Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

11 Fevereiro 2015 | 02h06

Economia

O que será das famílias brasileiras se a inflação continuar deste jeito? O mercado já prevê 7,15% em 2015 e crescimento zero do País. Cadê a candidata que dizia, na campanha, que a inflação estava sob controle? Essa Dilma que está como presidente não é a mesma do horário eleitoral!

MARCOS ESTEVÃO SARAIVA

mesaraiva@hotmail.com

São Paulo

RICA APOSENTADORIA

Casta privilegiada

Não aguentamos mais os tais ajustes contábeis para cima do contribuinte. Que se façam entre os servidores públicos de alto escalão, ao se aposentarem com regalias próprias de uma casta privilegiada pagas por nós, os verdadeiros otários dessa "boquinhocracia". Vejam o tal Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil (BB) alçado a presidente da Petrobrás. Ele receberá aposentadoria cheia, incluindo férias e Vale-Alimentação! E os outros tantos (Roseana Sarney, exemplo recente) que fazem o mesmo? No Executivo, no Legislativo e no Judiciário as tais benesses são milionárias, desatinadas, um desaforo para quem realmente trabalha para sustentar essa corja de sanguessugas, aproveitadores canalhas do vale-tudo sem-vergonha. É hora de dar um basta! Que o tal ajuste fiscal não recaia exclusivamente sobre as nossas costas. Vamos, deem exemplo. Frequentem o SUS, ponham os filhos em escolas públicas e suas crianças, em creches públicas. Dispensem mordomias. Paguem suas moradias e acabem o com execrável e misterioso cartão corporativo. Viagem em aviões de carreira. Olhem para a cara do povo que os elegeu, frequentem aeroportos e rodoviárias. Tenham carros próprios ou pedalem suas bicicletas. Compartilhem, excelências, os serviços públicos à nossa disposição. Muito justo, uma vez que a "odiosa" (sic) classe média está revoltada com tudo e todos por contribuir com muito e receber quase nada!

GLORIA DE MORAES FERNANDES

glorinhafernandes@uol.com.br

São Paulo

Malandragem

Como dizia Manoel Bandeira, "vou-me embora pra Pasárgada, lá sou amigo do rei". O cara se "aposenta" com R$ 62,4 mil para ser o comandante da empresa que outrora foi a maior do País. Certo. Com uma aposentadoria dessas não tem gatunagem na história. Tem malandragem. Como aposentado, agora minha mulher reza todos os dias para eu não morrer, senão ela vai junto, pois passará fome.

JOSE ROBERTO PALMA

palmapai@ig.com.br

São Paulo

Um poço sem fundo

R$ 62,4 mil de aposentadoria no BB é, no mínimo, uma afronta aos assalariados e aposentados brasileiros. Detesto a expressão "o Brasil não tem jeito", mas parece que não tem mesmo. Além de ser essa uma notícia lamentável, é antes de mais nada triste, muito triste. Isso tudo para dizer a opinião de milhões de brasileiros como eu que, seguramente, se espantaram com a aposentadoria do ex-presidente do BB e agora presidente da Petrobrás. Será que em futuro próximo vai receber mais uma aposentadoria, do fundo de pensão Petros?

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

Fundos de pensão

Será só o sr. Bendine o contemplado com aposentadoria cheia? E os diretores da Petrobrás que acabaram de deixar o cargo (os funcionários de carreira)? Imaginem o impacto na Petros e na Previ! Quando vão auditar os fundos de pensão que estão (ou estavam) comprados em ações da Petrobrás?

MARCELO FALSETTI CABRAL

mfalsetti2002@yahoo.com.br

São Paulo

'Bico'

Todos estes dias estava eu aqui pensando: qual a razão de nomear para a presidência da Petrobrás - a maior e mais importante empresa brasileira - um burocrata que à frente do BB nada fez, haja vista que neste país até banco quebrado dá lucro? É muito simples: com uma aposentadoria prestes a ser concedida com base salarial de R$ 62,4 mil - só 79 vezes maior que o nosso "valorizado" salário mínimo -, é óbvio que o sr. Bendine precisa de um empreguinho para complementar os recursos da sua futura e insuficiente aposentadoria. É PT que não acaba mais!

JOÃO BATISTA PIOVAN

jbpiovan@gmail.com

Osasco

PETROBRÁS

A missão do escudeiro

Dona Dilma ficou com medo de que um profissional do mercado pudesse descobrir relacionamentos mais perigosos ainda no oceano de falcatruas da Petrobrás. Por isso recorreu a Bendine, fiel escudeiro de longa data, para a missão de impedir vazamentos e dificultar questionamentos. Bendine será por enquanto o Cerberus cuidando da porta da Petrobrás. Nada sai e nada entra.

ARY NISENBAUM

aryn@uol.com.br

São Paulo

No lugar de um notável para a presidência da Petrobrás, Dilma escolheu um "notório". Essa presidente é notável... Bye-bye, Petrobrás. Dilma não está preocupada com a Petrobrás nem com o Brasil. A nomeação de homem de sua confiança visa a salvar sua pele e a dos cumpanheiros e garantir para 2018 uma fonte de "recursos" para a volta do Lula e a continuidade do projeto do Foro de São Paulo. Eles jamais vão desistir desse projeto macabro.

AIRTON MOREIRA SANCHES

moreira.sanches@uol.com.br

São Paulo

Corrupção

O fato é que, papo vai, papo vem, e Lula e Dilma continuam impunes à luz da Constituição.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Esperança

Após o desapontamento com o resultado da eleição presidencial, em que a oposição mostrou a incapacidade de defenestrar o PT do governo, surge, com Bendine na Petrobrás, a esperança de que o próprio PT o consiga.

