Fórum dos Leitores

MENSALEIROS

O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2014 | 02h04

Brilhante sugestão

Quero cumprimentar o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, por sua brilhante ideia de sugerir ao PT - Delúbio Soares, Eduardo Suplicy & Cia. - que faça também uma vaquinha para repor aos cofres públicos os R$ 139 milhões (valores confirmados na Ação Penal 470) desviados no mensalão. Aliás, muito oportuna a sugestão do ministro, diga-se, porque até o presente ainda não tinha ouvido, nem do Ministério Público Federal nem da Procuradoria-Geral da União, uma locução tão pertinente a respeito da devolução da dinheirama desviada. E na esteira desse mesmo raciocínio existe ainda a curiosidade de saber, por exemplo, de que forma ficou contabilizado o prejuízo dos R$ 74 milhões desviados do Banco do Brasil (Visanet-Pizzolato) e como ele foi informado aos seus acionistas.

GILBERTO MOTTA DA SILVA

gmottas@yahoo.com.br

Curitiba

Matou no ninho

Não há como não dar os parabéns pelo feliz, justo e perspicaz pedido do ministro Gilmar Mendes ao senador Eduardo Suplicy (PT-SP) de formação de uma vaquinha para liquidação dos prejuízos causados à Nação pelo tal mensalão. Matou no ninho!

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

Arrecadação petista

O tamanho da esmola é proporcional à graça recebida. Se você pedisse a um santo a graça de vencer uma licitação, que porcentagem do lucro lhe doaria? E se pedisse uma nomeação, que porcentagem do salário você doaria ao santo? Pelo montante arrecadado pelo santo se vê o número de graças concedidas.

JORGE MANO

jrmano@yahoo.com.br

São Bernardo do Campo

O chefe

Até quando a sociedade brasileira vai ficar nessa hipocrisia, sem saber onde estava o presidente Lula enquanto seu alto escalão, já condenado, roubava a Nação?

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

GOVERNO DILMA

MST em palácio

Integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) promoveram uma série de atos de vandalismo na Praça dos Três Poderes, em Brasília, ferindo 30 policiais militares. No dia seguinte foram recebidos pela presidente Dilma Rousseff, ofereceram-lhe uma cesta de alimentos, tomaram cafezinho e discutiram, como bons parceiros, sua pauta de reivindicações, tudo como se nada tivesse acontecido antes do lado de fora. Contra a democracia e o Estado de Direito os black blocs usam máscaras, já o MST vai de cara limpa mesmo.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

E os policiais?

O que dona Dilma fez com os 30 policiais militares que apanharam em confronto com o grupelho do MST quando estavam justamente protegendo o palácio onde ela se encontrava? Foram chamados para receber algum elogio pelos serviços prestados? Os baderneiros foram recebidos com pompa e circunstância. Pois é, total inversão de valores.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Conhecimento

João Pedro Stédile, do MST, declarou que o conhecimento da presidente Dilma sobre reforma agrária é muito pequeno. Se o conhecimento pequeno fosse apenas sobre reforma agrária, o País estaria bem melhor.

CLÁUDIO EUSTÁQUIO DUARTE

claudio_duarte@hotmail.com

Belo Horizonte

Plataformas da Petrobrás

Quando o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense acusa o governo de inaugurar plataformas de petróleo inacabadas por motivos políticos, têm-se a exata dimensão de como o PT é completamente irresponsável. Ou seja, é um partido que não titubeará em liquidar o Brasil para vencer as próximas eleições.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

alatieugenio@gmail.com

Campinas

MAIS MÉDICOS

E se...?

A dra. Ramona Matos Rodríguez resolveu processar o governo brasileiro por danos morais e entrar com ação trabalhista reivindicando igualdade de pagamento das bolsas dos médicos cubanos e de outras nacionalidades. Mulher valente para alguns, imprudente para outros. O tamanho da encrenca não poderia ser maior. E se o governo brasileiro fizer com ela o que fez com Rigondeaux e Lara? E se os irmãos Castro puserem em prática retaliações contra a médica e seus familiares? E se o governo brasileiro tiver de desembolsar indenizações para essa onda imensa de médicos cubanos que se considera lesada? E se a maioria desses médicos pedir asilo ao governo brasileiro? E se...? São tantas as possibilidades de desdobramentos desse caso singular que, convenhamos, não é nada agradável para um final de governo às voltas com reeleição. É nisso que dá tomar medidas apressadas com fins eleitoreiros sem pesar as consequências. Mais que uma solução, esse programa Mais Médicos parece não ter passado de um tiro no pé. Agora só resta catar os cacos.

