Fórum dos Leitores

GESTÃO HADDAD

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2014 | 02h02

Estamos fritos

Desde que assumiu o comando da Prefeitura de São Paulo, o prefeito Fernando Haddad (PT) mostrou-se obstinado em elevar o valor do IPTU. Após tanta insistência, conseguiu seu intento: foi liberado pela Justiça para promover o aumento de 20% para imóveis residenciais e 35% para comércio e indústria. O sr. prefeito esquece-se de que a população paulistana não tem só o IPTU como compromisso. Além dele há IPVA, seguro de carro, os preços absurdos nos supermercados, etc. Diante dessa insensibilidade, somente nos resta agradecer ao operoso prefeito o belo presente de grego com que nos está brindando neste final de ano. O sacrificado e ordeiro trabalhador paulistano mais uma vez, sensibilizado, agradece.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Ideia fixa

Mais uma tentativa do prefeito Fernando Haddad de elevar o IPTU. Parece que o aumento da tributação é a ideia fixa do PT. Gostaria de lembrar ao ilustre prefeito que a tributação brasileira é a mais alta de todo o Continente Americano, igualando-se à dos países mais ricos e desenvolvidos da União Europeia.

LUIGI PETTI

luigirpetti@gmail.com

São Paulo

Obsessão

Com a aprovação do aumento do IPTU o prefeito Haddad conseguirá, finalmente, satisfazer seu desejo obsessivo de ocupar todas as ruas e avenidas de São Paulo com ciclovias e corredores exclusivos para ônibus.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Manual de conduta

Pego táxi numa rua que antes tinha quatro faixas. As duas externas eram Zona Azul e as outras duas serviam para circulação de veículos em mão dupla, ou seja, uma faixa para cada sentido. Numa das de Zona Azul havia uma placa sinalizando espaço de carga e descarga, onde os carros apanhavam os passageiros. Foi pintada uma ciclofaixa exatamente nela, com extensão de uns dez quarteirões, e não há ponto de táxi. Como devo proceder agora? O táxi pode subir na calçada? Pode parar numa guia rebaixada de qualquer garagem? Deve parar onde está - lembrando que há espaço somente para um carro, a outra faixa é contramão - e interromper todo o trânsito? Pode, rapidamente, parar no espaço das bicicletas? Ou os táxis devem aproximar-se já com as portas abertas, eu me lanço dentro deles em movimento e deixo para me ajeitar depois?

MARCIA MEIRELLES

marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

Barbaridade

O prefeito fez São Paulo virar uma "zona", como dizem - Zona Azul carí$$ima, trânsito caótico por causa de tantas faixas e ciclovias... -, não há quem aguente! Mudamos de cidade ou de prefeito? Nem bem começaram as chuvas, voltaram as inundações e, como sempre, as "obras" estão por fazer. Quase dois anos perdidos por pura incapacidade. O PT quer ficar na História por ter destruído o País e agora quer acabar com a maior cidade da América do Sul? Que barbaridade!

MARIA TERESA AMARAL

mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

Pernilongos

Em vez de se preocupar tanto com as ciclofaixas, o prefeito Haddad deveria preocupar-se é com as "aerofaixas" dos pernilongos que dominam o bairro do Alto dos Pinheiros e adjacências.

REGINA ULHÔA CINTRA

regina.cintra@yahoo.com.br

São Paulo

Ciclovias

Sou totalmente a favor de que se faça algo para melhorar o trânsito da cidade de São Paulo, mas com coerência. Vivemos num país tropical. A maioria da população trabalha muito distante de onde reside. Como pedalar de casa até o trabalho com calor escaldante, chegar ao trabalho suado e ficar assim o dia todo? Ou tem de sair de casa três horas mais cedo para chegar e tomar banho antes de começar a trabalhar? As empresas terão de fornecer chuveiros? E quem vai pagar a conta da água? São perguntas que me faço e não vejo respostas. Prefeito Fernando Haddad, vamos trabalhar com mais concretude? Vamos cuidar melhor das escolas e da saúde?

MÁRCIA ROSSI SOARES

marciarossi1@hotmail.com

São Paulo

Inutilidade

Eu e minha esposa fazemos, toda quarta e sexta-feira, um treinamento num dos salões da Prefeitura Distrital da Mooca. Até a algum tempo atrás, quando do término das aulas, recebíamos um lanchinho, bolachas, às vezes chocolates. De um tempo para cá, no entanto, foi suspensa a entrega do lanche, por motivo de economia. E agora estão distribuindo preservativos, tanto masculino como feminino. Pergunto: que utilidade tem isso para o grupo, pois o mais jovem tem 70 anos de idade? E isso não tem custo para a Prefeitura?

