Fórum dos Leitores

ACIDENTE AÉREO

O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2015 | 02h04

Morte de Eduardo Campos

Dezenas de testemunhas oculares comentaram, até com a imprensa, que o avião de Eduardo Campos estava em chamas quando caiu. Tendo em vista a Aeronáutica omitir, ao que parece, esse fato em suas investigações, resta perguntar: estariam todas aquelas testemunhas com alucinação momentânea?

DILERMANDO WIEGMANN SANCHES

cataro22@yahoo.com.br

Curitiba

Queda do avião

É sempre assim, o mordomo é que leva a culpa. No caso do acidente que matou o presidenciável Eduardo Campos, a Aeronáutica aponta falhas do piloto pela queda, além de mencionar que ele tinha uma desavença com o copiloto. Isso prova o quê? Que derrubou o avião de propósito?

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

GESTÃO HADDAD

Onde está o prefeito?

Resolvendo o problema das sacolinhas... A cidade está inundada de ciclovias, que nada mais são que frutos da saga arrecadadora da Prefeitura. O aumento das infrações foi da ordem de 20% em 2014 e será de mais de 50% em 2015. Põem o ciclista para trafegar sem segurança e num ambiente poluído - não temos mais inspeção veicular. Só este ano mais de mil árvores caíram na cidade. Resido na mesma rua desde 1978 e ninguém jamais veio aqui fazer poda. Esperamos três anos para poder retirar do nosso jardim uma árvore que estava para cair e criou problemas de infiltração nas garagens, pois a Prefeitura só autoriza com o visto do biólogo, além de arcarmos com todas as despesas da operação. Os danos causados pela falta de luz e pelas inundações são constantemente enumerados na mídia. E agora vamos arcar com o aumento do IPTU e de outros impostos municipais, já de conhecimento da população. Dá para suportar mais um dia desse prefeito gerindo nossa capital?

JOÃO ERNESTO VARALLO

jevarallo@hotmail.com

São Paulo

Assim fica difícil!

Por absoluta falta do que fazer, o prefeito Fernando Haddad, que nem bem acabou de reeditar essa verdadeira extorsão que é a nova regra das sacolinhas verdes para serem utilizadas pelos supermercados, não contente, vem agora com essa história de criar outra de cor cinza para descarte de lixo. Quer dizer, é o samba do crioulo doido!

ELEONORA SAMARA

eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo

Ciclovia esburacada

A Prefeitura pintou ciclovia numa travessa da Estrada do Campo Limpo, em frente a uma loja de moda. Beleza? Quase. Esqueceram de tapar os buracos! Pois é, pintaram os buracos, novo conceito de arte urbana...

SANDRA MARIA GONÇALVES

sandgon@terra.com.br

São Paulo

Deboche

Sabemos que é impraticável exigir grandes coisas de um prefeito sem expressão, que sempre toma medidas contra os cidadãos. Ele encheu a Avenida Rebouças de placas para dar prioridade ao transporte público, punindo quem tem carro - os carros que seu "painho" Lula exigiu que todo o povo comprasse! Fui andar de ônibus agora em janeiro, tempo de férias. Logo ao entrar, quase caí. Sentar? Sem chance. Pessoas me falaram dos constantes furtos. Por fim, saí com o braço doendo por ter de me segurar para não cair. E nada de ar-condicionado. Já que o prefeito Haddad me induz a andar de transporte coletivo, por que não vai ele? E sem propaganda, sem diferença, senão não vale. Quero ver continuar debochando e recomendando o transporte público.

ROBERTO MOREIRA DA SILVA

rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

Ninho petista

Ótimo o editorial Chalita no ninho petista (14/1, A3). Realmente, ver o sr. Gabriel Chalita, que até há pouco tempo era filiado ao PSDB, agora fazer parte de uma administração petista mostra o que é de fato a maioria dos políticos brasileiros: sem nenhum compromisso partidário, ideológico ou com o eleitorado, nada. Apenas querem fazer parte de um governo, não importa qual. Essa pose de moralista e bom moço dele nunca me convenceu. E também é triste ver que nosso prefeito, num momento em que a cidade sofre os transtornos causados pela chuva, como faróis apagados, árvores caídas, pessoas que passam horas e até dias sem luz, só está preocupado com a sua reeleição.

