão ao seu lado ideologicamente. Um governo deve ser para todos, e não somente para os deles. Que fato lamentável e revoltante! Parece que só com vítimas fatais é que os brasileiros acabam acordando para esta anomalia que acontece no Brasil. E, afinal, a serviço de quem estão estes black blocs que a todos querem intimidar?

Eliana França Leme

efleme@terra.com.br

São Paulo

*

DEPOIS DA MORTE

Depois da morte de Santiago Andrade, o Black Block virou organização criminosa. Depois da morte do Santiago Andrade, Dilma determina que a Polícia Federal ajude na investigação. Só faltou dizer, imitando Geraldo Alckmin, que é uma questão de honra prender os assassinos. Quando será que o nosso ministro da Justiça vai fazer jus ao salário que recebe e tomar em suas mãos a justiça que todos nós esperamos? Afinal de contas, ele é ou não ministro da Justiça? O Ministério da Justiça tem por missão garantir e promover a cidadania, a justiça e a segurança pública, mas que segurança pública é esta que ele está implantando no Brasil?

Jatiacy Francisco da Silva

jatiacy@estadao.com.br

Guarulhos

*

DOIS ASSASSINOS

A meu ver, são dois patifes e irresponsáveis que têm tudo em comum: o que passou o rojão para o outro e este que disparou o artefato que matou o cinegrafista na manifestação de rua no Rio de Janeiro. Diante das leis frouxas que deixam homens de bem à mercê de bandidos, a Nação inteira já sabe o que acontecerá com a dupla de ordinários que causou a morte do profissional da imprensa: ficarão presos por alguns dias, responderão ao processo em liberdade e os advogados jurarão que seus clientes crápulas estão arrependidos. É nestas horas que tenho vergonha de ser brasileiro.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

QUE SE CUMPRA A LEI

Cinegrafista atingido por rojão, Santiago Andrade, tem morte cerebral. Black Blocs, adultos inconsequentes, hora de acabar com essa irresponsabilidade! Por que, qual é mesmo seu objetivo? O que pretendem com essa delinquência? Atingiram sua meta com a morte de um pai de família? Até agora não disseram a que vieram e já deixaram um cadáver no seu caminho. Quem está por trás deles? A partir de então, a imprensa que apoia essa cambada de arruaceiros e que antes de investigar já acusa a polícia continuará a chamá-los de "manifestantes pacíficos"? A esposa de Andrade disse que "o que falta neles é o amor, o amor pelas pessoas". Concordo e completo dizendo que falta também pulso firme de nossas autoridades. Estes caras sabem o que estão fazendo e conhecem bem a consequência dos artefatos que lançam, caso atinjam alguém. Não são crianças brincando de atirar aviõezinhos de papel. Assim, que sejam tratados dentro dos rigores da lei.

Myrian Macedo

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

QUAL SERÁ O LIMITE?

O Rio continua lindo e, a contrastar com sua imponência sobre o mar, a cidade representa hoje o que de pior acontece no terreno da violência urbana. Passando por pivetes que arrastam criança presa a um carro, percorrendo ônibus incendiados e reféns mortos, morre agora o cinegrafista da Band TV num ataque hediondo e tão irresponsável como todos os atos praticados pelos moleques ditos black blocs. O que ainda poderá acontecer nesta cidade tão linda, o que prometem ainda mais os criminosos pelas ruas afora? Qual será o momento em que as autoridades controlarão os crimes, os assassinatos e a barbárie que estarrece o mundo civilizado? O que precisa ainda acontecer de inimaginavelmente hediondo e desumano para que haja uma ação efetiva das polícias brasileiras para conter a onda gigantesca de violência com requintes de crueldade que mantém o povo brasileiro refém de traficantes, assassinos e menores alucinados que controlam as ruas e as cidades brasileiras?

