Fórum dos Leitores

DOAÇÕES DE EMPRESAS

O Estado de S.Paulo

04 Abril 2014 | 02h08

Contradições petistas

A propósito da momentosa questão, em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), da admissibilidade ou não da doação de empresas (privadas!) a campanhas eleitorais e partidos políticos, chama a atenção a situação do PT. Um partido de matriz socialista que nasceu crítico da "exploração capitalista" tem nada menos que 71% de suas receitas advindas de empresas movidas pela perspectiva de lucro, sendo o Partido dos Trabalhadores, por conseguinte, supostamente sustentado por empresários exploradores do "trabalho". O lucro ("mais-valia", no jargão marxista) é uma palavrinha odiosa para os que, como os próceres do PT, olham para Cuba e ali veem o paraíso na Terra. Nem por isso, todavia, abrem mão de verbas oriundas dos cofres de odiosas empresas capitalistas exploradoras da mão de obra dos trabalhadores. As doações de pessoas físicas para a sigla de Lula - que, em tese, deveriam ser majoritárias - equivalem a risível 1% do total, o que, de per si, encerra gritante contradição, à vista da enorme facilidade que o PT teve para arrecadar recursos, supostamente de pessoas físicas, para o pagamento das multas aplicadas aos mensaleiros do partido. Como diria o compositor baiano, "alguma coisa está fora da ordem..." A contradição, característica de Lula, como se vê, é o principal atributo do PT.

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Câmara x STF

A maioria do STF vota contra as doações de empresas a partidos. Enquanto isso, a Câmara dos Deputados apresentará uma proposta de reforma política para incluir na Constituição a possibilidade de tais doações. Ou seja, o STF continuará dando soco em ponta de faca.

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

Grau de importância

Na verdade, não é o financiamento das campanhas políticas, mas o voto obrigatório, que fere a própria Constituição, no que tange ao livre-arbítrio do cidadão eleitor brasileiro.

ULYSSES F. NUNES JR.

ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

O 'por fora'

A doação legal das empresas é o de menos. O importante é a "doação" ilegal (propina) das empresas em cada negócio governamental fechado.

SERGIO DIAMANTY LOBO

diamanty18@gmail.com

São Paulo

PETROBRÁS

Na Argentina

Afora os casos Pasadena e Abreu e Lima, temos agora o da refinaria de San Lorenzo, este na Argentina. É escândalo atrás de escândalo, pois o sr. Lula da Silva pôs mais de 30 mil petistas lá dentro. Vão aparecer outros casos, com certeza. O primeiro foi do irmão do ex-ministro (de Lula) Franklin Martins, que ganhava comissões miliardárias mesmo sendo funcionário da própria Petrobrás. Isso vai até 2030, como dizem PT e Petrobrás, para resultados auspiciosos, como número de barris, de plataformas, etc. A empresa vai virar uma lanchonete em Campos-RJ.

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

Negócios estranhos

Muito estranhos esses negociadores da PeTrobrás. Na hora de vender na Argentina a refinaria que valia US$ 50 milhões, venderam por US$ 36 milhões; na hora de comprar nos EUA a refinaria que valia US$ 42,5 milhões, pagaram US$ 2,3 bilhões. Aí tem!

SANSÃO JOSÉ DA SILVA

sansao@sansaojsilva.com.br

Uberlândia (MG)

Renan e a CPI

A declaração do presidente do Senado de que está acima de interesses políticos, com referência ao encaminhamento à CCJ para decisão sobre a CPI da Petrobrás, é um acinte à inteligência de qualquer brasileiro minimamente informado. Mas em se tratando de Renan Calheiros (aliás, o transplante capilar deu bons resultados e ele já pode agradecer à FAB)... Ele se eximiu de decidir uma "questão de ordem" levantada pela candidata ao governo do Paraná, que também veio com a lição de casa pronta, elaborada no Planalto (espera-se que o povo paranaense leve isso em consideração em outubro). Ora, questões de ordem podem e devem ser decididas na hora e a omissão do sr. Renan atende somente aos interesses escusos do governo, que não quer abrir a caixa-preta da Petrobrás para que possamos saber dos desmandos de seus administradores, especialmente dos que foram para lá guindados apenas por interesses políticos. Portanto, o sr. presidente do Senado admita o óbvio e não venha, mais uma vez, com sua reconhecida cara de pau se fazer de santinho.

