Fórum dos Leitores

ELEIÇÕES

O Estado de S.Paulo

27 Maio 2014 | 02h06

O discurso do medo

A notícia de que o PT (Partido dos Trambiqueiros) pretende reforçar o discurso do medo, como no pronunciamento de dona Dilma Rousseff na véspera do 1.º de Maio e no programa partidário de 15/5, pois surtiu efeito positivo para a reeleição, nos dá a medida do que a "presidenta" citou, numa de suas falas: que fariam o diabo na campanha - mentir, enganar os incautos, criar cisão entre o povo, apropriação descarada dos feitos da dita herança maldita e tantas outras falcatruas, dentre as quais inaugurações de obras inacabadas! Abra o olho, eleitor, o inferno se aproxima...

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Imagens do caos

A campanha do PT mostrando o medo de um passado bem estruturado, que foi a base do primeiro mandato de Lulla, mas ele insiste em negar, deveria ser substituída pelas imagens do caos que as cooperativas de ônibus, sob o comando do PCC e a proteção de parlamentares ligados ao PT, impuseram aos paulistas e paulistanos. Prefeituras do PT e empresas de ônibus têm longo histórico de conivência e conflitos. Que o diga o finado Celso Daniel.

CLÁUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Fina-flor

Perguntar não ofende: qual foi mesmo a razão do assassinato do então tesoureiro de campanha de Luiz Inácio, o prefeito Celso Daniel, de Santo André? Se me lembro bem, foram questões de caixa 2, malas de dinheiro e relações obscuras (em vários sentidos). Agora vem à tona essa ligação entre membros do PT (Fernando Haddad, Martaxa, Jilmar Tatto), PCC (!) e cooperativas de empresas de ônibus. Ligação que tem como pivô a ilibada figura de Luiz Moura, deputado estadual petista que é ex-presidiário, condenado por assalto à mão armada. Fina-flor. Assim sendo, insisto na pergunta: qual foi mesmo a razão do assassinato de Celso Daniel? Com a palavra os petistas de plantão.

MARLY N. PERES

marly.lexis@gmail.com

São Paulo

Acima da justiça

Incrédulo, li na página A19 da edição de sábado do Estadão declaração do secretário de Comunicação do PT acerca da proibição de propaganda partidária: "Independentemente da decisão da juíza, vários elementos vão ser levados em conta". Ora, não cumprirão a decisão judicial? Cada dia mais caminhamos para a República Bolivariana do Brasil.

LEONEL LUCAS LUCARIELLO FILHO

leonellucariello@gmail.com

São Paulo

Propaganda proibida

A veiculação da propaganda do PT nunca poderia ter sido tirada do ar. É uma contribuição importante desse partido alertando sobre a importância do voto e o risco que todos os brasileiros correm ao votar errado na eleição presidencial de outubro deste ano. Sim, existe um grande risco de aprofundamento da inflação, do desemprego, da inadimplência, do fechamento de fábricas, do crescimento da desigualdade, dependendo do presidente eleito. Esses fenômenos ocorreram de forma intensa nos governos dos presidentes José Sarney e Fernando Collor de Mello, quando também ocorreram moratória internacional, poupança e depósitos bancários confiscados e a institucionalização da corrupção. Como bem alertou a presidente da República, é importante votar olhando o passado e mirando o futuro. O futuro é hoje! E quem dá sustentação ao PT e à presidente? Os ex-presidentes Sarney e Collor. E é inspirada, a presidente, em suas administrações que este país caminha a passos largos para o descontrole da inflação, que já extrapolou o teto da meta, desconsiderados os represamentos dos preços dos combustíveis, da eletricidade e do transporte. A desindustrialização é um fato, o que contribui para a geração de empregos muito abaixo dos anos passados. As despesas correntes crescentes, muito acima do crescimento da arrecadação de impostos, fazem com que o investimento em educação e saúde seja insuficiente. A falta de investimentos em infraestrutura, por motivos ideológicos, impedindo as privatizações, faz com que o custo Brasil seja elevado e nos tire competitividade no mercado internacional. Por todas essas razões, a veiculação deveria voltar, para alertar toda a população sobre o aprofundamento da crise que vivemos hoje.

WALTER SANT'ANNA ZEBINDEN

zebinden@terra.com.br

Campinas

Ambição política

O PT também ambiciona o governo do Estado de São Paulo e não respeita limites para alcançar esse objetivo. Na recente manifestação popular infiltrou no movimento elementos do partido munidos de porretes para insuflar um quebra-quebra, sem êxito, visando a desprestigiar o governador Geraldo Alckmin perante a opinião pública.

ALCIDES BENJAMIN PORCARO

porcaro2010@hotmail.com

São Paulo

MUNDIAL DA FIFA

'Copa de sangue'

O filhinho de papai Guilherme Boulos, que brinca de sem-teto, quer a todo custo um morto para chamar de seu. Não só idosos e crianças estavam na última manifestação na Avenida Faria Lima, símbolo da burguesia segundo o cânone da esquerda festiva (il faut épater la bourgeoisie), mas também deficientes físicos, como cadeirantes. Ele está provocando acintosamente a polícia, que representa o governo do Estado, com apoio discreto do PT, para que invada o acampamento e cause feridos e mortos.

