Fórum dos Leitores

CPI DA PETROBRÁS

O Estado de S.Paulo

05 Abril 2014 | 02h08

Tumultuar

Ricardo Berzoini, o recém-empossado ministro da Secretaria de Relações Institucionais (para que serve isso?), disse que "a oposição só quer tumultuar". Imaginem o que o PT faria se algo como a lambança na Petrobrás, para usar um eufemismo, ocorresse no governo de Fernando Henrique Cardoso.

DIVA A. ANDRADE MAZBOUH

diva.am@uol.com.br

São Paulo

Disso eles entendem

"A oposição só quer tumultuar", assim falou o ministro Ricardo Berzoini, aquele que perseguiu os velhinhos, mandando-os ao INSS para recadastramento, ou chamado pelo chefe de "aloprado", ou o golpista da Bancoop. De posse desse belo currículo, esse ilustre deve saber bem o que é oposição que tumultua, já que ele e seus companheiros fizeram isso durante toda a vida, não?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Justificativas pueris

Ricardo Berzoini começa o seu mandato como ministro da Secretaria das Relações Institucionais alegando intenção de tumulto da oposição quanto à CPI da Petrobrás. Suas pueris justificativas quanto à aquisição da refinaria de Pasadena mostram seu absoluto desconhecimento sobre negócios extremamente sofisticados com instalações petrolíferas, igualando-as à compra de um bem qualquer. Alega o ministro de que "não houve essa diferença tão grande quanto se fala entre o valor original e o valor pago porque são valores incomparáveis"; primeiro, porque "os preços desses ativos variam de acordo com a conjuntura"; segundo, porque "não se contabilizaram estoques e os investimentos entre a compra original da Astra" - proprietária anterior da refinaria no Texas - "e a compra pela Petrobrás"; e a campeã tem ainda "uma série de questões que têm a ver com a demanda por refino de petróleo em cada período", reconhecendo milagrosamente que, se alguma cláusula não for explicitada, o será pela Polícia Federal e pelo Ministério Público. É mais um petista a julgar-nos idiotas, limitando-se a descrever o que não consegue explicar. E assim o PT abjura tudo o que pregava em matéria de CPIs, quando vê as consequências da fraude nas eleições.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

Questão pertinente

Da entrevista do agora ministro Ricardo Berzoini, é de perguntar se a Petrobrás não é a mesma do afundamento da plataforma P-36 e da compra da refinaria de Pasadena. Teria mudado a estrutura organizacional? Por que jogar nas costas de FHC o afundamento e não jogar nas costas de Dilma Rousseff o escandaloso caso de Pasadena?

ÉDEN A. SANTOS

edensantos@uol.com.br

São Paulo

O ideal

O novo (?) coordenador político do governo, ministro Ricardo Berzoini, também declarou - ao melhor estilo da desfaçatez petista - que "o ideal é não fazer uma CPI eleitoreira". Não, o ministro não desmereça a sensibilidade, a escolaridade e a inteligência alheias. O ideal é não roubar e não levantar falso testemunho (faltar à verdade), que estão há séculos nos Dez Mandamentos.

LUIZ SÉRGIO SILVEIRA COSTA

lsergio22@gmail.com

Rio de Janeiro

Uma mão lava a outra

O presidente do Senado, Renan Calheiros, numa manobra que desonra o Parlamento nacional, encaminhou o pedido da CPI sobre a Petrobrás para a Comissão de Constituição e Justiça da Casa. Seu único objetivo, a pedido do governo, é embaralhar o meio de campo e tentar criar outras CPIs para investigar obras dos governos da oposição ou, de preferência, uma única comissão para investigar tudo, que já está sendo tratada indevidamente como combo. A manobra, entenda-se, deve-se a que as acusações envolvendo a Petrobrás nas gestões petistas muito provavelmente atingirão não só a presidente Dilma, como o ex-presidente Lula, já que foi na gestão dele que a estatal adquiriu a refinaria de Pasadena. E, por evidente, logo aflora em nossa memória o episódio em que o senador Renan, quando na iminência de ter seu mandato cassado por quebra de decoro parlamentar, foi salvo pelo PT, tendo à frente o então senador Aloizio Mercadante. Aliás, o PT perdeu a dignidade e traiu seus princípios quando se uniu aos velhos coronéis do Nordeste em nome do que chama governabilidade. Agora chegou a hora de Renan devolver a gentileza e procurar tirar o PT da enrascada homérica em que a presidente o pôs. Assim, uma mão lava a outra e ambas estrangulam a democracia.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

