Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

26 Março 2014 | 02h13

O rei está nu

Quando a mais conceituada agência internacional de avaliação de risco, a Standard & Poor's (S&P), rebaixa o Brasil e suas duas principais estatais, a Petrobrás e a Eletrobrás, não existem conversa nem maquiagem capazes de convencer alguém de que a economia brasileira está saudável. O governo Dilma Rousseff conseguiu a proeza de interromper uma década de elevações da nota brasileira. E desta vez não vai ter ninguém, nem nenhuma herança maldita, a quem possa transferir a culpa por esse rebaixamento. Esse rating dado pela S&P é a constatação da incompetência de um governo e da manutenção de uma política equivocada, recheada de muitas escolhas erradas. O rei está nu. Só não vê quem não quer.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Rebaixamento geral

Não foram só os dois gigantes em agonia, Eletrobrás e Petrobrás, o Brasil inteiro foi rebaixado. A resposta do (des)governo foi a prevista: o relatório da S&P está inconsistente, contraditório e não procede; coisa de brancos ricos de olhos azuis. Seguimos em frente, construindo mais estádios de futebol!

OMAR EL SEOUD

elseoud@usp.br

São Paulo

Erva daninha

O Ministério da Fazenda classificou de inconsistente em relação às condições da economia brasileira o rebaixamento da nota do Brasil pela S&P para BBB-. A presidente Dilma Rousseff manifestou irritação. Parece até que não sabem que quem planta erva daninha jamais colherá flores.

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

Maré brava

Em janeiro o diretor da S&P Joydeep Mukherji deu o seu recado sobre as dificuldades a serem enfrentadas pela economia brasileira em 2014 (8/1, B1). E disse de forma contundente que, se fosse preciso, a agência de classificação rebaixaria, sim, a nota do Brasil, caso o governo de Dilma Rousseff não administrasse bem a economia do País nem controlasse o crescimento da dívida, com um superávit mais favorável e um PIB que pusesse o País de volta nos trilhos. Além disso, também alertou para a necessidade de o governo controlar os exagerados gastos públicos, com vista à retomada do crescimento. Enfim, o tom foi de alerta. Mas a presidente e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que tem predileção por fazer cara de paisagem, preferiram à época adotar o recorrente discurso de meias-verdades e de exagerado otimismo, tentando ludibriar o eleitor brasileiro com a falsa ideia de superávit e credibilidade. Com isso nossas autoridades políticas não deram ouvidos ao alerta nem abriram os olhos para a maré de instabilidade que viria pela frente. Assim, nesse contexto, fico aqui pensando nos efeitos desastrosos que as "marolinhas" do ex-presidente Lula causaram e ainda causam na economia do País com essa péssima administração lulopetista. O fato mais notável disso é que de marolinha em marolinha a maré agora está ficando brava! E não adianta a presidente Dilma se irritar. Aviso não faltou!

EMANUEL ANGELO NASCIMENTO

emanuellangelo@yahoo.com.br

São Paulo

Na corda bamba

Valeu a pena receber, com tapete vermelho, a delegação da S&P, chefiada pela economista Lisa Schineller, porque o Brasil acabou não ultrapassando o limite crítico do BBB-. Mas em 2014 o sr. ministro Guido Mantega vai ter de bancar o equilibrista sobre a linha tênue que separa o verde do vermelho.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Surpresa

O governo federal declarou-se "surpreso" com o rebaixamento do País. Ou esse (des)governo petista é muito ingênuo ou é muito dissimulado.

PAULO RIBEIRO DE CARVALHO JR.

paulorcc@uol.com.br

São Paulo

Demorou

Não surpreende que a agência internacional tenha rebaixado a nota de risco do Brasil. Com tantos erros crassos, a evidente incompetência e o despreparo do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) na economia, o resultado não poderia ser outro. Demorou, na verdade. Não é uma questão política e ideológica, mas a pura verdade dos fatos.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

PETROBRÁS

Preço de banana

A Petrobrás já perdeu mais da metade do seu valor de mercado. Será que ainda valerá alguma coisa até o final do mandato do PT?