ALEXANDRE FONTANA

alexfontana70@yahoo.com.br

São Paulo

Delírio

Vejo que o prefeito colorido está trocando cerca de dez secretários para fazer uma base aliada e tentar êxito nas eleições de 2016. Deve estar delirando. A cidade está um caos, mais de mil árvores caídas, não fez podas de prevenção em dois anos, tem rejeição de 87% dos paulistanos - os motoristas estão levando 20 multas por minuto. Quanto aos pontos de alagamento, não resolveu 38 locais antigos e aumentou esse número. Emprega recém-formados em Direito amigos do filho, com salário de R$ 3.300. Imaginem empregos para militantes do PT e amigos dele - afinal, o dinheiro é público mesmo! Fora, Haddad! Fora, Dilma! Fora, PT! Estão destruindo o País!

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

Não é nepotismo?!

O prefeito "suvinil" extrapolou ao nomear amigos do seu filho Frederico Haddad para cargos de confiança e comi$$ionados, para atuarem em seu gabinete. Serão assessores técnicos e receberão salário líquido de R$ 3.300. Privilégio do prefeito e privilégio dos amigos, nada que ver com nepotismo?! O prefeito já não fazia nada de útil, agora, então, nem pensar.

MARIA TERESA AMARAL

mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

Sugestão

Já que os amigos do filho do prefeito são tão competentes, que façam concurso púbico e, classificados, serão contratados de maneira honesta. Simples assim!

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Nada de mais

Não vejo por que todo esse estardalhaço pela contratação de três amigos do filho de Haddad para trabalhar na Prefeitura. O prefeito apenas copiou a "cumpanheira" Cristina Kirchner, da Argentina, que fez a mesma coisa e quebrou o país! Eles sempre ajudam os seus "cumpanheiros" em detrimento das promessas feitas em campanha eleitoral e de resultados positivos. Normal!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

IMPOSTOS MAIS PESADOS VÊM AÍ

Não entendo de economia, mas entendo, como cidadão que paga altos impostos por baixos resultados, que a inflação voltou a dar as caras, os juros continuam extorsivos, as empresas estão começando a demitir e o crescimento está mais comprometido. E, pior, a comandante não navega em mares de almirante e muito menos em céu de brigadeiro. Mas, quando soube que havia sido indicado para ministro da Fazenda um liberal, que já trabalhou no FMI, que trabalhava num banco privado, um trabalhador compulsivo e não envolvido em políticas partidárias, pensei “estamos salvos”, ou pelo menos a esperança não havia morrido. E não é que o tal homem de mercado apresenta como se fosse uma ideia inovadora, brilhante e infalível de combater o déficit fiscal um aumento de impostos? Para isso, para que mudar o ministro? E o mais triste e dolorido é que, se a arrecadação prevista se concretizar, a economia seria até menor que o roubo e rombo da Petrobrás. Então, ministro, quem sabe parando de pagar obras superfaturadas, acabando com essa roubalheira sem freios em todos os níveis da administração pública e em todos os setores o senhor conseguiria seu objetivo sem massacrar a população novamente?

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

PIOR DO QUE ESTÁ FICARÁ

Divulgada a inflação de 2014 em 6,41%, está tudo bem, missão cumprida e autoenaltecida, afinal o governo entrega inflação abaixo do teto. Todos os itens de consumo normal e alimentação subiram em 2014 muito mais do que a inflação, no entanto os salários serão reajustados em 8,5%, os aposentados em 5%, o Imposto de Renda na fonte em 4,5%, sem contar os aumentos previstos a partir de janeiro nos serviços públicos. O rombo fiscal de 2014 foi perdoado, os 39 ministérios, regiamente distribuídos, os aumentos aos parlamentares somam pelo menos 26%, a carga tributária com viés de aumentos e, na “Pátria Educadora”, o maior corte orçamentário será na Educação. Para a sociedade, pior do que está ficará, inclusive para os menos favorecidos.

 

Luiz A. Bernardi luizbernardi@uol.com.br

São Paulo

*

MISTIFICAÇÃO

O governo informa: “O IPCA (índice de inflação “oficial”) atingiu 6,46%, abaixo do topo da meta, que é de 6,50%. Assim, os mistificadores deste governo incompetente cumpriram o que determina a Resolução 4.095/2012 do Banco Central, com base na Lei 4.595/1964, usando de forma descarada conta de chegada, após reter aumentos de preços administrados, entre outras manipulações viciadas.

