Fórum dos Leitores

PETROBRÁS

O Estado de S.Paulo

17 Abril 2014 | 02h09

Graça Foster e Pasadena

Em depoimento no Senado, dona Maria das Graças Foster fez ver, decididamente e com toda a clareza, que a compra da refinaria de Pasadena foi um desastre de mau negócio. Para o País e para nós, cidadãos, é claro. E ainda confirmou que as cláusulas prejudiciais não foram detectadas e analisadas pelos empregados responsáveis pela contratação. Inclusive ela, que fique bem claro, pois se não o fosse não teria sido alçada a dirigente da Petrobrás. Aliás, parece que a sua promoção visou a abafar o(s) mau(s) negócio(s) que vinha(m) sendo realizado(s); só que esse objetivo abortou e veio a público pela diligência dos cidadãos de bem. Dona Maria das Graças Foster e todos os membros do Conselho de Administração da Petrobrás, e também os demais empregados que, por dever de ofício, participaram da negociação, são todos responsáveis pelo desastre. Mas uma coisa ainda paira no ar: por que e para que o Brasil compraria uma refinaria em outro país, investir nos EUA, cujos dirigentes não eram e não são tidos como amigos do Brasil?

PEDRO LUÍS DE C. VERGUEIRO

pedrover@matrix.com.br

São Paulo

Dividendos

Disse Graça Foster que "para nós" não foi um bom negócio. Não disse que foi muito, mas muito mesmo, bem pra lá de muito bom para outros...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Negócio

Por mais que tentem justificar, as únicas certezas que temos é que quem obteve "lucro" com a compra da refinaria em Pasadena foi o PT e que nós a pagaremos, como muitas outras coisas, por muito tempo ainda.

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

Negócio?

Pasadena foi negócio? Aquilo não foi negócio, não. Foi tunga!

J. PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

São Paulo

A lei da banalidade

O Conselho de Administração da Petrobrás, incluída sua presidenta, não sabia da existência da cláusula "put". Acontece que, contratualmente, em qualquer operação, tratada com um mínimo de zelo, havendo apenas dois sócios estão previstas a possibilidade e as condições de desfazer a associação. Como o negócio era tão "bom", a eventualidade de ter de comprar a outra metade deve ter sido considerada apenas como uma "oportunidade". Isso nos remete a uma das famosas leis de Cyril Northcote Parkinson, a lei da banalidade, assim definida: o tempo dedicado à discussão de cada ponto de uma pauta de reunião é inversamente proporcional ao valor dele. Uma diretoria poderá decidir em questão de minutos um assunto extremamente complexo (o exemplo do autor era um reator nuclear, mas refinaria também serve) e despenderá horas discutindo se deverá passar a oferecer café nas reuniões do comitê de bem-estar dos funcionários. De cafezinho todo mundo entende. A obra foi publicada em 1958 e a introdução do PowerPoint, aparentemente, não afetou a sua validade. Prova disso é que só depois de muito trabalho foi possível informar o custo dessa tristemente famosa operação.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

O culpado

O discurso esclarecedor de Dilma Rousseff e a sabatina de Graça Foster são conclusivos: quem leu e aprovou a compra da refinaria, e outras decisões que estão afundando a Petropina, foi o copeiro que serve café.

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

O engano da presidente

"Nada, nem ninguém, vai conseguir destruir a Petrobrás", disse a presidente Dilma Rousseff, anteontem, no Recife. É impressionante como a presidente subestima, minimiza, diminui a capacidade destrutiva do seu partido no comando da ex-maior empresa da América Latina. Em apenas 12 anos e pegando apenas três casos - Pasadena (EUA), Refinaria Abreu e Lima (PE) e Comperj (RJ) -, podemos chegar a um rombo de US$ 22 bilhões. Se somarmos a essa fantástica cifra os prejuízos com a importação de derivados, chegaremos à óbvia conclusão de que o PT pode, sim, destruir completamente a empresa. No momento já conseguiu destruir uma boa parte. Cabe ao povo brasileiro impedir que Lula ou Dilma continuem a destruição, posando com o uniforme da Petrobrás, sujando as mãos de óleo e acusando quem denuncia o descalabro na empresa.