PAUL FOREST

paulforest@uol.com.br

São Paulo

POLÍTICA EXTERNA

Conselho de Segurança

O embaixador Rubens Barbosa faz uma excelente análise da situação da política externa brasileira em seu artigo Sumiço do Brasil e Itamaraty marginalizado (25/3, A2). Os episódios que ele identifica deixam claro por que o Brasil não é um candidato viável a uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU. Em países politicamente estáveis a política externa orienta-se pelos interesses nacionais, independentemente da linha ideológica-partidária do governo do momento. A única diferença é a maneira de aplicar essa política externa, pois os interesses do país não mudam para atender às idiossincrasias dos que estão no poder em dado momento. A instabilidade da incipiente democracia brasileira não qualifica o nosso país para um papel mais relevante na preservação da paz e da segurança internacionais.

GILBERTO B. SCHLITTLER, ex-diretor do Conselho de Segurança da ONU (1989-1993)

gschlittler2@mac.com

São Paulo

URBANISMO

'Área a ser preservada'

A irracionalidade de ocupação das últimas áreas verdes desta cidade não surpreende. O poder público sempre foi ausente ou até conivente com a degradação do espaço urbano, causada por iniciativas lesivas ao interesse do cidadão, que vê seu legítimo direito a uma vida saudável ficar subordinado a interesses de empresas imobiliárias. Hoje temos uma concreta ameaça à última reserva de Mata Atlântica sobrevivente às margens do Rio Pinheiros, nas proximidades do Parque Burle Marx. Surpreende a desfaçatez da publicidade que evoca a felicidade de morar numa área verde, exatamente a que se pretende ocupar. Onde residem os legítimos direitos do cidadão? Cabe ao Estado responder.

BENEDITO LIMA DE TOLEDO, professor titular da FAU-USP

bltoledo@uol.com.br

São Paulo

*

O REBAIXAMENTO

A agência de classificação de risco Standard&Poor’s rebaixou a nota de crédito do Brasil em razão da piora fiscal e do crescimento lento do País. O Ministério da Fazenda, sob o comando de Guido Mantega, criticou a decisão da agência em nota, em que afirmou que a avaliação da agência é "contraditória com a solidez e os fundamentos do Brasil". Aí eu pergunto: os investidores acreditarão nos argumentos da agência ou nos argumentos de Guido Mantega? Para sorte de Guido Mantega, a nossa presidente, Dilma Rousseff, não entende nada de economia, por isso ele continuará firme e forte no cargo de ministro da Fazenda.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

NA RABEIRA

O Brasil foi rebaixado por causa de baixo crescimento, má gestão fiscal e crise energética, e olha que nos quesitos de avaliação não constava a corrupção que (sem trocadilho) grassa em todo o governo petista. Se o major Policarpo Quaresma, criação de Lima Barreto, estivesse vivo, seria internado novamente num hospício. A Standard&Poor’s, se tivesse dado um diagnóstico médico, o paciente estaria com falência múltipla de órgãos e nem a UTI seria solução. Comparando a um boletim escolar, o aluno já estaria reprovado. Os petistas exacerbados, xiitas incorrigíveis, não querem ver a realidade. Na terça-feira mesmo, na CBN, o senador Humberto Costa (PT-PE) procurou desqualificar a Standard&Poor’s insinuando que algum interesse deveria pautar o resultado. Somente para o Brasil? Na classificação de risco da agência se verificarmos a posição do Brasil entre os países de grau de investimento, olhamos para trás e não vemos ninguém, estamos na rabeira. Tudo isso é resultado de um aparelhamento programado onde os verdadeiros valores, a meritocracia, foram minimizados em favor de um loteamento que transformou a Nação num meio para se atingir um fim. O Brasil foi igualado na classe "BBB-". A suprema humilhação. Se Dilma vier num segundo mandato, por certo virá acompanhada do apocalipse de João.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

DE BBB PARA BBB-

A agência internacional de classificação de risco Standard&Poor’s devia ter reduzido a nota de avaliação do Brasil de BBB ("Big Brother Brasil") para SBB ("Small Brother Brasil").

