Fórum dos Leitores

ESCASSEZ DE ÁGUA

O Estado de S.Paulo

19 Março 2014 | 02h09

Racionamento inevitável

Com o nível de água no Sistema Cantareira caindo de 58,9%, há um ano, para 14,9%, até ontem, o inevitável racionamento de água na região metropolitana de São Paulo deverá ocorrer mesmo em julho, em plena Copa do Mundo. É certo que São Pedro tem parte da culpa, por este inclemente e infindável verão, mas parte do problema deve ser creditada à falta de investimentos e planejamento de longo prazo do governo. Sem as "águas de março", que não caíram, e sem um dilúvio bíblico, a Copa em São Paulo será na seca. Uma vergonha!

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

Além da Copa

O que preocupa não é a falta de água durante o período da Copa. O que preocupa é a falta de água para os moradores de São Paulo o ano todo. Pobre povo!

MARIA DO C. Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

Torneira seca

Não parece, mas só pode ser piada. Guarulhos, na Grande São Paulo, sofre há cinco anos, pelo menos, com o problema da falta de água. O racionamento "extraoficial" já fazia parte do cotidiano de muitos moradores da região. Agora, com a estiagem prolongada, as autoridades resolveram impor à população já combalida pela constante falta d'água nova política de racionamento, que consiste no fornecimento de água dia sim, dia não. E a água, que antes era pouca, agora é nenhuma. O que segue, porém, é espantoso. Guarulhos e região são servidas pelo Sistema Cantareira, cujo reservatório está em situação periclitante. O solo seco e quebradiço nos remete à região mais seca do Nordeste brasileiro. E o que fizeram nossas autoridades? Prometeram um bônus de 30% a todos os consumidores que conseguissem reduzir em 20% o consumo de água. Ora, como é possível racionar o que não se tem e, ainda por cima, prometer uma redução no "quantum" das contas, que continuarão sendo enviadas à população? Será que ela ainda terá água para beber?

SILVIA H. SALLES ZANGIROLAMI

shasz@uol.com.br

São Paulo

Promessa de solução

O provável candidato do PT ao governo de São Paulo neste ano, Alexandre Padilha, disse que a escassez de água em São Paulo é fruto de falta de investimento. Então, mesmo que a natureza não ajude com a estiagem, Padilha resolve, assim como o PT resolveu a seca nordestina com a transposição do Rio São Francisco - obra que começou em 2007 e que até hoje não está concluída.

NELSON SCATENA

depto_comprasmadeirarte@yahoo.com.br

São José dos Campos

PETROBRÁS

Sob investigação

O Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro se juntará à Polícia Federal (PF) para investigar suspeitas de corrupção em contratos da Petrobrás. O que se espera é que os dois órgãos consigam, sem maiores empecilhos, resgatar a idoneidade da Petrobrás, vitimada nos últimos anos pela má gestão e por fortes indícios de "malfeitos". A empresa é um patrimônio nacional. Urge livrá-la de desmandos e de atos lesivos à sua imagem e ao seu patrimônio.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Mais importações

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) prevê que o Brasil terá em 2014 um déficit na balança de combustíveis de US$ 11,5 bilhões, ou seja, importará mais gasolina e diesel. Enquanto isso, Graça Foster, presidente da Petrobrás, picada pelo mal que acometia o ex-presidente Lula, de fazer alarde com qualquer notícia, diz que o Brasil tem potencial para produzir 5,2 milhões de barris por dia em... 2020. Vergonhoso!

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

E onde está aquele projeto que deu ao Brasil novas possibilidades de tecnologia na área de combustíveis, o etanol?

JOSE RUBENS MISHOGUTI

mrubens11@hotmail.com

São Paulo

Detalhe

Segundo dona Graça Foster, o "Brasil tem potencial para produzir 5,2 milhões de barris por dia, números confirmados por grandes previsores" (Estado, 18/3, B2). Só faltou acrescentar: se o governo federal deixar de ser o acionista majoritário da Petrobrás.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Na real

A capacidade real de produção do Brasil parece bem inferior a 5,2 milhões de barris/dia - como tudo atualmente neste desgoverno do PT. Basta ver a situação de pindaíba em que estão as estatais Petrobrás e Eletrobrás, antes orgulho nacional.

