Fórum dos Leitores

USP

O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2014 | 02h03

A crise orçamentária

Inaceitável a crise em que a USP se meteu: 105% do orçamento está comprometido com o pagamento da folha salarial, tornando-a inviável. A irresponsabilidade do último reitor, do sindicato dos funcionários e do conselho administrativo levaram a maior e melhor universidade do Brasil e da América Latina a um beco sem saída. As universidades estaduais paulistas têm autonomia orçamentária e devem gerir o dinheiro público nelas investido de forma racional e competente, com austeridade e prestação de contas. A USP fez exatamente o contrário, concedendo uma série de regalias e aumentos salariais bem acima do que é pago pelo mercado. Deu no que deu. Agora é hora de salvar a USP e fazê-la voltar aos trilhos, com suas contas saneadas e investindo novamente em pesquisa, tecnologia e educação de primeira linha, dando o retorno que a sociedade deve e espera ter. A USP é um patrimônio do povo paulista e brasileiro e não pode ficar refém de um pequeno grupo e de interesses corporativistas.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Greve remunerada

Vimos acompanhando há tempos a baderna que se instituiu na USP e nas demais universidades estaduais de São Paulo. São entidades que já pagam supersalários a um contingente excessivo de servidores e docentes. Enquanto isso, parece que o Tribunal Regional do Trabalho apoia a baderna ao fazer todas as concessões aos grevistas, no sentido de poderem ficar em greve para sempre recebendo normalmente os seus salários. Sabemos que por jurisprudência dos tribunais superiores dias parados por greve podem ser descontados, em especial por suspender os contratos de trabalho. Também não entendemos a jurisdição da Justiça do Trabalho nesse caso, uma vez que a USP é uma entidade pública composta por uma maioria de servidores estatutários. Apesar da autonomia universitária, a USP é um ente público estadual e o governo do Estado de São Paulo deveria estar também tomando medidas legais.

HEITOR VIANNA P. FILHO

bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

Hospital Universitário

Não faz sentido a discussão sobre a possível "entrega" do Hospital Universitário ao Estado. A solução é transformá-lo em organização social cujos sócios sejam necessariamente membros da Congregação da Faculdade de Medicina.

LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA, professor emérito da Fundação Getúlio Vargas

www.bresserpereira.org.br

São Paulo

CAMPANHA ELEITORAL

Novo governo

Com os índices de avaliação do seu governo em queda livre, indicando estarmos no caminho de uma recessão ainda este ano, a presidente Dilma Rousseff porá ministros petistas de férias para trabalharem na campanha de sua reeleição, ignorando completamente esse triste cenário de final do seu mandato. No Ceará, ao lado do ex-presidente Lula, seu guru e mentor, Dilma prometeu um novo Ministério, se reeleita. Na certa, para mudar tudo isso que está aí.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Mantega subiu no telhado

Pelas afirmações da candidata Dilma - "governo novo", "novos ministros" -, o vidente do Ministério da Fazenda não vai dormir tranquilo, visto que, se premida por um segundo turno com péssimas perspectivas, a presidente pode fritá-lo antes para tentar salvar a sua reeleição.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Troca geral

Presidente Dilma, por que esperar o resultado das urnas para a troca de ministros? Se a troca está condicionada à vitória, fica claro que seu Ministério é composto por vários incompetentes, que devem ser trocados já, antes do resultado do pleito. Manter ministros que não têm competência para o cargo é uma forma de chantagem com o empresariado e com a população. Sra. presidente, as pesquisas eleitorais estão murmurando que a troca será geral, portanto, no caso específico do ministro Guido Mantega, deixe-o até o fim do seu mandato, é uma forma de se vingar do povo pela derrota que virá.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

Vaquinha de presépio

Depois de quatro anos com o mercado sinalizando a pífia política econômica do ministro Guido Mantega, e só depois de ameaçada a sua reeleição, a presidenta Dillma sinaliza que, se reeleita, trocará o ministro. Fica uma pergunta pertinente: onde ela encontrará outra vaquinha de presépio? Que ministro se sujeitará aos berros e intromissões totalmente equivocadas da gerenta? Que o povo brasileiro nestas eleições tenha o discernimento para trocar a pessoa certa e que com ela se vá todo o presépio.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Vale-tudo

