Fórum dos Leitores

OBRA IRREGULAR

O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2014 | 02h04

Magnífica inauguração

A Igreja Universal inaugurou seu suntuoso templo na Avenida Celso Garcia, de frente para o congestionamento, com petistas e tucanos irmanados aparentemente na paz que só a religião permitiria, principalmente neste ano de eleições. Lá estava a presidente da República, vinda de Brasília em seu moderno avião oficial e com a competente escolta, acompanhada do vice e alguns ministros de Estado. Também o governador de São Paulo e o prefeito da nossa cidade compareceram. Um aparato policial garantiu a ordem no local. Tudo muito bonito e em ambiente de cortesia para inaugurar uma obra irregular. Sim, porque aquela construção enorme, que vai impactar ainda mais uma via importante da zona leste, começou com pedido de reforma de um prédio de 2.687 m2, que foi demolido e em seu lugar, construído outro com 64.519 m2. E esse verdadeiro passa-moleque foi aprovado pelo Aprov, da Secretaria Municipal de Habitação, na administração do ex-prefeito Gilberto Kassab, de triste memória, que agora declara cinicamente que toda a obra foi executada de acordo com as posturas municipais. Recentemente os vereadores da capital, também nada bem vistos pela população, aprovaram uma emenda esperta na lei do novo Plano Diretor mudando o zoneamento do quarteirão do templo, para legalizá-lo também quanto à Lei de Zoneamento. E como ilegalidade pouca é bobagem neste país, o templo ainda foi inaugurado sem o aval do Corpo de Bombeiros e sem o pagamento de obras para remanejamento do trânsito no entorno, já que se tornou um polo gerador de tráfego. Mas o que é mais escandaloso é a presidente da República e o governador do Estado, com tantos problemas sérios para resolver, se prestarem a prestigiar tantas irregularidades. Seria interessante nossos meios de comunicação apurarem os custos suportados por nós, representados pelo somatório das verbas públicas, principalmente os da aeronave que serve à presidente. Afinal, reza a Constituição que o Brasil é um país laico. Parece até a materialização daquela frase que diz que a fé fervorosa faz milagres.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

Interesses em jogo

O que os políticos brasileiros não fazem para ganhar uma eleição... Da presidente, passando pelo governador de São Paulo e chegando ao nosso prefeito, todos compareceram ao evento de inauguração do suntuoso templo da Igreja Universal, obra cujo valor alcançou a fabulosa cifra de R$ 685 milhões. Prestigiar uma entidade que se caracteriza pela exploração de incautos no recolhimento dos dízimos e ao longo do tempo amealhou uma fortuna incalculável não é coisa para políticos honestos. A nosso ver, não é admissível uma entidade como essa arrecadar tantos recursos e ficar completamente isenta do pagamento de impostos, em especial do Imposto de Renda. Por que tanto privilégio? Mas isso não é levado em conta. Os políticos estão sedentos por votos e o que lhes interessa no momento é conquistá-los. A moral? Ora, a moral...

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Datas festivas

Quando verei a presença de um presidente da República, um governador de Estado e um prefeito de capital na inauguração de um hospital em alguma cidade de meu querido Brasil?

PAULO COSTA

costa-paulo@ibest.com.br

São Paulo

JOGOS DE GUERRA

Socorro!

O Brasil vai se unir à Rússia e simular batalhas de guerra! Será que os guerrilheiros do PT vão conseguir incendiar o nosso país e levar nossos jovens aos horrores das guerras? Socorro!