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

Geopolítica do petróleo

Sobre o artigo A nova geopolítica da energia (17/3, A2), esclarecemos que, no Plano Estratégico 2030, a Petrobrás estima que a produção de petróleo no Brasil alcançará a média de 5,2 milhões de barris por dia no período 2020-2030. As principais instituições previsoras apontam entre 4,4 milhões e 5,4 milhões de barris/dia, na média, no mesmo período. A Agência Internacional de Energia prevê que o País estará produzindo 5,4 milhões de barris/dia em 2025 e 5,8 milhões de barris/dia em 2030. Não é o caso, pois, de "expectativas otimistas da Petrobrás". Também não é fato que o preço do petróleo ponha em risco os projetos do pré-sal, que são viáveis a um preço em torno de US$ 45 por barril. Os mais de 400 mil barris/dia em produção no pré-sal, em menos de oito anos após sua descoberta, demonstram que são sólidos os fundamentos para investir em exploração e produção de petróleo no Brasil.

LUCIO MENA PIMENTEL, gerente de Imprensa da Comunicação

Institucional

luciopimentel@petrobras.com.br

Rio de Janeiro

SÃO PAULO

Complexo Cultural da Luz

A região da Luz, em São Paulo, detentora de rica herança histórica, viu-se ameaçada por um projeto incompatível com as peculiaridades desse sítio urbano. Essa infeliz atitude, iniciada sem licitação e concurso público, contou com o repúdio de arquitetos paulistas, propositores de ação popular, dos quais o arquiteto Cesar Galha Bergstom Lourenço foi um dos signatários. É a hora de todos os cidadãos de bom senso somarem forças em defesa de nossa tão maltratada cidade.

BENEDITO LIMA DE TOLEDO

bltoledo@uol.com.br

São Paulo

*

CENAS DA GUERRA NO RIO DE JANEIRO

Tantos quantos estiverem no Brasil participando da Copa do Mundo de Futebol, em junho, devem estar horrorizados com as cenas dantescas protagonizadas pela auxiliar de serviços-gerais Cláudia da Silva Ferreira, moradora no Morro da Congonha, em Madureira, Rio de Janeiro e soldados da Polícia Militar (PM). Segundo a filha de Cláudia, ela foi atingida por dois tiros desferidos pelos soldados e colocada no porta-malas do carro da PM para ser levada ao hospital. Mas, durante o trajeto, a mala se abriu e o corpo dela ficou pendurado na viatura e foi arrastado pela rua, sob a vista estarrecida de outros motoristas que gravaram a cena. É evidente que o contingente todo da Polícia Militar não deve ser execrado, mas deve-se considerar que ultimamente o envolvimento ou a suspeição de soldados da PM em crimes de violência extrema têm acontecido com regularidade fora dos padrões das guerras sujas. O banditismo reage, policiais são assassinados, o povo sai às ruas, há depredações, queima de veículos, fazendo imperar a Lei de Talião: "Olho por olho, dente por dente". A guerra no Rio está declarada e a população não sabe onde é menos seguro, se em casa ou na rua.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

A SENSIBILIDADE DA PRESIDENTE

A presidente Dilma disse que a morte da auxiliar de serviços-gerais Cláudia da Silva Ferreira, mãe de 4 filhos, arrastada por PMs no Rio, chocou o País. Não chocou o País também o crime do bandido que, um dia antes de completar 18 anos, executou sua ex-namorada e ainda postou imagem na internet? Seu governo populista se cala diante da barbaridade praticada por um "di menor" protegido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), assim como se cala com os governos esquerdistas protetores de bandidos e apoiadores de ditaduras assassinas como a de Fidel Castro e a de Nicolás Maduro. Essa gente jamais se comoverá com os cadáveres e o sofrimento de pessoas comuns. Eles fingem gostar do povo na hora do voto, depois se esquecem dele facilmente.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

QUEM RESPONDE PELA MORTE?

Na trágica morte da Cláudia Silva Pereira, no Rio de Janeiro, ouvi indignação da presidente Dilma, do governador Sérgio Cabral e de muitas outras autoridades. Daqui a pouco vou acabar achando que a responsabilidade foi minha.

