Fórum dos Leitores

DISPUTA ELEITORAL

O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2014 | 02h04

Dilma sobe com mentiras

Por que o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) não pode atuar nas campanhas políticas? Estamos vendo as falas de dona Dilma Rousseff usando da credulidade dos mais simples, os que o PT diz defender, para apavorá-los na sua ignorância, mentindo descaradamente. Isso pode? Depois de feito o estrago na campanha dos adversários, só ela e o PT lucram. É muita desonestidade!

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

Instabilidade

A considerar o sobe e desce dos números nas pesquisas eleitorais e da credibilidade de Dilma, chego à conclusão de que somos um povo instável, volúvel e altamente e inseguro.

JOÃO MENON

joaomenon42@gmail.com

São Paulo

Quem ri por último...

Lula, Dilma e acólitos devem estar rindo sem parar depois da divulgação da mais recente pesquisa Datafolha sobre a eleição presidencial. Com efeito, é digna de nota a eficiência da máquina de propaganda conduzida por João Santana, que consegue alcançar sucesso incontestável nas regiões do País mais suscetíveis à lavagem cerebral. Não obstante, seria prudente que os petistas procurassem, neste momento de intenso otimismo, recordar o velho adágio "quem ri por último ri melhor": os números do levantamento também deixam claro que largas parcelas da sociedade seguem aderindo fortemente à narrativa da oposição, especialmente no Sul, Sudeste e Centro-Oeste. E dada a distribuição igualitária do tempo de televisão para os candidatos num eventual segundo turno, é muito provável que o adversário de Dilma consiga, nesse cenário, anular a vantagem que ela atualmente parece ter no Norte e no Nordeste - a tendência de momento é que a oposição tenha, no tira-teima, um desempenho bem superior ao de 2010 nas áreas onde o PT é mais fraco. Aguardemos.

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

Corrupção na campanha

É inacreditável a cara de pau da dona Dilma. Sou obrigado a ouvir, na propaganda eleitoral, a promessa de combate intrépido à corrupção. Agora? Depois de 12 anos no governo? Depois de tantos se locupletarem com o dinheiro da corrupção desenfreada? Passaram do pobre real (mensalão) para o dólar e os bilhões (Petrobrás). A última revelação do "Paulinho" (como o ex-diretor Paulo Roberto Costa é tratado por Lula) à Polícia Federal: "Em 2010 a campanha de Dilma Rousseff pediu dinheiro ao esquema de corrupção da Petrobrás" (Veja desta semana, capa). Além de inepta declarada, pois aprovou sem ler gastos na Petrobrás condenados pelo Tribunal de Contas da União, agora ela se arvora em paladina da moralidade pública. Com esse passado? Claro que é só para iludir os brasileiros desinformados. E o grito das ruas de 2013 vai pro brejo.

ANTONIO C. GOMES DA SILVA

acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

Imprensa sob ataque

Intempestiva e irresponsável como sempre, a dona Dilma já deixou claro para todos os brasileiros que, se reeleita, implantará o regime bolivarianista no Brasil. A exemplo de tantos segmentos da sociedade que caíram nas mãos dos petralhas, agora o ataque, frontal, é contra a imprensa. A arrogância e a soberba são tais que a dona Dilma fala abertamente, sem nenhuma subterfúgio. Pobre Brasil. Para mudar esse quadro os brasileiros que têm consciência devem se unir, num esforço de formiguinha, e trabalhar no boca a boca para mudar esse quadro fictício de que o povo quer os petralhas no poder. Posso lançar uma pergunta: você já foi entrevistado sobre em quem vai votar para presidente ou conhece alguém que o foi? Acorda, Brasil!

CARLOS BENEDITO P. DA SILVA

carlosbpsilva@gmail.com

São Paulo

Mordaça anunciada

No artigo A grande tolerância - da inflação ao terrorismo (27/9, A2), o jornalista Rolf Kuntz nos mostra quanto a atual presidente candidata é tolerante com os índices inflacionários, com o desarranjo das contas públicas, com a estagnação da economia brasileira, com os desaforos dos bolivarianos e - pasmem! - com os terroristas internacionais. A par dessa tolerância danosa reconhecida por quase 50% dos eleitores, eu destacaria a tolerância zero com a liberdade da nossa imprensa. Dilma fez uma declaração preocupante, mostrando que pretende calá-la com a tal "regulação econômica da imprensa" - já adotada nos países apoiadores do Foro de São Paulo, vide o que acontece na Argentina, na Venezuela e que tais, onde a mídia em geral publica só o que favorece o governo. Não devemos esquecer o Decreto 8.243, assinado por Dilma, que pretende apagar de vez a função controladora do Congresso Nacional. Eis um prato cheio para a oposição traduzir aos eleitores ignaros, com vocabulário simples, pois para muitos essas ameaças passam em branco.