SANDRA MARIA GONÇALVES

sandgon@terra.com.br

São Paulo

GOVERNO DILMA

Pessimistas

Qualquer pequeno negociante sabe que tanto um negócio como a economia de um país só prosperam com trabalho continuado. Apelar para os espíritos e os humores tem lugar apenas nas novelas e no teatro. Governo que não providenciou condições de integração ao trabalho, enganou na contabilidade, gastou mais com o aparelhamento do que com estrutura, protegeu corruptos, falhou na redução do custo Brasil, não promoveu acordos comerciais e não protegeu a indústria contra importações não tem como reclamar otimismo dos agentes econômicos. Tais apelos só reforçam a avaliação de incompetência.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Todos menos ela

O mundo inteiro está pessimista com respeito ao Brasil, menos Dilma Rousseff, justamente a grande e única culpada por isso! Exemplo acabado do governo populista irresponsável do PT.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Totalitarismo

Com atraso de 40 anos, a profecia de George Orwell (1984) faz-se presente na demissão do analista do Santander que não concordou que 2 + 2 são 5.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

Análise de riscos

Corre à boca pequena que o analista já despedido do Santander vai exercer a mesma função na agência de riscos Standard & Poor's. Aí, sim, é que haverá mais risco.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

GESTÃO HADDAD

Até que enfim

O prefeito de São Paulo tentou aumentar o IPTU e não conseguiu. Tentou instituir feriado na cidade durante a Copa do Mundo e não conseguiu. Hoje deve estar contente porque conseguiu aumentar a Zona Azul em 67% de uma vez só. Vale lembrar que a Zona Azul não serve para nada. É um aluguel de espaço público que não tem seguro algum.

GASPAR GASPARIAN FILHO

gaspar.gasparian@uol.com.br

São Paulo

Contra os motoristas

Em relação ao aumento da Zona Azul, não nos podemos esquecer de que os motoristas também constroem São Paulo e ajudam a nossa cidade a crescer. O reajuste é injusto para o cidadão que tem carro, como se ele prejudicasse, e muito, a cidade. Enquanto isso, a desordem urbana está instalada nas ruas, com lixo, prédios invadidos, faixas de ônibus em todos os trechos, barracas para todos os lados e caçambas atrapalhando os pedestres. É preciso reflexão!

ALVARO BATISTA CAMILO

contato@coronelcamilo.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TCU AVALIA DILMA ROUSSEFF

Ficará muito difícil para o Partido dos Trabalhadores (PT), na campanha eleitoral, continuar falando inverdades sobre as obras, números e programas em que Dilma Rousseff se saiu muito bem, depois que relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) mostrou o outro lado da moeda. Falhas generalizadas em ações do governo, todas elas consideradas pelo PT como vitrines dos programas sociais do partido. Nada nos surpreendente nesse resultado, uma vez que desde o primeiro Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Dilma, a “gerentona” de Lula, já demonstrava sua franca inabilidade para o mister. A grande habilidade dessa turma é mesmo a arte da tapeação.

Leila E. Leitão
São Paulo

*
UMA NO CRAVO OUTRA NA FERRADURA

Quando inocentou dona Dilma do malfeito da Refinaria de Pasadena, o TCU foi elogiado pelos petralhas. E agora, que apontou falhas em tudo o que o governo toca? Ó dúvida cruel...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
BASTA

Ninguém aguenta mais este governo que promete e não cumpre. Obras do PAC estão atrasadas, os índices econômicos são desastrosos, caminhando para uma recessão, promessas de crescimento que nunca se cumprem, dólar, tarifas de energia elétrica, transporte público e combustíveis, que estão defasadas para esconder a verdadeira inflação. A indústria e o comércio apresentam índices piores mês a mês. A candidata à reeleição nem pode sair às ruas com medo de ser vaiada e xingada, os bancos fazem previsões cada vez mais pessimistas, e também o Fundo Monetário Internacional (FMI). Lula destemperado, falando barbaridades com medo de perder o poder, e seu filho cada dia mais rico. A Bolsa de Valores sobe quando pesquisas mostram queda da candidata à reeleição nas pesquisas de intenção de votos, refletindo o que todo o mercado quer: troca de comando. Ninguém aguenta mais este estilo de governo que distribui ministérios e cargos a pessoas despreparadas e gananciosas. Basta.