MARIA DA GLÓRIA DE ROSA

mg-de-rosa@hotmail.com

Agudos

Encolhendo

O programa Mais Médicos em breve será chamado de Menos Médicos. Mais três cubanos caíram fora.

LUIZ SERGIO DOS SANTOS VALLE

luizsergiovalle@gmail.com

São Paulo

Mais Médicos, trampolim para cubanos se asilarem nos EUA!

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

Trabalho escravo

"Os profissionais que abandonarem o programa terão de devolver os valores da ajuda de custo de instalação (de até R$ 30 mil) e da passagem." Essa frase poderia ter sido dita por desonestos fazendeiros, confeccionistas, etc., que atraem trabalhadores pagando passagem, moradia, para em seguida fazê-los trabalhar horas a fio para saldarem suas dívidas. Típico trabalho escravo. Mas é do ministro da Saúde do Brasil! PT, quem te viu e quem te vê...

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Informação relevante

O representante da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) no Brasil é um cubano.

GILBERTO B. SCHLITTLER

gschlittler2@mac.com

São Paulo 

O MST EM CENA

Dilma Rousseff, como sempre insuflada e manipulada pelo seu "guru" Lula, recebeu em Brasília na quinta-feira lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) com a finalidade única e exclusiva de tentar uma reaproximação. Alguém esperava atitude diferente dela para reconquistar e garantir o contingente de votos que representam, especialmente estando em ano eleitoral? Ou estão achando que repentinamente ela tornou-se boazinha mesmo? Só faltou mesmo ela por o boné na cabeça, como fez Lula, não é?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MST AFRONTA, DILMA PERDOA

É inconcebível que um grupo como o MST, que desde a sua fundação aterroriza sem tréguas a vida daqueles que produzem alimentos para a mesa da família brasileira e carregam o governo federal nas costas com seu extraordinário superávit na balança comercial, seja ainda recebido afavelmente no Palácio do Planalto, por Dilma, horas depois de esse mesmo bando muito amigo do PT invadir com seus 15 mil manifestantes a Praça dos Três Poderes, em Brasília, tentando ameaçar membros do Supremo Tribunal Federal (STF), destruir patrimônio publico e ainda ferir gravemente 30 membros da polícia militar do DF. A presidente Dilma demonstra não estar em condições de administrar com altivez, e na estrita forma republicana, esta nação. Prefere apoiar os que nos indignam, como o seu partido faz com a quadrilha do mensalão, e agora fica também de cócoras para este grupo do MST, que não tem nenhum compromisso com a legalidade, e mais se presta inquietar a nossa sociedade. Não vou me surpreender se a Dilma, a qualquer momento abrir também sua agenda para os baderneiros, e até criminosos dos Black Blocs, em pleno Palácio do Planalto.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PRAÇA DOS QUATRO PODERES

Mais de 15 mil pessoas se reuniram na Esplanada dos Ministérios em Brasília (DF), na quarta-feira, para fazerem protestos. Será que o objetivo do MST não seria transformar aquele espaço em Praça dos Quatro Poderes? Presumo que sim, até porque manifestação da qual dezenas de pessoas saíram feridas deixa de ser manifestação.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

