Fórum dos Leitores

PETROLÃO E ELEIÇÃO

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2014 | 02h03

E o PT não aprendeu nada...

Por culpa da atitude leniente da nossa Justiça, que deixou rolar por anos a fio o processo do escabroso mensalão, e não fosse a atitude quase heroica do ministro Joaquim Barbosa não teria dado em nada, o Partido dos Trambiqueiros achou que podia continuar com o mesmo esquema criminoso de desvio de dinheiro público para forrar os seus cofres, mudando apenas o operador do esquema, que passou a ser o doleiro Alberto Youssef, no lugar de Marcos Valério, e o tesoureiro do partido, que passou a ser João Vaccari, no lugar de Delúbio Soares. Além da falta de imaginação para bolar um golpe menos manjado, é muita falta de caráter e de vergonha na cara desses falsos brasileiros, que fingem lutar pelo bem-estar da população mais carente, mas só visam conseguir muito dinheiro para comprar a sua permanência no poder.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

É mesmo de estarrecer

A presidente da República declarou que as divulgações sobre a Petrobrás são estarrecedoras. E eu digo que estarrecedor é a presidente fazer tal afirmação depois de ocupar cargos relevantes no governo Lula, incluídos a presidência do Conselho de Administração da estatal e o Ministério de Minas e Energia, ao qual a empresa se reporta. É evidente que o depoimento do ex-diretor da Petrobrás é coerente. Ele não poderia cometer todos os crimes que vem confessando, durante tanto tempo, se não tivesse cobertura da cúpula do governo. O próprio sobrepreço da Refinaria Abreu e Lima, cujo custo passou de US$ 2,5 milhões para US$ 20 milhões, é prova indiscutível de que ali houve maracutaia da grossa. Isso sem falar na refinaria de Pasadena. Também sou de opinião que o ex-presidente Lula deveria, sim, ser convidado a falar sobre o assunto perante o Congresso Nacional.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

Missão impossível

Mais dois excelentes motivos para não votar em Dilma no segundo turno: os acordos de delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás, e do doleiro Alberto Youssef. Como dificilmente virão a público ainda antes do segundo turno todas as falcatruas que eles estão ou estarão denunciando, cresce muito a probabilidade, caso reeleita, de um inexorável impeachment, doloroso processo que não interessa nem à Nação nem a Dilma Rousseff. Em dando a lógica na consagração de Aécio como o próximo presidente, há que pensar em formas de aproveitar e premiar nossa futura ex-presidente pelos excelentes serviços prestados à Nação. Muitos têm sugerido que se proponha na ONU criar para Dilma função que tem tudo que ver com seu recente discurso naquele organismo: negociadora junto ao Estado Islâmico. Impossível cargo mais adequado, em que a titular poderá nomear subnegociadores os membros de seu time de assistentes encarregados de nossa atual diplomacia anã.

LAZAR KRYM

cegrup@terra.com.br

São Paulo

Discurso venenoso

A que ponto chegou a irresponsabilidade da presidente da República e candidata Dilma Rousseff! A chefe da Nação de todos nós agora inflama uma guerra de brasileiros do Nordeste contra brasileiros de outras regiões do País, somente no intuito de ganhar mais votos naquela região. Que nordestinos, sulistas, nortistas, o Sudeste e o Centro-Oeste, o Brasil do Oiapoque ao Chuí recuse nas urnas esse venenoso discurso da candidata à beira de um ataque de nervos. Dividir o Brasil não é atitude digna para a chefe de Estado.

