Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

15 Abril 2014 | 02h06

Inflação

Durante os três anos de mandato a presidente Dilma Rousseff e sua equipe econômica mantiveram a inflação longe do centro da meta, sempre tangenciando o teto. Neste último ano, nitidamente eleitoral, é claro que seus eventuais adversários vão explorar esse dado negativo, mormente agora que em alguns locais, no Rio de Janeiro, por exemplo, e em alguns itens, alimentos, no caso, o índice anualizado ultrapassou em muito o teto estipulado. E eis que a presidente discursa e pede responsabilidade a seus opositores na abordagem do assunto, atribuindo a delicada situação a fatores incontroláveis, como o clima. Ora, nada mais equivocado para quem não fez o dever de casa por três anos. Ela vai acabar culpando o eleitor em outubro, quando este certamente lhe negar os votos solicitados para a reeleição.

MARCO ANTONIO ESTEVES BALBI

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

Clima ruim

A presidenta Dilma disse que a inflação é momentânea e pôs a culpa no clima. Por isso deveríamos ficar mais tranquilos, acreditando que a estabilização da economia será restabelecida assim que o calor passar...?!

LÉO COUTINHO

leo.coutinho@uol.com.br

São Paulo

Meta fiscal

Crescimento das despesas públicas menor que o do produto interno bruto (PIB) é uma meta ao mesmo tempo convincente e tímida. Um crescimento do PIB entre 1% e 2% significa que não pode haver mais empregados nos órgãos públicos, nem aumentos de vencimentos de funcionários e de políticos, tampouco aumentos reais de salários em geral, nem de bolsas, nem de aposentadorias. Parece que sem medidas de economia de custos na gestão pública, sem juros baixos para reduzir as despesas financeiras, etc., será difícil realizar a meta fiscal necessária.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Trapalhão

Há dias o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse a interlocutores que o PIB brasileiro não está crescendo por falta de crédito. De onde será que o ministro sacou essa informação, uma vez que o crédito no Brasil hoje representa 60% do PIB (até há poucos anos era de 20%)? Declaração muito estranha e sem nenhum cabimento.

MARCOS ANTÔNIO SCUCUGLIA

sasocram@ig.com.br

Santo André

INFRAESTRUTURA

Aeroportos

Ao ler em editorial do Estadão (14/4, A3) sobre a afirmação do presidente da Infraero de que é possível "tapear" as obras nos aeroportos, para turista ver, mais que um ato falho, como comenta o texto, foi uma feliz nova interpretação da sigla do PT, ou seja, o Partido da Tapeação. Tapeia nos índices de inflação, tapeia sobre a Petrobrás, tapeia sobre os custos dos combustíveis, tapeia quanto ao custo efetivo da eletricidade, jogando a conta salgada para depois das eleições, e, claro, tapeia sobre a grandiosidade da Copa do Mundo de Futebol. Ou alguém acredita ainda que vai ser a Copa das Copas? Enfim, governa na base da tapeação. Finalmente, cabe citar que os parlamentares da base aliada tapeiam e se estapeiam, mas jamais pensam em exercer seus mandatos honestamente a favor da população.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

Tapeação

Se a tapeação fosse só nos aeroportos... Para quem prometeu queda na tarifa de luz, por exemplo, o aumento de 16,46% pela CPFL foi uma "grata" surpresa. Obrigado, presidenta.

HARRY RENTEL

harry@citratus.com.br

Vinhedo

Energia elétrica

Uma vez mais a falta de capacidade administrativa do governo petista causa grandes prejuízos ao Brasil. Agora, o planejamento falho de 70 usinas de geração de energia (14/4, A1). Já passou da hora de darmos um basta nesse governo, eivado de administradores ímprobos, a começar daquela que se diz "presidenta". Todos os dias são noticiados malfeitos desses governos petistas, os piores da História deste Brasil. Pelo visto, a única obra concluída foi a do porto de Mariel, em Cuba, que não tem nenhum interesse para nós. Chega de tanta incompetência, de tanta orgia com o dinheiro público, de tanta corrupção.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

PETROBRÁS

Defesa

Lula diz que se vai empenhar na defesa do PT no imbróglio da Petrobrás em Pasadena. Como ele era o presidente na ocasião, não seria mais adequado dizer que se vai empenhar para que não se descubra quem comandava o "esquema" que deu um prejuízo de mais de US$ 1,2 bilhão?