MENSALEIRO GENOINO

Aposentadoria negada

José Genoino, o mensaleiro, teve seu pedido de aposentadoria por invalidez negado pela Câmara dos Deputados, junta médica concluiu que sua cardiopatia não é grave. Há muitos brasileiros vivendo com doenças cardíacas mais graves e continuam trabalhando. Quando entram com pedido de aposentadoria levam um não na cara. Já que a doença de Genoino não é grave, por que cumprir pena em domicílio? A justiça precisa ser feita por completo, e não pela metade.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Inferno astral

Genoino, que por enquanto cumpre sua condenação em regime domiciliar, agora, no curso de seu inferno astral, teve negado pedido de aposentadoria por invalidez. Assim corre sério risco de o STF decidir nos próximos dias que volte à prisão e cumpra trancafiado sua merecida pena. Com a prerrogativa, já que não é inválido e foi contemplado com regime semiaberto, de poder solicitar ao Supremo permissão para trabalhar. Aí, sim, poderá todos os dias, ao sair da cadeia em razão de uma atividade profissional qualquer, levantar o punho comemorando sua meia liberdade. Essa é mais uma triste história de um membro da cúpula do PT que demonstra muito bem a afinidade do partido com ações ilícitas e perniciosas para o País.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.coam

São Carlos

Enganação

A Justiça quase sempre é cega. Mas no caso de Genoino a coisa foi normal? O petista, quando se apresentou para ser preso, parecia um Hércules, com aquele braço levantado. Depois, claro, decerto com a dica de algum canalha, ficou doente repentinamente e ainda queria aposentadoria por invalidez, sem nunca ter feito nada? Tem mais é que ficar em cana e se mancar. O PT é useiro e vezeiro em enganar.

ASDRUBAL GOBENATI

asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

  _______________________________________      

ROUBADA

 

Deixar a formação da Comissão

Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás na mão de Renan Calheiros foi literalmente uma roubada. Permitir que o presidente do Senado decidisse sobre esse assunto, que vai direto de encontro aos anseios da sua quadrilha, foi perda de tempo, prejuízo ao País e motivo de muita irritação com o tamanho da pizza que no fim será oferecida à população. A roubalheira do PT na Petrobrás é caso de polícia! Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo  

 

*

OUTRO GOLPE DO PLANALTO

 

Utilizando-se do serviçal presidente do Senado, Renan Calheiros - e só Deus sabe a que custo -, a tropa de Dilma Rousseff conseguiu que o alagoano deixasse de sacramentar a CPI da Petrobrás, que é de sua prerrogativa, preferindo enviar para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a decisão de autorizar ou não a instalação da CPI. E nesta comissão, tendo o governo esmagadora maioria, certamente ele vai sufocar a oposição, que finalmente acordou, conseguindo até assinaturas da base aliada para a instalação da improrrogável CPI.  Renan Calheiros covardemente lavou suas mãos, as mesmas que já sujou por diversas vezes em troca de benesses vis de empresas fornecedoras do governo. E fugiu da raia, como um parlamentar eleito pelo povo jamais deveria fazer. Se para o presidente do Senado não lhe faz nenhuma diferença investigar a corrupção nas nossas estatais, no caso atual a Petrobrás, para os petistas do Planalto do Planalto, comandado por Dilma, muito menos ainda. Mesmo porque o estrondoso escândalo da compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, só ocorreu porque Dilma assim autorizou. Portanto, a presidente é cúmplice direta de um dos maiores desvios de recursos públicos da história deste país. Provavelmente até maior do que o do mensalão de Lula. Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos  

