Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2014 | 02h03

O pibinho

Fernando Henrique Cardoso (PSDB) deixou para Lulla (PT) uma economia bem encaminhada, o mundo estava cheio de dinheiro, até que no fim do mandato do petista estourou a bolha nos EUA, provocando uma crise mundial e uma "marola" aqui, no Brasil, segundo "o cara". Dilma Rousseff então foi alçada à Presidência, coitada, recebendo de Lulla uma herança maldita, muito maldita ante a incrível incapacidade administrativa dos petistas. O resultado é esse pibinho medíocre anunciado ontem. No ano que vem terão de ser repassados 25% de aumento da energia elétrica e os combustíveis, que estão dando R$ 1,5 bilhão por mês de prejuízo à Petrobrás, também terão de ser aumentados, etc... Vamos pôr as barbas de molho, pois o governo que vier terá de tirar dinheiro extra de algum lugar e quando isso acontece todos sabem quem paga a conta. Enfim, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, culpa a seca pela situação, enquanto o candidato do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, culpa o governador Geraldo Alckmin pela seca. Não é engraçado?

ALBERTO SOUZA DANEU

albertodaneu.health@uol.com.br

Osasco

Agruras da economia

O ministro da Fazenda de Dilma insiste em sua metodologia criativa de "pedaladas", entre outras diligências peculiares, para explicar as agruras de nossa empobrecida economia. Diante do resultado vergonhoso do pibinho, alegou tratar-se de consequência da crise no exterior, da seca cruel e até da Copa do Mundo - exaustivamente decantada pelo governo como um bem maior para a nossa economia. Só faltou culpar FHC. Mantega insiste em negar a recessão evidente!

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Caça às bruxas

No final de maio o ministro Mantega garantiu que com a chegada da Copa o PIB iria melhorar. Agora diz que a queda do PIB foi motivada pela Copa. Vai entender...

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Falta sincronismo

Mantega diz que a Copa do Mundo e a seca foram responsáveis pelo PIB ruim, enquanto Padilha, na sua propaganda, culpa o governador de São Paulo pela falta de água, ou seja, pela seca. Mas a Copa foi obra do governo do PT! Donde se conclui que, segundo o ministro da Fazenda, os culpados pelo PIB ruim são o governo do PT, que trouxe a Copa, e o governador Alckmin, que não permite que chova em São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás e em todo o Nordeste. O governo do PT é um poço de contradições - e incompetência nota mil. Quando fala bem, fala de quem não presta. Quando critica, cria dossiês falsos contra alguém - e esse alguém é com certeza honesto. Estamos afundando e ninguém percebe. A candidata Dilma, em sua propaganda, vende a imagem do Brasil atual como melhor que a Alemanha, aquela dos 7 x 1, ou a Holanda dos 3 x 1. Chega de hipocrisia, estamos na m...! O rei sempre esteve nu e o povo não fez o seu papel, que era votar pensando no futuro, e não no carro 1.0 sem IPI, na geladeira barata... Agora, quem sabe, talvez caia a ficha.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

Mentiras

Surpreendo-me com a coragem que a nossa presidente tem de mentir descaradamente em público. As únicas pessoas que dizem que a economia brasileira não vai mal são ligadas ao governo. E mesmo com a declaração feita pela Petrobrás de que a empresa produziu 7% abaixo do esperado, sem contar os outros tristes números, a presidente insiste em dizer que está tudo ótimo. Quem ela pensa que está enganando? Se Dilma Rousseff ganhar esta eleição, será a prova de que a maior parte da população brasileira não acompanha os noticiários, pois a mídia está cumprindo o seu papel.

FELIPE DA SILVA PRADO

felipeprado39@gmail.com

São Paulo

Discurso virtual

Culpar os feriados pelo pibinho é coisa virtual. Mas com um pibinho desses, o discurso virtual está se tornando mais do que real. Essa é a nossa dura realidade. Já há figuraças do PMDB querendo migrar para outras bandas. Muito em breve veremos o inacreditável acontecendo novamente.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

PETROBRÁS

Graça e o TCU

O Tribunal de Contas da União (TCU) liberou Graça Foster, presidente da Petrobrás, de bloqueio patrimonial pelo desastroso negócio da compra da refinaria de Pasadena. Haveria quem duvidasse disso?