Ronaldo Parisi

rparisi@uol.com.br

Osasco

*

NO CAMINHO DA GUERRA CIVIL

Os inaceitáveis participantes de manifestações que portem armas, como os sinalizadores, devem ser severamente punidos e presos imediatamente. Está claro que essas pessoas são desequilibradas, radicais e perigosas para a sociedade. Não é admissível que as autoridades se mantenham lenientes e passivas diante desta tragédia, a morte do cinegrafista Santiago Andrade. Creio que a combinação da ignorância generalizada de grande parte da população com a falta de preparo das polícias e com a violência exacerbada nas manifestações está nos levando à fronteira da guerra civil no Brasil.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FOGOS DE ARTIFÍCIO

Ou eu sou muito chato ou há realmente algo de podre no reino da Dinamarca, associado a um hipnotismo coletivo. É incrível que a imprensa e as autoridades que estão se manifestando na mídia não culpem o poder público pela morte do cinegrafista. Todos fazem vista grossa à absurda venda livre de artefatos explosivos, que vão parar nas mãos de qualquer um, inclusive de menores. Lembram-se do menino boliviano vítima dos animais que dispararam um sinalizador contra a torcida boliviana? Esses são somente dois das centenas de milhares que já morreram ou ficaram com sequelas de acidentes com fogos de artifício - que de artifício não têm nada.

Olimpio Alvares

olimpioa@uol.com.br

São Paulo

*

RESTRIÇÃO IMEDIATA

A morte brutal e estúpida do cinegrafista da TV Bandeirantes, atingido por um rojão durante manifestação de rua no Rio de Janeiro, exige que seja proibida imediatamente a venda ao público em geral desses fogos de artifício, artefatos perigosos - que passariam a ser manipulados apenas por profissionais cadastrados para uso em ocasiões especiais, como festas de fim de ano e grandes eventos populares. Outro benefício da restrição será reduzir a barulheira e os acidentes causados pelos fogos de estampido usados comumente em festas particulares e clubes.

Claudio Janowitzer

cjano@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

POR TRÁS DOS BLACK BLOCS

Fica cada vez mais patente que, por trás das legítimas manifestações de rua de junho para cá, há grupos de variados matizes ideológicos tentando tirar "proveito" dessas manifestações da população. Urge, assim, que nossas autoridades constituídas apurem quem manipula os chamados black blocs vândalos que podem estar "a serviço" de variadas correntes políticas, interessadas em estancar, pela violência vazia, esse inovador clamor popular contra nossas imensas vulnerabilidades cotidianas.

José de A. Nobre de Almeida

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

AS MÁSCARAS ESTÃO CAINDO

Começo me solidarizando com o repórter da Band atingido por um morteiro durante uma manifestação no Rio de Janeiro. Ali, ele unicamente fazia seu trabalho honesto, e foi atingido pela ignorância de um bando de desocupados.

Joao Camargo

democracia.com@estadao.com.br

São Paulo

*

PALCO DA COPA E OLIMPÍADA

O que se tem presenciado no Rio de Janeiro, mais ainda recentemente, não é um palco que garanta o sucesso de eventos que possam se comparar às performances conquistadas em outros países. "O Rio de Janeiro continua lindo" nos versos de Gilberto Gil, mas na realidade há insegurança e pavor de sair às ruas, que mais parecem um campo de batalha onde impera a barbárie e onde o direito constitucional de ir e vir são letras mortas na lei. Os justiceiros estão nas ruas. Um adolescente de 15 anos acusado de roubos foi preso a um poste com uma trava de bicicleta por "justiceiros". O cinegrafista Santiago, da TV Bandeirantes, foi selvagemmente assassinado por um morteiro pirotécnico. Até hoje, passados vários meses, o corpo do pedreiro Amarildo não foi encontrado. Esse Rio de Janeiro é apenas o reflexo do que se passa em todo o País pelo desgoverno a que estamos sendo submetidos. "Alô, alô, Realengo, aquele abraço!".

