Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2015 | 02h05

Ser PeTista não está fácil

A fé cega que sempre motivou a militância petista está se esvaindo. Não bastasse a rasteira que a propaganda eleitoral da Dilma candidata passou nos que nela votaram, agora vem à luz que a empresa JD Assessoria e Consultoria, do notório José Dirceu, recebeu R$ 3,7 milhões de apenas três empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato. Sabe-se lá quanto mais não teria recebido de outras empresas por seu sempre eficiente lobby. Fico pensando em como se sentirão agora os militantes que contribuíram na "vaquinha" para pagar a multa de R$ 971 mil que Dirceu devia pela condenação no mensalão. A campanha de arrecadação foi coordenada por seus familiares sob a alegação de que ele não tinha recursos... Se algum militante do PT caiu nesse típico 171 - a outra hipótese é que muitos militantes não puseram a mão no bolso e simplesmente foram usados como laranjas para dar aparência legal aos fundos arrecadados -, deve estar se sentido ludibriado e usado pelo partido. Depois Lulla não entende por que o PT está encolhendo a cada eleição. Finalmente a militância começa a ler e raciocinar fora do que a direção do partido prega, execrando a imprensa que divulga os "malfeitos" do PT e a vida boa que desfrutam os cumpanheiros que mandam, em detrimento do resto da cumpanheirada.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Mágica coincidência

Com milhares de empresas construtoras que existem no Brasil, José Dirceu foi contratado para dar "consultoria" exatamente às três envolvidas no esquema da Lava Jato? Isso, sim, é que é uma mágica coincidência!

LEONIDAS RONCONI

ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

Relatórios

Já que o sr. José alega ter prestado consultoria a construtoras brasileiras envolvidas na Operação Lava Jato para expandirem seus negócios no Peru e na Espanha, a Polícia Federal deveria exigir os relatórios escritos dessas consultorias que provem e justifiquem o valor pago. Acostumados com a impunidade, provavelmente nem se preocuparam em fazer o mínimo necessário caso algum dia fossem investigados. Sou capaz de apostar!

CONRADO NIEMEYER

cmn60@icloud.com

Coral Gables, Florida (EUA)

Con$ultorias

Os petistas arrumaram um jeito fácil e lucrativo de enriquecer. Vide Lula, Palocci, Dirceu, etc. É, me engana que eu gosto...

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

Fênix tupiniquim

E eis que surge das cinzas do mensalão o seu maior protagonista, José Dirceu, livre para continuar agindo com sua maléfica influência junto à classe política (22/1, A4). Que falta faz no Supremo Tribunal Federal um Joaquim Barbosa para fazê-lo responder, realmente, na cadeia pelos crimes que cometeu.

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

O que o PT precisa é de renovação. Ressuscitar os mortos será o suicídio do partido.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Nova oposição

Está em gestação uma nova ala de oposição ao PeTelulismo, encabeçada por José Dirceu. Beneficiado com prisão domiciliar, Dirceu recebe em sua casa deputados, senadores e dirigentes do PT descontentes, que se queixam do governo, para articular uma nova frente partidária.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

O mensaleiro Dirceu está articulando uma nova ala para disputar com os que já estão no PT?! Agora eles quebram o Brasil.

ARTUR TOPGIAN

topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

Sindicato do crime

Aos PeTistas crédulos: a acolhida do PT aos movimentos de retorno do presidiário José Dirceu só demonstra, mais uma vez, que o partido não consegue sequer disfarçar que realmente não passa de uma agremiação na melhor definição de sindicato do crime hollywoodiano.

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Paraíba

O Brasil está entregue ao crime organizado. A presidente da República é investigada, no Brasil e nos EUA, pela gestão criminosa da Petrobrás e agora temos a volta de José Dirceu, um criminoso cumprindo pena, que está fazendo articulação política para recuperar o poder. A oposição, covarde e pelega, é incapaz de se manifestar. Logo mais teremos a volta triunfal dos criminosos do mensalão ao poder.

MÁRIO BARILÁ FILHO

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

ITAMARATY

Penúria

O dinheiro desviado da empresa pela qual nossa presidente era responsável não daria para pagar as dívidas de luz, água, etc., das embaixadas? Vergonha (mais uma na conta do ParTido, né?).

JOSE ROBERTO PALMA

palmapai@ig.com.br

São Paulo

CÂMARA DOS DEPUTADOS

Brincadeira!

Com a sardinha garantida perto da brasa, Kassab deu o sinal e seu partido vai apoiar o indicado pelo PT. Em seguida li e não acreditei. Belisquei-me e li de novo: PT busca apoio do PSDB para presidência da Câmara. Quero ver no que isso vai dar. Se vingar, só vai faltar banana comer macaco.

J. PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

São Paulo

Efeito contrário

Ao tomar conhecimento do pronunciamento do sr. Gilberto Kassab, "o finório", no sentido de apoiar a candidatura do deputado Arlindo Chinaglia (PT) à presidência da Câmara, também apoiado por Lula/Dilma (!!!), convenci-me de que o referido parlamentar é a pior das opções.

ULISSES NUTTI MOREIRA

ulissesnutti@uol.com.br

Jundiaí

'ESTADO', 140 ANOS

Defesa da democracia

Compartilhamos as comemorações pelos 140 anos do jornal O Estado de S. Paulo, reconhecendo em sua história os relevantes serviços na área do jornalismo, das comunicações e da cultura, e a permanente defesa dos ideais democráticos no País.

TASSO JEREISSATI

Fortaleza

A VOLTA DE JOSÉ DIRCEU

É claro que sempre existiu corrupção no Brasil desde seu descobrimento, no século 16, porém o tempo foi apagando a memória popular, hoje somente registrada nos livros dos historiadores sérios como Eduardo Bueno e Laurindo Gomes. Entretanto, a história contemporânea, até a delação não premiada de Roberto Jefferson, não registrava roubos, falcatruas e mentiras no patamar em que aparecem hoje. Não havia divulgação nem a eficácia do Ministério Público e da Polícia Federal, como ocorre no século 21. No julgamento do mensalão, José Dirceu foi condenado a 7 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa; ficou pouco tempo em regime fechado e, depois, passou para o regime semiaberto. "Pau que nasce torto não tem jeito, morre torto", diz o velho anexim. Dirceu ressurge das cinzas, agora, já articulando reuniões para retomar seu antigo poder no PT. E, além disso, aparece agora na investigação da Operação Lava Jato. Parece que Dirceu está envolvido até os ossos na lama da corrupção moderna do Brasil. Ele está grudado na obsessão do poder como uma craca na rocha: difícil de se descolar. 
 
Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro 

*
DOUTRINAÇÃO JECA

A inversão de valores perpetrada pelos petralhas nos intervalos de roubalheira e orgias é impressionante: Joaquim Barbosa, um dos maiores e mais dignos brasileiros dos últimos tempos, encontra-se às sombras; José Dirceu, presidiário, terrorista covarde, bilionário e mutreteiro notório, segue firme nos holofotes.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com 
São Paulo 

*
AGORA NO PETROLÃO

A suspeita de que o ex-ministro José Dirceu também esteja envolvido em novas falcatruas é um didático exemplo dos efeitos que a sensação da impunidade provoca no cidadão propenso a cometer delitos. Se o seu julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) em 2012, pelos crimes que cometeu no esquema do mensalão, de 2005, ocorresse dentro de um prazo lógico, provavelmente o chefe mensaleiro não teria novamente se envolvido agora no petrolão.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br 
Rio de Janeiro

*
NOS BASTIDORES

Indecência! Graças ao STF, o petralha José Dirceu, condenado e cumprindo a pena em casa, articula com seus partidários e de forma pública negociações políticas para enfrentamentos no congresso do partido corruPTo, a realizar-se em fevereiro, comemorando os 35 anos de fundação da agremiação. 
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
NÃO HÁ PLANO B
 
Parece que, mesmo preso - ainda que em sua moradia no Lago Sul de Brasília -, José Dirceu segue polarizando as atenções dentro do partido dos trambiqueiros, recepcionando deputados, senadores e correligionários. Seguindo a trilha de Marta Suplicy e de outros da sigla, Dirceu desfere ácidas críticas ao governo Dilma. "Caminhamos para uma recessão", lamenta, verberando as medidas saneadoras da nova equipe econômica, naturalmente constrangido com o estrago que aí está. Ora, o ajuste  é imperativo inadiável após anos de "pedaladas fiscais", maquiagens contábeis e outros problemas. Mais que isso, diria, é condição de sobrevivência não da sigla em que se alberga o mensaleiro,  mas do próprio País, cujas contas estão sob o escrutínio das agências internacionais de classificação de risco, com possibilidade de ser perdido o grau de investimento. A situação é ruim e poderá piorar em razão da crise hídrica (para não falar dos desdobramentos da Operação Lava Jato), e o ministro Joaquim Levy já disse que não assumiu para fazer remendos, mas para pôr a casa em ordem após anos de voluntarismos e políticas econômicas heterodoxas chamadas de "nova matrix econômica" pelo ex-ministro Guido Mantega. A péssima situação do País, decorrente da má gestão das contas públicas (crescimento zero, déficit primário ao invés de superávit, dívida pública ascendente, preços administrados represados e distorcidos, déficit na conta corrente do balanço de pagamentos perto de 4% do PIB, colapso nos investimentos industriais, emprego industrial declinante, inflação alta, incertezas no setor energético, escândalos de corrupção, etc.), vem do acúmulo de erros produzidos por um dos piores - senão o pior -  governos de nossa história, equívocos, aliás magistralmente descritos por José Serra em seu artigo sob o título "Cadáver adiado que procria" (22/1, A2). Dirceu que conte seu tempo de "gancho" no conforto de sua bela casa e deixe o ministro Levy trabalhar para tentar consertar o que o populismo inconsequente de seu partido estragou. Não há plano B.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*
DIRCEU NOVAMENTE EM AÇÃO

