Fórum dos Leitores

PNPS

O Estado de S.Paulo

08 Junho 2014 | 02h03

Golpe contra o Congresso

Com esse Decreto 8.243, a impressão que temos é que a presidente e o PT imaginam que Dilma Rousseff pode não ser reeleita - uma grande possibilidade. Lula quer manter sua imagem e seu poder incólumes, embora esteja caindo nas pesquisas, para uma eventual volta "heroica". Isso se daria, talvez, quando a economia do Brasil chegasse a um ponto em que teria de fazer uma traumática mudança, até 2015, dado que atualmente está em queda acentuada. A situação está ficando difícil para o PT, que já domina o Supremo Tribunal Federal (STF) e agora decide reduzir a importância do Congresso Nacional, ficando, então, com o controle dos três Poderes. Cria uma força política nova, com a Política Nacional de Participação Social (PNPS), forma de diminuir a democracia representativa, por decreto. É uma atitude atrevida do PT, na sua pretensão de mudar o regime político brasileiro. A origem desse decreto é a mesma dos que desejam a "regulamentação da mídia". Esse tal PNPS ficaria sob o comando de Gilberto Carvalho, que já lida com movimentos sociais como MST, MTST, Black Bloc e outros. É preciso que a sociedade resista a esse decreto por todos os meios que temos, o Congresso, o STF. Esse decreto será mais um motivo para que os investidores, internos e externos, não confiem no País.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Conselhos para quê?

Do presidente da Câmara dos Deputados, sobre sua autoritária decisão de não pôr em pauta o pedido de urgência da oposição para analisar os conselhos populares (da PNPS): "Não vou porque não quero". Então, o povo pergunta: para que conselhos populares, se nem os representantes do povo no Congresso são ouvidos? Será para ouvir apenas o que interessa ao governo?

VAGNER RICCIARDI

vbricci@estadao.com.br

São Vicente

Jabuticaba

Diz aquele velho ditado que, se alguma coisa existe apenas no Brasil e não é jabuticaba, só pode ser besteira. Eis que uma prócer deputada petista apresentou como justificativa para o recente decreto do governo federal - que, a pretexto de regular a participação da "sociedade civil" nos destinos da Nação, nos remeterá a uma ditadura nos moldes dos sovietes de 1917 - que ele é tão avançado que existiria somente no Brasil e estaria despertando a curiosidade de países vizinhos. Fico imaginando argentinos, bolivianos e equatorianos, além dos venezuelanos, por certo, implementando, em conjunto com o Brasil, tais medidas, já testadas e aprovadas total ou parcialmente em alguns deles. Para finalizar: coloquei a expressão sociedade civil entre aspas propositalmente, posto que ela já foi incorporada ao vocabulário nacional dentro do senso comum modificado, característico da doutrina gramscista.

MARCO ANTONIO ESTEVES BALBI

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

De cabeças pensantes

Em defesa dos conselhos de consulta popular, disse a presidente Dilma que "muitas cabeças pensam melhor que só a cabeça do Executivo". Ora, não há necessidade de muitas cabeças para pensar melhor que a cabeça do Executivo, talvez uma só, mas de boa qualidade.

LÍGIA M. VENTURELLI FIORAVANTE

advocaciaafioravante@uol.com.br

São Paulo

POLÍTICA ECONÔMICA

Efeito dominó

O Banco Central projeta alta de 11,5% nos preços da energia elétrica no País, além de esperar uma redução de 4,2% nas tarifas de telefonia fixa. As estimativas foram divulgadas na ata do Comitê de Política Monetária. Sem dúvida alguma, depois das eleições vamos ter aumentos em efeito dominó ou cascata. O dos combustíveis, é claro, vai elevar o preço de tudo e a inflação, que estão segurando a ferro e fogo, vai explodir. Esse é, realmente, um governo que pensa no povo... em "ferrá-lo" sempre!

ANTONIO JOSÉ GOMES MARQUES

a.jose@uol.com.br

São Paulo

Remédio para a inflação

O palestrante da moda, o apedeuta Luiz Inácio da Silva, disse em Porto Alegre que quer inflação de 4,5 % e defende "remédio já". O remédio o sr. Luiz Inácio não tem e dona Dilma, também não, pois faltam os princípios ativos do medicamento, a saber: competência e ética!

EDUARDO A. DE CAMPOS PIRES

eacpires@terra.com.br

São Paulo

A volta do dragão

Então, Lula quer "remédio já" contra a inflação? Um bom começo seria ele ficar de boca fechada. A inflação surge da instabilidade na economia e da falta de confiança no governo. A própria fala dele já gera mais instabilidade e especulação. Lula provocou inúmeras vezes instabilidade na economia com suas intervenções demagógicas, como a derrubada dos juros pelos bancos oficiais, a suspensão do IPI, as falsas promessas do etanol e da autossuficiência em petróleo, a pantomima do pré-sal, a quebra da Petrobrás, o PAC, os gastos crescentes do governo, a Copa, etc. A economia se instabilizou e o dragão da inflação voltou. Quanto à confiança no governo, seria pedir demais, não é?

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Herança maldita

O não comparecimento de Dilma na abertura da Copa já é o primeiro sintoma dessa herança maldita se manifestando para ela mesma, caso seja reeleita.

JOSE ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

'Bela Adormecida'

Acorde, Lula, desse seu sono de dez anos! O remédio contra a inflação é produção e investimento. Pare de sonhar e manusear/fabricar números, o povo já se tocou, conhece o seu discurso. Tanto o seu tempo como o de sua corriola toda acabou. Em outubro vamos zerar os petralhas.

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

PESQUISA ELEITORAL

Dilma cai, a Bolsa sobe

De acordo com a última pesquisa Datafolha, as intenções de voto na presidente Dilma (PT) continuam caindo, resultado de sua política econômica desastrada. Como o ministro da Fazenda, Guido Mantega, é "imexível", talvez ainda sobre para seu marqueteiro, João Santana. Enquanto as pesquisas mostram Dilma em viés de baixa, a Bolsa de Valores sobe. Como será que estava o humor da presidente depois do fechamento da Bovespa na sexta-feira? Acho que #Não vai ter reeleição...

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

GREVES

Líderes sindicalistas e de movimentos sociais, que jamais se preocuparam em estudar, trabalhar condignamente e colaborar com o País, apenas buscam mamar nas tetas fartas de facilidades deste governo petista, à custa dos recursos dos contribuintes. Agora resolveram se divertir, zombando da população brasileira, interrompendo livre trânsito, fazendo greves estúpidas de transporte urbano, e ainda afrontando a Justiça brasileira. Talvez a Dilma, com anuência de Lula, queira indicar também esses baderneiros íntimos do PT para os conselhos que pretendem formar com o do decreto 8.243, diga-se, antidemocrático, para tentar fechar de vez o nosso Congresso, e “cubanizar” esta Nação.  E como o exemplo vem de cima, os filhos do petismo certamente se sentem livres para continuar infernizando a nossa sociedade...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 
São Paulo

*

A depredação em Itaquera é consequência direta da sua lamentável atuação como presidenta do País.