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PROGRAMA MAIS MÉDICOS

Há quatro dias seguidos o "Estadão" publica páginas quase inteiras sobre os médicos cubanos e as condições de vida que eles enfrentam no Brasil. Recebendo de Cuba apenas R$ 960,00 por mês, eles estão comendo mal, morando mal e tendo de ir a pé ou de ônibus visitar os doentes. Como eles podem trabalhar direito assim? Uma das médicas cubanas, certamente "amaciada" por 53 anos de ditadura, declarou que aceitava essa situação porque era uma "missão humanitária". Mas o Brasil, que pode gastar bilhões de reais na construção dos estádios de futebol mais caros do mundo, não precisa de missionários para tratar os seus doentes. O Brasil precisa, para tratar os seus doentes, de bons profissionais, bem pagos, satisfeitos e com condições adequadas de trabalho. E por que isso tudo está acontecendo, se o Brasil paga R$ 10 mil por cada um deles? Porque a ditadura cubana fica com R$ 7.600,00 do salário deles e ainda retém mais R$ 1.440,00 numa conta em Cuba, à qual eles só poderão ter acesso quando voltarem para Cuba. Se esses médicos estivessem recebendo na mão os R$ 10 mil que o Brasil paga por cada um deles, não estariam comendo mal, vivendo de cestas básicas nem morando em repúblicas e indo a pé visitar os doentes. Teriam condições de se manter dignamente. Pois é, o Brasil desembolsa todos os meses R$ 10 mil por cada médico cubano, mas o problema é que esse dinheiro tem de ser suficiente para pagar os médicos e ainda enviar uma mesada para Cuba. Agora o governo tenta jogar nas costas dos municípios brasileiros as despesas de sobrevivência que os médicos cubanos não podem pagar com o salário miserável que recebem de Cuba.

Marly Gouveia

marlygouveia@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM TEM A RAZÃO?

De um lado, os prefeitos acusavam os médicos por não aceitarem "altos salários" e ajuda de custo para trabalhar nas cidades por eles administradas. Do outro, os médicos se defendiam, dizendo que os prefeitos, quando muito, pagavam um ou dois salários e depois os abandonavam, sem contar a total falta de condições mínimas. Agora, com a denúncia de que as prefeituras não estão honrando o acordo do Mais Médicos, fica fácil saber com quem estava a verdade.

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

PUNIÇÃO

Em ano eleitoral, o País fica como cachorro que tem dois donos: acaba passando fome. O Ministério da Saúde ameaça descredenciar municípios que não estão repassando ajuda de custo aos médicos cubanos prevista nas regras do programa Mais Médicos. Ora, ora, ora, senhor ministro Arthur Chioro, mal o senhor tomou posse e já quer punir o povo? Mude o alvo e faça justiça penalizando os prefeitos corruptos e ladrões que estão desviando a verba do programa Mais Médicos. Acorda, Brasil!

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

DESCREDENCIAMENTO DO MAIS MÉDICOS

É a cara oficial dos desmandos autoritários. Ao invés de o governo apenas dar suporte, ele é que quer fazer e desfazer, e o município é que paga. O apagão generalizado já está de fato instalado no País.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

BANDEIRA FURADA

Médicos cubanos moram em repúblicas, vivem de cesta básica, recebem "vale-coxinha" e pagam, do próprio bolso, a passagem de ônibus para fazer visitas do Programa Saúde da Família, e essa é a bandeira de Alexandre Padilha. Acho bom ele mudar já, pois isso parece pura escravidão e sacanagem. Os caras são escravos e lixo humano em Cuba, no Brasil o mínimo que merecem é respeito. Vai pra casa, Padilha! Poste com bandeira furada...

Alice Baruk

alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

DEFESA DA LIBERDADE

Onde estão os defensores da liberdade que não se manifestam contra os absurdos do programa Mais Médicos? Será que a OAB, o Ministério Público, a ONU ou a oposição não têm nada a dizer sobre as condições de trabalho análogas à escravidão a que esses médicos cubanos estão submetidos? Será que ninguém vai se manifestar contra seres humanos sendo obrigados a trabalhar praticamente de graça, gerando receitas para seus donos, sob ameaça de retaliação contra suas famílias, mantidas reféns em Cuba? Esse programa em nada difere da exploração do trabalho de uma mulher obrigada a se prostituir e a dar tudo o que ganha ao seu cafetão.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

ATRASO

O nosso novo ministro da Saúde achou interessante aos médicos que trabalham no interior receberem galinhas, frutas, etc. por serviços prestados. Está criada a Bolsa Escambo. Só falta um programa tão moderno quanto este: "Minha caverna, minha vida".