SANDRO FERREIRA

sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

Menos, dona Dilma

Dona Dilma está com essa bola toda para se achar no direito de passar sabão no candidato Aécio Neves, dizendo que quem fez a classe média foi o PT, e ainda perguntar por que o governo FHC não fez os ajustes que deveria ter feito no Bolsa Família? Pois é, simples assim, na linha do perguntar não ofende, por que dona Dilma não conteve a inflação, os juros altos e por que o Brasil não cresceu durante os quatro anos de seu governo? Ao final do mandato, Dilma promete um governo novo com pessoas com ideias novas. Isso mostra que Dilma errou e está querendo consertar seu erro. Se seu governo foi ruim e com pessoas ruins também, a culpa é da dona Dilma. Quem prega o "nós" contra "eles" é seu criador. De nada adianta dizer que a oposição pega pesado, quem apela é e sempre foi o PT. E a munição que seu partido ofereceu com o caso Petrobrás não é para deixar ninguém dormir.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

O legado esquecido

Consultando dados do TSE, infere-se que 56 milhões de eleitores de 2014 tinham 13 anos ou menos em 1993. Esses jovens não avaliam o que foi a inflação de 2.900% naquele ano, com projeção de 5.000% para 1994. Debelar a hiperinflação foi o mais abrangente programa social que o Brasil já teve - e o PT foi contra! O Plano Real resgatou o poder de compra do trabalhador, cujo salário era corroído por uma inflação voraz de 80% ao mês, e acabou com a ciranda financeira do overnight, que só beneficiava os ricos - mas o PT foi contra! Quem, então, "governa para os pobres"? O PT, que fez a felicidade dos banqueiros e doleiros como nunca antes neste país? O PT, que rechaça as privatizações por ideologia? Sabem os jovens eleitores quantos bilhões de dólares foram literalmente torrados nos fornos das siderúrgicas estatais até serem privatizadas pelo presidente Itamar Franco? Se a Petrobrás deu no que deu, que diabos não faria o PT com a Vale? E com as empresas de telecomunicações? Quem se arriscaria a voar nos jatos de uma Embraer aparelhada pelo PT? E que tal um Brasil sem metas de inflação e sem a Lei de Responsabilidade Fiscal, fundamentos herdados de FHC sob protesto de Lula? Basta de arrogância e empulhação! O PT não resiste à verdade dos fatos.

CELSO L. P. MENDES

socelta@uol.com.br

São Paulo

Campanha de Aécio

Um conselho, de graça, para os marqueteiros do candidato Aécio Neves (PSDB): mostrem que o que tira comida da mesa do pobre é essa inflação alta provocada pelo governo do PT.

SHIRLEY SCHREIER

schreier@iq.usp.br

São Paulo

Aécio Neves deveria propor a criação de um Ministério de Ação Social, exclusivamente para atender às classes C e D e os desempregados.

MINORU TAKAHASHI

minorinhotakahashi@hotmail.com

Maringá (PR)

INFLAÇÃO

A inflação, estourando o teto da meta, chegou a 6,75% nos últimos 12 meses, e a vilã da vez é a carne bovina. Logo, o governo, para tranquilizar os consumidores, escalou o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda para recomendar aos brasileiros que troquem a carne bovina por aves e ovos, como se estes também não estivessem caros. Já vai longe o tempo em que os mais pobres podiam comer sua picanha no churrasquinho de fim de semana. Será que vão conseguir ludibriar as donas de casa?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 
São Caetano do Sul 

*
O ESTOURO DA META

O chefe de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, minimizando a péssima notícia para o governo nesta reta final de campanha para a reeleição de Dilma Rousseff que foi o estouro do teto da meta de inflação – segundo o IBGE, atingiu em setembro 6,75% –, declarou que a meta de inflação é para o ano, e não para o mês. É exatamente igual àquela situação de alguém que está caindo do alto de um prédio de 12 andares e, após já ter passado por 9 andares, ainda tem esperança de que um milagre vá salvá-lo no percurso dos 3 andares que ainda faltam.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro  

*
ACREDITE QUEM QUISER

O secretário de Política Econômica Marcio Holland recomendou que brasileiros substituam a carne bovina por outra mais barata, como a de frango. Depois voltou atrás, mas já estava dito. Já houve outro luminar que recomendou pouco ou nenhum banho, para amenizar a falta d’água. Ora, senhor secretário, não seria mais racional e oportuno recomendar maior valor ao trabalho, mais punição aos corruptos, mais segurança para a população, melhor educação para os jovens, mais cuidados com a saúde? Isso conseguido, senhor secretário, seria o almejado progresso e todos poderiam comer e banhar-se livremente. Livraria, também, que no caso de piora da condição do ar, alguém viesse a recomendar que se parasse de respirar.

