Fórum dos Leitores

DESESPERANÇA

O Estado de S.Paulo

26 Maio 2014 | 02h07

Descrença nas instituições

Juízes mandaram soltar ex-diretor da Petrobrás investigado por lavar mais de R$ 10 bilhões da Petrobrás. Determinaram também liberdade ao deputado de Mato Grosso preso e investigado pela Polícia Federal, detentor de invejável "carteira" de mais de cem processos. Secretário do prefeito paulistano financia com mais de R$ 200 mil campanha de deputado estadual de São Paulo preso no Paraná em 1991 por assalto à mão armada. Promotoria de São Paulo pede afastamento de conselheiro do Tribunal de Contas, isso mesmo, Tribunal de Contas, por suspeita de receber propina e ser detentor de patrimônio avaliado em R$ 21 milhões, totalmente incompatível com seu salário de R$ 30 mil mensais. Tudo indica que já atingimos o mesmo nível de desesperança e descrença nas instituições da Colômbia nas décadas de 1970 e 1980, então dominada por criminosos e traficantes encabeçados por Pablo Escobar.

FREDERICO FONTOURA LEINZ

fredy1943@gmail.com

São Paulo

ESTRANHAS RELAÇÕES

Sindicatos e suas leis

O que teria a dizer Jilmar Tatto, secretário dos Transportes da Prefeitura de São Paulo na gestão Fernando Haddad, sobre ser o maior financiador da campanha do deputado estadual Luiz Moura? O pequeno gesto de doar R$ 201.306,50 deve ter rendido muito para que certas concessionárias de ônibus das zonas sul e leste, em especial, estejam em mãos tão duvidosas, segundo o noticiado. Os motoristas de ônibus conseguiram dar um nó no trânsito, tirando o direito de ir e vir dos cidadãos, conforme constatação da juíza do TRT. Pelo que se viu, os sindicatos fazem suas próprias leis sem se incomodarem com a Lei Maior. Incrível saber que o deputado em questão foi eleito em 2010 com mais de 100 mil votos: Moura foi preso e condenado por assalto à mão armada no início da década de 1990! O parlamentar ficou detido por ano e meio, mas conseguiu fugir e esteve foragido por cerca de dez anos. Virou "excelência" e agora está aí desafiando as leis. O eleitor é o maior culpado por votar sem pesquisar a vida do seu candidato. A greve dos motoristas de ônibus também deu seu recado: quem manda na cidade são os sindicatos. E a Justiça vai continuar cega e não dar um basta nesses abusos?

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Explicação convincente

Jilmar Tatto (PT), secretário municipal dos Transportes, fez 23 doações no valor de R$ 201 mil para a campanha eleitoral de Luiz Moura (PT) em 2010. Luiz Moura foi flagrado em reunião com integrantes do PCC - aliás, cumpriu pena no Paraná em 1991 por assalto à mão armada, portanto, bandido. Empresário de transportes (?), Luiz Moura colaborou na gestão da então prefeita Marta Suplicy (PT), de 2001 a 2004, e ela lhe doou R$ 35 mil em 2012, não se sabe por quê. Acho que a população merece uma explicação convincente para tudo isso. Mais uma vez o PT está atolado até o pescoço em algo muito estranho envolvendo secretário, ministra e deputado, todos do ParTido.

JOÃO MENON

joaomenon42@gmail.com

São Paulo

Nosso representante

O deputado Luiz Moura (PT), ex-presidiário por assalto à mão armada, que confessou ser usuário de drogas, ligado a Jilmar Tatto, nega ligação com o PCC e diz que apenas foi convidado para a reunião... E esse cara condenado e drogado nos representa?!

