Fórum dos Leitores

ECONOMIA

O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2014 | 02h05

Que vexame!

O Fundo Monetário Internacional informou que vai rebaixar as perspectivas de crescimento da América Latina e do Caribe para menos de 2% em 2014, apesar de a região contar com países como Panamá, Peru, Paraguai, Colômbia e Chile, cuja média de crescimento está projetada para mais de 5%. Segundo o Fundo, esse crescimento pífio da região se deve basicamente às bolivarianas Venezuela e Argentina e ao petista Brasil, que estão com as suas economias em frangalhos e são pessimamente conduzidas. Depois de termos conseguido a duras penas consertar a nossa economia bem poucos anos atrás, a ponto de sermos vistos na época com admiração pelo restante do mundo, não merecíamos passar por esse vexame que a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nos estão fazendo passar.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

'Onde estou?'

Dilma anunciou que fará mudanças na equipe num eventual segundo mandato. O que os funcionários do governo gostariam é que fosse mudada a presidente, pois é muito incompetente e levou o País à recessão, ao aumento da inflação e dos juros, à queda da indústria e, agora, ao desemprego. Além disso, pessoas que frequentam o Palácio do Planalto relatam que a presidente é irritante, estúpida e intragável no trato com o pessoal da Presidência. Para o público, ela é arrogante e convencida e, como acha que seu governo é ótimo, talvez esteja confusa, pensando estar dirigindo algum outro país.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

O pior dos mundos

O que deveria ser uma boa notícia - Dilma disse que mexerá em seu Ministério num eventual segundo governo - pode tornar-se um grande pesadelo. Por exemplo, é notório e sabido que Guido Mantega é incompetente, despreparado e fraquíssimo. Mas quem são os economistas do PT que poderiam substituí-lo? Mercadante, Suplicy, Neri, Pochmann, Arno, Coutinho, Conceição Tavares? Se Dilma for reeleita, estaremos no pior dos mundos.

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

Foro de São Paulo

Precisamos chegar ao fundo do poço - tendo por positivo, para tudo mudar, a grata possibilidade de mandar o petismo pra casa - para Dilma prometer alterar a política econômica em caso de reeleição! Os geniais executores da economia serão substituídos, mas a orientadora pretende continuar a mesma. Será que a presidente ainda não entendeu que o problema é ela? Desde o início de seu funesto mandato não faltaram alertas sobre os riscos, que de fato se comprovaram, e ela fingia ignorar, tergiversando com as mais idiotas respostas. Bateu o desespero e tudo mudou? Não acredito. Porque o petismo é incompetente, falso e mentiroso, voltado tão somente para o poder. E quando o conseguiu não soube o que fazer com ele, usando-o apenas para suas delirantes convicções, paradigma do bolivarianismo filho do espúrio Foro de São Paulo.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

Dilma sobe, prejuízo idem

Bastou a divulgação de duas pesquisas eleitorais (Ibope e Datafolha) mencionando um sutil crescimento de Dilma para que as empresas listadas na Bovespa sofressem depreciação de valor de mercado, num só dia, no espetacular montante de R$ 32 bilhões! Ou seja, é prejuízo sem cessar para todos os lados e gostos. Mesmo porque, somado aos estragos já consolidados de estagnação econômica, inflação alta, déficit público, traquinagens contábeis, etc., não há expectativa otimista que se sustente. Nem mesmo com a declaração da presidente de que, finalmente, vai mudar a equipe econômica (por conveniência eleitoral...) se vencer a eleição - Dilma esqueceu-se de consultar o mercado sobre a credibilidade dessa afirmação.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Cobrança das ruas

A surpreendente ascensão da candidata Marina Silva (PSB) nas pesquisas eleitorais deixa claro que as reivindicações cobradas pela população do governo Dilma Rousseff - como melhor educação, saúde e transporte público - não foram esquecidas. E caso Marina seja eleita presidente do País, ficaremos na torcida para que ela consiga ter a capacidade de obter maioria no Congresso Nacional por meio de uma coalizão fundamentada em programas de governo, como fizeram os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Itamar Franco, e não baseada no loteamento dos 39 ministérios, como no governo de Dilma.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Dilema eleitoral

Uma escolha entre Dilma Rousseff e Marina Silva não é um referendo, muito menos um plebiscito. É roleta-russa pura! De uma sabemos bem o "calibre" e da outra não sabemos se a arma está carregada ou não.

ClAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Lacuna

Eu, por exemplo, não acho que Marina Silva possa preencher a lacuna deixada por Eduardo Campos. Além disso, evangélicos não se prendem a ideias, apenas aos "irmãos".

MARIA LUCIA RUHNKE JORGE

ml65@ig.com.br

Piracicaba

O papel de Marina

A principal função de Marina Silva - e ela é a única que pode fazer isso - é expulsar o PT do governo federal. Discutir agora o futuro governo dela é secundário. Se conseguir vencer a eleição, já terá feito um grande trabalho em favor do Brasil, limpando a máquina estatal federal dos incompetentes e corruptos que hoje nos governam. A continuar o PT, o País correrá o risco de perder - além da economia, da infraestrutura, da saúde e da educação, já comprometidas - a democracia. Sou Marina, qualquer que seja o seu plano de governo.

