Fórum dos Leitores

ELEIÇÕES

O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2014 | 02h06

Volta ao passado

O ministro Guido Mantega (PT) declarou que a eleição de Aécio Neves (PSDB) representaria uma volta ao passado. E ele tem razão, pois é exatamente isso que queremos: a volta a um passado recente glorioso com crescimento econômico, sem inflação, pleno-emprego e de esperança e confiança, e não esta situação atual inversa, humilhante, escabrosa e de medo do futuro negro com hiperinflação, conselhos populares, imprensa contida e o chavismo rondando. Queremos, sim, voltar ao passado!

ALCIDES FERRARI NETO

ferrari@afn.eng.br

São Paulo

Que diferença!

Quando FHC entregou o comando da Nação a Lula a moeda estava forte, as contas equilibradas e a economia pronta para deslanchar. Depois de 12 anos de PT a situação está totalmente contrária. Tanto assim que o ministro Guido Mantega prevê juros altos, desemprego e recessão caso Aécio Neves chegue à Presidência. Por que será? Será que Mantega está confessando que, preocupado somente com o objetivo eleitoral, o PT tem levantado um "castelo de cartas" com uma base econômica não sustentável no médio e no longo prazos? Minha sugestão ao PSDB e a Aécio Neves é que, logo ao assumir, façam uma completa auditoria revelando à Nação, de forma clara, simples e por todos os meios de comunicação, a verdadeira herança maldita que estão recebendo dos desgovernos petistas. Não vai ser fácil consertar o que elles estão deixando e o povo tem de estar preparado para os sacrifícios que serão inevitáveis para termos um Brasil melhor.

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

Um novo semeador

Pelo visto, nesta reta final do segundo turno a candidata Dilma Rousseff (PT) já sinalizou que vai comparar números dos governos anteriores do PSDB, oito anos com Fernando Henrique Cardoso, com o governo do PT, oito anos com Lulla e quatro anos com Dilma. Cabe, então, lembrar que a safra colhida sem muito esforço por Lulla, principalmente no primeiro mandato, teve a terra preparada no governo Itamar Franco e depois semeada e consolidada no governo FHC. Foi nessa época que surgiu o Plano Real, amplamente combatido pelas ervas daninhas do PT de Lulla. No momento, o País sofre com crescimento baixo e uma inflação ameaçadora, o governo de Dilma não sabe o que fazer, já que não apreendeu a cuidar da terra e plantar uma nova safra. Só nos resta aguardar que as urnas nos remetam um novo semeador, haja vista que esta safra já foi para o brejo.

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

O prometido e o esperado

A esta altura temos de verificar o que foi prometido pelo "governo" atual e o que é esperado para o fim do ano. PIB prometido, 3,8%; o esperado, 0,29% a 0,7%. Superávit primário prometido, 2,1% do produto interno bruto (PIB); o esperado, próximo de zero. Inflação prometida, no centro da meta (4,5%); a esperada, 6,5% a 7%. Investimento prometido, aumento; o esperado, diminuição. Saldo comercial prometido, US$ 10 bilhões; o esperado, US$ 2,5 bilhões. Empregos formais prometidos, 1,5 milhão; os esperados, 1 milhão. Se não houver mudança radical na "economia" que temos, tida pelos governantes como maravilhosa, em 2015 vai faltar dinheiro para Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida e outros benefícios sociais. E não adianta, para corrigir essa (des)economia, simplesmente destituir o ministro da Fazenda, conforme anunciado. Pois ele nada entende da matéria e é mero cumpridor das (des)ordens que recebe desse (des)governo.

JOSÉ E. BARBOSA GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

Fim da bolsa de quem?

Vendo a extensão do ódio e a agressividade dos militantes do PT nas redes sociais contra Marina Silva, os políticos do PSDB e os paulistas, pude dar-me conta de que essa imensa raiva reflete o temor da extinção da milionária "bolsa família" recebida pelos petistas e aliados - movimentos sociais vergonhosamente vendidos, marqueteiros sem escrúpulos, doleiros desonestos...

