Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

29 Março 2014 | 02h05

Pesquisa CNI/Ibope

A queda na avaliação do governo de Dilma Rousseff, de 43% para 36%, teve como consequência imediata a valorização das ações na Bovespa, incluídas as da Petrobrás, e a queda do valor do dólar, permitindo admitir que só a presidente e seu ministro da Fazenda não veem o óbvio: a falta de credibilidade da política econômica de seu governo. Ao que se adiciona o aumento do número daqueles que ainda têm a capacidade de se indignar com a dissolução ética e moral do PT no trato da coisa pública.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

Mudança já

Depois da pesquisa que mostrou a queda de popularidade da presidente, ficou nítido que a economia do País clama por mudanças, não podendo mais estar nas mãos de pessoas incompetentes e inconsequentes.

VALDIR SAYEG

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

A queda

Tanto a avaliação do desgoverno como a de Dilma vêm caindo sistematicamente nas pesquisas de opinião pública, denotando a total insatisfação da população com a sua administração. Mas o pior está por vir, pois esta última pesquisa foi realizada antes de eclodirem todas as falcatruas existentes na Petrobrás, com sua direta participação na dilapidação desse que era o maior patrimônio, como empresa, do Brasil. Dilma quer escapar de suas responsabilidades diretas nesses episódios para ainda ter chances nestas próximas eleições, escondendo-se atrás de Vicentinho e outros para sua blindagem perante a população mais desavisada. Porém não vai escapar ilesa, por mais que o deseje, de sua ingerência nefasta nesses episódios geradores de escândalos em nível internacional. Por mais que o seu mentor e "pai do mensalão", Lulla da Silva, venha a tentar manter ilesa a imagem dela, esta já está mais arranhada do que mesa por unhas de gato. E nem o melhor lustrador conseguirá o milagre de fazê-la brilhar novamente sem tais arranhões.

BORIS BECKER

borisbecker@uol.com.br

São Paulo

Vertigem

Proporcional à queda do acumulado do superávit primário, do valor da Petrobrás no mercado internacional, do emprego formal e à nota de classificação de risco do Brasil, a avaliação do governo da presidente Dilma parece que também começou a trilhar essa estrada. Assim como os indicativos econômicos do País não são marolinha, a queda da presidente também não pode ser ignorada. Segundo a última pesquisa CNI/Ibope, os 43% apurados em novembro desmoronaram para 36% em março. Vamos ver o que a senadora Gleisi Hoffman, paladina do governo e da presidente, tem a dizer.

JOÃO DIRENNA

joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

CPI DA PETROBRÁS

Pressão sobre senadores

A reação do (des)governo à CPI da Petrobrás, orientando os parlamentares aliados a investigarem também o cartel de trens e metrô em São Paulo, no governo de Geraldo Alckmin, e eventuais irregularidades no Porto de Suape, em Pernambuco, no governo de Eduardo Campos, como disse a senadora Gleisi Hoffmann, é uma demonstração de que esta administração está mais preocupada em atingir seus adversários políticos do que em investigar e descobrir as falcatruas na Petrobrás, que, fatalmente comprometerão a reeleição da presidente Dilma Rousseff. O pior é o papel ridículo de membros do (des)governo: para barrar a CPI estão pressionando os senadores aliados que aderiram a retirar suas assinaturas do requerimento da criação da comissão, já protocolada no Senado, com 28 assinaturas - uma a mais do que o necessário. Se algum desses senadores tomar essa atitude, não passará, a meu ver, de um rato de esgoto perante a opinião pública.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Desagravo

A sra. Gleisi Hoffman ameaçou com CPI também sobre o metrô e os trens em São Paulo, em desagravo à CPI da Petrobrás. Quer dizer, se pegarem nossos malfeitos, também têm de pegar os dos outros. Que tal discutir quem é mais honesto?

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Burrice gerencial

Simplesmente pífia, beirando o ridículo, a argumentação da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) sobre o assombroso rombo bilionário na Petrobrás. Se tudo o que está vindo à tona não for motivo para CPI, então que "nos locupletemos todos". Afora a incompetência da então presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, Dilma Rousseff, agora presidente do Brasil, o escândalo já pode ser considerado como o pior negócio do século no mundo corporativo internacional. Nunca se viu tamanha burrice gerencial. Agora imaginemos o que está acontecendo com o Brasil, sem que ninguém saiba das reais informações, sempre maquiadas pelo Palácio do Planalto. É assustador.

