Fórum dos Leitores

MENSALEIROS

O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2014 | 02h05

Despudorada ousadia

Só uma descarada falta de pudor aliada a uma ousadia sem limites poderia levar o presidente do PT, Rui Falcão, a interpelar Gilmar Mendes sobre eventual lavagem de dinheiro, questionada pelo ministro, no pagamento das multas aplicadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) aos mensaleiros, por meio de vaquinha, dizendo sem ruborizar que a afirmação do magistrado ataca a honra do PT e de seus filiados (14/2, A8). Primeiro, a honra do partido já foi irremediavelmente manchada com a comprovação do desvio de milhões de dinheiro público pelos mensaleiros, hoje devidamente encarcerados. Segundo, está certo o ministro Gilmar Mendes em sugerir que o PT recomende a seus filiados, "verdadeiros experts em arrecadação de doações", que façam uma vaquinha para ressarcir os mais de R$ 100 milhões subtraídos pela quadrilha dos cofres públicos, além de que todas as doações deveriam passar pelo escrutínio da Receita Federal.

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

Multas e cadeia

O ministro Gilmar Mendes está coberto de razão. Se assim não fosse, os mensaleiros logo fariam uma "vaquinha" para "arrecadar" voluntários para cumprirem dias de cadeia de suas penas. Já pensou se a moda pega?

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Vaquinha leiteira

Diante das dificuldades financeiras que vive a maioria do povo brasileiro, é de dar inveja a facilidade da "cumpanheirada" do PT em arrecadar fundos. A facilidade é tanta que o ex-deputado João Paulo Cunha estava pensando em fazer sua própria vaquinha para saldar a multa que lhe foi imposta no processo do mensalão, mas nem foi necessário. O excedente da arrecadação coletiva realizada para pagar a multa do ex-tesoureiro Delúbio Soares resolveu a situação de João Paulo Cunha também.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Quadrilha formada

Na próxima semana serão analisados os casos de condenação por formação de quadrilha no processo do mensalão. A nova Lei n.º 12.850/2.013 diz: "Considera-se organização criminosa a associação de 4 ou mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente, com o objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 anos, ou que sejam de caráter transnacional". O caso do mensalão se confunde com a definição dessa lei e será usado como exemplo de crime de formação de quadrilha nas faculdades de Direito. O Brasil espera que o STF cumpra o seu dever.

MÁRIO BARILÁ FILHO

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

Pizzolato

Já foi feita uma auditoria detalhada no Banco do Brasil para determinar o valor que o sr. Henrique Pizzolato "roubou"? A polícia italiana tem informações de que ele ia fazer "pesados investimentos" na Itália com o produto do desvio de dinheiro público que ele perpetrou aqui, no Brasil.

RENZO ORLANDO

renzoorlando@netpartners.com.br

São Paulo

E A CHUVA VOLTOU

Alagamentos

Há anos a Avenida Roque Petroni Júnior, entre a Marginal do Pinheiros e a Avenida Washington Luís, vem sofrendo alagamentos cada vez mais frequentes e catastróficos. Vários projetos já foram propostos para a região, mas entra prefeito, sai prefeito e nenhuma obra eficiente foi feita até agora. Ano de eleição e época de chuvas, qual não foi a minha surpresa ao deparar com placas e faixas com os dizeres: "Área sujeita a alagamentos". O que significa isso? O pior é que os avisos foram colocados estrategicamente no ponto de maior alagamento, na altura da Rua Cancioneiro Popular, e o motorista que trafega no sentido Marginal-Washington Luís não tem nenhuma saída à direita antes dessa esquina para escapar. Ou seja, se durante uma chuva forte o motorista conseguir enxergar os avisos, provavelmente seu carro já estará boiando e a única saída à direita, intransitável!

M. CECÍLIA A. G. C. DE OLIVEIRA, Associação de Amigos do Bairro Alto da Boa Vista

sababv@altodaboavista.org.br

São Paulo

Inoportuno

Lula, o mestre, mandou que Haddad fizesse propaganda institucional da Prefeitura a fim de melhorar sua imagem, tão desgastada em apenas um ano de governo. O alcaide, incontinenti, obedeceu com publicidade de obras feitas (?!) contra as enchentes. Mais inoportuno, impossível!

CLÉA CORRÊA

cleacorrea@uol.com.br

São Paulo

O fim das enchentes

Ao meio-dia, mais ou menos, começam a aparecer as nuvens pretas. Estas podem ser bombardeadas com gelo seco (ou com outras substâncias), o que provocaria chuvas espalhadas e em pequenas quantidades, evitando as grandes precipitações de uma só vez, enxurradas (trombas d'água) e, portanto, as enchentes. Poderiam ser usados aviões da Força Aérea Brasileira - tenho certeza que gostaria de colaborar. Trata-se de operação de baixo custo, preventiva, que evitaria grandes prejuízos e perda de vidas. O homem pode dominar a natureza.