MÁRIO A. DENTE

dente28@gmail.com

São Paulo

FUTEBOL

Ituano, campeão paulista

Parabéns ao Ituano, grande campeão paulista de 2014! Em pleno Pacaembu lotado, conquistou brilhantemente o título do Paulistão contra o favorito Santos. Uma façanha que entra para a história do futebol paulista, o mais forte do Brasil, e mostra a força do interior do nosso Estado. O merecido título do Ituano mostra também como um clube pode ser bem administrado, vencedor e gastar pouco. A folha salarial do campeão Ituano é de apenas R$ 350 mil mensais, ou seja, muito menor do que o salário de certos jogadores e técnicos dos clubes grandes. É um exemplo a ser seguido, cuja fórmula consiste em profissionalismo, simplicidade, humildade, competência e eficiência. O campeão Ituano mostrou ainda que futebol se ganha dentro de campo, e não com camisa, dinheiro ou tradição. E deu uma importante lição de moral a muitos.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Honra ao mérito

Os deuses do futebol fizeram do Ituano campeão, com méritos!

ALBERTO B. C. DE CARVALHO

albcc@ig.com.br

São Paulo

Gigante

Nem Palmeiras, nem São Paulo, nem Corinthians, nem Santos. Nem mesmo com a ajuda involuntária de erro duplo no pênalti marcado a favor do Santos o time da Vila Belmiro chegou lá... O Ituano eliminou todos, agigantou-se. Itu e Ituano são grandes demais. Campeão paulista de 2014, parabéns!

LUIZ DIAS

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

A IMAGEM DA PETROBRÁS

O cheiro do petróleo do pré-sal deve ter mexido com o raciocínio da presidente Dilma Rousseff: durante cerimônia de viagem inaugural do navio petroleiro Dragão do Mar e batismo do navio Henrique Dias, no Estaleiro Atlântico Sul, em Ipojuca (PE), dona Dilma disse que o que tiver de ser apurado e punido sobre a Petrobrás o será com o máximo de rigor, e que não ficará alheia à "campanha dos que, por proveito político, ferem a imagem da empresa". Como assim, dona Dilma? Ninguém, mas ninguém mesmo, está "ferindo a imagem da Petrobrás". Quem tratou a Petrobrás como propriedade sua foi a senhora (e seu partido) quando assinou, sem ler, naturalmente, o contrato de compra da refinaria de Pasadena, como se fosse lojinha de quinquilharia. Os brasileiros, verdadeiros donos da Petrobrás, exigem posicionamento firme da oposição, que apenas faz o seu papel. Deixando a vossa tergiversação de lado, V. Exa. sabe de quanto foi o prejuízo da empresa? A Petrobrás tem condições financeiras para investir o necessário para nos tornarmos autossuficientes em petróleo, como seu chefe se vangloriou? Se assim, por que estamos importando combustível?

Aparecida Dileide Gaziolla

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

ACUSAÇÃO DESNECESSÁRIA

A presidente Dilma defende a Petrobrás e, em defesa da empresa, acusa a oposição de tentar destruir a imagem da estatal. Presidente, não precisa a oposição fazer isso. O PT já fez.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PREOCUPADO

Em discurso em Ipojuca (PE), na segunda-feira, dona Dilma disse que nada vai destruir a Petrobrás. Fiquei muito preocupado, porque nas suas promessas de campanha, em 2009, Dilma dizia que ia construir 6 mil creches, que ia fazer a reforma política, que ia combater a corrupção, que ia melhorar a eficiência do gasto público, que ia melhorar o serviço de saúde e que também ia fortalecer as empresas estatais. Dai a minha preocupação...

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

BASTA DE DRIBLES

Após a divulgação do escândalo de Pasadena, da maquiagem da inflação pela contenção do preço dos combustíveis (e da energia elétrica) de maneira autoritária, do reconhecimento público de que o Conselho de Administração da Petrobrás (que Dilma dirigia à época) aconselhava o fechamento de contratos milionários sem conhecê-los inteiramente, enfraquecendo a Petrobrás, vem a "presidenta querer posar de vítima, ao dizer que "quer apurar os fatos e responsabilizar os que erraram", sem reconhecer a sua participação e de todos os conselheiros. Não queremos a volta da inflação, queremos a verdade! Basta de dribles e escapismo!

Décio Antônio Damin

deciodamin@terra.com.br

Porto Alegre

*

RESPONSABILIDADE

Presidente Dilma deverá ser responsabilizada pela compra da refinaria de Pasadena, de acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU). Aposto dez contra um que sua pena será a reeleição. Ou será que não?

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

INVESTIGAÇÃO

O lulopetismo estuprou e prostituiu a Petrobrás. Agora investigarão o principal suspeito: o sofá...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

CPI DA PETROBRÁS

Nisso que dá nomear ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) baseado em apenas um julgamento: o do mensalão. Desde que foi nomeada a ministra Rosa Weber, juristas e brasileiros bem informados se arrepiaram com sua nomeação. O que entenderá de "Constituição" uma ministra especializada em leis trabalhistas? Está explicado agora quando pede que Renan Calheiros explique o porquê de a CPI da Petrobrás ser ampla. Será que precisa perguntar ao criador da estrovenga, sendo que até para leigos está na cara que é jogo político? Para bom entendedor da Constituição, estão querendo criar outro daqueles inúmeros atalhos para fazer prevalecer a vontade do governo federal e aliados. Nesse desenrolar, vamos ver o motivo da real nomeação da ministra. Será fazer prevalecer a lei em nossa Carta Magna ou a lei dos corruptos e aproveitadores? Houve ou não houve "formação de quadrilha" com relação à PeTrobrás, ministra Rosa Weber?