MILTON AKIRA KIYOTANI

miltonak@gmail.com

São Paulo

De vergonha

Não é só o Ronaldo Fenômeno que está envergonhado com o atraso dos estádios para a Copa do Mundo. A maioria dos brasileiros de caráter idôneo também está envergonhada. E não só pelo atraso, mas pela ousadia do governo petista de usar a Copa como trampolim político para se manter no poder. Daí a razão dos jogos em 12 sedes. Segundo declaração do presidente da Fifa, Joseph Blatter, o governo queria 17 sedes (por que não 22?), mas concordou com as 12 "arenas". Imaginem o tamanho da vergonha que iríamos passar se não fosse a Fifa... Coitado do Ronaldo, vai pagar o pato por sua verídica declaração. Haverá muitos brasileiros torcendo contra o hexa, assim como torceram contra o tri em 1970. Daí o porquê de tantas manifestações a menos de um mês da Copa.

VALDY CALLADO

valdypinto@hotmail.com

São Paulo

Obras inacabadas

Em linguagem futebolística, a maioria dos estádios será concluída na prorrogação.

MARCOS CATAP

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

* 

COPA

De nada adianta agora se revoltar contra a realização da Copa. Ela vai acontecer com ou sem protestos, e a vulnerabilidade do País já está sendo exposta para o mundo. Doravante só resta torcer pelo hexacampeonato e pela alegria do já sofrido povo brasileiro. A economia vai receber um razoável incremento neste mês e boas promessas para o futuro, dependendo de como a população se portar. O País carece deste impulso no turismo, a indústria do século. Quem desejar mostrar sua insatisfação, em outubro terá a possibilidade de exercitar todo o seu potencial nas urnas.

João Coelho Vítola

jvitola@globo.com

Brasília

*

NÃO VAI TER CÓPIA

Bobagem. Vai ter, sim, senhor. Esse pessoal que levou sete anos para descobrir que a Copa era uma roubada tem que dirigir a sua energia para as eleições de outubro e trocar o tema: não vai ter Cópia. Cópia desse governo petista incompetente e irresponsável que já foi copiado em três temporadas, não soube dizer a que veio e não pode ser repetido pela quarta vez.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

A COPA IMUNDA

A Copa do Mundo, sem nenhuma dúvida, trará ao nosso país inesquecíveis e péssimas conseqüências. As nossas demonstrações de desorganização, no mínimo, transformarão os milhares de torcedores estrangeiros que nos visitarão em garotos-propaganda não a favor, mas contra o nosso e super desejável futuro turismo, o que será de dificílima possibilidade de recuperação, mesmo a longo prazo, para o que os políticos do momento darão as mais estapafúrdias desculpas. Isso para não citar outros pretensos, futuros, mas frustrados investimentos. E se a nossa seleção for a campeã do mundo, será a maior propaganda de palanque (re)eleitoreiro da presidente Dilma. É só esperar para ver.

Nilton de Freitas Guimarães

nfguimaraeseo@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BRASIL NA COPA E NAS URNAS

Na "Copa das Copas", vamos torcer para a seleção honrar as cinco estrelas da "amarelinha", dar show de bola e fazer bonito dentro de campo. Em seguida, na "eleição das eleições", vamos torcer para os eleitores darem show de voto e cartão vermelho para o (des)governo federal. Bola pra frente, Brasil, sil, Sil!

J.S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

LULA E AS BOBAGENS

O ex-presidente orador, o surdo Lula, disse, no passado - e a mídia deveria colocar todo dia nas suas páginas - que, se as obras da Copa não ficassem prontas dentro do prazo, ou seja, antes da mesma começar, ele voltaria para a África a nado. Nada do que ele fala está escrito, mas como ele adora dizer abóboras, já deveria ter começado a volta para a África. Afinal de contas, as autoridades precisam pelo menos ter palavra e não brincar com os otários que votam nelas. Vai, Lula Cielo, vai para os quintos dos infernos.

Antonio Jose Gomes Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO ME DEIXA MENOS BRASILEIRO

Não apoio, não compartilho e não vestirei preto em dia nenhum de jogo do mundial. Quero que a Copa aconteça da melhor forma. Não vou torcer contra, até porque o que tinha que ser gasto, roubado, já foi. Se fosse para protestar, que tivesse feito antes. Eu quero mais é que quem chegue de fora veja um Brasil que sabe receber, que sabe ser gentil. Quero que quem chegue queira voltar. Quero ver um Brasil lindo. Os problemas são nossos e vamos tentar resolver nas urnas. Destruir o que temos não mudará o que será feito amanhã. Vamos protestar depois da Copa e limpar a sujeira da herança deixada.

