Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2014 | 02h09

Desapreço pela democracia

Demonstram a sua falta de clareza quanto ao significado do conceito de democracia as declarações de Dilma Rousseff em Bruxelas. Basta ler as suas considerações a respeito das diferenças entre o que acontece na Ucrânia e na Venezuela para desanimar quanto a qualquer perspectiva de um maior apreço de sua parte por valores democráticos, condição fundamental para que um líder possa levar seu país ao desenvolvimento. Porque somente quando se valoriza a democracia em sua plenitude é que podemos ter esperanças de um governo focado em políticas públicas realmente direcionadas à melhoria de vida de um povo. Sem populismos, sem demagogias e sem malabarismos para se manter no poder.

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

Política externa absurda

A presidente Dilma usa argumentos tortos para defender os atos de barbarismo que se têm visto na Venezuela. Classificar de democracia um país onde a imprensa é censurada, não há sequer um canal de televisão que não seja a favor do governo e existem milícias por toda parte com apoio e incentivo oficial é um despropósito. Dizer que há ganhos sociais para justificar a ditadura bolivariana é um dos piores argumentos que poderia utilizar. Mostra que, para ela, as questões democráticas perdem valor diante dos tais "ganhos sociais". Ou seja, confessa que se houver ganhos em saúde e educação, por exemplo, isso compensa a falta de democracia. Talvez aí se veja a razão da importação dos escravos cubanos. Não é democrático um país onde pessoas que não concordam com o governo, emitem opiniões discordando das políticas oficiais e manifestam publicamente seu descontentamento são presas ou mortas. O presidente Nicolás Maduro pode fazer todos os discursos que quiser para se dizer democrático, mas quando prende, mata e viola os direitos humanos está negando essa afirmação. E o Brasil deveria tomar posição a favor da democracia, e não ficar inventando desculpas para apoiar a violência com que o governo da Venezuela está tratando quem não concorda com o modo de governar de seu presidente. Dilma dá apoio a Maduro e mostra que o Brasil não lidera nem a América do Sul, que dirá a América Latina, quando deveria se colocar como líder da maior economia da região. Como Lula sempre fez (vide os episódios em Honduras e Cuba), Dilma é defensora dos métodos bolivarianos de Hugo Chávez/Maduro e dos irmãos Castro. Realmente, é um despropósito.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Crise na Venezuela

Dilma Rousseff está completamente errada quando diz que o Brasil não se manifesta em assuntos internos de nenhum país. O governo do PT meteu-se de cabeça nas crises de Honduras e do Paraguai quando Manuel Zelaya e Fernando Lugo foram depostos. Nunca tivemos uma política externa tão intervencionista e ideológica como a atual. O trágico é que não temos uma política externa de Estado, ela é a do PT.

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

Intervenção, sim

Não concordamos com a presidente Dilma quando manifesta sua intenção de não interferir na crise da Venezuela. Deve intervir, sim, e prestigiar o governo do nosso vizinho, membro do Mercosul e ameaçado, mais uma vez, por um golpe fascista. O grande país irmão, antes banana Republic e quintal dos EUA, depois de um século de ditaduras militares hoje é governado por um presidente livremente eleito. Que tenham sucesso!

ARSONVAL MAZZUCCO MUNIZ

arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

Afronta ao povo

É claro que Dilma descarta a hipótese de intervenção na Venezuela. Como pode intervir se ela e toda a corriola do PT concordam com a política equivocada e ditatorial do governo de Nicolás Maduro - filhote do falecido e paranoico ditador Chávez? Qualquer apoio do governo brasileiro é uma afronta aos direitos que o povo venezuelano reivindica nas ruas.

JOÃO BATISTA PIOVAN

jbpiovan@gmail.com

Osasco

Nobel

Digna de um Prêmio Nobel de Literatura a explicação da presidenta Dilma Rousseff sobre as diferenças entre a Ucrânia e a Venezuela. Foram juntadas as tentativas de explicar o inexplicável com a incapacidade de expressão linguística. Ditado antigo diz que "em boca fechada não entra mosca".

OLAVO BRUSCHINI

o.bruschini@terra.com.br

Monte Azul Paulista

USP

Crise financeira

O anunciado colapso financeiro da USP deve servir para que, finalmente, se encontre uma solução que, em vez de preservar privilégios e gratuidades intoleráveis nos tempos atuais, dê prioridade à produção científica, tecnológica e acadêmica da até aqui prestigiada Universidade de São Paulo. É hora de rever o modelo organizacional da universidade, transformando-a numa fundação, que pode até receber subvenções para custear a pesquisa de interesse social e a gratuidade das mensalidades de alunos comprovadamente carentes, selecionados em processos que valorizem o mérito acadêmico. Mas que predominantemente essa universidade seja custeada pelos próprios alunos com o pagamento de mensalidades e por instituições privadas que possam beneficiar-se de parcerias para o desenvolvimento de produtos de interesse industrial e comercial.