JOGO SUJO

No dia 8 deste mês o ex-presidente Lula atacou os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e culpou a Suprema Corte do País de estar prejudicando seu partido por manter na cadeia os filiados mais ilustres do PT. É possível que a grande maioria da população brasileira não tenha compreendido o gesto do ex-presidente. Acontece que ele é um grande torcedor de futebol e em ano de Copa do Mundo - pelo menos por aqui, onde vamos sediar o evento - não é de estranhar que todos só falem em times, jogadores e seleções. Numa ocasião como esta é quando mais escutamos de comentaristas, de cartolas, de torcedores fanáticos e de técnicos os mais surpreendentes comentários e as mais improcedentes reclamações. Não podemos esquecer que nestes momentos todos somos um técnico em potencial. Portanto, Lula também pode ter falado como técnico para se referir aos craques do seu time principal, impedidos de jogar por terem se envolvido no maior esquema de corrupção que já aconteceu em nosso país, montado pela sua equipe tendo ele como treinador. O técnico Lula sabe que, com mais da metade do seu time titular impedida de jogar, certamente isso lhe causará um grande desfalque para o próximo jogo, sujo, da sua equipe. Mas o técnico Lula, como bom elaborador de esquemas que é, parece que já está treinando seu time reserva: o velho e conhecido MST, que já lhe garantiu duas grandes vitórias num passado não muito distante. A marcha do MST realizada na última quarta-feira (12/2) na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, pode ter sido o aviso de que o time reserva de Lula, treinado por ele mesmo, já está pronto para entrar em campo e repetir aquelas jogadas que abafaram muitas CPIs, forjaram dossiês e operaram o mensalão.

Francisco Ribeiro Mendes mendes.brasilia@gmail.com

Brasília

*

COMO O MUNDO MUDOU

Ensinavam-se às crianças a ordem, a disciplina, o respeito e a responsabilidade. Esses valores ajudavam a formar pessoas de bem. Atualmente, parece que esses valores foram esquecidos. As manifestações violentas nas ruas estão servindo para deixar claro como as pessoas conseguem ter suas reivindicações ouvidas. O caso ocorrido na Praça dos Três Poderes, protagonizado pelo grupelho MST, deixando mais de 30 pessoas feridas, culminou com a interrupção da sessão no STF e, como prêmio, foram recebidos pela presidente Dilma, cercada pelos dois incentivadores do "quanto pior melhor", Gilberto Carvalho e Rui Falcão, ministro-chefe da Secretário-Geral da Presidência e o presidente nacional do PT, respectivamente, e saíram com a promessa de assentamento de 30 mil famílias. Só para lembrar: e as creches prometidas no início de seu governo, dona Dilma? O recado foi entendido, neste governo só se é ouvido e atendido com o uso da força e da violência. Como o mundo mudou, e para pior! Vivemos tempos em que a educação caiu de moda e adjetivos como corruptos, espertalhões e baderneiros fazem toda diferença na hora em que se procura atendimento. O retrato dessa realidade pode ser conferido com a nata parlamentar que frequenta a Papuda. Brasil, um país que trabalha para sustentar bandidos.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

NA BASE DA TRUCULÊNCIA

Que belo exemplo tivemos da presidente Dilma recebendo os líderes do MST após promoverem toda aquela anarquia em Brasília, inclusive depredando patrimônio público e atingindo policiais. O que ela quer mostrar com isso? Que as pessoas só conseguem o que desejam na truculência? A senhora deveria também receber os dois jovens que atingiram o cinegrafista da Band. Sim, porque também são baderneiros que atacam bancos, lojas, patrimônio público e privado. Por que só o MST? Qual o medo que o governo tem deles? A posição do MST é bem conhecida, basta olharem com atenção que se nota que mais da metade dos manifestantes não são pessoas do campo, e sim baderneiros. Ocasionalmente promovem movimentos com quebra de patrimônio e invasões, para serem recebidos pelo ministro interlocutor da Presidência junto dos movimentos de massa. Este é um cargo "sui generis", uma vez que todos deveriam ter a chance de falar com a presidente, mas só conseguem esta interlocução pessoas e movimentos que apoiam o governo e, normalmente, após algum ato violento. Voltando ao MST, eles fazem as exigências ao cândido ministro Gilberto Carvalho, que libera verbas, o que mantém os líderes calmos até novas necessidades, quando tudo recomeça. Seria muito bom que o Ministério Público verificasse de onde vem a verba para levar e alimentar e manter todo este pessoal em Brasília durante vários dias. Infelizmente, este é o nosso país, só não enxerga quem não quer.