MAURÍCIO RODRIGUES DE SOUZA

mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

Corrupção

Presidenta, não é um caso de políticos, mas de polícia. E o povo brasileiro não é contra a Petrobrás, é contra a corrupção instalada lá.

GATTAZ GANEM

gattaz@globo.com

Carapicuíba

Massa falida

Pergunta que não pode calar: incentivar o trabalhador a comprar ações da Petrobrás com o dinheiro suado do Fundo de Garantia (FGTS) foi legítimo? Com a palavra o sr. Lulla e sua tropa.

HUMBERTO GALLO

humberto.gallo@terra.com.br

São Paulo

JUDICIÁRIO

Sua parcela de culpa

Com relação ao artigo Judiciário sacrificado (16/4, A2), é preciso esclarecer que parte do enorme volume de processos existentes no Judiciário paulista se deve à postura de certos magistrados que insistem em tratar centenas de empresas rés contumazes como se fossem vítimas da sociedade, e não o contrário. Condenam empresas milionárias que lesam diuturnamente os cidadãos a pagar valores ínfimos por danos morais e, em regra, não condenam os fornecedores causadores de danos, de má-fé, a restituir em dobro os valores cobrados indevidamente. (Aliás, deveriam, antes de sentenciar, buscar o nome da parte ré na internet. É fácil e barato. Assim conseguiriam ter ideia de quem é a empresa que estão condenando e quantos processos há contra ela.) Isso termina por incentivar as empresas rés a seguir lesando os consumidores e estes continuarão cada vez mais a recorrer ao Judiciário, que, na maioria das vezes, pratica injustiças. A "mensagem" que grande parte do Judiciário tem passado nas últimas décadas é a de que compensa lesar os cidadãos. Quem nunca ouviu alguém que foi lesado reclamar de decisões do Judiciário? Se a mentalidade de muitos magistrados não mudar, a tendência é piorar e o volume de processos crescerá, com toda a certeza.

CARLOS RODRIGUES, advogado

berodriguess@yahoo.com.br

São Paulo

___________________________________ 

O SENADO COM GRAÇA

Maria da Graça Foster afirmou que é inquestionável que a compra da Refinaria de Pasadena foi um mau negócio, contradizendo seu antecessor, Sérgio Gabrielli, e a tropa de choque do PT, que insistiam mil vezes na mentira de bom negócio até que se tornasse verdade. A presidente da petrolífera responsabilizou Nestor Cerveró por relatório falho, que levou à compra de Pasadena. Ademais, foi ironizada pelo senador Aloysio Nunes Ferreira quando disse que Cerveró foi punido ao ser tirado da diretoria internacional da Petrobrás para a diretoria financeira da BR Distribuidora. Ele foi premiado por um delito grave num negócio que simplesmente custou mais de US$ 1 bilhão aos cofres da Nação, isto é, aos contribuintes. O momento de maior tensão foi quando o senador Mário Couto perguntou a Graça Foster sobre as vantagens que seu marido conseguia na Petrobrás, tendo 20 projetos aprovados sem licitação. Graça negou, o que levou o senador a afirmar que, diante das provas apresentadas por jornais paulistas, entraria no Ministério Público com uma denúncia sobre o fato. Após seis horas, o saldo positivo da reunião foi sem dúvida para Graça, que recebeu tanto da oposição como dos governistas palavras de elogio e respeito à sua capacidade administrativa. Somente uma conclusão foi atingida: "Continua tudo como dantes no quartel de Abrantes".

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

O PT É MUITO BONZINHO

Pelo depoimento de Graça Foster, pode-se imaginar a incompetência e a corrupção com as quais o PT vem administrando o Brasil nestes últimos 11 anos. Nestor Cerveró nos causou mais de US$ 1 bilhão de prejuízo e, para puni-lo, transferiram-no para outra diretoria. Gente muito boazinha com o dinheiro público. E querem continuar!