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

MANIFESTO DOS GENERAIS

Desculpas mútuas

Não podia ter ocorrido em momento mais oportuno o manifesto assinado por nossos nobres militares da reserva repudiando as declarações do ministro da Defesa, Celso Amorim. O manifesto é uma clara mensagem de que as Forças Armadas não vão permitir o retorno ao nosso passado negro e vergonhoso. É notório e sabido que o povo brasileiro apoia integralmente as Forças Armadas na sua tarefa de manter a ordem política e social no País. Em vez dessa total parcialidade acompanhada de completo descrédito, por que a Comissão Nacional da Verdade não propõe um acordo e um pedido de desculpas mútuo, entre as famílias e os opositores vivos da época do regime, conjuntamente com os militares?

WERNER AUGUST SÖNKSEN

wsonksen@hotmail.com

São Paulo

Cautela e caldo de galinha

Parabéns aos generais que assinaram o manifesto. E atenção: estão jogando areia nos olhos da instituição para que não enxergue a arquitetura que estão montando sob falsa ideologia social-democrata: de social, o interesse em avançar no erário e de democrata, o apadrinhamento dos companheiros que estão no poder graças às Forças Armadas, que brilhantemente conduziram esse período negro de nossa História. Quem pega em armas não quer diálogo, quer guerra.

MANOEL BRAGA

manoelbraga@mecpar.com

Matão

Desculpem-me os srs. generais, mas a corja corrupta e subversiva está aí mais ativa que nunca.

SERGIO DIAMANTY LOBO

diamanty18@gmail.com

São Paulo

A ECONOMIA ESTAGNADA

O Relatório Focus, divulgado pelo Banco Central (BC), mostrou, pela 17.ª semana consecutiva, uma sequência de baixas para o crescimento do produto interno bruto (PIB), segundo a expectativa do mercado. Desta vez, chegamos a um irrisório crescimento esperado para a economia brasileira de 0,30% em 2014. Se 2015 não chegar logo, com tantas semanas pela frente para o PIB diminuir ainda mais, pode ser que tenhamos um número negativo para 2014.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro  

*
COMO EXPLICAR, PRESIDENTE?

A realidade é dura e não perdoa. Desta vez, será que a presidente Dilma Rousseff vai conseguir explicar como a economia dos EUA, no segundo trimestre deste ano, cresceu a uma taxa de 4,6%, e o produto interno bruto (PIB) brasileiro, como muito bem já vinha sendo previsto pelos analistas, infelizmente amargou neste mesmo período uma queda de 0,6%? Não era Lula que esnobava, entre 2008 e 2010, que a grave crise financeira americana era apenas uma “marolinha” e, como um vento leve, passaria ao largo do Brasil? A “mãe do PAC”, hoje nossa presidente, até recentemente quis até dar uma lição ao governo Obama sobre como governar com eficiência uma nação. Como Lula, Dilma, de salto alto, dizia que o Brasil tinha uma economia sustentável, com pleno emprego e crédito fácil. Mas este, no fundo, era “caro” e ludibriou a família brasileira de que tudo eram flores nesta terra tupiniquim. O resultado está aí: com quatro anos de penúria de crescimento econômico. Para 2014, talvez um PIB nulo, ou zero. E o trabalhador sem conseguir mais dormir com tranquilidade porque não consegue pagar suas dívidas. A farra literalmente acabou. E a embromação petista não cola mais.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos 

*
PESQUISA DE DESEMPREGO 

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a taxa de desemprego de 5% no Brasil em agosto, por meio da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrange seis regiões metropolitanas (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre). Como a presidente Dilma não deseja mudar o discurso nos palanques eleitorais sobre essa taxa irreal de desemprego, a saída foi suspender até janeiro de 2015 o método de pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), que abrange o desemprego em 3.500 municípios e se aproxima mais da atual realidade econômica do País. Fácil, não?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*
BALANÇO FURADO

O Brasil começou a usar o dinheiro de seu Fundo Soberano para fechar as contas de 2014. Isso equivale a sacar dinheiro da poupança para ir ao supermercado, pois o dinheiro do dia a dia acabou. O próximo passo é começar a usar o limite do cheque especial para comprar comida, vender o almoço para comprar o jantar e, por fim, pegar emprestado com o agiota de plantão. Não há força no universo capaz de fazer a presidente Dilma enxergar que as coisas vão de mal a pior com a economia brasileira. Dilma Rousseff não vai descansar enquanto não levar o País à falência, como Cuba, Venezuela e o resto do bloco comunista. A presidente Dilma vai continuar gastando como se não houvesse o amanhã, mesmo com todos os indicadores econômicos no vermelho, vai continuar com bolsa isso, bolsa aquilo, PAC 1, 2, 3, 4, corrupção e desvio de dinheiro por todos os lados. Não se vê uma única medida de austeridade no horizonte. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
TAPA BURACO