Olavo Bruschini o.bruschini@terra.com.br

Monte Azul Paulista

*

DILMA E O MST

Má impressão quando vi a foto da reportagem do "Estadão" de quinta-feira, após do vandalismo e quase invasão do Supremo e do Palácio, alem da agressão a polícia, com vários feridos. A presidente, ao reunir-se com este movimento, além de fomentar a baderna, acaba ainda mais desmoralizando o trabalho dos policiais, que arriscam sua vida para a proteção da vida dos juízes, congressistas, população, etc. Nossos políticos, direitos humanos, etc. devem considerar todo o nosso Exército e nossa Polícia um mal necessário, para distrair a atenção da população. Isso nos leva a divagar por que até o momento a Inteligência Policial dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, consideradas de alta complexidade técnica, não passam à população o que ocorre realmente, especialmente em anos de eleição. Precisa de um advogado e dois baderneiros informarem que existe bolsa baderna, carros buscando baderneiros em casa distribuindo bombas, pedras, etc. E o jornalismo investigativos dos grandes jornais e das televisões, onde estão? Por enquanto, infelizmente em razão dessa omissão, até a véspera das eleições continuaremos ouvindo ou lendo o seguinte: queima diária de ônibus; quebra sistemática dos trens e metrôs; ataque a bases policiais; assassinato de policiais; ameaças sistemáticas de greves dos motoristas de ônibus, metroviários, ferroviários, professores, alunos e funcionários da USP; etc. Tudo isso em cadeia é uma festa. Qual é o problema de os governadores destes Estados parecem intimidados, qual o prejuízo que vão ter, receber menos verbas, que já não recebem o que deveria, prejudicar-se ainda mais politicamente. Por outro lado, os interessados nos seus mandatos estão na televisão mencionando as suas omissões. A impressão que fica é de uma guerra nos bastidores, quem pode mais chora menos, e que a maioria dos movimentos sociais serve de massa de manobra.

Ferdinando Perrella fperrella@hotmail.com

Sorocaba

*

REFORMA AGRÁRIA

Assim como saúde, educação, segurança e habitação, a reforma agrária é um dos temas prioritários e urgentes deste país. O único presidente que se propunha a fazer esta reforma, num eventual segundo mandato, foi o grande e imortal presidente Juscelino Kubistchek, com o "slogan" "cinco anos de agricultura, 50 anos de fartura", mas infelizmente foi ceifado num trágico acidente, ou melhor, assassinado. Forças misteriosas advindas dos dominantes do campo, maiores latifundiários, alguns dos quais ligados a políticos influentes desta República, manobram os governantes para não efetivar com rapidez este grande sonho nacional. É lamentável, num vasto território como o nosso país, um projeto desta dimensão se arrastar "a passos de tartaruga". Países de Primeiro Mundo há muito já efetivaram dita reforma. Salientamos que até Israel, no "pós Segunda Guerra Mundial", depois de ter sido declarado Estado independente, pela ONU, fez a reforma agrária, no deserto irrigado. E o Brasil o que está esperando? Acordem, autoridades governamentais! Parem, vejam e analisem o atual quadro de acontecimentos e revolta que se espalha, pelo País. A recente manifestação em Brasília traz medo a todos nós. Muita coisa não vai bem. Que dizem os demais brasileiros?

João Rochael jrochael@ibest.com.br

São Paulo

*

GOVERNOS DO PT

Desde o curso secundário aprendemos que a riqueza das nações provém do trabalho e da livre concorrência, que gera o aprimoramento da produção e contribui para gerar mais riquezas. Assim como, na democracia, os governantes são eleitos para "controlar as circunstâncias, irem adiante dos acontecimentos, cercar as margens de erro, informarem-se sobre o futuro para prevenir os seus atos" (José Serra, "Apertem os cintos, o governo sumiu", 13/2, A2). Governos não produzem, portanto não geram riquezas, mas estão imbuídos - ou deveriam estar - da responsabilidade de gerir essas riquezas e, através dos impostos, remanejá-las para que as riquezas cresçam e propiciem bem-estar aos governados. Então, está bem claro para nós que o atual governo, por incapacidade de gestão e ou, incompatibilidade de visão com o modernismo e ou, por puro desvirtuamento de suas funções e ou, por qualquer outra razão, não está à altura de exercer o cargo ao qual se candidatou e no qual se locupleta. Os governados, por sua vez, são bombardeados diuturnamente por marketing sem lastro, que propicia apenas a lavagem cerebral tão necessária ao projeto de reeleição. Intriga-me que, ardorosos seguidores da propaganda enganosa, os governos do PT escondam de seus eleitores algumas sutileza como, por exemplo, a armação do Mais Médicos e a visita secreta de Fernando Haddad à cracolândia. Secreta por quê? Estamos calejados de saber que trabalhamos cinco meses de graça por ano para custear as bolsas, inclusive a bolsa-crack, que garantem a permanência deles no poder. Se a coisa é secreta, é porque aí tem coisa!

