Fórum dos Leitores

CELSO DANIEL

O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2014 | 02h05

Julgamento anulado

O STF, julgando recurso da defesa do empresário Sérgio Gomes da Silva, anulou o processo do assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel (PT), em janeiro de 2012. O julgamento será refeito com novo interrogatório dos acusados. Se o STF anulou o processo a partir do depoimento dos réus, é porque achou que os autos têm elementos processuais de provas para incluir mais alguém (o verdadeiro mandante) na ação penal, o que foi omitido, propositadamente ou por falha processual. O verdadeiro mandante do crime não será o indiciado e admitido pela sentença a quo e, como tal, acusado pelo Ministério Público, o empresário Sérgio Gomes da Silva, fundamento do recurso provido. Sua defesa recursal está em, na fase da instrução processual criminal, ter sido negada oportunidade ao advogado de defesa de fazer perguntas aos outros acusados, uma vez que a jurisprudência da própria Corte tem decidido por esse direito. O verdadeiro mandante, que será apurado na nova fase de instrução criminal processual, deve pôr sua barba de molho, porque vai receber chumbo político grosso!

ANTONIO BRANDILEONE

abrandileone@uol.com.br

Assis

Terror

Se fosse o script de um filme de terror, não teria tantas nuances como o caso da morte de Celso Daniel. Depois de dois anos dormindo em berço esplêndido na gaveta do ministro Ricardo Lewandowski, "forças estranhas" decidem fazer o processo retornar à primeira instância, anulando o que incriminava o Sombra, tido como mandante do crime, alegando erros dúbios, como falta de ouvir testemunhas, etc. Isso depois de Marcos Valério ter denunciado o repasse de R$ 6 milhões a Enivaldo Quadrado, que chantageava Lulla pela morte do amigo. Depois que oito testemunhas inocentes foram assassinadas, quem ousará sentar-se em qualquer banco neste caso, mesmo testemunha da defesa, como alega o STF ter faltado no julgamento? Teria sido medo, conivência ou amizade o que fez o ministro Lewandowski esquecer o processo, próximo de prescrever? Aguardemos os próximos capítulos desse filme de terror!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Decepcionante

Não só para o andreense, mas certamente para todo brasileiro, é extremamente decepcionante aceitar (para não dizer engolir) a ação promovida pelos "nobres" membros do nosso STF na questão do julgamento do sr. Sérgio Sombra, retrocedendo à estaca zero todo o processo do assassinato do nosso grande prefeito Celso Daniel. É evidente para qualquer cidadão com um mínimo de censo crítico e lógico que se trata de mais uma ação de blindagem, pelo aparelhado Estado brasileiro, de seus governantes e aliados. Assim tem sido e será enquanto a pretensa democracia bolivariana imperar "neste país". É a raposa tomando conta das uvas, literalmente.

JOÃO MANOEL JODAS

joao.jodas@terra.com.br

Santo André

Outra Comissão da Verdade

Será que não dá para o governo atual criar uma nova Comissão Nacional da Verdade com o intuito de investigar o que realmente aconteceu na morte de Celso Daniel? Tal necessidade é motivada pela atitude da 1.ª Turma do STF, tomada depois de 12 anos do fato ocorrido, anulando o processo contra o acusado pelo Ministério Público Estadual, vulgo Sérgio Sombra, que na época era assessor direto do prefeito Celso Daniel. A nova comissão deverá agir nos mesmos moldes e com a mesma severidade da que foi encerrada esta semana e tratou do regime militar. Quem sabe assim teremos a realidade esclarecida e a finalização desse escabroso caso, para conhecimento geral da população brasileira, bem como para a satisfação e o efetivo esclarecimento da militância petista.

ANTÔNIO CARELLI FILHO

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

À espera

Estou esperando a conclusão do caso Celso Daniel. Tenho 63 anos e com a anulação do julgamento tenho a impressão de que não verei o final do julgamento. Mas continuo à espera. Também estou esperando a sra. presidente Dilma vir a público para defender o diálogo com a turma do Taleban que cometeu a barbárie de assassinar mais de uma centena de estudantes no Paquistão.

JORGE EDUARDO NUDEL

jorgenudel@hotmail.com

São Paulo

Mazelas lulopetistas

O PT trafega em estrada perigosa e acidentada, que vai da Petrobrás e seus escândalos à anulação pelo STF do processo que trata da morte de Celso Daniel - que, aliás, juntamente com Toninho de Campinas, é o grande pesadelo da agremiação. Certo é que muita coisa ainda vai brotar, engrossando mais o rol de "malfeitos" cometidos pelos lulopetistas em nome do poder que desejam manter a todo custo. Se muita coisa nova vai surgir com a decisão do STF, na Petrobrás a demissão da direção e de Graça Foster vai expor novas mazelas na petroleira, possibilitando que a Polícia Federal e o Poder Judiciário cheguem bem aos pés de Lula e de Dilma Rousseff. Daí que 2015 será ano de muitas novidades e explosões políticas, incluída a eventualidade de impeachment da presidente reeleita.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Deu a lógica

Estava na cara que esse negócio de arrecadar dinheiro de forma ilegal para abastecer os cofres dos partidos políticos não daria certo. Aí resolveram roubar mais e destinar boa parte da grana aos próprios bolsos. Saiu do controle e deu nisso a que estamos assistindo. Pelo jeito, a morte de Celso Daniel foi por esse motivo: enquanto roubavam para o partido, o.k., quando passaram a encher os próprios bolsos, pimba! Outra coisa que não ia dar certo ocorreu na Petrobrás e logo vi que seria assim quando a sra. Graça Foster exibiu a tatuagem no braço. Estaria a serviço do partido, e não da Petrobrás, como ficou evidenciado com seus antecessores desde 2003.