SANDRO FERREIRA

sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

Sugestões para investigar

Dona Gleisi, deixo mais sugestões para inclusão na CPI da Petrobrás: Celso Daniel, Toninho do PT, Rosemary Noronha, dinheiro em Portugal, fortuna do filho, ONG da filha, poupança da Caixa Econômica Federal, estádios da Copa, uso de aviões da FAB - e se quiser mais, tem. Cada dia elles conseguem piorar ainda mais (rs)!

JOSÉ ROBERTO PALMA

palmapai@ig.com.br

São Paulo

Mentira, doença contagiosa

É para ficar ofendido ouvir um deputado federal paulista do PT, na televisão (Globo News, na madrugada de ontem), contestando o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), dizendo que a Petrobrás cresceu 30% no governo Lula, que eles acharam o pré-sal e que seriam mentira os gastos de US$ 20 bilhões na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. O deputado fala para uma massa de manobra que não lê jornais nem revistas e ofende quem tem um mínimo de conhecimento: o governo Lula/Dilma quebrou, sim, a Petrobrás e, de sobra, a Eletrobrás. E ainda balançou o Banco do Brasil e o BNDES.

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

Esclarecimento

Antes que seja tarde demais para reparar a derrocada em curso, urge esclarecer ao PT que empresas estatais são S.A., não PTLtda!

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

A CPI DA PETROBRÁS

 

Por que o governo, em vez de apurar o que realmente aconteceu no desastre da compra da Refinaria de Pasadena pela Petrobrás, parte para retaliar os partidos da oposição com ameaças de investigações de possíveis escândalos envolvendo esses partidos? Nada esvaziaria mais essa Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás do que a apresentação dos verdadeiros culpados por esse megaescândalo, com punições exemplares e busca de ressarcimento aos cofres públicos. A não ser que o governo saiba que não tem como tirar dessa relação de culpados a presidente Dilma Rousseff, principal alvo da CPI, e, neste caso, lutar pelo seu esvaziamento é um tiro no próprio pé, e que só colocará mais lenha na fogueira.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

 

PRECISAMOS DA CPI

 

Segundo o líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), a CPI da Petrobrás tem "só caráter político" e não deverá avançar nas investigações. Em certo sentido, o petista tem razão. Se tivéssemos um Congresso sério, preocupado com o nosso país, e não em abafar corrupção de seus "cumpanheiros", incluído o emprestar dinheiro via fundos secretos a acalentar o delírio socialista do século 21, desviar necessários recursos para Cuba a fazer o porto que nos falta, realmente não precisaríamos de CPI. Todavia, diante dos fatos e da inércia diante das negociatas dos petistas, CPI é o mínimo que se pode fazer, mesmo não avançando nas investigações, como demonstra ser o desejo do senador, cujo comportamento em fugir das apurações mostra que, para o petismo, o ressentimento continua a superar a burrice.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

MERECEMOS A VERDADE

 

Que se faça CPI para todos os partidos. Mas que não acabe em pizza. Afinal, todos merecemos a verdade. Doa a quem doer.

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

 

*

 

INVENÇÃO PETISTA

 

Pimentel diz que CPI da Petrobras tem "caráter político", por isso, em sua opinião, não deveria ser instalada. Disseram o mesmo com relação ao mensalão. Ora, é ou não é um escândalo dos grandes o que ocorreu com a compra da Refinaria de Pasadena? Se houve um crime, se houve uma ilegalidade, corrupção ou atitude negligente, tem de investigar com todos os métodos possíveis. Não venham com desculpas esfarrapadas.

 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

 

*

 

O TEMOR DO GOVERNO

 

Embora nos pareça incrível que o Palácio do governo, ao contrário de aceitar uma CPI para esclarecer os desmandos que porventura aconteceram nas "contas" da Petrobrás, faça todo esforço possível e impossível para desmontá-la, se os desmentidos, diante dos graves fatos, emitidos pelos petistas de plantão e por alguns políticos da base são verdadeiros, não há explicação plausível para essa demonstração de temor com as admissíveis descobertas de uma CPI. Dilma deve conhecer o dito popular que sabiamente afirma que "quem não deve não teme". Então?

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

 

CPI JÁ!

