Fórum dos Leitores

GESTÃO HADDAD

O Estado de S.Paulo

21 Abril 2014 | 02h07

Corredores de ônibus

O aumento do número de corredores de ônibus na cidade de São Paulo está deixando o trânsito caótico, principalmente em muitas das principais ruas e avenidas, agravando-se em horários de pico. Este governo petista quer inovar alguma coisa e às vezes acaba errando, como no presente caso, e quem sai prejudicado é o povo. Se a implantação e extensão desse projeto não está dando certo, deve ser revisto, e urgentemente. Governar não é fácil. Acorde, prefeito!

JOÃO ROCHAEL

jrochael@ibest.com.br

São Paulo

Imobilidade urbana

Ainda sobre o inferno em que o prefeito e seu todo-poderoso secretário de Transportes, Jilmar Tatto (cuja família é dona do maior quartel eleitoral do País, a Capela do Socorro), transformaram a nossa São Paulo, dados da SPTrans indicam aumento do número de viagens de ônibus. Eu gostaria de saber quais são os critérios de repasse, ou seja, como o dinheiro vai para e vem das empresas de ônibus. Deve ser um fluxo interessante, já que (nunca é demais lembrar) o então tesoureiro da campanha de Luiz Inácio em 2002, o prefeito de Santo André Celso Daniel, foi assassinado justamente no rastro de um esquema, digamos, "não transparente" nesse âmbito. Pergunta-se: há repasse? Em que bases: viagens ou número de usuários? Pois chama a atenção a quantidade de ônibus que circulam praticamente vazios em corredores exclusivos das zonas oeste e sul (por onde passo diariamente), nos horários de pico. Sobretudo os bi e triarticulados, que atravancam ruas, cruzamentos, curvas e semáforos. Mais perguntas: quem controla o número de passageiros? Quais os critérios da SPTrans? Será que são os mesmos recentemente PraTicados pelo IBGE e pelo Ipea? Por que os sindicatos não reclamam da diminuição de empregos causada por esses ônibus (um motorista e um cobrador, em vez de dois ou três)? Será que a velocidade dos ônibus aumentou também porque eles não precisam parar para embarque e desembarque de passageiros, pois circulam praticamente vazios? Tenho várias fotos.

MARLY N. PERES

lexis@uol.com.br

São Paulo

CET

A Prefeitura perdeu totalmente o foco no que se refere ao trânsito na cidade. É um tal de faixa exclusiva de ônibus para lá e para cá e o restante das atribuições da CET desaparece. Como a prioridade é implantar faixas exclusivas a todo custo, mesmo em locais onde não são viáveis, o resto, como semáforos que deixam de funcionar a qualquer indício de garoa, fica para quarto plano. Já que o assunto do momento é "blindagem", por que não blindam os controladores semafóricos contra as intempéries? Por que manter semáforos sob viadutos? Por exemplo, na Rua Vergueiro com a Ricardo Jafet e nesta com a Rua Santa Cruz, na Avenida dos Bandeirantes com a Santo Amaro, sem falar nos outros que não conheço. Não seria muito mais produtivo mudar o viário no entorno e aproveitar os viadutos para direcionar o fluxo de trânsito que cruza tais vias? Por que não efetuar uma reprogramação eficiente para impedir que, quando um semáforo abre, feche o outro à sua frente? E não venham com a expressão "caixote operacional". Por que não dar prioridade a uma fiscalização muito mais eficiente nas madrugadas, quando os veículos de carga usam e abusam da velocidade, mesmo com os radares? Afinal, qualquer GPS pode informar a posição de cada radar fixo e basta reduzir a velocidade nesses locais para depois voltar ao excesso. E tome acidente com veículos de carga! Por que não exercer fiscalização mais atuante sobre motoristas de caminhões com mais de três eixos? Será que todos estão habilitados para esse tipo de veículo? Pelo número de acidentes que acontecem de madrugada e efetivamente contribuem para travar o trânsito em São Paulo, nada disso está sendo feito!