AGOSTINHO LOCCI

legustan@gmail.com

São Paulo

ANTIPETISMO

Piada

Esses petistas são realmente uns gozadores. Fizeram bem em investir anos e anos na arte de mentir e de representar, em último caso podem trabalhar em filmes de trapaças ou pornochanchadas, sempre sob a direção do Lula, claro. Confesso que tive uma crise hilária ao ler que estão contratando pesquisa para detectar as "regiões e o porquê" do alto índice de rejeição ao partido. Vão jogar dinheiro fora, se bem que dinheiro não é problema para eles, mas o fato é que estão apavorados porque se veem rolando esgoto abaixo a cada assalto que praticam. E como vem um em seguida ao outro, precisam tomar cuidado, de repente podem se perder e assaltar até mesmo a Bolsa Família. É claro que quem ganhou no Nordeste, em Minas Gerais e no Rio de janeiro não foi Dilma Rousseff, ou o PT, se assim preferirem, quem ganhou foi a bolsa. Não a de Valores, essa perdeu, mas todas as outras que se espalham por aí e ainda movem, mesmo em total desespero, essa força petista que aos poucos se esvai.

LEONIDAS RONCONI

ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

A rejeição

Não sei qual seria a causa exata da minha rejeição ao PT, mas seus crimes são tão evidentes... Onde estão os criminosos assassinos dos prefeitos Celso Daniel e Toninho de Campinas? Há também os ladrões do mensalão e da Petrobrás, o enriquecimento meteórico do ex e de seu filho, sem falar em outros tantos casos que virão à tona logo, logo. Será possível, num país sem lei e sem justiça, ainda acreditar que esse partido seja honesto?

WILSON MATIOTTA

loluvies@gmail.com

São Paulo

*

VOLTA AO PASSADO

Um dos maiores sucessos do governo FHC, estranhamente pouco comentado pelos economistas, foi o saneamento e fechamento dos bancos estatais, que estavam todos falidos, a concentração no governo federal da dívida pública de Estados e municípios falidos e, coroando esse trabalho, a criação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), para que os administradores públicos não repetissem os desmandos que haviam levado aqueles entes da Federação à falência. Tudo isso foi feito contra a vontade do PT, que parecia não entender a enorme vantagem dessa faxina no poder público. Tanto não entendeu que está dando enorme abertura a esses mesmos Estados e municípios para que voltem a aumentar suas dívidas e torrem esses recursos nas negociatas de sempre. O pedido da presidente para que o Congresso aceite desvirtuar a LRF, além de aceitar as pedaladas e outras mentiras na gestão de sua tesouraria, já começa a destruir o segundo dos obstáculos ao retorno do descontrole orçamentário. Agora só falta criarem em todos os Estados um banco e uma caixa econômica estaduais e terão 54 novos “ministérios”, além dos 39 já existentes, para distribuir entre os “300 picaretas”, na expressão do ex-presidente Lula, para aumentarmos a riqueza dos apaniguados e aumentar a pobreza dos que votaram no PT.

Aldo Bertolucci accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

*

ANDANDO EM CÍRCULOS

O Partido dos Trabalhadores (PT) faz o Brasil andar em círculos: no primeiro mandato de Lula, implantou medidas saneadoras na economia herdadas do governo FHC e adotou políticas ortodoxas que surtiram efeito positivo em nossos fundamentos macroeconômicos. Passados alguns anos do viés "mercadista", Lula decidiu apostar num modelo mais afinado com a linha ideológica do seu partido. A coisa funcionou por um tempo – muito mais por motivos alheios à nossa conjuntura do que propriamente por mérito das escolhas dos "desenvolvimentistas" liderados por Guido Mantega e Dilma Rousseff –, mas, depois, tudo fez água e acabou resultando num quadro de estagflação – variação nula do PIB e inflação muito acima da meta. Agora, mais do que comprovada a falência do modelo de crescimento amparado apenas no estímulo ao consumo e na desenfreada e ineficiente gastança pública, os petistas clamam pelo socorro dos ortodoxos e chamam Joaquim Levy para a Fazenda. A indicação não é sinal de que Dilma se convenceu do fracasso de seu primeiro mandato e resolveu adotar uma trajetória corretiva, mas sim de que, sem perspectivas de reeleição, a "presidenta" já não é mais a principal figura da República a apontar os rumos do País. Quem está de volta a esse papel é Lula, que indicou Levy e sonha com o conserto dos estragos de Dilma para que possa disputar a presidência em 2018 com boas chances de vitória. Caso seja exitoso no plano (algo extremamente difícil pois Levy é competente mas não é mágico: precisará de total autonomia para trabalhar em meio a uma conjuntura severamente adversa para o Brasil), o dono do PT, novamente empossado, provavelmente voltaria a colocar em ação o modelo econômico petista. Na hipótese altamente provável de renovação do fiasco, a solução que viria mais tarde seria muito simples: voltar a cair nos braços dos ortodoxos. E o Brasil seguiria assim, andando em círculos, nessa eterna mediocridade. Mas para os petistas isso não importa – desde que sejam eles os ocupantes do Palácio do Planalto.

