Fórum dos Leitores

1964

O Estado de S.Paulo

07 Abril 2014 | 02h07

Ditadura x ditadura

Iza Salles, jornalista, integrante da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), na época da ditadura ficou sete meses presa em instalações do DOI-Codi, onde foi torturada. Agora, aos 75 anos, quando indagada se a luta armada foi a estratégia certa e se faria tudo de novo, respondeu que não, acrescentando que muitos de seus companheiros de guerrilha perderam a vida por nada. E completou: "Até hoje não fizeram a reflexão de que pregávamos uma ditadura de esquerda - que são terríveis. Muitos não queriam ver as denúncias que vinham da União Soviética sobre perseguições e mortes". Com sua vivência, acredita que a democracia ainda é o caminho para construir vielas de idealização, não sendo perfeita, mas a melhor forma de governo. Relato impressionante! Importante constatação com a maturidade alcançada é a de que não lutavam para derrubar a ditadura militar para implantar a democracia, mas, sim, uma ditadura comunista. Essa verdade tem de se estabelecer de vez. Não podemos aceitar a farsa que ex-guerrilheiros - como Dilma Rousseff, José Genoino, José Dirceu e outros que foram treinados em Cuba e na China - nos querem impor. Eles nunca lutaram pela democracia! Seus ideais eram outros e me arrisco a dizer que ainda são, quando vejo que tentam por vários meios calar a mídia, implantar a hegemonia de poder e, principalmente, quando apoiam o presidente venezuelano em sua insanidade de coibir manifestações populares atirando para matar civis descontentes com a sua política autoritária. A luta de Nicolás Maduro é a mesma que grupos armados, aqui, encarnavam naquela época, para estabelecer uma ditadura comunista ou, como queiram, socialista bolivariana, igualmente sanguinária, não importando os meios para se chegar a ela.

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Escarafunchando o passado

A esquerda paranoica, como não tem nada a oferecer no presente e muito menos no futuro, fica escarafunchando o passado, à procura de fantasmas que justifiquem a sua estupidez.

RENATO PIRES

repires@terra.com.br

Ribeirão Preto

Ontem e hoje

As importantes perguntas que se impõem neste momento efervescente são: o Brasil estaria melhor caso não tivesse havido o movimento de 1964? A tão decantada democracia que teria sido interrompida é isso que está aí? Os malfeitos do governo militar foram maiores que os atuais? O modelo de governo que os guerrilheiros de esquerda queriam implantar no Brasil em nome da democracia deu certo na União Soviética ou em Cuba?

GERALDO SIFFERT JUNIOR

siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

O Brasil mudou

Hoje a esquerda é caviar e a direita, festiva!

CARLOS GONÇALVES DE FARIA

marshalfaria@hotmail.com

São Paulo

O ESCÂNDALO DILMABRÁS

Grandes lances

Dilma e Lula reuniram-se a sós em São Paulo para discutir a crise da Petrobrás. Do que terão tratado de fato? Seriam novas formas de declarar que ela "não sabia de nada"? Impossível, Dilma era ministra do governo Lula e presidente do Conselho de Administração da empresa. Terá sido em quem jogar a culpa, quem serviria de bode expiatório? Como impedir a instalação de CPI ou como transformá-la em mais uma grande pizza, sem perder votos? De qualquer forma, Dilma está numa grande enrascada. Qual será o coelho que Lula tirará da cartola para salvar a pele da "gerentona" que guindou ao posto máximo do governo federal? A novela O Grande Escândalo Dilmabrás está se desenrolando com muitos lances de grande relevância para as eleições de outubro. No capítulo final será revelado quem matou ou não matou Odete Roitman, ops, digo Dilma Vana Rousseff. A audiência tende a crescer até lá. Segurem os assentos!