Ligia M. V. F. lmfiora@uol.com.br 
São Paulo

*
BRILHANTE SUGESTÃO

A inflação acumulada em 12 meses está em 6,75%, a maior desde outubro de 2011. E não há perspectiva de que vá ceder, segundo especialistas. Está espalhada de um modo geral nos preços dos alimentos, tanto que 61% dos produtos que compõe da cesta do IPCA tiveram acréscimo. A vilã da vez é a carne. Para resolver a questão, o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, sugeriu que os brasileiros troquem a carne por ovo. Pronto, a inflação está controlada! Controlada “uma ova”! O secretário deveria frequentar mais supermercados e estar mais bem informado. Para o seu “governo”, a carne, esse alimento rico em proteínas, há tempos não faz parte do cardápio de muitos brasileiros, em razão de seu preço proibitivo, já o ovo, sua “brilhante e inédita sugestão”, frequenta todos os dias o prato do trabalhador. Que tal se o digníssimo secretário, ministros de Estado e Presidência da República substituíssem as ovas do esturjão, o famoso caviar, certamente servido rotineiramente em suas refeições, pelos “zoiúdos”? Aí, sim, o índice inflacionário receberia um sério impacto, para baixo. Sonhar não custa.

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com 
Jundiaí

*
CARDÁPIO

Márcio Holland podia fazer um cardápio nutritivo e econômico para a semana e me mandar por e-mail.

Marcos Reis Longhi reismartins@outlook.com 
São Paulo

*
CARNE, FRANGO E BRIOCHES

Diante da inflação e do preço em alta da carne, o secretário de Política Econômica sugeriu que a população comesse frango, em vez de carne. Triste sugestão, que lembra a frase atribuída à rainha Maria Antonieta, ao ser informada de que os pobres não tinham pão para comer: “Se não têm pão, comam brioches!”. O governo do PT estaria de fato preocupado com os pobres?

Izidoro Blikstein izidoro@blikstein.com 
São Paulo

*
CARNE POR OVO

Começou assim na Venezuela. O troca-troca foi evoluindo, evoluindo, até chegar ao papel higiênico. Quando os comparsas do presidente Maduro aconselharam a troca por papel de jornal, não havia mais jornais.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
INFLAÇÃO NA CARNE

Quem são os donos da carne no Brasil atualmente? Quem são os empresários africanos que estão comprando fazendas de gados pelo Brasil afora?
  
Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@Hotmail.com 
São Paulo

*
CARNE E POLÍTICA

Os maiores frigoríficos do mundo – criados por Lula para seus amigos com dinheiro público dos bancos oficiais e muita ajuda diplomática no exterior – estão dando o tom do aumento desmesurado da inflação. O brasileiro já não come carne como costumava, apesar das campanhas massivamente com figuras famosas. Os preços são absolutamente proibitivos nos açougues e absurdamente estratosféricos nas churrascarias. Mas a contribuição desses felizardos bilionários à campanha eleitoral petista chega a ser um escárnio.

Ademir Valezi adevale@gmail.com 
São Paulo 

*
TROCA

O governo Dilma, diante da inflação que causou e não sabe controlar, no desespero, sugere a troca da carne pelo frango. De minha parte e diante do mesmo desespero, sugiro a troca de governo no dia 26 de outubro.
 
Mario Cobucci Junior maritocobuci@uol.com.br
São Paulo

*
MAU SINAL

Só queria entender: ontem comprei um pingado e um pão com manteiga na chapa e paguei R$ 3,50. Hoje já paguei R$ 4,50 pela mesma coisa. Isso dá um reajuste de 28,57%. Aonde vamos parar?