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

FOTO

Puxa vida! Primeira vez que não vejo foto de Dilminha no primeiro caderno do jornal. Ela não aparece com a nova equipe econômica, nem na foto de capa nem na foto da página A4. Por que será? Medo do "social"? Ou, quem sabe, dor por ter dado o braço a torcer?

Edméa Ramos da Silva paulameia@terra.com.br

Santos

*

COITADO DO MANTEGA!

 

Investida no cargo de presidente, Dilma Rousseff decidiu que acumularia também a função de “ministra” da Fazenda e, assim, no cargo pelo qual Guido Mantega formalmente respondia, Dilma sempre foi a ministra de fato. Não tinha competência para tanto, e assim o provam seus monumentais equívocos. Errou em insistir no consumo, em detrimento da produção. Errou em intervir na livre flutuação do real, desvalorizando o dólar, desestimulando exportações e levando a balança comercial ao vermelho. Errou nas políticas para a indústria, que só faz reduzir sua participação no PIB.  Errou em recriar – embora informalmente – a famigerada conta movimento, misturando os dinheiros de instituições como o Tesouro e o BNDES. Errou ao promover verdadeira esbórnia de gastos públicos, em descompasso com a arrecadação. Errou em interferir nos contratos. Errou em sangrar estatais como Petrobrás e Eletrobrás para segurar a inflação à custa dos cofres das estatais. Errou em dar pitaco na política monetária do Banco Central, baixando juros a marteladas. Errou nas previsões de “pibões”, que viraram "pibinhos". Errou na contabilidade "criativa". E por aí foi...  Mantega, que a tudo assistiu sem dar um pio, a rigor, nada mais foi, na Fazenda, do que um tarefeiro do desgoverno do PT, sempre fiel às ordens da chefia. Dilma, ao ver o desastre iminente, não teve dúvidas: imolou Mantega no altar dos sacrifícios petistas, mantendo-o, precariamente, à testa da Fazenda, até a chegada do economista Joaquim Levy, cognominado “mãos de tesoura”, ex-secretário do Tesouro, aquele que, supostamente, terá autonomia (que Mantega não teve) para fazer tudo ao revés do que está aí. Como bom tarefeiro do partido, Mantega assumirá, agora, também, o desgaste pelo anúncio de medidas para a restrição do acesso ao seguro-desemprego e abono salarial, não se esquecendo de, antes de apagar as luzes, majorar a Cide (tributo sobre os combustíveis). Se há alguém que melhor defina a expressão “bode expiatório”, esse, decerto, é o ministro da Fazenda Guido Mantega, o homem que levará a “culpa” histórica pelo desastre fiscal e econômico da primeira administração Dilma Rousseff. Ninguém merece.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com   

São Paulo

*

CARAS DE PAU

 

Os petistas deviam agradecer ao sr. Joaquim Levy por aceitar a herança maldita do Ministério da Fazenda, que vai ter de arrumar. Mas não. Vemos o sr. Gilberto Carvalho (PT), ministro de dona Dilma Rousseff, querendo levar vantagem dando a entender que o sr. Joaquim Levy é que entrou para o governo Dilma, como se esta fosse a política econômica dela. É por isso que precisam de pesquisas para entender a rejeição ao PT.

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

GOVERNO DILMA

Já foi dito que o ser humano passa metade da vida arruinando a saúde e a outra metade tentando consertá-la. Parece haver semelhança com o governo Dilma. No primeiro caso, os resultados não costumam ser satisfatórios.

Waldemar Kogos  waldemarkogos@globo.com

São Paulo

*

TRANSIÇÃO SEM RUÍDOS?

A presidente disse aos novos ministros: “Evitem ruídos e divergências com a equipe atual”. Neste período de transição ninguém pode divergir em voz alta. As paredes têm ouvidos. O mercado tem de acreditar nos novos ministros. Por isso eles falaram tão baixo na entrevista de apresentação? Por isso eles levaram os discursos no papel? Por isso os atuais ministros não compareceram? Para que transição? Afinal, a presidente não é a mesma? Em cargos técnicos desta envergadura exige-se condução imediata dos trabalhos a serem executados, portanto os antigos ministros já deveriam ter sido desligados dos cargos. Um ministro que ficou tanto tempo no cargo, mesmo que queira, não ficará à vontade na mesma cadeira do sucessor. Espero que a cadeira não quebre com o peso da responsabilidade.

