Fórum dos Leitores

PETROLÃO

O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2015 | 02h05

Impeachment

A possibilidade de impeachment da presidente Dilma de forma alguma pode ser considerada como aventura ou oportunismo. Não podemos mais aceitar como justificativa que uma ação a favor do impeachment incendiaria o País ou, então, que em prol da governabilidade deveríamos desistir dela. Foi o erro cometido em 2005 com o mensalão. O resultado está aí, bem pior: o petrolão. Comprovados os desmandos, a má administração e o envolvimento nos atos de corrupção na Petrobrás - seja direta ou indiretamente -, e havendo fundamento jurídico que avalie a ação, além de apoio da maioria da população, não há por que não levá-la adiante. Somos um país democrático e o ato está previsto na Constituição. Não há por que ter medo. No Paraguai, por muito menos, o presidente Fernando Lugo foi defenestrado sem traumas, de forma rápida e legal. Chega de incomPeTência!

HUMBERTO BOH

hubose@gmail.com

São Paulo

Humilhação

Os condenados no processo do mensalão estão frustrados. Comparando com o escândalo do petrolão, eles passaram de gângsteres a ladrões de varal.

JOSÉ CARLOS SALIBA

fogueira2@gmail.com

São Paulo

Oposição?

Em qualquer país democrático do planeta, um governo como o que temos aqui, vergado por acusações gravíssimas de corrupção e de uma incompetência sem precedentes, já teria sido removido. Qual o mistério que cerca os políticos ditos oposicionistas para não agirem em defesa do País? José Nêumanne foi feliz em seu artigo de ontem (O governo mente e a oposição cala, A2).

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

Renato Duque

Conforme o dito popular, "tá tudo dominado". Como pode um acusado de recebimento de propinas desse quilate ser mantido em liberdade pelo Supremo Tribunal Federal, enquanto outros permanecem presos? Acho que barbaridades desse tipo somente diminuirão, ou serão eliminadas, quando funcionários públicos de qualquer nível forem exonerados sem remuneração, ou mesmo presos, quando os seus atos causarem prejuízo à sociedade. Por outro lado, usando a pérola do ministro Luís Barroso, perdi a conta de quantos pontos fora da reta existem no Supremo. Sentença que é sentença é aquela efetuada com bom senso, o resto é outra coisa.

FERDINANDO PERRELLA

fperrella@hotmail.com

Sorocaba

Propinoduto

Quem trabalha honestamente não ganha nem a metade do que ganhava Renato Duque na Petrobrás, que recebia propinas a cada 15 dias. No Brasil o crime realmente compensa.

ANNA CAROLINA MEIRELLES

annacmeirelles@gmail.com

São Paulo

BR Distribuidora

Não sei se a prevaricação descoberta pela Polícia Federal, no curso da Lava Jato, envolvendo a Petrobrás Distribuidora tem realmente ligação com o restante da operação, ou se trata de um fato isolado causado pela frouxidão moral reinante no País. Trabalhei na BR de 1975 a 1990, atuando nas áreas de administração de contratos (conservação e limpeza, vigilância, transportes, etc.) e também em compras. Aqui, no Distrito de São Paulo, quando realizávamos licitações para contratação de serviços ou para compras, havia um dispositivo simplório e eficaz: uma caixa de madeira com uma fenda na tampa e cadeado, cuja chave ficava em meu poder. Os participantes entregavam suas propostas em envelopes, que eram lacrados e depositados na caixa. No dia marcado, a caixa era aberta na presença dos interessados, declarava-se o vencedor e uma ata era escrita. Tudo muito simples. Claro que, algumas vezes, representantes das firmas participantes tentam obter informações sobre as demais, isso é até parte do jogo. Mas se o funcionário for leal à empresa ou, pelo menos, gostar de dormir sossegado, saberá resistir às tentações.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

ALDEMIR BENDINE

Aposentadoria do BB

O técnico Felipão, o profeta, já havia dito: "Quer moleza? Vai trabalhar no Banco do Brasil!". Essa é a meritocracia do petismo-banditismo. Depois de piorar os resultados do banco, envolver-se em empréstimos irregulares e desvio de dinheiro, o ex-presidente do BB e atual da Petrobrás se aposenta com salário de R$ 62,4 mil por mês. Foi para a Petrobrás para encobrir os escândalos da administração Dilma-Gabrielli. No Brasil, quanto mais você for picareta, maiores suas chances de sucesso.

ANDRÉ COUTINHO

arcouti@uol.com.br

Campinas

PREFEITURA PAULISTANA

Pedalão

Enquanto a maioria dos paulistanos e brasileiros está ansiosa pelo impeachment da presidente Dilma, com manifestações públicas e ações judiciais, eles se esquecem do prefeito suvinil? Este vai brincando de prefeito e gastando enormes quantias em despesas inúteis, com total apoio do seu secretário de Transportes, Jilmar Tatto. Na esfera federal somos "roubados" com a corrupção nas estatais, nos ministérios e órgãos públicos e em São Paulo, com as ciclovias e ciclofaixas que para nada servem, a não ser prejudicar ainda mais o trânsito, os comerciantes e os moradores da cidade. Acontece que o prejuízo não é só na mobilidade, é principalmente no elevado custo de$$as inutilidades. Que precisam ser investigadas antes que se transformem no pedalão de São Paulo, semelhante ao petrolão. Com o que foi inutilmente gasto até o presente momento, quantas casas populares poderiam ser construídas?

MARIA TERESA AMARAL

mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

Custo das ciclovias

R$ 650 mil por km de ciclovia construída, quero dizer, pintada na cidade de São Paulo me deixam perplexa. O prefeito Fernando Haddad conseguiu o que prometeu: aumentar as ciclovias da cidade, mas conseguiu também reduzir o número de pessoas que usam bicicleta. Se a intenção de Haddad era melhorar o trânsito de São Paulo, ele conseguiu fazer o inverso, só piorou.

CARLA GUIDINI SANTAGUITA

carla_guidini@hotmail.com

São Paulo

O sr. Haddad pare de enganar a população com ciclovias de fim de semana. O que precisamos é de transporte público de qualidade. Nunca o poder público esteve tão ausente nesta cidade.

