Fórum dos Leitores

O BRASIL ABSURDO

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2014 | 02h04

Anormalidades florescem

No Brasil de hoje, a banalização dos crimes e de mortes, a negligência, a capacidade de aceitar os mais impressionantes absurdos, o fatalismo e o derrotismo estão tomando conta de toda a população. O que em outros países é horrível e inaceitável aqui é tido como normal, aceitável. Bloquear a passagem de muitos para que a manifestação de alguns passe é considerado normal. Tirar os passageiros de dentro dos ônibus e fazê-los andar a pé por quilômetros não atinge o bom senso de ninguém. Normal? O que é anormal no Brasil de hoje? Será que nem o absurdo de uma presidente receber líderes de movimentos que invadem propriedades particulares é considerado um absurdo? E a presença de um deputado ex-presidiário numa reunião com dirigentes de organização criminosa, isso não é considerado um absurdo por seu partido? E o uso de uma empresa como a Petrobrás para enriquecimento de pessoas e partidos? O que é isso? E um ministro (no caso, o da Justiça) que não é capaz de responder às críticas de um senador oposicionista (e candidato ao cargo de presidente da República) com argumentos e usa ataques pessoais, comportando-se como militante partidário, isso é normal? Os absurdos e anormalidades florescem em todo lado e os brasileiros aceitam porque há anos estão sendo amortecidos com tantos casos de bandidagem e com tantos crimes que são esquecidos e não têm punição. Estão amortecidos com a ineficácia dos governantes, que sempre põem a culpa dos desmandos em outros. Aceitam até que um ex-presidente use palavras de deboche quando se pede mais qualidade de vida, como no caso do transporte para os estádios.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Conformismo

O artigo Esses babacas do metrô (23/5, A2), de Fernando Gabeira, mais uma vez deixa claro o quanto a turma do "molusco" quer que o brasileiro se conforme com o velho "é o que tem pra hoje". A criança mimada não admite que o povo queira um pouco mais de dignidade do que eles estão dispostos a oferecer e num rompante de despeito solta mais uma pérola. Daqui a pouco, quando for o único transporte viável, vai ser babaquice não querer ter a bicicleta roubada. É o que tem pra hoje, pra amanhã, pra depois...

FULVIO MOMBAQUE MANFRIN

manfrin.fulvio@gmail.com

São Paulo

AINDA A GREVE

Monstrinhos

Na última eleição para presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo saiu até tiro, porque existem duas facções que lutam com unhas e dentes para dominar esse lucrativo sindicato. Aí vem o prefeito Fernando Haddad, do PT, indignado, dizer que essa greve que parou São Paulo foi sabotagem...?! Só existe sabotagem dentro do próprio sindicato, porque, se o ex-presidente Lulla não tivesse livrado os sindicatos de declarar ao TCU onde e como é gasto seu rico dinheiro recebido dos seus representados, isso jamais aconteceria. Hoje os dirigentes podem dar-lhe o destino que quiserem, inclusive seus bolsos, sem nenhuma cobrança. Criaram os monstrinhos, portanto, agora o PT que os embale!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Estado de coisas

É muito fácil ser de esquerda em país capitalista e com sindicatos mantidos generosamente por parte da folha de pagamento de todos os verdadeiros trabalhadores. O governo prova do próprio veneno. E viva o circo!

ANTONIO ACORSI

acorsi.antonio@gmail.com

Jundiaí

Arbitrariedades

Concordo plenamente com a leitora sra. Dalva Regina Pereira (Greve de ônibus, 22/5). Sou usuária da linha 917-H da Viação Santa Brígida e cansei de ouvir conversas entre motoristas e cobradores acerca de arbitrariedades da empresa quanto a horas extras, turno de serviços e outros. Para mim, as empresas estão por trás disso tudo para, insuflando a paralisação, poderem demitir funcionários e, de quebra, justificarem a necessidade de aumento nas tarifas congeladas.