José Martin jlmartin@estadao.com.br

São Paulo

*

A COTA DO CIDADÃO

Chega a ser patético o noticiário em torno dos novos ministros da presidente Dilma. Políticos tratam do assunto como se estivessem escalando times de futebol para disputar uma "pelada", ou, então, escolhendo pizza na lanchonete. É um verdadeiro deboche com a população, que deveria e merecia ser a mais ouvida e beneficiada com as escolhas.  Os jornais informam que determinado ministro precisa ser mantido, porque pertence "a cota do vice-presidente Michel Temer". A televisão revela que o fulano será escolhido porque  é exigência do partido tal. Colunistas garantem que beltrano vai permanecer no cargo porque o partido dele tem bancada forte. A mídia também faz especulações em torno de políticos derrotados nas urnas, mas que poderão ser agraciados. Motivo: pertencem á base do governo ou são amigos do peito do Palácio do Planalto. Coitadinhos, não podem ficar na chuva. Ou seja, quem tem padrinho forte não morre pagão. Por fim, permanecem duas perguntas, dentro deste presidencialismo safado e viciado: quando, finalmente, anunciarão ministros que trabalharão para solucionar os  imensos problemas que afligem os brasileiros? Ou, então, quando os ministérios passarão a ser escolhidos e conhecidos como legitimas cotas do cidadão?

  

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

RESPONSABILIDADE FISCAL DOMÉSTICA

 

Tendo prometido que pagaria 10% dos juros de nossas dívidas este ano, reuni a base aliada (minha família) e comuniquei não fazê-lo porque gastei muito com coisas inúteis, e nada sobrou. Simples assim. Só que a decisão afetará exclusivamente minha família, diferentemente da sra. Dilma Rousseff, que tomou igual decisão por 200 milhões de brasileiros, e endossada pela famosa "base aliada" congressual, grupelho irresponsável, mais conhecido pela alcunha "destrói Brasil".  

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

A CONSTITUIÇÃO ESTÁ VALENDO?

Agora é um momento para avaliarmos o Congresso Nacional, quando estão tratando de assunto extremamente importante: criar uma manobra “legal” que salve a presidente Dilma de cometer crime de responsabilidade fiscal. Ela, irresponsavelmente, gastou mais do que a lei permite. Todo o governo de Dilma foi eivado de infrações com as quais ela nunca se importou. Significa que, para essa arrogante presidente da República, a Constituição é cumprida quando lhe convém. Do alto de sua soberba, não teme as consequências. E o que faz nosso Congresso, que na maioria vive à custa das benesses da presidente? Continua, em sua maioria, rastejando por essas benesses, sob a tentativa de liderança do senador Renan Calheiros. O debate público das diversas questões é legítimo e legítima é a defesa de assuntos “duvidosos”, o que não é o caso em tela da presidente Dilma, que praticou o crime sabendo que iria fazê-lo e contando com que seus “vassalos” no Congresso criariam uma forma de salvá-la da lei, burlando a Constituição. Estão tentando e, se não conseguirem, a presidente poderá não ser empossada em 1.º de janeiro. Daí o esforço de Renan Calheiros e seus colegas em salvá-la. Daí também o esforço da oposição em não permitir que a presidente trate a Constituição como lixo, desnecessária, que não pode se opor a ela e ao PT. Só que essa Constituição já existia antes de a presidente começar a praticar o crime de responsabilidade fiscal.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

LRF – VOTAÇÃO

Na "lojinha de R$ 1,99" do Congresso, a "mercadoria" da Dilma "encalhou"...

A.Fernandes standball@hotmail.com

São Paulo

*

CAOS MENTAL

Discute-se no Congresso a aprovação de uma lei que não poderá modificar o efeito de uma lei em vigor retroativamente. E se emperra a votação porque não se receberam compensações pela votação com aprovação. São o cinismo, a desfaçatez e a avidez cegando uma mínima percepção de princípios.

 

Harald Hellmuth hhellmuth7@gmail.com

São Paulo

*

FALTA DIÁLOGO

Após dizer que estava aberta ao diálogo, nossa presidente pena para se fazer entender pelos partidos de coalizão na composição do futuro ministério. O PT critica o perfil da equipe econômica, mais afinado com os rumos de correção da economia defendidos  pelo PSDB durante a campanha. Já o PMDB não aceitou Kátia Abreu em sua cota no fatiamento dos ministérios. Cid Gomes será nomeado ministro? Falta diálogo ainda para convencimento de recalcitrantes. Enquanto isso, nossa presidente dialoga com a presidente de banco espanhol. Será que a conversa flui melhor com visitantes de fora?

