Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2014 | 02h03

Novo ministro da Fazenda

Pela Fazenda tenta dona Dilma Rousseff salvar o que resta da lavoura. O sr. Joaquim Levy, indicado para ministro da Fazenda, apresenta-se como pessoa fidedigna para o posto, visto ter-se desempenhado para vários governos, e aqui bate o ponto, governos de índoles opostas e diversas cores. Isso é significativo e lhe serve de carimbo e passaporte de entrada no mais importante dos ministérios, o da economia. Registre-se: passaporte para o técnico, o capacitado para a função, bem diverso do passaporte para o "companheiro", o apaniguado, quebrando, assim, a rotina das nomeações pela qual se pautou o PT, o que é de si algum alento. O crédito ao novo ministro vem do prestígio pelo trabalho, pelos exemplos deixados nas pegadas, rastro que o ser humano imprime na sua passagem. As pegadas são crédito da marca pois os passos se vão com a passagem, já as pegadas ficam impressas para a História. Os desafios dessa pasta são muitos, não existe lugar para amadorismo, favores. É arregaçar as mangas, traçar a rota dentro do método correto e ordenado pela razão, valendo-se da experiência dos erros e acertos passados, na busca do porto que é o bem da Nação. Que os bons ventos o ajudem. Boa sorte ao ministro.

ANTONIO BONIVAL CAMARGO

bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

GESTÃO HADDAD

Aumento do iPTu

Até quando nós, paulistas, vamos aceitar calados esse estelionato do PT? Quantas mais Bolsas Família teremos de bancar para então podermos pensar em sustentar nossa própria família? Até quando nós (os que trabalham) vamos submeter-nos a isso? O aumento do iPTu a nós impingido na capital não passa de uma ofensa, além de revanchismo barato por terem perdido as eleições em São Paulo. E com a maior cara de pau vem o outro que se aposentou sem nunca ter trabalhado perguntar por que os paulistas não gostam do PT?!

MARCOS CATAP

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

ANTIPETISMO

A rejeição

Por mim, o sr. Lula pode economizar o valor da pesquisa sobre o porquê da rejeição ao seu partido, o PT, a não ser que haja superfaturamento no preço, a exemplo de casos conhecidos. Eu mesmo me disponho a relatar-lhe por que o índice de rejeição ao PT é hoje altíssimo: corrupção, desvio de conduta, País no fundo do poço, mentiras, ministros incompetentes, políticos que estão "se lixando" para a população, etc. Chega ou quer mais? Certamente a população terá inúmeros outros motivos, amplamente conhecidos.

WALTER LÚCIO LOPES

wll@uol.com.br

São Paulo

Os petistas, se correrem, a Polícia Federal pega; se ficarem parados, serão denunciados pelo Ministério Público.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Sem moral

Curiosa a coluna O pior cego (25/11, A6), de Dora Kramer, em que afirma que os paulistas estão fartos da "longevidade do PT no Planalto". Acredito que os paulistas não têm moral para se cansarem disso, pois são eles que perpetuam o PSDB no governo de São Paulo. E após folgada vitória nas últimas eleições desse partido no Estado, nosso governador resolveu cortar verbas da educação. Paulistas, vamos olhar o próprio umbigo e deixar a hipocrisia de lado!

MARCOS KOSTIW

marcos.kostiw@terra.com.br

São Paulo

A pesquisa

Tanta ingenuidade beira o ridículo. O PT faz uma besteira atrás da outra, sem contar os "malfeitos", como gosta de dizer a dona Dilma, prejudica a Nação, ofende a inteligência dos brasileiros e agora, como bom samaritano, quer saber por que sua imagem está tão desgastada? Muitos foram os erros e os atos ilegais praticados ao longo do tempo, causando até o afastamento de muitas pessoas corretas do início do partido, que se decepcionaram e saltaram do barco que hoje navega por águas turvas. Não é possível enganar a população durante todo o tempo, uma pesquisa só vai acirrar mais os ânimos e provocar mais indignação contra um partido que age como se estivesse na clandestinidade, praticando uma sequência interminável de atos ilegais. Se no governo não fizessem nada, permanecendo a dormir em berço esplêndido, já seria condenável e motivo de rejeição; agora, transformar o País numa República sindicalista recheada de cumpanheros que nada entendem de administração pública é demais. Pura baboseira de quem não tem padrão de conduta e vem praticando inúmeros atos lesivos ao País.

ALVARO SALVI

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

Patética

O motivo dessa pesquisa (que imagino qualitativa) sobre a imagem do PT é um só: colher elementos para seus marqueteiros reformularem a imagem do partido com nova embalagem, já que o conteúdo foi rejeitado, mas não tem como ser mudado.

JORGE ALVES

jorgersalves@2me.com.br

Jaú

Estarrecedor!

