Fórum dos Leitores

ELEIÇÃO E CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2014 | 02h05

Culpa da estrela

Depois que Dilma Rousseff prometeu fazer o diabo para vencer as eleições e de João Pedro Stédile (MST), ao lado de Lula, dizer que haverá guerra se Aécio Neves for o vencedor e, caso seja Marina Silva, os protestos serão diários, por que tanto espanto pelo fato de o governo federal ter usado - também - os Correios como propriedade particular para fazer mais um jogo sujo, em que é especialista? O vídeo veiculado pelo Estadão no qual o deputado estadual Durval Ângelo (PT-MG) aparece dizendo que Dilma só chegou à liderança nas intenções de votos porque "tem dedos fortes dos petistas nos Correios" é motivo suficiente para que sua candidatura seja impugnada! Já não bastou desviar dinheiro da Petrobrás, via Palocci, para a campanha de 2010? Com certeza, mais alguém da "arraia-miúda" vai ter de ser demitido na podre tentativa de salvar a "megera indomável". Caos total nas finanças, na educação, nas relações exteriores, na saúde, na infraestrutura, nas moradias, na moral e no caráter, e a culpa não "é das estrelas". É de uma única estrela. Vermelha!

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

O uso dos Correios

É fato notório e público que petistas plantados nos Correios interferiram na remessa de mais de 4 milhões de correspondências políticas de Dilma Rousseff só no Estado de São Paulo, segundo apurado diligentemente pelo Estadão. Como pelo dedo se conhece o gigante, com certeza, perdida a eleição por dona Dilma, por volta de 30 mil cargos em comissão poderão ter seus titulares substituídos e alguns ser extintos. É claro que os petistas não se conformarão com a providência. Certamente revirarão este país, desde que entendem ser seus donos, como já provaram ser proprietários da Petrobrás. A consequência é que veremos em breve dias negros nesta nação, ganhe ou perca dona Dilma a eleição. Em sã consciência, quem, brasileiros ou alienígenas, se sentirá seguro para aqui investir e colaborar com o progresso e o aumento de empregos?

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

De mal a pior

Quer dizer, então, que se eu precisar usar os serviços dos Correios para que me seja enviado um remédio tenho de pagar o custo da remessa. Entretanto, para o envio de propostas ilusórias da presidente e demais candidatos não há custo algum para eles e quem paga pela gentileza é o cidadão contribuinte? Realmente, estamos indo de mal a pior.

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

Outra farsa do Planalto

Não bastasse ter montado, com a ajuda de Lula, uma verdadeira quadrilha para assaltar a Petrobrás, a presidente Dilma mente também quando afirma ter sido ela quem demitiu o ex-diretor da estatal, apanhado pela Operação Lava Jato, Paulo Roberto Costa. O jornal O Globo, de posse de documento com ata da Petrobrás, confirma que foi o ex-funcionário que renunciou ao cargo. Aliás, o governo Dilma é um emaranhado de mentiras, como as de que combate a inflação como nenhum outro governo e também a corrupção... Até as contas da sua gestão são maquiadas! O povo brasileiro não merece tamanha humilhação!

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Origem

Seria Dilma invento do Gepeto?

EDGARD BELLOTTI

edbellotti@gmail.com

São Paulo

Sabedoria

Frase de muita sabedoria da nossa presidente, algo que pouca gente sabe: "Vou implementar os trens, porque vocês sabem que o transporte sobre rodas serve para transportar coisa daqui, daqui pra lá e de lá pra cá".

WILSON MATIOTTA

loluvies@gmail.com

São Paulo

A lógica do ilógico

A candidata Dilma fez um péssimo governo, acabou com a indústria e a economia do País vai muito mal, não cumpriu as promessas de campanha, manipula informações, gasta mais do que arrecada, ignora a inflação e ameaça os eleitores espalhando o medo caso o PT perca o poder. Pode até ser, tal o quadro negro que se pinta para o eleitor, apesar das pesquisas indicarem sua vitória. Mas como quem decide a eleição são os eleitores, melhor aguardar o domingo, pois a imprensa tem feito a sua parte mostrando as falcatruas do PT. Basta que o eleitor não se deixe enganar por propaganda enganosa.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

TRANSPLANTES

Doação de órgãos

Parabéns pelo editorial A doação de órgãos avança (30/9, A3). O tema foi abordado de forma correta e informativa, dando ênfase às importantes campanhas de incentivo à doação. Destaco o trecho "num país com as dimensões do Brasil, e com suas acentuadas diferenças regionais, outro desafio sempre presente é melhorar a distribuição dos órgãos doados". Nesse contexto, gostaria de ressaltar o trabalho das companhias aéreas, não tão conhecido pela população, que são responsáveis pelo transporte de 30% de todos os órgãos transplantados. Parceria entre a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) e o Sistema Nacional de Transplantes, do Ministério da Saúde, possibilitou o transporte de 3.836 órgãos, tecidos e itens na primeira metade de 2014, em 2.288 voos. O volume, que é embarcado gratuitamente pelas companhias Avianca, Azul, GOL e TAM, foi 16% maior que no primeiro semestre de 2013. Para divulgar esse trabalho, a Abear acaba de lançar uma campanha sobre o tema, que conta com a participação do médico Dráuzio Varella (http://dev.leobr.com.br/asas_do_bem/).

