Fórum dos Leitores

PETROBRÁS E CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2014 | 02h04

Mau sinal

Enquanto a Justiça e a Polícia Federal buscam encontrar onde se deram os furtos na Petrobrás, por quem e quanto foi desviado, chega uma má notícia: fontes importantes do mercado de petróleo admitem que o preço do produto está em queda. Alguns especialistas dizem que deverá estabilizar-se ao redor de US$ 90 e outros estimam que chegará aos US$ 80. Isso é ruim para o Brasil, pois a estimativa de preço do barril calculada para o projeto do pré-sal foi de US$ 100. Entretanto, há vários anos é prevista a autossuficiência dos EUA em energia, ultrapassando a Arábia Saudita em produção de petróleo e reduzindo as importações. Alguns outros países entraram no mercado para vender seus excedentes. Esses fatos tendem a mudar os patamares de preços para os cálculos de investimentos nessa indústria, lembrando que desde 2010 o petróleo do tipo Brent tem sido vendido, em média, a US$ 103. Isso significará um problema adicional para a Petrobrás, justamente agora que grandes investimentos estão sendo feitos. Além disso, vários executivos da empresa estão implicados - ou são suspeitos - em irregularidades que juízes e delegados estimam em R$ 10 bilhões, o que prejudicou bastante o caixa da companhia. Difícil avaliar o futuro da empresa, principalmente por estar subordinada à Presidência da República e a políticos outros, o que, como se verificou, foi extremamente prejudicial, dando ensejo a desvios de recursos e roubos no caixa da estatal.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Viabilidade

A Petrobrás poderia analisar e informar como ficará afetada a viabilidade do pré-sal com o barril de petróleo a US$ 85 e tendência de baixa?

ULYSSES F. NUNES JR.

ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

O engodo do pré-sal

Segundo Lula e Dilma Rousseff, os recursos a serem obtidos com o petróleo do pré-sal vão permitir que o pobre passe a ter direito a saúde e educação de graça, podendo seu filho estudar e se formar doutor como o filho do rico. Acontece que eles se referem somente aos recursos dos royalties do petróleo do pré-sal. Pergunto: onde foram parar os recursos do pré-sal obtidos com a cessão onerosa no valor de R$ 74,8 bilhões, pagos à vista pela Petrobrás em 2010, no governo Lula, como antecipação de receita, e os R$ 15 bilhões de bônus do Campo de Libra, pagos à vista pelo consórcio vencedor da licitação, no governo Dilma? Esses recursos foram para a saúde, a educação, o metrô, a infraestrutura, os programas sociais, o Bolsa Família? Não. Então, foram para onde? Note-se que tais recursos do pré-sal dariam para construir dez linhas de metrô - na cidade de São Paulo foram construídas até hoje apenas quatro.

THERÉZIO PEREIRA DE OLIVEIRA JÚNIOR, engenheiro

therezio@uol.com.br

São Paulo

Desgoverno Dilma

O Brasil é o único país do mundo onde o preço do petróleo baixa e o preço da gasolina deve subir. Declaração do ministro Guido Mantega na quarta-feira.

JOHN EDGAR BRADFIELD

lbradfi@amcham.com.br

Itanhaém

Polícia Federal inativa

A mídia informa que os carros da Polícia Federal estão parados nas garagens por falta de combustível porque o Palácio do Planalto está em débito com os fornecedores. Por que, então, não vão abastecer em postos da Petrobrás? Será que o Planalto está em débito de caso pensado, para que a Polícia Federal não investigue na véspera das eleições?

MÁRIO A. DENTE

dente28@gmail.com

São Paulo

Os inocentes

A sra. presidente da República não deve temer a divulgação de ocorrências de corrupção, uma vez que ela e o dr. Lula não sabem de nada e, em consequência, não estão envolvidos. Aliás, no fim do ano passado vi o Papai Noel montado na mula sem cabeça apostando corrida com o saci-pererê. Fale, sra. presidente, que eu acredito em tudo.