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

BÁRBAROS

A chocante cena da mulher sendo arrastada pela camionete da PM-RJ dá a exata dimensão da polícia que temos, ou, melhor, não temos. Aquilo se iguala ao que os bárbaros faziam. Ao verem que a mulher estava sendo arrastada, pararam e colocaram-na no porta-malas novamente, como se fosse um saco de batatas, quando deveriam colocá-la no banco traseiro. Não adianta. Vamos ficar roucos e não vai mudar nada. A polícia no Brasil é brincadeira... Eles não têm a mínima ideia do que é polícia ou segurança pública. Estamos alguns anos luz atrás de outros países neste ponto. E é essa a polícia que vai prestar serviços na Copa e na Olimpíada. E o governador Sérgio Cabral fala de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) disso, daquilo, mas é outro que não entende nada de segurança pública. Claro, não sai sem seguranças. Não enxerga um palmo adiante do nariz.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

REPÚDIO À BARBÁRIE

O unânime repúdio da sociedade em face da barbárie da morte de Cláudia Ferreira aqui, no Rio, é emblemático. Esperemos que o sacrifício dessa guerreira mulher brasileira sirva para acelerar a mudança da mentalidade de "capitão do mato" que ainda impera em minoritários seguimentos de nosso aparato repressor, para nos levar a um patamar civilizatório de Nação justa e equânime para todos que aqui vivem.

José de A. Nobre de Almeida

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

POLÍCIA MAIS PREPARADA

Revoltante e absurda a morte da mulher que foi baleada e arrastada por uma viatura da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro. Esse é mais um episódio da já conhecida falta de comando dos policiais militares do Rio, em que parece que os soldados fazem qualquer coisa que lhes venha à cabeça. Já que não podemos fazer nada contra essa herança da ditadura, que criou as polícias militares, as autoridades estaduais devem dar maior relevo ao trabalho investigativo da Polícia Civil, reservando às PMs somente as intervenções em confrontos reais, ou seja, um papel realmente militar, mas militar de verdade, com uma cadeia de comando e uma hierarquia rígida, e não isso que acontece no Rio. Um exemplo de trabalho profissional bem feito foi a perseguição aos marginais que assaltaram um shopping em Caraguatatuba, em que a PM de São Paulo, em colaboração com a Polícia Civil, desbaratou uma numerosa quadrilha sem causar danos colaterais.

Nestor R. Pereira Filho

rodriguesnestor@ig.com.br

São Paulo

*

BLOQUEIO DE CELULARES ‘PIRATAS’

O "Estadão" traz a notícia de que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) passará a rastrear e bloquear os celulares "piratas" a partir do segundo semestre (18/3). Isso nos leva a uma reflexão: primeiro, a quem interessa tal bloqueio, senão às produtoras de celulares, de vez que, "piratas" ou não, os aparelhos igualmente utilizam o sistema de ondas de telefonia e pagam por isso. Então, em relação às operadoras não haveria prejuízos. Em segundo lugar, é a prova viva de que o bloqueio de celulares dentro dos presídios não interessa tanto ao governo ou às operadoras, uma vez que estes sempre alegam não ter condições para tanto, porém para bloquear aparelhos no País inteiro, agora, dizem ter condições. Deve ainda ser levado em conta que aparelhos comprados legalmente no exterior também serão bloqueados, embora a Siga negue tal possibilidade.

Claudio Mazetto

cmazetto@ig.com.br

Salto

*

OBRAS ATRASADAS

Os atrasos das obras dos futuros "elefantes brancos" dos estádios de futebol, dos metrôs, dos aeroportos e, enfim, dos afrouxamentos generalizados das ações dos Poderes Executivos do País perturbam a mobilidade urbana e irritam os cidadãos. O que fazer diante de tantos óbices para conseguir qualidade de vida? Um exemplo explícito é o atraso das obras do metrô da cidade do Rio. Trata-se de um projeto equivocado que se revela como uma "tripa" comprida que vai da Pavuna até a Barra. Como assim? Um metrô de uma linha só? Esta eleição será um prato feito para a oposição. Não faltam munições para alimentar as armas de grosso calibre apontadas para a presidente Dilma, governadores e prefeitos.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TÁXIS NO CORREDOR DOS ÔNIBUS