Luiz Henrique Chaves Davila luiz_davila@terra.com.br 
São Paulo

*
BILHÕES NO MERCADO

O Banco Central (BC) libera R$ 45 bilhões para crédito. Sabem para quem? Os mesmos - indústria automobilística e bancos. A indústria favorecerá os eternos adoradores do ex, que sempre teve o descaramento de passar pomada nos olhos, nos seus comícios nas portas das fábricas automobilísticas e da linha branca, que sempre procurou prejudicar em seus comícios. Os que o assistiam diziam: Olha o Lalau está chorando! As operações de empréstimo consignado, inclusas no pacote, são para agradar aos aposentados e pensionistas à cata de votos. Esquecem-se que muitos aposentados e pensionistas, que recebiam 10 salários mínimos, hoje, estão ganhando de 3 salários a 4 salários. Aposentados, não caiam nessa. Não se vendam como os apadrinhados do  Bolsa Família, bolsa estudo, etc. etc. Quanto à liberação aos bancos, provavelmente os mesmos estarão na linha de frente no financiamento da campanha nas próximas eleições. Não se surpreendam que tão logo o valor acima esteja nas contas dos bancos, o BC, com certeza, alterará a Selic para 12% ou mais. Viva o Brasil! 

José Maria Gonçalves josemagoncalves@ig.com.br 
São Paulo

*
GOVERNO NÃO ADMITE CULPA

A presidente Dilma, em evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), afirmou que “expectativas pessimistas bloqueiam realizações”. E proclama o fim do pessimismo para a solução de todos os males da sua gestão desastrosa. O governo infelizmente não se mostra capaz de reconhecer que as realizações do governo federal se encontram bloqueadas, e assim devem seguir até o fim do mandato da presidente, porque a tal da “gerentona” Dilma, cria de Lula, que, além de autoritária e centralizadora, não teve o respeito, ou discernimento, de indicar nomes para os cargos vitais desta República que pudessem dar celeridade aos projetos espetaculosamente anunciados e longe de serem materializados. O pessimismo que se instala no País com relação à condução da política econômica não se concentra somente nos analistas de bancos, como os do Banco Santander, que num lance tipicamente antidemocrático e a gosto do petismo o Planalto, exigiu-se que fosse demitido o analista, só porque cumpriu o dever de orientar seus clientes investidores evocando tempos mais difíceis se reeleita Dilma para um novo mandato. Assim como o ex-economista-chefe também do Banco Santander (2008/2011), Alexandre Schwartsman, foi demitido só porque teve um embate público com o presidente da Petrobrás. E se acrescente a esse amplo coro de pessimismo, que vem também do FMI, das agências de avaliação de risco e também de forma uníssona de todos os formadores de opinião do País. Que demonstram muita preocupação com relação aos números até aqui bem negativos da nossa economia. E o mais recente anunciado, como o da queda de 6,9% da produção industrial em julho, em comparação ao mesmo período de 2013. Ou seja, a pior desde 2009. Na realidade o que está literalmente retardando o desenvolvimento desta nação é a surdez e o otimismo crônico de Dilma.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
SUBSÍDIOS À TRIPA FORRA

Através da excrementosa ferramenta chamada Medida Provisória (MP), a morubixaba mor do Palácio do Planalto acaba de editar a MP 652, que cria o Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR). O governo que não sabe dar destino certo para o dinheiro que arrecada em seus cofres vai beneficiar rotas rentáveis que não precisam de ajuda do governo para operarem normalmente. Fontes do próprio governo criticam a MP. Vai facilitar a vida da classe média, mas o maior beneficiado será a empresa com uma subvenção estimada em R$ 1 bilhão por ano. Enquanto isso, falta verba para manter as Santas Casas de Misericórdia funcionando para atender o povo carente; falta verba para o metrô e para os ônibus para evitar o transporte de gente como gado de corte; falta dinheiro para humanizar o tratamento dos pacientes de hospitais públicos. A verdadeira intenção desse governo está embutida no  momento político em que "faremos o diabo para manter o poder", segundo a morubixaba tribal.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
CONFIANÇA NAS INSTITUIÇÕES