 

Com a Petrobrás hoje valendo metade do valor que valia antes de 11 anos de PT, e a multa bilionária a que foi obrigada a pagar por força de uma cláusula contratual não lida por membros do conselho da estatal, que tem a seu dispor um pelotão de 600 advogados qualificados, a ausência de uma CPI a essas alturas para apurar mais esse prejuízo gigantesco contra a combalida estatal equivaleria a um ato deliberado de lesa-Pátria e má-fé daqueles que tentam omitir sua responsabilidade na condução da outrora e lucrativa Petrobrás. CPI já!

 

Amâncio Lobo Amanciolobo@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

EM ANO ELEITORAL

 

O senador Eunício de Oliveira (PMDB), que lidera a pesquisa de intenção de voto na disputa pelo governo do Ceará, está apavorado com a abertura de uma CPI para apurar as irregularidades na Petrobrás. Disse o senador: "Uma CPI em ano eleitoral é complicado de administrar". Não conseguimos entender o porquê dessa declaração. Senador, todo ano é eleitoral, mal termina uma eleição os politiqueiros que dominam os Poderes Legislativo e Executivo começam a conchavar a próxima. Perguntamos: os peemedebistas e os petistas estão com medo de quê? Que nessa onda da CPI da Petrobrás apareçam os pedidos de CPIs para o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, o BNDES e... É isso? Pelo andar da carruagem, os cardiologistas cubanos vão ter muito trabalho até o resultado final das eleições de 2014.

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

 

*

 

CONSELHO

 

Para concluir que a compra da Refinaria de Pasadena só poderia dar no que deu, basta ver alguns da corja escolhida pelo governo para o Conselho de Administração. Em 2006: Dilma para presidenta do conselho, Antonio Palocci, Jaques Wagner "et caterva". Em 2014: Guido Mantega para presidente, Maria das Graças Silva Foster (presidente da Petrobrás), Miriam Belchior (ministra do Planejamento). É preciso mais?

 

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

 

*

 

COMISSÃO INTERNA DE GRAÇA FOSTER

 

A comissão que dona Graça Foster vai constituir na Petrobrás para apurar o caos na empresa é uma desfaçatez. É como se a Comissão da Verdade fosse composta de militares (nenhum) ou somente de "companheiros" (é o caso). Falta-lhe credibilidade, isenção. Tal comissão tem o claro propósito de esvaziar a CPI. O noticiário informa que o Ministério Público, a Polícia Federal e o Tribunal de Contas da União fazem investigações sigilosas sobre o caso. Mas a população precisa saber, saber agora, como faliram a 12.ª maior empresa do mundo, ontem a 120.ª, hoje sabe Deus onde está. Pode ser que a CPI não chegue a nada, mas negará tapete sob o qual o governo atual possa esconder a porcaria que fez. "Não sabia" era a resposta padrão de Lula, tentada agora por Dilma e por Graça. Uma graçinha, né?

 

Paulo Roberto Santos prsantos1952@bol.com.br

Niterói (RJ)

 

*

 

PEDRAS QUE DESMORONAM

 

A senhora Graça Foster, presidente da Petrobrás, a maior empresa estatal brasileira, vampirizada pelo exército de Dráculas do governo, parodiou Josué, sucessor de Moisés, o libertador do povo hebreu no episódio bíblico das muralhas de Jericó, das quais "não sobrou pedra sobre pedra". Dona Graça diz que abriu comissão interna na empresa para apurar a compra da Refinaria de Pasadena. Perda de tempo. Basta ler as reportagens publicadas nos principais jornais e revistas, que relataram com pormenores o que não tinha como ser protegido pelo Palácio do Planalto. Graça Foster está jogando para palanque eleitoral, porque, sabe-se, de fato, que essas comissões não vão apurar nada, e olhe que não se trata somente de Pasadena. Nesse monturo de impatriotadas estão a Refinaria Abreu e Lima, a Comperj, em Itaboraí, os negócios escusos da Petrobrás na Holanda. Diz dona Graça que até o momento nada indica irregularidades em Pasadena, porque, para os petistas, o assalto que estão perpetrando aos cofres da Nação é um direito dos governos discricionários com apetite ditatorial. "Não fica pedra sobre pedra, não fica" é simplesmente uma frase de efeito, sem graça alguma diante de tamanho escândalo. "Disso que vocês estão vendo, dias virão em que não ficará pedra sobre pedra; serão todas derrubadas" ("Lucas", capítulo 21).

