Fórum dos Leitores

PETROBRÁS

O Estado de S.Paulo

18 Abril 2014 | 02h08

Longe do padrão petista

Assisti com muita atenção à sabatina a que foi submetida no Senado a presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster, convidada que foi para responder sobre as graves denúncias de corrupção que recaem sobre membros da direção da empresa desde 2006. Graça Foster, servidora que é da estatal há 35 anos, foi enfática ao dizer que a compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, pela Petrobrás "foi um mau negócio". Resposta essa muito longe do padrão petista, que regularmente chuta com os dois pés, sempre fugindo de sua responsabilidade quando o assunto é corrupção e outros ilícitos praticados por membros do partido e aliados. A presidente da estatal, aliás, questionada sobre os elevados custos de terraplenagem e indenização por dias parados por causa das chuvas, que somam mais de R$ 400 milhões, na obra do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), também concordou que os valores pagos são excessivos. E acerca da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, que deveria custar R$ 2,4 bilhões e já passa dos R$ 18 bilhões, diplomática, evitando ser deselegante com seu antecessor, Sérgio Gabrielli, e constranger mais ainda a desmoralizada gestão petista, disse que a partir do início de sua gestão (12/2/12) na presidência da Petrobrás os custos dessa refinaria seguem equilibrados, dentro do cronograma traçado por ela. Ou seja, fica claro que a gestão anterior da Petrobrás não se preocupou em momento algum com os superfaturamentos! Talvez até propositalmente, porque com um planejamento medíocre para tocar essa obra, como é corrente em quase todos os projetos nesta era petista, os larápios envolvidos neste governo se sentem livres para autorizar aditivos nos preços, engordar os valores das propinas e desviar recursos dos contribuintes. Portanto, se Graça Foster procurou responder de forma condigna a todas as questões dos parlamentares presentes à audiência no Senado, em hipótese alguma o Congresso poderá esconder debaixo do tapete dessa gente do Palácio do Planalto as excrescências que estão sendo praticadas contra a nossa Petrobrás. CPI exclusiva neles!

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Confusão só aumenta

Graça Foster foi ao Senado e disse que a compra de Pasadena foi um mau negócio. Nestor Cerveró foi à Câmara dos Deputados no dia seguinte e disse que foi um bom negócio. Essas contradições confirmam a nossa suspeita, depois da fala de Dilma Rousseff no lançamento do navio Dragões do Mar: "O que tiver que ser apurado vai ser apurado, o que tiver que ser punido vai ser punido". Ou seja, além de Cerveró, que se enrolou todo para não deixar a presidenta da República em maus lençóis, muitos outros bodes expiatórios vão aparecer e ser sacrificados para que ela e o PT sejam preservados. E por mais que se busque e se mexa, ao invés de esclarecer, a confusão só aumenta. Aliás, dona Dilma tem muito a explicar, a começar pelos quase R$ 3 bilhões gastos em propaganda só em 2013, enquanto todos os setores sociais definham por falta de atendimento e investimentos - e aí está o porquê da suspensão da Pnad Contínua pelo IBGE, os índices da deterioração social são alarmantes! E quando vão convocar o "primeiro-ministro" (ex-presidente Lula) para sair da moita e ser questionado no Congresso? Ou ele vai ficar, mais uma vez, vendo de camarote os companheiros dançarem?

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Bode expiatório

É no mínimo estranho reunir o Conselho da Petrobrás para aprovar um negócio da magnitude de Pasadena com base no relatório de uma única pessoa. Pois foi isso que dona Graça afirmou.

MARIO GHELLERE FILHO

marinhoghellere@gmail.com

Mococa

Depoimento de Cerveró

O fato de o Palácio do Planalto considerar satisfatório o depoimento do ex-diretor da Área Internacional da Petrobrás na Câmara dos Deputados demonstra incapacidade, irresponsabilidade e má-fé deste (des)governo com a gestão do bem público. Foi um testemunho inconsistente e falso para afastar a obrigação do Conselho de Administração da Petrobrás de responder por seus atos, que ocasionaram grande prejuízo à empresa estatal. O único meio de desvendar esse dano irreparável é a comissão parlamentar de inquérito (CPI) proposta pela oposição.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Fatalidade

Nestor Cerveró é capaz de dar nó em pingo d'água. Todos são muito competentes e muito honestos: ele, Gabrielli, Lula, Dilma, Graça... A Petrobrás tomou um prejuízo superior a US$ 500 milhões por culpa da "fatalidade", essa entidade sempre invocada quando não se quer ou não se pode explicar um desastre.

