Fórum dos Leitores

ECONOMIA

O Estado de S.Paulo

02 Abril 2014 | 02h10

Imposto da cerveja

Sempre se cria um artifício para lançar novos impostos, aumentar os já existentes, criar mais taxas, sejam federais, estaduais ou municipais. A partir de 1.º/4, não é mentira, foi aumentado o imposto sobre cervejas, refrescos, isotônicos e energéticos para bancar a conta de luz. Tal como outrora o aumento de PIS, Cofins, Cide, ICMS, IPTU, para saúde, segurança, educação, transporte e outros objetivos, valores extras que nunca chegaram às finalidades previstas na sua criação, desviados para mensalões e investimentos em tenebrosas transações, como disse Chico Buarque (quando era crítico do malfeito) - exemplos: Petrobrás-Pasadena, estádios de futebol, etc. Enquanto isso, nossa Pátria-mãe segue tão distraída que não percebe a escalada de aumento de impostos e taxas, batendo recordes mundiais, diariamente, não só em valores e porcentuais de arrecadação, mas em mau uso do dinheiro público e corrupção. Se ganharmos a Copa, vamos festejar não com cerveja, mas bebendo água (da torneira), se até lá ela não se esgotar.

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Furo n'água

Para conter a inflação o governo fez diversas manobras que produzirão impacto negativo nas suas próprias contas, ocasião em que decidiu não reajustar preços por ele administrados para evitar o aumento de apenas um ponto porcentual no índice inflacionário, manobra que custará R$ 34 bilhões. Para nós foi um furo n'água, pois não tenham dúvidas de que, como sempre, nós é que pagaremos a conta.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Tudo subindo

Subiu o arroz, como também a carne, o feijão, as frutas, os legumes, as verduras e o escambau. Não demora, até o povo vai subir. Nas tamancas...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Inflação

Dentre tantos depoimentos prestados em 31 de março, um me chamou a atenção: o de que a inflação havia acabado com o retorno da democracia. Não é verdade. Já com o País redemocratizado, durante os mandatos de José Sarney e Fernando Collor, a inflação castigou severamente o povo brasileiro. Somente durante o curto mandato de Itamar Franco é que a inflação começou a ser debelada. Com Fernando Henrique Cardoso, finalmente a inflação se manteve dentro dos parâmetros preestabelecidos.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

PETROBRÁS

Interesses ocultos

Quer dizer que o chefe da Petrobrás nos EUA, o engenheiro Alberto Guimarães, se manifestou frontalmente contrário à proposta de US$ 700 milhões por metade da refinaria de Pasadena e assim mesmo, por determinação de "ordens superiores", o negócio foi realizado? Diante dessa inusitada decisão, não há sombra de dúvidas de que esse negócio tem de ser rigorosamente investigado, seja por comissão parlamentar de inquérito, Polícia Federal ou Ministério Público, mesmo com toda a pressão do governo para que as investigações não prosperem, especialmente na CPI. Aguardemos o desfecho desse rumoroso caso, que não pode ficar encoberto e impune por interesses ocultos da cúpula da Petrobrás.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Cartas marcadas

Lendo matéria do Estadão no último domingo a respeito do grande investimento em 11 Estados brasileiros pelo mesmo bilionário que comprou a refinaria de Pasadena, e sabendo o chefão, o barão belga, que o Brasil é terra de corruptos e da impunidade, acredito que na compra inicial da refinaria de Pasadena, por US$ 42,5 milhões, já estava acertada a compra pela Petrobrás, realizada logo em seguida. Não há explicação para a compra de uma refinaria ultrapassada por um expert no mercado, o barão belga, a não ser o lucro já combinado com a horda petista. Os investimentos dele no Brasil deveriam também ser investigados, pois muita gente deve ter levado o seu - isto é, o meu, o nosso.

SINCLAIR ROCHA

sinclairmalu@uol.com.br

São Paulo

A petroleira 'se lascou'

Sobre esse escândalo da compra da refinaria texana pela Petrobrás, por um preço estratosfericamente superfaturado, só existem duas explicações aceitáveis: muita incompetência ou muita desonestidade. Qual teria sido a situação motivadora dessa controvertida "operação comercial"? Estão abertas as apostas!

JÚLIO FERREIRA

julioferreira.net@gmail.com

Recife

Patriotada

O deputado federal Vicente Paulo da Silva (PT-SP), o Vicentinho, disse que investigar a Petrobrás no caso da refinaria de Pasadena é um ato antipatriótico. Será, então, que o prejuízo (atualizado) de US$ 1,321 bilhão foi um negócio patriótico e que só merece aplausos de acionistas minoritários, como eu?