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

REPETENTES

Agência de risco rebaixa nota do Brasil e da Petrobrás. Pronto, vamos repetir de ano outra vez!

Luis Fernando Santos

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

DESAFIOS 2015

Que perda de tempo ler a desarticulada entrevista do ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sr. Marcio Pochmann, publicada à pagina B4 de 23/3. Entre as inúmeras pérolas da entrevista, uma das mais obscuras em seu sentido encabeça a página, ao lado da foto do entrevistado parecendo mirar o futuro distante, o que quererá dizer: "É uma discrepância que alguns setores paguem mais impostos que outros". Será, por acaso, algo como "é uma discrepância alguns times de futebol fazerem mais gols que outros"? Ou ainda "algumas escolas ensinarem mais que outras"? Ou "algumas doenças serem mais letais que outras"? Qual será o limite de mediocridade aceita pelas páginas de um jornal que se leve a sério?

Mário Rubens Costa

costamar31@terra.com.br

Campinas

*

O CASO PASADENA

O incrível affaire da Petrobrás, adquirindo uma refinaria aparentemente obsoleta (Pasadena) por um custo de US$ 1,18 bilhão, tendo ela sido negociada pouco tempo atrás por US$ 42 milhões, é uma ocorrência extremamente grave. Para uma transação deste tamanho da maior empresa brasileira, supõe-se que a aprovação do negócio, além da principal responsável, recebeu as opiniões técnicas favoráveis de executivos de altíssimo nível dos setores comercial, técnico, legal e internacional. Essa desastrosa ação, que nos deixa perplexos, só pode ser atribuída a duas causas. Uma, a administração dessa gigantesca empresa está sendo gerida por uma vergonhosa ineficiência gerencial, com executivos totalmente incapazes para ocupar seus respectivos cargos, ou, uma vez mais, nos encontramos perante ações dolosas, próprias da corrupção que parece estar infiltrada nos Três Poderes.

Pablo L. Mainzer

plmainzer@hotmail.com

São Paulo

*

POR QUÊ?

Passados mais de sete anos do "ótimo negócio", demitem o autor do parecer que embasou a decisão de compra da refinaria porque este era "falho e incompleto" ou porque - finalmente! - esse escândalo bilionário, com responsabilidade direta da "gerenta competenta", ganhou as manchetes?

Renato Gentile Rocha

rerocha65@gmail.com

São Paulo

*

EMPREGO PARA INCOMPETENTES

O "governo" sabia do "ato falho" do sr. Cerveró desde 2008 e só o demitiu agora. Detalhe é que pagamos o salário deste senhor - que o próprio "governo" reconhece ser incompetente - durante esses anos todos. Haja dinheiro para sustentar essa bandalheira.

Ricardo Sanazaro Marin

s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

CULPA DO MORDOMO

Mais uma vez, a culpa é do mordomo. Nesse escândalo da "Passadilma" jogam toda a culpa num certo Nestor Cerveró, com o cuidado de antes enviá-lo de férias para a Europa (Itália, França, Espanha?), onde certamente tem dupla nacionalidade (remember Pizzolato). Não volta mais, podes crer. E os "donos" da maracutaia bilionária não sabiam de nada, mas seus bolsos devem estar cheios o suficiente para permanecerem não sabendo quando lhes convém. Pobre nação!

Adriles Ulhoa Filho

adriles@uai.com.br

Belo Horizonte

*

O BODE EXPIATÓRIO

Gostaria de saber o que o sr. Nestor Cerveró irá receber do PT e da "presidenta" para ficar calado e assumir sozinho que foi incompetente e irresponsável.