Ao que parece ainda não existe o entendimento da prefeitura no que tange ao termo "transporte público". Qualquer veículo, de empresa pública ou privada, que for utilizado por terceiros como meio de locomoção é transporte público, portanto, os táxis se enquadram perfeitamente nesta categoria. É evidente que o preço do táxi é mais alto pelo conforto que oferece, inclusive uma das motivações do usuário de táxi em São Paulo nos horários de pico é a utilização dos corredores destinados aos táxis ou ônibus, mas agora a situação se torna inaceitável. O cidadão se dispõe a andar de táxi, ou seja, pagar bem mais do que no ônibus, trem ou metrô, tendo como premissa que haverá um conforto maior do que no ônibus (algo que não é muito difícil) e que chegará mais rápido. O conforto físico nunca foi proporcionado aos usuários de ônibus e quem pode pagar mais caro pelo táxi será privado da velocidade da faixa de ônibus? Daqui a pouco o prefeito vai considerar o helicóptero como alternativa aos usuários de táxi.

Felipe da Silva Prado

felipeprado39@gmail.com

São Paulo

*

DE OLHO NA ELEIÇÃO

Como eleitor do PT, solicito ao nosso prefeito rever a situação dos taxistas, permitindo que eles circulem nos corredores de ônibus. Caso isso não seja revisto, o candidato a governador de São Paulo pelo PT perderá muitos votos de nós, petistas. Além de ter mais de 30 mil cabos eleitorais contra ele (taxistas).

Rodrigo Cruz

rodrigocruz1980@gmail.com

São Paulo

*

FESTA?

Em outubro teremos eleições. Usaremos urnas eletrônicas suscetíveis a fraudes e sem confiabilidade. Votaremos em candidatos mentirosos, corruptos, bandidos e em toda sorte de picaretas. Serão eleitos e se transformarão em quadrilheiros, gazeteiros, desviadores de dinheiro público e por aí vai. Tudo isso com a proteção e o aval das autoridades judiciárias (TSE e STF), que não têm mais coragem nem moral para coibir abusos e o banditismo explícito e descarado. Chamam isso de festa democrática. Ou podemos mudar tudo isso? Creio que estas próximas eleições serão uma das últimas oportunidades para o cidadão brasileiro acordar, tomar vergonha na cara e perceber o quanto a política é importante na nossa vida e na construção de um país decente, o que ainda não somos. Por ora, somos um povo medíocre, governado, legislado e julgado pelo que há de pior na sociedade. Façamos essa mudança, antes que não haja mais tempo.

André L. Coutinho

arcouti@uol.com.br

Campinas

*

FESTAS PAGÃS

Quando estiver encerrado o período das nossas principais festas pagãs - carnaval, Copa do Mundo e eleições - de 2014, com o prosseguimento de outras menores, de caráter contínuo, configuradas por depredações ao patrimônio público, com ônibus queimados, interrupção de vias importantes por no máximo 50 manifestantes, submissão da polícia, demonizada, aquela do "entrou atirando", das greves desrespeitosas, o Brasil ingressará, como acontece com todo fim de festa, na necessária fase de arrumação e limpeza. Naturalmente, tal etapa, como sói acontecer, custará caro e será sofrida para a sociedade, qualquer que seja o resultado do último e apoteótico evento, o sufrágio universal que determinará qual grupo governará o País durante os próximos quatro anos. Se o poder permanecer com a situação, o preço a ser pago pela tentativa de reorganização do caos que foi necessário instalar para concretizar a reeleição será alto, sacrificado e baseado, como até agora o foi, em propagandas enganosas e ameaças ao Estado Democrático, através do controle cada vez mais efetivo de dois dos poderes pelo Executivo. Se ocorrer a vitória das hostes da oposição, pouco provável, de acordo com os arautos dos suspeitos institutos de pesquisa, o pós-festa será também muito confuso, uma vez que o esforço de reordenação contará com todo tipo de sabotagem e chantagem por parte do grupo que relutantemente será obrigado a passar o bastão. O pobre povo brasileiro, tão alienado e amante de festas, precisará da cordialidade da qual é pródigo, como afirmou, embora com ressalvas, o ilustre historiador Sérgio Buarque de Holanda. A propósito, se o Brasil conquistar a taça da Fifa, aguardaremos com ansiedade a cerimônia final de entrega durante a qual, certamente, a presidente Dilma não se importará com as vaias. Se Felipão não conseguir vencer, no entanto, o encerramento será presidido por algum tampão da base aliada, enquanto a chefe de Estado estiver preparando um discurso a ser transmitido à noite em rede nacional, tendo como fundo vivo um grupo representativo de artistas pertencentes à esquerda caviar, no qual culpará a direita pela derrota.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CAMPANHA POLÍTICA