SÉRGIO BARBOSA

sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de feliz Natal e próspero ano-novo de Banco Mundial, Centro Ruth Cardoso, CIEE 50 Anos Estagiários e Aprendizes, Christina Florez e equipe Namoska Comunicação, Delegação da União Europeia no Brasil, Emanuel Angelo Nascimento, Enza LM Esculturas, Escritório Paulista de Eventos, Fabio Figueiredo, Gustavo Guimarães da Veiga, InformaMidia, Ingrid e Alexandru Solomon, Instituto Millenium, Juliana Braga Machado, Luiz Carlos de Oliveira - Ralcoh Comunicação, Myrian Macedo, Uriel Villas Boas e Virginia Andrade Bock Sion.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CASO CELSO DANIEL

Indignação é o que sentimos ao ouvir num noticiário de TV que o Supremo Tribunal Federal (STF), na figura dos ministros Dias Toffoli e Marco Aurélio Mello, votou pelo deferimento do habeas corpus em favor de Sergio Sombra, alegando que ficam anulados todos os atos processuais da ação penal que corre na comarca de Taboão da Serra, em que Sombra é acusado de ser o mandante do crime que culminou com a morte do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel, em janeiro de 2002. Sombra foi denunciado em 2003 e somente em 2010 foi levado a júri popular. Seu advogado alegou cerceamento de defesa na ocasião e recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas teve seus pedidos negados por aquelas cortes. Então recorreu ao STF, que acabou por dar a liminar. Como pode haver entendimentos tão distintos nessas instâncias, e por que tanta demora para julgar um habeas corpus, depois de praticamente 13 anos do crime? Com essa liminar dada pelo STF, fica provado que o Brasil é o país da impunidade.

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com 
Porto Feliz 

*
DE VOLTA A 1998

Quatro anos após liderar a equipe que concebeu o Plano Real - que pôs fim à trajetória inflacionária brasileira que por tanto tempo penalizou a vida dos mais pobres -, o governo Fernando Henrique Cardoso passou por maus bocados no contexto da eclosão da crise financeira russa de 1998. Naquele momento, a economia brasileira ainda padecia de forte vulnerabilidade diante de chacoalhadas externas, condição que só passaria a ser mais atenuada durante o segundo mandato de FHC, com a execução do tripé macroeconômico - o estabelecimento de metas fiscais, de inflação e do câmbio flutuante. Decorridos 12 anos de governo petista, onde estamos? Particularmente, me sinto de volta a 1998. A nova crise russa que ora se avoluma, diante das sanções econômicas ao regime de Vladimir Putin pelo Ocidente e da queda livre dos preços do petróleo, vem desnudando a pequenez da economia daquele país e, aparentemente, pode mais uma vez arrastar o Brasil para o olho do furacão. E por que estamos assim? É por causa da suposta "crise internacional" tão alardeada pelos petistas? Negativo. Nosso péssimo momento se deve preponderantemente a escolhas dos governos do PT (algumas apenas intelectualmente erradas, outras moralmente asquerosas) nos últimos oito anos, a partir do fim do primeiro mandato de Lula. Foram essas escolhas que levaram, por exemplo, a Petrobrás a esta situação vexaminosa - que pode inclusive resultar no rebaixamento da nota de crédito da petroleira e do Brasil, levando à perda do grau de investimento pelo País -, ao quadro de descalabro fiscal e ao gigantesco déficit externo. Isso tudo, junto, tem forte potencial para provocar uma forte fuga de capitais e fazer o dólar disparar de vez ante o real, agravando a escalada inflacionária. Some-se isso a incompetência petista para estimular investimentos em infraestrutura e melhorar a qualidade da educação e chega-se à fórmula ideal para condenar o País - talvez não à falência, mas à não menos grave perpetuação da mediocridade. Esse é o legado que, infelizmente, acabou sendo premiado nas urnas em outubro, com a apertada vitória de Dilma Rousseff, a amiga mais fiel de Graça Foster, que, por sua vez, sabia de tudo o que se passava na Petrobrás desde antes da Operação Lava Jato, segundo Venina Fonseca. Sim, de certa forma, voltamos ao cenário de 1998, acompanhados de um agravante: a Petrobrás reduzida à poeira. 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br  
Pindamonhangaba

*
PETROBRÁS E OGX

Uma das declarações famosas de Eike Batista (quando ainda ouvido) é que ele queria fazer de sua empresa petrolífera, a OGX, uma "mini-Petrobrás". O pico do valor de mercado da OGX, em 15/10/2010, era de US$ 45,3 bilhões, ou R$ 74,74 bilhões (ação a R$ 23,27, dólar comercial a R$ 1,65). O resto é história, e a ação da OGX hoje vale centavos. Pois bem. No pregão de 15/12/2014 da Bolsa de São Paulo, o valor da Petrobrás caiu para R$ 114,8 bilhões, apenas uma vez e meia o valor da OGX em seu auge, meros quatro anos atrás. Perguntas: seria hoje a Petrobrás uma maxi-OGX? Será que o modelo de partilha do pré-sal, num mundo de preços do petróleo em queda, é o melhor caminho? Será que privatização seria um palavrão tão feio assim, a esta altura do campeonato? São coisas para a presidente Dilma Rousseff pensar, a fim de adotar uma solução que a faria entrar para a História (lembremos que só Nixon poderia ter ido à China - talvez só o Partido dos Trabalhadores possa adotar essa medida).
 