CELSO BATTESINI RAMALHO

leticialivros@hotmail.com

São Paulo

Canoa furada

Imagino que os petralhas de Brasília, dos cargos "de confiança", das estatais, já estejam rasgando papéis, sumindo com agendas, descarregando computadores, acertando as pendências de negociatas e fechando as próximas com urgência, etc., pois o que parece, felizmente, é que a canoa eleitoral furou. Aleluia!

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

caxumba888@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para ­­o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

LOTEAMENTO NA PETROBRÁS

O ex-diretor da Petrobrás senhor Ildo Sauer disse aos repórteres do “Estadão” (4/9, A11) que o governo do ex-presidente Lula da Silva “aprofundou a prática de nomeações de despachantes de interesses para postos-chave dentro da estatal, bem como loteou diretorias da empresa para que os indicados ajudassem partidos”. Será que esse procedimento, de farto loteamento de cargos na Petrobrás pelo ex-presidente, único em exercício, não estava incluído diretamente na prática e na efetiva implantação do mensalão? Com a visível derrota do poste nas próximas eleições, certamente muitas denúncias sobre a estatal virão à tona, além, é claro, das podridões que poderão advir dos relatos da delação premiada do senhor Paulo Roberto Costa, também ex-diretor da Petrobrás. Fatos como esses certamente irão inundar de resíduos sólidos e mal-cheirosos o oceano de águas turbulentas que atravessa o partido há longos 12 anos no poder.

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com
Taubaté

*

DELAÇÃO PREMIADA

O protagonista do maior roubo da história brasileira quer abrir o bico: o sr. Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás e hoje presidiário no Paraná, conhece e participou de todas as traquitanas – de Pasadena a Abreu Lima, em Pernambuco, passando por Premium 1, Japão e Argentina. Todos estes maus negócios devem somar R$ 25 bilhões – pasmem, senhores, isso é real. O mensalão virou dinheirinho de cachaça perto destes mega desvios.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br
São Paulo

*

BATEU O DESESPERO
 
Pelo visto bateu o desespero na campanha petista. A tentativa de associar Marina Silva a Jânio Quadros e a Fernando Collor – presidentes que não terminaram seus mandatos – é apelativa e, de per si, expõe a fragilidade da candidatura à reeleição do poste de Lula. Marina, evidentemente, não é um nem outro, ambos presidentes apeados do poder por circunstâncias muito particulares. “Precisamos mostrar as contradições de Marina”, bradou o vice-presidente do PT, deputado José Guimarães. Se fosse rigorosamente honesto, deveria, também, empenhar-se em mostrar as dúzias de contradições de seu próprio desgoverno. O último golpe abaixo da linha da cintura foi o de criticarem a ambientalista por recuar do apoio ao projeto de criminalização da homofobia (PL 122). Marina explicou, mas não convenceu seus oponentes. Todavia, a própria Dilma, no melhor estilo “façam o que eu digo, não façam o que eu faço”, tampouco empenhou-se para transformá-lo em lei ao longo de seu mandato. Outra: Dilma se disse “preocupada” porque o programa de Marina supostamente “reduziria a pó” a política industrial. Ora, a que política industrial estaria se referindo a presidenta? Se for a essa que está aí viabilizando a invasão dos importados, tornando menos competitiva a produção nacional, fechando plantas e destruindo postos de trabalho, fique relax, candidata: ninguém tasca;  os “méritos” já são todos seus!
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*

PRATO REQUENTADO

A peça publicitária da presidente contra Marina é um prato requentado. É um dejà vu. No entanto, são atitudes que permitem ao eleitor avaliar a conduta da presidente em momentos de tensão. Ao usar  artifícios tacanhos, vai também contra seus argumentos de promoção de mudança. A verdade é que fazer “o diabo” pode também redundar em ir para o diabo que o carregue.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 
Indaiatuba

*

DILMA X MARINA

Ver a gerentona  petralha  comuna-marxista- assaltante de bancos atacar a riponga ex-petralha  marxista-leninista-ecochata não tem preço. Espero que as criaturas  se canibalizem e, se possível, levem junto o inominável criador de ambas.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com 
São Paulo

*
DÚVIDAS E CERTEZA

Dilma Rousseff alerta o povo brasileiro sobre os possíveis graves males que Marina Silva causará ao nosso país. Esquece-se ela de que, entre futuros possíveis males e males presentes numerosos, onerosos e escandalosos, preferimos uma dúvida esperançosa que uma certeza cristalina.  

J. Treffis jotatreffis@outlook.com 
Rio de Janeiro

*

MISSÃO DE MARINA

Marina Silva é o Abraham Lincoln de saias: saiu da floresta para surpreender e trazer esperança aos brasileiros, ansiosos por se livrarem da maldição do lulopetismo, que tanto divide e infelicita esta nação. Que Deus a proteja e permita que cumpra sua missão histórica.