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

‘CPI COMBO’

O dever de casa para a feitura de CPI exigiria que o Brasil fechasse para balanço. São tantos os assuntos e matérias que envolvem desmandos, uso indevido do dinheiro público, mazelas e falcatruas que gastaríamos anos a fio sem uma resposta esperada pela sociedade. As instituições devem funcionar mais e melhor para coibir excessos e responsabilizar aqueles que fazem da República um balcão de negócios.

Carlos Henrique Abrão

abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

A POLÍCIA FEDERAL NA PETROBRÁS

Na legenda da foto da página A6 do "Estadão" do sábado, dia 12 de abril, onde se vê a sra. Graça Foster, está escrito: "Acompanhamento. Primeiro, Graça Foster resistiu a entregar documentos; depois, a executiva forneceu o que a PF queria". Minha dúvida é a seguinte: qual executiva? A do PT? Mesmo porque, dona Graça é uma mera executora de ordens. Outra dúvida: será que alguém duvida de que todos os escalões do governo já não estivessem avisados da visita da Polícia Federal? Dona Graça se atrasou em separar os documentos para a PF. Teria sido pela mesma razão pela qual os estádios de futebol estão atrasados?

Caio Mario Britto

caiomario.britto@terra.com.br

São Paulo

*

GOLPE DE MESTRE

É fundamental que toda empresa com ações negociadas na bolsa de valores, para maior credibilidade, seja transparente. Na Petrobrás não tem sido assim. Aparentemente, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), indiferente, a tudo assiste sem intervir. É preocupante o temor de Lula e seus asseclas ao cogitar esclarecer a transação envolvendo a Petrobrás, especialmente com relação à refinaria de Pasadena, numa clara demonstração de que encoberta muito mais coisa que o prejuízo superior a R$ 2 bilhões. Ao que tudo indica, "defender com unhas e dentes" não se refere aos interesses da Petrobrás, mas aos recursos que dela advêm. Vê se pode! O partidão, sem possuir sequer uma ação da empresa, manda e desmanda como se fosse o maior acionista da Petrobrás.

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

GOVERNO NA CADEIA

O desespero do ex-presidente Lula diante da possibilidade de investigação da Petrobrás se justifica. Está ficando cada vez mais claro que a maior empresa do País foi a fonte de toda sorte de esquemas de desvio de dinheiro, com fins políticos e pessoais. Fica cada vez mais claro que o mensalão não acabou, assim como não acabou o desvio de dinheiro para o caixa 2 dos partidos, tendo a Petrobrás como principal fornecedora desses recursos. Se forem confirmadas essas suspeitas, serão necessários o afastamento e a prisão de boa parte do atual governo, a começar pela presidente da República.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

SEM EXPLICAÇÃO

Nem a manifestação da presidente Dilma em reconhecer o erro por falta de informações completas na aquisição da refinaria de Pasadena os petistas admitem como verdadeira. A começar por Lula, que considerou a explicação da presidente como "tiro no pé" - e outros expoentes como "negócio bom no momento" -, nenhum deles conseguiu explicar o negócio ou pelo menos a brutal diferença de preços. É o fanatismo dos apoiadores das Farc, socialistas bolivarianos do século 21, com manifestações de fervor desconsiderando até a Petrobrás, por quem recentemente a esquerda lutava para preservar totalmente na mão do Estado e dela usufruírem, e acabaram por destroçá-la.

Mario Cobucci Junior

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

EU, PECADOR, CONFESSO

Luiz Inácio da Silva acredita que o "partir pra cima" é o alvejante certo para eliminar os malfeitos. Caríssimo presidente, para expiar tanta concupiscência e escapar do castigo eterno, só há dois caminhos: a contrição e a caridade. Conte com a nossa eterna gratidão.