Alberto Bastos Cardoso de Carvalho albcc@ig.com.br

São Paulo

*

ROTINA

É inacreditável o governo “oficializar” 6,41% do IPCA para 2014, tentando, como sempre, nos enganar. Tal fato virou rotina comum deste governo corrupto que, além de afundar o País, instalou nele a mentira.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

TEMPOS DE DESASSOSSEGO        

     

A inflação não perde o fôlego e aqueles que precisam suar a camisa para sobreviver já podem esperar tempos de desassossego. Antes da reeleição, o governo dizia que estava tudo sob controle e que somente os pessimistas não aceitavam que estivesse. Maquiaram até conseguir o que queriam. Trabalharam bem a cabeça do eleitorado. Acredito que o caro leitor sabe muito bem quem são esses despreocupados que nos empurraram goela abaixo mais quatro anos de atraso. Agora a corda, que já estava desgastada, arrebentou. E quem levou a pior? Cadê o Guido Maquiador? Ninguém sabe, ninguém viu. Assim caminha o Brasil. 

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

DE NOVO PESSIMISTAS

Dilma Rousseff acabou com o sonho dos brasileiros de ter uma vida mais confortável, com perspectiva de conseguir um emprego estável e uma escolaridade e saúde dignas. Pela sua incompetência, a inflação voltou a galope, os preços represados para ganhar a eleição estão agora explodindo e o pessimismo tomou conta da população.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

ESQUELETO DA CORREÇÃO DO IR

Como indicou matéria do “Estadão”, a tabela do Imposto de Renda (IR), infelizmente, acumula defasagem de 64,3% nos últimos 19 anos. Ou seja, o trabalhador brasileiro que em 2013 tinha um salário mensal acima de R$ 1.787,77, e que foi obrigado a pagar IR, seria isento com um salário mensal de até R$ 2.936,94, caso a tabela de Imposto de Renda fosse condignamente corrigida pela inflação anualmente. Quantos bilhões de reais não foram subtraídos irresponsavelmente do bolso do trabalhador, já que a falta desses recursos impediu a melhora na qualidade de vida da sua família? Mas, justiça seja feita, porque, entre 1996 a 2001, na gestão de FHC, a tabela de IR foi corrigida integralmente conforme os índices do IPCA, que acumularam 45,6% no período. Ou seja, não deixou nenhum resíduo que prejudicasse o assalariado. Porém, e infelizmente, foi nesta era petista, com Lula e Dilma, que esse mesmo assalariado foi esbulhado na quase totalidade com essa defasagem de 64,3% na correção do IR, durante os anos de 2002 a 2014. Fica explícito que é uma verdadeira balela esta de que o PT protege o trabalhador brasileiro. Fosse isso, a nossa inflação já estaria também com índices próximos aos dos países desenvolvidos, entre 2%, a 3% ao ano.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

NOTA ZERO

Por ocasião da divulgação do lema do segundo mandato do governo de Dilma Rousseff – “Brasil, Pátria Educadora” –, cabe destacar que contra fatos e números não há argumentos. Entre 65 países avaliados, o Brasil ocupa a vergonhosa e humilhante 57.ª posição no ranking do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Na última prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mais de 500 mil (!) candidatos “conseguiram” tirar nota zero em redação. Por óbvio, resta apenas dar um redondo zero sem louvor ao Ministério da Educação (MEC) e às escolas por onde os alunos passaram sem aprender, pelo menos, escrever corretamente.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

UM POVO QUE NÃO LÊ

Este zero milionário na redação do Enem – como de resto a piora dos resultados do exame em todas as matérias – parece política de governo. Quem não sabe escrever criativamente é que não foi estimulado a ler e, por conseguinte, é um ignorante, no sentido lato do termo, isto é, desconhece o que ocorre ao seu redor. É o controle social da mídia que se faz desincentivando a leitura dos jornais independentes pelo grosso da população. Não me surpreenderei se com Cid Gomes à frente do MEC as coisas melhorarem, já que com os grandes educadores petistas só regredimos.

Mário Alves Souza maroca64@bol.com.br

Salvador

 

*

REDAÇÃO DO ENEM

 

A leitura promove conhecimento. O conhecimento nos engrandece, nos torna pessoas melhores. Quem lê escreve bem, argumenta bem e ganha a capacidade de debater inúmeros assuntos diferentes. Tendo isso em vista, é de lamentar o último resultado do Enem. 529.374 estudantes tiraram nota zero na redação. Destes, 248.471 tiveram suas redações anuladas. O índice compõe 8,5% do total de participantes, o que aparenta ser um número pequeno, mas não é. Educação é uma das grandes mazelas de nossa sociedade. Cidadãos conscientes – futuros profissionais capacitados – necessitam dominar a forma de comunicação mais elementar, qual seja, a escrita. No caso dos jovens pós-modernos, não apenas para enviar mensagens via Facebook ou abusar dos parcos 140 caracteres do Twitter, mas também para construir uma carreira. O número é, sim, preocupante e precisa ser compreendido para que não se repita.