Renato Pires repires49@gmail.com 
Ribeirão Preto

*

PROPAGANDA DO MEDO

Esta surrada propaganda tentando meter medo na população por conta da eleição de Marina não vai ter nenhum efeito, pois muito mais medo têm os brasileiros de permanecerem nas mãos de gente comprovadamente incompetente e que está destruindo a economia do País. O furacão Marina vai arrancar do governo o nefasto PT no próximo dia 5 de outubro e será muito mais forte e contundente que a ventania que assolou o Rio de Janeiro nesta semana, arrancando árvores com raízes e tudo, cercas, placas e telhas, deixando as ruas da cidade, em alguns pontos, um verdadeiro caos.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro 

*

MEU MEDO

Outro dia a candidata à reeleição presidencial, a presidente Dilma Rousseff, falou no retorno do “medo”, numa referência à campanha da reeleição do ex-presidente Lula que combatia o retorno da oposição. O meu medo é continuar o PT ou, numa hipótese bem remota, voltar o PSDB. Para mim os dois são iguais, farinha do mesmo saco. É o roto falando do esfarrapado. Tenho receio de Marina Silva também, em razão de algumas idas e vindas quanto ao seu programa de governo, sua inexperiência e as composições que terá de fazer para governar. Pode acabar tendo uma vitória de Pirro, pois terá de compor com quais partidos? PT, PMDB e PSDB. Não muda nada. Continuaremos como antes. Patinando.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*

COISA RUIM

Quando alguém está no poder e ameaça fazer “o diabo” para permanecer nele, é inevitável que cause medo.

Moises Goldstein moisesgoldstein1@gmail.com 
São Paulo

*

CARRANCAS

Na minha infância, eu não entendia o milagre que transformava em Führer amado o irascível Hitler. Adolescente, conheci Paul Joseph Goebbels e o mistério acabou. Hoje, vejo a movimentação de João Santana de Cerqueira Filho e tenho um único consolo: a mágica tem começo, meio e fim.
  
Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br 
Rio de Janeiro 

*

O FIM DA ERA DA MARQUETAGEM

Contra evidências não existe marqueteiro que faça milagre. Esse está sendo um dos maiores crescimentos que o povo brasileiro vem mostrando nessas eleições. A “presidenta gerenta incompetenta” Dilma, a cada dia, na propaganda eleitoral apresenta um coelho tirado da cartola, mas sem êxito como mostram as pesquisas. Nem os 12 minutos de propaganda política diários surtiram efeito, prova de que as falácias maravilhosas douradas pelo marqueteiro não funcionam mais. O povo acordou. Percebeu após 12 anos que o esgoto continua na sua porta. A escola do seu filho não deu a ele preparo para um trabalho decente. Seu salário não chega hoje ao fim do mês por causa da inflação. Os hospitais continuam com péssimo atendimento. “Sua Casa, Sua Vida” foi entregue cheia de rachaduras. O balanço de 12 anos está batendo na consciência do povo brasileiro e falácias arrotadas nas propagandas pagas a preço de ouro não convencem mais. É o fim também da era “marqueteiro mentiroso”. Graças a Deus!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo 
  
*

VENDENDO A ALMA

A única alternativa que resta ao PT para vencer estas eleições será vender sua alma ao diabo!

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com
Campinas 

*

DOSSIÊ

Marina que se cuide. Suas palestras vão acabar em lavagem de dinheiro. As de Lula, com pagamentos de R$ 500 mil, vinham acompanhadas de comissão das obras contratadas pelos países africanos com financiamento do BNDES. Mas, cá entre nós, dona Marina: a senhora sabe muito bem do que esta gente é capaz e com quem está tratando. Durante sua permanência no governo Lula, não tem nenhum podrezinho que a senhora guarde com todo o carinho para ser usado na hora certa? Seria apenas chumbo trocado, com o próprio diabo...

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br
Osasco

*

EMPATE NO PRIMEIRO TURNO

Dilma e Marina empatas nas pesquisas. A presidente Dilma esta defendendo o título, faz campanha diariamente há quatro anos, tem dez vezes mais minutos no horário eleitoral gratuito, e mesmo assim esta apenas empatada com a candidata Marina, e perde feio em todas as pesquisas de segundo turno. Com sorte, a presidente Dilma irá ganhar um cargo de segundo escalão no futuro governo Marina. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*

DATAFOLHA

Com 34% estão Dilma e Marina. Assim continuando, Marina ganha as eleições, mesmo porque Aécio baixou para 15%, de acordo com a pesquisa última da Datafolha. De outro lado, com o PIB em redução de 0,6%, caracterizando, pois, recessão técnica, os ventos irão soprar a favor de Marina positivamente, segurando Dilma em patamar sempre mais abaixo. É de considerar, ainda, que os eleitores estão demonstrando, de forma bastante acentuada, a reprovação que fazem ao governo do PT, o que vem definir a queda do lulopetismo no solo do desespero. Eis que a justiça do voto pode tardar, mas não falha. Os brasileiros desejam mesmo mudar tudo o que está aí posto como se não houvesse outra forma de alteração. A linguagem é de alteração e as ações são para mudança radical.

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br 
Rio Claro

*

AÉCIO NEVES EM QUEDA

Mesmo que não se queira admitir a atuação de forças invisíveis, parece que o céu sempre se encarrega de devolver o mal que praticamos. A atitude intransigente de Aécio Neves, em 2010, negando-se a compor a chapa com José Serra, para a vice-presidência (o que talvez tivesse mudado os rumos da política no Brasil, na época), é agora castigada com a ascensão vertiginosa de uma concorrente inesperada... Aécio, desde aquela época, perdeu meu voto. Não em favor de Marina ou Dilma, por certo. Mas perdeu. E o de muitos paulistas, pelo mesmo motivo.
 