SERGIO BRESCIANI

sergio.bresciani1@gmail.com

São Paulo

Refinaria de Pasadena

Dilma Rousseff diz que foi enganada, Nestor Cerveró diz que não quis enganar, Graça Foster disse que foi um mau negócio e Sérgio Gabrielli declarou que foi um bom negócio. E eu pergunto: quem se vai responsabilizar e restituir os nossos R$ 2,7 bilhões jogados no lixo?

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

De enganos

Nestor Cerveró preferiu enganar o Brasil a enganar Dilma!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

alatieugenio@gmail.com

Campinas

Ainda a sucata americana

Se o tal Nestor Cerveró "não quis enganar Dilma", por que a pressa em aprovar o "negócio" em 2/6/2006? Os conselheiros não poderiam ter pedido mais detalhes e esperado mais alguns dias até terem plena consciência do que estavam fazendo?

GUTO PACHECO

daniguto@uol.com.br

São Paulo

Que negócio é esse?

Graça: foi um mau negócio. Cerveró: foi um bom negócio. Dilma: não teria assinado o negócio. PT: foi um grande negócio. Contribuinte: fora do negócio...

MARIA LÚCIA FITTIPALDI

marialuciafittipaldi@gmail.com

São Paulo

Estratégia

Contradições e divergências afloram nos depoimentos dos membros do governo federal sobre a compra da refinaria americana de Pasadena. Incompetência ou estratégia para confundir a opinião pública?

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

  ______________________________  

 

QUEM PAGA É SEMPRE O POVO Há, nas explicações sobre a compra desastrosa de Pasadena dadas por Dilma, Graça Foster e Nestor Cerveró, o funcionário de carreira da Petrobrás, uma única constatação. O povo brasileiro foi lesado nessa transação, e os culpados pela compra dessa “refinaria falida” devem arcar com os prejuízos, mesmo que uma delas seja a atual e o ex-presidente da República. O resto é blablablá, conversa mole e clara intenção de passar a tranca. Estamos cansados de ser roubados e ainda de pagar como culpados responsáveis pelas roubalheiras. Chega! Leila E. Leitão

São Paulo  

 

*

TEMOS CONSCIÊNCIA Sra. presidente Dilma, considerando que a sra. se preocupa tanto com a "empresa que nosso povo construiu com tanto suor e lágrimas", evite gastos desnecessários. Não precisava comprar uma página no “Estadão” para esclarecer a compra da refinaria de Pasadena. Seus leitores estão cientes de tudo o que vocês fizeram. Mario Aldo Barnabé mariobarnabe@hotmail.com

Indaiatuba  

 

 

 *

RAPOSA EM GALINHEIRO Quer dizer que na Petrobrás, quando se pune alguém do alto escalão, mandam-no para uma diretoria restrita. Essa foi a "punição" para o diretor Nestor Cerveró. Quer dizer que a diretoria financeira da BR Distribuidora é uma diretoria restrita? Então me digam o que é uma diretoria não restrita? A BR Distribuidora comercializa todos os combustíveis do País. Quanto dinheiro não passa por aquele órgão? Colocaram naquela ocasião, de novo, a raposa para cuidar do galinheiro. É como bem colocou um dos integrantes da comissão ao falar da população nordestina, principalmente a do interior, que não tem o que comer e beber. Mesmo assim, joga-se pelo ralo apenas R$ 2,4 bilhões. O País tem famintos, analfabetos, desempregados, e "brincam" com R$ 2,4 bi como se fossem trocados. Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro  

 

*

HABEAS CORPUS Assistindo à postura de defesa e os elogios que a bancada governista e, principalmente, os integrantes do PT fizeram a Nestor Cerveró, conclui que filiar-se ao PT é equivalente a obter um habeas corpus preventivo a qualquer "malfeito" futuro ou pretérito. Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo  

 