Helena Rodarte Costa Valente

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

PTBRÁS

É preciso acabar com a PTBrás, enquanto ainda é tempo! Muda, Brasil!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

NOSSO BOI SINUELO

Conta a história sobre o boi Sinuelo que levava outros bois para o matadouro. Brasília tem também o boi Sinuelo, de nome Lula, que levou seus companheiros ao matadouro, embora ficassem faltando no grupo Dilma, Gilberto Carvalho, Okamoto, Mercadante, Eduardo Cardozo, Berzoini, etc., e saiu de fininho. Lula era o chefe dessa corja e, como tal, deveria ser o primeiro a ser preso e devolver todo o dinheiro desviado pelo mensalão, conforme condenação do STF, e aí foi decretada sua morte pelo governo PT. Será que não é a hora de o Ministério Público pedir uma rigorosa investigação e a oposição se posicionar? Será que a oposição nunca percebeu quem era o chefe de toda essa corrupção? Nada foi feito para exterminar este partido, que é um câncer embrulhado em lama e ódio. Estão acabando com o nosso país, com tudo o que foi feito no passado, literalmente pegaram a Petrobrás para eles e, agora, depois do mensalão, vão determinar como o STF deverá votar - e só será em interesses do governo.

Newton de Almeida Prado

newtonaprado@gmail.com

Americana

*

INVESTIGAÇÃO NO TCU

Enquanto os políticos se digladiam sobre a CPI no Congresso, que parece fadada ao fracasso, o TCU investiga seriamente os desmandos desse desgoverno na Petrobrás, o que possivelmente pode dar a todos os brasileiros um retrato fiel dos estragos. A Polícia Federal também trabalha firme e, como é uma das poucas ilhas de seriedade e eficiência por aqui, poderá também obter resultados em sua tarefa. Essas seriam duas oportunidades incríveis para ajudar no desmonte da bandidagem patrocinada pelo PMDB, PDT e tantos outros que se juntaram por oportunismo à "sofisticada quadrilha" também conhecida como PT. O Brasil merece essa limpeza.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

TCU DESPREPARADO

A Petrobrás investe bilhões de dólares ao ano, há muitos anos, e o TCU não tem equipe de peritos em óleo e gás para avaliar os contratos milionários? Que absurdo!

André C. Frohnknecht

caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

A PETROBRÁS E O DOLEIRO

Enquanto um deputado federal do PT, André Vargas, é investigado como possível sócio do doleiro Alberto Youssef, que está preso por denúncias de ter intermediado lavagem de dinheiro para empresários e políticos no montante de R$ 10 bilhões e que também com ajuda do tal parlamentar agia como lobista de negociatas vis dentro dos ministérios e na Petrobrás, com a cumplicidade do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, que também está preso, a competente Polícia Federal cumpre mandados de busca na sede da Petrobrás. Talvez até por ingenuidade enganei-me pensando que, com o crime de desvio de recursos conhecido como mensalão, protagonizado no governo Lula, essa sanha de assaltar o erário poderia arrefecer ou nem existir mais entre a turma do Planalto. Ledo engano! Agora, para nosso constrangimento, suspeitas também recaem sobre a presidente Dilma Rousseff, que vai ter de responder ao Tribunal de Contas da União (TCU) por que autorizou, em 2006, a nebulosa compra da Refinaria de Pasadena, nos EUA, pela Petrobrás, por um preço exorbitante que beira os US$ 1,4 bilhões, quando esta mesma empresa tinha sido adquirida em 2005 por um magnata belga por apenas US$ 42 milhões. Decepcionado, assim como a maioria da população brasileira, a forma que encontrei para qualificar esta gestão petista foi a lembrança de uma piada do grande humorista já falecido José de Vasconcelos, que contava em seus espetáculos ter adquirido um Mercedes Benz de último tipo, mas, ao utilizar o seu veículo pela primeira vez na estrada, o pneu furou. E só aí foi perceber que não tinha macaco... Ou seja, desde 2003, o PT à frente do governo federal, gozando de larga orgia, esnoba riqueza, gasta sem critério algum os recursos dos contribuintes e, como se não tivesse o tal "macaco", não consegue fazer andar a economia e os serviços públicos deste país. Ainda bem que temos o Supremo e a Polícia Federal para darem um corretivo neles.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DESCARAMENTO

Para quem teve o descaramento de afirmar que não sabia da existência do mensalão, para Lula, acobertar André Vargas (PT-PR) quanto às ligações com o doleiro Alberto Youssef deve parecer brincadeira de criança.

Conrado de Paulo

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

A PUNIÇÃO DO PT A ANDRÉ VARGAS

A decisão da direção do PT de determinar à Comissão de Ética do Partido a avaliação do comportamento do deputado André Vargas merece elogios. É uma atitude acertada para demonstrar que de seus militantes é exigido um comportamento ético e transparente em todos os momentos. Por que outros organismos políticos não adotam este mesmo procedimento?

