Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2015 | 02h03

Barbosa x Cardozo

O Brasil é um país sui generis: o ministro da Justiça advoga para o partido do governo, recebe no gabinete advogados de defesa de réus do petrolão e diz que não tratou de nada sobre o caso. Dá para acreditar?! José Eduardo Martins Cardozo pensa que no Brasil só tem otário? Está certo o dr. Joaquim Barbosa, o sr. Cardozo tem mais é que ser demitido. Se temos de pensar em algo, como diz o líder do PT no Senado, é no possível conluio de Cardozo com os indiciados, pois aí tem treta. E da feia.

FERNANDO PASTORE JR.

fernandopastorejr@gmail.com

São Paulo

Alerta oportuno

Mais uma vez, o sr. Joaquim Barbosa vem alertar os brasileiros sobre as maracutaias nos bastidores. Por que um ministro de Estado haveria de receber advogados de empreiteiros engaiolados, acusados de corrupção na Petrobrás, empresa que diziam ser o orgulho dos brasileiros, mas hoje é simplesmente um grande lençol de lama? Logo após o pronunciamento de Barbosa a PeTralhada se agitou para criticá-lo, em vez de procurar punir os verdadeiros quadrilheiros que estão na sua própria base. Até quando teremos de nos submeter a esses ratos que procriam e disseminam tudo o que é ruim para o povo brasileiro?

ANTONIO BOER

toboer@uol.com.br

Americana

Exoneração

Como um dos maiores brasileiros entre os que se destacaram nas últimas décadas por sua competência, hombridade, moral, ética, etc., o nosso ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa está corretíssimo, a presidente deveria demitir o ministro da Justiça, ou melhor, ele deveria pedir exoneração do cargo. E ainda tem a petulância de dizer que não discute com um ex-ministro aposentado, como se aposentadoria fosse defeito. Há 12 anos não enxergamos um verdadeiro ministro da Justiça no cargo, pois eles se prestam ao papel de defensores dos governos que, infelizmente, estão aí. Esses elementos vêm fazendo um mal enorme ao País, ajudando a depredar as nossas instituições. O que pensam os familiares e os ex-alunos desse senhor das pérolas e dos atos apresentados na sua gestão?

FERDINANDO PERRELLA

fperrella@hotmail.com

Sorocaba

Polêmica

Se o ministro Cardozo tivesse um pouco mais de respeito pelo ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, deveria não dizer "eu não vou polemizar com o ministro", mas, sim, explicar o porquê - e o teor - da reunião com os advogados das empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato!

ARTUR TOPGIAN

topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

Resultado final

Estão todos tranquilos porque vão facilitar as coisas - "malfeitos" na Petrobrás - no STF, né não? Esperem para ver, no fim, o "cara", a presidente, a petralha e as empreiteiras numa boa e nós, o povão, com as contas.

ITAMAR CARLOS TREVISANI

bia.trevisani@terra.com.br

Jaboticabal

Anedótica

Convenhamos, o Delúbio é que tinha razão. O mensalão foi uma piada comparando com a megagatunagem do PeTrolão.

ROBERTO CARDERELLI

robertocarderelli@gmail.com

São Paulo

Cinzas

Passado o carnaval, o MPF vai lançar o bloco dos petistas que vão dançar o resto do ano.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

REFORMA POLÍTICA

Voto distrital

Em tempos de reforma política sempre nos ocorre a tentadora ideia de demolir tudo e reconstruir as coisas ao nosso gosto, ou buscar solução acanhada para conciliar interesses. Porém precisamos ser razoáveis e pragmáticos, essa reforma não evoluiu nada até hoje por seus promotores temerem os possíveis resultados. Mas há, sim, soluções simples e completas. A proposta do senador José Serra (12/2, A2) de voto distrital municipal, a ser implementado já, por lei ordinária, nas eleições de 2016, é muito boa, divide o conjunto de eleitores pelo número de representantes. Sugiro agregar a regra de recall, de forma a que os eleitores detenham autoridade sobre a execução regular do mandato. Em caso de irregularidade flagrante, chamariam de volta o cargo, substituindo seu ocupante. Solução perfeitamente cabível ao regime de voto distrital simples. Já o vice-presidente Michel Temer (14/2, A2) alinhava um conjunto de argumentos interessantes para concluir acanhadamente pelo distritão, empacota todos os eleitores de um Estado num único distrito. Apesar de ser alguma evolução, o distritão é uma solução precária e insuficiente diante da simplicidade da proposta do senador Serra; além de que para o município o distritão significaria pouca ou nenhuma evolução. Nós, eleitores, queremos votar, ter recíproca identidade com quem elegemos, acompanhar o mandato de nossos eleitos e poder nos articular com os nossos vizinhos para apoiar, influir e pôr nosso representante em plena sintonia com os interesses dos representados. O oposto dessa sinergia eleitor-eleito é o que temos hoje.