Luiz Augusto Módolo de Paula luaump@yahoo.com.br  
São Paulo

*
DERROCADA

Qual a diferença entre a OGX e a Petrobrás? Quem vira pó primeiro?

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br  
São Paulo

*
A HISTÓRIA SE REPETE

Mantendo esta sequência de baixas fortes, as ações da Petrobrás chegarão ao nível do Grupo X, do ex-bilionário Eike Batista. 

Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br 
São Paulo 

*
MADRINHAS

Com as ações da Petrobrás chegando ao fundo, as novas plataformas de prospecção já vêm sendo chamadas de "Dilma", "Graça"...

A.Fernandes standyball@hotmail.com  
São Paulo

*
ORDINÁRIAS

Com a cotação da Petrobrás (PETR4) a R$ 9,18, o governo conseguiu transformar em ordinárias todas as ações da Petrobrás.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com  
São Paulo

*
VIRANDO PÓ

A petroleira nunca quis negociar com o Grupo X - leia-se Eike Batista -, sob o pretexto de que seus gestores não acreditavam em sonhos, tampouco na credibilidade do empresário. Quando o império X começou a desmoronar, a administração da Petrobrás chegou a ser elogiada e, até certo ponto, reconhecida a qualidade da "administração petista" ali instalada. Mas, para estarrecimento - expressão que a presidente petista gosta de empregar - da população brasileira, ao menor questionamento do "aparelhamento" da estatal, manipulação de contratos em benefício de um cartel de empresas, funcionários, lobistas e doleiros, além de o governo usá-la como instrumento de sua desastrada política econômica, seus alicerces financeiros e administrativos balançaram e estão caminhando senão para o cadafalso, certamente para um período de turbulências. O valor de suas ações também está definhando, e com isso a dívida da Petrobrás já supera o seu valor de mercado. Só não sucumbe por ter o Tesouro do Estado brasileiro a avalizar e garantir os desfalques do seu cofre. A insensibilidade da presidente petista e sua falta de discernimento, talvez por se achar responsável pelos desmandos administrativos na petroleira - já que a manteve sob sua supervisão e controle nos últimos 12 anos, quer como ministra, como chefe da Casa Civil e como presidente. O império formado pelas subsidiárias que compõem a Petrobrás, assim como o Grupo X com suas empresas, que se transformaram em castelo de areia e sonhos, também pode esfarelar-se - basta que suas ações continuem a cair e se transformem em mico nas mãos de seus acionistas.
 
Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com  
Jacarezinho (PR)

*
CAIU A FICHA

Passados mais de quatro anos, só agora realmente entendi o que Lula quis dizer quando falou que o pré-sal era um bilhete premiado. Mal podíamos imaginar que os ganhadores do grande prêmio fossem o PT e os ratos que o circundam.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com   
São Paulo

*
RESPONSABILIDADE PRESIDENCIAL

"Em 12 anos de governo petista, nenhuma autoridade governamental esteve mais estreitamente ligada à Petrobrás do que Dilma Rousseff", lemos no editorial de terça-feira (página A3). Em 12 anos de governo do Propinoduto Total (PT), também nunca tínhamos visto a madama chorar, mostrando mais uma faceta de sua personalidade embromadora, que chorou certo pela causa errada. Descontadas as versões indulgentes sobre o comportamento da presidente, o que sobra é a realidade incontestável de que Dilma Rousseff é culpada de todo o caos instalado na empresa e, como tal, junto com sua protegida Graça Foster e mais todo o resto de bandoleiros que compõem o seu partido e a base alugada, deve sentar no banco dos réus e ser julgada pelo crime inafiançável de lesa-Pátria.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br   
São Paulo

*
ESCÂNDALOS EM MOTO-PERPÉTUO
 
Marcos Valério, o provedor do mensalão, denunciou Lula sobre um repasse de R$ 7 milhões da Portugal Telecom para o PT, com intermediação do então ministro José Dirceu. Como era esperado e seguindo o regimento de ética do PT que manda "mentir sempre, negar por costume", disse que jamais tratou desse assunto nas reuniões. Os abalos ainda estão no ponto 2 da escala Richter, mas o desmoronamento está a caminho. Sim, porque não há nada que resista de pé a uma horda que invadiu Brasília em moldes que invejariam unos e mongóis. Uma vergonha jamais concebida aconteceu na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Para minimizar as perdas das ações da Petrobrás, sua negociação foi suspensa por 15 minutos para evitar maior vexame. Os escândalos se produzem num moto-perpétuo, enquanto a impunidade campeia num país aparelhado. A Petrobrás chegou a esse ponto graças (sem trocadilho) a Lula, Sérgio Gabrielli, Dilma e Maria da Graça Foster.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com    
Vassouras (RJ)

*
PRONATEC

Com as recentes denúncias da ex-gerente da diretoria de Abastecimento da Petrobrás Venina Velosa da Fonseca, de que Graça Foster tinha sido avisada das irregularidades na petroleira, tornou-se insustentável a permanência desta na presidência da estatal. Sugiro que ela saia e faça um curso no Pronatec de Dilma Rousseff.