OTTFRIED KELBERT

okelbert@outlook.com

Capão Bonito

Efeito colateral

Não sei se quero Michel Temer como presidente da República.

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Medo dos medos

O que mais mete medo ao PT? A Operação Lava Jato, as agências internacionais de classificação de risco ou as decisões de juízes estaduais norte-americanos?

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

CARNAVAL DE MÁS NOTÍCIAS

Em plena semana do carnaval tupiniquim, quem dança, na realidade, é o consumidor brasileiro. A previsão do boletim "Focus", do Banco Central, divulgado na segunda-feira, indica para 2015 uma inflação de 7,15% e um produto interno bruto (PIB) "ZERO", que também pode ser negativo em até 1%, como já se prevê em razão não somente dos déficits e descontroles nas nossas contas públicas, como também da queda dos investimentos em infraestrutura, motivada pela crise na Petrobrás e pela derrocada das principais empreiteiras do País, envolvidas que estão na Operação Lava Jato. E o dólar superando a casa dos R$ 2,80. Que marchinha carnavalesca indigesta esta do governo petista...

Paulo Panossian 
paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
PIB ZERO

Se algum dia o Brasil tiver uma segunda chance, terá de começar tudo de novo, do barro ao tijolo, do Oiapoque ao Chuí.

Ricardo C. Siqueira 
ricardocsiqueira@globo.com 
Niterói (RJ)

*
FORCINHA

Realmente este governo está ajudando os pobres... a ficarem mais pobres.

Luiz Frid 
luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
'EI, VOCÊ AÍ, ME DÁ UM DINHEIRO AÍ!' 

Segundo a reportagem "Governo cortará benefícios fiscais" (7/2, B5), Joaquim Levy, ministro da Fazenda, busca mais espaços para novos aumentos de tributos. Até agora, tudo o que fez foi aumentar impostos e tirar benefícios trabalhistas e previdenciários somente no setor privado. Com essa sede de arrecadação para tampar o rombo do governo ao qual serve, tudo o que vai conseguir é matar a galinha dos ovos de ouro, ou seja, o setor privado que produz. Parece que Levy já está demonstrando que incomPeTência pega.

Glória Anaruma 
gloria.anaruma@gmail.com
Jundiaí

*
CERCO A BENEFÍCIOS SOCIAIS
  
O governo afirma esperar economizar alguns bilhões de reais administrando adequadamente os chamados "benefícios sociais ou trabalhistas". Contudo, o governo não menciona o salário mínimo inteiro, que simplesmente doa a idosos sem renda a partir dos 65 anos de idade. Isso é um incentivo à não contribuição com o INSS - fica melhor para muitos aguardar os 65 anos. Enquanto isso, milhões de brasileiros contribuíram ou contribuem por 35 anos para ganhar um salário mínimo ou pouco mais.
  
Heitor Vianna P. Filho 
bob@intnet.com.br 
Araruama (RJ)

*
AJUSTE FISCAL

Levy cobra de secretários estaduais ajuste fiscal. Por que os secretários de Fazenda dos Estados não acabam com o incentivo fiscal para os automóveis, que pagam 12% de ICMS, ao invés de 18%, como são taxados os medicamentos em São Paulo? Por que os sem carros vão continuar subsidiando os com carros? Com a resposta, os políticos de plantão.

Ronaldo José Neves de Carvalho 
rone@roneadm.com.br
São Paulo

*
PRESIDÊNCIA DA CEF

Sinceramente não entendo a sra. Miriam Belchior. Como pode conviver com os algozes do seu marido Celso Daniel? Por que ela está neste desgoverno e aceita, agora, a presidência da Caixa Econômica Federal (CEF)? Parafraseando William Shakespeare, "há algo de podre no reino de Brasília...". Ops, era para grafar Dinamarca. Não sei por que me confundi...

Renato Amaral Camargo 
natuscamargo@yahoo.com.br 
São Paulo

*
A CONTA DO MAU GOVERNO

Conta de energia elétrica deve subir em média 42% ao longo do ano. Os papagaios comeram o milho e os periquitos pagam a conta.

Virgílio Melhado Passoni 
mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
ESTAMOS SENDO ROUBADOS

Até hoje estávamos sendo roubados duas vezes no preço da gasolina: uma, pela corrupção na Petrobrás, e a segunda, pela tal Cide. Mas, insatisfeito, o governo pretende nos roubar quatro vezes, ao acrescentar 27% de álcool na gasolina e, com isso, aumentar o consumo dos veículos. Estamos pagando álcool com água pelo preço da gasolina. Além dessa diferença, o cidadão vai pagar ainda mais pela ineficiência energética do álcool, que se mantém em 70% à da gasolina desde 1975, data da criação do Proálcool. As tais Associação Nacional dois Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Única), sempre contando com as benesses do governo em prejuízo do consumidor, nunca se preocuparam em melhorar o custo benefício da utilização do álcool. Para piorar mais ainda essa absurda medida, para produzir um litro de álcool consomem-se 2.700 litros de água. É assim que funciona a eficiência do nosso desgoverno. O cidadão que se lasque.

Frederico Fontoura Leinz 
fredy1943@gmail.com 
São Paulo

*
E O TRABALHADOR Ó...