ROBERTO LUIZ PINTO E SILVA

robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

Linha auxiliar

Só faltava alguém acreditar que o "pecuarista" Renan Calheiros - que com certeza jamais entrou numa mangueira de gado - esteja no comando do Senado por outro motivo que não o de ajudar o Palácio do Planalto.

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

Ignomínia

Renan perdeu uma oportunidade de ouro para enterrar seu passado de criador de "boi-papel", ao dificultar a instalação da CPI para investigar a Petrobrás.

CAIO AUGUSTO BASTOS LUCCHESI

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

Pizza no forno

É de uma indecência e cinismo sem tamanho delegar à CCJ a decisão sobre a instalação da CPI da Petrobrás, quando a "cumpanheirada" está no comando dessa comissão. Só pode dar pizza!

CONRADO DE PAULO

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

ESCLARECIMENTO

O ministro e a consultoria

A respeito da matéria Para lembrar: Ministro deixou empresa, publicada quarta-feira (2/4), faço questão de reiterar, mais uma vez, que não houve irregularidade na minha conduta como gestor público em relação à empresa Consaúde, que sempre foi selecionada respeitando a Lei de Licitações e nunca prestou serviços aos entes públicos a que servi, conforme entendimento da Comissão de Ética da Presidência da República. Mesmo sem ter contrato vigente com nenhum governo no momento em que aceitei o convite para o cargo de ministro da Saúde, a consultoria foi inativada para evitar ataques dos que, para obter dividendos políticos e eleitorais, distorcem informações para tentar simular falhas éticas na minha trajetória como servidor público.

ARTHUR CHIORO, ministro da Saúde

Brasília

*

CERCO ÀS DOAÇÕES

O Supremo Tribunal Federal (STF) está prestes a modificar o sistema eleitoral no País, assim como a qualidade dos nossos políticos, proibindo as doações de empresas a partidos políticos e campanhas eleitorais. O único juiz que foi, até então, contrário a isso é o exótico dr. Teori Zavascki. Este ministro vota a favor do retrocesso e da volta à era medieval. Está claro que quem doa dinheiro a um partido ou a uma campanha eleitoral tem interesse em recuperá-lo por meio de benesses políticas: só não vê isso quem não quer. As doações deveriam ser feitas por pessoas físicas, cidadãos que desejam ser representados nos Poderes Legislativo e Executivo.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PEDIDO DE VISTA

A maioria dos ministros do STF votou pela proibição de doações de empresas a campanhas eleitorais e partidos políticos. O que causou estranheza foi o ministro Gilmar Mendes dizer que precisava analisar melhor o assunto, que, segundo ele, é "complexo". Ministro, analisar o que, se estamos carecas de saber que doações de empresas a campanhas políticas tornam os governos amarrados às mãos de doadores?

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

FUNERAIS DA CPI

Nos acalorados debates entre governistas e oposição para que se instalasse a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás, observa-se nitidamente que os governistas tinham certeza, como insinuou a senadora Gleisi Hoffmann, de que a aprovação passaria pelo crivo do presidente da Casa, o senador Renan Calheiros, áulico da Presidência e cujo partido, vassalo do governo, jamais exporia a gerentona a uma CPI, principalmente por estarmos em ano de eleições. A nomenclatura Senado se apequenou diante das esfarrapadas argumentações da "tropa de choque" e de Renan Calheiros mostrando que já tinha juízo formado para a sobrevida da CPI da Petrobrás: daqui não passa. Mandando o requerimento da CPI para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Renan tem certeza absoluta de que, com maioria governista naquela comissão, o nome da presidente Dilma não estará nos palanques como cúmplice de um negócio tão espúrio cuja gravidade nem a incapacidade gestora do PT ameniza. Repete-se a CPI do Cachoeira e quantas tantas a oposição tentar protocolar. Até onde iremos, Brasil?