 

*

OS CABELOS DE RENAN

 

Como contribuinte, fiquei contentíssimo ao ver na TV o bom resultado do implante capilar de Renan Calheiros. Afinal, todos nós pagamos compulsoriamente essa empreitada. Já o problema da criação das tais CPIs da Petrobrás ou dos trens, como sempre não vão resultar em nada, já que nossos nobres parlamentares todos têm os respectivos rabos bem presos.

 

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

 

*

VERGONHA NACIONAL

 

Realmente, o que foi visto na tarde de quarta-feira no Senado foi de dar nojo até nos mais saudáveis estômagos - no meu caso, tive de tomar um Omeprazol. Vimos a tática da guerrilheira treinada em Cuba posta em pratica por canalhas da pior espécie para melar a CPI. Essa coisa medonha, indecente, pornográfica praticada sem a menor vergonha nos dá a certeza de que não é apenas incompetência de gestão, existe algo de muito grave nas entrelinhas do escândalo, que logo será descoberto em investigações isentas de pressões do governo. Tenho convicção de que o Brasil não vai suportar mais quatro anos deste governo e que, no final, não só a Petrobrás, mas também o Brasil estará valendo somente R$ 1,99, como a lojinha falida em 1996.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim  

 

*

CPI

 

Quanto custa para nós, brasileiros pagadores de impostos (cujo retorno em benefício continua não acontecendo), evitarmos uma CPI? Jamais saberemos com exatidão.

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru  

 

*

CPIZZA

 

A base aliada da presidente Dilma protocolou no Congresso Nacional o pedido de instalação de uma CPI mista. Vem aí a CPIzza combo, mezzo PeTrobrás, mezzo oposição. Haja estômago! J. S. Decol  decoljs@globo.com

São Paulo  

 

*

DITADURA DA MAIORIA

 

Impondo sua própria CPI, o governo monta estratégia para blindar a Petrobrás, dando uma banana para a minoria oposicionista, órfã de paternidade constitucional. Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)   *

AINDA NÃO É O FUNDO A Nação reza para que já estejamos no fundo do poço. A governabilidade lulopetista crê que dá prá cair mais.

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo  

 

 *

CRÍTICO DA ESTATAL

 

 Imagine se Paulo Francis estivesse vivo, quantas polêmicas inteligentes, fundamentadas pela informação, estaria criando. Paulo Francis foi um grande brasileiro. Faz muita falta. Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com

São Paulo  

 

 *

NUM GRANDE NEGÓCIO, O RESUMO BASTA?

 

Agora a discussão do imbróglio da refinaria de Pasadena gira em torno da documentação completa sobre a compra da refinaria - entregue ou não com antecedência aos conselheiros da Petrobrás. Alguns conselheiros vieram a público para desmentir versão apresentada pelo advogado de Nestor Cerveró - funcionário apontando pela presidente/petista como responsável por um resumo “falho” - dando conta de que os conselheiros receberam o relatório completo 15 dias antes da reunião que decidiria a compra. Então seria o caso de perguntar a esses conselheiros e aos demais, incluindo a então presidente do conselho, sobre o motivo de não pedirem vista de toda a documentação antes de decidirem a respeito de assunto tão importante - negócio superior a US$ 1,3 bilhão. Manifestamente foram negligentes, quiçá omissos, neste caso, dolosamente! Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)  

 

*

DILMA DESMENTIDA

 

A presidente Dilma é ímproba, conforme a Lei de Improbidade Administrativa, e tem de pagar pela omissão. A história, sempre, se repete - e a corda estoura sempre para o lado do mais fraco. Cerveró não se calou. CPI já!