ADRIAN ALEXANDRI

adrian.alexandri@abear.com.br

São Paulo

JOAQUIM BARBOSA

O pior é que é verdade

Se tivesse acordado de um sono profundo, pensaria estar tendo um pesadelo ao constatar que o presidente da OAB-DF indeferiu pedido (de inscrição como advogado) do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, insinuando que ele não atende ao requisito de "idoneidade moral". E que a União da Juventude Socialista apoia as candidaturas de Collor e Renan Filho. Relembrando antigos personagens de Jô Soares, "me tira o tubo" (general linha-dura) e "você não quer que eu volte" (Sebá, o último exilado).

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

No DF, nem a OAB se salva?

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

CORREIOS MILITANTES DO PT

Mais uma vez o Partido dos Trabalhadores (PT) se utiliza dos Correios para perpetrar falcatruas. Além de entregar milhões de panfletos da candidata Dilma Rousseff em São Paulo sem chancela, ou seja, de graça, “extraviou” os panfletos de Aécio Neves (PSDB) em Minas Gerais, favorecendo de maneira criminosa as candidaturas do PT nesse Estado. Nos EUA, um presidente renunciou por muito menos. Se isso não for motivo para cancelar esta eleição, será chegada a hora de os cidadãos de bem deste país se unirem e exigirem uma intervenção neste governo, que não só está depauperando a nossa economia, como entregando a nossa grande nação aos corruptos.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br
São Paulo

*
CRIME ELEITORAL?

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, disse que vai entrar com uma ação criminal na Justiça contra o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o presidente dos Correios, Wagner Pinheiro, e os superintendentes da estatal. Prezado candidato, o senhor vai perder o seu tempo, punir alguém por crime eleitoral no Brasil, depois que colocaram a raposa tomando conta do galinheiro? Com vídeo e tudo, a presidente da República alega discurso eleitoreiro. Toda ação que chega às instâncias superiores são arquivadas. O PT quer vencer a eleição não com democracia, mas no grito e, se precisar, na porrada, pois o povo quer Dilma mais quatro anos, para ela acabar de enterrar o Brasil, como vem fazendo com a Petrobrás. Quando acordar, será tarde.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
PANFLETO SEM CHANCELA

Mandaram gratuitamente ou não? Me engana que eu gosto!

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
‘ABSURDO’

“Um absurdo” foi o que disse Dilma sobre a suspeita de uso eleitoral dos Correios em Minas. Pois bem, presidente, se te parece absurdo, por que, então, estás na fila do gargarejo, o que queres limpar?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
DILMA JÁ GANHOU

Com o “dedo forte dos petistas dos Correios” e eleitores aptos a votarem em duas ou mais seções, conforme apurado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), alguém acredita que o PT deixará o governo pelas urnas? Minha única esperança são as Forças Armadas, desde que não tenham sido corrompidas também.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
PRAGA

A sra. presidente  disse que poderia fazer “o diabo” para ganhar a eleição. Pois ela está fazendo coisas de que até o diabo duvida. Trapaceia, mente, usa descaradamente a máquina pública que é paga com o suor dos trabalhadores. Lima Barreto, em seu romance “Triste fim de Policarpo Quaresma”, escreve que as terras do Brasil são as mais férteis, mas as saúvas e as pragas... Eu diria agora que, além das saúvas, temos o PT e seus aliados como a maior praga do Brasil.   
    
Maria de Fátima Pereira Niccioli mfpniccioli@hotmail.com  
Jacutinga (MG)

*
TUDO MUITO SUSPEITO

Como ficamos, Tribunal Regional Eleitoral (TER) e Tribunal Superior Eleitoral (TSE)? Assisti a um vídeo em que filmaram um funcionário dos Correios entregando panfletos com a propaganda de Dilma Rousseff e, quando pediram para falar com ele sobre o assunto, ele respondeu que não podia falar. E agora? Além de usar este pessoal, com certeza não pagaram essa conta. A propósito, há outro vídeo correndo pelas redes sociais que nos orienta como ajudar a fiscalizar as urnas eletrônicas, pois são suspeitas e este ano o TSE não fez os testes necessários com elas. O vídeo é do professor Diego da Unicamp: www.vocefiscal.org. Vejam e repassem. Por isso o PT quer calar a mídia!
 
Tania Tavares taniatma@hotmail.com 
São Paulo

*
TRIBUNAL INCAPAZ

O Tribunal Superior Eleitoral assentou, em decisão não unânime, que os partidos políticos terão anistiadas suas contas se o procedimento instaurado estiver tramitando há mais de cinco anos contados da sua apresentação. É um tratamento diverso daquele que costumam ter os cidadãos contribuintes: não contamos com tal benesse. Quem já teve, por exemplo, sua declaração glosada sabe muito bem as dificuldades e transtornos para fazer valer os direitos decorrentes da demonstração da lisura de seu procedimento. Sob outra ótica, essa decisão tem uma conotação depreciativa inequívoca: significa que o tribunal não tem condições de apreciar e julgar a tempo tudo que lhe é apresentado, ou seja, por tal decisão o tribunal passou para si um atestado de incapacidade. 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br
São Paulo

*
AGRADECIMENTO

O ministro do Supremo e do TSE Antonio Dias Toffoli, ex-advogado do PT e colocado no cargo por este partido, achou uma forma de agradecer por tudo o que conquistou: muito simples, por um decreto e sem nenhum pejo, perdoa a imensa dívida desse grupo com a União, e, para disfarçar, o faz com outros partidos com dívida bem menor. Contudo, essa caridade está sendo feita com o chapéu alheio, ou seja, com o dinheiro do contribuinte. Que país é este? Digam-me, por favor. 

