Fórum dos Leitores

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2014 | 02h04

O PT, assustado

Depois da divulgação dos números da nova pesquisa Ibope, em que Aécio Neves aparece ainda mais colado em Dilma Rousseff na simulação do segundo turno, parece ficar claro que, em comparação com os pleitos anteriores, a eleição presidencial deste ano será a mais perigosa para a consolidação do principal projeto do PT: a hegemonia política e a inviabilidade eleitoral de candidatos oposicionistas. Não vem surtindo efeito a estratégia do PT que, de novo, dá prioridade à demonização da oposição ao atribuir a seus representantes intenções que de modo algum eles têm (aquele papo-furado de sempre de acabar com programas sociais, extinguir a valorização do salário mínimo...), em detrimento do debate franco de ideias e projetos para o País. Ao contrário, parece que parcelas cada vez maiores da sociedade já estão esgotadas de tamanha embromação. Tanto engodo carrega relevante potencial de agravamento da enorme rejeição à presidente. Fica claro ainda que Dilma e os petistas entoam esse monte de diatribes não só porque seguem acreditando na eficácia desse tipo de campanha de baixo nível, como também porque se recusam a reconhecer o acúmulo infinito de erros cometidos pelo governo, que acabou resultando no estado miserável em que se encontra a economia brasileira. O PT nunca esteve tão assustado como está agora. E se teimar em deixar de lado discussões profícuas e insistir em mentiras e baixaria, pode esperar por pesquisas ainda mais desfavoráveis nas próximas semanas. Aí só restará aos jornalistas chapa-branca e blogueiros sujos recorrer aos usuais delírios, como as acusações contra a "imprensa golpista" e outras loucuras do gênero.

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

Mentiras e baixaria

O que mais ainda podemos esperar em termos de baixo nível dos habitantes do Palácio do Planalto, desde que o PT assumiu o governo do País? Dos que foram eleitos com o discurso de que governariam pautados por uma ética exemplar já vimos de tudo, do mensalão à pressão sobre ministros do Tribunal de Contas da União (caso Pasadena/Petrobrás), só para citar a primeira e a última grande decepção que eles nos proporcionaram. E agora somos surpreendidos pelas deploráveis e ridículas mudanças na Wikipédia dos perfis dos jornalistas Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, com a inclusão de informações mentirosas, a fim de denegrir a imagem desses dois corretíssimos críticos das lambanças do governo, alterações feitas a partir de um computador da sede da Presidência da República. Outubro, chegue logo, ninguém aguenta mais!

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Deletando...

Pois é, Josef Stalin (comunista) eliminava das fotos os seus desafetos. Já os petistas, mais modernos, por meio da rede de internet do Palácio do Planalto, sede do Executivo federal, editam perfis e falas para o mal ou para o bem, de acordo com o que lhes agrada ou não. Viva a imprensa sem controle social da mídia!

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

Amordaçamento político

De tão descaracterizado, o PT está deixando de ser um partido para se tornar uma milícia.

MARCOS CATAP

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

CAMPANHA EM SP

Poste fala grosso

Alexandre Padilha, o novo poste de Lula, participando da série de entrevistas do Estadão com candidatos ao governo de São Paulo, entre outras baboseiras, afirmou: "Não subestimem o PT". Realmente não sou louco de subestimar a capacidade de nos indignar desse partido. Porque depois que os petistas promoveram o mensalão, jorraram os superfaturamentos em obras, que, aliás, em sua maioria não se concluem. Acrescente-se a derrocada da imagem da Petrobrás, incluindo o escândalo da compra da refinaria de Pasadena, e, de quebra, também a antecipação das perguntas por gente do Planalto, conforme revelado pela revista Veja, aos envolvidos nesse negócio e convocados pela CPI. Sem medir consequências, fabricaram dossiês falsos contra opositores e ainda, como desvendou a polícia de São Paulo, um deputado estadual do PT era íntimo da cúpula da organização criminosa PCC, etc... Lógico que a lista de excrescências é bem mais extensa. Não por outra razão, não dá mesmo para subestimar a ousadia sem limites do PT, que desafia as nossas instituições e ameaça a nossa democracia!

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Candidato monotemático

O candidato do PT a governador do Estado de São Paulo, que teria de estar discutindo propostas e planos de governo - se é que os tem, porque até agora ele só fala da falta de água e que em São Paulo a água sai suja da torneira -, deveria, isso sim, explicar melhor por que a água até hoje não chegou aos lares nordestinos com a transposição do Rio São Francisco, que é obra do partido dele (com desvios e desmandos). Até porque a água de São Paulo passa por tratamento a cargo de uma empresa séria, que certifica que ela é de boa qualidade e serve como referência para todo o Brasil. Mais propostas e menos demagogia!