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

O INFERNO DE VARGAS

O deputado André Vargas, quando fez o gesto agressivo com o soco no ar, imitando José Dirceu e Genoino, lembrou-me a "Divina Comédia" de Dante Alighieri. O inferno imaginado pelo italiano de Firenze seria o caminho natural para quem comete os sete pecados capitais. No caso de Vargas, parece que o inferno começou cedo! Ele vai purgar até o final do seu caso. Depois veremos se vai para o céu ou para o inferno de vez. Se for culpado, o diabo saberá o que fazer com sua alma.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FANFARRONICE

Em recente solenidade na Câmara dos Deputados, o vice-presidente daquela Casa, o deputado André Vargas, tendo sentado ao seu lado o ministro do STF Joaquim Barbosa, levantou o braço e cerrou o punho, como fizeram os mensaleiros, numa clara atitude de desrespeito ao representante de um dos Poderes da República. Como se não bastasse, manteve-se ao telefone celular enviando mensagens a um correspondente para quem dizia ter vontade de dar uma "cotovelada" no ministro. No "Estadão" de 12/4 (página A7), na matéria sob o título "Deputado planeja retorno antecipado à Câmara", ele aparece numa foto batendo continência a alguém. Não se sabe quem estava à sua frente, um militar talvez (mas ele não é), o mais provável é que seja para a sua chefa, a "presidenta". Certas atitudes desses políticos bobos fazem lembrar outras que já ocorreram, como a do ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi, ao declarar seu amor por Dilma, mas que denigrem a imagem do governo. Quanta fanfarronice!

Alvaro Salvi

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

MAIS UMA VAQUINHA

E aí, "companheirada", já estão organizando a vaquinha do Vargas?

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

SÁBADO DE ALELUIA

Conforme notícia da Rádio Cidade de Jundiaí (SP), o deputado federal André Vargas (PT-PR) foi escolhido como "Judas" para a tradicional malhação no sábado da Aleluia na Semana Santa. Será que existe melhor fonte de inspiração do que o Congresso Nacional para essa comemoração?

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

INFLAÇÃO MASCARADA

O avanço dos preços é claro em todos os setores da economia e tentam nos empurrar goela abaixo que a inflação está sob controle. A afirmação da presidente Dilma Rousseff e do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que estão "de olho" nos índices é pura balela. Olho vivo só mesmo no próximo pleito presidencial. Em dezembro de 2013, o índice inflacionário era de 6%, saltou para 6,4% este mês, batendo na trave da meta estabelecida pelo governo de 6,5%. A população esclarecida sabe muito bem que essa marca só foi obtida, se é que é confiável, depois de crassos erros de pesquisas do IBGE, graças aos preços administrados (25) que estão represados, com destaque para os reajustes dos combustíveis, dos transportes urbanos e da energia elétrica, terríveis vilões presos, que, quando soltos, irão fazer um estrago gigantesco nos nossos já furados bolsos. Portanto, senhora presidente, fique de olhos bem abertos, as recentes pesquisas mostram que já não está com essa bola toda. "Você pode enganar alguém por todo o tempo, você pode também enganar todas as pessoas algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas todo o tempo" (Abraham Lincoln).

Sérgio Dafré

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

A INFLAÇÃO VOLTOU

Segundo a presidente Dilma Rousseff, a inflação alta de março é momentânea. Ela está correta em sua afirmação, pois com a gastança do governo federal, mesmo com o aumento da taxa Selic pelo Banco Central, a hiperinflação voltará a reinar em nosso país. Viva a incompetência do PT no poder.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

PREJUÍZO DO METRÔ

O "Estado" noticiou (14/4, A13) o prejuízo de R$ 76,4 milhões apresentado pelo Metrô de São Paulo em 2013, elevando o prejuízo acumulado para R$ 5,1 bilhões. Entretanto, os 9.477 empregados da companhia (1 para cada 7 metros dos 65,3 km de linhas do Metrô) terão direito a uma Participação nos Lucros e Resultados. Como? O Metrô produz também um surrealista balanço social, com lucro de R$ 9,6 bilhões, incluindo 8 itens de economias que sua existência proporciona à sociedade, inclusive a redução de tempo de viagem em relação aos outros meios de transporte, com o expressivo montante de R$ 6,5 bilhões. Imaginem quanto ganhariam os empregados das empresas de aviação, se tivessem também participação no lucro de um balanço social como esse. Da receita líquida de R$ 2 bilhões obtida pelo Metrô, R$ 1,3 bilhão (65%) foi destinado ao pagamento dos empregados. O metrô do Rio de Janeiro, cujas passagens não custam mais do que as de São Paulo, dá lucro e não precisa de recursos do Estado para se manter e se expandir. Em 2013 o governo do Estado de São Paulo aportou R$ 3 bilhões em aumento de capital do Metrô. A simples razão dessa diferença é que o metrô do Rio de Janeiro é explorado pela iniciativa privada.

Hélio de Lima Carvalho

hlc.consult@mail.com

São Paulo

*

FORA DOS TRILHOS

Prejuízos do Metrô e da CPTM dobram. Qual seria a lucratividade do trem-bala de Dilma, se já estivesse circulando?