VERA HELENA C. DOS SANTOS

vhcarvalho66@gmail.com

São Paulo

ELEIÇÕES

Perdendo força

A pesquisa do Ibope foi realizada entre os dias 15 e 19 de maio. Já no dia 13 o PT teve exibidas na TV inserções com o mote "O Brasil não quer voltar atrás", em que exaltou o risco do retorno de "fantasmas do passado", entre eles o do desemprego. Na noite de 15 de maio o partido teve mais dez minutos em rede nacional no horário nobre. Entretanto o programa do PSDB, de Aécio Neves, foi levado ao ar um mês antes e o do PSB, de Eduardo Campos, no fim de março. Ora, para o povo fica um hiato grande entre a presença na mídia dos dois principais oponentes e a onipresença diária da presidente Dilma Rousseff, que seria ainda favorecida pelas inserções e pelo programa político do PT às vésperas da pesquisa. Mesmo com todas essas vantagens ante os adversários, foi Dilma quem menos cresceu. Até porque estamos num período em que a Copa se aproxima e muita publicidade de exaltação nacional tem ido ao ar. Isso parece um indício de que a presidente não está decolando como era de esperar. Será que o povo brasileiro ficou de repente imune ao competente marketing do PT e ao tão "legendário" poder de persuasão de Lula da Silva? A perda de força de Dilma, vaiada onde quer que vá, é um fato surpreendente ao menos para quem dava como favas contadas a sua reeleição.

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

Não precisa explicar...

... eu só queria entender. Que me perdoem os matemáticos e estatísticos, mas sempre acreditei que contra números não há argumentos até que, por uma maldosa brincadeira, ouvi a seguinte definição: estatística é a arte de mentir com números. Será? Não consigo entender como, no meio de tantas denúncias envolvendo a Petrobrás, de corrupção, de tantas manifestações contrárias à Copa, tanto descontentamento com o dinheiro gasto em estádios, com a inflação galopando nos gêneros básicos e com o índice de desaprovação de seu governo subindo, a presidente Dilma pode ter crescido 3% na última pesquisa Ibope. Ao menos Aécio Neves cresceu 6% e Eduardo Campos, 5%...

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

CPI DA PETROBRÁS

Cerveró no Senado

Ao amenizar a responsabilidade de dona Dilma no caso da refinaria de Pasadena, o sr. Nestor Cerveró pagou a primeira prestação da sua liberdade.

JOSÉ GILBERTO SILVESTRINI

jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

*

GREVE NOS TRANSPORTES

O ministro Gilberto Carvalho criticou fortemente a greve dos motoristas e cobradores na cidade de São Paulo nesses últimos dias. Gostaria de saber qual foi o comentário dele nas seguidas greves que ocorriam no ABC, nas industrias automobilísticas, inclusive com uma delas passando dos 40 dias. Naquela época podia, era tudo normal, agora é irresponsabilidade. O chefe dele disse outro dia que metrô até o estádio de futebol é babaquice. Será que o Chefe dele também vai dizer que condução, ônibus ou metrô até a porta do trabalho também é babaquice? Coitado de nós, brasileiros, que pagamos impostos até para morrer e não temos retorno mínimo de nenhum serviço público com dignidade.

Antônio Carelli Filho

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

GREVE E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Greve nos serviços que atendem diretamente à população, e castigam-na ao estertor da paciência, atenta diretamente contra os direitos inequívocos do cidadão. Será que nossas autoridades não têm olhos para ver a agonia do povo nas estações, nos pontos de ônibus? Pessoas desmaiando, pais e mães frustrados no seu lídimo direito de ir e vir. O Estado tem o dever, obrigação, de compor imediatamente a ordem pública sob pena de improbidade administrativa. A lei só permite o "estado de greve" quando pacífica, com o objetivo de melhorar as condições de trabalho, que não é o caso da greve dos motoristas. O natural respeito aos princípios da ordem e dos direitos dos cidadãos têm primazia absoluta sobre as questiúnculas abjetas de grupos armados e baderneiros, cujo objetivo é o de implantar a desordem, dilapidar o bem particular e tornar a população refém de esquemas políticos e propostas, no mínimo dos mínimos indecorosas. Se já houve acerto (convenção coletiva) entre os sindicatos patronais e dos trabalhadores, se já se compuseram na mesa das negociações, não há mais que se discutir. É lei entre as partes. "Dura lex, sed lex". Sim, lei dura, mas é a lei que liberta e assegura a ordem. Quem no-lo diz essa verdade é a própria Constituição Federal ao prever expressamente: "reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho" (Art. 7º, Inc. XXVI da CF). Assim, homologada a CC, toda a greve após esse "reconhecimento", esse endosso da Constituição é ilícito, é ilegal, é contrária à lei, é pisotear o princípio da legalidade, é menosprezar o direito dos cidadãos. O Estado não pode aprovar esta gazua chamada greve, a arrombar todo e qualquer direito e garantia constitucional, sob pena de acumpliciar-se com o ilícito.