Sergio S. de Oliveira marisanatali@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*

Já faz um bom tempo que os aposentados são a classe mais prejudicada no que se refere ao aumento de proventos concedidos pelo governo. Pena que não possam fazer greve, para engrossar as que estão pipocando pelo Brasil afora.
 
Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com 
Bauru

*

JUSTIÇA BRASILEIRA

O descrédito, a desobediência e o pouco caso atingiram um nível alarmante na Justiça brasileira. Ninguém mais acata suas determinações, basta ver a greve dos metroviários os quais foram determinados a colocarem um percentual mínimo em serviço, que, além de não terem obedecido, aumentaram seu contingente de grevistas e iniciaram badernas e destruições em diversas estações.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*

TRÉGUA CÍVICA

Cômica e patética a declaração do dissimulado ministro Gilberto Carvalho (Caderno Metrópole - 6/6/14) ao vir falar em “trégua cívica” com relação aos protestos que assolam o País. Como diz um velho ditado: “o patriotismo é o último refúgio dos canalhas”. 
  
Paulo Ribeiro de Carvalho Jr. paulorcc@uol.com.br 
São Paulo

*

SITUAÇÃO CAÓTICA

Já não chega os inúmeros problemas que os paulistanos têm de enfrentar no seu dia a dia, como violência, caos no trânsito e outros tantos, agora os metroviários resolveram tumultuar ainda mais suas vidas com a greve paralisando o metrô, deixando milhões de pessoas sem transporte, não respeitando a decisão da Justiça que exige a operação total no pico, de 70% em outros horários. Quando isso acontece, fica nítido que prestamos atenção a pequenos detalhes, pequenos indícios de que essa greve a poucos dias da abertura da Copa do Mundo é oportunista e política. Depois dos protestos ocorridos no ano passado, quando o aumento das passagens de ônibus serviu de pretexto para a mobilização, o que vemos agora com essa greve que já dura dois dias vai muito além do que se possa imaginar. Ao mínimo, descontentamento de alguns, muitas vezes instigados por interesses escusos de sindicalistas pelegos e picaretas que não representam ninguém, a não ser aos próprios interesses políticos partidários. Muita gente já não hesita em ocupar ruas e avenidas parando o trânsito e provocando grandes prejuízos à população. Fica nítido que todos reivindicam direitos, mas quase sempre se deixa de lado os deveres, que é o de prestar bons serviços à população. Direito de protestar e de fazer greve é livre, assim como o direito de ir e vir dos demais trabalhadores. O que não se compreende é que, usando vários subterfúgios, meia dúzia de pessoas possam paralisar o trânsito já caótico de uma cidade, sem que os demais possam manifestar os seus dramas, as suas preocupações, os seus prejuízos. No País da pirataria, o falso sem-terra mistura-se com o falso sem-teto e viram massa de manobra de alguns ainda “sem-poder” mas dispostos a conquistá-lo, custe o que custar, deixando a maior cidade do País um verdadeiro caos, e ninguém faz nada. Lutam pelo que dizem ser um direito de homem da terra, enquanto escondem o que seria a grande característica do homem do campo: os calos nas mãos. Falsos caciques, falsos pajés, falsos índios, falsos curumins. A roupa em muitas vezes traz a grife da multinacional. Os pequenos índios, os sem-terra, sem-teto e sem caráter estão aí, traduzidos pelos mais variados argumentos em que predominam a desordem e o desrespeito aos demais. E os nossos direitos, como é que fica?

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com 
São Paulo

*

Por incrível que possa parecer, a situação atual da nossa cidade (vandalismo) é reflexo da “herança maldita” implantada pelo Lula desde a sua origem como sindicalista. A aperfeiçoou quando presidente e com certeza a manipula ainda hoje, quando deveria ficar no seu lugar de ex. 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com 
São Paulo

*

PODE ACABAR EM DITADURA

Ver na foto de capa deste jornal um indivíduo arrebentando o portão de entrada de uma estação do Metrô, pensei que estaria guardada pela PM porque sabia da greve e deveria preventivamente estar ali para evita a arruaças com prejuízo ao Estado,  agir  descendo o cassetete em tipos como esse e investigar dentre a multidão aqueles que incitam a baderna e jogar todos na cadeia.  Ver grupelhos sem quaisquer direitos bloquearem o trânsito;  terroristas  incendiarem ônibus à vontade; ver um dos comandantes da greve metroviária desafiar a Justiça hoje na certeza que nada lhe acontecerá amanhã;  sentir  nossa capital tomada por movimentos políticos visivelmente criados para queimar o governador Alckmin, que para nós, paulistas, que amamos nosso Estado, mesmo não sendo o que esperamos, é a alternativa menos ruim perto da porcaria que vem por aí. E julgam-se no direito de governar São Paulo. Sair daqui para ir  ao  Cambalacho Nacional sediado em Brasília e, para meu espanto, ver o presidente da Câmara dos Deputados ao responder que não pôs em pauta, simplesmente porque não quis, um requerimento para votar contra um decreto da presidente Dilma criando “conselhos” que simplesmente farão  o País ser “governado” por grupos formados de petistas e comunistas em geral tirando nossa independência. Depois de ver toda essa anarquia que toma conta do País e sentir que vai piorar mais ainda, pressinto que a  reação   acabará vindo de onde não desejo e jamais pensei  que voltaria a  acontecer: os militares tomarem novamente o poder e colocarem toda essa cambada na prisão para pagarem por seus crimes, porque  o sistema civil corrompido não consegue, porque está viciado  nos desmando de políticos corruptos que tomaram conta do Brasil. Nunca pensei nessa solução, porque convivi todos os anos da ditadura e até mesmo fiz parte de uma Comunidade Eclesial de Base, na qual discutíamos como voltarmos à  democracia para reaver  a liberdade de escolha, uma democracia que se soubesse chegaria a esse ponto sinto ter perdido meu tempo naquela organização. Quem quiser pode contestar minha decepção, mas para isso mostre a solução viável para resolver o estado de baderna  que estamos sujeitos e que tende a piorar ainda  mais.