SUELI MARIA FONSECA RICHERS

sueli.richers@uol.com.br

São Paulo

PSDB é o pai da criança

O que o Aécio deveria fazer agora é correr o Nordeste de ponta a ponta e concretizar na mente dos eleitores que o Bolsa Família não é um produto do PT, e sim do PSDB - o PT só pegou carona no vagão e ainda se sentou na janelinha - e que esse benefício será melhorado e permanente. Também deveria pregar para todo o Brasil que, se eleito, convidará o ministro Joaquim Barbosa para compor o seu governo. Seria tiro e queda - em Dilma!

MOACYR FERRAZZINI JR.

moacyrferrazzinijr@uol.com.br

Guarulhos

Fracasso

A candidata Dilma admitiu seu fracasso no primeiro turno em São Paulo. Ela errou: seu fracasso foi nos quatro anos de mandato presidencial. Os eleitores esclarecidos votaram contra.

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

Além de admitir o seu fracasso em São Paulo, Dilma aumentará a campanha e fará oferendas ao nosso Estado. Esquece a presidenta que os brasileiros aqui residentes dependem tão somente de bons administradores públicos, de seu trabalho e das oportunidades que têm. De mais nada e de ninguém.

LÍGIA M. VENTURELLI FIORAVANTE

lmfiora@uol.com.br

São Paulo

Flash back aloprado

O ministro Aloizio Mercadante afasta-se do governo para reforçar campanha de Dilma. Isso significa que vem "dossiê" por aí?

MARCELLO ME. SIMONSEN NICO

mentanico@hotmail.com

São Paulo

Apêndice

O PMDB do sr. Michel Temer é um grande partido político e sempre fiel ao PT. Age como uma "Maria vai com as outras", pois parece estar sempre em segundo plano nas diretrizes políticas dessa união.

JOSÉ MARCONDES

farway.financeiro@terra.com.br

São Paulo

SACOLINHAS PLÁSTICAS

Proibição

Escândalos de corrupção pipocando toda semana, violência, assaltos à mão armada e, agora, arrastões pela capital e também no interior de São Paulo. E os nossos legisladores, políticos e empresários estão mais preocupados com a proibição de sacolinhas plásticas... Acorda, Brasil!

MARCO ANTONIO R. NUNES

nunesmarcelao@hotmail.com

Pindamonhangaba

‘REDUÇÃO DE DANOS’

Preocupante. Lula convocou reunião para hoje (9/10) com dirigentes do PT em São Paulo visando à “redução de danos” neste período pré-segundo turno da disputa presidencial. Talvez por analogia ele tenha usado tal expressão, uma vez que redução de danos, como se define, é: “série de medidas destinadas a reduzir as consequências prejudiciais associadas a diferentes comportamentos humanos, às vezes ilegais”. Ilegais? Será que se incluem aí também, frase de Lula: “Que o PT volte às ruas e faça uma oposição mais atuante?”.
 
Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
AMEAÇAS

Em discurso recente, conforme relatou em artigo no “Estadão” o professor dr. Miguel Reale Júnior, Lula, segurando no ombro de Dilma, disse pausadamente: “Eles não sabem o que somos capazes de fazer para ter você por mais quatro anos”. E em comício em São Paulo Dilma afirmou que, em época de eleição, eles, do seu partido, podem “fazer o diabo” para ganhar. Em face dessas abjetas declarações, que demonstram o mais baixo nível de conduta, os eleitores e o candidato contrário devem estar preparados para enfrentar com firmeza e desassombro tais ameaças.

Tercio Sarli Terciosarli.edicoes@r7.com
Campinas

*
SCHOPENHAUER NOS DEBATES

Schopenhauer redigiu, em 1830-1831, um pequeno trabalho, “A arte de ter sempre razão”, no qual lista 38 sugestões a debatedores. É claro que o pugilato verbal que nos aguarda até o segundo turno será rico na aplicação intuitiva de muitos dos ardis listados. A última “dica” é de longe a mais interessante, embora também sejam mencionadas a adoção de premissas falsas, deturpar afirmativas do oponente e extrair falsas conclusões do discurso do adversário. “Ao constatar que o adversário é superior e o resultado será desfavorável, adotar um tom ofensivo e grosseiro, (...) concentrando o ataque sobre a pessoa do contendor”. Em suma, adotar a agressão verbal. Deixando os eufemismos de lado, mentir descaradamente, desqualificando o interlocutor. Nesse modelo, enquadram-se perfeitamente frases do tipo “vocês quebraram o País três vezes” ou “os fantasmas do passado querem restabelecer o arrocho e pôr a perder todas as nossas conquistas”, etc. Resta ao candidato Aécio Neves estar preparado para reduzir a pó esse tipo de terrorismo, rebater com firmeza a atribuição de intenções produto da imaginação marqueteira e acabar com essa falsidade da tríplice quebra do País. Espera-se que isso seja feito de uma forma que possa ser entendida pelo público pouco informado, ao qual são servidas essas pílulas de terrorismo.