MARCOS ABRÃO

m.abrao@terra.com.br

São Paulo

A CRISE DA ÁGUA

Depois de fazer todo tipo de terrorismo eleitoral em 2014, o presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, volta à baila para criticar o governo de São Paulo (de novo) na condução do problema da escassez de água. É curioso, no entanto, que tenha passado os últimos 12 meses sem dizer uma palavra sobre a crise no Rio de Janeiro, governado por aliados ao PT e cuja água pode acabar antes mesmo do volume morto paulista. Ao que tudo indica, crítica e erro são armas a serem utilizadas contra adversários eleitorais. E só.

Cristina Gamas cristinagamas8@gmail.com  
São Paulo 

*
O CHAMADO DA COMPANHEIRADA

No momento em que os reservatórios em São Paulo voltam a subir, o presidente da ANA, Vicente Andreu, resolve pôr a cara na rua para criticar as medidas implementadas em São Paulo. Seria ele parte do esforço anunciado por José Américo para desgastar o governador Geraldo Alckmin? Pelo precedente, parece que o petista sindicalista ouviu o chamado da companheirada.  

Paulo Marcelo Martins Reis paulomarcelomr@gmail.com  
São Paulo

*
CONVERSA FIADA

Vicente Andreu, presidente da Agência Nacional de Águas, deixou a CUT, mas parece não ter perdido o hábito de focar suas críticas e lamentos nos adversários. É lamentável que estejamos passando pela maior crise de abastecimento da história recente na Região Sudeste e o presidente da agência reguladora nada mais faça que política partidária. Já deveria ter aprendido com os erros de Dilma Rousseff que o Brasil precisa de mais trabalho e de menos conversa fiada.

Gustavo Henrique gustavonunes67@gmail.com   
São Paulo 

*
AUTOCRÍTICA

Curioso o presidente da Agência Nacional de Águas, Vicente Andreu, criticar a crise hídrica em São Paulo. Oras, ele sabe o que significa a palavra "nacional"? Sobre a má gestão dele à frente da agência, obviamente, ele não falou!

Leandro Molina leandro.molina2@hotmail.com  
São Paulo 

*
POLITICAMENTE TREINADO

A seca em São Paulo é grave, todo mundo sabe. Mas os paulistas estão se esforçando para não deixar a água faltar. Aí vem o presidente da Agência Nacional de Águas criticar o governo de São Paulo e não explica o que ele fez pra ajudar São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, ambos com problema da mesma gravidade. Politicamente treinado o sr. Vicente Andreu?

Victor Panchamel victor_steel@hotmail.com  
Itapevi 

*
LAMENTÁVEL

Que triste ver a grave crise hídrica de São Paulo sendo usada politicamente pelo presidente da Agência Nacional de Águas. Vicente Andreu, ao que me parece, pouco fez para ajudar antes que a crise se agravasse, e agora fica dando entrevistas à moda PT. Lamentável!

Francesco Teruo Nakahara Bloise francescobloise92@gmail.com  
São Paulo 

*
POLÍTICA PARTIDÁRIA

O presidente da ANA, Vicente Andreu, é o exemplo clássico do aparelhamento estatal promovido pelo PT. É uma pena que num momento de crise tão sério como este pelo qual estão passando os Estados do Sudeste e do Nordeste, o presidente do órgão regulador esteja preocupado apenas em fazer política partidária, e não em trabalhar de fato para ajudar a minimizar os problemas para a população. É por essa inversão de valores que o Brasil está hoje mergulhado na maior crise da sua história recente.  
 
Duarte Nogueira, presidente estadual do PSDB brunonunes60@gmail.com  
São Paulo

*
NOVAS REPRESAS

Segundo a elite do PT, os brasileiros não precisam mais se preocupar com a construção das próximas represas hídricas. Elas não terão atrasos, nem desperdícios, nem superfaturamento. Serão todas padrão Fifa.

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br 
São Paulo

*
DESTRUIÇÃO DOS MANANCIAIS

A destruição dos mananciais Guarapiranga e Billings vai continuar com as obras anunciadas pelo prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. A cidade não sobrevive sem água, e a invasão dos mananciais é um crime ecológico federal, estadual e municipal. Mesmo com a crise da falta de água, nossos governantes só tomam medidas contra a sobrevivência da cidade de São Paulo... Estamos num país de loucos?  
  
Marius Arantes Rathsam mariusrathsam@hotmail.com  
São Paulo

*
QUESTÃO POLICIAL

A crise hídrica trará desafios ao Judiciário (7/2, E3) e à Polícia Federal (PF). Há um enorme campo de trabalho para a PF apurar o desmatamento catastrófico da Amazônia - principal causa do sumiço das chuvas no Sudeste. Ainda que a ação de madeireiras irregulares na Floresta Amazônica seja endêmica, o ritmo da destruição de nossas matas exacerbou-se sob a administração federal petista, fomentando a crise d'água atual. Tanto a omissão de autoridades ao desmatamento e queimadas quanto os enriquecimentos ilícitos - de madeireiras e de fazendeiros, e de gênios filhos de políticos que se tornaram grandes pecuaristas na região hoje desmatada - têm de ser objeto de uma ação da PF tão exemplar quanto a Lava Jato. Depois, antes que a Amazônia se torne um deserto, restará ao governo que seja responsável apoiar o necessário e urgente reflorestamento da região. A necessária ação da PF, na Região Norte e em Estados vizinhos, poderá ser o embrião de ações similares das diversas polícias no desmatamento da Mata Atlântica e de outras matas, além da proteção de mananciais e rios, de âmbito estadual e municipal também - ações nas quais políticos populistas e loteadores irregulares devem ser incluídos. A água potável tornou-se uma questão policial no Brasil.

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br    
São Paulo

*
EXPLOSÃO DA PLATAFORMA

Poucos dias após assumir a presidência da Petrobrás, o ex-presidente do Banco do Brasil Aldemir Bendine deve enfrentar o acidente da plataforma da petroleira ocorrido no litoral capixaba e cumprir sua promessa de agir com transparência. O processo que enfrenta por haver concedido, quando no Banco do Brasil, um empréstimo a uma socialite com garantia excêntrica não deverá ser o padrão que Aldemir Bendine deverá apresentar à sociedade. O que se deseja é que se apurem os fatos, os culpados, se houve negligência ou não, se houve estafa dos funcionários, etc., etc., etc., e que seja feita justiça. A presidente Dilma deve representar a Petrobrás e justificar esta bagunça em sua administração. Esse acidente acrescentará mais um argumento para provocar o seu processo de impeachment.
 
Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro

*
MAU AGOURO

O novo presidente entrou na Petrobrás com o pé esquerdo: enquanto sua antecessora sofria com os vazamentos dos nomes dos envolvidos na Operação Lava Jato, ele foi recebido com um vazamento de gás em plataforma do Espírito Santo, que causou mortos e feridos, lançando um mau agouro sobre seu futuro na empresa.   
 
Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br
São Paulo

*
PROPAGANDA NA TV

Dada a situação complicadíssima e difícil em que se encontra a Petrobrás - e acredito que irá piorar no curto prazo -, não é um absurdo fazer propaganda em horário nobre na TV? Estão jogando dinheiro pela janela. 

Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br
São Paulo 

*
OS QUADROS APREENDIDOS PELA POLÍCIA

O sequestro real de obra de Dali comprova que a corrupção na Petrobrás não é surreal.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
DA PETROBRÁS AO EXTINTOR ABC

Em 2007, quando foi anunciada com pompa e circunstância a exploração da camada de petróleo chamada de pré-sal pela Petrobrás, o então presidente Lula veio a público dizer que "o Brasil não poderia sair por aí gastando dinheiro como faz um novo rico e que esse bilhete premiado era a passagem do País para o desenvolvimento". Pois bem, imediatamente a isso, Lula comprou da Fifa e do Comitê Olímpico Internacional, por bilhões de dólares em negociatas, o direito de realizar em solo tupiniquim a Copa do Mundo 2014 e a Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro. Tudo para inglês ver, mas também para desviar bilhões de dólares em obras superfaturadas. Se na Copa o roubo já foi monumental, nada se compara ao assalto premeditado cometido nas diretorias da Petrobrás, justamente aquela empresa dos brasileiros que o PT prometia defender dos "vendilhões da Pátria, dos tucanos, dos neoliberais e dos imperialistas", mas que agora eles mesmos estão levando à lona, por corrupção, inépcia, incompetência, leniência, irresponsabilidade, ganância e falta de vergonha na cara, todas as características do mais cafajeste aparelhamento do Estado desde a proclamação da República. Perto dos petistas, Fernando Collor, PC Farias, Paulo Maluf, José Sarney, Renan Calheiros, etc. (seus atuais parceiros) parecem um bando de trombadinhas. Afinal, já não se fala mais na casa dos milhões em propinas, mas de bilhões para a "cumpanherada". Algo de proporção inédita no Ocidente e no Oriente. O Brasil, que há alguns anos era considerado "a bola da vez", agora está na beira de um abismo, com risco de faltar água e energia e, pior, pilotado por uma presidente sem liderança nem carisma, deserta de perícia política, vazia de conteúdo, livre de autocrítica, coberta de arrogância, um poço de ressentimentos, metida a professora de Deus em energia elétrica (apesar de quase quebrar o setor), dada a invencionices e teimosias econômicas, enfim, uma segunda Maria Louca na história do País. Em quatro anos, ela quase conseguiu destruir tudo o que levou mais de 500 anos para ser edificado. E nosso povo "cordial" ainda lhe concedeu mais quatro para terminar a obra, já que o País ainda resiste. No momento, ela "está muito consternada" defendendo traficantes brasileiros no exterior, enquanto mais de 50 mil inocentes morrem todos os anos por aqui, vítimas da violência urbana. Lula e Dilma venceram quatro eleições à base de mentiras medonhas, alianças com o que há de pior na política nacional, caixas 2 de corrupção em empresas estatais, dossiês fajutos, chantagem eleitoral contra iletrados e dependentes do governo, desconstrução caluniosa de adversários, baixarias grotescas, desinformação, além de uma boa dose de vacilação da oposição, que não foi capaz de mostrar claramente à maioria dos brasileiros o tamanho do estrago causado pela quadrilha da estrela vermelha. Entretanto, preparem-se, cidadãos e cidadãs, pois logo teremos de pagar uma pesada multa se não tivermos um modelo de extintor ABC nos veículos. Parece piada, mas não é. Talvez seja porque o Brasil vai incendiar neste ano.

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com 
Ponta Grossa (PR)

*
QUERO SER AMIGO DO REI

Quando leio no "Estadão" que uma empresa como a Sete Brasil tinha assegurado contratos de US$ 75 bilhões, ou seja, quase R$ 200 bilhões em apenas um ano desde a sua criação, senti-me um inseto diante de um valor tão grande. Pior, que "ela dependia do aporte do BNDES para cumprir seus acordos com a estatal". A conclusão a que cheguei é de que não é preciso capital para criar uma empresa rentável como esta, basta apenas ser amigo do rei e ter apoio dos fundos de pensões. Uma auditoria em todas as empresas subsidiárias das estatais faria muito bem ao Brasil.
 
Wilson Matiotta loluvies@gmail.com 
São Paulo

*
RENATO DUQUE AINDA EM LIBERDADE

"Manter valores ilegais no exterior não é motivo suficiente (para a prisão preventiva)", disse Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF). Senhor Teori Zavascki, o dinheiro ilegal de Renato Duque, ex-diretor da Petrobrás, que hoje repousa sabidamente em contas de paraísos fiscais ao redor do mundo, foi surrupiado do povo brasileiro, foi roubado dos impostos que eu pago, foi tirado da minha empresa, dos meus investimentos, dos meus empregados, foi tirado da minha família, foi tirado dos hospitais onde pessoas morrem à míngua, foi tirado das estradas que matam milhares todos os anos, foi tirado da segurança pública, foi tirado dos investimentos em infraestrutura, foi tirado das escolas, foi tirado da aposentadoria miserável dos velhinhos deste país, foi tirado do nosso falido sistema judiciário. Mas, pior que tudo, esse dinheiro roubado tirou a dignidade do povo brasileiro que não encontra mais na Justiça uma forma de se defender. Realmente, este cidadão, ainda solto, terá tempo e contatos suficientes para esconder ainda mais tudo o que nos roubou. Na verdade, caro ministro, sem segurança morremos nas mãos dos bandidos, sem estradas morremos em acidentes que poderiam ser evitados, sem escolas as crianças caem na mão de traficantes, sem hospitais morremos sem assistência, sem serviço básico não há vida, sem justiça não há esperança alguma para este país. Essa é a linha de raciocínio que deveria ter sido seguida. Na verdade, este cidadão, de forma indireta, cometeu milhares de homicídios, milhares de assassinatos, e, por isso só, deveria estar atrás das grades, nada mais. É um crime consciente desviar o que ele desviou sabendo que a falta desse dinheiro para o Estado brasileiro pioraria ainda mais toda a situação caótica que vivemos neste país. Uma vergonha! Este Supremo não me representa.
  