Luiz Roberto Savoldelli

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

CRISE NA PETROBRÁS

É bem do estilo do PT mesmo. Hoje é Nestor Cerveró que é demitido da Petrobrás, amanhã é outro e depois outro e assim por diante, até que todos da cúpula fiquem ricos à custa do contribuinte brasileiro. E a nossa "presidenta" aprendeu com o padrinho a negar tudo. E o pior é que as pesquisas de intenção de votos ainda a apontam como preferida por 43% da população. Afinal, quem está satisfeito com tudo isso e qual é a classe votante que ainda vota no PT? O que precisa para o povo brasileiro acordar e ver que está sendo ludibriado e enganado com todas essas falcatruas? Será que as urnas de outubro dirão alguma coisa? Quem viver verá.

Orélio Andreazzi

orelio@andreazzi.com.br

Suzano

*

NOS TEMPOS DE LULA

Nossa presidenta deve ter assistido por várias vezes ao filme "Como roubar US$ 1 milhão", com Andrey Hepburn. Ela não só aprendeu, como aperfeiçoou, e autorizou uma negociata com a Petrobrás que causou um rombo de US$ 1 bilhão, prejuízo para o povo brasileiro, dinheiro que saiu do nosso bolso compulsoriamente, como o da Bolsa Família dos mais humildes. Não podemos nos esquecer de que naquela ocasião da assinatura do contrato com a empresa belga, o presidente era nada mais, nada menos do que o sr. Luiz Inácio Lula da Silva.

Hilo de Moraes Ferrari

hiloferrari@Hotmail.com

São Paulo

*

PETROBRÁS E COMPETÊNCIA

Dizia Lula que selecionou Dilma do quadro de possíveis sucessores porque lhe pareceu a mais competente. Qual então seria o nível de competência de ministros e secretários do PT instalados no governo, faxinados e não faxinados? O cidadão adivinha que uma alternância no poder dificilmente poderá piorar o nível de qualificação no governo.

Harald Hellmuth

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

SUJEITO OCULTO

Pródigo em emitir opiniões sobre tudo e sobre todos, o sempre falastrão Luiz Inácio Lula da Silva permaneceu calado nos últimos dias, como se nada soubesse e nada tivesse que ver com o suspeito e malsucedido negócio com a compra da refinaria de Pasadena, realizada com o envolvimento de alguns membros do primeiro escalão do governo na época por ele presidido.

Sergio Saraiva Ridel

sergiosridel@ig.com.br

São Paulo

*

REINO DE AVILÃ

O patrimônio da Petrobrás foi mutilado, ao câmbio de hoje, em R$ 2,75 bilhões, em razão da incompetência do seu Conselho de Administração, presidido então por Dilma Rousseff, à época ministra chefe da Casa Civil do governo Lula. Constituído por empresários bem-sucedidos, experientes, duvido que nenhum deles tenha "levantado a lebre" das falhas contratuais, se é que existiam e que levaram a petroleira a esse prejuízo astronômico. Mas, na cabeceira da mesa, confortavelmente instalada, estava o nome forte do governo Lula, dando os primeiros passos, as primeiras ordens rumo à Presidência da República. Então, vamos que vamos e, se o prejuízo acontecer, o Tesouro Nacional paga, e estamos conversados. Este não foi o primeiro nem será o último caso, de maus tratos com dinheiro público. Todos os dias pipocam casos e mais casos escabrosos e o dinheiro dessa maldita prática, nunca é recuperado e, como de costume, contabilizados a título de fundos perdidos. Indignado com tantos outros brasileiros assistido o Brasil ser dilapidado, me pergunto: existem 32 partidos políticos no Brasil, a maioria de apoio ao governo; no Congresso Nacional são 297 deputados e 41 senadores da base governista. Será que nenhum desses senhores não tem "vergonha na cara" e se rebelar, para dar um basta neste verdadeiro Reino de Avilã que se instalou entre nós e que está nos levando ao fundo do poço? Até quando a covardia, a subserviência a atos espúrios, a ganância pelo poder ficarão acima do patriotismo e da honestidade? Estamos à beira de um abismo e só há uma maneira de dar um passo a frente: é dar um passo atrás (Michel de Montaigne).