Alexandru Solomon Alex101243@gmail.com
São Paulo

*
CARA DE PAU
 
Dona Dilma fala dos “fantasmas do passado” esquecendo dos monstros (do seu governo) no presente!
 
Tania Tavares taniatma@hotmail.com 
São Paulo

*
SOBE O TOM

Quando a oposição resolveu subir o tom da campanha, devolvendo na mesma moeda as acusações que o governo fez para desviar a atenção de seus malfeitos, a população reconheceu e retribuiu nas urnas. Por que a oposição ficou tão muda por 12 anos? No segundo turno, vai ficar acuada ou discutir sem medo? Quer ganhar esta eleição ou não?

Mário Issa drmarioissa@yahoo.com.br 
São Paulo

*
REVANCHISMO POLÍTICO

Tenho a impressão de que a queima de ônibus no Estado de Santa Catarina não passa de treinamento para ações similares de vandalismo que serão intensificadas em todo o País após a defenestração do PT da Presidência da República. 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
ALTERNÂNCIA NECESSÁRIA
 
Há ocasiões que a alternância de poder é saudável para a democracia. No caso brasileiro, ela se faz necessária em razão do fraco desempenho da gestão da presidente Dilma em seus quatro anos de governo. A inflação está em alta, a economia apresenta sérios sintomas de estagnação, aparelhamento da administração pública, além de desvios de conduta causados pela danosa corrupção. São fatos que desabonam o governo que está no poder e requerem uma radical mudança na administração federal. Sabemos que a disputa para o segundo turno será acirrada, pois a máquina partidária que governa o País é muito forte e já alardeou que “fará o diabo” para não perder a eleição. Todavia, a notícia auspiciosa é que a terceira colocada no primeiro turno, Marina Silva (PSB), já indicou seu apoio ao candidato Aécio Neves (PSDB), o que reforçará suas chances de vitória. Lembrar que ele foi subestimado pelos concorrentes, mas deu no final da campanha um salto significativo no porcentual de votos. Vamos aguardar com esperanças de mudanças tão necessárias ao Brasil neste momento de incertezas.
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br
São Paulo

*
O PEIXE MORRE PELA BOCA

Quando Dilma Rousseff chamou Marina Silva de "coitadinha", me lembrei da máxima: o peixe morre pela boca.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
RECONSTRUÇÃO

As forças do bem do nosso Brasil não podem se omitir em momento tão importante para o destino de todos nós. Creio que Marina Silva irá optar pela mudança, que não significa uma troca pura e simples de comando, mas da restauração de ética, do respeito ao dinheiro público e de uma política mais republicana e menos egoísta e atrasada.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com 
São Paulo

*
RESISTÊNCIA DEMOCRÁTICA

Nesta quadra histórica que o Brasil atravessa, o País tem seu destino imediato e talvez duradouro diante de uma encruzilhada entre dois caminhos absolutamente distintos. De um lado, o projeto do partido governista cada vez mais radical, de inspirações bolivarianas na tomada do aparelho estatal por vias democráticas, para num segundo momento alcançar a dominação total do controle político, partidário, social e econômico do País, inclusive com restrições à imprensa livre, no objetivo de se perpetuar no poder. E de outro uma corrente nítida e historicamente democrática, com representantes legítimos do combate à ditadura militar e pela redemocratização do Brasil, artífices e condutores do plano de estabilidade monetária que pôs o Brasil no prumo há 20 anos, o Plano Real, além de se configurar na única possibilidade atual de oxigenação neste insalubre meio em que se tornou a política nacional, após 12 anos de petismo. O eventual apoio de Marina Silva, em favor de Aécio Neves, neste segundo turno representa muito mais do que o apoio a um candidato, representa o apoio à democracia e ao Brasil que deseja mudança política. Portanto, por Tancredo Neves, por Chico Mendes, Eduardo Campos e tantos outros homens e mulheres que deram sua vida por esta nação, é preciso despertar do sono profundo e mobilizar a resistência democrática dos brasileiros, em nome da estabilidade econômica, do progresso social e da liberdade de pensamento e opinião. 26 de outubro de 2014. Essa data firmará nossa resistência ou rendição?