FABIO ORBITE

inforbite@yahoo.com.br

São Paulo

PETROBRÁS

Pasadena

Se Lula e Dilma Rousseff aparelharam a Petrobrás, não serão eles os prováveis maiores beneficiários da operação Pasadena? Não perguntem ao barão belga que vendeu a refinaria no Texas e, aparentemente, papou todo o dinheiro. Nem ele nem os laranjas vão contar.

CELSO DA COSTA C. VIDIGAL

celsovidigal@uol.com.br

São Paulo

Demissão coletiva

Se esse caso ocorresse numa empresa séria e responsável, certamente seriam sumariamente demitidos - por justa causa - todos os que estivessem direta ou indiretamente envolvidos num "rombo" como esse.

CLÊNIO FALCÃO LINS CALDAS

clenio.caldas@gmail.com

São Paulo

CPI do iceberg

Nós, brasileiros, já estamos cientes de que a Petrobrás vem acumulando prejuízos catastróficos na atual gestão lulopetista, e por isso a empresa está perdendo seu valor de mercado. Essa situação é como um enorme iceberg, cuja ponta apareceu no caso Pasadena. Pelas ações que pertencem ao governo, somos todos legítimos proprietários da empresa e temos de exigir investigação pública de tudo isso. CPI exclusiva da Petrobrás já!

EUVALDO REBOUÇAS DE ALMEIDA

euvaldo@uol.com.br

São Paulo

AINDA STRADIVARIUS

Mito e realidade

O maestro Júlio Medaglia pôs em dúvida, neste Fórum (14/4), as conclusões do estudo comunicado pelo biólogo Fernando Reinach em sua coluna de 12/4, em que informa sobre o mito da falsa superioridade dos antigos violinos italianos sobre os novos. Afirma o maestro que um detalhe "põe por terra" os argumentos apresentados por Reinach: seria preciso saber qual Stradivarius foi usado nos testes, uma vez que só os de 1.700 em diante são os da "fase de ouro", de um timbre belíssimo, inconfundível. Se dependesse apenas disso, não haveria nenhuma dúvida. Mas uma rápida análise do estudo mencionado por Reinach no seu texto mostra que os violinos selecionados, com o apoio de uma dezena de solistas experientes, foram todos fabricados após 1710. Muito mais difícil teria sido contestar a validade desse estudo publicado pela respeitada revista norte-americana Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas), visto ter ele sido feito com elevado grau de profissionalismo e a partir de estudos anteriores que haviam deixado brechas quanto à conclusão pelo mito (estudo disponível na internet, por exemplo, em http://josephcurtinstudios.com/wp-content/uploads/2014/04/

FritzEtAl_PNAS_public.pdf). Não cabe, portanto, a meu ver, o reparo feito ao artigo de Fernando Reinach.

MARIO BAUMGARTEN

fam.baumgarten@globo.com

São Paulo  

 

 ______________________________    

 

POUCA APURAÇÃO

Quem se aprofundar em pesquisas pela internet vai verificar que a empresa Siemens, aquela que tem a ver com os trens do metrô, também fabrica equipamentos e instalações de geração e transmissão de energia. Algo a ver com a turma do Planalto. Tempos atrás, a mídia divulgou que uma determinada senhora da Casa Civil, que foi demitida por "malfeitos" estava vivamente interessada em linhas de transmissão. Então, a turma açodada do Planalto, ao tentar enfiar o Metrô de São Paulo e o Porto de Suape na CPI da Petrobrás, quer, na verdade, jogar uma cortina de fumaça. Moral da história: não querem apurar nada, pois neste mar de lama todos irão se afogar.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

 

HAJA CPI

Haja CPIs para passar o País a limpo. Muda, Brasil!