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

GOVERNO DILMA

O carrasco dos velhinhos

Como Dilma Rousseff está cada vez mais fraca na condução da política de seu desgoverno, Lulla resolveu reassumir o cargo e impôs a saída da atrapalhada e fraca Ideli Salvatti, colocando em seu lugar Ricardo Berzoini, o "exterminador de velhinhos" quando presidiu a Previdência Social. Aliás, pau para toda obra, já que ocupou vários cargos no governo de Lulla. Berzoini teve uma vida sindical nada limpa, basta ver o escândalo da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop), que lesou milhares de pessoas e é investigada por lavagem de dinheiro, superfaturamento e desvio de recursos para o PT. Agora assume a Secretaria de Relações (nada) Institucionais da Presidência para fazer o serviço em que Ideli se mostrou incompetente: usar sua artilharia para ver se consegue eliminar a CPI da Petrobrás e quem está atrapalhando o caminho para a reeleição da "cumpanheira" Dilma.

AGNES ECKERMANN

agneseck@gmail.com

Porto Feliz

Expert em diabruras

Como a presidente Dilma declarou que "podemos fazer o diabo quando é hora de eleição", justifica-se plenamente a indicação de Berzoini como ministro de Relações Institucionais. De diabruras ele entende tudo, que o digam os mutuários da Bancoop.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

HÁ 50 ANOS

As vítimas da ditadura militar, que ditou regras antidemocráticas no Brasil durante mais de 20 anos, foram citadas em várias manifestações no dia 31 de março - data que marcou os 50 anos do golpe de 1964. E não poderia ser diferente. As homenagens que elas receberam devem servir de motivação na luta para que nosso Brasil busque cada vez mais a consolidação da democracia. É ela que permite aos radicais e moderados das mais diferentes tendências políticas se manifestarem. Democracia tem de ser o objetivo de quem quer um Brasil novo, diferente, com igualdade social e sem violência.

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

MUDAM AS MOSCAS

O Brasil completa 30 anos de democracia, mas, por nunca tê-la praticado de fato, não sabe o que fazer com ela. Se compararmos o Brasil de hoje com o dos tempos da ditadura militar, o que mudou foi a cor da roupa: antes era verde-oliva, agora é o colarinho branco. Em outras palavras, e como sempre, o que muda são as moscas, pois o lixo continua o mesmo. Acorda, Brasil.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

30 DIAS INESQUECÍVEIS

No dia 31 de março de 1964 eu era repórter do jornal "Última Hora"/Nordeste e assessor de imprensa da prefeitura do Recife. O jornal apoiava o governador Miguel Arraes e o prefeito Pelópidas Silveira, e eu me alinhava conscientemente nas diretrizes vigentes, fazendo a ponte entre as autoridades constituídas e a imprensa. À noite, o jornal foi cercado e invadido por um grupo de militares do Exército, que inicialmente pretendia prender todos os jornalistas, mas, após negociação, concordou em levar apenas os chefes da redação e de reportagem, soltos tão logo esclarecido que não tinham vínculos com partidos políticos. Antes de ser assessor de imprensa da prefeitura, eu era setorista na Câmara Municipal, conhecendo todos os projetos de interesse do município e, obviamente, todos os vereadores, com quem conversava e que entrevistava diariamente. Nos dias que se seguiram ao fechamento do jornal, passei a frequentar a Associação de Imprensa de Pernambuco (AIP), na Avenida Dantas Barreto, onde me supunha seguro, embora soubesse que jornalistas de todas as tendências também andavam por ali. A AIP dispunha de ótimo restaurante, para onde acorriam também intelectuais e artistas. Além disso, havia uma sala de bilhar e sinuca, ambiente de agradável convivência. Passava as tardes jogando com o amigo e colega Claudio Tavares e paquerando a filha dele, Eva, secretária da AIP. Certa tarde, comecinho da noite, ao sair do prédio e me dirigir ao parque 13 de Maio para encontrar outra namorada, fui seguido sem perceber por um jipe do Dops, quando alguém bateu no meu ombro e lascou o tradicional "teje preso"! Ao lado dos policiais encontrava-se o vereador José Silvestre, vingando-se do perigoso jornalista que denunciara esquema de corrupção. A Câmara Municipal destinava cerca de 5 mil cruzeiros para cada vereador gastar a seu bel-prazer. O próprio vereador fizera a denúncia e, por causa de sua repercussão, passou a ser odiado pelos demais. Com o golpe, passou a auxiliar a polícia no meu encalço e fez questão de me entregar pessoalmente ao temido delegado do Dops Álvaro da Costa Lima. Fiquei alguns dias num banco de madeira, lado a lado com outros presos, dormindo sentado. Depois fui transferido para um pequeno xadrez, de mais ou menos 4 metros quadrados, conhecido como buque, que dividia com vários outros presos. Dormíamos no chão. A comida era uma marmita insuportável. Por isso, chegava a receber até três almoços, dois das namoradas e um de minha irmã Conceição. Dividia com os companheiros, é claro. Depois de 30 dias, fui chamado para um interrogatório, em que as principais acusações eram pertencer à Associação dos Amigos da União Soviética, ter ido a Cuba a convite de Francisco Julião e ser comunista, naturalmente. Como prova de minha perigosa atuação, mostraram-me fotos de uma entrevista coletiva do governador Miguel Arraes no Salão Nobre do Campo das Princesas. Eu estava entre os entrevistadores. Em outra foto, eu aparecia ao lado de Caio Prado Júnior na Plaza de la Revolución José Marti, em Havana. Dadas as devidas explicações, fui solto com a recomendação de que não poderia me afastar de minha residência, pois seria chamado novamente. Queriam a todo custo que eu declinasse os integrantes da "base" dos jornalistas do Partido Comunista Brasileiro no Recife. Os nomes eram notórios, mas eles queriam colocar-me como informante. Recusei-me, logicamente, e insisti: sou apenas um jornalista. Alguns dias depois, os jornais estamparam a relação dos jornalistas do Partidão, segundo outro depoente. Ao deixar o buque da Rua da Aurora, viajei para Caruaru e de lá peguei uma Kombi com 11 pessoas que iam fazer compras em São Paulo, onde moro até hoje, traumatizado pelos 30 dias mais inesquecíveis de minha vida.