Laércio Zannini  arsene@uol.com.br 
São Paulo

*

Os paulistanos não merecem: greve afeta 3,9 milhões; metrô continua parado hoje. Movimento violento e irracional. Porque essa greve não libera as catracas, evitando prejudicar uma população trabalhadora?  Você no “Estadão” destaca esta carta de leitor: “ Lembrando que os metroviários ofereceram catraca livre e o governador Alckmin não aceitou e preferiu lesar o povo”. 

Engº José Erlichman joserlichman@gmail.com 
São Paulo

*

Se diretor e/ou presidente dos sindicatos dos metroviários e dos motoristas de ônibus eu fosse, com certeza faria uma greve na próxima sexta-feira e a denominaria de “greve dos pula catracas”. Com certeza iríamos atingir financeiramente os verdadeiros culpados de nossas reivindicações, sem quebradeira e muito menos caos no trânsito. Ou será que não?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com 
São Paulo

*

MAIS UM ABSURDO

Hoje tomamos conhecimento de mais um absurdo a ser aprovado pelos nossos vereadores. Desta vez será priorizar a habitação em detrimento do meio ambiente, através do novo Plano Diretor. Pressionados pelos arruaceiros do MTST, os eleitos pela população vão adotar a solução mais fácil e demagógica para o problema. Ora, a pressão desmesurada e até ilegal desse grupo não pode impor uma mudança logo no Pano Diretor da cidade, principalmente para resolver problemas que eles criaram nas zonas Sul e Leste da cidade. Se juntar 15.000 pessoas em frente às dependências da Câmara Municipal é suficiente para tanto, imaginem se os 150.000 servidores municipais que sofrem reajustes de vencimentos ridículos há anos fizessem o mesmo. É lógico que o Poder Público tem de resolver o problema da habitação, não só nas grandes cidades como em todo o País. Mas não pode de maneira nenhuma oficializar invasões de áreas públicas e particulares ao arrepio da lei. Caso contrário esta cidade vai permanecer como está agora, na atual administração, uma verdadeira festa do caqui, onde cada um faz o que quer na hora que lhe der na cabeça, graças à leniência do prefeito. Democracia concede direitos a manifestações, mas também  obediência às posturas legais e, principalmente, aos direitos dos demais. O que os invasores denominam de Nova Palestina é uma grande área às margens da represa, que é a caixa d água da cidade e zona de proteção ambiental não só pela mata, mas principalmente pelos mananciais ali existentes. E dizer que vai ocupar apenas uma parcela daquela área é uma falácia, pois com certeza vai comprometer gravemente as várias nascentes ali existentes. O que seria lógico a prefeitura fazer seria alocá-los no centro da cidade naqueles quarteirões, próximos ao Jardim da Luz que foram desapropriados e até agora não utilizados. A começar pelo quarteirão ofertado indevidamente ao denominado Instituto Lula. Mas não são apenas os movimentos populares que há anos descaracterizam São Paulo, pois as construtoras de espigões fazem o mesmo. Muitas das áreas arbóreas da cidade foram derrubadas em troca de uma compensação safada de mudinhas, 90% das quais fenecem logo depois. Agora mesmo a Cyrella está desmatando uma área remanescente da Mata Atlântica em Plena Marginal do Rio Pinheiros, ao arrepio da lei. O “Estadão” já denunciou o ilícito tempos atrás, mas não se sabe até agora qual a multa e a penalidade que foi aplicada à empreiteira como ela merece.

Gilberto Pacini  benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*

SINAL VERMELHO

O sinal vermelho abriu para as instituições democráticas brasileiras. Devido à total falta de repressão pontual e legal de nossas autoridades constituídas contra os movimentos reivindicatórios dos sem teto e,dos grevistas disseminados por São Paulo e algumas cidades do interior, a baderna e a indisciplina de classes sociais conhecidas está tomando conta de nossas ruas e avenidas num desrespeito desumano contra a maioria da sociedade que necessita trabalhar para pagar seus impostos e para garantir sua sobrevivência numa economia descontrolada e incerta. As diferenças no tratamento de certos movimentos são de um caradurismo tão flagrante que nos causa mal estar e um sentimento indevido – mas real – de desacordo com as pretensões dos tais movimentos. Passar as mãos na cabeça do MTST, prometendo-lhe uma vicinal sem pedágio, para conseguir seus intentos habitacionais, e tratar greve de professores, metroviários e funcionários públicos no cacetete, vai de uma diferença abissal. Esperamos que o sinal vermelho da tolerância criminosa de nossas autoridades abra-se logo ao verde da esperança, sentimento ainda vivo no seio da família brasileira.

Aloisio A. De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br 
São Paulo      

*

SEM LIGAÇÃO

D. Dilma está muito segura que PCC e esses outros marginais são “independentes”. Com certeza, já foi “costurado” o pacto com o PCC, mas falta com o black block, talvez por dificuldade de interlocutor.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com 
São Bernardo do Campo

*

Não há ligação entre PCC e black blocs, diz Dilma. Será que dona Dilma obteve esta informação de algum elo entre o PT e o PCC?
 
Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br 
São Paulo

*

ARROGÂNCIA SINDICAL

A insistência das lideranças sindicais dos metroviários em conversar pessoalmente com o governador Alckmin é ímpar. Chega a ser ridícula, pois é desprovida de qualquer argumentação lógica. Tal comportamento, aliado ao imenso desconforto e prejuízo que a greve tem causado à população, denigre cada vez mais a imagem dos sindicatos.

Luciano Harary lharary@hotmail.com 
São Paulo

*

DECRETO DITATORIAL.
 
O recente decreto 8.243/2014, da lavra da Presidente Dilma, pretende ter como suporte a Carta Magna da República, que permite ao Presidente a exaração de decretos, mas para finalidades diversas das pretendidas em seu texto. Atirar nos braços dos movimentos sociais poderes que podem facilmente violar as leis vigentes, além de perigoso ao regime democrático, é providência ditatorial, porque esse poder delegado passa a ser premissa em diversas situações, como as que cabem, com exclusividade, à Justiça do Trabalho. De outro lado, sabe-se que o MST e MTST, sem poderes em mãos, realizam atos agressivos ao direito de propriedade e, pois, às leis vigorantes, o que certamente ensejará respostas nos termos das leis. Outros Movimentos, também poderão exacerbar suas atuações com base no decreto. Então, o Sr. Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência da República, que pretende ser o gestor dessa anomalia legal, deverá encontrar a Justiça nas muitas e muitas ações que serão propostas, oportunamente, em nossa Justiça. É só esperar para ver.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*

O projeto assinado na calada da noite por Dona Dilma, que tenta instituir a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional de Participação Social (SNPS), tem de ser morto no ninho, uma vez que o mesmo deliberadamente acaba com a nossa democracia e também com a instância oficial que o cidadão tem para ser ouvido, que é o Congresso Nacional. Sabemos que estas comissões serão formadas por voluntários dispostos a participarem das reuniões sem nenhuma remuneração, ou seja, todos desocupados vivendo no ócio, bem como onde as pautas já “viciadas” pelo partido do Governo serão discutidas pró-forma, já que obedecerão a vontade total do Executivo. Como já constatado em outras comissões também criadas neste governo, as mesmas são formadas unicamente por militantes de carteirinha do PT, já que os brasileiros trabalhadores não podem e não se ausentarão dos seus trabalhos, por serem profissionais responsáveis e temerem a perda de seus empregos. Portanto, é enorme a hipocrisia do “ministro não sei do que” Gilberto Carvalho, aquele que ficou conhecido no caso Celso Daniel. Abram os olhos, eleitores brasileiros, já que nossos deputados e senadores não estão com muita vontade de vetar este nefasto e sórdido projeto.
 
Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com 
Taubaté

*

VOTO EM DILMA

Reitero que gosto da Dilma. Votei nela e votarei novamente. Sem traumas ou arrependimentos. Precisamos manter Dilma na Presidência da República, porque ela tem extensa folha de serviços prestados ao Brasil. O mesmo não posso dizer dos adversários dela. Governar o País é coisa séria. Não é brinquedo para inflar o ego de ninguém.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com 
Brasília

*

AFIRMAÇÕES
 
Afirmação em palanque da presidente Dilma: “Ninguém, quando voltar do Brasil, sairá daqui e levará na mala estádio, aeroporto, obras de mobilidade urbana, como BRTs e metrôs. Sabe o que eles podem levar? A gratidão, pela forma como foram tratados. Isso eles levam na mala. O resto fica aqui, para nós”.Afirmação honesta do povo brasileiro: “Ninguém, quando todo brasileiro dependente das obrigações básicas do governo, sairá de um estádio padrão FIFA com seu problema solucionado, há precariedade generalizada na saúde, educação, mobilidade urbana e interiorana, infraestrutura e segurança. Sabe o que pode levar? Promessas que nunca se realizam em contrapartida aos cinco meses anuais em impostos de cada brasileiro. A conta fica aqui, para nós, contribuintes”.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 
Vila Velha (ES)

*

SEMELHANÇAS ASSOMBROSAS

Aos leitores que já assistiram ao filme “Getúlio”, em cartaz atualmente nos cinemas e que reproduz O fim da era Vargas e o contexto político e social que culminou com o suicídio do então presidente brasileiro, devem ter se arrepiado na cadeira com as assombrosas e evidentes semelhanças entre o Brasil daquele momento e o Brasil de agora, 60 anos depois. Vamos a elas... O mesmo projeto de poder e grupo político no poder há mais de uma década. A era Vargas totalizou 15 anos, enquanto a era PT já soma 11 anos. Casos de corrupção protagonizados por personagens que habitam o núcleo do executivo federal. A era Vargas vivia escândalos envolvendo ministros, auxiliares mais próximos e parentes do presidente, enquanto a era PT tem sido marcada pelos vergonhosos mensaleiros e por incontáveis escândalos de corrupção envolvendo alguns dos integrantes mais próximos das administrações Lula e Dilma. O País vivendo uma insatisfação crescente e o desejo de mudança. A era Vargas vivia um desgaste evidente e a incapacidade de responder aos novos anseios da sociedade, sentimento muito parecido ao vivido hoje no Brasil, com a percepção crescente de que o grupo que aí está não apresenta nenhuma nova proposta que seja capaz de resgatar a confiança e os anseios da população. Trata-se tão somente da perpetuação do poder e do aperfeiçoamento dos mecanismos de manobra das massas. O País vivia uma evidente fragilidade democrática, uma sensação de permanente ameaça, situação que lembra e muito a preocupação crescente e generalizada em relação ao avanço de certas manobras e diretrizes que o PT se esforça para emplacar, quase sempre de forma dissimulada, na calada da noite. Talvez o exemplo mais escancarado seja o colossal aparelhamento do Estado, seja no Executivo, no Legislativo ou no Judiciário. O que se vê é um exército de “companheiros" doutrinados e dispostos a tudo para que o projeto de poder lulopetista vingue, custe o que custar. Sabemos que o final da era Getúlio foi demasiado trágica, com o presidente disparando um tiro fatal em seu próprio coração, numa madrugada de desespero absoluto em face da eminente perda do poder. Bem, evidentemente que não desejamos e muito menos precisamos de gestos extremos no Brasil de hoje, claro que não. Basta que o único instrumento de poder o qual inquestionavelmente merece perpetuar-se indefinidamente - o voto direto – seja exercido em favor da genuína renovação, do frescor da alternância de ideias e propostas e, sobretudo, pela mudança das lideranças e grupos políticos que aí estão!    
   
Ricardo Braga Neves Leonel Vieira ricardo.leonel.vieira@hotmail.com 
São Paulo

*

São evidentes os sinais de corrupção e ineficiência no governo de Dilma Rousseff. O PSDB tem se apresentado como uma alternativa para assumir o governo federal, alegando eficiência e honestidade de seus gestores. Entretanto essas alegações não condizem com a realidade devido a fatos ocorridos em governos tucanos em todos os níveis da administração pública. Na esfera federal, Fernando Henrique Cardoso, além de ser responsável pela Privataria Tucana e pelo maior apagão já ocorrido no País, nomeou como Procurador Geral da República o “engavetador” Geraldo Brindeiro, que arquivou mais de 500 ações criminais. No estado de São Paulo, que vive a maior crise hídrica da história, o PSDB é governo por mais de 20 anos, e nas gestões Covas, Serra e Alckmin surgiram máfias (Sabesp, Asfalto) e carteis (Metrô, CPTM). O Ministério Público já constatou depósitos de milhões de dólares na Suíça e moveu ação para reembolso de bilhões de reais relativos ao desvio na reforma de trens da CPTM. Na esfera municipal, em oito anos de gestão Serra/Kassab, surgiram máfias que foram desbaratadas pela Controladoria-Geral do Município. Apenas um funcionário nomeado por Serra como diretor de Aprov comprou 125 imóveis com dinheiro de propina. Aécio Neves e Eduardo Azeredo, ex-presidente do PSDB e descobridor do valerioduto no mensalão mineiro, lançaram recentemente como pré-candidato ao governo de Minas Gerais, Pimenta da Veiga, que, sintomaticamente, teve dinheiro depositado em sua conta por Marcos Valério. Os piores bandidos são os que posam de mocinhos.

Wilson Haddad wilson.haddad@uol.com.br
São Paulo

*

Dilma, por favor, caia mais um pouquinho, preciso vender minhas ações da Petrobrás com um prejuízo menor.