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 

Indaiatuba

*

PINGUELLI E DILMA

 

Em 2001, no governo FHC, devido à escassez de chuva, aconteceu o apagão elétrico no Nordeste e no Sudeste. Em 2002, o professor Luiz Pinguelli Rosa, na época da transição FHC/Lula, em Brasília, no Centro de Treinamento do Banco do Brasil, foi o coordenador do grupo que elaborou as metas do setor de minas e energia e seria o virtual ministro de Minas e Energia. Às vésperas da posse de Lula, apareceu por lá Dilma Rousseff, secretária de Minas e Energia no governo gaúcho de Olívio Dutra, onde não houve apagão. Lula ficou encantado (sem saber que no Sul chovera em abundância), Dilma se tornou ministra de Minas e Energia e, como prêmio de consolação, dr. Pinguelli foi nomeado presidente da Eletrobrás. Como ser subalterno de Dilma é engolir cobras e lagartos, Luiz Pinguelli em pouco tempo se demitiu. Foi assim que o professor da UFRJ, doutor em Física com mestrado em Energia Nuclear foi descartado e Dilma Rousseff se tornou a estrela inseparável de Lula.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES)

*

LEILÃO DE TRANSMISSÃO

Oportuno e adequado o alerta contido no artigo de Claudio Sales e Eduardo Monteiro, intitulado “O fracasso do leilão de transmissão” (28/11, B2).

Paulo Godoy, presidente da Alupar  alberto@original123.com.br

São Paulo

*

ROUBALHEIRA CORPORATIVA

É terrível o legado desta era petista. Quando não é o investigado em atos de corrupção um ministro, outros aparecem como diretores de estatais indicados por petistas e aliados com o objetivo profícuo de desviar recursos milionários dos contribuintes, com a estrita cumplicidade das empreiteiras fornecedoras do governo por meio do superfaturamento das obras. Como exemplo, os envolvidos na Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), que lesaram supostos R$ 10 bilhões da Petrobrás. E talvez até por problemas genéticos, familiares de ministros também compõe essa ampla corja de corruptos. Como do irmão do ex-ministro das Cidades Mario Negromonte, Adarico Negromonte, que está preso no Paraná, envolvido na Operação Lava Lato. E, agora, dois irmãos do ministro da Agricultura, Neri Geller, que são suspeitos de participar em fraudes sobre venda de lotes de terras já distribuídas na reforma agrária num total de R$ 1 bilhão, e estão sendo procurados pela Polícia Federal, já com ordem de prisão, em Mato Grosso.  E ainda de triste memória, este na época do mensalão, tem o caso do assessor do deputado José Guimarães (este irmão de José Genoino), hoje líder do PT na Câmara, que transportava R$ 200 mil e mais US$ 100 mil na própria cueca. E ai daqueles que não participam, ou não permitem participar, dessas maracutaias! Lembrando que nós sabemos muito bem o que aconteceu com os ex-prefeitos de Santo André, Celso Daniel, e de Campinas, Toninho, ambos do PT.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O JUIZ, LULA E DILMA

A única pessoa habilitada em fornecer atestado de idoneidade a Lula e Dilma é o magistrado dr. Sergio Moro. Não será muito fácil, pois ambos agiram por omissão ou comissão, e a atual presidente, além de ministra de Minas e Energia e da Casa Civil, ocupou também à presidência do conselho da Petrobrás, sendo seu tutor o autor das nomeações das diretorias diretamente envolvidas. Ambos devem estar muito preocupados – ou teriam de estar –, pois de uma forma ou de outra o ilícito penal existe. Nem sendo vitoriosos no último pleito as comemorações de fim de ano da dupla não estão fáceis nem despreocupadas. Com o saber jurídico do magistrado e as provas consistentes, com certeza o rigor da lei prevalecerá.

Iracema M. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande

*

DILMA NA PETROBRÁS

Dilma, quem era a presidente do Conselho da Petrobrás quando aconteceu a corrupção?

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

VASSOURAS

Vassoura por vassoura, a do juiz Moro reduz a do Jânio a mera escovinha...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

VAGA NO STF

Será que dona Dilma, paladina anticorrupção, pensou no dr. Sérgio Moro para o vago lugar do Supremo Tribunal Federal (STF)?