Alvaro G. Salla salla@maffei.com.br
São Paulo

*
DESCRENTE

Impressiona-me demais, em época de eleição, a volatilidade da personalidade dos candidatos. Transformam-se de capetas em anjos num piscar de olhos, todos os “malfeitos” desaparecem como num passe de mágica e todos, indistinta e independentemente de facção política ou partidária, trabalharão pelo povo, para o povo e com o povo. Distribuem beijos, abraços, selfies em abundancia como prova do reconhecimento do amor que sempre dedicam a este povo. Investem recursos em educação, saúde, transporte, segurança, infraestrutura, como se tudo começasse numa nova realidade a partir desta eleição. E o passado? Esse foi um puro e ledo engano dos que neles votaram, mas agora tudo será diferente. Por essa e outras razões é que não acredito em nenhum deles.

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com 
São Paulo

*
A ESCÓRIA POLÍTICA DO MUNDO

As últimas pesquisas de intenção de voto dão como quase certa a reeleição da presidente Dilma Rousseff. Isso me fez recordar uma antiga piada, que se encaixa, acredito, perfeitamente nos dias atuais, em que a maledicência se sobrepõe sobre a ética e os bons costumes. Segundo a anedota, quando Deus criou o universo, um anjo próximo, ao perceber que os dez milhões de quilômetros quadrados destinados aos brasileiros não sofreriam com as mais terríveis catástrofes climáticas da natureza, como, terremotos, maremotos, etc., indagou ao Criador o que O teria levado àquela decisão. O Senhor, então, lhe respondeu: seria muito castigo para aquela gente.  Você não sabe a “raça” de políticos que terão e a legião de seguidores coniventes com a mentira, com a difamação e com a corrupção, que sempre lhes darão guarida e sustento no poder. Dito e feito, sobrou para nós a escória política do mundo. Corruptos, dissimulados, demagogos, oportunistas, aproveitadores, enganadores, trapaceiros, etc., desde então, dão as cartas em nosso território. Quer castigo maior do que este? Será que foi um bom negócio? Será que Deus é realmente brasileiro?

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com 
Jundiaí

*
PESQUISAS

Dona Dilma disse que o PT poderia fazer “o diabo” para vencer as eleições. Será que o dito cujo está coordenando os institutos de pesquisas? Vade retro!

Cesar Araujo cesar0304araujo@gmail.com 
São Paulo

*
PROPAGANDA PERVERSA

A propaganda de Dilma Rousseff está agora afirmando que foi o esforço de seu partido que revelou casos de corrupção, que caixa 2 será criminalizado e que enriquecimento acelerado será intensamente investigado. Então ela ignora que a origem da denúncia do mensalão deu-se de um vídeo divulgado por fornecedor que estava sendo chantageado e depois enriquecido pelos depoimentos do deputado federal Roberto Jefferson. Houve condenação da cúpula do PT, jamais reconhecida por ela. O caso da Petrobrás, que faz o mensalão parecer historinha de crianças, veio à tona por ação da Polícia Federal e por denúncia da revista “Veja”. Este último caso envolve mais uma vez o PT e seus aliados, como o PMDB, sem que a presidente tenha se manifestado se não para esconder seu possível conhecimento. Sem falar no enriquecimento meteórico do filho de Lula. Vale dizer que o discurso de Dilma só não é mais perverso por falta de tempo no horário político.

Carlos de Oliveira Avila gardjota@gmail.com
São Paulo

*
GUERRA

Até quando a oposição e as pessoas de bem deste país vão continuar enfrentando a verdadeira quadrilha que se apoderou do nosso país com discursos, acreditando que apenas a polícia, a mídia e o Judiciário resolverão as coisas? Quase 12 anos de desmandos, crimes dos mais variados modelos e tamanhos já aconteceram e quase nada foi feito. Dirigentes do "partido" foram presos? Foram, mas em breve já estarão nas ruas. Como acontece com qualquer bandido condenado, graças ao nosso sofrível Código Penal. A polícia e parte da mídia até tentam fazer o que lhes cabe. Mas o Judiciário... Ah, o Judiciário! Estamos numa guerra, senhores. Nosso dinheiro se vai pelo ralo da corrupção e até para financiar ditadores africanos, países bolivarianos e terroristas árabes. Enquanto isso, sofremos aqui com ausência de quase tudo. E a propaganda do partido que quer ser dominante mostra um mundo de Alice que continua enganando aos incautos. A organização da quadrilha é tão confiante que não teve medo de falar que poderia “fazer o diabo”, ou que “incendiarão o País” em caso de derrota. Não são atitudes normais, de democratas. São falas de quem não quer largar o osso, e tudo farão para se manterem onde estão. Nesta guerra, não entendemos ainda que temos de combater com as mesmas armas. E nos unirmos. 

Domingos Cesar Tucci d.ctucci@globo.com 
São Paulo

*
DEPOIS DO VENDAVAL
 
Voltou a chover forte em Brasília na noite de quarta-feira. Nuvens carregadas que se fortaleceram com o aumento da umidade sobre a região do Distrito Federal provocaram pancadas de chuva com trovões e vendaval em Brasília. As fortes rajadas de vento destelharam construções e derrubaram árvores e postes. Isso não é nada perto do vendaval que vai cair sobre o atual governo nas eleições do próximo domingo.  
 
Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net 
São Paulo

*
SITUAÇÃO FUNESTA

Se, depois de empurrar o País para a cova, dona Dilma continua merecedora do voto da maioria, concluo que essa maioria só pode ser formada de eleitores zumbis.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
A VALIDADE DO ‘VOTO-LUTO’

O “tsunami” Marina Silva, catapultado pela morte de Eduardo Campos em 13 de agosto, de acordo com as últimas pesquisas virou uma "ondinha" pífia simplesmente porque o "voto-luto" (também conhecido como "voto-emoção") tem validade, isto é, não é um voto sustentável, capaz de resistir às tempestades e aos mares revoltos. Com isso, Aécio Neves, candidato do PSDB, tem chances reais de ir para o segundo turno e disputar a Presidência da República com a candidata do PT. E tem mais, em se tratando de uma eleição atípica, diferente de todas as eleições presidenciais realizadas após a redemocratização do País, com a Bolsa despencando e o dólar disparando, o neto de Tancredo Neves poderá surpreender os institutos de pesquisa derrotando a presidente no dia 26 de outubro. Quem viver verá.

Francisco Alves da Silva profealves@gmail.com
São Paulo

*
PURAMENTE ELEITOREIROS

Que não venham, daqui em diante, os políticos e também os meus amigos petistas defender projetos como Minha Casa Minha Vida, Mais Médicos e Bolsa Família. Se esses programas não são puramente eleitoreiros, como se explica, nesta campanha eleitoral, o terror em forma de ameaça quanto à “iminente” extinção desses programas, que seria efetuada pelos candidatos de oposição, ao invés de se debaterem propostas minimamente baseadas na realidade, ou se discutirem os reais problemas do Brasil? “Estepaís” (como diria nosso apedeuta mor) precisa, sim, de verdadeiras políticas de Estado, e não de ridículos remendos a serem usados como moeda de troca eleitoral com a população mais humilde.

Marcello Menta Simonsen Nico mentanico@hotmail.com
São Paulo    

*
RECONSTRUÇÃO DO BRASIL

A mentalidade predominante nestas plagas há alguns anos é imoral, aética, autoritária, apoiada por impunidade. Daí a pluralidade de servidores públicos e de partidos políticos. No cenário se destaca a situação conduzida por partidos fantasiados de democratas, cujo objetivo, pura e simplesmente, é a riqueza material e seu meio, o alçar e se perpetuar no poder. Estamos no duodécimo ano desses governos em que eleição é suficiente prova de democracia. Entretanto, o País navega ao sabor da oligarquia sindicalista/populista que privilegia partidos, parentes, amigos, “cumpanhêros”, asseclas, classes, etnias e, paralelamente, têm sido demagógica e hipocritamente mantidas a ignorância, a pobreza, a caridade estatal fundamentais à permanência do esquema de plantão. Sua máquina pública amadorística, improdutiva, fisiológica, perdulária, movida pela corrupção desenfreada, alheia à realidade do País, loteada entre partidos, voltada para os interesses particulares, e não da sociedade, vive numa farra de privilégios, ausência de escrúpulos, ao arrepio das regras mais elementares. Predominam o individualismo, o materialismo, a desonestidade, a incompetência e a irresponsabilidade. O descalabro afeta severamente o Brasil: os indicadores de educação, saúde, segurança, produção, produtividade, competitividade, investimentos, o tripé da economia (superávit primário, câmbio flutuante, inflação), números e contabilidade falsos ratificam péssima gestão; arruinaram a Petrobrás, a Eletrobrás, a produção de etanol; todos os setores da infraestrutura estão aquém do necessário, assistem à ausência de planejamento, de manutenção e atualização. Entretanto, os indiferentes “donos” do poder esbanjam recursos financiando, obras em terras de ditaduras comunistas, de “amigos” ditadores da África e de hermanos bolivarianos. A indignação com o panorama assume a dimensão de revolta; é preciso dar um basta à cínica anarquia e roubalheira, tratando de instalar, na condução do País, profissionais honestos e competentes visando ao desenvolvimento e permitir ao povo tranquilidade e condições de vida com um mínimo de dignidade. É evidente, tanto quanto educação, saúde e segurança, o País requer sua “revolução industrial” e competente “reestruturação administrativa”, excluindo a mentalidade ditatorial, anacrônica dominante: profissionalização, redução de ministérios, secretarias, senadores, Estados, municípios, deputados federais e estaduais, vereadores, instituições, repartições, servidores em geral e dos “partidos ditos políticos”. Concomitantemente, efetivar as necessárias “atualizações”: eleitoral, fiscal/tributária, trabalhista, previdenciária, da Justiça e mesmo da Constituição e do hoje incongruente sistema de governo, com decorrente estabelecimento de parlamentarismo! Tarefa hercúlea em termos de decisão, denodo, competência, honestidade e positiva atuação da engenharia!                           

Reinaldo Canto Pereira reinaldocantopereira@hotmail.com 
São Paulo

*
MAL NECESSÁRIO

Estou de acordo com leitor sr. Dalton Presotto (“Fórum dos Leitores”, 2/10): o remédio para nos livrar do PT está nele próprio: reelejamos a presidenta! Reelegê-la equivalerá, reconheço, a tomar diariamente um balde de chá de ruibarbo. Mas nos livrem dos seus raciocínios rombudos e mentirosos, estruturados segundo o gosto do chefe; não deixem que publiquem suas fotos nos jornais nem suas imagens na TV, instruam seus asseclas do PMDB para que se aquietem e não se mostrem nas suas grandezas de marginais pendurados nas oportunidades que, ávidos como vocês, procuram ‒ e acham ‒, nos obscuros desvãos do poder público. Ó, petistas, peemedebistas, conexos e conurbados, não queremos ver suas caras ensebadas nem ouvir suas vozes expelindo baixo português; continuem a viver no lodo que fabricaram, que esse pestilento lodo os consumirá! Valha-nos Nossa Senhora Aparecida e a Providência Divina.

