Fórum dos Leitores

CAMPANHA ELEITORAL

O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2014 | 02h04

A elite e o PT

A "elite" não aceita PT no governo, palavras de Lula da Silva. De que grupo fala ele, que não sabe de nada e não vê nada? Os que enxergam percebem bem que a elite de mentirosos, mamadores, chupa-sangue e outros adoram o PT no governo. Não é isso o que ele quer, o que procura ter?

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

Mentiras

Dilma Rousseff disse que mentir é desvio de caráter (referindo-se a Marina Silva). Concordo. Ela disse também que em época de eleição se faz o diabo. Então... Que cara de pau! Como confiar em alguém assim?

ALVARO SALVI

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

Srs. e sras. votantes na dona Dilma, fiquei sabendo que, se eleita, ela vai acabar com o Bolsa Família, a poupança, o PIS-Pasep, o salário-desemprego... Portanto, pensem bem antes de votar.

MARIA JOSÉ DA FONSECA

fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

Incrível, quanto mais mentiras Dilma põe na sua propaganda política, mais ela sobe nas pesquisas. Dá para acreditar?!

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

O povo está cego, surdo e mudo? A mentira, tapeação, a corrupção e a incompetência vão vencer de novo? Como pode? Acorda, Brasil, enquanto é tempo.

RENATO PIRES

repires49@gmail.com

Ribeirão Preto

Pesquisas e ignorância

Vejo que em todas as últimas pesquisas de intenção de voto (Ibope, Datafolha) a presidente Dilma está sempre na frente. A mesma presidente que por onde passava era vaiada ou xingada na época da Copa do Mundo; a que propõe dialogar com o grupo terrorista Estado Islâmico, aquele que exibiu imagens degolando turistas e jornalistas e até a Al-Qaeda condenou pela violência excessiva; a que disse nada saber sobre o escândalo da Petrobrás, mesmo sendo presidente do Conselho Administrativo da estatal na época em que Paulo Roberto Costa era seu diretor de Abastecimento. Qual é o tamanho da ignorância brasileira? Vivemos todos no mesmo país onde as pessoas não tomam conhecimento desses fatos e continuam repetindo o mesmo erro?

BRUNO JAYER FONTOURA

bjayer@uol.com.br

São Paulo

Voto de protesto

Não adianta os investidores usarem a Bolsa de Valores brasileira para protestar contra esse desgoverno, pois tal protesto atinge apenas uma minoria de pessoas, pequenos investidores, que não votam em Dilma. Acredito que esse protesto não mudará os resultados das urnas neste domingo e vamos ter de conviver com a "presidenta" por mais quatro anos, a menos que um milagre aconteça até sábado.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Petrobrás, Caixa e BB

Os remanescentes da privatização, Petrobrás, Caixa Econômica e Banco do Brasil, sofrem com a nefasta administração política e, aos poucos, essas três empresas estão sendo descaracterizadas dos seus princípios de outrora. Ao que tudo indica, além da petroleira, é questão de tempo para as outras duas perderem o seu valor. No momento, a providência salvadora é não reeleger a "presidenta", senão a vaca vai pro brejo... "Não podemos desistir do Brasil"!

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

Drama em três atos

Primeiro ato do drama brasileiro em cartaz: Nunca antes na História deste país se viu tamanha corrupção no governo. Segundo ato: A presidente Dilma declarou que "não existe corrupção no governo" e que "a verdade é que está agora tudo sendo investigado e desvendado". Terceiro ato: "Tudo o que agora está sendo investigado e desvendado" tem como protagonistas pessoas intimamente ligadas ao PT e seus apaniguados. Epílogo: o PT é realmente o agente causador da maior corrupção até hoje registrada em nosso país!

CLÊNIO FALCÃO LINS CALDAS

clenio.caldas@gmail.com

São Paulo

Dilma em Santos

A cidade de Santos tem o maior porto do Hemisfério Sul e localização estratégica para escoar a produção agrícola do Centro-Oeste. Mas o governo do PT prefere investir bilhões em portos de Cuba, em vez de incentivar portos brasileiros. Mesmo assim, Dilma não teve o menor constrangimento em visitar a cidade para fazer campanha política visando à sua reeleição, demonstrando que cara de pau é a marca do PT. É por esse motivo e outros já conhecidos que Dilma sofre mais de 50% de rejeição na cidade. Enquanto o Porto de Santos carece de investimentos federais, os irmãos Raúl e Fidel Castro vão mantendo a ditadura cubana à custa dos contribuintes brasileiros - os santistas incluídos.

BYRON SILVA JÚNIOR

byron.junior@uol.com.br

Santos

Lapsus linguae

Em busca de um segundo mandato, nossa presidente vez por outra comete deslizes, deixando a cargo da fiel "asponeria" a tarefa de explicar que não era bem aquilo. Ao comentar, numa entrevista com blogueiros, a regulação econômica da mídia, um dos objetivos do seu eventual próximo mandato, afirmou que essa bandeira nada tem de bolivariano: "Controle de conteúdo é típico de país ditatorial, não de país democrático". Recapitulemos em câmera lenta: o controle econômico difere do controle de conteúdo; o controle de conteúdo é típico das ditaduras; não há intenção de estabelecer o controle de conteúdo porque se pretende uma forma que nada tem de bolivariano. Por acaso ela quis dizer que o bolivarianismo seria próprio de país ditatorial? Puxa vida, e Lula que dizia que não há país mais democrático que a Venezuela... Excelência, é preciso atualizar urgentemente o banco de dados e de pensamentos.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Mal necessário

Sei que é difícil o que vou dizer, mas para nos livrarmos de uma grave doença é preciso passar por tratamentos longos e dolorosos. Assim sendo, talvez com Dilma e o PT por mais quatro anos na Presidência seja, por fim, extirpado todo o mal que essa desventurada dupla tem feito ao nosso pobre Brasil. Pois tenho certeza que após esse período jamais serão eleitos novamente.