Eugênio José Alati alatieugenio@gmail.com

Campinas

*

CPI DA PETROBRÁS

Não deu para entender o que a presidente Graça Foster quis dizer ao defender que a transferência de Nestor Cerveró da Petrobrás para a Petrobrás Distribuidora (BR) foi uma punição. Cerveró foi responsável pela execução do resumo falho que induziu o conselho deliberativo, que era presidido por Dilma Rousseff, a comprar uma refinaria que valia US$ 42,5 milhões por pelo menos US$ 1,2 bilhão, e agora vai gerir um plano de investimentos de R$ 5,48 bilhões entre 2014 e 2018, na BR. Seria o mesmo que colocar o pintor que estragou a sala de estar para ir pintar a suíte da casa.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

DUPLA DINÂMICA

A exemplo do mensalão, em que o bode expiatório foi Marcos Valério, foi fácil para Lula e Dilma acharem um bode expiatório para as mazelas da refinaria de Pasadena, em que jogamos na lata do lixo mais de US$ 1 bilhão, e da refinaria Abreu e Lima, que, mancomunada com Hugo Chávez – o que custaria US$ 2,5 bilhões –, já está custando US$ 18 bilhões e não funciona, e a Venezuela não entrou nem com um centavo. Essa dupla, que nunca sabe de nada, promete ainda nos causar muito mais espanto. No caso do petróleo, a vítima foi Nestor Cerveró.

Conrado de Paulo depauloconrado@yahoo.com.br

Bragança Paulista

*

O ESCOLHIDO

Mais uma peça teatral é colocada em evidência, Cerveró, escolhido culpado pela compra hiperfaturada da refinaria de Pasadena. Engraçado é que todos trabalham para blindar o maior responsável pela fraudulenta aquisição. Não se falou até agora a quem interessou a compra tão cara. Quem se beneficiou daqueles milhões? Não seriam os enricados membros do PT, que, de pobres, passaram a ser multimilionários, conforme a revista "Forbes", com essas e outras negociações suspeitas? E os empréstimos sigilosos a países ditatoriais? Pagarão depois? Engraçado é que continuam batendo na nossa ditadura. Seria para confundir o eleitorado? Demitir Cerveró, que continuará com sua aposentadoria milionária, de nada adiantará. E a indenização aos cofres públicos de US$ 1,2 bilhão? Precisamos de mais contundência nas apurações. Gabrielli já saiu fora. Para os senadores está explicado, como nas perguntas aos membros do Supremo Tribunal Federal (STF). Que país é este, gente? Chega de tantas mentiras acobertadas por boa parte de quem tem o poder de elucidar os fatos. Teimam em esconder a real verdade. Foi mais uma falcatrua do governo do PT. Mas, para mim, deu para entender o enriquecimento meteórico deles.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

CERVERÓ NA CÂMARA

Esse Cerveró é um artista. Tentou repassar para Fernando Henrique Cardoso a responsabilidade da compra da refinaria de Pasadena, que, segundo ele, foi incluída no planejamento estratégico da Petrobrás durante o segundo mandato do ex-presidente. Alguém acredita que a equipe de FHC, ou alguém de fora do PT, permitiria a compra de Pasadena pelo absurdo e indecente preço que Lula pagou?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A VAIDADE DOS DEPUTADOS

Tão preocupante quanto a história mal contada de Pasadena são, com raras exceções, o primarismo e a prolixidade vaidosa dos nossos deputados.

