Fórum dos Leitores

MENSALÃO

O Estado de S.Paulo

06 Março 2015 | 02h04

Genoino x Barbosa

O STF extinguiu a pena do mensaleiro José Genoino, que cumpria prisão domiciliar. Pelo andar da carruagem, logo teremos a solicitação de processo para julgamento do ex-ministro Joaquim Barbosa por abuso de honestidade. No Brasil da PeTralhada linguiça come cachorro!

ANTÔNIO CARELLI FILHO

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

O perdão da pena não apaga o delito.

LOURDES MIGLIAVACCA

lourdesmigliavacca@yahoo.com

São Paulo

Indulto da presidenta

Parabéns ao STF pela escorreita aplicação do indulto: todos os bandidos, ladrões que se enquadram nele podem usufruí-lo. Inclusive o sr. Genoino.

RICARDO HANNA

ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

Cura rápida

O alívio é tão grande que até os problemas cardíacos de Genoino foram curados. Nem o Sírio-Libanês curava isso, mas já lhe concedeu alta do tratamento.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

PETROLÃO

'Surpresa'

Nossa, estou surpreso com a lista de Janot. Alguém, por favor, pode me dizer quem são Edison Lobão, Renan Calheiros, Lindbergh Farias, Gleisi Hoffman, Romero Jucá e Fernando Collor de Mello? Pela primeira vez na minha vida vejo o nome desses "expoentes" da nossa política envolvido em escândalos. Que coisa! É tudo buona gente. Aliás, cadê a Lei da Ficha Limpa? Enquanto deixarmos os ratos tomando conta da despensa cheia de queijo, vai ser assim. Alguma chance de elles votarem algum projeto que vá contra o interesse delles?

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

Lista negra

Poder público, já diz o nome, é público. Não há como estar no poder público e não querer expor suas atividades. Quem não deve não teme. Pelo desespero dos senadores e deputados, vemos que todos estão de alguma forma temendo e, por conclusão simples, todos devem. Impossível manter essa lista fechada!

JOÃO BRAULIO JUNQUEIRA NETTO

jonjunq@gmail.com

São Paulo

Engavetador

Pois é, Rodrigo Janot isenta a governanta Dilma Rousseff da lista do petrolão! Ministra de Minas e Energia, da Casa Civil, presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, presidente da República... e não sabia nadinha! Nós, cidadãos pagadores de impostos, somos muito cruéis. Dilma, chefa do petrolão? Ora, ela está acima dessas "bobagens", disse o engavetador-geral da República. Ops, o que digo? Quem tinha engavetador era FHC! O petrolão é de autoria de FHC, assim como o meteoro que matou os dinossauros!

DANIEL ARJONA DE A. HARA

haradaniel734@gmail.com

Griesheim, Alemanha

À la carte

A não inclusão do ex-presidente da Petrobrás Sérgio Gabrielli, de Dilma e de Lula na investigação dá ideia do tipo de pizza que engoliremos goela abaixo nos anos de julgamento. Arraia miúda e desafetos sendo punidos, idem as empreiteiras, tal qual Marcos Valério no mensalão. Ainda por cima, dá-se a entender que Aécio Neves recebe uma colher de chá para justificar a omissão. Na verdade, querem que a população entenda que Aécio teria o mesmo grau de culpabilidade dos demais. Uma falácia, como as muitas usadas pelo PT com sucesso.

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

Doce vingança

Com tanta gente nadando de braçada na piscina da delação premiada, quando é que o Marcos Valério vai abrir o bico? Será que está com medo de ser "justiçado" na prisão?

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Lava Jato

Dilma estar ou não na lista é um de seus menores problemas.

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

GOVERNO DILMA

Pega na mentira

Por causa do calote da mãe da "pátria educadora", o MEC teve de adiar o início das aulas do Pronatec em mais um mês. Depois de ter anunciado, em seu discurso de posse, que sua prioridade seria a educação, mais uma vez Dilma é apanhada na mentira.