*

MATANDO A CHARADA Dona Dilma pronunciou em alto e bom som que “ninguém” vai conseguir destruir a Petrobrás. Se a frase é uma charada, basta substituir o “ninguém” por “PT” e, pronto! Matou-se a charada. Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br 

São Paulo  

 

*

O QUE FALTA? Expostas as vísceras de um poder degenerado, só falta a sociedade clamar pelo impeachment dessa senhora “presidente”. Vitorio Pasqual Soldano soldano@uol.com.br

São Paulo  

 

*

AUDIÊNCIA PÚBLICA A Petrobrás pode até extrair óleo do pré-sal, mas ninguém neste país conseguirá encontrar um só pingo de vergonha em certos senadores. A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo  

 

*

SÍMBOLO CAÍDO Todos os políticos da situação usam suas conexões com a Petrobrás para financiar de tudo, desde a festinha da paróquia até o festival gay. Inimagináveis milhões são gastos nisso, que é interesse de políticos e debitado na conta de propaganda da empresa. Além disso, diretores e funcionários com boa indicação política conseguem cargos na Petrobrás em que vários irão roubar, superfaturar, receber comissões de fornecedores e outros desvios. Assim, encontramos hoje a empresa quase quebrada, sem recursos para investimentos e até manutenção, o que representou um importante recuo na produção, obrigando o País a importar mais óleo. Enquanto isso, todos os projetos da empresa atrasam. Pior ainda é que vários funcionários e diretores da empresa passaram a frequentar diariamente as colunas policiais dos jornais. Alguns beneficiários de vantagens na empresa são intocáveis, como o marido da presidente da petrolífera, segundo a imprensa. Quando inventaram a frase que não foi pronunciada por De Gaulle – “o Brasil não é um país sério” –, acharam que foi uma ofensa à nação e não, reconhecidamente, uma verdade. Até quando o Brasil será de propriedade dos espertos e sem caráter, em vez dos honestos e trabalhadores? Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo  

 

*

RAMALHETE Não foi Gabrielli, nem Graça, nem Cerveró e muito menos Dilma. Foram os americanos que fizeram tudo isso lá na refinaria e ainda bagunçaram a Venezuela. Pela brilhante dedução, o deputado dr. Rosinha merecia até um buquê. De cravos-de-defunto, muito embora marias-sem-vergonha fossem mais apropriadas. A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo  

 

*

ATUALIZAÇÃO Há alguns anos, quando Lula era deputado federal, ele disse que a Câmara Federal era constituída por 300 picaretas. Hoje, sob domínio do PT, como deveríamos chamar os atuais integrantes daquela Casa? Hipócritas seria um elogio. Eles são bem piores do que isso. Criminosos, para a grande maioria, seria mais adequado. Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com  

São Paulo

 

  *

QUEM NÃO DEVE NÃO TEME Lula acaba de afirmar que quem não deve não teme e que quem deve tem de ser preso e algemado, referindo-se à possível CPI da Petrobrás. Ele dá a impressão de que realmente não sabia de nada sobre o mensalão. No entanto, conseguiu amealhar mais de US$ 2 bilhões, só com o salário dele. Grande piada! Engana todos nós brasileiros, que já nos estamos acostumando com tanta safadeza. Conrado de Paulo depauloconrado@yahoo.com.br 

Bragança Paulista  

 

 *

ALÔ, ABI! Alguns blogueiros progressistas foram agraciados com uma performance proferida pelo sr. Luiz Inácio Lula da Silva. Ao seu estilo, deitou falação sobre tudo aquilo que lhe deu na telha, sem ser questionado por perguntas incômodas. Ao pesquisar e tentar ouvir quem eram esses blogueiros, o jornal O Globo conta que alguns se recusaram a conversar. Outros até o fizeram, atacando para se defender, como se já se sentissem culpados. Mas, o mais inquietante, e que me parece que deveria haver uma vigorosa reação da classe e dos seus representantes, foi que um deles afirmou que não existe jornalista isento, mas, sim, jornalista mentiroso. Alô, Associação Brasileira de Imprensa (ABI)! Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com 

Rio de Janeiro  

 

 *

IMBRÓGLIO DO PETRÓLEO De uma coisa nós temos certeza: o petróleo é nosso, mas a Petrobrás é deles. Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo  