Gabriel Bocorny Guidotti gabrielguidotti@yahoo.com.br

Porto Alegre

*

FRASE DE EFEITO

Claudia Costin (15/1, A2) acerta quando coloca as necessidades impostas ao País se quisermos melhorar nossos níveis educacionais, sem os quais certamente o Brasil não avançará. Só faltou a ela colocar que sem a valorização efetiva do magistério não haverá melhorias na Educação. Ou a profissão se torna atrativa o suficiente para que as melhores cabeças invistam nela ou não sairemos do vergonhoso patamar em que nos encontramos. Em tempo, presidente: “Brasil, Pátria Educadora” pode ser apenas mais uma frase de efeito, e frases de efeito não mudam a realidade.

Maria Isis M. M. de Barros misismb@hotmail.com

Santa Rita do Passa Quatro

*

IDEIA DE JERICO

Em vez de atacar o real problema da educação no Brasil, que é um ensino básico de qualidade para todos, com escolas públicas aparelhadas e professores mais bem pagos, para procurar acabar com a desigualdade existente, o novo ministro da Educação divulga como seu primeiro grande objetivo adotar uma mirabolante versão on-line do Enem, como se mexer nesse exame fosse uma prioridade. Não tem como dar certo este ministério de Cid Gomes.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

DE MÃOS DADAS

Mais de 500 mil estudantes conseguiram tirar zero na redação do Enem. Pelo visto a educação e o PIB brasileiros continuam andando de mãos dadas.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PÁTRIA... EDUCADORA?

 

Ao abrir, como de costume, meu “Estadão” no dia 9/1, tomei um baita susto: “Educação é o ministério mais atingido” – título encabeçando a página B3 do caderno de Economia. A ordem é conter gastos para promover o ajuste fiscal. A Educação foi a pasta “premiada” com a maior parcela de sacrifício: tesourada de mais de meio bilhão ao mês nos dispêndios do setor. Se gastando rigorosamente o previsto no Orçamento o País já ocupa os últimos lugares no ranking da Unesco, no Pisa, etc., que dirá cortando gastos. Devo estar ficando senil: ao assistir ao discurso de posse da presidente, pensei tê-la ouvido dizer que o lema de seu novo mandato seria “Brasil, Pátria Educadora”. A vecchiaria é bruta, vai ver entendi tudo errado.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com   

São Paulo

*

PELO ESPÍRITO SANTO

“Brasil, Pátria Educadora” foi o slogan do velho novo governo, Só se for por obra do Espírito Santo, pois para começar já cortaram R$ 7 bilhões destinados ao Ministério da Educação. Rir é o melhor remédio, pois chorar já cansou nestes últimos 12 anos. Realmente, não dá para acreditar nas promessas proferidas da boca para fora de Dilma, a presidente comprovadamente falaciosa.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

*

BRASIL, PÁTRIA DEVEDORA

Completados poucos dias do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, tornou-se público o corte orçamentário imposto ao Ministério da Educação, que, segundo a presidente, ganharia especial atenção no mandato que teve início em 1.º de janeiro. Além do corte no orçamento do MEC, também há atrasos no repasse de recursos para pesquisas acadêmicas e às instituições de ensino superior que aderiram ao Fies. O que vemos é uma completa contradição entre o discurso e a prática. A presidente disse (quem duvidar, por favor, reveja o discurso da posse no Congresso) em alto em bom som que o Brasil focará seus investimentos na área da Educação, direcionando todos os esforços para melhorar o nível de ensino no País. Fora isso, o governo também presenteará o consumidor com mais um aumento na tarifa de energia elétrica. Não basta deixar de oferecer o mínimo de dignidade ao cidadão brasileiro, é preciso cobrar ainda mais por um serviço capenga, resultado da incompetência do nosso governo.

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

QUE PRIORIDADE É ESTA?