Governo saca R$ 3,5 bilhões para fechar contas. Pelo visto, o rombo nos cofres públicos é grande.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
ELEIÇÕES 2014 E O DESEMPREGO

Guido Mantega afirmou que não haverá alterações na política econômica, caso Dilma se reeleja, mesmo com a troca do ministro da Fazenda. Com certeza, após essa declaração, os empresários ficaram apreensivos, pois a indústria vem demitindo funcionários há quatro meses e prevê mais demissões no semestre. Talvez fosse o caso de os empresários terem uma conversa séria com seus funcionários e informá-los de que o gatinho subiu no telhado e que muitos irão perder o emprego caso Dilma seja reeleita. Não adianta mandar o recado pela mídia escrita, pois os empregados não leem jornais e revistas, e, se leem, não sabem interpretar o que está sendo noticiado, pois, caso contrário, Dilma não estaria em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. Fica a dica.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
NOVO MINISTRO

Já que o sr. Guido Mantega está perdido, a inflação e o dólar, nas alturas, e o PIB, pequenininho, não seria a hora de chamar o Lulinha, aquele que ganhava R$ 650,00 como monitor do zoológico e virou um megaempresário – um fenômeno das finanças, segundo Lula –, para o lugar de Mantega? Talvez ele resolvesse os problemas do Brasil... 

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br 
Ourinhos 

*
REELEIÇÃO
 
Aos trancos e barrancos, o Brasil sobrevive. Errar é humano, mas repetir o erro é burrice.  Já passou da hora de mudar e só depende de nós, eleitores. Chega de desgoverno e corrupção!

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 
Vila Velha (ES)

*
QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA

Segundo Lula, “eleição não é questão de amor”. Certo, pois para os petistas é questão de sobrevivência. Como dito, Dilma disse que faria “o diabo” para se reeleger e a promessa está sendo cumprida. Basta ver o estrago que o PT faz com quem ameaça o seu plano de poder. Faria um bem ao País se Lula se recolhesse em sua casa e preservasse a sua imagem de quando saiu do governo: tinha 80% de aprovação, e agora não pode sair às ruas sem ser vaiado. Isso sem mencionar a Operação Lava Jato, que reserva boas surpresas a Lula e ao seu partido também. Basta que tenhamos uma Justiça imparcial e justa poderemos ver essa gente pagar pelos males que fizeram e fazem ao Brasil. A conferir.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
DILMA DIMINUI O RITMO DE CAMPANHA

Viram como as aparências enganam? Dilma, em propaganda política, disse com veemência que Marina Silva não aguentaria o tranco que a Presidência exige, talvez por ser ela bem magra. No entanto, Dilma, ultimamente bastante gorda, deu uma diminuída em sua agenda política por se sentir “cansada”. Bem que os médicos recomendam: para manter uma boa saúde, é preciso comer corretamente e não ultrapassar o peso ideal. Quer dizer, mesmo magra, Marina vem mantendo um ritmo digno de maratonista. Já Dilma, fora de peso, está pedindo arrego. Pelo jeito, Marina teria melhores condições para manter o ritmo que a Presidência exige.
 
Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
DO PESSIMISMO AO REALISMO
 
Ao assistirmos a tamanhas mentiras, a tanta sordidez, dissimulações e imposturas de toda ordem pelo atual governo, amparado ainda por inúmeros órgãos e entidades contaminadas, às vésperas de uma eleição que poderia ser um momento de renovação patriótica e moral de um país combalido, como superar o pessimismo e não fugir do realismo? Malufs, Tiriricas, Renans, Garotinhos e tantos outros exemplos do que de pior temos em matéria política, que ferem a moral e os bons costumes, têm, segundo as pesquisas, elevados índices de aprovação e com chance de continuar a nos desmoralizar. Sutilmente, os mensaleiros a cada semana são liberados das prisões para continuarem suas desventuras já conhecidas, abraçados aos fiéis companheiros. Enfim, estamos fertilizando a desgraça em campo já minado e comprometido com o que de pior existe na periferia política com parceiros da estirpe de Venezuela, Argentina, Bolívia, Cuba, Equador, Nicarágua, entre outros. O otimismo em meio a raposas e lobos do padrão que alimentamos nos indica que ser otimista neste momento corresponde à ingenuidade ou burrice. Triste país.
 