CARLOS ROLIM AFFONSO

profrolim@globo.com

São Paulo

Incoerências oportunas

Na entrevista ao Jornal Nacional, a presidente Dilma Rousseff alegou que, por sua posição, não poderia comentar assuntos inerentes a outros Poderes. No entanto, agora, por se tratar de sua dileta pupila Graça Foster, fez questão de elogiar a posição dos membros do TCU - posição certamente manipulada e orientada por forças ocultas.

GERALDO DE PAULA E SILVA

geraldodepaula@ibest.com.br

Teresópolis (RJ)

Remuneração

A Petrobrás esclarece que é errada a informação publicada no Estado (28/8) de que "a remuneração dos administradores da companhia foi reajustada em 43%". O total referente ao primeiro semestre de 2014, publicado no balanço da SEC, considera pagamentos como, por exemplo, os encargos recolhidos para fins de FGTS (8%) e Previdência Social (20%), que não constavam no primeiro semestre de 2013. A inclusão segue orientação do Departamento de Coordenação e Controle das Empresas Estatais, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Essa informação foi omitida. Ao contrário do que diz a reportagem, a assembleia-geral dos acionistas da Petrobrás aprovou em 2 de abril acréscimo de 3,68% - e não 43% - na remuneração global dos diretores para o período de abril de 2014 a março de 2015, em relação ao mesmo período do ano anterior. Os salários dos diretores tiveram reajuste de 7,67%, nada que ver com um aumento equivalente a 11 vezes a inflação oficial, como diz o texto.

LUCIO PIMENTEL, gerente de Imprensa da Petrobrás

imprensa@petrobras.com.br

Rio de Janeiro

N. da R. - A Petrobrás encaminhou documento à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA que informava um aumento de 43% na remuneração dos diretores. A reportagem deixa claro que esse aumento não se refere aos salários e que leva em conta também bônus e outros benefícios.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

RECESSÃO TÉCNICA

Quando operações bancárias não eram informatizadas, tendo em tempo real acompanhamento do Banco Central, era comum empresas em dificuldade ficarem fazendo jogo de cheques sem fundo. Contavam com a amizade dos gerentes de banco, que liberavam depósitos mesmo sem provimento na conta. Davam cheque sem fundo de um banco, que era coberto no outro, com outro cheque sem fundo. Um jogo perigoso, porque muitas empresas acabavam quebrando. O governo Dilma Rousseff está fazendo a mesma coisa, mas numa época em que a informatização não esconde nada.  Esse jogo hoje só é possível com o aparelhamento do Banco Central. A coisa vem funcionando assim: o governo deve, não nega, mas enrola e vai fechando suas contas na base dos puxadinhos, tentando enganar que o País vai bem. Tudo sob o olhar complacente do Banco Central, que só divulga quando a coisa chega ao limite. Só que o governo se esqueceu de combinar com a iniciativa privada, que não paga recibo sem fundo e resolveu parar de investir. Resultado? O Brasil entrou em recessão técnica. E agora, Dilma, vai dizer o que ao eleitor?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
FIM DE LINHA

Parece combinado, o desenvolvimento do Brasil vai zerar junto com o governo Dilma Rousseff.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
DILMA E A CRISE MUNDIAL

A pretendente a mais quatro anos de desconstrução do Brasil, ela mesma, a senhora presidente Dilma Rousseff, sempre que questionada sobre o naufrágio  da nossa economia, bate numa tecla surrada e desgastada da crise mundial que, já passados seis anos, ainda serve de argumento para um governo capenga em todos os ministérios, com exceção daquele responsável pelo maior programa assistencialista já visto na história do Brasil e que na verdade poderia se chamar "Bolsa Curral Eleitoreiro". Interessa saber que essa crise que alardeia a nossa presidente já foi superada pela maioria dos nossos vizinhos americanos. O PIB do segundo trimestre, a ser anunciado, deverá confirmar que uma metade do ano "já era" e que a segunda metade vai pelo mesmo caminho. No segundo trimestre a economia dos Estados Unidos cresceu  4,2% a um ritmo anualizado. Não tem segredo, nos Estados Unidos houve aumento nos investimentos da ordem de 8,1%, mesmo enfrentando as intempéries da natureza e com forte participação em conflitos bélicos como no Oriente Médio. A diferença é que os sobrinhos de Tio Sam são os guardiães da democracia e muitos sobrinhos do Tio Macunaíma se esforçam para formar uma liga com Brasil, Rússia, Cuba, Venezuela, Coreia do Norte e Irã. A grande diferença entre o Brasil e os Estados Unidos está na qualidade gerencial.
 
Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
MUITO SACRIFÍCIO POR NADA

A Copa do Mundo, as chuvas e o exterior, desta vez, são os culpados pelo medíocre pibinho, segundo o ministro Guido Mantega em suas desculpas esfarrapadas, a serem pioradas se acontecer a desgraça de este governo continuar em 2015. A Copa, da qual se esperavam milhões e milhões de turistas a gastar seus dólares, transformou-se em desastre diante dos dias de jogos e dos feriados. O exterior, leia-se EUA, é sempre culpado quando não há como justificar o problema. E, quanto à ausência de chuvas, é assunto para São Pedro ou para os pajés que provavelmente respondam à justificativa do governo. Minha dúvida consiste sobre os investimentos que o governo petista fez em Angola, Cuba, Venezuela, Bolívia e aos hermanos caloteiros argentinos. Afinal, tanto sacrifício na transferência de nossos parcos recursos investindo nessas economias, será que não teremos nenhum retorno financeiro, ou tratou-se de doação, com o nosso chapéu honrando a mediocridade do socialismo bolivariano do século 21?
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
O PIBINHO DE DILMA

O PIB continua caindo e uma das desculpas apresentadas por Guido Mantega, ministro da Fazenda, foi a crise da economia internacional. Com certeza, quando ele se refere à crise internacional, ele está falando da Venezuela e da Argentina, parceiros comerciais do Brasil, e não dos EUA, país que a nossa "presidenta" se recusou a visitar, nem da Alemanha, não é? O governo federal está colhendo o que plantou e, para mudar essa situação, precisamos trocar a "presidenta" por um presidente. Para que isso ocorra, não podemos contar com a propaganda eleitoral transmitida pelos meios de comunicação nem com meia dúzia de leitores se manifestando no “Fórum dos Leitores”. Precisamos que os empresários, banqueiros e investidores se posicionem de forma clara de que lado estão. Ou será que eu estou errada?

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
‘OBAMARINA’

As campanhas à Presidência de PT e PSDB vêm cometendo os mesmos erros do Partido Republicano que conduziram Barack Obama ao mais alto cargo norte-americano em 2008. Marina em 2014 lembra muito os impulsos de “Sim, nós podemos” e “Acreditar” do primeiro esforço do ex-senador por Illinois. É, digamos assim, uma Obamarina. Apesar de a também ex-senadora ter muito mais trânsito político acumulado que o estadunidense, a aura apolítica e transformadora é a mesma – e seus adversários não sabem como combatê-la. Tentam apontar “incoerências”, criticá-la por meio de seus assessores e conselheiros e de suas alianças no PSB e pintá-la como uma extremista radical sem experiência em gestão (apesar de ter sido ministra por vários anos), exatamente como fizeram com Obama (que foi acusado inclusive de ter ligações com o “terrorista” Bill Ayers). Quando da penúltima eleição no Norte, aquele país vivia uma crise econômica quase que sem precedentes, incomparável à mera estagnação atual brasileira, mas os receios e tensões insinuadas com a possibilidade de uma figura aparentemente ingênua à frente de uma máquina financeira tão gigantesca provam-se similares. Os exotismos de Hawaii e Acre, Estados aparentemente longínquos das realidades dos países, e origens dos dois políticos citados, contribuíam para os mitos; não causará espanto se, como fizeram como Obama, questionarem a autenticidade da certidão de nascimento de Marina. A maior derrota desta eleição pode ser, portanto, não da “velha política”, mas do marketing eleitoral já zurzido. Alguém realmente concebeu livros de História contando que, após as Jornadas de Junho de 2013, nada mudou?