Valter Gali vgali@concili.com.br 
São Paulo

*
O 13 DANDO AZAR

Ao escolher o número 13 para representar o PT, Dilma faz uma homenagem ao seu governo. São 13 as vezes em que a inflação estourou o teto da meta e ainda assim há pessoas do governo tentando mostrar o contrário. Podem chamar de pessimistas, de alarmistas, do que quiserem, mas a derrota da presidente está próxima. O povo já começou a sentir no bolso o peso da inflação e o desemprego só não é maior porque a compra de votos disfarçada de Bolsa Família garante o emprego dessa gente que engana o povo, mas enche suas burcas.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com  
São Paulo

*
LEITE DERRAMADO

Novamente, apareceu em cena a figura do ministro da Fazenda, Guido Mantega, com os seus velhos discursos a respeito da situação econômica do País. O ministro desta vez comentou a respeito da revisão da expectativa do Fundo Monetário Internacional (FMI) em relação ao crescimento da economia do Brasil. Além de voltar a taxar de "exageradamente pessimista" a projeção dos órgãos econômicos internacionais e de querer comparar nossa economia com a economia de países da Europa e outros de Primeiro Mundo, Mantega insiste em dizer que há perspectivas de recuperação moderada até o fim do ano, com os aumentos de crédito no setor. Quando, há pouco tempo, muitos especialistas econômicos sinalizavam para um estado de recessão técnica, em razão dos péssimos resultados dos últimos trimestres, Mantega foi a público fazer o seu tradicional discurso megalotimista e com cara de muita paisagem. Entretanto, estes mesmos ares de complacência do governo e incompetência para conduzir a política econômica do País já haviam ficado mais do que escancarados quando Mantega apareceu na mídia para rejeitar categoricamente o rebaixamento da nota do Brasil pela Standard & Poor’s para BBB-, em março deste ano – o que já alertava para o fato de que a situação não era nada das melhores e que a atual política econômica do governo de Dilma Rousseff e de seu ministro da Fazenda estava realmente trilhando os caminhos mais tortuosos e erráticos. Também não era para menos! As falhas do atual governo, dentre as quais a desastrosa e péssima administração do dinheiro público, com o excesso de gastos e falta de uma política fiscal mais rigorosa, trouxeram muitos problemas, incluindo o mais temido de todos: a inflação, que está aí batendo à nossa porta. Agora não adianta mais chorar, senhor ministro e excelentíssima presidente! O leite e o caldo já estão derramados! 

Emanuel Angelo Nascimento emanuellangelo@yahoo.com.br  
São Paulo

*
PREVISÃO DO FMI

Desta vez o Fundo Monetário Internacional (FMI) diz que o Brasil não vai cumprir a meta de superávit primário, que é a economia dos gastos públicos para o pagamento da dívida, diante da projeção de crescimento neste ano, que foi rebaixada para 0,3%. Disso se deduz que dona Dilma e a sua equipe (ou turma) não estão nem aí! Mais uma importante razão por que não deve e não pode ser reeleita.
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br   
São Paulo

*
DESVIO DE DINHEIRO PÚBLICO

O Brasil corre o sério risco de reeleger uma criminosa para a Presidência da República. Não existe mais dúvida de que houve, sim, desvio de dinheiro da Petrobrás e de que esse desvio alimentou a campanha eleitoral do PT. Não existe dúvida de que o criminoso Paulo Roberto Costa foi plantado na Petrobrás pelo ex-presidente Lula com a missão de roubar, e que a beneficiária maior desse crime foi a presidente Dilma, candidata em 2010. É inconcebível que a presidente da Petrobrás, Graça Foster, não tivesse conhecimento das atividades criminosas de boa parte da diretoria da empresa que ela preside. É estarrecedor que essa senhora continue na presidência da empresa mais importante do País, é um ultraje que a presidente Dilma continue na Presidência da República. O Brasil precisa rever seus conceitos de combate ao crime organizado para ter mais agilidade para enfrentar esta nova modalidade de quadrilha criminosa política. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
FIM DA LINHA

A publicação de atos vergonhosos da quadrilha petista na Petrobrás será a pá de cal na candidatura de Dilma Rousseff e a extrema unção do finado Partido dos Trabalhadores. Até a sigla PT eles estão escondendo nas propagandas da TV. Nunca antes neste país um partido foi tão sujo e corrupto. E ainda querem falar de FHC? Será que não assumem as atitudes erradas e o aparelhamento político das grandes empresas brasileiras, como se fossem propriedade de Lula e sua família?  
 
Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br 
São Paulo

*
ABANDONANDO O BARCO

Se ainda restasse alguma dignidade, se houvesse algum resquício de honestidade e vergonha, uma presidente atolada até o pescoço neste mar de lama, para não dizer outra coisa, o melhor que faria seria pedir desculpas e se retirar. Renunciar. Por muito menos, em países civilizados, presidentes e ministros renunciaram. Mas isso requer alguma grandeza. Grandeza que só os verdadeiros estadistas têm. Grandeza que não se compra nem se vende por 3%. Os ratos serão os últimos a abandonar o navio.

Luiz Angelo Pinto luiz.angelo.pinto@terra.com.br 
São Paulo

*
JULGAMENTO

Desgraçadamente o julgamento dos casos Petrobrás não será realizado antes do segundo turno. Caso fosse, a derrota de Dilma seria certa. Vamos confiar no povo, que parece que acordou e está colocando o País no rumo correto.

Laert Pinto Barbosa  laert_barbosa@globo.com
São Paulo

*
DELAÇÃO PREMIADA

Finalmente, com a delação premiada de Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef, a corruptaria petista começa a ser desvendada.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com
Campinas

*
‘MALFEITOS’ NA PETROBRÁS

Dilma Youssef ou Alberto Rousseff?
 
Cláudio Moschella  arquiteto@claudiomoschella.net
São Paulo

*
INFECTA CORRUPÇÃO

Uma infecção, quando não combatida no início, torna-se tão grande que sua purulenta secreção extravasa por todos os cantos, sem o menor controle, causando a morte. Assim é o estado atual de corrupção no Brasil: as forças institucionais não a combateram no início e o cheiro de sua podridão se difundiu pelo País. Ou a matamos nestas eleições ou ela nos mata.

Mário Issa drmarioissa@yahoo.com.br  
São Paulo

*
NOVAS-VELHAS PROMESSAS

Por igual número dos barris de petróleo, jorram da Petrobrás, a transbordo, os barris de “lama e podridão”, que todos os dias denigrem ainda mais a “folha corrida de crimes” do PT, como esta que se nos depara no “Estadão”: “PT recebia 3% dos contratos da Petrobrás”. Entendeu o sr. Lula que, pelo fato de a Petrobrás trazer no nome a sigla do PT, fosse-lhe sua “fazenda” exclusiva, a vaca leiteira do seu partido, o poço de petróleo ao fundo de seu quintal. Pior que isso, temos que dona Dilma Rousseff, ela mesma envolvida até a alma nessas mazelas e muitas outras, vem agora, com “novas promessas” de combate irrefragável à corrupção. Se nos quatro anos passados nada fez para isso, quem lhe há de dar crédito no vazio da promessa “de fazer algo” que, já de há muito tempo deveria ter feito, e nada fez? Senhores, a raposa muda de pele, mas não muda de ânimo. Qual vos parece que foi a origem, ou a causa principal do descrédito e da iminente ruína do PT? Não foi outra senão a cegueira malsã deles (PT) a quem se acreditou que levariam a termo as promessas de campanha, outrora feitas, sempre renovadas e jamais cumpridas. Promessas a que se obrigaram por ofício, e ao fiel cumprimento do combate à corrupção, a que, então, se propunha o sr. Lula, que, ao passar dos 12 anos, pasmem, aquelas promessas concretizaram-se neste fato real da vida, pulsante à nossa frente, na maior e mais despudorada das corrupções. Suposto e provado isso, as novas-velhas promessas vindas de quem as faz não são mais que burla, areia atirada aos olhos do povo, mero devaneio de campanha, que nelas só podem acreditar o desvario de néscios e o andar à gandaia de tresloucados.