Sou um cidadão comum, trabalhador, pai de família e até hoje, apesar de aposentado, em razão da roubalheira, continuo a ser contribuinte. Não tenho coloração política, mas sei ler e discernir. Portanto, considero a instituição política, com raras exceções, o que de pior existe. Nela estão aglutinados todos os que não valem nada, não têm respeito, dignidade, amor ao próximo e um mínimo de patriotismo. Sei que isso em relação ao Brasil é truísmo. Mas, sinceramente, após mais de 60 anos de existência, nunca pude imaginar que um dia veria algo ainda pior, mais avassalador, mais promíscuo, pernicioso, mentiroso, farsante, cínico, traiçoeiro, desagregador, desleal e com tão alto potencial destrutivo como o Partido "dos Trabalhadores". Como costuma dizer a presidenta governanta, é estarrecedor! Sei que nada é estático, tudo avança, evolui, mas nunca pude imaginar que existisse algo que pudesse transformar o que deveria ser um bem numa doença indômita. Mas, caros conterrâneos, quem já resistiu a 12 anos, mais quatro desse governo espúrio não será a pá de cal. Nós, brasileiros, estamos calcados em valores, em bases sólidas, sedimentadas em exemplos de seriedade e honradez legados por nossos ancestrais. Portanto, acredito que não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe. Um dia, se Deus quiser, nos veremos livres dessa chaga que hoje nos abate. Com crença e perseverança, chegaremos lá.

JOSE CARLOS SALIBA

fogueira2@gmail.com

São Paulo

*
NADA MUDARÁ NA ECONOMIA

Conforme Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República, Joaquim Levy, o novo ministro da Fazenda, irá “aderir à filosofia econômica do governo”. Se for assim, com certeza também chamará Dilma Rousseff de “presidenta” e ela deverá continuar dando suas “enormes, singelas e competentes contribuições à economia” do País. Investidores, corram!  

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
OS ESCOLHIDOS

Joaquim Levy para a pasta da Fazenda, Nélson Barbosa para o Planejamento e Alexandre Tombini continua no Banco Central. Agora é que vamos ver se as forças produtivas do País aceitam o time escalado. Pelo visto, como Alexandre Tombini, vão cantar sob a flauta de dona Dilma. E certamente cantarão mal, desajustando ainda mais a nossa economia. Diz o ditado popular que quem não tem cão caça com gato. No caso, observe-se, nenhum nome de efetivo destaque nacional aceitou o cargo de ministro da Fazenda, obviamente porque são homens que não estão dispostos a fazer as vontades de dona Dilma. E sabem que ela gosta de mandar.

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br 
Rio Claro

*
OS TRÊS MOSQUETEIROS DA PRESIDENTE

Se a trinca fosse, realmente, do bem, condicionaria o seu “agree” ao cancelamento do projeto do Executivo que flexibiliza, escandalosamente, a meta de superávit primário.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
TRANSIÇÃO

Os novos ministros serão nomeados agora, mas só tomarão posse em data não determinada. Enquanto isso, o ministro Guido Mantega continuará na Fazenda em caráter transitório. Quem sabe com essa convivência o sr. Mantega aprenda alguma coisa de economia?

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br
São Paulo

*
JOAQUIM LEVY

O que leva um profissional como o sr. Levy a aceitar tal nomeação para um governo corrupto e incompetente?

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br 
São Paulo 

*
SIMBOLISMO

Agora que o Titanic bateu no iceberg, convocaram um engenheiro naval para o Ministério da Fazenda. Boa sorte, ministro.

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br  
Atibaia

*
PÉS NO CHÃO, MINISTROS

Nada mais sintomática a atitude arrogante do ministro Gilberto Carvalho, alguém muito próximo da presidente, em afirmar que o futuro ministro da Fazenda deverá adaptar-se ao estilo petista de governar (sic), pois será um subalterno e, assim sendo, será apenas um cumpridor das orientações de Dilma, alguém que prometeu ser uma melhor presidente. Depois do vexame da negativa de Luiz Carlos Trabuco, qualificado profissional do mercado, que o PT dê graças por conseguir alguém competente e não tão submisso quanto Guido Mantega para tentar arrumar a casa, que está à mercê das criatividades, pedaladas e manobras incompetentes na economia, sem contar os ditos malfeitos no governo, que se multiplicam diariamente. Parece que a humildade e o realismo incomodam a brilhante cúpula governamental. Menos, senhor Carvalho.

João Batista Pazinato Neto Pazinato51@hotmail.com 
Barueri

*
A REJEIÇÃO DO PT A LEVY

Tenho pouco ou quase nenhum conhecimento de Economia e também não conheço o senhor Joaquim Levy, mas só de saber que o PT (mensaleiro e Petrolão) está contra, deve ser pessoa séria e competente. Êta medo de perder as “boquinhas”.  
 
Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
O VIOLINO DE DILMA
 
Pelo visto, a petralhada está indócil com as últimas de Dilma: começou convidando o presidente do Bradesco para a Fazenda. Recusado o convite, convocou Joaquim Levy – cognominado “mãos de tesoura”, por sua obstinação com o rigoroso controle dos gastos públicos – para o mesmo cargo. O executivo foi aluno do tucano Arminio Fraga e também atua no Bradesco. Levy disse que quer no Tesouro Eduarda La Rocque, formada pela PUC do Rio, escola-símbolo da ortodoxia macroeconômica. Referida executiva foi casada com o secretário de Política Econômica de FHC. Não bastasse, Kátia Abreu, ex-DEM, odiada pela turma do MST, é tida como nome certo para a Agricultura. A senadora, intransigente ruralista, destacou-se numa obstinada luta pela derrubada da CPMF, tributo por cuja manutenção Lula & cia. em vão se empenharam. É, deveras, tudo muito estranho o que está acontecendo neste final de ano. Confirmados os nomes indicados, Dilma estará fazendo tudo ao revés do que jurou a seus eleitores no discurso de campanha. Não por acaso, intelectuais de esquerda e representantes de movimentos sociais já estrilam pedindo em abaixo-assinado “coerência entre o discurso de campanha e práticas de governo”. Pelo jeito vão ficar falando sozinhos. Dilma, aparentemente aconselhada pelo padrinho e à vista dos baixos índices de popularidade do PT, dará uma guinada à direita na Economia. Já viu que do jeito que a banda tem tocado nos últimos quatro anos o País quebra e bye bye projeto de poder. Melhor, então, perder os anéis, (o discurso com que se elegeu), mas preservar os dedos (tirar a economia do buraco fazendo concessões de monta fora do script do populismo petista). Como dizem, governo é como violino: pega-se com a esquerda e toca-se com a direita.
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*
DIÁLOGO?

Dilma falou em diálogo logo depois da eleição. Talvez porque tenha, num momento de lucidez, visto a gravidade da situação do Brasil. Se ela realmente quisesse promover o diálogo, deveria ter convidado – pelo menos convidado – Arminio Fraga para a Fazenda. Assim a presidente mataria vários coelhos com uma só cajadada, além de demonstrar um pouco de humildade, coisa que não faz mal a ninguém.
 
Ary Braga Pacheco Filho ary.pacheco.filho@gmail.com 
Brasília

*
GOVERNO SEM RUMO

A senadora Gleisi Hoffmann alardeava no Senado pela alteração da Lei de Licitações, condenada de forma veemente pelo senador Pedro Simon. Agora vem o senador Romero Jucá querer que se modifique a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Este governo perdeu o rumo, agora ele vai de alteração em alteração fazendo o que bem entende. Quando a coisa não dá certo, muda-se a lei.

Adalberto Amaral Allegrini adalberto.allegrini@gmail.com 
Bragança Paulista

*
COMO MÉDICOS LEGISTAS

“Escrever sobre a política econômica brasileira assemelha-se cada vez mais a um trabalho de médico legista.” Essa frase, do jornalista Rolf Kuntz, no “Estadão” de 23/11, é a melhor definição que já encontrei sobre os desmandos do desgoverno Dilma (entenda-se PT). A alteração da Lei de Diretrizes Orçamentárias é o retrato do Brasil petista: se não conseguimos seguir a lei, alteremo-la, para que se adéque aos nossos crimes e que os mesmos deixem de sê-lo. E o segundo mandato ainda nem começou. Ainda vem muita bandalheira por aí. A campanha de 2018 já começou. Ou alguém duvida disso?

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com 
São Paulo

*
O PULO DO GATO

O desespero do governo petista em aprovar o projeto de mudança do coeficiente estabelecido pela LDO para o superávit esconde outro objetivo, que é o de anistiar a presidente Dilma do crime cometido, patrocinando remanejamento de verbas entre os ministérios acima do que seria permitido se o governo tivesse cumprido o superávit primário estabelecido. É o pulo do gato, mais um para registro na história das bandalheiras do nefasto partido que se intitulava o paradigma da ética.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
APOIO NO CONGRESSO

Depois do mensalão e do Petrolão, de onde será que o PT e aliados estão tirando o dinheiro para pagar o apoio de seus correligionários no Parlamento? Alguns estão fazendo milagres ao buscar argumentos que, de tão esdrúxulos, chegam a ser comprometedores, como estes em defesa do descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal ao rasgar a LDO para renomear o déficit público para superávit primário.