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com 
Itapeva

*
ESCÂNDALO NA PETROBRÁS

Acabou a Graça.
 
Léo Coutinho leo.coutinho@uol.com.br 
São Paulo

*
CÚMPLICES

Graça: "Estou aqui enquanto contar com a confiança da presidente".  Na verdade, o correto teria sido dizer: "Estou aqui enquanto contar com a conivência da presidente". São cúmplices.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 
Rio de Janeiro   

*
ATÉ 1.º DE JANEIRO

O que a presidente Dilma está esperando para tomar a atitude de mandar a sra. Graça Foster para a rua, junto com toda a sua diretoria? É uma incógnita por que não o fez ainda. Algo de muito sério essas pessoas devem saber para que até a posse do segundo mandato ninguém seja demitido.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br
São Paulo

*
EM BUSCA DE CREDIBILIDADE

Presidente Dilma, fale sério, acabe com a Graça.

Filippo Pardini filippo@pardini.net 
São Paulo

*
OU SAI OU SAI

A presidente da Petrobrás, Graça Foster, repete a desculpa padrão número um dos escândalos petistas: não sabia de nada. Em outras palavras, ela estava (ou deveria estar) vendo as compras superfaturadas e nunca se perguntou se não haveria alguma coisa errada. Se era assim, deveria ser afastada por incompetência. Se ela tem alguma coisa que ver com os escândalos, então deveria ser afastada por corrupção. Ou sai ou sai.
 
Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br 
Pouso Alegre (MG)

*
LEMBRETE

Para Graça e Dilma, um pequeno e singelo lembrete: Lupicínio Rodrigues cantou "E a vergonha é a herança maior que meu pai me deixou". Os que herdaram esse sentimento e estão em vossas posições, renunciam de imediato! Deixam o lugar para outros que talvez não envergonhem a si e a seu país.

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br 
São Paulo

*
TRAMA

Deu no que deu. Se até dona Dilma precisou se submeter a uma "paginação" para ser apresentada convenientemente aos eleitores, por que dona Maria da Graça não quis trocar nem os óculos? Desconfio de uma trama diabólica, urdida pelo marqueteiro João Santana. Se for constatado o seu envolvimento nos "malfeitos" da Petrobrás, ela corre para a clínica do Pitangui, se submete a uma plástica, foge para Cuba e se candidata a miss Havana.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
UMA CADEIRA NO CONSELHÃO

Quando FHC foi acusado pelo PT de querer privatizar a Petrobrás, ele, filho de general, mas sem afeto ou respeito pelos militares, sabedor, entretanto, do afeto e respeito que lhes tem a população, abriu espaço no Conselho de Administração para um general. Era a garantia que nem o PT ousou recusar. Desde então, uma cadeira do conselhão é ocupada por um general, embora o atual seja um militar desprezível, rejeitado pelos companheiros. Se querem mesmo consertar a Petrobrás, façam como se fez no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit): entreguem-na ao atual comandante do Exército, engenheiro formado e pós-graduado pelo IME. É homem da estirpe do marechal Levy, de Geisel e de Osíres.

Paulo Mello Santos policarpo681@yahoo.com.br 
Salvador

*
ONDE ESTÃO OS SINDICATOS?

Na época das vacas gordas, sindicalistas queriam greve por ainda melhores condições de trabalho para os petroleiros e diziam defender a Petrobrás (o pré-sal é nosso, etc.). Agora, que a empresa está afundando na lama petista, os sindicalistas somem. Cadê esse bando para protestar contra o banditismo petista na mais importante empresa do País? Por que não pedem a saída da quadrilha que está destruindo a Petrobrás? Ou os sindicalistas fazem parte da quadrilha também?
 
André Coutinho arcouti@uol.com.br 
Campinas 

*
'BRIBERY SWAP'