SALOMÃO FAINBERG TESSLER

stessler@uol.com.br

São Paulo

Protestos

Sobre as demonstrações em São Paulo, ainda bem que só temos enchentes, se tivéssemos terremotos não teríamos ônibus suficientes para queimar.

HARRY RENTEL

harry@citratus.com.br

Vinhedo

Para que serve a Abin?

Perguntar não ofende. Ônibus queimados e ninguém descobre nada? Estranho! Trata-se de incompetência ou conivência?

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

Ônibus em chamas

Nada me convence de que essa queima de ônibus não seja coisa de "terroristas" do PT para prejudicar o governo do PSDB.

CONRADO DE PAULO

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

Será que essa turma pretende incendiar ônibus até a eleição para o governo de São Paulo?

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo  

RISCO DE APAGÃO

Finalmente o governo federal admitiu a possibilidade de o Brasil sofrer apagões. "Baixíssimo" risco, diz o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico. Mas cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, já diziam os antigos, sempre precavidos.

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

MUITO RAIO E POUCA TROVOADA

O problema não é o nosso setor elétrico estar bem protegido de raios, mas de não precisar estar protegido das "trovoadinhas" da oposição.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

LOBÃO NA OPOSIÇÃO

Enquanto a "presidenta" se manifesta a favor do consumidor e contra o alto preço da energia, o ministro Edison Lobão declara que, se o consumidor quiser segurança no fornecimento da energia, terá de pagar mais. De que lado está o Lobão?

Mauro Lacerda de Ávila lacerdaavila@uol.com.br

São Paulo

*

APOSTA ARRISCADA

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, havia declarado que estava tudo sob controle e que, mesmo com seca, não faltaria energia. Em outras palavras, não haveria apagões. Liberou geral, então, para a população continuar gastando sem controle. A aposta era arriscadíssima, pois da última vez que Lobão declarou isso houve um grande apagão no dia seguinte. E, se acontecer, Dilma não vai ficar só naquele telefonema que foi filmado.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

HORÁRIO DE VERÃO

O horário de verão, que termina hoje, sempre foi atrelado à economia de energia. Estamos num ano com muita falta de água, principalmente nos reservatórios de hidrelétricas do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Será que o digníssimo governo, mesmo com possível apagão ou racionamento, não irá prorrogar o horário até o fim do carnaval? Ficam aqui a minha pergunta e também minha indignação. Nem o óbvio este governo faz.

Eugênio Iwankiw Junior iwankiwjr@hotmail.com

Curitiba

*

TARDES LONGAS

É tão estúpido isso de acabar o horário de verão no meio do verão. Por que não fica pelo menos até o final de fevereiro, ou até depois do carnaval? Se ele é tão importante para a economia de energia, deveria ter mais dias para que quem dele gosta, e são muitos, pudessem aproveitar as tardes compridas e lindas. Pensem nisso para o próximo ano. Até o fim de fevereiro seria uma ótima opção.

José Claudio Canato jccanato@yahoo.com.br

Porto Ferreira

*

SÃO PEDRO

Chuvas magras, racionamento; temporais abundantes, alagamento. "Se correr o bicho pega, se ficar, come." Socorro!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

A QUEM INTERESSA?

Logo depois de começarem as manifestações pacíficas em junho de 2013, reclamando do atual governo Dilma, apareceram grupos de baderneiros mascarados com motivação específica de provocar quebra-quebra nas fachadas de lojas, agências bancárias e bens públicos. Jovens apareciam gratuitamente para transformar o que era pacífico em violento. Por que isso estava acontecendo em quase todas as manifestações? Qual o interesse desses jovens para se exporem e gastarem tanta energia na destruição aparentemente aleatória de bens alheios? Por que a polícia não agia para coibir isso, prendendo os mascarados antes mesmo do quebra-quebra? Muitas perguntas que se resumem a uma só: a quem interessava desvirtuar as manifestações contra o governo petista? Simples como 2 mais 2 são 4. Mas será que nossos investigadores policiais, nossa Justiça e governantes municipais vão ter a independência e a vontade política de descobrir e pôr às claras provas dessa trama maquiavélica e fatal? Brasil, Brasil, eras tu "mãe gentil" de seus filhos antes de ser dominada por uma verdadeira gangue. Não se tem mais ordem, e o progresso só segue tibiamente motivado por esmolas e isenções fiscais. Até quando?