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

 

O PETRÓLEO É NOSSO

Lula mandou: "O PT tem de ir prá cima com unhas e dentes para evitar a CPI da Petrobrás". Só gostaria de lembrar ao ex-presidente que a Petrobrás é nossa, do povo brasileiro. Por esse motivo queremos saber tudo o que levou essa, que era uma das maiores empresas do mundo, a estar reduzida a quase pó. Eu, como cidadã brasileira, tenho o direito de saber o que o PT fez com a Petrobrás que era nosso orgulho. E quem decide esse direito a uma investigação não é o sr. Lula da Silva. Ele pode até mandar no PT, mas não manda no Brasil. Alto lá! Isso, não!

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

 

*

 

ENGENHEIROS E FUNCIONÁRIOS DA PETROBRÁS

Depois da queda vertiginosa de valor, de desmandos e escândalos revelados na Petrobrás, onde está a Associação dos Engenheiros? Sempre tão ciosa e empenhada em defender, com ênfase patriótica, a honra e a soberania da empresa, quando a mesma, segundo essa Associação, estivesse sendo ameaçada? Onde estão a Associação de Funcionários e a Associação de Funcionários Aposentados, também sempre tão preocupadas em defender a grande empresa petrolífera, os respectivos empregos e benefícios de seus funcionários e aposentados? Até agora, completo silêncio. Até agora, não se ouviu nenhuma voz contra as manobras vergonhosas do governo federal de não querer apurar a verdade em uma CPI legítima sobre essas operações suspeitíssimas. Tal atitude soa muito estranha, visto que, ao contrário de outras vezes – muito menos graves – a desonra agora é iminente, e as perdas, reais.

Renato R. Pierri renato.pierri@cerp.com.br

São Paulo

*

PARADO

A CPI é para "paralisar o País", diz o presidente dos petroleiros.

E, por acaso, o país já não está parado ha muito tempo?

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

A ADMINISTRAÇÃO DO PATRIMÔNIO-ÁGUA

São Paulo está ameaçada de ficar sem água potável. Culpa-se a seca do último verão, mas a questão é anterior. Técnicos revelam que, desde 2008, os reservatórios do sistema que serve a capital não se enchem totalmente. Os encarregados do abastecimento deveriam ter adotado imediatamente medidas corretivas que pudessem ter evitado a chegada ao nível crítico de hoje. Quando surgiu o problema, teriam de ter investido em novas fontes de abastecimento do manancial, reforçado o programa de economia, as campanhas contra o desperdício e, principalmente, trabalhado com mais zelo na eliminação das perdas de água tratada pelos vazamentos nas redes. O setor é muito mal tratado. A despoluição dos rios, por exemplo, mesmo tendo avançado nos últimos anos, ainda está muito distante do ideal. Os governos, responsáveis pelo empreendimento, não são afeitos à continuidade de obras iniciadas por seus antecessores. Já passou da hora de tratar com maior seriedade os nossos rios, lagos, as nossas represas, o abastecimento de água e as atividades correlatas. Esse estratégico setor não pode continuar sob a gestão de políticos e funcionar ao sabor dos interesses eleitoreiros. Se continuar assim, a "guerra da água" será inevitável.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

CONSUMO CONSCIENTE

Interessante como as coisas acontecem nesse País. Os governos não fazem a parte deles, e a população é punida. Quem mora em São Paulo sabe muito bem o que é depender dos péssimos serviços prestados pela Eletropaulo, sem investimento e sem manutenção nas redes há muitos anos e, pior, a conta sobe por incompetência da presidente Dilma. Agora, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ameaça multar quem aumentar o consumo de água. Com isso, a conta pode ficar 5,4% mais cara devido à crise hídrica. Todo ser humano deveria ser consciente ao usar a água, um recurso natural em risco de escassez. Em países de primeiro mundo, a consciência vem antes da multa, mas, no Brasil, por falta de consciência e por omissão dos governos, podemos ficar sem água, pois as pessoas são incapazes de pensar no coletivo. Economizar energia e água deveria fazer parte do pacote de educação de todas as pessoas. Infelizmente, só vamos perceber o valor da água depois que a fonte secar.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