É evidente que, hoje, votos se compram com o dinheiro do contribuinte, especialmente na esfera federal, com reforço do marketing. Para quem não tinha nada, receber algo, ainda que de baixa qualidade (moradia), e algum numerário faz muita diferença, e o sentimento de gratidão é elogiável. Creio que são estes pontos fundamentais que a oposição deve explorar, mostrando que muito mais e melhor se pode fazer. Ressaltar que o desperdício do dinheiro público - seja em obras interrompidas (transposição, por exemplo), custos sempre maiores que os orçados, má gestão na infraestrutura (energia, pontos, estradas, aeroportos, saúde, segurança, etc.), intervenção catastrófica na Petrobrás, na Eletrobrás, etc. - tem um custo muito alto e impede que se faça mais pelos mais humildes.

André C. Frohnknecht

caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

CONGRESSO A SERVIÇO DO GOVERNO

Ao tomarem posse os novos ministros (?), um deles afirmou, sem a menor mossa, que a questão da liberação de recursos pelo governo, para atender às emendas parlamentares, está solucionada, era uma das críticas dos deputados rebelados em meio à crise da base aliada. Para nós, os esgotados pagadores de impostos, que lhes oferecem uma vida de benesses, gostaríamos de vê-los em crise pelo fato de o Executivo os tratar como seus próprios servidores, de usar de recursos do povo de forma perdulária, de não cumprir suas promessas, de não ter um programa que atenda às necessidades básicas das cidades e dos Estados e de se empenhar unicamente em prol de sua reeleição, e - por que não? - de se perpetuar no poder. Afinal, deveriam simplesmente se empenhar em cumprir com o seu dever de representantes do povo que lhes paga altos salários para tal empenho. Um Congresso a serviço do governo é simplesmente um peso morto para a Nação. Uma vergonha!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

FRASE INFELIZ

Dilma dá posse a ministros, gente desconhecida, não se sabe quem é quem e diz que "o povo percebe muito bem quem está do lado dele" (18/3, A4). Vai ser difícil saber o nome deles, nem ela vai lembrar. Nossos governantes estão do lado do povo? É mais fácil perceber quem está longe dele ou atrás dele para cobrar impostos para sustentar a roubalheira que assola o País. O povo percebe quem não está do seu lado quando vai ao supermercado e não tem dinheiro suficiente para comprar os alimentos de que necessita. Percebe também quando busca atendimento médico e é obrigado a permanecer em macas ou no chão dos corredores à espera de quem alivie o seu sofrimento. Quem está do seu lado? Só alguém da família, em desespero. E, quando sai de madrugada para ir ao trabalho ou quando volta dele, aí, sim, ele percebe que não há ninguém do seu lado que possa garantir que chegue vivo em casa. Essa é mais uma daquelas frases infelizes proferidas por dona Dilma. Melhor seria ficar calada o tempo todo.

Alvaro Salvi

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

POVO ENGANADO

A presidente Dilma está coberta de razão ao afirmar que "o povo percebe muito bem quem está do lado dele". Especialmente quando sabe que figuras como José Sarney, Renan Calheiros, Fernando Collor, que tanto fizeram pelos seus Estados, são aliados do governo federal. Quando usufrui dos benefícios de obras como a transposição do Rio São Francisco que evitou o flagelo da seca. Quando percebe que o governo gasta com sabedoria, em assistência médica de qualidade, educação, infraestrutura, e não desperdiça o imposto arrecadado com estádios de futebol superfaturados, em atos de corrupção, em fisiologismo. Pena que é só ironia e ver o quanto o povo é enganado.

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

O POVO DE FORA

Dilma tem razão, tanto ela como o povo estão lado a lado, como sempre ela do lado de dentro e o povo do lado de fora. Ou será que não?