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

ABRINDO CAMINHO

A hipótese de aliciamento de jovens da periferia para gerar violência durante as manifestações parece combinar bem com correntes ideológicas que pretendem impor sua agenda a qualquer custo. E em especial por impedir que a sociedade se manifeste contra a má gestão de nosso país e expor o discurso perverso que todos estamos cansados de ouvir. Estádios padrão Fifa a custos estratosféricos com baixa perspectiva de utilização na grande maioria deles. Saúde abaixo de qualquer padrão. Educação abandonada. Investimentos em infraestrutura em Cuba com apagões no Brasil. Petrobrás sangrando para segurar os equívocos da condução da economia. Impostos do outro mundo, sempre em alta. Que a morte do cinegrafista Santiago Andrade nos abra a oportunidade de manifestações pacíficas com conteúdo e nos ajude a melhorar o Brasil.

Carlos de Oliveira Avila gardjota@gmail.com

São Paulo

*

QUE A MORTE NÃO SEJA EM VÃO

A cada minuto notícias dão conta de que jovens eram aliciados para praticarem atos de vandalismo com o intuito de impedir que manifestações fossem vistas como iniciativas saudáveis e democráticas e uma forma legítima de expressar insatisfações com os rumos da política no País. Parece que isso não convinha a alguns partidos cuja ideologia se coloca como solução salvadora para tudo o que estava aí. Agora resta investigar quem poderia estar por trás desse jogo malévolo de infiltrar "terroristas de aluguel", como se instituir um grande mal fosse afinal para se chegar ao bem, sabe-se lá que "bem" seria este que está incrustado na fantasia de alguns. O tiro acabou saindo pela culatra. Foi preciso uma vítima fatal para que tal artimanha perversa fosse desmascarada. E não havia quem não desconfiasse disso, mas era mais fácil culpar a polícia por todos os episódios de violência a ponto de um repórter da Rede Globo ter dado a notícia ao vivo atribuindo a um policial a culpa pelo artefato jogado contra o cinegrafista Santiago. E o vídeo mostra que nem sequer havia um policial por perto. O desmentido envergonhado veio por William Bonner do "Jornal Nacional". Vamos ver se agora as coisas serão colocadas em seus devidos lugares e se será permitido à sociedade o legítimo direito de protestar em paz e dentro de regras democráticas e com a segurança de que nenhum rojão irá atingir a ninguém mais. De mascarados o Brasil está cheio, precisamos é de gente de cara limpa, em protestos pacíficos o que, afinal, é um direito do cidadão de bem e um belo recurso a ser utilizado como expressão dos anseios populares.

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

DIREITOS HUMANOS

Maria do Rosário, secretária dos Direitos Humanos, vai continuar calada diante da morte do cinegrafista da Band? Calar-se-ia se o crime tivesse sido cometido contra um black bloc?

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

POR TRÁS DOS BLACK BLOCS

Para saber quem financia os black blocks, é importante saber quem se beneficia com eles. Iniciaram suas atividades em 2013, imediatamente após as primeiras passeatas contra o governo e a Copa, pedindo, de forma pacífica, padrão Fifa para escola, saúde, educação e transporte. Aí apareceram os black blocks e com suas atividades criminosas pouco a pouco conseguiram esmaecer e dissolver os movimentos. Dir-se-ia que eram contra todos os níveis de governo, mas os intensos atos focalizados contra os centros de governo de São Paulo e do Rio, e não em Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Brasília e outras cidades, indica que havia outros componentes. Não apareceram nos protestos contra a Copa das Confederações, em Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza e outras cidades. O fato de até hoje os black blocks preservarem o governo federal e concentrarem suas maiores atividades em Estados onde o PT quer ganhar as próximas eleições não indica algo? Também merece estudo o possível envolvimento de partido de linhas similares.

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia

*

O ADVOGADO

É deveras bastante duvidosa a contratação, as declarações e a participação do advogado Jonas Tadeu numa operação policial de prisão, com viagem à Feira de Santana (paga por quem?). Ele fala uma coisa numa hora (entre linhas) e depois fala outra coisa. A sociedade gostaria de saber e é preciso que ele declare quem o contratou e quem está lhe pagando para atuar na defesa dos dois rapazes acusados da morte do cinegrafista da Band. A própria OAB já deveria tomar uma posição a respeito, pois o respingo de uma ilicitude pode vir a atingi-la. São dúvidas a esclarecer.

Schindler Pedroza s_paschoal@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

ALGO DE PODRE

A defesa de Caio Silva Souza afirma que os jovens são pagos para cometer os atos de violência em manifestações. Shakespeare não perde a atualidade: "Há algo de podre no Reino da Dinamarca".