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

PROCURANDO CULPADOS

O atual ministro da Saúde, com o maior cinismo, afirmou que vai procurar os responsáveis pelos absurdos que estão cometendo com os médicos cubanos País afora. Ora, até o cachorro lá em casa sabe que o desgoverno petista trouxe escravos da sanguinária ditadura cubana para atuar nesta farsa chamada de Mais Médicos. A verdade é que precisamos saber como estão sendo tratados esses prisioneiros em terra brasileira, pois devem estar sendo patrulhados, para não desistirem da escravidão "made in Brazil", pela gestão Dilma Rousseff.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

MAQUIAGEM DA SAÚDE

Enquanto o ex-presidente Lula vai aos Estados Unidos fazer campanha para reeleger Dilma Rousseff, aumenta a demanda pelo "quilombo do bisturi" no Brasil. Brasileiros de todas as classes sociais se solidarizam com os novos quilombolas, médicos cubanos que vivem de cesta básica. Só falta algum iluminado ter a ideia de criar senzalas nos viadutos das principais capitais do País para abrigar esses médicos - como forma de baratear ainda mais a mão de obra da maquiagem da saúde.

Devanir Amâncio

devaniramancio@ig.com.br

São Paulo

*

DESERÇÃO

Viram como era um engodo o Programa Mais Médicos? Mais um médico se mandou para os EUA. Sem querer, dona Dilma está ajudando os médicos a se livrarem das garras de Fidel Castro. Pois é, Cuba é tão maravilhosa que nenhum trabalhador que sai de lá quer voltar. E por falar neste programa, que não passa de uma fraude eleitoreira, o governo federal se "esqueceu" de todas as regras trabalhistas: falta de recolhimento do INSS, FGTS, DSR, férias, 13.º salario, aviso-prévio e outras obrigações trabalhistas que se somam ao salário. O contrato tem características de trabalho escravo, os doutores estão impedidos de sair do Brasil e 70% do salário será confiscado e remetido ao governo de Cuba. É de estranhar que as centrais sindicais assistiram a essa situação de bico calado. No passado, os sindicalistas faziam um barulho ensurdecedor, na era Lula estão todos muito bem empregados. Esse programa é uma afronta, vai trazer vários prejuízos à sociedade, que mais uma vez pagará a conta. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ASILO POLÍTICO

Admiro a coragem da médica cubana Ramona Matos Rodriguez, de 51 anos, em denunciar na mídia o programa Mais Médicos. Ela, além de seus familiares, sofrerão perseguição em Havana pelo regime comunista. Não só no seu país, como aqui, no Brasil, segundo ela, já está sendo penalizada pelo governo e aliados. Acho que a presidente Dilma Rousseff deve determinar que sua equipe solucione o caso da estrangeira com o asilo político.

Manoel Limoeiro

manoeljs127773997@hotmail.com

Recife

*

EM DEFESA DOS MÉDICOS CUBANOS

A atitude de uma médica cubana que desistiu de continuar participando do programa Mais Médicos, como não podia ser diferente, está sendo usada para tentar desgastar a iniciativa do Ministério da Saúde. Sem estender demais o assunto, o deputado médico da oposição que está dando cobertura a ela poderia responder a algumas perguntas. No seu Estado, todos os municípios contam com esquemas médicos nas grandes e pequenas cidades, onde servidores, equipamentos e remédios atendem às necessidades das comunidades? E qual tem sido o papel desse deputado na busca de soluções para esses problemas? E, se os médicos cubanos resolverem debandar, há profissionais para substituí-los?