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

TOFFOLI NO TSE

O editorial do "Estadão" de domingo ("De perguntas e respostas", 13/4, A3) reflete certa indignação pelo fato de o ministro Dias Toffoli negar-se a responder se não se sente um pouco comprometido com o PT ao assumir a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por ter sido advogado do partido. Termina dizendo que Toffoli só chegou ao cargo de ministro do STF graças ao seu relacionamento exatamente com figurões do PT. Acrescento que não só isso compromete a indicação do ministro: ele foi duas vezes reprovado em concurso para juiz de primeira instância e, mesmo assim, foi nomeado para o Supremo, o que é mais que suficiente para demonstrar que não possui um dos requisitos básicos para a nomeação: notável saber jurídico. Quem é reprovado em concurso jurídico não tem notável saber jurídico.

Antonio do Vale

adevale@gmail.com

São Paulo

*

REINTEGRAÇÃO DE POSSE NO RIO

Não sei se é o caso de ter dó ou achar que os cariocas merecem seus homens públicos, afinal, foram eles que os elegeram. Mal se livraram do pavão chorão do Sérgio Cabral e se deparam com as idiotices de Pezão. Essa conversa de cobrar da atual proprietária dos prédios da antiga Telerj as despesas com a desocupação é a chamada "ideia de jerico", que deveria envergonhar qualquer cidadão medianamente alfabetizado em Direito. Afinal, garantir o direito à propriedade é uma obrigação básica do Estado. Se essa moda pega, os cidadãos que tiverem suas propriedades invadidas e não dispuserem de recursos para pagarem ao governo terão de recorrer às milícias, capangas, jagunços, etc. Os invasores também não são culpados; eles são principalmente vítimas dos políticos que os iludem com falsas promessas e os transformam em massa de manobra.

Nestor Rodrigues Pereira Filho

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

POLÍCIA E IMPRENSA

Mais um lamentável incidente se deu entre a polícia e a imprensa, durante a cobertura de um conflito envolvendo uma ordem judicial de reintegração de posse, na sexta-feira (11/4), na zona norte do Rio de Janeiro, fato que nos obriga a uma necessária reflexão. Mais um desentendimento, desnecessário, entre um policial e um repórter, ambos cumprindo suas imprescindíveis e relevantes missões constitucionais sob a égide de um regime democrático. Um, de preservar a ordem pública, e outro, no livre direito de informar, que de nenhuma forma pode ser impedido, ressalvadas as situações em que o profissional de imprensa corra risco de vida ou interfira no momento ardente da intervenção, quando é dever da polícia informá-lo sobre tal risco, cabendo ao jornalista decidir se acata ou não a orientação e prosseguir ou não na busca da informação, mesmo em razão do risco iminente. Cerceá-lo em sua missão, jamais. Devemos lembrar que estamos sob a égide de um Estado Democrático de Direito, em que o trabalho dos órgãos de imprensa, no direito sagrado de informar, não pode ser cerceado e limitado. Registre-se que a imprensa, em tempos atuais de violência extrema, tem sido fundamental no apoio para identificar criminosos e de cobrança imediata para apuração de delitos, inclusive os cometidos pela ação excessiva ou desmedida da própria polícia. A imprensa é um órgão de defesa do cidadão. Sem dúvida. Ademais, policiais e jornalistas têm missões distintas e indispensáveis ao Estado Democrático. Ressalte-se que o trabalho policial, no seu exercício do monopólio legal da força, só admitida de forma proporcional e moderada, deve ter sempre como o parâmetro a transparência do ato, princípio basilar da administração pública. Nada há a temer sobre o trabalho da imprensa quando a polícia atua nos limites da lei. O trabalho da imprensa livre, desde que verdadeiro e responsável, é sagrado e indispensável à democracia e à cidadania. Sem polícia, justiça e imprensa, não há democracia. Que lamentáveis fatos como este deixem de ocorrer.

Milton Corrêa da Costa

milton.correa@globomail.com

Rio de Janeiro

*

SEGURANÇA PÚBLICA

Se fizermos uma avaliação mais profunda, chegaremos à conclusão de que os índices de criminalidade no País aumentaram assustadoramente depois que o governo desarmou o cidadão. Essa política de desarmar a população beneficiou demais os marginais, que continuam armados e mais violentos. No Rio, as autoridades de segurança pública se ocupam mais com as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do que com o asfalto. Os moradores estão abandonados à própria sorte, não podem se defender e o policiamento nas ruas é praticamente inexistente. Tenho saudades do tempo em que podíamos andar pelas ruas tanto de dia quanto à noite, com tranquilidade. Muita coisa mudou para pior, não só na segurança, mas também na educação, saúde e transporte. Providências cabíveis e eficientes poderão ser tomadas pelos parlamentares, aumentando as penalidades para os criminosos de qualquer idade, e a Justiça aplicando todas com rigor.

