Fórum dos Leitores

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2014 | 02h06

Pesquisas

Os institutos de pesquisa continuam a publicar resultados estranhos e conflitantes. Em 11/10 a revista IstoÉ dava mais de 15 pontos de dianteira ao candidato Aécio Neves sobre Dilma Rousseff. Em 13/10 o Vox Populi mostrava Dilma um ponto porcentual à frente de Aécio. Não é possível diferença tão díspar em 48 horas. Estatística é uma ciência com regras claras e bem estabelecidas. Se as pesquisas estão sendo feitas de forma honesta, alguém está, com certeza, cometendo erros técnicos graves.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Transição

Já se sabe que haverá "troca de guarda" no fim do ano. Em 2002, diante de circunstâncias semelhantes, o presidente Fernando Henrique Cardoso, de maneira republicana, educada e cortês, logo após o anúncio do resultado da eleição contatou Lula e ofereceu-lhe todas as facilidades, até nomear escolhidos por ele para compor a equipe de transição, o que foi aceito e efetivado. Não se sabe de percalço digno de nota no processo de transição. Seria de esperar que Dilma proceda de forma semelhante, demonstrando educação e civilidade. Mas, tendo ela recorrido "ao diabo" no curso da campanha, é de temer que a grosseria e a deseducação predominem.

MARIO HELVIO MIOTTO

mariohmiotto@gmail.com

Piracicaba

Aécio que se prepare, se ganhar vai ter de entrar com ação de despejo no Planalto. Não será fácil.

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

PETROBRÁS E PETROLÃO

Manobra diversionista

Esses petistas não têm jeito. Para desviar o foco do problema agora estão confrontando o juiz federal Sergio Moro, acusando-o de vazamento das delações relativas à Operação Lava Jato. Ora, se não houvesse crimes, rapinagem do dinheiro público, não haveria juiz, delações nem vazamentos. E tem mais: a população tem todo o direito de saber o que fazem os políticos com a dinheirama arrecadada e desviada.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

PT= Pode Tudo?

É, no mínimo, estranha a avaliação dos petistas quanto ao vazamento dos depoimentos de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef. Quando algum ilícito verdadeiro envolvendo os petistas e a sua base aliada é divulgado, isso não pode. Mas dossiês falsos sobre adversários, isso pode. Parabéns ao juiz Sergio Moro por sua exemplar atuação.

MÁRIO ISSA

drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

Indignação seletiva

Atordoada com o estrago que a institucionalizada roubalheira na Petrobrás causou em sua campanha à reeleição, a presidente Dilma Rousseff mais uma vez culpou o mensageiro pela mensagem ruim. Mas não foi o conteúdo bombástico dos depoimentos de Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa que incomodou a presidente, o que, na realidade, a indignou foi o fato de partes desses depoimentos terem vindo a público antes do segundo turno da eleição.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Pá de cal

A declaração "a atuação da Polícia Federal, do Ministério Público e do Poder Judiciário, nos procedimentos decorrentes da Lava Jato, é estritamente técnica, imparcial e apartidária", em nota oficial da Procuradoria da República no Paraná, encerra toda e qualquer controvérsia e deixa o PT falando sozinho, esperneando desesperado por ter sido apanhado de calça arriada nesta reta final da campanha eleitoral.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Difamação

Em vez de o PT processar Paulo Roberto Costa por difamação, não seria melhor começar a devolver o dinheiro das propinas?

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

Republiquetas latinas

Se na Petrobrás era assim, imaginem nas obras executadas por empreiteiras brasileiras nos países bolivarianos (via empréstimos do BNDES). Deve ter sido uma festa, dinheiro já no exterior, sem imprensa livre para denunciar, etc.

VICTOR PENHA

vrpenha@terra.com.br

Uberlândia (MG)

Mais um escândalo

A Petrobrás, mesmo com uma dívida acima de R$ 300 bilhões, dá-se ao luxo de pagar indevidamente ao governo boliviano US$ 433 milhões a mais do que o previsto em contrato de fornecimento de gás, causando indignação a muita gente do próprio governo e dirigentes da estatal. Este novo escândalo do Planalto em período eleitoral, ou até como possível despedida do poder do petismo, sugere que por linhas tortas Evo Morales remeta a paraíso fiscal boa parte desses US$ 434 milhões, para orgia da turma de Lula. Assim como detalhadamente Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef delatam na Justiça Federal do Paraná o que acontece de criminoso na Petrobrás. Porém o Palácio do Planalto vai refutar esta denúncia dizendo ser intriga da oposição, da elite ou da imprensa... Coisa própria de quem jamais respeitou o Brasil, não é verdade?

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Inimigo do Brasil

Foi para nós lastimável a eleição do apedeuta cocaleiro Evo Morales na Bolívia, pois ele é inimigo do Brasil. Se continuar o nosso atual (des)governo, ele vai seguir deitando e rolando em cima de nós. Um novo governo que defenda os interesses brasileiros, e não ideologias erradas, certamente dará um basta nas chantagens bolivianas. Afinal, a Bolívia precisa vender gás ao Brasil, não tem outro comprador para as quantidades que compramos. E, se não vender a nós, vai ter sérios problemas econômicos.

LUIZ ALEVATO PINTO GRIJÓ

luiz.grijo@gmail.com

São Paulo

VATICANO

Boa-nova

A meu ver, o Vaticano, enfim, querendo se aproximar mais dos ensinamentos de Jesus e reconhecer que homossexuais são tão filhos de Deus quanto qualquer outro ser humano, assume atitude correta. Tanto que está desagradando a fariseus e idólatras. Parabéns à Igreja Católica, agora, sim, volta a poder ser chamada de Igreja de Cristo!