DALTON PRESOTTO

dalpres@ig.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ELEIÇÕES 2014 

O Partido dos Trabalhadores (PT) já foi inimigo de José Sarney, Fernando Collor e Paulo Maluf. Os adjetivos lançados contra esses ex-adversários eram o mais pesado possível, mas tudo isso quando o PT era oposição. Hoje, os três são aliados do PT e tanto Lula quanto Dilma Rousseff não ficam nem um pouco constrangidos em rasgar elogios a estes companheiros que tanto contribuem para manter o PT no poder. Nesta campanha eleitoral, Marina Silva (PSB) é alvo de ataques mentirosos e sem fundamento do PT, que joga pesado na tentativa de desqualificar a antiga integrante do partido. Dizem que Marina é despreparada e contraditória, por isso não serve pra governar. Como ética e respeito não são o forte do PT, não será surpresa se no futuro esse partido apoiar uma candidatura de Marina, desde que isso traga algum benefício ao partido. Nas regras do PT, o inimigo contraditório e sem preparo de hoje pode ser mais bem preparado e decidido amanhã. Não duvidem da possibilidade de, numa nova eleição, o PT rasgar elogios à futura aliada Marina. Para manter seu projeto de eternizar-se no poder, o PT é capaz de tudo. Coerência e respeito ao cidadão que paga impostos o PT jogou no lixo há muito tempo.
 
Byron Silva Júnior byron.junior@uol.com.br 
Santos 

*

SEM PROGRAMA

A candidata Dilma Rousseff chega ao final da campanha eleitoral sem programa de governo. Ela não assume, pois, oficialmente compromissos de projetos importantes. E seus eleitores, caso ela seja eleita, não poderão protestar contra ações que ela venha a tomar ou que deixe de tomar.  

Luigi Vercesi rutellme@terra.com.br 
Botucatu

*

INDIFERENTE

Dilma Rousseff, candidata, ainda não tem um plano de governo. Ela mesma sabe que não faz a menor diferença. Desde 2010.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*

O FANTASMA DA CONTINUIDADE

O título da matéria do “Estadão” “Dilma rompe tradição petista e chega à reta final da eleição sem plano de governo” está correto, mas o buraco é mais fundo. Eu sugeriria “Dilma chega à reta final da eleição sem jamais ter governado o País e sem deixar legado que se preze”. E, se o preocupado eleitor       neste próximo domingo conseguir com seu voto nas urnas afastar este fantasma da continuidade com o PT por mais quatro anos no poder, a herança maldita para o sucessor de Dilma, mesmo assim, será monumental: alta da inflação, déficit público, comércio externo que não pega no tranco, estatais em frangalhos, descrédito dos investidores, etc. Estamos no limite para que o Brasil não perca o bonde da História. E uma nova derrota da oposição, que pelas pesquisas infelizmente é provável, seria um desastre incalculável para esta nação tupiniquim, inclusive com o sério perigo de o petismo macular a nossa liberdade de expressão realizando o controle de conteúdo sobre a imprensa brasileira. Tentaram por três mandatos. E quem garante que num quarto não o vão implementar?

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*

OBRIGADOS A VOTAR

Apesar do comprovado livre curso para a corrupção praticada no governo PT e da sua evidente imprudência financeira e desastrosa administração pública, o que em países democraticamente civilizados derrubaria o governo, Dilma Rousseff continua avançando nas recentes pesquisas Ibope. É o resultado da ignorância de uma massa votante com insuficiente capacidade intelectual necessária para uma votação consciente, vítima da calamitosa administração pública de educação deste governo. Aliás, essa perversa circunstância é no fundo criada pelo fato de que o Brasil é um dos poucos países com o antidemocrático sistema de votação obrigatória. Difícil de olhar o seu futuro com otimismo.

Pablo L. Mainzer plmainzer@hotmail.com 
São Paulo

*

PESQUISAS ELEITORAIS

É desanimador ver que a candidata da situação cresce nas pesquisas de intenção de votos. Fico perguntando onde está o povo eleitor? Parece que esse povo está alienado a tudo o que está ocorrendo no País: corrupção aos montes, Petrobrás quebrando (só na terça-feira, queda de 11% no valor das ações), setor elétrico com dívida astronômica em virtude de ação eleitoreira, PIB beirando o zero, contas públicas que não fecham, educação, saúde e segurança um caos absoluto e outras coisinhas mais. Os responsáveis pela manutenção deste povo no poder são os chamados programas sociais, de que político nenhum quer mencionar a necessidade de revisão. Distribuição de renda é importante, mas não é possível o cidadão receber ajuda financeira por anos e anos sem contrapartida, tornando-se um parasita que não contribui com a Nação. Estes milhões que votam na manutenção da situação estão pouco se lixando se o País está indo para a bancarrota. O que eles querem é continuar recebendo a esmola, que é melhor do que nada. Alguns beneficiados recebem mais do que outros que trabalham. Ninguém tem peito de mexer neste vespeiro, como não tem peito de mexer na Previdência Social, no Imposto Sindical, na CLT, no Código Penal, na reforma tributária e política, e por aí vai. Até quando vamos aturar isso? Vamos aturar isso até que haja uma oposição política de verdade, e não de mentirinha, como estamos vendo hoje. Pobre país este nosso.  