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PARA PROFISSIONAIS

O craque Renan Calheiros deu novo nó na destrambelhada oposição. Esvaziou, desmoralizou, espatifou e humilhou a CPI da Petrobrás antes mesmo de ela iniciar os trabalhos. O jogo é para profissionais. A oposição faz de tudo para mostrar que é firme, forte e decidida. Mas tanto fervor cívico e patriótico escorre pelo ralo da incompetência. Só mesmo no Brasil a minoria política insiste em vencer batalhas com a maioria. Opositores de Dilma estavam serelepes, soltando foguetes, convencidos de que a CPI da Petrobrás nocautearia o governo. Não contavam com a máxima da vida e das disputas políticas segundo a qual o vento que bate lá também bate cá. Evidente que a base do governo não deixaria a oposição fazer o que bem entende na CPI, esmiuçando a Petrobrás, dando as cartas sob um céu de brigadeiro. Veremos então, no ringue político, de um lado, as contas da Petrobrás e, de outro, as irregularidades cabeludas denunciadas no metrô de São Paulo. Quem for podre que se quebre. O jogo é jogado, o lambari é pescado.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

RENAN, O HOMEM DO ATRASO

Com o histórico de Renan Calheiros, vocês esperavam o quê? Políticos como ele só podem atrasar este país. Vide seu Estado de origem (Alagoas), um dos mais abandonados do Brasil.

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

MAIS CLAREZA, POR FAVOR

Os oposicionistas de plantão no Congresso Nacional, sempre correndo atrás dos fatos, ameaçam com ação judicial para impor a instalação de uma CPI. E eis que o mesmo Judiciário ao qual eles vão recorrer decide que empresários não poderão fazer doações para campanha eleitorais. Nos dois casos, cabe um questionamento, ou seja, os políticos precisam agir com mais clareza e transparência, atitudes que nem todos assumem, para merecer a confiança do eleitorado. Será que isso um dia vai acontecer?

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

NÃO QUEREM A CPI MESMO

Como diria o vulgo, tem muitos gatos na tuba mesmo, porque a tropa de choque do governo, com Ricardo Berzoini à frente, agora titular da Secretaria de Relações Institucionais, em substituição a Ideli Salvatti, vai fazer de tudo para impor obstáculos e criar dificuldades às apurações que devem ser feitas no curso da CPI. A caixa preta da Petrobrás deve ter fartos escândalos, porque em quase oito anos de lulopetismo fizeram o que quiseram, sem obstáculos. Conseguiram transferir o petróleo que era nosso para eles. A oposição precisa mostrar ao povo todos os desmandos e os escândalos ocorridos, porque nunca se viu na nossa história tantos malfeitos na administração pública. A queda de sete pontos é apenas o início do fim de uma era que não vai deixar saudades e muito menos boas lembranças.

José C. de Carvalho Carneiro

carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

DESESPERO NO CONGRESSO

Nos últimos dias, a TV tem registrado imagens do comportamento desesperado dos políticos petistas na busca desesperada para evitar a CPI de "Pasadilma", que envolve de forma evidente a presidente "Criatura". Fosse num país sério, o caso seria motivo para seu impeachment, com cassação de outros e cadeia para muitos. Para "melar o jogo", eles tentam algo que só não é ridículo porque é imoral, que é tornar mista essa CPI, juntando a ela um processo que já corre na Justiça e envolve o Metrô, a CPTM, o governo tucano paulista e empresas que via suborno fizeram contratos que têm indícios de sobrefaturamento. Se quiserem colocar os tucanos na parede, que tentem criar uma CPI própria - e ela poderia ter o apelido de "CPI-Trem". Mas creio ser bobagem a preocupação petralha com a CPI e seus efeitos sobre a reeleição da presidente "Criatura", porque a maior parte de seu eleitorado é de analfabetos que não estão nem aí para tais escândalos, porque preocupam-se apenas com a esmola federal que recebem e ajuda em sua alimentação, mas vicia.