Flávio Tiné

tine@estadao.com.br

São Paulo

*

MEMÓRIA DE 1964

A nação brasileira não pode nunca se esquecer de uma das páginas que envergonham a nossa história, o golpe militar de 1964, que rasgou a Constituição federal, depôs um presidente legitimamente eleito pelo povo, cassou mandatos populares, subjugou o Poder Judiciário e fechou o Congresso Nacional. Durante o período da ditadura, cometeram nos quartéis e órgãos da repressão torturas, assassinatos e pessoas desapareceram. Tais acontecimentos vergonhosos da nossa história só podem ser comparados com a escravidão negra, que também manchou a nossa história. É preciso também uma revisão urgente na Lei de Anistia para punir os que praticaram esses crimes contra a humanidade e estão impunes e soltos, como se nada tivesse acontecido.

Marcos Tito

marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

*

REVISÃO GERAL E IRRESTRITA

Para a Comissão da Verdade (?) e para os que desejam revisar a Lei da Anistia de 1979, notar que devem ficar atentos e de acordo com as seguintes consequências: não só os militares envolvidos em torturas deverão estar incluídos na revogação, mas também aqueles que "do outro lado" torturaram, sequestraram, assaltaram e mataram. Nesse grupo estão guerrilheiros (armados ou não) que dizem ter lutado contra a ditadura. Nesse grupo incluem-se diversas pessoas que ocuparam e ocupam altas posições no governo, principalmente no federal. A começar pela presidente, ex-presidentes, ministros e ex-ministros. Não esquecer também de que todos, mas todos aqueles que receberam milhões de reais a título de indenizações e os milhares que ainda recebem mensalmente a "bolsa" como perseguidos pela ditadura, até certo cartunista, que recebeu mais de R$ 2 milhões, deverão restituir o dinheiro aos cofres públicos. Serão mais de R$ 5 bilhões. Vai dar pagar ajudar muito na educação e na saúde. O que não se pode é querer mudar a nossa História (com H).

Éllis A. Oliveira

elliscnh@hotmail.com

Cunha

*

ANISTIA É PARA TODOS

Dona Dilma Rousseff deixou bem claro que é contrária à revisão da Lei da Anistia. Deu algumas razões. Será que deu todas?

Ulysses Fernandes Nunes Jr

Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

INSÔNIA

A menção da revogação da Lei da Anistia tira o sono de muita gente. Se os militares contarem o que sabem sobre o que realmente houve...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

NOS TEMPOS DA DITADURA

Poucos crimes são tão hediondos quanto o sequestro. O cárcere privado, com tortura psicológica, foi utilizado pela guerrilha sem pudor. Essa forma de tortura, que é o sequestro, não mereceu uma só linha na imprensa, uma única menção nos jornais televisivos. E por que não? Porque as vítimas eram cidadãos estrangeiros. Por isso pode? Não é crime, não e desumano, não é abominável?

Jorge Carrano

carrano.adv@gmail.com

Niterói (RJ)

*

PASSADO E PRESENTE

Enquanto muitos se debruçam para desvendar os feitos do passado, por que não utilizam seu precioso tempo para revelar o que vem ocorrendo hoje?

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

O DINHEIRO DA VIÚVA

Este US$ 1,2 bilhão que a refinaria de Pasadena custou aos brasileiros, e que se transformou no grande escândalo do momento, é um valor bem menor que os inacreditáveis R$ 3,4 bilhões que a Comissão de Anistia já aprovou como reparações a perseguidos políticos durante o regime militar. Em ambos os casos, é o famoso dinheiro da "viúva": não sai do bolso de quem aprova a despesa. E viva o Brasil!

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A CONCLUSÃO DA COMISSÃO

A comissão de investigação interna da Petrobrás para apurar se houve ou não suborno de funcionários da empresa pela empresa holandesa SBM Offshore, que presta serviços à Petrobrás, chegou à conclusão de que não houve suborno. Não encontrou documentos nem fatos que a levassem à conclusão disso. Espera aí, eles esperavam encontrar documentos de suborno? Alguém já viu suborno com documento assinado? Quanto aos fatos, também vão pelo mesmo caminho. Alguém deixa evidências de suborno? Espero que a outra comissão a ser instituída pela presidente da empresa, Graça Foster, para apurar a compra da refinaria de Pasadena, não chegue à mesma pérola de conclusão.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

