Fórum dos Leitores

GERDAU E A REBELIÃO

O Estado de S.Paulo

10 Abril 2014 | 02h10

Matou a pau

O empresário Jorge Gerdau Johannpeter, na 27.ª edição do Fórum da Liberdade, em Porto Alegre (8/4), mandou um recado à presidente Dilma Rousseff sobre o quanto a administração dela está equivocada. Gerdau criticou a insistência do Brasil em se aproximar do Mercosul e propôs a redução dos exorbitantes 39 ministérios, cabides de empregos, para apenas 6 - dá pra tocar, confidenciou. E sugeriu à população uma rebelião diante da falta de infraestrutura e da qualidade dos serviços. Citou como exemplo o caótico transporte urbano, estagnado há 30 anos. Comparou o pífio desempenho do produto interno bruto (PIB) brasileiro com o de países do Pacífico, que crescem de 5% a 6% ao ano. São tantas as observações pertinentes que a quem não leu a matéria publicada no Estado (9/4, B5) recomendo a leitura. Procuradas para comentar as declarações, a Casa Civil e a Secretaria de Comunicação da Presidência da República calaram-se diante de tantas verdades. Em apenas 40 minutos Gerdau deu uma verdadeira aula de como um país deve ser administrado, o que em 13 anos os atuais governantes não conseguiram ver.

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Novo mensalão

As declarações do empresário Jorge Gerdau, publicadas no Estadão, merecem todo o nosso aplauso. Entre as inúmeras posturas incorretas do atual governo federal, destaca-se o absurdo da existência de 39 ministérios. Será que eles pensam que o povo não percebe tratar-se de evidente compra de apoio, paga com esses elevadíssimos e desnecessários cargos, ou seja, na prática, um novo mensalão? Como disse Gerdau, 6 ministérios seriam plenamente suficientes.

LUCIANO DÉCOURT

decourt@decourt.com.br

São Paulo

Malhar em ferro frio

O sr. Jorge Gerdau, homem do setor do aço, cansou-se de malhar em ferro frio e "botou pra derreter" ao concordar e incentivar a rebeldia contra tudo o que está aí. Em que pesem as suas atribuições extraempresariais, ele demonstra total independência em suas opiniões acerca do Brasil atual. Parabéns!

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

Mecanismos de participação

A participação dos usuários, sem dúvida, é fundamental na melhoria da infraestrutura e da qualidade dos serviços do País. No entanto, como liderança empresarial e presidente da Câmara de Políticas de Gestão do governo, Gerdau poderia recomendar mecanismos para isso. De fato, as condições inaceitáveis das infraestruturas e dos serviços, bem como a obsolescência dos correspondentes sistemas institucionais e organizacionais que os envolvem, implicam a necessidade de pressão e de orientação externas na mudança. Porque, embora esses sistemas devam operar com mecanismos de melhoria continuada, no quadro atual prevalecem a autodefesa e a resistência a mudanças por parte das organizações e pessoas responsáveis. A participação externa pode ou deve utilizar-se de mecanismos institucionais, tais como associações de usuários e comissões específicas no Congresso. Ou, ainda, níveis mais altos do governo poderiam estabelecer câmaras específicas para abrir espaço à população. Um caso externo que poderia ser usado como inspiração é o da comissão de famílias das vítimas da tragédia de 11/9 nos EUA, muito bem apresentado no documentário On Native Soil, da diretora Linda Wellman. Enfim, a participação pode ser ordenada e sem rebeliões.

DÉCIO CEBALLOS

decioceballos@gmail.com

São José dos Campos

Não à reeleição

Se Jorge Gerdau, que é conselheiro da presidente Dilma desde 2010 e preside a Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade, convoca o povo a "fazer rebelião", por não concordar com a falta de infraestrutura e de qualidade dos serviços no País, não devemos eleger, por mais quatro anos, este governo eivado de corruptos e incompetentes.

ARTUR TOPGIAN

topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

André Vargas

Mais um escândalo bizarro e vergonhoso envolvendo um deputado federal do PT. E pior: vice-presidente da Câmara! Aquele que exibiu no Parlamento o mesmo gesto patético dos mensaleiros presos. Pelo visto, o gesto da mão cerrada significa "estou indo para a cadeia".