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

DE CINEMA

Marmota não só na economia

Em seu artigo A economia da marmota (24/5, A2), o jornalista Rolf Kuntz faz uma feliz comparação com a história narrada no filme O Feitiço do Tempo, de 1993, divertida e excelente comédia em que o ator Bill Murray interpreta um repórter egocêntrico. Quando vai fazer uma reportagem numa cidadezinha dos EUA, ele fica preso no tempo, durante seis semanas, e todos os dias repetem o primeiro. Pois bem, Rolf Kuntz sacou que essa história se repete na nossa economia sob a batuta de Dilma Rousseff e Guido Mantega, ao comentar que o governo vai mais uma vez maquiar suas contas com receitas excepcionais. O Estadão noticiou em 23/5 que o governo elevará a previsão de receitas extraordinárias para fechar as contas, adicionando, entre outras arrecadações, as oriundas dos Refis; e em 24/5, que o governo deverá reduzir o valor mínimo para adesão ao Refis, a fim de reforçar a arrecadação, corroborando assim a interpretação de Kuntz. Ou seja, está contando com o ovo antes de a galinha botar. Mas, infelizmente, esse "feitiço do tempo" não se desenvolve somente na economia. Todos os dias nós acordamos e vamos logo saber das notícias. Não para nos informarmos sobre se algum ônibus foi queimado, mas quantos. Não para sabermos se haverá passeata obstruindo nossas conduções, mas quantas delas e em que logradouros, além da Avenida Paulista. Ou, as piores, quantas pessoas foram assassinadas na véspera a troco de um simples celular, ou mesmo a troco de nada, e quantos políticos safados, excepcionalmente presos, foram soltos pela Justiça - por juízes e também por ministros do Supremo. Sim, porque, a exemplo do filme, todos os nossos dias são praticamente iguais.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

Grandes manobras

É, de vez em quando a realidade imita o cinema. Outro exemplo é essa joia rara do final dos anos 50, As Grandes Manobras, com Gérard Philipe e Michelle Morgan, que se reproduz na cena brasileira. Por causa de uma aposta, um jovem oficial de um regimento acantonado numa pequena cidade se compromete a seduzir a bela Michelle. Quando tudo parece estar dando certo, a tramoia é revelada. Rejeitado e desesperado, ele pede que, sendo obrigado a partir para os exercícios militares - as grandes manobras - do regimento, ao passar em frente à casa da amada, ela apareça à janela, em sinal de perdão. O regimento passa e apenas um movimento imperceptível da cortina deixa o espectador na dúvida. Há um paralelo entre as manobras do sedutor e os exercícios do regimento. Nossa realidade oferece mais um paralelo: essa operação de sedução do eleitorado, motivada pelo desejo de se agarrar ao poder. Uma vez revelado ser tudo apenas uma aposta, será que a cortina se abrirá?

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

EM CAMPANHA

Brasil de joelhos

A candidata Dilma Rousseff disse no sábado que não foi eleita para pôr o País de joelhos. Presidente, de joelhos o País está há anos. No governo do seu antecessor e no seu ficou mais ainda.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

QUE JOGAÇO

Para quem ainda tinha alguma dúvida sobre a distância de anos-luz que separa o atual futebol europeu do brasileiro, penso que a finalíssima da Champion’s League entre Real e Atlético, ambos madrilenhos, dirimiu qualquer dúvida porventura existente. Que jogaço! Parabéns aos campeões do Real que viraram um jogo praticamente perdido - e com uma improvável goleada na prorrogação sobre a equipe com a melhor defesa da competição. Que o Brasil ponha as barbas de molho. Na "Copa das Copas" não vai ter vida fácil.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

REAL VENCEU NA COVARDIA

Eu e amigos assistíamos ao jogo de decisão da Copa da Uefa entre dois times de Madri, Atlético e Real, com o time vermelho e branco ganhando por 1 X 0 até de forma tranquila, porque o time do Cristiano Ronaldo, com a defesa aberta, atacava de forma desesperada. Os atleticanos, então, por volta dos 20 minutos do segundo tempo recuaram demais naquela tática suicida de segurar resultado e pagaram caro por isso, porque de tanto bater ali em frente ao gol era de se esperar que a qualquer tempo poderia ocorrer o empate, que aconteceu aos 48 minutos e deu ao Real a chance da prorrogação . Daí para frente viu-se um Atlético sem confiança parecendo já esperar tomar gol a qualquer momento, o que acabou acontecendo. O Real não jogou nada, mas levou a taça, apoiado na covardia de time que recua, busca fazer cera até o apito final e termina pagando caro. Lembrei-me do meu Corinthians nessa semana, que ganhava por 1 X 0 de um time fraquíssimo e terminou covarde, recuado, acuado, até ceder o empate dentro de casa para nossa vergonha, o mesmo que deve estar sentindo agora a torcida do Atlético de Madri.