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

DE PAÍS DO FUTURO A TERRA DO NUNCA

Em seu discurso de posse dos novos ministros, a presidenta Dilma disse que o Brasil deixou de ser o país do futuro. Vejo essa declaração como uma autocrítica, já que baseado nas péssimas gestões dela e de seu antecessor o Brasil caminha a passos largos para se tornar a Terra do Nunca.

Fernando Fenerich

ffenerich@gmail.com

São Paulo

*

CULTURA E EDUCAÇÃO EM PERIGO

O Conservatório Estadual Lourenzo Fernandez, em Montes Claros (MG), considerado o maior da América Latina, teve seu quadro de funcionários reduzido à quase metade pelo governo de Minas Gerais. Além de estar com salas interditadas desde o início do ano de 2013. Em retaliação às manifestações de professores, demais funcionários, pais e alunos, ocorridas há pouco tempo, o governador, numa ação repugnante, acaba de exonerar a diretora da escola que atende mais de 4.500 alunos e já tem mais de meio século. Enquanto isso, o governador anuncia que vai deixar seu cargo para trabalhar na campanha de Aécio Neves à Presidência.

Juliana Jamilles

jamillessouza1@yahoo.com.br

São Paulo

*

TUTOR

Fernando Henrique Cardoso não pode estar na chapa de Aécio Neves. Parecerá mais "tutor" que "vice"...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

A TOMADA DA CRIMEIA

O governo de Vladimir Putin resolveu anexar a península da Crimeia ao território russo. Putin, em menos de um mês, realizou um plebiscito consultando a opinião da população, apurou os votos, confirmou a sua vitória e anexou os 26.100 km quadrados da península da Crimeia à Rússia. Não consultou Câmara dos Deputados, Senado, outros Poderes, três ou quatro dúzias de ministros e ministérios, secretaria do meio ambiente, comissões de ética, comissões de direitos humanos, partidos aliados, padrinhos, países vizinhos e muito menos deu satisfação à comunidade mundial. Com a rapidez que os acontecimentos tomam no mundo moderno, o regime totalitarista de Vladimir pá-Putin é muito mais ágil do que qualquer outro...

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

NA MÃO GRANDE

Falando o bom português: a Rússia "estuprou" a Ucrânia e roubou a Crimeia na mão grande. É como se os EUA anexassem mais alguns territórios do norte do México ou o Brasil pegasse o Uruguai e o Paraguai para si. É inaceitável, sob todo e qualquer ponto de vista. Trata-se de evidente violação ao direito internacional, baseado na lei do mais forte, na lei da selva. A comunidade internacional - e o Brasil, em particular - não pode se omitir e ficar de braços cruzados enquanto um gângster como Putin invade e se apropria de parte de um país soberano que apenas tem o azar de ter a Rússia como vizinha.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

COLÔNIAS

Se essa anexação da Crimeia à Rússia virar moda, quem sabe os sanguinários irmãos Castro não irão tentar anexar o Brasil a Cuba, afinal, estamos ficando com cara de "colônia" com estes governantes ideológicos e incompetentes. Este é, enfim, o sonho dos chefes comunistas tupiniquim.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

RESPEITO ÀS URNAS DA CRIMEIA

A manifestação dos habitantes da Crimeia tem de ser aceita como democrática. E não pode ser levada em consideração as opiniões nem da União Europeia nem do governo americano. Ou a democracia é apenas quando as ordens deles são seguidas? Para invadir o Iraque, os americanos não levaram em conta a decisão da ONU e até hoje não foram punidos. Deixem o povo da Crimeia seguir a decisão das urnas.

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

UCRÂNIA

A Rússia tomou a Crimeia na "mão grande" e a Ucrânia ficou "Putin" da vida.

Luiz Francisco A. Salgado

direg@sp.senac.br

São Paulo

*

A VOZ DO POVO

Será que a voz do povo realmente é a voz de Deus? O povo vive errando e não para de errar. No Brasil, após o governo de Fernando Henrique Cardoso, já errou três vezes e está prestes a cometer outro erro em outubro próximo, se reeleger a presidente Dilma Rousseff. Na Argentina, errou em manter Cristina Kirchner no poder, opção que está levando o país à bancarrota. Na Venezuela, o povo tem comido o pão que o diabo amassou desde o "ditador" Hugo Chávez, e ainda teima em manter Nicolás Maduro como comandante. Agora na Crimeia, norte da Ásia, por meio de um referendo popular, 98% da população optou favoravelmente à anexação à Rússia, que tem ignorado todas as sansões e ameaças do Ocidente, com uma solene "banana" ao poderoso Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, e a outras potências europeias, o que poderá fazer eclodir conflitos bélicos sem precedentes. Esses poucos exemplos mostram que "a razão nem sempre está com a maioria".