AIRTON REIS JÚNIOR

areisjr@uol.com.br

São Paulo

Corte de gastos

Se não fosse dinheiro público, seria divertido. O Conselho Universitário (CO) vota anualmente o orçamento da USP. Provavelmente, algo em torno de 60% dos seus membros atuais já estava no CO em 2011. Logo, estamos diante de uma situação peculiar: ou bem esses professores não sabiam o que estavam votando ou foram enganados. No primeiro caso, é de perguntar o que estavam e estão fazendo no CO (talvez para "ver e ser visto", como se diz nos guias de restaurantes). No segundo, é o caso de solicitar ao Tribunal de Contas uma auditoria nas propostas e execuções orçamentárias. Aliás, seria uma pauta para a imprensa checar quem já estava no CO, como e por que votou nos orçamentos anteriores. O mais provável é que reine o já tradicional silencioso pacto da mediocridade e fique tudo por isso mesmo. Depois ainda se perguntam por que a USP é cada vez mais desimportante no debate nacional...

CARLOS DE BRITO PEREIRA, professor doutor da EACH-USP

carlosbp@usp.br

São Paulo

*

DILMA EM BRUXELAS

Dilma Rousseff refugiou-se mais uma vez atrás de sofismas para fugir à exposição de que o Brasil apoia veladamente os atos de terrorismo das milícias de Nicolás Maduro, que estão assassinando o povo nas ruas. "Ucrânia e Venezuela são casos distintos", disse ela, e tem razão. Na Ucrânia o presidente foi eleito - e deposto por pressão popular -, configurando-se, assim, numa democracia. Na Venezuela o poder foi usurpado de Henrique Capriles, o verdadeiro vencedor nas eleições, por Maduro, configurando-se, assim, numa ditadura. Não sabemos se nossa ilustre representante sabe que as causas das revoltas desses dois povos são quase as mesmas: o comunismo. Os ucranianos foram mortos de fome aos milhões quando dominados pelo comunismo da extinta URSS e se rebelam contra o fato de a Rússia controlar o país deles até hoje, como se ainda fosse uma extensão de seu território, e a não adesão à União Europeia - por influência de Putin - foi a gota d’água. A Venezuela, da mesma forma que o Brasil está fazendo, enviou para Cuba o capital obtido por sua principal riqueza, o petróleo, e se defronta agora com desabastecimento geral e crise econômica, além da tirania de suprimir as notícias pela censura a todos os meios de comunicação. "O Brasil não vai discutir a crise venezuelana, pois seria contra a nossa política externa", disse Dilma, o que nos leva a pensar que a presidenta deve considerar que Honduras e Paraguai sejam extensões do Brasil, pois quando Zelaya e Lugo, pertencentes ao bloco dos comunas da América Latina e presidentes respectivamente dos dois países, foram depostos segundo a Constituição deles, Lula e Hugo Chávez correram para Tegucigalpa incitando uma guerra civil e a própria Dilma excluiu o Paraguai do Mercosul, colocando a Venezuela em seu lugar. Justificar a ditadura com falácias como "os ganhos na educação e saúde para seu povo", de difícil comprovação na prática, é o mantra bolivariano com que esses socialistas tentam enganar a imprensa e as populações em geral. Dilma, de novo, perdeu uma ótima oportunidade de ficar calada!

Carmela Tassi Chaves

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

DOIS PESOS, DUAS CARAS

Questionada em Bruxelas sobre a posição do Brasil ante a crise venezuelana, a presidenta Dilma Rousseff mais uma vez faltou com a verdade na resposta que deu à imprensa. "Não cabe ao Brasil discutir o que a Venezuela tem de fazer, até porque seria contra nossa política externa" - disse, sem corar. Naturalmente se esqueceu de que seu governo, em conluio com a Argentina, articulou a suspensão do Paraguai do Mercosul, como represália pelo impeachment (constitucional) do então presidente paraguaio Fernando Lugo. Naquele episódio, a ingerência de Brasília na crise guarani só não foi menor que a da Argentina e da própria Venezuela, cuja intromissão nos assuntos de Assunção gerou mal-estar diplomático entre Paraguai e Venezuela. Depois, Dilma esquece-se de que o governo de seu padrinho e antecessor, Lula, interveio de forma escancarada na crise hondurenha - outro impeachment -, franqueando nossa embaixada em Tegucigalpa, em total desacordo com as regras de asilo diplomático, às diatribes do presidente deposto, Manuel Zelaya, outro membro de carteirinha da confraria do Foro de São Paulo. Como se vê, quando é do interesse da turma do Foro de São Paulo, o governo do PT se intromete, sim, nos assuntos internos de outros países; quando não, assobiam, olham de lado e saem de fininho, como se não fosse com eles. Dois pesos, duas caras. É esse tipo de gente que governa o Brasil com o aval de milhões de desinformados.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

VIÉS ANTIDEMOCRÁTICO

Não nos interessa a presidente "Dillma" vir a público fazer comparação entre crise política na Ucrânia e na Venezuela para justificar o silêncio do Brasil sobre o massacre de civis oposicionistas ordenados pelo presidente Maduro. Vamos para uma realidade mais próxima, como, por exemplo, a atitude destrambelhada de nossa política externa em a crise recente no Paraguai e a Venezuela hoje. Os dois estão no nosso quintal e a forma como o governo "Dillma" lidou com um e outro mostra muito bem para onde o coração do governo petista pende. Adoram governo que diz amém aos irmãos Castro, de Cuba. Não conseguem esconder a veia de viés antidemocrático!