Como pode um (des)governo como o atual alardear aos quatro ventos e adotar como lema “Brasil, Pátria Educadora” e começar indicando como ministro da Educação um senhor que nunca contribuiu em nada com este segmento e, agora, para fechar com chave de ouro, faz o maior corte de verba de todos os ministérios, totalizando cerca de R$ 7 bilhões em um ano, justamente no MEC? E ainda dona Dilma diz que em seu governo dará prioridade à Educação. Que tal cortar uns 20 ministérios inoperantes e que servem de cabide de emprego e aplicar essa verba em Educação? O mesmo raciocínio aplica-se ao Ministério da Ciência e Tecnologia, tão importante em qualquer país, e, aqui, relegado a um segundo plano.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

A LINHA PT/DILMA

Foi determinada uma redução do orçamento de custeio do governo Dilma e, como não poderia deixar ser, os ministérios mais atingidos foram Educação, Defesa, Desenvolvimento Social e Tecnologia. Então resume-se que a linha do PT/Dilma, para se manter no governo, é um povo sem cultura, indefeso, medíocre e sem acesso às informações tecnológicas, bem no estilo de Lula e cia. Enquanto isso o número de ministérios fica mantido, para sustento da corriola dos aliados.

Wagner Monteiro wagnermon@ig.com.br

São Paulo

*

SLOGAN MENTIROSO

Mais um engodo da sra. presidente quando criou um novo lema para seu segundo desgoverno, pois acaba de premiar o Ministério da Educação com o primeiro lugar, entre todos os ministérios, com um corte de gastos de R$ 7 bilhões para o corrente ano. É tudo o que o Brasil precisa para sair de sua incômoda posição no ranking mundial da Educação!

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com

São Paulo

        

*

VIDA CURTA

7 a 1 na Educação: o discurso da presidente Dilma ainda ecoa no vazio que foi sua posse, e a cantada “Pátria Educadora” já perdeu R$ 7 bilhões, sendo o Ministério da Educação o maior prejudicado nos cortes anunciados. Até o famigerado Fome Zero de Lula teve vida mais longa.

 

Léo Coutinho leo.coutinho@uol.com.br

São Paulo

*

PÁTRIA DESEDUCADORA

Dilma Rousseff lançou o “Pátria Educadora” e, para alcançar a educação de qualidade que prometeu, levando o Brasil a patamar de Primeiro Mundo, reduziu o valor do orçamento do MEC. Enquanto isso, nossos parlamentares obtêm aumento substancial em seus salários e acumulam aposentadorias milionárias.  É um péssimo começo de ano, pois só a população está pagando pelos erros cometidos pelo governo. Fichas-sujas aqui têm vez. Pilantras têm vez. Sem-vergonha têm vez. Família, amigos e amantes de políticos têm vez. São premiados a cada descoberta de atos criminosos praticados. E a vez dos brasileiros? Não há povo que aguente isso. Não há país que dê certo explorando seu povo.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

VACAS MAGRAS NOS ROYALTIES

No auge e euforia das descobertas de petróleo do pré-sal, o então presidente Lula, acompanhado da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e do presidente da Petrobrás, Sérgio Gabrielli, com uniforme da estatal, se lambuzavam com o óleo. Lula, na sua verborragia costumeira, afirmava que num futuro bem próximo o Brasil estaria fazendo parte do seleto clube da Organização dos Produtores e Exportadores de Petróleo (Opep). Com o preço do barril em baixa, 40% é a estimativa de queda da arrecadação. O Rio de Janeiro é o Estado que mais irá sofrer com a redução dos royalties, que deve atingir de 30% a 40% em relação a 2014. No ano passado foram distribuídos no Brasil R$ 18,53 bilhões, havendo uma previsão de que esse valor encolha em até R$ 7,4 bilhões em 2015. Somente o Estado do Rio e seus municípios receberam R$ 6,62 bilhões, tendo Campos de Goytacazes recebido R$ 632,82 milhões. Os prefeitos dos municípios atingidos terão de fazer malabarismos ou chamar os peritos de Dilma em contabilidade criativa. Uma pergunta que não quer calar: qual o benefício trazido ao Estado do Rio pelos royalties do petróleo? A saúde, a educação, a segurança pública melhoraram? Pelo que se tem visto, nenhum desses itens funciona a contento. O petróleo é nosso. E os royalties?

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PETRÓLEO EM QUEDA

Sem os royalties do pré-sal, nem as professoras da pré-escola serão educadoras.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

PARA ONDE VAI O PT?