ROBERTO MOREIRA DA SILVA

rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

O ALVO É O JUIZ

Cumprindo a promessa, Dilma Rousseff (PT) está fazendo “o diabo” neste período eleitoral. O alvo do seu partido, agora, é o juiz federal Sergio Moro, responsável pela condução de processos decorrentes da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Ele foi atacado pelo PT em documentação entregue à Procuradoria-Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o acusa de violar a delação premiada do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa. Por outro lado, ontem o juiz foi celebrado e defendido pelos tucanos em eventos da campanha de Aécio Neves em Curitiba. A Associação Paranaense dos Juízes Federais do Brasil também se manifestou, divulgando nota em defesa de Moro. Segundo dados do Ibope, “o diabo” está perdendo para Deus de lavada.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
O PAVIO ESTÁ ACESO

Os petistas demonizaram o ministro Joaquim Barbosa porque foi um juiz corajoso e pôs os mensaleiros na cadeia. Agora, pretendem fazer o mesmo com o juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato. Convém lembrar aos petistas que não foi a oposição a responsável por trazer à tona a forma vil de governar do PT, mas exatamente o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef, que estão dando conhecimento ao Brasil de qual o caminho da corrupção. O pavio da bomba, conforme prometeu o ex-diretor, amicíssimo de Lula, está aceso. Quanto mais o PT tenta apagar o incêndio, mais a chama se acende. Nunca antes neste país se fez um governo em que a governabilidade foi tão valorizada. O resultado está aí: uma estatal espoliada, um governo desmoralizado, com vários deputados, senadores, presidentes e construtoras (tudo farinha do mesmo saco) enriquecendo à custa da miséria do povo. Não vamos deixar que a honra de homens bons e justos seja manchada com o a indignação de quem não tem moral para se indignar. Então, eleitor, vai aprender a votar ou quer continuar sendo roubado? A escolha é sua. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
MANOBRA SEM FUNDAMENTO
 
À medida que se vislumbra a possibilidade de Aécio Neves vencer as eleições, o PT sai a campo novamente com acusações sem sentido e destituídas de fundamento. O alvo, agora, é o juiz federal Sergio Moro, que é acusado de violar a delação premiada de Paulo Roberto Costa. Quando os ventos sopram na direção oposta aos ferrenhos desejos do PT, afloram, de imediato, iniciativas aguerridas contra adversários, mesmo que essas manobras sejam ilegais e despidas de qualquer fundamento. Mergulhados no desespero de uma provável derrota nas eleições presidenciais, o PT, como já enfatizou a presidente Dilma, faz e fará “o diabo” para não ser vencido. 
  
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
DESVIO DE ATENÇÃO

Tivesse o PT um mínimo de decência, deixaria de procurar alvos a desviar a atenção nas apurações das bandalheiras produzidas pelos próprios. Não satisfeito com a impostura, o fingimento, a simulação e a falsidade, facetas do “vale-tudo para ganhar as eleições” (sic Dilma), que utiliza em seu programa de TV, diante do desespero o partido se volta contra o cúmplice delator que os serviu por anos, o doleiro idem, a imprensa, o juiz, em suma, contra tudo e todos os que os envolvam, incluídos os fatos na roubalheira na Petrobrás.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
MARACUTAIAS REVELADAS

O partido dos aloprados continua a não falar coisa com coisa. A última do comando do partido daquela que não se deve nominar afirma que o magistrado violou sigilo das delações (do episódio Lava Jato). Fica claro que eles não gostam quando suas maracutaias são mostradas ao povo. Pobre povo brasileiro!

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com 
São Caetano do Sul 

*
‘RESQUIESCAT IN PACE’

Começar um texto parodiando o gênio do Avon, William Shakespeare, é sempre gratificante. Há entre a famélica volúpia de poder do PT e onde reside o seu potencial eleitoreiro, que é o Bolsa Família, muita coisa que só vamos entender quando a voz muda das urnas libertarem a democracia encarcerada por 12 anos. Vamos fazer como fazem os clubes de futebol: quando o responsável só acumula fracassos e antes que o clube seja rebaixado, ele é convidado a dar o lugar a outro. Nas democracias é mais ou menos assim. Dilma, quando era a Vânia da Val-Palmares, tinha uma eficiência; depois de inventada pelo Gepeto de Garanhuns, deu com os burros n’água. A cada sinal do avanço de Aécio rumo ao Planalto as ações da Petrobrás e do Banco do Brasil subiram mais de 10%, as adesões favoráveis à mudança do modelo de governo tomam força, num sinal de que a sociedade não suporta mais tanta sangria nos cofres públicos e com tanta corrupção nas estatais. Tenhamos fé inquebrantável de que as muralhas da Jericó do mal vão desmoronar ao som da abertura das urnas no dia 26 de outubro.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
CORRUPÇÃO NA PETROBRÁS

O empate técnico de Aécio e Dilma, com leve vantagem para o tucano, mostra a tendência iniciada no segundo turno. As mentiras relacionadas à Petrobrás, bem como sua desvalorização e descrédito perante o povo e os investidores estrangeiros, sugerem que Fernando Henrique Cardoso errou em não privatizar a Petrobrás quando o fez com a Vale. Com a delação premiada do ex-diretor Paulo Roberto Costa, o uso criminoso com propinas ao PT, PMDB e PP, desconstruiu a empresa ícone brasileira e pôs em dúvida a idoneidade da presidente Dilma. O envolvimento com os mensaleiros chefiados por José Dirceu, um dos artífices da megamaracutaia implementada durante a eleição de 2010, decepcionou os mais ferrenhos petistas e desonrou a memória de Getúlio Vargas. Só sobraram os petistas ideológicos, que votam sem pensar e sem considerar os fatos. Eles estão nas trevas e não percebem a falta de ética e de compromisso com a verdade dos fatos.  
 
Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro

*
BOOMERANGUE

O presidente da CPI mista da Petrobrás quer acesso aos depoimentos sigilosos sobre o caso Petrobrás e vai ingressar com um mandato de segurança no STF. É surpreendente a pressa em “colher” os depoimentos e duvidoso jurar que os integrantes manterão sigilo, mesmo sob pena de imputação de crime de responsabilidade, por todos os precedentes. Ministro Teori Zavascki, mantenha a pizzaria em fogo brando, e a sete chaves a receita e os componentes; pura pressão por autopreservação e corporativismo.

Luiz A. Bernardi luizbernardi@uol.com.br 
São Paulo

*
PEDIDO DE SOCORRO

Avisem o FBI, a CIA e todos os organismos de segurança internacional. O Brasil está refém de uma organização criminosa há mais de 12 anos. Ajudem-nos!

José Carlos Saliba fogueira2@gmail.com 
São Paulo

*
QUEM PAGA A CONTA

Diariamente são noticiados escândalos financeiros envolvendo órgãos e empresas públicas no País. Computados, os valores mencionados chegariam a bilhões de dólares, que beneficiaram principalmente pessoas e políticos ligados ao governo. Considerando recenseamento do IBGE (será que está correto?), o montante equivale a mais de US$ 20 mil (R$ 50 mil) por habitante. Esse valor foi pago ou deixou de beneficiar toda a população, principalmente os mais necessitados, como os atendidos pelos programas sociais (Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida e outros). Devemos ter a consciência de que quem paga a conta somos nós, independentemente de classe econômica ou posição social.