Laércio Zanini

arsene@uol.com.br

Garça

*

CPIV

Atenção, Brasil, vem aí a CPIV do imbróglio Petrobrás-Pasadena: Comissão Para Inglês Ver!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

AVALIAÇÕES, ESPECULAÇÃO E RESULTADOS

Entre a CPI da Petrobrás (oposicionista) e também às que este desgoverno se propõe a anunciar ou combater, o resultado está na apresentação mais favorável para o lado do entendimento, de ninguém mais nem nada menos, que a aprovação do dr. Renan Calheiros, que dispensa apresentações.

Flávio Cesar Pigari

flavio.pigari@gmail.com

Jales

*

NÃO LERAM O CONTRATO?

Assim como seu antecessor, que só dizia "não sei", "não vi" e "não conheço", a presidente Dilma nega, nega e nega, diz que recebeu relatório falho e incompleto sobre o processo relativo à compra da refinaria de Pasadena, nos EUA. E agora o senhor Jorge Gerdau Johannpeter - para quem não conhece, é o rei do aço, na época também membro do Conselho de Administração da Petrobrás - corroborou a versão da presidente. Enquanto isso, o diretor da Petrobrás Nestor Cerveró afirma que entregara ao conselho o contrato completo da compra da refinaria. Estranho, muito estranho, Jorge Gerdau, homem de grandes negócios, quase sempre envolvido em altas negociações, profundo conhecedor de contratos comerciais, assinar um contrato de tamanha importância com base em documento incompleto. Acorda, Brasil, acareação neles.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

ASSINOU SEM VER?

Que diferença faz, presidenta? Afinal, assinou ou não assinou?

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

MENTIU DE NOVO?

É triste ter o seu país governado por um mentiroso. E parece que a sra. Dilma está ficando craque nisso, pois o advogado de Nestor Cerveró foi explícito sobre a entrega do contrato para a aquisição do mico de Pasadena pela Petrobrás, desmentindo-a publicamente. Essa senhora deveria ser verdadeira agora, anunciando sua renúncia da Presidência da República, para o bem do Brasil. A incompetência impossível de esconder podemos "engolir", mas mentiras não é possível aceitar.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

‘MALFEITO’ É ‘MALFEITO’

Aprovar a compra de uma refinaria de petróleo de US$ 1,2 bilhão sem ler o contrato, com base em resumos incompletos, em reunião de conselho, só se o dinheiro for da Petrobrás. Alguns "malfeitos", quanto mais se tenta justificar, mais se complica.

Vagner Ricciardi

vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

A COMPRA DE PASADENA

Seguindo as instruções do "chefe", petistas são assim mesmo, quando a bomba estoura, ninguém viu nada, escutou nada, falou nada, apenas são alfabetizados para "desenhar" o nome no que fazem. Analfabeto é "imputável", essa é a lei que nossa Justiça reconhece na era Lula e para a qual o Congresso, engessado com criminosos políticos, diz amém.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

A PIOR PRESIDENTE

A presidente Dilma já explicou que não leu direito o contrato de compra da tal refinaria e, portanto, não pode ser responsabilizada pelo prejuízo bilionário que causou ao Brasil. A oposição deveria mandar uma carta de renúncia para a Dilma, que a assinaria sem ler, claro. Depois passaria o resto da vida reclamando de que foi enganada, traída, e o Brasil se veria livre da pior presidente de todos os tempos.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

VENDA PARA A PETROBRÁS

Petrobrás pagou US$ 171 milhões pelo estoque da refinaria, avaliado por consultoria por ELA contratada em US$ 6,1 milhões, ou seja, o valor pago estava 28 vezes acima do avaliado. Petrobrás, estou vendendo meu apartamento, avaliado em R$ 1 milhão, por apenas R$ 19 milhões. Negócio da China! Só 19 vezes mais que o valor da avaliação. Dilma, por favor, dá o o.k. aí!