Luiz Francisco de Assis Salgado salgado@grupolsalgado.com.br
São Paulo

*

PLATEIA FÁCIL DE ILUDIR

Num país onde 43% dos adultos entre 24 e 64 anos têm apenas o ensino médio, aquém da média de 75% segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), nenhum resultado eleitoral deve surpreender. Adiciona-se ao fato de o governo federal distribuir 75 milhões de benefícios enquadrados na categoria de transferência de renda, sem considerar a multiplicidade daqueles estaduais e municipais, seria este o número de brasileiros aquinhoados, em grande parte sem quaisquer contrapartidas, a compensar o custo social diante do sacrifício no Orçamento fiscal. Mas nada disso interessa ao governo, lembrando que regimes discricionários, por pior que sejam e muitos o são, a dificuldade está em sair deles, uma vez que se entrou. Essa é a plateia do petismo fácil de iludir usando da mentira deliberada, a amoralidade explícita, anteriormente disfarçada sob o epíteto "ética na política". Pesquisas têm sua validade, mas não é impossível manobrar resultados para atender aos fins desejados. No entanto, tal qual na mineração, o que importa é a apuração, e o expurgo do PT será nossa última esperança a restabelecer a decência neste país.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*

SOMOS TODOS OPOSIÇÃO

É uma pena que os dois melhores candidatos estejam disputando uma vaga pelo segundo turno na eleição presidencial, enquanto a mais fraca entre todos os 11 já esteja em cima do salto alto, aguardando quem vai enfrentar na segunda rodada da eleição. Se fôssemos um país civilizado, Aécio Neves e Marina Silva fariam o melhor debate de segundo turno que já tivemos nas últimas eleições. Com Dilma lá, o debate continuará pobre, rasteiro, nivelado por baixo, à altura da presidente, de Lula, João Santana e cia. ltda. É mais ou menos como a final do campeonato ser disputada pelo time do tapetão, do jogo sujo e da vantagem de Gérson. E a semifinal para a seleção do outro finalista ser decidida pelos melhores times, dos jogadores mais valorosos e das melhores torcidas. Portanto, passe quem passar, no segundo turno somos todos oposição.

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com 
Ponta Grossa (PR)

*

DESISTÊNCIA

Peço encarecidamente à ex-senadora Marina Silva que decline do pleito, a exemplo de tantos pedidos similares de leitores eleitores a Aécio Neves. Pela semelhança de ambas, nada mais natural que Dilma (que infelizmente não abre mão mesmo de sua candidatura) concorra com alguém efetivamente diferente, que não apoia o Decreto 8.243 e é o único capaz de retomar o que foi perdido nos últimos 12 anos: estabilidade, probidade e integridade. Só assim poderemos sentir orgulho novamente do nosso país.

Lucília Simões lulu.simoes@hotmail.com 
São Paulo 

*

PALANQUE QUE FEZ FALTA

O grande erro de Marina foi ter se recusado dividir palanque com Geraldo Alckmin.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com
Campinas

*

CAMPANHA DE COVARDES

Apesar de votar no candidato Aécio Neves no primeiro turno, minha indignação e revolta são grandes em ter de assistir no rádio e na TV aos ataques maldosos e mentirosos contra a candidata Marina Silva, que, com o curto espaço de tempo na mídia para se defender, têm lhe causado enormes danos. Quem mente descaradamente é a presidente Dilma, responsável por uma administração corrupta, iludindo eleitores desavisados que pagarão uma conta muito alta, caso seja reeleita.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 
São Paulo

*

BALA DE PRATA

Engraçado que a “presidenta gerenta” Dilma, quando fala de improviso e sobre os rumos que tem levado o País, não diz coisa com coisa. Tanto que nenhum Cristo consegue acompanhar o raciocínio. Mas tiro meu chapéu para a sua propaganda política. Atinge o alvo igual uma bala de canhão. Foi para isso que ela foi treinada nos campos de guerrilha, não para presidir o Brasil. Mais um mandato e sua verve verdadeira virá à tona. Pode até faltar comida na mesa do povo, mas o plano de transformar o País em Cuba estará de pé. O Congresso postergou o anteprojeto ao Decreto 8.243, que dá a ela plenos poderes. Mais um mandato e Dilma porá em funcionamento o Foro de São Paulo. Será a bala de prata atirada em nossa democracia. Escrevam!
 
Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*

REIZINHO

Esta espécie de dólmã vermelho que Dilma Rousseff tem usado com frequência em suas aparições públicas, especialmente agora, quando ela ganhou alguns quilos, faz com que eu me lembre daquele personagem das antigas histórias em quadrinhos, o Reizinho.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro 

*

DITADOS POPULARES

Tem tido grande repercussão a frase lapidar da presidente Dilma: “Nem que a vaca tussa”. Como também aprecio ditados populares, utilizo aqui o linguajar “bovino” na certeza de que estamos todos bastante cansados de toda essa “conversa para boi dormir”. Acrescento ainda que, como “não há regra sem exceção”, “nada como um dia após o outro”. E, para não perder o estilo, termino dizendo que “para o bom entendedor, meia palavra basta”. Simples assim!

Ana Luisa Godinho Ariolli analuariolli@hotmail.com 
São Paulo

*

DIA DE DEBATE

Os debates políticos deixam nus os candidatos, porque tiram a maquiagem feita pelos marqueteiros. O eleitor, consequentemente, tem mais chances de escolher o melhor ou o menos pior candidato à Presidência da República. O que se percebe é que a candidata presidente dispõe de enorme vantagem pelo uso da máquina do governo e de um tempo desproporcional de exposição na televisão. A presidente Dilma ficou calejada e, na fronteira do cinismo, para enfrentar as verdades que se referem ao seu governo. Friamente, ela desfaz as acusações expondo uma numerologia sem citar as fontes, ludibriando os cidadãos mal informados e, infelizmente, sem instrução e nível mínimo necessários para entender suas palavras. Aliás, mesmo os mais cultos têm alguma dificuldade para entendê-la. Desta forma, ela descobre uma fórmula mágica para convencer os menos letrados a votarem em seu favor. O eleitor que quiser mudanças deverá optar pelo voto útil e decidir no último minuto se vota em Marina ou em Aécio. 
 
Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro

*

ELEIÇÕES QUÂNTICAS

Às vésperas de eleições presidenciais, o Brasil flerta com a mecânica quântica e o princípio da incerteza, de Heisemberg. Se os elétrons do mundo subatômico forem conscientes, posição ousada assumida pela física moderna, os descalabros óbvios do governo petista – inflação ameaçadora, rapinagem dos cofres públicos já esvaziados, crescimento zero, infraestrutura cronicamente inacabada, péssimo estado da qualidade de vida dos brasileiros, etc. –, levarão o pleito entre a candidata oficial e a oposição racional de Aécio Neves praticamente a um empate técnico no segundo turno. Marina Silva não resistiu às evidências laboratoriais e a rejeição a uma sonhadora, consequentemente demagógica, "nova política", a cada dia é acelerada. 
 
Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 
São Paulo
 
*

O VOTO E O FUTURO

Você é um cidadão brasileiro, correto, verdadeiro, trabalhador, dedicado à família, tem filhos, alguns também têm netos. Você tem ambições legítimas, como são o acesso à saúde, poder dar aos filhos educação melhor da que você teve, ter segurança, ter liberdade para ir e vir e certamente você se preocupa com a sua vida presente e com o seu futuro e o de seus filhos e netos (os que já tem e os que virão). Você é um bom brasileiro, como a imensa maioria, paga impostos abusivos que deveriam ser aplicados para atender às necessidades e ambições legítimas, suas e dos seus semelhantes, mas que são em grande parte consumidos pela corrupção e pela incompetência que corrói os nossos governos – federal, estaduais, municipais e os Poderes Legislativo e Judiciário. Por tudo isso, você não pode reeleger a presidente Dilma e deve contribuir para eliminar do poder o PT e o PMDB. Por quê?  Porque Dilma e os partidos que a apoiam não estão empenhados em ações para atender às suas aspirações legítimas e às de sua família. Eles só têm um propósito: manter-se no poder, distribuir cargos muito bem pagos aos seus aliados (companheirada), na maioria incompetentes, e praticar ou ser conivente com a corrupção, que arruína o nosso querido país e nós, cidadãos, e destrói as  possibilidades de progresso futuro. Pense nisso ao dar o seu voto. Lembre-se de que só se muda mudando pessoas, não acredite no discurso de Dilma e do PT: “Me deem mais um mandato para fazer as mudanças que são necessárias”. Não farão, continuarão na mesma, aproveitando-se do exercício do poder, que nós devemos negar a eles.

Miguel Sampol miguel@sampolconsult.com 
São Paulo

*

NA TRILHA BOLIVARIANA

Estou sentindo um movimento estranho no País. Tenho a impressão de que algo vai acontecer até as eleições: se o PT não ganhar, vai virar guerra. Não queremos mais esse partido no governo, pois sua continuidade está cheirando a mudança para o bolivarianismo. 

Maria José da Fonseca fonsecamj@estadao.com.br 
São Paulo

*

RETRATO DO ELEITOR BRASILEIRO

Depois de pesquisas dizerem que 70% da população queria mudanças, e a constante subida nos níveis de intenção de voto da atual ocupante do Palácio do Planalto, suspeito de duas coisas: 1) ou os pesquisados nas pesquisas mentiram/mentem; 2) ou os resultados das pesquisas não são verdadeiros. Quando Lula era candidato, diziam que o povo não gostava de campanha que agride o concorrente. A campanha do PT baixou o nível, descaradamente, e está dando certo.
Um governo que mente para um povo que gosta da mentira, pois assim a boquinha é mantida. Somos dominados por uma maioria que não lê jornais, que não pensa, adora uma maracutaia e está esperando a sua oportunidade de também se locupletar. Pobre país!
 
Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br 
São Paulo

*

UM POVO IRRACIONAL

Na Presidência da República, Lula, provavelmente por falta de competência, apenas seguiu o que lhe foi recomendado e o que ele teve de se comprometer na da “Carta ao Povo Brasileiro”. O resultado foi que em seu governo o progresso do Brasil deveu-se apenas às decisões tomadas por seus antecessores, e ele fez sua sucessora. Esta, bacharel em Economia, pegou o jeito de burocrata trabalhando em cargos governamentais coerentes com o seu nível até chegar a secretária de governo estadual do Rio Grande do Sul (o que, convenhamos, não chega a ser propriamente o estrelato). Ao impressionar Lula numa reunião, galgou mais um degrau e virou ministra (!). Neste momento, em sua santa ignorância, deve ter pensado "agora eu vou se consagrar". Foi a desgraça deste país. Quatro anos depois, aí está ela tentando reeleger-se depois de iludir o pobre eleitor com trens-bala imaginários, pré-sais que ninguém nunca viu (e que vai financiar a educação...), transposição do Rio São Francisco que nunca aconteceu, nova-classe-média fruto de delírio petista, minha-casa-minha-vida que se autoimplode, obras dos PAC 1, 2, 3, 4, 5, 6...n que nunca foram entregues e, “last but not least”, um "arrastão de corrupção" nunca visto com o dinheiro dos nossos impostos: mensalão, suborno de "congressistas", refinarias Abreu e Limas, refinarias Pasadenas, refinarias no Maranhão, refinarias no Japão, refinarias na Venezuela, na Bolívia, o já notório petrolão, os aparelhados "ministros" do Supremo e muito mais. Por tudo isso, 78% dos brasileiros querem "mudanças". Só que, surpreendentemente, as pesquisas chapa-branca juram que Dilma está na frente nas intenções de votos.
Ou as pesquisas mentem, como o governo mentiu despudoradamente nos últimos 12 anos, ou o brasileiro é um povo irracional. 