Americo Tavares tavameri@hotmail.com 
São Paulo

*
A HORA CERTA

Dilma Rousseff afirma que no governo tucano os malfeitos eram jogados embaixo do tapete, mas que o assunto corrupção na Petrobrás deveria ser discutido depois do período eleitoral. Se fosse descoberto até 2010, talvez não tivéssemos retrocedido estes últimos quatro anos.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
‘PEGA, LADRÃO!’

Ao ver, na TV, a presidente Dilma esbravejar contra a corrupção, não pude deixar de fazer uma analogia com o gatuno que, ao roubar uma carteira, sai correndo e gritando “pega o ladrão!”. Esse estratagema, além da vítima, confunde os cidadãos transeuntes e até mesmo a polícia. É inacreditável o cinismo dessa triste e dissimulada figura condenando os malfeitos que são, além de seus, de seu próprio desgoverno, como se nada lhe dissesse respeito. É patético.
 
Sansão José da Silva sansao@sansaojsilva.com.br
Uberlândia (MG)

*
‘AGENTES PÚBLICOS’

Sobre as notícias e o editorial de domingo (12/10) sobre a corrupção institucionalizada na Petrobrás e outras estatais, creio que cabe o seguinte raciocínio: ouvi os depoimentos dos acusados no caso. O juiz da causa proibiu-os de mencionar os nomes dos sujeitos por causa do chamado “foro privilegiado”. Orientou os depoentes a tratar essas pessoas por “agentes públicos”. Quem são esses “agentes públicos”? Nos termos do artigo 101 da Constituição federal, são os atuais ocupantes (e não os que o eram à época dos fatos), dos seguintes cargos: i. o presidente da República; ii. o vice-presidente da República; iii. os ministros de Estado; iv. os membros do Congresso Nacional; e v. o procurador-geral da República. Pois bem. Ambos os depoentes, principalmente o “doleiro”, por várias vezes, afirmaram que havia gente muito mais graúda do que o diretor estatutário da Petrobrás envolvida. Que estes “agentes públicos” participavam das reuniões e recebiam a propina, etc. Simples exercício de lógica: quem são os “agentes públicos” que participaram dos fatos narrados e estão sujeitos atualmente ao “foro privilegiado”? Em outras palavras, quem à época ocupava cargo mais alto que o diretor estatutário da Petrobrás e que hoje está sujeito ao foro privilegiado? Ainda, em mais outras palavras, qual o cargo ocupado à época pela atual presidenta?

Eliane Diniz de Oliveira elianedo@uol.com.br
São Paulo     

*
SUMIU

Solicito urgentemente informações do paradeiro da sra. Graça Foster, atual presidente da Petrobrás. Estou preocupadíssimo com o sumiço dela. Alguém poderia me informar onde ela pode ser encontrada?

José Carlos Thomaz josecthomaz@gmail.com 
São Paulo

*
O PRIMEIRO BILHÃO

Numa conta de padeiro, se tomarmos como base o depoimento de Paulo Roberto Costa e a divisão das propinas, o PT conseguiu chegar ao seu primeiro bilhão de reais. Parabéns, trabalhadores! Explico o cálculo: a premissa é o valor que Costa devolverá ao País (R$ 70 milhões). Temos então: R$ 70 milhões de Costa (70%), de um total de R$ 100 milhões. Depois: R$ 100 milhões em comissão de intermediários (Costa + Janene ou Youssef), R$ 100 milhões para despesas de notas e envio do dinheiro, R$ 300 milhões para o PP, total de R$ 500 milhões. Em seguida: se 1% = R$ 500 milhões; 2% = R$ 1 bilhão. PT, de trabalhador, só o nome do partido...

Joao Victor Bonini jvbonini@gmail.com 
São Paulo 

*
DENÚNCIA É GOLPE

Em “Dilmanês”, ou seria “Dilmês”, dar o golpe no País não é arrasar, por incompetência e corrupção, financeiramente uma das maiores empresas do mundo, mas, sim, a denúncia. Vai entender esta lógica. 
 
Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
DE ‘SACO CHEIO’ DAS DENÚNCIAS

Lula, não fique de “saco cheio”. A oposição está apenas pondo em prática o que aprendeu nas aulas que você ministrou, quando era oposição...

Luiz Sergio dos Santos Valle luizsergiovalle@gmail.com 
São Paulo

*
DE ‘SACO CHEIO’ ESTAMOS NÓS

Temos ouvido e visto Lula e Dilma se queixarem das denúncias de corrupção. Coitadinhos. Agora sugiro que vejam o bem postado e  esclarecedor artigo da professora Suely Caldas (“O mensalão ampliado”, 12/10, A2) e, de quebra, na mesma página, o editorial econômico também sobre a Petrobrás. Já sabemos, mas é bom divulgarmos cada vez mais que Lulinha é o pior e o mais corrupto político que o País já teve, além de ser leniente, antiético, imoral, etc. Continua usando de todas as artimanhas e mentiras para se manter com sua trupe no poder e para acabar com o País e fortalecer a quadrilha do PT instalada no Brasil todo. É hora de darmos o troco.
 
Sergio Freire sergio.hbf@terra.com.br
São Paulo

*
O ETERNO TRAÍDO

Cumprimento a professora Suely Caldas pelo artigo de domingo no “Estadão”. Lula nunca irá aceitar as consequências drásticas dos caminhos que escolheu e vai se colocar sempre na posição de "eterno traído". 