NELSON SCATENA

nelson.scatena@hotmail.com

São José dos Campos

Cala a boca, Padilha

O candidato do PT prometeu, se eleito, buscar soluções inovadoras para a crise hídrica do Estado de São Paulo. E se não for eleito? Não vai compartilhar as soluções inovadoras com a população? Fora a importação de nuvens cubanas, qualquer solução será muito bem-vinda.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Resposta dura

O governador Geraldo Alckmin deve dar uma resposta duríssima ao candidato do PT sobre as declarações dele ao Estadão. Esse sujeito foi um péssimo ministro da Saúde, tem uma situação mal resolvida com André Vargas e o doleiro preso, além de que é o partido dele que tem um deputado envolvido com o PCC. Poderia também ajudar o seu mentor a explicar o rolo Lula/Rosemary Noronha. É pra jogar sujo? Então, que se jogue sujo!

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

Partido da mentira

Exploração política é o único argumento de candidato do partido mais corrupto do Brasil. Sabendo que o povo vive de manchetes, começaram a difundir mentiras porque até se provar a verdade já passou a eleição.

ROBERTO CASTIGLIONI

rocastiglioni@hotmail.com

Santo André

*

O TREM-BALA E O TREM ABANDONADO
 
O projeto do trem-bala, que serviu de combustível para a campanha eleitoral de 2010, não saiu do papel e hoje está obsoleto (“Estadão”, 8/8). A advertência do Tribunal de Contas da União (TCU) demonstra a falta de interesse do Brasil em relação à ferrovia. Os governos que, por pressões políticas, ideológicas e trabalhistas, encamparam as ferrovias construídas pela iniciativa privada exploraram-nas até a exaustão, não deram manutenção adequada e as abandonaram. Hoje tudo é sucata, diariamente depredada e canibalizada pelos ladrões de cobre, ferro e outros materiais. As linhas, inúteis, são estorvo nas cidades que ajudaram a fundar e  desenvolver. Melhor do que investir no trem-bala é o governo dar uma finalidade à malha ferroviária já existente. Seria inviável trazer de volta o velho e romântico trem de passageiros, que é lento e deficitário. Mas as linhas estão em condições de, com manutenção, abrigar os trens cargueiros e, com eles, retirar milhares de grandes caminhões que hoje atravancam as rodovias do País. Também não se deve esquecer a hidrovia. Só no dia em que tivermos hidrovia, ferrovia e rodovia funcionando de forma integrada é que devemos falar em trem-bala ou em trem de alta velocidade. É mais racional fazer funcionar o que já existe para depois pensar nas obras que têm de partir da estaca zero.
 
Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br
São Paulo

*
INFRAESTRUTURA NO BRASIL

Aporte externo só virá com garantias de estabilidade, que o atual governo petista não consegue; confiabilidade, que o atual governo petista não merece; e rentabilidade, que o atual governo petista insiste em limitar.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
FÓRUM ‘ESTADÃO’

Os números apresentados no suplemento do “Estadão” de 7/8 (“Fóruns Estadão Brasil 2018 – Propostas para destravar a infraestrutura”) nos dão uma pálida ideia de como os nossos denominados líderes, que assumiram os cargos mais relevantes do País nas últimas décadas, tomaram decisões que deveriam merecer um estudo mais apurado do Ministério Público, além da mídia, para identificar aqueles e seus respectivos partidos e coligações que causaram tantos danos à Nação e que são responsáveis pelo atraso em que vivemos hoje, em relação às demais nações do mundo. Tal medida seria importante para mostrar à população para quais interesses estará votando nas próximas eleições. Infelizmente, o suplemento não abordou um modal importante para o transporte, que são as hidrovias, principalmente para um país de dimensões continentais e com as maiores bacias hidrográficas do planeta. Hidrelétricas foram construídas em vários dos nossos cursos d’água, mas somente em algumas foram previstas eclusas para não interromper a navegação fluvial, inclusive outras, como Itaipu, que entre outros absurdos submergiu à magnífica Cachoeira de Sete Quedas no Rio Paraná, e que era a maior em volume de água do mundo e poderia estar rendendo importantes divisas para o Brasil em termos de turismo, como ocorre nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo. Aliás, os absurdos na escolha do local da Hidrelétrica de Itaipu mereceriam um estudo à parte. O suplemento também chama a atenção para um fato escandaloso de que a nossa malha ferroviária produtiva atual é a mesma do tempo do Império. Todos nós, que pudemos acompanhar o “desenvolvimento” da infraestrutura do País, sabemos que as ferrovias foram relegadas a um plano inferior com a chegada das montadoras de veículos. Durante a ditadura militar, chegou-se ao absurdo de desativarem as linhas ferroviárias existentes, principalmente no Estado de São Paulo e, hoje, o Brasil é o único país com um território de grandes dimensões que tem uma malha ferroviária ridícula. Também nas metrópoles, durante todos estes anos, a prioridade sempre foi para os veículos sobre pneus. Não é à toa que hoje São Paulo tem uma rede de metrô e de trens urbanos medíocre, já que os investimentos públicos sempre se voltaram para a implantação de vias e viadutos. E só não enxerga a má influência política nesse descalabro quem não quer.
 
Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
ELEIÇÃO EM SÃO PAULO

Alexandre Padilha, em entrevista ao “Estadão”, falou que o PSDB convive com o Primeiro Comando da Capital (PCC), mas, pelo que eu sei, quem faz reuniões com o PCC são gente do PT, como foi comprovado. Quem formou a maior quadrilha do Brasil foi Lula, chamando para sua perto de si Paulo Maluf, José Sarney, Fernando Collor, etc. Do mesmo modo o governo do PT faz vistas grossas nas fronteiras do País, principalmente com os países dos cumpanheiros Evo, Maduro, etc., para que eles possam exportar para o Brasil armas e drogas. Padilha promete fazer em São Paulo, em quatro anos, o que o governo do PSDB não fez em 20 anos. Se for com a velocidade petista, vão demorar uns 56 anos, senão vejamos: sobre o trem-bala, Lula disse em 2008 que seria feito até a Copa de 2014. Já estamos em agosto de 2014 e, até agora, nem o projeto está pronto. A obra da transposição do Rio São Francisco já tem mais de dez anos, e estão sempre adiando o seu fim, mas, também para não fugir do esquema, teve seu custo aumentado em R$ 10 bilhões. Também iriam asfaltar as estradas, mas demonstraram que não sabem fazer. E por aí vai. E Padilha também diz que vai resolver o problema do Sistema Cantareira. Talvez espera fazer convênio com São Pedro, porque, se forem obras, vamos morrer de sede.
 
Delcio da Silva delcio796@terra.com.br  
Taubaté

*
ALEXANDRE PADILHA
 
Há um consenso quase que geral de que a passagem do candidato a governador de São Paulo Alexandre Padilha pelo Ministério da Saúde deixou muito a desejar. Como candidato à governança do nosso Estado, acusa o governo Alckmin de "matar o Cantareira", um despautério sem o menor propósito. Aflora bem em suas palavras ao vento o jeito petista de fazer campanha: sempre acusando adversários. O que queremos é que candidatos mostrem seus programas e o que pretendem fazer com projetos viáveis para melhorar as condições de vida dos paulistas. Acusações menores caem no vazio do palavrório inútil e não levam absolutamente a nada. O nosso atual governador, em esforço elogiável, está fazendo tudo o que é possível para que se evite um horrível racionamento de água, sem dúvida um aborrecimento para todos.
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br  
São Paulo

*
ELEIÇÕES NA TV

O ex-presidente Lula reclamou, chamando de “sacanagem”, que seu pupilo Alexandre Padilha não terá espaço na TV Globo, onde as regras para cobertura são para candidatos com mais de 6% das intenções de votos nas pesquisas eleitorais. Padilha patina em 3%. No entanto, seu pupilo se apresentou quase que diariamente nas TVs brasileiras nos últimos dois anos, como ministro da Saúde, por causa do polêmico Programa Mais Médicos, que parece não ter caído nas graças da população paulista, que abomina o trabalho escravo a que são submetidos os médicos cubanos deste programa. Se somados todos os horários em que Padilha apareceu de graça para se promover, daria dez vezes mais horas que os dois principais candidatos terão em três meses de campanha na TV. Parece que Lula reclama mais por seu grande ego. Deve se perguntar: “Espelho, espelho meu. Por que não consigo mais emplacar um pupilo meu?”. Haddad tem a resposta.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
‘SACANAGENS’ TELEVISIVAS
 
Lula parece a personagem da atriz Mara Manzan na novela “O Clone”, que frequentava o popular Piscinão de Ramos no Rio e que popularizou o bordão “cada mergulho é um flash”. Com efeito, dadas as suas milhões de incoerências sempre que abre a boca, Lula é merecedor de todos os "flashes" da mídia. A última da série foi ele classificar como “sacanagem” a não inclusão, pela Rede Globo, de seu novo poste Alexandre Padilha, candidato ao governo paulista, nos telejornais. Ora, o País é livre e a emissora idem (ainda); tem seus critérios e é direito seu excluir do noticiário nomes marginais,  sem densidade eleitoral mínima. Mas, a propósito, e de carona na fala de Lula, também vou dizer que foi  “sacanagem” a emissora pôr uma pedra sobre o rumoroso caso Rosegate, parecendo tê-lo esquecido. “Sacanagem”, também, ter excluído dos telejornais a estranha ausência de Lula e de Dilma nos jogos da Copa do Mundo, evento pelo qual o "ex" tanto se empenhou. Também “sacanagem” o fato de pouco  ou nada a emissora dizer sobre as suas viagens  patrocinadas por empreiteiras ou não dar nenhum destaque à vertiginosa ascensão patrimonial sua e de sua família desde que chegou ao Planalto. Tamanha emergência que elevou Lula à condição de "elite" mereceria uma cobertura adequada. Outra “sacanagem” foi a referida rede ter dado pouco destaque aos lastimáveis acontecimentos na Venezuela do irmão de fé Nicolas Maduro, evitando estabelecer um link entre os dois governos e o apoio que ambos se dão mutuamente. Recentemente aquela TV pouco falou sobre a cessão da Granja do Torto, residência oficial da Presidência da República, ao ditador de Cuba Raul Castro e comitiva. Por que tamanha deferência do governo petista a um ditador comunista? Será que a Rede Globo concorda com isso? E, por falar no tirano caribenho, todos gostaríamos de ver um "Globo Repórter" sobre a principal obra do desgoverno Dilma: o Porto de Mariel, em Cuba. Fica a sugestão aos responsáveis pela grade de programação da emissora.  
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com    
São Paulo