JOSÉ SIMÕES NETO

jsmantrareg@gmail.com

São Paulo

Quociente eleitoral

E, mais uma vez, uma proposta de reforma política vem à tona, agora por intermédio do nosso excelentíssimo vice-presidente da República, Michel Temer. Fato esse que torna, mais uma vez, o quociente eleitoral um cálculo que nem mesmo os matemáticos entendem. Enquanto isso, o distritão...

CRISTIAN COUTINHO

cristian@gruporeabilitar.com.br

São Paulo

Não muda o essencial

A proposta de Temer, embora muito técnica, não convence, não empolga e traz a complicação de mudar a Constituição. Creio que a do voto distrital em cidades com mais de 200 mil eleitores é mais interessante, rápida e faz todo o sentido na eleição de vereadores. Diante de seus resultados poderemos avaliar melhor o que fazer com o sistema eleitoral de deputados.

CARLOS DE OLIVEIRA AVILA

gardjota@gmail.com

São Paulo

Barrigas de aluguel

A reforma política, com ou sem distritão, tem de ser feita. Pois bastam alguns gatos-pingados e se funda um partido, com a placa de aluga-se.

FAUSTO FERRAZ FILHO

faustofefi@ig.com.br

São Paulo

UM ANO DIFÍCIL

Movimento dos trabalhadores no Rio de Janeiro, de São Paulo e de Porto Alegre protestando contra atrasos salariais, demissões, perda de direitos, etc. Há poucos dias, trabalhadores do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí (RJ), fecharam a Ponte Rio-Niterói por duas horas em protesto. E esses movimentos tendem a se multiplicar. O ano será muito difícil. Sindicalistas extremistas ensaiam coro, dizendo “demitiu, parou”, “cortou direitos, parou”. Percebe-se nessas declarações uma incitação à baderna. Aonde isso tudo pode levar? 13 de março de 1964. Lembram-se desse dia? Comício da Central do Brasil. E o que aconteceu 18 dias depois? Eu não vejo nenhuma diferença. Quem será o cabo Anselmo do século 21?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
O IMPEACHMENT EM GESTAÇÃO

Uma semana de cinzas ainda em alta temperatura promete agitar ainda mais a vida política nacional com a notícia de que o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) vai pedir oficialmente o impeachment da presidente Dilma Rousseff. A desenvoltura dos fatos desencadeados pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, que investiga a corrupção na Petrobrás, deixou o mensalão como arte de amadores. A cada dia que passa, a Polícia Federal traz à tona um esquema de corrupção montado pelo PT abrangendo, além da Petrobrás, também os fundos de pensão das estatais, o BNDES e a Eletrobrás – e o objetivo é manter o partido no poder. Lula escapou, até agora, do mensalão. Os petistas condenados optaram pela autoimolação, salvando o “capo”. Para que se aventasse o impeachment, faltava a fundamentação jurídica, agora apresentada por um dos maiores constitucionalistas brasileiros, o jurista Ives Gandra da Silva Martins, que conclui: “O embasamento do impeachment presidencial por improbidade administrativa, não decorrente de dolo, mas apenas de culpa por omissão, imperícia, negligência e imprudência”. Até agora, quantos Fiat Elba correspondem ao assalto à Petrobrás?

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
NUNCA ANTES

Os trabalhadores que produzem a riqueza do País, os estudantes que levam a sério o ensino e os intelectuais que pensam desejam e aguardam a melhor decisão para todos nós: o afastamento da presidente Dilma Rousseff e do PT do governo federal. Na verdade, a corrupção não foi uma invenção do PT, mas os esquemas da roubalheira foram aperfeiçoados com o mensalão e o petróleo. Antes, nem parlamentares ou empresários teriam coragem para tanto. Foram muito incentivados pela organização criminosa que se estabeleceu. O que acontece no País em termos de corrupção era, até então, inédito no mundo. Vamos impor nas ruas o respeito que nos devem.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com   
Rio de Janeiro

*
‘RISCO DE IMPEACHMENT’

O artigo do sr. Carlos Alberto Di Franco no “Estadão” de segunda-feira (“Risco de impeachment”, 16/2, A2) é muito assertivo e revelador. Por outro lado, imaginemos o seguinte quadro, engendrado pela capacidade diabólica dos estrategistas do PT: “vamos abandonar a presidente e deixar acontecer o impeachment”. O vice-presidente, Michel Temer, assume e recebe um país em frangalhos, levando com ele todos os políticos oposicionistas, inclusive do PMDB. Então surge o “salvador da Pátria”, que todos já sabem quem é: Luiz Inácio, que será facilmente eleito presidente em 2018, para cumprir mais algumas décadas de um governo de horror, para desespero dos nossos descendentes. Deus permita que isso seja apenas um pesadelo e que não esteja entregando o ouro aos bandidos.