Marcelo L. Farah

marcelolombellofarah@ibest.com.br

São Paulo

*

IMPEACHMENT NELES

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, garantiu que o Conselho de Administração da Petrobrás estava correto quando aprovou a compra da refinaria de Pasadena (Texas, Estados Unidos), em 2006. Dilma alegou outro fato, Cerveró outro, Sergio Gabrielli outro. Quem está certo? Uma CPI, se fosse séria, esclareceria o rombo? Bastaria pôr em prática o artigo 58 da Constituição. Depois do prejuízo que a Petrobrás teve, todos os responsáveis deveriam sofrer impeachment. É um absurdo tamanho prejuízo aos brasileiros e vermos um Congresso dividido em busca de holofotes e ganhos eleitoreiros.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

TEMOS GOVERNO, SIM

Dizer que este governo é acéfalo é uma inverdade. Os manifestantes contra a Comissão da Verdade na Avenida Paulista estavam todos uniformizados de vermelho e nem sabiam por que protestavam. Enquanto a deputada venezuelana Maria Corina alertava a nós e ao mundo que não podemos confiar na Unasul, os vermelhinhos uniformizados estavam ali protestando, sem saber por que, mas estavam. Não podemos falar sobre os escândalos da Petrobrás aqui e lá fora, "a presidente não havia sido informada corretamente", porque ela nada sabia. Mas como é que eles preparam os manifestantes devidamente uniformizados, para que confundam parte de nossa população durante as manifestações? É porque são muito bem dirigidos, não é?

Wilson Matiotta

loluvies@gmail.com

São Paulo

*

O PORTUGUÊS É O MÍNIMO

É fundamental o domínio, pelo menos, da Língua Portuguesa. Lugar de analfabeto é na escola. Ou na biblioteca. Jamais no Senado! A tragédia brasileira tem relações com o analfabetismo. E não enfatizo a ortografia, que é, sim, importante. Insisto mais é na língua viva, falada, ouvida, meditada em silêncio, proclamada. Instrumento de pesquisa, de descoberta, de conhecimento. Ferramenta de desenvolvimento da mente e do pensamento. De estímulo da inteligência. "Repuguína", dona Gleisi Hoffmann? E ela era a ministra-chefe da Casa Civil da "presidenta" da República? E é candidata a governadora do Estado do Paraná? Tal analfabetismo em sua idade e em seu "status" é indício de frágeis aptidões intelectuais. De débeis faculdades mentais. É imperioso que se afaste da vida pública.

Eduardo Carvalho da Silva

interguga@yahoo.com.br

São Paulo

*

REFLEXÃO E HUMILDADE

Na recente avaliação internacional que mede diferentes competências de jovens nas salas de aula (Programa Internacional de Avaliação de Alunos - Pisa), cuja metodologia e critérios podem levar a eventuais imprecisões, como costuma ocorrer em quase todas as avaliações do gênero, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostrou que o Brasil ocupa posição bastante incômoda (38.ª) entre 44 países avaliados. Na referida lista aparecem, nas três posições imediatamente acima do Brasil, Chipre (37.ª), Chile (36.ª) e Turquia (35.ª). Nas três posições imediatamente abaixo, Malásia (39.ª), Emirados Árabes (40.ª) e Montenegro (41.ª). No topo da lista temos Cingapura, Coreia do Sul e Japão, nessa ordem. Surpreendentemente, no centro da lista aparece Portugal na 24.ª posição. Imediatamente acima (23.ª, 22.ª e 21.ª) aparecem Dinamarca, Irlanda e Noruega e imediatamente abaixo (25.ª, 26.ª e 27.ª) estão Suécia, Rússia e Eslováquia. Desconsiderados eventuais e possíveis naturais desvios e distorções, temos na 24.ª posição Portugal, cuja inteligência de seus cidadãos é alvo da chacota de um país que está em 38.º na mesma lista. Muito esforço deve vir a ser feito pelos piadistas e gozadores para superarem sua humilde posição.

Mário Rubens Costa

costamar31@terra.com.br

Campinas

*

INCENTIVO À EDUCAÇÃO?