Sérgio Dafré

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

DEMOCRACIA EM EXCESSO

Em pesquisa recém-divulgada pelo Instituto Datos, 43% dos venezuelanos apoiam a oposição e 27% se dizem contra o governo. Ao mesmo tempo, 24,4% não apoiam ninguém e 4,9% não responderam. Esses números sugerem que: 1) o governo venezuelano, "eleito" num pleito desequilibrado e duvidoso vencido por maioria ínfima de votos, já não tem - passado um ano da posse de Maduro - qualquer legitimidade à vista do apoio de pouco mais de ¼ da população; 2) quase 30% do povo venezuelano - muita gente! - parece não se sentir à vontade para opinar, mesmo numa situação de grande escassez, censura, perseguições, inflação elevada, carestia, criminalidade endêmica, etc., talvez por receio de que sua opinião (adversa) seja identificada pelas autoridades de um Estado totalitário que, com os instrumentos de repressão e retaliação de que dispõe, os possa alcançar e os punir em represália. É este o governo da Venezuela apoiado pelo PT e que, segundo Lula, só tem um problema: "excesso de democracia".

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

GOVERNO REPRESSOR OU O REPRESSOR DO GOVERNO?

Os protestos que estão acontecendo na Venezuela são um reflexo das falhas de um governo de esquerda que é criticado perante a corrupção, escassez de produtos básicos, atual situação econômica e brutalidade policial, que se faz presente nas manifestações do país, com a justificativa de as mesmas serem uma tentativa de golpe para depor o atual presidente. O governo venezuelano vem reprimindo os protestos populares por meio da força, sendo que como país esquerdista tem o dever de permiti-los. Em vista disso, não seria essa uma contradição? Além disso, a reação extremamente violenta supõe que o governo de Nicolás Maduro tenha uma deficiência em admitir que a mobilização popular pode e está sendo utilizada contra ele, uma vez que há descontentamento social, já que as expectativas de mudanças não estão sendo atendidas. Conhecendo as respectivas dificuldades e a possibilidade de uma distorção provocada pela mídia, que tende a exagerar os fatos conhecidos levando a uma visão em que o governo brasileiro seria o responsável pela tentativa de evitar a influência dos EUA, estava a presidenta Dilma Rousseff disposta a realizar uma missão mediadora à Venezuela? Ou estaria ela apenas fazendo jus aos seus modos diplomáticos?

Bianka Moura Silva

mourainformatica@terra.com.br

Guarulhos

*

XEROX DE CUBA

A ditadura cubana na Venezuela fica cada dia mais evidente. Começaram com a ida dos médicos cubanos. Depois, criaram-se milícias armadas e treinadas por guerrilheiros cubanos. Aos poucos, a Venezuela transformou-se em xerox de Cuba, onde falta tudo. Até papel higiênico. Quando a população se levantou para protestar, as mortes vieram. Hoje existe denúncia de que estão invadindo residências, pegando opositores e torturando. Do Brasil parte o presidente do PT, Rui Falcão, em direção à Venezuela para dar "apoio" ao presidente Maduro. Enquanto isso, a presidente Dilma, fazendo cara de paisagem, lança como carro-chefe de campanha o programa Mais Médicos, com vinda de médicos cubanos em massa e os "ditos olheiros", sem nenhuma transparência! "Um dia levaram nosso vizinho venezuelano e não nos importamos, porque não somos venezuelanos. No outro dia invadiram nossa casa e nos levaram". E aí, povo brasileiro? Estamos chegando lá! Vamos continuar sem nos importar?

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O BRASIL E A VIZINHANÇA

Dinheiro brasileiro para serviço de saúde e obra pública em Cuba; aceitação de moeda podre (pesos) para pagamento dos produtos exportados para a Argentina; abertura de crédito, no valor de US$ 2 bilhões, para financiar comércio com os hermanos. E aqui, o INSS atrasando pagamento aos aposentados para faturar no overnight. Uma pergunta: comunistas têm pátria?