ALBERTO CARUSO

albertocaruso@uol.com.br

São Paulo

*

COMPLEXO DE VIRA-LATA

Dona Dilma ficou irritada com Ronaldo, que está coberto de razão, porque tudo está sendo feito e entregue com atraso, sem contar aquilo que foi prometido e que sequer saiu do papel (trem bala?), além dos gastos exorbitantes. Ela diz que o Brasil fará a "Copa das Copas". "Não temos complexo de vira-lata." Dona Dilma, complexo de vira-lata é a pretensão de fazer um evento mais caro e maior do que países de primeiro mundo, às custas da população carente de serviços básicos, como saúde, educação, transporte, segurança, somente para inflar o ego de certas pessoas.

Aparecida Dileide Gaziolla

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

Quando a presidenta-secretária do Sr. Lula da Silva se manifestou contra o que disse o Ronaldo Fenômeno, de que não tinha por que se envergonhar com tudo de negativo que está nos proporcionando esta Copa, acrescento que agora foi criado pela presidenta-secretária junto aos grupos dos sem terra, sem teto ou sem vergonha.

Cesar Romero Galardo

crgalardo@terra.com.br

São Paulo

*

CARTA PARA REGINA

Regina Duarte: você é nota 10! Teve muita coragem e não medo! Coragem de prever mensalão, dossiê de aloprados, compra de Pasadena, aparelhamento dos cargos públicos, derrocada da saúde, educação e segurança, gastos bilionários com a Copa, refinaria Abreu Lima, dinheiro nosso para porto cubano, etc. E pior: o descrédito do povo nas instituições. Conseguiram destruir o que de mais sagrado pode ter um povo: confiança e esperança. A coluna do jornal seria insuficiente para relacionar tudo. Bicho feio! E onde estão seus coleguinhas artistas? Pois é, Regina, você infelizmente estava com a razão: o medo venceu a esperança.

José Roberto Cicolim

jrobcicolim@uol.com.br

São Paulo

*

Todos os partidos totalitários conquistam e mantêm o poder manipulando as emoções e o sentimento dos povos, e o PT não é exceção. Recentemente, o PT utilizou o medo contra a oposição, na mais sórdida campanha eleitoral, esquecendo-se do massacre que impingiu à atriz Regina Duarte quando, em 2002, ela admitiu que tinha medo do PT. Ronaldo declarou, talvez ingenuamente, que sente vergonha da Copa por ser brasileiro. A vergonha é um dos sentimentos mais autênticos e puros do ser humano. Só pessoas sensíveis e responsáveis a sentem, e só os mais sinceros a confessam. Ronaldo é de fato um fenômeno. A reação não tardou. Dilma e seu ministro comunista partiram para o ataque, e o massacre já começou. Força, Ronaldo!

Gilberto Dib

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

MENOS DE UM MÊS

Na matéria " Fifa recebe hoje o Itaquerão com obras inacabadas’, publicada dia 20 de maio de 2014, podemos perceber uma contradição ao que está de maneira formal em tese no papel. A menos de um mês para Copa e com tantos gastos para a construção de estágios, podemos ver o desinteresse com a mesma. Enquanto são gastos milhões e milhões de reais para construção de estágios - que por sinal , muitos não estão prontos - temos hospitais com falta de equipamentos, falta de vagas, falta de profissionais de várias áreas da saúde, falta de saneamento básico em muitos lugares, e muitos outros fatores. Devemos refletir sobre as consequências que todo esse processo está causando sobre as pessoas e nos perguntarmos: é isso mesmo que queremos?

Beatriz Cardoso Gomes

beatrizfofuralinda@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A MÃE DE TODAS AS COPAS

Uma operação policial buscando dois homens que atiraram contra a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Cidade de Deus causou a suspensão das aulas na comunidade deixando mais de 7 mil alunos sem aulas e que correspondem a 16 unidades escolares. Às portas do início da Copa do Mundo preocupa as autoridades e principalmente o povo e os turistas estrangeiros o enfrentamento que a marginalidade vem fazendo contra as UPP. As manifestações constantes de grande parte da população ganharam a adesão da bandidagem que, sem embargo de defenderem o seu comércio de drogas, essa parte fora da lei está solidária com o clamor geral contra tudo o que já foi dito sobre as dezenas de bilhões de gastos na maior operação de rapina que já se viu desde o "grito do Ipiranga". Jamais se ouviu falar que as Copas realizadas em outros países foi necessária a intervenção da Forças Armadas para policiamento. Nota-se nos pronunciamentos das autoridades uma preocupação nervosa do que essa Copa pode representar de fiasco coroando uma péssima administração com suas arenas super faturadas. Se o Brasil não vencer esse torneio, preparemo-nos para assistir a uma "overture" de uma nova versão do Apocalipse, obra da Fifa, de Joseph Blatter.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