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PARTIDOS TERRORISTAS

Eis que o baderneiro Caio Silva de Souza confirmou o que - há muito - suspeitávamos. O terrorismo protagonizado pelos Black Blocs e baderneiros em geral é financiado. Financiado por partidos políticos. Os mesmos, segundo depoimento do próprio Caio, que levantam suas bandeiras nestes atos. Partidos de esquerda. Esquerda comunista, que - como não tomou o poder em 64 - se diz democrática e avessa à violência. Vivemos numa nação onde a esquerda terrorista, disfarçada sob a bandeira do "socialismo pacifista" permeia seu horror e perpetra o caos, financiando mascarados covardes que destroem tudo - e matam pessoas. E agora, Brasil (cidadãos civilizados), vamos acordar? Quantos outros Santiagos terão de morrer?

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

INFILTRADOS

Como combater a introdução de elementos estranhos e violentos infiltrados nos movimentos sociais no Brasil? Perguntem aos franceses qual o sistema que permitiu aniquilar o Organization Armée Secrète (OAS) em 1961. Essa organização cometeu atos de sabotagem na França e na Algéria. Depois do 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos pediram ajuda à "inteligência" francesa para se proteger dos atentados. O Brasil poderia fazer o mesmo. Não se deve pensar em sanções imediatas, é preciso organizar outra coisa. Enfim, é bastante simples: é preciso se introduzir nestes grupos, saber o que eles são, quem os paga, quando eles vão agir e onde eles o farão. É necessário fazer entrar nesses grupos espiões para se inteirarem de tudo e, em seguida, fazê-los explodir. É o único meio eficaz de combate. A França adotou-o e conseguiu acabar com os atentados.

Paul Alphen palphen@uol.com.br

São Paulo

*

VÂNDALOS PAGOS

A política brasileira virou caso de polícia. Há anos que São Paulo sofre a cada dois anos (anos de eleição) com ônibus incendiados por todos os lados, criminalidade desenfreada, mesmo sendo o Estado que mais prende no País. Metrô quebrado em todas as linhas diariamente e, agora, a denúncia de que os vândalos são pagos para o quebra-quebra no Rio de Janeiro. São Paulo não está livre dessa sina feroz dos partidos que vivem nas sombras e que veem na desordem e vandalismo suas bandeiras de poder. Só estaremos realmente vivendo em plena democracia depois que essa estirpe de político tenha sido alijada da vida pública brasileira. Até lá, o que vemos atualmente não está muito longe do que presenciamos na época da ditadura militar e que foi protagonizada pelos que hoje estão no poder.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

MENSALINHO PARA MANIFESTAÇÕES

Todos conhecem o mensalão do PT e viram no que deu. As manifestações violentas estão mostrando que existe o mensalinho para financiar a barbárie nas ruas. Segundo o advogado Jonas Tadeu Nunes, seu cliente Caio Silva de Souza recebeu R$150,00 para participar de manifestações e promover atos de violência e terrorismo social. O PT precisa vir a público e se explicar, pois Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República, tem dado ouvido e essa gente (Passe Livre, Sininho, etc.), e o que se sabe é que muitos deles estão a serviço do PT. A denúncia é gravíssima, mas não é surpresa para muita gente. Caberá ao Ministério Público apurar e escancarar quem são os partidos e movimentos sociais que estão financiando a violência que tomou conta do País. O problema está muito fácil de ser solucionado, basta querer. Ou o governo vai continuar fechando os olhos e deixar que a violência chegue até a Copa do Mundo?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

SIGAM O DINHEIRO

O advogado do Black Block assassino do repórter afirmou que seu cliente recebeu R$150,00 para participar - agressivamente - do protesto no Rio de Janeiro. Inúmeros participantes deste "Fórum" já haviam mencionado essa possibilidade. Faltava a confirmação de que a violência nas manifestações era orquestrada por quem hoje se serve do poder. Não falta mais: "terrorismo social e violência" são encomendados e financiados por partidos políticos e movimentos sociais. Que não se perca a chance de dizer: esses movimentos sociais no Brasil, salvo raras exceções, são um aglomerado de desocupados e sanguessugas do poder público! Claro que não querem perder o dinheiro fácil que chega, aos borbotões, pela mão do PT. Atacam, ferem e matam gente de bem pela continuidade da vida fácil. Que o rastro desses R$150,00 seja seguido. Pela vida de um repórter e pela vida das pessoas de bem que vão ordeiramente às ruas protestar.