*
AGRESSIVIDADE

Já notaram como Lula está ficando agressivo? Depois de exigir a demissão da analista do Banco Santander que "não entende p... nenhuma de Brasil", segundo Lula, ele agora diz que a TV Globo faz "sacanagem" no “Jornal Nacional”. A verdade é que por 12 anos ele preservou a reforma estética que Duda Mendonça operou para criar o “Lulinha paz e amor”, mas na verdade era um lobo em pele de cordeiro. Agora ele já está uivando. Bom sinal, ninguém tem o faro político tão aguçado como ele. A mudança está próxima.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br
São Paulo

*
MENSALÃO

Demorou um pouco, mas aconteceu o esperado. O ministro do Supremo tribunal Federal (STF) Luiz Roberto Barroso, o mesmo do "ponto fora da curva", curvou-se ao ponto e liberou o petralha José Genoino a cumprir os 4 anos e 8 meses restantes da pena aplicada em sua casa. "Errando é que se aprende a errar", lembrando o saudoso Millor.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br 
São Paulo

*
CHURRASQUINHO

Conhecido jornalista e blogueiro afirma que a progressão para regime domiciliar concedida a José Genoíno deve ser comemorada, porém com moderação. Concordo. Mas que vai ter um churrasquinho, ah, isso vai ter!

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com  
Avanhandava

*
GENOINO E A JURISPRUDÊNCIA
 
A decisão do ministro Luís Roberto Barroso, possibilitando o cumprimento da pena de José Genoino em sua residência, sem dúvida, irá repercutir, e muito, em casos similares, formando, pois, jurisprudência a ser usada pelos advogados com réus nas mesmas situações. E nem bem se aposentou o ministro Joaquim Barbosa e já estamos a ver decisões esquisitas no STF, com tendência de que outras mais surjam em prestígio aos petistas do mensalão. E é bom que se relembre que uma Corte é respeitada pelas suas decisões justas, e não justificadas por motivos políticos ou de gratidão, o que significa que seus membros devem ter o devido e necessário nível cultural, moral e ético. Quando o Poder Judiciário não propicia mais credibilidade, significa que o regime em vigor precisa sofrer um choque que se poderia chamar de renovação ética de valores.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
DE VOLTA PARA CASA

Hoje José Genoino deve estar cantando aquela música: “Estou de volta pro meu aconchego”.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
APERITIVO

A concessão do regime domiciliar a Genoino não é nada. Vocês vão ver após as eleições!

Artur Topgian topgian.advogados@terra.com.br 
São Paulo

*
‘PARANOIA DOGMÁTICA’

Não fosse pelo conteúdo, é sempre um prazer ler o dr. José Renato Nalini, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (“Estadão”, 8/8, A2). O texto impecável me recorda o tempo em que meu pai me orientava ler os editoriais do “Estadão” para melhorar vocabulário e estrutura gramatical. O texto de nosso admirável presidente do Tribunal de Justiça, além expor um problema crasso da Justiça de forma clara num texto elegante, com um português de causar inveja, elenca uma solução corajosa própria das grandes cabeças que este país precisa conhecer e honrar.

Paulo Bedê Miranda paulobede@hotmail.com 
São Paulo 

*
PRESSÃO SOBRE O TCU

Que democracia é esta em que o advogado-geral da União vai de gabinete em gabinete pressionar os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU), além de fazer uma defesa oral para que Graça Foster, a presidente da Petrobrás, não tenha os seus bens colocados em indisponibilidade? Que democracia é esta em que os advogados da Petrobrás atuam em defesa dos ex-diretores da empresa na acusação de que causaram enormes prejuízos a ela, por má gestão, no exercício de suas funções? Será que à vista de tantos atentados contra a estatal, perpetrados pelo atual governo, podemos chamar de democracia o que temos em nosso país? 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com  
Rio de Janeiro  

*
PAÍS DA IMPUNIDADE

Em qualquer republiqueta que se preze, o presidente do País, do Congresso Nacional, da empresa privada, da empresa estatal ou da sociedade civil ou limitada é o responsável legal por todos os atos acontecidos na instituição que preside, quer ele tenha participação direta ou não naquele ato específico. No Brasil, não mais. Aqui, o presidente de uma estatal é blindado para não responder por seus atos, o presidente do País sempre foi o que menos assumiu responsabilidades pela sua administração. O presidente Lula, nunca soube de nada quando questionado pelos inúmeros malfeitos da sua administração. Dona Dilma especializou-se em jogar a culpa em relatórios falhos elaborados por diretores também falhos ou em deputados e senadores do Congresso Nacional. Aqui, até o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que foi quem escolheu a comissão técnica que falhou estrepitosamente na Copa do Mundo disputada no “país do futebol”, ainda tem o direito de indicar uma nova comissão técnica e sair totalmente impune da maior vergonha do futebol brasileiro de todos os tempos. No Brasil de hoje, ninguém é responsável por seus atos. De black blocs e criminosos comuns até o presidente da República, podem fazer o mal que fizerem, causar o prejuízo que causarem, que não serão culpados, nem presos, nem multados e muito menos demitidos. Não há como haver progresso e desenvolvimento numa sociedade com tamanha impunidade.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
O REFIS DOS CLUBES DE FUTEBOL