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

A BELEZA É FUNDAMENTAL

Há umas duas semanas, estávamos eu e meu neto numa banca de jornal, quando ele, apontando para um semanário de grande circulação, me fez a seguinte pergunta: "Vô, aquela revista é de história em quadrinhos de terror?". Na capa, estava estampada a foto de Dilma e de Graça Foster. Tive muita dificuldade de explicar que não era o que imaginou que fosse. Ontem, prestava atenção ao depoimento de Nestor Cerveró, quando meu neto se sentou ao meu lado e pediu, pelo amor de Deus, que trocasse de canal. Assim como diria Vinícius: "A beleza é fundamental". Este governo, que não faz nada de bonito, poderia, pelo menos, mudar os visuais.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PETROBRÁS X PASADENA

Nós, brasileiros, estamos chegando à conclusão de que o contrato para a compra da refinaria de Pasadena foi escrito na língua javanesa e que seus partícipes Nestor Cerveró, Graça Foster, Sérgio Gabrielli e Dilma Rousseff, para confundir os Poderes maior da República, só falam no idioma javanês. Assistimos a isso no depoimento de Cerveró ontem.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

QUITANDABRÁS

A Petrobrás não é uma "quitanda", mas acabará sendo em pouco tempo, se continuar administrada – nas coxas – como nos últimos anos do (des)governo petista, quando seu valor de mercado derreteu mais de 50%, e sua classificação despencou do 12.º lugar para o 120.º no ranking mundial. Que a verdade sobre o imbróglio Pasadena – entre outros – venha à tona como uma jorrada de petróleo! É hora de se fazer uma rigorosa e profunda Operação Mãos Limpas em sua caixa-preta. Basta de presepadas!

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

É FÁCIL

A fala da presidente Dilma é falsa como a moeda de R$ 3,00. Se realmente quer salvar a Petrobrás das más influências que denigrem a sua imagem, é fácil, muito fácil, é só enxotar a pontapés os petistas alojados na petrolífera e dar transparência às centenas de misteriosas ONGs.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

CRISE ELEITORAL

O que disse Dilma, segundo a imprensa, de que a crise na Petrobrás é fruto da disputa eleitoral, chega às raias do ridículo. Só existe, até agora, ela como candidata. E, afinal de contas, roubalheira na Petrobrás e no Brasil é coisa recente? Chega de pensar que somos todos otários.

Paulo Maia Costa Júnior paulomaiacjr@hotmail.com

São José dos Campos

*

DEPOIMENTO COERENTE

O depoimento de Graça Foster no Senado foi sereno, isento, sincero e competente. Tirou o tacape das mãos dos opositores de Dilma. Graça não escamoteou nada. Não vacilou nos esclarecimentos. Debilitou o principal gancho e bandeira que sustenta a alvoroçada oposição, admitindo que foi um mau negócio a compra da refinaria de Pasadena. Foster sustentou os argumentos de Dilma. Não deixou a chefe da Nação de saia justa. Desapontando a oposição, ansiosa por escorregadas e contradições de Graça Foster. Quem, como Foster, sustenta verdades, merece o respeito público. Graça Foster também foi enérgica na defesa da Petrobrás, repudiando perigosas e injustas generalizações que insistem em manchar a credibilidade da empresa, da qual Foster é servidora há 33 anos. Aos opositores de Dilma, restou um quadro amarelado de débeis acusações, dentro de uma moldura velha e rachada.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

DESCOBERTA

A presidente da Petrobrás, Graça Foster, disse que a compra da refinaria de Pasadena foi um mau negócio. Ora, até uma criança da pré-escola sabe disso. Ela jamais pagaria R$ 10,00 por um pirulito que vale R$ 0,50! É claro que quem comprou também sabia disso, pois muita gente ficou rica com esse negócio esdrúxulo. Quantas campanhas políticas não devem ter sido financiadas com esse dinheiro sujo? Agora a presidenta Dilma vem dizer que a oposição quer destruir a Petrobrás. Ora, senhora presidenta, foi a oposição quem fez esse negócio e tantos outros mais que virão à tona, se a CPI for instalada, o que eu duvido. O todo-poderoso Lula não quer essa CPI de jeito nenhum. Por que será? Ele pensa que todos são idiotas neste país!

José Milton Galindo galindo52@hotmail.com

Eldorado

*

IDEOLOGIA?