Sebastião Esteves Alpha sebastiao.alpha@usinazul.com.br
São Paulo

*

LULA E ‘A ELITE’, DE NOVO

O "cara" não se emenda. No mesmo dia, disse duas asneiras: "Elite nunca aceitou PT governar o País" e "Alckmin não consegue cuidar nem da água". Faltou ele explicar por que sua discípula Dilma está na Presidência (afinal ela é branca e veio da elite) e também o que o mantinha ligado (em parte ainda mantém) a seus amigos milionários Eike Batista, Cavendish (da Construtora Delta), “Paulinho” do Lula (aquele mesmo que está preso por desvios na Petrobrás), Renan Calheiros, José Sarney, Paulo Maluf, etc., etc., etc. O que fazem cerca de 33 mil cumpanheiros encostados no governo federal (pagos com o nosso dinheiro), em empresas públicas e estatais, todos ganhando muito? Ele mesmo ganha mais de R$ 30 mil mensais. Para a sua saúde, não usa o SUS, pois prefere o Sírio-Libanês, que por coincidência fica no Estado que ele diz ser das elites. Quem é elite? E, sobre o que disse da água em São Paulo, para onde foram os milhões (bilhões) de reais empregados nas obras da transposição do Rio São Francisco, que até hoje não leva uma gota de água para os que sofrem com a seca nordestina? As TVs mostraram o estado de abandono e deterioração das "obras" em diversos trechos. Só foram terminados aqueles que ficaram a cargo do Exército. Para o final, deixo apenas mais duas manchetes dos jornais desta semana, sobre a sua capacitada gerentona: "Governo central tem o maior déficit para agosto em 18 anos" e "Brasil tem o 3.º maior déficit do mundo, alerta o FMI".

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com 
Cunha 

*

O MAL DA INGERÊNCIA POLÍTICA

A Polícia Federal (PF) está abrindo uma linha de investigação visando a saber se houve influência política nas indicações de diretores e nos investimentos dos fundos de pensão das estatais, Petros e Postalis, da Petrobrás e dos Correios, respectivamente. Vão chegar à conclusão de que só houve influência. A indicação para o cargo não é técnica, é política. Estes diretores de fundos de pensão de estatais, na iniciativa privada, o melhor que conseguiriam seria o cargo de mensageiro. Uma das consequências desta política é a deterioração do patrimônio dos funcionários públicos contribuintes do fundo. Com certeza terão problemas em honrar as aposentadorias. A presidente Dilma sabia ou sabe disso? Com certeza não. Para quem disse que não sabia que havia roubo na Petrobrás, esperam o quê? Logo ela, que aprovou a compra da Refinaria de Pasadena em cima de um relatório incompleto. Aliás, do que a presidente Dilma sabe? Nem responder sabe, pois o que esperar de quem usa ponto eletrônico para responder às perguntas de debates? É, vamos ter de engolir o PT mais quatro anos, graças à incompetência do PSDB, que também não é lá essas coisas, mas... seria dos males o menor.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*

IMPUNIDADE CONSAGRADA
 
Na verdade, assola-nos um sentimento de frustração e indignação quando percebemos que, com o passar do tempo, o Brasil se consagra mesmo como o país da impunidade. A penalidade imposta ao ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa – que conseguiu o benefício da prisão domiciliar em razão da delação premiada que acertou com a Justiça – a nosso ver é ridícula, um acinte abominável. Afinal de contas, ele foi o ator que mais colaborou para a consecução do astronômico rombo de R$ 10 bilhões da Petrobrás. Não é possível que apenas por ter feito acordo com a Justiça, pelo dispositivo da delação, previsto em lei, uma pena tão branda possa lhe ser aplicada. O rombo na estatal brasileira foi imenso, com prejuízos incalculáveis para a sua reputação, sem falarmos nos enormes prejuízos ao mercado e aos acionistas brasileiros, em especial os pequenos. O brocardo de Direito Penal assevera que "a expectativa de impunidade estimula a prática de crime", e é o que ocorre com os grandes figurões brasileiros, que seguem tranquilos em seus embates judiciais, certos de ficar impunes e protegidos sempre pela benevolente ação da Justiça brasileira.
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*

É HILÁRIO

Ouvir dona Dilma Rousseff dizer que o grande número de escândalos, roubalheiras e corrupções como mensalões, dólares em bancos suíços e nas cuecas, que têm surgido a cada operação da Polícia Federal no desgoverno dela ­– ou, melhor, nos desgovernos do PT –, é fruto de maiores cuidados do governo em apurar e punir os envolvidos é simplesmente hilário. Faz-me lembrar cena do filme “Dona Flor e seus dois maridos”, quando Vadinho, interpretado pelo ator José Wilker, responde ao gerente do banco que cobrava dele o pagamento de uma nota promissória vencida, ameaçando-o inclusive com protesto. Mais ou menos assim a justificativa que deu: “Mas doutor, onde está o avalista? A gente escolhe os avalistas a dedo e eles não honram o aval? Isso mesmo! Proteste?”. É como age dona Dilma: coloca a bandidagem em postos-chave e, depois, quando pegos, diz não ter nada com o assunto, que o malfeito somente foi descoberto por ação do governo e que não tem nada que ver com isso. A gente escolhe os companheiros a dedo e eles aprontam. Puna-os, doa a quem doer. Como ensinou o aliado Collor de Mello. Pobre Brasil!