VICTOR SIQUEIRA C. DALTIN

victorscdaltin@gmail.com

Catanduva

Mais estelionato

Durante a recente campanha eleitoral, nasceu meu neto e, embevecido que estava pelo discurso oficial, quis batizá-lo de Pronatec. Felizmente, fui voto vencido e hoje vejo que até esse dileto filho do lulopetismo virou testemunha do maior estelionato eleitoral que este país já sofreu.

FRANCISCO SOARES

f.e.soares@terra.com.br

Campinas

Menos cursos

O Pronatec não passou de um cabide eleitoral do governo na reeleição. Atualmente esses cursos no site foram reduzidos, quem acessa a página observa logo. Acho um absurdo esse procedimento do uso da máquina administrativa na esfera federal, estadual e municipal para campanha eleitoral. O País precisa de uma reforma política séria, para acabar com a aplicação do dinheiro público em eleição política.

MANOEL LIMOEIRO

manoeljs127773997@hotmail.com

Recife

Calote geral

Além de todos os desmandos do seu governo, a presidente da República agora deu para atrasar pagamentos... Não bastasse o Pronatec, agora vem à tona que ela está em débito também com o Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC, que usou com pompa para ser eleita presidente já em 2010.

LUCAS D. FUSTER PINHEIRO

lucasdomingues@adv.oabsp.org.br

Novais

PARQUE AUGUSTA

Obscurantismo

A imagem dos soldados encouraçados expulsando a população civil do Parque Augusta é filme já visto. É comum nos regimes autoritários. Obscurantismo não tem cura.

BENEDITO LIMA DE TOLEDO

bltoledo@uol.com.br

São Paulo

ENFIM, A SUPREMA CORTE

O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu uma lista de parlamentares que terão de ser investigados na Operação Lava Jato. Mas para que isso aconteça, um ministro do Judiciário vai decidir se indefere ou não os pedidos de abertura de inquérito. Mas é importante citar que todos os que forem acusados terão o direito constitucional de defesa. Não cabe, portanto, um julgamento antecipado. E uma questão merece destaque, ou seja, a corrupção finalmente está sendo enfrentada e os culpados terão de pagar pelo que fizeram, sejam ligados a organismos públicos e estatais ou da iniciativa privada. E que as decisões não sejam proteladas por jogadas jurídicas.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
A LISTA DA ANGÚSTIA
 
Em Brasília, quase todos estão comendo as unhas. Por que será?

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com
Casa Branca

*
SIGILO

Se o ministro do STF não derrubar o sigilo da Operação Lava Jato, o Brasil pegará fogo. Portanto, caro ministro, está em suas mãos evitar essa tragédia.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br
São Paulo

*
ATOLEIRO MORAL

Além do atoleiro econômico, agora o atoleiro moral: o procurador-geral da República enviou ao STF a lista das 54 pessoas envolvidas (45 parlamentares) no esquema de corrupção na Petrobrás. Pobre Brasil! Quando aprenderá a bem escolher os seus representantes no nosso Congresso?

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com
São Paulo

*
ESPERANDO JANOT

Ficamos todos esperando Janot, que, ao contrário do personagem de Samuel Beckett, Godot, apresentou-se àqueles que o aguardavam ansiosamente. Mas apresentou-se, após apuração profunda de delações premiadas cheias de estardalhaços e revelações escandalosas, sem conseguir formular denúncias contra os delatados, entregando ao STF uma lista de nomes a merecer abertura de inquérito. Custo a crer que o forno para a pizza esteja esquentando. Prefiro acreditar em que deste modo procedeu para não permitir nulidades, como assim já foi defendido por juristas. Coisa imprescindível que precisa ser lembrada é que a Petrobrás foi extorquida impiedosamente por empresários, autoridades, parlamentares, sob os olhos de Lula, Dilma e Graça Foster durante anos, sem que nenhum deles percebesse um indício da roubalheira, por menor que fosse, apesar dos alertas do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Controladoria-Geral da União (CGU) de superfaturamentos e irregularidades nos contratos da empresa – o que soa muito absurdo e inacreditável. Quero crer também que este caso macabro que é o petrolão vá ter punição exemplar de nossos ministros do Supremo, para que todo o trabalho exaustivo da Polícia Federal, do juiz Sérgio Moro e de procuradores da República, pessoas sérias e íntegras que trabalham incansavelmente para trazer a verdade à Nação, não seja em vão, trazendo crescimento sadio, ético e moralizador aos costumes brasileiros. Para que, finalmente, tenhamos orgulho desta pátria, deste chão em que nascemos.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br 
São Paulo