João Batista Pazinato Neto pazinato51@hotmail.com
Barueri

*
PAULO MALUF

Há quantos anos Paulo Maluf vem se debatendo e afirmando que nada tem que ver com desvios de dinheiro púbico, conta bancária no exterior, etc., etc., etc., e os brasileiros ouvindo e lendo essas coisas? Em vez de querer blindar-se com a imunidade parlamentar, passeando pelas ruas em campanha para postular cargo público, ele deveria dedicar todo o seu tempo, e não apenas dois dias, para demonstrar a todos os brasileiros, de forma pontual e efetiva, que nada tem que ver com aquilo de que vem sendo acusado. E, também, formalmente declarar aqui e perante as autoridades estrangeiras que não se opõe a que o dinheiro dito em seu nome e de seus familiares no exterior não lhes pertence e que não se opõe ao repatriamento. 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br
São Paulo

*
CANDIDATURA BARRADA

Agora é definitivo: Paulo Maluf saindo pelas portas dos fundos do cenário político nacional. 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
IMPUGNAÇÃO

Para que Maluf concorra à reeleição basta que o Supremo Tribunal Federal (STF) suje a Lei Ficha Limpa.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
O DNA DA CORRUPÇÃO

Qual a diferencia entre Paulo Maluf e os caciques do PT? Nenhuma, parecem irmãos siameses.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 
São Paulo

*
COMENDO O PRÓPRIO RABO

O Brasil é de fato o país da corrupção. Tanto dos governantes como de seu próprio povo. A história é antiga e remonta a 1.500 d.C., quando da sua descoberta, onde os portugueses praticavam esta ignomínia tão logo aqui chegaram. A terra brasileira, extremamente generosa, suportou até hoje a depredação causada tanto pelos primeiros colonizadores como pelos políticos que aqui vicejam em profusão. Mas os corruptos existentes são fruto de uma população também corrupta, que deseja fazer suas próprias leis, desprezando as existentes. Esquecem-se de que a corrupção é algo como comer o próprio rabo: um dia estará comendo o próprio corpo e nada mais restará como butim.
  
Vitório F. Massoni suporte@eam.com.br
São Paulo

*
VOTO CONSCIENTE

Eleitor, vote consciente, só assim teremos um futuro melhor para o Brasil, que somos todos nós.

Victor Estrotra victore@globomail.com
São Paulo

*
MAIS UMA MENTIRA

Em discurso de abertura da 69.ª Assembleia-Geral da ONU, a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, mentiu mais uma vez ao dizer que reduziu o desmatamento na Amazônia legal. Ao contrário do que disse a petista, em seu desgoverno a Floresta Amazônica está sendo dizimada da face da Terra, e o problema está aí, com a falta de chuva no Sudeste e no Centro-Oeste. Basta conferir a matéria publicada no “Estadão” de 1/9, mostrando que em 2013 o desmatamento foi equivalente a quatro vezes a área da cidade de São Paulo. Conforme o noticiado, foram derrubadas pelos desmatadores milhões de árvores, enquanto eles continuam impunes por destruir a natureza. Fora Dilma, sua turma e sua tralha de incompetentes corruptos que estão destruindo o País!

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com
São Caetano do Sul

*
VOCÊ QUERIA O QUÊ?