Mais uma notícia desalentadora: no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) o Brasil ficou na 38.ª posição entre 44 países avaliados. Para muitos especialistas, isso se deve à dificuldade dos estudantes na interpretação das questões, pois o Pisa exige dos alunos a capacidade de solucionar problemas da vida cotidiana que requerem conhecimentos adquiridos nas áreas de Matemática, Português e Ciências. O trágico em tudo isso é que o pesquisador e estatístico alemão Andreas Schleicher, vice-diretor de Educação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), entidade responsável pela aplicação do Pisa, disse em entrevista que "o Brasil está fazendo coisas inteligentes, como aplicar o dinheiro do petróleo e da extração de recursos naturais em educação". Como assim, se a dilapidada PeTrobrás não tem recursos para investir nem no básico? Que essa empresa gasta fortunas em propaganda e no patrocínio de esportistas conhecidos, e não prestigia aqueles anônimos carentes de ajuda, como o brasileirinho de 17anos Luis Fernando Machado Poletti Valle, que passou nos vestibulares das brasileiras USP, Unicamp, Unesp, ITA, IME e UFRJ, além das americanas Yale e Columbia, mas precisa de US$ 22 mil para completar a bolsa da universidade escolhida (Yale)?

Aparecida Dileide Gaziolla

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

FALTA RACIOCÍNIO

Mais um recorde negativo mundial cabe ao Brasil. Já perdemos as contas de quantos já atingimos. Agora foi a vez do teste de raciocínio do Pisa: num ranking de 44 países, estamos em 38.º lugar. Cabe ressaltar que tudo indica que tem sido a intenção deste governo no "pudê" há mais de 11 anos manter a população dessa forma, pois povo que não sabe raciocinar também não sabe escolher, julgar, avaliar a capacidade dos políticos para elegê-los, e assim eles conseguem se manter nos seus cargos.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

SEM RACIOCÍNIO ALGUM

Segundo o noticiário, concorrendo com dezenas de países, o Brasil fica entre os piores em testes de raciocínio de jovens em salas de aula. Cá entre nós, porque será, hein?

Maria Elisa Amaral

marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

*

HISTÓRIA MAL CONTADA

Que vergonha! O deputado federal André Vargas (PT-PR), que também é vice-presidente da Câmara dos Deputados, entre tanta versões, agora afirma que o doleiro Alberto Youssef, muito amigo dos políticos de Brasília, foi quem pagou a sua viagem a João Pessoa. Pelos cálculos de especialistas, essa viagem até a capital da Paraíba, feita, como ocorreu, num Learjet 35, não sai por menos de R$ 110 mil. E é sabido que este conhecido doleiro, que inclusive está preso (e não é a primeira vez), tem negócios firmados também com o Ministério da Saúde. Ou seja, essa ligação entre o deputado e o doleiro com o fato citado acima se torna mais suspeita ainda, e exige ampla investigação. O nosso Parlamento também deve levar o petista ao Conselho de Ética, por quebra de decoro. Porque um presente de R$ 110 mil, ou equivalente a 152 salários mínimos vigentes, não se dá a troco de nada.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

VOO CEGO DE ANDRÉ VARGAS

André Vargas, vice-presidente da Câmara dos Deputados, é aquele "parlamentar" que, tendo o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, sentado ao seu lado durante uma solenidade naquela Casa, ergueu o braço e cerrou o punho, além de comentar que gostaria de dar-lhe "uma cotovelada", desrespeitando-o com sua atitude deplorável, numa clara manifestação de apoio aos seus companheiros mensaleiros condenados no STF. Não saber se comportar durante uma solenidade naquela Casa é carência de civilidade, suscetível a punição por falta de decoro parlamentar. Entretanto, tudo ficou por isso mesmo. Agora surge a informação da proximidade do "ilustre" deputado com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava a Jato, que investiga um esquema de lavagem de dinheiro. A nova informação dá conta de que o deputado usou um avião cedido por Youssef para fazer uma viagem a João Pessoa, na Paraíba (2/4, A6). Tendo sido divulgado o seu relacionamento com o doleiro, Vargas disse que não cometeu nenhuma irregularidade. O líder do PT na Câmara, Vicentinho, bateu palmas. O deputado, assim como outros colegas seus, é mais um político que desconhece o ritual do cargo que ocupa na Casa legislativa ou, se conhece, despreza-o deliberadamente. Não é assim que procede um representante do povo. Quem o elegeu não o colocou lá para fazer besteira.

