Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO/PETROBRÁS

O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2014 | 02h04

Piratas é o que são!

As investigações na Petrobrás nos levam à mais profunda indignação: mostram que o esquema de lavagem movimentou R$ 10 bilhões em quatro anos, com ramificações no Ministério da Saúde, no PT, no PMDB, no PP e no SDD. Piratas, achacadores do dinheiro do povo é o que são esses marginais. Vivem acusando adversários de quererem privatizar a Petrobrás, mas são eles que a privatizam para seu próprio uso e abuso. E são todos coniventes, não se iludam. Ou vão alegar, como sempre, que não sabiam de nada e continuar ousando dizer que a compra da refinaria de Pasadena foi feita com base num "enganozinho" do servidor que apresentou um relatório? Valha-nos Deus, estão achacando nosso país acintosamente! Este bando de criminosos, de lesa-pátria, precisa ser extirpado do poder. Não dá mais para continuar. E que não fiquem cegos os que acreditam ainda que os fins justificam os meios num jogo cínico de vale-tudo para beneficiar não o pobre povo brasileiro espoliado, mas uma cambada de vorazes piratas dessa nau chamada Brasil, que está à deriva. São R$ 10 bilhões roubados só da Petrobrás, imaginem em outras estatais. Povo brasileiro, em 5 de outubro vamos dar um basta a esse sorvedouro do dinheiro público, à insanidade desses sociopatas. O Brasil é nosso, não podemos deixá-lo mais em mãos tão sujas! Chega dessa sangria do dinheiro do povo trabalhador e sempre esperançoso, que não merece isso.

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

Está explicado

Agora é possível entender por que o PT sempre foi contrário à privatização da Petrobrás. Os petistas sabiam que a empresa seria uma gigantesca fonte de recursos a serem desviados pelas quadrilhas internas do partido. País governado por bandidos.

ANDRÉ COUTINHO

arcouti@uol.com.br

Campinas

Procura-se

É preciso usar uma lanterna de Diógenes para achar um honesto neste governo.

RONALD MARTINS DA CUNHA

ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

Câncer social

A delação premiada do ex-diretor da Petrobrás revelou o envolvimento de agentes públicos, empresários e doleiro no desvio de dinheiro público. Quantos benefícios deixaram de ser feitos em prol da população tão sofrida? E vem o discurso petista de que nunca foi presa tanta gente neste país. Claro, pois nunca houve tanta roubalheira no Brasil.

LUIZ FELIPE SCHITTINI

fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

Negação como tática

Gilberto Carvalho - pessoa polêmica, vide caso Celso Daniel - diz que as delações do ex-diretor da Petrobrás não são confiáveis. Lógico que, como membro da cúpula do PT e ministro de Estado, não poderia dizer outra coisa. Porém é muito difícil que entre os três governadores, seis senadores, um ministro deste governo e 25 deputados federais não existam culpados. O PT novamente se afunda nas mazelas que pratica desde o mensalão e leva junto o seu principal parceiro, o PMDB. Não é estranho, sempre os mesmos partidos envolvidos no mesmo tipo de transgressão? Será mesmo, como diz Gilberto Carvalho, que "as acusações não são confiáveis"?

JOÃO MENON

joaomenon42@gmail.com

São Paulo

E agora, Lula?

Nessa tramoia (uma delas) na Petrobrás que está vindo à tona consta o nome de numerosos políticos. A confissão do réu preso é clara quando diz que o Lula sabia de tudo. E agora, Lula vai continuar com essa de que "não sabia de nada", que essa trapaça também não existiu, que os companheiros acusados são uns "aloprados"? Se havia dúvida de que esse cidadão sempre soube de tudo e é o chefe dessa quadrilha, agora está dissipada.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

Impunes em outros casos

Por que será que não me causa surpresa alguma ver a relação de nomes apontados na denúncia de Paulo Roberto Costa? Será porque são sempre os mesmos?

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Os suspeitos de sempre

Nem precisa investigar, é só fazer a chamada: Lula, presente, Vaccari, presente, Vaccarezza, Sarney, Jucá, Lobão (...), Cabral. E despedir a inspetora.

HELENA RODARTE C. VALENTE

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

STF sem Barbosa

A empresa mais importante do Brasil foi escolhida por alguns políticos amigos do PT para ser saqueada. Graças à delação premiada esse caso está vindo à tona. A maior preocupação dos que querem justiça é como se comportará o Supremo Tribunal Federal (STF) sem o honrado dr. Joaquim Barbosa, uma vez que no caso do mensalão vários ministros atuaram como advogados de defesa dos réus.