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

Dinheiro jogado fora

Quantas casas poderiam ser construídas com o dinheiro gasto nas viagens que os nossos políticos adoram fazer para inaugurações, até mesmo de obras inacabadas? Quantas creches poderiam ser construídas com o dinheiro gasto em escalas que satisfazem tão somente compromissos pessoais? Mais uma vez, a nossa presidente esteve no interior paulista para inaugurar unidades do programa Minha Casa, Minha Vida e aproveitou para "dar um pulinho" na cidade de São Paulo só para se reunir, a portas fechadas, com o ex-presidente Lula. Mesmo se fosse para tratar de um assunto de capital importância para o País, não se justificaria, pois sairia muito mais barato Lula ir a Brasília em avião de carreira. Pior, então, por se tratar de "reunião" para tentar arranjar uma desculpa para algo injustificável, na linha, provavelmente, do "não sabia, fui traído e apunhalado".

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

CPI da Petrobrás

Um governo corrupto como esse que se instalou no poder em 2003 fará o que estiver ao seu alcance para entorpecer os trabalhos de uma CPI, seja da Petrobrás ou de qualquer outra empresa pública federal. Não há nada nas mãos desse governo que resista a uma CPI séria. Onde ciscar vai achar. Isso é fato!

HUMBERTO BOH

hubose@gmail.com

São Paulo

Debaixo do taPeTe

Nos últimos anos a produção da Petrobrás diminuiu e as importações de petróleo aumentaram. Quem teria vantagem com isso? Seria interessante o TCU verificar em que condições foram feitas essas importações, que somam muitos milhões de dólares. Com o que se viu até agora - Pasadena, Abreu e Lima, contratos de manutenção noticiados como ruinosos -, seria surpresa encontrar mais alguma coisa debaixo do taPeTe?

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

A verdade

O governo federal tem a obrigação de prestar ao povo brasileiro todos os esclarecimentos "verdadeiros" sobre a Petrobrás. Não é possível conviver com escândalos todos os dias envolvendo aquela que é a principal empresa do Cone Sul. Refinaria de Pasadena, refinaria Abreu e Lima, refinarias na Argentina e na Bolívia, locação de plataformas, contratos com estaleiros nacionais, tudo isso deve ser objeto de uma auditoria independente, sem conotações políticas e sem casuísmos.

HAROLDO EUSTAQUIO ROCHA

haroldoerocha@ig.com.br

São Paulo

*

ELEVAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE BEBIDAS

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou o aumento da tributação que incide sobre cervejas, refrescos, isotônicos e energéticos a partir de 1.º de abril. E ainda, segundo ele, fica a critério da indústria dosar o impacto desse aumento junto do consumidor. Pois é, os brasileiros que pretendem aproveitar o feriadão da Semana Santa e o Dia de Tiradentes na praia já sabem: a cervejinha vai estar mais cara, e não fiquem esperando um pronunciamento em rede nacional da excelentíssima senhora "presidenta" Dilma Rousseff esclarecendo os motivos desse aumento, tá? Enquanto o PT torra o nosso dinheiro com estádios, cargos de confiança para os "companheiros", bolsas-misérias, mais médicos, porto em Cuba, Refinaria de Pasadena, etc., nós pagamos a conta com mais impostos. Quem manda o gigante ficar dormindo, né?

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

OUTRA DIREÇÃO

O governo pode ser de esquerda, direita ou qualquer outra direção, que não abre mão de aumentar imposto. O correto é conter despesas, diminuir a corrupção e racionalizar o custo da máquina administrativa do Estado, que só cresce ano a ano.

Jose Roberto Iglesias

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

GOVERNO ATRÁS DE MIGALHAS

Nada como um dia após o outro. Este governo petista, que soberbamente cantava em verso e prosa por aí que tinha acumulado em reservas cambiais US$ 370 bilhões e que o nosso país estava imune a crises, depois de utilizar e abusar dos recursos dos contribuintes de forma irresponsável, agora vai atrás de migalhas. O Planalto acaba de aumentar impostos que incidirão sobre o preço de cervejas, refrigerantes e até da água, só para arrecadar míseros R$ 200 milhões em 12 meses. É um prenúncio de que mais aumento de impostos estão no forno de Dilma, porque com R$ 200 milhões não dá nem para cobrir uma pequena parte dos gastos do governo com os cartões corporativos. E é um claro sinal de que o buraco é mais fundo... Essa é a cara do petismo que segue o padrão populista de governar, assim como são os ditadores, que no início dão recursos subsidiados a empresas amigas e para o povo comprar casa, eletrodomésticos, etc., mas, depois que a vaca está indo para o brejo, tiram o direito deste mesmo povo comprar a preços razoáveis sua cervejinha, seu refrigerante e a até a água que bebe, cuja falta os nordestinos que vivem na região do flagelo da seca sabem muito bem o que significa. Que Deus nos proteja!

