Fórum dos Leitores

CAMPANHA ELEITORAL

O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2014 | 02h04

Dilma e a Petrobrás

Dilma Rousseff repudia que se use a Petrobrás como "arma política" em véspera de eleição. O.k., isso, sem dúvida, parece ser uma coisa muito feia. Vamos agora refrescar a memória da "presidenta"? Em 2010 ela passou boa parte da campanha afirmando que seu oponente, José Serra, queria entregar o "bilhete premiado" do pré-sal aos estrangeiros, o que não era e nunca foi verdade. Mas o que importa, não é mesmo? Afinal, segundo Dilma, em campanha eleitoral pode-se fazer "o diabo" pela vitória. Em 2006 Lula, o dono do PT, bradava aos quatro ventos que o adversário Geraldo Alckmin queria porque queria privatizar a Petrobrás se chegasse ao Palácio do Planalto, outra acusação sem cabimento. Mas a estratégia deu certo e o petista conseguiu se reeleger. Não há registros de Dilma repudiando sua própria campanha e a de seu criador por causa dessas histórias. De resto, atualmente ninguém vem usando a Petrobrás como "arma política". Ao contrário, o que está sendo dito por aí passa longe de ser mera ficção - qualquer pessoa minimamente bem informada sabe, por exemplo, que durante o governo do PT a Petrobrás despencou da 12.ª para a 120.ª posição na lista de empresas de maior valor de mercado do mundo. Enfim, dizer verdades sobre a delicada situação que a empresa atravessa não é o mesmo que usá-la como arma eleitoral.

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

A promessa do pré-sal

Quem não se lembra da promessa de campanha de Dilma nas eleições de 2010? Há exatos quatro anos ela prometeu que a riqueza do pré-sal não ficaria com a oposição, pois repetia incansavelmente que era um cheque destinado ao povo. Todavia o povo nunca viu esse cheque e só o que vimos foram as fraudes e os roubos na Petrobrás que resultaram em prejuízos exorbitantes para os brasileiros, enganados a investir bilhões do FGTS na compra de ações, que se foram desvalorizando. Agora, como já está perto das eleições, percebo que Dilma perdeu a vergonha e voltou a fazer promessas que envolvem o pré-sal. Será que ela pensa que o povo é trouxa e vai cair nessa mentira de novo? Uma vergonha!

DANIEL DE JESUS GONÇALVES

al_amachado@yahoo.com.br

Paranavaí (PR)

Tentando justificar

É inacreditável a infantilidade da presidente e de seu partido, o PT: ao tentarem justificar suas falhas e desonestidades sempre apontam o dedo para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o PSDB, que deixaram o poder federal há 12 anos! Agora foi em relação ao escândalo da Petrobrás, quando sua atual presidente e um de seus ex-diretores transferiram parte de seus bens para os filhos ao verem o barco fazer água. Na tentativa de desviar as atenções, Dilma tentou requentar o caso da plataforma naufragada em 2001 por falhas operacionais ou estruturais, esquecendo que há uma grande diferença entre os dois eventos: no caso de Pasadena está difícil, se não impossível, explicar por que tal aquisição envolveu tanto dinheiro da companhia, enquanto no outro episódio ninguém ficou mais rico com o acidente. Ah, não nos esqueçamos de que Fernando Henrique nunca fez parte e muito menos foi presidente do Conselho de Administração da Petrobrás.

HELEO POHLMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

Quantas plataformas?!

Como sempre, Dilma - assim como os lulopetistas - quer se defender atacando. Seja a imprensa, seja a oposição, seja Fernando Henrique Cardoso. Agora, em vez de esclarecer a confusão Graça Foster-Nestor Cerveró-Petrobrás, ataca Fernando Henrique por causa do afundamento da plataforma P-36, em 2001, que "custava R$ 1,5 bilhão". Pois bem, não é preciso nem ser alfabetizado para saber que o ex-presidente não pôs a mão para afundar a tal plataforma. No entanto, no afundamento atual da empresa Petrobrás (assim como da Eletrobrás) certamente os seus dirigentes e o governo federal são os responsáveis. O valor da Petrobrás caiu neste governo mais de R$ 150 bilhões, o endividamento da companhia multiplicou-se, a compra da refinaria de Pasadena deixou um prejuízo de quase R$ 2 bilhões e a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, teve o seu custo multiplicado por quase dez. Tudo isso na má gestão em que esteve e está envolvida a atual presidente da República. Valor de quantas plataformas, hein, "chefa"?