Nós, cidadãos de bem, sempre pensamos que cumprir "regime de prisão domiciliar", além de segurança na porta, o criminoso deveria estar em reclusão, com horário e datas para receber apenas familiares. Mas não é o caso de José Dirceu, aquele que lesou os cofres públicos em milhões, que jamais deverão ser ressarcidos. Ele já articula com políticos do PT tentando aglutinar a terceira via do partido, transformando sua residência em quartel general. E as ministras do STF não o enquadraram em "formação de quadrilha", não é, ministras Rosa Weber e Carmen Lúcia? Agora, que Dirceu está livre, leve e solto, a consciência não dói, não? Nossa única esperança é vê-lo enquadrado na Operação Lava Jato, já que vivia nas sombras arrecadando verbas para o PT continuar seu "plano de poder".

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
FOGO AMIGO

Tenho de complementar o editorial "Dilma sob fogo amigo" (22/1, A3) com uma máxima ensinada e exercida nos quartéis e plenamente ignorada por Lula, Dilma e todos os petistas (que sempre alegaram "não sei", "não vi", "não é comigo"): o comandante é responsável por tudo aquilo que acontece e deixa de acontecer na unidade que comanda. 

Cláudio Eustáquio Duarte claudio_duarte@hotmail.com  
Belo Horizonte 

*
DILMA SABIA

Realmente, como diz o editorial "Dilma sob fogo amigo", não há como Dilma Rousseff alegar que não sabia das falcatruas perpetradas contra a Petrobrás, principalmente na roubalheira que decorreu da compra desastrosa da enferrujada Refinaria de Pasadena, cujo "lessez passer" foi exatamente assinado por ela. Aliás, até hoje não vieram à luz as atas das reuniões do malfadado Conselho de Administração da empresa. Seria muito interessante saber como se comportaram e como votaram os membros daquele (mau) conselho, alguns dos quais são grandes empresários que certamente jamais agiriam da mesma maneira em suas empresas privadas.

Ademir Valezi adevale@gmail.com 
São Paulo 

*
VAMOS AOS FATOS!

Após tudo o que foi apurado, 100% dos brasileiros têm certeza de que a presidente Dilma Rousseff está envolvida no escândalo da Petrobrás, mas, como Lula, fala em traição e indignação. Chega de dissimulação, vamos aos fatos!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
ENTREVISTA COM GABRIELLI

A entrevista que o sr. José Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobrás, concedeu ao "Estadão" é muito esclarecedora e conclusiva ("Gabrielli afirma que culpar só sua gestão é 'estratégia suicida'", 21/1, A5). Usa o mesmo estilo de Lula, Dilma e de toda a cúpula do PT. "Não vi", "não sei", "não participei", "isso é coisa de predadores". Na realidade, a impressão que passa é de que ele presidia uma fabriqueta de fundo de quintal. Lamentável!

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 
São Paulo

*
EMPRESAS SOB REGIME POLICIAL
 
Assevera José Sérgio Gabrielli, ex-dirigente da Petrobrás, que uma empresa não pode viver sob regime policial. Certamente que uma empresa bem gerida, fiscalizada e auditada não precisa dos auspícios da polícia, seja ela privada ou estatal. Entretanto, como no caso da Petrobrás, a roubalheira era tanta que somente a Polícia Federal e o Ministério Público Federal poderiam desbaratar as quadrilhas entrelaçadas e ligadas a políticos e ao poder da República. Assim, caso a petroleira não seja privatizada, viverá sempre sob os olhares da polícia, porque os costumeiros assaltantes poderão afastar-se dela temporariamente, mas retornarão, pois lá os assaltos sempre foram cômodos e tranquilos. O administrador público safado e corrupto merece viver sempre sob escolta e sob regime de transparência plena.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
CERTEZA DE IMPUNIDADE 