NOTA EXPLICATIVA

Talvez tenha passado despercebido da maioria dos leitores do "Estadão", na página A5 da edição de 31/3, o espaço pago pela SBM Offshore e a Refinaria Pasadena, assinado pela PeTrobrás. Propaganda nada compatível com aquelas enormes, coloridas e bem arquitetadas pelos marqueteiros. Impresso em preto e branco, dando satisfação sobre as investigações internas iniciadas em 2012 na refinaria de Pasadena, em que nenhuma "irregularidade e pagamento de propina" foi encontrada. Um blá blá blá dando sensação de mea culpa de tão humilde, simples e feito justamente para passar despercebido ao leitor. Não podemos nos esquecer de que um dos principais suspeitos dos imbróglios na refinaria, parente do ex-presidente da empresa José Sérgio Gabrielli, só foi demitido neste fim de semana e pode ter "ajudado" nas investigações que "inocentam" irregularidades, como explica a nota no jornal. Se fosse verdade, veríamos pelo menos o logo da PeTrobrás colorido de verde e amarelo na página. Melhor contar outra.

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PETROBRÁS E AS COTAS DE PATROCÍNIO

A informação de que a Band acaba de fechar mais uma cota de patrocínio para a Copa do Mundo deste ano, aumentando o time de anunciantes, entre os quais a Petrobrás, nos leva a uma reflexão terrível, ou seja, para uma empresa que se diz deficitária, embora tenha gasto vultosa quantia para comprar um elefante branco, por que razão gasta ainda mais em publicidade, considerando que 1 minuto de propaganda tem custo elevado? Aliás, a própria nota postada no "Estadão" a respeito da transparência na negociata de Pasadena é uma das formas de tentar iludir ou disfarçar o desfalque.

Claudio Mazetto

cmazetto@ig.com.br

Salto

*

CULPADOS

Todo o peso da trapalhada de Pasadena está caindo em cima da chamada "gerentona" que chefiava o Conselho de Administração da Petrobrás na época da compra da refinaria. Dificilmente se publicam os nomes dos outros "cumpanheiros" da presepada. Isso é injusto. Precisamos chamar para o baile os outros "gerentões", alguns deles banqueiros e empresários afamados. Afinal, todos concordaram, sem ler, com o contrato e duvido que o fizessem se estivesse em risco o bolso deles, em vez do dinheiro público. Acho que o prejuízo deveria ser cobrado de todos os conselheiros, conforme o patrimônio de cada um. Chega de jogar os prejuízos nas costas do povo.

João Carlos A. Melo

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

*

IMAGINA NO RESTO

A Petrobrás é uma sociedade anônima de capital aberto cujo acionista majoritário é o governo brasileiro. Mesmo assim, a empresa possui um Conselho Fiscal, um Conselho Administrativo, auditoria, ouvidoria e a participação atuante de todos os acionistas, inclusive os minoritários. Apesar de todo esse aparato, acontecem as inacreditáveis lambanças que recentemente foram divulgadas pela imprensa. Imaginemos, então, os 39 ministérios de dona Dilma Rousseff, a maioria de coisa nenhuma, onde não existem conselhos administrativos nem fiscais de qualquer espécie, mas as verbas disponíveis são igualmente bilionárias e, pelo número exagerado de unidades, são humanamente impossíveis de serem controlados, por mais boa vontade e disposição que a gerentona em exercício tenha.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

NO DIA DA MENTIRA

E a vencedora do prêmio "Maior Mentira do Dia" foi para a Petrobrás. Mais lacônica do que os antigos habitantes da lacônia, vem da Petrobrás a notícia de que foi criada uma comissão para apurar o caso da compra da refinaria de Pasadena, que terá 45 dias para concluir seus trabalhos. Por que não uma auditoria interna? Simples assim: uma comissão, pelo caráter mais brando, teria na sua composição somente áulicos do partido no poder. Ao governo não interessa transparência, e sem esta a corrupção será imbatível. Os escândalos que se sucedem são o banquinho do cadafalso. O medo pânico está inoculado no organismo petista. Munição não vai faltar par a oposição, porém os governistas contam com o espírito de Judas de alguns parlamentares que sempre cedem diante de 30 dinheiros. A maior empresa estatal brasileira e uma das maiores do mundo, há 12 anos está contaminada, juntamente com a Vale, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica. Tudo está aparelhado e dominado.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

EM ANO DE ELEIÇÃO

Para Rui Falcão (presidente nacional do PT), a CPI da Petrobras é "eleitoreira". Para todo o resto do Brasil, todas as ações do governo é que são. Reflitam e vejam quem tem razão.