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@hotmail.com

Cunha

De afundamentos

Será que na ideia desconexa da presidente o afundamento de uma plataforma da Petrobrás, só porque ocorreu no mandato de FHC, é mais importante do que o afundamento do País, que ela está proporcionando?

SEBASTIÃO HETEM

sebahetem@ig.com.br

Taiuva

Transposição de novo...

Acompanhada do seu criador, a presidenta Dilma Rousseff esteve mais uma vez no Nordeste prometendo - de novo (!) - a transposição das águas do Rio São Francisco. É só chegarem as eleições que isso acontece. Questionada sobre o porquê do atraso das obras, respondeu com a seguinte pérola: "Só atrasa obras quem faz, quem não faz não atrasa". Ué, se a obra está atrasada, não está feita, logo, não fez. Para tentar consertar disparou: "O meu governo não terminou esta obra porque a recebemos do governo anterior sem nenhum projeto de engenharia". Esqueceu-se de que o governo anterior foi o do seu criador, Lula? E agora, como ela vai explicar o atraso e os bilhões que evaporaram em obras sem projetos de engenharia? Além disso, Dilma aproveitou a plateia dócil para defender a sua protegida Graça Foster, presidenta da Petrobrás. Aí, sim, perdeu totalmente a graça!

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

A coitadinha

A maior prova da irresponsabilidade do PT é o fato de que está há 12 anos no poder e ainda culpa FHC pelo atraso das obras que não consegue concluir. A autocomiseração, isto é, o ato de os petistas se considerarem inculpáveis, é a grande arte dos incompetentes, tal como Dilma, a coitadinha, faz ao tentar justificar os retardamentos das grandes construções e a espantosa corrupção que há nelas.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Datação

Segundo o governo de Dilma, os problemas dos 12 anos do PT no poder remontam a 1931. Ano de nascimento de FHC.

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

CAMPANHA EM CRISE

A crise na coordenação da campanha de Marina Silva à Presidência da República começou mais cedo do que se esperava. A acusação dos coordenadores demissionários é de que a candidata tenta tomar conta do partido (PSB). O tempo vai dizer se eles ou ela estão com a razão. E qual será a repercussão na militância partidária, levando em consideração as duas tendências principais, do PSB e da Rede de Sustentabilidade.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
O PREÇO A PAGAR

Não se justifica a tensão criada entre o PSB e a candidata à Presidência Marina Silva. O objetivo principal de uma aliança partidária é pura e simplesmente a ascensão ao poder do candidato principal, e é em razão dele que a aliança deve agir.  A escolha de Marina como candidata tem um preço e o PSB terá de pagá-lo, goste ou não.

Luciano Harary lharary@hotmail.com 
São Paulo

*
MARINA E O PSB

Não seria este o momento de Marina Silva fazer uma autorreflexão, avaliando suas próprias ideias e procurando entender que existe a necessidade de elas se encaixarem naquelas que foram explicitadas no programa do partido que a recebeu? Por mais que Marina se considere maior que o PSB, se não fosse esse partido, ela hoje não seria candidata a nada, e a opção honesta para quem não aceita cumprir rigorosamente o que estava definido no acordo inicial que a levou a aceitar concorrer como candidata a vice-presidente é renunciar à sua candidatura. E esse cumprimento rigoroso de tudo o que está incluído no programa do PSB deve ser religiosamente feito até o fim do eventual mandato de presidente da República, que a religiosa Marina poderá obter nas urnas, sem quaisquer mudanças de cunho pessoal ou ideológico.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro 

*
PARTIDO DE UM LIDER SÓ

Ninguém percebeu, mas a sigla do PSB foi a óbito juntamente com os ocupantes do jatinho PR- AFA.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
MARINEIROS DE CARTEIRINHA

O ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, acerta quando afirma que haverá segundo turno com Marina Silva. Esquece apenas de dizer que no final vai dar Marina, uma vez que os votos de Aécio Neves serão todos carreados para Marina. Os eleitores do PSDB votam no PSB e suas coligações, mas jamais votariam no PT e suas coligações. Vale dizer ainda que, acontecendo o acima descrito, o PSDB e suas coligações, junto com o PSB e suas coligações, será a base de sustentação no Congresso Nacional da nova presidente. Quanto ao grande PMDB, rapidamente aderirá ao novo "status quo" político. Basta lhes acenar com eventual Ministério dos Transportes ou algo parecido e rapidamente será Marina "de carteirinha".