Antonio Bonival Camargo

bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

*

MOVIMENTAÇÃO URBANA

Para quê tantos ônibus em São Paulo? Que babaquice é essa, companheiros? Para quê servem duas pernas

Sergio S. de Oliveira

marisanatali@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

PROTESTOS NA COPA

Como leitora do "Estadão", venho acompanhando as publicações a respeito da greve repentina dos motoristas e cobradores de ônibus em São Paulo. A reportagem que traz a opinião do ministro-chefe da Secretaria Geral, Gilberto Carvalho ("Para Gilberto Carvalho, greve de ônibus em São Paulo é 'irresponsabilidade"', 21/05/2014) me chamou atenção, porque mostra uma possível ingenuidade do próprio governo com relação ao "clima negativo" das manifestações, uma vez que o ministro se baseia na ação dos integrantes da Gaviões da Fiel, que protegeram o Itaquerão, para argumentar a respeito de uma reprovação popular às manifestações durante a Copa. Como parte da população e ao mesmo tempo como torcedora do Corinthians, tenho plena consciência de que a ação dos integrantes da Gaviões não tem a mínima ligação com uma reprovação a ações dos grevistas. O Corinthians passou seu centenário sem estádio e isso sempre foi motivo de chacota para os torcedores. A ação se justifica em algo pontual: o sentimento dos torcedores quanto à imagem do time, e não pode ser generalizada. Os torcedores foram contra a invasão do estádio que é símbolo do time do qual temos orgulho de torcer, e não contra os protestos. Sendo assim, isso não anula a possibilidade de protestos durante a Copa.

Stefanny Aparecida Lacerda de Souza

stefanny.lacerda.ismart@gmail.com

Cotia

*

GREVE

Afinal, a quem interessa a paralisação de ônibus na cidade de São Paulo? A única certeza que temos é que milhares de pessoas estão sendo prejudicadas no seu direito constitucional de ir e vir, além, é claro, dos enormes prejuízos que esses movimentos trazem ao comércio e à indústria brasileira que anda tão "ruim das pernas". Como perguntar não é ofensa, será que democracia é isso aí.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

COLHEITA OBRIGATÓRIA

A greve de policiais no Recife, em Pernambuco, mostra a fragilidade da sociedade quando uma parte dela só se comporta diante da repressão e da força. Precisamos da polícia como instituição reguladora de uma sociedade heterogênea. Outra força que equilibra a sociedade e funciona como freio para as más ações é a religião. Porém, a humanidade caminha para a espiritualidade, onde o altar da consciência é local de gravação das leis divinas eternas. O plantio é livre, a colheita é sempre obrigatória. É a lei da ação e reação.

Paulo Roberto Girão Lessa

paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza

*

PASSEATAS

Pelo tanto que atrapalham o trânsito nas grandes cidades em dias úteis de trabalho, ocupando por horas a fio ruas e avenidas, impedindo o direito de ir e vir da população, está mais do que na hora de se fazer uma gigantesca passeata contra as passeatas que se tornaram prática diária país afora desde junho de 2013. Muitas das manifestações de protesto são legítimas reivindicações, mas tantas outras parecem ser apenas o novo "programa de índio", transformado em hábito corriqueiro e banal. Basta!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

POLÍCIA, AGIR OU NÃO AGIR?