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

A OPOSIÇÃO COM MAIS CLAREZA

Finalmente leio um artigo objetivo do sr. José Serra, a quem sempre honrei com meu voto. Há anos infelizmente não lia um artigo do sr. Serra com a clareza que a oposição deveria sempre utilizar. Somente tenho lido textos claros e profundos escritos pelo ex-ministro Pedro Malan. Outros que tenho lido contêm um monte de hipérboles - que não me induzem a votar em alguém -, que passam a percepção de alguém estar sempre "em cima do muro".

Joaquim Carlos Fernandes jucafernandes@terra.com.br

São Paulo

*

JOSÉ SERRA

O ex-governador José Serra, em artigo de 13/2/2014, página A2, no "Estado", aponta algumas das atrocidades do governo Dilma Rousseff, que, aliás, não são poucas. É bom lembrar que José Serra, em março de 2010, estava com 46% de aprovação na corrida presidencial, contra Dilma Rousseff, um poste inventado por Lula. Serra deveria ter dito no palanque, em 2010, tudo o que agora (2013 e 2014) escreve como colunista do "Estadão". E ainda mais, o que nunca defendeu e escondeu, na campanha, o legado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Não adianta culpar Aécio Neves, infelizmente quem perdeu a eleição para o poste de tailleur foi José Serra.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

CRITICANDO OS CRÍTICOS

Dilma Rousseff, que até agora não mostrou a que veio, reclama dos seus críticos, chamando-os de "caras de pau", numa opinião nada ou pouco abalizada. Afinal quem descaradamente tem dado tantos motivos para tais críticas é ela própria. Está na cara. Muito pior é o estado crítico que o País e os brasileiros atravessam nas mãos do PT há quase 12 (doze) anos. Para melhor esclarecer, reproduzimos a frase escrita pela nossa célebre presidente, que explica claramente por que até agora não começou a governar: "O Brasil está igual a um carro velho, para subir não tem força e para descer não tem freio". Nem empurrando vai nem segurando para.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

QUE DIZER DE DIRCEU?

A presidente Dilma acusou de caras de pau os que apontam o desgoverno de seu mandato. Que dizer, então, dos companheiros petistas que lançaram agora uma vaquinha para pagar a multa a que José Dirceu foi condenado? Consultor/lobista milionário, com escritório em mansão de R$ 2 milhões, teria Dirceu caído na miséria da noite para o dia?

Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@mail.com

São Paulo

*

SÃO MUITOS

Dilma chamou críticos do PT de "caras de pau". O que ela não sabe é que não haverá óleo de peroba suficiente no Brasil inteiro se as pessoas que o critica resolverem usar o óleo de peroba, tal a quantidade de críticos de plantão.

Maria Elisa Amaral marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

*

ESTAMOS FARTOS

Gostaria de lembrar a essa terrorista fracassada que infelizmente ocupa o cargo de presidente do Brasil que cara de pau para mim é quem empresta dinheiro a Cuba, Venezuela, Bolívia, entre outros, sem a autorização do Congresso Nacional, burlando a lei do nosso país; quem engana o zé povinho com as bolsas miséria; quem destrói a maior empresa do País, a troco de políticas irresponsáveis; etc. Nós, da oposição, é que não aguentamos mais a cara de pau desta senhora e do seu partido, escória fétida da política brasileira.