Gustavo Cruz e Silva gcsilva91@hotmail.com 
Florianópolis

*
O AMADORISMO DE MARINA SILVA

Marina Silva tem uma trajetória política irrepreensível e uma história de vida emocionante. Nascida pobre, alfabetizada aos 12 anos, tornou-se senadora da República e ministra de Estado, tendo uma atuação política comprovadamente ilibada. O candidato Aécio Neves, que quando governador construiu um aeroporto na fazenda do seu tio avô, coloca o rótulo de amadora em Marina. Certamente com essa afirmação ele está dando um verdadeiro “tiro no pé”, pois não percebe que os brasileiros estão saturados de políticos ditos profissionais. Entre o amadorismo de Marina e o “profissionalismo” de Aécio, fico com Marina.

Wilson Haddad wilson.haddad@uol.com.br 
São Paulo

*
AMADORISMO

Não conveio a afirmação de Aécio Neves de que o Brasil não é para amadores. Comentários como esse denotam fraqueza, embora possam aproximar o PSDB da “base aliada” de um bem provável governo sonhático.
 
Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com 
São Paulo 

*
PELA MUDANÇA

Eu não tenho receio em votar na sra. Marina Silva para presidente. O que eu tenho é pavor em votar no continuísmo, representado pelo PT e PSDB.
 
Marcelo L. Z. Bernabe zbernabe@hotmail.com 
São Paulo

*
AVIÕES E OVNIS

Excelente o artigo de Dener Giovanni, “As traições de Marina. Bem que avisei”. Muito melhor do que patinar sobre o avião sem dono é observar as alianças e agrados que Marina faz para se eleger a qualquer custo fazendo o que acusa no adversários (o poder pelo poder). Após eleita, trairá alguém (como sempre fez sem ter sido eleita), pois coloca no mesmo balaio posições inconciliáveis. É da sua natureza trair, só não veem os fanáticos e os petistas arrependidos. Ela é um verdadeiro ovni que não mostra a que veio, apenas passeia em rota inconvencional pelo céu atraindo olhares dos malucos-beleza que esperam o messias da nova era e, ao aterrissar (ou despencar), mostrará que não passa de mais um avião se plano de voo cuja posse todos negarão.

Lucília Simões lulu.simoes@hotmail.com 
São Paulo

*
VELHA OU NOVA?

Entrevistada, Marina adota o "nada a declarar" sobre o jatinho Cessna 560XL. Na tentativa de apoiar a companheira, o vice, Beto Albuquerque, resgata o velho estilo ao afirmar que o avião de Eduardo Campos não é um problema do PSB porque “ninguém pergunta ao taxista se o táxi é roubado”.
  
Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br 
Rio de Janeiro 

*
PERIGO

A presidente Dilma pode ter todos os defeitos, mas a sra. Marina Silva é um perigo sob qualquer ângulo que se analisem suas propostas e ideias. Sejam vigilantes!

M. Bianco bianconet@uol.com.br 
São Paulo

*
A UNGIDA

Marina Silva , a madre Tereza de Xapuri, que de santa nada tem, até é uma ofensa compará-la com a Madre Tereza, comparece em debates e entrevistas e seu blá blá blá  não tem conteúdo, fala um marines. Que inferno! Há quase quatro anos ouvimos um dilmês, aliás, indecifrável. O Brasil parece que tem um karma, e não se livra desse tipo de gente, ainda mais que Marina se acha ungida, após ter se livrado de morrer no acidente em Santos. Estamos revendo um filme de 12 anos atrás, que volta na forma de uma Lula de saias, que virá nos salvar das trevas. Socorro!
 
Agnes Eckermann agneseck@gmail.com 
Porto Feliz 

*
OS JATINHOS E OS PRESIDENCIÁVEIS

Que eu me lembre, nunca vi algum tipo de investigação relativa aos jatinhos que Dilma Rousseff usou em sua campanha em 2010. Decerto ela não tinha um avião para chamar de seu, nem o PT. O que se sabe hoje é que Lula viaja em jatinhos de empresários amigos para muitas viagens nacionais e internacionais. Também não me recordo de nenhuma investigação sobre aeródromos por eles utilizados. O que sabemos é que a Sra. presidenta se transporta atualmente de lá prá cá no avião presidencial em sua campanha utilizando-se portanto de dinheiro público. Isso pode? Nenhum questionamento? Nada a investigar? Quer dizer: ao PT e seus candidatos, tudo. Aos oponentes, lupas para enxergar pelo em ovo e o rigor da investigação. Como é bom viver num país que prima pela coerência quanto às análises de questões éticas de todos os envolvidos no processo sucessório.  
 