A promotoria pública de São Paulo vai investigar se a polícia está cumprindo a sua missão na greve dos motoristas e cobradores de ônibus. Há o risco dos policiais e da corporação serem acusados de omissão ou improbidade. Vivemos, sem dúvida, o caos criado pela cultura da leniência, permissividade e falsa democracia. Ao mesmo tempo em que é espezinhada e perseguida sob a alegação de cometer excessos, a instituição policial e seus membros são colocados na berlinda por, supostamente, não agir. É uma situação que vem de longe. Os policiais que, no dia 2 de outubro de 1992 invadiram o Carandiru, cumprindo ordens do governador, dos secretários de Estado, da Justiça e do Ministério Público, restaram execrados, perseguidos e condenados a superpenas que chegam a mais de 600 anos. Os inimigos da classe transformaram-nos em monstros. E os governantes, políticos e ativistas demagogos aproveitaram a oportunidade para promover o enfraquecimento da instituição policial, chegando ao extremo de implodir o presídio, cujas vagas hoje fazem falta no caótico sistema penitenciário paulista. Algo de muito sério e urgente precisa ser feito para a recuperação do equilíbrio perdido. O policial - que, muitas vezes, é obrigado a decidir sozinho sua ação, em fração de segundo - precisa saber concretamente o que pode e o que não pode fazer para cumprir sua missão. Sem essa certeza e, na possibilidade de ser execrado, perseguido, condenado e perder o emprego, esse profissional, que também é um ser humano, tem o direito de preferir poupar a si próprio e, nisso, não há o que se falar em omissão ou improbidade.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

PT, UMA VERGONHA

Dizem os mais sábios que onde há fumaça, tem fogo, e geralmente na política é fogo amigo. Mais uma para ajudar o Padilha, novo poste apagado do surdo Lula. O deputado estadual Luiz Moura do PT se reuniu com líderes do PCC, é claro, para falarem da greve dos ônibus e o modus operandi da mesma. Mas a coisa é mais séria ainda. Esse cara é ladrão de banco e tem um patrimônio de R$ 5 milhões. No Brasil fica solto e ainda se elege deputado. Cadê a Justiça? Quero dizer, a injustiça do ministro da Justiça, o fraco? O PT adora manchetes e, em geral, é só sujeira e imundice.

Alice Baruk alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM TETO

O MTST faz passeatas toda semana, e para quem reclama tanto de valores, cabe uma simples e elementar pergunta: wuem sustenta tanta gente e por quê? Deve ter alguma coisa atrás dessa turma que nós ainda não conhecemos nem sabemos. E boa coisa não deve ser.

Antonio Jose Gomes Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

ONDE?

A pergunta que não quer calar: depois das manifestações, onde os milhares de "sem teto" estão indo morar?

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

A CPI das CPIs

Neste mundo de incertezas e descrédito com relação à classe política e à independência dos Poderes, os candidatos à Presidência somente conquistarão o apoio da população se abraçarem propostas genuínas, apartidárias, que levem à mudança dos costumes. Nessa perspectiva, vale lembrar o voto distrital com recall do jornalista Fernão Lara Mesquita que, como costuma dizer, representa a " reforma que inclui todas as reformas", através da qual o eleitor pode destituir o parlamentar que não estiver honrando o seu mandato. Num plano mais amplo, poder-se-ia instituir - como faz o parlamento britânico desde 1782 - a moção de censura, dando ensejo à renúncia do Executivo ou a dissolução de todo o Congresso com convocação de eleições gerais. Embora as propostas não sejam excludentes na atualidade brasileira, iria mais longe, o eleitor teria o direito de votar sempre em dois nomes: naquele que deseja eleito e naquele que deseja fora do Congresso ou do Executivo (que lhe pareça desonesto, mesmo sem prova). Seria uma maneira de delegar ao povo - sem quebra da espinha dorsal da democracia - a responsabilidade de praticar uma CPI político-popular.