 

*

NÃO TEM ALMOÇO DE GRAÇA André Vargas (PT) é um de nossos nobres deputados que insistem em cultivar amizades ecléticas: doleiros, lobistas, bicheiros. E toda amizade fraterna é recheada de favores: jatinhos, barquinhos, carrinhos. "Somente os tolos pensam que os favores são gratuitos" – Pubilus Syrius (85 a.C. - 43 a.C.) Rodolfo Jesus Fuciji fucijirepresentacao@ig.com.br

São Paulo  

 

 *

BLABLABLÁ Ontem, os principais jornais apresentam esclarecimento da Petrobrás sobre a compra da refinaria de Pasadena.  Para que, mesmo?  Fato incontestável: houve prejuízo. Numa empresa, quando funcionários provocam prejuízo, além de demissão sumária, são penalizados pecuniariamente. Pergunta que não quer calar: quem vai arcar com o prejuízo?  Isso, sim, seria admissível, como satisfação ao público, de ocupar página nos principais meios de comunicação! Dona Dilma e 'cumpanherada', chega de tanto blablablá e vamos à ação! Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

  *

O DOLEIRO E A SAÚDE Millôr Fenandes dizia que três coisas derrotam os computadores, mas, na realidade, são quatro: estrelas no céu, grão de areia na praia, idiotas no mundo e corruptos na Alvorada. Entre os milhões de idiotas, cá de baixo, óbvio, eu, o primeiro da lista, há alguém que duvide de que o sr. Alexandre Padilha não está por trás dessa “maracutaia” de o Ministério da Saúde comprar medicamentos do laboratório do doleiro Alberto Youssef? Quais as “facilidades” de se patentear laboratório a criminoso? Quem lhe endossou tal importante autorização certificada e franqueada pelo Ministério da Saúde? Golpe certeiro e objetivo único: o de “vender” – entenda-se: lavar milhões dólares – pela figura inocente da “compra” de medicamentos para os pobres? Quem foi o ministro da Saúde, ou alguém de notória persuasão durante esse ato bravio de “salvar” a saúde dos brasileiros, comprando remédios de laboratório do doleiro, altamente suspeito? Será que só o sr. Vargas estava mancomunado com o doleiro? E o ministro da Saúde, sr. Padilha (PT), quais suas andanças por esse mundo sombrio do crime, flertando perigosamente à beira do precipício? Dizem os filósofos: “abyssus, abyssum invocat” (abismo chama abismo). A resposta dessa tão fundada e apertada dúvida, e tão expressa pela linha da probabilidade, certamente será investigada. Sobretudo, e, ao final de tudo, temos que o PT demonstra claramente a que veio: administra como anão e rouba como gigante. O povo, quando só lhe resta a esperança, é como o náufrago que perdeu vista da terra. Como acreditar em promessas de políticos, diante desse cenário? Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo  

 

*

LIGAÇÕES PERIGOSAS Temos figuras sinistras atuando no País: o publicitário (Valério), o bicheiro (Cachoeira), o doleiro (Youssef). Mais grave ainda, temos políticos da pior espécie, que se associam a essas figuras para praticar todo tipo de crimes. Os brasileiros que, com sacrifício, pagam altos impostos, ficam reféns do banditismo instalado no poder. O dinheiro público, num piscar de olhos, é desviado para o bolso desses tristes elementos. O que fazer? Resta-nos confiar na Polícia Federal, no Ministério Público e no Poder Judiciário. Mas não dá para apagar a sensação de que, enquanto alguns crimes são descobertos e investigados, outros tantos estejam secretamente sendo cometidos. Fábio Aulísio faulisio@hotmail.com

São Paulo  

 

 *

TRIBUTOS E TRAMOIAS Caro contribuinte, cada vez que você comprar um ovo de Páscoa, estará pagando exatos 28,53% de impostos a esse governo. Afinal, nós é que arcamos com os prejuízos dos “bons negócios” da Petrobrás, com a construção de um porto em Cuba e com outras tantas tramoias. Feliz Páscoa. Luiz Angelo Pinto luiz.angelo.pinto@terra.com.br

São Paulo  

 