Não são poucos os que dizem - defendendo o Partido dos Trabalhadores - que a sigla de Lula não inventou a corrupção; que esse mal sempre esteve por aí desde os tempos das caravelas. Deveras, com tal assertiva todos haveremos de concordar. Corrupção sempre existiu em todos os lugares. Todavia, para sermos rigorosamente justos, jamais poderemos menosprezar a contribuição da referida agremiação para os assuntos do gênero.  Sejamos honestos - se é que a palavra cabe neste contexto -, o PT aperfeiçoou muito os "métodos" até há pouco utilizados no ramo da corrupção. Começou com os "dólares na cueca" - coisa de que nunca tínhamos ouvido falar -, episódio que emergiu no âmbito de um outro caso inovador de corrupção, conhecido como "mensalão", vocábulo hoje devidamente incorporado ao léxico pátrio. O mensalão consistiu na compra, com a utilização de engenhoso método, de parlamentares em dinheiro vivo, em troca de favores ao Poder Executivo. Partindo do pressuposto de que muitos deles são venais, recentemente, a presidenta oficializou a compra de deputados por decreto, e a preço certo, no episódio da flexibilização da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) no Congresso. Nova contribuição! Outras compras são feitas, de forma legal, também no varejo: compraram a UNE, as centrais sindicais, o MST, ONGs, etc. Igualmente compraram empresários, com o BNDES e - na outra ponta - os despossuídos do Bolsa Família. Nada disso é visto mais como corrupção no Brasil petralha. As obras feitas em outros países, com a tarja "top secret", que contam com financiamento do BNDES, tudo leva a crer, são outra inovação. Uma modalidade interessante desenvolvida por gente do PT são as "consultorias", capaz de enriquecer em pouco tempo o "consultor", como vimos no caso Palocci. Há, ainda, as "palestras" promovidas em outros países por integrantes do partido, como Lula e José Dirceu - todas regiamente pagas por empreiteiras envolvidas no atual caso da Petrobrás. O PT, enfim, logrou dar verniz de legitimidade - para não dizer legalidade - a procedimentos claramente malcheirosos. Mas a criatividade dessa gente é inesgotável. Mais e mais surgem novas "modalidades" no gênero. Nem bem fomos apresentados ao "clube" de empreiteiras e a forma de "campeonato" com que elas se cartelizavam, revezando-se entre si na pilhagem da Petrobrás (como num torneio), somos, agora, brindados com a novíssima história da "troca de propinas" entre Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobrás, e o notório João Vaccari Neto, tesoureiro do PT. Surge, assim, o "bribery swap", ou a "troca de propina", a derradeira "contribuição" da sigla de Lula às páginas da corrupção no País. Como visto, estão sendo muito injustos subestimando o PT. E depois alguns despeitados dizem que o Brasil está lá na rabeira no "ranking" da inovação. Sabem de nada, inocentes!
 
Silvio Natal  silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*
O LADO BOM NA PETROLEIRA

Segundo Michael Ross, autor do livro "The Oil Curse" ("A Maldição do Petróleo", sem tradução para o português), a queda do preço do petróleo para US$ 60,00 pode ser boa para a democracia. Explica que os preços altos foram acompanhados pela ascensão de movimentos antidemocráticos, a exemplo, entre outros mencionados, da Venezuela de Hugo Chávez. Já imaginaram o que estaria acontecendo agora, no Brasil, se o preço do petróleo continuasse alto e os poços do pré-sal fossem plenamente explorados? Por este ângulo, há um lado bom na crise da Petrobrás: estamos afastando a possibilidade da compra, pelos petralhas, do apoio popular com petrorreais.
 
Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com  
Ribeirão Preto

*
PARECE PIADA

O País afundado na corrupção galopante e institucionalizada, destruidora da Petrobrás e do orgulho brasileiro, e a nossa "presidenta" Dilma sanciona a Lei n.º 13.050/2014, que institui o Dia Nacional do Macarrão, a ser celebrado em todo o território nacional, anualmente, no dia 25 de outubro. Só pode ser uma piada. 
 
Ataliba Monteiro de Moraes Filho ataliba@outlook.com 
Marília

*
PAÍS DO FATURO
 
O Brasil, para sair da UTI moral em que se encontra, precisa de mais brasileiros corajosos como Joaquim Barbosa, Sérgio Moro, Venina Fonseca e Rodrigo Janot. Além destes, precisamos que entre os 40 ladrões surjam alguns desses larápios que pensem no futuro do País e apontem pelo menos dois Ali Babás que mentem que "não sabiam de nada".
  
Roberto Hungria  rosohu@bol.com.br 
Itapetininga 

*
PETROLÃO

Sobre Dilma, sem comentários, mas Lula, onde anda? Será que tem opinião sobre o petrolão? Pelo visto, está curtindo o seu triplex no Guarujá, com elevador privativo e serviços sendo finalizados pela empreiteira OAS, uma daquelas com probleminhas com o juiz Sergio Moro (10/12, A2). Já imaginaram se o petrolão ocorresse no Japão? O país ficaria sem executivos, tanto os privados como os públicos, "no caso Petrobrás", pois o suicídio seria em massa. Mas aqui contratamos a cúpula dos advogados para a defesa dessa porcariada toda.

Itamar Carlos Trevisani bia.trevisani@terra.com.br 
Jaboticabal

*
O PARTIDO DOS TRANQUILOS 

O PT não tem como ficar incomodado com os escândalos da Petrobrás e os outros que vão aparecer por aí - é o Partido dos Tranquilos, ou Trambiqueiros. Ora, basta eles acabarem com os cargos de tesoureiro e presidente do partido, aí nenhum mais integrante será preso. Zé Dirceu, por sua vez, não pode mais ser condenado, será considerado crime continuado. E aqueles generosos contribuintes petistas para pagamento de multas, desta vez, nada terão de pagar, porque o valor é impagável. Lula, então, em seu triplex na Praia das Astúrias, descansando, tomando sua cervejinha, agora que não vai saber de nada mesmo. Ele nem mais se lembra das mãos sujas de petróleo quando prometeu um futuro brilhante para a Petrobrás. Nós, brasileiros, é que teremos de ficar vivos para daqui a uns 30 ou 40 anos termos uma Comissão Nacional da Verdade para saber quem era o chefe dos ladrões. Eu pelo menos já sei, posso morrer tranquilo! 