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

PADILHA E A MAMOGRAFIA DE UM SEIO SÓ

Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde, acabou de deixar o cargo, desincompatibilizando-se para concorrer, em outubro próximo, a nada mais nada menos que o governo de São Paulo. Antes de fazê-lo, porém, legou ao Brasil, em novembro último, uma surrealista portaria em que limita as realizações de mamografias pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em apenas um seio. Presume-se que o ex-ministro seja aficionado pela lenda das amazonas, guerreiras gregas que viviam às margens do Mar Negro e, desde pequenas, atrofiavam um dos seios para que não as atrapalhasse no manejo do arco. Mas foram derrotadas em grande batalha por Hércules, cujo nono trabalho imposto pelo rei Euristeu foi apossar-se do zoster (cinto mágico) de Hipólita, rainha das amazonas. E ele o fez, auxiliado por seu amigo Teseu, o mesmo que, pouco antes, matara o Minotauro. Convém reavivar a memória do ex-ministro, que, por esse gesto, parece andar esquecido de que as mulheres brasileiras, tão ou mais guerreiras e audazes que as amazonas, não se dedicam a essa prática mutiladora, até porque as únicas flechas que disparam são as de Eros, filho de Afrodite, a quem personificam à perfeição. Não lamentam a perda do cinto mágico, por desnecessário a elas, nem pretendem receber como compensação, de alguma bolsa governamental, qualquer soutien de Hipólita de uma banda só.

Gil Cordeiro Dias Ferreira

gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

*

ABOMINÁVEL PROVIDÊNCIA

Pelas informações das entidades médicas, citando dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama serão diagnosticados no Brasil em 2014. Na contramão disso, o Ministério da Saúde lançou em novembro de 2013 a questionada portaria que diminui os repasses do governo federal aos municípios para a realização de mamografias. Pela portaria, será custeada apenas a mamografia unilateral, ou seja, de uma das mamas. O problema, dizem as entidades médicas, é que esse exame não é eficiente na prevenção ao câncer. Essa abominável providência seria a redenção do ex- ministro Padilha, da Saúde, antes de sair do governo, com as pretensões de governar Estado de São Paulo.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

CÂNCER DE MAMA

O Conselho Federal de Medicina (CFM), o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR), a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) assinaram carta em protesto contra a Portaria n.º 1.253, de 12 de novembro de 2013, que exclui o direito à mamografia bilateral para mulheres de até 49 anos: o médico terá de escolher uma das mamas para fazer o preventivo, sendo que nem sempre as lesões são palpáveis. Como assim? Não basta às mulheres esperarem meses por uma consulta e, na hora de fazerem um exame importante como a mamografia, que pode lhes salvar a vida, serem discriminadas? Esse é o procedimento do Ministério da Saúde com os que mais necessitam? Será que os ilustres querem aumentar mais ainda as mortes por câncer de mama, que é a principal causa de morte por câncer no Brasil e o segundo tipo no mundo? Será que também nesta estatística, como tudo o que é desabonador, ficaremos entre os primeiros lugares?

Aparecida Dileide Gaziolla

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

ORA VALENTÕES, ORA FUJÕES

Ao que sugerem os fatos, a imprensa já está dando "de barato" que Lula saia Brasil afora infringindo a lei eleitoral e fazendo a "pré-campanha" de seus candidatos - a começar pela presidente Dilma - às eleições de outubro. Segundo o "Estado", "Lula enfrentará rivais para poupar Dilma até a Copa" (10/2, A4). Ora, por que Lula precisaria ir a palanques enfrentar rivais em época pré-eleitoral? A rigor, não são os adversários que precisam ser enfrentados, e sim a baixíssima qualidade de gestão de um governo que não tem como justificar sua ambição por mais um quatriênio, dentro do qual ninguém em sã consciência espera que o governo do PT supere a estagnação em que vive o País. A questão por trás dos palanques é que há uma linha divisória entre a mera participação em eventos políticos - o que é legítimo - e a escancarada campanha político-eleitoral propriamente dita - o que é ilegal - e a isso todos devem ficar bem atentos, a começar pela Justiça Eleitoral, que, em outras ocasiões, ao tomar conhecimento do desdém do ex-presidente pela lei, limitou-se a aplicar-lhe multinhas fajutas que devem ter, à ocasião, atiçado a vontade da então candidata Dilma Rousseff de "gargalhar" pelo ridículo que encerraram. Ainda no tema, e como alguns preveem que não demora vai haver nova onda de manifestações, seria bom ver Lula aparecer no calor dos acontecimentos e responder às demandas por saúde, educação, segurança, etc., que continuam no mesmo "vai da valsa" de sempre. Terá ele a coragem de ir para o debate ou vai fazer como em 2013 e sumir do mapa? E Dilma? Terá coragem de aparecer na abertura da Copa e fazer discurso desta vez?