Domingos de Souza Medeiros dymanche@terra.com.br 
Dourados (MS)

*
EM CHEIO

O artigo de Carlos Alberto Di Franco acertou em cheio ao analisar, com raro equilíbrio, a momentosa questão do eventual impeachment da presidente. Não há como escapar às lúcidas ponderações de que – embora convicto da honestidade pessoal dela –, como governante, foi omissa e incompetente, especialmente no caso da Petrobrás, sempre lembrando que antes de presidente da República Dilma foi presidente do Conselho de Administração da empresa e ministra de Minas e Energia. Governar tendo por norte a ideologia desemboca nisso que aí está.

Suely Rosa Maria Magalhães Cardillo suely.cardillo@gmail.com 
Bauru

*
RESPONSABILIDADES IGNORADAS

O brilhante e corajoso artigo do jornalista Carlos Alberto Di Franco foi direto ao ponto. Existe, sim, risco de impeachment. Não se pode passar por cima da discussão desse ponto, pelo simples fato de que existem responsabilidades estatutárias e legais que foram solenemente ignoradas em prol de um projeto bolivariano e fascista de poder, completamente exógeno ao caráter brasileiro. O que se fez na Petrobrás foi o maior assalto de que se tem registro na história mundial, perpetrado por uma organização criminosa que teve a capacidade de roubar R$ 20 bilhões do que outrora foi orgulho nacional. Temos de ir até as últimas consequências, discutindo, sim, o risco de impeachment e levando às barras dos tribunais até as mais altas cabeças coroadas desta infame quadrilha.

J. S. Morel Filho morel@sunriseonline.com.br 
Santos 

*
FATOS

Só não concordo com o sr. Carlos Alberto Di Franco e tantos outros que, embora responsabilizem a presidente Dilma de várias formas nos vários e recentes escândalos, insistem em comentar entre aspas que confiam na honestidade dela e que seu delito é somente de ineficiência administrativa. Isso não procede, ela é, sim, desonesta, conforme o provam os seguintes fatos: ela mentiu com relação ao seu currículo quando tomou posse como ministra de Minas e Energia no governo Lula; foi conivente (resta saber se só foi conivente) e defensora dos políticos do PT já condenados no mensalão; e beneficiou-se do resultado da compra de votos dos parlamentares. Sabia da utilização do dinheiro desviado da Petrobrás para o partido PT e outros partidos, calou-se e foi conivente com isso durante a campanha de reeleição de Lula. Desde que assumiu função no Executivo, maquiou os indicadores econômicos e sociais; usou dinheiro desviado de corrupção em sua campanha política; em 2013 mentiu dizendo à população que todas as torneiras da corrupção haviam sido fechadas; mentiu descaradamente em sua campanha política, falsificando dados e indicadores, além de muitas outras falcatruas que, se ditas, não caberiam numa página de jornal. Assim, onde está a tal “honestidade” que muitos ainda proclamam? Ela é falsa, sim, desonesta, sim, manipuladora para o mal, sim.

Marco Aurélio Rehder marcoarehder@yahoo.com.br 
São Paulo

*
LUTA LIVRE

O Executivo está nas cordas, muito machucado e sem fôlego para prosseguir na luta. O Legislativo segue batendo sem dó nem piedade. O nocaute está próximo. Não perca os próximos rounds...

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
AS FÉRIAS DA PRESIDENTE

Tretou relou, dona Dilma tira férias na Bahia. Como gosta da Bahia nossa presidente! É a terceira vez que ela sai de férias desde novembro, quando infelizmente foi reeleita. Foram dez dias, então, porque ela estava estafada da campanha, e lá foi ela   para a Bahia. Foram mais 15 dias no final do ano, porque ninguém é de ferro, e lá foi ela para a Bahia. Foram, agora, sete dias no carnaval, porque, afinal, a mordomia na base naval é muito boa. E lá foi ela de novo, sabe para onde? Dona Dilma foi para a Bahia. Êta, dona Dilma arretada da peste! Sempre cansada, não sei por quê. Enquanto isso nós, empresários, que carregamos este país nas costas, trabalhamos anos a fio sem direito a nada. E ai de quem arredar o pé de sua empresa com tanta trapalhada feita por dona Dilma e seus incompetentes ex-ministros e atuais! Vai direto para a bancarrota o desavisado! Mas uma coisa tem de bom nas férias dela e de sua incompetente equipe: eles não atrapalham o Brasil que produz e que os sustenta no período em que estão longe da ilha da fantasia (Brasília). Nem notamos a falta deles. Afinal, quem precisa do Estado? O Estado precisa, sim, deste monte de pessoas honestas feitas de idiotas e pagadores de impostos, que levam nas costas esta casta de políticos incompetentes. Quando vamos, afinal, acordar? Mataremos Brasília o dia em que cada brasileiro honesto não enviar um só centavo para aquela casta que vive e vegeta sugando nosso suor.
 