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

INSISTEM NO ERRO

A falta de visão administrativa do governo faz com que medidas implementadas para obter aumentos de arrecadação se tornem motivo de riso, senão de desprezo. Exemplo mais imediato é o do aumento de tributos em bebidas como cerveja e refrigerantes para angariar mais R$ 200 milhões. Medida implementada logo após o governo ter batido mais um recorde de arrecadação fiscal. Um saco sem fundo, já que medidas populistas mal calculadas para atingir metas de inflação corroem todo o excesso alcançado. E, apesar de saberem que estão errados, insistem no erro visando às eleições futuras, empurrando este fardo para depois. Contas a pagar não é herança, é punição.

Sérgio Holl Lara

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

BOICOTE JÁ!

Nos anos 80, os americanos resolveram boicotar a compra de café que havia subido US$ 0,50, por causa da queda na produção nos países exportadores por problemas climáticos. No Brasil de hoje, quando a carga tributária chega perto de 40% do PIB, o governo federal, para resolver seus problemas de gestão e caixa, em véspera de Copa do Mundo, quando o consumo de refrigerantes, cerveja e água deverá ser alto, resolveu aumentar ainda mais os impostos. Não estava na hora de o povo brasileiro boicotar esses itens? Vamos fazer sucos naturais em casa, chá gelado e abstinência de cerveja, que por sinal servirá para abaixar os ânimos de torcedores mais afoitos. Um país se constrói com cidadania e não é à toa que os EUA são o país mais rico do mundo. Lá a população aprendeu a lutar pelo que acredita. Pagar mais impostos no Brasil virou caso de polícia. O governo da presidente Dilma que faça economia e não pague sua má gestão com mais esse escalpelo do bolso do povo brasileiro. Vamos ao boicote já!

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

INCOMPETENTES

A coisa mais fácil para o mau governante é aumentar os impostos, pouco se importando com as consequências. O novo ajuste dos preços dos medicamentos não preocupa os governantes, pois eles sabem que os "bolsistas" só utilizam os remédios que o SUS libera de graça, então não se preocupam com o resto da população. O PT é mestre em inventar aumentos com desculpas esfarrapadas, é só olhar para o incompetente prefeito de São Paulo, que voltou atrás no preço das passagens de ônibus, mas está sempre atrás de alguma saída para arrecadar mais e mais. Assim fica fácil, o difícil é administrar com parcimônia e competência a arrecadação de que dispõe.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

ICMS NOS REMÉDIOS

Qual a razão de os Estados continuarem cobrando até 19% de ICMS nos medicamentos? O Estado de São Paulo, que cobra 18% nos remédios para o coração e 12% nos veículos como Ferrari, não tem justificativa de continuar prejudicando os doentes. Com a resposta, o médico e governador.

Ronaldo José Neves de Carvalho

rone@roneadm.com.br

São Paulo

*

REMÉDIOS MAIS CAROS

Será que, se o governo não cobrasse tantos impostos nos medicamentos, os remédios não estariam mais baratos?

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

POLÍTICA TRIBUTÁRIA ERRADA

Com crescimento econômico maquiado de apenas 2,3% em 2013 e nenhuma boa perspectiva para este ano - a previsão é de piora em 2014, estima-se em 1,7% -, e indústria brasileira mal, com problemas conhecidos (alta carga tributária, corrupção, burocracia, falta de isonomia entre produtos nacionais e importados, que chegam mais baratos ao mercado brasileiro principalmente por tributação inferior no país de origem), o resultado é balança comercial, que já foi altamente positiva, em uma década virar altamente negativa, porque perdemos a capacidade competitiva com os produtos do exterior. Aí vem a grande ideia: para diminuir o volume das importações e melhorar a balança comercial, o aumento da tributação de importados. Pode? O correto não seria diminuir os impostos para equalizar preços junto ao mercado internacional, já que temos uma das maiores cargas tributárias do mundo? Continuando essa política tributária, o Brasil será como Cuba em breve! Ainda há uma pergunta que não quer calar: por que a oposição não explora com veemência o absurdo da carga tributária, como fez o PT enquanto era oposição?