*
JOGADA ASTUTA

Assim como não há mal que sempre dure, também não há verdade – ou mentira – que fique para sempre encoberta. A reunião de Rodrigo Janot com José Eduardo Cardozo rendeu: o nome de madame Dilma Rousseff estava na lista, então envolver Aécio Neves foi a fórmula encontrada para livrar Dilma, desde que ele fosse livrado primeiro. Jogada astuta, mas que não nos engana. Não aceitamos que Janot ou Teori Zavascki, o relator da Lava Jato no STF, não denunciem a presidente recorrendo à Constituição, pois, quando aconteceu a operação lesa-pátria da compra da Refinaria de Pasadena, Dilma não era presidente da República. Ou apresentem um atestado médico que ateste sua incapacidade e sua irresponsabilidade, e que ela assine embaixo. Por falar nisso, Lula vai ficar de fora outra vez?

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br 
São Paulo

*
NÃO TINHAM NINGUÉM MELHOR?

Qual a possibilidade de analisar a idoneidade e o nível dos políticos brasileiros partindo do princípio de que o deputado Arthur Lira (PP-AL) foi escolhido para presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o colegiado mais importante da Câmara dos Deputados? Isso porque ele é apontado como um dos possíveis nomes da lista de políticos implicados na Operação Lava Jato, além de também ser acusado de agredir sua ex-mulher. Ou seja, um verdadeiro cidadão honesto e com inabalável reputação, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
DESAPARECIDO

Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento do governo Dilma, arrolado pela defesa de um dos envolvidos na Operação Lava Jato, intimado para depor, não foi encontrado em Curitiba. Segundo o zelador do condomínio onde morava, ele mudou-se, não deixou endereço e, provavelmente, estaria no interior de São Paulo. É mais um desorientado. E não adiantará nem perguntar para a esposa, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Ele sumiu, ninguém sabe, ninguém viu e pronto. Se não foi abduzido, quem sabe estará em Cuba, aconselhando-se com Fidel Castro, alter ego do partido corruPTo.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
OS PRESIDENTES

Ao que parece, na lista do procurador-geral estão os nomes dos presidentes do Senado (Renan Calheiros) e da Câmara dos Deputados (Eduardo Cunha). Logo, é de admitir, tristemente, que duas funções fundamentais para o desenvolvimento do País estão nas mãos de dois supostos criminosos.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com 
Casa Branca

*
AFASTAMENTO

Pergunta em português claro, direto e cristalino: Eduardo Cunha e Renan Calheiros já marcaram o dia do seu afastamento? 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 
São Paulo

*
O QUINHÃO DE RENAN

O presidente do Senado, Renan Calheiros, se fosse homem pautado por princípios republicanos, teria elevado, por meio de sua atuação política, o nível ético, moral e de decência nos trabalhos do Congresso Nacional. Entretanto, segundo delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás, Renan elevou foi o nível porcentual da propina surrupiada por políticos corruptos, por meio de desvio de dinheiro público dos cofres da petrolífera. Estava certo o sarcástico Barão de Itararé quando disse que “o homem que se vende recebe sempre mais do que vale”. Que o Supremo Tribunal Federal (STF), com severidade, trate de mandar esta corriola para a cadeia e, por consequência, para a lata de lixo da história política brasileira.

Túllio M. Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com 
Belo Horizonte

*
PELO MENOS 3%

À venda nos postos de todo o País, “Petrobrás PT”, a gasolina aditivada com propina. Faz o motor do partido render 3% a mais.