Alguns agora se perguntam por que diabos a Petrobrás foi comprar um refinaria americana. O ano era 2006. Lula estava no auge da soberba, era candidato à reeleição e o PT acusava Geraldo Alckmin de privatista. Bom negócio está declarado que não foi. Só espero que não tenha sido por ideologia. Afinal, nada mais humilhante para os EUA, e mais brilhante para um "cumpanhero" de Fidel, que comprar empresas americanas. A Petrobrás "podia"...!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

REFINARIA DE PASADILMA

É espantosa a forma como os especialistas do Conselho de Administração da Petrobrás "administram" a estatal. Fazem reunião para discutir a compra de uma refinaria pela bagatela de um bilhão e pouco, sentam-se numa bela sala com ar refrigerado, conversam por um bom tempo, resolvem e ninguém leu o contrato! Um grupo de "conselheiros responsáveis" – como deve ser – fecha uma compra milionária baseado apenas no resumo explicativo (foi graça de dona Graça?) feito por um diretor. São todos muito ocupados para perder tempo lendo contrato de uma comprinha à toa ou são da turma "a senhora manda, eu assino"? Você botaria sua assinatura numa compra milionária baseado apenas num resumo explicativo? É fácil gastar o dinheiro dos outros!

Marta Junqueira Netto martajunetto@terra.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

Há tanta sujeira que a água do Lava Jato poderá acabar.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

CALADO

O deputado petista André Vargas deve ter se lembrado do caso Celso Daniel e concluiu que é melhor cair fora caladinho.

Jose Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

MUDANÇA DE NOTICIÁRIO

O PT provocou uma grande revolução na imprensa brasileira. Tirou a Petrobrás do noticiário econômico para colocá-la no noticiário policial.

Ronald Marins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

O HAITI É AQUI

Impressiona o nível de fatiamento político implementado aos cargos de comando da Petrobrás. O depoimento da presidente da empresa no Congresso foi elucidativo nesse aspecto. A pessoa que cometeu o ilícito não é demitida, e sim deslocada para outra função de mando na empresa. Demonstração inequívoca de costas quentes. Deduzimos, assim, que ela, como presidente da Petrobrás, tem a função e os poderes da rainha da Inglaterra. Também deste episódio descobrimos no doleiro Alberto Youssef alguém que exerce a mesma função de Marcos Valério. O Haiti é aqui!

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

NUVEM NEGRA

Pobre país, cujo céu risonho e límpido abriga uma nuvem Pasadena.

Gilberto M. Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

*

PRIVATIZADA HÁ ANOS

A defesa do PT, a mando de Lula, sobre a Petrobrás é dizer que a oposição precisa parar de atacar a petroleira, quando, na realidade, quem assumiu o controle da quase totalidade de malfeitos na grande empresa foi o lulopetismo. Aliás, os integrantes do lulopetismo querem repetir a dose de que a oposição, embora defendendo a petroleira, deseja a sua privatização, quando o PT já a privatizou há quase 12 anos. Aliás, nesse sentido é o editorial do "Estadão" (16/4, A3). Entretanto, desta vez, o engodo não irá pegar, porque o planeta sabe de todas as artes que o lulopetismo praticou na Petrobrás em seu benefício e no dos seus apaniguados. E é a Polícia Federal que está dizendo para todos, e não a CPI boicotada e transfigurada por aqueles que mamam nas tetas do Estado.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

DILMA DEFENDE A PETROBRÁS

Dilma, em mais um de seus delírios eleitoreiros, esquece que os cidadãos têm viva memória e fala como se fôssemos um bando de xucros, desinformados. Durante uma cerimônia de viagem inaugural de navio petroleiro em Ipojuca (PE) disse, em seu discurso, que não deixará ninguém ferir a imagem da Petrobrás: "Defenderei em quaisquer circunstâncias e com todas as minhas forças a Petrobrás". Acusou, ainda, que as avaliações sobre a queda das ações distorcem dados e manipulam análises, transformando eventuais problemas conjunturais de mercado em fatos irreversíveis e definitivos. Acrescentou que o que tiver de ser apurado será apurado com rigor e que a petroleira tem comissões de apuração e programa de prevenção à corrupção os mais eficazes, com controle e fiscalização internos. Se quiser realmente que a imagem da Petrobrás não seja ferida, deixe que a CPI seja instalada pelas minorias, e que, assim, a ajude a afastar esses "malfeitores" que querem "ferir" a imagem da nossa petroleira.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