*

CARGA TRIBUTÁRIA Mais um pouco, todo nosso salário será para pagar impostos e viveremos todos do Bolsa Família. Como é mesmo o nome deste regime? Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo  

 

 *

SÓ PARA CONTRARIAR Por mais paradoxal que possa parecer, como contribuinte que vê os impostos dos brasileiros se escoarem pelo ralo da corrupção no Brasil em virtude da ação de políticos sem princípios éticos, sou contra a renúncia do senhor André Vargas, pois quanto mais tempo ele permanecer, melhor será, já que mostrará ao mundo a cara do verdadeiro PT. Ademais, só a sua lavanderia é capaz de fazer estragos nas fantasias do seu partido, deixando o seu rei e senhor das bravatas totalmente nu. Até porque, a cada descoberta de um novo escândalo seu ou dos seus companheiros, ele irá vociferar: "Se ficarem me enchendo o saco, eu volto a me candidatar, só para contrariar". Leonel Diniz dos Santos leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo  

 

 *

GABEIRA E DARWIN Excelente e pertinente o artigo de Fernando Gabeira (“O farmacêutico do ar”, 11/4, A2), em que ele demonstra sua decepção com o PT e com o que vem acontecendo recentemente na nossa política. Ele critica, de passagem, os militares, que, em um raciocínio ilusório, interromperam a evolução natural da democracia. Mas acho que ele exagerou quando disse que “a virtude do processo democrático é precisamente estimular as pessoas a que aprendam por si própria se evoluam.” Como evolução lembra Darwin, transpondo o cenário, é como se ele estivesse dizendo que, no porvir, os galináceos criarão asas enormes, ganharão garras e bicos aguçados suficientes para expulsar as raposas que hoje tomam conta do galinheiro. Infelizmente, acho que não viverei o necessário para ver nenhuma das duas “profecias” se realizarem. É que nem o Gabeira nem a natureza têm pressa. Hermínio Silva Júnior hsilvajr@terra.com.br  

São Paulo

 

  *

SIMPLES ASSIM Conselho de Ética, cassação de mandato, renúncia, decoro parlamentar, processo disciplinar, tudo pataquada. Basta quebrar o sigilo bancário para saber se o deputado roubou ou não roubou. Não fizeram isso com o Francenildo? Faz com o André Vargas. Simples assim. Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo  

 

*

O XIS DO PROBLEMA Um dos aspectos mais relevantes e menos abordados de nosso mundo político é que a grande maioria dos que ingressam nesse mundo o faz para enriquecer a si, familiares, amigos e militantes.  São raros os que atuam pensando no bem da comunidade.  Servir-se do dinheiro público em vez de garantir sua boa aplicação tem sido a regra, talvez desde as capitanias hereditárias.  Todos ganham muito bem, têm muitas benesses e uma rica estrutura ao seu dispor, mas não consideram isso suficiente!  Querem amealhar mais. Penso que com o argumento ou a desculpa que é justificável como um “financiamento público” para garantir sua futura reeleição, além da manutenção  das mordomias  que foram sendo agregadas por leis nas quais eles  mesmo votaram em benefício próprio.  Querem manter o círculo virtuoso do qual se acham merecedores.  Obviamente, para o resto do Brasil e todos os cidadãos contribuintes, trata-se de um círculo altamente vicioso e prejudicial.  Eis a grande questão: como mudar isso dentro de uma democracia republicana e capenga?  Enquanto esse problema não é resolvido, continuarão os escândalos de doleiros, cuecas, malas de dinheiro, tudo sendo misturado na confecção de mais e de maiores “pizzas”.  Até quando? Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br  

São Paulo  

 