Laércio Zannini

arsene@uol.com.br

São Paulo

*

RONALDO E A COPA

Ronaldo, desde 2011, é membro do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo. Gostaria de saber quanto ele lucrou com esse cargo e evento desde 2011 até hoje? Agora que a Copa está próxima e ele vai deixar de ganhar com isso, resolveu aparecer na mídia para criticar os atrasos das obras e a ausência do legado prometido. Por que não fez as devidas críticas durante 2012 e 2013? Será que ele acreditou nas promessas do Lula e seu poste - ele não cita nomes, se refere "aos governos"? Mesmo após os protestos ocorridos durante a Copa das Confederações (06/2013), será que ele acreditava que as obras seriam concluídas até o início da Copa do Mundo, por isso se calou? Será que ele acreditava em milagres? Somente agora, faltando menos de um mês para o início da Copa, ele acordou e percebeu que as obras estão atrasadas ou nem foram planejadas? Apesar de tudo isso, eu acho que o Ronaldo não é imbecil, como disse Paulo Coelho, ele é apenas esperto. Imbecis e babacas são os brasileiros que adquiriram um ingresso e que irão prestigiar essa palhaçada, também chamada de "Copa das Copas".

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

RONALDO, O ESTÚPIDO

O Ronaldo, além de puxa saco do governo, agora se virou contra aqueles que estavam lhe dando uma grana preta. Ou seja, chutou, literalmente, o prato onde estava comendo. Ter vergonha por algo que se atrasa no Brasil é mais comum do que se pensa, porque tudo e feito para alguém levar vantagem, inclusive a Copa. Bem feito. Quem mandou encostar o corpo nos petistas enganadores? A Copa vai ser uma vergonha, sem dúvida.

Antonio Jose Gomes Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

ENTENDE DE FUTEBOL

Nós temos certeza que Ronaldo Fenômeno entende bem mais de futebol do que este governo que só entende mesmo é de corrupção. Acreditamos, sim, que ele se sente envergonhado com o andamento das obras inacabadas da Copa, como também acreditamos no fiasco que o Brasil mostrará ao mundo sobre a organização da mesma.

Valdir Sayeg

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

CRAQUE ENVERGONHADO

Muito oportuna essa manifestação do Ronaldo Fenômeno, que se diz envergonhado com o País que ele ama, porque o governo petista não está sendo capaz de entregar as obras prometidas para Copa do Mundo, mesmo depois das reiteradas e espetaculosas promessas, que infelizmente não se cumprem. Ronaldo, não está sozinho nessa decepção! Nós, cidadãos desta terra tupiniquim, também estamos envergonhados com essa prometida "Copa das Copas", em que o grande legado para o povo brasileiro, conforme propaganda, diga-se, enganosa de Lula e Dilma, seriam as obras de mobilidade urbana. Mas a realidade nos mostra que mais da metade desses projetos prometidos não serão concluídos, ou tampouco iniciados. E o estádio de abertura da Copa, como o Itaquerão, ou Arena Corinthians, há 18 dias do início da competição não está totalmente pronto e nem adequadamente testado. É bom lembrar que o Ronaldo é membro do Comitê Organizador da Copa do Mundo (COL), não recebe, por sua opção, nenhum provento para essa árdua tarefa e tem autoridade para criticar o governo, porque desde o início acompanha as falácias do Planalto no curso desta incompetente e desconexa gestão, com relação ao andamento das citadas obras. Porém, o que mais deve ter interessado à turma do Planalto, não foi o suposto sucesso da tal da "Copas das Copas", mas os excrescentes superfaturamentos já comprovados pelo TCU, que certamente rechearam os bolsos de muitos camaradas e aliados do governo. E fica aqui a nossa reverência ao craque Ronaldo Fenômeno, por mais esse gol de placa na sua carreira, agora como cidadão preocupado que está com a imagem da Nação, ao criticar esse governo irresponsável que despreza a ética e trata o povo deste país como se todos fossem uns idiotas.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

COPA DO MUNDO

O futebol em si (o esporte), nada tem a ver com os aproveitadores de plantão, que usam do oportunismo para tirar proveitos próprios. Somos na maioria apaixonados por esse esporte praticado no mundo todo. O Brasil é o único País que participou de todas as Copas já realizadas. Somos penta e vice várias vezes. Sendo assim, devemos e temos direito de torcer para a nossa seleção conquistar o hexa. Independente das manifestações - que são justas - devemos tratar bem os visitantes de todas as nações. Mostrar ao mundo que somos ordeiros, trabalhadores, competentes, educados e capazes de dar espetáculo com a bola nos pés. Vamos aproveitar essa oportunidade de mostrar ao mundo nossas belezas naturais e turísticas, nossas produtividades industriais, etc. Sejamos inteligentes e nada mais.