Sérgio Dafré

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

CONSELHEIROS

Gostaria de saber se o sr. Fábio Barbosa, presidente da Editora Abril, o sr. Jorge Gerdau, presidente da Gerdau, e o sr. Cláudio Haddad, um dos proprietários do Insper, conselheiros da Petrobrás que aprovaram a compra de uma refinaria sucateada, também pagariam US$ 360 milhões por uma empresa que valia US$ 40 milhões um ano antes, se o mesmo negócio fosse apresentado para as empresas que eles dirigem atualmente.

Carlos M. Ribeiro Jr.

cmrj@terra.com.br

São Paulo

*

DIFÍCIL ENTENDER O BRASIL

Nossa governanta assinou, sem ler, uma fraude petrolífera que começou com US$ 42 milhões e que terminou em mais de US$ 1 bilhão. E pensar que incendiaram tanto, depredaram tanto por causa de R$ 0,20 na tarifa dos ônibus... Eu hein!

Gilberto Martins Costa Filho

marcophil@uol.com.br

Santos

*

IMPEACHMENT

Lincharam o Collor por causa de um veículo Elba. Quantos Elbas dariam para comprar com este desvio (roubo) na Petrobrás? E aí, ninguém vai pedir o impeachment da presidenta?

Doraci Laurindo

dlaurindo@bol.com.br

São Paulo

*

PÊNALTI CAVADO

Do jeito que a operação Pasadena foi montada, parece que até a indenização bilionária, aliás o maior de todos os prejuízos, imposta pela justiça norte-americana cheira à coisa induzida. Como diria um ex, foi um pênalti cavado que o juiz aceitou, literalmente. Ainda antes da ação indenizatória, a revista "Primeira Leitura" tinha "cantado a jogada" no sentido de que este negócio tinha finalidades duvidosas.

Gilberto J. Linhares Alves

gjlinharesalves@hotmail.com

Mogi das Cruzes

*

ATÉ QUANDO?

Será que vai precisar faltar papel higiênico para os eleitores do PT perceberem a que ponto a incompetência, a roubalheira e o despreparo petista estão levando o Brasil?

Luiz Henrique Penchiari

luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

*

NEGOCIÃO

Proponho a compra de todos os imóveis da Esplanada dos Ministérios. Condições: as mesmas da refinaria da Petrobrás nos EUA. Cláusulas especiais: discrição absoluta do poder central, ausência de publicidade por oito anos, omissão do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Congresso Nacional. Pago à vista.

Ricardo Drummond da Rocha

ricardorocha@me.com

Belo Horizonte

*

PODEROSAS

A revista "Forbes" elegeu Dilma Rousseff, nossa presidente, a segunda mulher mais poderosa do mundo. Já para a revista "Fortune", Graça Foster, presidente da Petrobrás, é a quarta mulher mais poderosa no mundo dos negócios. Escolhas corretíssimas. Afinal, não é qualquer uma que consegue transformar uma joia como a Petrobrás no lixo que é hoje. Haja poder!

Lazar Krym

lkrym@terra.com.br

São Paulo

*

RISO CONTAGIANTE

Os belgas podem estar rindo à toa com os lucros obtidos na negociação da Refinaria de Pasadena com o nosso brilhante governo. Mas tem brasileiros rindo também. E pelo mesmo motivo que os belgas.

Hermínio Silva Júnior

hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

*

‘O VESTIBULAR DOS GOVERNANTES’

O jornalista e professor Gaudêncio Torquato faz uma proposta um tanto quanto ingênua para as próximas eleições, um vestibular para candidatos à Presidência da República e aos governos dos 27 Estados da Federação (23/3, A2). A despeito de sua boa vontade, não podemos deixar de reconhecer que a politicalha que grassa nesse país está longe de se interessar por fazer do Brasil um grande país. Os eleitos ocupam os cargos para se beneficiarem. As promessas ficam no campo abstrato. Nada de concreto é falado. São palavras jogadas ao vento e se colarem, ótimo para eles. Num país em que uma imensa maioria é semianalfabeta, vota pelo que recebe, como fazem os políticos, como dar nota a candidatos que fazem o que o votante faria se lá estivesse? Como o eleitor pode exigir de seu candidato conhecimentos da realidade do País, projetos que satisfaçam as necessidades das várias áreas e entender as propostas de cada candidato, se ele não lê e não se atualiza? Segundo a jornalista Eliane Cantanhêde, o marqueteiro João Santana ensina e o ilusionista Lula está careca de saber, campanhas não trabalham com a realidade, mas com símbolos, emoções e o imaginário coletivo. Se as versões não correspondem aos fatos, danem-se os fatos. Basta ver como pensam os alunos nas universidades hoje, não é, professor?