Denis Mori djmori@uol.com.br 
São Paulo

*
A ALMA DO PT

O depoimento, em 11/9/2014, do Coronel Moézia à Comissão Nacional da Verdade, que, apesar de ser “da verdade”, ocultou tal depoimento nos dias que se seguiram, retrata fielmente o que são o PT e o sr. Lula da Silva. Acrescentaria às alegações da sra. Dilma, inverídicas, que, se o PSDB quebrou o Brasil três vezes, o PT vem quebrando o Brasil e suas instituições públicos e privadas há 12 anos. Se tal partido não sair do poder, vão rolar Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br
São Paulo

*
OS DOIS RAMOS DA VERDADE

“Hoje, eu continuo sendo socialista, portanto de esquerda, mas sou uma pessoa que acredita que a democracia é uma questão essencial, coisa que nós, na época da esquerda leninista etc., nós não considerávamos. Nós éramos pela ditadura do proletariado. Nós éramos contra a ditadura militar, mas éramos a favor da ditadura do proletariado. Isso aí é preciso dizer a verdade toda. E às vezes eu ouço meias verdades. Como a ditadura militar nos oprimiu barbaramente, de forma violenta, muitas vezes as pessoas pensam que não existia no campo da esquerda coisa igual e até pior, em vários aspectos.” Palavras do sr. Eduardo Jorge, ex-candidato à Presidência da República  pelo Partido Verde (PV), proferidas ao longo de recente entrevista. Diga-se de passagem que Fernando Gabeira, um dos militantes mais ativos dos movimentos que combateram o regime militar, responsáveis por violações de direitos humanos, com direito a assassinatos e atos de terrorismo, já emitira ponto de vista semelhante. Como, entre outras ações, foi o principal articulador do sequestro do embaixador americano à época, 1969, Charles Burke Elbrick, sua atitude revisionista deve ter despertado ressentimento entre os demais participantes daquela operação, alguns ocupando postos importantes no governo atual. Irresistível o cotejo de tais reposicionamentos com a afirmativa que se segue, da presidente Dilma Rousseff, em setembro de 2010: “Eu me orgulho muito de ter lutado contra a ditadura do primeiro ao último dia. Porque lutei pela democracia”. É evidente que se trata de uma dicotomia interpretativa que deveria ser analisada pela Comissão Nacional da Verdade (CNV) já que, segundo Pedro Dallari, seu coordenador, também em recente manifestação em órgão de imprensa na Espanha, "a CNV é uma comissão para a apuração de fatos relacionados com as graves violações de direitos humanos. Buscamos identificar as circunstâncias, os autores e os locais" (sic). Como tal análise não está sendo vislumbrada, pergunta-se: será que a CNV foi montada para investigar somente um ramo da bifurcação que, comprovadamente, constitui, à luz dos direitos humanos, a real estrutura da verdade? Parece que sim.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com
Rio de Janeiro

*
UM GOVERNO SEM LEGITIMIDADE

A tropa de choque do PT está mobilizada. Lula, Mercadante, Carvalho e seu comandados vão ao ataque vermelho, fazendo “o diabo” para não largar o osso e, como verdadeiros sanguessugas, continuar enfraquecendo o já anêmico e cambaleante hospedeiro. O momento merece reflexão. Por todos os motivos, é vital para o País virar a página deixando o PT para a história. Esta pode ser a última chance. É tão nítida a revolta silenciosa dos milhões que querem a mudança que, mesmo tratando-se de uma escolha democrática, se Dilma vencer a eleição, os verdadeiros trabalhadores que pagam impostos escorchantes destinados apenas ao pantagruélico Estado, aos que não trabalham e aos corruptos poderão gerar uma onda verde-amarela, um verdadeiro tsunami, capaz de derrubar um governo que perdeu a legitimidade.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br
São Paulo

*
SOLUÇÃO MÁGICA

O povo brasileiro ainda desconhece oficialmente os nomes dos corruptos (ativos e passivos) do caso de delação premiada do mais recente caso de desvios de recursos do patrimônio da Petrobrás, em operação deflagrada pela Polícia Federal do Paraná, em março deste ano. Em meio a todo este movimento da sociedade e da combativa imprensa brasileira, para que se apurem os casos envolvendo o doleiro Alberto Youssef e suas diversificadas ligações criminosas (tráfico internacional de drogas, sonegação fiscal, evasão de divisas, corrupção de agentes públicos e desvios de recursos das estatais brasileiras), particularmente com o deputado federal André Vargas (PT/PR), ex-presidente da Câmara de Deputados, expulso do partido, e com Paulo Roberto Costa, o amigo “Paulinho”, nas palavras carinhosas do titereiro Lula do PT, somos surpreendidos por outro ato de ousadia e destemeridade do Conselho de Administração da Petrobrás e sua Diretoria Internacional – agora nas mãos da presidente daquela empresa. Pasmem, cidadãos brasileiros, a Petrobrás assinou um aditivo no contrato de compra do gás boliviano, em agosto deste ano, e desembolsou cerca de R$ 1 bilhão em setembro (às vésperas do primeiro turno das eleições de 2014) para a Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB) – Chaco S/A, referente a pagamento retroativo (desde 2008) pelo fornecimento de “gás rico” que não aproveitou. A antiga reivindicação de Evo Morales ao amigo Lula do PT foi agora (às vésperas das eleições) acolhida pelo Conselho de Administração da Petrobrás, a pedido de sua Diretoria Internacional (leia-se, Maria das Graças Silva Foster, amiga da presidente Dilma do PT). Os recursos desviados da Petrobrás, no caso Lava Jato, foram utilizados para engordar as contas correntes dos companheiros no exterior e, parcialmente, para financiar as campanhas dos caciques do PP, PMDB e do PT, em 2010, segundo o “Paulinho”. Mas como fazer para irrigar as campanhas de 2014? Só com nova fonte de recursos, preferencialmente que dificultem o rastreamento dos recursos e suas origens. Os recursos dos “empresários” de ônibus ainda serão bem-vindos, no entanto, agora, como componente assessório (que lambança a feita pelo cacique Romero Jucá – PMDB/RR, no caso da Lei Federal n.º 12.996/2014, sancionada sem vetos pela presidenta Dilma do PT, dando benefícios de oligopólio ao setor de transporte intermunicipal e interestadual). Temos de “tirar o chapéu” para o PT, seus parceiros políticos, criativos e sedutores amigos empresários que ativaram os genes de seus admirados companheiros políticos, com o vírus da corrupção sistêmica. Certamente partiu deles a brilhante ideia de enviar dólares para a YPFB, estatal boliviana, sacando por conta do patrimônio da Petrobrás, com autorização do ministro da Fazenda (presidente do Conselho de Administração), da ministra do Planejamento (Miriam Belchior, que foi casada com o ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel, assassinado em 2002), do presidente do BNDES (Luciano Coutinho) e de Márcio Pereira Zimmermann (atualmente preside o Conselho de Administração da Eletrobrás e é membro do Conselho de Administração da Petrobrás), filiado ao PMDB, desde março de 2012. Sem que quaisquer objeções fossem feitas pelo representante dos acionistas minoritários, Reginaldo Ferreira Alexandre (economista que ocupou posições de destaque no Citibank, Unibanco, BBA, atual Itaú-BBA, e Itaú Corretora de Valores e como consultor nas áreas de estratégia ecorporate finance – Accenture e Deloitte Touche Tohmatsu, respectivamente), pelo representante dos detentores de ações preferenciais, Walter Luis Bernardes Albertoni (assessor jurídico da Associação de Investidores no Mercado de Capitais) ou pelo representante dos empregados ativos da empresa, Silvio Sinedino Pinheiro. Eis a mágica solução tirada da cartola: diante da impossibilidade das autoridades brasileiras de fiscalizar as finanças da YPFB, Evo Morales cumpriu sua parte ao repassar para os coronéis socialistas e seus parceiros políticos uma parte do assalto feito aos cofres brasileiros. Mesmo caminho seguido pelos dólares doados pelo BNDES para a construção do metrô de Caracas, Venezuela, e dos portos e aeroportos em Cuba, que ultrapassam US$ 1 bilhão (nestes casos, operações capitaneadas por Zé Dirceu e pela dileta parceira empreiteira que enriqueceu sua carteira de contratos superfaturados). Sabemos que o butim no caso da Bolívia também envolveu a venda dos ativos da Petrobrás naquele país por preços subfaturados a YPFB, em 2006. Os investimentos da estatal brasileira na construção das refinarias de San Alberto e San Antonio superaram a marca de US$ 1 bilhão e foram vendidas pelo valor simbólico de US$ 112 milhões. Em 2019, o acordo de compra de gás pela Petrobrás da Bolívia deverá ser renovado. Sabe-se que, neste momento, é mais importante para a Bolívia vender do que para o Brasil comprar, diante das novas reservas de gás descobertas no País. Momento para dura e eficaz negociação com os parceiros bolivianos do Gasbol, construído com US$ 3 bilhões de recursos brasileiros. Ou a hora de fazer o jogo “criar dificuldades para vender facilidades”, tão bem praticado pelos governantes e seus amigos coronéis e empresários. Se o Brasil vencer as eleições no final deste mês, a Polícia Federal concluirá seu trabalho e os corruptos, corruptores e seus comparsas irão para a cadeia. Se o projeto de continuísmo for o vencedor, a última manchete a ser publicada na imprensa livre será “Operação Lava Jato foi arquivada” e a investigação, classificada como “Segredo de Estado”. O Congresso Nacional será fechado por algum Decreto Supremo e instalada a sonhada ditadura socialista, com o apoio majoritário da população, aquietada pelo bloqueio dos ativos financeiros dos “milionários brasileiros” por 30 anos, podendo ser prorrogável por igual tempo. A imprensa será finalmente amordaçada e os empresários terão inibido o seu “espírito animal”. O financiamento de nosso déficit será resolvido por meio da contabilidade criativa e da apropriação da riqueza da “elite branca”. Alguns de nós, que os combatem explicitamente, seremos carimbados como terroristas de direita (inimigos do Brasil) e executados sumariamente; outros de nós, classificados como capitalistas indesejáveis e, com sorte, expulsos do País. Todos nós, por ironia, nivelados a Alberto Youssef, Nelson Cerveró e Paulo Roberto Costa. O nosso destino e futuro da Nação estão nas mãos de cada um dos brasileiros. Que a consciência e a lucidez voltem a nos iluminar. Agora saberemos se Deus é brasileiro.