Adriles Ulhoa Filho adriles@uai.com.br 
Belo Horizonte

*

CORRUPÇÃO E ELEIÇÃO

Não consigo entender uma coisa: quanto mais o PT se afunda na corrupção, mais pioram a saúde, a segurança do cidadão, os assassinatos batem recordes, a falta de moradias explode, a educação é uma das piores do mundo, o transporte coletivo é uma piada de mal gosto, o combate à corrupção não existe, nossas fronteiras estão abandonadas, os "presos" comandam de dentro das cadeias a criminalidade, a inflação volta com tudo, os aposentados vivem numa penúria, tendo um "aumento" anual em torno de 5%, a conta de luz dispara, etc. Com tudo isso acontecendo, a presidente Dilma só cresce nas intenções de votos nas pesquisas eleitorais. Pelo andar da carruagem, se for descoberto mais um escândalo do PT antes das eleições, Dilma leva no primeiro turno. Alguém consegue explicar isso? Este suicídio coletivo? Acho que nem Freud explicaria.

José Milton Galindo galindo52@hotmail.com  
Eldorado

*

DESVIO DE CARÁTER

“Errar é humano, mentir é desvio de caráter.” Assim falou dona Dilma. Nem precisa desenhar para entender ela e seus comparsas, digo companheiros, não é?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com  
São Caetano do Sul 

*

CAMPANHA ELEITORAL

Pelo discurso diário que Dilma vem fazendo, conclui-se que ela levou quatro anos para perceber o que precisa ser feito para corrigir as porcarias que seu mentor Lula enfiou goela abaixo de todos os brasileiros. Uma coisa é certa: ela aprimorou a forma de mentir e enganar. Superou o grande mestre.

Jose Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 
São Paulo

*

O PT E O SEQUESTRO

O amplo noticiário sobre o sequestro de Abílio Diniz, executivo do grupo Pão de Açúcar, em 1989, na véspera do segundo turno das eleições presidenciais, colaborou para que Collor derrotasse o petista Lula, já que o Partido dos Trabalhadores foi associado à quadrilha responsável pelo crime. Agora, Jac Souza dos Santos, um político tocantinense – na véspera do primeiro turno de uma acirrada eleição presidencial, em que o PT pode perder o poder máximo no Brasil –, promove um inopinado e estranho sequestro, num famoso hotel em Brasília, amplamente divulgado pela imprensa, inclusive ao vivo, exibindo uma pauta de reivindicações que evidencia forte oposição ao PT. Ou seja, em 1989, o PT esteve supostamente ao lado de quem sequestrava, sendo associado a quem era algoz. Agora, em 2014, é oposição a quem sequestra, sendo, assim, indiretamente, uma espécie de vítima (um papel sempre conveniente num período eleitoral). Perguntas que não querem calar: quem é Jac Souza dos Santos, que após sua prisão foi entrevistado dando um largo sorriso de quem, talvez, tenha cumprido uma missão? Quem está por trás desse até então obscuro cidadão?
 
Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com 
Belo Horizonte 

*

A ELEIÇÃO DE DEPUTADOS E SENADORES
 
A campanha polariza entre os candidatos a presidente e a governador. Mas também votaremos para senador e deputados federais e estaduais. Nos dias que faltam para a votação, quem ainda não o fez, deve procurar conhecer os candidatos para, a partir desse conhecimento, votar naqueles que melhor possam representar seus interesses. Verificar, por exemplo, nos postulantes à reeleição, o que eles fizeram e, nos novos, quais são as suas propostas e compromissos e, principalmente, se são pessoas honestas e acessíveis. E rejeitar os que só aparecem pedindo voto a cada quatro anos. A hora do voto é o único momento em o povo pode promover mudanças no País. Não devemos perder a oportunidade de, além de presidente e governador, eleger parlamentares que realmente nos representem e tenham o compromisso de lutar pelas nossas necessidades. O voto, reservadas as proporções, é mais ou menos como a contratação de um empregado. Você contrataria para trabalhar alguém que não demonstrasse competência, honestidade e disposição? Faça o mesmo em relação aos candidatos, pois eles vão falar e agir em seu nome.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br
São Paulo

*

A OAB CONTRA JOAQUIM BARBOSA

Ridícula a posição contrária do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que diz que a OAB julgará se aceita a inscrição de Joaquim Barbosa como advogado. O que é para ele falta de princípios éticos? É falta de princípios éticos combater a corrupção? É falta de princípios éticos devolver na mesma moeda a agressão e falta de respeito de um advogado em plenário? Ou a OAB não acompanhou o episódio ao vivo e a cores? É falta de ética expressar o que a população toda já sabia da pseudocontratação de José Dirceu com altíssimo salário pelo Hotel Saint Peter em Brasília? Foi só a imprensa levantar dúvidas sobre a idoneidade da direção desse hotel para então haver a desistência de tal contratação e tudo ficar por isso mesmo. Será que a falta de princípios éticos não é da OAB que não se pronuncia a respeito dos escandalosos roubos na Petrobrás? Não é falta de ética da OAB não se pronunciar contra idoneidade ou falta de capacidade administrativa da atual presidente da Petrobrás? Não é falta de ética da OAB não se pronunciar contra a presidente da República cobrando responsabilidades de quando ocupava o cargo de presidente do conselho da Petrobrás? Não é falta de ética da OAB não se pronunciar contra o posicionamento do sr. Lula no caso do mensalão? Não é falta de ética da OAB não se pronunciar com relação às obras superfaturadas e de conhecimento de toda a população brasileira?  Não é falta de ética da OAB não se pronunciar contra investimentos escusos do governo por meio do BNDES em países de regimes ditatoriais como Cuba, Venezuela, Paraguai e outros, em detrimento de investimento no próprio país? Ora, sr. presidente da OAB, é melhor olhar primeiro para o próprio umbigo para depois pôr em dúvida a idoneidade dos princípios éticos de quem com coragem enfrentou uma tremenda máquina política de corrupção adquirindo reconhecimento e prestígio dos cidadãos honestos deste país. A propósito, sou só um cidadão honesto com princípios éticos, não sou advogado, parente, juiz, político ou seja lá o quer for desse meio.