ERALDO B. CIDREIRA REBOUÇAS

real742@yahoo.com.br

São Paulo

Evidência mais que evidente

Atrás do "eu não sabia" de Lula e Dilma estão 12 anos de falcatruas, de ilícitos, de exploração do dinheiro público para as campanhas do PT - e Deus sabe lá para mais o quê! O doleiro Alberto Youssef confirmou toda a delação do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa e o juiz que conduz o interrogatório de ambos, Sergio Moro, não permitiu que eles mencionassem o nome do mentor de toda a trama por ele ter prerrogativa de foro privilegiado, cabendo à Suprema Corte investigar. Pelo que afirmou Costa, o crime na Petrobrás substituiu o mensalão descoberto como fonte de recursos. Ora, não é difícil de imaginar o que vem por aí: nomes comuns aos dois esquemas de corrupção. Essa desculpa do "eu não sabia" se já não colava antes, agora sugere conivência profunda. Será que, diante desse recém-descoberto cenário criminoso, os ministros do Supremo Tribunal Federal, que no mensalão não viram formação de quadrilha, agora vão entender como tal a arquitetura padrão engendrada nas barbas da nossa República?

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Ainda o estarrecimento

Lendo tudo (ou quase tudo) o que está publicado sobre o assalto à Petrobrás, concluo: 1) Estarrecedor é saber que há 12 anos esse governo que aí está vem usando a maior e mais importante empresa do País para loteamento de cargos, com o único objetivo de angariar recursos visando a enriquecer certos dirigentes e à permanência no poder. 2) Estarrecedor é saber que, mais uma vez, os chefes de todos (Lulla e Dillma) alegam surpresa, como se o ocorrido fosse um caso banal e sem consequências. 3) Estarrecedor é saber que tudo será feito para encobrir os principais beneficiários desse esquema todo. Será que se devidamente apurado não encontraríamos explicações sobre certos sucessos empresariais de ex-catador de fezes em zoológico? 4) Estarrecedor é saber que, em se tratando da empresa que é, não existe a prática de governança preconizada em todos os manuais da boa administração. 5) Estarrecedor é saber que as empresas de auditoria independente, que cobram os tubos para emitir seus pareceres, não identificaram o esquema de superfaturamento nem a saída de caixa que abastecia o doleiro, tanto na Petrobrás como nas empreiteiras, também as maiores do País. 6) Estarrecedor é saber que dificilmente algum dirigente dessas empresas irá para a cadeia ou será punido pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que, aliás, não sei para que serve.

ARIOVALDO MARQUES

arimarques.sp@gmail.com

São Paulo

PESQUISAS ELEITORAIS

Quem vê as pesquisas de intenções de voto do Ibope e do Datafolha, nas quais Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) aparecem tecnicamente empatados até nas vírgulas, a impressão é de que as duas empresas foram aos mesmos endereços, aos mesmos pesquisados. É algo inédito, creio, até em nível mundial. Depois desta, e como já falharam antes da votação do primeiro turno, cada dia creio menos ainda em pesquisas eleitorais. 

Laércio Zanini arsene@uol.com.br 
Garça

*
DESCONFIANÇA

Empate técnico é o cenário ideal montado em sincronia com a possível manipulação das urnas eletrônicas.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
MARGEM DE ERRO

Não sou do ramo, mas entendo que, se o mesmo resultado se repete quatro vezes, como aconteceu nas últimas pesquisas de intenção de voto, o resultado deixa de “estar na margem de erro” e passa a ser confirmação das pesquisas anteriores. Ou não? Pelo menos há que se admitir que o candidato Aécio Neves está mesmo à frente de Dilma Rousseff. Ainda que por uma pequena margem, confirmada quatro vezes.

Sueli Caramello Uliano scaramellu@terra.com.br
São Paulo

*
TRANSFERÊNCIA DE VOTOS

Se voto não se transfere, como afirmou – ingratamente – a candidata Dilma Rousseff, ela jamais teria chegado à Presidencia da República, porque, como todo mundo sabe, quem a elegeu foram os votos que Lula transferiu dos seus eleitores  a ela. Se ele conseguiu isso para Dilma, Marina o consegue para Aécio Neves. A não ser que o PT roube nas urnas, algo impossível de acontecer vindo de um partido ético, democrático e avesso a malfeitos. Além disso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já garantiu que nossas urnas eletrônicas são 100% seguras e confiáveis, totalmente à prova de fraudes.
 
João Manuel Carvalho Maio clinicamaio@terra.com.br 
São José dos Campos 

*
CREDIBILIDADE

Qualquer que seja o resultado das eleições deste ano, a grande imprensa brasileira perderá credibilidade junto ao grande público, por sua campanha “surda” contra o PT, sob cujo governo o Brasil avançou muito nos últimos 12 anos, assim como também havia avançado em muitos pontos no governo FHC.