Armando Favoretto Junior afjsrf@ig.com.br 
São José do Rio Pardo

*
ELES MERECEM

Nada como ser incomPeTente, neste governo. Tem-se direito a férias com a família pagas pelos contribuintes. IncomPeTência e PilanTragem, no governo, significam altos bônus de gratificação.

Fernando Pastore Junior fernandopastorejr@gmail.com
São Paulo

*
DILMA E O CARNAVAL

Dilma Rousseff, aproveitando o feriado do carnaval com a família, fez um passeio de lancha em Salvador (BA). Muito bonita a lancha, que pertence à estatal criada por ela, a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa (Amazul) e comprada com o nosso dinheiro. O que essa estatal faz para o bem do povo eu não sei, mas que tem uma linda lancha para a nossa presidente curtir o carnaval, isso ficou comprovado na foto publicada no “Estadão”. Ainda bem que o Brasil não está em crise, que a inflação está dentro da meta e não está fora de controle, que os preços da gasolina e da luz não aumentaram e não correm o risco de aumentar mais, que os impostos não aumentaram e que os investidores continuam acreditando no País. E o nosso ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o que será que fez durante o feriado de carnaval? Será que ficou estudando novas medidas “benignas” para o povo brasileiro?

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
O BRASIL À ESPERA

Dona Dilma, quando suas férias acabarem e o carnaval de rua também, a sociedade está esperando que também acabe o carnaval no seu governo. Tome uma atitude moralizadora no Ministério da Justiça, já que o seu titular o transformou em banca de advocacia privada ou, quem sabe, em mero balcão de negócios ao receber advogados defensores de bandidos e a eles prometer agir contra as leis do País. Este senhor, José Eduardo Cardozo, não tem a mínima condição para ser ministro, muito menos da Justiça. Em seu currículo faltam competência, ética e moral. O Brasil está cansado de tanta podridão, as notícias sobre o seu governo provocam náuseas no cidadão esclarecido. Escapam desse desconforto apenas o seu pessoal, que é notório beneficiário do sistema, e o pessoal do Bolsa Família, porque usa jornal com outra finalidade e na TV só assiste ao “BBB” e às novelas produzidas pela Rede Globo de Televisão. Aja com chefe de Estado, não siga o exemplo de seu antecessor, que não passava de um chefe de quadrilha.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com  
São Paulo 

*
PEDINDO AJUDA

A presidente Dilma Rousseff (PT) enfrenta uma verdadeira crise de credibilidade. Primeiro foram os ajustes econômicos que, como já se sabe, penalizaram todos os brasileiros, especialmente os mais pobres. Depois vieram mais escândalos envolvendo a Petrobrás. Não satisfeita com a maré de azar, o Congresso Nacional tem imposto ao Palácio do Planalto uma série de derrotas. Diante do cenário desanimador para o governo, a mandatária brasileira resolveu pedir conselhos ao todo-poderoso Lula. Não tenho dúvidas de que o ex-presidente é, de fato, o maior líder popular da história recente, mas é meio absurdo que a presidente em exercício peça a anuência do antecessor. A impressão que tenho é de que Lula é tido como um deus, intocável, e que jamais soube de nada de nebuloso que ocorresse durante seu governo. Ocorre, todavia, que os governistas acusam FHC de inúmeros malfeitos na gestão pública. Gostaria de saber se a regra vale para um e não vale para outro. É isso mesmo? Ele apoiou um governo que, infelizmente, arruinou o setor elétrico; que visa a promover medidas que sacrificam os trabalhadores, futuros aposentados e seus cônjuges e, ainda mais grave, promoveu uma gestão absolutamente desastrosa na Petrobrás.

Willian Martins martins.willian@globo.com 
Guararema 

*
A REVOLTA DOS POSTES

No editorial de domingo, “Lula arma a cena para 2018” (página A3), o “Estadão” abordou a irritação do ex-presidente Lula com a maneira de a presidente Dilma governar o País, já que ela, além de estar levando o Brasil a uma crise avassaladora, vai tornando a sua candidatura em 2018 mais difícil de se tornar vitoriosa, e, pior, abalando até os alicerces o seu plano da permanência do partido no poder por anos a fio. Mas, pelo andar da carruagem, com a economia em frangalhos, a diplomacia nacional reduzida a uma titica, a inflação subindo e o poder aquisitivo do povão diminuindo, vai ser difícil de esquecermos que a culpa exclusiva de a atual presidente ocupar um posto para o qual jamais esteve preparada é exclusivamente dele. De minha parte, nem que Lula indique, por um hipotético absurdo, o papa Francisco ele receberia meu voto, pois para tanto alguma besteira o santo papa teria feito, para receber tal apoio. Aliás, os eleitores de modo geral neste nosso país são enganados há anos, mas não se corrigem. Os postes sempre se voltam contra seus criadores ou acabam com o seu cartaz. Aconteceu com Pitta, poste de Maluf, Kassab, poste de Serra, e outros tantos por este Brasil afora. Lembro-me, na campanha de Maluf para eleger Pitta, quando seu marqueteiro inventou uma propaganda em que o desenho de um fantástico ônibus papa-fila transitava sobre os outros veículos sustentado por coisa nenhuma. Um motorista, entusiasmado pelo fato, comentou comigo da maravilha que ia com ele, quando lhe mostrei que o tal “disco voador” não estava sustentado em nada. Seu sorriso sumiu do rosto e ele comentou “é mesmo, eu estava sendo enganado”. O PT repetiu a dose no ano passado, com a janta de uma família evaporando da mesa, assim, do nada. Era a mesma maracutaia do papa-fila, mas acabou com as chances de Marina Silva. Agora não adianta Lula querer inventar alguma traquinagem para sumir com as trapalhadas da presidente, como se ele não tivesse nada com isso. Tem, sim, e o papa-fila é só dele. E é bom ele se preparar para a hora em que Fernando Haddad aprontar a sua. Treinando ele já está, e vai se saindo muito bem.
  
Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
LULA DE OLHO EM 2018

Excelente o editorial de domingo (15/2, A3). Retrata a verdade. 

Ricardo Lorenzi ricardo.lorenzi@me.com
São Paulo

*
O FUTURO NAS MÃOS DE DEUS

O ex-presidente Lula articula e se arma visando ao seu retorno à Presidência da República em 2018. Mas, ao ver suas fotos decrépitas nos últimos tempos, me vem à cabeça a dúvida se ele esqueceu de combinar com Deus...

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com  
São Paulo

*
FÜHRER CABOCLO

Diante das evidências incontestáveis de que o PT atua no governo com lógica de quadrilha, o Führer caboclo, Lula, ameaça mobilizar as suas SS e SA, ou seja, os “movimentos sociais” por ele domesticados, na tentativa de sufocar pela força a justa revolta do povo brasileiro. Te manca, Lula!

Renato Pires repires@terra.com.br 
Ribeirão Preto

*
OPERAÇÃO LAVA JATO

Personalidade do ano em 2014, o juiz Sérgio Moro é uma das poucas personalidades das quais nos orgulhamos atualmente. Verdadeiro seguidor da justiça com “J” maiúsculo, é o responsável pela condenação de larápios graúdos, como Fernandinho Beira-Mar, e também pela prisão dos principais empreiteiros do País envolvidos na Operação Lava Jato, que apura o crime de corrupção que desviou bilhões da Petrobrás com a conivência do governo do PT. E o que fazem os integrantes deste governo? Pedem desculpas à Nação pelos estragos e se propõem a punir os responsáveis e devolver o que foi surrupiado? Seria a conduta normal, se o governo não fosse do PT. Segundo a revista “Veja”, há cerca de duas semanas o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, recebeu em seu gabinete para reuniões que não constavam da agenda oficial alguns advogados desses empreiteiros presos, afirmando a eles que a Operação Lava Jato mudaria radicalmente para “aliviar” as agruras dos suspeitos de lavagem de dinheiro e de corrupção, orientando-os a não participarem das delações premiadas e a suspenderem as conversas com os procuradores. O ministro adiantou, ainda, que o nome de oposicionistas iria aparecer para facilitar a costura de acordos. Isso quer dizer, com todas as letras: boicote da Justiça praticado pelo ministro da Justiça, para livrar das garras da Justiça o antigo e a atual moradora do Palácio do Planalto e seus asseclas mais próximos. Que a personalidade do ano não esmoreça e nos ajude na difícil tarefa de extirpar esse cancro que tomou conta do País, que roubou a nossa Petrobrás, a nossa dignidade e a nossa esperança.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br 
São Paulo

*
O MINISTRO E O PT 

O ministro da Justiça da República Federativa do Brasil a serviço de um partido político. Plagiando Boris Casoy, isso é uma vergonha! 

J. Muller josealcidesmuller@hotmail.com 
Avaré 

*
POR BAIXO DOS PANOS

O líder do PT no Senado, Humberto Costa, sugere que os críticos do ministro da Justiça pensem sobre o que há por trás das críticas ao ilustre ministro. Pois é, excelência, é justamente por pensarmos tanto que fazemos coro com o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa: as defesas do ilustre e suas declarações em favor de pessoas de reputação duvidosa nos fazem desconfiar de que o tal encontro não ficou apenas nas lamúrias, mas...  Será que não houve algum “acerto” por baixo dos panos da República? 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 
São Caetano do Sul 

*
O MÍNIMO QUE SE ESPERA

Posição mais estarrecedora de um ministro da Justiça. Receber advogados que eventualmente possam representar empreiteiros com tantos interesses no setor público. Ora, talvez ainda não saiba, ou não queira saber, mas os caminhos próprios para isso são outros. Ler o Regimento Interno do órgão que dirige é o mínimo que se espera.
 