Marco Aurélio Rehder marcoarehder@yahoo.com.br 
São Paulo

*

A FAMA POR UM DIA

Ganhou cinco minutos de fama e grande espaço nos jornais brasileiros o desconhecido presidente da OAB de Brasília, Ibaneis Rocha, ao recusar o registro da carteira de advogado do grande Joaquim Barbosa, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). O motivo foi de que ele desrespeitou o advogado do mensaleiro Jose Genoíno, que na época invadiu o plenário do STF pedindo urgência no julgamento do processo, sem estar em pauta o julgamento. Na época, Joaquim Barbosa deu ao anônimo advogado Luis Fernando Pacheco um cartão vermelho e o expulsou do tribunal por desrespeito às normas do Judiciário. Agora, como uma vingança das gordas, Ibaneis Rocha disse que é contra o registro da carteira do grande jurista que condenou a bancada da Papuda no julgamento do mensalão. Pena que a maioria já escapou de lá depois de sua aposentadoria. Isso é o Brasil hoje.

Jose Pedro Naisser jpnaisser@hotmail.com 
Curitiba

*

TIRO NO PÉ

Que tempos estamos vivendo, um homem que prestou relevantes serviços à Nação, Joaquim Barbosa, aposentado que está, pediu a reativação do seu registro na OAB, e vem o sr. Ibaneis Rocha, que preside a OAB-DF, entrar com pedido de rejeição feito pelo ex-ministro, alegando que este feriu o estatuto da classe  e declarou: “Eu entendo que Joaquim Barbosa não tem condições de exercer a advocacia”. Caro doutor, quem não tem condições? Penso que o senhor deu um tiro no seu próprio pé ao dizer tamanha besteira. A classe que o senhor representa já não estava sendo bem vista pela população, visto que diante de tantos escândalos protagonizados por este governo a entidade não levantou uma vez sua voz contra toda esta roubalheira de nosso dinheiro. E depois do espetáculo degradante protagonizado por vários de seus colegas no julgamento do mensalão, a credibilidade da OAB rolou morro abaixo. Portanto, se queria cartaz, conseguiu, mas de forma negativa, já que a popularidade do ministro perante o povo brasileiro é imensa, justamente pelos relevantes serviços prestados, mais precisamente quando conduziu o julgamento do mensalão.
 
Agnes Eckermann agneseck@gmail.com 
Porto Feliz

*

PAÍS ESTRANHO

Estranho este país... A OAB negou o registro a um cidadão advogado do calibre de Joaquim Barbosa. Enquanto isso, pessoas vão à rua manifestar-se contra a opinião pessoal (direito garantido pela liberdade de expressão) de um candidato à Presidência, mas deixam passar batido quando a presidente da República discursa na ONU, em nome do povo brasileiro, em favor do diálogo com os decapitadores do Estado Islâmico.
 
Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br
São Sebastião  

*

O DIÁLOGO E A FALTA DELE

Em seu discurso na ONU, a presidente Dilma Rousseff pregou o diálogo como forma de solução melhor que o bombardeio. Ela se referiu a “dois lados do conflito”, como se o Estado Islâmico, um grupo terrorista fanaticamente homicida, que degola reféns inocentes diante de câmeras de TV, pudesse ser considerado “um lado” do conflito. Ora, essa tolerância e compreensão absurda com os terroristas do Estado Islâmico ela não tem com os militares acusados de tortura no regime militar implantado em 1964. Seu partido continua a caça às bruxas, com comissões de verdades parciais e pretendendo criminalizar atos prescritos e anistiados por lei. Aqui, sim, há participantes dos dois lados do conflito.

Jorge Carrano carrano.adv@gmail.com 
Niterói (RJ)

*

ISENÇÃO

Desnecessário dizer que os componentes da Comissão Nacional da Verdade muito provavelmente se decepcionaram com a decisão do ministro Teori Zavascki suspendendo a ação, mesmo que temporária, a respeito dos militares acusados de participação na morte de Rubens Paiva, ordenando que essa decisão caberá ao plenário do STF. Sem entrar no mérito da decisão, é justo afirmar que a decisão do ministro Teori nada tem de partidarismo ou coisa parecida pelo fato de ter sido alçado ao cargo de ministro por decisão da presidente Dilma Rousseff. Afinal, até a própria presidente esteve presa naquela época por discordar do regime político vigente. Isso é um fato incontestável.

José Piacsek Neto bbanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava 

*

USINA DO TAPAJÓS

O “Estadão” de ontem, 1/10/2014, noticiou que a conclusão da usina hidrelétrica São Luiz do Tapajós foi adiada para 2020, pois a Fundação Nacional do Índio (Funai) concluiu que “São Luiz significa 14 impactos negativos aos índios e terras indígenas – 6 dos quais irreversíveis”. A geração da usina (8.040 MW) é suficiente para atender a cerca de 20 milhões de residências brasileiras. De que tipo de problema estamos falando? 500 índios (brasileiros?) que seriam atingidos pela usina estão inviabilizando que 20 milhões de residências brasileiras usufruam do empreendimento? É claro que qualquer cidadão brasileiro, índio, quilombola, homossexual, branco, judeu, umbandista, neurocientista, torneiro mecânico, empresário, professor, etc. diretamente atingido por um empreendimento de interesse público tem direito de ser justamente indenizado pelos prejuízos sofridos. Daí a inviabilizar um investimento de R$ 30,6 bilhões porque 500 índios teriam supostos “impactos negativos e irreversíveis” vai uma distância enorme. Os 500 índios se alimentam exclusivamente de alguma planta que só cresce na área a ser inundada? A tal planta exótica e única no planeta e não pode ser transplantada para outro lugar?  Os 500 índios vão sofrer exatamente de que doença, se tiverem de ser realocadas?  Banzo?  Não há profilaxia possível para o caso?  Existe o conceito de realocação para nômades?