Antonio Augusto Barella aabarella@hotmail.com 
Valinhos

*
DECÊNCIA, COMPETÊNCIA E CARÁTER

O então desaparecido Lula reapareceu em comício de Ananindeua (PA) e, na oportunidade, questionou o caráter do candidato Aécio Neves, por ter-se recusado a fazer um teste do bafômetro no Rio de Janeiro em 2011. Para o ex-presidente, “como uma pessoa que se recusa a fazer um teste do bafômetro diz que vai governar com decência e competência”? A propósito, se o bafômetro fosse o medidor de decência e competência, estaria explicada a razão da mediocridade e da indecência do governo Lula – ao qual se adicione o resultado do “caratrômetro”, a mensurar o caráter de quem faz acusações escondendo o próprio mau comportamento. No caso, refiro-me ao caso Rosemary Noronha, a notória madame Rose.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
O ALAMBIQUE E O VESPEIRO

Falar em bafômetro nesta altura do campeonato, ou melhor, no segundo turno das eleições, só perde mesmo quem tem fama. Esse é um alambique, ou melhor, um vespeiro de gente muito raivosa... É melhor dar um "trago" do que engolir a seco e mudar de assunto e oferecer um "pro santo".

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com  
Avanhandava 

*
SEM MORAL

Quem é o ex-presidente Lula para criticar Aécio Neves sobre uma possível bebidinha a mais – quando ele se recusou a fazer o teste do bafômetro ao ser parado numa blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro, apesar de não aparentar embriaguez? Logo Lula, que já foi pego diversas vezes cheio de cachaça na cuca, enquanto dirigia o Brasil, como saiu até publicado na imprensa internacional? Lula pode criticar alguém por ter bebido?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro 

*
ESTIGMAS

Gilberto Carvalho, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, falando a uma "plateia empolgada", em Pernambuco, reconheceu que o PT atravessa "um momento delicadíssimo" da campanha diante do "enorme ódio" que se plantou em relação ao partido (14/10, A6). No discurso, ele contou que no sábado (11/10) quase agrediu alguém que o insultou em Brasilia, chamando-o de ladrão. "Ainda bem que o cara fugiu", disse ele. Cabe uma pergunta: o ministro estava sozinho e ia partir para a agressão ou estava acompanhado de vários "companheiros", que, certamente, dariam uma surra no brasiliense, numa "reação desproporcional"? O cidadão manifestou-se e, em seguida, tratou de salvar a própria pele numa atitude, aliás, de bom senso, pois, se não tinha o preparo de um lutador de artes marciais, não seria bom arriscar.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com
Santo André 

*
O PT ESCONDIDO

Há alguns dias, enquanto corria pela Avenida Brasil, notei várias bandeiras, banners ou seja lá como podemos chamar aqueles pedaços de pano presos a um pau fincado num balde. Lá estava retratada a presidenta, candidata à reeleição. Era um convite para votar num Novo Governo (sic), na candidata do 13. Nenhuma menção ao PT. Estranho? Não. Segundo o pensador francês La Bruyère, dizer a respeito de uma pessoa que possui certos defeitos, que ela é assim mesmo, não significa desculpá-la, e sim confessar ainda que involuntariamente que tais defeitos são insanáveis. Teria sido esse o motivo de “esconder” o PT.

Alexandru Solomon Alex101243@gmail.com
São Paulo

*
QUATRO ANOS?

A presidenta Dilma disse que não há governo efetivo em quatro anos. Não entendi: como assim, quatro anos? O PT já "governa" há 12 anos! Só queria entender.

José Milton Galindo galindo52@hotmail.com 
Eldorado

*
OLHO ROXO

Aécio Neves, no segundo turno da eleição presidencial, comporta-se como um colegial engomadinho que, desafiado para uma briga após a aula, se limita a chamar o adversário troncudo e briguento de "feio" e "bobão". Pouco importam a vilania e a má fama do seu oponente, o Partido dos Trabalhadores (PT). Se Aécio quiser ganhar a briga (a eleição) e respeito no “Colégio Brasil”, vai ter de rolar na poeira, sujar o uniforme e deixar roxo o olho do fortão que manda no pedaço há 12 anos. Ou Aécio injeta sangue na vista e parte para o vale-tudo contra o PT, ou a plateia dessa briga (o eleitorado) concluirá que ele é um fracote que não vale nada. "Eu não sou um homem, sou um campo de batalha." Que esse pensamento de Friedrich Nietzsche inspire o ainda anódino e vacilante candidato do PSDB.
 