Valdir Agnese

valdir.agnese@yahoo.com.br

São Paulo

*

MANIFESTAÇÕES

Estamos aprendendo a conviver com manifestações mais frequentes. Manifestamo-nos quando falta o diálogo. É uma forma legítima de reação a situações mal resolvidas. Para um convívio mais harmonioso e preciso é preciso que haja educação entre as partes. Se de um lado a truculência deve ser evitada, de outro deve-se evitar prejuízo à população, em função da magnitude do movimento. Há que haver, como em nações mais acostumadas a isso, um ordenamento da greve: com aviso prévio dos dias em que ocorrerão, horários evitando picos de tráfego para se evitar danos maiores à população e ao patrimônio público. Com um pouco mais de entendimento entre as partes, não chegaríamos ao ponto em que a população atribui um alto grau de rejeição aos movimentos e inércia ao poder público.

Sergio Holl Lara

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

GREVE DE ÔNIBUS

O povo neste país dos crápulas e dos canalhas só se ferra, e na maioria das vezes nem sabe porquê. Se essa ridícula história que existia um acordo e alguém o rompeu for verdadeira, então aí é falta de informação do tal de Tato, aquele que na oposição adorava pedir CPI, e também uma maldade com a população que, além de ônibus e motoristas péssimos, ainda têm que dormir na rua. Todos deveriam processar essa prefeitura inoperante e perambulante para ver se esquecem um pouco os malditos corredores e se preocuparem com o povão otário que os elege. Lamentável.

Alice Baruk

alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

ÔNIBUS PAULISTANOS

Eleitor de político de sindicato não pode reclamar por pagar o pato.

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

DESAPROPRIAÇÃO

É absurdo tão grande ler e ver que dona Dilma bolada cogita desapropriar terreno ao lado da arena corintiana para seu programa de casas próprias que não vai a frente. Nem que todas as manifestações Brasil afora diga o contrário, nada é feito. Nem a oposição faz nada! Quem ela pensa que ela é, uma pessoa que sequer saber tocar uma lojinha de R$ 1,99, tão incompetente que só faz afundar nossa economia, cerca de gente mais parecida com ela. Absurdo tão evidente que cheira fétido. É assim que tapeiam os coitados que nela confiam. É assim que vai a nossa educação, nossa saúde, com escravos médicos cubanos, desdentados, trabalhadores iludidos por um partido chinfrim. Nem remédios temos. Sem escolas, sem pré-escolas ou creches, já que não saem do papel. Queremos mais! Basta!

Maria de Mello

nina.7mello@uol.com.br

São Paulo

*

GOVERNO

Só uma palavra me vem à mente para resumir a conjuntura sociopolítica atual no Brasil: anarquia. Não há governo: ninguém em sã consciência pode dizer que Dilma governa o Brasil. Não há estado: as instituições fundamentais da República estão disfuncionais. Poderes de fato estão surgindo e dominando o cenário público: o crime organizado cresce e já não há certeza sobre o papel das polícias e da Justiça. O povo tem um sentimento difuso sobre a situação e ninguém sabe explicar o que se passa. Anarquia. O País necessita reencontrar seu rumo. Dois momentos em que houve esse reencontro: 1964 e 1994. 2014 poderá ser o próximo.

Gilberto Dib

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

ILUSÃO DE ÓTICA

Ibope mostra que a intenção dos eleitores que votam em Dilma Rousseff para "presidenta" subiu três pontos. Presumo que depois que der início as propagandas de rádio e televisão, que mostram o Brasil virtual, ela poderá subir ainda mais.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

O RIO LULA

Cogita-se muito a "transposição do rio Lula" como candidato ao ansiado posto de presidente da República, notadamente após os apagões do poste para titular e que diz, com todas as letras, que não arredará pé de suas intenções de candidata. Nessa semana, ambos se manifestaram a esse respeito em reunião com líderes do PMDB, em que Lula posou de rei da garimpagem, aventou a hipótese "caso Dilma desista", e em uma homenagem do PTB à presidenta, em que Dilma enfatizou não haver hipótese de sair de cena. É um bom sinal para o eleitor, cansado de tantas patifarias entre os políticos de todas as categorias e partidos, pois foi na falta de coalizão interna que o PSDB perdeu nas eleições passadas. O que não anima é que não há nada de novo no horizonte, pois os candidatos são sempre os mesmos. Eduardo Campos? Ele só é novo como candidato, mas tendo Marina como vice e uma plataforma altamente excludente à "direita", não pode se configurar como uma opção às mudanças pelas quais tanto almejam os eleitores.