Elpidio Alves Pinheiro elpidiopinheiro@gmail.com 
São Paulo

*
BRASÍLIA QUER MUDAR

Recente pesquisa do Ibope feita em Brasília tem um significado muito importante. Brasília, considerada o centro da corrupção no País, quer mudar sua imagem. Uma maioria de 70% quer acabar com o domínio petista. Isso é bom demais. Tomara que esta epidemia de moralidade se espalhe por todo o Brasil. Nós merecemos.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
VOTOS NO DISTRITO FEDERAL

Pesquisa do Ibope revela a voz das urnas na sede do poder: no Distrito Federal, Aécio tem 69% dos votos válidos, contra 31% de Dilma. Contra números não há argumentos, pois não?!

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
MUDAR PARA CONTINUAR IGUAL

Cumprimento a leitora sra. Izabel Avallone pelos comentários sempre apropriados, mas desta vez permito-me discordar da prezada leitora, quando diz (“Fórum dos Leitores” de 13/10) que Dilma, ao prometer um novo governo, reconhece  seu erro e quer corrigi-lo. Não tenho essa sua boa-fé, não, dona Izabel. O “Mais Mudanças” com certeza está na linha daquela reflexão do personagem Tancredi, em “O Leopardo”: é preciso mudar para continuar tudo igual. O marqueteiro deve ter se inspirado nessa obra. Não vejo a menor hipótese de o PT tomar jeito, já se incorporou ao DNA do partido. É aguardar a próxima!

Cláudia Sampaio Roni  claroni@uol.com.br
São Paulo

*
O ENGAVETADOR DA REPÚBLICA

Criatividade e abrangência não são atributos de Dilma Rousseff. Atualmente, ela, como um rouxinol mecânico, cita o engavetador da República e não faz nenhuma referência às acusações levianas da nação petista e do procurador Luiz Francisco Fernandes de Souza. Infelizmente, a oposição tucana não tem o mesmo talento para acusar e difamar. Se tivesse, os brasileiros saberiam que, há 21 meses, o pedido de habeas corpus de Sérgio Sombra, suspeito de ser o mandante do assassinato de Celso Daniel, está escondido na gaveta do ministro Ricardo Lewandowski, que, aparentemente, desconhece o resultado da votação da PEC 37. Agora, as provas reunidas pelo Ministério Público são válidas e têm o poder de mostrar a verdadeira face de Lula, José Dirceu, Greenhalgh e Gilberto Carvalho.
 
Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br 
Rio de Janeiro 

*
JOAQUIM BARBOSA

Se, eleito, Aécio Neves convidar o ex-ministro Joaquim Barbosa para a Advocacia-Geral da União, ele poderia assumir sem a carteira da OAB? Se ele fizer a prova da OAB, teria a carteira? E se ele for nomeado ministro da Justiça?

Luiz Carlos Tiessi tiessilc@hotmail.com 
Jacarezinho (PR)

*
VERDADE E MENTIRA

O velho ditado que diz que quem fala a verdade não merece castigo é tiro certeiro no âmago do moderno curral eleitoral, que mantém a candidatura da presidente Dilma em evidência. Fernando Henrique Cardoso, em entrevista a Sonia Racy, não citou em momento algum nordestinos ou qualquer nome pejorativo contra nossos irmãos do Norte e do Nordeste. Falou apenas a verdade, sociólogo e ex-presidente que é, atinado como sempre à realidade socioeconômica do povo brasileiro. A verdade dita por personagens letradas machuca os ouvidos dos petistas surdos e cegos da realidade do nosso país, fazem mal ao seu ego populista ou socialista, acostumado às mentiras ditas mil vezes, com pretensão de virarem verdades.