Odiléa Mignon

cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BANDIDOS OU INIMIGOS?

Ao longo de qualquer reflexão sobre a participação das Forças Armadas no esforço de combater o crime no Rio de Janeiro, é preciso levar em consideração o fato de que elas não estão preparadas nem são treinadas para substituir a polícia. Exército e fuzileiros navais, por exemplo, realizam operações militares, com características diferentes das manobras policiais. Enquanto estas visam ao combate e encaminhamento de elementos transgressores à Justiça, preservando, sempre que possível, a integridade das comunidades, aquelas estão condicionadas à conquista de objetivos físicos, ação que quase inevitavelmente respinga na comunidade de forma imprevisível. É importante, portanto, que as autoridades responsáveis pela solicitação de auxílio tenham tal fato em mente e deixem de lado as preocupações como a captação de votos nas comunidades e o desejo, inerente à cultura histórica dos políticos brasileiros, de sempre parecerem "boas praças". Caso contrário, será galgado um patamar a mais na desmoralização do aparato de segurança do poder público, via emprego de forças que têm atribuição constitucional estranha ao trabalho de combate à bandidagem. Em suma, polícia combate bandidos e Forças Armadas enfrentam inimigos. Ou será que chegamos ao ponto de considerar os acontecimentos do Rio como típicos de inimigos?

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A CRÔNICA FALTA DE EFETIVO POLICIAL

Terceirizar o atendimento 190, diminuir de quatro para dois anos a formação de oficiais, transferir ao trabalho operacional os policiais que hoje executam atividades internas, reincorporar inativos nas funções internas e, até, a operação delegada, são medidas em estudo e implementação pela Polícia Militar paulista para fazer frente à falta de efetivo. Além de buscar alternativas para a falta de quadros, o governo estadual deveria, também, se debruçar para identificar as razões do desinteresses pelos concursos. Se analisar os salários pagos à tropa - é o 22.º entre as PMs brasileiras - e as responsabilidades de um policial, logo tirará suas conclusões. A última vez em que a PM paulista sentiu-se relativamente bem remunerada foi há 20 anos, no governo Fleury. O policial é um trabalhador diferenciado. Seu trabalho é específico e exige treinamento, dedicação, concentração e motivação, atributos que não consegue reunir se estiver com problemas pessoais ou cansado de jornadas extras que é obrigado a fazer para complementar seus ganhos. Pesa, ainda, a falta de assistência do Estado quando é acusado de cometer excessos, o que ocorre frequentemente. Qualquer servidor estatal tem a defesa pelo Estado se acusado de falha profissional, mas o policial tem de pagar seu advogado. Isso o poderá levar à desmotivação e ao cuidado para não ter problemas. Dessa situação, o resultado é um trabalho de baixos resultados, mas sem a possibilidade de problemas com os riscos funcionais. Pior para a população, que carece dos serviços.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

AUXÍLIO-RECLUSÃO

Finalmente a Câmara dos Deputados está analisando uma importante proposta de emenda constitucional (PEC), n.º 304/2013, para alterar o benefício de auxílio-reclusão e pagá-lo à família vítima de bandidos, pois atualmente a sociedade tem duas despesas, uma para manter o preso na cadeia e outra com o auxílio pago para sua família. É no mínimo uma insanidade o governo proteger e auxiliar de todas as formas os autores de crimes contra a vida, enquanto suas vítimas e família são desprezadas pelo Estado e passam a viver de favores alheios e com medo. Ressalto que a votação dessa PEC já conta com 50 votos a favor e deve ser votada em regime de urgência, visto que a criminalidade brasileira já alcança níveis de países em guerra e deve ser desestimulada pelo governo, que, em vez de priorizar a proteção básica à vida, busca criminalizar drogas e inventar crimes visando a obter lucros e vantagens.

Daniel Marques

danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*

O DEPOIMENTO DE LATROCIDAS

A reportagem especial sobre os latrocidas ("Pena maior não intimida latrocidas", 13/4, A24) necessita ser discutida, por sua importância e sua atualidade. A afirmação de que pena maior não intimida não encontra base nem na matéria nem na realidade da situação criminal. Ao contrário. O primeiro entrevistado diz categoricamente que, se mudasse a lei e, em vez de ir para a Febem ("suave"), fosse para a cadeia, iria "pensar duas vezes". Cadeia é mais dura. O segundo "não sabe dizer se mudaria" devido a penas maiores. Ele não raciocina por hipóteses. O terceiro disse que ficou com muito medo porque houve morte no roubo, mas que nunca pensou sobre as penas. Medo de que, então? O quarto não disse nada. O quinto disse que não tinha medo de ser preso, mas preferiu voltar para a cadeia do que ser morto. A conclusão apressada da matéria repete os que preferem deixar as coisas como estão, dizendo que "pena de morte não reduz a criminalidade". Baseiam-se em Cesare Beccaria, autor italiano que escreveu em 1764, há exatos 250 anos: "Não é o rigor do suplício que previne os crimes, mas a certeza do castigo". Por isso não temos penas mais duras no Brasil, onde não há nem o suplício nem a certeza do castigo.