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

A POUPANÇA ‘DELLE’

"Para poupar Dilma até a Copa, Lula fará (os) embates" ("Estado", 10/2). Poupar de que, cara-pálida? De que, se o culpado de todo o mal - inclusive de fazer-nos suportar este tal poste ambulante e imprestável onde está (por pouco tempo, graças a Deus) - és tu? Queres saber de uma coisa, ó desconfortável garanhunense? Pois saiba então: vá deblaterar em outra freguesia!

João Guilherme Ortolan

guiortolan@gmail.com

Bauru

*

QUARTO MANDATO

Será que o ex-presidente Lula da Silva ainda acredita que barbas e gritos poderão reeleger presidente da República?

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

HORA DE PASSAR A LIMPO

O único ex-presidente em exercício, Lula da Silva disse que vai defender dona Dilma dos ataques dos candidatos opositores e deixar ela somente governando o Brasil. Até parece que nestes três anos que ela teve para governar efetivamente ela tivesse feito algo de útil e novo para nosso país. Finanças despencando, inflação subindo, PIB caindo dia a dia, investimentos faltando, produção da indústria pífia, exportação diminuindo, produção de petróleo estagnada, apagões vários e quase zero nos investimentos neste campo, o PAC que só teve investimento em Cuba (Programa de Amparo a Cuba), no Porto de Mariel, corte no orçamento para a educação, 13 mil leitos do SUS fechados. Ou seja, só retrocesso. Quem sabe não seria melhor o apedeuta Lula da Silva explicar de uma vez os casos de dona Rosemary, Celso Daniel, Toninho do PT, o mensalão, a fuga de Henrique Pizzolato, a compra e venda da Usina de Pasadena (EUA), a falta de incentivos na produção de etanol, etc., etc.? E aí, sim, dona Dilma poderia governar melhor, sem tanta pressão política. Portanto, não são poucos os assuntos que os brasileiros estão exigindo que sejam esclarecidos de maneira correta e sincera, passando a limpo a longa permanência do lulopetismo no (des)governo deste país. Já passou da hora de os eleitores brasileiros abrirem os olhos, outubro de 2014 está aí.

Antônio Carelli Filho

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

A ECONOMIA VAI BEM, OBRIGADO?

O petista ex-ministro Fernando Pimentel critica a afirmação do empresário Pedro Passos, presidente do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), segundo o qual falta direção na economia e os empresários não confiam no governo Dilma. Pimentel alega tratar-se de crítica vinda de "um militante de um projeto eleitoral da oposição... instrumento de campanha eleitoral". Como se não bastassem quaisquer dos indicadores econômicos, análises daqui e do exterior, melhor acreditar na falta de imaginação à justificativa do ex-ministro, do que ser entendido como estupidez na obediência irrestrita ao partido.

Mario Cobucci Junior

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

GOVERNO E CREDIBILIDADE

Não há como fugir da atual situação de ausência de credibilidade governamental. No meio empresarial predomina uma indiscutível crise de credibilidade no atual governo, o que se nota em diversos pronunciamentos de empresários e entidades classistas. Pedro Passos, presidente do Iedi e acionista e fundador da Natura, manifesta-se no mesmo sentido, indicando que os empresários não mais acreditam neste governo, o que, na verdade, é uma situação bastante difícil para os planos governamentais. Mesmo que desejem imputar a Pedro Passos a condição de político e, pois, de ser o seu pronunciamento político, a sua fala é corroborada por outros empresários do País, da mesma forma que a população mais esclarecida também não mais dispensa credibilidade ao atual governo, ficando cada vez mais difícil manter os planos e projetos governamentais, o que, por certo, afetará o processo eleitoral de outubro próximo.

José C. de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

UMA VOZ A SER OUVIDA

A entrevista concedida pelo sr. Pedro Passos ao "Estadão" cai como colírio nos nossos olhos (9/2, B1). Há muitos anos não surge ninguém para contestar frontalmente a errática e sinuosa política econômica do governo. Não duvido de que existam muitos empresários que compartilham os mesmos temores do senhor Passos, mas somente ele possui independência financeira para declará-los. Os demais, infelizmente, estão enredados nas teias de aranha do BNDES. Parabéns ao senhor Pedro!