Não bastasse que os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) sejam remunerados pela TR + 3,50% ao ano (em 2014 foram remunerados por 3,89%, ante uma inflação superior a 6,41%), agora, no rastro da Operação Lava Jato, começam a aparecer que os maiores tomadores de recursos do FIP-FGTS são exatamente as construtoras envolvidas no petrolão e também a Sete Brasil. Ou seja, a roubalheira geral está comprometendo a aposentadoria de milhares de trabalhadores brasileiros. Estranhamente, não se ouviu nenhuma manifestação das centrais sindicais (CUT, UGT, CGT, Força Sindical) em defesa dos interesses dos seus representados. Ou seriam representados apenas os partidos nos quais elas se penduram?

Claudio Juchem 
cjuchem@gmail.com 
São Paulo 

*
AS FRAUDES NA PETROBRÁS

Nas páginas A8 e A9 do "Estadão" de domingo há referência a duas iniciativas surpreendentes. A primeira menciona que o ministro da Fazenda (A8) recorreu à Comissão de Valores Mobiliários, que deverá dialogar com o Security Exchange Commission, sua congênere nos Estados Unidos, para auxiliar na determinação da forma como contabilizar as perdas incorridas pela Petrobrás, objeto da Operação Lava Jato. Surpreendente por que o ministro não recorreu ao papa, no caso, o Conselho Federal de Contabilidade, mas a um órgão cujas funções não incluem assessoria contábil. Mais surpreendente ainda é o fato de implicitar que o contador daquela empresa não é suficientemente habilitado para solucionar este impasse técnico. A dificuldade para encontrar a apropriada contabilização provavelmente resulta da falta de uma clara e objetiva definição da natureza das perdas, e correspondente quantificação. A outra referência (A9) diz respeito à avaliação feita pelo professor e jurista Ary Oswaldo Mattos Filho, especialista em Direito Econômico, para analisar possível ação de responsabilidade de parte de seus acionistas, em virtude da imposição pelo governo Dilma de uma política de contenção do preço de combustíveis para segurar a inflação, que não só causou prejuízos à empresa, como também transgrediu textos legais. A investigação por ele realizada levou em conta o papel da diretoria da empresa, dos Conselhos de Administração e Fiscal e dos auditores. O texto não esclarece o motivo da inclusão dos auditores - qual, onde ou como foi investigada a responsabilidade deles -, e muito menos o resultado da análise. Assim, por omissão do redator, a menção da investigação se os auditores poderiam ser cobrados por iniciativas que, por lei, deveriam tomar, e que em certas circunstâncias não tomaram suscita infundada suspeita sobre o desempenho daqueles profissionais. De qualquer forma, a expressão de juízo sobre o desempenho da diretoria compete ao Conselho Fiscal, cabendo ao auditor apenas formar opinião e expressar parecer sobre a adequação das demonstrações financeiras, quanto à consignação da situação patrimonial e resultados das operações da empresa auditada. As demonstrações financeiras, em última análise, são uma prestação de contas feita pela linguagem dos negócios, qual seja, a contábil. Referidas demonstrações permitem, ou deveriam permitir, que seus leitores julguem o desempenho da diretoria. Isso, todavia, não é mencionado no texto. Se o auditor poderá ser questionado por não ter identificado e quantificado o montante da fraude que a mídia e a opinião pública imputam à Petrobrás é uma questão que exige um esforço muito maior do que aquele efetuado, ou que poderia ser efetuado, por aquele jurista. Mas pelos fatos divulgados pela mídia, a fraude foi cometida pelas construtoras, não pela Petrobrás...
 
Paulo Adolpho Santi 
pasanti@terra.com.br 
Vinhedo

*
FOMOS ENGANADOS

Desde que a Operação Lava Jato chegou ao conhecimento público e os quadrilheiros infiltrados na Petrobrás foram presos, muitos dos seus membros escolheram a delação premiada para diminuir suas penas e o valor das ações da estatal despencaram nas Bolsas de Valores. De tudo o que se publicou depois, ficamos cientes de que o esquema existe há pelo menos 15 anos e, portanto, envolve o governo de FHC e os que atuaram naquela época também deverão ser investigados. Mas a partir de 2003, quando Lula assumiu a Presidência da República, o esquema intensificou-se e, neste período, até o presente momento foram constatados desvios de R$ 10 bilhões. O governo atual conseguiu se reeleger através de manobras como colocar na presidência da CPI do Congresso, formada para investigar o assalto, o ex-senador Vital do Rego, do PMDB, que manobrou de modo a que a referida CPI não chegasse a lugar nenhum. Logo depois foi conduzido ao posto de conselheiro do Tribunal de Contas da União, e será o relator do caso Petrobrás naquela Corte, mas isso já foi coincidência, claro. Ou não? Também se valeu de uma propaganda mentirosa criada pelo marqueteiro do partido, em minha opinião um amoral, além de uma ajuda providencial do ex-presidente Lula. Os diretores da estatal que eram quadrilheiros já haviam sido demitidos após suas prisões. Depois das eleições, a então presidente da Petrobrás, Graça Foster, funcionária de carreira da empresa e que em fevereiro de 2012 substituiu o ex-presidente José Sérgio Gabrielli, começou a ser fritada em fogo brando. As atenções foram desviadas para ela, apesar de não pesar nenhuma acusação sobre a sua pessoa e o governo começou a procurar um nome para a presidência da Petrobrás que fosse capaz de restabelecer a confiança do mercado na empresa. Chegamos aos fatos desta semana e observei que, em todo este imbróglio da Petrobrás, como os desvios de verbas, sobrepreço nos contratos, aquisição da refinaria de Pasadena e as construções das refinarias no Brasil, como Abreu e Lima e a do Maranhão, entre outras, a única personagem que permaneceu sempre ligada à Petrobras foi a presidente Dilma. Agora, com a escolha absurda do ex-presidente do Banco do Brasil, ligado ao Palácio do Planalto, para suceder Graça Foster, demitida pela presidente, eu cheguei à conclusão de que, para salvar a Petrobrás, quem teria de sair do governo seria a presidente Dilma, pois os demais foram somente os peões neste jogo de xadrez em que a presidente é a rainha e, provavelmente, o ex-presidente Lula é o rei. Mas isso agora, já que ela foi reeleita, é uma utopia. Ou não?