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br 
São Paulo

*
TUDO OU NADA

No início da campanha, Dilma disse que faria “o diabo”, portanto agora, no segundo turno, ela deverá convocar o exército das trevas para continuar no poder. Deus nos livre.

Olavo Fortes Campos Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com 
São Paulo

*
DESPERTANDO

No dia 5 o Brasil acordou do sono profundo de quase 12 anos de promessas não cumpridas, de populismo exacerbado, de desmando total em todas as áreas do governo federal e de leniência com a coisa pública, que acabou virando moda. Se você, eleitor, pagador de impostos, quiser que continue essa zorra que está aí, com escândalos e patifaria sendo noticiados todos os dias em jornais e na TV, com a mentira correndo solta para enganar os desavisados, com o País andando de marcha à ré na economia, com um pibinho medíocre, com educação de segunda categoria, com a saúde na UTI, com pessoas morrendo em filas de hospitais por falta de atendimento digno, com os jovens perdidos e mortos pelas drogas, assassinados e sem perspectivas de vida, de corrupção saindo pelo ladrão, vote em Dilma. O Brasil tem jeito, sim, a mudança depende de cada um de nós, dia 26 de outubro.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*
CRISE DE REPRESENTATIVIDADE

Mais uma eleição presidencial caminhou para ser decidida entre o roto e o esfarrapado. Ainda no primeiro turno nem Marina Silva representava algo diferente. E quem sobrou? Aécio, leia-se PSDB, e Dilma, do PT. O que fez o PSDB em oito anos de governo? Aumentou a dívida pública, o desemprego, transferiu empresas públicas para o setor privado, e nenhuma funciona, entre outras coisas. Quanto a Aécio, há a questão do aeroporto em Minas em terras de parentes do candidato e outras questões. Não é nenhum santo. E Dilma? Inexperiente, foi colocada lá pelo ex-presidente Lula pensando que ia manobrá-la para ele voltar nestas eleições, mas o tiro saiu pela culatra. Por outro lado, ela foi um fracasso como presidente, não conteve nem combateu a corrupção e outros escândalos dos seus aliados petistas e peemedebistas, além de adotar uma política econômica baseada no consumo subsidiado, que não apresentou resultados econômicos consistentes. Estão aí os resultados: contas que não fecham, PIB em queda, etc. Não vejo nenhuma diferença dos oito anos de governo do PSDB para os de Dilma. Para mim, as opções são as piores possíveis. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
REFRESCANDO A MEMÓRIA

Um dos cavalos de batalha do PT consiste em comparar os governos que se seguiram ao de FHC – aqueles depois que o Brasil foi finalmente descoberto – com a sábia condução da política econômica por parte do PT. Fim dos capitalistas loiros de olhos azuis, derrotada a elite perversa incomodada com pobre andando de avião e outros achados marqueteiros que primaram pela inverdade. Para início de conversa todas as comparações pecam por um detalhe algo evidente, porém cuidadosamente escamoteado: não faz sentido comparar um menino de 8 anos de idade com um rapagão de 20. Ou faz? Falemos um pouco do governo dos juros altos. É verdade que em 1999, em meio a uma turbulência que pegou o País desprotegido, a taxa Selic alcançou um pico de 45% ao ano. No entanto, foi uma medida extrema. Aos poucos, a taxa Selic diminuiu. Talvez seja interessante recordar que no apagar das luzes do governo FHC, Armínio Fraga, o “homem dos banqueiros”, elevou a taxa Selic (dezembro de 2002) de 22% para 25%, para facilitar a vida do sucessor. Conduzido “pelos braços do povo”, Lula não só manteve esse nível, mas o aumentou até 26,5%. Como? Não é possível! Intriga das elites! No entanto é verdade. A tal “terceira quebra do Brasil” foi tomar emprestada parte de uma linha de crédito junto ao odiado FMI (pedimos colo ao FMI, diz a propaganda petista. Bem, até os Estados Unidos já pediram, sem abdicar da soberania). Lula quitou os US$ 4,2 bilhões. Como? Emitiu títulos da dívida – à taxa Selic – e pagou um empréstimo a juros menores. Algo como o genro que odeia a sogra,  a ponto de tomar dinheiro com agiota para pagar um empréstimo da sogra que cobrava juros menores. As reservas atuais acumuladas, algo como US$ 380 bilhões, não surgiram de superávits comerciais: foi a mesma ideia, endividar-se – não junto aos bancos nacionais, mas aos odiados aplicadores, pagando juros Selic para aplicar essas reservas em moeda forte com rendimentos muito menores. É a operação de “carry trade” à moda lusitana, com todo o respeito que os descendentes do marquês de Pombal merecem. Ninguém fez as contas para saber quanto custou ao País esse corococó ufanista, assim como poucos admitem um fato simples: o dinheiro repassado ao BNDES, para financiar campeões, não cai do céu. É um dinheiro conseguido através de emissão de papéis da dívida, cuja contrapartida, que não impacta o endividamento líquido do País, é um dinheiro rendendo algo como a TJLP – isso quando os “campeões” pagam – e que o BNDES tão logo não devolverá. A diferença? Algumas Bolsas Família. É importante que a verdade seja conhecida. Não faz sentido usar punhos de renda, quando o oponente usa soco inglês.