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com 
Ponta Grossa (PR)

*
REFORMA POLÍTICA

Marina é coerente com seu programa de desenvolvimento partidário ao atrelar sua adesão no segundo turno ao compartilhamento mínimo de programas. Não que sejamos ingênuos que essa atitude não excluirá pessoas na administração futura, caso seu candidato seja eleito. Temos de mudar o modo de fazer política, enfocar e discutir programas. A atual fragmentação do Congresso, se nada for feito, redundará num loteamento político da burocracia governamental pior do que a atualmente vivida. A perpetuação de decisões importantes por líderes partidários desconectados das reivindicações populares será mantida neste horizonte. Reforma política já! 

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 
Indaiatuba

*
GRANDES EMOÇÕES

As emoções não terminaram. Vem muito mais por aí. O jogo continuará pesado. Mais duro do que no primeiro turno. Quem for podre que se quebre. Os conchavos já começaram. Para governador e para presidente. Vale tudo nas articulações políticas. O xadrez das artimanhas é amplo e tira proveito quem tiver mais argúcia e sensibilidade para antever os lances dos adversários, além de uma boa dose de esperteza misturada com sagacidade. O bom político sabe que o adversário de ontem pode ser o aliado de amanhã.  O jogo inteiro é focado nessa perspectiva. O leque de promessas também é mais amplo no segundo turno. Quem somar, tiver votos, poder de transferi-los, comando e coordenação e pertencer a partido que  ajude a fortalecer a base política no Congresso, considere-se forte pretendente a ministro ou a diretor de banco ou de empresa estatal. Segundo turno é campo perfeito para o retorno da velha senha do incansável São Francisco de Assis: “É dando que se recebe”. Segundo turno também é bom roçado para intrigalhadas, dossiês e plantações torpes e mesquinhas. A internet é campo ainda mais profundo e vasto para patifarias e baixarias. O jogo pela conquista do poder é para profissionais. Não é concurso para freiras nem para padre. Evidente que os eleitores dos dois candidatos permanecem afinados com eles. Vencerá quem souber usar as armas e munições que tem. Cativando novos eleitores e, sobretudo, passando a eles credibilidade e firmeza em suas propostas.  

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com 
Brasília

*
HORA DE MUDANÇA

Brasileiros, a nossa tão aguardada hora para alijar o PT do poder finalmente chegou. Empunhemos, com destemor e galhardia, a magnífica arma que a democracia está nos oferecendo: o voto. Com ela poderemos, sem o condenável uso da violência, conquistarmos de volta o nosso tão amado Brasil. Vamos confirmar nas urnas do dia 26 que a grande maioria, expressada na soma dos votos contrários ao desgoverno que nos assola, foi a manifestação inequívoca da vontade de mudar tudo o que aí está. Os alienados ou os “inocentes úteis” que venderam sua consciência que se mudem para Cuba, Venezuela...

Rubens Guiguet Leal rubensgleal@uol.com.br
Americana

*
DESTINO

Parece que o destino do PSDB é mesmo resgatar o Brasil do fundo do poço, como está novamente, e recolocá-lo nos trilhos. Ainda bem que podemos contar com essa grande possibilidade.

Heloisa Helena Silveira de Oliveira Lima adm@oliveiralimaadvogados.com.br
São Paulo

*
‘ALÍVIO E ESPERANÇA’

Não sou eleitor do PT (que Deus me livre!), mas não posso deixar de discordar do editorial “Alívio e esperança” (6/10, A3). Moro em Minas Gerais, Estado que Aécio governou por dois mandatos. Qualquer pessoa que more aqui e veja as condições da educação, segurança e saúde públicas sabe muito bem do que estou falando. As rodovias estaduais, uma das jóias da coroa da propaganda do governo de Aécio Neves, são verdadeiros matadouros. Aqui, no sul do Estado (uma das regiões mais desenvolvidas de Minas), não há uma única MG com pavimento decente ou pista dupla. Pelo contrário, são estradas sinuosas, estreitas, quase sempre sem acostamento. É comum ver uma fila enorme de veículos tendo de seguir um caminhão lento por mais de 10 km, já que são pouquíssimas as possibilidades de ultrapassagem. Em minha opinião, o único ponto positivo, se Aécio for eleito, vai ser a saída da quadrilha do PT do poder. Com certeza, nem ele nem Dilma terão meu voto.
 
Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br 
Pouso Alegre (MG)

*
DE SÃO PAULO AO NORDESTE

Sou paulista, moro na cidade do Crato (CE) e toda eleição fico deveras envergonhado com o comportamento dos meus conterrâneos, não pelo fato de votarem em A, B ou C, mas pela forma como se manifestam contra o povo nordestino, e digo isso por vários motivos, pois este é um povo trabalhador, honesto e muito inteligente. São tão trabalhadores que a maioria dos que construíram São Paulo, Rio de Janeiro e inúmeras outras cidades deste enorme país é nordestina. Trabalho no sertão nordestino há mais de 20 anos e entendo o porquê de votarem em Lula e, agora, em Dilma. Quando aqui cheguei, esta era a região do Brasil, Norte e Nordeste, que era esquecida do governo federal, onde as pessoas morriam de fome e sede, onde as pessoas sobreviviam, sim, de esmolas, principalmente na época da seca. E de 12 anos para cá a coisa mudou, as condições de vida melhoraram, o homem do campo passou a ser visto como um cidadão, e não apenas como um animal que era jogado à própria sorte. A Região Nordeste, como todo o Brasil, passa pela maior seca dos últimos 60 anos, já são quatro anos de chuvas escassas, no entanto, não existe mais o abandono do passado. E uma cidade como Fortaleza tem uma garantia no seu abastecimento de água até o final de 2015, se não chover. Graças a obras de garantia hídrica, estas mesmas obras garantem água para a população do interior se abastecer e, em muitos casos, fazer irrigação, muito ao contrário da cidade de São Paulo, que está há pouco mais de um ano com chuvas escassas que superam em muito a quantidade de chuvas caídas aqui. Somando-se a isso está aí a obra do São Francisco, que vai dar uma garantia maior de água à região e que a população está vendo evoluir a cada dia. O homem do campo não precisa mais ir tentar a vida no Sudeste, pois aqui ele pode viver bem, com garantia de renda e alimentação. Os seus filhos estão em boas escolas, vão à aula no ônibus escolar, muitos estão na universidade, antes privilégio de poucos, conheço alguns que estão fazendo Medicina e Engenharia. E na época em que Lula saiu de Pernambuco era luxo se soubesse ler. Hoje, o Ceará e Pernambuco são os maiores produtores de frutas do País, aqui se produzem diversas riquezas, e não mais apenas o turismo sexual, como no passado. Sei que ainda não está o país maravilhoso com que sonhamos, mas esses são apenas alguns fatores que levam a população a acreditar que este governo, mesmo com todas as suas mazelas, como em qualquer outro, tem muito a lhes oferecer. Muito mais que Bolsa Família, o que interessa mesmo é qualidade de vida. Meus conterrâneos que me perdoem, mas não me arrependo um segundo sequer de ter votado neles, pois conheço a realidade e convido todos a virem aqui conhecer – faço questão de ir pessoalmente mostrar a região. Pois é muito fácil vocês viverem no Estado mais rico do País, terem todas as condições de vida ideais, como transporte, emprego, água, luz e, acima de tudo, renda, e esquecerem que existem Estados mais pobres, onde tudo isso está apenas engatinhando, mas que aos poucos esse sonho vem se tornando realidade.

Alberto Medeiros de Brito albertobrito1@yahoo.com.br 
Crato (CE)

*
RICOS E POBRES
 
O argumento eleiçoeiro de que teremos, no segundo turno, os pobres contra os ricos é de tamanha mediocridade que não pode prosperar, porque o argumento contrário pode ser no sentido de nominar aqueles partidos políticos e componentes que usam e abusam da pobreza em benefício próprio. Relembre-se que o lulopetismo não meteu a mão na Petrobrás para ajudar os pobres nem usou o mensalão para realizar obras ou matar a fome da pobreza deste país. Na verdade, o saco de maldades e de malfeitos que Aécio leva às costas é muito mais pesado, e ele poderá atirar para todos os lados, o que não ocorre com dona Dilma, convivente com os maiores malfeitos da história deste país.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
MAIS DO MESMO

Dilma, ao agradecer a votação, disse que vai atender a maioria do povo que lhe rendeu os votos e vai continuar a mesma. Pelas minhas contas, ela teve, dos votos válidos, 41%, logo 59% são contra o seu governo. Elementar, menos para ela.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
FALANDO POR QUEM?