Gilberto Pacini 
benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
IMPEACHMENT

A nomeação do companheiro petista para presidente da Petrobras é mais uma prova de que Dilma teme que outros experientes descubram desvios que a comprometam. Como afirmou o grande jurista Ives Gandra Martins, "o assalto aos recursos da Petrobrás, perpetrado durante oito anos, de bilhões de reais, sem que a presidente do conselho e depois presidente da República o detectasse, constitui omissão, negligência e imperícia, comportando a figura da improbidade administrativa, a enseja a abertura de um processo de impeachment".

Waldomiro Benedito de Carvalho 
waldomiroxuca@globo.com 
Itapetininga

*
O CINISMO DE LULA

É explícito o cinismo com que o ex-presidente Lula fala ao defender seu partido de esquerda. Trata aos demais que dele divergem como se inimigos da Pátria, enquanto eles, petistas, seriam os salvadores, não obstante a caótica situação em que nosso país se encontra graças à desavergonhada incompetência e amoralidade na administração. Comportamento típico de irado proletário esquerdista de araque com confirmadas aspirações burguesas quando a oportunidade surgiu, e como surgiu! Se era para alegar que a oposição, incluída nela a imprensa, procura desestabilizar o atual governo, teria sido melhor ficar quieto.
 
Mario Cobucci Junior 
maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
DESFRUTE NO PODER 

Antes de quebrarem a Bancoop, João Vaccari Neto (o Moch) e talvez Ricardo Berzoini, ao invés de construírem e venderem imóveis aos bancários cooperados, venderam (?) ao chefe-mor dos petralhas uma cobertura de mais de 300 metros quadrados, de frente ao mar, na Praia das Astúrias, no Guarujá (SP). Fica como sugestão ao juiz Sérgio Moro e equipe aprofundarem-se na questão, já que poderiam as demais unidades desse prédio ter sido vendidas (?) para alguns outros membros da "cosa nostra" petista, ainda mais que tal obra foi terminada a toque de caixa, antes da quebra da Bancoop, pela Construtora OAS, que tem hoje parte de sua cúpula na Polícia Federal de Curitiba. Apertem os presos, que aí tem...

Valdomiro Moreira Silva 
valdo43@yahoo.com.br
São Paulo

*
FOME

Lula talvez tenha razão: com os bilhões surrupiados da Petrobrás não dá para matar a fome no mundo, mas pode ajudar muito.

Silvio Leis 
silvioleis@hotmail.com 
São Paulo

*
DNA

Em 1981, Lula, acompanhado de Marcos Terena, Eduardo Suplicy, Jair Meneghelli e o então deputado Airton Soares foram à Líbia buscar dinheiro para o PT com Muamar al-Khadafi, então pária na comunidade das nações por patrocinar o terrorismo internacional. É... parece que está no DNA do PT a obtenção ilegal de recursos e a sua intrínseca associação com malfeitores.

Fernando C. Wanderley Rocha 
fernandocwrocha@yahoo.com.br 
Brasília

*
O QUE MAIS PRECISA

O PT recebeu US$ 200 milhões em propinas, e políticos do PT e aliados também foram beneficiados com outros valores adicionais. Esquemas de desvios não param de aparecer. Conclui-se que, para poder cobrar propina, quase todos os negócios com a Petrobrás, aqui e no exterior, foram altamente desastrosos para a empresa e seus acionistas. A sra. Dilma era presidente do Conselho de Administração que autorizou a compra da Refinaria de Pasadena, superfaturada. Ela que indicou a amiga Graça Foster para a presidência executiva da Petrobrás, que agora pediu demissão e saiu pela porta dos fundos. O preço do petróleo caiu pela metade, e aqui a gasolina sobe - e muito. Além do fato de a qualidade da gasolina ser péssima, pois a Petrobrás a batiza com álcool, com ajuda dos distribuidores e de postos. Bem, já notaram onde a Petrobrás vai buscar os recursos para pagar as maracutaias? Vale lembrar que, toda vez que havia um problema de ordem econômica, a presidente dava uma boa notícia sobre a Petrobrás: novos poços descobertos, sobre o pré-sal, etc., sempre havia um monte na gaveta para enganar o mercado e iludir investidores. E, por ironia do destino, com a queda do preço do petróleo está inviabilizado o pré-sal, tão alardeado.  Quanto à energia elétrica, em passado recente, com propaganda em rede, paga pelo contribuinte, com grande euforia, a presidente disse que baixaria os custos da energia para os consumidores. Isso redundou em prejuízo para as fornecedoras, que agora querem cobrar a conta. E sabemos quem vai pagar. Daí eu pergunto: o que mais precisamos para tirar todos estes envolvidos do poder e expropriá-los dos seus bens adquiridos desonestamente? Ainda assim, temos de ter uma Operação Lava Jato em todas as empresas públicas. Todas. Fico imaginando, se o sr. Aécio Neves tivesse ganhando as eleições (aliás, tenho minhas dúvidas quanto às apurações), o PT e todos os "cumpanheiros"estariam nas ruas protestando e vandalizando com todas as forças contra as medidas econômicas que certamente seriam tão duras quanto as que estamos vivenciando. Vale lembrar o ditado: "Às vezes a gente ganha quando perde, e às vezes a gente perde quando ganha". Deus nos ajude e ilumine as pessoas de bem, para que mudemos os rumos de nosso querido Brasil. Parabéns ao juiz federal Sérgio Moro, à sra. Venina Velosa, ao sr. Joaquim Barbosa e a outros anônimos que ainda nos dão esperanças.