 

Andre Luiz Jacoia andrejacoia@gmail.com

Santana de Parnaíba 

 

*

A SOLUÇÃO PARA PASADENA

 

Não tem jeito, a Petrobrás dançou. Porém, pelo que me consta, ainda é a dona da refinaria. Então deve operá-la. Sugiro, então, que demita todos os empregados que lá estão e leve para operá-la os sindicalistas que estão encostados nos sindicatos dos petroleiros. Para a administração, mande todos os “aspones” petistas encostados. E para o conselho de administração, todos aqueles que acharam que fizeram um bom negócio. Quem sabe ela poderá ainda dar lucros (rs)? Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro  

 

 *

‘EU NÃO SABIA’

 

A frase “eu não sabia de nada” já fez escola. Do autor, Lula, passando pela presidente Dilma e, agora, pela sra. Graça Foster, presidente da Petrobrás: “Eu não sabia de nada, mas, se soubesse, não teria permitido” ainda vai acabar sendo incluída no Código Penal como mais uma das atenuantes. Arcangelo Sforcin arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo  

 

*

MAIS UM MAU NEGÓCIO

 

Mais uma investigação contra a Petrobrás, desta vez na Argentina, por evasão de divisas na venda da refinaria de San Lorenzo para o Grupo Oil Combustibles, controlado por amigo e financiador da presidente Cristina Kirchner. Nas mãos dos petistas, nossa empresa foi vítima de Evo Morales, da Bolívia, desapropriando refinaria a preço de banana e justificada a ação pelo então presidente Lula (“eles são tão pobrezinhos”); sofreu com a PDVSA, da Venezuela, em que, com os 40% de participação na Refinaria Abreu e Lima, a dívida não foi nem será cobrada; e agora a mutreta com “los hermanos”. Estas são algumas das generosidades do PT efetuadas com dinheiro do povo brasileiro, os pagadores de impostos, em nome do socialismo bolivariano do século 21. Diante das mais absurdas manifestações dos próprios em defesa de suas próprias ações, não fica difícil admitir que o que lhes falta em imaginação excede em obediência irrestrita ao desesperado partido, diante das eleições que se aproximam.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo  

 

 *

PRIVATIZAÇÃO EM BENEFÍCIO DO PT

 

Sabemos agora por que os petistas, nas campanhas eleitorais, falavam tanto, sempre de forma virulenta, contra a privatização da Petrobrás. Aliás, privatização que ninguém pedia, diga-se de passagem. Está explicado: a petroleira, que era do Brasil, há mais de dez anos pertence ao PT e deu prejuízo, como sói acontecer em toda administração petista. Sua incapacidade de gestão é flagrante. Vejamos como exemplo o caso Bancoop. Vejamos o andamento de projetos como a Refinaria Abreu e Lima, a transposição do Rio São Francisco, a Ferrovia Norte-Sul, o trem-bala, o gás de Urucu/Juruá/Manaus, o pré-sal, etc., etc. Obras anunciadas com alarde há dez anos e, até agora, nenhuma foi concluída. A Petrobrás estava pronta e a estão destruindo. Lamentavelmente, o grande prejuízo da empresa também ainda não está concluído, mas qualquer que seja o tamanho será socializado e pago por todos os brasileiros.

 

Sansão José da Silva sansao@sansaojsilva.com.br

Uberlândia (MG)

 

  *

TROPA DE CHOQUE

 

Do alto de sua ilibada moral, ética e honestidade, o brucutu Ricardo Berzoini diz, em entrevista ao “Estadão” (numa lamentável perda de tempo da repórter e desperdício de papel para tanto), que “a oposição só quer tumultuar” e que uma CPI sobre a Petrobrás faz parte da estratégia “eleitoreira” da oposição. Diz ainda que o (des)governo não tem medo da CPI. Contestando o “bancoopeiro”: o que fazia seu partido, ou melhor, sua quadrilha, quando era oposição, se não tumultuar tudo e todos? Se Dilma não tem medo da investigação, por que convocar uma tropa de choque para blindar a empresa e a referida figura, guindando-se ao cargo de seu defensor-mor este senhor? Desde quando a quadrilha instalada no poder é de vestais? Para mim fica cada vez mais evidente que arrogância, prepotência, ignorância, desonestidade e imoralidade fazem parte da carga genética dos petistas. Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo  