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

CASO PARA IMPEACHMENT

Lula lançou, ao lado de Hugo Chávez, a pedra fundamental para iniciar a construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, em parceria com a PDVSA, estatal petrolífera venezuelana, com custo de US$ 2,5 bilhões, dos quais 40% com participação da Venezuela, mas, com a desistência desta, o custo já subiu para US$ 20 bilhões, e só Deus sabe quando ficará pronta. Algo semelhante é a transposição do Rio São Francisco. Se "aparelharmos" aqui o caso Pasadena, a Eletrobrás e o BNDES como os mais urgentes, verificaremos, perplexos, que a gestão Lula/Dilma foi fundada e povoada por um bando de predadores, cujo objetivo máximo, além do poder perpétuo, é o enriquecimento ilícito de todo esse exército apátrida constituído pelo cargo máximo até o último escalão e incluindo os militantes. Nem as saúvas destruiriam tanto. E o desespero dos petralhas com a instalação da CPI da Petrobrás indicou que talvez tenhamos de construir uma nova plataforma para fazer jorrar toda a podridão sob o lençol oleaginoso da NOSSA estatal. Caso para impeachment já!

Carmela Tassi Chaves

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

O MELHOR NEGÓCIO DO MUNDO

Embora Nelson Rockfeller tenha dito que "o melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo bem administrada e o segundo melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo mal administrada", parece que os políticos e seus sequazes na direção da Petrobrás exageraram na incompetência.

Níveo Aurélio Villa

niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

*

PETROBRÁS - NOVO CONCEITO

Se o melhor negócio do mundo é uma petrolífera bem administrada e o segundo melhor, uma mal administrada, precisamos de uma terceira categoria.

Frank Sarnighausen

sarnighausen@uol.com.br

Itirapina

*

O TAMANHO DO ROMBO

Será que um dia será revelado o custo para nosso país dos bilhões (trilhões?) de reais mal gastos pela gestão "presidenta Lula" e companheirada?

Antônio Borges

amborgine@gmail.com

São Paulo

*

PROBLEMAS MAIS GRAVES

Pensando bem, quem é que liga para essa polêmica envolvendo a Petrobrás e aquela refinaria de Passadena? Já passou. Vamos nos ater a problemas muitíssimo mais graves, como por exemplo a falência dos setores da saúde, da educação, de transportes e segurança pública, incluindo aí a violência que grassa incontrolavelmente por este Brasil afora. Falar mais o quê?

José Marques

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

MANCHETES DO JORNAL

"Petrobrás ignorou ‘lucros indevidos’ de sócia." "TCU impede assinatura de concessão da Três Irmãos." "Volume da Cantareira pode zerar já na Copa." "Justiça apura tortura na Fundação Casa." "Estatal leva 21 meses para abrir investigação." "Expectativa de poder de Dilma vai ditar os rumos da comissão." "Ideli é criticada antes mesmo de assumir pasta." "Novo ministro já prepara ‘tropa de choque’ para CPI." "Fim do mensalão mineiro fica para depois da eleição." "Lula celebra democracia e critica ditadura, petista defendeu investigação do período autoritário." "Desapropriação ‘salva’ bar de 127 anos no Rio." "Alunos apontam preconceito na USP." "Eletrobrás tem prejuízo de R$ 6,3 bi." "Combate ao desperdício de energia foi exemplo pessoal, diz Lobão." "PT cede aliança nos Estados para garantir controle de CPI." "Dilma diz que ‘julgamento’ é apressado (crise na Petrobrás)." Caros leitores, há algum assunto em que o governo esteja preocupado com o destino do País? Só notícia e assunto irrelevante e que serve somente para acariciar o ego dos políticos. Ô, raça!

Tanay Jim Bacellar

tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

*

DILMA E TITE

Conforme publicado na edição de 30/3 do "Estadão", o ex-presidente Lula afirmou a aliados que a sucessora precisa "deixar o time jogar" e comparou-a a Tite, ex-técnico do Corinthians. Sugeriu à presidente Dilma sair da defensiva, dar "caneladas" nos adversários e reagir de forma dura, na linha "bateu, levou", à ofensiva do senador Aécio Neves e do governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Parodiando a linguagem do futebol, pode-se dizer que Lula não joga mais no time e que Dilma deveria ser substituída no primeiro tempo.

Cláudio Moschella

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

DEIXANDO O TIME JOGAR

Misturando uma coisa com outra coisa, a destruição dos pilares da boa governança começou no governo Lula, Dilma continuou as derrapagens e ambos em nome do PT estão levando a economia e o Brasil para o buraco, sem ou com difícil volta, aplicando uma ideologia cuja maioria (80%) rejeita, investindo mal e deixando (a companheirada e os camaradas) roubarem o dinheiro público oriundo de um esforço muito grande do povo brasileiro. Não sou corintiano, mas os dois juntos não chegam aos pés de Tite (guardada as diferentes áreas de gestão), que levou o Corinthians ao campeonato mundial de clubes.

Nelson Pereira Bizerra

nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

CANELADA NOS CORRUPTOS

Lula sugeriu, durante discurso a dirigentes do PT, que Dilma aplique uma canelada nos adversários políticos que insistem em instalar a CPI da Petrobrás, que supostamente serviria a fins eleitorais. Nessa mesma linha, eu sugiro à sociedade outra canelada, naqueles que transformaram nossa estatal num imenso cabide de empregos, com seguidos prejuízos em negociatas nebulosas, reduzindo a outrora maior estatal brasileira à mais endividada petrolífera do mundo, transformando-a em caixa eletrônico do partido mais corrupto da história, valendo hoje metade do que valia antes de o PT chegar ao poder, reduzindo pela metade seu valor de mercado e sua eficiência no atendimento às necessidades do Brasil. CPI já. Fora PT.