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br

São Paulo

*

INVESTIGAÇÃO NOS EUA

Pelo andar da carruagem, vai ser humilhante para o povo brasileiro ver Dilma e sua corte no Petrolão julgados e condenados na corte de Nova York por violação do Foreign Corrupt Practices Act, enquanto por aqui Rodrigo Janot continua sentado em cima do caso, analisando as delações premiadas, e o STF de Lewandowski, Toffoli e companhia se preparam para inocentar todos.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

‘PARA SEMPRE’

Investigação sobre Petrobrás deverá mudar o PT "para sempre",

dizemos nós.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

MAIS UM ABACAXI

Pois é, quando o pré-sal foi descoberto (governo Geisel), nada fizeram, pois sabiam que não seria viável. Depois de quase 50 anos, Lula, na sua genialidade, tomou a ideia para si, como muitas outras, e investiu milhões, inclusive captou investimentos estrangeiros e fez o costumeiro estardalhaço sobre sua realização, como sempre. Hoje com o barril de petróleo a US$ 70,00 e os produtores mundiais não reduzindo a produção, sabendo que o preço mínimo para o pré-sal ser viável seria de US$ 100,00 o barril, eis mais "um abacaxi"  a ser descascado por nós. Mais uma obra genial do PT!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

AS OBRAS NÃO PODEM PARAR

Quando começaram as notícias da Operação Lava Jato, perguntava-se sobre os projetos em andamento. Governo e políticos diziam que, mesmo com problemas, não havia o risco de “parar o Brasil”. No entanto, o exemplo de Charqueadas (RS), onde 1 mil perdem o emprego e outros 5 mil indiretos ficam sem o que fazer numa contratada da Petrobrás, diz o contrario. O governo não pode ignorar que, se contratou as obras, é porque são necessárias e que, por isso, nelas já investiu elevadas somas. Portanto, não devem parar. As irregularidades têm de ser sanadas, os culpados, exemplarmente punidos, mas há que se proteger o interesse público, o erário e o mercado de trabalho. Outro ponto é a possibilidade de pelo menos parte dos empresários presos, conseguir provar ter sido vítima de extorsão, obrigados a pagar a propina às quadrilhas incrustadas no poder para só assim ter acesso aos contratos e, principalmente, para receber as faturas do trabalho honestamente realizado. A essa altura, em todos os lugares onde existam contratos do governo, há a possibilidade de irregularidade e da paralisação de obras. Um grande problema que o governo, o Congresso Nacional e a Justiça precisam resolver. Como no princípio da biologia, é imperioso expulsar os vermes, mas há de se ter todo cuidado para o remédio forte não matar também o paciente...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

                                                                                                    

*

A NOVA DIRETORIA

Dona Graça Foster, presidente da Petrobrás, cria uma diretoria na estatal com que objetivo exatamente? Ah, sim, vigiar os contratos assinados pelas demais  diretorias. O que falta a essa senhora para reconhecer sua incomPTência e pedir demissão desse alto cargo?

 

Eliana Pace pacecon@uol.com.br

São Paulo

*

PRIVATIZAÇÃO

Parcela da sociedade ainda é levada pela falácia de que a privatização é maléfica ao País. Se a Petrobrás fosse uma companhia privada, não existiria a roubalheira que está exposta, pelo simples fato de que ninguém espolia tanto a si mesmo.

Carlos Fernando Braga cafebraga@yahoo.com.br

São Paulo

*

O ARGUMENTO DO MINISTRO DA JUSTIÇA

Sobre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ter dito que a corrupção é cultural no Brasil, me veio à lembrança o bordão daquela personagem do Chico Anísio: “Sou... mas quem não é?”.

A argumentações é no mínimo lamentável, principalmente vinda de alguém que  “está” no cargo de ministro.

Cesar Werneck Achoa achoa@terra.com.br

São Paulo

*

INACEITÁVEL

Medíocre a declaração do ministro Cardoso de que a corrupção é cultural no Brasil, tentando colocar todos os brasileiros no mesmo nível moral dos corruptos do seu partido. Gostaria de deixar bem claro a este infeliz aprendiz de jurista que no meu círculo de convivência, desde a infância, somos criados para estudar e trabalhar honestamente, e não admito que um reles como ele tente me misturar a estes vermes que lesam o patrimônio público.

Fernando Fenerich ffenerich@gmail.com

São Paulo

*

JULGAMENTO

Caro ministro José Eduardo Cardozo, por favor, não julgue os outros por si mesmo.

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com

São Paulo

*

LADEIRA ABAIXO

Atualmente, qual a diferença entre a antiga OGX, de Eike Batista, e a Petrobrás deles?