Ademir Valezi adevale@gmail.com 
São Paulo 

*
NOTÍCIA INDECENTE
 
O Brasil está passando por momentos difíceis – economia estagnada, rombo astronômico nas contas públicas, corrupção sem limites na Petrobrás –, como já é do conhecimento do público em geral. Diante desse quadro sombrio, somos impactados por uma notícia indecente: nossos patrióticos deputados federais já articulam aumento de salários para a próxima legislatura, que poderão passar de R$ 26.723,00 para R$ 33.761,00 mensais. Eles são abonados, ainda, com verbas de moradias e o absurdo de verba indenizatória, de R$ 41 mil, além de 14.º e 15.º salários. É de uma evidência cristalina que não é momento para sangrar mais o erário com essas pretensões absurdas, pois já são muito bem remunerados pelo que fazem. Se essa pretensão indecente for aprovada (claro que será), ainda seremos sacrificados pelo efeito-cascata, que beneficiará senadores, deputados estaduais, vereadores e ministros. Há país que possa trilhar o rumo certo, sacrificado sempre por esses abusos intermináveis?
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
O SALÁRIO DA PRESIDENTE

Dona Dilma Rousseff receberá aumento de salário. Certamente por produtividade.

Cloder Rivas Martos closir@ig.com.br
São Paulo

*
UM GUIA PARA O GOVERNO

No “Estadão” de 25/11, o editorial “Os gargalos do País” (página A3) parece uma ótima oportunidade para que Dilma Rousseff leia e tome essa leitura como base para seu “novo” governo tão prometido durante a campanha eleitoral. Que ela deixe de lado todas as diabruras e siga as instruções do Tribunal de Contas da União (TCU) num relatório, “Pacto pela boa governança: um retrato do País”, em que estão expressos os diferentes desafios a serem percorridos nas áreas da educação, saúde, previdência social, segurança pública e infraestrutura. Para esse governo que não apresentou até agora um programa de metas, é um orientador muito promissor. Leia, Dilma!
 
Leila E. Leitão
São Paulo

*
MAUS COSTUMES

Como assinante do “Estadão”, reconheço a excelência de seus articulistas. Mas, entre tantos que analisaram até aqui o governo Dilma, este artigo publicado no jornal em 26/11 de autoria do jurista Ives Gandra da Silva Martins, com o título “Um governo de maus costumes”, se supera e coloca no estrito lugar que merece esta soberba presidente, a quem inclusive faltou pudor ao afirmar antes do último pleito que poderia fazer “o diabo” para vencer uma eleição. Atrevo-me a reproduzir um trecho do artigo de Gandra Martins, que explica muito bem nas mãos de quem infelizmente se encontra o poder desta nação: “Mesmo que isso implique o profundo desconforto de dizer que a presidente Dilma Rousseff governou atolada na pequenez pouco saudável de um governo ora incompetente, ora corrupto”.  Precisa mais?!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
PELO FIM DA PROPINA E DA CORRUPÇÃO

O Tribunal de Contas da União (TCU) apontou superfaturamento de R$ 1,1 bilhão em 20 obras – ferrovias, rodovias, aeroportos e na transposição das águas do Rio São Francisco – contratadas pelas empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato (“Estadão”, 24/11). O Ministério Público e a Justiça não podem abrir mão de apurar e punir todos os superfaturamentos. É o dinheiro roubado do povo, cuja falta retarda os investimentos em escolas, hospitais, estradas e outros itens de que a população necessita para melhorar sua condição de vida. Importante também fiscalizar as concorrências e licitações realizadas pelos governos estaduais e municipais. É nessa hora que fazem falta um Poder Legislativo e uma oposição efetivamente independentes. Em vez de lutar por cargos dentro do loteamento que o governo faz para montar sua base fisiológica de sustentação, os parlamentares deveriam estar preocupados em fiscalizar o Executivo e seus órgãos. Além da apuração de todos os malfeitos, é preciso fazer uma ampla reforma política, em que cada eleito tenha condições e independência para cumprir com suas obrigações. A negociata da coalizão pós-eleitoral tem de acabar, assim como é necessária a redefinição do custeio das campanhas eleitorais e dos partidos políticos. Do jeito que está não pode continuar.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br
São Paulo

*
CONTRIBUINTES OTÁRIOS

Ao “Cartel” da Lava Jato (27/11, A11), é fácil doar zilhões a candidatos, já que se trata de dinheiro sobrante oriundo de superfaturamentos diversos. Nós, contribuintes otários, pagamos tanto as doações eleitorais quanto as corrupções em nome das empreiteiras... Em resultado, todos os brasileiros, incluindo beneficiários de Bolsas, ficam sem os seus direitos a serviços públicos decentes nas áreas de educação, saúde, segurança, saneamento básico e de infraestrutura no País.

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br 
São Paulo

*
COMUNHÃO DE BENS

O povo brasileiro investe na Petrobrás e os corruptos ficam com o lucro. Um legítimo regime de comunhão de bens.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
‘BRASILBRÁS’

Segundo relatórios do TCU feitos a partir de auditorias abertas desde 2003, o superfaturamento detectado em várias obras do governo executadas (em execução) pelo “clube vip” das empreiteiras pode alcançar, pelo menos, R$ 1 bilhão (!). A conclusão ululante é que, sob o desgoverno petista, o País foi transformado numa gigantesca Brasilbrás, em cujas tetas é mamado o leite de cada dia da bandidagem envolvida neste mega-assalto ao erário. Desse jeito, com a corrupção em metástase por todo o País, não há santo ou remédio que possa dar jeito no futuro da Nação. “Tá tudo dominado!”.