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

 

APESAR DO EMPENHO NA PETROBRÁS

 

As explicações não convencem, apesar do empenho de Graça...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

O QUE DIZ A EUROPA?

 

A Comunidade Europeia, conhecida pela higidez moral, particularmente a Bélgica e a Suíça, diante da funesta negociação da Refinaria de Pasadena (EUA), pelo fato de envolver um de seus cidadãos, deveria agir energicamente para que este esclarecesse os detalhes da transação, fornecesse valores e nomes destinatários de valores pagos a título de "comissão".

 

Carlos Fernando Braga cafebraga@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

EVIDÊNCIAS

 

A presidente da Petrobrás indicada por Dilma Rousseff, depois de 8 anos que a Refinaria de Pasadena havia sido comprada, ficou sabendo que existe um conselho de proprietários nessa refinaria onde um ex-diretor da Petrobrás preso por corrupção é o seu legítimo representante. Mais: os diretores da Petrobrás, quando não são corruptos, emitem relatórios "falhos" e o Conselho Administrativo da Petrobrás, que em 2006 era presidido pela atual presidente da República, acreditando piamente nesses relatórios, deu um prejuízo de R$ 2,76 bilhões à empresa na compra dessa malfadada Refinaria de Pasadena. A conclusão é que o governo Dilma trata a Petrobrás, antigo orgulho nacional, como se fosse uma lojinha de R$ 1,99.

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

EM 20 DIAS

 

Na compra da Refinaria de Pasadena, quanto mais se refina, mais chorume se produz. Resolvida na velocidade de um delirante trem-bala, o "due diligence" de 20 dias nem deu tempo para que a competente gerente Dilma avaliasse a compra de um negócio que valia U$$ 42,5 milhões por US$ 350 milhões e que poderia chegar a US$ 1,2 bilhão, caso um desentendimento entre as partes, o escamoteado "put option", acontecesse. Não deu outra, pois, com uma cláusula dessas, nem o Santo Pontífice fugiria de uma briguinha.

 

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

 

*

 

BALÍSTICA

 

Há alguns dias o ex-presidente Lula comentou que a declaração feita pela presidente Dilma sobre a Petrobrás foi um "tiro no pé". Hoje se constata que o incidente foi grande, mas o acidente balístico foi muito maior, pois as balas, na realidade, atingiram os quatro pés, each one.

 

Batista Cassiano batistacassiano@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

COTAS NO SERVIÇO PÚBLICO

 

Lamentável que a Câmara dos Deputados tenha agido de forma demagógica e eleitoreira e aprovado projeto que reserva 20% das vagas no serviço público federal para negros. Estão matando a meritocracia no Brasil. Somos um país miscigenado, uma grande mistura étnica e a cor da pele da pessoa não quer dizer nada. Somos todos seres humanos e nada mais. Ao invés de investir em educação pública de qualidade para todos, nossos políticos preferem fazer média com os negros e buscarem votos fáceis para as próximas eleições. A escravidão é uma mancha no nosso passado, mas foi abolida em 1888, há 126 anos. Queremos viver em uma sociedade justa, democrática e igualitária, onde todos tenham igualdade de oportunidades e sejam tratados como cidadãos, independente da cor da sua pele. Meritocracia, sim. Privilégios e benesses, não!

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

ABSURDO

 

O governo da Dilma quer reservar 20% de vagas em concurso público para negros. Isso é um dos grandes absurdos que existem por aí. Nossa presidenta precisa saber que, em qualquer concurso, os 100% das vagas existentes são abertas indistintamente a todos e devem continuar dessa forma, sem quaisquer restrições. Essa é a lógica que deve continuar.

 

João Rochael jrochael@ibest.com.br

São Paulo

 

*

 

DEMOCRACIA PADRÃO PT?