LUIZ BIANCHI

luizbianchi@uol.com.br

São Paulo

EDUCAÇÃO

Por aumento de 75,33%

Correto e oportuno o editorial A valorização do magistério (7/9, A3). Há anos temos afirmado que a qualidade da educação e a valorização do magistério são componentes da mesma equação. Em que pesem os esforços de professores e professoras, não há como garantir ensino de qualidade com baixos salários, uma carreira que não oferece possibilidades de crescimento profissional e salarial, más condições de trabalho. Jornada excessiva em sala de aula, violência nas escolas e outros fatores que causam adoecimento e abandono da profissão. Nos últimos anos, obtivemos avanços importantes, como a Lei 11.738/08, que instituiu o Piso Salarial Profissional Nacional e a obrigatoriedade de destinação de 33% da jornada para atividades fora da sala de aula. Agora, o Plano Nacional de Educação, entre outras metas e diretrizes fundamentais para a valorização do magistério, determina, em seis anos, a equiparação salarial dos professores com as demais categorias de nível superior, planos de carreira e o cálculo do Custo-Aluno-Qualidade como parâmetro para os orçamentos educacionais. Em São Paulo, lutamos por um plano de aumento real que chegue aos 75,33% necessários para a equiparação salarial e por um plano de carreira atrativo, que atenda nossas necessidades e reivindicações.

MARIA IZABEL AZEVEDO NORONHA, presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo (Apeoesp)

rosana@apeoesp.org.br

São Paulo

O ESCÂNDALO PAULO ROBERTO COSTA

Todos os brasileiros devem estar lembrados da preocupação do PT em ganhar as eleições usando a palavra privatização como arma para atacar o governo FHC. Antes a estatal tivesse sido privatizada. Os petralhas, como há muito tempo se vê, conseguiram invadir o interior da maior empresa de petróleo do País e fizeram uma devassa. Fica explicado, agora, depois do depoimento do ex-diretor da empresa Paulo Roberto Costa, ao aceitar a delação premiada, o temor de Renan Calheiros (PMDB), presidente do Senado, e de Henrique Eduardo Alves (PMDB), presidente da Câmara, em blindar a CPI da Petrobrás, a pedido do governo Dilma (PT). A lista de denunciados é extensa. Graças ao trabalho do juiz federal Sergio Moro, de Curitiba, o Brasil está conhecendo um pouco mais do trabalho desse magistrado, que se tornou uma referência em crimes financeiros. Caberá ao ministro Teori Zavascki aceitar os termos da delação premiada negociada com Paulo Roberto pelo juiz Moro. A grande pergunta que se faz neste momento é: ficando o assunto nas mãos do Supremo Tribunal Federal (STF), alguém acredita que os envolvidos serão punidos?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
A VERDADE VINDO À TONA

Conforme noticiou o “Estadão”, o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa delatou vários políticos na Operação Lava Jato, entre eles deputados, senadores e até ministros que se locupletavam de dinheiro desviado da Petrobrás para seus partidos e para fins particulares. Fica no ar a questão: imaginem de quanta coisa aquele ministro do STF que mandou soltar o meliante teria nos privado, em especial, “da verdade”, se sua decisão não fosse questionada e o infrator ainda estivesse livre, leve e solto? Declinar da competência em certos casos, além de sábio, dá um brilho biográfico extra ao currículo de V.Sas. Excelências.  

Paul Forest paulforest@uol.com.br 
São Paulo

*
‘MENSALÃO 2’

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, ao ser acusado pelo ex-diretor da Petrobrás ao usufruir-se da delação premiada, defendeu-se dizendo que não tinha nada a ver com o assunto e que a Petrobrás era petista. Sinto-me infeliz ao me deparar com tamanho disparate – nos tempos de minha juventude jamais se poderia esperar tamanho absurdo. A esta altura, Getúlio Vargas deve estar se revirando no túmulo de tanto desgosto e de não poder descansar em paz. A queima da bandeira brasileira pelo movimento dos inconformados, durante o desfile de Sete de Setembro no Rio de Janeiro, reflete bem o estado de degradação a que chegou a política no Brasil. Sinto saudades de Joaquim Barbosa para lutar mais uma vez contra o “mensalão 2” da Petrobrás.
 
Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro

*
FOGUEIRA

A delação do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa representa uma verdadeira cremação!

Jorge Mema Bernaba jorgebernaba@gmail.com 
Araçatuba

*
CUIDADO

Não será justa a divulgação de nomes de partidos políticos e políticos que eventualmente estejam na lista dita pelo ex-diretor da Petrobrás. Há que se provar tudo antes da divulgação de qualquer nome ou partido de eventual beneficiado no escândalo, nessa delação. Caso contrário, lançam ao ar um nome qualquer e o envolvido ou não no escândalo sofrerá um prejuízo muitas vezes até injusto. Há que se ter muito cuidado neste momento. Um perdedor eventual, potencialmente é capaz de tudo para escapar da degola.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
O MESMO DISCURSO

Resposta do PT aos sucessivos escândalos de corrupção nestes 12 anos à frente do País: “Eu não sabia de nada. Eu não sei de nada”. O mesmo discurso por longos 12 anos! O sr. Lula e a sra. Dilma nunca sabem de nada! Seus auxiliares desviam recursos sob seus narizes e ambos não sabiam de nada? Quanta inocência! No mínimo, é um atestado de incompetência! Com essa declaração, a respeito do novo escândalo da Petrobrás, a sra. Dilma provou que não tem competência para continuar por mais quatro anos na Presidência do País. 
 