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Gesto simbólico

Aquele gesto de punho cerrado ao lado do presidente do Supremo Tribunal Federal já dizia muito. Agora, a pedido dos companheiros, resta a André Vargas a renúncia. Mais uma vez, poderá repetir o gesto?

LUIZ CASADEI MANECHINI

travessi@uol.com.br

Cotia

Cadeia

Pelo jeito, logo, logo veremos mais um petralha com o punho cerrado erguido. Mas desta vez será a caminho da Papuda.

GUTO PACHECO

daniguto@uol.com.br

São Paulo

Embate desvirtuado

O sr. Lula da Silva, como sempre, tenta criar uma cortina de fumaça para encobrir escândalos do seu partido. A declaração do ex-presidente de que o deputado André Vargas tem de "convencer a sociedade para que o PT não pague o pato" é estranha, para dizer o mínimo, pois em todos os escândalos recentes políticos petistas têm tido destaque. Pois é, PT, quem te viu e quem te vê.

ALEXANDRE FONTANA

alexfontana70@yahoo.com.br

São Paulo

O pato

Falastrão, como sempre, Lula está muito enganado. Quem paga o pato não é o PT, somos nós!

DOCA RAMOS MELLO

ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

A que ponto chegamos!

Leio nos jornais que para reduzir o escândalo André Vargas o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do PT, Rui Falcão, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, trocaram telefonemas com parlamentares do partido para combinarem a estratégia de ação. Se verdadeira a notícia, podemos afirmar que esse ministro não percebe que sua função é cercear as ações criminosas e proteger a sociedade brasileira.

HELENA RODARTE C. VALENTE

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

‘UM BOM NEGÓCIO’

Convocado por Lula para tentar justificar o injustificável, o petista e ex-presidente da Petrobrás José Sérgio Gabrielli, reunido com a bancada de seu partido na Câmara dos Deputados, afirmou que a compra da refinaria de Pasadena em 2006 foi "um bom negócio". Pergunto: desde quando um negócio que gerou US$ 1 bilhão em prejuízos à Petrobras pode, em qualquer época, ser considerado um bom negócio?

Amâncio Lobo

amanciolobo@uol.com.br

São Paulo

*

JUSTIFICANDO O INJUSTIFICÁVEL

Lulinha saiu do ostracismo esta semana, ou melhor, pelo menos deixou mais explícito que ele nunca saiu do Planalto, apesar de não estar lá "fisicamente". Chamando a tropa de elite petista, com o glorioso Ricardo Berzoini à frente, incitou os petralhas a justificarem o injustificável. Entre a tropa, encontramos o ex-presidente da outrora orgulho nacional Petrobrás José Sérgio Gabrielli, que, com uma cara de pau e um cinismo sem tamanho, afirmou candidamente que a compra da refinaria de Pasadena foi "um bom negócio". Sendo assim, por que não convidar este senhor para comparecer à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e explicar para quem foi aquele "um bom negócio". Talvez para ele, que pode ter comprado uma "casinha" pé na areia em Salvador ou imediações. Quem sabe ele comprou um carro de luxo. Enfim, se foi isso que ocorreu, então o bom negócio para variar foi bom para meia dúzia de eleitos de plantão, em detrimento dos milhões de brasileiros. Uma vergonha!

Renato Amaral Camargo

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

NOVOS TEMPOS PARA O PT

A roubalheira que está brotando na Petrobrás ocorreu quando o petista José Sérgio Gabrielli - hoje oculto no governo petista da Bahia - era seu presidente. Faz-nos lembrar de outro petista, um dos ícones do partido, novamente refugiado, agora no Presídio da Papuda, que cunhou uma inesquecível frase, que é a prova definitiva da desfaçatez, do engodo e do ilusionismo desse partido: "O PT não rouba nem deixa roubar". Não é preciso dizer mais nada.

Luiz Sérgio Silveira Costa

lsergio22@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CPI AMPLA, BRIGA DE MOLEQUES

Esta CPI da Petrobrás, do Metrô, de Suape, etc., etc. não vai dar em nada. É como briga de moleques. Começou a dar muita conversa, não acontece mais nada.