São Paulo

*

O BRASIL PAROU

O governo da presidente Dilma foi um fracasso retumbante. A seis meses do fim do mandato nenhuma obra

foi concluída, incluindo as da Copa. A economia está um caos. A maioria das empresas parou de investir por falta de confiança, as exportações caíram profundamente e as importações cresceram, aumentando também nosso déficit na balança de pagamentos, agravado pelo fracasso de nossas atividades em petróleo, a maior decepção no governo PT. Quanto ao petróleo, a justificativa é que houve péssima administração e uma imensa roubalheira que quase quebra a Petrobrás. As transações com outras nações reduziram-se drasticamente, exceto para Venezuela e Cuba. O Brasil se isolou, não fez mais acordos, ao contrário das outras nações. Ficamos afastados da economia global. Os movimentos sociais se expandiram, paralisando cidades e depredando. Paramos de crescer, de exportar nossos manufaturados, de criar novos empregos. Os governos Lula e Dilma foram fragorosos fracassos em saúde, com pessoas continuando a morrer em corredores de hospitais sem assistência, educação, fazendo até com que pais enviem seus filhos para o exterior em busca de melhor escola, transporte urbano forçando a população a usar outros meios como carros, lotando as cidades, e ainda, piorando a produtividade, reduzindo a produção de um trabalhador brasileiro a um quarto da alemã, por exemplo. A maior satisfação da imensa maioria de brasileiros será dar adeus à antipática, arrogante e mentirosa presidente Dilma e ao igualmente mentiroso, o líder do partido PT, Lula, que trouxe a maior corja de ladrões e safados para o governo, implantando quadrilhas em nossas estatais, ministérios e agências reguladoras e destruindo a Petrobrás, Eletrobrás, B do Brasil e BNDES, que necessitarão de um difícil trabalho de recuperação. O Brasil precisa de novos governantes que tragam uma administração honesta e eficiente e que novamente levante o povo brasileiro, como ocorreu após o plano Real. O modelo econômico deverá ser drasticamente modificado. O PT, Lula e Dilma mostraram-se um fracasso tão grande que efetivamente conseguiram parar o Brasil.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

VOLTA, LULA

Não consigo admirar, falar bem nem gostar de Lula e Dilma. Acho que tenho motivos. Eles marginalizaram 40 milhões de brasileiros ensinando e motivando-os à indolência. Não sou contra o Bolsa Família, mas a forma como é distribuído. Deixaram e estimularam a corrupção, que já não era pequena, a nível de campeão mundial. Eles não dão uma dica de luz e esperança de dias melhores. Desqualificativos não faltam. Falta é espaço. Então "volta, Lula" só se for para confirmar aquela frase: "quanto pior melhor". Para quem?

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

REGULAÇÃO DA MÍDIA

O conceito do PT sobre regulação da mídia é o seguinte: tudo que for favorável ao governo deve ser divulgado; tudo que for contra, não!

Eugênio José Alati

alatieugenio@gmail.com

Campinas

*

VEJAM SÓ

Os jornais dos maiores estados do Brasil são unânimes a espantar o que nós já estamos sabendo e vendo também na televisão. O PT, a Dilma e alguns dos seus, que gostam muito de aparecer nos jornais, vide o senador relator da CPI chapa branca. Agora só estão dando satisfação e retrucando o que todos nós, brasileiros, já sabemos; os seus "malfeitos", como diria a presidente. Até a "força tarefa" do PT, do Supremo, vide o Ministro Teori e agora o Ministro Toffoli. Cada dia que passa ela se parece a mais "vira-lata no Brasil. Tire o Governo de suas mãos, e despenca, despenca, despenca, despenca até esborrachar que nem ovo de galinha.

Angelo Bretas Bhering

bhgcamp@bol.com.br

Belo Horizonte

*

DISTORÇÕES

Excelente texto de Carlos Alberto di Franco ("Brasil, risco da radicalização", A02, 26/05). Captou muito bem os sentimentos de nojo, decepção e impotência que a população tem demonstrado de diversas maneiras. Os políticos, cegos pelos seus próprios interesses, ganância e falta de caráter, não têm percebido. Não pode haver mesmo entendimento quando falam línguas tão diferentes. Não há mais comunicação, especialmente com as constantes mentiras e distorções da realidade no discurso dos governos petistas.

Adriana de Souza

drimfrrr70@gmail.com

São Paulo

*

AÉCIO-SERA: A ÚLTIMA CHANCE

A última pesquisa Ibope mostra a presidente Dilma reagindo, enquanto os adversários patinam. Se continuar assim, não haverá segundo turno, e desanima o brasileiro esclarecido que, por ser minoria, impotente vê cada vez mais a corrupção engolir o País sem qualquer reação por parte de uma oposição dividida e sem nomes que tragam imagem capaz de conquistar o eleitorado, principalmente aquele grupo formado pelos de baixa escolaridade somados aos recebedores de esmolas federais que dificilmente mudarão de opinião depois da última propaganda petista que buscava incutir o medo, disseminando a ameaça de mudanças caso um tucano fosse eleito. A única chance de a oposição acabar com esse quadro ruim será da parte do Aécio, candidato tucano "oficial", mas antipático aos paulistas. Ele tem que conversar com o Serra em busca de seu eleitorado forte oferecendo a ele o cargo de vice e alguns ministérios importantes a São Paulo, enquanto da parte do paulista cabe aceitar, pois passou e muito da idade de fazer "beicinho e partir para briga" com toda energia. Tal união será sua última chance de ainda fazer parte de algum governo. Em caso de segundo turno, nada há para esperar da dupla Campos-Marina, que, se alijada da disputa, correrá para o ninho atual, pois tanto um quanto o outro, mesmo desprezados pelo Lula, comiam ração na mão dele e apoiarão Dilma, que continuará como preposta do nefasto.