A "presidenta" falou ene vezes na entrevista pós-eleição que "o povo brasileiro não quer”, “não quer” isso, “não quer” aquilo. Estás falando por quem, cara pálida, por 40% do povo? E os outros 60% que repudiaram seu nome, hein? Como fica esse restante do "povo brasileiro"? Hein? O povo brasileiro acordou, finalmente, e dia 26 vai se livrar de vez da petralhada corrupta e incompetente.

Renato Pires repires@terra.com.br  
Ribeirão Preto

*
O QUE ESPERAMOS

Tudo indica que a oposição deve mesmo chegar lá. Não só Aécio Neves acordou – sua estratégia mineira o fez agir assim –, mas o povo também. Eu só espero que esta virada, mais o resultado de uma provável gestão saudável de Aécio, coloque o PT na parede e mostre a sua verdadeira cara tanto como governo quanto nas intenções ideológicas, e também exponha de vez as bandalheiras (incluo aqui o PMDB), até então contidas e abafadas, para que numa próxima eleição continue a limpeza nesse entulho podre que hoje existe na nossa política.

Miguel Pellicciari emepe01@uol.com.br
Jundiaí

*
UM PÁLIO DE LUZ

Lendo as palavras do assíduo leitor sr. Roberto Twiaschor no “Estadão” de segunda-feira (6/10), dizendo que a presença de Aécio Neves no segundo turno "é um pálio de luz desdobrado sob a larga amplidão destes céus", desejo complementar seu entusiasmo almejando que a derrota de Dilma Rousseff para o neto de Tancredo nos permita cantar em breve: "Já podeis da Pátria filhos / ver contente a mãe gentil. / Já raiou a Liberdade / no horizonte do Brasil!" Assim seja!
 
Edméa Ramos da Silva paulameia@terra.com.br 
Santos 

*
SEGUNDO TURNO

Pôr da esperança em São Paulo. Aécio para o bem do Brasil.

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com 
São Paulo

*
DEPOIS DAS URNAS

Viva! O Brasil ganhou mais gás. Geraldo, Aécio e Serra. Agora o País caminha. “Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro, a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz” (Platão). 

Helcio Silveira heldiasilveira@gmail.com 
São Paulo

*
CANSADOS DA CORRUPÇÃO

O resultado de domingo confirma o que já era percebido nas ruas, e estranhamente não era detectado pelos “institutos” de pesquisa: o povo brasileiro não suporta mais os petistas no poder. Dona Dilma teve 41,6% dos votos, ou seja, 58,4% da população votou contra este desgoverno incompetente, despreparado e corrupto. Merece especial destaque o voto do povo paulista: aqui, no nosso Estado, dona Dilma teve 24% dos votos, ou seja, 76% da população votou contra ela e seu partido. O mesmo ocorreu na eleição para governador, em que o “poste” indicado por Lula teve apenas 18% dos votos. Cumprimento o povo paulista. Mostramos que não somos coniventes com a corrupção, com a bandalheira, com o “não sei de nada” e com o aparelhamento do Estado. Vamos firmes para o segundo turno, a fim de tirar essa gente do poder de uma vez por todas.
 
Domingos Spinelli dspinelli@terra.com.br 
São Paulo

*
PRIVILÉGIO PAULISTA

Alguns leitores enviaram mensagens ufanistas sobre a vitória de Aécio Neves em São Paulo, esquecendo-se de que, em Santa Catarina, Rondônia e Paraná, ele teve porcentagem de votos maior e, em outros Estados, alcançou praticamente o mesmo patamar que São Paulo. No entanto, nenhum outro Estado teve o “privilégio” de reeleger um palhaço com mais de 1 milhão de votos, em troca de alguns minutos de palhaçadas primitivas e de extremo mau gosto.