José Carlos Alves

jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

ENXERGAR A REALIDADE

Segundo consta, a próxima viagem do vice-presidente Michel Temer aos Estados Unidos tem como objetivo reverter o pessimismo em relação às perspectivas econômicas do Brasil e desfazer o dano resultante da decisão da agência Standard & Poor’s de rebaixar a nota de crédito do País. Apesar de serem notórios os acessos de histeria que muitas vezes acometem o mercado de ações, ele ainda é o melhor termômetro da saúde econômico-financeira do sistema capitalista, mesmo que, às vezes, reaja de maneira errática, positiva ou negativamente, diante das mais diversas políticas de governo, dos fluxos de investimentos por agentes privados ou oficiais e até de boatos que, volta e meia, são plantados por grupos interessados. Curiosamente, ao longo das últimas semanas, assiste-se a uma contínua valorização das ações da Bovespa e a um fortalecimento do real em relação ao dólar, o que indica certa onda de otimismo, mesmo em plena esteira da avaliação negativa do crédito. Depreende-se, então, que uma razão percebida como de maior amplitude está por trás das atitudes dos investidores que, assim, se mostram indiferentes quanto ao fato de o governo estar ou não preocupado com a imagem do País. Coincidentemente, os índices positivos começaram a despontar a partir de resultado de pesquisas eleitorais - afinal, os institutos de pesquisa, por menos confiáveis que sejam, em determinado momento não podem negar os fatos - dando conta de certa queda de popularidade da presidente Dilma Rousseff. É evidente que tal dado carrega consigo considerável volume de esperança, que vai refletir positivamente no mercado. Numa clara relação de causa e efeito, vê-se, portanto, que a simples possibilidade de oxigenação das lideranças de poder, de esperança de um maior controle dos gastos públicos, de novas abordagens visando a revitalizar a educação, a saúde e a segurança, de modernização da rede de infraestrutura, de maior incentivo a investimentos externos e de efetiva transparência das estratégias de políticas externa e econômica, de modo a aumentar a confiança do País no cenário mundial, entre muitas outras expectativas, constituem fatores de alento, não sendo necessário enviar prepostos para afirmar que o Brasil tem condições de crescer a taxas consistentes. Basta que o eleitor acorde e enxergue a realidade.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

REVISÃO DE NOTA

A Fitch Ratings mostra competência ao marcar a conclusão da revisão anual da classificação de crédito do Brasil para julho, quando serão conhecidos os resultados "finais" da política econômica desastrosa do período antes da Copa (a.C.), fundamentais para orientar as correções do período depois da Copa (d.C.).

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

A CRÍTICA DA BOA RAZÃO

Não só a presidente Dilma Rousseff refuta críticas constantemente, sem opor argumentos defensivos convincentes, como o lulopetismo, de forma geral, se encastela em argumentos pueris, tais como: perseguição, interesse político, pouca competência do crítico e falta de fundamento. Assim está a ocorrer com o rebaixamento da nota do Brasil para -BBB, dada pela Standard & Poor’s, chegando-se a alegar interferência do candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, na decisão da agência. Montados nesses defeitos, os petistas erraram e erram à vontade, persistindo nos erros, em nome de uma razão que não é pura nem boa, porque a boa razão consiste no procedimento de verificar fatos, alterar comportamentos e reformular diretrizes, o que nunca acontece com quem se acha o dono da verdade. E o poder dos petistas subiu-lhes às cabeças, provocando sempre atitudes radicais de certeza e imutabilidade de opiniões e de conceitos.