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

ESTÁGIO POLÍTICO MELANCÓLICO

A presidente Dilma falou, mas não explicou por que as crises da Venezuela e da Ucrânia são distintas, como afirma. A não ser que a distinção a que a presidente se refere seja de foro íntimo, porque o seu PT apoia indistintamente todos os absurdos do chavismo, inclusive, como acontece, contra seu próprio povo. E quanto à Ucrânia, deve achar que é um problema do Putin, da Rússia... Pelo ângulo dos direitos humanos, liberdade de expressão, de impressa e pluralidade política, nada é distinto quanto ao que ocorre nesses dois países, porque afrontam todas as normas democráticas, E ainda matam com ritos de crueldade os manifestantes que saem às ruas e avenidas em oposição a esses governantes déspotas. Este é o estágio político melancólico da nossa presidente, que calada certamente ajudaria muito mais o nosso país...

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

SINUCA DE BICO

Dedução do comentário da presidenta Dilma sobre a crise na Venezuela e por tabela do PT, o mais ético partido desde a chegada de Cabral: pimenta na Venezuela dos outros é colírio? A Venezuela é diferente da Ucrânia porque lá tem cubanos infiltrados andando de moto e dando tiro a torto e a direito e nós, no "Brasiu", não interferimos no problema interno dos outros. Claro, quando não interessa. Financiar porto para Cuba concorrer conosco, isso pode. Aliás, ajudar o MST a quebrar tudo e invadir por invadir, também pode. Só não pode mexer com os black blocs, pois estes têm financiamento do PSOL, partido originário do PT, ou seja, de esquerda. "Tamu na roça" ou na famosa sinuca de bico.

Antonio Jose Gomes Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

MANCADAS PRESIDENCIAIS

Definitivamente, a Dilma não para de dar mancadas lá fora. Em Bruxelas, mais um vexame: declarar serem diferentes as situações da Venezuela e da Ucrânia. E para completar, disse que "não há divergências" entre ela e o "presidente lula" - em minúscula mesmo, pelo que representam para as pessoas de bem.

Laert Pinto Barbosa

laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

ELES SE MERECEM

Houvesse ainda alguma dúvida, por menor que fosse, da incompetência, ignorância, arrogância, descompromisso e desonestidade quanto à verdade e canastrice do ditador Maduro, agora não mais existe. Maradona declarou-lhe apoio incondicional. É gente da mesma laia.

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

FORMAÇÃO DE QUADRILHA

Para começar pelo começo: a Justiça já deixou claro que o mensalão existiu. Para a maioria absoluta do povo brasileiro, sua realidade foi confirmada em maio de 2012, quando o ex-procurador-geral da República Antônio Fernando de Souza disse: "A tentativa de negar a existência do mensalão é uma afronta à democracia, estamos diante de uma sofisticada organização criminosa". Hoje (26/2) e amanhã (27/2) deve ocorrer no Supremo Tribunal Federal (STF) mais um "pega pra capar", certamente provocado pelos mesmos juízes e advogados que, no dia 20 de fevereiro, batalhando para provar a inocência de alguns réus pelo crime de formação de quadrilha, transformaram o STF numa arena política. Estaremos antenados com a TV Justiça nestes dias para saber quem é quem neste processo do mensalão.

Leônidas Marques

leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

SORTUDOS E GENEROSOS

Os petistas condenados pelo mensalão conseguem arrecadar milhões para o pagamento de suas multas, bastando para isso fazer um simples apelo. "Trabalhadores" seria o nome adequado para dar identidade a um partido de gente tão abonada? Consta que só uma das doações chegou quase a R$ 500 mil. Talvez ingressar no PT seja a forma mais rápida de se tornar uma pessoa bem-sucedida, já que o partido se tornou uma próspera agremiação. Para ter uma ideia do quanto sobem na vida, Henrique Pizzolato comprou de uma vez só três caríssimas mansões na Espanha. Assim mesmo, todos eles terão suas multas pagas sem pôr a mão no bolso. Quanta generosidade dos membros deste partido que nos governa. E quanta sorte por progredirem tão rápido na vida fazendo política partidária. Isso é que é uma gente verdadeiramente progressista.

Eliana França Leme

efleme@terra.com.br

São Paulo

*

O PREÇO DO SILÊNCIO

Pelo que José Dirceu sabe, até que a arrecadação de R$ 1.083.694,00 foi pouca pelo seu silêncio. Serão muitos os cúmplices?