Fábio Zatz fzatz@uol.com.br 
São Paulo

*
PROSPECÇÃO

Os funcionários acham petróleo a 4 mil metros de profundidade e a gerentona presidenta do conselho não consegue ver o trambique debaixo do seu nariz...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 
São Paulo

*
DUTOS DA CORRUPÇÃO

As revelações do ex-diretor Paulo Roberto Costa mostram que os insistentemente chamados inimigos da Petrobrás, na realidade, queriam alertar que os ditos amigos – ministros de Estado, governadores aliados, políticos da base e funcionários de confiança da presidente Dilma e de seu guru inventor – usaram os dutos da petroleira, por onde deveriam passar somente o diamante negro, para escoar barris de dinheiro corrupto, que levaram a maior empresa brasileira a perder, até aqui, metade do seu valor de mercado.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br 
Rio de Janeiro

*
PASSIVO MORAL

Sabíamos, como afirmou a presidente Dilma, que fariam “o diabo” nestas eleições. Realmente é assombroso o conteúdo das denúncias. De certas figuras conhecemos o "modus operandi", não há surpresas. Outras nem tanto. Afinal, são políticos. O que é certo é que as próximas gerações deverão arcar com um passivo econômico respeitável, que deverá ser pago com muito sacrifício. Entretanto, o passivo moral, esse é impagável! Vergonhoso!

J. Perin Garcia jperin@ulo.com.br
São Paulo

*
NOVO VERBETE

Um novo verbete para a Transparência Internacional anotar: "Petralhar: aparelhar o Estado, roubar até os ossos e entregar a massa falida ao trouxa seguinte administrar". Esse novo verbo vai relegar o "malufar" ao rol das curiosidades históricas.

Renato Pires repires@terra.com.br 
Ribeirão Preto

*
BOA BRIGA

Cumprimento o sr. Paulo Roberto Costa pelas denúncias sobre escândalos na Petrobrás, que todos nós sabíamos existir. Não sou acionista. Se fosse, eu compraria essa briga. Cabe ao STE cassar todos os acusados, já nesta eleição. Torná-los inelegíveis para toda a vida e proibi-los de exercer qualquer função em qualquer esfera, federal, estadual, municipal, nos partidos políticos, etc. Sabe-se que tudo o que os corruptos recebem se destina aos partidos políticos. Por isso os partidos devem ser punidos com a suspensão do fundo partidário, de formação de coligações e até ter a cassação de suas atividades. Lamentavelmente, a nova gestão que assumiu o STF não é confiável.
 
José Maria Gonçalves josemagoncalves@ig.com.br
São Paulo

*
SAUDADES DO GLORIOSO STF

Estamos vivendo os piores 12 anos de política no Brasil, só se houve falar em roubalheira, canalhice das mais nojentas que podem existir. Estes malditos políticos estão dilapidando nossa democracia. Lei só existe para quem não tem recursos: esses petralhas da vida roubaram o que puderam com o mensalão e estão afundando nosso maior patrimônio, que é a Petrobrás, e não temos a quem reclamar, porque está tudo dominado. Isto é uma vergonha!

Lauro Joe de Oliveira Leite lauroliveira_leite@hotmail.com 
Ourinhos 

*
PETROLÃO

Bomba! O petrolão causou muito mais prejuízo que o mensalão, envolvendo o governo do PT – como sempre –, alguns notórios políticos da base alugada e algumas empresas beneficiárias do golpe de que foi vítima a maior empresa brasileira, segundo a delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás. Ainda não conseguimos digerir a informação por inteiro, mas, claro, acompanharemos por meio da imprensa e da mídia o desenrolar de mais este imbróglio, que será julgado por Teori Zavascki, juiz do STF, cuja composição atual de juízes, desde a presidência, é conhecida por sua "neutralidade" em relação ao PT.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br  
São Paulo

*
O PT QUER MAIS

A Bolsa de Valores e o mercado financeiro em geral já demonstraram de forma inequívoca sua rejeição a Dilma ao reagirem negativamente quando a presidente sobe nas pesquisas, e vice-versa. Minha dúvida: qual será o limite até que a candidata perceba que sua intenção de governar o País por mais quatro anos pode arruinar ainda mais a situação da economia hoje em recessão? Será que o PT pretende quebrar de vez a economia para empossar Dilma e seu projeto totalitário de poder, igualando-nos finalmente aos amigos bolivarianos que já vivem um catastrófico default econômico? Atenção eleitores, o partido que Dilma representa, segundo o delator Paulo Roberto Costa, foi um dos beneficiários do dinheiro desviado da Petrobrás, hoje no vermelho do PT. Resumindo, sem Dilma a economia agradece. Fora PT.

Peter Cazale pcazale@uol.com.br 
São Paulo

*
PETROBRÁS E AS ELEIÇÕES

Num país politicamente desenvolvido, por muito menos que as inimagináveis ocorrências na Petrobrás o governo seria derrubado pela indignação na opinião pública.  Aqui um zelo pela aparência de compostura da presidente levaria à sua demissão e à desistência da candidatura à reeleição. Por que a oposição e a imprensa não clamam por isso?
  
Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br
São Paulo

*
RIMA

Delação premiada. Toda a Nação contaminada. Punição: a pizza está sendo assada. Brasil: isto é uma vergonha.
 
Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br 
Vinhedo

*
BONS ASSESSORES

Depois das denúncias de Paulo Roberto Costa, as quadrilhas do erário devem estar se indagando: “Não se fazem mais assessores como antigamente?”. Antigamente, todo assessor era a pessoa da maior confiança. Aquela que cortava a cabeça pelo “padrinho”. Quando pego com malas de dinheiro, confirmava ser o dono. Quando indagado sobre o dono, confirmava nem conhecê-lo. Sacrificava-se na cadeia e ainda recusava cigarro para não comprometer. Hoje assessor grava tudo em pen-drive. Faz milhares de cópias e distribui para familiares e amigos íntimos em caso de ser assassinado. E quando pede apoio do “padrinho” e ele não vem, vomita tudo. Agora a quadrilha toda que assaltou a Petrobrás grita inocência. Sabe como é, com excelentes advogados, nosso Código Penal é barbada. Mas com provas...

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
IMPUNIDADE

No país da impunidade, a gigantesca corrupção vai crescendo cada dia mais, mas até agora muito pouco aconteceu. Será que algo vai mudar? A Democracia está correndo enorme risco.

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com 
Botucatu

*
ENGAVETADOR DA REPÚBLICA
 
Lendo as notícias sobre a pilhagem na Petrobrás, faço conexão imediata com o escândalo maior do PT, o assassinato de Celso Daniel, que continua impune depois de recusado o pedido de habeas corpus de Sergio Sombra, porque, no dia 19 de dezembro de 2012, Ricardo Lewandowski, desprezando os votos dos ministros do STF e o direito de investigação do Ministério Público, trancou o processo em sua gaveta.  
 
Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br 
Rio de Janeiro 

*
CONTRA FATOS...

Afinal, quem foi o maior engavetador de pareceres e ou processos na história da República? Para os petralhas, FHC era o cara, mas a revista “Veja” aponta o ministro do STF amiguinho do casal Marisa/Lula, Ricardo Lewandowski, interferindo em processo para acobertar irregularidades de Dilma. O TSE nas mãos desse ministro sumiu com pareceres técnicos que sugeriam a reprovação das contas do PT na época do mensalão. Contra fatos não há argumentos, os petistas têm o péssimo hábito de apontar erros do PSDB usando sua própria régua, ou melhor, a imagem que projetam no espelho.
 
Leila E. Leitão
São Paulo

*
ELEIÇÕES 2014 E OS DÓLARES

A campanha eleitoral está em pleno vapor e até o momento a Polícia Federal não fez nenhuma apreensão de dólares em malas, meias, cuecas, calcinhas ou soutiens. Estranho, muito estranho... Como será que está sendo feito o transporte de dinheiro ilegal para pagamento das despesas de campanha não contabilizadas? Ou será que, com a prisão do doleiro Alberto Youssef, o dinheiro ficou retido em algum paraíso fiscal e as despesas não estão sendo pagas? Essa é uma boa época para recuperar parte do dinheiro extraviado da Petrobrás. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
DILMA SEGUE EMBROMANDO

Assisti com muita atenção pela TV Estadão (internet) à entrevista com a candidata à Presidência Dilma Rousseff. De tão confortável que estava na biblioteca do Palácio da Alvorada, nem se incomodou que falava ao vivo para a Nação.  Embromou de tal maneira as perguntas dirigidas pelos jornalistas que mais pareceu um papo bem chulo de botequim. E, na maior cara de pau, fugiu de responder de forma objetiva às importantes questões a ela formuladas. Ainda teve tempo para dizer, sem ruborizar, que no seu governo e nos de Lula se promoveu maior qualidade na educação. Uma piada... Sobre os múltiplos escândalos na sua gestão, como exemplo o da compra da Refinaria de Pasadena, dos desvios de 3% de recursos para os partidos nas obras da Petrobrás, envolvendo inclusive seus ministros e até governadores, que o próprio ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa confirma em delação na Justiça do Paraná, Dilma responde afirmando que essas denúncias vieram a público graças às investigações feitas pelo seu próprio governo. Só faltou a presidente dizer também que ela foi quem exigiu de Paulo Roberto Costa, para arrotar com muita transparência, detalhes e lealdade ao povo brasileiro, todos os envolvidos neste suposto desvio de R$ 10 bilhões da nossa estatal, conforme identificado pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. E essa é a presidente da República do Brasil que, se reeleita, promete uma nova fase de governo. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
MARINA OU DILMA?

Eu concordo plenamente com o leitor sr. Roberto Luiz, na carta “Marina ou Dilma?” no “Fórum dos Leitores” de 8/9, de que temos de arriscar em Marina, esperando que ela possa realizar as mudanças que a grande maioria dos brasileiros espera. Marina é a única esperança para tentar mudar esse cenário de desânimo geral com o governo atual.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*
RESSUSCITANDO O MEDO