 

*

ERA A GRANDE ESPERANÇA

 

O artigo de Aloisio de Toledo Cesar (“Estadão”, 2/4, A2), com o título “Lula enganou a si próprio ou a nós?”, é de uma crueza estarrecedora, posto que nos dá uma real e esclarecedora visão da calamidade na qual se tornou este governo de Dilma Rousseff. Não há como não supor que há uma grande decepção de considerável parcela da população brasileira, que deve ter começado a partir do final do primeiro mandado do senhor Lula. Decepção essa que, de lá para cá, só aumentou. José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo  

 

*

UMA NOVA ‘CARTA AO POVO BRASILEIRO’

 

Diante do esclarecedor artigo de Aloísio Toledo Cesar de 2/4 no “Estadão”, a propósito das “pessoas, de baixa escolaridade, (que) não estão nem um pouco preocupadas com o escândalo do mensalão nem com o progressivo desmanche da Petrobras”, pergunto: não seria essencial uma nova “Carta ao Povo Brasileiro”, agora remetida pelo candidato do PSDB (minha preferência) aos beneficiários do Bolsa Família, garantindo a eles que o novo governo não irá mudar em nada seus benefícios? Para Lula funcionou para acalmar o mercado em 2002. Também está na hora de a oposição “fazer o diabo” para tirar o País das mãos do PT. Antonio de Pádua Cruz antoniopadcz@gmail.com

Ituverava  

 

*

IMPEACHMENT

 

Por muito, muito menos do que vem sendo noticiado há quase dez anos sobre os “feitos” do PT no poder, em 1992 os presidentes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), pomposamente e sob os focos das câmeras de TV ali presentes, foram ao Congresso Nacional pedir o impeachment do presidente livremente escolhido pelo povo brasileiro nas urnas em 1989. E agora? Maria A. Gamba mariaaparecidagamba@gmail.com

Garça

        

        

*

PETROBRÁS E TRENS DE SP

 

A corrupção deve ser combatida de forma até ostensiva, se necessário. E com atitudes coerentes. Não dá para aceitar, por exemplo, agressividade apenas contra uma pessoa ou um partido político, quando situações idênticas de outros partidos são colocadas para debaixo do tapete. Ou as denúncias sobre as obras do Metrô e da CPTM não têm sustentação? E por que não se toca no assunto com a mesma veemência? Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos  

 

*

PAÍS RICO

 

Já tivemos “Brasil, um país para todos” e temos “Brasil, país rico é país sem pobreza”. Que partido adotará nesta eleição o slogan: “Brasil, país rico é país sem corrupção”?

 

Julio Walder Julio.walder@gmail.com

Santos  

 

*

O PODER DA SOCIEDADE

 

 Respondendo a Washington Novaes (“Que poder real tem a sociedade?”, 4/4, A2): depende do grau de sua consciência de valores. Uma sociedade - a alemã - impõe a renúncia de cargo de ministro e a perda de mandato de quem “colou” no trabalho de doutorado, pois então não merece a confiança que o cargo requer. Impõe também a saída da geração nuclear e a mudança da matriz energética. Outra sociedade convive com falsificações da contabilidade pública, mentiras da presidente, lorotas de ministro das finanças, manobras do governo para impedir averiguações de escandalosa depredação de empresas estatais e de improbidade administrativa, e assim por adiante, em lista infindável, incluindo a interferência no julgamento do mensalão, como se fossem acontecimentos “normais” no seu governo. O articulista e a mídia conseguiriam despertar a sociedade desta inação?