Paul Forest

paulforest@uol.com.br

São Paulo

*

A CARONA DO DOLEIRO

Mais um petista a julgar-nos idiotas. Desta vez o deputado federal André Vargas (PT-PR) viajou em jatinho do doleiro Alberto Yussef, envolvido em crime de lavagem de dinheiro e ora preso. "Não sei se o avião é dele." O teatro mambembe petralha a se completar só falta apresentar notas fiscais seriadas, tais quais as apresentadas pelo prisioneiro João Paulo Cunha para justificar recebimentos mensaleiros do falido Banco Rural.

Mario Cobucci Junior

Maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

Dia 1.º de abril, e não é mentira: o deputado federal André Vargas (PT-PR), vice-líder na Câmara dos Deputados, viajou em jatinho do doleiro Alberto Yussef, preso fazendo negócios ilícitos. Diz Vargas que eles são amigos de Londrina - quer desmistificar o ditado "diga-me com quem andas e te direi quem és".

Celso de Carvalho Mello

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

TÁ TUDO DOMINADO, MERMÃO!

Ainda entalados com Pasadena, temos de encarar uma "imprudência" do petista André Vargas, aquele amigo de Lula que agrediu Joaquim Barbosa com os punhos fechados. Se o fio desta história for puxado, doleiro e político ficarão mais encalacrados e as maracutaias do Ministério da Saúde e da Labogen, mais translúcidas. Mais uma vez, vamos descobrir que, quando o dinheiro é do povo, a mão dos companheiros é pródiga.

Helena Rodarte Costa Valente

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

ANDRÉ VARGAS E ALBERTO YOUSSEF

Dize-me com quem andas e te direi quem és. Esse é o líder do PT na Câmara federal... Lama para todos os (maus) gostos.

Ricardo Hanna

ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

*

MOBILIDADE URBANA

Muito bom o comentário de "O Estado de S. Paulo" ("Sufoco no Metrô", 31/3, A3), sobre os problemas (digamos assim) do Metrô de São Paulo. O problema é que, por mais que os governos atuais trabalhem, invistam para fazer as malhas do Metrô e de trens crescerem, o tempo, para não dizer os custos, são os principais inimigos da urgência e da necessidades colocadas. O que é preciso também ser feito pela reportagem é um diagnóstico sério, bem apurado, da campanha eleitoreira da administração petista, em relação às maravilhas alcançadas pelas faixas exclusivas para ônibus. Colocar a reportagem na rua e flagrar o que flagramos todos os dias, que o marketing é bem diferente na realidade. Alguns pontos, apenas, para não alongar: 1) faixa sem ônibus em quantidade, comprometendo mais ainda a situação do trânsito, tendo em vista que as vias públicas também estão defasadas, não foram projetadas para essa enorme demanda de automóveis. Aqui os planejadores urbanos também pensaram pequeno e tardiamente, tal e qual como os planejadores dos transportes ferroviários no Brasil; 2) ônibus biarticulado circulando em locais muito estreitos, onde é impossível circular, comprometendo cruzamentos, o trânsito mais uma vez, tendo em vista que via de regra os motoristas são obrigados a fazer manobras para fazer o trambolho entrar na rua desejada. Aqui é a miopia dos administradores da Prefeitura, na área dos transportes que não fazem o que sempre prometem, um sistema de transportes inteligente, onde pequenos veículos carreiam a população do bairro até um corredor, onde esses mastodontes biarticulados devem cumprir o seu papel, e levar o passageiro até um grande terminal, onde está o Metrô ou o trem; 3) ônibus circulando vazio pelo centro da cidade, no horário de pico, em plena sexta-feira (deve ser ônibus que leva você a lugar nenhum); 4) micro-ônibus saindo lotados das estações de metrô, quando, pela lógica inversa, deveriam ser os mastodontes que deveriam pegar a quantidade enorme de passageiros que saem das estações de metrô e conduzi-los até os pontos onde esses micro-ônibus levariam os passageiros até o seu destino final, no retorno para casa; 5) esses pequenos ônibus também são inadequados para a população parruda brasileira. Parece que foram fabricados para levar populações de asiáticos. O resultado é um péssimo serviço. Enfim, o Metrô e os trens estão aquém das necessidades e todas as mazelas apontadas são reais, fatos. Por mais investimentos que sejam feitos, não será do dia para a noite que os resultados vão aparecer, até porque estamos tratando de uma megalópole, com mais de 12 milhões de habitantes. Contudo, a sociedade precisa ser esclarecida, e bem, também de que o marketing das faixas exclusivas está longe de trazer conforme e transporte correto para a população. Nas grandes cidades do mundo, os transportes de massa são muito demandados também e há o sufoco dos horários de pico. Quem já pegou o metrô de Londres, de Paris, sabe do que estou falando. Isso é fato! Como é fato que São Paulo começou a construir tarde demais a sua malha metroviária. Projeto original de 1968, ou seja, já na segunda metade do século 20, quando a cidade de São Paulo já era a principal metrópole do Hemisfério Sul e cidades como Buenos Aires, na Argentina, já tinham o seu metrô há muito mais tempo - a primeira linha data de 1913.