Gilberto de Lima Garófalo gilgarofalo@uol.com.br 
São Paulo

*
PROBLEMA PSICOLÓGICO

Será que José Eduardo Cardozo também considera Carlos Alberto Di Franco (16/2, A2) portador de algum problema psicológico, por falar em impeachment da presidente?

Candida Almeida almeida.candida@gmail.com 
São Paulo

*
POÇO SEM FUNDO

Quanto mais são perfurados os poços deste governo petista, mais jorram atos de corrupção. Foi montada uma verdadeira quadrilha para dirigir, melhor dizendo, digerir a nossa maior empresa. Cadeia neles!

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com 
São Paulo

*
SUGESTÃO AO STF

Embora seja cedo para pensar no julgamento dos envolvidos na Operação Lava Jato, e considerando a tradicional burocracia brasileira, segue a minha sugestão para o Supremo Tribunal Federal (STF): eliminar urgentemente os “embargos infringentes”, que já deveriam ter sido excluídos nos tribunais superiores, conforme a Lei 8.038/90, e que por um descuido administrativo ainda fazem parte do regimento interno do STF. No caso do mensalão, o plenário do STF, por causa dessa falha administrativa, teve de aceitar os tais embargos e os réus que na votação anterior tiveram quatro votos para absolvição acabaram tendo um novo julgamento em plenário. 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*
EFEITO CASCATA

A má situação da Petrobrás está só começando. O efeito cascata envolvendo as empresas prestadoras de serviços (empreiteiras) envolvidas só está iniciando e o desemprego nestas vai ser grande. Só numa delas foi demitido 50% do pessoal administrativo. Isso para começar. A situação é muito mais séria do que parece.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com
São Paulo

*
SOLUÇÃO

Não adianta meias palavras, meios termos. Só existe uma solução para a Petrobrás: privatização, com todas as letras. Simples assim!
 
Sansão José da Silva sansao@sansaojsilva.com.br
Uberlândia (MG)

*
ANTES QUE SEJA TARDE

É melhor o mais rápido possível privatizar a Petrobrás, antes que as ações da empresa virem pó.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br
São Paulo

*
ÚNICA

Única solução para Petrobrás: PRIVATIZAÇÃO.

Luiz Carlos Moreira lcm@tableau.art.br 
Vargem Grande Paulista 

*
BRASIL, O PAÍS DO CARNAVAL

A cada ano, fico mais impressionado com a competência das escolas de samba do País. São mais de 5 mil participantes, todos fantasiados, em suas respectivas alas, desfilando em 50, 60 minutos cravados. Há que se concordar que este trabalho é de uma competência fora do normal. Algo que não se vê neste país há mais de 12 anos. Sugestão: entreguemos o Brasil aos carnavalescos e diretores das escolas de samba. Com certeza, o trabalho será muito melhor do que o que temos visto com a turma do PT. Os projetos serão tirados do papel, executados e postos para funcionar. Sem comissão para os bandidos de plantão, PT, PP, PMDB, etc. Nas próximas eleições, sugiro carnavalescos e presidentes de escolas de samba para a Presidência da República, governos estaduais e municipais. Para deputados, tanto federais quanto estaduais, integrantes das alas. E, para vereadores, o pessoal que faz a varrição depois do desfile de cada escola. Tenho certeza de que serão, todos, muito mais competentes do que esta turma que ocupa o poder.

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com 
São Paulo 

*
O TERRORISMO DO ESTADO ISLÂMICO

Como se combate um grupo de fanáticos religiosos que consideram ter a missão divina de eliminar da face da Terra, lançando mão de métodos cruéis e covardes, todos os que não comungam de suas ideias e crenças? Àqueles que transmitem aos crédulos sem esperança que morrer pela “causa” é uma benção e que, portanto, dão pouco ou nenhum valor à própria vida? Certamente não é com diálogo, como sugeriu a presidente Dilma Rousseff, e muito menos com indiferença e a tolerância dos que podem e deveriam reagir.
 
Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
NÃO ADIANTOU

O atentado em Copenhague, no fim de semana, mostrou que a encenação parisiense, quando presidentes se deram as mãos em protesto contra o terrorismo islâmico, não serviu para nada.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
BOMBA NA CASA ROSADA