 

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo  

 

 *

A PESQUISA DO IPEA

 

 O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ao admitir erro no porcentual apresentado na pesquisa sobre estupros no Brasil (trocou 26% por 65%), foi quem ficou de “saia justa e apertada”, pondo tudo à mostra. Um “instituto” pouco aplicado. José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava  

 

 *

MULHERES SÃO INOCENTES

 

Ipea admite erro: são só 26%, e não 65%... Que bom, a mulherada pode mostrar o corpo sem medo! Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo  

 

*

PESQUISAS DESACREDITADAS

 

Depois do escândalo envolvendo o erro crasso do Ipea quanto à pesquisa relativa ao estupro feminino, é de perguntar: será que Dilma está mesmo na frente da corrida presidencial? Será mesmo que “195%” dos brasileiros acham que os governos petistas foram e são o verdadeiro “milagre da criação do mundo”? Tudo merece revisão. Credibilidade nota zero. Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz  

 

 *

O FATÍDICO ITAQUERÃO

 

Eu sou torcedor do Corinthians, mas qualquer paulistano de bom senso sabe que o correto teria sido escolher o estádio do Morumbi para a abertura dessa inoportuna Copa da Fifa no Brasil. E não se trata de uma crítica ao clube, que tinha como projeto a construção de um estádio para 45 mil torcedores, mas às nossas autoridades. Por insistência delas, o estádio foi escolhido, com a construção de um “puxadinho” para poder atender às exigências da Fifa. Foi uma decisão totalmente antieconômica e demagógica. Nada, mas nada mesmo, justifica as mortes ocorridas na construção do estádio Itaquerão, e muito menos a da semana passada, de um jovem operário vitimado pela criminosa falta de segurança na obra. Logo que ouvi a notícia, como engenheiro, tive a certeza de um crime culposo, pois a falha na segurança do trabalho era a única conclusão cabível. Obviamente, foi motivada pela pressa em recuperar o atraso, apesar das afirmações dos responsáveis por aquele que denominaram de acidente trágico. E o superintendente regional do Ministério do Trabalho em São Paulo, o sindicalista Luiz Antonio de Medeiros, conhecido de todos nós, declarou à “Folha de S. Paulo” estar fazendo de conta que não vê problemas na obra. “Se não fosse estádio da Copa, já teria sido interditado.” E pergunto, interditou só depois do acidente por quê? Lógico que, pela sua declaração, cabe-lhe culpa também na morte do operário. E ainda temos de ouvir o presidente da Fifa dizer, com razão, que “teve um acidente com uma pessoa que faleceu, mas quando se trabalha numa construção de dois ou mais metros é preciso ter a responsabilidade de dar segurança aos trabalhadores, e eles não fizeram isso”. Eu sei que a engenharia brasileira tem essa responsabilidade e todo engenheiro tem obrigação de respeitá-la. Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

  *

MP AMEAÇA INTERDITAR ITAQUERÃO

 

Puro fogo de palha, o Ministério Público interditará coisa nenhuma, seria mais fácil uma vaca voar. O Itaquerão faz parte da campanha eleitoral de Dilma Rousseff. Quanto ao povo, pobre povo, mesmo tendo algum familiar morrendo por falta de assistência médica e jogado em algum corredor de hospital público, quer mais é gritar “gol” e “viva  o Brasil”. Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo  

 

*

INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

 

Não pretendo analisar aqui o lamentável acidente que custou a vida do trabalhador Fábio Hamilton da Cruz, porque o fato já foi comentado de maneira apropriada por vários leitores do “Estadão”. Vou formular, neste espaço, minha opinião sobre as “instalações provisórias” propriamente ditas, geralmente utilizadas em eventos de pequeno porte e curta duração, como os palcos para apresentação de shows, desfiles, datas comemorativas

e por aí vai, posteriormente reaproveitadas para instalações com as mesmas finalidades. Este não é o caso das arquibancadas provisórias do Itaquerão, com capacidade para 20 mil assentos, completando assim os 60 mil lugares exigidos pela Fifa e que servirão para apenas seis jogos da Copa do Mundo. Em caso da desmontagem dessas estruturas depois da Copa, dificilmente elas poderão ser reaproveitadas e acabarão virando sucata.