Armando Favoretto Junior afjsrf@ig.com.br 
São José do Rio Pardo 

*
UM HOMEM PERIGOSO

Alguém é louco de deixar Renato Duque preso?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
SOCIALISMO MALUCO
 
Fiquei vivamente impressionado ao ver a generosidade com que o fundo de pensão do Banco do Brasil S/A trata seus dirigentes, mormente ao ver que o sr. Aldemir Bendine - ex-presidente do Banco do Brasil, recém nomeado por Dilma CEO da Petrobrás - está se aposentando (pelo BB) com o provento de R$ 62,4 mil, acrescidos de benefícios como férias e vale-alimentação. Vamos dar a real: isso, sim, é que é gozar o tal "ócio cum dignitat", o resto é o resto! Curioso é que já faz mais de 12 anos que estamos sendo governados pelo PT, um partido assumidamente "socialista" (doutrina que, em princípio, prega a diminuição ou, no limite, a extinção das desigualdades) e, em vez de vermos a desigualdade diminuir, parece que ela só faz aumentar em nosso país! E o pior é que tal está a acontecer no setor público, diretamente controlado pelo governo do dito partido, justo onde as decisões dependem diretamente da caneta imperial da "presidenta". Afinal, que tipo de socialismo maluco é este pregado pelo Partido (dito) dos Trabalhadores - que dá bolsas a granel, pagando para que pessoas sejam poupadas de trabalhar e só faz aumentar, e não diminuir, o abismo socioeconômico entre os brasileiros? Não tem algo de muito errado aí?
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com    
São Paulo

*
APOSENTADORIA CHEIA OU VIL?

O novo presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, certamente não tem do que se queixar da vida. Talvez, quem sabe, o fato de assumir o comando de uma estatal em completo frangalho. Porém Bendine acaba de ser aquinhoado com uma aposentaria "cheia" (de injustiça com o trabalhador tupiniquim) como funcionário do Banco do Brasil. Ele vai receber, sem ruborizar, mensalmente R$ 62,4 mil, igual a US$ 22 mil e, anualmente, a R$ 748,8 mil ou US$ 264 mil. É bom lembrar que um cidadão que se aposenta no setor privado, mesmo tendo contribuído regiamente por 35 anos e com o último salário hipoteticamente de R$ 30 mil mensalmente, apenas receberá o teto da previdência, de R$ 4. 663,75, ou US$ 1.665,00. E para não perder de vista, o salário mínimo no Brasil é de míseros R$ 788,00, ou US$ 281,00, que infelizmente recebem para sobreviver 23 milhões de brasileiros... Agora, se sobre Aldemir Bendine pesam algumas denúncias graves, como de ter emprestado como presidente do BB R$ 2,7 milhões com juros bem subsidiados a uma socialite como Val Marchiori e de ainda ter tentado ocultar da Receita federal R$ 280 mil (pelo que foi autuado), nesta sua história da gorda aposentadoria que passa a receber também tem a sua digital, porque, como dirigente do banco, legislou em causa própria. Por quê? Ocorre que Aldemir Bendine, assumindo a presidência do banco, mudou a base de cálculo, beneficiando exclusivamente todos os seus dirigentes do BB, em caso de aposentadoria, como o de somar, além do valor do último salário, as comissões recebidas, 13.º salário, férias, abonos, licença-prêmio, auxílio-alimentação, etc., e dividido por 12 meses. Não é genial?! É dessa forma, com essa equação perversa, que foi arquitetada a aposentadoria "cheia". Entenderam? Provavelmente será com esse espírito que ele vai presidir a quase quebrada Petrobrás. Ou seja, nada como ser amigo do Partido dos Trabalhadores, de Lula ou até de Dilma! Ou, ainda, cúmplice da falta de ética. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
APOSENTADORIAS NO BB

Sobre a matéria do "Estadão" "Bendine ganha do BB aposentadoria 'cheia", de Murilo Rodrigues Alves, publicada em 9 de fevereiro, permitam-me fazer o seguinte reparo. Não será o BB a arcar com essa aposentadoria milionária, mas a Previ, o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil. Será a Previ a arcar com esse escândalo à custa do patrimônio de seus participantes e assistidos.  Quando o presidente do BB, para compor os seus próprios honorários com vantagens que os demais funcionários jamais podem sonhar, os honorários dos seus vice-presidentes e de sua diretoria, Bendine não sabia que seria nomeado o boi de piranha do governo na Petrobrás. Mas sabia que suas boas relações com o partido do governo lhe dariam o salvo-conduto para programar sua aposentadoria à custa da Previ e ainda agradar a "cumpanheirada" que lhe lambe as botas nas vice-presidências do BB, na diretoria do BB e na Previ, onde a diretoria ganha igual aos formidáveis do banco. Num raro rasgo de dignidade, em 2008, a Previ arrumou a casa e aprovou um teto no conselho deliberativo. E Bendine, espertamente, olhando seus próprios interesses, reverteu a decisão e instalou a farra do boi para si mesmo e para seus apaniguados. Até hoje estamos aguardando a assinatura do termo de ajustamento de conduta (TAC) imposto pela Previc, que iria dar um fim a esse descalabro. Ninguém sabe, ninguém viu esse TAC. Dizem que está preso lá no Ministério da Fazenda, que declaradamente tem defendido que as altas aposentadorias são "normais". Ocorre que agora o ministro é outro... Espera-se que seja mais probo, mas não devemos acalentar esperanças de que o novo ministro vá querer melindrar os formidáveis do BB. Afinal, o BB é o celeiro onde sucessivos governos vão buscar seus "bombeiros" quando a casa está pegando fogo. Foram a Associações de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil (Faabb) e dois conselheiros da Previ que denunciaram à Previc as altas aposentadorias do BB, o que resultou na norma saneadora que a Previc traçou e ambos, BB e Previ se recusam a cumprir. As demais associações, como a Anabb, também se rebelam contra esse esbulho, e preparamos ação judicial para tentar devolver um mínimo de moralidade que preserve nosso plano 1 da sanha de alguns "colegas", que sujam o próprio nome e enlameiam a reputação do BB, outrora sinônimo de justiça e probidade.