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
LUZ NO FIM DO TÚNEL

A Operação Lava Jato trouxe um fato novo: a prisão de empresários, identificados como corruptores. E a manifestação de um procurador de Contas junto ao TCU é muito importante, ou seja, as empresas citadas devem ser consideradas inidôneas e não poderão participar de licitações públicas na área municipal, estadual e federal. Finalmente, aparece uma luz no fim de um túnel que sempre foi muito escuro.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
DO PRÓPRIO BOLSO

Ao escutar o presidente do TCU dizer que as empreiteiras deveriam repactuar seus contratos, a fim de evitar que as obras públicas parem, ocorreu-me o seguinte: ao invés de apenas desconsiderar o valor superfaturado e seguir com as obras, pagando apenas o que seriam os valores reais, por que não fazer com que, partindo deste mesmo valor real das obras, as empreiteiras deixem de receber e arquem “do próprio bolso” com o equivalente ao que foi superfaturado? Nada mais justo, não?

Fabiano Rangel Pusas fabianorangelpusas@hotmail.com 
São Paulo

*
UMA PRÁTICA ESPERTA

O secretário de Fiscalização de Obras para a área de Energia do Tribunal de Contas, Rafael Jardim Cavalcanti, declarou que a estatal petrolífera realizou a maior parte das contratações entre os anos de 2011 e 2014 sem licitação pública, efetuando contratações diretas. Percebo eu que o período coincide com o do governo Dilma Rousseff e com aquele em que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) alertou os órgãos federais sobre as movimentações consideradas atípicas das pessoas físicas e jurídicas que agora estão sendo presas e processadas. Explica, ainda, o secretário Cavalcanti que a prática se apoia no disposto legal editado durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, o decreto n.º 2.745/98, que é alvo de 19 mandados de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF), contra decisões do TCU, e até hoje não houve um julgamento de mérito sobre a legalidade ou não desse mecanismo. É mais um elemento no já tumultuado caso das aquisições e contratações da Petrobrás. O citado decreto aprova o Regulamento do Procedimento Licitatório Simplificado da Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobrás previsto no art. 67 da Lei n.º 9.478, de 6 de agosto de 1997, a qual já sofreu inúmeras modificações nos últimos 12 anos.  E, ao comparar os casos de dispensa de licitação, entre a Lei n.º 8.666/93 e os textos contidos no referido regulamento, verifica-se que são bem parecidos, mas não idênticos, e seria o caso realmente de o STF resolver tal pendência, decidindo até onde um decreto editado que se supõe em princípio para agilizar as compras da Petrobrás não facilitou as maracutaias durante a atual administração federal.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
CONSULTORIAS
 
As notas fiscais emitidas pela LFSN Consultoria e pagas pela Galvão Engenharia me fizeram lembrar as “consultorias” feitas pela Projeto, de Antonio Palocci, que chegaram a lhe render R$ 20 milhões só em 2010. Delação premiada para as empresas contratantes!

Walter Tranchesi Roriz wtroriz@hotmail.com 
São Paulo

*
MAMOGRAFIA NAS TETAS DO GOVERNO

A Polícia Federal (PF) detectou em 2012 um nódulo cancerígeno na principal mama do governo, a Petrobrás, iniciado em 2003. O TCU fez uma mamografia nas outras mamas e detectou vários outros nódulos cancerígenos já enraizados por todas as mamas, e provavelmente em outras empresas estatais. E agora, o que fazer? O diagnóstico para eliminar completamente a doença é remover todas as mamas que já estão secas, sem leite e totalmente contaminadas, mas o paciente não suportará tal operação e poderá morrer. Moral da história: a corrupção nos governos é como o câncer no ser humano, se não for eliminado no início, mata o País.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente 

*
CARNIÇA

A esposa de um dos presos na Operação Lava Jato, durante visita à Polícia Federal, dirigiu-se aos jornalistas dizendo que eram urubus. Ora, quem está preso por ter roubado o erário não seria a carniça?

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br 
Monte Alto

*
RECADO

Recado para Raquel, mulher de José Ricardo Nogueira Breghirolli, um dos ladrões que assaltaram a Petrobrás e que foi preso na Operação Lava Jato: jornalistas não são um bando de urubus fracassados. Pelo contrário, é com eles que o povo brasileiro conta, na sua nobre missão de informar, para que crimes como o do seu marido venham a público. Ele, sim, um urubu fracassado que precisa roubar dinheiro público, sujar o seu nome, envergonhar a família para conseguir aparentar um sucesso que, certamente, de outra forma não teria.
 
Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro  

*
MÃOS SUJAS

A Operação Lava Jato nos deu condições de entender a foto em que Lula e Dilma, fantasiados de petroleiros, trocavam amabilidades durante a inauguração de um poço de petróleo. O sorriso de felicidade estampado no rosto deles nada mais era do que um escárnio para a população brasileira, pois eles festejavam as comissões que aquele novo poço geraria, aumentando seus ganhos. Mas a principal mensagem que aquela foto nos trouxe foi a de uma verdade, verdadeira: ali estava o retrato fidedigno de uma verdadeiro “mãos sujas”.

Ruy Telles ruytelles@hotmail.com 
Brasília

*
CANOA FURADA

O retrato atual do Brasil é um quadro que teve a pintura iniciada em 2003. Todo o lixo foi jogado debaixo do tapete. O presidente Lula e seus ministros já falavam que não existe caixa dois, e sim, no caso inicial, sobra de campanha. Teve mais um mandato e a coisa continuou. A população esperava mais. Foi em vão, pois ele sempre disse que nunca viu nada e não sabia de nada. Embarcamos de novo numa canoa furada. Mas e o caso dos Correios, do mensalão e da Petrobrás? Onde já se viu gerentes e diretores de empresas com tantos milhões em suas contas particulares? E veja que o PT era contra as privatizações. E assim continuou. Como mudar esse cenário? Como moralizar este Bolsa Família em torno de 56 milhões de pessoas beneficiadas? Isso é 25% da população brasileira. Temos hoje uma dívida pública jamais registrada na História. Tenho dó dos empresários que vão pagar esta fatura e do povo, por consequência.

José Dias Sobrinho jdiassgm@ig.com.br 
Timóteo (MG)

*
O TESOUREIRO DO PT

João Vaccari Neto deve ser mesmo uma dessas pessoas que sabem se tornar indispensáveis. Notável criador de esquemas para o financiamento do seu partido, não só se livrou da prisão no caso Bancoop, que bancou parte da campanha de Lula em 2002, como conseguiu ser nomeado para o Conselho de Administração da Itaipu Binacional – um verdadeiro mamão com açúcar. Agora as mais de 8.500 famílias prejudicadas no caso Bancoop esperam que no Petrolão a Justiça reserve ao ilustre personagem um lugar mais digno, ou seja, a cadeia.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br 
São Paulo 

*
‘DEFINIÇÃO’

Sob o título acima, o humorista Veríssimo, em sua coluna à pagina C12 do “Caderno 2” do “Estadão” de 27/11, faz graça com fato ocorrido durante o regime de exceção que governou o País após o 31 de março de 1964. Diz o colunista: “O lembrado será que houve tempos no Brasil em que a falta de escrúpulos era tanta que membros da guarda cerimonial da Presidência da República estavam assaltando postos de gasolina”. Gente: Dragões da Independência! O colunista poderia ter acrescido a seu comentário algo com menos graça, porém com muito maior propriedade: hoje, depois de mais de dez anos de governo petista, não são Dragões da Independência que assaltam postos de gasolina, são presidentes, ministros, senadores, governadores, deputados e toda uma corja de salafrários que assaltam a Petrobrás. Como dizem os italianos: “Estava melhor quando se estava pior”.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br  
Campinas

*
OPERAÇÃO LAVA JATO

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vai pedir inquérito contra políticos. Será que ainda teremos neste ano a estreia do melhor filme de suspense?
  
Robert Haller robelisa1@terra.com.br 
São Paulo 

*
O JOGO DA BOLSA

Eu gostaria de entender o jogo da Bolsa de Valores: um dia os números vão lá para baixo em razão das ações da Petrobrás (empresa que está nas páginas policiais do Brasil e dos EUA), e o dólar sobe; outro dia as ações dessa mesma empresa sobem, e a pontuação da Bolsa vai lá para cima? Não seria o caso de investigar essa especulação? Como pode uma empresa que deixa de apresentar seus balanços, envolvida nas páginas policiais, ainda ser negociada em Bolsa?
 
José Saez jsaez2007@gmail.com 
Curitiba

*
PRIVATIZAÇÃO

Engraçado quando, em determinada época, se falou em privatização da Petrobrás, vociferaram “o petróleo é nosso”. E enfim se descobriu por que, sem privatizar, dilapidaram o nosso grande patrimônio e o transformaram na Petralhabrás. Seria engraçado, se não fosse triste, pois somente alimentaram a pobreza, não o pobre.