José Rubens Macedo Soares joserubens@federmacedoadv.com.br 
São Paulo

*
ENRIQUECIMENTO

Nunca antes um partido "promoveu" tanto seus filiados, a ponto de um "simples" metalúrgico ter um triplex na praia. Foram pequenas prestações pagas para a "empreiteira" construtora?

José Luiz Tedesco tedescoporto@hotmail.com 
Presidente Epitácio 

*
NA CORRIDA POR 2018

A presidente Dilma Rousseff ainda não tomou posse, oficialmente, de seu segundo mandato, mas o ex-presidente Lula já inicia seu trabalho para se candidatar ao Planalto em 2018. A legislação brasileira proíbe, apenas, que uma pessoa concorra pela terceira consecutiva a qualquer cargo do Poder Executivo. O caso de Lula, por exemplo, demonstra certa fragilidade da democracia brasileira. Acredito que o princípio elementar do sistema democrático é a alternância de poder, algo que muitos têm defendido ao longo do tempo e, por isso, propõem o fim da reeleição. Até aí, tudo bem, mas acho que precisamos avançar ainda mais nas propostas. Quando um partido político, aliás qualquer partido e não só o PT, ficam muito tempo no poder e, por conseguinte, se acha dono do Estado, criamos um problema sério: o aparelhamento das instituições. Não sou contra partidos e pessoas, mas acho que tudo tem um ciclo, e nesse sentido o lulopetismo tem de acabar o quanto antes. Ele tem direito de disputar uma nova eleição presidencial, mas há uma linha tênue que separa o justo do certo.

Willian Martins martins.willian1@uol.com.br 
Guararema 

*
TÍTULO INDEVIDO?

Lamentável o sr. Lula, ex-presidente de triste memória, entender que o título de corruptos aos dirigentes petistas seja indevido e não lhes caiba. Vale lembrar que, desde o início de sua gestão, como ocorreu nos Correios, outras centenas de situações comprovadas de corrupção, imposturas e esquemas escabrosos de desvios de dinheiro vieram e vêm à tona quase que diariamente. O mensalão não foi um ato escabroso? O petrolão, que afundou a Petrobrás, como pode ser classificado? Não estamos falando de incomPeTência, que é outra marca, mas, sim, de imoralidades, em que o País e a dignidade dos dirigentes foram jogados ao nível mais baixo da história desta triste nação aviltada pelo seus comandantes. Não vale a manobra esperta em dizer que nunca se apurou tanto. A realidade exige que os tais "malfeitos", como batizaram as falcatruas recorrentes, sejam efetivamente apurados e defenestrados do poder os seus autores. Ouvir do ministro da Justiça dizer que "há fortes indícios de corrupção na Petrobrás", depois de tudo o que apareceu e ainda virá, certamente é uma situação no mínimo estranha. Portanto, senhores petistas, calcem as sandálias da humildade, dedetizem a casa e comecem de novo, pois ainda há inocentes ou simplórios que podem em vocês acreditar.  
            
João Batista Pazinato Neto pazinato51@hotmail.com
Barueri

*
ANIVERSÁRIO SEM COMEMORAÇÃO

Perto de assumir seu segundo mandato e diante de tantos escândalos que norteiam sua gestão, não é estranho que a presidente Dilma Rousseff não tenha comemorado seu aniversário no dia 14/12, como fazia todos os anos? Vai ver o preço por ter feito "o diabo" para se reeleger seja de hoje em diante "impagável". Pensa que apenas o demo cobra retorno? A incompetência também faz seus estragos, que um dia vêm à tona! Tudo na vida tem seu preço, que, consequentemente, gera cobrança. Isso é atávico!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
LAMA

Enquete: o vergonhoso rastilho da queda de pedras do dominó humano conspurcado pela lama da alta corrupção chegará ate a um ex-presidente e a todo seu séquito de filhotes de concreto sem luz no topo? Não? Então parem o trem, e que desçam os íntegros, pois o Brasil vai acabar num poço telúrico de chumbo derretido. Esqueceram o passado?

Klaus Reider vemakla@hotmail.com 
Guarujá 

*
O DINHEIRO QUE VOLTA

Segundo o Ministério da Justiça, o Brasil recuperou ínfimo 1% do dinheiro público desviado em corrupção no País. De um total de US$ 3 bilhões desviados, apenas US$ 40 milhões foram devolvidos aos cofres públicos, ou seja, praticamente nada. Os processos se arrastam por cerca de 20 anos nos escaninhos da Justiça brasileira, que é inoperante, lenta, formalista, burocrática e ineficiente. Ela é uma verdadeira mãe para os corruptos e criminosos do colarinho branco que sangram os cofres públicos do País em bilhões de dólares, na maior impunidade. É um triste retrato do nosso subdesenvolvimento e atraso. Enquanto isso, em países desenvolvidos da Europa, EUA e Japão, a Justiça é rápida, ágil, eficiente e a lei vale para todos, o oposto do que acontece no Brasil. 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
AINDA O MISTÉRIO NAS URNAS