Isa Musa de Noronha isamusa@uol.com.br 
Belo Horizonte

*
O ESCOLHIDO DE DILMA

Aldemir Bendine, o escolhido de Dilma para o cargo de presidente da Petrobrás, além de ser amigo de Lula e muito próximo da presidente, chegou a colocar seu cargo na presidência do BB à disposição depois de se ver envolvido num polêmico empréstimo concedido, a juros de pai para filha, à apresentadora de TV Val Marchiori contrariando as normas do banco. Além desse deslize, foi obrigado, por dever de ofício, a pagar uma multa de R$ 122 mil à Receita Federal ao ser autuado por não ter como atestar a procedência de dinheiro declarado ao Fisco. Infelizmente, a presidente não escolheu ou não conseguiu escolher uma pessoa competente e que tivesse um passado respeitável completamente livre de ideologias para pôr ordem na Petrobrás. Recorreu à escolha de alguém com ligações com o PT, e como sempre neste ninho fica difícil de encontrar alguém com essas qualidades, deu no que deu. O mercado não gostou...

Leila E. Leitão 
São Paulo 

*
POR QUE ELE?

A presidente nos ameaça com mais blá, blá, blá, e não merecemos. Explicará convincentemente a nomeação do sr. Bendine? Para o mercado (eu inclusive), foi para garantir a sua proteção e da súcia. A empresa e seus acionistas que se lixem. Vergonha. 

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com 
São Paulo

*
MAIS SUJO QUE PAU DE GALINHEIRO

Ao contrário dos analistas do mercado, não houve troca de seis por meia dúzia na Petrobrás. Com efeito, apesar de coincidirem na incompetência administrativa e na subserviência aos caprichos brasilienses, a demissionária aparenta honestidade. O novo queridinho da corte registra controvertido e irregular favorecimento à vedete mundana, com verba pública. Além disso, se verdadeiras as afirmações de certo motorista sobre vultosas transações em moeda sonante, dirigente bancário utilizar colchão como cofrinho, o novel favorito é mais sujo do que pau de galinheiro. O Brasil vai pro beleléu...     

Luiz Baptista P. de A. Filho luizbaptista.filho@gmail.com
São Paulo

*
A MISSÃO DE BENDINE

Na entrevista do atual presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, dada na terça-feira (10/2) ao "Jornal Nacional", ele não mostrou independência em relação ao governo federal e defendeu a política de preços da Petrobrás, a mesma conversa de Graça Foster, ou seja, a Petrobrás não irá passar para o mercado a volatilidade do mercado internacional, porém o que aconteceu na prática foi que governo federal segurou o preço da gasolina e do diesel lá embaixo, para segurar a inflação. A impressão que ficou é de que Bendine foi mesmo designado para a presidência da Petrobrás porque é do grupo petista e estará lá para defender a gestão da presidente Dilma. E ponto final.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*
DISTINTIVOS

Na TV, tentei identificar os distintivos nas lapelas do presidente da Petrobrás. No lado direito, acho que é um verde-amarelo da BR, no esquerdo, fiquei em dúvida entre uma pequena torre de petróleo, um pequeno compasso e esquadro maçônico e uma pequena imagem de Nossa Senhora Aparecida. Se for, realmente, Nossa Senhora Aparecida... o petróleo vai continuar sendo "deles".

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
A ARRECADAÇÃO DO GOVERNO

Conforme noticiado pela imprensa, o governo federal quer acabar com a informalidade no mercado de trabalho para arrecadar mais. Concordo plenamente. E mais, vou dar uma sugestão bem simples para economizar uma fábula de dinheiro: façam uma auditoria rigorosa nos beneficiários do Bolsa Família. Aposto meu salário de um ano que, se cortarem metade das fraudes, vai sobrar vários bilhões nos cofres públicos.
 
Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br 
Pouso Alegre (MG)

*
RESISTÊNCIA AO AJUSTE FISCAL

Demorou menos que o previsto a movimentação da base do governo petista contrária ao pretendido ajuste fiscal, procurando atenuar o impacto das medidas economizando R$ 18 bilhões. Por mais necessárias que possam ser as medidas anunciadas e as a anunciar pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não pode deixar de ser considerada a resistência do próprio PT. Afinal, foram os gastos irresponsáveis e demagógicos para a reeleição da presidente e de seus aliados parlamentares a bandeira que os levou à conquista, apesar de todas as mentiras feitas na campanha, cujos resultados obrigam a saneadoras medidas. E agora?
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
HERANÇA MALDITA DO PT

Após 12 anos no poder, esta é a herança do PT aos brasileiros: inflação vai a 1,24% em janeiro e tem a maior alta mensal em 12 anos; programa de crédito à indústria deve ser suspenso; venda de motocicletas cai 14,9% em janeiro; governo cortará benefícios fiscais; indústria perdeu 164 mil vagas no ano passado; dólar atinge maior cotação desde 2004... Como eu não votei no PT, acho injusto receber essa herança, por isso, vou doar a minha parte para os eleitores do PT.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
'O CHOQUE DA REALIDADE'

Lendo o artigo do economista André Lara Resende de sábado, "O choque da realidade", entendo necessário que todo o povo brasileiro faça uma reflexão, todos os segmentos da sociedade precisam se unir, destaco de início alguns mais atuantes e poderosos como Forças Armadas, OAB, igrejas, partidos políticos e, naturalmente, outros não citados. Quero usar uma frase de alguém que já comandou nosso país: "Nunca na história do Brasil tivemos tantos desmandos". Certamente devemos nos preparar para o pior, o desemprego vai tomar conta da nação como nunca visto neste país e, quando não tiver mais dinheiro para o Bolsa Família, aqueles que sofrem mais vão se revoltar e certamente as complicações serão maiores. 