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo  

 

 *

DA VENEZUELA AO BRASIL

 

Pobre deputada venezuelana María Corina, cassada pelo governo autoritário de Nicolás Maduro. Imbuída das melhores intenções, Corina achou que a presidente Dilma Rousseff iria dar uma força a ela e assim ficar contra a tropa de choque chavista. Dilma está mais suja do que pau de galinheiro depois dos escândalos revelados na Petrobrás, vem fazendo um governo pífio, está em constante guerra com sua base aliada e precisando recorrer a tropa de choque em seu próprio governo. O governo brasileiro está muito parecido com o governo da Venezuela, e por isso apoia a violência aos direitos dos cidadãos daquele país. O Brasil é cúmplice da Venezuela, aqui também quem é contra o governo, em especial ao PT, é esmagado, perseguido e ameaçado. Os meios de comunicação que o digam. O medo começa a rondar os muros da democracia brasileira. Já tomaram o Executivo e o Judiciário, falta apenas o Congresso, essa a parte mais fácil, pois lá os sujeitos são venais.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo  

 

*

PARECE MEDO

 

As indústrias brasileiras cancelaram exportações à Venezuela por falta de pagamento. A população de lá está entregue hoje às quilométricas filas para comprar produtos básicos, a exemplo de Cuba. A polícia do presidente Maduro e partidários batem em e matam opositores. Enquanto isso, no Brasil, a deputada venezuelana María Corina, de oposição, que nos visitou pedindo socorro para a preservação da democracia na Venezuela, não teve guarida nos braços de nossa “democrata presidenta”. Não é possível o silêncio do governo brasileiro com relação aos abusos antidemocráticos ocorridos na Venezuela. Será que tanto Venezuela quanto Cuba se transformaram em “paraíso fiscal” para essa turma do governo? Só isso para justificar tamanha subserviência. Parece medo! Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

MARÍA CORINA Volta de mãos vazias à Venezuela a deputada golpista que esperava apoio brasileiro para a derrubada de um presidente legitimamente eleito, apoiado pelo menos por metade da população.

 

Tibor Rabóczkay trabocka@hotmail.com

São Paulo  

*

DAVI E GOLIAS

 

Como podemos acreditar na autenticidade do repúdio expresso à exaustão contra a ditadura militar no poder por 21 anos aqui, no Brasil, com tanta veemência especialmente por políticos do PT e por todos aqueles que se opuseram ao regime autoritário, se o governo brasileiro se recusa a condenar com firmeza as graves violações dos direitos humanos perpetrados pelo presidente Nicolás Maduro, na vizinha Venezuela? A deputada María Corina, líder oposicionista venezuelana, expôs no Senado brasileiro, para quem queira ouvir, as graves violações  perpetradas pelo regime chavista. Mas a presidenta e seu chanceler fazem ouvidos moucos. Por acaso, dona Dilma não vive tirando dividendos políticos como vítima que foi, ela mesma, de um regime ditatorial que agora está sendo exaustivamente remexido por uma “Comissão da Verdade”? Como vamos poder acreditar nas intenções desta “comissão”, se todas as torturas e mortes ocorrendo naquele país vizinho vêm sendo solenemente ignoradas aqui mesmo, em nosso país? O silêncio do chanceler, representante oficial da posição do Brasil, só nos envergonha diante do pedido de socorro da deputada para que nosso governo se coloque com firmeza contra os abusos autoritários, torturas e mortes perpetradas pelo poder de Maduro contra o justo direito do povo venezuelano de expressar livre e democraticamente seus anseios por um futuro melhor. É absurdo e incoerente por parte do governo brasileiro defender um “diálogo” que ele sabe impossível,  pois o que se impõe é uma luta desigual,  do mais forte contra os mais fracos. Mas recordemos da parábola da luta de Davi contra Golias e guardemos na memória que aqueles que desejam impor seu poder a qualquer custo acabam mais cedo ou mais tarde perdendo a força, até porque não há moral que os sustente por tempo indefinido.