João Luiz Piccioni piccionijl@me.com 
São Paulo

*
VITAL DO RÊGO NO TCU

Reportagem do “Estadão” (26/11, A4) diz que “senadores indicam Vital para o TCU”. Este sr., Vital do Rêgo, foi presidente da CPI do sr. Cachoeira, que não deu em nada. Agora, é o presidente de duas CPIs no Congresso, e, pelo andar da carruagem, também não vão dar em nada. Caso o Congresso aprove essa indicação, teremos de aceitar essa situação até 2033, quando o indicado irá completar 70 anos. A meu ver, este é mais um cabrito para tomar conta da horta, que terá a incumbência de varrer a sujeira dos apaniguados para debaixo do tapete. Agora, a tristeza que sentem todos os brasileiros que lutam por bons costumes na política, na profissão e em sua vida social é ver o nosso país desfigurado sendo usado por esta política rasteira do toma lá, dá cá, que há muito vem dominando o Brasil e inibe o povo de lutar contra a corrupção.
 
José da Silva jsilvame@gmail.com 
Osasco 

*
A PESQUISA DO PT

A pesquisa encomendada pelo Partido dos Trabalhadores (PT) com vista a identificar a origem e os segmentos sociais que o rejeitam parece patética, mas não é. Cuidado, no caso de ser entrevistado. Particularmente aquelas pessoas beneficiárias de algum auxílio social do tipo Bolsa Família, Loas e financiamentos por meio de bancos públicos. O governo petista parece querer patrulhar diversos segmentos que julga serem devedores de seus “favores”. É assim que os governos totalitários agem – não se conformam em ser criticados, muito menos confrontados com a realidade, e gostariam de gozar eternamente de uma hegemonia política e social. Nesse sentido, recentemente, por meio de resolução da sua direção nacional, o PT recomendou aos seus militantes (remunerados e voluntários) lutarem por essa almejada hegemonia. A pesquisa pode até parecer patética, mas guarda em seu bojo maldades substanciais. Então, mais uma vez, ficam o alerta e a sugestão: não se identifiquem, caso contrário, poderão ficar marcados, ser perseguidos e sofrer represálias de toda espécie. Não se trata de mera suposição, basta observar o que sofrem os adversários do petismo – tanto os políticos como os profissionais da imprensa que se propõem independentes.

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com 
Jacarezinho (PR)

*
IPTU MAIS CARO EM 2015

Para começarmos o ano, é sabido que o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) em São Paulo será reajustado em até 29,4%. Como poderemos arcar com esse reajuste absurdo? E os comerciantes, que geram empregos, se a situação já é difícil? Deverão demitir e encerrar as atividades. E os aposentados, miseráveis, esmagados, escorchados há 12 anos, o que farão? Esperem para ver o que Dilma causará em 2015.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
AUMENTO DISTORCIDO

O prefeito Fernando Haddad, não sei como, ganhou a causa do aumento distorcido do IPTU, em que ele supostamente decide aumentar o imposto em áreas que ele considera “de ricos”. Com este “modus operandi” do PT, Haddad promove assaltos sem critério, apenas para arrecadar, e arrecadar para o PT, não para quem paga os IPTUs mais caros de São Paulo e convive com ruas esburacadas, moradores de rua por todos os lados, assaltos, etc., como os moradores de Santa Cecilia, Pacaembu, Higienópolis, Perdizes e Pompéia. Ou seja, não se justifica aumento onde não houve melhoria alguma. É puramente arrecadar por ser mau administrador e precisar de otários financiando sua má gestão. Que se mexa a oposição agora.

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br
São Paulo

*
GESTÃO HADDAD, VITÓRIAS IMPORTANTES

Lúcida a análise feita pelo professor de Sociologia e Política Aldo Fornazieri (“Os impostos e a sociedade civilizada”, 27/11, A26) sobre as duas importantes vitórias político-financeiras do prefeito Fernando Haddad. A primeira foi a mudança do indexador da dívida do município de São Paulo com a União, que permitirá um desconto de R$ 20 bilhões do estoque dessa dívida e proporcionará o aumento de investimentos na cidade. A segunda refere-se à decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo que considerou legal a atualização da Planta Genérica de Valores (PGV) para efeito de cobrança do IPTU da cidade. Fornazieri, com muita propriedade, comenta essa decisão da Justiça. A ação da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) contra o aumento do IPTU teve claros objetivos políticos, pois a entidade moveu ações contra outras prefeituras e foi derrotada em todas. Haddad, ao encaminhar o projeto à Câmara Municipal, estava simplesmente cumprindo a lei aprovada por Gilberto Kassab, que tornou obrigatória a atualização do PGV de dois em dois anos. Caso não o fizesse, poderia responder por improbidade administrativa. O projeto enviado por Haddad atendeu ao princípio de justiça tributária, ao aumentar o número de isenções para os menos favorecidos, contemplar os imóveis menos valorizados com alíquotas menores e aumentar as alíquotas somente para os imóveis mais valorizados.
 