 *

FRAGILIDADES FEDERAIS Carlos Kirchner (“As fragilidades do modelo do setor elétrico”, 12/4, B2) se esqueceu de mencionar em seu artigo que as fragilidades “federais” do modelo do setor elétrico são causadas pelo próprio governo federal e seus órgãos, e não pelas empresas geradoras de energia elétrica. O governo federal se “esqueceu” de fazer mais leilões de energia em 2012 e 2013 e errou ao definir um preço máximo baixo (R$ 192 o MWh) em ano de seca (2013), talvez tentando “esconder” a crise energética. Afinal, se chovesse muito em 2014, o preço no mercado livre poderia cair até próximo de R$ 30,00 o MWh. As empresas Cesp, Cemig e Copel, em defesa de seus Estados e acionistas, não aceitaram o “estupro” do setor elétrico com a Medida Provisória 579 (lei n.º 11.783/2013) e apenas seguiram as regras vigentes no setor elétrico. Além disso, mudar a forma de cálculo do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) para diminuir o preço máximo em ano de seca é, sim, desrespeito às regras do setor, como seria desrespeito aumentar o preço mínimo em ano de chuvas excessivas. Também se esqueceu de informar que tem termoelétrica a diesel gerando energia a custo muito superior a R$ 1.000,00 o MWh, logo, teriam prejuízo se vendessem ao preço “exorbitante” de R$ 822,83 o MWh. Marcelo Barão Varalda mbvaralda@ig.com.br 

São Paulo

 

  *

VIGILÂNCIA REDOBRADA NO FERIADÃO A Páscoa é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. É o dia santo mais importante da religião cristã, quando as pessoas vão às igrejas e participam de cerimônias religiosas. No entanto, as maiores preocupações do governo na Semana Santa, assim como da população, estão na área de transportes. O sucateamento dos aeroportos terá mais um grande teste no balanço final das idas e vindas dos milhares de passageiros que irão utilizar os aeroportos. Como toda notícia ruim não vem sozinha, é preciso lembrar que o fluxo de veículos e ônibus deve aumentar em até 50% nas estradas esburacadas de todo país, segundo estimativa das autoridades, face à desistência de boa parcela dos viajantes em embarcar num avião. Diante desse quadro, sempre é bom lembrar que, a cada feriado prolongado, o número de acidente rodoviário aumenta consideravelmente, deixando, como consequência, centenas de feridos e de mortos. Este ano, a vigilância vai ser redobrada nas estradas pela da chamada Lei Seca. Com o aumento da demanda, é de se esperar que todo efetivo da polícia rodoviária redobre a fiscalização, principalmente nas estradas de maior fluxo de carros, ônibus e motos, e mais perigosas. A semana da Páscoa é uma época de reflexões de união das famílias e não de bebedeira, como alguns costumam fazer. O drama do trânsito brasileiro há muito tempo transformou-se em uma guerra urbana, que hoje é uma das principais causas de mortes em todos os Estados, ficando a frente até de muitos conflitos armados. Está inserido aí todos os acidentes com motos. Somente em São Paulo morrem duas pessoas por dia, em sua maioria, jovens. É impressionante a imprudência dos motoristas, que, aliada à precariedade das estradas, acaba dando ao Brasil tristes recordes nessa área. Tudo isso apoiado por leis brandas, que raríssimas vezes punem com rigor os infratores. Para piorar, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu novos contornos à chamada Lei Seca, decidindo que só servirão como provas de embriaguez os exames de bafômetro e o de sangue, realizados pelos motoristas autuados nas blitze e nas estradas. É lamentável. Enquanto não forem colocadas em prática punições severas e exemplares, dificilmente conseguiremos reduzir o índice de acidentes como de atropelamentos. Está na hora de uma ação muito mais enérgica por parte de nossos legisladores. Ou seja: a quem eles querem proteger? Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com 

São Caetano do Sul

 

  *

MÃE PÁTRIA A coluna de Arnaldo Jabor (“A pátria que nos pariu”, 15/4, “O Globo”), é uma lição de História, de forma realista, sem influência de posições político-ideológicas, demonstrando que, em todas as fases de sua existência, desde o descobrimento até os dias atuais, nossa mãe-pátria tem sido maltratada pelos poderosos de plantão. Basta pesquisar para identificar que, nestes três últimos séculos, sempre tivemos um barão com grande império econômico diversificado, com ligações com capitais estrangeiros e com muito apoio governamental. Tanto no Império, como nos dias atuais, o barão de plantão faliu, mas sempre passou glorificado para a História. As falcatruas também aparecem em todas as fases, algumas vezes somente mais modernizadas. No meio militar, com inúmeros heróis verdadeiros, sempre apareceu uma minoria para barbarizar, seja na Guerra do Paraguai, na Ditadura Vargas ou no golpe de 1964. Atualmente, a divulgação de episódios de corrupção multipartidária é quase diária e praticamente elimina qualquer esperança de mudanças, ainda que tenhamos eleições este ano. Carlos Gonçalves de Faria sherifffaria@hotmail.com 