Edméa Ramos da Silva mbethr@terra.com.br 
Santos

*

TIRO AO ALVO

No tiroteio eleitoral, Marina não tem porte, Dilma não tem munição e Aécio não tem pontaria. Quanto aos outros, só alugam armas, mas todas de festim...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 
São Paulo

*

O CAMINHO

Com o empate de Dilma e Marina na pole position, só há um caminho para tirar o País do atoleiro antes de 2050: que Aécio dê uma guinada de 180º na comunicação da sua campanha, concentrando o foco, e passando a martelar didaticamente a cabeça do povo, sobre a incapacidade de conseguir mudar o País, já provada no caso de Dilma e facilmente diagnosticada no caso de Marina, pela falta do conhecimento, da experiência e da competência para liderar as forças do governo e do Estado e vencer as dificuldades crescentes, os entraves, os acidentes, a corrupção e o crime organizado que tão assustadoramente assolam o País. Trata-se de escancarar o mal que faz a escolha do mandatário da Nação por critérios puramente emocionais, que são ótimos para o sucesso das novelas, mas não para salvar um país.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br
São Paulo

*

PESQUISA ELEITORAL

Manter o eleitor informado e dever da imprensa. E democrático. Mas será que esta "frequência" de pesquisas e resultados não induzem ao eleitor a votar neste ou naquele candidato?

Helio Nogueira helio.nogueira@icloud.com 
São Paulo

*

VOTO OBRIGATÓRIO

Sem voto obrigatório, como na maioria dos países, o resultado seria bem mais diferente do que indica a atual pesquisa Ibope.

Dagmar Milz dagmarmilz@hotmail.com
São Paulo

*

RISCO CALCULADO

Um aviso importante: quem de fato quer mudança, que vote "útil"! De fato, é partir para o sacrifício, mas acho que vale a pena, ou melhor, o risco.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*

DILMA E A HOMOFOBIA

Mais uma vez dona Dilma pisa na bola: ao pretender empunhar uma bandeira, revela profundo desconhecimento do que está ocorrendo no nosso Congresso Nacional. Quer ela aplicar para si a lei de Gerson (tirar vantagem...). A notícia é: Dilma defende a criminalização da homofobia (“a gente tem de criminalizar a homofobia”). Será que explicaram para ela o que é homofobia? Bom, deixa isso para lá... O que já está em vigor é a Lei n.º 7.716/1989, que definiu os crimes resultantes de preconceito, de raça ou de cor. O PLC n.º 122/06, proposta da deputada Iara Bernardi, objetiva incluir sob a incidência das regras penais dessa Lei n.º 7.716/1989 a discriminação ou preconceito de orientação sexual. Posteriormente, veio a tramitar no Senado o PLS n.º 236/12 – projeto de Código Penal que, obviamente, abrange os delitos de preconceito e discriminação. Assim, aquele PLC 122/06, oriundo da Câmara dos Deputados, passou a tramitar, no Senado em conjunto com o PLS 236/12, providência proposta por requerimento do senador Eduardo Lopes e que foi acolhida pela maioria dos senadores. Simples assim. Em suma, criminalizar a homofobia (discriminação ou preconceito de orientação sexual) é matéria que desde 2006 está sob apreciação do Congresso Nacional, matéria que, agora, está tramitando no Senado federal em conjunto com o projeto de um novo Código Penal para o País. Dona Dilma até a presente candidatura não teve nenhuma, nenhuma participação na proposta de criminalização da homofobia, visto que antes de ser eleita presidente da República há muito o assunto já estava sendo apreciado pelo Congresso Nacional. Como muito bem observou o candidato Aécio Neves, isso já é de longa data, "uma questão interna do Legislativo". É isso.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br
São Paulo

*

LEI ANTI-HOMOFOBIA

Antes de criar novas leis, o Estado brasileiro tem de garantir o cumprimento das existentes...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*

ELEIÇÕES E A QUESTÃO GAY

Quem lê o “Estadão” nos últimos dias vai achar que o grande tema a ser resolvido no Brasil nos próximos quatro anos é a "questão gay". Será que a cobertura das eleições não está se deixando pautar pela ideologia de um pequeno grupo organizado e deixando de lado questões muito mais relevantes neste momento?

Wagner Marchiori swmarchi@uol.com.br 
São Paulo

*

NÃO É MESMO PARA PRINCIPIANTES

Tirar o PT do poder é o melhor que poderia acontecer para o Brasil, não há dúvidas. Porém não é mesmo fácil governar um país. Precisa de planos, programas eficientes e de estratégias. Um plano "em movimento" é exatamente o quê? Marina precisa explicar e seus eleitores devem pensar um pouco melhor. Esta história de gays e LGBT é o de menos. Coisa posta em pauta pelo PT, uma armadilha. Temos de discutir a economia, a democracia muitas vezes ameaçada pela possível censura à imprensa, por projetos do governo pretendendo destruir as formas democráticas de se governar iludindo os incautos com o que dizem ser participação da sociedade. Queremos ouvir embates sobre a nossa estrutura política, que parece não mais fazer sentido para um povo que quer participar e cobrar seus representantes. Queremos saber o que Marina faria sobre a política industrial também, e o que faria com a aprovada lei ambiental que ela tanto lutou contra. E quanto à política externa, qual é a proposta? Aécio Neves tem um plano bem estruturado, feito por pessoas competentíssimas. Dilma não se pronuncia claramente sobre nada, não diz o que fará na economia, aliás, não esclarece seu plano. Muito há que fazer no Brasil, mas ela acha que está tudo muito bom, o país está uma maravilha. Portanto, não é só desta tola promessa de "nova política" que precisamos. Para os encantados não há exigências. Para quem pensa para o futuro isso é primordial. O que o Brasil precisa é de competência e de honestidade.
 
Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com
São Paulo

*

LOBBY, QUE REMÉDIO?

Em verdade, em verdade vos digo que uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vale tanto quanto uma cédula de três reais. Chama a atenção o fato de o projeto para liberar o consumo de medicamentos foi apresentado pelo deputado do PSB, Beto Albuquerque, candidato a vice-presidente na chapa de Marina Silva. O senador Humberto Costa, líder do governo no Senado, recomendou aos seus liderados a votarem contra. Afinal, qual a finalidade da Anvisa? Segundo a sua assessoria, além de não haver comprovação da eficácia, ainda expõe as pessoas a risco. O que prevaleceu no Senado durante a aprovação da venda de inibidores de apetite foi a forte engrenagem que move os interesses do Congresso e que são os pesados lobbies que serpenteiam pela Casa é o da indústria farmacêutica e o que mais intriga é que a tecnicidade e a ciência nada valem quando os tentáculos do aparelhamento precisam saciar o pantagruélico apetite do poder. O Congresso apenas contribuiu para desconstruir a credibilidade de uma instituição séria. Esse é o comportamento do Estado a serviço do partido em detrimento da Nação.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com  
Vassouras (RJ)

*

ANVISA X SENADO

Quer dizer que um órgão absolutamente técnico como a Anvisa emite suas resoluções e fica, depois, dependendo do Senado?  Realmente, o Brasil é um país às avessas.

José Carlos Barbério carlitobarberio@hotmail.com 
São Paulo

*

SAÚDE PÚBLICA E PRIVADA

Todo o cidadão brasileiro tem direito a assistência à saúde gratuita. Então, causou-me espanto saber que os planos de saúde têm de pagar ao governo quando um associado a um plano é atendido pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Como o governo sabe que o atendido tem plano? Eu defenderia o contrário, que é o governo que deveria pagar às operadoras de planos de saúde um subsídio para baixar o valor desses planos, justamente porque eles estão reduzindo os custos do atendimento pelo governo. Ou será que estou errado?

João Carlos Macluf jcmacluf@delta.inf.br
São Paulo

*

PENDURADOS EM VÍRGULAS

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, teve o desplante de afirmar que o plano da candidata do PSB, Marina Silva, pode paralisar a economia (“Estado”, 3/9, A4). Que história e essa, senhor ministro, de paralisar o que está empacado há tempos e mostra claros sinais de atrofia generalizada? Desde que sua madrinha e protetora, Dilma Rousseff, assumiu o trono presidencial, em 2010, e o manteve na pasta da Fazenda, vivemos pendurados em vírgulas que avançam invariavelmente no sentido contrário, da direita para a esquerda, e já provocam recessão técnica (dois trimestres negativos de crescimento). É hilário ler na mesma matéria o achismo recorrente com o qual tenta driblar a situação caótica que vivemos. “Eu acho que a inflação tem ser tratada com firmeza, como temos feito.” Se assim tivesse agido, o índice inflacionário, único em crescimento, estaria próximo do centro da meta de 4,5%, e não nas nuvens, como se encontra, 6,5%, e só não foi suplantado em razão do represamento dos preços da gasolina, do transporte e da energia, carros-chefes para provocar avalanche dos demais reajustes. E vê se dá um “time” nas críticas ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Na escola em que ele foi mestre, acredito que não passou de um medíocre aluno, que ainda esteja “de dependência” na matéria Macroeconomia.  
 
Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com 
Jundiaí

*

RECESSÃO TÉCNICA

Deitado em berço esplêndido e no mundo da lua, Mantega considera uma marolinha o tsunami que avassala o Brasil.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*

POVO ABESTADO

A presidente Dilma Rousseff sinalizou intenção de mudanças de sua equipe num eventual segundo turno na eleição. Estou aqui imaginando essas mudanças: Guido Mantega sai do Ministério da Fazenda e vai para o Banco Central e Alexandre Tombini sai do Banco Central e vai para o Ministério da Fazenda. Ou Guido Mantega sai do Ministério da Fazenda e assume a presidência da Petrobrás e Graça Foster assume o lugar de Guido Mantega no Ministério da Fazenda. E para não decepcionar a base aliada, Dilma já prometeu a criação de mais um ministério, o Conselho de Desenvolvimento. Para ficar perfeito, o Ibope acaba de anunciar que Dilma recuperou 3 pontos e volta a ter 37% das intenções de voto. Como bem disse Tiririca, "eita povo abestado". 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*

ELEIÇÕES EM SÃO PAULO

As pesquisas de opinião, principalmente em período eleitoral, são muito importantes, tanto para o eleitor como para o candidato. Mas algumas situações chamam a atenção. Como explicar que o governo Dilma sofra rejeição levando em consideração questões como saúde, educação, habitação, mobilidade urbana e, sobretudo, segurança pública – e essas questões não diminuem o conceito do atual governo de São Paulo? Ou a população de todo o Estado está satisfeita com o que tem passado nestes 20 anos de governo tucano? Quem pode explicar?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*

DESEJO DE MUDANÇA

O resultado da última pesquisa Ibope no Estado de São Paulo enseja algumas conclusões: apesar dos black blocs e infiltrados dos partidos radicais, que com suas agressões e depredações afastaram das ruas os manifestantes pacíficos, as insatisfações e o desejo de mudança continuam presentes, manifestados nas intenções de voto. É uma falácia que o eleitor tem memória curta: Lulécio e Dilmasia não foram esquecidos, apesar dos conchavos das lideranças. Daí o Alckimina! Os próprios petistas estão fartos do PT – a presidente, com 23% das intenções de voto no Estado de São Paulo, está abaixo do patamar mínimo do partido no Estado e Alexandre Padilha não é nem coadjuvante na eleição estadual.