J. S. Decol decoljs@globo.com  
São Paulo

*
RETALIAÇÃO AO GOVERNO

O presidente do Senado, senador Renan Calheiros, devolveu ao Planalto a Medida Provisória 669, que restabelecia as antigas alíquotas previdenciárias sobre o faturamento das empresas, acabando com a desoneração. Alegou que tal medida não podia ser feita por meio de medida provisória, mas em outras ocasiões acolheu as medidas provisórias para matérias idênticas. Dois pesos e duas medidas? Não. Cinismo e hipocrisia. Demonstração da pequenez de político insignificante e mesquinho que ele é, e como se faz política neste país. É na mão deste tipo de gente que está o destino do País. Pobre Brasil. Temos culpa.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
OS ANSEIOS DO PLANALTO

Gerou grande repercussão no País e acordou o presidente do senado Renan Calheiros a devolução ao governo da medida provisória que aumenta impostos na folha de pagamentos de vários setores da economia. Em minha opinião, acho que o Congresso Nacional tem sua soberania política própria, ou seja, sua independência política. O governo precisa ficar de fora dele, e não controlar a maiorias dos parlamentares para se beneficiar da aprovação de seus “projetos de leis e medidas provisórias”. É para estes fins que votamos nos senadores e deputados: para a aprovação de projetos de leis que atendam ao anseio do povo brasileiro, e não do Palácio do Planalto.

Manoel Limoeiro manoeljs127773997@hotmail.com 
Recife
 
*
GOELA ABAIXO

Mesmo em tempo de crise hídrica, pode tirar o cavalinho da chuva quem acredita que o presidente do Senado, Renan Calheiros, e outros caciques do PMDB peitaram a presidente Dilma Rousseff e o PT ao devolver medida provisória que acabaria com a política de desonerações. A alegria da oposição deverá ser igual à de pobre – aquela que dura pouco – e, brevemente, eles estarão mais juntos do que nunca, aprovando outras medidas prejudiciais ao povo brasileiro e benéficas, é claro, para seus partidos e os da base “alugada”. E até em futuros almoços e jantares. A não ser que haja um outro interesse muito melhor para Renan e seus asseclas, entre eles o vice-presidente, Michel Temer, sucessor direto da presidente caso aconteça uma “desgraça”, o que confirmaria a tese do “nada é tão ruim que não possa piorar”.

João Direnna joao_direnna@hotmail.com 
Quissamã (RJ)

*
MUDANDO DE LADO

É só apertar mais um pouquinho e não enviar um pouco mais de recursos para o Estado de Alagoas que o senador Renan Calheiros (PMDB/AL) vai se tornar, já, já, oposição. Alguém duvida? 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
POBRE BRASIL

Terrível a primeira página do “Estadão” de 4/3. As fotos dos presidentes do Senado e da Camara dos Deputados estampadas para o mundo, suspeitos de participarem do esquema de corrupção da Petrobrás.  Será que dona Dilma e o PT conseguirão salvá-los? Vai haver pizza? 

Yussei Higa yhiga@uol.com.br 
Sorocaba

*
SALVAÇÃO

Corruptos de todo o mundo, uni-vos! Os do PT sozinhos não vão conseguir salvar o partido!

José R. Jimenez Costa jjimenezxng@gmail.com 
São Paulo

*
FIGURAS INDESEJÁVEIS

Confesso que senti, inicialmente, náuseas e, depois, revolta ao ver logo pela manhã, nos principais jornais do País, o focinho de dois crápulas emergidos da lama fétida que escorre dos porões do Legislativo e do Executivo brasileiros. Não se trata de criminosos comuns. São eles nada mais, nada menos que o presidente do Senado e o presidente da Câmara dos Deputados, as duas fossas que compõem o Congresso Nacional. E mais, são eles o terceiro e o quarto homens na linha sucessória do poder máximo da República. Uma vergonha! Definitiva e infelizmente, estamos nas mãos de políticos da pior espécie, com raríssimas exceções. Não merecemos isso, o Brasil não merece isso. 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com 
São Paulo

*
PELA VANTAGEM POLÍTICA

Privatizar a Petrobrás em fatias significa que os petistas, além de serem incompetentes e corruptos, são estelionatários políticos. Isto é, são pessoas que cometeram fraude com o fim de obterem vantagem política.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com
Campinas 

*
A NOVA CPI DA PETROBRÁS

Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), no Brasil, nunca investigou nada, nunca resolveu nada, nunca vai resolver nada. Vamos combinar uma coisa? Nunca mais se fala em CPI, certo?