Laércio Zannini

arsene@uol.com.br

São Paulo

*

PROPAGANDA DO PT

Fica tão fácil a oposição derrubar a propaganda derrotista do PT! Basta fazer as perguntas óbvias: o esgoto ainda ronda a porta da sua casa? A luz que seria para todos chegou onde mora? O hospital do seu município já tem aparelhos de imagem como nas melhores cidades? A escola do seu filho tem instalações dignas? Ou seu filho tem ensino de qualidade? A creche tão prometida já chegou ao seu bairro? A lama ainda está na sua porta? Seu salário tem chegado ao final do mês? Em seu município, a bandidagem e a impunidade pioraram desde quando o PT subiu ao poder? Vocês lembram se as promessas de campanha da presidente Dilma foram todas cumpridas? Oposição: precisa avivar a memória do povo brasileiro para que aprendam a comparar. Afinal, o PT está no poder há 12 anos! Provavelmente os filhos da maioria dos eleitores nem haviam nascido quando subiram ao poder!

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

‘POR QUE ENTERRAR AS VERDADES DE AGORA?’

Complementando o bom artigo do autor José Nêumanne ("Por que enterrar as verdades de agora?", A02, 21/05), vivemos literalmente hoje a moral e a ética da antiga pajelança: mentir para governar. No caso do Daniel, o livro do político Romeu Tuma Jr. é enfático: foi um erro de cálculo dos donos de ônibus que queriam "fazer medo" ao prefeito escroque. Várias verdades e várias mentiras no tal livro. O prefeito C. Daniel era de fato um político escroque, corrupto etc., como tem que ser qualquer político no PT. Contudo, jogar a culpa nos donos de ônibus, que, apesar de não serem santinhos de nada, é de fato esconder a coisa. No livro, o político "explica" que o traficante bandido contratado foi "tirado" da penitenciária de Guarulhos através de um helicóptero, cujo piloto, junto com o tal bandido, veio a ser assassinados logo depois. Mas não contou que de fato contratou esse helicóptero, e muito menos quantos "pauzinhos" tiveram que ser mexidos para o regaste cinematográfico que até hoje é pouco sabido. Imagine se algum dono de empresa de ônibus poderia ter feito isso! O livro na realidade é um monte de "denúncias documentadas" até o ponto que interessa, o resto deve ter ficado como "bala no pente". Por outro lado, não se sabe o que a família está denunciando, se uma justiça de fato aparelhada, ou um prefeito ilibado. Na realidade, um corrupto imoral como qualquer outro.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

Excelente, como sempre, o texto escorreito de José Nêumanne. Caberia, entretanto, aduzir a referência feita no segundo parágrafo sobre eventual crueldade praticada pelos militares contra os que se opuseram ao regime de exceção. Não resta a menor dúvida que os agentes do Estado se interpuseram contra aqueles que, mormente entre 1968 e 1974, lutaram o que se pode caracterizar uma guerra interna. A Ação Popular (AP), organização de extrema esquerda ligada à ala progressista da igreja católica, diga-se de passagem, foi a precursora da luta, ao organizar e executar o atentado à bomba no Aeroporto dos Guararapes, ainda nos idos de 1966, que redundou em duas mortes e quatorze feridos. No mais, parece-me que Nêumanne, Marilena e a direção do jornal estão cobertos de razão em se insurgir contra a ditadura petista que busca se consolidar no poder, tentando atingir o modelo venezuelano com o controle dos demais poderes e da mídia.

Marco Antonio Esteves Balbi

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

‘POR QUE NÃO A JUSTIÇA?’