RACIONAMENTO, NEM PENSAR

Segundo meteorologistas, o que tinha de chover, já choveu. Os restantes pingos a cair do céu até o final de abril não serão suficientes para que as represas voltem aos seus níveis normais. Portanto, a palavra mais temida pelo governo – "racionamento" – terá de ser posta em prática para que apagões não prejudiquem os monumentais estádios construídos para a Copa e, de tabela, o destino do próximo pleito presidencial. Água mesmo somente no 1º. planeta habitável, como a Terra, anunciado na quinta-feira por cientistas, o chamado Kepler-1866f. Aí é que mora o perigo. Vai que o pessoal da Petrobrás resolve construir um aqueduto para trazer o precioso líquido para a Terra, acreditando em promessas dos homenzinhos do espaço de que será um "bom negócio" para o futuro. Cá pra nós, para quem caiu no conto do vigário de Pasadena, não é nada difícil cair em outro. Os estelionatários sabem muito bem quem abordar.

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

O RACIONAMENTO DE ÁGUA: TER OU NÃO TER

São Paulo, denominada de "A Locomotiva do Brasil", sempre foi orgulho dos paulistas por sua luta e seu empenho nos desenvolvimentos agrícola e industrial de nosso País. Pioneira no aprimoramento da educação, teve, por muitos anos, escolas públicas reconhecidas por sua qualidade e responsáveis pela formação de grandes personalidades brasileiras. São Paulo é o que é pelo trabalho dos paulistas e de todos imigrantes (brasileiros e estrangeiros) recebidos de braços abertos. Para governar São Paulo é preciso ser pessoa de personalidade, reta, de conceitos éticos e morais bem estabelecidos, firme em suas decisões e forte para enfrentar as adversidades impostas pelo cargo que ocupa. Esse é um recado ao Sr. Geraldo Alckmin, que, com sua atitude de "picolé de chuchu", se desqualifica para pleitear sua reeleição, dando São Paulo de bandeja para o PT ampliar seus planos hegemônicos de poder. São Paulo deve ser governado pensando no futuro, no progresso de seu povo e no bem estar geral, e não na reeleição. "Non ducor, duco", ou seja, "não sou conduzido, conduzo", lema da cidade de São Paulo, que reflete o pensamento de todos Paulistas.

Marcelo de Carvalho Braga marcelocbraga@uol.com.br

São Paulo

*

CIDADES OU HOSPITAIS?

Os brasileiros precisam de mais cidades ou de mais hospitais? Os brasileiros precisam de mais cidades ou de mais escolas? Os brasileiros precisam de mais cidades ou de mais segurança? Os brasileiros precisam de mais cidades ou de mais rodovias? Os brasileiros precisam de mais cidades ou de mais transporte público?

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

AVENIDA ABANDONADA

Sou morador há mais de 15 anos na região da Avenida Coronel Sezefredo Fagundes, altura do numero 13.555. Gostaria de pedir o apoio para cobrar providências da Subprefeitura, pois a situação só piorou nos últimos anos. O recapeamento desnecessário de avenidas em ótimos estados de conservação é feito praticamente todo ano, como, por exemplo, a Avenida Voluntários da Pátria, a Avenida Nossa Senhora da Concórdia, entre tantas outras que não vejo razão alguma para serem realizadas. A Operação "Tapa-Buracos" na Avenida Coronel Sezefredo Fagundes não resolve mais nada. A falta de calçadas, de sinalizações, o excesso de buracos, a falta de escoamento pluvial, os desmoronamentos de barrancos, as árvores com risco de queda em rede elétrica e uma série de outros graves problemas são evidentes para qualquer pessoa que seguir o trajeto do trecho que cruza a Avenida Maria Amália Lopes de Azevedo até Mairiporã. Acidentes na região são frequentes devido a todos esses problemas citados. Uma avenida tão importante que liga dois municípios, opção para acesso à Rodovia Fernão Dias, e que é utilizada todos os dias por muitos habitantes não pode continuar abandonada desse jeito!