Antonio Dal Fabbro 
São Paulo

*
CUSTE O QUE CUSTAR

Partindo dos fatos supostos de que a queda do avião que matou o candidato à Presidência Eduardo Campos foi um crime; o sistema de eleição com urnas eletrônicas não é confiável – muitos países, como os EUA, não as aceitaram; e as pesquisas sobre intenção de votos não são de todo confiáveis; o PT, independentemente do pleito, já está reeleito.

Mário Sanches marsanch@ibest.com.br  
Florianópolis  

*
O PIOR CENÁRIO

O resultado das urnas poderá redirecionar o Brasil rumo a democracia verdadeira, e não esta pseudodemocracia bolivariana que tentam implantar. Ou, na pior das hipóteses, numa guerra civil. Exemplos não faltam, como Egito, Líbia, Síria e, agora, os manifestos em Hong Kong.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 
Osasco

*
UM PROJETO PARA SI PRÓPRIO

O PT, mesmo na oposição, sempre atuou com o objetivo de obter o poder, não importavam os meios para isso. Sempre pregou o ódio e a divisão de classes. Sempre votou contra projetos para posar de defensor dos fracos e oprimidos, para angariar a simpatia dos eleitores e alinhavar o seu projeto de poder. O PT já nasceu assim, e a sua figura maior, o sr. Lula da Silva, é realmente o ícone que representa tudo o que o PT realmente é... Portanto, o PT sempre destruiu o Brasil, e com o poder na mão isso ficou mais fácil e patente, mais fácil do que quando era apenas oposição. O PT nunca teve um projeto para o Brasil, sempre teve um projeto para si mesmo.

Wilfredo Rodrigues Silva Martins wilfredorsm@gmail.com 
São Paulo

*
COMPARSAS

Tanto se fala sobre o PT, seus asseclas, desmandos e tantos descaminhos que penso o que seria deste partido e deste governo se o PMDB, que pretende sair de santinho nestas eleições, deixasse de ser o partido conivente, corrupto e subserviente com as falcatruas do rei? Será que tudo isso estaria acontecendo?

Helio Cudek cudek.helio@gmail.com 
São Paulo

*
SUBINDO O NÍVEL

A propaganda eleitoral nos meios de comunicação terminou. E por certo não acrescentou muito para que o eleitorado fizesse sua opção. O que leva a uma conclusão, ou seja, o eleitor tem a obrigação legal de votar, mas, sobretudo de fazer a escolha que leve em conta os interesses, amplos e não apenas de determinado setor. E mais, que se prepare para acompanhar o desempenho dos eleitos. De uma vez por todas, é preciso abandonar o comportamento omisso e comodista. Estes devem ser os desafios para elevar o nível da política.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
5 DE OUTUBRO

É chegado o momento de os brasileiros mostrarem aos atuais “governantes” do PT que não querem ser escravos do comunismo, semelhante ao que ocorre em Cuba, nem ser como a Venezuela e a Argentina. Votando em Aécio 45 ou em Marina 40, para fazer valer o Estado Democrático de Direito com decência, ordem e progresso.
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 
São Paulo
 
*
CANDIDATOS PRESIDENCIAIS

Quando três pessoas estão numa luta e uma delas convence os outros dois tontos a brigar entre si, ela vai ganhar a luta...

Giampiero Giorgetti giampiero@falcare.com.br 
São Paulo

*
PIOR IMPOSSÍVEL

Diante da mediocridade, da desordem e do desastre econômico que tem sido a marca do governo de Dilma Rousseff, não precisa ser bom para ganhar do PT nas eleições. Basta não ser ruim. 
 
Paulo Ribeiro de Carvalho Jr. paulorcc@uol.com.br 
São Paulo

*
ELEIÇÕES, A FESTA DA HIPOCRISIA

Domingo, o Brasil do futuro vai enfrentar as urnas. Que país é este em que o dever compulsório do voto se sobrepõe ao pseudo “direito” do cidadão decidir se quer ou não participar do pleito? Que democracia é esta em que existe o chamado “coeficiente eleitoral”, que faz com que aqueles que conquistam mais votos não sejam necessariamente os eleitos? Que liberdade de opção nós temos se o programa eleitoral gratuito é... obrigatório? Que estrutura política é esta que não permite escolhas conscientes, já que os partidos se aliam nos mais variados lugares, e pelos mais diferentes motivos, menos os ideológicos? Que eleições são estas que, ao mesmo tempo em que mobilizam a esperança, incentivam o medo? Que candidatos são estes que, nos cavaletes, sorriem; que, na TV, têm a enorme capacidade de construir um país perfeito mas, quando eleitos, se notabilizam pela inigualável competência de frustrar todas as expectativas? Já passou a hora de o gigante adormecido não apenas sonhar, mas exigir o mínimo de ordem e obter o máximo de progresso. E que brilhe o céu da Pátria a todo instante!