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com 
São Paulo

*

TEMOS FUTURO?

O retrocesso que hoje se encontra a economia no Brasil se deve ao discurso primitivo e populista deste governo petista. O abandono do tripé macroeconômico – responsabilidade fiscal, câmbio flutuante e autonomia – do Banco Central está mostrando as consequências: crescimento pífio da economia  e inflação elevada. O discurso ideológico e a falta de responsabilidade sempre jogando a culpa nos ombros dos outros se esvaíram. Não aguentamos mais ouvir sempre que a culpa é dos outros, de FHC, dos USA, da Europa, da crise, do Pato Donald, do Pateta ou da bruxa da Branca de Neve. A verdade é que não há mais clima para reeleger Dilma Rousseff; quem quer mais do que temos agora? A herança amarga que terá quem quer que seja que vá governar o Brasil a partir de 2015 será imensa. Vai ter de haver uma reconstrução da política econômica. O atual governo não tem condições de fazer e prega que não haverá mudanças nessa área.
Mostra-se completamente despreparado para enfrentar o que vem por aí. Sem contar todas as outras mazelas que vêm junto e que são a prova mais contundente da incompetência petista para governar: violência enorme e uma total inversão de valores. O Brasil dos próximos anos será um desafio para nós todos, mas só será melhor que o de hoje se nos livrarmos da ditadura do politicamente correto, dos direitos humanos usados de forma oblíqua – em que sempre a vítima sai perdendo – e da ideologia ultrapassada e comprovadamente funesta (vide Cuba e Venezuela). Que venha um novo futuro para nós todos!
 
Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com 
São Paulo

*

A cada dia vemos mais e mais desrespeito ao cidadão. Na Paraíba um cadeirante foi arrastado pelo segurança de um hospital como se fosse um saco de batatas. E o superior dele disse que o segurança cumpriu com o dever. Imagine como é não cumprir. Deve ser esquartejar. Provavelmente deve receber uma condecoração. A diretora do hospital federal no Rio de Janeiro, em cuja porta um cidadão morreu por falta de socorro, ficou toda embaraçada para explicar o inexplicável. Acabou atribuindo a culpa à pessoa que foi na portaria comunicar que um passageiro estava passando mal. Disse que ela não se expressou direito. E nem se preocuparam em ver o que era? A presidente Dilma, há um mês, mais ou menos, disse que os estádios para a Copa estavam prontos, os aeroportos também, etc., e no aeroporto de Brasília teve vazamento de água pelo teto. E nem choveu forte. A qualidade cai dia a dia, a olhos vistos. Por quê? Porque a qualidade do voto decai a cada eleição. Simples, não? E a presidente, indiretamente, referindo-se ao Ronaldo, que disse estar envergonhado com o Brasil em razão dos atrasos nas obras da Copa, disse que não tem complexo de vira lata. Qual o brasileiro que não tem? Talvez uns 5%? O brasileiro decente, consciente, sente-se envergonhado, sim.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*

MIOPIA POLÍTICA

Dilma, talvez alertada por alguém, pois sua miopia política, econômica e social a impede de ver qualquer coisa além dos próprios dentes, sabe que as pesquisas eleitorais são manipuladas e que ela, indubitavelmente, perderá as eleições. Somando-se a isso o fato explícito de que Madame venera Cuba e os irmãos ditadores e, pelo jeito que nos trata, odeia os brasileiros, o que faz a gerentona? Prepara seu reinado em Cuba. Enviou para lá o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde para discutir um plano (por baixo dos panos, atitude típica dos petralhas) de desempregar brasileiros para empregar cubanos, pois pretende transferir a indústria farmacêutica de genéricos – criada por José Serra e elogiada no mundo inteiro – e também os similares para a ilha, cujos remédios serão importados pelo Brasil. É um duplo plano de ajudar os tiranos Castro, transferindo nosso dinheiro e recursos, fornecendo divisas de exportação e ativando o Porto de Mariel, que a presidenta está ajudando a terminar de construir com dinheiro do BNDES. Sabendo que o tal secretário, Carlos Gadelha, que é o encarregado desse projeto, é o mesmo homem que teve um encontro com o doleiro Youssef, agendado pelo ainda deputado André Vargas, já percebemos quem vem catástrofe por aí. Tudo para depois das eleições, claro.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br 
São Paulo

*

BOLSA-ELEIÇÃO?

Em “Câmara aprova 'Bolsa-Reforma' para Diretor” para não passar a ser ilegal, antes de tudo fizeram sorrateiramente no velho jeitinho brasileiro, modificando e flexibilizando as leis na Câmara e sem dizer que a aprovação foi unânime, pois é claro, não beneficia somente o diretor e sim os demais funcionários da Casa. O que mais me deixa indignado é a capacidade que os nossos excelentíssimos senhores parlamentares “bularam” as leis para  benefício próprio. É um pouco injusto o senhor diretor ir morar em imóveis públicos pagando um valor simbólico, enquanto temos vários movimentos sócio-políticos, como o MTST, que necessitam muito mais de atenção e cuidados daqueles que elegemos. É realmente um absurdo para quem recebe do povo e ainda desembolsa menos do que deveria. Penso em um dia aprovarem uma lei em que eles podem financiar suas campanhas com o dinheiro do contribuinte. Isso se já não fazem escondido. E qual nome teria agora? “Bolsa-Eleição”?

Daniel Souza da Mata matads@live.com 
São Paulo

*

O DÉCIMO DEDO

Onde está o décimo dedo de Lula? Está em todo malfeito de escala nacional nos últimos dez anos. Dedo oculto, mas poderoso...

Renato Pires repires@terra.com.br 
Ribeirão Preto

*

REPÚBLICA DO PT

No Brasil, sob o “regime” petista, os poderes são o PT Executivo,o PT Judiciário e o PT Legislativo: os PTrês Poderes da República Federativa do PT!