Túllio M. Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com 
Belo Horizonte

*
PARTIR PARA CIMA

Aécio Neves precisa urgentemente entender que, se ele quer ser presidente de todos os brasileiros, significa que ele não pode ficar única e exclusivamente priorizando a “mineirice” como estratégia de embate político-eleitoral. Precisa agregar outras características do nosso povo, a exemplo da “raça nordestina”, da “esperteza carioca”, da “ironia paulistana” e da “decisão gauchesca”. Parte para cima, Aécio! Já está passando da hora de “enquadrar” Dilma Rousseff.

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com 
Recife 

*
BRIGA DE RUA

Assistindo ao debate de terça-feira na Band, me veio uma imagem elucidativa: a candidata do PT, com suas mentiras, sofismas e fugindo de todos os questionamentos de seu oponente, aplicava todos os seus golpes abaixo da linha da cintura. Já o representante do PSDB, parecendo seguidor de todas as regras da esgrima, ficava em desvantagem aparente. Quando será que o partido do candidato Aécio vai acordar para o fato de que deve usar as mesmas regras (ou falta delas) que o partido oponente usa? A maioria de nosso povo, infelizmente, não entende um debate de nível, com a apresentação de planos de governo defendidos por argumentos sólidos. Os eleitores, em sua imensa maioria, preferem uma boa briga de rua.

Heleo Pohlmann Braga heleo.braga@hotmail.com 
Ribeirão Preto 

*
MUDANÇA DE TOM

Os responsáveis pela campanha do candidato Aécio, durante o programa eleitoral gratuito, estão levando uma "lavada" do marqueteiro João Santana. Senhores, o eleitor "descamisado", que é quem vai decidir esta eleição, não está interessado em saber quem foi Tancredo Neves nem que no dia 15/10 foi comemorado o Dias dos Professores. Expliquem para eles que, com o dinheiro da corrupção na Petrobrás, daria para aumentar o valor do Bolsa Família em xis reais por mês, que eles poderiam estar numa vida melhor se a roubalheira petista fosse um pouco mais discreta. Mudem o tom, falem ao povão ou, então, esta eleição estará perdida.

Renato Luis C. Gagliardi renatolgagliardi@gmail.com 
Campinas 

*
SINUCA DE BICO

O “empate técnico” entre os candidatos Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) gera no espírito do eleitor um torvelinho de dúvidas. Supunha-se fossem elas estancadas com os “debates”, mas, ao reverso, as acusações rasteiras de parte a parte reduzem os candidatos ao palavreado oco, sem convicção e, pior, com o chocho de briga de rua. O povo, em verdade, anseia por mudanças, posto que está enfastiado das mentiras e mazelas do PT. Essa ideia de mudança, exigida pela maioria, tem de assentar-se na cabeça e na convicção dos pretendentes à Presidência como semente em terra boa, e germinar para logo, trazendo a público quais as reais mudanças propostas. Tenham por certo e definido que o povo acredita na sinceridade. Não em promessas feitas pela boca do coração, que não custam mais que algumas arfadas de ar, mas desencarná-las do imaginário para a vida, e dar às promessas as carnes da realidade, aqui, que bate o ponto. Eis o que se espera do candidato, que traga para o cenário do debate a perspectiva real e concreta de novos ares. Já não lhe há tempo para vagares; e, muito menos de se apresentar com as duas caras de Jano: uma, a do “bom moço”, e outra, a de que efetivamente tem um passado impoluto. Entendo (na minha apequenada visão) que, para convencer, tem de o proponente arrancar essas máscaras e estar convencido de que o caminho que o eleitor exige é o da honestidade, o da moral, o da ética na condução da coisa pública. Pode ter havido erros no passado, mas o eleitor exige que a experiência seja salutar e os erros, definitivamente corrigidos. Só este convencimento verdadeiro e eficaz traz e crava na alma do eleitor aquela luminar certeza de que “optimam partem elegi” de ter escolhido o melhor.