Eliana França Leme efleme@terra.com.br 
São Paulo

*
PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA  
 
A ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, entregou na quinta-feira (28/8) o projeto da Lei Orçamentária ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB- AL), para ser analisado e aprovado pelo Senado e pela Câmara até o final do ano. Considerando o total do Orçamento para 2015, de R$ 2,86 trilhões, e tendo como referência uma análise do Orçamento anterior, de 2014, feita pelo consultor econômico Raul Velloso (10/3, B2), R$ 2,145 trilhões (75%) serão para amortização da dívida do País, pagar salários e benefícios, e o restante, R$ 715 bilhões (25%), será  aplicado nas áreas da saúde, educação, transporte, segurança e saneamento. Será que a população brasileira tem dúvidas de que o governo atual é perdulário com mordomias, passagens aéreas, gastos com publicidade, benesses aos funcionários públicos e o custeio da inchada máquina administrativa? Até quando continuaremos tendo uma das mais altas cargas tributárias do mundo – no topo estão Suécia e Bélgica – e o pior retorno em serviços à população?  

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*
AÉCIO NEVES E OS APOSENTADOS

O candidato à Presidência da República senador Aécio Neves disse que vai apresentar, se eleito, uma proposta de renda extra para os idosos comprarem remédios. Aliás, tem aparecido tanta proposta, tanta promessa que quero ver depois. O senador está errado. Não é isso o que o idoso quer. O que ele quer, e deveria ser estendido a todos os portadores de doenças crônicas, independentemente da idade, é a medicação de uso contínuo ser de graça. Isso é que tem de ser feito. A exemplo do que ocorre na maioria dos países europeus. Eu, por exemplo, tomo um remédio que na França eu sei que é de graça. Basta apresentar a receita. E não é remédio constante da lista da Farmácia Popular. Não é renda extra, senador. Desaponta-me essa sua proposta. O governo não tem de dar dinheiro para a compra do remédio. Tem de dar o remédio de graça. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
O VOTO DOS APOSENTADOS

Aécio Neves, candidato à Presidência da República pelo PSDB, sai em defesa de melhores salários para os aposentados. É bom mesmo alguém incluir em sua plataforma de governo o voto dos aposentados. Essa categoria vem sendo maltratada há muito tempo, os governos tratam os aposentados como lixo, ignoram as dificuldades por que passam aqueles que tanto contribuíram para o crescimento do País, porém, por culpa da imundície chamada financiamento político, os governos têm dispensado tratamento vip aos caloteiros que não pagam a Previdência e depois vem o governo dizer que não pode dar aumento aos aposentados porque a Previdência está quebrada. Não caia nessa, Aécio, o que falta é gestão eficiente e vontade de punir os maus pagadores.    

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
A APOSENTADORIA

A proposta de Lula: conceder aos aposentados reajuste dos benefícios aplicando índices inferiores ao do salário mínimo até atingir igualdade de valores das duas finalidades. Esse sistema, já efetivado nos anos 2004/2014, resultou na perda de 40% do poder aquisitivo do beneficio. Esse critério prevaleceu nos últimos 10 anos, cuja média anual revela: 12,24% de aumento do salário mínimo enquanto 6,70% de aumento dos benefícios. Com referência aos déficit mensais em dezenas de bilhões de reais revelados pela previdência, tem sua origem nos desvios dos fundos previdenciários para suportar totalmente as construções de Brasília e Ponte Rio Niterói, sendo assim compete ao tesouro a responsabilidade de ressarcir à previdência dos valores confiscados, cifras não reveladas, suficientes para equilibrar as finanças da previdências. 