J. S. Decol decoljs@globo.com
São Paulo

*

TRISTEZA

Os candidatos à Presidência do País são tão ruins que quanto mais nos aproximamos das eleições, mais aumentam os eleitores indecisos.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br 
São Paulo

*

A ambientalista e “mais ou menos” ex-petista Marina Silva mais atrapalha do que ajuda com suas tentativas de influenciar possíveis chapas nas próximas eleições. Tenho cá minhas dúvidas ser uma brasileira útil à política nacional nessa quadra que vivemos. Seria bom mesmo que a nobre ex-senadora fosse para o Acre e se tornasse lá, apenas lá, cabo eleitoral do irmãos Viana, como costuma sempre ser. Ganhávamos todos indistintamente.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*

KASSAB CASSADO

Com seus direitos políticos cassados, presumo que Kassab  saberá com quantos paus se faz uma barcaça.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*

BAIXA AUTOESTIMA

Ao ler as notícias publicadas em vários jornais, notícias essas que tratam dos mais variados temas como economia, política, comportamento social, greves, empresariado, corrupção, criminalidade, ações dos funcionários públicos etc., cheguei a uma triste conclusão: somos um povo medíocre, governados, legislados e julgados pelo que há de pior na sociedade (gente corrupta, vigarista e mentirosa). O brasileiro está ficando triste e com baixa autoestima. O principal partido do País é na verdade uma organização criminosa (e corruptora), e os outros partidos vão à reboque. Vejo uma descrença cada vez maior na nossa própria capacidade e cidadãos desconfiando de cidadãos e de todas as instituições. Não é para menos: as principais autoridades do País são as pessoas menos confiáveis. Sair às ruas para protestar de forma organizada não pode ser mais um direito do povo. Dever ser uma obrigação.
 
André L. O. Coutinho arcouti@uol.com.br 
Campinas

*

É muito comum a mídia divulgar as astronômicas evoluções patrimoniais de políticos e seus afiliados, do governo e de sua base aliada. Ficaria muito feliz e acredito que a população brasileira também se a mídia registrasse algum dia o empobrecimento de quaisquer deles. E a roubalheira ocorre em todos os níveis desde presidente até vereador, bem como em todos os poderes e empresas estatais. Assim, crucificar um ou outro pode, em algum momento, ser injustiça. Todos têm o mesmo nível de competência para subtrair dinheiro público. Não é a toa que qualquer um deles se acha habilitado para ser ministro ou assumir outros cargos de igual importância. Roubar é com eles mesmos.

Iria de Sá Dodde iriadodde@hotmail.com 
Rio de Janeiro

*

PARA QUE SE REELEGER?

O que esperar da presidente Dilma que pretende se reeleger, quando um jornalista estrangeiro lhe pergunta por que a economia está crescendo tão pouco e ela simplesmente responde “não sei”? Se ela não sabe, mas mantém sua equipe de ministros, que também não sabe, como resolver o problema do crescimento do PIB e para quê ela quer mais quatro anos? Qualquer executivo que desse uma resposta dessas seria demitido sem dó. Com Dilma acontece diferente, as massas que sempre estiveram no discurso do governo petista, sustentadas pela exploração da pobreza, agora querem mais. É muito bom que seja assim, mas o discurso também se esvai. Uma coisa deve ficar clara a toda população, Dilma é cria de Lula, e a maioria dos ministros de seu governo foi indicada por Lula. O fracasso de Dilma é o fracasso de Lula. O PT sempre foi competente para colar na oposição a pecha de que eles não sabiam administrar. O que dizer agora da candidata à reeleição que não sabe para que lado correr, pois a economia desandou, o governo está completamente perdido, a inflação não dá trégua e os preços dos alimentos estão para a hora da morte? O povo que votou com o estomâgo quer mais. E agora, PT, vão culpar a crise internacional? Por que o governo não corta seus gastos, ou seja, na própria carne? 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*

NÃO TENHA MEDO DE SER FELIZ NO INFERNO

Por ocasião da campanha para o primeiro mandato do Luiz Inácio à presidente da República, o slogan petista e de seus militantes era: “Não tenham medo de ser feliz.” Quase doze anos se passaram e a tal felicidade só chegou para os 22 mil cargos de confiança, os 36 milhões de Bolsas Família e sem vocação para o trabalho. Tem também os fanáticos que ainda acreditam nas ditaduras quixotescas latino-americanas, contam também com os partidos de aluguel que estão sedentos de poder e de defender seus interesses. Todos esses são os privilegiados que mamam nas gordas tetas do Estado, como nos suínos que os porquinhos que mamam nas tetas suculentas da traseira ficam bem nutridos. Sendo que aqueles que sugam as magras tetas dianteiras normalmente padecem de desnutrição. É lógico que esses abençoados e bem aventurados estão hoje na carruagem dos deuses no paraíso, e não abrem mão dos seus privilégios. Mesmo que estejam colaborando com a degradação, a desmoralização e a destruição da pátria. Aqueles que trabalham, produzem e pagam os impostos para sustentar a farra do boi são taxados de elites, patrão e outros adjetivos desmoralizantes. Talvez o slogan petista mais adequado seria “não tenha medo de ser feliz no inferno”, sem passar pelo purgatório, o dantesco inferno de roubalheiras, violências, pacientes morrendo nos corredores dos hospitais, degradação da educação. A Justiça sendo corrompida e desvirtuada. Mas na mídia a propaganda realmente é dominante e conseguem vender um produto podre como da melhor qualidade, ou sardinha como robalo. Temos de reinventar  política de tal forma que o tem de ser feito não seja um mérito partidário ou favor de quem quer que seja, e sim uma obrigação para atender aos anseios dos cidadãos. Como sabemos, as desavenças e as pretensões partidárias trazem grandes prejuízos para a nação. Que todas as reivindicações da população que atinjam certas porcentagens tenham a aprovação de lei e não sejam um mérito de ONGs e lobistas.

Henoch Dias de Amorim henochamorim@globo.com 
São Paulo 

*

ROBERTO FREIRE

A página de editoria Política e Justiça do Jornal Diário da Manhã, Goiânia/GO, edição de 04 Jun 14, publicou uma entrevista   do deputado Roberto Freire, PPS/SP, que merece ser lida e analisada por todos os brasileiros.  Em letras vermelhas, o título é: “O PT assaltou os cofres públicos”. Ele fala: “O modelo petista de governar já está esgotado”; “é preciso retirar o PT antidemocrático e antirrepublicano do poder”; “Dilma será candidata  a voltar para casa”. Perguntado: “Qual o seu balanço da Era Dilma Rousseff?”. Responde: “O pior possível... de uma incompetência generalizada”.   Estamos num ano eleitoral e bom seria que buscássemos o máximo de informações para que, ao chegarmos às urnas, não venhamos prejudicar o Brasil. A entrevista tem muito mais do que relatei nesse espaço. Caro leitor, leia e diga se você concorda ou discorda  do presidente nacional do partido socialista.                                      
           
Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br 
Taquari (DF) 

*

‘NÃO SEI’