Waldir Cassapula 
waldir.cassapula@gmail.com
São Paulo

*
O DINHEIRO DE VOLTA

A primeira coisa a saber quando acontece um crime é saber a quem esse crime beneficia. No caso da Petrobrás, o PT de Lula e Dilma. Além do mais, a corrupção tem duas pontas: quem paga e quem recebe e se vende. Por que não se recupera este dinheiro, inclusive com o bloqueio dos bens dos acusados?

Dionysio Vecchiatti 
dio.vecchiatti@terra.com.br  
Valinhos

*
PUNIÇÃO

A privataria tucana privatizou a Embraer, que estava à beira da falência, e a transformou numa das empresas mais competitivas do mundo. A privataria petralha privatizou a Petrobrás, que era a galinha dos ovos de ouro da economia nacional, e depois de se apoderar dos ovos para consumo próprio, transformou-a numa das mais atrasadas e endividadas empresas do mundo. Como nos EUA não se brinca em serviço, Rodrigo Janot, procurador-geral da República, volta daquele país quinta-feira com provas mais do que suficientes para que Lula, Dilma e agregados escolham a futura residência: Papuda ou a "Guantánamo de Curitiba". Mas, se acontecer o que imaginamos - a impunidade para os malfeitores continuar -, contamos com a eficiência americana para tal fim. E, neste caso, estará comprovado que o procurador não merece e não pode mais continuar no cargo. Seguindo a moda, impeachment nele!

Carmela Tassi Chaves 
tassichaves@yahoo.com.br 
São Paulo

*
ALDEMIR BENDINE

A escolha de Aldemir Bendine causou um verdadeiro rebuliço. Os mais irônicos sugeriram que se mudasse o nome da estatal de Petrobrás para PetroVal, numa alusão indelicada a um empréstimo do Banco do Brasil à socialite amiga de Bendine Val Marchiori. Ora, senhores moralistas, acalmai-vos. Para outros, algumas irregularidades na declaração de Imposto de Renda maculariam o currículo do indicado. Bobagem pura. Ele pagou uma multa, logo, lavou, tá novo. Há aqueles que acham que falta familiaridade com o ramo e que o único contato com a atividade-fim da empresa que ele passará a dirigir se resume a encher o tanque do seu veículo de representação. Outra tolice. Quem enche o tanque é o motorista. E, falando sério, um CEO não precisa necessariamente ser do ramo. A IBM - a outrora flamejante BIG BLUE - recrutou um CEO, Louis Gerstner, da Nabisco. Argumenta-se que, por ter dirigido o Banco do Brasil, o novo presidente da Petrobrás entende de balanços e o seu relacionamento com o mercado financeiro lhe permitirá conseguir financiamentos imprescindíveis para prosseguir as atividades da companhia. Neste ponto, é possível levantar algumas dúvidas. Essa tarefa poderá ser executada pelo CFO da empresa, pessoa da mais alta qualificação. Parecem esquecer um detalhe. Uma vez perdido o sufixo "do BB", o novo CEO da Petrobrás deixará de ser visto com os mesmos olhos pela comunidade financeira. Uma objeção séria ao processo de escolha é ter sido resolvido em dois dias. A admissão de um encarregado do almoxarifado de bens de consumo leva mais tempo. Teria sido a comprovada docilidade do senhor Bendine o argumento decisivo?
Vai que é sua, "Dida"!

Alexandru Solomon 
alex101243@gmail.com
São Paulo

*
AGORA A GASOLINA

Com Bendine na presidência da Petrobrás, a tal da "socialite" vai ter gasolina de graça? 

José E. Zambon Elias 
zambonelias@estadao.com.br 
Marília

*
ARREPIOS

Querem botar ordem e esclarecer tudo na Petrobrás? De verdade? Convidassem o sr. Joaquim Barbosa para a presidência da empresa. É só citar seu nome e os pêlos dos petistas se arrepiam como os de gatos.
 
André C. Frohnknecht 
caxumba888@gmail.com 
São Paulo

*
NOVAS NORMAS DE ÉTICA

O novo presidente da Petrobrás começou mal: seguindo orientações da gerentona, instituiu novas normas a serem seguidas na empresa. Ele não ficou sabendo que o ex-gerente jurídico e a sra. Venina informaram ao Ministério Publico que alertaram os respectivos diretores de que os procedimentos internos para contratação de serviços não estavam sendo seguidos? Foram punidos por isso. Normas, regras, boas condutas já existem, o que precisa é serem cumpridas. A única norma que foi esquecida e deveria ser implantada com urgência é que deverá ter critério totalmente técnico quando fizerem negócios com alguma socialite.