Julius Boros

São Paulo

*

TUMULTOS FINANCIADOS

É preocupante a declaração do advogado Jonas Tadeu Nunes, que defende Caio Silva de Souza, suspeito de ter matado o cinegrafista Santiago Andrade. Segundo manchete do "Estadão" de quinta-feira, os "manifestantes" recebem R$ 150 por tumulto. Como perguntar não é ofensa: afinal, a que partido político seria conveniente desestruturar a segurança pública do nosso país?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

APURAÇÕES NECESSÁRIAS

Disse à imprensa o advogado de Caio Silva de Souza, o acusado pela morte do cinegrafista da Bandeirantes, que os baderneiros percebem a soma de R$ 150,00 para a participação nos distúrbios da ordem pública. Não especificou nomes dos pagadores, mas cabe às forças de segurança realizarem as apurações necessárias, desde que o ponto de partida, também, foi fornecido pelo advogado. Seriam políticos os contribuintes dos baderneiros. No entanto, as coisas estão tomando um rumo inaceitável e perigoso, já que a ordem constituída está sendo abalada e as leis do País, feridas por reiteradas vezes. Daí que o impedimento de tais manifestações precisa ocorrer e as leis, aplicadas, porque elas existem aos montes, faltando apenas as aplicações, com o beneplácito do Poder Judiciário.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

RIGOR AO TIPIFICAR O CRIME

É bem possível que a classificação (tipificação) de crimes no Brasil seja a mais rigorosa do mundo. Não faltam crimes hediondos, dolo eventual, dolo intencional e por aí vai. Esta triplicação toda aumenta a pena. "Mas que pena?" Se e quando aplicada, é logo reduzida por 1/6 em regime fechado, regime semiaberto, trabalho na prisão, saídas por bom comportamento, etc. Tudo isso somado e acumulado é capaz até de virar pena negativa. Precisamos de outra explicação para aumento da criminalidade e banalização do homicídio? Aqui se mata por prazer ou experiência, ou até por nada. No entanto não faltam ONGs e OABs para correr e defender os criminosos. Direitos humanos valem apenas para os assassinos?

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

FUGA NO MAIS MÉDICOS

Mais uma baixa sofreu o programa Mais Médicos. O médico cubano Ortélio Jaime Guerra, lotado em Pariquera-Açu, neste Estado, segundo suas próprias informações em rede social, já se encontra nos Estados Unidos, ficando assim livre de Cuba. Outros médicos explorados pelo regime castrista por certo abandonarão o Brasil, a exemplo dos colegas, o que representa verdadeira promoção contrária a Cuba, tão querida pela esquerda brasileira. Aos poucos, a verdade virá à tona e os médicos sofridos do regime cubano se afastarão do programa brasileiro e rumarão para os Estados Unidos, que os estão recebendo de braços abertos.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

DESERTORES

Já são 27 os médicos cubanos desertores. Claro que da oferta de R$ 10 mil + cesta básica, ficam com os médicos apenas as cestas básicas. O resto vai para Cuba. Mas tem alguma coisa de bom no programa, que é usar o Brasil como trampolim para escapar da ilha. Acordem, pois ser escravo em Cuba ou no Brasil é a mesma coisa. Não sou contra médicos de outros países atuarem no Brasil, mas temos de dar condições a eles e não usar o programa para desviar dinheiro do nosso Brasil. Parabéns aos desertores que procuram melhores condições de vida.

Carlos Alberto Duarte carlosadu@yahoo.com.br

São Paulo

*

A DESERÇÃO É MAU SINAL

Muito já se falou e ainda se falará sobre o programa Mais Médicos, especialmente no que se refere à relação de trabalho dos cubanos. O governo está dando pouca importância às desistências destes médicos, referindo-se ao aspecto puramente quantitativo, quando na verdade uma única deserção é extremamente sintomática para comprovar a falta de liberdade e opção a que são submetidos estes profissionais caribenhos, reféns de uma ditadura acobertada, infelizmente, pelo Brasil.

Luiz Nusbaum, médico lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

NEOESCRAVAGISMO

Vivemos no Brasil pós-moderno a fase dos "neo" - novas roupagens de velhas, carcomidas e famigeradas ideologias que vêm desgraçando o mundo. É o neocapitalismo corruptor e voraz, o neofascismo totalitário e de hediondo ranço racista e o neomarxismo, obtuso, incompetente e opressor, que se alia, numa singular aliança, ao irresponsável e venal populismo para o seu projeto de permanência no poder a qualquer preço. Duas novidades juntaram-se ao neomarxismo: o neoanarquismo - versão Black Bloc tupiniquim (um dos seus líderes em recente entrevista declarou ser Bakunin o seu codinome) -, que associa o antigo e retrógrado combate sistemático ao Estado Democrático de Direito ao banditismo travestido de movimento social, e o neoescravagismo eufemisticamente batizado pelo lulopetismo de Mais Médicos. Filho do anacrônico comunismo cubano o referido programa - reedição mascarada, em pleno século 21, do tráfico de mão de obra - há anos explora de modo vil médicos cubanos. Entretanto, violando todos os preceitos da nossa legislação, o governo brasileiro, sem pejo, não hesitou em adotá-lo para fazer dele bandeira demagógica para as eleições do corrente ano. Fazemos votos que, como os escravos do passado, mais médicos cubanos consigam fugir da opressão e até criar um "neoquilombo" libertador que os proteja dos "capitães de mato" e do risco de deportação para o paraíso fidelista, como já aconteceu em passado recente.