Lony Anderson B. Mello lony.anderson@acnsf.com.br

São Paulo

*

TRÓLEBUS

Achei muito interessante a matéria "SP paralisa projeto de frota ecológica de ônibus" (12/4, E4). É lamentável que, por falta de interesse e verba, a qualidade do nosso ar possa continuar ruim. Por outro lado, é gratificante saber que os trólebus tiveram um bom desempenho e ficarão fora dessa suspensão. A questão é: se os trólebus já estão consolidados, porque não ampliar a rede para os corredores da cidade? Os veículos foram trocados e a rede está sendo reformada. Venho acompanhando isso e percebo que as quedas de rede e de energia reduziram bastante. Isso mostra que o problema não é o sistema, e sim a falta de manutenção. Em 2000, o sistema chegou a seu auge, com 555 veículos, três empresas e 26 linhas. Entre os anos de 2002 e 2003, o sistema foi reduzido a menos da metade com as linhas da Zona Norte, Rua Augusta e corredor Nove de Julho sendo desativadas. Hoje, temos apenas 200 veículos, 11 linhas e apenas uma empresa. Em vários países do mundo, o sistema está sendo ampliado ou expandido. Se o trólebus é viável, porque a prefeitura, pela SPTrans, não expande o sistema? Lembrando que o Secretário de Transportes que estava no cargo na desativação de 2002 e de 2003 está no mesmo cargo hoje.

Thiago dos Santos da Silva thiagoss1985@gmail.com

São Paulo

*

MULTIMODALIDADE

O aumento de faixas e corredores na cidade é um erro estratégico do prefeito Haddad, sob qualquer aspecto. O ônibus - que não é um modal de transporte de massa - deveria funcionar como elemento de integração com trens e metrôs. O que as regiões metropolitanas precisam é de mais trens de subúrbio, mais metrôs (subterrâneos, aéreos e de superfície) e mais integração entre os modais de transporte. Esse papel é reservado aos ônibus, microônibus, peruas e táxis.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

*

RACHA

A Câmara aumentou as penas para quem pratica racha (corrida ilegal de automóveis em ruas e avenidas). Em caso de morte, a pena é de cinco a dez anos, e, lesão corporal, de três a seis anos. Se não houver morte ou lesão corporal, não há pena. Isto quer dizer que o racha está liberado, desde que não haja morte ou lesão corporal, certo? São uns brincalhões.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DESÂNIMO NA INDÚSTRIA

Com a falta de confiança do empresariado e do consumidor, a alta de juros, a inflação em alta, o déficit na balança comercial no trimestre acima de U$ 6 bilhões, não é surpresa para ninguém que esse cenário viesse a refletir na indústria automobilística, que apresenta pátios cheios de carros, férias coletivas, suspensão de contratos de trabalho e programas de demissão voluntária. A razão dessa atmosfera desanimadora na indústria, que está perdendo o mercado externo, são os elevados custos internos, como logística, tributos, burocracia e, principalmente a mão de obra relativamente cara pela baixa produtividade. Em suma, é o preço que o País paga pela falta de planejamento estrutural.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

QUEDA LIVRE

Conforme publicado pelo "Estadão" do dia 12/4, Dilma Rousseff

declarou que a inflação de março é "momentânea". Pode ser, mas

tomara que a queda da popularidade da presidente nas recentes pesquisas seja definitiva.