José C. de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

BURACO SEM FIM

Pasadena, Abreu e Lima, Comperj, Japão, Berzoini com Bancoop, aloprados, mensaleiros à solta frequentando restaurantes de alto padrão em Brasília, País em níveis medíocres de colocação em lógica matemática, inflação em total disparada, aumentos constantes de impostos, crescimento em queda, balança comercial em níveis negativos nunca antes vistos neste país, tropas de choque querendo abafar a CPI da Petrobrás, que foi quebrada por Lula e Dilma, petistas mensaleiros cara de pau se fingindo de doentes para cumprirem prisão domiciliar quando nada têm, a não ser um pico de pressão alta, gastos aviltantes e desvios de verbas públicas tanto para a Copa quanto para a Olimpíada, saúde pública um caos, segurança decrépita, tráfico de drogas e armas correndo à solta, educação em níveis alarmantes, política externa de baixíssimo padrão, exaltação de ditadores tipo Chávez, Maduro, Evo Morales, Putin e outros tantos facínoras existentes na África, Ásia e Américas Central e do Sul, desindustrialização do Brasil, apagões a todo instante, agências reguladoras nas mãos de incapazes e incompetentes, ministros sem o menor conhecimento técnico para tocarem suas pastas, alianças partidárias espúrias de todas as espécies e em todos os níveis em que atua o PT, programas assistencialistas que nada mais são que votos de cabresto, etc., etc. e tal. André Vargas, do PT do Paraná, viajando de jatinho cedido por doleiro preso por corrupção - e acha que se intrometeram em sua vida pessoal por ser dele amigo faz 20 anos e por o doleiro ser um "empresário"! Merece ser cassado imediatamente, por falta de decoro, e tudo referente ao seu passado e presente tem de ser investigado profundamente. Todos esses fatos acima citados mostram o atual estágio de descalabro e desgoverno em que se encontra o Brasil, gerando com isso uma insatisfação geral na população mais esclarecida e nunca pesquisada pelos institutos de pesquisa. Como nada ocorre por mero acaso, estes são alguns dos poucos motivos por que a S&P rebaixou a nota do País de BBB para -BBB. E ainda vem o "digníssimo" Guido Mantega questionar esse rebaixamento. Durma-se com tudo isso. Caímos no buraco negro sem fim.

Boris Becker

borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

ONDE ESTÁ A OPOSIÇÃO?

Socorro! Onde está a oposição? Com tanta oportunidade, é profunda a decepção ao observarmos o silêncio comprometedor da oposição, que não aparece, não reage, parece comprometida. Quem não se lembra como a antiga oposição, que hoje está no poder, aproveitava a mídia diariamente e incansavelmente, não perdendo nenhuma chance de ganhos eleitorais? O pior é sentir a tremenda vaidade que reina nessa infeliz oposição, que a impede de pensar o óbvio: se houver mais que um candidato contra o governo nas próximas eleições, a oposição perderá a eleição no primeiro turno, pois as inúmeras bolsas criadas proporcionam ao governo pouco mais de 40 milhões de votos. Essa vaidade nos provoca imensa decepção e desesperança. Socorro!

Antonio Carlos Ciola

aciola@yahoo.com.br

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA

Por que a oposição do governo Dilma não consegue mostrar aos eleitores dela (os que não sabem ler jornais) a sua incompetência? Seria também incompetência da oposição?

Sérgio Bruschini

sergiob@dualtec.com.br

São Paulo

*

A OPOSIÇÃO NÃO CONVENCE

A oposição não convence as classes mais baixas. Quem vota na presidente Dilma é o povo iletrado e inculto. Cesar Maia está com a razão ao dizer que a oposição erra em sua publicidade para as próximas eleições, que não há uma foto sequer de Aécio e Campos ou Marina nas favelas. Os eleitores de Dilma não estão preocupados com a corrupção ou com os erros da Petrobrás ou quaisquer outras incongruências e desmandos da presidente. Eles não estão "nem aí"! O que querem é um carro que ostente uma classe mais alta, uma casa própria, um churrasco na laje ou na calçada, um samba ou funk ensurdecedores nas festas, compras no varejo a prazo e futebol de qualquer divisão e de qualquer campeonato. Esperemos os próximos quatro anos de Dilma e preparemos nossos bolsos para pagar esta conta, que virá acrescida de juros escorchantes.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PESQUISA DE OPINIÃO

O Ibope e outras empresas de pesquisa de opinião já publicaram aquilo que pensam as classes média e alta a respeito do voto nos prováveis candidatos a presidente nas próximas eleições. O analfabetos, os agraciados com a Bolsa Família e outras semelhantes atingem cerca de 25 milhões de eleitores, que podem decidir o resultado. Seria muito útil, para todos os brasileiros, uma pesquisa para saberem aquilo que pensam eles a respeito do rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela Standard & Poor’s.