Expresso minha irrestrita solidariedade ao Exmo. Presidente do TJSP, Desembargador Renato Nalini, no quanto disse em seu artigo "Por que não a Justiça?" (20/05, pág. A2). A reforma do Judiciário, para valer, é condição indispensável para a efetividade de um Estado de Direito que não seja só "para inglês ver". E deve começar com normas que conduzam à "reforma" da nossa mentalidade, pois não é difícil diagnosticar o manancial de onde provêm os grandes inimigos da Justiça (e de outras instituições do Estado): o espírito cartorial, com seus tortuosos meandros burocráticos. Precisamos nos tornar mais pragmáticos e menos afonsinianos, mais baconianos e menos platônicos, sempre voltados a uma ideia de justiça perfeita, logicamente impossível de se realizar, mas que impede, com seus intermináveis recursos, a realização de uma justiça talvez um pouco menos perfeita, mas humana e necessária ao convívio social. De que nos adianta uma decisão "perfeita", que leva anos ou décadas para ser alcançada, em "quarta instância" (STJ e STF), para, no final, ser emoldurada e presa à parede, servindo para ser admirada pelos sucessores daquele a quem o Juiz-Estado reconheceu ter o direito, mas que foi conduzido ao cemitério antes que a decisão judicial o fosse ao arquivo? Precisamos coibir as procrastinações com mão de ferro. Precisamos, sim, confiar mais nos nossos juízes, principalmente nos de primeiro grau. Mas, por outro lado, precisamos de juízes vocacionados de verdade, traquejados. E que sejam experientes, expedidos e eficientes, pelo menos nas comarcas de maior importância. Uma magistratura composta de juízes abertos ao diálogo com os advogados, estudiosos, preparados, constitui meia reforma do Judiciário. Para a outra metade se realizar, torna-se necessário apenar fortemente os grandes clientes da Justiça, encabeçados pelo Estado e pelas empresas campeãs do Procon, de modo a desestimulá-los de instrumentalizar o Poder Judiciário na administração de seus passivos. Reforma séria exige que o custo da Justiça passe a ser alto para os sucumbentes (os pobres são defendidos pelas Defensorias Públicas), e mais alto ainda para os litigantes de má-fé. Esse já será um bom começo. E é só a partir daí que as coisas passarão a mudar para melhor.

Advogado Lionel Zaclis

lzaclis@uol.com.br

São Paulo

*

Preocupante o alerta feito pelo Desembargador José Renato Nalini, presidente do maior Tribunal do País. Já está na hora de percebermos os males que um Poder Judiciário completamente afastado da realidade social tem causado ao Brasil. A sociedade precisa, urgentemente, refletir sobre a necessária reforma estrutural do Judiciário.

Leonardo Peret

leonardoperet@gmail.com

São Paulo

*

DESIGUALDADE DE RENDA

Leitor assíduo do Estadão, desejo saudar os colunistas que o integram. Na edição de 25/05, página A21, Moisés Naím tece comentários ligados a economia, citando Thomas Piketty e a tese do rendimento do capital ser maior que o rendimento do trabalho. Se reduzirmos o IR incidente na fonte sobre a remuneração trabalhista, o efeito no Brasil será maior. Mas a genialidade do artigo do Moisés é sugerir uma estatística demonstrando o rendimento de funcionários corruptos e aí seria interessante agregar os lobistas com seus laranjas (maior praga na absorção de verbas governamentais) e compará-lo com o rendimento de funcionários honestos (que são muitos, porém desestimulados a exercerem suas funções). Essa é a grande epidemia que torna os rendimentos desiguais, e não adianta PT, PSDB e outras siglas apresentarem soluções para resolver os problemas do ponto de vista econômico que assolam o País.

Geraldo Negrão

gfnegrao@ig.com.br

São Paulo

*

PLANOS ECONÔMICOS

Mesmo com os quatro Juízes do STF, Lewandovski, Barroso, Teori e Toffoli que, com certeza, votarão contra os poupadores, tenho a esperança que os restantes estarão do lado da Justiça e do direito do cidadão e ratificarão a justa decisão do STJ. Terão muita pressão para julgar favorável aos bancos, pressão vindas deste governo que protege sempre os mais poderosos em prejuízo da população. Espero que o Supremo dê o veredicto favorável aos poupadores, que vem nessa espera interminável há 22 anos e muitos já ficaram pelo caminho. Que seja executada a decisão imediatamente, pois se adiar por mais alguns anos não terão a quem pagar, não haverá sobreviventes!

José Mendes

josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

O povão investidor em poupança está tendo dificuldades para receber corrigido na forma da lei. O seu dinheiro roubado, neste país inflacionário, por mais de 20 anos encalhados na Justiça, agora no STF (Superior Tribunal Federal), a qual deveriam respeitar os direitos dos pobres poupadores, sem proteger a elite, entidade financeira estadual ou federal, principalmente, aos Planos Collor I/II, sem maquiar vantagens, subtrair direitos nos cálculos oficiais nem aceitar tantos recursos em vão. Chega, decida imediatamente, na forma da çei.

Antônio de Souza D Agrella

antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

*

Os ministros do STF devem julgar e não fazer política. Adiar o julgamento dos planos econômicos por causa das eleições é ridículo, o STF joga sua reputação na lama. Que vergonha!

Gustavo Guimarães da Veiga ggveiga@outlook.com

São Paulo

*

Mediante todas as farsas, tramóias e manipulações que os bancos estão conseguindo fazer com seu lobby político até o presente momento para não pagar o que nos devem para quem tinha poupança durante os planos econômicos dos anos 80 e 90, perguntamos onde estão os "direitos do Cidadãos", garantidos pela Constituição? Ou só temos obrigações? Vale lembrar que tais direitos englobam saúde, educação, segurança e transportes, que se encontram em situação calamitosa e falimentar.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MAQUIAGEM NAS CONTAS

Mais uma vez, e, como sempre, os mandrakes da economia brasileira irão criar e manusear números para fechar as contas. Para tanto, o Ministério da Fazenda tem gente especializada em "contas de chegar". Não é mesmo, ministro Guido Mantega?