Nilson Otávio de Oliveira

noo@uol.com.br

Valinhos

*

JUSTIÇA X JUSTIÇA

É absurda a liberdade que o Supremo Tribunal Federal deu ao ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, que, ao ser preso, estava destruindo provas. O ministro Teori Zavascki fez o STF atuar contra a justiça Federal do Paraná para beneficiar o PT. A Justiça Federal paranaense fazia um excelente trabalho de investigação e prendeu alguns dos principais envolvidos. Algumas das investigações sobre a Petrobrás foram direcionadas ao estranho negócio com a refinaria de Pasadena e as irregularidades nas obras da refinaria Abreu e Lima no Recife, cujo orçamento saiu de R$ 2 bi para R$ 20 bi, segundo alguns jornais. A Justiça Federal afirma que uma organização criminosa atua na Petrobrás, e um dos responsáveis, que foi diretor da empresa por mais de oito anos, era Paulo Roberto Costa que a essa altura deve estar terminando a destruição de provas graças ao STF. A Justiça e a Polícia Federal escancararam o fato de que há uma imensa roubalheira na Petrobrás que provavelmente envolverá executivos da empresa atuais e antigos, políticos e partidos políticos, principalmente o PT. O doleiro Alberto Youssef possivelmente fará delação premiada, o que envolverá também o PT, seus aliados e o pessoal da Petrobrás que devem estar muito preocupados.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

ESTILO CUBISTA

Volta à cena o ex-diretor internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró, o único petista de estilo cubista que se tem notícia.

Aguinaldo Záckia Albert

zackia.albert@uol.com.br

São Paulo

*

SERIAL LYING

Como "nunca dantes na história deste país", o PT inovou, introduzindo uma espécie especial de mentirosos: os "serial lying", os mentirosos em série no estilo do "serial killers". Lula e Dilma formam a dupla que lidera um elenco digno de uma estrela de ouro de tolo.

Alexandre de Macedo Marques

ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

MERCADO DAS PULGAS

A Dilma e o ético PT estão tão assustados com as pesquisas, que ela está fazendo qualquer negócio, verdadeiro mercado das pulgas em Brasília. Cargos, empréstimos a ruralistas ou não, e tudo mais, para ganhar pontos nas pesquisas. Isso porque eles eram éticos? A única coisa é que a Dilma andar de vaqueiro não faz negócio e o plano do Baú da Felicidade. É uma vergonha esse procedimento para quem criticava os outros na oposição. Mas depois de se juntarem ao Maluf moral eles não têm mais.

Asdrubal Gobenati

asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

NOVA PESQUISA ELEITORAL

Nova pesquisa do Ibope indica todos os principais candidatos à Presidência em plena subida nas intenções de voto. Nada a ser comemorado por enquanto quando 40% daria reeleição da presidente Dilma. Só mostra que apenas agora a população vem se dando conta do pleito em outubro. Mas o que deve mesmo incomodar o PT é que uma enorme camada da população é totalmente vulnerável. Vota no candidato que dança melhor e, como nestas eleições a oposição resolveu colocar o samba nos pés, as pesquisas ainda não mostram vencedores. Tem muito chão ainda para o palácio dormir sossegado!

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

INTENÇÃO DE VOTO

Dilma com 40%, Aécio Neves com 20% e Eduardo Campos com 11%. Foram entrevistados 2002 eleitores em 140 municípios, mas quem confere?

Vagner Ricciardi

vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

PESQUISA ELEITORAL

É 40% de intenção de voto para Dilma? Fala sério, Ibope, brincadeira tem hora.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

MELHOR QUE A ENCOMENDA

Na pesquisa Ibope com a oitiva de 2002 eleitores em 140 municípios foi melhor do que a encomenda. Até a presidente Dilma se recupera, após a intensa propaganda, paga por nós brasileiros. Mas a diferença dos outros dois candidatos diminuiu. Como entender que uma pesquisa com tão poucos eleitores entrevistados mostre a realidade? O que valeu mesmo foi a encomenda!

Luiz Dias

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

CORAGEM

Ou essa oposição mostra suas garras com toda voracidade e acaba com essas farsas do PT ou teremos que engolir mais quatro anos de pura enganação. Não tem que existir temor quando se combate a corrupção, apontando o dedo a quem a cometeu. Caso contrário, vai continuar tudo como está.

Valdir Sayeg

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

ATENTADO À ORDEM PÚBLICA

O caos na administração pública gera o caos na vida do cidadão, em particular nas grandes cidades. Daí que os governos das nações devem ser feitos "através dos municípios", e não como é centralizado em caciques e pajés que vivem em outro mundo. Se os governos municipais do Rio e São Paulo fossem autônomos e independentes, as burrices nas respectivas cidades seriam apenas dos respectivos "caudilhos" que as governem. Hoje é responsabilidade de quem? Na verdade, seria de Lula, chefe do PT

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

SOCIEDADE DOENTE

Esse país contém uma sociedade doente e degenerada, cujo governo quadrilheiro apenas reflete essa situação. Esse é o fato. O resto é derivação desse fato básico, inquestionável. Que Deus nos ajude.