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

BONS POLÍTICOS

Gostaria de tecer algumas críticas à argumentação de Gaudêncio Torquato intitulada "O vestibular dos governantes" (23/3, A2). O argumento básico de Torquato é que o governante deveria ser um homem com uma pluralidade de conhecimentos para ser um bom governante. Discordo, pois acreditar que uma pessoa conheça plenamente a realidade de um Estado, ou mesmo de um município, é uma crença ingênua em um país com extensões colossais como o nosso. Considero um critério básico para ser um político a sua capacidade de escutar e ser bem assessorado, assim como o potencial autorreflexivo de saber seus limites. No momento que o político sabe até onde vai o seu conhecimento, e busca pessoas que podem auxiliá-lo naquilo que o está limitando, temos um bom político. Para isso, o político precisa entender de gestão de pessoas, não de conhecimentos gerais, e este é o problema de nossos governantes, achar que sabem muito!

Márcio Felipe Salles Medeiros

medeiros.mfs@gmail.com

Brasília

*

A GASTANÇA DOS VEREADORES DE SP

É revoltante a gastança e o desperdício de dinheiro público com os gastos absurdos dos vereadores paulistanos. Só em 2013, os 55 vereadores de Sampa torraram mais de R$ 9 milhões com "despesas de gabinete". Numa total promiscuidade do público com o privado, os vereadores são reembolsados em gastos pessoais, muitas vezes superfaturados, e que não tem qualquer relação com o serviço público. Foram analisadas quase 8 mil notas fiscais de reembolso, que revelaram um quadro vergonhoso, de total desperdício do dinheiro público. Por aí se vê onde vão parar os extorsivos impostos municipais que pagamos. E o pior é que o trabalho dos vereadores é péssimo, improdutivo, sem reverter praticamente nenhum benefício para a cidade e seus cidadãos, numa relação custo benefício altamente nociva e negativa.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

ABUSOS DE TODA NATUREZA

Já não chegam os desmandos que ocorrem na esfera federal, onde malfeitos proliferam a torto e a direito nestes últimos tempos, temos de nos indignar ainda mais com os absurdos que ocorrem na Câmara Municipal de São Paulo? Os abusos com verbas de gabinete são tão acintosos que até lavagem de carro particular de luxo (BMW) de um vereador é paga com verba pública. Na verdade a Câmara de Vereadores de São Paulo é uma instituição que há muito tempo desagrada aos paulistanos, não somente pelo seu elevado custo, mas também por sua ineficiente e por vezes risível prestação de serviços à população da Capital de São Paulo. Temos de suportar fraudes na cobrança do ISS e do IPTU, sentir que a Câmara Municipal comete abusos de toda natureza e, diante desses descalabros, não há paciência que resista, pois nós, sacrificados contribuintes, não somos de ferro. E o nosso digníssimo prefeito ainda queria cobrir todos esses atos lesivos ao erário municipal com aumento abusivo de impostos. É para rir ou para chorar?

Francisco Zardetto

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

CAFÉ DE VEREADOR

A baixa produtividade dos vereadores não justifica o desperdício do dinheiro público. Engraçado! A primeira coisa que o novo presidente da Câmara fez foi cortar o cafezinho dos visitantes da Casa. O que se fala nos corredores da Câmara Municipal é que moradores de rua estavam viciados em café de vereador.