Tania Tavares

taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

O QUE IMPORTA AGORA

Uma ofensa à Suprema Corte e daqueles ministros que, contra grande parte dos "pessimistas", passaram a limpo a vergonha nacional enodoada por uma fração da quadrilha que há 12 anos vampiriza a jugular do erário. Nem aqueles que acreditam no Curupira acreditam que a militância xiita do PT, enquartelada nos sindicatos, nos sindicatos, nas estatais, nas ONGs e no MST, principalmente, seriam capazes de arrecadar em nove dias a quantia de R$ 932.894,32 por intermédio de 3 mil pessoas, praticamente todo o valor da penalidade imposta. José Genoino e Delúbio Soares, em campanha idêntica, levantaram R$ 1,7 milhão. Somando os três mosqueteiros do mal, conseguiram R$ 2,6 milhões desde o final de janeiro. O que importa nesse momento à Polícia Federal e ao Ministério Público, e que importa mais ainda ao povo, fiel pagador de impostos, é se esta dinheirama, essa "vaquinha supersônica", não é produto do desvio que recebeu o nome de mensalão. Ou seriam as empreiteiras beneficiadas com as obras do PAC e com a escandalosa construção e reforma de estádios para a Copa? O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) interpelou por ofício o ministro do Supremo Gilmar Mendes por suspeitas em tamanha "expertise", e este respondeu convidando o senador a liderar uma "vaquinha" para devolver R$ 100 milhões desviados no processo do mensalão.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

GENEROSIDADE

Certos setores do empresariado têm sido generosos com o PT. De 2009 a 2012, R$ 550,6 milhões de em doações ao partido. Estranho, não?

Francisco Zardetto

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PLACAR FINAL

As multas impostas aos envolvidos no mensalão eles tiraram de letra. José Dirceu foi multado em R$ 971,1 mil e arrecadou R$ 1,083 milhão. José Genoino, multado em R$ 667,5 mil, arrecadou R$ 761,98 mil. João Paulo Cunha, multado em R$ 372 mil, arrecadou R$ 372 mil. Delúbio Soares, multado em R$ 466,8 mil, arrecadou R$ 1,013 milhão. Pelo visto, a economia no Brasil está excelente, pena que não esteja tão bem para todos os brasileiros, principalmente para aqueles que pagam tributos.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

MAIS IMPOSTOS

O governo federal, querendo buscar um pouquinho de credibilidade no mercado financeiro, anunciou um corte de R$ 44 bilhões nos seus gastos. O mercado recebeu a notícia com desconfiança, pois como o País vai economizar, se ainda precisa gastar muito para finalizar as obras da Copa, que já deveriam estar prontas? Como vai economizar, se precisa liberar dinheiro para os políticos aliados em ano de eleição para deputados, senadores, governadores e para garantir a reeleição de Dilma? O ministro Guido Mantega encontrou a solução: aumentar impostos. Será essa a reforma tributária que o PT irá fazer após 12 anos no poder: aumentar ainda mais a carga tributária para os brasileiros?

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

NOVAMENTE, UM ENGODO

Ao apresentar a meta do superávit primário para o ano, o governo informa uma cifra para impressionar: corte de R$ 44 bilhões do Orçamento de 2014. Impressiona os menos informados, dado que, mesmo assim, o governo neste ano gastará o "dobro" desse valor "a mais" do que em 2013. Além disso, do lado otimista das receitas apresentou o governo um crescimento do PIB de 4%, rebaixado para 3,8% e, agora, 2,5%, quando o mercado acha 1,79% (Itaú 1,4%). Ah bom! No dia seguinte Mantega informa que pode aumentar impostos para atingir a meta. Desse jeito, aumentando impostos, qualquer um governa, o povo pagará. E ainda há uma grande dúvida sobre a necessidade do Tesouro quanto ao déficit das empresas de energia e também ao fornecimento de recursos aos bancos públicos, notadamente o BNDES (para frigoríficos e empreiteiras), injeção para estes que atingiu o correspondente a 9% do Orçamento de 2014 e outras operações "não transparentes". E a política econômica anticíclica do governo não funcionou, estava errada, segundo os jornalistas Celso Ming e Fernando Dantas. Assim, os juros continuarão subindo, estaremos distantes do crescimento da economia mundial de 3,7%, falta de infraestrutura e reformas que continuarão atrasando o País. É nesse clima, com uma péssima administração do País, que a presidente pretende recuperar a confiança dos investidores. Só sobreviveremos nós, aqueles invocados nos discursos de Dilma e que sobrevivem aos maus governos, os "pessimistas".

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

GOVERNO DILMA

Segundo o diretor do Fed em Dallas, Richard Fischer, a economia brasileira é considerada a mais problemática entre os emergentes Cingapura, Coreia do Sul e México, auxiliados com linha especial de crédito pelo Banco Central Norte-Americano durante a crise em 2008. A mesma preocupação foi levantada recentemente pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pela nova presidente do Fed, Janet Yellen, em seu discurso de posse. Aos empresários brasileiros falta confiança para os investimentos geradores de riqueza e os indicadores econômicos ratificam essa desconfiança, investidores do exterior só se interessam pelos juros, aliás, os mais altos do mundo no "carry trade". Mesmo assim, para o ministro Mantega, está tudo sob controle, o que vale dizer de que o governo petista de dona Dilma patrocina-se por uma atmosfera cujos elementos que preponderam são alienação, esquerdismo, corrupção e incompetência.