 

Atropelando os princípios mais comezinhos do direito ao agir simultaneamente como promotor e juiz sem ser um nem outro, e invocando artigos da Constituição "bolivariana" inaplicáveis à espécie, a mesa diretora da Assembleia Nacional presidida pelo chavista Diosdado Cabello investiu-se de poderes que não tem para cassar o mandato parlamentar da líder oposicionista María Corina Machado, a deputada mais votada da Venezuela. Seu crime? Ocupar um espaço/tempo na Organização dos Estados Americanos (OEA) cedido pelo governo do Panamá para discursar, denunciando, naquele foro, os retrocessos institucionais impostos a seu país pelo grupo ora dominante. Discursar, denunciar erros, abusos ou arbitrariedades, cobrar as autoridades constituídas honrando o mandato outorgado pelos eleitores são tudo o que se espera de um parlamentar oposicionista. Não na Venezuela, todavia, ainda mais se tais denúncias se perfizerem numa instituição mal vista pelo chavismo, como a OEA. O país que, segundo Lula, tem "excesso de democracia" cada vez mais revela o extremo de degradação a que chegaram instituições que, no passado, se subordinaram aos ditames da lei, mas hoje andam claramente a reboque dos humores do Palácio Miraflores. Tais questões nos trazem uma enorme inquietação, mormente porque o governo do PT é "unha e carne" com os da Venezuela e de Cuba. Seria "esse", enfim, o modelo que um dia sonham para nós?

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

 

O MIADO DO GOVERNO BRASILEIRO

 

O encontro de chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) reafirmou o que se sabe: o governo brasileiro, que fustiga e ruge contra o período militar e contra agentes policiais que desrespeitam direitos humanos, mia quando isso ocorre em países de governo e ditaduras de esquerda. A conclusão é óbvia: para o governo petista, no seu desvario utópico, contradições e ilusionismo típicos, ditadura e violações de direitos humanos podem, se o governo for de esquerda. Não podem, se o governo for de direita. Ditadura socialista/comunista? Pode! Ditadura capitalista? Não pode! Não é sem razão que a bolsa subiu e o dólar caiu à notícia de que o governo Dilma desceu em aprovação. Lembremo-nos disso, sem se esquecer da constelação de pontos fora da curva nesses últimos anos, nas vindas eleições.

 

Luiz Sérgio Silveira Costa lsergio22@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

 

A GUERRA DA ÁGUA

 

Os problemas da falta de água em São Paulo e em várias cidades, como Campinas e região, não estão relacionados com a guerra que o governador Geraldo Alckmin está deflagrando contra o Estado do Rio de Janeiro ("O Estado", 25/3, A19). Várias fontes nos dão conta de que essa crise está relacionada à falta de gestão administrativa no Estado e que vem desde 2009, quando os técnicos levantaram o problema da água. Com agravantes como a do desperdício da água tratada pela Sabesp e que chega ao patamar de 31% ("Estadão", 18/2, A13). Campanhas publicitárias pedindo economia de água da população não combinam com o desleixo da própria Sabesp. A água tratada, vejam bem, não é aquela que foi coletada, é aquela que passou por tratamento, que tem um custo semelhante ao que pagamos na conta. Essa água tratada daria para abastecer uma cidade como Campinas, com mais de 1 milhão de habitantes.

 

Sinesio Müzel de Moura sinesiomuzel.demoura@gmail.com

Campinas

 

*

 

COBRANÇA INDEVIDA

 

Gostaria de saber qual o motivo de a Sabesp estar cobrando de alguns proprietários de casas pela implantação da rede de esgoto na cidade de Peruíbe. Ela cobra de uns e de outros, não. Já enviei e-mails para o governador de São Paulo pelo faleconosco@sp.gov.br, mas ele não responde. O Programa Onda limpa do governo para saneamento no litoral de São Paulo foi objeto de financiamento (empréstimo) junto a bancos internacionais específico para tal fim. Se já pagamos pelo empréstimo como contribuintes, qual o motivo ou critério para cobrar apenas de alguns novamente pelo mesmo serviço? Detalhe, além da cobrança pela rede de esgoto, ainda vamos ter de pagar para tapar os buracos feitos pela Sabesp. Segundo a Constituição, saneamento básico é dever do Estado, ou será que não é mais?