A tática deu certo antes e não dará agora contra a candidata do PSB à Presidência, Marina Silva. Concordo com Marina, quando disse que a pior forma de fazer política é pelo medo. Como ela, também acredito que a esperança venceu o medo, e não cabe agora ressuscitá-la. Desde que Marina despontou nas pesquisas num empate técnico com a candidata do PT, Dilma Rousseff, surgiu nas redes sociais a “Estratégia do Medo”, algo condenável pelo próprio PT em outras disputas, para descontrair a imagem do oponente. Dilma tem dito repetidas vezes estar preocupada com o programa de governo de Marina Silva e faz investidas para explorar o que chama de “inconsistências” da presidenciável, porém até agora Dilma tem se recusado em apresentar o seu. Desde a redemocratização do Brasil, em 1985, o PT sistematicamente foi vítima da tática do medo nas eleições presidenciais. Sem exceção, seus adversários diziam que a eventual chegada do Partido dos Trabalhadores ao Palácio do Planalto seria uma aventura que poderia desestabilizar o País. Houve quem previsse fuga em massa dos empresários para o estrangeiro se a vitória petista se confirmasse nas urnas. Causa-me estranheza, portanto, que a vítima de ontem se transforme no algoz de hoje. Ameaçando na tentativa de reeleger Dilma Rousseff no pleito do mês que vem – especialmente depois que o acaso pôs Marina Silva como candidata à Presidência. O PT decidiu explorar o mesmo expediente que tanto lhe causou desgaste no passado. É uma incógnita usar esse meio nefasto, o tiro pode sair pela culatra ao procurar acionar consciência do perigo que o País correria em caso de eleição da candidata do PSB, a legenda ora no poder demonstra que não se constrange ao recorrer exatamente aos mesmos métodos que, no passado recente, foram utilizados contra si. O que nos leva a crer é que o partido de Lula não é diferente dos outros, e tem feito na calada da noite o vale-tudo para se manter no comando do Executivo Nacional, custe o que custar, doa a quem doer. Inclusive utilizar-se de estratégia que antes condenava. Onde está a coerência desse partido que se diz do povo, dos trabalhadores? Triste Brasil.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*
PREDADORES

Outro tsunami ocorre e as rotineiras reuniões palacianas continuam, à nossa custa, para avaliar os estragos a eles, não para o País ou para governar melhor, mas das eleições. O raio de ação revela cada vez mais um gigantesco molusco e toda sua prole, com enorme apetite, boa camuflagem, com muitos braços, tentáculos e ventosas poderosas, a do mensalão era o menor. Acompanha-os os peixes-piloto (empresários, políticos e áulicos) que os guiam até suas presas para aproveitarem-se inclusive dos restos destas. Pelas pesquisas, o eleitor quer mesmo molusco marinado ou à marinara.

Luiz A. Bernardi luizbernardi@uol.com.br 
São Paulo

*
INDEPENDÊNCIA CHAMUSCADA

"Já podeis da pátria filho, ver contente a mãe gentil...". Quando Evaristo Ferreira da Veiga compôs a letra do Hino da Independência, não tinha a menor ideia de que nas comemorações do 192.º aniversário, o filho não tinha nada de contente e a mãe nada gentil com a verdadeira falta de vergonha do que está ocorrendo no Brasil, onde, além de fracassos em todos os índices de desenvolvimento, seja material ou humano, ainda oferecemos ao mundo uma demonstração de que isto aqui é uma terra de bucaneiros inescrupulosos que atingiram o poder com a única finalidade de roubar sem constrangimentos das dezenas de milhares de mortes todos os anos devido à falta de segurança: de outras dezenas de milhares de mortes ceifadas pelas drogas, nas estradas e nos hospitais. Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás, acendeu o pavio de uma bomba capaz de decidir os rumos da eleição de outubro. A prioridade de Marina e de Aécio, se conseguirem chegar ao Palácio do Planalto, será, sem dúvida, construir mais e mais Papudas. Essa gente do PT e aliados fazem inveja aos famosos piratas Cavendish, Barba Negra, Morgan e o comandante do Pérola Negra, Jack Sparrow. “Vai raiar a liberdade, em outubro, no Brasil.”

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
SETE DE SETEMBRO

No domingo comemoramos mais um aniversário de nossa Independência. A partir de 7 de setembro de 1822 o Brasil deixou de ser colônia de Portugal.  E o que levou Dom Pedro a proclamar a Independência foi a vontade de grande parte da elite política brasileira de conquistar a autonomia política, o desgaste do sistema de controle econômico e os altos impostos recolhidos à Coroa Portuguesa. Quase 200 anos após o grito do Ipiranga, ouve-se agora o brado de mais de 200 milhões de brasileiros que clamam por uma nova independência. E não é para menos. Um bando de políticos comprometidos com ilícito, quase metade do Congresso Nacional, que dá guarida ao governo, de um modo ou de outro tem pendências na Justiça. Dia sim, dia não, estoura um caso de corrupção, um verdadeiro cancro que está destruindo uma nação. O sistema econômico, em mãos inábeis, está à beira do abismo e os altos impostos, os maiores do mundo, agora sustentam outro reinado, o de Brasília. Portanto, está na hora de um basta. Em 5 de outubro, vamos destronar a Rainha Dilma I e todos seus súditos, para que não passemos mais quatro anos vestidos de “bobos da corte”.
  
Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com  
Jundiaí

*
A PÁTRIA ESQUECIDA 
 
Propositalmente, esperei nos jornais ou em programas televisivos algo comemorativo sobre a data de nossa Independência, e, frustrado, faço a seguir algumas perguntas para reflexão. Quando teremos de volta o nacionalismo sadio e afirmativo para uma nação dominada por aproveitadores de plantão que mentem o tempo todo, nos defraudam e se locupletam impunemente? O que estamos deixando a nossos filhos e netos sobre esta nação dizimada pela mentira, subversão da ordem e mazelas incontornáveis? O que desejam nossos pequenos homens públicos, além de se perpetuarem em cargos caros e se beneficiando de tudo a que não tem direito porque nada oferecem ao País? Quando nossos Poderes Executivo, Judiciário e Legislativo demonstrarão para o que estão constituídos? Quando a lei pesará sobre aqueles que humilham uma Pátria ávida para promover seus filhos? Para não nos alongarmos, deixaria uma última pergunta: Que farão os eleitos, em qualquer nível do cargo a que for eleito, para mudar essa trágica trajetória? A Independência do Brasil ficou uma data perdida no calendário, tristemente. Independência ou morte!
 
João Batista Pazinato Neto pazinato51@hottmail.com
Barueri 

*
GRITO DE INDEPENDÊNCIA

Domingo, 7 de setembro, o Brasil comemorou 192 anos do chamado e histórico grito do Ipiranga, proclamado às margens do rio do mesmo nome, dado por Dom Pedro do alto do seu correu, voltando de uma visita imperial à cidade de Santos: “Independência ou morte!”. Ele deu ao Brasil, então colônia portuguesa, a suprema glória de se tornar uma nação independente, livre para conduzir seu destino por seus próprios filhos, eis que com aludido grito nasceu também um novo povo, cujos habitantes ali nascidos passaram a chamar-se povo brasileiro. Infelizmente, hoje, depois de 192 anos, o grito de nacionalidade transformou-se num grito de desespero, num clamor de lamentação do nosso sofrido Brasil, pela reportagem que a revista “Veja” desta semana, com o título “O delator entrega os nomes”, fez. O próximo pleito eleitoral deveria ser transferido para data mais longa, para que o Superior Tribunal Eleitoral tenha tempo para alijar todos os candidatos que estejam afetados pela Lei da Ficha Limpa, como medida saneadora da política brasileira. É como dizem os eleitores honestos: os fatos narrados pela revista não passam de um segundo mensalão!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br  
Assis

*
TODOS DESCONTENTES

Como católicos que somos, nunca tínhamos assistido ao que ocorreu no final da missa no último sábado (6/9). O coral cantou música alertando os fiéis sobre as próximas eleições. E após o padre fazer os avisos da paróquia, também fez a lembrança aos párocos, com pequena crítica sobre o momento que o País e os brasileiros estão vivendo, causados pelo atual desgoverno. Com surpresa, o padre foi saudado com uma sonora salva de palmas, deixando claro que são muitos cidadãos descontentes com o desgoverno petista. E quem não está? Inclusive a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) comunica pela mídia que não tem “curral eleitoral”... Fato inédito.
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 
São Paulo

*
APOIO A CANDIDATOS

Ultimamente tenho lido em diversos periódicos matérias como a publicada no “Estado” do dia 5/9/2014: “Agronegócio pede mudança de plano de governo de Marina para confirmar apoio”. Pergunto: O que pode representar um número de votos de "um punhado" de agroempresários? Será que eles vão entrar nas cabines eleitorais de seus milhares de empregados para verificarem em quem eles votarão? Grande coisa se eles apoiarão Marina ou abandonarão Dilma!

Daniel  
São Paulo

*
IMPLICÂNCIA COM O AGRO

Segundo se informa, representantes do agronegócio pedem que a candidata à presidência Marina Silva reavalie seu programa de governo na parte em que promete rever os indicadores de produtividade agrícola – usados para facilitar o processo de desapropriação de terras para fins de reforma agrária. As críticas a essa “espada de Dâmocles” que paira sobre o agro se justificam já que os índices a serem, eventualmente, “aprovados” em gabinetes oficiais serão obviamente arbitrários, gerando insegurança jurídica sobre a única área em que o Brasil ainda está no azul.  A esse propósito, o presidente da Federação da Agricultura de Mato Grosso foi ao ponto: “Não existe nenhum outro setor da economia no qual V. questiona a propriedade baseando-se em índices de produtividade”. De fato, em nome de se prestigiar a “função social da propriedade”, parte-se, no Brasil, para a ameaça a um setor que, bem ou mal, “segura as pontas” em nossa cambaleante economia. Lamentável que o agro tenha de conviver com tamanha insegurança jurídica. Fica, todavia, uma sugestão à candidata pessebista: se for para avaliar – como está em seu programa de governo – a produtividade das propriedades rurais, inclua nesse levantamento os milhões de hectares já entregues aos beneficiários da reforma agrária! Esteja certa de que boa parte dessas terras, dadas de mão beijada a beneficiários do programa de reforma agrária, haveriam de ser re-desapropriadas por não estarem cumprindo – para usar o jargão ideológico – sua “função social”. Se for para avaliar a “produtividade” no campo, que os dados sejam objetivos, abrangentes e democráticos e não seletivos ou discriminatórios, sob a influência de alguma matriz ideológica.
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com    
São Paulo