Alcides Benjamin Porcaro porcaro2010@hotmail.com
São Paulo

*
O SALÁRIO NO STF

Pesquisa na internet mostra que um ministro da Suprema Corte americana tem vencimentos de US$ 18 mil/mês, ou o equivalente a R$ 42 mil. O salário mínimo (SM) americano é, já em reais, de R$ 3 mil. Assim, um juiz americano ganha 14 SM. Atualmente, um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ganha R$ 29.600 e o SM nacional é de R$ 724, ou seja, um juiz ganha 40 SM. É evidente a desigualdade. Argumento algum a justifica. O PIB  americano é seis vezes superior ao brasileiro, e seria mais um dado para aferir quanto deveria ganhar um juiz ou qualquer outro funcionário publico. A lógica me induz que um ministro do STF não deveria ganhar mais que 14 SM, ou, hoje R$ 10.200. Se for pela lógica do PIB, seria no máximo R$ 5 mil. Em qualquer das opções não é um salário ruim. Como a lei raramente é observada no Brasil, onde até o principal mandatário a descumpre por que tem a garantia da impunidade e, pensando que tal quadro pudesse mudar, não iriam faltar clientes para advogados no Brasil e seguramente seria uma profissão das mais valorizadas e consequentemente mais bem remuneradas. Se a lei fosse para ser cumprida realmente, sugeriria aos senhores magistrados que, se quisessem ganhar mais, que abandonassem a toga. Com todo o respeito.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
AUMENTO

Enquanto o salário mínimo previsto para 2015 será de R$ 788,06,  o salário dos ministros do Supremo continua nadando de braçada.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
ELEIÇÃO EM SÃO PAULO

Paulo Skaf, cidadão rico, ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e que, como candidato do PMDB ao governo de São Paulo, fica se autointitulando como bom administrador, é inadimplente no valor de R$ 180,3 mil no pagamento do IPTU de seus imóveis em Pindamonhangaba, como constatou o “Estadão”. Ora, como um cidadão como Paulo Skaf pretende governar o maior Estado da Federação se tampouco sabe o que deve? E que, quando divulgada essa denúncia, chiou dizendo que a dívida não era sua, etc., etc. Mas, como não colou, enfiou a viola no saco e mais do que depressa foi à cidade onde seu opositor Geraldo Alckmin nasceu para saldar em parcelas a dívida. Papelão!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.coam
São Carlos

*
EM MÁ COMPANHIA

Skaf é o mais novo candidato ao governo de São Paulo na política e quer dar uma de diferente? Pena que quem o apoia esteja mais sujo do que pau de galinheiro, senão vejamos: Maluf (e o “estupra, mas não mata”); Fleury (e o massacre do Carandiru); e, para fechar com chave de ouro, Delfim Netto, o ministro dos ditadores.

Zureia Baruch Jr. zureiabaruchjr@bol.com.br 
São Paulo

*
ALIADOS

Quem vota em Skaf acaba votando em Dilma Rousseff e, por tabela, em Paulo Maluf. Coisa horrorosa!
  
Robert Haller robelisa1@terra.com.br 
São Paulo

*
POSTE SEM LUZ

Pelo andar da carruagem, das pesquisas de intenção de voto, o poste indicado por Lula para concorrer ao governo de São Paulo parece não agradar nem aos petistas. A pouco mais de 30 dias das eleições, Alexandre Padilha não consegue passar dos 5% nas pesquisas. Analisando os números, a impressão que se tem é de que nem os petistas de carteirinha não votam em Padilha, pois o PT sempre em qualquer eleição em São Paulo obteve mais de 30% dos votos. O poste que não quer dar luz promete que, mesmo com uma estiagem pela qual estamos passando, com ele não faltará água nas torneiras dos paulistas. Agora, se Lula e Padilha conseguem esse milagre da natureza, por que não conseguem convencer o eleitor petista de que Alexandre Padilha é o melhor candidato para nos governar? Companheiro Lula, o populismo de milagreiro da política está no fim.

Turíbio Liberatto  turibioliberatto@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*
ESCOLHA MENOS RUIM

Como tive alguns e-mails publicados neste jornal na edição online ou impressa do “Fórum dos Leitores”, recebi e-mails criticando o que dizem ser “mania” de rebaixar Alexandre Padilha e o pinóquio Paulo Skaf, como se fossem o pior que há na política. A eles respondi de forma simples, que para São Paulo a alternativa menos ruim é reeleger Geraldo Alckmin, só isso. Qualquer outro nome seria ruim para nós, paulistas, a começar por Padilha, porque, se isso ocorrer, só Lula é que mandaria e anexaria nosso Estado ainda independente à sua capitania que implantou no Brasil. Com Skaf seria o mesmo, porque dependeria do PMDB e do PT, então, quem critica essa verdade que replique no “Fórum”.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br 
São Paulo

*
BACANAL

O PT tentou fazer as mais espúrias alianças, verdadeiro bacanal, para eleger Alexandre Padilha governador de São Paulo. Ele, agora, declara, com vulgaridade, que não entra em bacanal. Não é que ele não entre, é que, por falta de atrativos (intenções de votos), ele foi posto para fora.