Mauro Wainstock, Rio de Janeiro mauro.wainstock@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
DESSERVIÇO

Datena, do “Brasil Urgente”, da Band, está extrapolando em seu papel de informar. Na quarta-feira, 1.º de outubro, faltando apenas quatro dias para uma eleição da maior importância para o País, dirigindo-se ao seu público, que por sinal deixa muito a desejar no que diz respeito à informação, diz: “Eu não vou votar é em ninguém, porque político é tudo igual”. E continuou falando um monte de besteiras, induzindo seu público a fazer o mesmo. Nós, as pessoas bem informadas, sabemos que isso interessa ao PT. O PT não deixa de votar e não anula seu voto por nada neste mundo. Dá a impressão de que ele está ganhando para prestar este desserviço ao País. Será que a Justiça Eleitoral não vai se manifestar? Até quando esta porcaria vai perdurar?

Carlos Eduardo Stamato dadostamato@hotmail.com  
Bebedouro

*
O GRITO SILENCIOSO DOS INVISÍVEIS

Em época de eleições, emergem sempre manifestações para que a população anule o seu voto. Seja por insatisfação, por postura crítica, ou mesmo desinformação, acreditando que, se parcela significativa da população anular o seu voto, a eleição não terá validade. Porém, de dentro dos presídios, ou mesmo fora deles, pessoas presas provisoriamente ou mesmo pessoas condenadas a penas restritivas de direitos – mais de 1 milhão de pessoas em nosso país, o que supera o total do eleitorado de Estados como o Acre ou Amapá – são mais invisíveis do que os muros e as grades visíveis das prisões. Cidadãos excluídos formalmente do processo eleitoral do nosso país, como se fosse possível suspender o requisito formal de cidadania de qualquer cidadão. Pessoas que não têm o direito mais básico numa democracia, que é o direito de votar. E, se não permitirmos que elas se manifestem por meio da ferramenta democrática do voto, vamos esperar que se manifestem como? Por meio de rebeliões ou facções criminosas? Temos, de uma vez por todas, de nos convencer de que este é um passo importante para mudar a realidade prisional do nosso país; por mais bem intencionados que possam ser determinados políticos, sabemos que, em regra, eles se preocupam com seus futuros eleitores. Então, como esperar grandes mobilizações parlamentares por políticas públicas destinadas a um público que é um invisível político? Os problemas do sistema prisional são dos mais diversos, mas um é crucial: preso não vota. 

Rodrigo Puggina, coordenador nacional da campanha Voto do Preso pelo Instituto de Acesso à Justiça rpuggina@terra.com.br
Porto Alegre

*
JUSTIÇA DESIGUAL

Delúbio Soares está cumprindo a sua pena em prisão domiciliar. E não foi um crime qualquer que ele cometeu. Foi o crime do mensalão. Não consigo entender como isso pôde ser possível, já que uma pena, em outras palavras uma punição, deveria ser cumprida em local onde o criminoso se visse privado de sua liberdade, tendo o tempo necessário para refletir sobre a violação cometida para buscar a sua melhora como ser humano. Em casa, Delúbio pode namorar, receber os amigos, tomar umas e outras e tudo o que lhe der vontade de fazer, pois lá não está sujeito aos rigores da prisão. Enquanto isso, ladrões de galinhas, criminosos que cometeram faltas menores e presos com penas já cumpridas continuam confinados nos infectos presídios brasileiros pelo simples fato de que a Justiça em nosso país não é igual para todos.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro 

*
COMPENSOU

Com a aposentadoria de Joaquim Barbosa, o Supremo Tribunal Federal (STF) está fazendo com que fique comprovado que o crime compensa no Brasil. Basta ver que o ministro Luis Roberto Barroso autorizou o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares a cumprir em casa o resto da pena do mensalão. Ou seja, mais um que se safa do bando, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
MENSALÃO X DELAÇÃO

No processo do mensalão, que durou quase uma década, com transmissão cinematográfica das sessões do julgamento, o resultado é muito inexpressivo, já que quase todos os condenados já estão soltos e o dinheiro não foi recuperado. Já no acordo de delação premiada – no caso da suspeita de corrupção na Petrobrás –, com as prova entregues e as confissões feitas, uma parte do dinheiro será recuperada e a Justiça, desafogada. Assim, o método, além de ser mais inteligente, mostra-se eficiente diante da legislação penal nacional.
 
Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br 
São Paulo

*
DELATORES

“Paulinho” (Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás) já disse (quase) tudo o que sabe sobre os desvios na Petrobrás. OO doleito Alberto Youssef está apenas começando. Ficam faltando o Lulão e a Dilmona serem curados de sua amnésia e ignorância a respeito da atuação da maior quadrilha de todos os tempos no assalto ao patrimônio de todos os brasileiros, tenham ou não investido na Petrobrás.

Jorge Manuel de Oliveira jmoliv11@hotmail.com 
Guarulhos

*
PRISÃO DOMICILIAR

O ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto da Costa já está de volta ao aconchego de seu lar, trazendo na perna uma tornozeleira eletrônica.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
DEPOIMENTO

O ministro do STF Teori Zavascki tem em suas mãos a maior oportunidade da sua vida para ficar na história deste país. Que ele, por favor, libere já o conteúdo completo dos depoimentos do canalha corrupto Paulo Roberto Costa e ajude a mudar os rumos deste país! Seus netos agradecerão.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 
São Paulo

*
FRAUDE NA ELEIÇÃO?