Senão vejamos: quais os critérios de avaliação ou merecimento ou capacidade que dona Dilma trouxe na sua vida para se candidatar a presidente da República? Nenhum critério dos convencionais, a não ser uma avaliação de um sindicalista de sucesso, porém semianalfabeto, ignorante e especialista na arte do ilusionismo e da mentira. Lula, que é o avaliador oficial da República de postes para os cargos políticos de gaveta, teria um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), se esse índice fosse atribuído às pessoas, e não aos países, semelhante ao do Haiti. Lula, durante toda a sua vida como sindicalista e como profissional da política da pior qualidade, que é aquela baseada na chantagem e na compra de caráter, nunca deixou de tomar as decisões da sua vida, tanto na época do sindicalista chantagista como depois que se tornou um ídolo populista do mais baixo nível entre todos os que já passaram pelo comando das republiquetas sul-americanas, na mesa de um boteco ou à sombra de uma ou mais garrafas de cachaça. Você queria o quê? Qual foi a contribuição de dona Dilma para o desenvolvimento político, social ou cultural do País? Entre 1964 e 1985, dedicou-se à luta armada e ao terrorismo. Disso temos uma leve noção e esperamos que a Comissão da Verdade, dependendo da relevância dessa participação, possa esclarecer a trajetória de dona Dilma, assim que tiver tempo. Além desses 21 anos na clandestinidade, o que fez Dilma antes da revolução militar? E depois? Onde estava Dilma na Assembleia Constituinte de 1988? Nas Diretas Já? No impeachment de Collor? E nas várias manifestações da sociedade brasileira nas “Marchas da Família com Deus pela Liberdade”, em março de 1964, às vésperas do golpe militar? Já era comunista? Janguista? Brizolista? A fama de “gerentona” eficiente, uma farsa montada por Lula, não tinha base alguma, pois dona Dilma só foi gerente de uma loja de R$ 1,99 nos anos 90 e que vaio a falir depois de 18 meses de funcionamento. Depois de quatro anos de um governo com os piores índices econômicos, de desenvolvimento de educação, de segurança, de criminalidade, etc., ficou claro que aquela avaliação de gerentona foi feita por fonte não confiável, que não tem, nunca teve nem nunca terá capacidade de avaliar absolutamente nada que interesse para o nosso desenvolvimento nem muito menos a capacidade técnica das pessoas. Lula, como sabe fazer muito bem, mentiu. Dourou uma pílula opaca sem brilho, sem carisma, sem beleza interior, que cumpriu exatamente o papel escolhido por ele, Lula. Dilma foi, e todo mundo sabe disso, um fantoche, um pau mandado, uma testa de ferro nas mãos de Lula e serviu, se ainda não servirá por mais quatro anos, para dar uma continuidade, um fôlego a um projeto de poder medíocre que apenas aguarda a volta do megalomaníaco chefe, para satisfazer ao seu ego desqualificado. Lula continua achando que passará para a história como um grande estadista, mas que, por incapacidade intelectual, moral e ética, conseguiu apenas distribuir dinheiro às bases aliadas de partidos fisiológicos da pior espécie e sem qualquer conteúdo ético ou político. Toda a arquitetura do governo petista e a compra do eleitorado petista foram por incapacidade intelectual de seu chefe maior, baseada na distribuição pura e simples de cargos, salários, comissões, ministérios e bolsas das mais variadas matizes. Tudo virá abaixo como num passe de mágica assim que o dinheiro faltar. Você queria o quê? Que dona Dilma causasse na Assembleia-Geral da ONU?
 
Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
O ‘ANÃO DIPLOMÁTICO’ NA ONU

Diante da postura de Dilma Rousseff, que discursou na quarta-feira na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York, opino sobre a postura da presidente, que condenou o “uso da força” como forma de resolver conflitos mundiais e a ação militar dos Estados Unidos e de países aliados contra o grupo militante Estado Islâmico (EI). A fala da presidente Dilma Rousseff na Assembleia das Nações Unidas na semana passada foi apenas a coroação de uma política externa desastrosa. Quando o porta-voz da chancelaria de Israel chamou o Brasil de “anão diplomático”, houve quem se enchesse de brios para protestar contra o tamanho mínimo a nós atribuído. Dilma conseguiu não só legitimar, como ainda fazer desse anão uma figura gigantesca perto de nosso tamanho real: um micróbio. Ao não assinar o tratado de desmatamento zero para 2030, Dilma já demonstra uma total falta de sintonia com o desequilíbrio da sustentabilidade que tem afetado claramente o Brasil. Os dados sobre os desmatamentos são alarmantes. Apenas para dar um exemplo, a Mata Atlântica está reduzida a 10% de sua área original. Desses 10%, 75% já estão seriamente comprometidos. Tão clamoroso quanto foi a “presidenta” Dilma firmar sua posição contrária à intervenção de uma coalizão no chamado Estado Islâmico e clamar por “diálogo”. Como assim? Dialogar com quem? Com quem corta cabeças? Temos assistido a uma série de crimes de uma violência poucas vezes vista na história da humanidade. Apedrejamentos, vítimas sendo enterradas vivas, estupros e outras formas de matança assustadoras. Dialogar com essa gente? Essa posição nos reduz a micróbios no cenário internacional. É claro que o Itamaraty pouco tem que ver com isso. Essa política vem de Dilma e de seu assessor de assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia. Eles, sim, são os verdadeiros micróbios. 

Enilson Simões de Moura (Alemão), vice-presidente da União Geral dos Trabalhadores renata@comunicanet.com.br
São Paulo

*
DIÁLOGO COM O EI

Se a presidente acha mesmo que o diálogo é a solução para os conflitos, por que não manda o poderoso Marco Aurélio “top top” Garcia para o Oriente Médio, ficando por lá até resolver na base do diálogo?