Carmela Tassi Chaves

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

PROPAGANDA ENGANOSA

"Fantasmas do passado" é como o desesperado petismo retrata o Brasil. Bem eles que começaram com a destruição de valores morais e econômicos como assistimos no dia a dia. Trata-se de propaganda enganosa voltada àqueles menos esclarecidos, através dos quais eles procuram votos desesperadamente, confundindo-os de forma bem petista, digamos, mentirosa. Todavia, o que nos assusta não é o passado, mas sim eles, os demônios do presente.

Mario Cobucci Junior

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

PESQUISA IBOPE

O candidato tucano começa a mostrar seu estilo. Criticar o Governo Federal em relação à segurança pública que é de responsabilidade de cada Estado e defender construção de penitenciárias além da mudança na punição do menor infrator é mostrar uma visão repressiva. E com a recente pesquisa do Ibope ele deve soltar mais algumas agressões contra o atual Governo.

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

São Paulo

*

ERVAS DANINHAS

É preciso que os pesquisadores da Fiocruz criem uma vacina contra as

ervas daninhas que pululam nos três poderes do País: Executivo, Legislativo e Judiciário. Seja em qualquer esfera: Federal, Estadual ou Municipal. Uma vacina que levem essas pragas que causam tanto mal à população do País. Essas ervas daninhas estão infectadas pela cobiça, ganância, corrupção e infectam os cofres do Tesouro, esvaziando-os com mirabolantes recursos. Vejam a Operação Lava Jato, quando um deputado federal, arrogante, faz demonstrações chulas para quem há de julgá-lo, caso o processo suba à Corte Suprema. Aliás, o encerado do Amapá lá também está. Hilário!

Sebastião Paschoal

s_paschoal@hotmail.com

São Paulo

*

POLITICAGEM

Já foi o tempo que a Petrobrás era estatizada e decidia com a independência de uma empresa particular. Pobre Petrobrás, hoje privatizada, abomina o preceito empresarial em obediência à vontade política.

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

A Polícia Federal (PF) vê uma organização criminosa na Petrobrás. Só a CPI não enxerga e, pelo visto, faz-se não saber de nada. O principal suspeito que estava preso por dois meses foi solto pelo STF, então... O então ex-diretor de abastecimento, Paulo Roberto Costa, que era o expert na função, "abastecendo" muita gente que, na atualidade, nem se lembram. Está envolvido na compra da refinaria de Pasadena (EUA) e no esquema de lavagem de dinheiro da Operação Lava Jato, que envolve as obras da refinaria Abreu e Lima (PE). Tinham como personagem em comum o ex-diretor, estranho, logo agora que foi solto. Não dá para entender. Tem alguma "coisa" que não está bem explicada. Será que a PF descobre?

Luiz Dias

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

QUEM FOI?

Agora a Operação Lava Jato identificou depósitos na conta do senador Collor feitos pelo doleiro Alberto Youssef. Gente, vamos parar com a ingenuidade. O poder no Brasil está de mãos dadas com o crime. Andam lado a lado. Então paremos com o cinismo. E tem gente que ainda se espanta quando a Justiça determina a soltura de presos na operação Lava Jato. Mas é claro que vão tentar soltar. Eles são íntimos do poder. Frequentam os gabinetes com a maior liberdade. Sabem de muita coisa e sabem que podem jogar no ventilador, embora não adiante muito. O poder no País está podre, corrompido. Outro dia o senador Collor, ao ser inocentado pelo STF de acusações durante seu governo, bradou, perguntando: quem vai pagar por isso? Ele estava referindo-se ao mandato perdido e ao prejuízo moral. Seria bom explicar esses depósitos, senador. quem pagou por isso?