Waldomiro Benedito de Carvalho

waldomiroxuca@globo.com

Itapetininga

*

PERGUNTA FUTEBOLÍSTICA

Pergunta futebolística aos eleitores brasileiros que terão de escolher em outubro um técnico para treinar o Brasil pelos próximos quatro anos: Você escolheria Dilma, que, neste ano, conseguiu a proeza de rebaixar ao mesmo tempo para a segunda divisão a Petrobrás, a Eletrobrás, o Banco do Brasil e o BNDES?

Ronaldo Gomes Ferraz

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

AEROPORTO, A SOLUÇÃO

É triste, mas, se continuar assim como está, cada dia com uma nova falcatrua envolvendo o governo, a única saída possível, infelizmente (ou felizmente, para quem pode), é o aeroporto. Não há alternativa, lamentavelmente. Chega a dar asco a situação a que este governo corrupto que assumiu o poder em 2003 está levando ao País. E o que é pior: as perspectivas são de que continue por mais quatro anos. Aff!

Humberto Boh

hubose@gmail.com

São Paulo

*

O PÉSSIMO EXEMPLO DOS POLÍTICOS

O vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas (PT-PR), andou no avião do doleiro Alberto Youssef, pivô da Operação Lava a Jato, da Polícia Federal. Perguntado sobre o caso, veio a resposta sábia dos petistas: eu não sabia com quem estava me relacionando. A frase "eu não sabia de nada" ficará marcada pela gestão petista. Os criminosos poderiam usar a mesma estratégia e sempre dizer "eu não sabia de nada". Essa esperteza criada por Lula caiu no gosto dos cidadãos sabonetes. Escorregam, mas não caem. E vamos convivendo com a mentira, com a farsa e com os péssimos usos e costumes dessa gente que botou a educação, a elegância e o fino trato na lata do lixo. Até quando essas desculpas vão se sustentar? É esse o exemplo que essa gente deixa para a nossa juventude?

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

TAL E QUAL

Comenta-se nos corredores do Congresso que o deputado André Vargas (PT-PR) está para o doleiro Alberto Youssef tal como o senador Demóstenes Torres estava para Carlinhos Cachoeira. Se puxar a ponta da corda, o rolo é grande...

Claudio Juchem

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

ENROLAÇÃO

E agora, deputado Vargas? Como explicar o seu passeio em avião do doleiro Youssef? Ou isso é mais uma ilação dos fascistas brasileiros?

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

SEM QUERER QUERENDO

Diante do escândalo que estourou por uso de um jatinho particular para levar sua querida família em férias, da cidade de Londrina (SP) para João Pessoa, capital da Paraíba, e vice-versa, o vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas (PT-PR), teve de se explicar perante os "nobres" colegas da Câmara, já que a mentirinha que contou não colou, com relação ao jatinho fretado pelo doleiro Alberto Youssef, que foi preso pela Polícia Federal na Operação Lava a Jato. Disse o "digníssimo" deputado Vargas aos colegas: "Eu reconheço, fui imprudente. Foi um equívoco, deveria ter evitado. Peço desculpas aqui e à minha família". Pois é, deputado, como foi "sem querer querendo", como diria o querido personagem amado pelas crianças Chapolim Colorado, que tal renunciar, como faria um cidadão de reputação ilibada? Já que, se for esperar pela cassação por parte dos coleguinhas, já sabe, o lugar está garantidíssimo. E quem perde é a instituição, que está sem credibilidade perante o povo brasileiro, por abrigar gente como o deputado.

Agnes Eckermann

agneseck@gmail.com

Porto Feliz

*

COMO PODE?

Como pode o segundo homem mais importante do Poder Legislativo brasileiro, além de dar uma banana para o presidente do Poder Judiciário, andar em jatinho de doleiro preso? Será que isso não é falta de ética e, portanto, sujeito a cassação?