Paulo Sergio Fidelis Gomes sergiofidelis2@gmail.com 
São Paulo

*
ELES QUEREM SEMPRE MAIS

A mentira não tem pernas curtas, nem sequer tem pernas! O PT, de Lula, Dilma, Haddad e toda essa corja que deseja se apossar do País com seus golpes baixos, resolveu realizar aumentos generalizados, contrapondo-se ao que a “represidenta” tanto criticou nos programas de seus adversários durante a eleição. O PT de Dilma e sua trupe bolivariana espoliam a população brasileira e querem mais que o povo se lixe e passe a morrer de inanição. Só pensam em embolsar mais do nosso rico dinheirinho. Basta ver os aumentos realizados por Dilma, o aumento absurdo do IPTU de Haddad, a possível volta da Cide, o não envio de nova medida provisória (MP) para reajuste da tabela do Imposto de Renda em 2015 por meros 4,5%, quando a inflação, escamoteada, é de 6,5%, etc., etc. e tal. Essa bandalheira tem de ter um fim, caso contrário, o País vai deixar de ser uma nação para se tornar uma “danação” completa. Por falar nisso, onde está o boquirroto do Lulilnha paz e amor? 
 
Boris Becker borisbecker@uol.com.br 
São Paulo

*
MÃO NO BOLSO

Que notícia espetacular: a MP que corrigiria a tabela do Imposto de Renda caducou. A correção irrisória de 4,5% não será aplicada, salvo um grande esforço, e esta beleza de governo meterá a mão no nosso bolso. Agora bem mais fundo. Eita gente picareta.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br 
Batatais 

*
LÁ SE VAI O 13.º

Pelo visto, parte dos moradores da capital paulista terá de utilizar parte do 13.º salário para pagar o IPTU.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
‘NA LEI E NA MARRA’

Fiquei estarrecido lendo o editorial “Na lei e na marra” (27/11, A3). Congratulações. Uma crítica ao prefeito Fernando Haddad pequena, mas já é um começo.
 
Nelson Piffer Jr. pifferjr86@gmail.com 
São Paulo 

*
‘TÚNEL DO LADRÃO’

O “Túnel do Ladrão”, como é conhecida a tenebrosa passagem que liga o Mercadão da Lapa à Rua Willian Speers, na Lapa de Baixo, zona oeste, está mal iluminado e muito pichado. Batedores de carteira roubam nas proximidades do Terminal Urbano e correm para dentro desse túnel, onde até tiros acontecem.

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com 
São Paulo

*
COPA DO BRASIL 2014

Cumprimento o Atlético Mineiro pela grande e merecida conquista inédita da Copa do Brasil 2014. Numa campanha irrepreensível, o Galo eliminou Corinthians e Flamengo com goleadas por 4 a 1, de virada, e ainda venceu os dois jogos da grande final mineira contra o arquirrival Cruzeiro, atual bicampeão brasileiro. Sensacional! De lamentar apenas a burrice e o amadorismo da diretoria do Cruzeiro, que colocou bilhetes centrais a absurdos R$ 1 mil, fazendo com que mais de 20 mil lugares ficassem vazios no Mineirão, algo inaceitável.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
O FUTEBOL MINEIRO

Com o futebol brasileiro em baixa nas grandes cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e demais capitais do País, a elite da “bola” se fixou em Belo Horizonte. Prova está com o Atlético Mineiro, campeão da Copa do Brasil, e o Cruzeiro, campeão do Brasileirão, por antecipação. Salvaram-se poucos clubes no ano da “desastrada” Copa do Mundo 2014. Parabéns aos mineiros!  
 
Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br 
São Paulo

*
PAUL MCCARTNEY

Megashow de sir Paul McCartney na Allianz Park, porém inadmissível ficar 1 quilômetro na fila para poder entrar. Sou palmeirense, espero voltar para ver jogos e shows, mas que sirva de lição esse despreparo.

Jura Bergantin jurapb@hotmail.com 
Salto

*
RACISMO E VIOLÊNCIA NOS EUA

Mais uma explosão com violência nos EUA por causa da morte de um jovem negro por um policial branco. Não adianta tapar o sol com peneira. Há, sim, e muito forte, um racismo nos EUA, assim como no Brasil, só que aqui é escondido. É a falsidade propalada de que aqui não há racismo. Lá é abertamente. E como aconteceu isso? Um jovem negro com uma arma de brinquedo, sem a devida identificação, apontava e fazia ameaças num parque. O policial procedeu de acordo com as normas. O policial pediu que colocasse a arma no chão. Não o fez e apontou para o policial. O policial agiu certo. Alguém sabe o que é apontar uma arma para um policial nos EUA? É considerado ameaça, e, se o policial atira, é considerado legítima defesa. Lá, se o policial disser para alguém “pare”, você tem de parar, se não é considerado ameaça. Não é como no Brasil. Agora vejamos a reação. Quebraram, incendiaram e saquearam. Depredaram patrimônio privado. Está certo isso? Os que fizeram esse vandalismo estão preocupados com o racismo? Nem um pouco.  
Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.