Mario Cobucci Junior

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

A PETROBRÁS FAZENDO ÁGUA

A Bacia de Campos, que responde por 80% da produção de petróleo do País, já preocupa a Petrobrás com a perda de produtividade, que, segundo especialistas na área, é por falta de investimento em novos poços. A metade da produção da Petrobrás é água. Há 11 anos a Petrobrás não cumpre suas metas de produção. Interessante notar que é o mesmo tempo que o governo está nas mãos do PT. Seria coincidência ou prova da ineficiência? É preciso ressuscitar a foto de Lula abraçado a Eike Batista e, assim, repetir o gesto para dar credibilidade àqueles que acreditaram nas promessas do pré-sal. A resposta da Petrobrás é que o volume de água produzida resulta do processo-padrão, ou seja, está tudo sob controle. É a Petrobrás fazendo água.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

COMO RABO DE CAVALO

É, presidente Dilma, cadê seu famoso discurso "inovar para competir, competir para crescer"? Sabe presidente, o seu governo parece rabo de cavalo: cresceu para baixo. Nada em que o governo pôs a mão foi para a frente. Não criou absolutamente nada e o que existia de bom e promissor o governo conseguiu detonar. Está aí a Petrobrás, capengando e demonstrando o tamanho da incompetência da presidente. Um país, senhora presidente, é como uma casa, uma família: se o provedor não produzir, a família passa fome.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

PÉRIPLOS TUPINIQUINS

Dona Dilma, em sua penúltima viagem à Europa, fez uma farra em terras lusitanas e retornou por Cuba, onde inaugurou a maior obra de seu governo: o Porto de Mariel. Será que, após alugar o papa para garoto-propaganda da Copa do Mundo, ela não teria voltado por Caracas? Afinal, o seu amigo Nicolás Maduro está em maus lençóis e uma reunião entre os dois, sob as bênçãos de um passarinho, possa pôr a revolução bolivariana nos trilhos.

Humberto de Luna Freire Filho

hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

LULA EM CUBA

Conforme site do Instituto Lula, o ex-presidente estaria em Cuba nos dias 25 e 26 para encontro agendado com o ditador cubano. A versão oficial é de que debateriam energia e produção agrícola (?!) com lideranças cubanas e aproveitaria para conhecer o porto construído com os nossos recursos. Como perguntar não ofende, qual seria a versão não oficial? Teria que ver com a debandada dos escravos, digo médicos, cubanos?

Aparecida Dileide Gaziolla

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

DE ESTARRECER

Duas notícias de estarrecer qualquer eleitor brasileiro nos últimos dias: a primeira de que Lula se reúne com Raul Castro, em Cuba, para discutir e finalizar projetos que seriam benéficos para os dois países - quer dizer, para Cuba e Venezuela, logicamente, porque para o Brasil não tem nada de bom nos acordos com a ditadura sanguinária de Cuba. A segunda é de que Lula se reuniria com empresários para sedimentar a ideia de que dona Dilma se prontificou a efetivar políticas "melhores" para a economia em 2014. Ora, qual o cargo do ex-presidente para "negociar" qualquer assunto com a ditadura de Cuba? Por que nenhum dos 39 ministros tem competência para executar tal contato? Se em três anos de governo dona Dilma não foi capaz de melhorar nossa economia, muito pelo contrário, por que só agora, no ano de eleições, ela teria a dignidade de satisfazer nosso empresariado? Será que ela vai cumprir essa promessa, assim como ela NÃO cumpriu as promessas de construir 6.424 creches, de concluir a transposição do Rio São Francisco, de construir 800 aeroportos, etc., etc.? Enquanto isso, a Petrobrás e a Eletrobrás estão endividadas até o pescoço, o BNDES e a Caixa Econômica Federal (CEF) estão contratando o MST para publicidade sem licitação e o ministro não sei do que leva uma camisa do seu time para presentear o papa Francisco - camisa contrabandeada, conforme palavras de dona Dilma. Realmente, "fazer o diabo" nos anos de eleição é uma das especialidades deste (des)governo incompetente da petralhada. Abram os olhos, eleitores, já está ficando tarde para nos livrarmos deste partido truculento que quer impor seu poder de "democracia de um único partido".

Antônio Carelli Filho

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

DILMA OU LULA?

O ex-presidente Lula dizia que, quando saísse do cargo, "iria assar seus coelhos e mostrar a outros ex-presidentes como se comportar, sem dar palpites no governo de ninguém". Pois bem, fez exatamente o oposto disso e, agora, ainda conspira para ser o candidato no lugar da sua pupila Dilma, que, por pressuposto, ele imagina que possa ser derrotada em outubro. Ou seja, não só trai as próprias palavras, como humilha a atual presidente da República. Caso seja ele mesmo o candidato do PT, esta será uma ótima oportunidade para enterrar o mito do Lula imbatível, este que não sai do palanque nem do salto alto. Uma possível união real das oposições no segundo turno (quando o tempo de propaganda em rádio e TV são iguais) pode derrotar não só a criatura, mas também o criador, e, de quebra, recolocar o Brasil e a América Latina no rumo democrático e republicano.