Indignação é uma forma de se expressar quanto ao dito Refis dos clubes de futebol deste país – que permitirá o parcelamento das dívidas dessas agremiações. Vejamos, por exemplo, o caso de um só, que teve diretores denunciados por apropriação  indevida de impostos devidos (um até é candidato a deputado), ganhou um estádio de presente enquanto contratava jogador com oferta de R$ 350 mil por mês (fora os que já lá estão ganhando  igual ou mais) e ainda se acha no direito de parcelar dívidas  para com o Estado.

José Roberto Palma palmapai@ig.com.br
São Paulo

*
RAZÃO SOCIAL

São tantas as benesses para os clubes de futebol, no que se refere a impostos, que nós pagamos ou somos considerados inadimplentes, que até estou pensando em mudar meu nome para Silvio Leis Futebol Clube.

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com 
São Paulo
 
 *
HORÁRIO NOBRE
 
O promotor de Justiça Marcelo Milani apura eventual dano econômico com a extensão do horário de funcionamento do Metrô  e da CPTM em dias de  jogo na Arena Corinthians, em São Paulo. Para o Ministério Público Estadual, o clube deve pagar pelo uso do Metrô em horário estendido. Como os jogos precisam iniciar às 22 horas, por imposição da Rede Globo, em razão da novela do horário nobre, seria mais justo que a emissora pagasse a diferença.
 
Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net
São Paulo 

*
DECISÃO POLÊMICA

A decisão do promotor Marcelo Milani é no mínimo tendenciosa e, por que não dizer, também absurda. O que pesou deve ter sido a rivalidade de torcida. No triângulo da questão, Corinthians, TV Globo e Metrô, o mencionado promotor quer punir justamente o gerador das receitas, para beneficiar a TV Globo e o Metrô, que tem por obrigação oferecer o transporte público, que já é pago pelo usuário. O grande “aproveitador” desse imbróglio continua sendo a TV Globo, que “obriga” um jogo de futebol ter o seu início às 22 horas, o que na melhor das hipóteses vai terminar por volta da meia-noite. Tem cabimento? Será que é tão difícil mudar a grade das novelas no dia de jogo? Esses jogos deveriam iniciar entre 20 horas e 21 horas, no máximo. Não é o mais lógico? Além que punir o Corinthians, estará punindo inúmeros trabalhadores que pagam caro para assistir a um jogo e, no dia seguinte, pela manhã, precisam sair para o trabalho. É ou não é lamentável?
 
Luiz Dias lfd.sulva@2me.com.br 
São Paulo

*
CASO POSTALIS

O que motivou o fundo de pensão dos funcionários dos Correios a comprar R$ 200 milhões de títulos da dívida Argentina? Deve ter sido uma orientação do Planalto para ajudar a “cumpanheira” Cristina Kirchner. O procedimento é muito estranho pois a melhor taxa de rendimento do mundo é a do Brasil, e agora vamos amargar a espera de anos e anos para receber este dinheiro, se o recebermos?

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br 
São Paulo

*
LIDERANÇA NEGLIGENCIADA

O Brasil cedeu sua natural liderança no Mercosul para a Argentina por objetivo ideológico incompreensível (8/8, A3) e sem contrapartida. Com o PT, o Brasil cedeu parcela de seu comércio exterior à Ásia: nos últimos anos, na Argentina é muito mais fácil conseguir licença de importação para comprar da China e da Índia do que do Brasil – fato este comprovado pelas estatísticas da alfândega argentina e, ainda, por depoimentos de ex-importadores argentinos de produtos brasileiros; causando, assim, mais perdas para a economia do País. Além disso, o governo petista privilegia a inserção do Brasil em ditaduras cruéis e falidas, como Cuba e Venezuela, e negligencia a inserção do País em zonas mais pujantes, como a União Europeia, que ofereceriam resultados econômicos ao País e à população trabalhadora. Nesse quadro, só falta o Brasil pagar a dívida externa argentina, sem contrapartida, só para apoiar a presidente peronista “muy amiga”. Enquanto isso, os países sul-americanos do Pacífico pleiteiam, na prática, a liderança econômica do continente negligenciada pela diplomacia inepta, tendenciosa e custosa do PT. 