Gilberto Dib

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

REPRESA DE GUARAPIRANGA

A dramática fotografia da Represa Guarapiranga coberta com algas, estampada na primeira página do "Estadão" de 11/4/2014, é uma prova indiscutível da inépcia dos nossos governantes. Guarapiranga, com volume de água nada desprezível e encostada no município de São Paulo, foi inicialmente projetada para fins de geração de energia elétrica e, posteriormente, servir de manancial de água de qualidade para consumo dos paulistanos e municípios adjacentes. Por volta de 1980, a incapacidade dos governantes, associada a falta de fiscalização, corrupção, propinas, etc., iniciou-se um criminoso processo de ocupação das margens da represa por favelas e edificações de todo tipo, sem a devida preparação da área. Sem esgoto, os moradores deitam todo tipo de dejetos na Guarapiranga, dando origem às algas. Sem novidades. É o Brasil subdesenvolvido seguindo seu caminho rumo ao distante país do futuro.

José Sebastião de Paiva

jpaiva1@terra.com.br

São Paulo

*

SOLUÇÕES PARA A ESCASSEZ DE ÁGUA

Gostaria de fazer duas perguntas a quem de direito (governo, Sabesp, engenheiros hidráulicos): ouvi falar sobre um imenso Aquífero Guarani, que fica sob o Estado de São Paulo e outros, na direção sul. Ele existe? Suas águas poderiam ser aproveitadas para abastecer a cidade de São Paulo? É factível? E se o governo chamasse engenheiros israelenses que, com sua experiência no assunto, poderiam verificar se haveria a possibilidade de dessalinizar a água do mar para servir a cidade de São Paulo? A Imigrantes já está pronta. Uma faixa da estrada com dutos poderia trazer a água de São Vicente para São Paulo? Seria factível?

Neusa J. Longo

neusa.igor@uol.com.br

São Paulo

*

O FIM DO IPOD

Estudo na escola Vera Cruz e tenho 15 anos. Vou defender por que o iPod (tocador de músicas da Apple) está quase acabando. O iPod, lançado em 2001 por Steve Jobs, revolucionou o mercado da música, porém atualmente está perdendo mercado entre os consumidores. Esse tocador de música teve seu auge de vendas em 2006, mas agora está sendo trocado por novos aparelhos, que, além de tocarem músicas, desempenham outras funções: jogos, efetuam ligações, etc. Agora, em 2014, esse aparelho "ultrapassado" só é responsável por apenas 3% das receitas da Apple e, com o passar dos anos, estas podem cair simplesmente para zero, tendo seu lugar tomado por smartphones. Porém, o fim dos iPods não revela dificuldades para a Apple, mas, sim, como ela vai bem, a lidar com o ciclo de vida natural das grandes ideias. O iPod, seja qual for o seu destino, deixa um legado para a tecnologia.

Marco Barmak Fainguelernt

marcofaing@hotmail.com

São Paulo

*

CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL

Há muitos e muitos anos, na Inglaterra, que compartilhava a glória viva de Shakespeare, havia dois homens famosos. Um, por seu tamanho e força, não muito por sua inteligência. O outro, diminuto, quase anão, mas famoso por sua coragem e raciocínio. Certo dia, ao se cruzarem numa rua de Londres, pois já se conheciam, o grandalhão, sorridente, cumprimentou o baixinho, perguntando: Como vai, gigante? O inteligentíssimo e diminuto homem, respondeu: Tudo bem. E você, anão? Sem jeito, o grandão, pensando que o baixinho se sentira ofendido, retratou-se: Desculpe-me, mas quando o chamei de gigante me referi a sua enorme inteligência. Ao que o baixinho também se explicou: E eu, também à sua. O.k., Ituano? Ganhou o Campeonato Paulista, o mais importante do Brasil, e deu seu exemplo a todos os demais chamados clubes "pequenos" ou do "interior". E que mais anões inteligentes e corajosos apareçam no futebol do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia e demais Estados brasileiros onde os "grandes" - pelo dinheiro - compram as tabelas, dirigentes e até juízes para suas contínuas vitórias. Claro, com as devidas e honrosas exceções.

Sagrado Lamir David

david@powerline.com.br

Juiz de Fora (MG)

*

TIME RELIGIOSO

O Ituano é um time religioso, iniciou a Semana Santa fazendo abstinência de carne e já começou "comendo" peixe. É o Campeão Paulista de 2014.

Luiz Dias

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.