Adilson Mencarini

adilsonmencarini@uol.com.br

Guarulhos

*

PETROBRÁS SOB INVESTIGAÇÃO

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro irão investigar as suspeitas de corrupção em contratos da Petrobrás e o pagamento de propinas a funcionários da estatal. Depois do desfecho do julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e graças aos votos dos novos ministros empossados, que ficou decidido que não houve formação de quadrinha; e depois do que escreveu Romeu Tuma Jr. em seu livro "Assassinato de Reputações", sobre o aparelhamento da Polícia Federal, será que algum brasileiro irá acreditar nessa investigação? Em breve, será arquivada. A única investigação que não será arquivada, e a mídia será alimentada com documentos falsificados ou traduzidos erroneamente, é a que apura as fraudes do metrô paulista. Durante o ano eleitoral, muitas reputações serão assassinadas.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

COR DE LARANJA

Finalmente, eu entendi o motivo daqueles macacões laranja vestidos por figurantes nas propagandas da Petrobrás. É uma justa homenagem à Holanda, que tem no laranja a sua cor nacional, e uma forma de agradecer aos holandeses as fartas propinas recebidas por funcionários graduados da empresa.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A PERDA DA PETROBRÁS

Que seja investigado quantos bilhões de dólares foram desviados da Petrobrás, se propinas de até US$ 139 milhões foram pagas a seus funcionários.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

DESESTATIZAÇÃO

Certamente, a desestatização que está ocorrendo no Brasil é involuntária, não corresponde aos desejos de nossos governantes. A Eletrobrás sofreu uma perda na bolsa de R$ 19 bilhões ("Estadão", 16/3, B1), mudou a sede para lugar mais barato e está vendendo empresas subsidiárias, desestatizando, para melhorar o caixa. Foi vítima de uma política errônea da presidente Dilma relativa à renovação das concessões atingindo várias empresas. As que não aderiram ao programa estão muito bem financeiramente. Igualmente ruim foi com a Petrobrás, prejudicada nos governos Lula e Dilma com inchaço de pessoal, maus projetos, dos quais muitos foram paralisados, desvios de recursos, maus negócios, inclusive a compra de refinaria em Pasadena, EUA, onde suspeita-se de que houve um desvio de cerca de US$ 1 bilhão. A Petrobrás está também vendendo subsidiárias e negócios para tentar melhorar o caixa, pois sua dívida atual é de impressionantes US$ 241 bilhões. A operação do pré-sal foi objeto de uma estranha negociação, não completamente divulgada, com empresas estrangeiras que provavelmente a financiaram, já que a Petrobrás tem falta caixa. Suas bacias atualmente em operação estão reduzindo a produção por falta de manutenção, consequência da carência de recursos. O pior é que Dilma congelou o preço dos combustíveis para ajudá-la na campanha eleitoral, o que produz enormes prejuízos à estatal. Vende combustível a preço inferior ao da compra. A política de petróleo prejudicou também nossa indústria de álcool, que está em ruínas, com prejuízos imensos, usinas paradas e à venda. O resultado dessas políticas irresponsáveis são imensas perdas ao País, que não só tiram a confiança de investidores no governo, como desestatizam os setores de energia e tornam nossas maiores empresas inadimplentes.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

UM PLANO DITATORIAL

O Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB) já nasceu morto. Os vícios de origem já tomaram conta do consciente e do inconsciente coletivos. Parece que ele foi gestado nos cofres da campanha política deste ano por meio das ricas empresas da construção civil. A legitimidade dos anseios populares foi por água abaixo pela contínua insistência do governo em pontos contra o desejo de todos. Também esta nova edição do PPCUB, com os mesmos erros anteriores, mostra que o Partido dos Trabalhadores deseja aprová-lo sem o apoio da sociedade (empurrando pela goela abaixo). São poucos os pontos de real benefício para a população. Mostra, assim, a pretensão de implantar uma nova ditadura, a ditadura do PT. Forma de governo tão combatida anos atrás por seus integrantes. Os votantes devem ficar alertas em outubro. Democracia é a alternância no poder!

João Coelho Vítola

jvitola@globo.com

Brasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.