Aloisio A. De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br 
Limeira

*
PRECONCEITO

FHC, quando declarou que tinha um pé na cozinha, falava como sociólogo, a miscigenação no Brasil permite essa metáfora. Dilma Rousseff é ariana de primeira. É muito cinismo, é ridículo e é, sobretudo, mentira declarar-se “pardinha”. Há uma carga visível de preconceito nesta falsa declaração de pertencimento. Daqui a pouco, alijada do poder, volta ao seu doutorado na Unicamp pelo sistema de cotas.

Mário Alves Souza maroca64@bol.com.br 
Salvador

*
SÓ PROPAGANDA

Dilma diz que com vinte e poucos anos Aécio foi nomeado funcionário de um banco público. O que Dilma não diz é que com a mesma idade ela assaltava bancos. Temos duas opções: eleger um ex-bancário ou uma ex-terrorista.
  
Leão Machado Neto lneto@uol.com.br 
São Paulo

*
O DISCURSO DA ÉTICA

O governador da Bahia declara que Aécio não tem condições de dar aulas sobre ética. Posso até concordar, pois ética e política nunca andaram de braços dados neste planeta, mas o PT é o mais qualificado no mundo para dar aula de safadeza, desvio de verba, caixa dois e por aí vai, até o fundo do mar de lama, a maior obra do PT em 12 anos de poder. Tem até um doutor honoris causa que o representa...

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br
Osasco

*
OBRA

Depois de tantas decisões equivocadas e um cem número de obras inacabadas, existe uma obra que com certeza vai passar para a história e seremos eternamente gratos a Dilma pela sua conclusão, que se dará no dia 26/10/2014: a destruição e enterro do PT. 
  
Jose Mendes josemendesca@ig.com.br 
Votorantim 

*
MATA-DIABOS

Dilma Rousseff disse que faria “o diabo” para ganhar esta eleição. O opositor a ela volta seu olhar para São João del-Rei, onde está seu protetor, verdadeiro “mata-diabos”. Mantém vários, amarrados pelos rabos, nos portões dos infernos, aguardando julgamento definitivo.

Lígia M. Venturelli Fioravante lmfiora@uol.com.br
São Paulo

*
FIM DE UM CICLO

Depois de ter sido divulgado o nome do “abençoado” PT, aquinhoado com as comissões nos contratos da Petrobrás, delatado que foi pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Youssef, as más línguas estão sugerindo que “desapareçam” do Brasil. Por aqui a “coisa” vai ficar preta.
 
Fernando Silva lfd.dasilva@2me.com.br 
São Paulo

*
SOLUÇÕES – SEGUNDO TURNO

Na Transilvânia, usa-se uma bala de prata. No Brasil, basta um voto 45.

A.Fernandes standyball@hotmail.com
São Paulo

*
GÊNERO

Desenha-se, graças ao bom Deus, a despedida de Dilma do poder. Pergunto, então, aos universitários: em ocorrendo a eleição de Aécio, devemos chamá-lo de presidento?

Marcos L. Susskind Eulerei@gmail.com
São Paulo

*
MORDENDO A LÍNGUA

A presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), não satisfeita com o seu desastroso discurso no mês de setembro, na abertura da Assembleia-Geral da ONU, propondo ao mundo um diálogo com terroristas, desta vez voltou a pisar em ovos. Em tempos de forte inflação, em que até o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, foi escalado pelo governo para amenizar a situação e recomendar aos brasileiros que trocassem a carne bovina por aves e outros alimentos mais baratos, a candidata petista, em campanha, ontem (terça-feira), no rádio, chegou a dizer que na época em que a "turma de Aécio governava", numa referência ao governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o povo só sabia o que era comer carne "se mordesse a língua". Com a inflação que está aí, batendo à porta da economia do País e estourando todos os limites, quem parece ter mordido a língua desta vez foi a própria presidente.

Emanuel Angelo Nascimento emanuellangelo@yahoo.com.br  
São Paulo

*
A INFLAÇÃO DE HOJE

Mais uma das preciosidades de dona Dilma Rousseff: “Com o PSDB, o povo só comia carne se mordesse a língua”. Nos tempos da roubalheira do PT, o que o povo comeu? Até sugeriu “ovo” no lugar da carne, ou teve de “comer” a língua? Fico imaginando quando começarem a devolver os valores desviados da Petrobrás e do erário. O ex-diretor da Petrobrás Renato Duque, que teve o seu patrimônio aumentado em 340%, já disse abertamente para quem quisesse ouvir que vai se mudar para Portugal para desfrutar os elevados valores que possui. Afrontando o povo brasileiro, mas não a Justiça brasileira. Pelo que nos consta, ainda está na “mão” do PT, com todo o respeito. Temos muita esperança na mudança que deve ocorrer em 26/10.
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 
São Paulo

*
LADEIRA ABAIXO

Carne por ovo? Apelou feio o governo da presidente Dilma. 

J. Peerin Garcia  jperin@uol.com.br
São Paulo

*
CARNE POR OVO

Dúvida cruel: é ovo de pata, codorna, galinha ou de Colombo?