Marco Antônio Martignoni

mmartignoni@ig.com.br

São Paulo

*

SOBRE OS ERROS NO PODER

A corrupção generalizada presente nas ações do governo também seria motivada por procedimentos éticos "tecnicamente falhos"?

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

ORÇAMENTO ESTOURADO

O Estádio Nacional Mané Garrincha (Brasília/DF), com custo inicial anunciado em R$ 631 milhões, já consumiu R$ 1,6 bilhão até agora e, segundo estimativas do Tribunal de Contas do Distrito Federal, chegará a R$ 1,9 bilhão, foi definido pelo governo federal como um exemplo de sucesso de público e renda. Com base nas expectativas de receitas, pode levar até cerca de mil anos para recuperar aos cofres do DF o valor investido na obra. Jeito PT de governar.

José Carlos Alves

jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

UM GIGANTE APEQUENADO

Em qualquer ranking em que se compare a performance do País, com exceção do futebol e da corrupção, o Brasil amarga vexatórias posições, sendo ultrapassado por nações inexpressivas, comparadas ao nosso território, população e riquezas naturais. Seja na educação, na economia, no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o gigante mais parece um Golias que só tem tamanho. Diariamente se tem notícia de toneladas de maconha e cocaína que são apreendidas pela polícia. O Conselho Internacional de Controle de Narcóticos, ligado à ONU, acaba de divulgar que o consumo de cocaína no Brasil mais que dobrou nos últimos dez anos e já é quatro vezes superior à média mundial. Das 50 cidades mais violentas do mundo, 16 pertencem ao Brasil. O trânsito no Brasil o coloca em 4.º lugar quanto ao número de mortos. O brasileiro diariamente é envenenado porque ocupamos o posto de maior consumidor de agrotóxicos do planeta. No ranking sobre eficiência de saúde, estamos na rabeira de países liliputianos chegando a importar milhares de médicos da decadente "Alcatraz do Caribe". Diante de toda essa tragédia em que prevalece a mediocridade administrativa em favor de uma ditadura dissimulada, a liberdade de imprensa está seriamente ameaçada, pois o Brasil está em primeiro lugar em mortes de jornalistas nas Américas. Quando Stefan Sweig, judeu-austríaco radicado em Petrópolis, escreveu a obra "Brasil, País do Futuro", estava agradecido por ter se livrado do nazismo.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

O RESULTADO DO PISA

Por que será que não me surpreende mais um péssimo resultado obtido pelos estudantes brasileiros? Neste caso, o Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) mostra que até mesmo nas atividades do dia a dia, como comprar bilhete de trem ou manusear um aparelho de MP3, nossos alunos deixaram a desejar. Será por que nossas escolas estão caindo aos pedaços? Ou que nossos professores são despreparados, ganham pessimamente mal, sofrem bullying e até agressões físicas? Ou que os ocupantes do Ministério da Educação estão mais preocupados em militância política do que na qualidade de ensino? Ou será que a manutenção do povo na ignorância e alienação quanto à realidade o torna mais facilmente manipulável? Ou tudo isso e muito mais?

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

VERGONHA NA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Escola pública brasileira, que vergonha, que vergonha. Para quem não sabe nem leu, entre 65 países pesquisados, estamos na 55.ª posição em leitura, na 58.ª posição em Matemática, e na 59.ª posição em Ciências, isso porque não foi avaliado desempenho na língua pátria, caso contrário, sem dúvidas estaríamos também entre os últimos colocados.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

A DENGUE EM SÃO PAULO

Já há alguns dias os jornais na TV abordam com insistência o surto de dengue na zona oeste da cidade de São Paulo, mais especificamente nos bairros da Lapa, Jaguaré e Rio Pequeno. Moradores da Lapa já colocaram até banner chamando a atenção para o perigo, e até agora a Prefeitura está inerte. Só na sexta-feira, 4/4, o secretário da Higiene do município, ao dar entrevista ao "SPTV", culpou a população por estar guardando água em razão da falta d’água. Insinua, assim, que a culpa é do governo do Estado. Mas a reportagem mostrou a entrevista de moradores da Lapa que já reclamaram à Prefeitura providências em relação a uma casa abandonada há anos no bairro. Pois bem, a providência municipal foi comunicar à imobiliária responsável por aquela casa, que por sua vez vai avisar o proprietário para que ele providencie a limpeza da casa. Ora, fosse eu o funcionário municipal responsável pelo setor, comunicava a imobiliária para que enviasse um funcionário para abrir a propriedade e mandaria junto uma equipe da secretaria. Se porventura a imobiliária não atendesse à convocação, chamaria a polícia para entrar junto com a equipe municipal que iria eliminar os eventuais focos de mosquitos. É uma questão de saúde pública e a dengue pode causar mortes. Não é uma questão política e muito menos é o momento para fazer disputa política. É hora de trabalhar com eficiência e cumprir com a sua obrigação.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