Marco Farias marcodefarias@hotmail.com 
Rio de Janeiro

*

ELDORADO

Deveriam mudar o nome do Rio Tapajós para Rio Eldorado, apesar de ser o último "mais ou menos" intocado. E alguém acredita que só após o "aproveitamento" dessa riqueza, aí, sim, teremos verbas para a educação? Aí, sim, teremos verbas para ciência e tecnologia? Aí, sim, teremos "verbas" para respeitar a Constituição? Como se fosse isso o que falta?

Caio Quintela Fortes caioqf4@hotmail.com 
São Paulo

*

DILMA X BOLSA

Na segunda-feira, 29/9, as ações na BMF Bovespa caíram 4,52% – a maior queda desde 2008 – e as maiores quedas foram nas ações de duas estatais: a afamada (ou afanada?) Petrobrás caiu mais de 11% e o Banco do Brasil, mais de 8%. Isso porque Dilma Rousseff está subindo nas pesquisas de intenção de voto e o mercado não tem nenhuma confiança nela. Parece que os investimentos privados vão cair e o desemprego vai subir a jato.

Mário A. Dente dente28@gmail.com 
São Paulo

*

O DISCURSO DO POVO

Déficit? Balança comercial? CPMF? Banco Central? Dólar? Bolsa? Temas tediosos de difícil compreensão pela grande maioria das pessoas. Mas de futebol todos entendem e gostam. Pois não é que a Copa é a melhor demonstração da incompetência e falta de vergonha do governo do PT? Sete anos antes foi anunciada a Copa do Mundo no Brasil, algo que ninguém pediu, mas que aos olhos de Lula iludiria e agradaria a todos os brasileiros. Em sua visão megalomaníaca, previu a construção de 12 estádios de futebol espalhados pelo País, estimados ao custo de R$ 5,97 bilhões. Atrasos e emergências que justificaram aumentos elevaram este número acima de R$ 8,5 bilhões, com obras que só foram acabadas dias antes do grande evento. A infraestrutura prometida ficou longe de acontecer e feriados foram decretados para viabilizar a locomoção dos torcedores. O vexame internacional só não foi maior dada a hospitalidade do povo brasileiro. Quando questionada sobre o péssimo desempenho da economia, Dilma teve a cara de pau de alegar que foi devido ao excesso de feriados da Copa. Os brasileiros amam o futebol de paixão, mas não são burros. Queremos escolas e hospitais, e não um evento feito apenas para nos iludir nem discurso perverso para enganar.

Carlos de Oliveira Avila c.avila@gardjota.com 
São Paulo

*

NOBEL DE ECONOMIA
 
Tem razão Fernando Henrique Cardoso quando assevera que dona Dilma faz jus ao Prêmio Nobel de Economia porque conseguiu desmontar todo o esquema econômico, que dava certo anteriormente, neste seu governo. Eis que a notícia no “Estadão” vem a propósito, porque, na economia, estamos sem rumo certo, projetando os seus dirigentes à maior desconfiança já vista após o governo de Sarney, o que obstacula os investimentos nacionais e alienígenas. Conseguiu, pois, paralisar o País, dando-lhe um crescimento de PIB diminuto e atualmente em menos de 1%. Assim, sem dúvida, faria jus ao Prêmio Nobel de Negativação em Economia, porque poucos conseguiriam fazer o que ela fez. E se for eleita fará muito mais...

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*

SUSPENDAM AS ELEIÇÕES!

Na verdade, Dilma merece, sim, o Prêmio igNobel de Administração Pública! Mas FHC é um diplomata, então... Já com relação à estrutura política que permite que os nossos representantes sejam escolhidos pelo "marquetismo", FHC não pode se eximir de sua responsabilidade sobre o assunto: teve dois mandatos e nada fez para corrigir a situação. E o que ele deveria na verdade era sugerir imediatamente a suspensão das eleições deste ano com a transferência do poder ao STF, que contaria com as Forças Armadas para administrar o País até julgamento do "petrolão" e a aprovação de uma proposta de reforma político-partidária por plebiscito.

Jorge Alves jorgersalves@2me.com.br
Jaú
             
*

E A TABELA DO IR?

Parece que tanto Dilma quanto os "preclaríssimos" e "nobres" senadores e deputados federais se esqueceram do reajuste dos meros 4,5% da tabela do Imposto de Renda (IR) a vigir de 1.º de janeiro de 2015, reajuste este que nem sequer cobre a pseudoinflação oficial do País, que deve bater os 6,5% acarretando enormes prejuízos a todos os trabalhadores e principalmente aos aposentados. Onde está a "benevolente" presidente Dilma, que nada cumpre de suas vãs promessas de campanha? Como ficam as caras de nossos congressistas que, na maioria, estão envolvidos em falcatruas faz anos? Promessa é dívida, e Dilma, assim como estes congressistas de araque, vão ser cobrados por toda a sociedade caso não deem a devida satisfação em tempo hábil. Mentira não tem perna curta, nem sequer tem perna.
  
Boris Becker borisbecker@uol.com.br 
São Paulo 

*

O MUNDO DO AVESSO

Ônibus voltaram a serem incendiados em Santa Catarina. Em São Paulo, incêndio em favela faz dezenas de barracos virarem cinzas. Em todo o País, agências bancárias cerraram suas portas. PIB em queda, Dilma em alta e, para muitos, é só deixar como está para ver como é que fica...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.