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

OPOSIÇÃO

Deve ser comemorada a primeira página do "Estadão" de ontem, estampando a foto dos senadores da oposição a caminho do Supremo Tribunal Federal (STF) em busca de decisão favorável à instalação de uma CPI exclusiva sobre denúncias envolvendo a Petrobrás. Comprova que finalmente a oposição está cumprindo o seu dever, batendo de frente com este desgoverno corrupto. Já passou da hora. Essa posição é esperada há tempo pelas pessoas de bem que, esclarecidas, sabem a real situação em que enfiaram o Brasil. E essa situação foi reforçada pela cobrança de empresário de respeito que, mesmo fazendo parte indireta deste desgoverno, incentivou a necessidade de o povo ir para as ruas para se manifestar contra os erros deste desgoverno.

Laert Pinto Barbosa

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

NÃO CONFIO

O "Estadão" de ontem trouxe foto de 13 políticos que se dizem opositores ao governo estampada em sua primeira página. Não sei por que, mas dos 13 senadores, mais da metade me parece vendável, daqueles que basta um ministeriozinho e/ou a presidência de uma estatal que mudam de lado.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

PRESSÃO?

A impressão que passa esta foto é de que não haverá pressão. Eles estão rindo. De quem?

Licia Schmidt

liciacls@terra.com.br

São Paulo

*

QUADRILHA EM FORMAÇÃO

PT faz ofensiva para barrar investigação e blindar Dilma. Estes homens não deveriam estar defendendo o povo que os elegeu, que a verdade e a justiça é que deveriam prevalecer em seus julgamentos? O crime agora é formação de quadrilha, inclusive com a participação do ex-presidente. Se não estou errado, isso dá cadeia.

Wilson Matiotta

loluvies@gmail.com

São Paulo

*

MEDO DA CPI

Em Contagem (MG), nos arredores de Belo Horizonte, a presidente Dilma Rousseff asseverou que "não arredará um milímetro na disputa política", querendo dizer que enfrentará a oposição firmemente, como mandou seu preceptor, Lula da Silva. Assim, tudo fará para encobrir as imoralidades e as maracutaias da Petrobrás, como se apurar desmandos e corrupções são atos políticos de confronto e merecedores de enfrentamento a todo custo. Eis que a presidente está a assumir uma posição muito desagradável para os eleitores deste país e para os observadores internacionais, porque demonstra que a ela não interessa a apuração de imoralidades ou desmandos, mas o acobertamento deles, seja em palanque ou seja em CPI. Nunca o lulopetismo teve tanto medo de uma CPI. Certamente, é porque muita sujeira aparecerá no curso dos trabalhos, atrapalhando a reeleição da presidente.

José C. de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

MAU NEGÓCIO

Conforme publicado pelo "Estadão" de 9/4, a presidente Dilma afirmou que só aprovou a compra de Pasadena pela Petrobrás porque não teve acesso a todas as cláusulas do negócio. No meu tempo, uma compra somente poderia ser aprovada após o conhecimento de todas as cláusulas do negócio.

Cláudio Moschella

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

EXPRESSÃO CORPORAL NA PETROBRÁS

Primeiro, usaram mãos leves para desviar grana em operações duvidosas; depois, fizeram ouvidos moucos à grita da opinião pública. Ao acordarem, são instados a defender o ponto de vista com unhas e dentes para que apoiadores não roam a corda e eleitores não se amedrontem. Peito aberto não é recomendável num caso como este. Nesse meio tempo, caras e bocas são feitas para reforçar a presunção de inocência de lobos vestidos com pele de cordeiro. Seria interessante vermos o pessoal correr as pernas que te quero.

Sergio Holl Lara

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

FUNDO DE QUINTAL

Lula diz que é para atacar as mentiras na CPI da Petrobrás, mas isso é para abafar as mentiras dele e de Dilma em negociatas e extorsões a uma empresa que já foi destaque mundialmente. Com a estatal hoje em queda brusca na Bolsa e quase insolvente, é de recordar que eles foram contra a sua privatização para que se tornasse um "fundo de quintal" do PT. Que governo é este, que detona a Petrobrás? Não bastasse isso, o Brasil paralisou atrás de Bolívia, Peru e Venezuela, com um PIBinho de +1,8% projetado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para este ano. Não é isso o que queremos.