PESQUISA DO IBGE

De um lado, o governo Dilma afirma que a suspensão da eficiente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua do IBGE é somente uma decisão técnica. Do outro lado, os 45 técnicos do núcleo de pesquisa do IBGE expressam um sentimento de indignação pela tal "suspensão" e farão um dia de paralisação no Rio, bem como estão previstos protestos em outras sedes do Instituto pelo País afora. Adivinhe de que lado estará o cidadão brasileiro, diante de mais essa pilantragem petista?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

ELEIÇÕES COM CONSCIÊNCIA

Quase todos que podem querem a reeleição. E aqueles que fazem parte do grupo dos senadores e deputados querem manter seus cargos e privilégios. As eleições são ganhas, hoje em dia, com dinheiro e mentiras. O povo se deixa enganar por promessas de candidatos quando os votos são comprados com dinheiro e mercadorias. Poucos pensam que o voto não tem preço, e as consequências podem ser desastrosas quando se elegem candidatos desonestos. Como nos anos de 1930, as eleições são frutos mais de espertalhões do que do trabalho de união nas comunidades. Só com a conscientização de cada um nós podemos esclarecer a mente do povo.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza

*

ÉPOCA DAS PLANTAÇÕES

Como de hábito, de forma alucinada, cresce a temporada de plantações na imprensa. Quem for podre, que se quebre. Presidenciáveis aos montes. Fazem o diabo para fragilizar Dilma. Todos prometem milagres para um Brasil melhor, apesar de que alguns não saibam diferenciar uma jabuticaba de um grão de café. Também estão inspirados os príncipes do jornalismo brasileiro. Brindam os leitores com profundas análises e pensamentos sobre Aécio, Eduardo, Marina, Lula, Dilma. São geniais. Contribuem para o aprimoramento democrático. Não sei o que seria da história política brasileira se não existissem os eruditos e sábios, para alimentar as mentes dos simples mortais.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CRISE NA EDUCAÇÃO

A diferença entre educação e instrução tem causado problemas de difícil solução no País. As classes menos favorecidas detêm o conceito de que a educação deve ser dada na escola. Mas que educação? As famílias dessas classes empurram o trabalho de educar os filhos para os professores e tiram o tempo voltado às instruções sobre português, matemática, geografia, história, ciências, música, educação física, trabalhos manuais, inglês e francês. A falta da figura do inspetor de alunos, que cuidaria da parte comportamental, é uma lacuna que existe no ensino fundamental e que é essencial para evitar o desrespeito aos professores, as brigas entre alunos e o bullying, dentre outras mazelas decorrentes da omissão dos pais diante da responsabilidade de criar um filho. Lamentavelmente, esta situação deixa o Brasil no último lugar no ranking de 65 países avaliados pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O QUE FIZEMOS COM A EDUCAÇÃO?

Não importa o motivo, pois nada justifica a violência covarde. Que cenas absurdas são vistas no vídeo gravado na Escola Estadual Castelo Branco, em Limeira, enquanto uma aluna era surpreendida e agredida por outras duas alunas. Durante os 90 segundos da agressão criminosa, ouviram-se gritos dos colegas como "estraga a cara dela", "tem que apanhar mesmo", "deixa as duas" e outros absurdos. Os colegas nada ou pouco fizeram para impedir, mais preocupados em gravar as cenas. O que o futuro reserva para as agressoras, se uma é reincidente? O que o futuro reserva para os demais alunos que passivamente assistiam à agressão? E o da aluna agredida?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