Devanir Amâncio

devaniramancio@hotmail.com

São Paulo

*

A HISTÓRIA E O CARÁTER DE POLÍTICOS

Luíza Erundina foi prefeita de São Paulo entre 1989 e 1992. Quando foi eleita, não tinha a máquina do Estado e sindicatos a seu favor, nem ninguém. Ela se elegeu graças ao seu forte trabalho junto à periferia da cidade. Independentemente do sucesso ou não de sua gestão, escolheu um secretariado de gente séria e saiu da prefeitura com muitas críticas, mas nunca se duvidou de sua lisura, postura ética e moral. Do outro lado da corda, Dilma Rousseff herdou todo o aparelho do Estado, sindicatos, órgãos de classe, parte da imprensa a seu favor e foi eleita em razão do carisma de seu chefe, Lula. Dilma inchou a máquina pública com gente incompetente, apenas para acomodar acordos políticos. Faz uma administração medíocre e, como gestora, política e líder, não deixa nenhum legado positivo. Recentemente, Erundina, já fora de seu partido de origem, desistiu de ser vice-prefeita de São Paulo, por não concordar em fazer acordo com Maluf, a quem Lula pediu a bênção. Dilma faz todo o esforço para encobrir escândalos financeiros, desvios de dinheiro, etc., tudo pelo poder. Que diferença! Duas pessoas de mesma origem partidária, mas que mostram o que é o caráter.

André Coutinho

arcouti@uol.com.br

Campinas

*

NA RÚSSIA

Agora se manda um subtenente, marido da ministra Ideli Salvatti, para a Rússia, para analisar a compra de armas de Defesa Antiaérea, com valor de três vezes os dos concorrentes. Será uma operação tipo Refinaria Pasadena ou só aproximação ao regime de Putin? Que instrumento este subtenente toca? A farra continua!

Luiz Lucas Castello Branco

whitecastel.castellobranco@gmail.com

São Paulo

*

A CRIMEIA ANEXADA

É claro que Vladimir Putin não vai abrir mão de bases militares localizadas estrategicamente no Mar Negro e entregá-las de mão beijada para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), apesar da gritaria de seus membros. Membros que deveriam se preocupar com as anexações de territórios palestinos por Israel, não por meio de referendos, mas também pela ponta da baioneta.

Achilles Camargo

magmaco@hotmail.com

São Paulo

*

PISCINA NO ELEVADO COSTA E SILVA

Absurdo! Com tamanha falta d’água, dizer que colocar 70 mil litros de água para meia dúzia de pessoas molharem os pés é arte? Nem que fosse água de rio suja, não ficaria bem tamanha agressão àqueles que sofrem com as torneiras secas. Tantas famílias esperando água na torneira... Quem transportou essa água para lá deveria transportar para bairros que estão sofrendo com a falta dela. Isso, sim, seria arte. Recriminável!

Jorge Peixoto Frisene

jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo

*

ESTUPIDEZ

As pessoas deste lindo país ou são surdas ou se fazem de surdas. Nada contra a alegria da vida e sua maneira de aproveitá-la, mas em pleno outono colocar uma piscina de 150 mil litros de água filtrada, em pleno domingo de frio, no Elevado Costa e Silva é no mínimo uma estupidez, e das grandes.

Antonio Jose Gomes Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

DESPERDÍCIO DE ÁGUA

A mídia deveria estampar esta frase em tudo quanto é canto - postes de rua, televisão, rádio -, já que o governo tem medo da palavra racionalizar: "As pessoas não notaram a gravidade da situação e continuam consumindo como sempre". Sim, vejo amigos, crianças, empregadas e em todos os lugares desperdício, como se nada estivesse acontecendo.