Assim como a tornozeleira eletrônica pode monitorar os passos de Paulo Roberto Costa, a urna eletrônica pode direcionar o seu voto.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
PUNIÇÃO OU PREMIAÇÃO?

Luiz Estevão desviou cerca de R$ 1 bilhão da obra do Fórum Trabalhista de São Paulo. Vai cumprir três anos de prisão domiciliar. Isso é punição ou premiação?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
ROTEIRO AUTORITÁRIO

Perfeitas as conclusões do editorial “Dilma e a diplomacia petista” (30/9, A3). É, de fato, assustadora a submissão do Itamaraty à vontade do PT. O grave disso tudo é que essa submissão não é isolada. Sem nenhuma proteção estrutural – como as existentes nos países avançados do Primeiro Mundo –, a submissão se repete nas ditas “estatais”, agências reguladoras e até nos tribunais. Daí os desmandos e a corrupção desenfreada. A disparada do dólar e a queda do valor das empresas ditas “estatais” que se verificam nos últimos dias são apenas reflexos do temor de que o conceito Estado possa estar sendo varrido no próximo domingo. 

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br 
Valinhos 

*
A VIOLÊNCIA DO ESTADO ISLÂMICO

Aqueles “bonzinhos” do Estado Islâmico (EI) decapitaram mais dez pessoas nos últimos dias, das quais três mulheres. Mesmo assim aquela senhora que nos envergonhou na ONU e seu assessor “top top” querem tratá-los com diálogo. Para completar, as pesquisas eleitorais brasileiras a indicam na frente. Oremos!

Sergio Cortez cortez@lavoremoveis.com 
São Paulo

*
COERENTE

Não sei por que muitos brasileiros estão indignados com a recente fala da "presidenta" Dilma na ONU, defendendo o diálogo com os extremistas islâmicos que matam, barbarizam e degolam em nome de “valores puros”. Ela está simplesmente sendo coerente com seu passado e sua essência, de quando jovem “idealista”, que não ousou aliar-se a seus semelhantes em ódio (que com ela hoje dividem o poder no Brasil), dispostos a pegar em armas para impor à sociedade suas visões distorcidas do mundo.
 
Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com  
São Paulo 

*
DONA DILMA QUER DIÁLOGO COM EI

Será que ela, quando terrorista tupiniquim, saiu em busca do diálogo com os torturadores militares? Ou preferiu os atentados contra a vida de todo e qualquer militar, assalto a bancos e roubos a políticos. O pouco que se sabe é que depois da adolescente, dona Dilma só voltou à luz da sociedade quando tentou iniciar um promissor negocio de duas lojas de R$ 1,99, que faliram em pouco mais de uma ano. Pensando bem, nada contra que alguns sócios inúteis que nunca justificaram claramente a sua permanência no governo bolivariano petista, de dona Dilma além do seu invertebrado mentor Lula da Silva possam se encaixar num típico exército de Brancaleone e sair em uma segunda missão humanitário rumo ao estado Islâmico. Falo de  Marco Aurélio “Top Top” Garcia, uma eminência parda, disforme e pegajosa, especialista em agenciar obras e empréstimos a fundo perdido em  países promissores como Cuba, Venezuela e Bolívia. Falo também de Gilberto Carvalho, ministro chefe as Secretaria da Presidência da República muito versátil em negociar assentamentos, de movimentos sociais financiados pela sua própria secretária para achincalhar e chantagear os principais municípios do país, e falo também, e principalmente  em Luís Inácio Lula da Silva, o maior ilusionista petista que já tentou em outra ocasião terminar o conflito milenar no Oriente Médio, mas que foi incompreendido e sabotado pelas elites brancas. Este sim, o mais versátil e que apresenta o melhor salvo conduto entre chantagistas, corruptos e bandidos, desde os tempos que representava o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo. Dona Dilma pode, sim, assumir a negociação cara a cara ou mesmo cara a máscara para tentar resolver os problemas de alhures já que os nossos, os internos, depois de 12 anos de tentativas frustradas em nada progrediram. Só fique atenta, dona Dilma, que no novo Estado Islâmico não há fracasso em nenhum tipo de  negociação... 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
HOSPITAL SÃO PAULO

É com tristeza que tenho lido sobre a situação do Hospital São Paulo. Fiquei "internada" por cinco dias, numa maca no corredor, em maio do ano passado. Vendo a foto de ontem no “Estadão”, vejo que ainda está melhor do que na época em que estive lá, pois ainda dá para ver um canto da parede desocupado – quando estive internada, não tinha parede desocupada... Só sei que era uma realidade diferente do que estava acostumada, pois já me internei em hospitais como o Santa Joana. Mas uma coisa quero deixar bem claro: o atendimento foi muito bom. Como eu estava internada para uma possível cirurgia, a equipe de médicos era outra. E, no meu caso, sempre tinha médicos circulando por ali e a equipe de enfermagem era maravilhosa. Muito atenciosa, até mais do que encontrei em alguns hospitais particulares que costumava frequentar, até mesmo acompanhando meus pais até hoje. Espero que tenha um final feliz, porque é um hospital diferenciado, com muitos médicos residentes ávidos por aprender. Ao invés de ficar exportando médicos, que tal dar melhores condições de trabalho aos que estão aqui e que são muito bons?