Arnaldo Amado Ferreira Filhoamado1930@gmail.com

São Paulo

*

CORAGEM

O ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha está convicto de sua "coragem" ao pleitear o cargo de governador do Estado de São Paulo. De fato, é preciso mais do que coragem para dizer o que diz em sua propaganda eleitoreira. Ainda há pouco demonstrou enorme coragem ao implantar seu programa Mais Médicos, facilitando envio de verba vultosa para o "império cubano" mediante malabarismos já propalados, violando as nossas leis trabalhistas - e nada acontece com ele. Coragem ele também teve para manter a Saúde em estado precário, como se saúde se resolvesse apenas com mais médicos competentes ou não, desprezando a infraestrutura necessária para tal. Em Brasília, como ministro, não se viu de sua parte, com vistas a preservar a saúde de nossa juventude, ação alguma junto à Polícia Federal ou às Forças Armadas para coibir a entrada de drogas e armamentos ilegais no País. E agora nos faz pensar seriamente que as ações e voz de partidos e comandos da capital ou do interior seriam por ele facilmente silenciadas, porque ele teria a coragem para tal. Coragem que falta ao governo atual, segundo sua propaganda. Tudo, salvo melhor juízo, leva a crer que sua coragem deve ter fundamentos que nenhuma investigação ousou apurar. De fato, "o cara" é corajoso, ou, como diria meu falecido pai, um tremendo "costas quentes". E bota quente nisso!

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

FUGA PARA OS EUA

Agora, depois da saída de Padilha do Ministério, é que veiculam notícias da debandada de médicos cubanos e também de outras nacionalidades do "suspeito" programa Mais Médicos, no Brasil e na Venezuela. No Brasil, por enquanto, temos a informação de que quase 200 médicos já se debandaram deste ardiloso programa e que na Venezuela foram mais de 3 mil só médicos cubanos que fugiram para os Estados Unidos . Agora entendo o porquê da raiva dos irmãos Castro, de Nicolás Maduro e de dona Dilma contra os Estados Unidos. É que lá o povo tem todas as possibilidades possíveis de crescer e não vive de favores do governo em troca de votos. Lamentável o ex-ministro ainda ser candidato a governar o maior Estado da Federação usando dessas artimanhas e falácias eleitorais, na mais populista maneira lulopetista de disputar uma eleição. Pobre povo brasileiro, e, antes que seja tarde: "Vai para casa, Padilha!".

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

A CAMPANHA COMEÇOU

Padilha criticou Alckmin dizendo que, com ele, o Estado de São Paulo teria mais segurança. Segurança esta assim como a médica cubana que recebia R$ 400,00 e o restante do seu salário iria para Cuba pelo programa Mais Médicos, saindo ela e muitos outros deste engodo. Como se vê, entrou água.

Nelson Scatena depto_comprasmadeirarte@yahoo.com.br

São José dos Campos

*

POLITIZAÇÃO DANOSA

É lamentável a politização e partidarização que alguns estão fazendo no caso envolvendo os médicos cubanos no programa Mais Médicos, do governo federal. Oportunistas da oposição e da direita - como o deputado federal Ronaldo Caiado (UDR) - só querem aparecer e, claramente, não estão nem aí para os médicos cubanos e seus direitos e menos ainda para a saúde e o bem-estar da população. Querem apenas atacar o governo e suas iniciativas, sejam elas quais forem. Entendo que os médicos cubanos deveriam receber o salário integral ou 70% dele e que devam ter seus direitos protegidos. O Mais Médicos é um programa altamente positivo e que beneficia milhares de brasileiros pobres que antes não tinham nenhum acesso ao atendimento médico. É preciso mais responsabilidade e não agir de forma temerária e irresponsável, em prejuízo da população carente, que tanto necessita desses serviços de saúde essenciais.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

VERÍSSIMO INACREDITÁVEL

A propósito da crônica escrita por L. F. Veríssimo e publicada na edição de 12/2 ("O incrível e o inacreditável"), devo acrescentar que "inacreditável é que um homem culto e inteligente, um escritor reconhecidamente talentoso, como ele, mantenha ideias tão bitoladas, engessadas, arcaicas, irremovíveis e imutáveis a respeito do regime comunista e, especialmente, dos atos dos últimos governos ditos "de esquerda". Só como exemplo, como pode um ser humano digno como Veríssimo ser a favor de um programa indigno - para dizer o mínimo - como o tal do Mais Médicos? Diante de tudo o que temos visto nos últimos governos (e faço questão de incluir os quatro últimos), só pode ser incondicionalmente a favor do que está acontecendo, uma pessoa totalmente alienada ou um ser de má-fé ou, ainda, alguém que também esteja se locupletando em meio a tantos "malfeitos". Pelo que consta, o perfil de Veríssimo não se enquadra em nenhuma dessas condições. Por isso, só nos resta repetir: é inacreditável!