A senadora Marta Suplicy acertou em cheio quando disse que “ou o PT muda ou acaba”. Apesar de levar muito tempo para admitir algo tão óbvio, o fogo amigo, certamente, vai deixar ainda mais claro que não foi à toa que Dilma Rousseff ganhou a eleição com a minoria dos votos, se levarmos em conta os nulos e as abstenções. A mudança deve começar pelo Congresso Nacional, cuja função maior deverá, a partir de 1.º de fevereiro, mostrar independência (51% já está bom) e que está disposto a não permitir os excessos praticados pelo governo, a corrupção desenfreada e, principalmente, as mentiras de uma presidente que diz, por exemplo, que não vai mexer nos direitos dos trabalhadores “nem que a vaca tussa”, mas mexe; que vai atacar a corrupção, mas não tira ninguém da Petrobrás; que ataca os bancos e coloca um de seus maiores representantes como ministro da Fazenda; que tornará o Brasil uma “Pátria Educadora” e quer retirar 31% da verba da Educação; e, pasmem, que fecha os olhos para o terrorismo, talvez por causa de sua ideologia de perseguir a imprensa e continuar amiga de companheiros amantes da ditadura. Senadores e deputados – num plano apartidário e por um país mais justo – devem tomar as rédeas de um cavalo que, cego, vem atropelando tudo e todos com o único propósito de cumprir um plano de permanecer no poder por muito tempo. Algo que, a meu ver, começou a fracassar quando o PSDB, de Aécio Neves, FHC e tantos outros, chamados de neoliberais por petistas e comunistas que hoje nem de longe defendem ideais partidários, saiu das urnas com 50 milhões de votos. Acho que nenhuma estratégia será suficiente para impedir a derrocada de um partido que parece chegar ao fim. De uma forma ou de outra.

 

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

LULISMO OU PETISMO?

Interessante observar que a senadora Marta Suplicy saiu atirando, criticou o partido, mas enquanto era ministra fez todo esforço para Lula ser o candidato. Foi conveniente para Lula essa ajuda, como também foi conveniente para Marta, que agora fala, ter se calado no episódio do mensalão e mais recentemente no caso Petrobrás. A volta de Lula encobriria toda corrupção que ora se conhece e se sabe que ela tem nome e sobrenome. Cadê aquele que gostava de ser o pai da criança? Neste caso, a criança está órfã? Pois é, a população ainda não se deu conta do que é pior, o lulismo ou o petismo. Para mim, ambos. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ALIMENTANDO A DESCRENÇA NA POLÍTICA

Os recentes pronunciamentos da senadora Marta Suplicy mostram um posicionamento de nítido interesse eleitoreiro. E pessoal, deixando de lado a ideologia partidária. Com isso ela está abrindo possibilidades em relação à sua filiação a vários partidos, que visam à próxima eleição. É uma situação que por certo serve para aumentar a descrença na classe política.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

MARTA X PT

Alguns petistas históricos abandonaram o partido nos últimos anos, por discordarem da linha de conduta em que a quadrilha alopradamente se aventurou. Marta, com certeza, será a próxima. Já está atirando para todos os lados. Infelizmente, a militância diminui lentamente porque só enxergam um palmo à frente do nariz.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

ONTEM E HOJE

Marta, nascida em berço de ouro, hoje balança na rede. Lula, nascido balançando na rede, hoje deita em berço de ouro.

Carlos Alberto Roxo roxo_7@terra.com.br

São Paulo

*

INÊS É MORTA

A senadora Marta Suplicy está jogando para a plateia. Se quisesse sair do PT, já o teria feito. Se estava preocupada com o País, teria falado antes das eleições ou durante elas. Agora Inês é morta. A omissão, o silêncio ou o acovardamento dela em nada contribuiu para o País. Isso é o que ela tem de ver. Acha que com esta entrevista ao “Estadão” e declarações que fez subiu de conceito na opinião pública? Na minha opinião, piorou a imagem dela. De repente, nem para síndica do prédio dela se elege.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SANTA BRIGUINHA

Vamos esquecer o passado, pouco recomendável, de Marta como prefeita. Em suas atuais declarações a respeito do "partidinho" e sua gangue, ela já se redimiu em boa parte das suas escorregadas, aqui, pela cidade. Nada como ouvir uma autoridade, alguém que se formou lá dentro e conhece bem seus porões. Vamos torcer para que esta briguinha não pare por aí, que ela fale mais e não entre na do Supla, que disse que ela tinha de ajudar o pt (minúsculo mesmo) a "corrigir os erros". Difícil, não é, Supla? Onde a coitada da Marta vai conseguir fretar tantas carretas para transportar de volta, aos cofres públicos, os bilhões que foram roubados da Petrobrás, no mensalão, etc.?

Leonidas Ronconi ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

*

PARA O PT

Segundo a elite do PT, como política, Marta Suplicy continua sendo uma grande sexóloga.

 

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

PARA QUE PARTIDO?