Sandro Ferreira

sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

*

CORTES DE LUZ

Na rua onde eu moro, são frequentes os cortes de luz (sem chuva, sem temporal, etc.). O último evento foi no domingo, dia 23/2, das 9h45 às 15 horas. Moradores ficaram presos no elevador e um elevador, por queima de uma placa, desde então está sem funcionar. Em contato telefônico com a AES Eletropaulo, fui informado de que a AES comunica aos prédios sobre cortes programados, porém o síndico do meu prédio me disse que "tal informação não procede". Agradeço as sugestões de como proceder para "obrigar" a AES Eletropaulo a "comunicar com antecedência", de alguma forma, os tais "cortes programados" de luz.

Tomas M. Weil

p48n@terra.com.br

São Paulo

*

ÀS ESCURAS

A Eletropaulo passou dos limites na sua incompetência já conhecida pela população da capital de São Paulo nos dias 21 e 22 de fevereiro, deixando sem energia a maior parte das residências, por mais de 4 horas ininterruptas, do bairro de Moema. E, quando inquirida para saber o que estava acontecendo, não respondia nada de concreto, apenas dizendo que demoraria para a luz voltar, por motivos técnicos. O problema causou enormes prejuízos aos moradores. Diante do ocorrido, esperamos desconto em nossas contas, caso contrário, seremos forçados a requerer em juízo nossas perdas.

Valdir Sayeg

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

GARGALHEM!

A presidente Dilma disse aos brasileiros: "Se alguém falar em apagões, gargalhem". Somente esta semana (de 15/2 a 21/2), estou quase sem fôlego, de tanto rir, entre grandes e pequenos apagões, nosso bairro, na cidade de São Paulo, sofreu uma média de dois a três apagões diários. Se a nossa presidente, em vez da bazófia, alardeando as vantagens de um sistema elétrico que carece de manutenção e modernização, perdesse alguns minutos lendo e meditando sobre o artigo do professor José Goldemberg ("Crônica de uma morte anunciada", 17/2, A2), ela teria uma análise realista e competente da atual situação do sistema elétrico brasileiro.

Luiz Antonio Alves de Souza

zam@uol.com.br

São Paulo

*

PRECATÓRIO

Sou credor de um precatório alimentar que deveria ter sido pago pelo governo do Estado de São Paulo no ano de 1999 (lista 175/99). Em 30/7/2013, o valor foi depositado na conta da Justiça e até a presente data o cartório, segundo meu advogado, não fez a juntada da guia para que o meu representando possa pedir o levantamento dos valores. Será que de fato se demora mais de seis meses para proceder a juntada de uma guia no processo? Isso não é e nunca será uma justiça rápida e pronta para atender aos anseios de quem a ela recorre. Quando não é o governo que protela ao máximo o pagamento, é o Judiciário, que anda a passos de cágados para cumprir o dever jurisdicional.

José Renato Nascimento

jrnasc@gmail.com

São Paulo

*

GREVE NO SETOR PÚBLICO

Conforme editorial do "Estadão" (23/2, A3), os professores, servidores técnicos e administrativos das universidades federais voltarão a cruzar os braços, reivindicando melhores condições de trabalho e, logicamente, reajuste salarial. No Brasil, greve é direito constitucional, mas está faltando segurança jurídica para que os direitos da população, que paga quase 40% de impostos, seja garantida quando em confronto com os interesses dos professores e servidores das universidades federais. E o que falar do projeto de lei regulamentando o direito de greve do servidor público que está parado no Congresso Nacional há mais de 23 anos, apesar de novo projeto de lei apresentado pelo senador Aloysio Nunes (PSDB- SP) em dezembro de 2011?

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

OLIMPÍADA DE INVERNO NA RÚSSIA

A Rússia manteve seu status de potência esportiva da ex-URSS e conquistou, em casa, os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi 2014. Entretanto, fora do âmbito esportivo, o fato é que foram os jogos mais caros da história e que bilhões de dólares foram torrados e desperdiçados pelo governo autoritário e corrupto de Vladimir Putin. A Rússia tem altíssimas taxas de suicídios, alcoolismo e sua população diminui de tamanho ano após ano, com crescimento negativo. A média de vida dos russos é uma das mais baixas da Europa. O povo russo é subjugado por uma ditadura travestida de democracia, com eleições fraudadas e prisões e assassinatos de oposicionistas. Não há liberdade na Rússia de Putin. Manifestantes são presos e condenados apenas por discordarem do governo, que é homofóbico e racista. É triste que a Rússia tenha se libertado do czarismo para cair numa ditadura do proletariado e, depois, em nova ditadura, agora sob o comando do gângster Putin.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO VAI TER COPA

É evidente que os black blocs vão perder a sua guerra sem causa. Aquela da destruição pela destruição, patrocinada pelos partidos de oposição de extrema esquerda. Muito diferente da manifestação "não vai ter Copa", que é cada vez mais justificável pela lambança que o governo federal vem fazendo com a economia brasileira. Porém, o quebra-quebra não vai ser aceito pela maioria da população brasileira, que é pacífica, e, pior, adora futebol. Sugiro aos Sininhos e black blocs da vida deixarem de servir de bodes expiatórios daqueles partidos e do próprio PT radical e canalizarem a força e a disposição de sua juventude, para um convencimento mais intelectual da sociedade brasileira. A Copa vai existir, mas pode ser um fracasso se o público não comparecer aos estádios ou, numa forma inteligente de protesto, desligar seus aparelhos de rádio e TV durante a transmissão dos jogos.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

RECLAMANDO DE QUÊ?