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, que achava estar definitivamente livre de um indiciamento no caso do atentado terrorista à Amia em 1994 – como na realidade iria ocorrer, se o promotor Alberto Nizman estivesse vivo – desprezou que a estranha morte (provavelmente assassinado) de Nizman tenha causado uma grande comoção no povo argentino e indignação no Judiciário também. Assim, Cristina foi indiciada por outro promotor, Gerardo Pollicita, que considerou as investigações de Nizman consistentes de que o governo argentino, em troca de venda de produtos agrícolas ao Irã, estaria protegendo altos funcionários da embaixada iraniana que estiveram envolvidos no atentado terrorista em julho de 1994 à associação israelita em Buenos Aires, que deixou um saldo de 85 pessoas mortas e centenas de feridos.  É impressionante a semelhança que existe entre os governos Kirchner e os do PT. São duas presidentes em pleno ostracismo e sem credibilidade. Além de governos altamente populistas, incompetentes e corruptos, nesta equação perversa suas economias se arrastam em frangalhos e a inflação dispara. E, ainda, diante das múltiplas denúncias de ilícitos que cometem em suas gestões, a turma da Casa Rosada chama este caso de “golpismo judicial” e, por aqui, o Planalto fala em golpe ou em terceiro turno, sempre com muita vontade de calar a nossa imprensa. Para nossa sorte, a Procuradoria-Geral da República, a Polícia Federal e o Judiciário estão cuidando muito bem da Operação Lava Jato, em que as investigações já atingem o Palácio do Planalto. Brasil e Argentina, governos “hermanos” em tudo. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
CASO MALUF

Em plena temporada de caça aos malfeitores, volta à baila o caso Maluf, que é uma história antiga e que serviu de escola para outras que se seguiram. A esperteza malandra permeia esse enredo e as altas somas envolvidas promovem um torpor naqueles que decidem. O ex-prefeito nega que a fortuna que teria sido desviada da Prefeitura de São Paulo lhe pertença e atribui a sua posse a algum homônimo e sósia seu. Agora que o louvável promotor Sílvio Marques vislumbra o retorno de parte do “butim”, esperamos que essa fortuna seja aplicada em hospitais, Santas Casas, parques, etc. Para fechar este capítulo, sugiro que o nome da Avenida Salim Farah Maluf seja trocado pelo nome de um herói de verdade. Candidatos não faltam.

Décio José Balles telasballes@bol.com.br 
São José dos Campos 

*
ESTÃO CEGAS?

Como pode o Ministério Publico ter acertado a devolução de R$ 63 milhões com os Bancos UBS e Citibank e nossas autoridades terem considerado o sr. Paulo Maluf como ficha limpa e apto a exercer novo mandato? Somente neste Brasil farto de conchavos!

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br  
Sao Bernardo do Campo 

*
O DINHEIRO VAI PARA PARQUES EM SP

Com certeza, haverá algum vereadorzinho daqui a pouco propondo uma “estátua” de Maluf no referido parque, como benfeitor da obra ou como forma de compensar o repatriamento do dinheiro de roubo do cidadão que nunca roubou nada. Êta paisinho de mentirosos!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com
São Bernardo do Campo

*
BRASIL, COMO CRESCER ASSIM?

Para quem não sabe, anote aí: a estimativa para a safra de grãos 2014/2015 é de 200,08 milhões de toneladas, volume 3,4% maior do que o registrado na safra 2013/2014. Agora pasmem, senhores, as estradas para escoamento de tão fantástica produção são as mesmas de 50 anos atrás. Alguém precisa urgentemente ensinar nossos incompetentes governistas o que é política preventiva e futurista, antes que seja tarde demais.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
TARIFAÇO À VISTA

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) pretende impor aos consumidores um tarifaço nas contas de luz por causa da revisão tarifária, querendo impor ao consumidor o modelo de tarifa horo-sazonal das indústrias e o custo do calote dos empréstimos que as concessionárias de energia elétrica não pagaram ao BNDES, o que é um absurdo, pois o risco do negócio deve ser assumido pelo empreendedor.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br 
São Paulo

*
NA CONTRAMÃO DO MUNDO

Enquanto o preço do petróleo Brent caiu mais de 45% de junho para cá, o preço da gasolina aqui, no Brasil, subiu e já está quase 70% acima do preço da referência internacional do combustível, segundo cálculos do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie). Esta é a lógica do lulopetismo: na contramão do mundo.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com 
São Paulo

*
MENTIROSOS

Trabalhei por 35 anos em período integral, paguei todos os impostos e contribuí com o INSS grande parte do tempo pelo antigo teto de 20 salários mínimos. Aposentei-me com apenas 8 salários e meu benefício perde valor a cada ano, graças a FHC, que ainda nos chamou de vagabundos, e a Lula também, que só mentiu. Depois trabalhei mais 13 anos pagando impostos sem ter retorno algum. A presidente Dilma, nesta democracia podre que tanto eles elogiam e defendem, entre outros abusos com o nosso dinheiro, presenteou os jogadores de futebol campeões do mundo pagando-lhes o teto da aposentadoria. Esse foi mais um tapa na cara dos trabalhadores regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e aposentados deste país. Os jogadores nunca trabalharam, sempre se divertiram correndo atrás da bola, conheceram o mundo e a fama, ganharam muito dinheiro, que gastaram e jamais contribuíram com a Previdência Social. Somente nós, os trouxas, fizemos isso. O FGTS nunca recebeu as correções que os trabalhadores mereciam. Ainda não contente, querendo mais e usando de má-fé, o governo convenceu milhões deles a transferir esse fundo para a Petrobrás, cheia de ladrões, e os coitados caíram nessa também. Agora, depois da Operação Lava Jato, somam mais esse prejuízo. E o que faz o governo? Dá desculpas esfarrapadas, aumenta taxas, tarifas, impostos, gasolina, corta benefícios trabalhistas (e a vaca nem tossiu), mente sobre a inflação... Resumindo, se reelegeu em cima de mentiras. É isso aí, trabalhador, você constrói o Brasil e o governo destrói você! Os militares não fizeram isso conosco. Colocaram os biônicos eleitos pelo colégio eleitoral, bem melhores que estes mentirosos, corruptos e sanguessugas que temos agora.
 