 

Gilberto de Oliveira

Maricato giba.trem@bol.com.br

Peruíbe

 

*

 

ESCASSEZ DE VONTADE POLÍTICA

 

Escassez de água neste país entrecortado de rios é a maior piada que se pode imaginar. Mas, quando a água não alcança as nossas torneiras, a escassez de fato passa a existir. Lógico que, então, a partir daí, notamos que há mesmo muita escassez e aridez neste país. Mas as mais evidentes são: escassez de planejamento; de prevenção em face de prováveis intempéries; de empresas que busquem soluções, e não paliativos que lhes concedam a chance de "faturar por fora" nos eventuais remendos em furos, estes, sim, muito bem planejados; escassez de respeito ao semelhante, cidadão que arca com tributos astronômicos no País de roubalheiras e impunidades que abundam, jamais são escassas; escassez de seriedade de cidadãos e gestores – aqueles, cansados de pagar sem receber, e estes, que quase nada fazem e muito recebem. Mas há solução. Pesquisadores mal remunerados das universidades brasileiras têm a resposta para a escassez de água. Técnicos com tecnologia comprovadamente testada podem servir à Nação que despreza seus estudos e experimentos. Que não fiquemos apenas em entrevistas nos laboratórios da USP no momento da torneira seca, mas que de fato e urgentemente se extinga a escassez de vontade em resolver problemas definitivamente.

 

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

 

*

 

ENERGIA ELÉTRICA NO RIO DE JANEIRO

 

O Estado do Rio é servido pelas duas piores distribuidoras de energia elétrica. Relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) referente a 2013 aponta para isso. Light e Ampla. Como prêmio, para elas, o governo suspendeu a redução da tarifa e vai autorizar um reajuste. Deveriam, se o País fosse sério, perder a concessão sem direito a nada. A Ampla não atende o 0800 aos domingos e diz que é assim mesmo, aos domingos não atendem. O consumidor que fique com o problema até segunda-feira, se não for feriado, porque, se for, só na terça-feira. A Aneel sabe disso? Deve saber, só que as agências reguladoras, de um modo geral, estão ombro a ombro com as empresas que deveriam fiscalizar.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

 

O MARCO CIVIL DA INTERNET

 

As comemorações, este foguetório em torno da aprovação unânime do Marco Civil da Internet deixam-me temeroso. Tenho a mesma opinião de Nelson Rodrigues quanto à unanimidade. Ademais, estou cansado deste ufanismo de gloriarmo-nos dos nossos avanços em relação aos outros países: tivemos a melhor legislação trabalhista do mundo desde Getúlio, embora pouco respeitada; a Constituição Cidadã é obra suprema no campo dos direitos, embora parcimoniosa quanto aos deveres; leis que "pegam" e outras que não. Melhor seria que fossem aperfeiçoadas as leis atuais para não deixar brechas aos criminosos (mesmo os menores de idade), que aplicássemos o Código Penal com vigor e que fossem construídas mais prisões, com progressão somente após cumprida metade da pena. Voltemos ao já esquecido chavão: tolerância zero!

 

Ricardo Mello Santos pramar681@hotmail.com

Salvador

 

*

 

REGULAMENTANDO A INTERNET

 

Se o Comitê Gestor do Marco Civil da Internet funcionar como o Conselho de Administração da Petrobrás... estamos fritos.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

 

ARMAZENAGEM DE DADOS

 

Dona Dilma, pelo projeto do Marco Civil da Internet, que vai agora ao Senado, tudo, tudinho (everythiiiiing) fica ainda guardado e à disposição de Barack Obama. Vais sancionar?

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

 

*

 

RINDO DO QUÊ?

 

Os principais jornais do País estamparam fotos mostrando a satisfação dos deputados com a votação do Marco Civil da Internet. Garanto que a maioria dos leitores e 99% da população brasileira não têm a menor noção do que é isso e qual a importância disso na vida de cada um. Garanto também que tal projeto não era o que havia de mais importante para ser analisado e aprovado pelo Congresso. Isso ainda vai passar pelo Senado e a dúvida do povo brasileiro vai continuar. O que é o Marco Civil da Internet? Senhores congressistas, acordem!

 

Iria de Sá Dodde iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

 

MORDAÇA NA INTERNET

 

O governo que garante que Cuba é uma democracia em evolução, agora vai controlar a nossa internet. Agora, sim, estamos junto com Cuba e China na vanguarda da liberdade de expressão. Bem-vindos ao futuro

 

Antonio Cavalncanti da Matta Ribeiro antoniodamatta@ig.com.br

São José dos Campos

 

*

 

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES

 

É impressionante o resultado da pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), de que 65,1% dos homens entrevistados culpam o comportamento feminino pela ocorrência de quantidade tão absurda de estupros no Brasil. É evidente, claro e cristalino que esse resultado merece reprovação. Ninguém tendo o juízo no lugar pode sustentar essa opinião evidenciada pela pesquisa.