Algumas manifestações já foram feitas contra a Copa do Mundo de futebol no Brasil e outras já estão programadas. Será que todos sabem que foi nosso ex-presidente Lula que trouxe a Copa para o Brasil? E tenham certeza de que a grande maioria que sai às ruas para protestar é de eleitores do PT. Estão reclamando do quê?

Carlos Alberto Duarte

carlosadu@yahoo.com.br

São Paulo

*

MANIFESTAÇÕES INTELIGENTES

A vultosa quantia que já foi usada em estádios, abertura de canais, trens-fantasmas e outras obras faraônicas do governo federal foram votadas e aprovadas pelo PT, PSDB, PMDB e demais partidos, agora uns ficam manifestando, tomando borrachada ou reclamando para daqui a uns meses quem ganhar as eleições continuar na mamata e aqueles que ficaram calados continuarem mamando nas tetas generosas do governo. É óbvio que não existe oposição e fazem cena só para o brasileiro se envolver e ter a ilusão de processo democrático. Nas manifestações, cidadãos e policiais são colocados como inimigos, e todos os lados são humilhados e servem de massa de manobra para essa burguesia dominante e amorfa que vive à custa da população e do governo. Adianta gritar e mudar os governos se, ao menor sinal de prosperidade e bem-estar, o povo dá todo seu dinheiro em troca de bens e nada investe em educação? A classe dominante não importa se haverá água, comida ou o necessário para a sobrevivência das outras pessoas, pois só busca o lucro e seu bem-estar pessoal. Todo meu respeito aos manifestantes, mas espero que consigam formas mais inteligentes e sensatas como, por exemplo, não comprar produtos de empresas que patrocinam a Copa, não assistir a jogos, ignorar notícias sobre a Copa e outras formas inteligentes, pacíficas, que não despertam atenção, somente atacando os lucros de quem patrocina a miséria brasileira.

Daniel Marques

danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*

O USO DA FORÇA NOS PROTESTOS

A notícia de que a tropa da Polícia Militar que atuaria nas manifestações era "ninja", pois não utilizava armas de fogo, não soou como um alívio para os manifestantes. O governo está tentado legitimar o uso da força policial em manifestações alegando que eles não estão portando armas de fogo, mas como comparar manifestantes, em sua maioria desarmados, com policiais gabaritados em inúmeras artes marciais? A troca da arma de fogo pela suposta luta corporal em nada modifica, e talvez agrave, o tratamento que manifestantes, e eventualmente repórteres, recebem nas manifestações. O fato de os policiais não portarem arma não justifica o uso de todo o resto, como o porrete, ou no caso dos "ninjas" o próprio corpo. A quantidade de detidos sem justa causa e feridos da manifestação de sábado contra a Copa nos mostra isso. Até quando o governo vai tentar legitimar o uso da força?

Felipe da Silva Prado

felipeprado39@gmail.com

São Paulo

*

PADRÃO FIFA

Muito se tem falado sobre a realização da Copa do Mundo de futebol aqui, no Brasil. Convém lembrar aos senhores Nazário e Scolari que tal evento se realizara com ou sem protestos, mas alertar aos mesmos que o dito "legado" que tanto eles apregoam infelizmente não se reverterá em benefício do povo, mas sim aos bolsos dos próprios. O povo continuara com os mesmos problemas de saúde, educação, segurança, etc. Seria bom que nesses quesitos tivéssemos como legado o tal padrão Fifa.

José Roberto Palma

palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

RELAXA E GOZA

Jérôme Valcke disse que está profundamente preocupado com a finalização dos estádios e com o entorno das arenas, onde ficarão importantes estruturas complementares para a Copa. O que adianta ficar preocupado? Quando teve a oportunidade de apertar o governo brasileiro para fazer com que tudo o que estava previsto e combinado acontecesse, ele recuou, e não deu aquele merecido "chute no traseiro" que poderia ter mudado o ritmo das obras. Agora, a tão pouco tempo do início do torneio, não há nada que possa ser feito para mudar esse quadro. Deixo aqui, como minha contribuição para aliviar a inquietação do secretário-geral da Fifa, um sábio conselho imortalizado por Marta Suplicy: relaxa e goza.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

‘DEMOCRADURA’

Na "ditadura militar", o então ministro da Fazenda, Delfim Netto, abdicou de fazer a Copa do Mundo no País, por questões financeiras. Na "democradura atual", o sr. Lula fez o maior "auê" na Suíça para que a Copa fosse aqui, embora soubesse dos "elefantes brancos" que ficaram na África do Sul. Agora estamos assistindo à orgia do dinheiro público e privado, para satisfazer ao superpoder corrosivo da Fifa. Pode?