O desespero, de fato, tomou conta dos petistas. O nível da campanha para a reeleição da presidente Dilma Rousseff está tão baixo que enoja o eleitor que sabe discernir o que é melhor para o Brasil. Pela permanência no poder a qualquer custo prometem fazer tudo o que não fizeram em 12 anos de governo. Só agora viram que é preciso trocar a equipe econômica? Imaginem, depois que derreteram tudo o que Fernando Henrique Cardoso fez para mudar os rumos da nossa economia é que enxergaram que é preciso fazer mudanças! Essa de "governo novo, equipe nova" é conversa pra boi dormir. Compatriotas, a eleição está chegando e é a nossa grande chance de salvar o nosso Brasil. Caminhemos rumo às urnas pensando que chega de papo-furado. A nossa Pátria pede socorro. Chega de desmantelamento, 5 de outubro de 2014 é o dia da salvação.

JEOVAH FERREIRA

jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

Aviso prévio

É com pesar que leio que o ministro Guido Mantega, numa atitude desesperada ou não do atual desgoverno, se encontra em aviso prévio. Mas os europeus não estão preocupados, às voltas com deflação? Pronto, é só mandar o currículo!

RICARDO CASTRO T. MARTINS

rctmartins@gmail.com

São Paulo

Pesquisas e Bovespa

O santo da Dilma não bate mesmo com o da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Capota! Até nisso ela está sem sorte - quer dizer, sem competência.

ZUREIA BARUCH JR.

zureiabaruchjr@bol.com.br

São Paulo

*

GOVERNABILIDADE

Os eleitores brasileiros ainda estão engatinhando em relação ao funcionamento da democracia. Qualquer pesquisa demonstraria que a grande maioria não sabe nada sobre Congresso Nacional, os partidos, deputados, etc. Num processo eleitoral, enxergam apenas a figura do candidato e nada sobre toda a engrenagem necessária ao bom desempenho de um governo. O PT de Lula & Dilma, mesmo com ampla maioria de mais de 70% no Congresso, ou seja, cerca de 400 deputados federais, teve de lotear e leiloar cargos para conseguir "governar". A oposição, com mais de 100 deputados, pouco pôde fazer. Como será que a sra. Marina Silva vai governar, caso seja eleita pela coligação formada pelo PSB e PPS com 32 deputados em exercício e mais 4 partidos nanicos, que, todos juntos, têm apenas 2 deputados na Câmara? Teremos mais quatro anos de testes e aventuras?

João Carlos A. Melo

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

*

MUDANDO O JOGO POLÍTICO

Em eventual vitória de Marina Silva na disputa pela Presidência, esta tecla em que os eventuais perdedores tanto batem, da falta de uma "base parlamentar" para ter a chamada governabilidade, não passa de uma grande bobagem e de uma falácia das mais baratas. Será simplesmente surpreendente como um grande número de parlamentares da hoje dita situação baldearão para a nova situação votando a favor dos projetos governamentais. Os interesses políticos são maiores e os parlamentares são fiéis aos seus partidos de origem, mas nem tanto. Em primeiro lugar, defendem seu status de parlamentar e, em segundo lugar, também, e, em terceiro lugar, que se lixe o partido. Tanto PT como PMDB, e até PSDB e DEM, se dividirão e novos grupos num primeiro momento serão formados. Se de fato a sociedade é ávida por mudanças, esse será o início.

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

OPOSIÇÃO PARA SEMPRE

Como uma campanha presidencial pode ser tão omissa, tão descaracterizada e imatura no que se refere a novos projetos, necessários para frear a corrida tresloucada do eleitor que já se presumia ser do PSDB para a candidatura da paraquedista do PSB? Temas já debatidos, situações constrangedoras que se tornaram corriqueiras, falando e batendo na mesma tecla, não levarão o sr. Aécio Neves a patamar nenhum na corrida presidencial. Ou entra para valer - falando, denunciando e provando os "malfeitos" nos 12 anos da administração lulopetista e de um imponderável governo socialista (tiro no escuro) da agora endeusada Marina Silva - ou vai correr pela raia de fora e seu PSDB continuará a ser oposição (?) para sempre.

Aloisio A. de Lucca

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

SELEÇÃO

Conforme publicado pelo "Estadão" de 4/9, o presidenciável Aécio Neves (PSDB), referindo-se a seu programa de governo, declarou: "Temos uma seleção brasileira pronta para entrar em campo". Parece o Felipão falando...