Walter Zebinden zebinden@terra.com.br 
Campinas

*

A CRISE DA ÁGUA
 
O governo de São Paulo, por meio de uma parceria público-privada, iniciou as obras para trazer até 2018 para a Região Metropolitana de São Paulo cerca de 6 m3/s de água da bacia do Rio Juquiá a um custo próximo de R$ 2 bilhões. Serão cerca de 50 km de tubulação de diâmetro de 2.100 mm para adução de água bruta e cerca de 30 km de tubulação de 800 mm para a condução de água tratada, alem de uma estação de tratamento. Ocorre que a disponibilidade hídrica na Cachoeira do França, futuro local de captação, possui uma disponibilidade hídrica muito maior, de cerca de 18 m3/s, cuja utilização poderia reforçar o crônico déficit de abastecimento de água já em situação crítica mesmo antes da crise hídrica pela qual estamos passando. Alterando o diâmetro da tubulação de água bruta para 2.500 mm, se poderia aduzir 12 m3/s, ao invés dos 6 m3/s programados e já contratados. Essa diferença de vazão é de mesma ordem de grandeza, porém a um custo inferior, daquela que se obteria com a reversão das águas do reservatório do Jaguari localizado na bacia do Rio Paraíba, solução defendida pelo governo do Estado, que, no entanto, é de difícil concretização, tendo em vista o conflito pelos usos da água envolvendo municípios paulistas, fluminense e a própria cidade do Rio de Janeiro. Com a palavra, o governador do Estado de São Paulo.
 
José Eduardo W. de A. Cavalcanti jewac@bol.com.br 
São Paulo

*

DORMINDO DE TOUCA

Sou engenheiro agrimensor e trabalhei na Comasp (depois Sabesp) durante a década de 1970. Como é sabido, depois que o governador Laudo Natel assumiu o governo do Estado de São Paulo, em 1971, ele fundiu várias empresas estaduais do ramo de água e saneamento básico na Sabesp (Saec, Comasp, Sanesp, Sanevale, SBS, Fesb, DAE, RAE). Ocorre que a primeira diretoria da Sabesp a tomar posse foi a mesma da extinta Sanesp, que tinha uma bela sede na Rua Costa Carvalho, 300 (atual presidência da Sabesp), mas que de grande obra executada mesmo tinha apenas uma valeta de 60 cm de “profundidade” para assentamento de canos de esgoto. E essa diretoria, com a grande visão do futuro que tinham, acabou por completo com o Departamento de Hidrologia e Hidrometria da Comasp (já Sabesp), despedindo todos os engenheiros e funcionários daquele departamento, com a simples explicação de que “eles não eram mais necessários”, logo eles, que faziam as medições continuadas de vazão dos rios e precipitação das chuvas, elaborando gráficos para auxílio na escolha de futuros mananciais para captação e tratamento d’água, para abastecer São Paulo após o ano 2000. Como se vê, o ano 2000 chegou, passou e a Sabesp vem dormindo de touca já há bastante tempo, sem alguém que lá dentro desse o sinal de alerta para que alguma coisa fosse feita a tempo. Parece-me o Brasil que nos acostumamos a ver: os políticos fingem que fazem e nós fingimos que acreditamos neles!

Arthur Gomide do Nascimento zbigboss@hotmail.com 
Ribeirão Preto

*

PROVOCAÇÕES

Recomendo ao governo paulista que devolva aos candidatos do PT a provocação descabida e oportunista sobre o problema hídrico que assola nosso Estado, motivado pela omissão deste desgoverno petista na gestão dos recursos hídricos brasileiros.

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com 
São Paulo

*

DESMATAMENTO

Desmatamento na Amazônia Legal: 3.036 km2. É preciso perceber que corresponde a um quadrado dom 55 km de lado. Essa é a distância de São Paulo a Jundiaí. Quem fica, ou seja, quem se apodera dessa terra? O pessoal da agropecuária que faz parte da bancada ruralista no Congresso ou é por ela protegida. Trata-se da apropriação de patrimônio público, quer dizer, os cidadãos estão sendo roubados.
  
Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br
São Paulo

*

REINCIDÊNCIA NO CRIME

Não surpreende que o assassino do cartunista Glauco e de seu filho Raoni – conhecido por Cadú – agora seja suspeito de tentativa de homicídio e formação de quadrilha, em Goiás. Causa perplexidade que uma pessoa mate duas outras e que, pouco tempo depois, já esteja em liberdade, como se nada tivesse acontecido. Se ele era inimputável ao tempo dos fatos, deveria receber medida de segurança, dada a sua periculosidade. Estranhamente, pouco tempo depois, o mesmo já tinha laudo psiquiátrico favorável á sua desinternação. A decisão da juíza de soltá-lo pouco tempo depois é mais do que questionável e era até previsível que ele voltasse a infracionar. Enquanto isso, no outro extremo, pessoas pobres que furtam um pacote de bolachas, shampoo ou desodorante num mercado ou farmácia, são tratados com o máximo rigor da lei e muitos ficam presos por causa disso, em evidente sistema de dois pesos e duas medidas, algo que fere o sentimento de justiça da sociedade.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*

PREVISÍVEL

Tristeza. O assassino do cartunista Glauco e de seu filho faz mais uma vítima. Fato sabido e previsível, ele deveria estar preso, em local de segurança máxima. E quanto à junta médica que não consegue distinguir um criminoso nato de um eventual, demiti-la é pouco, deveria ser processada e presa, para que execute com responsabilidade o seu trabalho, muito bem pago. E um servidor que julga e libera sem conhecimento e por suposição diz que baseou-se em relatório falho – lembra o caso Pasadena –, este é o país dos que nada sabem, mas tudo decidem. Enquanto isso, famílias sofrem por incompetência de alguns, neste caso de algumas.

Adilson Pelegrino gumerci@terra.com.br
São Paulo

*

CONFLITO NO ORIENTE MÉDIO

Após a trégua firmada entre o Estado sionista e os palestinos do Hamas, aliada à proximidade das eleições no Brasil, a imprensa em geral deixou de dar destaque ao massacre recentemente ocorrido no Oriente Médio. Pois bem, na edição de 1/9 havia uma pequena notícia, sem nenhum destaque, de que o governo israelense anunciou a expropriação de 400 hectares de terra na região de Belém, na Cisjordânia. Segundo ainda uma organização israelense, denominada Peace Now, essa é a maior quantidade de terras confiscadas desde os anos 80. E agora eu pergunto: quem é mesmo o agressor? Quem é mesmo o invasor? Quem não está respeitando a trégua?

Renato Luis C. Gagliardi renatolgagliardi@gmail.com
Campinas

*

FUTEBOL, RACISMO E PUNIÇÃO

Depois de anos fazendo vistas grossas para as barbaridades praticadas pelos vândalos das denominadas torcidas organizadas, finalmente o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) tomou uma atitude para acabar com os absurdos praticadas sob o manto de tais organizações. Como é do conhecimento geral, elas só existem porque são incentivadas e apoiadas pelos dirigentes dos clubes brasileiros em nome do futebol. Já até perdemos a conta de quantos jovens perderam a vida, vítimas de verdadeiros trogloditas, alguns dos quais gozam até de alguma notoriedade, sendo até entrevistados pela imprensa escrita e falada como se fossem pessoas sérias. Cabe recordar o caso de torcedores do Corinthians que ficaram presos na Bolívia, acusados de causarem a morte de um jovem boliviano e receberam todo o apoio da diretoria do clube. Posteriormente, quando voltaram ao Brasil, alguns deles foram detidos pela Polícia Militar por motivos assemelhados. Assim, merecem aplausos os julgadores da ação contra o Grêmio de Porto Alegre, eliminando-o da Copa do Brasil, pois desta vez sua torcida extrapolou de vez – felizmente os racistas foram flagrados pelas câmaras das emissoras de televisão e já estão respondendo pelo crime cometido. Parabéns também ao goleiro Aranha, do Santos Futebol Clube, que interrompeu o jogo e foi reclamar com o juiz da partida contra os ataques de racismo que estava sofrendo. Juiz, aliás, omisso para ninguém pôr defeito e por isso punido também.
  
Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*

MUITO ALÉM DO BOM SENSO

A punição determinada ao Grêmio de Porto Alegre das “ofensas racistas” ao goleiro Aranha, do Santos, extrapolou os limites do bom senso. Mantendo essa punição aos clubes, poucos serão os jogos que ficarão isentos de alguma penalidade, e como exemplo lembro as “ofensas” que são dirigidas aos árbitros do futebol com palavrões ofensivos às suas genitoras, em quase todos os jogos. Entendo que apenas os torcedores que transgredirem devem ser punidos conforme a legislação, mas jamais o clube de futebol. Se a moda pega, dependendo do placar e interesses, os torcedores vão abusar dessas “ofensas” preconceituosas, propositalmente, para prejudicar o adversário e favorecer os seus clubes favoritos. É melhor rever essas punições aos clubes e reforçar o policiamento nos dias de jogos, dentro e fora dos estádios. A segurança dos cidadãos é dever do Estado.
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 
São Paulo