João Mendes mendesjoao@ig.com.br 
São Paulo

*
POVO INCONFORMADO

O povo brasileiro está inconformado é com a situação em que se encontra nossa economia, fruto de 12 anos de desgoverno petista. A sociedade está revoltada é com o custo absurdo que terá de ser pago agora, por todos nós, para remediar tal situação. A Nação está indignada é com o aniquilamento da Petrobrás, que foi usada à exaustão para servir aos interesses do PT em se perpetuar no governo. E ninguém com um pingo de vergonha na cara vai se conformar com que fique tudo por isso mesmo. Os responsáveis, apontados pela Justiça, terão de pagar por seus crimes. Sejam eles quem forem. Eleição não anistia crime cometido e este não é um país bolivariano. Aqui, as instituições ainda funcionam.

Paulo T. Sayão psayaoconsultoria@gmail.com 
Cotia

*
'VOU FESTEJAR'

Nesta semana de carnaval, está em vias de se consagrar como o maior sucesso, cantado pelos eleitores petistas em louvor à sua (deles) presidenta, o refrão do samba "Vou Festejar": "Você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão". Aliás, grande sucesso na voz da também petista Beth Carvalho. 

Ricardo Hanna ricardohanna@bol.com.br  
São Paulo  

*
O PESO DA MENTIRA

Nos EUA, o jornalista Brian Wiliams, âncora do telejornal da NBC, foi suspenso sem direito a salário por seis meses após admitir que mentiu sobre cobertura da Primeira Guerra do Golfo. No Brasil, recentemente, a senhora Dilma Rousseff contou uma infinidade de mentiras e se reelegeu presidente da República. Como é bom viver num país onde a honra e os valores morais são respeitados. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
COERÊNCIA

O outrora dito Partido dos Trabalhadores cobra de mentirosa oficial coerência com o prometido na campanha eleitoral. Eu, pobre mortal, cobro tantas que, se for citá-las, o "Estadão" tem de publicar caderno especial.

Jose Roberto Palma palmapai@ig.com.br
São Paulo

*
TÁ DIFÍCIL

No fim de semana, o PT teve a pachorra de festejar seus 35 anos, caçoando da cara do povo brasileiro. Sem dúvida, a festa fora patrocinada com dinheiro oriundo de alguma trambicagem promovida por seus integrantes, mas indubitavelmente esses recursos são pertencentes ao mesmo povo brasileiro. Recentemente, vi uma foto no "Estadão" do general Villas Boas todo sorridente ao ser cumprimentado pelo sindicalista bon-vivant e agora ministro Jacques Wagner, ao tomar posse como comandante do Exército. É, pessoal, agora os militares são representados e comandados por um sindicalista, daqueles que têm todas as características do "kit pelego": não gostam de trabalhar, vivem à custa do Estado, são bons de discurso e apreciam uma "birita". Para ampliar o quadro apocalíptico, o mumificado ex-senador Suplicy, rapidamente acudido como secretário do prefeito Fernando Haddad, disse que irá dialogar com os criminosos que compõem os balck blocs, no intuito de convencê-los de não serem "maus meninos", tal como já havia feito na década de 1990 ao ir passar algumas noites na Casa de Detenção do Carandiru, ao lado dos presidiários (coitados). Já a nossa presidente da República é comprovadamente incompetente e presunçosa, rodeada por assessores da mesma espécie, como Mercadante, Pepe Vargas e afins, que nos conduzem a cada dia mais próximos do abismo econômico e social. Tá difícil enxergar luz no fim do túnel, ou, melhor, colchão no pé do abismo.

Frederico d'Avila fredericobdavila@hotmail.com 
São Paulo

*
12 ANOS DE GOVERNO

A avaliação dos resultados dos 12 anos de PT no poder não parece ser muito favorável. O Brasil está cobrando os resultados desse período. O País enfrenta uma seca e previsão de falta de energia elétrica. Entretanto, há usinas prontas há muito tempo que não fornecem energia por falta de sistemas de distribuição funcionando na área. Tudo isso tendo no governo uma presidente que se dizia expert na área de energia. A administração do setor foi muito ruim. A indústria está em muito má situação financeira e o governo transferirá o ônus de solucionar a questão ao consumidor, que terá aumentos de mais de 40% na conta de energia elétrica. Na área de petróleo, a segunda energia importante para o País, assistimos ao desmonte da Petrobrás por erros de administração e, principalmente, por um gigantesco roubo ocasionado por funcionários da empresa em conluio com empreiteiras e políticos, a maioria do PT. Estima-se que o partido recebeu irregularmente R$ 500 bilhões em comissões. A empresa, antes classificada como a 12.º maior do mundo, agora está em 120.º lugar. Para salvar-se, a Petrobrás terá de reduzir de tamanho e desfazer-se de atividades que fogem do seu objetivo principal. Além disso tudo, o PT, nestes 12 anos, deixou a educação no País piorar enormemente e a saúde continuar matando pessoas sem assistência em hospitais, além do péssimo serviço médico. Segundo o IBGE, a pobreza no País "aumentou" e o programa Bolsa Família, o mais importante, não produziu bons efeitos. Cidadãos não conseguiram se livrar do programa e aumentou a demanda por ele. Provavelmente os cidadãos brasileiros deverão devolver parte do que conquistaram no início do governo petista, dado que a inflação voltou e a situação da economia do País está péssima, devendo piorar antes de melhorar, otimistamente, a partir de 2016. O que será que o PT comemorou no aniversário de 35 anos?