Frederico Fontoura Leinz fredy1943@gmail.com  
São Paulo

*
A RECESSÃO DELE E A DELA

“Comparem a minha recessão com a dele” – assim dona Dilma Rousseff tentou rebater críticas do concorrente Aécio Neves. Quer dizer que a ilustre senhora admite haver recessão. Se a recessão da “presidanta”, digo presidente, fosse “melhor” que a do “outro”, não deveria ter diminuído o número dos beneficiários da bolsa esmola? E, por falar em recessão, hoje os amados “pobres” já não podem fazer o churrasquinho no fim de semana, como no tempo do odiado (ou invejado?) FHC. Por que será, hein?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 
São Caetano do Sul

*
SEGURO-DESEMPREGO

Aproveitando a expertise de João Santana em exaltar a mediocridade e maquiar a incompetência, a futura ex-presidente em exercício deveria ir preparando seu currículo pífio em busca de recolocação profissional em 2015.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com 
São Paulo

*
EDUARDO SUPLICY

Com sua derrota no Senado, Eduardo Suplicy (PT) declarou que estará à disposição de Dilma Rousseff para ajudá-la a conseguir a sua reeleição. Como eu torço ardentemente para que ela não seja eleita, gostaria de sugerir ao futuro ex-senador Suplicy que a carregue nos ombros pelas ruas de São Paulo, exatamente como fez com Alexandre Padilha. Não vai dar outra coisa: derrota na certa. 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro  

*
NO MARANHÃO

Cumprimento o povo do Maranhão, por ter extirpado de uma só vez dois tumores malignos do seu governo: Sarney e Lobão.

Carlos Norberto Vetorazzi cnorbertovetorazzi@yahoo.com.br 
São José do Rio Preto

*
LIGAÇÕES PERIGOSAS

Em 2011 houve uma importante apreensão de 230 kg de cocaína em Itu. Frank Aguiar, vice- prefeito de São Bernardo do Campo, aparece em escutas telefônicas com Jailson Lopes de Souza, vulgo Jabá, largamente conhecido nos meios policiais como traficante internacional de drogas. A polícia apura suposta interferência do ex-secretário de Segurança Pública Antonio Ferreira Pinto, para livrar Aguiar do caso. Misteriosamente, folhas do processo sumiram e, de forma inexplicável, o mesmo ficou parado de abril de 2012 até fevereiro de 2014. Além disso, dois investigadores acusam Ferreira Pinto de ter solicitado que fossem retirados da apuração do caso. Sintomaticamente, tanto Aguiar como Ferreira Pinto não vieram a público para se defenderem, mas tiveram a coragem de se candidatarem a deputados federais. É surpreendente que um caso dessa magnitude não tivesse a repercussão devida na imprensa paulista e brasileira. Será que chegamos ao cúmulo de ter um vice-prefeito de São Bernardo do Campo e um secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo envolvidos com o crime organizado? 

Wilson Haddad wilson.haddad@uol.com.br 
São Paulo

*
‘NON DUCOR DUCO’

Como salientaram os leitores do “Fórum” e, principalmente, os votos das urnas, os paulistas cumpriram com a sua obrigação cívica e contribuíram decididamente para a ida de Aécio Neves para o segundo turno. Sei que nada contra a candidata Marina Silva e seu programa de sustentabilidade, pois ninguém melhor que os paulistanos e os paulistas de um modo geral sabem que as políticas atuais em desrespeito ao meio ambiente já são responsáveis por um número de óbitos injustificáveis. Só em nossa capital, mais de 4 mil paulistanos falecem somente em razão da poluição do ar, enquanto a nossa área arbórea vai diminuindo a cada ano, por meio de uma falácia aplicada pelo poder público e pelos grupos econômicos ligados à indústria da construção civil, de derrubar uma árvore adulta e plantar pelo menos duas mudinhas em seu lugar, que, na sua grande maioria sucumbe por falta dos cuidados necessários, inclusive irrigação. E o cenário se repete por todo o País. Então sábio será o candidato Aécio Neves se prestar atenção às principais solicitações de Marina Silva para apoiá-lo no segundo turno e atendê-la no que for factível, pelo bem do País. Como todos sabemos, a candidata que o ex-presidente Lula vendeu para a população como a “gerentona” vai terminando um mandato dos mais sofríveis da nossa história, tão ruim que até o seu mentor não aceitou substituí-la, não atendendo aos apelos aflitos de “volta Lula” de seus correligionários, pois ela vai realmente deixar uma herança mais do que maldita para o próximo presidente. Ela conseguiu ser reprovada em economia, infraestrutura, educação, saúde e meio ambiente – para ficar naqueles temas que eu me lembro no momento. Também não podemos dizer que fez uma boa política de habitação, pois as grandes cidades continuam aumentando desmesuradamente a sua população, inclusive com o incentivo federal, quando o correto seria dotar as demais cidades do País com uma infraestrutura decente, além de uma economia local necessária para criar os empregos necessários ao seu morador, não seja obrigando-o a migrar para outras plagas por uma questão de sobrevivência e muitas vezes ir morar em habitações inadequadas ao ser humano. Se Deus, que é brasileiro, como acredita a maioria do nosso povo, não nos socorrer nesta hora de aflição e a presidente for reeleita, desta vez a vaca vai realmente para o brejo.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
GERALDO ALCKMIN REELEITO