*

DESPROPORCIONAL

O time do Grêmio, tanto quanto a sua  torcedora acusada de racismo, estão sendo linchados  perante o Brasil e o mundo, apedrejados moralmente sem a menor chance de defesa, sofrendo uma vingança desproporcional e descabida à guisa de justiça. Os times da Região Sul sempre foram discriminados escancaradamente e descaradamente e a grande mídia nunca deu nem mesmo 2% da atenção que estão dando ao caso da torcedora ora sacrificada. Lembro aqui o fato ocorrido há poucos anos no Jornal da Band, quando um jornalista, sem saber que os microfones já estavam funcionando, disse a seu colega, a respeito de alguns garis que desejavam feliz Natal a todos, a seguinte frase: “Do alto de sua insignificância, nos desejando feliz Natal...”. Creio que este fato é de igual ou pior gravidade, mas não escandalizou tanto a mídia, de parcial que esta é! Pergunto aos senhores responsáveis por todos os times da Região Sul do Brasil se um jogador de qualquer time desta região houvesse sido vítima de algum torcedor do Corinthians, por exemplo, se o torcedor seria junto ao time, expostos e punidos da mesma forma... É óbvio que não! Creio que é chegada a hora de todos os times da Região Sul se posicionarem de forma a responder à altura aos abusos cometidos pelas entidades do futebol do Brasil. Que todos os times do Sul se retirem imediatamente dos campeonatos nacionais e que criem no Sul uma entidade própria para regulamentar o seu futebol, criando seu próprio campeonato, abandonando de vez as entidades existentes.
 
Nélio Alves Gomes raytomonelio@hotmal.com
Curitiba

*

RACISMO NO FUTEBOL

A exclusão do Grêmio da Copa do Brasil por causa de atos racistas de alguns torcedores teve repercussão pelo mundo do futebol. Como a  rivalidade entre as torcidas do Internacional e do Grêmio é conhecida no Sul, e o ponto-chave nesse episódio racista foi a identificação dos torcedores gremistas pela TV com a camisa do clube, imaginem esta situação: torcedores do Grêmio usando a camisa vermelha do Internacional decidem ir ao estádio  assistir a um jogo do Inter e cometem atos racistas e tudo fica registrado pela TV. Será que o Inter será punido pela encenação desses falsos torcedores? Será que encenação de racismo pelas torcidas rivais não poderá se espalhar pelo País afora? 

Edgard  Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*

STJD AUTORITÁRIO

Não sou gremista, mas esta decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) de excluir o Grêmio, de Porto Alegre, da Copa do Brasil, só porque meia dúzia de canalhas travestidos de torcedores e sem compromisso com a dignidade humana ofenderam com atos racistas o goleiro do Santos Futebol Clube, é estúpida, irracional e fere regras de mercado. O tradicional clube gaucho é literalmente uma empresa que tem compromisso com centenas de funcionários, e tem dignificado ao longo de sua história o futebol brasileiro. E não pode ficar a mercê de um tribunal de exceção como o STJD. Advertir o Grêmio e aplicar uma multa, tudo bem. Mas alijá-lo de um campeonato e apenas penalizar os infratores com suspensão leve de 720 dias dos estádios é um absurdo. Esses picaretas na realidade deveriam ser banidos de todas as competições esportivas do País. E é triste dizer que a derrocada atual do nosso futebol também passa pela inoperância e crueldade do STJD.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*

EXEMPLO

Cumprimentos STJD pela inédita e histórica decisão unânime, por 5 a 0, da 3.ª Comissão Disciplinar de punir o Grêmio com a exclusão da Copa do Brasil pela abjeta e condenável manifestação de racismo explícito por parte de sua torcida contra o goleiro Aranha, do Santos. O Brasil, país do futebol preto e branco que revelou ao mundo o Rei Pelé, "atleta do século 20”, não pode tolerar essas "macaquices" de torcedores preconceituosos em seus campos de futebol. O STJD dá o exemplo ao criar jurisprudência de imensa e significativa importância para o esporte mundial. Bravo!

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*

LUZ NO FIM DO TUNEL

Parece que a Justiça Desportiva finalmente acordou. Depois de um julgamento que durou quatro horas, deliberou excluir o Grêmio da Copa do Brasil. E, cá entre nós, foi uma pena muito branda aplicada ao time para o crime de racismo ocorrido ali, no seu estádio. Que o próximo passo da Justiça Desportiva seja punir exemplarmente os perigosos baderneiros que orbitam os estádios e seus arredores. Olho por olho, dente por dente.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br 
São Paulo

*

IMORALIDADE, ILEGALIDADE E INJUSTIÇA

Neste exato momento está chegando à mesa da nossa presidente, que tanto afirma idoneidade e altivez moral a Projeto de Lei (PL) 89/2014 aprovado no Senado Federal, por impulso do impoluto PMDB, que “legaliza” a permanência de interinos não concursados nas serventias notariais e registrais de todo o País. A lei contraria frontalmente a Carta constitucional de 1988 ao permitir a obtenção de delegação pública, prevista em seu artigo 236, sem o necessário concurso público. A imoralidade do antigo sistema cartorial, que tratava estas delegações como patrimônio privado passadas de pai para filho, ressurge na calada da noite, atingindo e prejudicando milhares de estudantes e advogados que nestes últimos dez a vinte anos vêm se submetendo à seleção concursal. O projeto de lei fere de morte todo o sistema que a Constituição “cidadã” buscou tutelar, patenteando que o Congresso efetivamente não é formado por políticos sérios e comprometidos com a honestidade, pois estes, sem pudor ou temor, no escuso afã de angariar recursos para suas campanhas e seus bolsos, não se importam em afrontar, ao mesmo tempo, a Carta de 1988, orientação contundente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da própria jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Agora o projeto está na mesa presidencial e a presidente deverá sancioná-lo ou  vetá-lo, aceitando ou não o império da Constituição ou se curvando à imoralidade reinante. 

Venicio Salles eniciosalles@uol.com.br
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.