Fernando Fenerich ffenerich@gmail.com

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA

Muitos brasileiros (as) estão se perguntando por que será que Dilma os chamou, por tabela, de cara de pau, uma vez que aguentam há mais de 11 anos os caras de pau do governo petista, mentindo para o povo e sem ficar ao menos corados. A incompetência tem dessas coisas.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

INCONFORMISMO SEM SENTIDO

A presidente Dilma, às vezes, faz uso excessivo das palavras. Qualquer fato que ocorra já é pretexto para ela manifestar suas opiniões em comentários confusos e desconexos. Em especial quando improvisa sua fala. Não foi ela que afirmou algumas vezes com veemência que "é preferível o barulho da democracia ao silêncio das ditaduras"? Então, por que chamou os críticos de seu governo de "caras de pau" durante a festa de seu partido, o PT? Felizmente a liberdade de opinião é dispositivo constitucional e não deve ser cerceada pelos detentores do poder e amantes do autoritarismo. A nosso entender, "caras de pau" é uma expressão meio tosca, incompatível com a postura de quem exerce o cargo de suprema mandatária da Nação.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

CARA DE PAU

"Cara de pau" (de madeira podre) é se aproveitar de mais uma excepcional safra de grãos, como a da soja, entre outras, para fazer discurso político de candidata à reeleição - e até ser fotografada pilotando uma colheitadeira -, sem que o seu governo tivesse arado a terra, semeado, adubado, financiado ou colhido!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

FAZENDO 'O DIABO'

Dilma está mesmo "fazendo o diabo". Quanto o governo contribuiu para o aumento da produtividade no setor agropecuarista? Zero! Mas é muito produtivo na desinformação da sociedade, na propaganda sofista e na prática da calúnia, na contabilidade "criativa", em que criativo significa falsificação da verdade, no aumento constante dos gastos de custeio em detrimento de investimentos necessários, no uso de recursos do Tesouro e consequente aumento dos juros, na deterioração dos sistemas de saúde e de educação e da segurança, na doação de recursos da sociedade para Cuba, e assim por adiante. Nunca houve tanto disso na história do Brasil.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

INFRAESTRUTURA

Nossa superssafra será escoada pelo Porto de Mariel, em Cuba. Mais uma desse nosso desgoverno petista.

Cesar Romero Galardo crgalardo@terra.com.br

São Paulo

*

GREVE DOS CORREIOS

A absurda greve dos Correios está infernizando a vida dos brasileiros. Eu tenho um monte de compromissos a pagar, de vários tipos e locais, a serem solvidos por boletos recebidos via postal, que não chegaram. Nem há como retirá-los no próprio Correio. Os compromissos estão vencidos, alguns são sujeitos a protesto por falta de pagamento. Essa greve, mal administrada pelo governo federal e pelas próprias diretorias dos sindicatos grevistas, está gerando um caos burocrático nacional. Segundo a lei, em toda greve em serviço essencial (bancos, hospitais, correios, delegacias) o sindicato é obrigado a manter um plantão de funcionários para atendimento aos casos emergenciais. Essa providência vem sendo ignorada pelos Correios. Os diretores sindicais, gente acostumada a só mamar no governo, sem precisar prestar qualquer tipo de conta, não estão nem aí para os prejuízos causados à população. Dormindo em confortáveis poltronas de vários órgãos públicos, ministérios inclusive, estão se lixando para os nossos problemas. Querem mais é tomar vinho importado e comer lagosta. Esta é a administração petista, que está levando o Brasil para o buraco, e, se demorarmos em afastar esse povinho de inteligência curta do governo, talvez ainda consigamos salvar o País. Vou apelar ao Procon para receber de volta os valores pagos pela demora, bem como pleitear danos e perdas morais pelo estrago à minha pessoa como pagador pontual de suas contas.

Domingos Perocco Netto dperocco@ig.com.br

Itatiba

*

A CASSAÇÃO DE NATAN DONADON

O giro de 180 graus na "opinião" dos nobres deputados que redundou na cassação de Natan Donadon por voto unânime da Câmara dos Deputados (com uma única abstenção), antes de ser festejado, deve servir para que a sociedade brasileira reflita sobre o tipo de representação parlamentar que temos: pessoas com duas caras exercendo cargo de representação, mais preocupadas com sua sobrevivência política e que - em grande parte covardes - não se pejam em entregar o "companheiro" para os crocodilos. Ontem mesmo o escurinho recomendava votar pela não cassação. No claro, com medo do povo, votam pela cassação. Uma vergonha!