Rubens Pereira rubenslpereira@gmail.com

São Paulo

*

CARTA ABERTA A VERÍSSIMO

Sobre sua crônica de 13/2/2014 no Caderno 2 do "Estado", o sr. Veríssimo usa o termo inacreditável, na acepção de nefasto, para qualificar a oposição que as entidades brasileiras representativas dos médicos fazem ao Programa Mais Médicos, em especial à situação dos médicos cubanos. O que são realmente inacreditáveis (nefastas) são as condições de trabalho "especiais" que regem o trabalho destes mesmos médicos. O primeiro problema do programa é que nenhum médico é contratado por CLT, e, portanto, não tem nenhuma das garantias trabalhistas. Por isso o governo do Partido (dito) dos Trabalhadores espertamente os chama de intercambistas, tentando fazer parecer que estão num programa de treinamento, o que, obviamente, não é o caso. Os médicos não cubanos que aceitaram as condições recebem cerca de R$ 10 mil (cerca de US$ 4 mil) por mês, além de auxílio moradia da prefeitura. Entretanto, no acerto entre o governo de Cuba e o Ministério da Saúde, os médicos cubanos recebem mensalmente cerca de R$ 1 mil (US$ 400) aqui, e os restantes são depositados diretamente no banco oficial cubano; cerca de US$ 600 em nome do médico numa conta em Cuba, mas a família só pode movimentar US$ 50 por mês, até que os "reféns" voltem ao país. Fazendo as contas, temos que o governo de Cuba embolsa para cada um dos médicos US$ 3 mil por mês. Acrescente-se que esses profissionais têm limitações de deslocamento, restrições de uso do passaporte e ameaças em caso de tentar solicitar asilo. Então, sr. Veríssimo, para mim, é inacreditável que no Brasil democrático e da CLT sejam permitidas essas condições de trabalho, que são análogas ao trabalho escravo. Para o senhor, não é inacreditável? O senhor trabalharia em tais condições? Também me incomoda demais que o dinheiro que eu pago em impostos federais esteja sendo usado para financiar um regime ditatorial e repressor como o de Cuba, cujo grau de repressão e de exploração a seus cidadãos médicos pode ser bem avaliado pelos termos do acordo firmado. É fato que os médicos cubanos assinaram os contratos de livre vontade, mas quem não assinaria, quando o "soldo" médio mensal de um médico em Cuba é cerca de US$ 60 e há a possibilidade de conseguir um pecúlio para sua família, mesmo que os Castro embolsem o resto? Não tenho nada contra médicos estrangeiros. Se tiverem formação e conhecimento suficiente da profissão para atuar como médicos de família ou de primeiro atendimento, e isso é avaliável, são bem-vindos. Mas que sejam amparados pelas leis trabalhistas do País. Talvez muitos fiquem por aqui, o que só é vantagem para o País. A melhoria do atendimento médico às populações carentes/isoladas virá de um conjunto de medidas de longo prazo que tantas vezes foram propostas ao governo federal pelas associações médicas, mas sem resultado. Os investimentos (e as iniciativas) do governo federal foram escassos. Nem sequer foram investidos na totalidade os recursos disponíveis para as áreas da saúde e educação nos últimos anos. Por quê? Falta de compromisso com o povo? Contingenciamentos para atender a outras prioridades? Incompetências gerais de gestão?

Ises de Almeida Abrahamsohn ises.abrahamsohn@gmail.com

São Paulo

*

AS MULTAS DO MENSALÃO

Rui Falcão, presidente nacional do PT, entrou esta semana com uma representação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra Gilmar Mendes. Ele alegava que o ministro cometeu uma "ofensa à honra do partido, ao sugerir que houve lavagem de dinheiro nas doações a Delúbio Soares e José Genoino. Que o senhor Rui Falcão informe ao Ministério Público e ao resto do País que também gostaria muito de saber, quem foram os doadores e quanto foi doado por cada um deles. Simples assim.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

DOAÇÕES PETISTAS

Não há como a gente não se emocionar com a tamanha solidariedade demonstrada pelo povo brasileiro para com os réus do mensalão. O primeiro beneficiado foi o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, cuja campanha de arrecadação recebeu tantas doações que sobraram R$ 546 mil. Depois foi a vez do ex-deputado do PT-SP João Paulo Cunha, que teve de pagar a quantia de R$ 372 mil, pagamento já garantido com a sobra da campanha de Delúbio. E em breve veremos com que facilidade o ex-ministro José Dirceu conseguirá pagar a "irrisória" multa de R$ 971 mil imposta por seu envolvimento no mensalão, graças ao site de doações criado especificamente para esse fim. Nossa, como tem gente tão bondosa e generosa neste país! Brasileiro é tão bonzinho...