São Paulo  

 

 *

SÓ ABSURDOS Numa declaração à imprensa no Rio de Janeiro com a presença do prefeito Eduardo Paes e o governador Luiz Fernando Pezão, foi informado que o custo previsto até o momento para realização da Olimpíada de 2016 já está em R$ 36,7 bilhões. Conhecendo os políticos como conhecemos, envolvidos em mais essa trama e golpe, imaginem o valor que atingirá seu final. Sem dúvidas, imprevisível. Da mesma forma, não duvidem de que será absurdo o valor da cifra do gasto total da realização da Copa de 2014. Vamos, pelo menos, imaginar os benefícios que esses valores trariam à população, se investidos nas áreas da saúde, educação, segurança e transportes, que estão caóticos. Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo  

 

*

SUPERSTIÇÃO “Não há a menor hipótese de o governo federal pactuar com qualquer tipo de violência. Não deixaremos, em hipótese alguma, a Copa ser contaminada”, disse a presidente Dilma Rousseff. Isso já passou da conta. Os bandidos estão trucidando mulheres, crianças, trabalhadores. Decretaram nossa pena de morte, e a presidente preocupada com a Copa.  Não que eu queira faltar com respeito a essa mulher, mas é repugnante sua fala, é tardia sua ação, é inoperante seu poder. Manter, por todo este tempo, no Ministério da Justiça, um homem que não toma uma ação sequer em favor da sociedade que está sendo dizimada pela bandidagem me leva a crer que tem algo de podre no reino da Dinamarca. Aguardo com ansiedade o mês de outubro para riscar para sempre de minha vida o número 13. Eu, que não era supersticioso, me tornei desde já. Jatiacy Francisco da Silva jatiacy@estadao.com.br

Guarulhos

 

  *

TECNOLOGIA NO FUTEBOL Não dá para entender por que a conservadora e retrógrada Fifa ainda proíba o uso da tecnologia para ajudar a arbitragem a decidir os lances polêmicos nas partidas, sobretudo pênaltis e impedimentos, que decidem jogos e campeonatos. Pela TV, milhões de pessoas ficam sabendo tudo o que aconteceu em detalhes, com 1.001 câmeras e recursos tecnológicos. Dentro de campo, ao contrário, só a arbitragem não tem como ver ou saber. Acaba sendo um jogo na TV, e outro dentro de campo. Nesse domingo, por exemplo, nas decisões dos Estaduais pelo Brasil, Galo e Vasco teriam sido campeões, se a tecnologia tivesse sido usada para esclarecer lances de pênalti e impedimento mal marcados ocorridos no final dos jogos. Tecnologia na arbitragem de futebol, já! Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

   *

IBGE O outrora confiável Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), orgulho de nós, brasileiros, agora totalmente politizado, anuncia diminuição do desemprego, é verdade ou números ditados pelo Planalto nesta época de eleição? Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas  

 

*

COPIAR O QUE HÁ DE ERRADO No caderno Metrópole de ontem (17/4), sob o título “Prefeitura e Estado trocam acusações em meio à crise do Sistema Cantareira”, o secretário municipal de Governo, Chico Macena (PT), afirmou que a Sabesp tem feito racionamento noturno. A Sabesp nega. Ora, a conclusão a que se chega é de que o governador Geraldo Alckmin, em vez de copiar o que há de melhor na política, como dele e de qualquer governante se espera, está se esmerando em copiar o que há de pior no PT: mentir sobre os fatos. Já se tornou fato notório que há cerca de 30 dias – ou mais – vem sendo praticado pela Sabesp rodízio de água nos bairros da periferia desta cidade. Todavia, o governador e seus comandados na Sabesp negam peremptoriamente que venha ocorrendo esse rodízio. Negar os fatos é um dos atributos nefastos do PT. Não é crível que políticos de outras agremiações persigam pelo mesmo caminho, sob pena de não termos em quem votar.