Nelson Scatena

nelson.scatena@hotmail.com

São José dos Campos

*

CAIXA 2 DO PT

A grande preocupação do sr. Lula da Silva é "defender a Petrobrás com unhas e dentes". Isso deve ser realmente um transtorno, afinal, a Petrobrás deve ser o grande caixa 2 do PT. Celebrou contratos, sem licitação, no valor de R$ 90 bilhões nos últimos dois anos - o que faz com que os valores do mensalão fiquem reduzidos a dinheiro de pinga. É bom lembrar que 20% desse valor resolveria mil problemas da saúde do brasileiro.

Celso de Carvalho Mello

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

OPORTUNIDADE PERDIDA

Imaginei que enorme oportunidade, como um ato de dignidade e nobreza, estão perdendo o PT e seu líder. Apoio integral à implantação exclusiva da CPI da Petrobrás. Teríamos um choque no País! O efeito colateral seriam alguns "feridos" pelo caminho. Mas não, muito pelo contrário. Dignidade, nobreza, idealismo e honra são qualidades descartáveis neste querido Brasil.

J. Perin Garcia

jperin@uol.com.br

São Paulo

*

A ENTREVISTA DE LULA

Em entrevista exclusiva com blogueiros no Instituto Lula, o ex-presidente disse que não será candidato, que não precisa ir a um cartório registrar isso e que sua candidata é Dilma. Sobre a declaração de ser ou não candidato, tudo pode acontecer, quando se fala de permanecer no poder as coisas mudam rapidamente. Lula disse que o deputado federal André Vargas (PT-PR) não pode deixar o PT "pagar o pato". Com isso, jogou o deputado aos leões e anunciou a sua morte. Ninguém pode prejudicar o PT, partido que anda tão ferido de morte por suas contravenções de todo tipo e que ainda se ressente do mensalão. Com relação ao mensalão, Lula disse que o partido tem de "partir pra cima" - pra cima de quem? Do Judiciário, instituição desprezada pelo PT? Quanto à CPI da Petrobrás, Lula orientou o partido a agir. E o senador Renan Calheiros já agiu quando deixou o assunto da CPI para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

MÃOS AO ALTO!

Lula disse: "O PT tem de ir para cima deles". Ele só não disse se a Pátria amada vai aguentar...

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia o Sul (PR)

*

ALOPRADOS

Lula está raivoso, ameaçando dar canelada e cotovelada na campanha eleitoral. Que fique calmo, tem "Vargas" em qualquer posição para ele neste time de aloprados.

José Roberto Iglesias

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

ATÉ QUANDO, LULA?

Lula continua com a mania de não assumir nada, mesmo que declaradas como verdade por seus pares, que possa comprometer sua credibilidade e de seu partido. Em vez de assumir a "mea culpa", parte para "agredir" seus opositores, em vez de esclarecer, como ameaçou, o caso do mensalão e da dona Rose. Falando mais uma vez para uma plateia amestrada, no seu instituto, ou seja, sem ser contestado, afirma que "mentiras continuam prevalecendo" e "que tem que defender com unhas e dentes os fatos que acreditamos ser verdadeiros". Alguém poderia informá-lo de que a Petrobrás está metida em dois negócios no mínimo estranhos e extremamente dispendiosos, como o da usina americana que custou 30 vezes mais e a usina Abreu e Lima, que deveria ter seu custo dividido com a Venezuela e cujo orçamento inicial, de US$ 2 bilhões, já está dez vezes maior.

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

ENGANAÇÃO

Já que Lula não gosta de ler, recomendo prestar atenção na frase atribuída a Lincoln, que aqui reproduzo: "Você pode enganar alguns o tempo todo; você pode enganar todos por algum tempo; mas você não pode enganar a todos o tempo todo". Sua máscara está finalmente caindo, e todos finalmente saberão quem é o verdadeiro "Lulla" e sua obra maligna.

Renato Pires

repires@terra.com.br

Ribeirão Preto

*

LULA X DILMA

Ao criticar Dilma Rousseff no caso da Petrobrás, Lula deixa claro que vai, sim, tentar se reeleger presidente, a menos que pense que todos os eleitores são idiotas.