Wilson Lino  wiolino@yahoo.com.br 
São Paulo

*
ALTERNÂNCIA DE PODER

Em pronunciamento em que manifestou sua adesão à candidatura de Aécio Neves para o confronto final, a terceira colocada no pleito de outubro, Marina Silva, disse ter chegado o momento “de apostar, mais uma vez, na alternância de poder”. Parabéns a Marina por sua “aposta” num princípio que deveria ser comezinho entre nós. Nada obstante e até mesmo pelo “acaciano da coisa”, não poderia deixar passar em branco esta questão: a alternância de poder é das regras do jogo de nossa democracia liberal, ausente apenas nos dois períodos ditatoriais de nossa história. Não seria agora, sob a égide da “Constituição cidadã”, que teríamos de ser lembrados das virtudes da alternância de poder. Dizendo isso da forma como o fez – a mim ao menos assim parece –, Marina estaria dando um “recado” aos bolcheviques do PT, agremiação política cujas principais figuras vivem de beijos e abraços com líderes de longevas ditaduras mundo afora e, em particular, com a ditadura cubana, onde dita alternância é motivo de piada. Aliás, o PT fala muito em "democracia", mas, quando o faz, sejamos honestos, está pensando não em nossa democracia “burguesa”, mas na “democracia popular”, que também atende pelo nome de “ditadura do proletariado”, sistema vigente na Cuba dos amigos Fidel e Raul Castro, tendo vicejado, entre outros, nos países comunistas da Cortina de Ferro e na própria URSS antes da falência do comunismo e da queda do vergonhoso Muro de Berlim, em 1989. Daí, para o PT, que ainda não conseguiu reunir forças suficientes para pôr o País no rumo da “democracia popular” de seus sonhos, a ideia de “fazer o diabo” para ir mantendo-se no mando mesmo à custa das maiores baixarias – como agora mesmo faz nesta campanha recheada de mentiras e acusações sórdidas. Por estas e outras, e conhecendo de sobejo os métodos espúrios desse clã escarlate, ainda que as prévias deem a Aécio 20 pontos de vantagem, só ficarei tranquilo após o resultado das urnas eletrônicas – que tantos afirmam serem sérias e à prova de fraudes – o confirmarem para o cargo de presidente da República, materializando-se, assim, a bem-vinda alternância de poder. As acusações de fraude na eleição de Nicolas Maduro – eleito no bojo de uma crise econômica sem precedentes, e por via de urnas eletrônicas –, na Venezuela, ainda estão muito vivas em minha mente.
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*
QUEREMOS SABER

Na adesão da ex-candidata Marina Silva ao candidato Aécio Neves tem duas questões pelo menos que exigem dele um pronunciamento. A reeleição foi criada no governo FHC e com denúncia de fraude na votação na Câmara. E a alternância de poder é um recado ao grupo que domina São Paulo há 20 anos? Ou como se trata de governo tucano não precisa trocar? Coerência é fundamental nas questões políticas.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos 

*
NÃO SOU EU
 
“Você no Estadão” (13/10) publicou opinião do leitor sr. Hélio Carvalho (com o qual compartilho apenas semelhança no nome) criticando o apoio de Marina a Aécio no segundo turno. Trata-se apenas de uma demonstração de bom senso, pois todos os que o têm sabem que o Brasil não aguenta mais quatro anos da “cumpanheirada” do PT.
 
Hélio de Lima Carvalho  hlc.consult@uol.com.br
São Paulo

*
CORONEL PT

Se para Dilma “dono do voto é cada brasileiro” (13/10, A7), por que no Nordeste e demais rincões os brasileiros são instados a votar no PT em troca de atendimento médico, direito de todos, e de continuidade do Bolsa Família? Em cidades pequenas, é fácil aos políticos-donos verificar os votos de cada um pelo simples resultado das urnas locais, e as prefeituras petistas que permanecerão por mais dois anos têm força na imposição de voto e nos castigos àqueles que ousarem sair do curral eleitoral petista. Alternativamente, como e por quem é assegurada a independência do voto? A redução da quantidade de municípios minimiza o controle de votos e, ainda, reduz as despesas da administração de cada município, sendo a educação de qualidade a chave para acabar com o coronelismo endêmico.

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br 
São Paulo

*
CONVITE

Todos nós temos algum conhecido que deixa de votar por não estar na faixa obrigatória ou porque acha que ninguém merece o seu voto. Chegou a hora de resgatar esses eleitores e pedir que eles participem da festa da democracia, para todos juntos mudarmos o Brasil.

Alberto Bastos Cardoso de Carvalho albcc@ig.com.br 
São Paulo

*
SUGESTÃO

Desde já, faço uma sugestão a Aécio Neves, se ele for eleito presidente: já que a TV Brasil é do governo federal, que tal ela fazer como faz a TV Cultura (SP), que exibe Mad Men, e exibir a maravilhosa série Downton Abbey a quem não tem TV por assinatura aqui, no Brasil? A TV Nacional do Uruguai já faz isso. Vamos fazer também.

Marcelo Cioti marcelo.cioti@gmail.com 
Atibaia 

*
ANIVERSÁRIO DE HANNAH ARENDT

No conturbado mundo político de hoje, a importância de Hannah Arendt só se tornou totalmente evidente depois de quase 40 anos de sua morte. Nas suas próprias palavras, “ninguém pode ser considerado eudaimön antes de morrer; esse ditado talvez tenha inspirado a prática da Igreja Católica de só beatificar os santos depois de mortos há um bom tempo”.