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ME ENGANA QUE EU GOSTO

Quando de sua recente absolvição junto ao STF acusado que foi de falcatruas enquanto presidente da República, Collor queria saber quem iria pagar seu prejuízo pela perda de seu mandato. Agora aparecem comprovantes seus junto ao doleiro Youssef. Imaginemos nós que prejuízos maiores ainda teríamos se o nobre senador tivesse continuado na então Presidência? Na falta do PC, vamos de Youssef. Me engana que eu gosto, Fernandinho.

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

ALSTON E PETROBRÁS.

Nada de mal ocorrerem duas CPIs no Congresso Nacional, porque a da Petrobrás já é um clamor nacional e a da Alstom, com conta propinadora de U$ 2,7 mi, atingindo o governo Covas, também merece existir com a participação popular. O próprio FHC, no "Estadão", admite a existência de propinas no caso dos trens e nos governos do PSDB, entendendo que deve ocorrer também as apurações respectivas. Na verdade, estamos a viver em um mar de corrupção, mas o povo deste país deseja conhecer todas aquelas descobertas pela PF e pela imprensa nacional. Trata-se de uma fórmula de combater essa chaga nacional, porque a exposição pública dos envolvidos passa a ser a primeira punição. Aliás, político só teme a execração pública, mas nunca a nossa Justiça. Político não gosta de dividir pizza com a população brasileira.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

DISCURSO COLLORIDO

Na semana passada, o senador Fernando Collor (PTB-AL) ocupou a tribuna para, num longo discurso, disparar loas e hosanas em razão da Justiça tê-lo julgado inocente dos processos que culminaram com a sua cassação na Presidência da República, em dezembro de 1992. A Polícia Federal descobre agora que o doleiro Alberto Youssef fazia depósitos em dinheiro para o senador. Citando a aberração que é a Presidência do Senado ser ocupada pelo menos recomendado para o cargo, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), dos 594 parlamentares do Congresso, 224 tem débito com a Justiça e, no Senado, Lindenberg Farias (PT-RJ) é imbatível. Onde anda a Lei da Ficha Limpa? O político e o lobo se identificam. Podem perder o pelo, mas não perdem o instinto.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CARA DE PAISAGEM

Desde o impeachment, o ex-presidente Collor sempre apareceu na mídia com cara de ódio. Ontem, extraordinariamente, o vimos fazendo "cara de paisagem". Nunca antes neste país ele apareceu tão tranquilo! Isso depois que a PF encontrou 10 recibos de pagamentos feitos a ele pelo doleiro preso Youssef, advindos de operações escusas na Petrobrás. Só fica uma dúvida. É dinheiro novo ou repatriado da época em que foi presidente e que o STF o julgou inocente? A conferir...

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

Quem poderá me devolver

Agora entendi a queixa de Collor na tribuna do Senado: "Quem poderá me devolver tudo aquilo que perdi?". O doleiro Alberto Youssef que estava lhe devolvendo foi preso...

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

TOFFOLI

Lamentável a decisão do ministro Dias Toffoli (STF) de mandar soltar o deputado estadual José Riva (PSD-GO), preso pela Polícia Federal na Operação Ararath, acusado de lavagem de dinheiro, fraudes e desvio de dinheiro público, em Goiás. Mais uma vez, o que se vê no Brasil é o ótimo trabalho da Polícia Federal, que prende corruptos e criminosos de colarinho branco que desviam milhões de reais dos cofres públicos, enquanto o Judiciário, ao contrário, manda soltar tais bandidos de alta periculosidade que lesam o País e toda a sociedade. Enquanto milhares de brasileiros pobres estão presos injustamente por delitos de pequeno potencial ofensivo, os grandes bandidos que roubam milhões seguem livres, impunes e são tratados pela Justiça de forma branda e condescendente, numa clara inversão de valores. Até quando o crime irá compensar para os ricos e poderosos no Brasil? Até quando seremos o país da corrupção e da impunidade?