*
O VICE E A APROXIMAÇÃO COM O AGRO

Semana passada, recebi para almoçar três tradicionalíssimos produtores rurais gaúchos da região de Passo Fundo, mesma cidade do deputado Beto Albuquerque (PSB/RS) e candidato a vice de Marina Silva. Para não incorrer em erro grave, perguntei aos meus convidados se Albuquerque tinha alguma relação com o setor agrícola no RS, pois queria apenas confirmar aquilo que a imprensa anda divulgando com grande alarde como sendo uma de suas vantagens, ou seja, a excelente "ligação" de Albuquerque com o agronegócio. Meus convidados responderam em uníssono que, além de Albuquerque ser um ignoto no setor rural gaúcho, o mesmo já havia sido secretário de Estado do governo Olívio Dutra (PT). Para mim, ninguém que tem ligação com o PT pode ter "bom trânsito" com o agronegócio, a não ser que tenha interesses pontuais e escusos. Além disso, Beto Albuquerque não faz nem nunca fez parte da FPA e sua história política foi toda construída sobre bases progressistas, que são antagônicas ao empreendedorismo e ao desenvolvimento rural. Marina Silva e seu grupo político ameaçam a nossa segurança alimentar e o único setor responsável pelo superávit da balança comercial brasileira. Às populações urbanas, alerto: alimentos não são produzidos em fábricas nem nascem no asfalto.

Frederico D’Avila, produtor rural fredericobdavila@hotmail.com 
Buri

*
‘PERGUNTAS IMPERTINENTES’

Fiquei comovido com a defesa que Denis Lerrer Rosenfield fez das coitadinhas das empresas fabricantes de armas e munições, tabaco e bebidas alcoólicas (“Perguntas impertinentes”, 8/9, A2). Afinal, que mal essas empresas fazem, a não ser colaborar com a morte? E a malvada da Marina Silva mostrando-se contrária a estas inocentes empresas... Sem ironias, o autor do texto me fez pensar em votar em Marina.  

José R. Andrade Amaral roberto_arquiteto@yahoo.com.br  
São Paulo

*
CONFIANÇA

Se Marina Silva é confiável ou não, somente saberemos a partir do primeiro ano de governo da mesma. Por hora, tudo não passa de especulação, porque a metamorfose está tomando aparência presidencial. Isso é fato. Tão fato que o PT já começa a sentir os efeitos de ficar viúvo do poder, e os seus já procuram uma nova parceira, porque o Brasil não vai parar e a economia já começa a sentir novo fôlego. Fôlego este não de Guido Mantega, mas, sim, do povo. O que me deixa preocupado é o que pode aparecer quando o PT deixar o poder.

Joao Camargo democracia.com@estadao.com.br 
São Paulo

*
TROCA TROCA

Dilma falou que, se eleita, trocará Guido Mantega, mas declinou o possível novo nome. Para evitar surpresas, melhor trocar de presidente.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
AGORA É TARDE

Qualquer presidente competente não teria conservado Mantega como ministro da Economia.
 
Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo 

*
TROCA COM TROCO

Trocar só o ministro da Fazenda?

Alexandru Solomon Alex101243@gmail.com
São Paulo

*
CHUTE NO TRASEIRO

“Governo novo, equipe nova” disse Dilma, questionada sobre a permanência de Guido Mantega num eventual segundo mandato. Ou seja, independentemente de Dilma se reeleger ou não, em outubro Mantega receberá dois sapatões: um no pé e outro na bunda.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
MEDO

Achei curioso um comentário de um analista do mercado financeiro, publicada na mídia, sobre a crise gerada pelo comentário de Dilma sobre seu ministro (na verdade de Lula) da Fazenda, Guido Mantega. “Ele agora virou um morto-vivo.” Sinceramente, acho que ele nem nasceu, mas o comentário é valido porque a capacidade de um morto-vivo é aterrorizar, e isso ele conseguiu fazer com os empresários, o capital externo e os bancos e congêneres.

Iria De Sá Dodde iriadodde@hotmail.com 
Rio de Janeiro

*
SUPEROU

Com os números divulgados do IPCA de agosto, a inflação dos últimos 12 meses superou o teto da meta e o clube Brasil perdeu mais uma vez. E a presidente Dilma, a exemplo dos presidentes dos times de futebol do País, inclusive o presidente da CBF, se apressou em anunciar que, se os brasileiros a reconduzirem à Presidência novamente, ela demitirá o técnico Guido Mantega. Mas como sabemos todos que o técnico não é o único culpado dessa economia ridícula da Nação, tudo leva a crer que os sócios da agremiação demitirão a presidente também. Afinal de contas, o seu mandato já deu o que tinha de dar há muito tempo.
 
Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
INCÊNDIO NA FAVELA

Uma vez mais o Corpo de Bombeiros e nossos bravos soldados demonstraram por que são a instituição mais admirada no Estado de São Paulo. Somente após autorização dos criminosos, traficantes e alguns moradores da favela da Comunidade Sonia Ribeiro, Morro do Pilho, no Campo Belo, na zona sul, o trabalho de combate ao incêndio pôde ser iniciado. Esperar para poder atuar no combate às chamas no incêndio de domingo foi um dos maiores desrespeitos humanos com a pequena população honesta desta comunidade. Esta favela está localizada na região mais nobre da zona sul, entre os bairros Aeroporto, Campo Belo e o Brooklin, e sempre foi a maior concentração de criminosos e traficantes, principalmente pelo alto poder aquisitivo dos moradores e seus filhos da região. Convido qualquer cidadão a passar pela região e conhecer de perto o mais "livre e a céu aberto" comércio de drogas de qualquer natureza, compra de carros, produtos eletrônicos, roupas, celulares, bebidas estrangeiras, etc. existente ali. Alguém acredita que estes moradores atingidos vão algum dia sair desta tão "nobre e privilegiada" localização?
    
Werner August Sönksen wsonksen@hotmail.com 
São Paulo

*
ACORDO ORTOGRÁFICO

Língua é o que se fala e ortografia é o que se escreve. Faz bem Evanildo Bechara em apontar essa crucial diferença em "Amnésia ou ignorância?" (8/9, A2). No entanto, o alerta para uma radical simplificação da ortografia da língua portuguesa parece não proceder, uma vez que o próprio presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado, Cyro Miranda, tem refutado tal notícia. De qualquer forma, onde há fogo de paixões pode haver fumaça para dificultar a visão do todo. Fiquemos, pois em alerta.

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com 
Lorena

*
RETROCESSO

Concordamos com o professor Evanildo Bechara (8/9, A2) no sentido de que se uniformize a língua portuguesa pela ortografia, a fim de que ela se consagre como um idioma internacional. Desse modo haverá o melhor entendimento entre os países lusófonos que poderão utilizá-la nos relatórios resultantes dos encontros e congressos realizados entre si, sobre trocas comerciais, literatura e artes em geral.  O português constitui a terceira língua mais falada no ocidente, somos cerca de 250 milhões de pessoas que o falam, mas há anos que se tenta inutilmente esse acordo. A proposta feita por um grupo de senadores para que se adie a reforma acordada em 1990 constitui um retrocesso, quando a produção impressa em todo o País e nos mais diversos setores já se voltara para a sua assimilação. Da mesma forma, a simplificação da ortografia como pretende aquele grupo, causará maiores transtornos, pois ela não poderia ser feita pela fonética, isto é, pelos sons que são uma convenção voltada para a oralidade. Para que não redunde em anarquia, é preciso realizá-la pela etimologia, isto é, pela origem das palavras. Para tanto, existem os especialistas, os filólogos, presentes nas universidades e Academias de Letras de Lisboa e do Brasil. E mais, a rede de escolas públicas tem que dedicar pelo menos quatro horas por semana ao ensino de nossa língua para estimular não só sua melhor aprendizagem como também o raciocínio lógico dos futuros cidadãos.

Maria Cecília Naclério Homem, professora e escritora, formada em Letras Neolatinas pela USP mcecilianh@gmail.com
São Paulo

*
BASQUETE BRASILEIRO

Uma acachapante vitória da seleção brasileira sobre a da Argentina: 20 pontos a diferença a favor dos nossos vitoriosos. Assim, nem poderia ser de outra forma, "Sensacional" é a manchete sobre uma grandiosa foto que ocupou a página inteira do jornal (“O Estado”, página D1). Ótimo, excelente e, sobretudo, merecido, pois, afinal, era uma vitória sobre os tradicionais rivais argentinos. Mereciam os jogadores tão magnificente destaque. Porém, o mesmo tratamento não foi dado aos nossos heróis do voleibol, useiros e vezeiros de belíssimas campanhas, os quais agora estão marcando uma magnífica presença no Mundial da Polônia. Invictos na primeira fase, venceram de virada o último jogo dessa fase contra a equipe de Cuba, também tradicionais rivais deste esporte. Porém a notícia dessa vitória e da beleza dos voos dos atletas não tiveram aquele mesmo tratamento, pois mereceram apenas uma modesta notícia, sem foto – “Seleção Bate Cuba e Termina 1.ª Fase com campanha perfeita” – página D6. É preciso que isso mude. Ademais, é preciso também que as notícias sobre esses esportes não se cinjam às suas aparições nos torneios internacionais; destaque e descrição dos jogos, que também são emocionantes, devem ser dados às competições internas de forma que possamos acompanhar a evolução dos futuros heróis desses esportes.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br
São Paulo

*
VOLTA POR CIMA

Cumprimento a Seleção Brasileira de Basquete Masculino pela brilhante e arrasadora vitória por 85 a 65 sobre a favorita Argentina, pelo Campeonato Mundial, na Espanha. Já estamos nas quartas de final, entre as oito melhores seleções do planeta. Oxalá seja o início da volta por cima do nosso basquete, que é bi campeão mundial (1959/1963), mas vive grave crise e decadência há duas décadas, graças aos maus cartolas da CBB. O basquete masculino brasileiro merece voltar aos seus bons tempos, quando era uma das 4 ou 5 maiores forças do basquete mundial.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
BRASIL 85 X 65 ARGENTINA

Argentina, decime qué se siente. Te juro que aunque pasen los años. De estos veinte puntos. nunca nos vamos a olvidar

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.