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
ELEIÇÕES ESPECIAIS

Concordo com Arnaldo Jabor: “As eleições para presidente não serão ‘normais’ – apenas uma disputa entre dois partidos para ver quem fica com o poder. Não! Trata-se de uma batalha entre democratas e não-democratas”. Faltou lembrar que Marina é petista /não-democrata.
  
Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br
São Paulo

*
DEPOIS DE EDUARDO CAMPOS

Se estava difícil para dois candidatos, agora ficou difícil para três. Então é só eliminarmos o pior no primeiro turno, e aí fica fácil no segundo. 

Cristiano Walter Simon cws@amcham.com.br 
Carapicuíba

*
BOLA DE CRISTAL

Consultando minha bola de cristal visualizo segundo turno para a eleição presidencial entre Aécio e... Marina. Será que minha bola de cristal está certa? Que outubro chegue, trazendo novos ares de esperança para o nosso país.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
CENÁRIO INCERTO

Com a morte prematura e longa do candidato Eduardo Campos, o cronometro da corrida eleitoral foi parcialmente zerado. A aliança de Campos com Marina Silva era tão cheia de contradições que somente um político com sua força e habilidade conseguiria costurar tudo num único cobertor, que agora pode ser retalhado. Com esse cenário e a comoção que sua morte causou é mais fácil acreditar nas previsões de um vidente do que nas avaliações dos experientes consultores políticos do País.

Abel Pires Rodrigues ablrod@terra.com.br 
Rio de Janeiro

*
APOIO PELO BRASIL

A notícia de que o PSDB, em eventual segundo turno entre a ex-senadora Marina Silva e Dilma Rousseff, apoiaria a candidata do PSB seria, na estratégia do tabuleiro político, um meio para justiçar os fins que todos os brasileiros honestos almejam, que é a defenestração desta horda que está transformando o Brasil numa capitania hereditária onde a rapina se institucionalizou. Dentro dos limites legais, tudo deve ser feito para despertarmos deste pesadelo que já dura 12 anos e ameaça durar para sempre.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
MUDANÇA

Segundo turno, sim; segundo mandato, não. Muda, Brasil!

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
PROPAGANDA ELEITORAL

E começou novamente a propaganda eleitoral na TV e no rádio, que só tem nome de gratuita, pois quem paga somos nós, os tolos. O que nos chamou mais a atenção nas propagandas do primeiro dia foi o Partido dos Trabalhadores (PT) usando a campanha de 2010 e, em seguida, a de 2014 pregando mudanças. Se até a propaganda é com propostas do passado, como acreditar que vislumbram um futuro de mudanças? O maior partido do Brasil trata o povo com desrespeito com mentiras e engabelações. Lamentável!
 
Leila E. Leitão
São Paulo

*
DITADO

Dizem que promessa é dívida. Assim sendo, Dilma Rousseff está endividada até o pescoço.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
O MESMO

O sr. Lula da Silva volta a tentar ser o “Lulinha paz e amor”, querendo se afastar do ódio, sua ferramenta predileta. A juventude do Nordeste, que não votou em 2010, no meu entender, está mais atenta às mentiras deslavadas desse senhor, que engana o povo e continua com enorme demagogia, até chorando no funeral de Eduardo Campos, no Recife. No horário político eleitoral, fala de uma Dilma Rousseff “melhor”, então ele reconhece que ela é ruim. Ele só pensa no poder e no PT e se esquece do Brasil. Fora Lula! Fora Dilma! Queremos um Brasil melhor.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br 
São Paulo

*
CABO ELEITORAL

Lula na propaganda eleitoral é o retrato do mitômano por excelência.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com 
São Paulo