O DESRESPEITO É GERAL

O povo brasileiro, cansado de ser desrespeitado pelo poder público, está partindo para exigir os seus direitos com as próprias mãos. Cidadão desesperado e desrespeitado pelo atendimento de sua mãe em hospital público faz refém uma enfermeira para forçar o atendimento. Não é que conseguiu? Se a moda pega, pode melhorar a saúde do povo? Será que só a truculência seguida de violência forçará as nossas autoridades a cumprirem os direitos do povo? Os seus maus exemplos estão contaminando a todos e a tudo. Nem as mulheres podem usar roupas mais arrojadas e modernas (shorts, minissaias, blusas decotadas) que podem ser atacadas por tarados ou desequilibrados, em qualquer lugar, desrespeitando a privacidade das mesmas. Professores(as) são desacatados(as) pelos alunos, idosos são desrespeitados pelos mais jovens. Os brasileiros estão com os nervos à flor da pele. Ofendem, agridem, assaltam, roubam, sequestram, cometem violências de toda espécie, que se proliferam sem limites. A impunidade legalizada está facilitando e permitindo maus caminhos. O desrespeito é geral diante da degradação moral instituída pelo atual desgoverno, em pouco mais de uma década. Como acabar com mais essa vergonha nacional?

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

BIOMETRIA ELEITORAL

Fiz ontem o cadastramento biométrico – registro de impressões digitais – no cartório eleitoral da minha zona, em atendimento atencioso, rápido e fácil. Havia lá cerca de 12 pessoas apenas. E me pergunto por que esse procedimento, a meu ver seguro e eficiente, não tem uma divulgação na mídia de acordo com sua importância? Por que ninguém fala nisso?

Diva Rodrigues Pedrosa diva.rodrigues@terra.com.br

São Paulo

*

MANIFESTAÇÕES CONTRA A COPA

Por que esses manifestantes contra a Copa não vão protestar em Itaquera, na porta da Arena Corinthians? Lá, creio eu, que é o local adequando para isso. Fazer manifestação no Centro, na Paulista, no Butantã, do outro lado da cidade, é ridículo. Além do mais, esse pessoal está atrasado, os protestos deveriam ter sido feitos quando o Brasil foi escolhido para sediar o evento. Agora, o dinheiro já foi gasto (mais de R$ 7 bilhões só em estádios), as seleções já estão se preparando e não fazer o evento exporia o País a um vexame internacional monumental.

Alexandre Fontana alexfontana70@yahoo.com.br

São Paulo

*

QUE PAÍS SERÁ ESTE?

O jornalista dinamarquês Mikkel Keldorf Jensen gerou polêmica ao anunciar sua desistência em cobrir a Copa do Mundo no Brasil, por conta dos problemas que encontrou no País às vésperas do evento. Em um longo texto no Facebook, Mikkel comentou a reação às suas palavras e admitiu que a decisão de voltar à Europa foi por medo. Até a esposa do líder da banda Guns’n’Roses foi assaltada no Recife. A violência está totalmente fora de controle, e ninguém faz nada. Quem for turista que se cuide, pois pode ser a última viagem da vida. Uma vergonha lamentável e sem solução.

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

INTERVENÇÃO DO COI NA OLIMPÍADA

Preocupado com os atrasos nas obras, incompetência e desorganização, o Comitê Olímpico Internacional (COI) resolveu fazer uma intervenção direta na Olimpíada do Rio de 2016. Será possível que o Brasil não tem condições de organizar e realizar uma grande Olimpíada? O que vemos são obras superfaturadas, desvio de dinheiro público a rodo, bagunça, incompetência e desorganização. O povo brasileiro é trabalhador, honesto, produtivo, criativo, mas nossos políticos são de décima categoria e merecem um bom pontapé no traseiro e uma medalha de lata. Temos tudo para realizar uma bela Olimpíada em 2016, no Rio, mas não podemos ficar nas mãos de tantos corruptos e/ou incompetentes, como o COI já percebeu.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