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br 
São Paulo

*
‘A CADEIRA VAZIA DO JORNALISMO’

Li a opinião do sr. Eugênio Bucci intitulada “A cadeira vazia do jornalismo” (16/10, A2) e fiquei abismado com a falta de lógica e coerência de seu artigo. Como pode ele afirmar que dois partidos diametralmente opostos são iguais? Uma vergonha para a lógica e para a racionalidade. Penso que ele deveria comprovar sua opinião e completar seu artigo nos brindando com sua visão do que ele supõe ser o partido perfeito. Colocar no mesmo balaio o PT e o PSDB é, no mínimo, falta de visão do que se passou no Brasil nos últimos 20 anos ou, na pior das hipóteses, má-fé para tentar coagir as pessoas de que os dois são iguais. Pergunto-lhe, sem esperar resposta, qual o partido que tenta impor o controle na imprensa? A resposta dará luz a pelo menos uma diferença entre os dois partidos. Abomino esse tipo de opinião e de artigo sem fundamentação clara e considero venerável a posição pluralista do “Estadão”, que oferece espaço a todos, coisa com que o partido do sr. Bucci, o PT, quer acabar. 

Antonio ELoys Garcia eloys@ig.com.br 
São Paulo 

*
DEBATE

Como dona de casa, perdi preciosas horas de sono para assistir ao debate dos presidenciáveis na Band na terça-feira.  Fora as caras e bocas e a percepção de raiva (ou ódio?), a fala gaguejante da “presimente”, digo presidente ou “presidenta” (como gosta e exige ser chamada para reafirmar sua condição feminina), causou-me estranheza: em determinados momentos, parecia que ouvia alguém lhe soprar alguma coisa e cometia equívocos, rapidamente corrigidos. Será que S. Excia. tinha algum “buzinador de orelha”?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 
São Caetano do Sul 

*
DILMA COLA NOS DEBATES?

Corre nas redes sociais que a candidata Dilma usa o recurso da cola em suas respostas através de “ponto” no ouvido, com comprovação de fotos. Se não for ilegal, não deixa de ser imoral, a partir do pressuposto de que seu adversário não usa do mesmo recurso. É só observar a busca imediata que a candidata faz, ao início da pergunta do oponente, no calhamaço que ela carrega, atendendo à orientação do sinal de seu assessor. Incrível é perceber que nem sempre consegue adequar sua resposta, mesmo “colando” ao que seu oponente pergunta. 
 
Leila E. Leitão
São Paulo

*
PERGUNTAS

Enquanto Dilma Rousseff foge das respostas às perguntas nos debates das eleições presidenciais, incluindo assuntos que nada tem que ver com o tema da pergunta, Aécio não insiste nas perguntas ou faz comentários muito rápidos e superficiais sobre o assunto. Para que a população menos atenta venha a compreender melhor o tema daquele momento, é necessário que o candidato tucano explique mais calmamente a pergunta e a real resposta esperada da candidata, se esta se apresentasse certa e sincera. Por exemplo: no caso dos milhões de dólares do BNDES para a construção do porto em Cuba. A candidata-presidente enrolou o porquê do segredo do financiamento. Afinal, o dinheiro é público, de todos os brasileiros, e por isso deve haver esclarecimentos. Além do mais, neste caso, enrolou sobre a geração de empregos. Disse que a firma responsável pela obra é brasileira. E daí? A quase totalidade dos trabalhadores foi de patrícios cubanos, enquanto aqui, no Brasil, os portos estão caindo aos pedaços e brasileiros sem empregos. Não me venham falar na demagógica campanha de que existe pleno emprego. Porque, então, nunca houve tanto pagamento de seguro-desemprego como atualmente, gerando um déficit descomunal nesse item? Por que existem indústrias automobilísticas demitindo? Por que existem milhões de jovens não trabalhando, ou seja, jovens na idade de trabalho, mas que não procuram empregos (se é que eles existem) nem estudam? Mais sobre os debates. Por que o Aécio não pergunta e exija a resposta do gasto bilionário no caso do programas Mais Médicos? Menos sobre a diferença entre o que recebem os cubanos em relação aos outros do programa, mas, sobretudo, porque o Brasil precisa pagar cerca de R$ 7 mil ao governo da ditadura comunista de Cuba para cada um dos cumpanheiros cubanos que aqui estão. Já pagou quase US$ 2 bilhões para os Castro. Quantas Bolsas Família poderiam ser pagas com esse dinheiro, por exemplo? Por que os brasileiros têm de bancar a ditadura comunista de Cuba, que estava se esfacelando depois do fim da URSS e agora se mantém com dinheiro do Brasil e da bolivariana Venezuela?