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

BRAVA, MARINA

Além de comovente, o artigo de Marina Silva "De mães para filhos" (Folha, 23/05) é contundente pela sua verdade existencial. Ela aponta o problema fundamental da nossa sociedade: a corrupção política. O mau exemplo da roubalheira, vindo de cima, provoca a explosão de violência em suas várias formas: linchamentos, saques, assaltos, como consequência da crise de valores. Marina, ao fazer referência ao movimento das mães pernambucanas, que foram a uma delegacia devolver produtos que seus filhos tinham retirados das lojas durante a greve da polícia, ostentando o cartaz "Filho meu não põe a mão no alheio", mostra o caminho da decência, sem a qual não há democracia que perdure. E não há roubo mais prejudicial do que se apossar do dinheiro de nossos impostos. Infelizmente, a única pessoa honesta entre os presidenciáveis não tem chance de sucesso nas próximas eleições, justamente por nunca ter compactuado com o sistema corrupto que nos governa. Que mudanças podemos esperar, seja lá quem for o próximo presidente?

Salvatore D' Onofrio

saldo1@ig.com.br

São José do Rio Preto

*

ATENTADO À ORDEM PÚBLICA

O FMI é um braço "teórico" dos banqueiros que hoje comandam os barbates no mundo. Na realidade, defende qualquer ideia que signifique "melhor controle do dinheiro", que é, de fato, administrativo, mas não o único. Onde leis são, ora, leis, não há sistema administrativo que dê conta, porque falta a disciplina. Gasto é questão de disciplina, e, num governo como o atual do Brasil, disciplina é apenas para "inglês ver". O FMI é como o rico que aconselha ao pobre como ficou rico, apenas escondendo as malandragens que precisou fazer.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

REFORMA TRIBUTÁRIA

Muito imposto e pouco retorno pra sociedade. Somos, na realidade, um povo que não sabe reivindicar nossos direitos. Está passando da hora de nos unirmos e nos rebelarmos de forma séria, enérgica, paralisando este país e mostrando pra corja de políticos que se estabeleceram no poder que chega.

José Roberto Iglesias

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

AGÊNCIAS REGULADORAS?

Há um site que informa o número astronômico de reclamações de usuários por empresas de telefonia, TV por assinatura e banda larga. Será que a Anatel não se interessa por saber essas barbaridades para não tomar previdências? Enquanto isso, os usuários, que sustentam as empresas e a Anatel ficam ao desamparo. Isto é normal ? No Brasil é...

Mário A. Dente

dente28@gmail.com

São Paulo

*

PAPA

A viagem do Papa à terra santa, embora tendo sido curta a estada, tem o perfil de um grande pacificador e homem de diálogo. Aquela região que há meio século não se compreende e vive um estado de guerra, agora mais ainda com a primavera árabe, precisa encontrar um ponto de equilíbrio e localizar o relevo de suas próprias terras, somente assim o mundo despertará dessa desinteligência para viver o que o Papa Francisco sempre clamou, a paz.

Carlos Henrique Abrão

abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

PAPA FRANCISCO

O Papa Francisco chegou ontem ao Oriente médio, como noticia o "Estadão" também de ontem. Como primeiro pontífice a visitar a Terra Santa, onde vai estar em contato com as maiores autoridades palestinas, israelenses, ortodoxas e muçulmanas. Também em um simbolismo religioso, como uma pessoa que considera os elementos da eucaristia, como símbolo, e não como corpo e sangue de cristo. Essa peregrinação à Terra Santa é a confirmação por todas as crenças religiosas da oração.

Antonio Brandileone

abrandileone@uol.com.br

São Paulo

*

VISITA DO PAPA A ISRAEL

Na edição do "Estadão" desse sábado, 24 de maio, seção internacional, página A21, o correspondente Richard Furst escreve que a visita do Papa a Israel será curtíssima e "deve ser de não mais do que cinco horas". Gostaria de retificar essa informação: o Papa Francisco deverá chegar a Israel no próximo domingo, dia 25, às 16h30 locais e começará com uma recepção oficial no aeroporto internacional Ben Gurion, perto de Tel Aviv.

A visita do Papa Francisco, quarto Santo Padre que visita o Estado de Israel, terminará segunda-feira, 26 de maio, às 20h15 locais, com uma cerimônia de despedida oficial realizada no mesmo aeroporto, quando o Pontifice embarcará para Roma, num vôo da companhia israelense El Al. Todos os detalhes da visita papal, os diversos encontros, visitas e atividades religiosas podem ser consultados no site do Ministério de Relações Exteriores de Israel: www.mfa.gov.il. Assim como no site do Consulado Geral em São Paulo: http://embassies.gov.il/sao-paulo/Pages/default.aspx.

Yoel Barnea - Cônsul Geral de Israel em São Paulo

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.