Cláudio Moschella

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

MUNIÇÃO PARA DILMA

O que os meios de comunicação estão a demonizar a figura da candidata Marina é um óbice quando se tem exatamente um mês para a eleição. Que Marina é uma esfinge enigmática, ninguém discute, mas ela representa uma luz no fim do túnel quando a prioridade é tirar do poder esta malta que já desconstruiu o País. Com o combustível eleitoreiro que o candidato Aécio tem demonstrado, combater Marina, nessas alturas, é dar de mão beijada a reeleição a Dilma e, "ipso fato", a volta de Lula em 2018. Que todas as diferenças ideológicas sejam sepultadas e que no segundo turno, caso Aécio lá não esteja, que a munição do PSDB se some a Marina pelo bem do Brasil..

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ELOGIO

Não poderia haver elogio maior para Marina do que ser chamada por um petralha de FHC de saias!

Ricardo Castro Teixeira Martins

rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

AMEAÇA

Lula está em campanha para 2018 e já tem discurso pronto. Depois do Brasil descoberto em 1500, os brasileiros devem agradecer por ele existir e não vão conseguir demove-lo de ajudar o povo brasileiro. Só falta ser canonizado.

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA

A presidente Dilma, este desastre para nosso crescimento, mostra obras privadas como suas realizações, uma desfaçatez. Cabe às candidaturas de oposição exibirem as obras paradas da transposição do Rio São Francisco, as usinas eólicas paradas, sem linha de transmissão, os gargalos nos portos, as "estradas" em petição de miséria Brasil afora, etc. Em resumo, um rol de incompetência "como nunca se viu antes"

André C. Frohnknecht

caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

APOIO À REELEIÇÃO

Parece que 35% dos eleitores do Brasil estão hipnotizados com o discurso do PT, esquecendo o prejuízo que seu governo deu ao nosso povo: além da corrupção escancarada, fomos dirigidos por ministros incompetentes e irresponsáveis. Acordemos enquanto é tempo, caso contrário, dias ruins nos esperam.

Valdir Sayeg

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

COMPROMISSOS DE CAMPANHA

Na roda das eleições as dificuldades por que passa o País parece pouco importar não só à presidente, que deixa sua função de governar e só pensa e age como candidata, como alguns de seus ministros, que fazem tarefas partidárias e eleitorais, como Paulo Bernardo, Aloizio Mercadante, Garibaldi Alves, entre outros, como se fossem compromissos de governo. E o mais grave é que continuam recebendo religiosamente seus proventos. No mundo da política do Brasil atual, não basta ser desonesto é preciso também receber para sê-lo.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

MARCHA-LENTA

Dilma é tão marcha-lenta para entender o que está acontecendo que somente agora, quando absolutamente todos os indicadores econômicos apontam para o precipício, é que ela passou a considerar a possibilidade de efetuar "mudanças" em sua equipe econômica a partir de janeiro de 2015. Pelo andar da carruagem e a se confirmarem os números das últimas pesquisas, não deveria fazer esse tipo de planos, e, sim, aprender algum hobby para desfrutar do merecido ostracismo a que tanto faz jus.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

NOVO GOVERNO, NOVA EQUIPE

Uma máxima do futebol, tão ao gosto de seu antecessor, guru e padrinho: "Em time que está ganhando não se mexe". Sendo assim, como entender a seguinte fala da presidente Dilma, que sempre mostra o Brasil do seu governo como um paraíso na Terra? "Obviamente, novo governo, nova equipe".

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

INFLAÇÃO BAIXA

Acabo de ler que a Comunidade Europeia está enfrentando problemas com a baixa inflação. Podemos ajudá-los muito, enviando o sr. Guido Mantega mensalmente para orientá-los sobre o que fazer para elevar a inflação e, daqui a quatro meses, terá tempo integral, juntamente com a sra. Dilma, que estará também livre para assessoria em tempo integral. Porém, se o problema for bem grave, mandaremos logo nosso dotô honórios causos Lula, que é o orientador dos dois anteriormente citados.

Carlos E. da Silva Braga

carlosbraga@mmol.com.br

São Paulo

*

PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS

O nariz de Dilma Rousseff cresce mais do que o do Pinocchio!