Alvaro Salvi

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

DEBOCHE

As notas explicativas do inexplicável, emitidas pelo deputado André Vargas, vice-presidente da Câmara federal, a respeito de sua viagem "grátis" no jatinho do doleiro corrupto preso, Alberto Youssef, são um escárnio e um deboche à inteligência do cidadão brasileiro. Por baixo desta viagem tem muita podridão e muito roubo de dinheiro público, com toda certeza.

Fabio Mello Fontes

fmfontes@globo.com

Santos

*

AÇÃO DE GRAÇAS

A essa altura, Renan Calheiros já deve ter mandado rezar uma missa de ação de graças por ter sido "pego" nas asas da FAB, e não nas turbinas do jatinho do doleiro.

Claudio Juchem

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

NÃO HÁ OUTRA CONCLUSÃO

Que o deputado petista André Vargas é uma pessoa desqualificada todos nós já sabíamos. Basta lembrar o seu ridículo e vergonhoso gesto na abertura das atividades do Congresso deste ano, aproveitando-se da proximidade do ilustre ministro Joaquim Barbosa para conseguir ser notícia de primeira página de jornal. Agora descobrimos que ele também é corrupto. Sua ligação íntima com o doleiro criminoso Alberto Youssef, que foi preso na Operação Lava a Jato, tão íntima que permite ao deputado usar um jatinho do doleiro para viagem de férias, não nos dá margem para qualquer outra avaliação.

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

FOLHA DE PAGAMENTO

Que moral tem o deputado petista André Vargas num ato insano ao levantar o braço com o punho cerrado - como os seus amigos presos - afrontando o ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo, no início do ano, se agora ele usa o avião do doleiro Alberto Youssef (preso) para fazer turismo, porque o seu salário de mais ou menos R$ 200 mil (fora as maracutaias) não é o suficiente para pegar um voo comercial? Tem gente na folha de pagamento do doleiro... Eu não sou.

Hélio José Cury

heliocury@gmail.com

São Paulo

*

SEMPRE UMA ‘BOQUINHA’

O deputado André Vargas, vice-presidente da Câmara federal, um político experiente, não sabe que não fica bem receber certas "gentilezas" de empresários, pois, além de ser antiético e amoral, o "troco" pode sair bem caro? Será que não conhece a célebre expressão cunhada por Milton Friedman, de que "não existe almoço grátis"? Ou será que sabe tão somente afrontar o ministro Joaquim Barbosa?

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

COLLOR É CAFÉ COM LEITE

Por muito, mais muito menos do que está acontecendo hoje no Brasil, depuseram Collor de Mello. Cadê nossos verdadeiros "caras-pintadas"?

Alessandro Lucchesi

timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

‘DESTRUINDO O ESTADO BRASILEIRO’

Com relação ao excelente artigo de Everardo Maciel, "Destruindo o Estado brasileiro" (3/4, B2), faltou o autor lembrar que, para incentivar (ou premiar) a destruição, o funcionalismo público ganha, anualmente, um feriado só seu, o "Dia do Funcionário Público", em 28 de outubro, data em que a iniciativa privada trabalha normalmente.

Sérgio Avancine

sergioavancine@uol.com.br

Brasília

*

SOS ÀS NOSSAS INSTITUIÇÕES!

Alarmante, mas sobretudo realista, o depoimento do sr. Everaldo Maciel no seu "Destruindo o Estado brasileiro" (3/4, B2). Diante do criminoso desmanche das nossas instituições (estatais, agências e tribunais), os candidatos da oposição, se vitoriosos em outubro, não terão outras alternativas. Ou privatizam o que for possível ou colocam nas mãos do Estado o que lhe pertence. Vão, claro, contar com a oposição de políticos desonestos e de falsos representantes dos empregados, mas terão a imensa gratidão das pessoas de bem deste país. Exemplos de como blindar o Estado da ação de políticos e governos inescrupulosos não faltam no mundo civilizado, sejam eles capitalistas ou socialistas.