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com 
Cunha 

*
QUE DEBATE É ESTE?

Aécio só precisa apresentar uma lista de mentiras e de insinuações difamatórias de Dilma, que são fatos. Trata-se do maior desrespeito ao cidadão eleitor já feito na história do Brasil. Há de se confessar indignado.
  
Harald Hellmuth hhellmuth17@uol.com
São Paulo

*
‘GLOSSÁRIO PARA DEBATES’

Excelente o “Glossário para Debates” (16/10, A8). Que tal complementar dizendo o que é verdade, meia verdade e mentira em cada argumento? Aí, sim, vamos saber o que realmente é e o que é balela

Salvator Haim salvator@balloonenergia.com.br
São Paulo

*
EXAGERO

Nesta reta final para o segundo turno, ambos os candidatos exageram nas promessas. Um deles diz que vai construir um monte de creches – não tenho notícia de nenhuma creche construída e, principalmente, mantida pelo governo federal. Se alguém conhecer, por favor me informe. O outro diz que vai combater a corrupção de seus agentes, e cita várias providências, mas se esquece somente da mais óbvia: acabar com as indicações políticas nas empresas estatais e para-estatais.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br  
São Paulo

*
BIFE À CAVALO

Depoimento de Lula na propaganda eleitoral antes do primeiro turno: “Você que entrou para a classe média sabe o esforço que foi. E o como é duro seguir em frente. Eu sempre digo que quem aprendeu a comer bife vai fazer tudo para não deixar de comer seu bife. Eu sei que a vida não é fácil para você”, diz Lula. Passados apenas três dias da votação do primeiro turno (8/10) e com a inflação atingindo 6,75% em 12 meses, o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Mário Hollanda, recomendou: “Os brasileiros têm uma série de outros produtos substitutos para a carne, como frangos e ovos, que vêm representando comportamento benigno este ano”. A pergunta que fica é qual será o cardápio depois do segundo turno, caso o PT tenha sua candidata eleita: bife e cavalo nem pensar!

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 
São Paulo 

*
FOME ZERO

Como a memória petista tem lapsos compreensíveis (fracassos, não!), vale lembrar que o programa do PT para os pobres levou o pomposo nome de Fome Zero. Lula criou um ministério extraordinário para isso, que substituiu a Comunidade Solidária do governo Fernando Henrique. Nomeou José Graziano da Silva, que montou o programa Fome Zero, ministro-extraordinário. Graziano tentou durante um ano botar o ovo em pé. Começou do zero (sugestivo, né) um cadastro de pobres e fez tanta trapalhada que Lula o defenestrou em 23/1/2004 e criou outro ministério, dado a Patrus Ananias. Como consolação, Graziano virou o quê? Assessor da Presidência! Ananias então juntou as bolsas que a Comunidade Solidária mantinha (Bolsa Escola, Bolsa Gás, etc.), teve o bom senso de pegar o cadastro já pronto das bolsas anteriores e criou o Bolsa Família sem as exigências de comprovação que a Comunidade exigia. A propaganda petista é tão eficiente e Jose Graziano da Silva, agora na FAO, faz questão de confundir Fome Zero com Bolsa Família que mesmo jornalistas estrangeiros bem informados ainda hoje falam em Fome Zero, talvez porque traduzir Bolsa Família não seja simples. Enfim, mentira repetida... etc., etc.

Milton Akira Kiyotani miltonak@gmail.com 
São Paulo

*
EXEMPLO

Se Lula e Dilma são tão éticos, honestos e sensibilizados com a pobreza e a desigualdade do povo brasileiro, como dizem ser, então por que em 12 anos de governo do PT não foram capazes de cortar seus próprios salários como exemplo, assim como fez com decência, coragem e probidade Aécio Neves, quando ocupou o cargo de governador por Minas Gerais? Além de não darem o exemplo e cortarem seus próprios salários na Presidência da República, foram coniventes e se beneficiaram com as corrupções, o superfaturamento de obras, os malfeitos, o cabide de empregos para seus filiados, diversas falcatruas e inúmeras maracutaias. Por isso não têm nenhuma moral para falar do PSDB, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e muito menos do candidato Aécio Neves. Com exemplos e atitudes como esta de Aécio, de cortar seu próprio salário como governador por Minas, é que se conhece o verdadeiro e real estadista.