É muito triste ver que no Brasil o que é ruim, muitas vezes, continua. Sem muita explicação. O caso mais recente é o da Petrobrás, cuja diretoria, atolada de denúncias de corrupção até o pescoço, permanece blindada. Continuam todos em seus postos, resguardados pela "gerentona" Dilma e políticos de sua base alugada. Outra constante neste país são os péssimos servidores públicos que, mesmo prestando um desserviço à população, cometendo crimes de concussão, fazendo parte de outros grandes esquemas ou, simplesmente, atendendo mal, ficam em seus cargos sem que ninguém lhes puna. Ao menos chamem sua atenção. Mas isso tudo faz parte de um grande conluio voltado para nos roubar e levar vantagens mil como o eterno favorecimento a quem favorece os ladrões do dinheiro público, o compadrio, o patrimonialismo, etc. Este é o Brasil do PT. E de todos os outros partidos nascidos - e planejados - para criar dificuldades e vender facilidades. Sem querer chegar a extremos, como o da Indonésia e de outros países asiáticos que punem com extremo rigor quem contraria a lei (ah, nossas leis), talvez fosse deixar apodrecer na cadeia quem promove o aumento de natimortos, a fome de milhões de brasileiros (negada pelo governo), educação ruim, benefício previdenciário desproporcional, subempregos, gente morrendo nas filas de hospitais, leis de trânsito que não funcionam e tantas outras mortes violentas de gente inocente que morre sem saber (acreditar) por que o bandido ri da sociedade, zomba das tais leis, atira na nossa cara e tem tanta certeza da impunidade.

João Direnna joao_direnna@hotmail.com 
Quissamã (RJ)

*
OS PREJUÍZOS NO BALANÇO DA PETROBRÁS

Ao admitir e reconhecer perdas por corrupção, o mercado acionário agradece e abre um leque para que todos os acionistas investidores, brasileiros e estrangeiros, que compraram ações  da Petrobrás sejam ressarcidos e/ou indenizados pelos prejuízos já realizados ou a realizar. Reconhecer a corrupção e colocar prejuízos em balanço é o mesmo que reconhecer o crime, e, claro, um baita trunfo para os advogados, que lá nos Estados Unidos já entraram com ação contra a companhia.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com  
São Paulo

*
MAIS LAMBANÇA
 
Diante da gatunagem dos "cumpanheros", Dilma Rousseff aumenta impostos. Agora, diante da confissão de Paulo Roberto Costa, que recebeu US$ 1,5 milhão para não "atrapalhar" a compra da Refinaria de Pasadena; diante do rombo nas contas externas de US$ 91 bilhões; e diante de tanta "fanfarrice", só resta a Dilma pedir também os benefícios da delação premiada.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br
São Paulo

*
ALTA DOS JUROS & APAGÃO  

Após o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central ter decidido elevar, na quarta-feira (21/1), os juros básicos da economia, de 11,75% para 12,25% ao ano, ficou até difícil de dizer o que é pior: a alta dos juros, a "marolinha" do sr. Lula que virou recessão, o blecaute que atingiu 11 Estados do País e o Distrito Federal na segunda-feira (19/1) ou o apagão ocorrido na memória da presidente Dilma Rousseff, que, em 2012, em seus discursos, prometeu veementemente enfrentar os banqueiros e reduzir os juros na marra? "Nada é tão admirável em se tratando de política quanto uma memória curta", já denunciava com certa ironia o célebre economista e filósofo canadense John Kenneth Galbraith. É claro que há dois anos a economia brasileira não estava totalmente fora dos trilhos, como vemos hoje, e os tempos eram outros, eram tempos de promessas, de muita pompa retórica. Mas com tantas medidas erráticas adotadas pelo atual governo do Partido dos Trabalhadores (PT) e com tanto pacote de "maldade" em desfavor do povo, Dilma, desde então, vem trilhando o caminho da teimosia e da escuridão, e junto com ela vai levando o Brasil inteiro para o abismo da vergonha. Só na última quarta-feira mais outras regiões do Brasil foram afetadas pela onda de apagão que tomou conta deste início de 2015. Rodízio de carros nas ruas, rodízio de água, até vai! Mas rodízio de apagão é o fim da picada! Só faltava essa...  

Emanuel Angelo Nascimento emanuellangelo@yahoo.com.br   
São Paulo

*
REMÉDIO OU VENENO?

Para consertar as burradas do primeiro mandato de Dilma Rousseff, foi necessário aumentar impostos de diversos segmentos (IRPF, IOF, Cide, etc.), o que irá prejudicar ainda mais o crescimento do País. Mas não adianta aumentar impostos e reduzir benefícios previdenciários e trabalhistas dos trabalhadores, se não estancar a corrupção, que sangra os cofres públicos. Alguma medida nesse sentido foi tomada? Como acreditar que as medidas que estão sendo tomadas pelo atual ministro da Fazenda serão benéficas ao País e ajudarão a melhorar a saúde, a educação e a segurança, quando vemos que a máquina do PT continua atuando apenas para não deixar nenhum "cumpanheiro" na mão, vendo Eduardo Suplicy já instalado na Prefeitura de São Paulo e Alexandre Padilha com uma boquinha garantida, basta deixar o charminho de lado e aceitar a oferta de Haddad. Ou o povo brasileiro sai para as ruas, exigindo a diminuição da máquina pública, começando com a redução do número de vereadores, deputados estaduais e federais, senadores, secretarias e ministérios inúteis, cargos comissionados, enfim, eliminando essas saúvas que destroem o País, ou vamos virar escravos, trabalhando apenas para pagar impostos. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
INCONFIDÊNCIA BRASILEIRA

O aumento de impostos de Joaquim Levy lembra a Derrama do século XVIII, que desencadeou a  Inconfidência Mineira, e poderá, no século XXI, dar origem a uma  Inconfidência Brasileira.
 
Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
MAIS IMPOSTOS NO ESCURO

Apagão e "saco de maldades" no mesmo dia, só pode ter sido brincadeira de mau gosto...

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com  
Niterói (RJ)

*
EMPREGOS

O Ministério da Maquiagem deste governinho safado informa: emprego com carteira assinada recuou 64% em 2014. O resultado é o pior desde 1998, quando foram geradas 387.207 vagas, contra 396.933 vagas em 2014. A última estimativa divulgada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, antes das eleições, era de que o ano de 2014 terminaria com cerca de 1 milhão de novos postos. Mais de 50 bilhões de imbecis acreditaram. Toma!

Alberto Bastos Cardoso de Carvalho albcc@ig.com.br 
São Paulo

*
'DEUS É BRASILEIRO'

Ontem, 23/1, li no "Fórum dos Leitores" do "Estadão" a opinião de várias pessoas que admitiam ou questionavam se Deus é realmente brasileiro. Para acabar com qualquer dúvida, eu afirmo que Deus é brasileiro, sim. Tem residência fixa e possivelmente um nome fictício, mas ele é realmente nosso conterrâneo. Inadvertidamente, Ele se revelou há bem pouco tempo, quando deu ordem de prisão a uma senhora funcionária de trânsito do Rio de Janeiro, por ela ofendê-Lo dizendo que ele não era Deus. Fim de discussão. Ele é brasileiro mesmo e está onipresente em várias repartições públicas, exercendo desde cargos executivos até de porteiro de hospitais, onde permite que pessoas cheguem mais rapidamente ao céu, não permitindo que sejam socorridas.
          
Wilson Matiotta loluvies@gmail.com 
São Paulo

*
PAULISTAS SOBRECARREGADOS

Muito interessante a defesa dos responsáveis pelo fornecimento de energia elétrica do País: alegaram que o consumo excessivo de São Paulo causou o apagão técnico. Ou seja, já temos restrições de água, agora de energia, e qual será a próxima? Porém nos sobrecarregar aumentando impostos, tributos, taxas, etc. pode, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
O QUE NÃO FALTA É APAGÃO

Se na gestão de FHC houve em 2001 um sério apagão de energia elétrica, sua administração foi pródiga em reformas constitucionais, sem as quais hoje o País não suportaria um relapso governo petista. O tal do apagão de energia elétrica nesta era petista, que a maioria dos especialistas previa, chegou para oito dos principais Estados brasileiros. E é lógico que o Planalto não vai, mesmo assim, admiti-lo. Como jamais admite seus graves erros na condução da nossa economia. Mesmo porque, além deste apagão de energia elétrica, temos o dos PIBs medíocres, o dos déficits das contas públicas, o do comércio exterior, o da alta da inflação, o dos juros, o da falta de investimento em infraestrutura, etc. Incluindo também as traquinagens contábeis... Mas um dos piores, e que nos indigna diariamente, é o escandaloso apagão da ética.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
DILMA 2.0

Do início do mandato 2.0, só vieram más notícias para os contribuintes e cidadãos: aumentos de  impostos + aumentos nos serviços e mercadorias + aumentos nos salários de Legislativo e Judiciário (só para os "nobres") e, para os de carteira assinada e aposentados do INSS, menos do que a inflação. A presidente se importa mais com os traficantes internacionais do que com os cidadão honestos nacionais.  

Mário A. Dente dente28@gmail.com
São Paulo

*
DILMA NA BOLÍVIA

Realmente incompreensível a opção de nossa presidente ao viajar para a Bolívia ao invés de Davos, na Suíça. Ou será que, para os objetivos governamentais e dos petistas, a proximidade com Evo Morales representa mais que o Fórum Econômico Mundial? Eu só quero entender.
 
Carlos Angelo Ferro carlosangelo@uol.com.br 
Mogi Mirim

*
HOMENAGEM AO LÍDER COCALEIRO

A presidente Dilma Rousseff compareceu na quarta-feira à posse do presidente da Bolívia, Evo Morales, para o seu terceiro mandato. Foi prestar uma homenagem da sua facção ao colega cocaleiro, que nos vende gás por um preço extremamente absurdo, que nos toma refinarias com sua conivência e que planta a folha de coca junto das nossas fronteiras, contrabandeando a cocaína para o Brasil, matando nossos jovens, entorpecendo nossa sociedade e criando contrabandistas que vão revendê-la na Indonésia. Deu para entender por que Dilma Rousseff ficou indignada com a execução do contrabandista brasileiro pelo governo da Indonésia?