Recado de São Paulo para Lula: fora PT. Lula e Padilha, plagiando Raul Gil, "peguem os seus banquinhos e saiam de fininho", e levem junto Paulo Skaf.
 
Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
CHUVA EM SÃO PAULO

São Pedro, o eleitor paulista inocentou o governador Geraldo Alckmin da falta de chuvas em São Paulo, a bronca vai mudar de endereço, sugiro começar a mandar chuvas para São Paulo, urgentemente.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente 

*
O ESTIGMA DO ANTIPETISMO

O sr. Jaques Wagner, da Bahia, diz que gostaria de entender qual o estigma do antipetismo em São Paulo. Ora, sr. Jaques, aqui somos um povo com um grau de  escolaridade que nos permite discernir todas as mentiras do seu partido, que nos permite discernir todo o patrulhamento da máquina estatal na mão de antigos sindicalistas. Somos um povo que paga a conta das milhares de bolsas cabresto por este país afora submetendo o povo à indolência, somos trabalhadores e empresários cansados do peleguismo destes sindicatos que não geram riqueza nem empregos, mas, sim, perseguem aqueles que querem gerar riqueza para o País. Aqui, somos a favor de gerar riqueza para poder dividir, e não de dividir a miséria que seu partido insiste em perpetuar. Aqui somos um povo que é contra seus comparsas bolivarianos desta triste América Latina. Aqui somos um povo que quer vender seus produtos para os EUA, e não para Cuba ou Venezuela. Aqui somos um povo cansado das mentiras do seu partido, que dissemina a inveja e a luta de classes. Aqui somos um povo que quer um estadista que una o País. Aqui somos um povo que não aceita a indecência do seu partido com o PMDB. Aqui somos um povo, acima de tudo, que não se deixa enganar – e isso ficou muito bem provado nas urnas. Para entender esse estigma, vocês necessitam mudar o discurso e entender que quem governa um país o faz para o povo, e não para um partido.
 
Armando Favoretto Junior afjsrf@ig.com.br 
São José do Rio Pardo
 
*
O CONTENCIOSO DO ALGODÃO

Diz o ditado que mais vale um mau acordo do que uma boa demanda. Um bom acordo vale mais do que uma excelente demanda, o caso do contencioso do algodão. O valor significativo da compensação financeira recebida é fruto do prejuízo que a política norte-americana do algodão continua, repito, continua, a causar ao Brasil. Infelizmente ainda não acabou. Precisaremos lutar na Organização Mundial do Comércio (OMC), agora na Rodada Doha, pois saímos do órgão de solução de controvérsias.

Pedro de Camargo Neto, ex-secretário do Ministério da Agricultura 2001-2002, período em que o contencioso foi estruturado e iniciado camargo.pedro@gmail.com 
São Paulo
  
*
VOTAÇÃO COM BIOMETRIA 
 
A identificação biométrica está sujeita a falhas de funcionamento. Isso se verificou nesta eleição, atrasando a votação em muitas seções. Em vez de investir nesse sistema, desnecessário, diga-se de passagem, a Justiça Eleitoral deveria adotar a impressão do voto como meio de evitar fraude eletrônica na votação. 
 
Roldão Simas Filho rsimasfilho@gmail.com 
Brasília

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.