Moises Goldstein moisesgoldstein1@gmail.com

São Paulo

*

EMPRESÁRIO EXEMPLAR

Já imaginaram se os empresários brasileiros tivessem seguido os conselhos de Lula e Dilma em ter Eike Batista como exemplo a ser seguido? Para abrigá-los convenientemente, as empreiteiras teriam a oportunidade de desviar bilhões na construção de uma monumental rede de penitenciárias, que certamente seriam incluídas nas obras do PAC.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

AUMENTO DO IPTU EM SÃO PAULO

Já que diante do aumento abusivo de 25% do IPTU implantado pelo prefeito Fernando Haddad do PT em São Paulo só nos resta “relaxar e gozar”, fica uma pergunta pertinente. Este aumento ficará na subprefeitura dos bairros para melhoria dos mesmos ou será desviado aos bairros cuja população o prefeito precisa agradar para se reeleger daqui a dois anos? As ruas estão piores do que estradinha de terra de quinta categoria e o asfalto há anos não é raspado, trocado. Em pouco tempo, ficará intransitável. As redes de esgoto, constantemente entupidas, bastando uma chuvinha para parar todo o trânsito. Pintar faixas em cima de ondulações vem trazendo inúmeros acidentes aos pedestres e ciclistas. Como os aposentados conseguirão pagar esse IPTU, se o governo federal só tem diminuído seu beneficio? O prefeito Fernando Haddad não foi eleito apenas para uma população, mas para toda a cidade de São Paulo. Este é o verdadeiro desmonte da cidade dita de Primeiro Mundo, transformando-a em terceiro. O PT sempre quis nos nivelar por baixo.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

I(PT)UZÃO

Em vez de enxugar a máquina pública para reduzir seus altíssimos custos, o PT inchou a estrutura da Prefeitura de São Paulo com o aparelhamento de inúmeros cargos e secretarias ocupados pelos seus apadrinhados. Como não há almoço grátis, quem vai ter de pagar a salgada conta é, como sempre, a população, que recolhe pesados tributos municipais de toda ordem sem ter, em contrapartida, serviços públicos à altura das promessas de campanha. Paulistanos, preparem os bolsos! A sanha arrecadatória do prefeito de turno acaba de anunciar, em alto e bom som: vem aí o I(PT)Uzão de 2015. $alve-se quem puder!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

E O ABATIMENTO DA DÍVIDA?

Sr. Haddad, não precisa mais aumentar o IPTU. O sr. foi presenteado pela incompetente “presidenta” com um abatimento da dívida do município de R$ 62 bilhões para R$ 36 bilhões. Assim. V. Sra., para os dois últimos anos de seu governo, se Deus quiser, terá uma sobra de caixa de R$ 5 bilhões, quantia que dará para pintar São Paulo inteira de vermelho e implantar corredores de ônibus à vontade – as únicas obras que o sr. sabe fazer.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

DEVERAS PREOCUPANTE

A notícia é de que o prefeito Fernando Haddad permitiu a construção de 3.500 moradias em parte de terreno localizado em área de manancial, às margens da Represa de Guarapiranga e ocupado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). O líder do movimento, o filosofo Boulos, que promoveu a invasão daquela área e pleiteia a ocupação de toda ela, e não dos 30% ora autorizados, ainda critica o prefeito afirmando que o diálogo com ele é muito ruim e que até agora não foi garantida uma única moradia para os sem-teto. Entretanto, o que o prefeito e referido líder não estão levando em conta são as graves alterações climáticas da cidade. As alterações do clima são decorrentes de dois fatores preponderantes: a extrema edificação da cidade e o asfaltamento de nossas vias, que impedem a absorção da chuva pelo solo, aliada ao desmedido desmatamento de nossa cobertura arbórea. Outro fator que vem sendo discutido pelos cientistas há bastante tempo é o desmatamento da Floresta Amazônica, já que a evaporação das suas árvores é a responsável pelas chuvas que ocorrem em nossa região. Assim, mais do que preconiza a vã filosofia, a cidade tem de reverter o desmatamento em nossa cidade, e não continuar derrubando o que ainda resta da Mata Atlântica para a construção de novas unidades habitacionais, sem o planejamento cuidadoso das suas consequências. É lógico que aqueles que não têm onde morar devem ser assistidos pela administração pública, mas jamais derrubando árvores e invadindo área de manancial e proteção ambiental. Também é lícito indagar ao prefeito se já existe um entendimento da Prefeitura com a Sabesp para o destino do esgoto gerado pelas novas moradias, ou a ideia é poluir ainda mais a Represa do Guarapiranga? Com certeza, um correto planejamento da engenharia municipal determinaria as áreas onde as novas moradias poderiam ser edificadas, sem agredir ainda mais o já precário meio ambiente da cidade. Essa visão do meio ambiente pelo prefeito é deveras preocupante.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

A BOA SÃO PAULO

Domingo (23/11/2014) estive no Parque Villa-Lobos para prestigiar o Festival Gastronômico "Sabor de São Paulo", promovido pela Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo, e acabei entrando em conflito. A rica variedade de pratos e de gostosuras, aliada ao preço honesto, foi digna de causar confusão mental na hora de escolher o que experimentar. Passei horas no parque, comendo, bebendo e curtindo boa música. O dia foi tão espetacular que até a chuva apareceu para coroar. São Paulo, a velha terra da garoa e cidade memorável da boa gastronomia!