Luciano De Paoli lpaoli@uol.com.br 
São Paulo

*
LACAIOS DE CUBA

O novo pacote de tributos (12/10, A1 e A4), para obter resultados e agradar a empresários e trabalhadores brasileiros, deve incluir as dispensas e a volta ao lar dos lacaios de Cuba – Franklin Martins, “top top” Garcia, Guido Mantega, Dilma Rousseff, Lula e associados – e cessar a sangria cubano-bolivariana do BNDES, de propriedade de todos os brasileiros.

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br 
São Paulo

*
PORTO EM CUBA

Dona Dilma Rousseff afirmou que o BNDES não financiou o porto em Cuba. Ele financiou a Odebrecht, que construiu o porto. Ah, bom!

Milton Bulach mbulach@gmail.com 
Campinas 

*
EMPRÉSTIMO CONFIDENCIAL

Lendo a matéria sobre a renegociação do BNDES, dá a impressão de que, não fosse a alegada confidencialidade bancária, muitos outros escândalos poderiam ser apurados na chamada "bolsa empresário" promovida com dinheiro público repassado ao BNDES e deste para os empresários amigos do PT.

Ademir Valezi adevale@gmail.com 
São Paulo 

*
O ‘GOLPE’ DA DIVULGAÇÃO

A presidente Dilma Rousseff tem reclamado de que a divulgação dos malfeitos da Petrobrás se constituem em "golpe" e que aparecem sempre na época de eleições. Isso é uma prova de que os ladravazes do governo não escolhem época para a rapinagem. Quando madame afirma que isso não passa de "golpe", está insinuando que a Polícia Federal, o Ministério Público e a Justiça não devem divulgar crimes contra os cofres públicos? Essas investigações, na verdade, tendem a fortalecer a Petrobrás, na medida em que ela é saneada, mas poderá ser sangrada novamente pela leniência com as fraudes e se o "império" continuar a desconstruir o País. A cabeça do juiz federal Sérgio Moro está a prêmio com o PT, porque divulgou os depoimentos do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, que mostraram uma nova modalidade de exploração deste imenso campo de corrupção, a exemplo da compra de Pasadena e da construção da Refinaria Abreu e Lima. Na quarta-feira, o barril de petróleo tipo Brent fechou cotado a US$ 83,30, no menor patamar desde 2010, o que pode inviabilizar o desenvolvimento de alguns campos, principalmente os do pré-sal. O que se tem de verdade é que tanto a Petrobrás como a administração do governo carecem de uma cirurgia eleitoral para que sejam lancetados os tumores malignos e insidiosos que já duram eternos 12 anos.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
O JUIZ E O MORDOMO

Nos filmes policiais antigos, os epílogos que apontavam o mordomo como o culpado se tronaram tão corriqueiros que virou até um bordão popular em se dizer que “o culpado é o mordomo”. Agora, o PT lança uma nova versão do bordão, ao culpar o juiz federal do Paraná pelas agruras que o partido vem enfrentando em relação a mais um trambique, já apelidado pela imprensa como “petrolão”, pela sua semelhança com o mensalão. De fato, para tentar abafar os estragos provocados pelo ataque dos “cumpanheiros” ao patrimônio da Petrobrás e que estão sendo estimados em R$ 10 bilhões, o comando do partido resolveu agora entregar representação ao Supremo Tribunal Federal (STF) e à Procuradoria-Geral da República contra o magistrado Sérgio Moro, responsável pelo respectivo processo, alegando que ele teria violado o sigilo das delações na Justiça Federal do Paraná. Não sou da área do Direito, mas não tenho dúvida de que um magistrado da grandeza do ora representado jamais cometeria tal erro, pondo a perder um trabalho primoroso. O que dá para entender em mais esse imbróglio é o desespero do partido de tentar impedir o esclarecimento total da roubalheira perpetrada. O tamanho do botim foi de tal ordem que, com certeza, se constituirá no maior roubo já realizado contra a coisa pública e que dificilmente será superado no futuro. Mas a tentativa do partido de desviar a atenção para o magistrado já ultrapassa os limites do ridículo. Numa pesquisa mais apurada poderíamos estimar quantos hospitais de grande porte poderiam ser construídos com tal quantia, ou o número de escolas, também de grande porte, ou o número de habitações populares para a população mais carente, sempre em centenas de unidades, ou ainda quantos quilômetros de metrô em túneis. Com um desvio desses, confirmada a estimativa da gatunagem, não dá para acreditar que os elementos até agora apontados pelo delator teriam cacife para praticar tal rombo. Não vai demorar muito para que se chegue à cúpula dessa quadrilha, e aí é que reside o maior temor do PT.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
PETROBRÁS