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

VOTO ABERTO

Realmente os nossos parlamentares são cínicos e hipócritas. Qual a finalidade de um Congresso assim? Agora, com a votação aberta para cassação de mandato, todos os deputados, com apenas uma abstenção, votaram pela cassação do deputado Donadon. Por que os que o absolveram na votação anterior, agora mudaram de voto? Por que era secreta? Cínicos e sem personalidade. E ainda tem gente que vota nestes caras.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CORPORATIVISMO DETONADO

"O voto aberto vai fazer com que meus colegas votem contra o coração e a vontade deles", disse Natan Donadon. Na verdade, há seis meses, quando votaram pela sua não cassação em voto secreto, não votaram com o coração, mas com o acirrado espírito de sobrevivência. É o que eu sempre digo: transparência é tudo, né, deputados?

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

VERGONHA DESTA REPRESENTAÇÃO

Não é incrível que em menos de um ano o mesmo Congresso que absolveu o deputado Donadon, mantendo-o deputado mesmo cumprindo pena por roubo aos cofres públicos, resolveu cassá-lo, só que desta vez em voto aberto na Câmara? O povo deveria agora exigir revogação dos votos anteriores quando a lei encobria os deputados através do voto fechado. Dá para imaginar com esse atual Congresso a quantidade de processos escusos que foram jogados para debaixo do tapete presidencial? Vale tudo para manter o atual desgoverno no poder. Sinto vergonha de ser representada por essa gente!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PARA EVITAR O VEXAME

O resultado da votação da cassação do mandato do deputado Donadon (467 votos) mostra claramente como estamos pessimamente representados no Congresso Nacional. Bastou a obrigatoriedade do voto aberto para que os nossos "nobres representantes" enfiassem a viola no saco e, numa atitude de "altivez", enxotassem da Câmara um criminoso que está cumprindo mais de 13 anos de prisão por peculato e formação de quadrilha, mas que na primeira votação apenas 233 votaram pela cassação. Os demais se omitiram, não comparecendo ou se esconderam atrás do voto secreto. São uns covardes, que não tiveram a coragem de sustentar seus votos. Por isso compreendemos a razão das renúncias de mandato daqueles que hoje são hóspedes da Papuda. Se não renunciassem, teriam de submeter os "cumpanheiros" ao vexame de abrirem seus votos e, certamente, seriam cassados.

Roberto Luiz Pinto e Silva robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

*

DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS

Nada como o olhar da opinião pública apontado para os ilustres pares do deputado Natan Donadon para milagrosamente oxigenar seus cérebros. Voto aberto representa a transparência, a prestação de contas com o eleitor que o elegeu, já o voto fechado... uma vergonha para o povo brasileiro.

Gattaz Ganem gattaz@globo.com

Carapicuíba

*

MASCARADOS

O Congresso acaba de provar, na votação da cassação do Donadon, que lá temos muitos políticos

"mascarados".

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

DONADON CASSADO

Exceto os muitos que deveriam ser presos, a Câmara não é mesmo lugar de presidiário...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

VITÓRIA DO POVO

A sessão da Câmara que cassou o deputado presidiário Natan Donadon por esmagadora maioria demonstrou que a iniciativa popular de acabar com o voto secreto é uma conquista inestimável para a sociedade. Quando do primeiro julgamento, escudados no anonimato tal qual Black Blocs com a cara coberta, 131 parlamentares votaram contra a cassação, sendo seguidos por 41 que se abstiveram (o que vale a votar a favor) e mais 54 ausentes. Somente 223 parlamentares votaram a favor da cassação na sessão de 28 de agosto de 2013. Agora, no mesmo Legislativo, com o voto aberto e a cara limpa, 467 deputados votaram a favor, inclusive aqueles que de punho erguido tentam afrontar a justiça e o Supremo Tribunal Federal (STF). Apenas um parlamentar se absteve (Asdrubal Bentes, do PMDB/PA), por ser também réu condenado pelo STF. Outros 43 parlamentares se ausentaram, entre eles o indiciado pelo STF Paulo Maluf e Eduardo Azeredo, que aguarda julgamento. Em síntese, valeu a mobilização da sociedade. Que venham outras.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