Robert Haller

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

BOA ALUNA

Dilma Rousseff é boa aluna e representa bem Lula: quando é questionada sobre os muitos escândalos de corrupção em seu governo, ela diz que nada sabe. O penúltimo, o da Petrobras, pois o último acontece a cada mês, como a venda, pelo BNDES, de uma área no centro de Brasília avaliada em R$ 285 milhões, mas vendida por R$ 51 milhões, com um prejuízo aos cofres públicos de mais de R$ 230 milhões. A transação foi tão absurda que já está sendo investigada pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Graça Foster, atual presidente da Petrobrás, acusada de ser responsável pelo prejuízo de US$ 90 milhões (R$ 180 milhões) e de transferir vários imóveis para seus familiares, foi nomeada por Dilma. A candidata à reeleição não sabe das falcatruas envolvendo o dinheiro do Brasil, por extensão o nosso dinheiro? E o eleitor diz: "Me engana que eu gosto!"

Abílio Teixeira

abilioteixeira@bol.com.br

Brasília

*

SIMBIOSE

A triste constatação de que o sr. José Roberto Arruda (PR), flagrado em vídeo no ato de recebimento de propina, com a candidatura cassada, continua, segundo recente pesquisa, liderando as intenções de voto para o governo do Distrito Federal, dá bem uma triste ideia dos estímulos que movem o eleitor brasileiro. Na verdade, exibindo uma estranha e mórbida simbiose com candidatos mal intencionados e arrivistas de poder (Maluf foi reeleito várias vezes porque pertencia à classe de homens públicos que "roubavam mas faziam"), fato que torna inócua a indignação demonstrada por alguns setores conscientes da sociedade, desanimados e desalentados com a qualidade da nossa classe política e, em consequência, preocupados com o tipo de país que ficará como legado para as gerações futuras, a grande massa votante do País, na sua maioria deseducada e pragmática, não se importa com os meios desde que os fins, normalmente benefícios paroquiais e mesquinhos, sejam atendidos. Se não ocorrer, no médio prazo, uma ruptura higienizadora, baseada na ação constante de lideranças efetivas e corajosas, capazes de atuar em setores que devem ser continua e incondicionalmente contempladas, sem preocupações ligadas a duração de mandatos, como a educação, não ha como formular um prognostico de esperança mínima. Será que a sociedade dispõe de tais lideranças, mesmo em estado latente? Difícil de avaliar.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A CANDIDATURA IMPUGNADA

Aquele que um dia disse "estupra, mas não mata" e que se um certo prefeito, por ele apoiado, não fosse bom, que os eleitores não mais votassem nele - o procurado pela Interpol - e que obrigou os candidatos " postes petralhas" a se ajoelharem, figuradamente, e serem fotografados nos jardins de sua residência, para que seu partido os apoiasse, teve sua candidatura a deputado federal impugnada pelo Tribunal Regional de São Paulo (TRE-SP). O candidato recorrerá ao Tribunal Superior Eleitoral, pois confia na Justiça e, portanto, vai continuar fazendo sua propaganda, cantando loas às suas administrações! E nós, eleitores, confiamos nessa Justiça frouxinha e leniente com os poderosos, com leis feitas por eles e para eles?

Aparecida Dileide Gaziolla

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

TIRIRICAS

Se os Tiriricas em campanha forem eleitos ou reeleitos, o povo brasileiro definitivamente estará demonstrando que realmente merece o governo que tem. E depois de muito tempo a frase do Pelé ("o povo brasileiro não sabe votar") continuará atualíssima.

José Roberto Iglesias

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

DECORO PARLAMENTAR?

Vendo a abundante propaganda de Tiririca, propiciada por partido político pouco afeito aos princípios de respeito ao cidadão e ao eleitor, permito-me perguntar: a Comissão de Ética da Câmara está mesmo interessada em decoro parlamentar?

Gustavo A. S. Murgel

gustavomurgel@hotmail.com

Campinas

*

EDUARDO SUPLICY

Quem vê a propaganda de Eduardo Suplicy, candidato à reeleição pelo Senado, pensa: "Mas ele é tão legal. Tão bonzinho. Com aquele olhar longínquo". O povo não pesquisa seus feitos em 25 anos no Senado pelo Estado. Não levam em consideração as palhaçadas que fabricou, em vez de leis aprovadas. Sempre apoiando os errados, como o assassino Cesare Battisti e até black blocs. Mesmo assim, já está com 32% das intenções de votos em São Paulo. O povo continua desconhecendo a função de um senador. Se São Paulo ainda precisa crescer muito para aprender a escolher um candidato de acordo com sua função, imagina o resto do País. O filho de Renan Calheiros (outro notório senador) irá abocanhar o governo alagoano. Nessa toada, só falta Supla, roqueiro medíocre, ser candidato ao governo de São Paulo e ganhar. E ainda tem gente que acredita que o Brasil tem jeito.