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br
São Paulo

*
DAVOS

A presidente preferiu dar força ao Foro de São Paulo, prestigiando um companheiro, em vez de expor-se em Davos. Foi melhor assim, pois, se comparecesse, seria mais difícil de acreditar nas suas intenções. Ela estaria mostrando a todos, mais uma vez, o seu "nariz de Pinóquio" que nós tão bem conhecemos.

Décio Antônio Damin deciodamin@terra.com.br 
São Paulo

*
ESCAPADA

Com as notícias de tarifaços, apagões, inflação e alta de juros, nossa presidente some completamente e prefere aparecer na Bolívia para a terceira posse de Evo Morales e talvez tomar algumas lições de como ficar no poder por tanto tempo.

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com 
São Paulo

*
DERROTADA NA OMC

A Argentina, que insolentemente vem desafiando o mercado mundial, inclusive países do Mercosul, com sua política comercial recheada de medidas protecionistas a importações, acabou sendo denunciada a Organização Mundial do Comércio (OMC) por 40 países, entre os quais Estados Unidos, Japão e os integrantes da União  Europeia. Somente o Brasil, um dos maiores prejudicados, por pura ideologia, não subscreveu o pedido de investigação das "barreiras" pela OMC, cometendo, na minha opinião, um crime de lesa indústria nacional.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
ALBERTO NISMAN X CELSO DANIEL 

A Argentina foi rápida em desmontar a farsa armada para acobertar o assassinato do promotor Alberto Nisman, que denunciou o governo da presidente Kirchner por acobertar os culpados do atentado contra uma organização israelense em Buenos Aires em 1994. Mesma sorte não teve o assassinato do prefeito Celso Daniel, que, apesar das estrondosas evidências, continua sendo tratado como crime comum. Como os crimes comuns nunca são solucionados no Brasil, os mandantes e os beneficiários da morte de Celso Daniel continuam mandando no País. A presidente Dilma poderia nomear o desempregado Gilberto Carvalho para ensinar a presidente Cristina Kirshner a resolver esse problema. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
POLÍCIA UNIDA

O governo do Estado de São Paulo merece efusivos cumprimentos pela madura e mais do que urgente e oportuna decisão de unificação da rede de inteligência da polícia num único bloco formado pelas corporações Militar, Civil e do Corpo de Bombeiros para missões conjuntas de combate ao crime organizado, tráfico de drogas e manifestações de rua. Rompendo um tabu de muitos anos, em que as polícias tratavam-se como rivais, o plano de ação tem tudo para vingar, com êxito, na defesa da população aflita com o crescimento e a audácia da bandidagem, em meio à insegurança pública que a rodeia País afora. Bravo!

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
PREFEITURA DE SÃO PAULO

O que é isto que está acontecendo em São Paulo? Mais precisamente, na Prefeitura? Será que não existem pessoas competentes e também populares para preencher os cargos do Executivo municipal? Pelo que se está vendo, as escolhas do prefeito Fernando Haddad estão focadas em pessoas que não encontraram Ibope junto aos paulistanos e paulistas: Gabriel Chalita, Eduardo Suplicy e Alexandre Padilha foram objetos de clara manifestação de rejeição. Mas, é verdade, toda eleição dá aos perdedores um prêmio de consolação, que é um cargo na Prefeitura de São Paulo. Para conseguir esse espaço, é só falar com Haddad, ou seu mentor, Lula. Será que as dependências da prefeitura viraram quartos de despejo?

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedroluisvergueiro@gmail.com
São Paulo

*
LONGE DE BRASÍLIA

Eduardo Suplicy quer ser recebido por Dilma Rousseff. Nem que a vaca tussa! 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 
São Paulo

*
SÃO PAULO, 461 ANOS

O que é que faz um secretário de Relações Governamentais que os outros secretários e o próprio prefeito não possam fazer? Todos falam (certamente o português) e nos seus altos cargos são os representantes maiores do Executivo paulistano, investidos do poder de agir e tomar decisões com outros poderes federativos e entes privados em nome da cidade. Fora disso, só futricação política. O PT parece ser um celeiro de pessoas pluriaptas, verdadeiros gênios, capazes de desempenhar bem qualquer cargo que lhes forem atribuídos pela agremiação, no âmbito do aparelhamento da administração pública, lá onde ela manda. Antes foi Suplicy; agora é Padilha. Quantos restam ainda por empregar? Em Lisboa, há um "Palácio das Necessidades", onde funciona o Ministério dos Negócios Estrangeiros. Em São Paulo, os ilustres representantes do nosso apodrecido sistema político conseguiram em poucos anos transformar a Prefeitura num "Palácio das Inutilidades". Por ironia, ela está instalada num prédio suntuoso, lembrança de uma época de progresso e florescimento quando todos - uns com seus capitais, a maioria com a força de seu trabalho - queriam fazer e fizeram de São Paulo a maior e mais rica cidade do Brasil. Hoje, São Paulo não mais faz jus ao lema de sua bandeira: "Non Ducor, Duco". Nada conduz e, pior, se deixa conduzir por gente medíocre, sem a grandeza de espírito e de ação que ela exige, com a mentalidade de quitandeiro, que é ignorante de sua gloriosa história e nem tem capacidade para governá-la. Muito menos para lhe abrir novas perspectivas para um futuro melhor. Pena, querida cidade de Anchieta (minha também, por opção), que teus sofridos habitantes nada tenham para comemorar no teu 461.º aniversário.