Paulo Mello Santos policarpo681@yahoo.com.br 
Salvador

*
VAI PARA CASA, PADILHA!

Quem Alexandre Padilha pensa que é? Este poste criado pelo chefe da gangue, ex-ministro de quinta categoria, envolvido com André Vargas e o doleiro preso Alberto Youssef, colega de deputado envolvido com o PCC, tem a coragem de ainda criticar o governador Alckmin em declarações ao “Estadão”.

João Paulo Garcia jotapege88@yahoo.com.br 
São Paulo

*
PRECATÓRIOS ESTADUAIS

O governo paulista é um voraz cobrador de impostos e se o contribuinte não os paga pode, como consequência, ir parar Dívida Ativa do Estado. Na contramão, o governo aplica o calote nos contribuintes via precatórios. Muitos credores faleceram sem receber do estado  o que era de direito ou seja, um escândalo! O que se pode esperar de uma nova administração estadual sobre esse assunto? O que o candidato Geraldo Alckmin tem a falar sobre isso? E os demais candidatos, qual seria o posicionamento de cada um deles sobre o escandaloso calote dos precatórios?

José Eduardo Rodrigues Alves jeralves53@terra.com.br  
São Paulo

*
OUTRO CARA DE PAU
 
O que não falta é caradurismo nas hostes petistas.  Não bastasse haver surrupiado do adversário à vaga no Senado federal José Serra o slogan “esse cara é do bem”, a campanha do candidato petista Eduardo Suplicy deu de entrevistar profissionais de seu próprio comitê, como se tais depoentes tivessem sido abordados de forma aleatória, na rua. Assim, deram "depoimentos" sua maquiadora e seu operador de áudio, todos – é claro! – pagando de anônimos e tecendo loas ao candidato petista, numa manobra velhaca, suja e antiética, bem própria do tipo de comportamento esperado da turma da estrela. Suplicy já foi flagrado usando cueca por cima da calça, conduzindo o correligionário Padilha sobre os ombros e interpretando Bob Dylan e outros roqueiros em plenário, entre outras bizarrices que o tornaram um dos parlamentares mais notórios da Câmara Alta. Uma pena. Ao invés de levar a sério seu mandato e por meio dele encaminhar as grandes demandas do Estado de São Paulo, o candidato do PT, que se apresenta neste momento difícil do País como “cara do bem”, pede o seu voto para mais oito longos anos de bizarrices e excentricidades no Senado federal. Boa opção, o que acham?
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*
MALFEITOS NA PETROBRÁS

Primeiro o Tribunal de Contas da União (TCU) diz que "errou" e "esqueceu" de bloquear os bens da presidente da Petrobrás, Graça Foster. Agora diz que "não houve ação temerária ou irresponsável" na catastrófica compra da refinaria de Pasadena e que "não são necessárias medidas adicionais". É evidente que a amizade com a presidente Dilma está blindando Graça Foster. O TCU e as demais instituições brasileiras estão se mostrando completamente incapazes de cumprir suas obrigações por causa do corporativismo entre os poderes. Pela importância estratégica da Petrobrás e pela manutenção da segurança nacional, o escândalo de Pasadena deveria ser investigado por uma junta militar. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
LEI DA ANISTIA

A matéria “Procurador-geral defende em parecer rever lei da anistia”, de 29/8/2014, revela que há viés ideológico na questão, pois as justificações não se coadunam ao nosso direito, uma vez que o princípio da irretroabilidade da lei penal encerraria o assunto. Mas diante do apoio que vem dado à tese revisionista, maliciosamente manejada por setores da esquerda, realmente se faz necessário o controle externo do Ministério Público (sistema de pesos e contrapesos), antes que vire órgão a soldo de partidos políticos e potências estrangeiras.