Suely Mandelbaum, suely.m@terra.com.br 
São Paulo

*
O ‘ANÃO’ ATACA OUTRA VEZ

O mundo civilizado puniu a Rússia pela participação na derrubada de um avião civil na Ucrânia, com centenas de mortes. O Brasil, em festa, comemora porque vai aumentar as exportações para a Rússia, no embalo da punição imposta por Europa e Estados Unidos ao país de Vladimir Putin. Realmente, a diplomacia brasileira alcançou o seu ponto mais baixo, vira as costas para nossos grandes aliados históricos e apoia qualquer regime criminoso que apareça. “Anão diplomático” é pouco para tratar um país que trai alegremente seus aliados e joga no lixo séculos de parcerias. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
O AVANÇO DE PUTIN

É preocupante ver um ex-agente da KGB governando a Rússia com mão de ferro e ainda tentar confrontar os EUA e a Europa. Uma amostra do que é capaz está primeiramente na anexação da Criméia, território ucraniano, e na morte de 298 passageiros no acidente do avião da Malaysia Airlines, que mandou derrubar em terras ucranianas, logo depois que os EUA impuseram sanções econômicas à Rússia. Não importa se é um anão político que vive fazendo ameaças até ao seu povo. O problema são as possíveis consequências trágicas que podem ocorrer para o mundo, pela exclusiva ação deste maluco Putin. Se a Rússia não tem fortes aliados, que se resumem hoje a uma Síria devastada pela guerra civil, o Irã e mais alguns gatos pingados, neste momento Putin procura aliar-se à arrojada China, que tem quase 20% da população mundial. E, pelo recente noticiário, além das sanções impostas pelos EUA e pela Europa, que se avolumam contra a Rússia, Putin ameaça fechar o espaço aéreo entre a Europa e a Ásia. E, como nada vai ficar sem resposta neste contencioso que infelizmente se forma, uma contrapartida vem da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a Otan, que anuncia suspensão da cooperação com a Rússia e expansão com a Ucrânia, hoje inimiga do país de Putin. E, dependendo do que mais de ruim esse amigo dos atuais alojados no Planalto resolver fazer, desafiando principalmente a nação de Barack Obama, um novo Hitler, na pele de Vladimir Putin, pode provocar um conflito mundial, como aconteceu no início e em meados do século passado.
    
Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.coam
São Carlos

*
IRAQUE

Barack Obama autoriza ataque no Iraque a perseguidores de cristãos e “infiéis”. Será desproporcional? Chamaremos o embaixador?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br  
São Paulo

*
TERRORISTAS E FANÁTICOS

Pela lógica dos tempos atuais, com tantos seres humanos inteligentíssimos que acham que Israel deve aceitar ataques do Hamas e não se defender, é muito natural que irão condenar o ataque dos EUA à tribo no Iraque onde se estão matando todos os cristãos e todos os “infiéis”. Lutamos muito e oceanos de sangue foram derramados em nome da liberdade para que o planeta, em breve, seja dominado por terroristas e fanáticos?
 
Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br 
São Paulo

*
CONFLITO ISRAELO-PALESTINO

Como Israel vive em território insignificante com mais de 20% de árabes, afirmam que ele tem pretensões expansionistas. No entanto, saiu unilateralmente da Faixa de Gaza e, em troca, recebe milhares de foguetes. Também alegam que Israel não aceita as determinações da ONU. No entanto, em 1948, quando a mesma ONU determinou a criação de dois Estados (Israel e Palestina), foram os palestinos convencidos pelas lideranças árabes a não aceitarem, pois destruiriam Israel. Parece que essas informações não interessam a certos grupos políticos.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
CRISE DE LIDERANÇAS

Nenhum dos mandatários do lado israelense ou palestino tem estatura para levar adiante uma solução duradoura para o conflito entre israelenses e palestinos. Essa discussão é papel central das Nações Unidas, única e legítima representante dos países com poder de mando e obrigação de fazer entre as partes beligerantes.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br 
São Paulo

*
PAZ

Paz em Gaza! Por Deus, Jeová e Alá. Amém.

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
CANTEIRO DE OBRAS
 
A cidade do Rio de Janeiro transformou-se num canteiro de obras. Desde o período da Copa do Mundo de futebol o excesso de buracos, máquinas, guindastes, barulhos de motores, sirenes, vazamentos e tremores intermináveis enervam a população e causam um efeito contrário ao que esperam os políticos: mostrarem serviço. Já na época da ditadura, no governo Geisel, o então presidente preocupava-se com a construção do metrô carioca e ordenara que andassem rápido com as obras porque elas irritavam o povo. Parece que os políticos não percebem os transtornos que estes trabalhos causam no cotidiano da população, no inferno que se transforma a combinação dos problemas da mobilidade urbana com as obras espalhadas por todo o município e que transbordam para as regiões vizinhas. Sabe-se que a infraestrutura é importante, porém a falta de equilíbrio no cronograma de trabalho causa a bagunça generalizada que se propaga por todo o território municipal. Os fatos sugerem que o prefeito Eduardo Paes esteja com complexo de seu antecessor Pereira Passos, que transformou o Rio numa Paris no período 1902-1906.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro

*
OBRAS PARA O FUTURO

Nestes tempos de turbilhão que estamos vivendo, chamam a atenção as grandes modificações urbanas por que passam setores da cidade do Rio de Janeiro. Independentemente de eventual ou não, de transparência de gestão e eficácia que ditas obras produzirão na chamada mobilidade urbana, o fato é que a Cidade Maravilhosa não será a mesma daqui em diante. Somente os historiadores do futuro terão condições de fazer as avaliações corretas do acerto dessas alterações urbanísticas que estamos testemunhando. 