Elias da Costa Lima preussen@uol.com.br
São Paulo

*
ESTAÇÕES DA LINHA AMARELA DO METRÔ

Por que a Estação Fradique Coutinho, na qual não entra nem sai ninguém do trem mesmo em horário de pico, já foi inaugurada, e as Estações Morumbi e Vila Sônia, que terão um movimento enorme de pessoas, ainda nem têm previsão de inauguração? Não precisa explicar, eu só queria entender.
 
Marcelo L. Z. Bernabe zbernabe@hotmail.com 
São Paulo

*
VILA FERROVIÁRIA-PARANAPIACABA
 
Visitei recentemente este patrimônio histórico abandonado pelo poder público. Lamentável ver o estado de degradação em que estão as coisas ali existentes: casas em decomposição total, máquinas e vagões ferroviários e linhas férreas em total abandono, material hoje irrecuperável, pela ferrugem e pelo tempo. Um país só pode ter um sentimento patriótico quando respeita o passado e a história, que sem duvida é uma das melhores formas de educação. Infelizmente, as autoridades brasileiras e a mídia formadora da opinião pública são míopes nesta matéria e preferem o vale-cultura e um ensino sem visão. Entregue o poder público essa área à iniciativa privada para que se construa um museu ferroviário, um museu de tecnologia e automobilístico, espaço para eventos, hotéis e resorts para que a população realize passeios maravilhosos que a natureza ali oferece. Sabemos que isso jamais será pensado pela atual autoridade brasileira, que é cega quanto à formação nativista de um povo. Um povo sem história é um povo morto.

Carlos J. V. Franco cjvfranco@bol.com.br
São Paulo

*
UM PREFEITO CONTRADITÓRIO

O "Estadão" de quinta-feira (22/1) publicou reportagem de Mônica Reolom sobre a reintegração de posse do terreno de 25.000 m² na Rua Augusta, ocupado por integrantes do movimento que reivindica que a área vire o Parque Augusta. O terreno pertence à Cyrella, a mesma que vem desmatando criminosamente uma área remanescente da Mata Atlântica na Marginal do Rio Pinheiros. A empresa adquire grandes áreas que ainda restam na cidade para erguer espigões e faturar com a venda dos mesmos, já que se trata de uma construtora e esse é o seu objetivo. O erro em deixar que tal aconteça é do poder público municipal, que vem, há décadas, menosprezando a preservação das áreas verdes da cidade, que são fundamentais para a saúde dos paulistanos. A Organização Mundial da Saúde (OMS), órgão da ONU, preconiza que nas áreas urbana é necessário que se disponha de 12 m²/habitante de área verde. Em estudo realizado pela USP em 2011, sob a orientação do professor Paulo Saldiva, constatou-se que já naquela ocasião 4 mil paulistanos morriam por ano devido à poluição do ar. E a cidade possuía 2,6 m²/habitantes de área verde, muito menos que o mínimo recomendado pela OMS.  Um decreto assinado pelo ex-prefeito Gilberto Kassab em 2008 prevê a desapropriação do terreno para a transformação de parque, mas Kassab deixou a decisão para o seu sucessor. Em encontro com vereadores da Frente Parlamentar Pela Sustentabilidade, o prefeito Haddad afirmou que o Parque Augusta não é prioridade da atual gestão. Se tivesse R$ 100 milhões necessários para desapropriar o terreno, "usaria a verba para fazer creches". Cabem, aqui, duas observações, uma é que, toda vez que um prefeito é confrontado para fazer o que não lhe interessa, alega a construção de creches; e a outra é que, se a obra lhe interessa politicamente, ele desapropria dezenas de casas e os seus proprietários entram na fila dos precatórios a serem pagas anos depois. A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, em parceria com a Globo, instituiu o projeto Verdejando, com o objetivo de deixar a cidade mais arborizada, e o município está distribuindo mudas para a população. Só que as mudas que vingarem levarão de 15 a 20 anos para se tornarem adultas como as que a prefeitura autoriza as construtoras a derrubar. Esse procedimento está longe de ser uma reposição e muito menos uma recuperação das áreas verdes, que se tornaram fundamentais para a saúde da população, seja nas beiras das represas e rios, seja em áreas centrais da cidade.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
A USP E A SOCIEDADE