Antonio Terra

antonioterra1@outlook.com

São Paulo

*

SORTEIO DOS INGRESSOS

Foram veiculadas notícias sobre o término da venda dos ingressos pela Fifa neste jornal, porém gostaria de contestar uma informação em que os números não batem. Não seria o caso de questionar a Fifa para uma reportagem mais completa e esclarecedora? Pelas contas dos estádios x jogos, chegamos próximos a 3,7 milhões de ingressos que existem para a Copa no Brasil, e a Fifa divulgou recentemente que até agora foram vendidos um total de 1,5 milhão de ingressos - mas não sei para quem. Não conheço ninguém que tenha ingresso para qualquer jogo da Copa. Você conhece? Outra informação é de que 800 mil ingressos são para VIPs. Mas quem são estes? A Copa era dos brasileiros e agora só os amigos da Fifa e da Dilma vão ver os jogos? Não podemos nos esquecer dos representantes da CEF e do Ministério do Esporte, que com certeza também já têm ingressos. Afinal, que sorteio foi este? Agora, teve a cara de pau de julgar que nenhum brasileiro sabe fazer contas de mais e menos (a considerar pelos absurdos ocorridos, acho que eles tinham motivos de sobra para julgar a nossa burrice) e divulgou então que na próxima etapa serão disponibilizados apenas 159 mil ingressos. Cadê os ingressos dos brasileiros? Vamos facilitar a vida das autoridades brasileiras que têm dificuldade de somar e diminuir: se há 3,7 milhões de ingressos, venderam 1,5 milhão e ainda vão vender 159 mil, num total de 1.659.000 ingressos, ainda sobram ingressos dessa conta. Onde foram parar 2 milhões de ingressos? Alguém aí tem a resposta? Os estádios padrão Fifa, com todo o nosso dinheiro gasto, e nós nem poderemos assistir aos jogos, e também não se pode ir às ruas, não se pode ir aos estádios. Serão 64 jogos somente para os convidados da Dilma? Será que a Presidência da República, os ministros, deputados, senadores e todos os seus amigos estavam aguardando este sorteio para enganar a população? Com certeza não. Mesmo assumindo nossa idiotice e aceitando que a Fifa e Dilma podem distribuir com o nosso dinheiro, dos impostos que pagamos, dos estádios faraônicos que foram levantados, 800 mil ingressos para os VIPs, e que o discurso da Copa dos brasileiros era 100% mentiroso, o que todos nós já sabíamos, ainda falta explicação para 1.200.000 ingressos. Nenhum brasileiro que não for amigo do amigo de alguém irá assistir nem à abertura nem ao encerramento da Copa dos brasileiros. É isso, amigos brasileiros? Afinal, quem vai explicar o sumiço dos ingressos para os jogos? Antes, ninguém queria, agora todos eles foram vendidos e desapareceram misteriosamente. Talvez os cambistas que encontraremos nas portas dos estádios saibam a resposta.

Daniele Rodrigues

danielebarquilia@gmail.com

São Paulo

*

O PAPA NA COPA

Que a presidente Dilma não sabe falar nós já sabíamos, porém a surpresa é que ela não sabe ler, pois a Constituição é clara: o Brasil é um país laico, consequentemente, ela não pode preterir todas as religiões e favorecer uma, este é o primeiro erro que há no convite feito por Dilma ao papa para que ele venha ao Brasil para a Copa do Mundo. Absurdamente antiprotocolar e, inclusive, constrangedor. Se o papa aceitasse, ele viraria um garoto propaganda e em pouco tempo estaria fazendo comercial de cerveja na TV.

Ivan Bertazzo

bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

FAZENDO ‘O DIABO’

Quanta deferência com a Igreja Católica e com o já popstar papa Francisco. Dilma ir até Roma para presenteá-lo com uma camiseta e a bola da Copa e, de sobra, participar da cerimônia do cardinalato de Dom Orani Tempesta, do Rio de Janeiro, mostra de forma clara, fora as despesas de uma viagem internacional, que a "presidenta" está mesmo fazendo "o diabo" pra ganhar as eleições. Vergonhoso tentar colar no papa para sua campanha política, uma vez que sabemos que ela não comunga dos dogmas do Cristianismo.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

VAIAS

Duvido que o papa venha para a Copa. A "presidenta" vai tomar vaia com outras autoridades, se ousar ir aos estádios.

Alberto Bastos Cardoso

albcc@ig.com.br

São Paulo

*

A MÃO DE DEUS

A presidente Dilma disse ao papa que não quer "mão de Deus" na Copa ("Estado", 22/2). Quem é ela para dar ordens a Deus? Demonstra que nada sabe sobre os atributos de Deus.

Ermenegildo Nava

imprensa.drnava@gmail.com

Araçatuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.