Paulo Antunes

pauloantunes@uol.com.br

São Paulo

*

‘TREM BÃO’

Por que será que nosso transporte ferroviário não é "um trem bão", como se diz, incluindo aí o Metrô?

Eleonora Samara

eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo

*

‘SUFOCO NO METRÔ’

Além do sufoco no Metrô e da lotação (31/3, A3), as mulheres ainda têm de suportar tarados as importunando. E isso sem dizer que o metrô está nessa situação de insuficiência de linha porque está em curso a descoberta de um grande esquema de corrupção envolvendo metrô e trens, mostrado diariamente por este jornal.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

PRECONCEITO DE GÊNERO

Na última quinta-feira o Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) divulgou através do Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) os resultados acerca da tolerância social à violência contra as mulheres, em que foram entrevistadas 3.810 pessoas em 212 cidades, abrangendo todas as unidades da Federação. Em conformidade com a pesquisa realizada pelo Ipea/SIPS, 65,1% dos entrevistados concordam totalmente ou parcialmente que as mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas. No mesmo sentido, 58,5% das pessoas que foram submetidas à entrevista concordam totalmente ou parcialmente que, se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros. Baseando-se em tais afirmativas, a conclusão do Ipea/SIPS é de que a culpabilização da mulher pela violência sexual está ligada à noção de incapacidade do homem de controlar seus apetites sexuais. De acordo com o levantamento, a responsabilidade pelo estupro seria da mulher, ao não se comportar adequadamente, eximindo o estuprador de culpa ao estabelecer um propósito corretivo na prática do crime. O resultado da pesquisa revelou que a cultura machista e o preconceito de gênero permanecem arraigados no comportamento da sociedade brasileira. Não obstante a mulher ter vivenciado a brutalidade do crime de estupro, seria justo, ético e moral ser responsabilizada pela violência sofrida em razão de suas roupas? Não é crível que uma mulher seja responsabilizada pela violência com o fundamento de que não se coaduna aos padrões preconizados pela sociedade. A adoção do uso de estereótipos sociais e comportamentais banaliza a violência sexual que milhares de mulheres sofreram, sofrem e, infelizmente, ainda sofrerão no Brasil. Limitar-se a analisar o comportamento e a conduta social das mulheres, separando-as de acordo com a sua maneira de se vestir, não alterará o crime, tampouco atenuará a violência, apenas denotará uma atitude de natureza essencialmente discriminatória. Nesse contexto, impõe-se crer que, quando uma mulher for obrigada a praticar o ato sexual sob violência ou grave ameaça, independentemente dos estereótipos sociais e comportamentais apresentados, esse ato será severamente punido, especialmente com o intento de dissuadir a reincidência do estuprador. Não há conduta apta a justificar e, muito menos, amenizar o crime de estupro. Para que essa lastimável constatação não venha a fincar raízes nefastas, faz-se necessária uma urgente mobilização com a finalidade de coibir tal abuso, fazendo-se uso de manifestações públicas aptas a demonstrar o desprezo à violência contra as mulheres e, desse modo, contribuir para uma sociedade isonômica que se opõe ao machismo e ao preconceito de gênero que lamentavelmente ainda permeiam a sociedade brasileira.

Rodrigo Ludwig

rodrigoludwig@gmail.com

Caxias do Sul (RS)

*

PESQUISA DO IPEA

Precisamos acabar com esse tipo de pesquisa que não faz bem algum ao País e serve apenas para tratar a mulher como um ser desprezível. Eu faria uma pesquisa idêntica e mostraria que os 200 milhões de brasileiros seriam a favor da execução desses monstros estupradores. Quem iria contestar essa segunda pesquisa?

Antonio Antunes

antonioantunes@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

ESTUPROS NO BRASIL

Segundo pesquisa do Ipea, do governo federal, 65% dos entrevistados acreditam que mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas. Atualmente, muitos homens estão achando que podem se aproveitar de metrôs, trens e ônibus superlotados para se aproveitarem das mulheres, seres frágeis. Será que realmente somos sexo frágil? Podemos nos unir e retribuir o carinho recebido, "pegando homens solitários". O povo brasileiro está descrente da Justiça brasileira e tem feito justiça com as próprias mãos, amarrando ladrões em poste. Pois é, homens e/ou animais, fiquem espertos, pois de estupradores vocês podem se tornar vítimas de estupros.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

CULPA DAS MULHERES?

Assunto que está criando grande polêmica: a pesquisa que aponta a opinião de maioria dos entrevistados de que a culpa pelos estupros é da mulher, por se expor demais. Ao que tudo indica, como foi mostrado em reportagens de TV em vários canais, tanto mulheres como homens se revoltaram - portanto, onde está a realidade da pesquisa? O País sempre funciona (mal) a base de pesquisas, porém sempre enganosas, e há que se questionar: seria o único segmento confiável no País? O político inglês do século 19 Benjamin Disraeli já dizia que "existem mentiras, grandes mentiras e pesquisas". Portanto, trocando em miúdos, pesquisas eleitorais (a mais grave) devem estar incluídas entre "as grandes mentiras" citadas pelo inglês. E, além do povo, até a mídia e estudiosos acreditam nelas - seria, talvez, pura conveniência ou se deveria analisar o assunto com mais seriedade?