Ana Maria Sant'Anna 
annasantt@uol.com.br
São Paulo

*
PRIVATIZAÇÃO

A única solução real para esta atribulada empresa será, sem dúvida, a sua privatização, e, já no caso de ser decidida, o valor das suas ações subiriam significativamente. Lembremos os espetaculares resultados da fantástica recuperação comprovada nas privatizações das ex-estatais e maiores empresas do Brasil, CSN, Usiminas, Vale, Embraer e Telefônica. Sobretudo pelo fato de terem sido libertas da destrutiva ingerência política e podendo seguir as regras do mercado, restauraram a sua excelente saúde econômico-financeira e saíram da obsolescência para avançar numa tecnologia de ponta, o que as permitiu conquistar significativa participação nos mercados nacional e internacional. Seu faturamento cresceu de 5 a 8 vezes e o quadro de empregados, até 4 vezes, como no caso da Vale. Suas contribuições de impostos para os cofres públicos ascenderam na mesma proporção, e, mais importante ainda, ao todo foram arrecadados US$ 105 bilhões nas privatizações, fundos utilizados para diminuir a dívida pública e os respectivos juros ("Exame", 21/3/2005). Apesar desses convincentes antecedentes, duvidamos do que a presidente e companheiros, escravos dos seus instintos bolivarianos, deixem de demonizar a privatização no lugar da estatização, como seria mais apropriado. Confirmou-se esse atributo ao evidenciar a intenção da presidente de continuar a interferência política na Petrobrás, nomeando para este fim Aldemir Bendine, ex-presidente do BB de comprovada subserviência ao Planalto. Um novo choque negativo da tão necessária recuperação da credibilidade da empresa. Cadê a oposição, sr. Aécio, tão quieta e tolerante ante a longamente praticada improbidade administrativa da governante?

Pablo L. Mainzer 
plmainzer@hotmail.com 
São Paulo

*
DIREITOS E DEVERES
 
Quando privilégio! O novo presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, terá sua aposentadoria como diretor do Banco do Brasil calculada pelo salário de R$ 62,5 mil mensais. Acertam-se, em primeiro lugar, os direitos desse funcionário graduado, e os deveres como novo diretor da Petrobrás ficam para estudos posteriores. Ignoramos por completo o que ele pretende fazer como novo presidente da nossa petroleira, que lamentavelmente enfrenta sérias dificuldades no momento, em razão da sanha criminosa de corruptos que sugaram sem escrúpulos seus ativos.
  
Francisco Zardetto 
fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
MOLEZA

Alguém já perguntou ao sr. Bendine se vale o sacrifício de ser presidente da Petrobrás? Eu respondo por ele. Sim, vale R$ 63.000,00 de aposentadoria cheia do Banco do Brasil, mais R$ 190.000,00 de salário como presidente da espoliada Petrobrás. Será moleza, principalmente tendo como padrinho o grande czar Luiz Inácio.

José Roberto Iglesias 
rzeiglesias@gmail.com 
São Paulo

*
APOSENTADORIA MILIONÁRIA

Em termos de comparação, o sr. Aldemir Bendini está perdendo feio nos valores das nossas aposentadorias: os R$ 62.000,00 (sessenta e dois mil reais) recebidos por ele são dinheiro de pinga comparando com a minha do INSS - todo mês necessito pagar seguranças e carro forte para poder transportar meu benefício. Não consigo gastar toda a grana, isso é o que me entristece. Brasil, país das inversões e das discrepâncias sociais.

Aloisio A. de Lucca 
aloisiodelucca@yahoo.com.br 
Limeira

*
ARROGÂNCIA E PREPOTÊNCIA

A presidente da República demonstrou toda sua arrogância e prepotência no caso da substituição na presidência da Petrobrás. Após demitir sua amiga, convocou outro amigo para o cargo, demonstrando total desprezo pelas expectativas do mercado e dos investidores e, principalmente, demonstrou que é ela quem manda. Pois bem, sra. presidente, agora toda a responsabilidade é sua! A senhora entrará para a história por, além de quebrar um país, também ser responsável por quebrar a maior empresa de um país. O Brasil não suporta mais quatro anos de tamanho desgoverno e irresponsabilidade. Os únicos satisfeitos são os "amigos" do poder. Basta!

Carlos R. Barreto Barsotti 
cbarsotti1@hotmail.com 
São Paulo

*
POPULARIDADE

A voz do povo é a voz de Deus. No "Estadão" de domingo: pesquisa indica avaliação de ruim/péssimo para a presidente Dilma Rousseff (44%), o prefeito Fernando Haddad (44%) e para o governador Geraldo Alckmin (24%). Sugiro a cassação do mandato, pelo Legislativo, de presidente, governador ou prefeito quando a condenação atingir já 20% dos eleitores consultados.

José Erlichman 
joserlichman@gmail.com 
São Paulo

*
O TRIO

A presidente ausente, 
o governador amador,
o prefeito imperfeito,
todos, todos, os três
levam de vez
o caixão
do pobre povo brasileiro
para mergulhar na escuridão
da decepção,
da corrupção...

Cacilda Amaral Melo 
Cacilda09@uol.com.br
São Paulo

*
GERALDO ALCKMIN

Não é possível essa queda de popularidade do governador Geraldo Alckmin, um político de longas décadas sobre quem até hoje não há notícias de desvio de dinheiro público, ou melhor, nunca roubou o povo. Infelizmente temos de privilegiar os honestos, muito embora ser honesto seja obrigação de todos, mas no Brasil isso é relativo, e não absoluto. E esta crise hídrica é um problema no País todo, um problema da natureza, de falta de chuvas, excesso de calor, etc. 