São tantos os desvios que já não se distingue o pré-sal do "lama-sal"...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 
São Paulo

*
QUINHÃO

Segundo o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, 3% da corrupção eram desviados para o PT via João Vaccari Neto, tesoureiro do partido. Então é lícito a qualquer cidadão brasileiro perguntar: destes 3%, quanto coube a Dilma Rousseff? 

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com
Campinas

*
TRAJE VERMELHO

Pode até ser mera coincidência, porém acredito que todos notaram o fato de ultimamente Dilma Rousseff não aparecer mais com roupas vermelhas. Por que será?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
MENSALÃO

Li no “Estadão” que José Dirceu poderá, em breve, cumprir  a pena em prisão domiciliar. Isso significa que será em Cuba?
  
Decio Fischetti etcmkt@terra.com.br 
São Paulo

*
TROCA DE GOVERNO

Chega de trapaça contábil! Chega de invasões! Chega de parcerias internacionais com ditadores! Chega de comunismo/bolivarianismo! Chega de BNDES para países estrangeiros! Chega de paralisações que comprometem o ir e vir! Chega de descaso com saúde, educação, segurança, transportes e infraestrutura! Chega de impunidade! Chega de inflação, que corrói salários! Chega de liberdade sem responsabilidade! Chega de três dúzias de ministérios! Chega de malversações! Chega de Dilma e do PT! O Brasil desgovernado pode ser recuperado, só depende de nós.

Humberto Schuwartz hs-soares@uol.com.br 
Vila Velha (ES)

*
O PERIGO DO EBOLA

É estarrecedor o fato de que o Ministério da Saúde ainda não tenha imposto medidas de contenção do tráfego internacional de pessoas aos indivíduos oriundos dos países mais afetados pelo vírus Ebola. Será que vale a pena preservar uma reputação acolhedora e “sem preconceitos” em detrimento de nossa vida? Sugiro que incorporemos o conceito árcade de “carpe diem” aos nossos atos, pois Arthur Chioro parece menosprezar o perigo iminente desse vírus letal.

Vitor Meirelles vitormbm1@hotmail.com 
São Paulo 

*
EBOLA NA REDE

Nossos hospitais e médicos estão despreparados para enfrentar o Ebola, já que não dão conta da dengue, da malária e da tuberculose. Sem querer fazer trocadilho, caso outro vírus apareça, sem dúvidas todos gritarão “Ebola na rede!”.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
A PESTE DO SÉCULO 21

Que os gênios da Medicina, da Biologia e da Química logrem obter, o mais breve possível, a descoberta de um medicamento que detenha e combata, eficazmente, o letal vírus Ebola. Todo cuidado é pouco com a Peste Negra do século 21.

J.S. Decol decoljs@globo.com   
São Paulo

*
CRISE HÍDRICA EM SP

Quando vi a capa do “Estadão” de ontem (“Água em SP pode acabar em novembro, admite Sabesp”), lembrei-me de uma notícia que havia lido há cerca de 50 anos, numa reportagem que dizia que no futuro  haveria probabilidade de faltar água potável em São Paulo. Achei a notícia um absurdo, pois, na época, seria imaginável que numa cidade onde era comum chover torrencialmente em qualquer época do ano a água viesse a faltar. Rogo a Deus que no “Estadão” que irá às bancas nos próximos meses traga em sua capa “Problema da água em SP já está normalizado”. Enquanto essa notícia não chega, a única solução é economizar água.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
ÚLTIMO RECURSO

Concentrar sondas de perfuração terrestres da Petrobrás nas áreas secas dos fundos das represas do sistema que abastece de água a Grande São Paulo.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.