*
ESPETÁCULO DEPRIMENTE

Começou o horário eleitoral. Que coisa linda! Produções requintadas, show de efeitos especiais e... uma montanha de dinheiro jogada na lata de lixo. Tão logo os programas foram ao ar, na última terça-feira, vimos a imprensa divulgando dados mostrando que, com a entrada da propaganda política em suas grades de programação, todos os canais de televisão sofreram uma queda abissal nos índices de audiência. É para isso que os partidos, usando a expressão consagrada por Dilma Rousseff, "fazem o diabo" na hora de montar suas coligações? Para conquistar preciosos segundos a mais num horário em que as televisões vão, uma a uma, sendo desligadas Brasil afora? De resto, o que se observa nas peças publicitárias é um espetáculo tosco e deprimente, seja por meio de Paulo Skaf – aquele que aponta a falta de "tesão" para governar como um dos maiores defeitos de Geraldo Alckmin –, seja por meio do interminável programa de Dilma, que ilustra o Brasil como um país tão desenvolvido quanto a Noruega. Voltemos àquele mote da Copa do Mundo: quantos hospitais e escolas poderiam ser construídos com o dinheiro investido em programas multimilionários que não servem para nada, a não ser nos fazer chorar de rir ou de desgosto? A pobreza propositiva das campanhas eleitorais no Brasil é, definitivamente, uma piada macabra. 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br 
Pindamonhangaba

*
A GRANDE VERDADE

O recém iniciado horário político obrigatório, apesar de insólito, serve para ratificar o sentimento latente nos pobres eleitores brasileiros, votantes sem a alternativa da abstenção: o de que a matéria-prima do candidato e, por extensão, do eleito em perspectiva é a mentira. Essa é a grande verdade! 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com
Rio de Janeiro

*
TEATRO

Oposição ou situação, não tenho estômago para aguentar conversa fiada de político, seja ele de qual partido for. Principalmente dos “caciques” já bastante conhecidos de todos nós. Com 73 anos, lembro-me bem da bagunça e bandalheira que protagonizavam até março de 1964. Daí os inevitáveis 21 anos da ditadura militar. Aqueles mesmos políticos e outros, incluindo anarquistas que surgiram depois como pragas na lavoura e urubus na carniça, inconformados com a marginalidade em que estavam e ávidos do poder, dentro e fora do País, se articularam para trazer de volta a “democracia” que não souberam manter. Hoje, com eles no poder há quase 30 anos, pagamos muito mais impostos, e qual é o retorno? Quase nada! As constantes greves mostram o descontentamento dos trabalhadores de todas as categorias. Os aposentados são injustiçados, humilhados e sistematicamente perseguidos pelo governo. Não temos hospitais, médicos, remédios. O ensino é uma porcaria. O aluno é aprovado e diplomado, mesmo analfabeto. A segurança é menos que zero. A Justiça é uma farsa. E o transporte público? As estradas? Ainda assim, na contramão das reais necessidades da população, modernos e inúteis “circos” padrão Fifa foram construídos beneficiando muitos “espertos”. Continuam prevalecendo a irresponsabilidade e o descaso no uso do dinheiro público, mas eles continuam aí, com o cinismo de sempre e a maior cara de pau do mundo, abraçando eleitores nas ruas, pegando no colo e beijando crianças, conquistando ingênuos com suas mentiras, ocupando diariamente, contra a nossa vontade, o horário nobre na televisão e no rádio, mostrando um comportamento que revolta, causa náuseas e vômitos em qualquer um. 

Nilson Martins Altran nilson.altran@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*
HORÁRIO POLÍTICO – VIOLÊNCIA

Os candidatos prometem tanta "luta" que, se o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não tomar providências, a propaganda será episódio de MMA.

A.Fernandes standyball@hotmail.com 
São Paulo

*
O VOTO OBRIGATÓRIO

Que raio de democracia é esta, em que somos obrigados a votar? Se alguém não vota, sofre todos os tipos de consequências. É voto em trânsito, é voto de quem morre no exterior, etc., etc. Então, se for funcionário público, fica sem receber os seus proventos e sofre os maiores dissabores, até que se expresse. Isso é regime ditatorial. Menor de 18 anos pode votar, mas, se cometer algum "delito", comete um ato "infrancional". Se for para a tal de Casa, tem direito à visita íntima e outras regalias, mas aprender alguma coisa de bom, nada. Está na hora de os nossos representantes verdadeiramente democráticos acabarem com esse desrespeito, com esta vergonha.