Antonio C. M. Camargo antonio.camargo37@gmail.com 
São Paulo

*
USP 80 ANOS E A FACULDADE DE MEDICINA

Seria impossível escolher um professor menos conformista para defender a omissão do “Estadão” ao excluir a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) da história da USP. Fui em 1964 o mais jovem professor catedrático, depois de  uma férrea perseguição de membros da sua congregação que se associaram a figura do então reitor e ministro que concebeu o ato V, perseguiu os filhos de imigrantes que não eram aprovados em concursos e jovens negros que jamais entraram no curso médico. Leser (formado médico na FMUSP, ganhou o cargo de  professor da Paulista e se tornou o melhor secretário da Saúde que São Paulo teve) e eu instituímos o vestibular unificado que permitiu avaliar objetivamente provas e exames de laboratório usando computador, que evitou  manipulações na seleção dos  alunos escolhidos. A FMUSP se tornou um padrão internacional de ensino médico quando foi escolhida pela Fundação Rockefeller, que construiu e equipou o prédio da Avenida Dr. Arnaldo e impôs como base o relatório Flexner, a construção do Hospital das Clínicas para ensino e pesquisa, o tempo integral e o engajamento em pesquisas do professor e seus assistentes das disciplinas básicas e recrutando alguns professores na Europa e dos EUA para aceitar posições permanentes na Faculdade de Medicina. Baseado nos meus méritos, fui, desde formado em Medicina,  bolsista da Rockefeller para  receber treinamento no exterior (como com Ochoa, Prêmio Nobel de bioquímica)  recebendo  um importante auxílio para montar meu laboratório e comprar reagentes para pesquisa, atraindo uma dezena de jovens brilhantes que, formados médicos, escolheram, como eu, tornar-se pesquisadores. Para impedir o meu concurso,  que espantou  eventuais candidatos, fui preso, e não torturado, pois sete Prêmios Nobel pediram ao general Castelo a minha liberdade. Na Faculdade de Medicina foi possível inovar o ensino das ciências fundamental para  formação de futuros cientistas, que eram raros, com a instalação da Funbec, que preparou livros para inovação curricular, instalou em vários Estados  Centro de Treinamento de professores do curso médio e produziu equipamentos para laboratórios das escolas públicas, com recursos da Fundação Ford e os famosos kits cientistas que levaram para as casas e desta para as escolas a possibilidade de realizar experimentos de verdade e tirar conclusões: a maior escola fora da escola, foram produzidos pela Abril 2 milhões de kits vendidos em bancas de jornais. Da Funbec surgiu a fabricação de eletrocardiógrafos, monitores, desfibriladores e ecocardiógrafo, que permitiu equipar hospitais públicos. O vestibular unificado foi assumido pela Fundação Carlos Chagas e este serviu como modelo para avaliar o ensino médio e para aumentar o número de alunos aceitos por escolas públicas de cerca de 100 mil, ocupando todas as vagas disponíveis no ensino público gratuito. Meus últimos “pecados” apoiados pelo professor Ulhoa Cintra, que introduziu na FMUSP uma medicina científica baseada nas análises de laboratório, permitiu-me levar o Departamento de Bioquímica, do qual era professor, para o prédio das Químicas. Essa medida reuniu os Departamentos de Bioquímica num prédio, criando o mais importante  centro de pesquisas em bioquímica e biologia molecular. Os outros departamentos básicos da Faculdade de Medicina em seguida mudaram para a Cidade Universitária, criando de fato a Universidade de São Paulo, que era dominada por três faculdades profissionais isoladas: Medicina, Engenharia e Direito, em prédios distintos. Meu maior “crime” foi conceber, com apoio de Cintra, o curso experimental de Medicina, integrando desde o início o ensino das cadeiras básicas e clínicas. Para isso foi construído o Hospital Universitário, um dos raros hospitais de ensino que recebe pacientes do bairro, em vez de pacientes com doenças raras, e a designação do Centro de Saúde como centro escola, onde o estudante vê pacientes que  não precisam ser internados. Instalado em poucos meses, o Experimental foi uma improvisação que deu certo – não houve tempo para criar os novos livros  (que foi  a semente para criara a Edusp) e que, atraindo os alunos com notas mais altas no vestibular unificado, exigiu do grupo reacionário destruir o curso  experimental. Hoje a ideia básica do curso experimental volta a ser um dos possíveis modelos da inovação do currículo médico que a FMUSP começa a desenvolver e que será modelo para dezenas de escolas médicas sem corpo docente de alto nível. Em 1969, fui um dos “aposentados” e, como disse um professor medíocre da Faculdade de Medicina: “Nós mandamos embora e eles vão para lugares melhores (no meu caso, MIT e Harvard School of Public Health)”. E criticou a Fundação Rockefeler, “afinal, sou anticomunista e eles jamais ofereceram recursos para pesquisa”. Ulhoa Cintra, então secretário da Saúde, convenceu o governador C. Pinto criar a Fapesp e destinar a ela 0,5% do ICM.  Jaime Cavalcanti, que me precedeu no Departamento de Bioquímica, criou o primeiro fundo de pesquisas da USP e foi o primeiro presidente da Fapesp. Paulo Vanzolini (médico formado pela Faculdade de Medicina e zoólogo) e Alberto Carvalho da Silva (professor de fisiologia da Faculdade de Medicina) criaram o regimento da Fapesp e o processo de seleção de projeto que tem a pesquisa financiada. Sem detalhar as conquistas no diagnóstico e tratamento de pacientes, que em todo o País batem as portas do Hospital das Clínicas, definitivamente a Faculdade de Medicina foi um  importante  inovador na pesquisa, educação e assistência médica.

Isaias Raw, professor emérito da FMUSP. No exílio foi professor no MIT e Harvard School of Public Health. Retornou em 1969 e foi diretor do Instituto Butantan e presidente da Fundação Butantan isaias.raw@butantan.gov.br] 
São Paulo

*
CEAGESP

Mudar a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) de lugar estava do programa de governo do então candidato Fernando Haddad? Já não bastam as faixas de ônibus e as ciclovias implantadas sem planejamento? O prefeito, em seu delírio, quer fazer agora mais loucuras para tumultuar a vida dos cidadãos paulistanos. Tomara que os eleitores tenham aprendido com esta terceira péssima experiência com o PT na Prefeitura e tomem juízo ao escolher o próximo prefeito.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com 
São Paulo 

*
INSEGURANÇA NO PARQUE BURLE MARX

Sei que há assuntos atualmente mais relevantes e atuais do que este, mas não quero me calar por causa disso. O Parque Burle Marx, no Panamby, sempre foi uma área de respiro e recreio. Crianças,  durante a semana e fins de semana, com seus pais;  esportistas;  idosos fazendo seus passeios;  cursos de ginástica; etc. Moramos no bairro há quase 15 anos e só agora, depois de uns poucos meses, temos visto a situação rapidamente se deteriorar. Os seguranças do parque foram eliminados e sobrou um único senhor que tenta zelar por tudo. Ultimamente, nós, os usuários do parque, temos sidos assaltados no estacionamento por motoqueiros armados, temos sido ameaçados dentro do parque,   há relatos de ameaças a usuários e de presença de pessoas estranhas  e, quando vamos nos queixar ou relatar ao segurança que lá está, na entrada do parque, sua resposta assusta: “O parque não investe em segurança, sou o único aqui, não consigo cuidar das duas entradas e não consigo sair daqui, do meu posto, para verificar a presença de estranhos indivíduos que circulam por aí.   O pessoal da administração quase não aparece e ainda hoje o escritório está fechado. Se quiserem ajudar, mandem um e-mail, entrem no site e exponham a sua queixa. Ajudarão também aos poucos funcionários, também assustados e preocupados,  que aqui trabalham”. Entrei no site, mas não achei espaço para esse tipo de queixa. Muitas pessoas deixaram de frequentar o nosso lindo parque, por medo. Há algumas semanas um grupo de jovens, depois de fazerem um arrastão no Hipermercado Extra vizinho ao parque, foram se refugiar ali. Os seguranças do mercado chamaram a polícia, que, ao chegar, andava de moto por nossas trilhas, assustando e preocupando a todos, enquanto víamos os jovens correndo pelo parque para se esconder dos policiais. Assustador. Não sei a quem recorrer. Razão da minha queixa neste fórum.

Liliane Jacob Sulzbeck lilijacob@uol.com.br 
São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.