João Mellão Neto

joaomellao2009@gmail.com

São Paulo

*

MENSALÃO MINEIRO

O ex-governador tucano Eduardo Azeredo (PSDB-MG), personagem central do chamado Mensalão Mineiro, declarou à imprensa que é tão inocente quanto Lula. Cá entre nós, fazendo essa afirmação, no mínimo ele está confirmando o crime ou sendo irônico. De qualquer forma, está se autoacusando, pura e simplesmente. Seria menos comprometedor se tivesse dito que é tão inocente quanto dois mais dois são cinco. Resumindo, quer usufruir da mesma impunidade do outro. Assim fica difícil, Joaquim!

José Marques

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

CONFISSÃO DE CULPA

A afirmação do ex-governador mineiro Eduardo Azeredo (PSDB-MG), de que é "tão inocente quanto o Lula", é uma verdadeira confissão de culpa. Não precisa falar mais nada.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

EDUARDO AZEREDO

Amigão, pegou mal, se for inocente como alguém que conheço, entregue-se!

J. Perin Garcia

jperin@uol.com.br

São Paulo

*

CONDENAÇÃO

Não só Azeredo, como seus asseclas, é claro, devem ser exemplarmente punidos. Contudo, é de estranhar, embora na ocasião do mensalão do PT o procurador-geral fosse outro, que a Procuradoria-Geral, agora, ao oferecer denúncia do mensalão mineiro, sugira a condenação de 22 anos para o "cabeça" do esquema, Eduardo Azeredo, bem menor do que a sugerida para a do mensalão petista. Dois pesos e duas medidas? E o que dizer da declaração de Azeredo de que "o STF foi ‘duro’ com petistas, e que houve ‘discrepância’ nas penas"? Todos farinha do mesmo saco!

Gerson S. Monteiro

gersufn@uol.com.br

Sorocaba

*

CARTAS MARCADAS

Estes 22 anos para o Azeredo (PSDB-MG) são como "dois patinhos na lagoa", ou seja, "me engana que eu gosto". Um jogo de cartelas marcadas.

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

BRASIL EM PRIMEIRO PLANO. SERÁ?!

O lado bom da possível inclusão na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF), de que o propalado julgamento do mensalão mineiro, dito do PSDB, seja concluído ainda neste ano, já que os mensaleiros do PT estão devidamente presos, é que tendo esses dois partidos citados os prováveis e principais candidatos ao pleito que se avizinha com vistas ao Palácio do Planalto, como Dilma Rousseff, e Aécio Neves, é que excluídos os problemas com a corrupção, já que neste quesito os dois partidos estão carimbados, somente restará para esta campanha eleitoral é que se discutam ideias, e se comprometam com projetos que viabilizem o futuro desta maltratada nação. Será que sonho demais?!

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

‘O PROBLEMA DOS MOTOCICLISTAS’

Cumprimento o jornal pelo editorial "O problema dos motociclistas", publicado domingo (9/2). O problema é real e muito grave, e tende a se agravar na medida em que mais pessoas optem pelas motocicletas como meio de transporte na cidade de São Paulo e no resto do País. Escrevi um livro chamado "Motociclismo Avançado", com o objetivo de ajudar os motociclistas a descobrirem os segredos que as motos em movimento encerram, e tenho tentado desenvolver atividades de treinamento de motociclistas habilitados, para aumentar seu nível de informação e sua perícia na condução de motocicletas.

James Stuart Hodge

james.stuart.hodge@gmail.com

São Paulo

*

SUGESTÃO

Se a frota das motocicletas já atingiu o numero de 1 milhão de veículos na capital paulista, já é hora de a Prefeitura pensar urgentemente em construir elevados ou minhocões exclusivos para as motos. Com 3 metros de largura, no máximo, seriam suficientes para duas pistas e ofereceriam mais segurança e conforto para esses veículos e dariam um alívio para os automóveis.

Arcangelo Sforcin Filho

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.