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

DIFÍCIL DE ACREDITAR

Em recente pesquisa Datafolha para senador em nosso Estado, por mais difícil que seja acreditar, Suplicy já está com 32% das intenções de voto, grudado em José Serra, que ainda, vejam bem, consegue se manter na dianteira, com 35%. Mas tudo parece indicar que poderá ser ultrapassado pelo petista. Chego a duvidar dessa pesquisa, porque é difícil de acreditar que o eleitorado paulista seja tão burro ou desligado ao ponto de ainda votar num Suplicy que apoia estes 12 anos de governo petista tido como responsável por atos de corrupção como jamais visto no País. E pensar que em seu primeiro mandato cheguei a votar nele porque parecia diferente da politicalha geral. Suplicy é tão abúlico em seu mandato que só conseguimos nos lembrar de que ele existe quando participa de cenas constrangedoras, como quando saiu às ruas de São Paulo carregando nos ombros o candidato ao governo Alexandre Padilha, outro poste criado por Lula. Paulistas, acordem antes que seja tarde!

Laércio Zannini

arsene@uol.com.br

São Paulo

*

20 ANOS DE SENADO

"Suplicy - senador acima de qualquer suspeita." Senador há mais de 20 anos (gaba-se disso), para convencer eleitores, deveria publicar seus projetos e suas propostas realizados, ao longo de seus 20 anos de mordomias à custa do erário. Não vale contar as humilhantes, para o Congresso, apresentações como cantor, permitidas pelo plenário, para simplesmente rirem da imbecilidade do senador da República.

Pedro Ravelli

pedroravelli@uol.com.br

São Paulo

*

SENADOR VITALÍCIO

Um senador querer ficar 32 anos no mesmo cargo poderia ser transformado em senador vitalício, ou seja, a renovação na nossa política nunca vem por causa de fatos como este. Suplicy deveria se mancar e cair fora, afinal não fez nada de essencial pelo Estado, a não ser propaganda sem pé nem cabeça.

Antonio Jose Gomes Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

A TABELA DO IMPOSTO DE RENDA

O Congresso Nacional perdeu o prazo para aprovar ou não a correção da tabela do IR, de 4,5% para 2015. Coitadinhos, eles estão trabalhando demais.

Valter Gali

vgali@concili.com.br

São Paulo

*

PALHAÇADA

Respeitável público! "Acabo de assinar uma medida provisória (MP) corrigindo a Tabela do Imposto de Renda, como estamos (eu e o meu padrinho) fazendo nos últimos anos, para favorecer aqueles que vivem da renda do seu trabalho. Isso vai significar um importante ganho salarial indireto e mais dinheiro no bolso do trabalhador". Desrespeitado público! Acabo de ler no "Estadão" (4/9, A3) que a Medida Provisória 644 foi adiada graças a um erro grosseiro da bancada governista, que resultou no esgotamento do prazo de 120 dias para a sua tramitação no último dia 29 de agosto, mostrando claramente o nível de desleixo e da falta de controle da política petista. Babau mais uma graninha no bolso trabalhador.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de minas (MG)

*

COLONIZAÇÃO CUBANA?

O anteprojeto de lei de migração que altera o Estatuto do Estrangeiro (30/8, E7) pode ser benéfico - desde que não tenha o objetivo de colonizar o País por Cuba - a qual só era uma fazenda de açúcar da Rússia e passou a ser uma exportadora de escravos. Nem o mais reles país africano almejaria a degradação de ser colonizado por Cuba como pleiteiam os petistas e os bolivarianos na prática. De fato, as remessas pelo governo do PT de dinheiro à Cuba, de difícil contabilização, já devem ter ultrapassado a mísera Derrama à Portugal, do tempo de Tiradentes, e, requerem maior reação, de preferência nas urnas.