Pai nosso que estás no céu, não aguento mais. Os políticos corruptos envolvidos na Operação Lava Jato, não conhecidos ainda, aproveitaram seus últimos momentos com muito dinheiro no bolso para votar e aprovar o Projeto de Lei 36/2014, sem ninguém nas galerias (que medo). No ano 2000, participei de uma reunião do PT em Santos (SP), com a presença dos senhores José Genoino e Aloizio Mercadante. Um técnico em informática de Brasília (DF), convidado e consultado, contou que havia um jeitinho de fazer alterações no sistema das urnas eletrônicas. Quem me conhece sabe que eu não minto. Desde lá o PT não perdeu nenhuma eleição. Consta que nas cidades pequenas da Bahia e outras, no dia da votação, carros de som circulavam e telões exibiam as "obras" do governo federal (?), mentirosas, com direito a lanches, refrigerantes e ônibus para aqueles eleitores simples e sem noção de suas responsabilidades. A internet foi cortada. Cabe ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não apagar os resultados das urnas. É uma ordem de um eleitor idoso, que nunca deixou de votar. Agora, o presidente da Controladoria-Geral da União (CGU), ameaçado como o nosso Joaquim Barbosa, pediu demissão e poderá dar muitas informações para a nossa gloriosa corporação da Polícia Federal sobre as roubalheiras nas nossas autarquias, etc. Vamos mudar os votos eletrônicos por urnas de papel, já que nenhum país confia nesse sistema, exceto os velhinhos e seus companheiros.

José Maria Gonçalves josemagoncalves@ig.com.br 
Santos
 
*
COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE

Dilma Rousseff está seguindo o mesmo caminho da Venezuela. Ficou com medo da reação dos militares, depois da apresentação do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), e começou a passar a mão na cabeça deles. Logo vai dar um bom aumento de salário e tudo vai ficar bem. Enquanto isso, os prejudicados vão começar a preparar os pedidos de indenizações ao Estado

Wagner Monteiro wagnermon@ig.com.br 
São Paulo 

*
CONTRADIÇÃO

Depois de denegrirem os militares, que lutaram pela nossa democracia, agora a "presidenta" está elogiando as Forças Armadas. É o famoso bate e assopra. Qual será a posição dos comandantes das Forças Armadas?

João Ricardo Silveira Jaluks joaosilver45@gmail.com
São Paulo

*
PASSAR A LIMPO É PRECISO

Ou passamos a limpo os crimes cometidos pelos dois lados do período do regime militar, e não apenas de um, pois houve uma guerra, sim, ou então esse passado ficará nos assombrando, dividindo o País e fantasmagoricamente impedindo a democracia brasileira de funcionar adequadamente. Não pode haver "uma verdade" fundamentada em dois pesos e duas medidas; há apenas a verdade. É dela que precisamos para apaziguar esta nação. O chileno José Miguel Vivanco, diretor-executivo da divisão Américas da ONG Human Rights Watch, foi claro ao dizer que o Brasil está atrasado e precisa de coragem para julgar os acusados, de ambos os lados, de crimes durante a ditadura militar (1964-1985). Diz ainda que foi um erro o relatório da Comissão da Verdade. "Não pode haver dois pesos e duas medidas. Se houve abusos cometidos por grupos armados irregulares, isso deve constar de um informe dessa natureza. E também haveria servido para mostrar a magnitude dos abusos cometidos pelo Estado e a magnitude dos abusos dos grupos armados". Repetindo o jornalista Reinaldo Azevedo e o diretor executivo da Human Rights Watch, direitos humanos não têm marca ideológica. 
 
Eliana França Leme efleme@terra.com.br 
São Paulo

*
O QUE FALTA MOSTRAR

A melhor maneira de mentir é dizer só a meia verdade. Ela mascara o outro lado de forma ardilosa, engana melhor, fica mais convincente, atinge sempre os mais incautos, os mal informados. A Comissão Nacional da Verdade é um bom exemplo de meia verdade. Anistia só um lado; o lado dos terroristas. Tentam difamar as Forças Armadas brasileiras da época do governo militar, que por sinal era muito mais democrata que o atual. Tanto os cidadãos quanto as empresas, urbanas e rurais, tinham mais liberdade do que atualmente. Quem não tinha essa liberdade eram os terroristas. Por que não completam essas meias verdades, mostrando o que os terroristas da época faziam, como torturas, raptos, assassinatos, assaltos, etc.? E aonde queriam chegar? A uma verdadeira tirania comunista, a exemplo do que ainda resta em Cuba e na Coreia do Norte? Por que não mostram as polpudas indenizações e aposentadorias pagas aos antigos terroristas e as medíocres contrapartidas pagas às vítimas dos mesmos? 
  
Wilson Vicente fazwilsonvicente@hotmail.com 
Ribeirão Preto

*
CONTANDO A HISTÓRIA

Quando a sociedade vai aceitar a opção da Comissão da Verdade, que, ao relatar os abusos cometidos pelo Estado durante a ditadura, optou por contar uma história que foi calada, modificada, escondida e deturpada por aqueles que tinham o poder? Os que perderam jamais puderam contar sua História, por isso essa verdade incomoda tanto.