Renato Pires

repires@terra.com.br

Ribeirão Preto

*

VULNERABILIDADES E DEMOCRACIA

Nada como o Estado Democrático de Direito que tem na liberdade de imprensa seu apanágio para podermos fazer como fazemos agora, denunciar, discutir e tentar dar soluções às nossas angustiantes vulnerabilidades. Por isso soa como dissonantes minoritárias vozes que "pregam" a volta de um passado nebuloso, em que não podíamos conhecer nossos problemas, muito menos discuti-los abertamente, como agora fazemos. Viva a democracia, o pior regime inventado, exceto todos os demais, como dizia o ex-chanceler inglês Churchill.

José de Anchieta Nobre de Almeida

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

URNA ELETRÔNICA EM SUSPEIÇÃO

Abolição da urna eletrônica é solução contra fraude em eleição.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

ESCARCÉU

Fernando Collor não foi o primeiro nem será o último político que comprou dólares. Collor comprou dólares através de depósito bancário. Dentro da lei. Não foi clandestinamente, na calada da noite. O mais importante, que precisa ser salientado, são as declarações claras e definitivas do juiz federal Sérgio Moro que atuou na operação Lava Jato: "Observo que não há qualquer indício do envolvimento do parlamentar (Collor) nos crimes que já foram objetos das aludidas oito ações penais propostas.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

FERNANDO COLLOR

O lobo perde o pêlo, mas não perde o vício.

Angelo Antonio Maglio

angelomaglio@terra.com.br

Cotia

*

SEM FUNDO PERDIDO

Fiquei muito feliz com o empréstimo a fundo perdido no valor de R$ 650 milhões que o BNDES fez para a construção do Itaquerão. Eu, empreendedor brasileiro, faço parte dos sem fundo perdido, mas ficaria muito mais feliz se o BNDES me emprestasse meio milhãozinho a fundo não menos perdido para que eu pudesse implantar uma fábrica.

Nélio Alves Gomes

raytomonelio@hotmail.com

Curitiba

*

PEDOFILIA NA COPA

Segundo a Secretaria de Direitos Humanos, a ordem da presidente Dilma Rousseff é tolerância zero com a exploração sexual de crianças durante a Copa. É o padrão Fifa no nosso país: bebida alcoólica nos estádios pode durante a Copa, mas depois não pode; já exploração sexual não pode durante a Copa, mas depois pode.

João Pedro Rodrigues

ablrod@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

ENTRADA DE ESTRANGEIROS

O governo (ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo) anunciou que não permitirá a entrada de estrangeiros condenados por pedofilia ou suspeitos de abusos contra menores a partir de junho, quando começa a Copa do Mundo (até maio/2014 pode). A nova determinação foi incluída no Estatuto do Estrangeiro. Bem, devidamente avisados, eles têm até 31 de Maio de 2014 para entrar livremente no País, cometer os abusos contra menores durante a Copa e ir embora livres, leves e soltos no dia 14 de Julho de 2014.

Jatiacy Francisco da Silva

jatiacy@estadao.com.br

São Paulo

*

DERROTA É MELHOR

Infelizmente, será muito melhor para o Brasil perder a Copa. Só assim teremos a certeza de que o conformismo não virá à tona de modo a minar nossas esperanças de eliminar mais quatro anos de desordem na administração pública.