Felippe Tribuzzi tribuzzi.felippe@gmail.com

São Paulo

*

PLANOS DE SAÚDE

Médicos avaliam soluções para o sistema particular (23/11, A30 e A31), de interesse dos planos de saúde. A Sécurité Sociale, o SUS francês, que lá funciona, oferece apartamentos para dois pacientes em seus hospitais públicos totalmente grátis para seus segurados, e ainda há apartamentos individuais em hospitais e clínicas privadas mediante algum co-pagamento. Quando contamos a um francês as quantias pagas a nossos planos de saúde, ele custa a acreditar na informação – por lhe parecer desmesurada. O Hospital das Clínicas, o de Campo Limpo e o Emilio Ribas oferecem apartamentos para dois pacientes. O Hospital do Servidor Público de São Paulo oferece enfermarias para quatro pacientes. Nesse quadro, a sugestão apresentada pelos autores de enfermaria para seis pacientes ou mais parece-me mais para africana, e certamente não inclui desconto nas elevadas mensalidades. Por “coincidência”, grande empresário do setor de planos de saúde pleiteia a mesma “comodidade” aos seus associados. Ora, a opção de internação em apartamento individual é eletiva e regiamente paga aos planos de saúde brasileiros, e nem sempre é respeitada; em situações de emergência, o plano também não é cumprido. Por exemplo, conheço uma pessoa, muito lucrativa para o seu plano de saúde, que pagou um total elevadíssimo, de mais de R$ 500 mil por essa opção por cerca de 20 anos, na faixa dos melhores hospitais paulistanos, e, quando precisou ser internada em uma UTI coronariana, na única vez em que utilizou o plano, o seu plano de saúde a colocou em hospital de faixa bem inferior alegando ausência de vaga... Aliás, tal pessoa faleceu em sua casa, sem mais incomodar o plano. Ou seja, agora, precisamos de livros de interesse dos usuários de planos de saúde, incluindo exemplos internacionais de interesse do cliente, urgentemente, para a proteção do brasileiro – já que não temos oferta de saúde de qualidade para todos.

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

FUTEBOL MINEIRO

Atlético Mineiro, Campeão da Copa do Brasil 2014, e Cruzeiro, Campeão Brasileiro 2014, festejam juntos essas duas grandes conquistas esportivas. Relembrando o saudoso jornalista esportivo Armando Nogueira: “O futebol foi o divertimento do século 20 e também será no século 21”. 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

DIÁLOGO COM O ESTADO ISLÂMICO

1) Aplaudido no Parlamento Europeu, disse o papa Francisco sobre os extremistas do Estado Islâmico: "Talvez não se possa ter um diálogo com eles, mas não podemos nunca fechar a porta; é difícil, mas a porta deve estar sempre aberta". A fala de Francisco repercutiu como a de um defensor da paz e da diplomacia e, ainda, como uma crítica da ação militar e intervencionista dos EUA. 2) Antes de abrir a Assembleia-Geral das Nações Unidas, disse a presidente Dilma Rousseff sobre os extremistas do Estado Islâmico: "O Brasil sempre vai acreditar que a melhor forma é o diálogo, o acordo diplomático e a intermediação da ONU". A fala de Dilma repercutiu como a de um ignorante e comunista, que critica de modo vazio a ação militar e intervencionista dos EUA. Enfim, dois pesos e duas medidas.

Wellington Martins am.wellington@hotmail.com

Bauru

*

PAZ NO ORIENTE MÉDIO

Um acordo nuclear com o Irã  é tão verossímil  quanto os contos da "Mil e Uma Noites". Algo que agrade os dois lados dadas as exigências de cada lado chega às raias do inimaginável. Israelenses e sauditas estão de olho nessas negociações pois sabem o perigo que representa para a paz naquela região, a capacidade dos aiatolás de fabricar um artefato nuclear. O regime iraniano é beligerante em relação ao ocidente e o grande pesadelo de Barack Obama  é deixar o governo e dar condições aos aiatolás de fabricar uma bomba atômica que poderia antecipar o Armageddon ou num Apocalipse, de João. A discussão desse acordo improvável está sob a responsabilidade do grupo P5+1 (China, França, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Rússia, mais a Alemanha).A habilidade do presidente do Irã, Rouhani de negociar um acordo nuclear esbarra na inflexibilidade do líder religioso aiatolá Khamenei que é intransigente quando deseja para o Irã a capacidade de enriquecimento de urânio que lhe dará condições de fabricar ogivas nucleares de longo alcance. Nem Ciro ou Xerxes concentraram tanto ódio aos gregos quanto o Irã contra Israel e Estados Unidos. O P5+1 terá que se inspirar em Leônidas e seus trezentos espartanos para conter essa moderna Pérsia.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.