A presidente Dilma “guarda” R$ 152 mil em espécie em local incerto e não sabido e ainda tem a coragem de dizer em entrevista que “é porque eu gosto assim...” Como pode a mandatária do País não acreditar nas instituições financeiras se seu próprio país? Estamos em 2014, com uma taxa básica de juros, estipulada pelo próprio governo, de 11% (o que renderia algo próximo a R$ 16,7 mil no ano, sem impostos) e com um sistema de controles rígido e transparente, bem controlado pelo Banco Central do Brasil. Como compartilho a mesma formação acadêmica da presidente, economistas que somos, há de lembrarmos as aulas iniciais de Introdução à Economia, onde aprendíamos sobre custos de oportunidades, onde O custo de oportunidade representa o valor associado a melhor alternativa não escolhida. Quero saber qual colchão remunera o capital com menor risco do que os 11% de Selic indicado pelo governo. Vai ver que é por isso que ela foi criticada por de determinado banco e por isso teve o nome veiculado em relatório aos clientes... Preferiu o colchão a comprar o CDB do banco... É porque eu gosto assim.

Fernando Antonio Godoy de Souza fergodoy@terra.com.br 
Osasco

*
QUE LIÇÃO

“Meia verdade não é o mesmo que verdade. E a Argentina vem falando só meias verdades, com declarações altamente enganosas, e é preciso que isso pare”, disse o juiz Thomas Griesa, em referência às recentes declarações do ministro da Economia da Argentina, o marxista Axel Kicillof, diante da obrigação em pagar, além dos US$ 539 milhões da parcela renegociada, simultaneamente os US$ 1,3 bilhão aos credores legítimos chamados "abutres". Se com defaut ou sem defaut, para Griesa não importa, porque contratos são feitos para serem cumpridos. E nosso país, com ostensivo apoio a "los hemanos" caloteiros, se torna cúmplice nas mentiras e meias verdades, mostrando que acima da moralidade petista está o interesse desgraçadamente político no socialismo bolivariano do século 21.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
O PODER DA MAGISTRATURA

A constatação do eminente advogado doutor Antonio Cláudio Mariz de Oliveira em "Quem deve julgar é o juiz de direito" (“Estadão”, 31/7, A2) é assustadora. Por primeiro, a constatação merece crédito porque firmada por um dos grandes advogados do Brasil, de reconhecida idoneidade e seriedade. Por segundo, a noticiada prática de alguns magistrados em delegar poderes de julgamento aos seus auxiliares, além de ofender frontalmente o ordenamento jurídico, por certo levará a magistratura e também o Poder Judiciário ao descrédito perante nosso povo. A maléfica prática precisa ser combatida e repelida com veemência por todos que militam na Justiça.

Reynaldo Mapelli, juiz de direito aposentado reynaldo.mapelli@terra.com.br 
Tupã

*
POR UMA MELHOR JUSTIÇA

Excelente o artigo do dr. Antonio Cláudio Mariz de Oliveira. Com clareza, revela quanto o Judiciário brasileiro precisa melhorar. Não são fantasiosas metas de produtividade, como se adota em fábrica de botões, que haverá a melhora da prestação jurisdicional. Distribuir justiça não é produzir botões. Os juízes brasileiros são sobrecarregados porque não apenas julgam, mas presidem inúmeras audiências, administram foros e - pasmem - perdem precioso tempo preenchendo inúmeros relatórios exigidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Rogério Medeiros Garcia de Lima, desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais rogeriom@tjmg.jus.br 
Belo Horizonte

*
A APOSENTADORIA DE JOAQUIM BARBOSA

Joaquim Barbosa se aposentou. Festa na Papuda e em outros presídios. A comunidade brasileira perde seu ilustre representante moral e nossa justiça perde totalmente sua credibilidade. Que lástima. Qual seria a causa dessa aposentadoria inesperada?