João Roberto Gullino

jrobertogullino@gmail.com

Petrópolis (RJ)

*

DIREITO DELAS

Considerando a última pesquisa divulgada pelo Ipea, apontando que 65% dos brasileiros concordam que mulheres que usam roupas curtas merecem ser atacadas, concluo que tais indivíduos são extremamente machistas, têm uma mentalidade inferior à de animais selvagens e são indesejáveis em qualquer nação. Tais indivíduos não podem frequentar uma praia ou irem a um desfile de moda, por exemplo, pois estarão propensos a cometer um crime de abuso sexual, visto serem incapazes de conter o instinto primário, portanto são incapazes de um convívio social ou familiar saudável. Sinceramente, peço a todos os homens que concordam com essa afirmação buscarem atendimento psicológico, disponível nas prefeituras do Brasil, tendo em vista que a existência dessa mentalidade revela graves danos na percepção de ética e respeito. Será útil a realização de outra pesquisa associando os casos de abusos com as roupa usada pela vítima na hora do ataque, pois, dependendo do resultado, será apropriada a obrigatoriedade da burca, do spray de pimenta ou de armas de choque para resguardar os direitos básicos das mulheres.

Daniel Marques

danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*

PRECONCEITO E MACHISMO

Uma sociedade pode ser conservadora em diferentes assuntos, mas a pesquisa divulgada pelo Ipea tem muito o que explicar. Com tantos avanços da sociedade em diferentes campos da ciência, o que explica esse viés hipócrita e cínico desses pesquisados que disseram "mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas" e que "se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros". Um absurdo total e um péssimo exemplo de como o comportamento machista ainda impera neste país. Há mulheres mais machistas que muitos homens. Quando a sociedade tolera um relacionamento entre casais do mesmo sexo, está respeitando a opção das pessoas, assim é, e deveria ser, na religião, no futebol, na opção política, etc. E por que uma mulher que se veste de forma mais ousada tem de ser estuprada? Os defensores dessa tese precisam de tratamento, tiveram uma educação falha e modelos perversos para se espelharem. Somente em país de quinto mundo é que se vê um atraso tão grande no modo comportamental das pessoas. Que retrocesso, chegamos ao século 21 em tecnologia e voltamos para trás quando o assunto revela como anda a moral do ser humano. O machismo e o preconceito vieram para ficar, infelizmente, ao menos é o que reforça a pesquisa.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

FÁBIO PORCHAT

Sou estudante da Escola Vera Cruz, de São Paulo, tenho 15 anos e gostaria de expressar minha opinião a respeito do texto "É só uma piada" (16/3, C8), de Fábio Porchat. Seus argumentos não são claros e o texto aparenta ser confuso, apesar de que concordo em alguns aspectos com ele. No texto de Fábio, ele diz que, quando alguém se justifica dizendo "é só uma piada", está rebaixando a sua piada, tornando-a algo inútil, besta. O autor fala também que qualquer piada pode gerar uma polêmica, discussão, etc., mas que o comediante deve estar consciente de com o que está mexendo. Quando Porchat diz isso, já inicia uma confusão em seu texto, pois, se o comediante sabe que se contar aquela piada pode arruinar a vida de uma pessoa, por qual motivo ele a contaria? Se ele está querendo demonstrar sua opinião, por que "destruiria" a vida de alguém que não necessariamente tenha feito algum mal ao comediante? Fábio fala também que quando algum indivíduo cita a frase "é só uma piada", não está se responsabilizando pelo que diz, mas não explica o motivo nem dá ideias para que nos justifiquemos de uma piada que pode gerar polêmica. O texto de Fábio é confuso e traz ideias vagas. Concordo com ele em que, quando alguém diz "é só uma piada", tira o contexto, torna o chiste idiota, mas seus argumentos usados para explicar essa ideia não estão claros. Admiro bastante Porchat, porém creio que poderia expressar de forma mais organizada o que pensa.

Nicolas Joloidovsky

nicolasfj2@gmail.com

São Paulo

*

INSTITUTO AIRTON SENNA

Fui ver a exposição montada no Shopping Villa Lobos, em comemoração ao aniversário do Airton Senna. Que decepção, afinal, nosso maior ídolo, com apenas algumas fotos, um carro e uns capacetes. Acho que, com o que ele arrecada, sua irmã poderia fazer muito mais. E digo isso porque também vou ao Cemitério do Morumbi e fico espantada em ver que nem flores são colocadas em seu túmulo, que apenas está cercado com ferrinhos enferrujados e uma fitinha da CET em volta. Só fãs colocam flores ali. Vamos ver se, no aniversário de sua morte, haverá realmente, por parte deste instituto, uma comemoração à altura de Senna.

Ana Maria Marsulla Coelho

anamarsulla@superig.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.