As afirmações da ex-ministra Marta Suplicy demonstram que, para ela, um partido é apenas um meio.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

UMA ELEIÇÃO CHEIA DE SURPRESAS

Entendo que o prefeito Fernando Haddad terá, como adversários políticos em São Paulo, não só um candidato do PSDB, que poderá ser o sr. Matarazzo, assim como Marta Suplicy, hoje, efetivamente, ex-PT. Será uma eleição municipal repleta de surpresas. Muitas emoções nos esperam nesta futura eleição municipal. Ceteris Paribus, Haddad vem procurando realizar coisas em São Paulo.

Vicente Plantullo vplentini@uol.com.br

São Paulo

*

RASCUNHO

Desde que me entendo por gente, ouço recorrentemente a conclamação, embandeirada por políticos e meios de comunicação, no sentido de ser imperativo passar o "Brasil a limpo". Provavelmente, houve brados semelhantes ou equivalentes, após o país se tornar independente, quando, conforme os arquitetos do movimento, ele deveria livrar-se dos vícios, das explorações e dos desmandos da corte portuguesa. Certamente, à proclamação da República também se seguiram exortações parecidas, tendo em vista a necessidade, segundo os responsáveis pela implantação do regime, do Brasil despojar-se das mazelas da monarquia. O que veio depois, entretanto, fez surgir, em numerosas ocasiões, ao longo da acidentada história, a necessidade de se apagar o antes e começar o novo como se o que passou devesse ser totalmente esquecido e apagado, em impulsos muitas vezes artificiais visando somente a atender projetos de grupos poderosos. Assim, quando o governo do PT se instalou, através da maior armadilha eleitoral de todos os tempos, da qual a sociedade ainda não conseguiu desvencilhar-se, propôs-se também a passar o país a limpo, assumindo que tudo realizado até aquele momento, em nada acrescentou à consolidação nacional. Ou seja, o Brasil, segundo o ideário petista, teria sido descoberto somente a partir de 2003. Após mais de 12 anos de governo, no entanto, constata-se um panorama aflitivo na economia, sem crescimento, na política, desordenada e aética, e no clima de corrupção generalizada, tudo clamando, de novo, por uma tábula rasa que permita um "reset" e uma nova passagem a limpo.  Diante dessa rápida e melancólica retrospectiva, resta perguntar, com desalento: o Brasil é um país ou um rascunho? Quando chegaremos à versão definitiva? 

Paulo Roberto Gotaç  prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A AMEAÇA DO TERRORISMO

O brutal atentado contra jornalistas do “Charlie Hebdo”, em Paris, na semana passada, repudiado com veemência por todas as pessoas que tenham um mínimo de senso, está permitindo que se reacenda, por malícia de alguns, um sentimento de rejeição ao Islamismo. Esse sentimento preconceituoso contra o Islã, que algumas vozes pretendem semear, neste momento de pânico, é totalmente inaceitável. Não se pode confundir fundamentalismo imbecil com a fé islâmica. Não se pode aceitar que criminosos, que devem ser presos, julgados e punidos, sejam apresentados como protótipos de uma religião, como não se pode aceitar que os corifeus da Inquisição sejam considerados símbolo do Cristianismo. O Islamismo ensina que o homem é "representante de Deus", conforme se lê no Corão. Observa Jean-François Collange, um especialista em estudos sobre religiões, que a igualdade, a dignidade e a liberdade inerentes a todos os seres não podem ser contestadas por qualquer instância humana, segundo o ensinamento islâmico. O Islamismo prescreve a fraternidade, adota a ideia da universalidade do gênero humano e de sua origem comum; ensina a solidariedade para com os órfãos, os pobres, os viajantes, os mendigos, os homens fracos, as mulheres e as crianças; define a supremacia da Justiça acima de quaisquer considerações; prega a libertação dos escravos; proclama a liberdade religiosa e o direito à educação; condena a opressão e estatui o direito de rebelar-se contra ela; estabelece a inviolabilidade da casa. Há uma semelhança estreita entre a visão islâmica do ser humano (homem, vigário de Deus), a ideia cristã ensinada por Paulo apóstolo (homem, templo de Deus) e a ideia de homem como imagem de Deus (“Gênesis”, livro sagrado de judeus e cristãos). Mohammed Ferjani nega que o Islamismo seja uma religião obtusa, que impeça seus fiéis de ingressar na modernidade, e rejeita a tese de que caiba ao Ocidente a missão civilizatória. Não escrevo esta carta baseado apenas em pesquisas realizadas na carreira universitária. Experimentei um mergulho pessoal que confirmou tudo o que li. Refiro-me à participação num colóquio internacional islâmico-cristão, ocorrido em Paris, uma das mais belas experiências que vivi. Nesse colóquio pude partilhar com crentes muçulmanos um projeto de mundo baseado na liberdade, na solidariedade e na Justiça. Não se tratou apenas de um intercâmbio intelectual, mas de algo muito mais profundo, radicado no afeto, na compreensão recíproca, na comunhão. A meu ver, esse mundo que, naqueles três dias, centenas de homens e mulheres de boa vontade supuseram possível construir, a partir do respeito mútuo e do diálogo, está bem próximo da utopia humanista redentora do mundo.