José Luiz Tedesco tedescoporto@hotmail.com 
Presidente Epitácio 

*
O DISCURSO DE DILMA NA ONU

Aqui, no Brasil, não podemos ser ingênuos a ponto de acharmos que temos a solução mágica para um conflito histórico regional. Você já viu fotos, ou mesmo algum “selfie”, de autoridades brasileiras sentadas à mesa com líderes do tráfico de drogas? Possui imagem ou vídeo de Barack Obama negociando com Bin Laden? Acredita realmente que a Europa vai promover um produtivo debate com decapitadores de jornalistas? O relatório (2010) da Global Humanitarian Assistence aponta Gaza como o terceiro "destino" do mundo que mais recebeu ajuda humanitária, porém nenhuma escola ou hospital foi construído nos últimos anos na região. O valor recebido é mais elevado do que o encaminhado ao Haiti, abalado por um terrível terremoto; e também supera o dos países africanos, que passaram por genocídios, epidemias e secas e enfrentam constante miséria. E considere que o dinheiro cresce exponencialmente a cada ano à medida que o “marketing do sangue” faz o seu papel. Portanto, se concordamos que o acordo pacífico é utópico e a intervenção bélica, paliativa, talvez o desafio para degolar o ódio e eliminar a intolerância desta ideologia primitiva seja secar todas as fontes de financiamento do terror. Neste caso, precisamos ter a decência de substituir a hipocrisia pela vontade política e a certeza de que a retórica só funciona se for desvencilhada de interesses eleitoreiros e acompanhada de ações conscientes e efetivas.

Mauro Wainstock mauro.wainstock@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
DILMA ROUSSEFF E O TERROR

Dilma Rousseff, durante a ditadura, pertenceu a grupos terroristas. Nessa jornada eleitoral, sua campanha tem se destacado pela entonação terrorista – ela vem defendendo a tese de que, se Marina Silva ganhar, brasileiros pobres poderão morrer de fome por conta da proposta da pessebista de dar independência ao Banco Central (lembremo-nos que, no ano passado, Dilma afirmou que se pode fazer “o diabo” quando o intuito é ganhar uma eleição). Na semana passada, Dilma Rousseff, na ONU, condenou a atuação da aliança militar liderada pelos EUA contra as organizações Estado Islâmico e Khorasan, que planejam lançar a barbárie sobre o Ocidente. Além disso, num gesto insano, clamou por um diálogo entre esses grupos e os países que vêm atacando suas bases – com isso, ela legitimou, de maneira abjeta, terroristas que crucificam, decapitam e estupram inocentes. Dizer que o passado e o presente de Dilma estão ligados ao terrorismo trata-se de um exagero ou de um simples fato? É isso que queremos para o futuro do Brasil?

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br 
Pindamonhangaba

*
A DIPLOMACIA BRASILEIRA

Após o comício da nossa presidente candidata à reeleição na Assembleia das Nações Unidas e da sua incrível sugestão do “diálogo” com o Estado Islâmico, cheguei à conclusão de que o diplomata israelense errou ao classificar o Brasil como um “anão diplomático”. Na verdade, trata-se de um “gnomo diplomático”, um anão lendário, feio, no qual somente algumas pessoas acreditam. Fica uma sugestão do envio do seu assessor para Assuntos Diplomáticos, Marco Aurélio Garcia, para dar início ao “diálogo” com aquela organização terrorista.

Luiz Antonio Alves de Souza zam@uol.com.br
São Paulo

*
ROMPENDO COM A TRADIÇÃO

A primazia do Brasil em abrir a Assembleia-Geral da ONU, com o primeiro discurso, vem de longa data. Durante anos discursaram ilustres presidentes. Nos últimos anos, mais precisamente, com a ascensão do PT ao poder, temos visto discursos vazios, pobres e que nada transmitem para um evento de tamanha envergadura, e ainda recheados de autopromoção. Lamentável. Coitados dos ouvidos de quem estava ali presente.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
TUDO PELA REELEIÇÃO

Dilma, ex-terrorista de carteirinha, criticou os ataques realizados pela coalizão contra o Estado Islâmico por acreditar no diálogo com terroristas sanguinários e decapitadores de jornalistas estrangeiros com o maior sangue frio na frente de câmeras de vídeo. Como uma chefe de nação pode fazer tal declaração na abertura da Assembleia-Geral da ONU? Trata-se de uma afronta à nossa inteligências por conta de tal criatura que abre sua boca para dizer tal nível de besteira em frente de vários líderes mundiais, que em sua grande maioria devem ter ficado atônitos com tal fala. Além do mais, a criatura fez desta abertura seu palanque político fora de hora e com propósito ilícito, se levado a sério pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Como podem os vários institutos de pesquisa dar esta criatura como liderando as pesquisas de intenção de votos? É de estranhar e muito, pois uma presidente que comete tais atos e mente deslavadamente age com total incoerência, não cumpre com suas promessas, afunda o Brasil em recessão, inflação alta e desemprego com PIB estimado em "altíssimos" 0,3% lidera as pesquisas? Trata-se de uma incongruência Dilma ser reeleita, pois se isso de fato ocorrer estaremos todos fritos em óleo fervente até nossos ossos arderem em brasa. Não foi ela que disse que poderia fazer “o diabo” para se reeleger? Pois é, fez o pacto com o próprio.
 