Luiz Antonio Saboya Chiaradia luizchiaradia@icloud.com 
São Paulo

*
PARECER DA PGR

Não tem qualquer respaldo jurídico o parecer do procurador-geral da República,  Rodrigo Janot, considerando não aplicável a Lei  de Anistia  para crimes praticados  no regime militar por agentes de Estado. No ordenamento jurídico brasileiro os crimes praticados no período já prescreveram e os tratados internacionais promulgados pelo Brasil foram posteriores ao regime militar, a lei não retroage para punir. Até hoje o procurador não  deu resposta à petição enviada à Procuradoria-Geral da República (PGR) há mais de um ano pelos presidentes do Clube Naval, Clube Militar e Clube de Aeronáutica contestando a parcialidade da Comissão Nacional  da Verdade.

Paulo Marcos Gomes Lustoza pmlustoz@gmail.com 
Rio  de Janeiro

*
A CRISE NA USP

Professor Carlos Guilherme Mota (“Em defesa da Faculdade de Filosofia da USP”, 27/8, A2), o único jeito de salvar a Universidade de São Paulo é tirando o sindicato de lá. Não importam para esta turma toda a trajetória e todo o prestígio da nossa tão conceituada faculdade. A propósito, gostaríamos de saber os salários dos funcionários, uma vez que somos nós os contribuintes que os pagamos.

Cleo Aidar cleoaidar@hotmail.com
São Paulo

*
TEMPOS MELHORES

Querido professor Carlos, li com muita atenção seu artigo no “Estadão” sobre a USP e, como sempre, tudo o que diz reflete um profundo conhecimento do tema. É realmente uma pena que as autoridades não vejam o enorme dano que se está consumando com a USP numa greve sem sentido. Às vezes, lamentavelmente, chego à conclusão de que as autoridades da vez nestes “semi-países” sul-americanos não têm interesse em que as instituições melhorem e a única coisa que lhes parece interessar é o benefício próprio. A única coisa que me consola é que, pela minha idade (80 anos), tive a sorte de conhecer épocas melhores, em que a gestão do público se fazia com mais rigor em benefício de todos os cidadãos.

Charles Cortini, empresário uruguaio-argentino no Brasil cm.cortini@uol.com.br 
São Paulo

*
GREVE E TRANSPARÊNCIA
 
Como somos nós que pagamos a conta, em relação à greve dos servidores da USP por melhores salários, está faltando um esclarecimento público: afinal, quanto ganham?
 
Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com 
Ribeirão Preto

*
NINHO DE RADICAIS

Infelizmente, a USP, com o passar dos tempos, perdeu a sua finalidade pedagógica e se transformou num ninho de radicais. Que tal entregá-la definitivamente aos baderneiros para que passem a administrá-la à sua moda? O contribuinte paulista é que não pode e não deve continuar bancando um verdadeiro criadouro do que tem de pior. Ou então que se tome uma atitude para que aquilo lá volte a ser uma Universidade.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com  
São Paulo

*
RACISMO INACEITÁVEL

É inconcebível que existam no Brasil manifestações racistas como as ocorridas na partida Grêmio e Santos, em Porto Alegre. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) deve ser rigoroso e punir o clube com até a eliminação da Copa do Brasil, sumariamente, e, em caso de reincidência, punir com perda de mando do campo. Acho que, além dessas medidas, os culpados devem ser de imediato identificados (TV, gravações, etc.) e levados às barras de uma ação penal. Os negros não podem sofrer infinitamente pelos erros cometidos pelos brancos que os trouxeram escravizados da África. Até quando irá perdurar essa situação? Vide o que ocorreu agora nos Estados Unidos. Não queremos isso aqui. Mormente agora, que o Sul está recebendo negros de Gana e outros países. Basta!
 
Sebastião Paschoal s_paschoal@hotmail.com 
Rio de Janeiro

*
GURIA MAL EDUCADA

Penalizou ver pela TV e proceder à leitura labial da ardente torcedora do Grêmio xingar o goleiro Aranha. De dar dó, da guria! Estigmatizada pela própria imagem negativa, de sua personalidade mal formada, doentia. Imagem que vai correr o mundo. Coitada! Para ela, sem conserto...

Arary da Cruz Tiriba atiriba@terra.com.br
São Paulo

*
BASTA!

O preconceito racial é prática intolerável, execrável e abominável sob toda e qualquer situação e circunstância, sobretudo nos jogos de futebol, esporte que tem como maior ídolo mundial de todos os tempos o Rei Pelé (Atleta do Século 20). Basta!

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.