Maria Isis M. M. de Barros misismb@hotmail.com 
Santa Rita do Passa Quatro

*
MEIA VERDADE

Os resultados ofertados pela CNV apresentam apenas recalques eivados de inverdades históricas. Vencidos querendo mudar a história e deixando de reconhecer os crimes covardes praticados pelos derrotados. 

Joao Paulo Garcia jotapege88@yahoo.com.br 
São Paulo

*
'A QUESTÃO MILITAR'

Sobre o artigo de Denis Lerrer Rosenfield ("A questão militar", 15/12, A2), quem apanha sempre vai lembrar. Agora, quem bate vai sempre militar pela impunidade ou pior, pelo esquecimento.

Alexandre Brito alexandre.cavalheiro.britto@gmail.com.br 
São Paulo

*
LANTERNINHA

Semana passada, o sr. Luiz Inácio afirmou: "Durante o período da ditadura, eu era vigiado até no cinema". Meu caro ex-presidente, seguramente o senhor equivocou-se. Três décadas atrás, pouco mais, na época dos piquetes e da criação do PT, os cinemas ofereciam um funcionário uniformizado para acompanhar os frequentadores. O saudoso e conhecido "lanterninha", que, munido de uma lanterna ou farolete, indicava o acento ao usuário. Portanto, calma!

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br  
São Paulo

*
PIB NEGATIVO

Há meses havíamos comentado que, pela maneira como é dirigido e administrado o País e com o governo incapaz, inerte e sem nenhum empenho em tomar uma atitude sequer em tentar fazer algo para reverter a situação caótica em que mergulhamos, a estimativa do PIB vem sendo reduzida mês a mês. Ou seja, até o fim do ano há probabilidade de negativar. Basta ver que, pela prévia de outubro, já consideram crescimento zero. E para novembro e dezembro, como será?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
CAIXEIRO-VIAJANTE
 
Conforme revelou a matéria "Itamaraty terá novo 'vendedor do Brasil'" ("Estadão", 15/12), o ex-presidente Lula afirmou que o ministro das Relações Exteriores precisa retomar a política de "vender o Brasil", da mesma forma como ele e seu chanceler Celso Amorim o fizeram. O que poderá fazer o novo "vendedor", se Lula já vendeu o Brasil há muito tempo?
 
Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net
São Paulo

*
TERCEIRIZAÇÃO

"Terceirização no setor público" (16/12, B2). Ninguém poria em dúvida a lógica e a conveniência do emprego de mão de obra temporária, acessória ou especializada de terceiros, em qualquer atividade. Por outro lado, quando atividades profissionais em todos os níveis, de auxiliares de produção a gerentes de departamentos, passam a ser sistematicamente contratadas por firmas menores, com reduzido potencial econômico-financeiro, com o intuito de permanência na atividade fim das entidades produtivas originais, é necessário que as autoridades da Justiça do Trabalho continuem a dispor de prerrogativas legais para rechaçar essas manobras, cuja finalidade é precarizar o direito de parte ou da maioria desses empregados. Empresa nenhuma contrataria através de terceiros os empregados exigidos por sua atividade central se não estivesse intencionalmente querendo livrar-se de encargos normais trabalhistas.

Ademir Valezi adevale@gmail.com 
São Paulo 

*
APROXIMAÇÃO DIPLOMÁTICA HISTÓRICA

Barack Obama e Raúl Castro anunciaram no dia 17 de dezembro a aproximação diplomática entre Estados Unidos e Cuba, pondo um fim aos 53 anos de embargo comercial americano contra seu vizinho comunista. Embora os dois países tenham profundas diferenças em questões de soberania e direitos humanos, é um avanço e tanto para encontrar soluções para esses problemas. Parabéns ao papa Francisco e ao Canadá, que tiveram papel preponderante nessa aproximação histórica, embora Barack Obama agora deva suportar o fogo cruzado dos republicanos em seu país.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*
EUA X CUBA
 
Após tantas notícias que nos entristecem e nos indignam, pelo menos esta é auspiciosa. Os Estados Unidos e Cuba começam a trabalhar pela melhoria das relações entre os dois países. Tomara que essas negociações avancem, pois significam um grande passo para um ambiente melhor nas relações dos países caribenhos e sul-americanos. 
  
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
O FIM DO FORO 

Quero ver Lula e Maduro morrerem de ciúmes com Cuba flertando com os EUA. É o fim do Foro...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br
São Paulo

*
'ME ENGANA, MAS NEM TANTO'

"O Porto de Mariel, em Cuba, foi justamente construído em virtude da reaproximação dos EUA e Cuba." Me engana que eu gosto, mas aí já será demais. Não me venham com essa!

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
EM NOME DE DEUS OU DO DIABO?

Ataque a cafeteria na Austrália. Chacina em escola no Paquistão, com morte de mais de 100 crianças. Em nome de uma religião? Claro que não. Acredito que o islamismo, como a maioria das religiões, não prega a violência e o sofrimento. Em nome, sim, de interpretações absurdas e cegas por grupos de desequilibrados fanáticos, muitas vezes sustentados por alguns que hoje se "postam" como adversários, para satisfazer a opinião pública. Até quando a humanidade terá de conviver com estes párias cruéis e assassinos?
 
Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.