Conrado de Paulo

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

VOLTA LULA

Lula, acho que já está na hora de largar o coelhinho assando, mesmo que ele passe do ponto, pois o poste está caindo de podre.

Ulysses Fernandes Nunes Jr.

Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

AGORA NÃO

O tempo passa, o tempo voa, mas a chance de reeleição continua numa boa. A queda na pesquisa de intenção de voto ainda é confortável, suficiente, mas os preocupados cumpanheiros, para maior garantia, conclamam a substituição do poste por "elle". "Elle" diz que não sabe nada, mas sabe tudo. Não quer entrar numa fria. O Brasil está diferente da outrora inflação sob controle e com boas perspectivas de crescimento, hoje desarrumado, carente de tudo, endividado, inflação subindo num panorama adverso, incompatível com seu perfil de politicagem, a Petrobrás (sua válvula de escape para evidência na mídia) em crise, benemérito com doações à revelia a outros países, além de circunstâncias prejudiciais aos seus homéricos passeios. Duvido que "elle" volte agora!

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

FORTE SIMBOLOGIA

No governo Lula, 8 anos sem mãe; no governo Dilma 4 anos sem pai. O povo órfão está irritado e violento, como nunca antes visto neste país, clamando por atenção, amparo e cuidados. Deste ponto de vista eu penso "xô PT!"

Jose Carlos Lages Pereira Pinto

josecarloslages@globo.com

São Paulo

*

DILMA EM SÃO PAULO, DE NOVO

Que presidente é esta, que não pode passar uma semana sem ter de vir a São Paulo para consultar com seu chefe? Será que não tem capacidade de administrar o País a partir de Brasília? A conta tá ficando alta. Viagem para cá para consulta com o criador, viagens eleitoreiras para diversas outras cidades, só para entregar algum equipamento, inaugurar algumas casinhas. O dinheiro público não pode ser esbanjado dessa maneira. Onde está o Poder Legislativo, que não fiscaliza os seus atos? Onde está a Justiça Eleitoral, que não vê campanha eleitoral antecipada? Se não consegue governar o País, que entregue o poder a seu vice.

Éllis A. Oliveira

elliscnh@hotmail.com

Cunha

*

PEGOU MAL, GERDAU

O empresário Jorge Gerdau Johannpeter, que é o atual presidente do Grupo Gerdau, também preside a Câmara de Políticas de Gestão do governo Dilma e foi um dos que participaram do Conselho Administrativo da Petrobrás que concordou com a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006, que veio a acarretar um prejuízo de quase R$ 3 bilhões à estatal. Além disso, Jorge Gerdau é conselheiro pessoal da presidente Dilma. Nesta terça-feira, em palestra no 27.º Fórum da Liberdade, na cidade de Porto Alegre, o empresário criticou a insistência do Brasil em se aproximar do Mercosul, propôs que o próximo governo tenha só seis ministérios e sugeriu que a população se rebele diante da falta de infraestrutura e de qualidade dos serviços públicos. Ou o senhor Gerdau já percebeu que a canoa furou e está preparando o seu desembarque ou, como um dos maiores empresários do País, quer se redimir da conivência com o péssimo negócio de Pasadena.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

REBELIÃO

"Tem de ter rebelião!", palavras do sr. Jorge Gerdau. Por que ele não se rebelou com a compra da refinaria americana quando era conselheiro da Petrobrás?