Boris Becker borisbecker@uol.com.br 
São Paulo

*
FALA MANSA

Se Dilma Rousseff acredita realmente ser possível um diálogo com o Estado Islâmico, ela, junto com Marco Aurélio Garcia, já deviam estar a caminho do Oriente Médio, para dar início às negociações.

Fernando Moreno frodg434@hotmail.com 
São Paulo

*
MEDIADORES

Dilma e seus caudatários deveriam ser designados para mediarem a paz com o Estado Islâmico.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com 
Campinas

*
DILMA E OS EXTREMISTAS

A "presidenta" Dilma, que demonstrou enorme compaixão com os extremistas e sua causa, poderia muito bem ir pessoalmente conversar com eles para tentar negociar a paz. Anteciparia a guilhotina do dia 5 de outubro.

Everson Rogério Pavani roger.advog@gmail.com 
São Paulo 

*
COMO O ESCORPIÃO

Dona Dilma disse, recentemente, que a Presidência não é lugar de "coitadinhos". Também não é lugar de analfabetos, guerrilheiros, terroristas, corruptos, mentirosos e falsificadores de dossiês. Ainda não temos nenhum coitadinho no palácio presidencial, quanto aos demais... A sugestão de Dilma de diálogo com os terroristas do EI, da tribuna da ONU, foi lamentável e vergonhoso para todos nós. Ela não renega a sua natureza, tal como o escorpião.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com 
Santo André

*
RETRATO DA JUSTIÇA BRASILEIRA
 
Existem em andamento 95 milhões de processos no Judiciário do País. Portanto, de cada dois brasileiros, um possui processo a ser resolvido na Justiça. O Conselho Nacional da Justiça (CNJ) entende que o Poder Judiciário chegou ao limite de resolução, porque entram mais processos que o volume de resolvidos. Apegou-se ao processo digital como forma de se melhorar o desempenho do Judiciário, mas não houve solução, porque faltam soluções para os processos físicos e para os digitais. A Itália, como forma de melhorar o acúmulo de feitos na sua Justiça, diminuiu as férias dos magistrados. Entretanto, no Brasil, o ministro Ricardo Lewandowski, em fase de fazer média, procura premiar mais os magistrados, incluindo no rol os que trabalham e os que fingem trabalhar. Assim, os brasileiros vão ficando sem Justiça e o País, sem democracia, antes de procurar novas fórmulas como, por exemplo, elevar o custo dos litígios, como na Inglaterra, impedindo o advento de questiúnculas, e exigir o cumprimento de prazos de resolução para os magistrados, dentro dos limites de sua capacidade laboral, sob pena de influência em seus ganhos. Muita coisa precisa ser feita já, porque a nossa democracia pode claudicar e sucumbir com o Judiciário que temos.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
O ETANOL E A POLÍTICA ENERGÉTICA
 
Entra em operação, em Alagoas, a primeira usina brasileira produtora de etanol de segunda geração, um álcool com as mesmas características daquele que hoje abastecemos, porém mais limpo, elaborado a partir da palha e do bagaço da cana e com a previsão de, em breve, custar 20% menos. É, sem dúvida, uma atraente alternativa, principalmente porque o processo poderá proporcionar o aumento de 50% na produção de etanol sem a ampliação das áreas plantadas. Falta, no entanto, uma política de regulação séria para o setor energético, que não enriqueça ninguém da noite para o dia, mas, do outro lado, também não inviabilize os negócios regularmente estabelecidos. Ainda que não utilizado puro, o etanol é importante componente da gasolina que, antes de receber sua mistura, era aditivada com chumbo tetraetila e causava poluição. Por razões ambientais, o mundo tende a consumir tanto etanol quanto petróleo. Se pudermos aumentar a produção sem ampliar a lavoura, será um grande negócio.  

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br
São Paulo

*
ETANOL NA GASOLINA

A presidente Dilma Rousseff aprovou o aumento da porcentagem de etanol na gasolina para até 27,5%. Quer dizer que agora vou pagar preço de gasolina por 275 ml de etanol em cada litro de “gasolina”? O correto é cobrar por cada combustível, gasolina, etanol ou diesel, pelo seu teor de calorias por grama. São calorias que dão o rendimento de km por litro de cada combustível nos motores.
  