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com 
Itapetininga

*
SEM MORAL

Luiz Moura, deputado estadual, é expulso do PT por causa da acusação de envolvimento com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Moura critica comissão do PT, afirmando a mesma não ter "moral" para julgá-lo. Não é que ele tem toda razão mesmo?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
COMBATE À CORRUPÇÃO

Nada como o Estado Democrático de Direito e seu apanágio, que é a liberdade de imprensa que vivemos hoje, para que as denúncias de corrupção que o jornalismo investigativo está fazendo possibilitem o combate efetivo a essa nossa grande vulnerabilidade. Urge, agora, que a sociedade como um todo pressione nossas autoridades responsáveis pela investigação e julgamento de tais atos ilícitos, e cumpram o seu dever, para eliminarmos grande parte dessa mancha moral que nos denigre. 

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com 
Rio de Janeiro

*
ELEIÇÕES 2014

O período eleitoral este ano está mostrando uma situação muito curiosa. É que a preocupação de todos os candidatos praticamente tem que ver com o uso de sistemas eletrônicos de propaganda. Os comícios, a visita a núcleos populares, reuniões e assembleias não são mais prioridades. E certo número de eleitores parece querer ajudar na campanha, escrevendo cartas para os jornais, em sua grande maioria com posições radicais e tendenciosas. Ou faltando com a verdade. O que se espera é que a imprensa séria abra espaço para todas as opiniões, sem nenhum tipo de censura.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
PAULO SKAF

Louvada seja, até aqui, a postura da candidatura de Paulo Skaf ao governo de São Paulo, ao manter sua independência como proposta de terceira via e não como mero coadjuvante submetido ao "enquadramento" do PMDB para dar carona a Dilma Rousseff, rejeitada por nada menos que 47% no Estado e 49% na capital. Que prossiga altaneiro até as eleições.

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
SKAF CONTRA O PT É UMA PIADA

Trouxa será o eleitor paulista que der voto a Paulo Skaf na crença de ele ser antipetista, como afirma. Ele é outro que come na mão do “presidente Lula”, assim como os muitos eleitores da região metropolitana que votam até num jumento, se o “bruzundunga” ordenar. Podem esperar que, junto com Marina Silva e Eduardo Campos, formará o trio de “bruzundungas” para apoiar a presidente Dilma  anã, se houver segundo turno.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br 
São Paulo

*
A ÚLTIMA TRINCHEIRA

É com muito orgulho, como assinante do “Estadão” e paulista de coração, que cumprimento o jornalista Fernão Lara Mesquita pelo excelente artigo de 23/7/2014 ("O 9 de Julho, de Getúlio ao PT") e pela verdadeira aula de história sobre o Estado de São Paulo, que sempre se levanta contra os ditadores populistas e demagogos quando as liberdades democráticas são ameaçadas. É importante destacar que a grande maioria da população desconhece a luta heroica dos veteranos de 32, que, com poucos recursos e com pequeno contingente militar, lutaram contra o governo federal do ditador Getúlio Vargas e, embora derrotados militarmente após os 87 dias de glória, saíram vitoriosos, uma vez que os objetivos da Constituinte de 1933 e da nova Constituição de 1934 foram alcançados. Salienta-se que a Revolução Constitucionalista nunca foi separatista e que muitas das conquistas hoje usufruídas por toda a população brasileira, tais como o voto secreto, voto feminino e a fundação da USP em 1934, foram bandeiras dos heróis de 32. Este é um alerta geral para toda a população brasileira, pois é muito preocupante a semelhança entre os governos de Getúlio Vargas e os dias atuais: tal qual o DIP do “pai dos pobres”, o atual governo utiliza a propaganda oficial para anestesiar a população com propaganda populista, inibindo lideranças ativas da oposição. Mais uma vez o Estado de São Paulo enfrentará nova batalha em outubro de 2014, que será decisiva para garantir a proteção de nossa Carta Magna e dependerá do patriotismo dos seus 32 milhões de eleitores para derrotar os populistas, oportunistas e falsos patriotas. Esta batalha deverá ser disputada com coragem e união, tal qual a epopeia de 32. Com a ajuda de todos os paulistas, sairemos vitoriosos de mais esta batalha, pois São Paulo é a nossa última trincheira, “...a trincheira que não se rendeu: a que não transigiu, a que não esqueceu, a que não perdoou!” (Oração ante a última trincheira - Guilherme de Almeida).
 