O MENSALÃO MINEIRO

Justo e oportuno o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de pedir condenação de 22 anos e multa de mais de R$ 400 mil a Eduardo Azeredo (PSDB-MG), por ter participado do mensalão mineiro. Embora alegue inocência, terá ampla defesa e o STF não mais poderá ser atacado por ter procrastinado o julgamento envolvendo figura do PSDB. Certamente que logo mais algum ministro da Suprema Corte fará algum pronunciamento, contrariando o dizer de Lula de que ministro do STF não deve fazer política, embora falar sobre algum caso em andamento não queira dizer que o ministro esteja politicando, mas analisando e ponderando juridicamente. De outro lado, diz Lula que o PT está sofrendo pelos seus condenados, da mesma forma que sofrerão os do PSDB se Eduardo Azeredo for condenado. No desenrolar do julgamento, as provas aparecerão e contra provas cabais de inocência não pode haver condenação, seja o réu do PT ou do PSDB.

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

SILÊNCIO

Espantoso o silêncio dos caciques tucanos depois do pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Jano, em que sugere a condenação do peessedebista Eduardo Azeredo (MG) a 22 anos de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro no mensalão mineiro. Até aqui, neste "Fórum" não me lembro de ter visto nem um comentário sequer. Hipocrisia, a gente se vê por aqui.

Marcelo Holtz marceloholtz@hotmail.com

Avaré

*

EQUIVALENTES

Um importante assessor de confiança do senador Aécio Neves (PSDB) é réu no mensalão mineiro, esquema de corrupção e lavagem de dinheiro do PSDB que desviou milhões de reais dos cofres públicos, em Minas Gerais. Por aí se vê como Aécio Neves não é alternativa alguma e como PT e PSDB se parecem em termos de corrupção e desvio de dinheiro público. Como sempre, nós, povo brasileiro, é que pagamos a conta.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

NUNCA É TARDE

Quando ouvimos e lemos acerca do chamado mensalão mineiro, cuja principal figura envolvida é o senhor Eduardo Azeredo, quase nos esquecemos de que já houve um outro mensalão, e que já foi julgado e os principais envolvidos, devidamente condenados e presos na Papuda. Parece um sonho de tão inacreditável. Que venha o mineiro! Joaquim que o diga!

Sara May sara-may@bol.com.br

São Paulo

*

CELERIDADE

Tomara que o julgamento dos envolvidos no dito mensalão do PSDB não seja tão lento e vagaroso quanto a novela que foi o do PT, nem que os seus eventuais condenados tenham tantas protelações e chicanas de rito como as que os petistas tiveram.

Paulo Ribeiro de Carvalho Jr. paulorcc@uol.com.br

São Paulo

*

TUCANOS

Sou eleitor do PSDB, mas entendo que a lei tem de valer pra todos. Se forem condenados, cadeia neles.

Jose Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

RAPIDEZ E ISENÇÃO

O procurador-geral da República encaminha ao Supremo Tribunal Federal as alegações finais para o julgamento de integrantes do "mensalão mineiro". O fato em si tem duas questões que precisam ser devidamente avaliadas. A primeira, por certo, as denúncias envolvem um então governador de um Estado importante, um cargo que exige comportamento que não deixe margem a qualquer dúvida em relação aos procedimentos dele e daqueles que o cercam. E a outra questão é a necessidade de acelerar o andamento de processos no nosso Judiciário, no interesse inclusive dos acusados. Este caso começou nos idos de 1998, quais as razões para tanta demora? E por fim, que o julgamento não tenha nenhuma exploração político-partidária.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

VALE PARA TODOS

O "doa a quem doer" vale para todos. Se realmente prezamos a democracia plena, temos o dever de exigir justiça no caso do mensalão mineiro. Errou? Puna-se!

Roberto Szabunia rszabunia@gmail.com

Joinville (SC)

*

A DIMENSÃO DOS MENSALÕES

Mensalão tucano - coisa estadual para ganhar eleição. Mensalão petista - coisa nacional para ganhar o Brasil.

J. Treffis jotatreffis@hotmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.