João Manuel F.S.Carvalho Maio clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos

*

QUADRILHA

Ao coordenar "vaquinhas" para aliviar as penas dos mensaleiros, o PT age como quadrilha, e não como partido político. Portanto, a Justiça Eleitoral deveria arguir judicialmente seus responsáveis.

Edvaldo Angelo Milano e_milano@msn.com

Limeira

*

AS VACAS

Hoje no petismo não existem mais as chamadas vaquinhas magras (doações de pequenas quantias) realizadas entre companheiros políticos, cada um doando aquilo que pode, para ajudar um outro companheiro a saldar sua obrigação, preferentemente pecuniária. Essas magras vaquinhas, no PT, se transformaram em vacas gordas, havendo casos até de sobra que poderá auxiliar outro companheiro que esteja na mesma situação. É o que está acontecendo no processo do mensalão, transformado em Ação Penal 470, em que, além de serem condenados a vários anos de prisão, os mensaleiros sobejamente conhecidos também foram condenados a pagar pesadas multas pelo STF, como é público e notório. Assim, as gordas vacas (doações) feitas com sobras já pagaram as multas judiciais de José Genoino e de Delúbio Soares e liquidará também a do deputado federal João Paulo Cunha. As sobras dessas doações irão para auxiliar o pagamento da multa do também condenado no processo do mensalão, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, como noticia a mídia. De onde vem essa dinheirama toda adquirida em pouquíssimo tempo? Só dos petistas? Que partido rico! "Quando a esmola é demais, os santos desconfiam", diz o ditado popular.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

AÍ TEM

Não acredito que este tão cantado e decantado "consultor empresarial internacional" Zé Dirceu, com acesso a vários países chamados bolivarianos, amigo dos Castro, do falecido Chávez e de tantos outros, iminência parda do PT, não tenha amealhado a importância pequena de R$ 971.128,92 em todos os seus anos de "trabalho" e tenha de recorrer a doações para pagar a multa que lhe foi atribuía. Que peninha, me engana que eu gosto. Receita Federal, em cima dos doadores!

Hélio José Cury heliocury@gmail.com

São Paulo

*

AINDA UMA DÚVIDA

Tenho uma pergunta que, acredito, a Receita Federal poderá responder: o dinheiro arrecadado nas "vaquinhas" pelos mensaleiros Genoino, Dirceu, Delúbio e João Paulo para o cumprimento de multa pecuniária que lhes foi imposta pelo STF está sujeito ao pagamento do Imposto de Renda?

Luiz Carlos G. Pannunzio giotto.pan@gmail.com

São Paulo

*

TINGA, MEU IRMÃO

Em 1986, pesquisadores da Universidade da Califórnia, através da análise do DNA retirado das mitocôndrias, que difere do DNA do núcleo da célula e é transmitido apenas pela linhagem feminina, concluíram que todos os seres humanos são descendentes de uma única mulher, que viveu na África há cerca de 200 mil anos, e foi denominada de "Eva mitocondrial". Nesse surpreendente estudo, em que ciência e religião se irmanam e deixam de ser antípodas, "Gênesis", o primeiro dos livros bíblicos, foi relido em meio a potentes microscópios eletrônicos e tubos de ensaio, fazendo resplandecer no presente a figura dessa mãe negra ancestral de toda a humanidade. Independentemente do precário e estúpido arcabouço que sustenta o racismo, todos nós, pouco importando a cor das nossas peles, cabelos e olhos, somos filhos da "Eva mitocondrial". É lamentável que não saibam disso os ignorantes torcedores peruanos do time Real Garcilaso, que hostilizaram Tinga, jogador negro do Cruzeiro, imitando macacos, durante partida pela Copa Libertadores. Esse vergonhoso e revoltante episódio, que mereceu até um pedido de desculpas de Ollanta Humala Tasso, presidente do Peru, mostra que o preconceito anda de mãos dadas com a ignorância. Sou ardoroso torcedor do Clube Atlético Mineiro, rival histórico do Cruzeiro, mas me solidarizo com Tinga, meu irmão por parte da nossa mãe Eva africana.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.