 

João Baptista Herkenhoff jbpherkenhoff@gmail.com

São Paulo

*

A MANIFESTAÇÃO DO PAPA

Faço minhas as palavras do papa Francisco: “você não pode provocar a fé alheia”, disse o líder da Igreja Católica, ao condenar os ataques na França e também criticar os  insultos feitos às religiões. “Se você xingar a minha mãe, sem piedade eu vou te esmurrar, essa é uma reação natural de quem ama e cuida daquilo que muito se preza e acredita”. Como o papa, condeno os ataques e as mortes dos chargistas da revista “Charlie Hebdo”, mas  não posso  deixar de dizer que houve exageros nas charges ofensivas contra Maomé.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

FRANCISCO NÃO FOI FELIZ

O papa Francisco não foi muito feliz ao falar do ataque ao “Charlie Hebdo”, a bordo de um avião. As palavras do pontífice podem, dependendo de quem as ouça, ter interpretação bem diferente do que logicamente foi sua verdadeira intenção. Na associação da condenação ao insulto com o ataque, insulto pode ser entendido como uma condicionante. Em outra, o papa exagerou de vez ao mostrar sua inclinação de reagir com agressão física a um insulto, mesmo sendo a insultada sua querida mãe.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

SAUDADES DO FUTURO

Em pleno século 21, ao ver as notícias em jornais e revistas, parece que entrei no túnel do tempo e fui para a idade da pedra. Estado Islâmico, Boko Haram, escravidão de crianças, escravidão sexual, religião se sobrepondo ao indivíduo, homofobia, estupros em universidades, e por aí vai. Quando me lembro que fui adolescente e jovem nos anos 60 e 70, agradeço a Deus por ter sido escolhido para viver em tempos tão modernos. Éramos unidos contra o governo e contra a oposição, a favor de nós todos, éramos apaixonados, a maior preocupação eram o prazer e o amor, a família se amava e a religião era um fator de melhora de vida. Que saudades do futuro...

 

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

VÃO ENCARAR?

Após o ato terrorista contra o jornal “Charlie Hebdo”, cerca de 4 milhões de pessoas foram às ruas da França em manifestação a favor da liberdade de expressão. Assim como o fascismo, o nazismo e o comunismo perderam a guerra, está mais do que na hora de eliminarmos o terrorismo. Afinal, somos um povo livre e não escravos dos fanáticos. E aí, falsos deuses, vão encarar?

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

HOMENAGENS TÍMIDAS

Esperava que o Brasil se fizesse representar de uma forma mais positiva  nas homenagens às vítimas do atentado de Paris. Aliás, a nossa participação foi de acordo com as palavras da nossa presidente na reunião da ONU, quando condenou os EUA pela sua ação militar contra o Estado Islâmico, pois, segundo ela, o que deveria haver era um diálogo. A sangrenta ação demonstrou que ela está equivocada. O terrorismo se caracteriza como um perfeito crime hediondo. É um ato covarde, premeditado, que impossibilita qualquer ação de defesa por parte das vítimas. Esse de Paris foi seletivo, envolvendo religião, arte e liberdade de imprensa, e, com muita justiça, causou grande comoção mundial. Mas podemos voltar aos idos de 1964 a 1976 e  relembrar atos praticados em nosso país, que provocaram centenas de mortes e mutilações, infelicitando famílias. A maioria das vítimas era inocente, não tinha qualquer envolvimento com a luta fratricida que infelizmente ocorria. Em julho de 1966 foi colocada uma bomba no aeroporto Guararapes (PE), visando a atingir uma autoridade, que não chegou, mas o explosivo funcionou, matando entre outros o jornalista Edson Regis de Carvalho e mutilando um carregador de malas. Ambos apenas cumpriam as suas atividades profissionais. Mas, como o atentado foi organizado pela extrema-esquerda, não teve a devida repercussão.

Ricardo Pereira de Miranda ricarmiran@terra.com.br

Salvador

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.