Roberto Cividanes robcividanes@gmail.com

São Paulo

 

*

POLICIAIS À PAISANA O assalto na Marginal Pinheiro de segunda-feira, dia 14 de abril, ocorrido às 18 horas, foi respondido pela sociedade à altura do terror que vivemos. Dessa vez, levou tiro o que é culpado, mas e os outros milhares de assaltos diários?  Com os impostos que pagamos, a tal inteligência policial não precisa de planos mirabolantes, como em filmes americanos. Basta espalhar pela cidade toda, 24 horas por dia, pessoas à paisana por todos lugares, ruas, semáforos, restaurantes, circulando como cidadãos comuns, prontos para reagir em uma situação como essa. Tenho certeza absoluta de que, muito rápido, os criminosos iriam preferir trabalhar ou mudar de local. Simples assim. Basta um mínimo de boa vontade, os governantes saírem um segundo do próprio umbigo e pensarem nas pessoas. Soluções temos várias, essa é só uma. Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

 

  *

MANIFESTAÇÕES Os grupos que, em algumas cidades, vão para as ruas fazer manifestações não convencem a quem tem um mínimo de bom senso. É que a maioria dos participantes desses atos desconhece que, em muitos momentos de nossa história, as conquistas  sociais que aconteceram tiveram como base o nível político dos manifestantes. Mas hoje, infelizmente, sair às ruas para alguma manifestação é correr o risco de ser acusado de participar de grupos de vândalos, que promovem badernas e quebra-quebras, como na terça-feira em São Paulo. Assim, põem em risco a vida de quem ali está com a melhor das intenções. Essa questão deve servir de base para a reflexão de quem apoia qualquer manifestação, ainda mais se tiver como base as críticas ao governo federal. Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos  

 

 *

ÁREA DE CONVÍVIO Surgiu a primeira Área de Convívio em São Paulo, uma ótima ideia que deveria ser mais explorada, humanizando mais nossa cidade e ainda revertendo em mais receita para a cidade. Em vários países, temos essas áreas sendo exploradas por restaurantes e lanchonetes, muito mais bem aproveitado que as mesas na calçada, espaço que a Prefeitura cobraria do estabelecimento. Exemplos de sucesso estão espalhados pelo mundo. Jacques Germano jacques.germano@gmail.com

São Paulo

 

   *

SAQUES Assim como os políticos saqueiam o País, a exemplo da Petrobrás e da Eletrobrás, empresas brasileiras são saqueadas sem dó por este governo que aí está. O povo de Salvador, espalhando-se em nosso governo petista, que saqueia o País oficialmente, saiu às ruas também saqueando lojas e supermercados, aproveitando a greve da Polícia Militar. Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo  

 

 *

O EXTREMISMO DE CENTRO Correto e corajoso o texto de Eugênio Bucci ("O centro extremo, ou o extremismo de centro", 17/4, A2), posto que estamos sujeitos a ventos e trovoadas saídos dos grotões primitivos da esquerda e da direita. O "politicamente correto" está em xeque no mundo contemporâneo. Como dito no artigo mencionado, a revista “The Economist” escreve a favor do casamento gay, do controle de armas e da legalização das drogas (bandeiras da esquerda), ao mesmo tempo que aplaudiu o governo de Margaret Thatcher. A maioria dos eleitores do PT, segundo pesquisa da época, não é de esquerda. As convenções coletivas de trabalho regem as relações trabalhistas. Em sua maior parte, as greves só ocorrem em casos extremos. Os sindicatos não falam mais em revolução comunista e luta de classes. Ante o começo da violência, as famílias que foram às ruas em junho passado se retraíram e a boa imprensa tem compromisso exclusivo com a verdade, longe de ser partidária. Amadeu Garrido amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo  

 

*

NOVOS MUNICÍPIOS Foi aprovado pelo Senado um projeto de lei complementar com novas regras para a criação de municípios no País. De acordo com o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), a Região Norte está necessitada da criação de novos municípios. Aí eu pergunto ao nobre senador: quem vai pagar os salários dos novos prefeitos, vereadores, assessores, funcionários comissionados e funcionários públicos? Antes de se criarem mais municípios, eu sugiro a divisão do País, criando-se três ou quatro novos países e cada novo país criado ficará responsável pelas suas despesas públicas. Depois disso, as Regiões Norte e Nordeste poderão criar municípios à vontade. Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.