Alexandru Solomon Alex101243@gmail.com
São Paulo

*
SUGESTÃO

Dona Luciana Genro, para o segundo turno, sugere voto branco ou nulo. Dona Luciana Genro não tem é de sugerir nada. É perdedora e, como tal, tem é mais que ficar em seu "quadrado", quietinha, e fim de papo.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
CANDIDATOS

Nulo e branco não são candidatos. Reflita um pouco e escolha o que lhe parece oferecer um futuro melhor para sua vida e, principalmente, para seus valores.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
PREFERÊNCIA PELO PT

Os detentos de São Paulo, conforme notícia do jornalista Polibio Braga com dados do Tribunal Regional Eleitoral (TER), preferiram os candidatos do PT aos de outros partidos. A campeã de votos de presidiários, Dilma Rousseff, recebeu 51% dos votos, enquanto seus adversários Marina, do PSB, recebeu 22% e Aécio, do PSDB, somente 9%. Também para governador os presidiários têm grande preferência pelo PT, pois Alexandre Padilha (PT) recebeu 42% dos votos e Geraldo Alckmin, do PSDB, somente 13%. A tendência dessas preferências pelos candidatos do PT é aumentar sensivelmente, depois das prisões no processo do “mensalão” e, agora, aparentemente, em muito maior quantidade, presidiários oriundos dos processos dos enormes roubos na Petrobrás. Naturalmente, o expressivo aumento de presidiários se dará se houver espaço para enorme quantidade de envolvidos que, aliás, pelo que está se verificando, deverá também esvaziar o Congresso Nacional.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br 
São Paulo

*
A HORA É ESTA

Nesta hora decisiva para nosso país, deparamos no caminho com uma encruzilhada mais, entre a opção de avançar ou parar no ponto onde estacionamos há 12 anos. É preciso pensar para não trilhar caminho errado.  O início da trilha iniciou com a proposta de mudança. O que se viu foi a volta ao passado, como ocorria na velha República (1889/19330), em que as lideranças – a elite – impunha ao povo quem eleger e quais rumos seguir. O petismo e seu líder maior – Lula – praticam o mesmo, só disfarçando as coisas chamando de elite (?!) quem não concorda com as ideias petistas. Da presidente Dilma Rousseff se pode dizer que é ingênua, ou comparsa, ignorando o rumo da boa administração e, pior, destruindo o que se conseguiu na era Itamar/FHC: o Plano Real e a estabilidade econômica. Lula e Dilma propiciaram, com atos e omissões, o implante da maior era de inépcia e corrupção da história nacional: mensalão, o saque à Petrobras e demais empresas públicas, a ressurreição do dragão da inflação, a aliança promíscua com a pior espécie de políticos, a deturpação de programas de apoio à população carente com indiscriminada compra de votos nomeada Bolsa Família, a desonra da diplomacia brasileira apregoando propostas inqualificáveis como o palpite aos líderes mundiais para “diálogo” com degoladores do Estado Islâmico, etc., etc. Está na hora de resgatar nosso país dessa rota desastrosa em que se encontra. Vamos recuperar nossa pátria banindo métodos condenáveis que se arraigaram na representação do nosso povo e na gestão dos negócios públicos. A hora é agora, no segundo turno destas eleições presidenciais.