Milton Bulach

mbulach@gmail.com

Campinas

*

RECADO A JOAQUIM BARBOSA

Dr. Joaquim Barbosa, por favor, seja candidato. Com essas operações danosas ao patrimônio público, dentre as quais: perda de US$ 1,3 bilhão na Refinaria de Pasadena; US$ 18 bilhões na Refinaria Abreu Lima; e não se sabe quanto foi o prejuízo na estatização das instalações da Petrobrás na Bolívia; construção do Porto de Mariel em Cuba, US$ 2 bilhões (prejuízo a realizar - alguém acredita que o BNDES vai receber alguma coisa?); doação de hospital na Faixa de Gaza; etc. Esses casos são alguns os que chegaram ao conhecimento público, imaginem os que estão debaixo do tapete, incluindo todos os órgãos públicos, empresas estatais e ONGs, etc. Enfim, hoje a honestidade e a virtude representam exceções e, mesmo assim, com todas as maracutaias, teremos a reeleição do poste e a manutenção dos incomPeTentes no poder, ou melhor, comPeTentes para si próprios, ou seja, os cumpanheiros e aliados. O descaso com o patrimônio público, a certeza da impunidade são tão naturais que assustam, principalmente pela singularidade das falcatruas. Chegamos ao ponto de o antigo presidente da Petrobrás declarar que foi "bom" o negócio de Pasadena e que o prejuízo de US$ 1,3 bilhão não representa muito para a Petrobrás. Detalhe, a Petrobrás teve 35% de queda nas suas ações desde novembro do ano passado. O prejuízo é para todo o povo brasileiro, não só para os minoritários, incluindo aqueles que colocaram seu suado dinheirinho do FGTS na estatal. Daí pergunto para quem foi um ótimo negócio a Refinaria. Para a Astra Oil, com certeza, e para quem mais, alguém pode me responder, tácita e claramente? Pior de tudo é que, em uma das edições do "Estadão", na mesma página do escândalo de Pasadena havia a notícia de que Dilma ganharia a eleição no primeiro turno. Como pode o povão ser tão desinformado? Porém o que acho estranho é que onde a presidente comparece em público, leva sonoras vaias. Daí penso será que as pesquisas são verdadeiras, e as apurações das eleições serão confiáveis? Depois das suspeitas de fraude na Mega Sena, dos casuísmos impetrados pelo governo no julgamento do mensalão, será que dá para acreditar em alguma coisa desse governo? Gostaria de solicitar ao dr. Joaquim Barbosa um pedido especial, por favor, se candidate à Presidência da República, pois pelo seu caráter e pela sua projeção na mídia no caso do mensalão, em defesa da justiça e do bom senso, contra todas a forças contrárias, terá um apoio popular tão forte que será impossível qualquer maracutaia nas eleições.

Waldir Cassapula

waldir.cassapula@gmail.com

São Paulo

*

GIM FLAGELO

Assisti pela TV à sessão do Senado que iria aprovar a toque de caixa a indicação de Gim Argello para ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). Em primeiro lugar, aquele tribunal deveria ter em seu regimento uma proibição expressa de aceitar qualquer político. Muito menos quem não teve nenhum voto. O cara de pau era suplente logo de quem? De Joaquim Roriz! Cruz credo! A experiência tem mostrado os absurdos que cometem ao passar por lá. No caso específico, o cidadão não tem currículo, tem folha corrida, pois responde a inúmeros processos em todas as instâncias. Mas eu adoro o gim. Com tônica.

Paulo H. Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

GIM ARGELLO NO TCU

O governo petista é tão ruim que vai acabar morrendo envenenado pelas próprias porcarias que come, na ânsia de aparelhar todo o governo. Quem dorme com cobra venenosa acaba picado.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

GALINHA, GALO E MENSALÃO

Em breve o Supremo Tribunal Federal terá de julgar Afanásio Maximiniano Guimarães, acusado de furtar um galo e uma galinha avaliados em R$ 40. Um caso importante para a sociedade brasileira poder comparar as respectivas decisões do STF: a de Afanásio e as já proferidas para José Dirceu e outros mensaleiros. Certamente o privilégio do embargo infringente Afanásio não terá, ou por ordem técnica ou política, como foi o caso dos mensaleiros. Aliás, Afanásio devolveu os galiformes, Dirceu não devolveu nada. Certamente, este caso das galinhas demonstra a mediocridade da Justiça brasileira em solucionar casos de desamparados de dinheiro e padrinhos políticos.

José Francisco Peres França

josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo Pinhal

*

JUSTIÇA À BRASILEIRA

Enquanto o STF vai julgar furto de galo e galinha de R$ 40, a presidente Dilma Rousseff defende-se das acusações relativas à compra escusa da sucateada refinaria de Pasadena, pela bagatela de US$ 1,18 bilhão, quando ela valia US$ 42,5 milhões, com a esdrúxula argumentação (segundo mestre Lula, um "tiro no pé"): só foi favorável à medida porque recebeu "informações incompletas" de um parecer. O material não trazia a cláusula que obrigaria a Petrobrás a ficar com toda a refinaria. Dilma disse ainda que também não teve acesso à cláusula Marlim, que garantia à sócia da Petrobrás um lucro de 6,9% ao ano, mesmo que as condições de mercado fossem adversas. Essas cláusulas "seguramente não seriam aprovadas pelo conselho". Pergunta inocente: o STF vai julgar o furto de US$ 1,1375 bilhão do povo brasileiro? Infelizmente, acredito que não, no estado atual de aparelhamento dos Três Poderes da República, é improvável que o caso Pasadena seja tratado como o caso do galo e da galinha.