José Guilherme Levenstein guilherme.levenstein@jlbrasil.com 
São Paulo

*
GUERRA SEM FIM

Uma pessoa medianamente informada sabe que o Hamas não tem nenhuma possibilidade de destruir o Estado de Israel. Então o único plano é provocar e conseguir que matem o maior número de palestinos para ganhar a simpatia mundial. Vejam as imagens da mídia, entre um tanque de guerra e uma criança ensangüentada, a quem se poderia dar razão? Infelizmente não há como negociar com alguém que não aceita sua existência.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
CIÊNCIA E SOCIEDADE

Muito bom e oportuno o artigo de Evaldo F. Villela e Fernando Barros (“Estadão”, 31/7/2014, A2).  Participei recentemente de uma Mesa Redonda na 66ª reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) que tratou desse assunto. Nessa oportunidade discuti uma das razões fundamentais desse terrível descompasso entre a ciência e a sociedade. Acredito que tal descompasso deriva do emprego de um pragmatismo político que substituiu o cientificamente correto pelo politicamente correto, os fins pelos meios, a qualidade por critérios cientométricos tão manipuláveis nas avaliações de Educação, Ciência, Tecnologia & Inovação como são na área econômica. Essa prática deletéria contaminou, por um sistema de vasos comunicantes, as agencias reguladoras e de fomento, as universidades, as instituições de pesquisa, etc. que sobrevivem graças a uma robusta blindagem e maquiagem que impedem a transparência das relações entre o dinheiro investido e o real benefício social gerado. Não seria difícil identificar essa distopia na base da grave crise que atualmente afeta as universidades paulistas. Ainda não se instituiu no Brasil o processo de avaliação extramuros, isenta e competente. Há muitos anos sugeri que a Academia Brasileira de Ciência tomasse as rédeas desse processo, mas não obtive resposta. Recorri agora a SBPC que promete atuar nesse sentido. Diante da perversa realidade, tão competentemente relatada pelos articulistas mencionados, os meios de produção, a saúde, a educação, o transporte, a comunicação, a justiça, e até o futebol, deixam de aproveitar os investimentos em educação, CT&I para acelerar nosso processo de desenvolvimento humano e material. 

Antonio Carlos Martins de Camargo, professor Titular da USP e da Academia Brasileira de Ciência antonio.camargo37@gmail.com 
São Paulo

*
NECESSIDADE DE COMUNICAÇÃO

O artigo de Evaldo F. Vilela e Fernando Barros "Diálogo entre ciência e sociedade" (31/7, A2), à parte de uma conotação religiosa, realça a necessidade de comunicação e valorização do cientista. Mas esta não é a causa principal do hiato ou abismo que existe entre o que é investigado nos laboratórios e o que é aplicado na sociedade. Há um anacronismo entre o controle da legislação e o dinamismo da inovação. Se eu tiver uma excelente ideia para resolver um problema alimentar, mesmo com recursos orçamentários, não conseguirei nem sequer comprar uma pipeta de laboratório, pois a lei de licitações não me permite. Falo da instituição pública que é onde acontece a pesquisa no país. Ou tenta acontecer. Além disso, o meio de comunicação precisa ser criado pelo próprio cientista, para não ser vítima de imprecisões a título de simplificação para os interlocutores.