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo  

 

 *

SINAL

 

Pelo andar da carruagem, a Venezuela de hoje é o Brasil de amanhã. Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo  

 

 *

INCOERÊNCIA Se o Paraguai foi suspenso do Mercosul por alegada falta de oportunidade de defesa, cassação sumária a Lugo, para ter um mínimo de coerência neste “balaio de gatos” que é o Mercosul, suspenda-se a Venezuela pela cassação também sumária da deputada venezuelana María Corina Machado, a quem não foi dada a menor oportunidade de defesa. Onde está a coerência, dona Dilma? Punir “cumpanheiros” Lula não te permite? Alexandre Lebedenko alexandre.lebedenko@gmail.com

Presidente Prudente

 

  *

DESAPROPRIAÇÕES NA VENEZUELA

 

Sobre as novas desapropriações na Venezuela, o Brasil poderia exportar a nossa invenção que são os precatórios, isto é, nunca precisam ser pagos. Gastão Paolillo mpmvende@hotmail.com

Carapicuíba

  *

PREFEITURA DE SÃO PAULO

 

 Coincidência ou não, pelo fato de Fernando Haddad ter sido chefe de gabinete do secretário de Finanças durante a má gestão de Marta Suplicy (Martaxa), responsável pela criação das taxas de lixo e iluminação, ele comete os mesmos erros na sua administração. A cidade de São Paulo encontra-se em situação caótica, os seus habitantes vêm sofrendo com os corredores de ônibus prejudicando o trânsito, o transporte público de péssima qualidade, o lixo esparramado pelas calçadas, ruas esburacadas, crianças das escolas públicas municipais sem receber os uniformes prometidos e ruas sem iluminação. Neste ano de eleições, os paulistas que se cuidem para não cometerem o mesmo erro, votando em candidato petista para governador, para não pagarem o preço alto que os munícipes estão pagando pela má escolha. José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo  

 

 *

TRANSCIDADANIA

 

A Prefeitura de São Paulo finaliza até o fim deste semestre um projeto batizado de Transcidadania, a iniciativa consiste em pagar um salário mínimo por mês para travestis e transexuais. A ideia é que, enquanto façam parte do projeto, as transexuais e travestis tenham acompanhamento de saúde para que possam realizar o tratamento com hormônios adequado. O projeto também pretende oferecer alternativas profissionais. Serão injetados R$ 4,5 milhões para ajudar 500 delas até 2016. Há 20 anos trabalhando com sexo, um travesti de 37 anos conta que dificilmente conseguiria ganhar os R$ 200 por dia se não fizesse programas. Então eu pergunto: 20 anos trabalhando com sexo, mais de R$ 4 mil por mês sem pensar no futuro, e agora eu, além de arcar com o futuro de meus filhos, terei de cuidar do futuro dele? Isso é correto?

 

Jatiacy Francisco da Silva jatiacy@estadao.com.br

Guarulhos  

 *

LEITOR DE JORNAIS

 

O “Estadão” seria o que há de melhor em jornalismo no Brasil? Não, o jornal, principalmente pela longevidade da empresa, é aquilo que se pode dizer a “Bíblia” do jornalismo brasileiro. Agora eu tenho um vício, além do cigarro: sou consumidor de jornais! Além do jornal “O Estado de S. Paulo”, eu também assino a “Folha de S.Paulo”, o jornal “Agora” e o jornal aqui, da região, o “Diário do Grande ABC”. Jornalistas são todos iguais? Eu não sei, sou apenas um leitor. Aproveitando toda esta conversa fiada, procurem ao menos publicar uma vez qualquer coisa que eu escrevo. Que tal? Isso nunca aconteceu Ou vocês têm algo contra a minha pessoa? Edson Rodrigues R. Quito e.rodrigues1953@uol.com.br

Santo André

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.