Arlindo Óscar Araújo Gomes da Costa araujodacosta@gmail.com 
São Paulo

*
POLÍTICOS EM EXERCÍCIO

A melhor definição que eu já vi dos políticos brasileiros em exercício foi a do deputado Tiririca na propaganda eleitoral. Aprofundando na reflexão: vestidos de lordes, eles agem como se vivessem numa corte de um regime monarquista antigo, embora sejam plebeus da linha bandidagem, seus filhos vivem como playboy até os 20 anos e depois vestem um terno e se apresentam como se tivessem sangue azul para serem eleitos e continuarem o legado do pai, garantindo a prole eternamente. Atentem que nas empresas da iniciativa privada, os empresários têm muita dificuldade na sucessão, mas na política a hereditariedade é certa. Foi isso que eles transformaram nossa República e democracia, legislando em causa própria. Quando alguém fura este bloqueio e entra lá, logo se rende a eles como os tais sindicalistas de plantão atualmente, e o povo, cada vez mais escravizado.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com 
São Paulo 

*
A ‘NATUREZA’ SOCIALISTA 
 
Em sua primeira aparição no horário eleitoral, o petista Eduardo Suplicy – recorrente candidato ao Senado por São Paulo – apropriou-se na caradura do slogan “esse cara é do bem”, utilizado por seu hoje rival José Serra na campanha de 2012.  A “desculpa” para o furto seria a de que a divisa teria mais que ver com Suplicy (!), segundo opinião do coordenador de publicidade de sua campanha. Sendo assim... nada mais justo que expropriá-la para servir a uma causa mais “nobre”: a do candidato petista! Essa falta de ética do PT também foi vista em outros episódios. Como todos haverão de se lembrar, o partido de Lula apropriou-se da bandeira do programa Bolsa-Escola, rebatizando-o como Bolsa-Família. Após ofensiva publicitária, seguramente dez em cada dez beneficiários deste programa haverão de ter “certeza” de que foi Lula o autor do programa, que na verdade foi criado por FHC por empenho da então primeira-dama, Ruth Cardoso, e seu Comunidade Solidária. É Joseph Goebbels – famigerado ministro da propaganda do III Reich – fazendo história em Pindorama... Muitos eleitores do PT também aprenderam que a estabilidade macroeconômica conquistada a duras penas no rastro do Plano Real também foi obra de Lula – que, todavia, tudo fez, em 1994, para combatê-lo e difamá-lo.  Lula, aliás – é verdade sabida entre seu eleitorado – “pagou” a dívida externa (!), mesmo que o Banco Central o desminta, informando que tal dívida supera, hoje, a casa dos US$ 330 bilhões.  Há dias, em entrevista ao “Jornal Nacional”, a candidata à reeleição Dilma Rousseff informou-nos, sem corar, que a criação da CGU, realizada em 2001 (também no governo tucano), foi obra de Lula. Há outros episódios semelhantes, mas os citados já bastam. E assim os petralhas  da estrela socialista seguem seu caminho de mentiras e "apropriações" do mérito alheio,  reescrevendo a história e confiscando o que é de outrem. Nada que espante: confiscar o bem alheio é a verdadeira "natureza" de todo bom socialista. Olho vivo!
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*
PASADENA X PLATAFORMA P36

A presidente Dilma Rousseff insiste em querer comparar o acidente do naufrágio da plataforma P36, da Petrobrás, com o desastre da compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobrás. Acidentes acontecem, o prejuízo do naufrágio da plataforma já deve ter sido devidamente ressarcido pelo seguro à Petrobrás, mas não existe seguro que ofereça cobertura de incompetência, de negócio mal feito, de contrato não lido, de dinheiro desviado. Não, presidente Dilma, nenhum seguro vai reembolsar o Brasil do que foi perdido com a sua incompetência. Se quiserem de volta o dinheiro de Pasadena, terão de ir buscar no caixa 2 do PT. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
PELA METADE

A instalação da CPI da Petrobrás do Senado foi em 14/5/2014 e a instalação da CPI mista da Petrobrás na Câmara foi em 28/5/2014. Ambas têm 180 dias de prazo para concluírem os trabalhos de averiguação das safadezas “Petro-petistas” na estatal. Depois de 90 dias das suas instalações, depois de nenhum resultado nítido alcançado e depois de vários depoimentos e seções adiadas, a única conclusão é de que meia pizza já foi concluída...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
IRRESPONSÁVEIS
 
A função do Conselho Administrativo da Petrobrás é recomendar ou não procedimentos na petrolífera. Os conselheiros, para tal, são regiamente remunerados. A compra desastrosa da Refinaria de Pasadena teve o aval do conselho, no entanto só a diretoria da Petrobrás foi penalizada pelo péssimo negócio, e nada respingou nos conselheiros. Pode isso?  Coisas que só acontecem no Brasil...