Adilson Roberto Gonçalves, pesquisador científico e orientador de pós-graduação prodomoarg@gmail.com 
Lorena

*
‘DIÁLOGO ENTRE CIÊNCIA E SOCIEDADE’

Realmente impressionado, li várias vezes e saliento afirmações pinçadas do próprio artigo: "O Brasil precisa da opinião de seus cientistas", "urge os cientistas do País iniciarem um debate de canal de comunicação", "cabe aproximar o saber do processo político e social". Tremo diante da utilização da informação pela virtual maioria dos representantes eleitos e seu respectivo viés partidário. Pela profundidade e coragem dos autores, meus parabéns a eles e ao “Estadão”. 
 
Gunter W. Pollack gunterwp@uol.com.br
São Paulo

*
O MUNICÍPIO E O FIM DO ‘LIXÃO’

Termina hoje o prazo para os municípios deixarem de lançar seus resíduos nos conhecidos “lixões”. Mas existem no País apenas 1.360 aterros sanitários e 60% dos municípios não atenderam a lei regulamentadora. É evidente que os prazos serão dilatados. É imprescindível, no entanto, o estabelecimento de cronogramas de trabalho e metas intermediárias, sem os quais, ao final do novo prazo, os municípios também não terão se adequado. Há que se dar condições para que os municípios elaborem seus projetos e tenham acesso a verbas. As prefeituras não têm recursos para tanto e, além disso, enfrentam grande burocracia para alcançar as verbas e programas federais e estaduais. Também precisamos criar uma nova consciência em relação ao lixo, envolvendo prefeitos, vereadores e lideranças comunitárias. Não se esquecer que, no regime de “lixões” hoje existente, vivem milhares de catadores. Eles precisam ter novas alternativas de vida. A própria população, que produz o lixo, deve ser motivada a fazer a separação entre o orgânico e o reciclável, e conscientizada para não descartar lixo e inutilidades no mato, na rua ou nos cursos d’água. 
Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br
São Paulo

*
TEMPLO DE SALOMÃO

Se as igrejas tivessem de pagar impostos no Brasil, não teríamos essa magnífica casa de Deus, que é brasileiro e agora pode voltar a nos visitar. Como ele mora no céu, quando chegar vai ter onde instalar-se com conforto. Só disse que não precisava de tanta suntuosidade...
 
Airton Moreira Sanches moreira.sanches@uol.com.br 
São Paulo

*
CERIMÔNIA DE INAUGURAÇÃO

Quatro governantes “socialistas e comunistas” vão à inauguração do templo salomônico junto com o patriarca e sua esposa. Não se vê a cara dos Suplicys, Lula e outras figuras carimbadas de festas. Estamos ainda na época de Salomão? E para que habite-se, regularização, etc.? Políticos socialistas ou comunistas precisam ou cumprem leis?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com
São Bernardo do Campo

*
IGREJA UNIVERSAL

No Brasil é assim, com quase 2 milhões de votos e a construção de um templo, serás salvo, perdoado e o governo te  estenderá tapetes. Seu passado e a procedência de sua fortuna jamais serão contestados, cadeia nunca mais. De charlatão serás homem de Deus.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com 
São Paulo

*
RELIGIÃO E ELEIÇÃO

A política brasileira é tão influente que, na época de campanha, a maioria dos candidatos se torna adepta de todas as religiões.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
ALVARÁ DE REFORMA

Ficou muito boa a reforma do Templo de Salomão. Valeu a pena investir R$ 680 milhões nessa reforma.