A presidente Dilma, em recente entrevista a jornalistas estrangeiros, criou entre toda a sociedade brasileira uma sensação de perplexidade quando, ao ser indagada a respeito da razão pela qual, afinal, o País está a apresentar índices lamentáveis de crescimento, respondeu com um sonoro e metálico “não sei”. Ao tentar interpretar essa estonteante resposta, o que vem à cabeça do cidadão por ela governado?  Ele há de se perguntar primeiramente se Sua Excelência realmente não tem conhecimento dos motivos, fato inquietador, partindo a negativa de quem partiu. Poderá também ele, o cidadão, divagar a respeito da hipótese, segundo a qual a presidente está perfeitamente ciente das causas do baixo crescimento, mas teme divulgá-las explicitamente, para não prejudicar o andamento da campanha eleitoral já em curso e baseada em atos demagógicos e inaugurações fantasmas. Existe também a possibilidade de que ela, a presidente, sabendo dos argumentos bizarros frequentemente emitidos pelo seu ministro da Fazenda, Sr. Guido Mantega, um dos 39, para justificar a inflação persistente e o depauperado crescimento do PIB, considere que qualquer exposição de ponto de vista no sentido de avaliar o atual momento econômico só fará aumentar a insegurança e a incerteza geral. Outra linha de raciocínio que poderá ser lembrada também pelo mesmo cidadão consistirá em imaginar um agudo grau de alienação arquitetado pelos seus escudeiros mais próximos, ao blindá-la dos fatos desagradáveis protagonizados por grandes parcelas da população ao longo de inúmeras demonstrações de protesto e greves perturbadoras que ela, com tranquilidade postiça, acha natural no regime democrático, ora ameaçado por decreto suspeito emanado dos subterrâneos do Planalto. Qualquer que seja a realidade, porém, o fato indiscutível é que o “não sei” traduz o descalabro que está caracterizando este governo, tutelado por um partido desesperado cujas hostes não medem esforços no sentido de se eternizar no poder a qualquer custo, contando, para isso, com o baixo nível do eleitorado e com a instrumentalização das instituições. 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com 
Rio de Janeiro

*

O moderno “filósofo” petista, companheiro Delúbio, já afirmara certa vez que transparência demais era burrice, ao se referir à publicidade dos gastos de campanha. A primeira mandatária não prestou atenção na lição. Eis que, perguntada sobre as razões do pífio crescimento da economia brasileira, respondeu um cândido “não sei”! Pois é, fica-se perguntando onde estará aquela super gerente, super exigente, super controladora, a sabe tudo, a mãe do PAC e tantas outras baboseiras que o marqueteiro vendeu e que parte dos brasileiros elegeu? Não vão incorrer no mesmo erro, vão?

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com 
Rio de Janeiro

*

O MELHOR É ESQUECER

Penso que a melhor atitude que deveria ser tomada pela imprensa, seria esquecer – definitivamente – o ex-presidente, Lula da Silva. Todas as vezes que ele abre a boca, nas suas “palestras”, as mais absurdas declarações aparecem estampadas nos principais meios de comunicação. Aqui estão alguns exemplos das pérolas: “A presidente está alerta para a alta dos preços” – nunca antes na história deste país, um governo foi tão fraco e incompetente para administrar as finanças, destruindo aquela estrutura que foi criada pelo Plano Real; “Tenho orientado a presidente e o ministro da Fazenda para irem até Londres procurar empresários e investidores para falar sobre as coisas boas do Brasil” – nunca antes na história deste país, um governo foi tão ineficiente e ineficaz para combater aquilo que denigre nossa pátria, a corrupção, malfeitos, operações esdrúxulas com o único objetivo do enriquecimento ilícito de empreiteiras, políticos e funcionários públicos; “Estou satisfeito com as taxas de crescimento da economia brasileira, e os baixos índices se devem à crise econômica mundial” – nunca antes na história deste país, os números mostraram tanta tibieza sendo classificada como efeito da “marolinha”; “Pouca gente vai ter condição neste país de repetir o ‘sucesso’ do meu segundo mandato” – nunca antes, na história deste país, uma reeleição foi obtida na base do compadrio, dos conchavos e articulações, regiamente recompensados com o dinheiro do erário, dinheiro “não contabilizado” e outras mazelas, buscando apenas a perpetuação no poder. Brasil, esqueça aquela figura!

Claudio D. Spilla Claudio.Spilla@CSpilla.org 
São Caetano do Sul

*

INFLAÇÃO

O ex-presidente Lula em palestra a empresários disse que o Brasil “precisa conter a inflação”! Engraçado que um dia após sair pesquisa da Pew Research em que 72% da população se diz insatisfeita com a alta da inflação ele vem regurgitar preocupação? O Brasil pós Lula sofre com as consequências dos oito anos de seu governo. Talvez ele tenha apostado errado e Dilma não é competente como ele pensava para consertar seu péssimo governo.  Prova disso é que ela não dá um passo sem consultar seu mentor, que aparentemente também não sabe como consertar a maledeta inflação. O resto é balela repetida como papagaio para agradar a plateia da vez.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*

FIM DO TÚNEL

O ministro Guido Mantega sinaliza a alteração no IPI postergando o aumento de 7%  das alíquotas  para veículos pequenos a partir de julho; isenta do IOF para o prazo mínimo de 180 dias, na captação empréstimos externos. Em suma, governam por expediente, tira, põe, deixa ficar, mostrando pela enésima vez o que é o petismo em suas ações governamentais pela falta de um projeto adicionado a teimosia em insistir nos erros, não bastando os alertas cantados em prosa e verso por responsáveis organizações e autoridades econômicas daqui e do mundo civilizado. E assim continuam, desorientados na caminhada que indica não a luz no fim do túnel, mas um trem vindo em nossa direção.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br 
São Paulo

*

A SAFRA IMOBILIZADA
 
O Brasil desde muito tempo tem safra recorde de grãos e outros produtos que se constituem numa das maiores pautas de exportação, gerando grandes recursos para o nosso país. Os setores produtivos sentem-se tolhidos no escoamento dessa riqueza pela falta de transportes, o que ocasiona aumento dos custos e competitividade negativa com outros países. Com a distância enorme do nosso rincão, o deslocamento de grande massa de nossos produtos agrícolas e pecuários encontra engarrafamento de toda ordem. Não houve investimentos em estradas de ferro, rodovias, portos fluviais e marítimos, sendo que toda a produção tropeça nas gargantas das péssimas rodovias de mão dupla e esburacadas, ausência de ferrovias estratégicas, sendo nossos atuais portos marítimo e fluvial desaparelhados e ridículos em matéria de tamanho e localização. Os nossos principais aeroportos limitados no estacionamento de aeronaves de passageiros e cargueiros e equipamentos de segurança de voo. 
Em suma, produzimos mais do que a nossa capacidade de escoamento. Os investimentos no Brasil são mal direcionados e mal planejados. Gastam-se bilhões de reais reformando estádios de futebol, indenizando terroristas e pagando bolsas à população pobre que não gosta de trabalhar. Poderíamos ser a maior nação do mundo se nossos governantes investissem maciçamente em infraestrutura, saneamento básico, segurança, escolas, hospitais, transportes, e parassem de dar esmolas com o chapéu alheio. 