Humberto Schuwartz hs-soares@uol.com.br   
Vila Velha (ES)

*
CARA DE PAU

Quer dizer que dona Graça Foster, presidente da Petrobrás, doou bens a parentes logo após o estouro do escândalo da compra da Refinaria de Pasadena?  Houvesse seriedade na condução daquela que foi orgulho nacional – a Petrobrás – e/ou fosse empresa privada, dona Graça estaria demitida, no mínimo! E dona Dilma, a amiga, ainda ousa dizer que o governo não interfere nas investigações nem nos órgãos responsáveis por estas? Haja óleo de peroba!

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 
São Caetano do Sul

*
DOAÇÃO DE GRAÇA 

Uma doação tem de ser necessariamente de graça, mas no caso de Graça Foster tem outras conotações. Não pela redundância, mas pela circunstância. A presidente da Petrobrás poderia ter seus bens bloqueados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) se fosse culpada em investigação em curso no tribunal. Assim, a transferência de bens aos filhos, embora legal, parece fato gravíssimo até para o governista Gim Argello. Já o advogado-geral da União, Luis Inácio Adams, não vê problema porque os filhos de Graça não são laranjas. Parece, então, que ela produziu um abacaxi.

José Roberto de Jesus zerobertodejesus@gmail.com 
Capão Bonito

*
ESCAPE

Dona Graça, que coisa mais sem graça a sra. fez, que tanta bondade, doou patrimônio para os filhos para se livrar do que, mesmo?

Jose Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com  
São Paulo

*
MAUS OLHOS

Graça Foster e Nestor Cerveró, presentearam seus imóveis a seus filhos porque era aniversário deles. As pessoas só pensam maldades...

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
NÃO BASTA

A despeito de alguns negócios (43 no total) entre a Petrobrás e a empresa C. Foster, de Colin Vaughan Foster – por coincidência marido de Graça Foster –, a postura dela, desde que assumiu a presidência da empresa, me pareceu correta, inclusive no seu primeiro depoimento no Congresso, quando questionada sobre a compra da Refinaria de Pasadena, disse que é um mau negócio. Teve, na época, a decência de não tentar dourar a pílula. Agora todavia, com a transferência de três imóveis para os filhos e o esposo, mudo radicalmente de opinião. Tentar "salvar" o patrimônio pessoal soa como confissão de culpa no imbróglio Pasadena e sabe-se quantos outros mais. Não basta ser honesto, tem de parecer. 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 
São Paulo

*
ABUTRES

A vizinha Argentina anda às voltas com renegociação da dívida e com os chamados fundos "abutres". Presidente Cristina, a sra. nem imagina o que são abutres. Quer conhecer abutres? Venha para o Brasil, e verás que os que lhe atormenta não são nada, comparados com os daqui.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com   
Rio de Janeiro

*
O CAOS VENEZUELANO

Hospitais venezuelanos pedem socorro pela falta de insumos básicos. Hospitais do Brasil considerados aptos para receber vítimas do Ebola não têm, nem mesmo, os equipamentos de proteção individual e treinamento do pessoal. E eu que pensava que com a vinda dos “médicos de Cuba” a saúde estaria à "beira da perfeição, de novo", e deixaria de ser a preocupação maior da população.
 
Luiz Nusbaum, médico lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
LEI DA ANISTIA

A ministra Nancy, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao decidir a favor do coronel Brilhante Ustra, agiu certo, eis que a Lei de Anistia, como já decidido, vale para os dois lados. Caso contrário, teríamos que condenar os responsáveis pela tortura e morte do capitão Alberto Mendes Júnior, homicídios que vitimaram os policiais-militares Guido Boné, Natalino Amaro Teixeira, Joel Nunes, etc., além de vários outros militares e civis, roubos a bancos, explosões, furtos, etc. Não me venham, portanto, os terroristas de ontem, assumirem a postura de vítimas, até porque no período dos governos militares ou ditadura militar, como preferem alguns, não existiram inocentes.