Eri Tanaka eri_stone@hotmail.com
São Paulo

*
UNIVERSIDADE NO PALANQUE

Muito oportuna a análise do professor Eugênio Bucci (“Palanque na universidade, universidade no palanque”, 2/10, A2), elaborada com o conhecimento de causa de quem é professor da USP. Ele aponta a absurda inversão de prioridades, em que os fins precípuos a cargo dos docentes (ensino, pesquisa e geração de conhecimento) foram devorados pelos meios (administração e manutenção da infraestrutura). É o que reflete o inchaço da máquina burocrática. No fulcro da questão, um orçamento de mais de R$ 5 bilhões, deficitário e refém dos palanques sindicais. Como leitor e contribuinte, acrescento as greves e a depredação do patrimônio, tudo regiamente sustentado com dinheiro público! Mas discordo do professor quando, referindo-se aos reitores das universidades que lotaram o Palácio da Alvorada para prestigiar a reeleição de dona Dilma, afirma que tal atitude, inadvertidamente, causa a impressão de preferência partidária e pode, sem querer, inibir dissidências e encorajar o monolitismo de opinião – o que fere o próprio princípio de autonomia da universidade. Discordo. Reitores não são desprovidos de discernimento. O ato de apoio ao PT não pode, portanto, ter sido inadvertido, nem o monolitismo de opinião política, de conveniência ou não, pode ser involuntário. 

Celso L. P. Mendes socelta@uol.com.br 
São Paulo

*
CRISE NAS UNIVERSIDADES

Sobre o artigo “Palanque na universidade, universidade no Palanque” (2/10, A2) de Eugênio Bucci, há pouco menos de um mês, 11 de setembro, cerca de 66 reitores (foram chamados) lotaram o Palácio da Alvorada para exaltar a reeleição de Dilma Rousseff (publicada no site do PT). Não tinham ideia do que a sra. presidente prometia anunciar, mas aproveitaram para com humildade solicitar um ligeiro aumento para a categoria. Benfeitorias, ampliações, contratações de professores, nem pensar. Não têm autonomia nenhuma, mas também não há, entre as 66 universidades, nenhuma classificada entre as 200 melhores do mundo nos quesitos de ensino, pesquisa. Agora temos um artigo de um jornalista que dá como boa notícia que “os reitores das três universidades ainda não foram em comitiva ao Palácio dos Bandeirantes para engrossar a campanha de reeleição de Geraldo Alckmin. Já pensou onde estaríamos se eles fizessem isso?”. Não foram e, se tivessem ido, seria para solicitar algo de interesse para as universidades, tendo em vista que o número de alunos inscritos na USP passou de 50 mil em 2013 para 98 mil em 2014. Os de pós-graduação (240), de 17%, atingiu a cifra de 21%, se somarmos os professores doutores e mestrandos provenientes das 66 universidades federais que não podem contratar não só professores, mas técnicos especializados. Não sei o que esse jornalista que se intitula professor da Escola de Comunicação e Artes ensina para seus alunos. Não sei se ele fez a (difícil e trabalhosa) carreira docente composta pelos degraus de pós-graduação, mestrado, doutorado, adjunto, para concorrer ao título de professor titular. Se tivesse feito, saberia que os laboratórios, aparelhos científicos, animais de laboratório e hospitais necessitam de pessoal especializado e, em inúmeros casos, de duplicidade para plantões. Dificilmente a USP serviria de cabide de empregos, como fez nas universidades federais o antigo presidente do Partido dos Trabalhadores. Esse jornalista está justamente fazendo o que o governo anarco-populista pretende difamando a USP. Captar os 9 bilhões  para deixar a USP sem atender à comunidade e assim, com a anarquia,  tomar posse da entidade. Saudades do antigo vice-reitor, que durante suas inúmeras atividades (criou o Instituto Oceanográfico), quando da Fundação da Escola de Comunicações e Artes. 

Flávio Prada flavioprada39@gmail.com 
São Paulo

*
QUEM PODE PAGA

Em vez de vender imóveis, a USP que passe a cobrar de quem pode pagar. E, para quem não pode, bolsa.

Gustavo Guimaraes da Veiga ggveiga@outlook.com 
São Paulo

*
O PARADOXO DA USP

Fiquei pensando nas matérias recentes sobre a USP e em sua crise, bem como nas suas ocorrências internas. Incrível que a maior universidade do Brasil, com tão conceituados cursos de Economia e Administração, não consiga gerir a si própria. Inadmissível que professores da área de Humanas, que deveriam educar e fazer pensar na diversidade, fazem panfletagem política de baixo nível e preguem o ódio entre classes. Também inadmissível que seus funcionários e professores (públicos) entrem em greve desafiando a lei. Pior ainda, que jovens estudantes, que buscam na universidade um futuro, percam a vida lá dentro. Se esse centro de saber e conhecimento está assim, não é à toa que somos um povo ignorante, burro e, como já dito, com baixa qualidade de mão de obra. O mais triste é que a USP é o reflexo do que pode ser o Brasil todo, muito breve.

André Coutinho arcouti@uol.com.br 
Campinas

*
USP – SALÁRIOS, MORDOMIAS E FESTAS
  
A USP mais parece um Principado de Mônaco, só que encravada não numa rica França, e, sim, num pobre Brasil e sustentada pelos impostos dos pobres brasileiros. A vida lá é do outro mundo. Como não bastassem os salários, as mordomias anexas e a estabilidade de servidores, agora é notícia com suas festas, que parecem ser uma constante. Onde estão os sindicalistas ditos de esquerda, que não se pronunciam? E os sindicalistas da Petrobrás e dos Correios, que não protestam contra os escândalos nessas duas estatais?
  
Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br 
Araruama (RJ)

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.