Filippo Pardini

filippo@pardini.net

São Paulo

*

‘GOVERNANÇA CORPORATIVA’

Sobre o artigo do dr. Roberto Teixeira da Costa (8/4, A2), tenho o seguinte comentário/complemento: conselhos administrativos em geral, sem dúvidas devem estar muito alinhados com as operações da empresa e de uma forma muito assegurada, livre de toda e qualquer influência política, tendenciosa, corporativista (no mau sentido), muito atenta ao que se desenrola no presente e, principalmente, suas futuras consequências. Papel relevante que a legislação atual, NCC, imputa a nós, administradores, conselheiros (administrativos e fiscais), altas responsabilidades por ações lesivas ao patrimônio daquela de quem temos por obrigação zelar pela sua rentabilidade, para fazê-la crescer sempre. A sugestão do autor de formação de comitês, recepção de material suficiente para embasar suas análises e decisões, troca de informações, contratação de pessoal técnico, peritos, tudo tem fundamento, porém, ao responder a si mesmo "e os conselhos funcionam?", o dr. Roberto responde claramente que funcionam, "se estimulados por seu presidente". Seria o caso de lhe propor uma pergunta a mais: no caso de Pasadena, sucedeu-se um excesso de estímulo?

João Manoel Jodas

joao.jodas@terra.com.br

Santo André

*

COMO É QUE PODE?

Conforme se noticia, empresa processada por corrupção por ter obtido redução de imposto após pagar propina a fiscal do Imposto sobre Serviços (ISS) ingressou com Ação Cível no Judiciário paulista com pedido de indenização por danos morais por se considerar vítima (9/4, A14). Se tivesse assistido às aulas de direito romano, teria se lembrado do brocardo latino "nemo de improbitate sua consequitur actionem", ou seja, em linguagem corrente, "ninguém pode valer-se de sua improbidade para defender-se". Como bem observou o juiz da causa, essa alegação da empresa denota falta de pudor e, segundo classificação do próprio jornal, uma autêntica "ousadia".

Fausto Rodrigues Chaves

faustochaves@uol.com.br

São Paulo

*

A BANCADA DOS PLANOS DE SAÚDE

O mercado de planos de saúde no Brasil, essa mina de ouro inesgotável, surgiu nas décadas de 1940 e 1950, em que ações de assistência médico-hospitalar eram oferecidas aos funcionários das estatais, principalmente, estendendo-se nos anos 50 aos chamados convênios médicos. Descoberto o filão, ocorreu uma proliferação de planos de saúde, dos quais alguns se agigantaram com influência maciça no Congresso Nacional. A Medida Provisória (MP) n.º 627 versava somente sobre tributação de empresas no exterior, mas a maioria do Congresso embutiu nessa MP uma matéria que indulta em R$ 2 bilhões as operadoras de planos de saúde, havendo um alívio nas multas já aplicadas e não pagas. A redução do valor das multas desestimula o poder da fiscalização quando a infração mais recorrente é a exclusão de cobertura. Um prêmio que o Congresso oferece a quem, em 2013, teve 28.216 queixas nos Procons, no que o atendimento negado e a oferta não cumprida atingem 5.718 infrações, ou 20,67%. É evidente que as operadoras têm no Congresso a "Bancada dos Planos de Saúde", como prova a mutilação da MP n.º 627, os donos dos planos encontraram, como o argonauta Jasão, o velocino de ouro.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

SEM VERGONHA

Incrível a cara de pau do deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), que propõe não punir os planos de saúde que não cumprirem com suas obrigações. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fica completamente "vendida". Para os planos, será melhor negar atendimento e pagar uma multa irrisória. Que vergonha! Tal deputado deve ser excluído do Congresso nas próximas eleições. O que será que ele ganhou com isso?