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

 

É PRECISO MUDAR O MODELO

 

Não é novidade nenhuma pesquisa mostrando que 65% da população brasileira acha que a mulher que sofre agressão sexual mereceu ser atacada, mesmo que a maioria das vítimas seja de menores de 13 anos. Independentemente disso, basta olhar as estatísticas para saber que a cada duas horas uma mulher é assassinada no País. São violentadas sexual, física e emocionalmente e, no entanto, durante 12 anos o governo federal, em suas políticas sociais, só se manifesta indignado quando o assunto é segregação racial e homofobia. A população brasileira só vai mudar seu conceito quanto ao sexo feminino com políticas públicas sérias desde a mais tenra idade. Não podemos nos esquecer de que a criança tende a repetir modelo e, se o modelo continuar sendo este de "tolerância à agressão" contra nós, mulheres, com certeza só aumentarão os casos de abuso. Estamos em pé de igualdade com os países mais atrasados do mundo.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

CHEGA DE DISCURSO

 

A pesquisa realizada pelo Ipea com homens e mulheres de todo o País e publicada pela "Folha de S.Paulo" somente desvenda a hipocrisia que vive o Brasil, que prega na Constituição a igualdade, mas não é esta verdadeira. Esses dados não surpreendem a legião de militantes da questão, ao contrário. A pesquisa corrobora o quanto o machismo cultural está enraizado nos valores e lares brasileiros. Somente escapam dessa vergonhosa constatação as brasileiras e brasileiros indígenas, que certamente não pensam assim, apesar de terem uma forma natural de se vestir. Chega desse discurso todo. O Brasil precisa de ações afirmativas de verdade (e não polianas) para desocupar o vergonhoso 7.º lugar (num ranking de 84 países) de maior violência doméstica.

 

Rosana Chiavassa, presidente da Associação das Advogadas, Estagiárias e Acadêmicas de Direito do Estado de São Paulo jcruz@rodrigues-freire.com.br

São Paulo

 

*

 

O MÍNIMO A FAZER

 

Toda discussão sobre o desrespeito contra as mulheres não leva em consideração as disfunções fisiológicas dos mal-educados. O ser humano é movido a estímulos sensoriais que devem ser reprimidos no sentido de podermos viver em sociedade (numa sociedade sem limites, sem regras, isso é inviável). Por isso não está errado falar que algumas mulheres têm culpa por sofrerem abusos (isso não quer dizer que os abusadores não devam ser punidos). Ora, se até mesmo nas pessoas com nível educacional elevado os instintos primitivos sobressaem, quiçá em homens com nível educacional baixo (80% dos brasileiros). Dessa forma, o que as mulheres devem fazer é, no mínimo, evitar que tais seres "problemáticos" sejam atiçados. Isso justifica a ideia de que as mulheres devam se vestir de forma menos extravagante, com roupas que chamem menos a atenção. Ora, se querem fazer algo diferente, façam-no entre quatro paredes para seus amantes, maridos, namorados. Isso, por ora, enquanto tivermos níveis alarmantes de mal-educados entre nós, é o mínimo a ser feito pelas mulheres. É uma pena muitos não se contentarem apenas com olhar, porque é isso que elas querem, apenas serem vistas.

 

Werly da Gama dos Santos gama_eamsc@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

 

*

 

IMENSA VERGONHA

 

Há momentos na vida em que sinto imensa vergonha de pertencer à raça humana e, em especial, ser brasileiro. Saber que 65% dos brasileiros consideram a mulher vítima de violência sexual culpada pela agressão é um deles.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

A INDÚSTRIA TEM CONDIÇÕES

 

Matéria de quarta-feira no "Estadão PME" apresentou o empresário vitorioso no setor de moda Tito Bessa, da TNG, que, entre suas colocações, disse que o mercado interno não consegue suprir a demanda das grandes empresas para atender às classes B e C, fato com que não podemos concordar, pois o setor industrial brasileiro, com suas mais de 30 mil indústrias formais, tem plena condição de oferecer quantidade e qualidade, o problema é que os tomadores não querem remunerar o real custo dos fornecedores, preferindo buscar produtos importados de países sem nenhum respeito pelos direitos dos trabalhadores, sem a mínima condição de segurança, sem garantia qualquer, em busca do lucro mais alto, em detrimento do produto nacional. O setor industrial do vestuário no País tem todas as condições de atender a quem quer que precise. desde que remunere de forma justa e profissional.