Luiz C. Soares Fernandes luiz68017@gmail.com 
São Paulo

*
TEMPOS DE SECA E CRISE

Washington Novaes apontou os problemas da crise hídrica com precisão (“Um roteiro seguro para nossas águas”, 10/10, A2). Mas não indicou que o caminho de solução é um ótimo tema para o programa do próximo governo, em que o desenvolvimento sustentável deveria ter posição central. A exploração da energia eólica não requer, mas ajuda a estocar água. Projetos de reflorestamento e de proteção de nascentes dariam trabalho e renda para muitos, contemplando também a dimensão social do desenvolvimento.  O estímulo à cogeração com o bagaço de cana vai na mesma direção.
  
Harald Hellmuth hhellmuth17@uol.com.br
São Paulo 

*
PROBLEMA É DISTRIBUIÇÃO

Há anos no “Espaço Aberto” (página A2) do “Estadão” se tem alertado que o problema da água não é sua falta, mas sua distribuição, em particular nas grandes cidades. 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com
São Bernardo do Campo

*
ÁGUA E ELEIÇÃO

Falta d’água em São Paulo, poucos dias após a reeleição: ilusão de ótica previsível (efeito Pinocchio). Sabesp confirma: o nariz de Alckmin é maior que o de Skaf.

Nilson J. Bulgueroni nilson@bulgueroni.net
São Paulo

*
ASSALTOS NO MORUMBI

Fica a sugestão para diagramação de uma coluna diária no jornal para noticiar os assaltos no Morumbi. Facilitaria nossa vida, como leitores e moradores do bairro, pois certamente aquele local estará policiado pelo menos no dia seguinte.

Persio Talarico persiotalarico@gmail.com
São Paulo

*
MENOS BICICLETAS E MAIS POLÍCIA

Enquanto o nosso prefeito mantém o foco de seu governo na mobilidade urbana das bicicletas, os bandidos continuam sem freio pela cidade. Não bastasse a explosão das agências na Avenida Tajurás há poucos meses, sofremos, por três dias consecutivos, arrastões, na Giovanni Gronchi e na Avenida Morumbi. Hoje, em plena luz do dia, bandidos entraram armados na mesma agência do Santader que foi há poucos meses explodida, renderam funcionários e levaram todo o dinheiro do banco sem nenhuma intervenção da polícia. Até onde vamos chegar? O governo precisa tomar uma atitude. Menos bicicletas, mais polícia!

Felipe da Silva Prado felipeprado39@gmail.com
São Paulo

*
DESAPOSENTADORIA

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), agiu com justiça, que é a sua tarefa, votando a favor da possibilidade de o aposentado pedir a revisão do benefício por ter voltado a trabalhar e a contribuir para a Previdência Social, conhecida como desaposentadoria. Relator do processo, o ministro Barroso teve o julgamento suspenso, quinta-feira, devido à ausência de três ministros, devendo retornar nesta semana. Como era de esperar, o advogado-geral da União (AGU), Luís Inácio Adams, defendeu a ilegalidade da desaposentadoria, alegando não caber regras para o aposentado que pretende revisar o benefício. Quem sabe os aposentados ainda terão o seu pleito atendido antes da próxima aparição do cometa Halley, que ocorrerá em 2061, após 75 anos de sua última aparição. O cometa é certo, mas a desaposentadoria, deixa pra lá.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.