Gustavo Guimarães da Veiga

ggveiga@outlook.com

São Paulo

*

VERGONHA NACIONAL

Saúde, vergonha nacional. Reportagem mostrou a deficiência do atendimento: o Hospital Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro, só tem um aparelho para radioterapia. Tem cinco quebrados. Quantas pessoas precisando desse tratamento estão sem ele? Isso é desumano. Outro dia, o atual governador do Estado do Rio, Luiz Fernando Pezão, disse que, ao assumirem o governo, o orçamento do Estado não chegava a R$ 30 bilhões, e que agora passa dos R$ 70 bilhões. E onde está sendo aplicado esse dinheiro? Hospitais estaduais caindo aos pedaços, escolas também, saneamento não existe, localidades sem água, obrigando moradores a pagarem por carro-pipa ou andarem com lata d’água para conseguirem alguma. Onde está a melhoria para a população do aumento desse orçamento?

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SEDE DA OLIMPÍADA

Rio de Janeiro é Olimpíada mais atrasada em 20 anos e dirigentes pedem um "Plano B". O governo já tem o plano de "extorsão B", mas primeiro precisa acabar com a roubalheira da Copa.

Angelo Antonio Maglio

angelomaglio@terra.com.br

Cotia

*

PAÍS RICO

Na Copa do Mundo deste ano, a hora mais cara do mundo. Vejam só: R$ 8.900.000.000,00 (oito bilhões e novecentos milhões de reais). 64 jogos = 96 horas de jogo em campo. Custo: R$ 93.708.333,33 por hora! Como diz a inquilina do Alvorada: "País rico é um país sem pobreza".

Luiz Felipe de Camargo Kastrup

lfckastrup@gmail.com

São Paulo

*

LEGADO

Venho a público externar toda a minha eterna gratidão a Lula e ao PT. Presenteando o Brasil com o legado da Copa do Mundo e da Olimpíada, conseguiu mostrar à galáxia o que cápreo povo brasileiro já sabia: que nossos políticos, além de extremamente corruptos, são extremamente incompetentes. Obama estava correto: Lula é o cara.

Ataliba Monteiro de Moraes Filho

ataliba@outlook.com

Marília

*

A TURMA DA PILANTRAGEM

Após ler o elucidativo e equilibrado artigo "1964 - um testemunho", de Fernão Lara Mesquita (7/4, A2), e, no dia seguinte, as bravatas de Lula, entende-se o risco que este país correu, de já estar desintegrado, se esses indivíduos mascarados de políticos tivessem assumido o poder há mais tempo. Aliás, eles me fazem lembrar de um conjunto musical existente na época, a Turma da Malandragem, com uma música que se iniciava assim: "Yes, nós temos banana, banana prá dar e vender...". Pobre povo brasileiro! Do jeito que a coisa vai, nem banana vai ter para comer.

Honyldo Roberto Pereira Pinto

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

‘1964 - UM TESTEMUNHO’

Gostaria de refletir aqui sobre o artigo "1964 - um testemunho" (7/4, A2). Sem defender nenhuma linha (esquerda ou direita), a minha preocupação com qualquer movimento revolucionário e/ou golpista é o rompimento com o compromisso com a liberdade. Muitos acham que se trata de um preço a pagar por segurança e bens materiais, ou seja, os fins justificam os meios. Contudo, abraçar tais movimentos em prol do materialismo ou da estabilidade econômica me parece apenas um eufemismo para que ditaduras de esquerda ou de direita exerçam o poder que, no final, engole e tritura até mesmo seus mais ilustres apoiadores de primeira hora.

Pedro

pltm@ig.com.br

São Paulo

*

1964, 50 ANOS

O artigo de Fernão Lara Mesquita (7/4, A2) merece cumprimentos pela coragem ao explicitar seu justo orgulho pelas ações do brilhante Ruy Mesquita. E merece cumprimentos, pois honrou a tradição do "Estadão" ao relatar com precisão a verdade dos fatos. No 50.º aniversário da revolução que impediu que o Brasil se tornasse uma gigantesca Cuba, lamentavelmente o resto da mídia só contou um lado da história.

Luiz Eduardo Reis de Magalhães

lemaga@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.