EPIDEMIA

A primeira epidemia da dengue nos tempos atuais foi em 1981. A Secretaria de Saúde, em conjunto com as prefeituras, vem mobilizando a população ao combate do mosquito da dengue (aedes aegypti), e com certeza a população vem colaborando, e muito, com essa empreitada absolutamente incapaz e ineficiente de combate e transmissão da doença. Já não estaria na hora de essas instituições optarem por projeto mais eficaz e eficiente, sabendo e tendo ciência de que durante todos esses mais de 30 anos não houve nenhum resultado satisfatório? É inadmissível que em um país como o nosso, que se diz emergente, e em pleno século 21, um simples mosquito venha causando tantas vítimas, inclusive fatais. A vacina já existe e já está sendo testada. Por que não somar esforços para o adiantamento dessa bendita vacina e imunização da população, que já esperou demais?

Benedito Rimundo Moreira

br_moreira@terra.com.br

Guarulhos

*

SEGUNDA FAIXA?

Não bastasse a nítida piora do trânsito de São Paulo por causa do aumento desenfreado e atabalhoado das faixas exclusivas de ônibus pela cidade, o secretário Jilmar Tatto propõe a segunda faixa! A Prefeitura parece ignorar o direito de ir e vir do cidadão que anda de carro e faz este tipo de proposta como se a faixa exclusiva tivesse melhorado sobremaneira a vida do usuário de metrô e ônibus, o que não é verdade. Todos sabem que as pessoas ficam literalmente esmagadas e desconfortáveis nestes veículos nos horários de pico. A segunda faixa não só não aliviará este problema, como fará com que os motoristas de carro também fiquem "esmagados" no trânsito.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DIREITOS DESIGUAIS

No Brasil quase tudo anda em passos de tartaruga, principalmente quando se trata de corrigir direitos dos trabalhadores. Há pelo menos um ano dorme em berço esplêndido no Congresso a aprovação de parte da chamada PEC das Domésticas. Um projeto que mudava a Constituição num ponto essencial para estes trabalhadores desde 1988 até 2013: a lei mais importante do País oferecia menos direitos aos empregados domésticos do que aos demais trabalhadores urbanos e rurais, e essa discriminação profissional não tinha o menor sentido nos dias atuais. Felizmente isso acabou, ou melhor, poderia já ter acabado, se não fosse a morosidade dos congressistas. A lei aprovada pelo Congresso passou a valer imediatamente só para alguns pontos da PEC, como registro profissional e jornada de 44 horas semanais, porém em mais de dez itens a mudança na Constituição só teria efeito depois de uma regulamentação específica. E isso até agora não foi feito no Congresso. Assim, os empregados domésticos continuam sem vários direitos. Por exemplo, não há regras que definem o pagamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do seguro-desemprego. Também não há regras sobre a indenização em caso de demissão sem justa causa, o adicional noturno e os períodos de descanso. O que é um absurdo, para dizer o mínimo. Nos países desenvolvidos, não existe esse tipo de desigualdade de direitos. O empregado doméstico é tão valorizado quanto os outros trabalhadores, ou até mais. Não existe uma categoria profissional de segunda classe, como temos no Brasil. O mesmo precisa acontecer em nosso país, que é hoje a sétima economia do planeta. A regulamentação já foi aprovada pelo Senado desde agosto, mas falta a análise dos excelentíssimos deputados. Mas estes, infelizmente, parecem ter medo de ajudar o Brasil a se modernizar e entrar no rol dos países que respeitam seus trabalhadores.

Turíbio Liberatto

turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.