Arcangelo Sforcin Filho 
arcangelosforcin@gmail.com 
São Paulo

*
REVERSÃO DA MÁ FASE

As pesquisas apontam queda na popularidade da presidente (tadinha...) e, para tentar frear o impacto, ela irá aparecer mais na televisão, nas rádios, etc.  Não seria melhor se ela ficasse no seu gabinete e trabalhasse para acabar com a bagunça que ela e o partido dos petralhas criaram? Talvez a popularidade dela melhorasse. Mas trabalhar dá tanto "trabalho"... Roubar é mais fácil.

Adriana Aulisio 
aulisiodri@gmail.com 
São Paulo

*
LADEIRA ABAIXO

Quem chegará primeiro ao índice negativo, Dilma Rousseff ou o PIB do Brasil?
 
Robert Haller 
robelisa1@terra.com.br 
São Paulo

*
DILMA EM REDE NACIONAL

A presidente Dilma Rousseff pretende fazer um pronunciamento na TV para tentar reverter a queda de sua popularidade, e para isso usará um daqueles discursos elaborado por seu marqueteiro durante a última campanha presidencial, recheado de mentiras. Quem sabe Joaquim Levy, ministro da Fazenda, consiga convencê-la a não desperdiçar essa verba pública, pois com certeza esse pronunciamento será apenas mais um tiro no pé. Dilma, por que não te calas?

Maria Carmen Del Bel Tunes 
carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
MAIS MENTIRAS?

O marqueteiro João Santana já foi chamado para melhorar a popularidade de dona Dilma (PT). Criando mais mentiras?

Tania Tavares 
taniatma@hotmail.com 
São Paulo
 
*
PARA MELHORAR A IMAGEM

Dona Dilma, para aparecer mais, não basta popularidade. Use o seu cargo para consertar o Brasil agora. Nomeie para os postos-chave gente competente e de fora da política, dê um fim já na corrupção da Petrobrás e em outras estatais, coloque a inflação em níveis aceitáveis e alavanque a economia. Por fim, faça o Brasil entrar na era da diplomacia plena, inteirando-se com países que realmente tenham algo a nos ensinar e a transmitir.

Walter Lúcio Lopes 
wll@uol.com.br 
São Paulo 
  
*
E A REALIDADE?

Procurando safar-se da sua condição de Geni, Dilma tem rasgado elogios à Petrobrás, citando inclusive a contribuição do pré-sal para a sua "Pátria Educadora". Está aí um ponto interessante: quem pode dizer com certeza qual o valor efetivo que o pré-sal pagou até agora para os órgãos ou entidades previstas em lei e que destinariam o numerário para a Educação?
 
Nestor Rodrigues Pereira Filho 
rodrigues-nestor@ig.com.br  
São Paulo

*
LOBA DELA MESMA

Pesquisa do Datafolha revela que Dilma Rousseff é considerada desonesta (47%), falsa (54%) ou indecisa (50%) pelo universo consultado. Será uma tarefa das mais árduas atravessar quatro anos do segundo mandato com esse nível de insatisfação popular. Dilma é a loba de Dilma.

J. S. Decol 
decoljs@globo.com 
São Paulo

*
ATÉ QUE SEJA VERDADE

Não só estou com aqueles que acham a presidente Dilma desonesta, falsa e indecisa, respectivamente 47%, 54% e 50% dos consultados, como também estou preocupado com a saúde mental da nossa governante. Como alguém em sã consciência é capaz de falar em investimento da riqueza do pré-sal para a educação num momento destes ("Estadão", 5/2). De duas, uma: ou a presidente sofre de alguma grave patologia de personalidade ou então é fiel adepta da doutrina do ministro da Propaganda do Reich na Alemanha Nazi, Paul Joseph Goebbels ("uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade").

Ataliba Monteiro de Moraes Filho 
ataliba@outlook.com 
Araçatuba

*
ASSUNTOS POLÊMICOS NO CONGRESSO

É lamentável que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), faça pose ao afirmar que temas polêmicos, como o aborto, não serão tratados por ele. O Legislativo é exatamente o local para haver esse tipo de discussão e a sociedade brasileira está ali representada, com todas as suas vertentes e correntes. Ao afirmar isso, prova que o Congresso Nacional parece existir apenas para discutir a política em si, e não a melhoria das relações humanas na sociedade brasileira. 

Adilson Roberto Gonçalves 
prodomoarg@gmail.com 
Lorena

*
NEM QUE A VACA TUSSA

"Aborto eu não vou pautar (para votação) nem que a vaca tussa", disse Eduardo Cunha. Se o presidente da Câmara "plagiou", é porque vai roer a corda.

Sergio S. de Oliveira 
ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
UM DITADOR NO PARLAMENTO

Pela primeira vez na história vejo o caso de um ditador no Parlamento. As convicções de um deputado, religioso fundamentalista e presidente da Câmara, não condiz com o Brasil laico e democrático. Não colocar o projeto de lei do aborto e do casamento homossexual na pauta demonstra a pessoa que preside o nosso Parlamento...

Amancio Barker 
abarker4141@gmail.com 
São Paulo

*
CONTENÇÃO DE GASTOS

Em tempos de racionamento de água e de luz e de contenção de gastos públicos, por que não reduzir à metade o número de parlamentares em todas as Casas Legislativas, eis que representam uma despesa elevada e pouco fazem pela sociedade?