Mauricio Casagrande

mcasagrand@gmail.com

São Paulo

*

VAI FICAR NA HISTÓRIA

Um dos motivos, senão o principal, que leva um país a sediar uma Copa do Mundo ou os Jogos Olímpicos é a atração de turistas. E aproveitar o evento para atrair mais visitantes e firmar uma imagem positiva no mundo que continua a trazer novos turistas. Se for para isso que faremos a Copa, estamos fazendo um enorme gol contra. Quem vier ver os jogos vai ver também um país praticamente tomado pelas forças armadas, polícia, exército e marinh. Estarão apostos, não de maneira discreta, mas ostensiva para tentar deter as manifestações, protestos e possíveis greves. A poucas semanas do início da Copa do Mundo não temos muito do que comemorar. O tempo passa, não é? Pois bem, já estamos quase no meio de 2014 e tudo o que se viu e o que se falou nesses meses foi a Copa do Mundo. Tudo, mas absolutamente tudo, está voltado para esse evento esportivo que chama a atenção do mundo. No plano nacional, tudo está chamando a atenção para organização - estádios que ainda não estão prontos, que não saíram do papel, falta de mobilidade urbana, aeroportos inacabados e muitas pessoas ainda reclamam de tudo e de todos. A pergunta que fica é: é assim mesmo? A movimentação em torno da Copa do Mundo é isso? O que se sabe é que tudo vai parar durante a Copa para que o caos diário, percebido, por exemplo, na capital paulista e no seu entorno seja amenizado em dias de jogos. Até o momento muitos ainda não perceberam que apenas a Fifa e seus parceiros envolvidos estão se beneficiando financeiramente de fato com a chegada dos jogos. Então para o brasileiro comum o quê? As batatas? É o que parece. Não é uma boa imagem encontrar um país que sediará a "Copa das Copas" com as ruas cheias de tanques, tomadas de assalto por soldados fortemente armados e viver uma semana ou quinze dias num ambiente tão tenso assim. Os jornais e as televisões estrangeiras não têm poupado notícias sobre a violência no Brasil, e o visitante quando chegar vai poder verificar isso tudo in loco, pois se depara com vários locais onde ele é proibido ou desaconselhado a ir sob pena de perder a vida. Assim caminha o Brasil do desgoverno permanente!

Turíbio Liberatto

turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

FELIPÃO

Felipão é a grande esperança brasileira para mostrar ao mundo que pelo menos o futebol ainda é bom por aqui.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

INJUSTIÇA

Grande injustiça a de destituir o Pastor Eurico (PSB-PE) da CCJ sobre a votação da Lei da Palmada, por ter comentado sobre o filme de Xuxa de 1982, "Amor, estranho amor", a que ele se referiu, que se trata de pedofilia. Não foi o único que retrata as baixarias da degradação sexual, em que Xuxa atuou largamente. Não é à toa que Xuxa tentou retirar todas as cópias que seriam comercializadas. Seria sentimento de culpa?

Conrado de Paulo

depauloconrado@yahoo.com.br

Bragança Paulista

*

COTAS RACIAIS

A cota para negros em concurso público (A22, 21 de maio), assim como as demais cotas, não passa de uma discriminação racial. Onde está o "princípio da igualdade"? Por que considerar negros (ou afrodescendentes) e brancos pessoas diferentes, "insinuando" que os negros são menos inteligentes que os brancos? Fosse eu negra, sentir-me-ia profundamente desrespeitada com esse "privilégio" estúpido e sem qualquer justificativa que mereça aplausos. Somos ou não todos iguais perante a lei (art. 5.º da Constituição Federal)? O que estão fazendo é uma afronta à inteligência do negro. Meu total repúdio à iniciativa do Poder Executivo à volta do preconceito racial.

Mirna Machado

mirnamac@uol.com.br

Guarulhos

*

TAXA DA MARINHA

Num Brasil com uma escorchante carga tributária, finalmente está em vias de findar uma histórica bitributação. Transita no Senado com significativa chance de aprovação o projeto que objetiva acabar com o laudêmio e taxa da Marinha, visto que, com a mesma finalidade, são regularmente pagos o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e o Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU). É uma aberração, apenas mudando o nome e o beneficiário, tungar os munícipes duas vezes para o mesmo fim (deverá permanecer apenas o ITBI e o IPTU).