Nilson Otávio de Oliveira

noo@uol.com.br

Valinhos

*

‘SAMBA DO AVIÃO’

Pela milionésima vez Dilma Rousseff pisou na bola. Segundo ela, o "Samba do Avião", do genial Tom Jobim, foi composto em homenagem aos exilados pela revolução de 1964. Ocorre que a música foi gravada em 1962 pelo grupo Os Cariocas. Que Dilma é despreparada e incompetente é notório, mas nem bem informada ela consegue ser.

Leão Machado Neto

lneto@uol.com.br

São Paulo

*

AVIÃO

Dilma citou o "Samba do Avião", de Tom Jobim, para falar dos exilados da "ditadura" (que em Campinas só elegeu prefeitos do MDB, vejam só). Ao ver tanta bandalheira sobre o mensalão, refinaria da Petrobrás e deputado petista envolvido com doleiro, melhor eu ir ao Galeão, pegar esse avião e ir embora para minha segunda pátria, a Inglaterra!

Marcelo Cioti

marcelo.cioti@gmail.com

Atibaia

*

O CHORO DE DILMA ROUSSEFF

Dona Dilma, depois de acompanhar os quase quatro anos de seu governo, sabendo do seu passado truculento, ouvindo seus discursos e a sua dificuldade em se expressar, já me acostumava com a ideia de estar sendo governado por um robô. Mas não. Meus sentimentos.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

TERRA DA INTERROGAÇÃO

Comissão da Verdade pressiona as Forças Armadas com o fito de apurar violações de direitos humanos na ditadura. Engraçado, não dizem que quem vive de passado é museu? Por que não empenhar esforços no sentido de coibir a corrupção que assola os Três Poderes do Brasil? Deixar na forma que está também não é uma grave violência aos direitos dos humanos e que pagam seus impostos? Brasil, terra da interrogação e do descaramento.

Luiz Felipe D. Farah

felipefarah@gmail.com

São Paulo

*

‘IRREDUTIVELMENTE LIBERAL’

Agradeço pela honrosa menção de meu livro na matéria "‘Estado’ rompeu com regime após cancelamento de eleições", de José Maria Mayrink, publicada no domingo no caderno especial sobre 1964 (página H12). O título correto da obra, no entanto, é "Irredutivelmente liberal: política e cultura na trajetória de Júlio de Mesquita Filho".

Roberto Salone

robertosalone@yahoo.com.br

Chambésy, Suíça

*

CARANDIRU

Após longos e ineptos anos, chegou ao fim o julgamento do maior massacre em penitenciárias do País de todos os tempos: o Carandiru. Ficam a certeza e a marca indelével da nossa Justiça, injusta, inepta, morosa, ineficiente. E o resultado demonstra ainda que, apesar das condenações dos militares - que se excederam, sim -, eles não foram e não agiram sozinhos, e, sim, foram mandados pelos seus superiores hierárquicos à época: o secretário de Segurança Pedro Franco de Campos e o governador Luiz Antonio Fleury Filho, que estão lépidos e soltos como passarinhos.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

ANÁLISE NO JORNAL

Raramente se veem tantos disparates como no artigo assinado por cinco pesquisadores do Núcleo de Estudos sobre o Crime da FGV a propósito de suposta continuidade da repressão do Estado após a violenta ação da PM no Carandiru em 1992 (3/4, A18). Essa não foi "a maior violação de direitos humanos de cidadãos sob custódia do Estado no mundo". Todo ano morrem pelo menos cinco vezes mais presos nos presídios brasileiros - portanto, sob custódia do Estado - do que os mortos do Carandiru naquela operação. Também é grosseira a análise de que o Estado brasileiro vem adotando uma "eloquente política de encarceramento em massa da população pobre e negra", uma vez que a polícia não pode deixar de prender ao surpreender quem quer que seja - preto ou branco, pobre ou rico - cometendo crime, nem a Justiça pode deixar de condená-los. É um excesso retórico também referir-se aos 500 mil presos existentes no Brasil como constituídos por cidadãos e cidadãs, designação reservada aos que usufruem "conjunto de direitos que dá pessoa a possibilidade de participar ativamente da vida e do governo de seu povo", conceito do respeitado jurista Dalmo Dalari.

José Vicente da Silva Filho

jvs.consult@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.