Yvette Kfouri Abrão 
m.abrao@terra.com.br 
São Paulo

*
A PROLIFERAÇÃO DE PARTIDOS POLÍTICOS

É salutar que o "Estadão" aborde a questão da criação desenfreada de partidos no Brasil. Primeiro, com a reportagem "Seis novas legendas buscam registro na Justiça" (8/2/2015) e, em seguida, com o editorial "A farra dos partidos" (9/2/2015). O NOVO (só isso, não Partido Novo ou PN, por favor!) foi mencionado na reportagem e é de se considerar uma deferência a este projeto que ele nem sequer tenha sido mencionado no crítico editorial, diferenciando-o de outros partidos em gestação, que visam apenas a servir como moeda de troca no jogo político (negociando tempo de TV ou permitindo a troca partidária) ou meio para angariar recursos com o Fundo Partidário (meu, seu, nosso dinheiro). Foram os voluntários do NOVO que coletaram as assinaturas necessárias ao registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e bancaram as despesas necessárias para as atividades do partido, como deveria ser. Em tempo: o Fundo Partidário e o horário eleitoral "gratuito" (que de gratuito tem apenas o nome) deveriam acabar.  Os partidos que se sustentem com seus apoiadores e conquistem seu espaço na mídia. A existência dessas figuras é a mãe da proliferação de legendas.

Luiz Augusto Módolo de Paula 
luaump@yahoo.com.br 
São Paulo

*
'A FARRA DOS PARTIDOS'

Partidos são pajelança da ditadura pelo poder econômico. Quem sustenta um partido é o empresariado, que dança na corda bamba dos banqueiros. Em qualquer bandalheira de corrupção há que ter algum banco envolvido, porque dinheiro não fica voando por aí. Partido no Brasil virou sinônimo de "banca de feira". basta preencher um formulário, pagar o "pedágio" e apresentar uma lista, mesmo fajuta, de membros.

Ariovaldo Batista 
arioba06@hotmail.com
São Bernardo do Campo

*
LOGO, LOGO

Pelo andar da carruagem, dentro em breve, cada político terá o seu partido. Quem sobreviver verá!

Milton Bulach 
mbulach@gmail.com 
Campinas

*
REFORMA POLÍTICA

Um importante capítulo da reforma política não está estão sendo cogitado: o voto distrital. Com certeza porque ele não iria passar mesmo. Os deputados que lá estão foram eleitos pelo voto proporcional e eles não vão correr o risco de não serem eleitos pelo seu distrito eleitoral, de modo especial os líderes partidários, os cabeças de chapa, que obtêm votos em todo o seu Estado. O voto proporcional por partido é uma excrescência, o ilustre deputado Tiririca levou consigo mais quatro deputados desconhecidos do eleitorado - suas votações foram insignificantes, mas lá eles estão para representar o povo. Mas para os partidos interessa ter um puxador de votos, porque a bancada cresce. Quanto à doação de empresas para campanhas eleitorais, é outra imoralidade. Nenhuma empresa tem simpatia ou torce para este ou aquele partido, nem pela sua ideologia (ainda existe isso?) ou pelo seu programa de governo. Não sejamos ingênuos, se alguma empresa doa milhões para este ou aquele partido ou para vários partidos, que é o mais comum, ela vai querer a importância doada com lucro mais juros e correção monetária - é o velho "toma lá, dá cá", senão na próxima eleição ela não doa mais. Por sua vez, todo mundo sabe, ninguém e ingênuo, infantil, sabe que essa questão de propina é cultural, faz parte da nossa cultura política, o empresário, depois de fazer o orçamento para determinada obra, tem de acrescentar uma boa porcentagem, 10% a 20%, para distribuir entre aqueles que controlam as obras do governo. Como toda essa dinheirama doada a partidos, ao final, virá, de um jeito ou de outro, de nós, os contribuintes, então seria mais honesto que o Tesouro Nacional financiasse as campanhas eleitorais com menos gastança e sem doação de ninguém mais. Sempre tive no juiz do STF Gilmar Mendes um bom conceito, me estranha ele pedir "vista ao processo" desde abril passado. O que o ministro pretende com isso? Aí tem.

José Carlos de Castro Rios 
jc.rios@globo.com 
São Paulo 

*
A CONDENAÇÃO DE GENOINO

Os petistas estão achando que o Brasil é uma zona. O mensaleiro José Genoino, que já deveria se sentir envergonhado de ter roubado muito dinheiro no escândalo do mensalão, não fica nem um pouco constrangido em pedir a extinção de sua pena. Se concederem, nós, brasileiros, poderemos dizer que de fato o Brasil virou o quintal do PT.

Tiago Bertanha 
tiago@bertanha.com.br 
Batatais

*
A PENA DO MENSALEIRO

Indulto de Natal suprime pena? Nem Papai Noel tem saco para ouvir tal cretinice. O que falta a "eçajente" é vergonha na cara. Enfim, coisas de genoinos lulopetistas.

A.Fernandes 
standyball@hotmail.com
São Paulo

*
ASSALTOS AOS CAIXAS ELETRÔNICOS

Na edição de domingo (9/2), vimos que os assaltos aos caixas eletrônicos estão crescendo cada vez mais e fazendo mais vítimas. No início, tais caixas estariam protegidos por um dispositivo que impregnava as cédulas com tinta, invalidando-as, em caso de tentativa de violação. Gostaria de saber por que não mais é empregada tal proteção, item nunca mencionado nos relatos dos assaltos.

Nelson Carvalho 
nscarv@gmail.com
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.