José Batista Pinheiro batistapinheiro30@gmail.com 
Fortaleza

*

TUDO PRONTO, NADA CONCLUIDO?

Agora não dá mais para recuar. A Copa do Mundo de futebol já é uma realidade. A propósito, não temos visto no noticiário a quantas andam as inacabadas obras dos estádios e seus entornos. Alguém arrisca um palpite? Eu tenho aqui as minhas teorias, mas é melhor nem mencionar. Só para dizer o mínimo!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br 
São Paulo

*

COPA NO BRASIL
 
O Brasil torna-se mais conhecido com a Copa do Mundo de Futebol em junho de 2014. A ideia que o Brasil é um paraíso sexual não é verdadeira. Temos um povo sofrido que trabalha muito e sofre com o desemprego e má distribuição da renda. A exploração dos tempos de Cabral continua. Os amigos estrangeiros vão encontrar uma “maquiagem” para disfarçar o verdadeiro Brasil. Há muita corrupção a nível municipal, estadual e federal. Eles verão um povo de fé e que aceita o ecumenismo e a tolerância com naturalidade. No geral, uma máscara tenta fazer do país do futebol e do carnaval um paraíso. O Brasil é um país lindo que muito tem a melhorar em justiça social.  
 
Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com 
Fortaleza

*

Se o assunto é Copa do Mundo, algumas trovas singelas não vão nos levar ao fundo, mas podemos rir com elas. “A Copa do Mundo é nossa” com alguma decepção, faremos o que nos possamos realizar com coração. Entram seleções no jogo para a Copa disputar, trazem energia e fogo: realização invulgar.

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com 
São Paulo

*

Dilma Rousseff tenta embaçar o vidro do Brasil com a semi-euforia da Copa. Com a perda do título, a janela fica fosca de vez. Aí só uma eleição consciente para passar uma flanelinha competente e afastar os poluidores para sempre.
 
Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br 
Rio de Janeiro

*

Campeã de popularidade, a presidente Dilma se recusa a ir na abertura do torneio no Itaquerão com receio de uma vaia do tamanho do estádio. Só falta justificar declarando que todos os ingressos foram vendidos para a oposição. Desde 2007 o então presidente Lula orgulhosamente e cheio de júbilo falou que iria acabar com nosso complexo de “vira-latas” com a Copa do Mundo. Aí está!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*

TORCIDA

Em entrevista ao “NY Times”, Dilma Rousseff diz que “ela e os companheiros presos em 1970 torceram pelo Brasil”. Interessante esse “jeitinho brasileiro” em que presos e torturados torcem pelo futebol. Talvez a tortura tenha ficado em segundo plano. Presos e torturados, como ela diz ter sido, acho que poucos estariam preocupados com os resultados do futebol. É um exemplo inconteste de patriotismo, às vésperas da “Copa das Copas”.

Décio Antônio Damin deciodamin@terra.com.br 
Porto Alegre

*

PESQUISA DE OPINIÃO

Pelas últimas notícias, se chega à conclusão que as pesquisas de opinião se prestam, muito mais para induzir a opinião pública na direção de determinado interesse, do que expressar a vontade da maioria. Por exemplo, pessoalmente, nunca fui entrevistado e nem conheço alguém que tenha sido, não obstante, conhecer pessoas nas principais capitais e nos mais longínquos rincões do Norte, Centro-Oeste e Sudeste do nosso Brasil. Agora as pesquisas mostram que significativa parte da população brasileira, algo em torno de 70 a 75%, são contra a realização da Copa, face à inversão de investimentos públicos, em vez de pão e circo para o povo. Mas essa mesma maioria, paradoxalmente, votaria a favor da reeleição do PT como mandatário do País, único e exclusivo (ir)responsável pelos estratosféricos gastos com a realização da Copa no País. Tudo se deixar de levar em consideração o desabafo emblemático da sra. Joana Havelange, diretora do comitê organizador da Copa: “o que tinham que roubar já foi”, e vejam que a moça tem pedigree, é filha do Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, atualmente morando em Miami, e neta do João Havelange, ex-mandatário máximo da Fifa, portanto, tem conhecimento de causa, graças ao berço. Adivinhem quem vai pagar a conta! Acorda, Brasil!

Carlos Benedito Pereira da Silva advcpereira@ig.com.br 
Rio Claro

*

Estão metendo o pau no eterno presidente Lula por ter nos aconselhado a ir de jumento para a Arena corintiana. O cara tem razão como sempre, vai ser um transtorno ir por meios convencionais. O único problema que vejo é se os jumentos começarem a defecar pelo caminho e não ter ninguém pra limpar.

Jose Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 
São Paulo

*

MORUMBI X ITAQUERÃO

Quais foram mesmo os motivos de se construir um novo estádio em São Paulo? Por que não usar o estádio do Morumbi para a abertura e os jogos em São Paulo? Os responsáveis pela decisão de gastar alguns bilhões de reais do dinheiro público em uma obra completamente desnecessária, cheia de problemas e que ainda por cima não ficou pronta a tempo deveriam responder na Justiça. Chega de tolerar tanta incompetência e corrupção deste governo. Para tentar salvar essa Copa do fiasco completo basta transferir a abertura para o estádio do Morumbi e transformar o Itaquerão em um presídio para políticos corruptos e incompetentes. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*

SEM QUERER
 
Todos comentam que os paulistas só vão assistir aos jogos da seleção para vaiar. É mentira!  O “huuu” não é vaia, é o aplauso de quem não está gostando do que está vendo, e é uma maneira de a seleção se ambientar quando vai jogar fora do Brasil. Tá bom, a Copa é aqui, mas não tem jeito, escapa, sem querer. 
 
Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 
Osasco

*

‘MAIS VERGONHA NA CARA’

Mais dois médicos cubanos do programa Mais Médicos, que trabalhavam desde dezembro na cidade Senador José Porfírio no Pará, entraram com pedido de refúgio na Policia Federal, após saberem que recebem mensalmente  R$ 2,9 mil,  salário do mês de março não pago, enquanto os demais participantes do programa recebem R$ 10 mil. Por onde andam a Justiça do Trabalho, o Ministério Público e os direitos humanos, diante de mais esse caso de escravidão com os médicos cubanos? Segue sugestão para a ONU: criar o programa “mais vergonha na cara” para os governantes de Brasil e Cuba .

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas

*

CACIQUE COBRA CORAL

Quando é que o Geraldo Alckmin vai cont(r)atar o Cacique Cobra Coral?  Não se pergunta outra coisa na cidade.

Victor Hugo renard-46@hotmail.com 
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.