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

ESTRANHÍSSIMOS FATOS

Com base no que foi amplamente noticiado no Caderno de Economia do "Estadão" de 22/05 e em todos os meios sérios de comunicação, o STJ votou em favor dos poupadores referente aos Planos Econômicos dos aloprados José Sarney, agora investigado no escândalo do Banco Santos e Collor de Mello, agora a ser devidamente investigado pelos depósitos de R$ 50 mil feitos pelo o já famoso doleiro Alberto Yousseff. O julgamento desses planos maquiavélicos pelo plenário do STF está previamente agendado para o próximo dia 28 de maio, mas existem quatro ministros desse mesmo STF que estão inclinadíssimos a pedirem o adiamento desse julgamento para o período pós-eleitoral por conta do "impacto econômico que isto irá acarretar". Acredito que esses senhores já não possuam mais nada a receber de suas poupanças por, quem sabe, informações das do tipo, recebidas por Sarney. Quem sabe? Isso faz parte, muito provavelmente, da bancada petista, que se apossou do STF e deseja que nós, poupadores lesados por Sarney e Collor de Mello, amicíssimos de Lula da Silva e sua aluna-mór Dilma, morramos todos sem ter o direito de recebermos aquilo que esses ex-presidentes aloprados nos tungaram. Além do mais, já houve a intervenção direta de Alexandre Tombini (BC) e Guido Mantega (Fazenda) para que esse dinheiro não nos fosse liberado numa clara afronta aos nossos direitos de cidadãos, que pagamos impostos escorchantes para sustentarmos esses senhores de competência questionável e seus luxos abusivos. Quaisquer que sejam as argumentações de quaisquer ministros do Supremo Tribunal Federal no intuito de mais um adiamento, simplesmente irá corroborar minhas colocações acima e mostrar a quantas anda nosso judiciário como um todo.

Boris Becker

borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

A CENSURA DO STF

Primeiro, o Ministro Zavascki manda soltar o "amigo rei" (só ele), antes que tivesse um acesso de descontrole e falasse o que não deveria. Agora, com a divulgação de fatos ligados ao Senador Collor, o Ministro Zavascki decreta o "segredo de Justiça" para o caso, negando à sociedade, que paga seus salários e dos demais políticos envolvidos, o conhecimento das enormes falcatruas que são cometidas no âmbito do poder público. É isto que se chama democracia?

José Carlos Fernandes

novoafernandes@hotmail.com

São Paulo

*

O CÍNICO

E lá vem novamente o notório senador Collor de Mello, a culpar a imprensa pela denúncia de vários depósitos efetuados em sua conta corrente bancária, cujos recibos foram apreendidos junto a documentos do doleiro Alberto Youssef, ora em cana. Pelo que se pode deduzir das palavras do político, é tudo mentira, não houve depósito em seu favor, permitindo acreditar tratar-se de homônimo, quem sabe aquele outro ex-presidente da República de triste lembrança. Diante de tanta veracidade na manifestação, o senador Renan Calheiros, Presidente do Senado, dará por satisfeita a explicação e o assunto acabado. É mais um querendo crer que somos idiotas.

Mario Cobucci Junior

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

No desdobramento das investigações da operação Lava Jato, surgem oito depósitos, em espécie, do doleiro Youssef para o senador Fernando Collor de Mello. Depósitos esses efetuados em quatro dias consecutivos, sempre em valores inferiores a R$ 10 mil para ficaram fora do radar do Banco Central. Típica operação de lavagem de dinheiro, conforme disciplina a legislação vigente.

Agora entendo porque o ministro Teori Zavascki correu para decretar segredo de Justiça para o desdobramento da operação Lava Jato. Brasília deve estar com síndrome de insônia.

Cláudio Juchem

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

SAÚDE PÚBLICA TRÁGICA

A matéria do programa "Fantástico" da TV Globo, mostrando a trágica situação de grande parte dos hospitais públicos nacionais brasileiros é vergonhosamente emblemática. Mesmo sabendo-se que o problema não é recente, o agravamento da saúde pública entre nós exige solução urgente das questões mais graves por questão humanitária que, se não for resolvida até outubro próximo, pode decidir sobre os resultados eleitorais nas eleições que se aproximam.