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 
São Paulo

*
TEMPLO REFORMADO

Normas da Prefeitura foram dizimadas na construção e inauguração do Templo de Salomão.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
SÓ INTERESSES, NADA DE FÉ

Foi veiculado em jornal digital que acredito ser bastante lido por internautas tanto da situação quanto da oposição que a ministra Marta Suplicy, da "cultura-atual-governista", já tem projeto "na gaveta" para que o Cristo Redentor de "braços abertos sobre a Guanabara" (antes pelo Estado do mesmo nome, mas também por sua belíssima baía) tenha seu domínio transformado para todos os cristãos, ou seja, deixaria de ser católico apostólico romano, para pertencer a todos os outros cristãos. Ora, de todos os cristãos indistintamente ele é, e sempre será, mas tirar isso da tradição genuinamente católica já é demais. É coisa de gente de duvidosa fé em Cristo, o redentor. 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com  
Avanhandava

*
A CÚRIA E O CRISTO

A ministra Marta Suplicy ameaçou tirar da cúria a tutela da imagem do Cristo, um dos símbolos da cidade do Rio de Janeiro. Ela não queria perder a oportunidade de usar o link que o filme de José Padilha estabeleceu entre o ministério da cultura e a estátua implantada no Parque Nacional da Tijuca, sob controle da União. Este fato seria um prato cheio para sua projeção na mídia. Ora! Senhorita Marta, a União deveria preocupar-se mais com a proteção do parque que está sendo invadido em progressão geométrica pelas favelas, desmatando, poluindo, produzindo lixo, extinguindo a fauna, a flora e desprotegendo as nascentes; deveria preocupar-se com a conclusão do processo de integração de posse do Jardim Botânico que pertence ao parque e que já teve sentença transitada em julgado. Esse gesto da ministra é, no mínimo insensato para não dizer patético.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro

*
A OCUPAÇÃO DA MARÉ

A ocupação do Complexo da Maré no Rio de Janeiro por militares era para ser ocasional, por tempo determinado, mas virou rotina. O governo do Estado do Rio de Janeiro demonstra, por diversos motivos, não ter condições de pôr termo a grave comprometimento da ordem pública e pediu o auxílio das Forças Armadas, o que pela Lei Máxima, requer intervenção da União no Estado.

Paulo Marcos Gomes Lustoza pmlustoz@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
CENTRO ADMINISTRATIVO DE BH

O governo municipal anuncia com grande estardalhaço a criação do Centro Administrativo de Belo Horizonte em área onde está localizada a Estação Rodoviária. Não custa perguntar? É uma obra prioritária diante dos problemas que hoje sofre a capital mineira? Não seria mais importante melhorar a qualidade do ensino, remunerar dignamente os professores, reformar muitas escolas dotando-as de equipamentos de informática, bibliotecas e merenda escolar de melhor qualidade? Outros problemas também afligem Belo Horizonte, tais como a mobilidade urbana onde o sistema adotado BRT ou Move é uma “meia sola” que em quase nada contribuiu para melhorar o deslocamento diário da população para o trabalho porque não se estudam a construção do sistema monotrilho existente em muitos países do mundo que dispensa desapropriações, é ágil e de custo menor? Outro problema sério é o da saúde, médicos, funcionários e equipamentos onde a população não recebe o tratamento adequado. Os recentes problemas com o desabamento de viaduto merecem também a reflexão da população da Câmara Municipal e do Ministério Público e entidades representativas.

Marcos Tito marcostitoadvogados@gmail.com 
Belo Horizonte

*
A VOLTA DE FELIPÃO

De bolso cheio, o técnico Felipão retorna ao Grêmio. Em face disso, duas coisas esse aguerrido clube tem a fazer: dispensar todos os jogadores de criação do elenco, porque o técnico é fervoroso adepto dos chutões, da horrorosa "ligação direta"; começar a rezar para quebrar a escrita, pois têm sido desastrosos os retornos (Palmeiras, Seleção Brasileira) do responsável pela maior vergonha do nosso futebol.
 
Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br  
Pirassununga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.