Rogério Messenberg rogberg@terra.com.br
Piracicaba

*
METRÔ DE SÃO PAULO

Mais uma vez, aliás, como sempre, o governador Geraldo Alckmin atrasa a entrega de estação de metro Fradique Coutinho (Linha 4), obra iniciada em 2005, prometida para 2010, desesperadamente retomada para entrega antes das eleições de 2014, prometida para a semana de 22/9 a 26/9, mas que ficará pronta só em outubro de 2014. Será? As estações Oscar Freire e Mackenzie, também atrasadas em mais de quatro anos, estão agora prometidas para março de 2015. Eu arriscaria dizer, sem medo de errar, que é mais uma mentira, além do que as eleições vão ter passado. Por este, entre outros motivos, ninguém aguenta mais o PSDB no governo do Estado. Promete pouco, realiza menos, mas, em compensação, com muito atraso. E o paulistano que se vire. Para que pressa, se o trânsito não anda?

Pedro P. L. Barros pplbarros@gmail.com 
São Paulo

*
FAIXAS EXCLUSIVAS E LOMBADAS

Já que o alcaide paulistano, Fernando Haddad, tem tanta tinta sobrando para as faixas de ônibus e de bicicletas, bem que podia usar um pouco para pintar as pobres lombadas, triste e perigosamente desbotadas. Ou os veículos automotores, e quem os cerca, não merecem nenhum cuidado?

Carlos Alberto Rossi cas.rossi@uol.com.br
São Paulo

*
CICLOVIAS

As ciclofaixas em São Paulo são como as feiras livres: é bom que haja, desde que seja na rua dos outros.

Paulo Busko paulobusko@terra.com.br 
São Paulo

*
PANCADÃO EM INTERLAGOS

A Prefeitura de São Paulo quer fazer baile funk no autódromo. Após ler essa notícia, quero acreditar que o pintor-alcaide deve ter ouvido os moradores do entorno do autódromo para tomar tão brilhante atitude. Oficializa-se a aporrinhação de paciência que tais "eventos" ocasionam, a venda de bebida alcoólica e de drogas para menores, a prostituição e outros quejandos. Como sou munícipe também, quero expressar meu desejo para que tais "manifestações culturais" sejam realizadas também nas ruas onde moram o referido pintor, o secretário de Promoção da Igualdade Racial, o presidente da SPTuris e na do apresentador do SPTV da Vênus Platinada, que tanto louvou  a iniciativa. Aproveitem bem estas horas de deleite e prazer cultural.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com 
São Paulo

*
POÇOS ARTESIANOS

Só pode ser: o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, quer perfurar poços artesianos, em razão da crise de água (ou de votos?), para servir de alternativa para as subprefeituras. Só seriam feitos em caso de emergência. Como se percebe, a falácia do prefeito só tem o objetivo: conseguir votos ao candidato do PT ao governo do Estado de São Paulo, Alexandre Padilha. Mas, da mesma forma que a água está secando, os seus votos também, e nem poço artesiano resolve. Muito menos com promessa eleitoreira! Só faltam seis dias para as eleições. Que “pegadinha” de mal gosto, hein?
 
Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br 
São Paulo     

*
VALORIZAÇÃO DA ÁGUA

Gostaria de saber se os senhores poderiam pedir aos governantes e entidades ligadas à natureza que providenciem o plantio de árvores frutíferas e a construção de pequenos açudes para captação e represamento das águas das chuvas em parques urbanos, parques rurais, avenidas, ruas, praças, rodovias e nas margens dos rios, lagos e das grandes represas, com o objetivo de manter a fauna e preservar as florestas e as matas que protegem o clima e o bem-estar da humanidade. Acho que neste momento de eleições e da maior seca em mais de 80 anos, quando os grandes rios paulistas estão se transformando em caminhos de pedra e areia, seria a oportunidade para o desenvolvimento deste trabalho que diz respeito a todos os cidadãos que estejam minimamente preocupados com a situação da falta d’água em nosso Estado.

José Luiz Martin jlmartin@estadao.com.br 
São Paulo

*
BRASIL OMISSO

A foto publicada nos jornais da semana passada mostrando a nascente do Rio São Francisco totalmente seca, sem ter um só pé de árvore ao redor, nos dá mais uma prova de que precisamos replantar as matas ciliares. Enquanto isso, o Brasil de dona Dilma não assina o acordo mundial para reduzir o desmatamento. Será que até a derrubada das árvores está colaborando para os "ganhos fáceis"? Não aguentamos mais tanta omissão, precisamos acabar com a cultura da destruição, antes que a vida na Terra seja destruída. Esta foi a gota d’água, para muita gente mudar de "copo".

Cláudio de Melo Silva melo_riodoce@hotmail.com 
Olinda (PE)

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.