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com 
Rio de Janeiro

*
MAU SERVIÇO EM SÃO PAULO

Gostaria de protestar contra o serviço de poda de árvores da Prefeitura Municipal de São Paulo (PMSP). Liguei para os responsáveis na Prefeitura em 1/7/2014 e deram-me o prazo de 30 dias para fazerem a pode dos galhos de uma árvore que está ameaçando a fiação elétrica numa rua aqui, em Pinheiros, na zona oeste paulistana. Esperei pacientemente o prazo dado, e nada aconteceu. Ninguém apareceu. Já se passaram praticamente 40 dias e nada foi feito. Lamentável. Pagamos um alto IPTU e recebemos esse tipo de conduta em troca.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
NOVOS MUNICÍPIOS

Tutty Humor de ontem (“Milagre da multiplicação”, 8/8, C4) indicou que o Senado aprovou a criação de 200 municípios brasileiros. É verdade? Se for, como isso é possível, se, além do custo adicional detalhadamente explicado no artigo e que sairá do bolso dos brasileiros, que já pagam um imposto altíssimo sem retorno de serviço, contribuirá para os desvios ilícitos? A legislação tem de mudar, antes que o Estado decrete falência. Nas empresas privadas ou com capital aberto, a falta de lucratividade, caso do Brasil, implica a redução das despesas mediante várias medidas, e uma delas é a demissão do excedente de funcionários. E não o aumento de despesas, como o Senado aprovou.

Livio Mario S. Piraino pira1@uol.com.br 
São Paulo

*
SURREALISMO 

A Itália é realmente um país surreal. Dá para compreender que o ex-comandante do transatlântico Costa Concordia, Francesco Schettino, após ser protagonista comprovado de atitudes inadmissíveis por parte de quem exerce comando no mar, como a ausência do passadiço durante navegação em águas restritas e abandono do navio em meio a situação de emergência, das quais resultaram a morte de 32 passageiros, além de responder, por esses e outros atos, a processo criminal na Justiça de seu país, pode-se entender que seja ele convidado por um professor da afamada Università Sapienza di Roma para ministrar palestra sobre o tema "gestão de pânico e crise"? Não admira, pois, que, apesar da importante e fundamental contribuição do país para o desenvolvimento das artes e das ciências no mundo ocidental, a Itália tenha sido alvo muitas vezes de observações jocosas sobre a sua atuação nas duas guerras mundiais, durante as quais os seus aliados em ambas as ocasiões perderam a confiança na capacidade italiana de combater, nos momentos mais críticos dos desdobramentos estratégicos, com consequências muitas vezes desastrosas. Por outro lado, o inusitado convite torna irresistível a comparação com um certo país da América Latina, de enorme extensão territorial, situado abaixo do Equador. Qualquer cidadão brasileiro que teve a oportunidade de conhecer outros povos não hesitará  em afirmar que, de todos, o mais parecido com o brasileiro é o italiano. Brasil e Itália são, na verdade, dois exemplos emblemáticos de países e povos surreais.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com
Rio de Janeiro

*
TEMPLO DE SALOMÃO

O Ministério Público Estadual (MPE) recomendou à Prefeitura de São Paulo o fechamento do Templo de Salomão. Até parece que eles não sabem quem é o dono de tudo aquilo. Na dúvida, perguntem à presidente Dilma e ao governador Geraldo Alckmin. Eles estiveram na inauguração do magnífico templo, construído com recursos obtidos e provenientes da famosa sacolinha (sabe aquela história: quem tem põe e quem não tem põe também?). Amém!

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
IMPOSTOS DAS IGREJAS

Olhando aquele suntuoso Templo de Salomão, segundo Edir Macedo com a entrada de mais de 1,8 milhão de fiéis ali, por que não cobrar impostos das igrejas? Será bem-vindo para as Santas Casas e os hospitais filantrópicos. As igrejas podem dividir essa grana com os políticos e também fazer boas ações – e ainda sobra muito. Está mais do que na hora de tomar providências. As loterias distribuem verbas para Ministério da Cultura, do Esporte, o Comitê Olímpico, Paraolímpico, para o Fies, o Fundo Penitenciário e a Receita Federal, então por que não destinar parte desse dinheiro para os hospitais filantrópicos?

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br 
São Paulo

*
ALVARÁ ERRADO

É impossível acreditar que durante a construção do discreto templo, não foi percebido pela fiscalização da Prefeitura de São Paulo que o alvará de que dispunha a construção era de reforma. Tem muita gente com a mão molhada. Não é, Aref gente fina?