COPA NO BRASIL

O Brasil torna-se mais conhecido com a Copa do Mundo de Futebol em junho de 2014. A ideia de que o Brasil é um paraíso sexual não é verdadeira. Temos um povo sofrido que trabalha muito e sofre com o desemprego e a má distribuição da renda. A exploração dos tempos de Cabral continua. Os amigos estrangeiros vão encontrar uma maquiagem para disfarçar o verdadeiro Brasil. Há muita corrupção em nível municipal, estadual e federal. Eles verão um povo de fé e que aceita o ecumenismo e a tolerância com naturalidade. No geral, uma máscara tenta fazer do país do futebol e do carnaval um paraíso. O Brasil é um país lindo que muito tem a melhorar em justiça social.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza

*

UCRÂNIA

A aproximação da Ucrânia com a União Europeia, a pretensão do país de rever o acordo com a Rússia sobre a base naval de Sebastopol, na Crimeia, e o verdadeiro cerco promovido pela OTAN, ao recrutar novos membros do Pacto de Varsóvia via ex-repúblicas da URSS, fizeram soar para o Vladimir Putin o mesmo alarme de perigo iminente que soou para Kennedy quando os soviéticos enviaram mísseis nucleares para serem instalados em Cuba, em outubro de 1962. Putin é o "heroico" Kennedy, do século 21, para os russos.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

TELERJ

Vamos ver se dá para entender: um grupo de pessoas, no Rio de Janeiro, invade uma área abandonada, pertencente a uma empresa e a ocupa, ou seja, uma ação ilegal que precisa ser resolvida. Até aí, nada diferente das invasões que estão ocorrendo em vários pontos das nossas principais metrópoles. Providência para desembaraçar o impasse: promover uma reunião com representantes da polícia, dos órgãos sociais do poder público, da empresa proprietária, de várias outras instituições oficialmente relacionadas com o problema e os invasores. Será que estamos assistindo a uma perigosa inversão de papéis, em que o infrator delibera sobre sua possível punição? A propósito: a reunião terminou sem acordo.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

‘BUNGA BUNGA’

O ex-premiê italiano Silvio Berlusconi (16/4, A11) "cuidará" de idosos em asilo de luxo. Seu retrospecto recomenda cautela aos velhinhos. Faltava essa!

J.Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

*

ARGENTINA

Passei alguns dias em Buenos Aires e tive a oportunidade de ver o quanto o povo argentino está com dificuldade de conviver com o desgoverno de Cristina Kirchner. Contam nos dedos os dias que faltam para que a imitadora de Hugo Chávez deixe o poder. Inflação galopante, custo de vida altíssimo e baixos salários. E, para completar, a marginalidade toma conta da capital e, pelas reportagens que vi, também do interior do país. A falta de segurança é tão grande que já chegou a ponto de o povo estar fazendo justiça com as próprias mãos. Vira e mexe tem marginal sendo linchado. Não muito diferente daqui. Representantes do governo tentam passar para o povo que a economia está sob controle e que o país está longe de uma crise. Se alguém contesta, o sangue da autoridade ferve e o discordante se vê em apuros. A coisa fica preta. No dia da paralisação nacional, 10 de abril, ato que custou à economia do país 2.450 milhões de pesos, integrantes do governo, ao serem entrevistados, diziam apenas: "El paro general no va contribuir en nada. Los grupos que realizam essas medidas son cada dia más minoritários". Mas, na realidade, todo o povo está "tiririca". Principalmente nos supermercados. Coitada da nossa América nesses os últimos tempos. Que safra!

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

VIOLÊNCIA CONTRA JORNALISTAS

Brasil fica entre os piores países em ranking de crimes contra jornalistas. Essa situação ainda decorre e vem muito a calhar nos 50 anos do golpe da ditadura militar, dos ainda resquícios que a ditadura deixou em nosso país em pleno século 21.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.