CLÁUDIO MOSCHELLA arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

POUPANÇA DO PT

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a taxa de poupança do Brasil entre 1990 e 2013 encolheu de 19,9% para 13,9% do PIB no mesmo período, enquanto a média dos emergentes subiu de 23% para 33%. Países da América do Sul como Peru, Equador e Colômbia, com economias administradas de forma séria, ignorando as diretrizes do "socialismo bolivariano do século 21", aproveitaram a demanda externa da década passada e aumentaram a poupança doméstica. Não obstante, os últimos "pibinhos", graças ao petismo, tomamos o caminho inverso e demagógico em estimular o consumo, ignorando a capacidade da oferta. Os governos do PT dão o exemplo tendo por correlata a dívida interna. Dentre os desastres, incluem-se incentivos para estimular o consumo e as decisões meramente políticas em reduzir os juros e a conta de luz. O custo da irresponsabilidade chegou, e o governo Dilma, apesar dos pífios resultados, insiste na prevalência ideológica do populismo econômico.

Mario Cobucci Junior maritocobuci@uol.com.br

São Paulo

*

LOGÍSTICA NO CAMPO

É de estarrecer matéria do Estadão mostrando que o Brasil perde 13% do PIB anualmente por falta de logística no campo. Para chegarmos a ser competitivos, precisaríamos investir mais de R$ 400 bilhões ao ano, e o governo investe pouco mais de R$15 bilhões. Saída existe, mas vai contra os dogmas ideológicos do PT, que governa há doze anos. O Brasil virou uma espelunca em matéria de infraestrutura, porque o Estado não tem divisas para investir e é contra o investimento privado. A presidenta Dilma, em último caso, resolveu fazer as tais concessões, ou seja, privatizações, como o PT faz, dando aos investidores pouco retorno. Resultado? Poucos investidores se interessaram até hoje em investir seu rico dinheirinho num governo que pouco ou nenhuma vontade tem de abrir mão do domínio do estado, em troca de desenvolvimento.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

A INFLAÇÃO SURPREENDE O BC

O BC é como cego que perde a bengala: vive de surpresas.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Paulo

*

MAIS ETANOL NA GASOLINA?

Segundo o Estado (11-4-2014, Economia), o Ministro da Agricultura quer aumentar a porcentagem de etanol na gasolina para 27,5%, para diminuir a importação de gasolina e "reduzir a inflação". O mesmo artigo informa que a Anfavea declara que somente carros flex podem receber essa mistura e saírem impunes, enquanto que os demais veículos serão mecanicamente prejudicados, pela oxidação e danificação de condutos e peças que tenham contato com esse combustível. Além disso, suas emissões de gases serão mais fortes, aumentando a poluição ambiental. Será que há algum advogado ou promotor público que se disponha a defender os proprietários dos carros à gasolina?

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com .br

São Paulo

*

O PREÇO DO VOTO

Quando sobe o arroz, sobe o feijão, sobe a inflação e cai a aprovação de dona Dilma. Pode estar certo que, um pouco antes de outubro, vem diabrura governamental com o nosso dinheiro. Os petralhas vão alegar motivos para aumentar o benefício da Bolsa Família e, consequentemente, o preço do voto vai ficar mais caro.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

CARAS DE PAU BRASIL

Se alguém perguntar qual é o produto de maior consumo no governo central e na esplanada dos ministérios a resposta não pode ser outra: o óleo de peroba. Sim, porque somente "caras de pau" são capazes de dissimular a realidade que o país está atravessando. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, tira do seu caldeirão de presságios a afirmação de que a inflação, que acumula alta de 6,15% em 12 meses está influenciada pela sazonalidade e que logo estará em baixa. Já Dilma Rousseff diz que a inflação está controlada e que esse aumento se deve à seca que ocorre no Sudeste e às chuvas torrenciais no Norte, e que enquanto alguns sobem, outros caem. Ocorre, madame Rousseff, que não é bem assim que a banda toca. Os preços dos produtos da mesa familiar têm subido de forma generalizada. A redução do consumo de energia da indústria em abril é uma realidade que empurrará esse setor para resultados mais negativos. Isso para poupar o consumidor nessa corrida eleitoral. Em seu último discurso, Dilma afirmou que acumulamos US$378 bilhões de reservas, mas, para cobrir o custo das térmicas de R$11,2 bilhões, tomará empréstimo de um pool de bancos. O povo que se prepare, com reeleição ou não é ele que vai pagar toda essa mediocridade gerencial. "O grande erro da natureza é a incompetência não doer." (Millôr Fernandes).