Emerson Luiz Cury emersoncury@gmail.com 
Itu   

*
PARA  LEMBRAR
 
Eis o que acontece quando um empresário sério não recorre ao uso da propina e da fé: o Shopping JK, pronto para inaugurar com 240 lojas, 22 grifes internacionais que não existiam no Brasil, 3.600 funcionários diretos, a postos, recebendo seu salário,  média de faturamento diário previsto por loja entre R$ 30 mil e R$ 50 mil, fora duas grandes datas, Dia dos Namorados e Dia das Mães. Empreendimento estimado em  R$ 1 bilhão, R$ 100 milhões em obras de contrapartida; viadutos, ciclovias, passarelas,   novos acessos viários na Marginal Pinheiros e algo mais, e parte das obras não ficou pronta pelo fato de a mesma Prefeitura, que deveria dar o habite-se, ter demorado em conceder as licenças, mesmo com o aporte  de R$ 50 milhões para tal finalidade. Resultado, foram 60 dias de incêndio e nem os bombeiros apareceram, tudo porque Walter Torre não sabia rezar e não convidou para o seu templo Dilma e seus “cumpanheiros”
 
Eduardo Vieira de Mello eduardo.vario@gmail.com
Barueri

*
ATO POLÍTICO

Tantas autoridades reunidas na inauguração do Templo de Salomão que penso se foi um ato político ou religioso. Ainda não consegui saber. Na verdade, uma vergonha num país onde as Santas Casas fecham e onde a corrupção, inclusive nas igrejas, é enorme. Estamos, sim, num beco sem saída.
 
Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br 
São Paulo

*
POMPA E EXIBICIONISMO
                                                    
Assisti pela televisão à inauguração do Templo de Salomão. Quanta pompa! As mais importantes autoridades do País lá estavam. Quanto exibicionismo! Será que aquele que pregava ao relento e que é o nosso maior exemplo de humildade   estava no suntuoso templo? Pelo que vi no noticiário, os modestos ficaram para depois. São os servos fiéis, que levam os frutos para a edificação de  templos  luxuosos.  

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br 
Taquari (DF)

*
O FIM DAS MATERNIDADES

Meus filhos nasceram na Maternidade São Paulo, que era uma das melhores da cidade. Tinha história, era um hospital-escola não só em obstetrícia para médicos, mas atendia também profissionais de outras áreas. Era um lugar maravilhoso, tinha um pátio enorme e um magnífico jardim. Sua arquitetura era imponente sem ter nada de luxuoso, como tantas maternidades que existem por aí e que estão na moda. Chega a parecer que as jovens mamães estão indo buscar seus filhos num shopping. A cidade mudou muito desde o nascimento de meus filhos, hoje já adultos. Tínhamos segurança para andar nas ruas e era muito prazeroso caminhar empurrando um carrinho de bebê nas calçadas e praças da cidade. Hoje está tudo mudado, não há mais contato humano pelas ruas, pois tudo o que se vê são pessoas caminhando, lanchando, telefonando ou brincando com seus celulares e nem olham mais para os lados para ver o rosto das pessoas. Todos são estranhos entre si, até mesmo os amigos que andam juntos, cada um com seu brinquedo à mão. A violência tomou conta de São Paulo e hoje se matam pessoas de todas as idades, nas ruas ou invadindo as residências, pelo simples prazer de matar. Todo mundo mata, motoristas embriagados matam, bandidos matam, polícia mata, governo mata ou manda matar. Está difícil de viver e tornou-se fácil morrer. No entanto, o que mais me preocupa é que está ficando e vai ficar cada dia que passa mais difícil de nascer. A Maternidade de São Paulo, criada para abrigar a mãe pobre, está fechada creio que há uns 30 anos, por dar prejuízo. Ora, se era para atender a mãe pobre... Dias atrás correu a notícia de que a maternidade do Hospital Santa Catarina, uma referência hospitalar, também estará sendo fechada. O Hospital Stella Maris, em Guarulhos, outro hospital de referência, também está fechando. E não são só esses, muitos outros hospitais estão deixando de atender as futuras mamães, porque fazer um parto dá prejuízo, ao contrário das clínicas que existem por aí e que fazem abortos. Matar dá lucro! O negócio é voltar para os séculos passados e as mamães terem seus filhos em casa e, em vez de pelas mãos de um obstetra, pelas mãos das parteiras. 

Ivan Jubert Guimarães ivanjug@uol.com.br 
São Paulo

*
APRENDER A POUPAR

Ótima a matéria “Jovens brasileiros não passam de ano no ‘vestibular’ da educação financeira”, publicada pelo “Estadão” no dia 7/8. Infelizmente, a maioria dos brasileiros não é educada para poupar – somos incentivados a ganhar mais e a gastar cada vez mais, sem nos preocuparmos em fazer reservas para formar o patrimônio futuro. A minha experiência como empreendedor me mostrou que o indivíduo somente irá prosperar se aprender a poupar. Descobri que o dinheiro trata bem quem trata bem o dinheiro. Isso requer determinação, disciplina e autocontrole. Quanto mais cedo a educação financeira entrar na vida do jovem, mais chances ele terá de se tornar próspero. Em condição ideal, essa é uma prática que deveria ser passada de pai para filho.

Carlos Wizard Martins Carlos@sforza.com.br
Campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.