Monica de Queirós Mattoso

mqmattoso@gmail.com

São Paulo

*

AQUÍFERO GUARANI

Tenho acompanhado as excelentes matérias sobre os problemas de abastecimento de água em São Paulo publicadas pelo "Estadão", sempre focadas no uso dos mananciais. Como este é um tema discutido nas aulas de Gestão do Agronegócio na Faculdade de Administração da Faap, gostaria de lembrar que 95% da água doce do mundo encontra-se em aquíferos e o Estado de São Paulo está sobre uma das maiores reservas subterrâneas do planeta, o Aquífero Guarani. São 155.800 km2 de água pura e limpa em subsolo paulista, com volume total em torno de 55 mil km³, profundidade máxima por volta de 1.800 m, capacidade estimada para fornecer água potável por pelo menos 200 anos e 70% em pertencente ao Brasil. Cidades como Ribeirão Preto e Bauru, por exemplo, já se abastecem da água dele. Pesquisas da Embrapa Meio Ambiente apontam que os 40 trilhões de litros utilizáveis do Aquífero Guarani seriam suficientes para abastecer, por um ano, duas vezes e meia a população brasileira, a um consumo médio diário per capita de 250 litros d’água - dobro da quantidade sugerida pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O Palácio dos Bandeirantes poderia abandonar o bate-boca com o Palácio da Guanabara, esvaziando o discurso político dos nossos vizinhos e enchendo as caixas d’água das residências paulistanas, ao adotar práticas sustentáveis e ambientalmente responsáveis na exploração desta riqueza dos paulistas. Se a água é o ouro do século 21, o preço de uma garrafinha de 1litro de água mineral já se iguala, e em muitos casos supera, o preço do litro de combustível nos postos.

Rafael Abrão Possik Jr.

rpossik@faap.br

São Paulo

*

A ARRECADAÇÃO DE LAÍS SOUZA

Li a matéria sobre a campanha da família da atleta Laís Souza, acidentada na neve nos Estados Unidos, e não pude deixar de refletir sobre valores no Brasil. Enquanto a conta aberta pela família de Laís para arrecadar fundos para a ex-ginasta obtiveram apenas R$ 3 mil em uma semana, conhecidos mensaleiros condenados à prisão tiveram somas vultosas doadas por simpatizantes do Partido dos Trabalhadores em curtíssimo espaço de tempo, para quitação das multas recebidas pela Justiça. Como se discute, ainda não se sabe de onde vieram tantos recursos em tão pouco tempo para quitar valores que representavam parte do castigo imposto aos criminosos. É surpreendente que no Brasil se adote postura tão diferente para casos distintos: uma para ajudar ex-ginasta que teve sua carreira ceifada por acidente inesperado e que anda atualmente em cadeira de rodas, outra para ajudar nas multas de criminosos, definida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Nos dois casos, a diferença na situação é gritante, e nos valores arrecadados é apavorante. Rogo aos simpatizantes da causa dos petistas condenados a depositar igualmente na conta de Laís, e em curto espaço de tempo, o mesmo montante de recursos, tão necessário a transmitir a ex-ginasta a vida decente e digna de quem representou o Brasil perante o mundo.

Walter Lúcio Lopes

wll@uol.com.br

São Paulo

*

ONDE ESTÃO OS DOADORES?

A campanha para doações a Laís arrecadou apenas R$ 3 mil em uma semana. Faço, então, uma sugestão aos que doaram milhões aos mensaleiros: já que foram tão generosos, doem mais uma pequena parcela a quem já defendeu as cores do Brasil e estava se preparando mais uma vez para isso.

Marcio Bassi Davini

mbdavini@uol.com.br

Ubatuba

*

NECESSITADOS

Enquanto os integrantes da máfia do mensalão os quadrilheiros José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares obtiveram mais de R$ 2 bilhões em doações para pagarem suas multas impostas pelo STF nas corrupções, falcatruas e maracutaias em que se envolveram, a ex-ginasta Laís Souza, que se acidentou gravemente e está necessitada, arrecadou só R$ 3 mil. Vergonha.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

KNOW-HOW

A "vaquinha" para a atleta Laís Souza só conseguiu arrecadar R$ 3 mil. Pudera! Por que a família não se assessorou com os mensaleiros do PT que arrecadaram em menos de uma semana milhões de reais?

Candido Antonio De Pretto

depretto@uol.com.br

São Paulo

*

PAÍS SEM VERGONHA

Prá mensaleiro, mais de milhão. Prá atleta, tostão... É, "eçepaiz" não tem vergonha!

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.