Tem toda razão o reitor da Universidade de São Paulo (USP) ao propor que os formandos pela USP prestem serviços à sociedade, depois de formados. É justo que quem estuda em universidade pública e gratuita tenha de dar uma contrapartida e um retorno para a sociedade pelo investimento feito. Num país injusto e desigual como o nosso, há uma inversão de valores, em que estudantes da classe média para cima estudam de graça na USP, enquanto os menos favorecidos estudam em faculdades privadas e de pior qualidade. As universidades públicas também deveriam saber qual a renda familiar dos seus alunos e cobrar daqueles que tenham amplas condições de pagar pelo curso, ajudando, assim, a financiar os estudos dos alunos que não tenham condições financeiras.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
FOGO DE PALHA

Que me perdoem sociólogos, juristas, membros de ONGs e outros especialistas, mas, se quiserem realmente usar de sinceridade, terão de reconhecer que sem confinamento não há solução para as diversas cracolândias que surgem em todos os cantos desta e de outras cidades. Os viciados, verdadeiros zumbis, não têm condições de decidir sobre sua vida - para eles, o crack passou a ser a única razão de viver. Enquanto isso, as drogas, principalmente a cocaína, são largamente ofertadas, a baixo preço em razão da grande produção. Falou-se em envolver as Forças Armadas no combate ao tráfico, com a FAB podendo até abater aeronaves suspeitas. Falou-se no uso de drones para patrulhamento das fronteiras. Mas, na verdade, estamos no país do fogo de palha - num dia anunciam-se medidas citadas com grande estardalhaço, mas, no dia seguinte, verifica-se que não há dinheiro para os combustíveis da FAB nem para manutenção do tal drone, e mais, a presidente deixa de comparecer ao Fórum Econômico de Davos para prestigiar a posse de Evo Morales, um reconhecido líder cocaleiro, em seu terceiro mandato como presidente da Bolívia. Então não dá para acreditar em combate sério ao tráfico internacional. Resta às outras lideranças políticas (se é que existam) rever as tais "cláusulas pétreas" que garantem o direito de ir e vir dos tristes zumbis das cracolândias, e encontrar um meio de tirá-los de circulação, tratando-os para que possam recuperar a condição de seres humanos.
 
Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br 
São Paulo

*
DE PARADOXO EM PARADOXO

A Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife), estabelecida em 1968, é um órgão de fiscalização independente para implementação das Convenções Internacionais das Nações Unidas de controle de drogas. Seu último relatório constata que o tráfico e o crime organizado relacionado às drogas continuam a constituir flagelos para diversos países, Brasil incluído, da América Latina, região onde se situam, segundo o mesmo relatório, os três maiores produtores de cocaína no mundo, com a Bolívia ocupando o segundo lugar, abaixo somente do Peru. Pode-se, então, afirmar que eles são os principais responsáveis pelo esfacelamento de grandes parcelas de muitas sociedades mundo afora, resultando na morte ou na degradação de milhões de pessoas, principalmente jovens. Assim, o trabalho de somente um traficante pode resultar numa quantidade incalculável de sofrimento. A condenação à morte pela Justiça do Estado independente da Indonésia, comprometido com uma política de tolerância zero contra as drogas, do traficante brasileiro Marco Archer provocou uma manifestação indignada da presidente Dilma Rousseff, que até ameaçou empanar as relações entre os dois países. Por outro lado, sem que a sociedade brasileira tenha ainda entendido o motivo, em face da necessidade de o Brasil restabelecer a confiança de sua combalida economia diante da comunidade internacional, a presidente recusou-se a  comparecer à conferência de Davos, preferindo prestigiar a posse do presidente da Bolívia, Evo Morales, eleito, como ela,  para o terceiro mandato. E aí fica o paradoxo: por que indignar-se pela morte de um traficante, se dá prioridade a um evento que representa  a aprovação indireta a um processo criminoso que, neste exato momento, pode estar provocando a morte sem sentença de inúmeros seres humanos nos mais diversos países? E, dessa forma, de paradoxo em paradoxo, vamos deslizando para um caminho aparentemente sem volta. Talvez o papa Francisco nos salve.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com 
Rio de Janeiro

*
CENSURA

Os assassinos que atentaram contra o jornal "Charlie Hebdo", em Paris, matando 12 pessoas covardemente, estavam no fundo fazendo censura, e não conseguiram. Aqui, no Brasil, ainda não estamos nos matando, mas o bárbaro massacre me lembrou outro fato: o jornal "O Estado de S. Paulo" está há 1.943 dias sob censura, porque foi proibido pela Justiça de denunciar os malfeitos do clã Sarney.  O desembargador, amigo íntimo da família, que concedeu a liminar, para mim, guardando as devidas proporções, comportou-se da mesma forma: tentou calar quem não deveria, e não conseguiu. Vivam os 140 anos do "Estadão"!

Eduardo A. de Campos Pires eacpires@hotmail.com
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.