Nilson Martins Altran nilson.altran@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*
DESILUSÃO

Tenho quase 70 anos e nunca estive tão desiludido. Cresci escutando que o Brasil era o país do futuro, fundamentado nas demagogias do “o petróleo é nosso”, do “Deus é brasileiro”, do “aqui não tem guerra” e do “jeitinho brasileiro”. Só isso, porque, de concreto, vi muito pouco. Todo este potencial que a natureza nos deu é enlameado pela falta de valores da classe política nacional. Trabalhei duro durante 50 anos, venci na vida. Meu pai era tropeiro em São Joaquim. Estudei em escola pública, nunca precisei de cota. Meu sonho sempre foi construir algo, e não ter um emprego público ou numa estatal. Quando constato que ainda hoje existe o programa “A voz do Brasil”, por exemplo, não preciso de mais nenhuma prova de que o empreguismo está encalacrado na nossa cultura. Quando me pergunto por que os Correios têm monopólio, me convenço do protecionismo de uns em detrimento da maioria. Quando vejo que os nossos “amiguinhos” são a Argentina, Venezuela e Cuba, fica clara a herança maldita de seguir sendo um país de terceira categoria, ao qual eu confesso (com lágrimas nos olhos) ter perdido o orgulho de pertencer.

João Ezirio bemvenutti@hotmail.com 
Curitiba

*
UNIMED PAULISTANA – DESCASO

A Unimed Paulistana tem deixado seus clientes falando sozinhos. Cada vez que vou procurar um laboratório ou hospital, a resposta que ouço é de que o convênio foi cortado, pois a Unimed não paga os serviços que contrata. Sem contar o número incontável de médicos que deixaram o convênio pelo baixo custo das consultas pagas. Como explicar a inadimplência na Unimed, que arrecada cerca de R$ 2 bilhões por ano, e o balanço está sempre negativo? Basta olhar para o caso da Petrobrás. É má gestão e incompetência. O que se sabe é que os médicos da Unimed são cooperados, pagam para estar lá e por isso também votam, ou seja, de alguma forma podem contribuir para que as coisas melhorem nesse convênio. Em março haverá eleição para a troca da diretoria executiva. São cerca de 2.500 cooperados, somente 500 comparecem para votar. Não estaria aí uma parte da culpa por a empresa estar tão mal? Os médicos cooperados têm o dever e a responsabilidade de comparecer às assembleias e votar. A esta altura, já devem ter chapas concorrendo à eleição. Não custa ver o que elas propõem. É urgente a mudança no estatuto, com melhor distribuição dos poderes. É incompreensível que um modelo arcaico e ditatorial esteja comandando mais de 2.500 cabeças de médicos cooperados sem que ninguém se levante. Ou os senhores votam e mudam esse modelo atual ou vão ser tão prejudicados quanto nós. Pagamos um absurdo e temos um serviço igual ao prestado pelo SUS. Até quando vamos suportar tamanho descaso?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
POLÍCIA MUNICIPAL, UMA NECESSIDADE
 
Em agosto do ano passado, entrou em vigor a Lei n.º 13022, que define o poder de polícia das guardas municipais. É chegada a hora de estabelecer melhores condições de operação e distribuição das atividades policiais, entregando cada atribuição ao ente da segurança mais adequado para realizá-la. O policial militar é empregado hoje no atendimento de ocorrências de desinteligência, pequenos furtos, dano ao patrimônio, fiscalização de trânsito e outras tarefas muito aquém do treinamento que recebeu. Ao mesmo tempo que está empenhado nesses eventos de menor potencial ofensivo, ocorrem em sua área de trabalho os grandes crimes, como tráfico de drogas, chacinas, sequestros e outros. Se a guarda municipal encarregar-se dos eventos de menor potencial, a Polícia Militar poderá aumentar o patrulhamento tático e evitar os grandes crimes. A polícia municipal já é uma realidade nos Estados Unidos, México, Bélgica, Espanha, Inglaterra, Portugal e em outros países. A segurança pública brasileira necessita de urgente repaginação e novos esforços para bem atender às necessidades da população. O município precisa ser motivado e apoiado na transformação de sua “guarda” em “polícia” municipal, e assumir suas parcelas de responsabilidade na manutenção da segurança e da ordem pública. 
 
Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.