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras

*

INFLAÇÃO DESTRUTIVA

Além da estagnação industrial e do desenvolvimento emperrado, o País enfrenta um processo de ascensão inflacionária, como é o caso da última medição do IPCA, de 0,92%, o maior dos últimos anos. A condição da política econômica nacional precisa, com urgência, sofrer alterações e modificações, visto que, com a planificação atual, não se pode mais ver luz ao final do túnel. Infelizmente, o país caminha rápido para lugar não desejado, sendo ademais impelido pelos atos de corrupção todo dia demonstrados pela imprensa, o que tem motivado o enorme interesse governamental em regular o conteúdo da mídia, como forma de obscurecer a verdade. Tal intento, se não houver um efetivo policiamento, ocorrerá em detrimento da democracia no país. É de se aguardar os protestos que virão, de forma acentuada, no desenrolar da Copa do Mundo.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

São Paulo

*

PLANO COLLOR

As recorrentes instituições bancárias já causaram vários transtornos aos seus clientes, penalizando a reposição do poder de compra – perdido pela inflação acumulada – em suas contas de poupança, entre outros motivos de várias ações judiciais no País. Acredito, no mesmo viés, que o Supremo Tribunal Federal não aceitará índices incapaz de corrigir a variação inflacionária da moeda e os juros correspondentes dos pequenos poupadores do Plano Collor.

Antonio de Souza D Agrella antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

*

RECEITA FEDERAL X CORRUPÇÃO

Diariamente, somos bombardeados com informações sobre negociatas de políticos, e olha que estamos falando de muitos milhões de reais. Hoje, vemos que um irmão de candidato a deputado pelo DEM recebeu de presente um carro Mercedes-Benz avaliado em R$ 150 mil. Então, pergunto, onde está a Receita Federal, que para o cidadão comum, qualquer lapso de R$ 1 mil, vai para a malha fina, e com esse pessoal não acontece nada? Tudo que vem à tona é por meio da imprensa, e não do Imposto de Renda, o que nos faz concluir, lamentavelmente, que, em nosso País, algumas pessoas são mais pessoas que nós, pobres mortais.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

CHEIRO DE PERSEGUIÇÃO

O caso, levantado pela Polícia Federal, depois de 11 longos anos, sobre a possível lavagem de dinheiro do advogado Pimenta da Veiga do PSDB, tem cheiro de perseguição política, e deve fazer parte dos métodos do PT agir fazendo "o diabo" em tempos de eleições, como avisou a chefe do governo Dilma em passado recente. Será mais um caso encomendado como a dos aloprados, dos dossiês, e tantos outros. Quem os conhece, que os compre.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

SEGUNDO TURNO

Considerando que faltam seis meses para as eleições, vamos rezar e orar para que a proporção de três pontos na queda continue, levando a decisão para o segundo turno. Isso feito, o principal cabo eleitoral da presidente, o diabo, dito por ela mesmo, terá que enfrentar Deus.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

COMPRA CATASTRÓFICA

Então, o Senador Aécio Neves está "estranhando" que a Polícia Federal só agora esteja investigando seu colega de partido e candidato ao governo mineiro, Pimenta da Veiga, por um fato ocorrido há mais de 10 anos? Interessante. Talvez seja pelas mesmas razões que Aécio Neves só agora tenha tido vontade de investigar as falcatruas da Petrobrás na compra catastrófica da refinaria de Pasadena, oito anos após o negócio ter sido realizado. Entendido, Aécio?

Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre

*

MORDOMIAS

Dois condenados por envolvimento no famoso caso mensalão: o ex-deputado João Paulo Cunha e o ex-tesoureiro Delúbio Soares. Pelo jeito, não estão presos cumprindo pena, mas, sim, hospedados num hotel fazenda pago pelo governo, podendo sair nos fins de semana prolongados.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MALUF E NOVA YORK

Enquanto ladrões de dinheiro público circulam por aqui livres, leves e soltos, como Paulo Maluf, a Suprema Corte de Nova York manteve a ordem de prisão contra ele e um de seus filhos, por manterem uma conta bancária com recursos desviados da Prefeitura de São Paulo. De que adiantou roubar tanto e terminar a vida sem poder colocar os pés fora do Brasil para não ser preso?

Que pena que a nossa Justiça não é igual à americana, livre de pressões políticas e econômicas.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

DECISÃO AMERICANA

Os EUA mantém ordem de prisão contra Maluf. Isso é uma afronta a essa respeitada Casa Legislativa e a esse político de reputação ilibada. Salve-se quem puder.

Angelo Antonio Maglio angelomaglio@terra.com.br

São Paulo

*

A INTERNET PODE MATAR

Quando uma criança de 13 anos mata os pais e depois comete o suicídio, podemos deduzir que ele não fez tudo isso sozinho. A má companhia de pessoas e o acesso dos jovens e crianças a videogames com violência certamente influenciou essa criança a cometer tal crime. Estamos esquecendo a educação moral de nossas crianças e a entregando nas mãos da TV e da internet, que podem desvirtuar suas mentes. A solução é voltar a conversar com as crianças. Elas são nossas amigas. Nós as amamos. Temos que dialogar e buscar fugir de maus programas ou sites viciosos.

O Facebook já destruiu casamentos e namoros. Desenhos animados violentos adoecem as crianças. Ou ganhamos nossas crianças para o bem ou o mau dominará.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza

*

O PLANETA KEPLER

Uma equipe internacional de astrônomos descobriu um planeta fora do sistema solar comparável à Terra e com possibilidade de ter água em estado líquido, o que o torna, teoricamente, habitável. Quem é esse grande engenheiro que inventou esse universo tão fantástico? O Papa Francisco tem a resposta imediata.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

FALECIMENTO DO GABO

Com a morte do escritor Gabriel García Márquez, nunca mais teremos 100 anos de solidão. Sua obra é imortal e representa a verdade. Nada de criações mirabolantes ou invenções. Que descanse em paz

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

JUVENTUDE COM GABO

Senti muito essa morte. Minha juventude era assistir à "Jovem Guarda" e ao Corinthians perder do Santos, "engolir" o Pelé e ler os livros de Gabo García!

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

AGRADECIMENTO

Nossas homenagens ao grande Gabriel García Márquez, um dos gigantes da literatura universal. Gabo nos brindou com obras primas, com o seu realismo fantástico e dignificou, como poucos, a literatura latino-americana. Era um homem de esquerda que, além de seu imenso talento literário, sempre defendeu as boas causas e esteve ao lado do povo, dos humildes e dos oprimidos. Obrigado por tudo e descanse em paz.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

NEM GABO

Nem mesmo a inesgotável imaginação de Gabriel García Márquez seria capaz de criar uma história tão absurda de realismo mágico e fantástico como o imbróglio Petrobrás-Pasadena. Nesse caso, a realidade superou de longe a sua genial literatura.

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

GRANDIOSO

A morte de Gabriel Garcia Márquez atinge de forma profunda a literatura, e não apenas sul-americana. O polêmico escritor colombiano, ao longo de sua vida, sempre teve posições políticas definidas e coerentes. Por certo, vai fazer muita falta numa área que sempre foi muito sensível.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.