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br 
São Paulo

*
ADMINISTRAÇÃO PT

Se o PT administrasse o Oceano Atlântico como administra o Brasil, em cinco anos poderíamos caminhar no leito do mar.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br 
São Paulo

*
OS PREJUÍZOS E O DISCURSO 

Em 2005 o atual ministro Mangabeira Unger já dizia que o governo Lula era o mais corrupto da história. Depois de tantos anos e muitas evidencias de desvios bilionários mais, Lula tenta mobilizar seu partido a refutar as evidências, utilizando a clássica retórica da elite opressora contra o povo oprimido. Talvez isso encontre eco entre aqueles que infelizmente ainda se mantêm à margem da economia e dependem do governo como fonte de provimentos. Para estes desvalidos, que recebem realmente pouca atenção do Estado em escolaridade, saúde, transporte e segurança, discutir o que seja porcentual de desvio de dinheiro por políticos num país tem importância relativa. Por isso Lula reforça seu discurso de mobilização para essa classe social e para seu próprio grupo político, que terá a perder se deixar o comando do País. Já a odiada classe média recebe o ônus de pagar a conta dos erros econômicos. No seu caso pessoal, ele que, nas palavras de Lech Walesa, se tornou capitalista, prefere viver o fausto das elites a quem combate.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 
Indaiatuba

*
CAIXA 2

Acredito plenamente no presidente do PT quando ele diz que todas as doações recebidas pelo seu partido são, ou foram, absolutamente dentro da lei. Isso ficará límpido e cristalino após todas as investigações em curso. Muito mais difícil, no entanto, será identificar, e recolher de volta, toda a dinheirama surrupiada pelas pessoas físicas petistas, peemedebistas, pepistas e/ou de qualquer outro ronaldinho dessa vida!

Murilo Luciano Filho muarilou@uol.com.br
São Paulo

*
A TRÉGUA DO CARNAVAL          

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) vai convidar os 39 ministros de Dilma para dissertarem sobre as suas respectivas pastas. No menor espaço de tempo, todos ocuparão a tribuna porque quase todos eles não têm qualquer conhecimento do que envolve a sua pasta. Exemplo é o ministro da Defesa, Jaques Wagner, que demonstra entender mais de esporte automobilístico quando fala do ajuste fiscal da presidente Dilma: "Fizemos um pit-stop. Estamos colocando combustível para arrancar de novo". Tá bom. Entre as notícias sobre os escândalos da Petrobrás, as delações premiadas dos dirigentes das empreiteiras e a expectativa das primeiras medidas tomadas pelo polêmico presidente da estatal surge o carnaval, para permear o que corre na rede social, que é a força que está tomando a iniciativa popular do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O senador Fernando Collor deve esconder um sorriso dissimulado quando lembra que, em 1992, o Partido dos Trabalhadores (PT) saiu na vanguarda do movimento "Collor Fora". "Dilma Fora" está ganhando as avenidas, ruas, becos e vielas.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
LINHA SUCESSÓRIA

No caso de impeachment da presidente Dilma, a linha sucessória seria mais ou menos assim: Michel Temer, Eduardo Cunha, Renan Calheiros, Ricardo Lewandowski. Realmente, se já estamos no fundo do poço, as coisas sempre podem piorar...

Luciano Harary lharary@hotmail.com 
São Paulo
  
*
A TURMA DO 'DEIXA DISSO'

Curiosa a coincidência de abordagem das duas colunistas, Dora Kramer ("Calma no Brasil", A6) e Eliane Cantanhêde ("Sem essa de impeachment", A8), no "Estadão" de ontem: impeachment, nem pensar! Não há bases para tanto. Não dá para comparar a situação de Dilma com nenhum dos ex-presidentes mencionados, pois as condições são outras. Dizer que Dilma tem o PT não ajuda ou justifica. Penso que não há oposição com capacidade, em que pese a indignação popular manifestada na votação em Aécio Neves. A par disso, o processo de impeachment tem regras jurídicas que o disciplinam. Presentes os fatos, apliquem-se as regras. Se Dilma não se locupletou ou aos seus, não é razão suficiente para livrá-la de suas responsabilidades. Político corrupto ou incompetente e/ou omisso tem de ser banido da vida pública. A turma do "deixa disso" já entrou em campo. Triste!
 
Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br 
São Paulo

*
O QUE VEM POR AÍ

Interessante a análise de Eliane Cantanhêde. Há de se fazer algumas considerações: o impeachment é um instrumento democrático. Também há dados mais que objetivos e condições políticas, sim, para que se faça o impeachment. A comparação com Collor não é plausível. Collor foi defenestrado por orquestração de seus inimigos políticos, que manipularam a sociedade. Hoje o momento é diferente, sim. O governo é indiscutivelmente embusteiro, corrupto, criminoso e explorador do povo. Não obstante Dilma ter a retaguarda do PT e de organizações militantes da esquerda comunista, por eles será abandonada. Ao afundar o barco, Lula a abandonará. E o movimento popular é um poder a influenciar os políticos. Se houver a violência da militância petista, ela terá de ser enfrentada. E a militância será em defesa do PT, e não em defesa de Dilma. Deve-se esperar o quê? A regulação da mídia, o projeto do PT para amordaçar a democracia e implantar um sistema de governo sem oposição?

Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com 
Capão Bonito 

*
IRRITAR-SE OU NÃO

No atinente à matéria "Com ferro foi ferida", da sra. Dora Kramer ("Estadão", 10/2), uma sequência não-socrática de perguntas que não querem calar-se é oportuna. Uma presidente da República tem o direito de ficar irritada? Se tem, é um atributo bom de uma estadista ficar irritada com frequência? A presidente do conselho de uma corporação tem o direito de afirmar que tomou decisão baseada em parecer incompleto e falho? E, se tem, ela tem o direito de ficar irritada com ela própria ou com o assessor que a enganou? Uma presidente da República tem o direito de tomar a maioria de suas decisões de forma errada? E, se tem, ela tem o direito de ficar irritada com ela própria ou com aqueles que sofreram as consequências de suas decisões? Uma presidente da República tem o direito de mentir? E, se tem, não estaria certo seu mentor ao afirmar que estavam tentando impedi-la de concluir o mandato? E, se seu mentor estava certo, é correto que se queira impedi-la de continuar? E, se é correto, não é o caso de asseverar: "Viva o mentor! Ele falou a verdade; ele indicou o que precisa ser feito; o que é imperioso que se faça"?  E, neste caso, ela tem o direito de ficar irritada com ela própria, com seu mentor ou com a sociedade? Uma presidente da República tem o direito de ser a líder - de ser a presidente - de apenas uma parcela da população liderada? E, se tem, eu tenho o direito de considerá-la presidente apenas da parcela que lhe agrada e ignorá-la solenemente, e de tentar impedi-la nos ditames da lei? Aí, ela tem o direito de ficar irritada com ela própria ou com a sociedade? Enfim, a despeito das perguntas serem não-socráticas, muitos Sócrates são necessários na selva tupiniquim. Não se construiria uma civilização ocidental-tupiniquim, mas pelo menos teríamos de volta o bom humor e a elegância. Nem precisaríamos da ética e da moral.