José de Anchieta Nobre de Almeida

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

O "Fantástico" desse domingo mostrou a vergonha que se encontra a saúde no País. Mostrou o descaso em que são tratados 150 milhões de brasileiros dependentes de um sistema de saúde falido. Falta tudo, até vergonha na cara dos gestores e de quem tem a responsabilidade de prover de meios materiais e humanos os centros de saúde neste país. Para mim serve de alerta, pois sabemos que em breve teremos eleição, em que precisamos escolher nossos candidatos pelo menos de passado limpo e de alguma realização, só assim teremos uma chance de sair dessa situação caótica no bem mais precioso do ser humano, que é ter assistência médica decente. Na reportagem contrastou apenas a elegância dos secretários com ternos e gravatas em altíssimo padrão, talvez padrão Fifa, com a real situação dos hospitais e postos de saúde em todo Brasil.

Julio Jose de Melo

julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

A VISITA DO PAPA

Em sua curta visita à Terra Santa, o Papa Francisco, num simbolismo político, não orou no muro das lamentações, mas rezou em terra palestina, na frente de outro, o muro da separação entre Israel e palestinos, erguido pelos israelitas na Cisjordânia para separar os dois países, como demonstra nitidamente o "Estadão" (26/05). Num gesto de pacificador, convidou o presidente da autoridade palestina, Mahmoud Abbas e o presidente de Israel, Shimon Peres, para irem no dia 6 ao vaticano para uma oração pela paz dos seus povos. As atitudes do pontífice em Jerusalém, em Belém e no Santo Sepulcro, como também mostram as fotos na reportagem já citada, ilustram esses fatos humildes do Santo Padre e mostram ainda que ele, Papa, não se atendo somente às diferentes doutrinas religiosas dos aludidos chefes, não se pejou em convidá-los (judeus, muçulmanos e ortodoxos) para que, visando o bem dos seus povos, se uniam em Roma numa oração. Pena que na política brasileira não temos um pacificador do calibre do nosso Papa Francisco, como deu a entender o senador Pedro Simon (PMDB - RS) em um dos seus últimos costumeiros e patrióticos discursos na tribuna do Plenário do Senado, para livrar nosso infortunado Brasil da balbúrdia que assola a nossa nação, quer popular, quer administrativa, quer politicamente. Que Deus se apiede de nós!

Antonio Brandileone

abrandileone@uol.com.br

São Paulo

*

Certas obviedades ficam ainda mais evidentes quando ditas por personalidades de reconhecida força moral. É o caso das declarações do Papa Francisco, na sua antológica viagem à Terra Santa, quando reafirmou os direitos inalienáveis de Israel viver com segurança em fronteiras reconhecidas internacionalmente e dos palestinos terem um estado para viver com soberania, dignidade e direito de ir e vir. São de um simbolismo impressionante as suas atitudes corajosas de por um lado repudiar o holocausto, o antissemitismo e visitar o túmulo de Theodor Herzl, e, por outro, de orar em silêncio, repousando a testa no muro de concreto erguido por Israel na Cisjordânia, onde se lia "Liberte a Palestina". São atitudes que valem por mil palavras e espera-se que os presidentes de Israel e da autoridade Palestina aceitem o seu convite de orar pela paz no Vaticano e efetivamente trabalharem para obtê-la, com atitudes concretas e não demagógicas.

Wilson Haddad

wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

*

Em visita à Terra Santa, Francisco pretende solicitar ao governo de Israel a transferência, temporária, do Muro das Lamentações para o território argentino.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O MUNDO AGUARDA

Aparentemente, vários partidos europeus de extrema direita estão para conquistar significativos espaços de poder, conforme indicam os resultados e as projeções das eleições para o respectivo Parlamento, finalizadas nesse domingo, 25/05, nos países da comunidade. Os avanços dessa "onda eurofóbica", como assinalado pelo periódico "Le Monde", em eleitorados importantes como o francês, o inglês e o dinamarquês, estão preocupando os analistas políticos que veem na tendência um passo importante para a virtual destruição do parlamento europeu. Há também, entre os povos dos países citados e de outros onde a direita também obteve bom número de votos, uma crescente oposição em relação às políticas de imigração, além de forte descontentamento vinculado aos processos de construção da União Europeia, considerados prejudiciais aos interesses nacionais, razão principal pela qual resolveram mandar para o parlamento deputados contrários à linha de integração que vem sendo adotada. Qual será o futuro da velha Europa? Provará afinal que o nacionalismo é uma doença incurável? Voltará a pulverizar-se? O mundo aguarda com ansiedade.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

HOMENAGEM AO EX-CRAQUE

Gostaria de prestar uma última homenagem ao ex-craque Washington (Fluminense), que morreu nesse domingo (25/5), aos 54 anos. Washington era um artilheiro e um goleador de grande talento, com belos gols, como o inesquecível contra o Vasco, pelo Fluminense, depois de partir do meio campo e driblar toda a defesa adversária. Com Assis, fez a célebre dupla "Casal 20", campeões paranaenses em 1982 pelo Atlético-PR, Tri Campeões Cariocas em 1983/84/85 e Campeões Brasileiros de 1984, pelo Flu. O baiano Washington foi revelado no Galícia-BA e foi campeão Pan Americano pelo Brasil, em 1987, em Indianápolis (USA). Obrigado por tudo, Washington ! Descanse em paz.

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.