 

Pedro Fortes pec.fortes@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

AS METAS DO PREFEITO HADDAD

 

Sobre a matéria "Após um ano, prefeito atinge apenas 9% das metas", o sr. Oded Grajew é tendencioso e parcial. Sua rede Nossa São Paulo foi criada para dar sustentação social aos governos do PT, que já demonstraram durante as gestões Luiza Erundina, Marta Suplicy e, recentemente, com o prefeito Fernando Haddad que são muito ruins para planejarem e executarem bons projetos para a cidade e muito bons para aparelharem a Prefeitura com militantes cuja principal missão é disseminar política partidária clientelista e de baixo nível. O sr. Oded poderia aproveitar a estrutura da rede Nossa São Paulo para informar aos cidadãos que pagam seus altos impostos municipais quanto custa para a cidade o aparelhamento da Prefeitura e quantas vagas de creches, escolas municipais, prontos-socorros e hospitais poderiam ser construídos com esses recursos. Com tanta incompetência, falta de planejamento e capacidade de executar bons projetos, não me surpreende o baixo índice porcentual de execução de programas.

 

Hélio Pilnik pilnik@osite.com.br

São Paulo

 

*

 

SÓ I$$O?

 

Após um ano, Fernando Haddad, cumpre apenas 9% das metas prometidas, já considerando o bilhete único mensal, que ainda não funciona bem. Recebe o apelido de "prefeito 10%". Só i$$o ou tudo i$$o?

 

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

 

*

 

PROMESSAS

 

Continuando como está, "ligeirinho", Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, que cumpriu no primeiro ano só 9% das metas prometidas em campanha, ao fim dos quatro anos de mandato cumprirá mal e porcamente 36%, não é?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

 

OS 9% DE FERNANDO HADDAD

 

Considerando que foram promessas de um petista, cumpriu sua obra como tal.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

 

COBRANÇA

 

Gostaria de perguntar ao diretório nacional do PSDB que atitude o partido tomou em relação aos seguintes políticos tucanos: Lourival Bezerra, prefeito da cidade de Esperantina, no Piauí, que desviou verbas do Fundeb, deixando as escolas municipais sem merenda escolar; Luiz Oscar Vitale Jacob, prefeito da cidade de Amparo, em São Paulo, que tentou superfaturar uma compra de R$ 4 milhões em papelaria, em que se incluíam 850 kg de glitter e lantejoulas, e só retrocedeu por causa de denúncias e com desculpas patéticas; e Anabel Sabatine, ex-prefeita de Jandira, em São Paulo, que desviou R$ 5 milhões da merenda escolar, tendo seus bens bloqueados e passaporte apreendido. Aproveito o ensejo para perguntar se o prefeito Antonio Carlos Pannunzio, da cidade de Sorocaba, em São Paulo, deu continuidade a alguma das 45 obras paradas no município. Pannunzio, que já foi líder da bancada do PSDB, em 16 anos como deputado federal, apresentou um único projeto, que não foi aprovado.

 

Paulo Sergio Fidelis Gomes psf.gomes@ig.com.br

São Paulo

 

*

 

HOMENAGEM AO LEITOR LUIZ ANTÔNIO FESCINA

A madrugada de 25/3/2014 perdurou, o dia nasceu ofuscado, os pardais entoaram cantos tristes, os canarinhos emudeceram, as violas aquietaram, as videiras secaram, os vinhos, ah, os vinhos passaram... Nesse dia meu tio Luiz Antônio Fescina, que sempre publicava cartas neste fórum, nos deixou. Também restaram perguntas sem respostas, testas sem beijos, olhares sem um último adeus. Hoje quem grita é a saudade, quem tem voz é a vontade de estar perto novamente. Luiz foi um sábio, um apreciador de vinhos e da vida, um exemplo. Que o mundo se cale, mas que não calem em nós as palavras que um dia ouvimos dele. Que hoje ele seja nosso exemplo de fé, coragem e esperança para seguir. Luiz Antônio Fescina, obrigada por abrilhantar-nos com sua presença em nossa vida! Amamos você! Até breve! Saudades eternas. Da sua sobrinha "Buscapé" e de toda a família.

 

Araceli Fescina Anselmo araceli_anselmo@hotmail.com

Conchas

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.