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

LOTERIAS DA CAIXA

Sugeriria à Caixa Econômica que reformulasse a distribuição dos prêmios. Em vez de acumular, seria melhor que os prêmios fossem mais bem redistribuídos. Como exemplo, cito o concurso 1601 da Mega Sena que acumulou R$ 3 milhões para o próximo concurso. Se ele tivesse sido redistribuído aos ganhadores de cinco pontos, esses receberiam aproximadamente R$ 60.000 e não R$19.000. Teríamos menos milionários e mais pessoas gastando mais numa política melhor de redistribuição de renda numa visão macroeconômica. Deixaríamos o sonho apenas para datas festivas como Tiradentes, São João, Independência e Natal. O programa de acumulação já existe, porém apenas para uma data. Fica a sugestão. Informo que não fiz os cinco pontos.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TERRENO DUVIDOSO

Confesso que fiquei impressionado com o artigo do delegado Jorge Pontes ("Polícia distraída", A2, 22/5), pregando a descriminalização das drogas e a mudança de foco policial para a repressão à corrupção e outros crimes mais "danosos". Em particular, chamou minha atenção a argumentação de que a "guerra às drogas" é inútil e, talvez, alveje mais inocentes que culpados de algo. Segundo essa linha argumentativa, o estado estaria a interferir numa "relação consentida" entre comerciante e usuário, além do que a proibição gera uma "infinidade de delitos de suporte", como o tráfico de armas, corrupção de menores, homicídios, furtos, roubos, corrupção policial, etc. É exatamente nesse ponto que residiria minha objurgatória. A meu juízo, num cenário de "liberou geral" - que é o que prega o delegado - , milhões passarão a ter acesso facilitado às drogas, lembrando que, hoje, não se consegue comprar um prosaico ansiolítico (droga lícita) na farmácia sem receita médica controlada, mais carimbos e assinaturas. Chama a atenção a contradição de um país onde se cria todo tipo de obstáculo à compra de drogas lícitas, receitadas por médicos, logo, que visam a amparar a saúde dos pacientes, e se considera, ao mesmo tempo, a hipótese de se liberar drogas ilícitas que só fazem mal à saúde do usuário! Entre as drogas ilícitas, há as que causam grande e rápida dependência e induzem o usuário à crise de abstinência. Alguém em tal estado, à míngua de recursos, irá seguramente ao furto ou ao roubo para conseguir sustentar seja lá qual for o seu vício - e, assim, atenuar sua dor. Poderá também matar e praticar outros delitos com esse mesmo objetivo, ainda que num ambiente de consumo legal. Sabe-se de jovens que matam barbaramente os próprios pais para conseguir dinheiro para seu vício. Sabe-se, outrossim, que certos crimes não são cometidos "de cara limpa", precisando o criminoso estar fora de seu "normal" para ter coragem de os cometer - o que só a droga proporciona. Não vi, no artigo citado, consideração alguma sobre tais questões, relevantes, a meu juízo - talvez pela limitação de espaço. É "moderno" perfilhar a doutrina do "liberou geral" e há pensadores do calibre de um FHC que flertam com a ideia, mas mesmo países muito menores e mais estruturados que o Brasil ainda não compraram essa ideia. Será que nós, que estamos atrasados décadas em tantas coisas, precisamos ser vanguarda justamente nesse terreno para lá de duvidoso?

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

CADÊ?

Onde está a "Gerência da Avenida Paulista"? Gostaria de saber se a Avenida Paulista ainda possui um "gerente" responsável pela sua manutenção ou se esse projeto foi abandonado pela prefeitura. Uma placa irregular oferecendo "trabalhos espirituais e de simpatia" está pendurada há mais de 20 dias na esquina com a Eua Itapeva e nada acontece. Sem falar nas lixeiras quebradas, pichações, mato crescido, etc. Um belo exemplo do descaso e da falta de zeladoria que predomina em toda a cidade.

Ricardo Acedo Nabarro

ricnab@gmail.com

São Paulo

*

BAFÔMETRO PARA CICLISTAS

A prefeitura precisa urgente colocar em prática ações contra o abuso de bebida alcoólica por ciclistas irresponsáveis. Existem aos montes na Zona Sul. Por exemplo, na Estrada Pirajussura-Valo Velho, região do Campo Limpo, onde é comum o Corpo de Bombeiros socorrer ciclistas embriagados. Um homem, que admitiu ter bebido, foi levado com vida para o posto de saúde Maria Sampaio. Segundo os bombeiros, são muitos os casos que o ciclista, em ziguezague, cai sozinho. "Desafiar uma avenida alcoolizado em cima de uma bicicleta em horário de pico é pedir para morrer", disse um bombeiro. Teste do bafômetro para ciclista. Seria pedir demais?

Devanir Amâncio

devaniramancio@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.