Suely Mandelbaum

suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

POBRES COITADOS

Nós, latino-americanos, estamos mesmo é para pobres coitados emocionais. Que se deixa levar mais para as novelas do acaso. Tudo bem! Que temos carências de líderes, de estadistas com a capacidade de criar e apresentar ideias novas e coerentes, não existe a menor dúvida. Vejamos a ilha cubana com seus castristas, a Venezuela e seus Chávez e Maduro, e temos a outrora bem-sucedida Argentina padecendo com sua herança peronista, e seus herdeiros políticos Evita, Néstor e, finalmente, Cristina. E no Brasil getulista, janista, Collor de Melo com suas desastradas promessas debilitadas e fracassadas que alimentou a esperança com o lulismo, que pariu Dilma e, agora, por um acaso, um acidente aéreo faz uma reviravolta emocional e lá estamos de novo na estrada do desconhecido como numa loteria. Talvez dê certo. E assim lá estamos nós sofrendo nossas limitações e precariedades em relação a líderes e estadistas que nos tirem dessa verdadeira herança maldita e quixotesca.

Henoch Dias de Amorim

henochamorim@globo.com

São Paulo

*

COMISSÃO DA VERDADE

Com ares de seriedade a comissão da verdade (?) estadual de São Paulo, apoiada pela Secretaria dos Direitos Humanos, inclusive com verbas, anuncia o início dos trabalhos de identificação de seis ossadas, num conjunto de mais de mil, que estiveram numa vala no cemitério de Perus e que pertenceriam a desaparecidos políticos. O ex-administrador do cemitério já esclareceu que os seis foram enterrados e identificados, mas, posteriormente, diferentes administrações municipais exumaram os corpos e os jogaram em valas, junto como os indigentes que ali também foram enterrados. Como agora separá-los? Haverá algum método seguro para fazê-lo? Ou será só um factoide ou uma secretaria querendo mostrar serviço à chefa?

Marco Antonio Esteves

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

POR UMA NOVELA A MAIS

Desde 3/9 o Metrô põe à disposição dos torcedores que forem assistir aos jogos de futebol no "Itaquerão" trens até 0h30 nas estações Itaquera e Artur-Alvim, para que possam dispor desse meio de transporte após o término dos jogos que começam às 22 horas no Estádio do Corinthians. Este é mais um absurdo. Como é de conhecimento geral, os jogos de futebol começam no esdrúxulo horário das 22 horas por exigência da Rede Globo de Televisão, que adquire normalmente os direitos de transmissão dos jogos de futebol. E o horário em questão se prende ao fato de que a emissora não abre mão de transmitir as suas novelas em seus horários tradicionais. E que se danem aqueles que se dispõem a ir até aos estádios em tais jogos. Ocorre que talvez a direção da Globo e os dirigentes da CBF e das federações estaduais não sabem, mas a maioria dos brasileiros têm que assumir seus postos de trabalho entre às 6 e às sete horas da manhã. Eis ai um dos motivos que os estádios nacionais andam sempre com lotação abaixo do esperado para o futebol pentacampeão do mundo. Mas agora essa proeza de mudarem os horários dos trens do Metrô é o cúmulo e só pode acontecer neste país onde os interesses da população geralmente não são levados em consideração. Os trens do Metrô param às 0h não por uma decisão aleatória de seus dirigentes e sim para que possam ser realizadas as imprescindíveis manutenções em suas linhas, equipamentos de sinalização e segurança e nas próprias composições. E há de se convir que é um intervalo de tempo bastante exíguo em vista da complexidade do sistema como um todo. Então esta decisão jamais poderia ter sido adotada, já que irá complicar a manutenção do sistema e, em consequência, implicar na segurança para os usuários e no pagamento de horas extras para os funcionários do Metrô. Cabe agora ao Ministério Público e ao Poder Judiciário acabar com essa festa E tudo isso por uma novela a mais.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

NÃO DEU CERTO

O Metrô não cumpriu o prometido, que era garantir que todos os que conseguissem entrar até 0h30 na estação Itaquera conseguiriam pegar o trem e fazer baldeação nas outras linhas. Cheguei às 0h30 à estação Luz e, para minha surpresa, eu e vários torcedores fomos impedidos de fazer a baldeação para as linhas azul e amarela. Todos tiveram de sair da estação e procurar ônibus, táxi, ligar para alguém vir buscar, voltar a pé, etc. Ainda o Ministério Público quer que o Corinthians pague as horas extras? Este país é uma vergonha, nada é sério, que levemos mais goleadas de 7 ou mais em Copas do Mundo

Rogério Yamada

rmassaoy@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.