Eraldo Bartolomeu Cidreira Rebouças real742@yahoo.com.br 
São Paulo

*
HORROR E IMPUNIDADE

Essa semana nosso país ouviu relatos horríveis de vítimas da violência, banditismo e cafajestagem. Mas, acima de tudo, vítimas da vaidade excessiva e certeza da impunidade. Estou falando dos relatos da prisão da jornalista Miriam Leitão, presa grávida durante a ditadura militar, e, agora, os relatos das vítimas do doutor Roger Abdelmassih. O que fica dessas duas situações diferentes é a mesma coisa: a impunidade. Os torturadores de Miriam sabiam que nada ia lhes acontecer. Seriam protegidos pelo sistema e até pela lei. O sr. Roger também tinha plena certeza da impunidade, pois gozava de prestígio e era da alta classe em Assunção, no Paraguai. E ainda tenho dúvidas se o poder Judiciário vai mantê-lo na cadeia para o resto da vida. Essas mulheres tiveram a coragem de denunciar e se expor bravamente diante de todos. Parabéns a elas. Que sirvam de exemplo num país onde todos os dias há casos de horror e iniquidade.
  
André L. O. Coutinho arcouti@uol.com.br 
Campinas

*
DE QUE ATROCIDADES O HOMEM É CAPAZ?

Até onde deixamos de ser humanos? Qual o limite da barbárie que mora em nós? Ignácio de Loyola Brandão, em “De que atrocidades o homem é capaz?” (“Caderno 2”, “Estadão”, 22/8), assombrado com as fotos publicadas do acidente aéreo que vitimou Eduardo Campos e passageiros,  daquele fatídico voo; desprega-se daquelas fotos e voa para “As mulheres do Nazismo”  de Wendy Lower (editora Rocco), e, dessas duas cenas que lhe acodem, confirma a si mesmo, e aos que lhe leram o artigo, a barbárie sórdida, inexplicável, de que se impregna o ser humano. Exemplos desses dois focos, (qualquer um de nós), quer os que me lêem quer o que me ignoram, qualquer tem na imaginação, presente e remota, cenas terrificantes do monstro, do bárbaro, do desapiedado que mora em nós. Diz Sêneca ao discípulo Lucílio: Nunca (ponhamos atenção neste “nunca”) saí a tratar com os homens, que não tornasse pior do que fui. Fui um, voltei pior! “Imo vero et crudelior et inhumanior”, acredite, Lucílio, volto ainda verdadeiramente mais cruel e mais desumano. Não se pudera mais altamente encarecer essa tendência para o cruel, que a massa provoca, e desperta essa besta feroz que coabita com o ser humano. Vimos, há coisa de uma semana passada, o pai que “matou” o filho de cinco anos, com golpes de luta marcial... (?) O médico. que no exercício de seu “juramentado” mister, aproveita-se da fragilidade das clientes-vítimas e as estupra impiedosa e sarcasticamente;  todas provas arrematadas e incontestáveis da besta-fera que habita no coração do homem!  “Homo hominis lupus”, o homem lobo do homem, já não é sem tempo que os educadores, e quem de direito tentem amansar essa besta fera inumana que se alimenta do sangue e lágrimas de seu irmão.

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br
São Paulo

*
GENOINO FEZ ESCOLA

Até o “ex-médico maníaco” Roger Abdelmassih, nem bem chegou à cadeia, já quer fazer valer o direito “adquirido” pelo condenado da Ação Penal 470 (mensalão) José Genoino, para cumprir a sua pena em regime domiciliar em razão de problema cardíaco, que afirma ter e ser o mesmo do seu “companheiro” – ambos são condenados. Será que vai conseguir do Supremo Tribunal Federal (STF) idêntica bene$$e? Mas as inúmeras mulheres “violadas” pelo “ex-médico maníaco”, com certeza, não vão permitir. Alguém duvida?
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 
São Paulo

*
PERFIL

O ex-médico Roger Abdelmassih diz que, se José Genoino está solto, ele também pode ganhar a liberdade ou prisão domiciliar. Neste caso, a presidente Dilma poderia chamá-lo para ministro da Saúde. O perfil é compatível.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.