Aléssio Ribeiro Souto souto49@yahoo.com 
Brasília

*
ISOLAMENTO

Com o índice de aprovação de seu governo em queda meteórica, a "presidenta" vai ficando isolada dessa classe frívola e fútil, a que chamamos de "políticos". Qualquer cidadão com um mínimo de massa encefálica operante seria capaz de prever essa queda, já suas causas são anteriores ao processo eleitoral. O povo que a elegeu foi enganado pelo habilidoso manipulador de marionetes João Santana, que montou um teatrinho lindo, mas impossível de realizar na vida real. A "presidenta" até que teve um lapso de consciência, ao perceber que, se insistisse em encenar a peça de João, mandaria o País definitivamente para o brejo (seco). O que fazer para melhorar sua imagem? Chama o João - embora seus serviços custem os tubos, o partido, em matéria de dinheiro, deve estar com o burro na sombra e sustentado a pão de ló.

Nestor R. Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br 
São Paulo

*
TEORIA DA CONSPIRAÇÃO
 
Conforme a matéria "Lula vê ação para Dilma 'não concluir mandato'" (7/2), o ex-presidente Lula voltou a reclamar da cobertura feita pela imprensa sobre a Operação Lava Jato. Lula declarou que, embora o ex-gerente da Petrobrás Pedro Barusco tenha admitido que o esquema de propinas na estatal tenha começado em 1997, ainda no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), apenas casos envolvendo gestões petistas foram destacados. Caro senhor Luiz Inácio Lula da Silva, o PT governa o País desde 2002 e só agora são mencionados possíveis "esquemas de propinas" no governo anterior? As revelações da Operação Lava Jato são de responsabilidade da Polícia Federal, cabendo à imprensa apenas divulgar os fatos, protagonizados especialmente por pessoas ligadas ao PT. 
 
Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net
São Paulo

*
O PODER COM DIGNIDADE

Estranho o comentário de Lula ao afirmar que os julgamentos do mensalão e da Lava Jato têm caráter político. Foi sempre isso que o PT plantou em seus 35 anos de vida, em que cultura, profissionalismo e competência era privilégio de uma "elite burguesa". Quando o PT experimentou o poder, esqueceu-se da cartilha proletária e voltou-se para a farra com o dinheiro dos outros, puro socialismo latino: "muitos pagam e nós desfrutamos". O PT esqueceu-se de que a turma que paga a cesta básica se encheu de ser explorada e quer que os que comem de graça trabalhem e ganhem seu sustento com o suor de suas faces e honestidade. E não sou só eu que digo isso, mas um princípio bíblico muito antigo que apregoa esta filosofia. Então seria bom o pessoal do PT voltar para as fábricas, trabalhar e estudar muito, ralar de fazer as duas coisas e, quando entender que ninguém nasceu para ser bobo dos outros, aí então pleiteiem poder e saibam exercê-lo com dignidade.

Carlos Ernesto Cabral de Mello cabral.porto@uol.com.br
São Paulo

*
A COISA ESTÁ PRETA

Há um mês falar de impeachment de Dilma parecia um tabu, e hoje virou um assunto de domínio popular.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br 
São Paulo

*
TOMA QUE O FILHO É TEU

Não adianta ficarmos reclamando hoje da petralhada. Na virada do milênio, disse a meus filhos - eu, então, com 45 anos - que gostaria de estar nascendo, e no Brasil, naquele ano, porque eu cria que, no rumo em que estávamos indo, em 30 anos o nosso país seria uma potência. Portanto, teria eu todas as chances de usufruir dessa condição. Fiz apenas uma ressalva: desde que não fizéssemos nenhuma besteira. Pois bem, fizemos - e das grandes: elegemos Lula.

Benedito Antonio Turssi turssi@ecoxim.com.br 
Ibaté

*
ELES NÃO SE EMENDAM

Mais uma do imortal e ex-senador José Sarney (PMDB-AP): com mais de 50 anos de vida pública, "coração mole" (com o dinheiro público) conseguiu garantir cargos a 12 assessores para as áreas administrativas do Senado (livres de nomeação) com o mísero salário de R$ 8,1 mil, mantendo o emprego dos mesmos. Será que é próprio da idade? Idêntica providência tomou o senador Gim Argello (PTB-DF) com outros seis assessores. Haja espaço para tantos funcionários apadrinhados e para não fazerem nada. Quem paga somos nós, os "trouxas e idiotas" brasileiros. Pode? E$$a gente não se emenda mesmo! 
 
Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br 
São Paulo
 
*
AUXÍLIO-MORADIA

Várias categorias profissionais integrantes dos Três Poderes têm se movimentado para obter o direito ao auxílio-moradia. Membros do Judiciário, Legislativo, Ministério Público, Executivo já obtiveram êxito em suas pretensões. O artigo 5.º da Constituição federal, cuja elaboração foi comandada pelo grande e saudoso homem público deputado Ulysses Guimarães, estabelece: "Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito a vida, a liberdade, a igualdade, a segurança e à propriedade nos seguintes termos: seguem outros direitos e garantias individuais. O artigo 6.º também da Constituição federal estabelece direitos sociais à educação, à saúde, ao trabalho, à moradia, ao lazer, à segurança, a previdência social, a proteção a maternidade e à infância, à assistência aos desamparados. Dentro destes preceitos constitucionais, não seria o caso de assegurar o auxílio-moradia aos trabalhadores, aposentados, professores, médicos, engenheiros, jornalistas, advogados e outras categorias profissionais? Com a palavra, o Poder Legislativo!

Marcos Tito marcostitoadvogados@gmail.com   
Belo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.