José Carlos Alves jcalves@jcalves.ne
São Paulo

*
FOCO

Dilma Rousseff bem que quis culpar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao tentar envolvê-lo nos escândalos de corrupção na Petrobrás. Ela quis desviar o foco da corrupção de sua gestão e de seu antecessor, Lula, mas não deu certo. A CPI restringiu, pertinentemente, as investigações às gestões de Dilma e Lula.

Rodolfo Peres roperes@rosalito.com.br
Bauru

*
CULPA DE FHC

Só pode ser por culpa de FHC o uso do verbo “transubstanciar” no artigo “Quando a ética vira comédia”, de Eugênio Bucci (5/3, A2).

Márcio Camargo Ferreira da Silva cfsmarcio@gmail.com  
São Paulo

*
PARA EVITAR O ‘TRAUMA’

Condenar empreiteiras pode causar “trauma” ao País, diz Luís Inácio Adams, advogado-geral da União. Então vamos corruptar, roubar, prevaricar, malfeitar, petralhar, invadir, enganar, mentir, jogar a culpa nos “outros”, jogar o Brasil ao fundo do poço, que sempre vai aparecer um “cumpanheiro” que vai nos tirar da fria, né não? Perguntem aos Josés do mensalão, se não compensou para eles.
  
Vitório F. Massoni suporte@eam.com.br
São Paulo

*
BRIGANDO COM FOGO

O sr. Luís Inácio sugere que passemos a mão na cabeça dos corruptores das construtoras, sob o risco de causar um “trauma” ao País. Obviamente que estou falando de Luís Inácio Adams, e não do outro Luiz Inácio... Ora, sr. advogado-geral da União, que conversa é essa?! Se Renan Calheiros furou o teto e recebeu mais do que o “acordado”, que seja cassado e deixe a presidência do Congresso. Aliás, desta vez ela não terá de beijar a mão do Soba, caso escape de algo a que os brasileiros – e eu me incluo inúmeras vezes – estamos fartos de assistir. Aliás, se a sra. Vana Rousseff também recebeu dinheiro, gostaria de saber a opinião dos que ainda são contra o impeachment. Para completar, a cereja do bolo, José Genoino foi perdoado pelo mensalão. Decisão pavorosa do Supremo Tribunal Federal (STF) em momento delicadíssimo. Os senhores ministros daquela Corte, como nossos parlamentares, estão brigando com fogo. Chega, estamos fartos!

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br 
São Paulo

*
CONDENAR EMPREITEIRAS

Pior será se acabar em pizza, sr. Luís Inácio, chefe da AGU!

Bernardo Schulze bernardoschulze@gmail.com
São Paulo

*
RACIONAMENTO

Com indicativos de que o PT lavou muuiiiiiito dinheiro, as investigações da Lava Jato podem sofrer falta d’água. 
 
A.Fernandes standyball@hotmail.com
São Paulo

*
INSACIÁVEIS

Empresas da Lava Jato pedem R$ 31 bilhões ao BNDES. Quanto mais roubam, mais querem roubar.

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com 
Botucatu

*
O BNDES E A LAVA JATO
 
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é banco que deve atender a todas as empresas brasileiras, especialmente, mas deve ter as exigências necessárias para a concessão de empréstimos, não bastando declarações de anticorrupção, porque o cadastro com bens suficientes ou não é que vai determinar a possibilidade de empréstimos. O empréstimo com fundo político, como os feitos em favor de Eike Batista, certamente redundam em prejuízo para o banco e para o País. Aliás, o BNDES merece ser o próximo alvo da Polícia Federal, para conferir a lisura com que o lulopetismo operou com o estabelecimento. Muita coisa irá aparecer, inclusive em favor dos amigos do rei.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
‘GOLPE DE JÍU-JITSU’

Quero cumprimentar e solidarizar-me com o artigo “Golpe de jiu-jítsu”, de Fernão Lara Mesquita (“Estadão” de 28/2, A2), uma das poucas vozes de peso e com acesso a um dos mais importantes meios de comunicação do Brasil, indignado com o que está ocorrendo em nosso país, alertando o povo para a necessidade de a imprensa – não exclusivamente a escrita, mas principalmente a falada e a televisiva – se posicionar, e abertamente, isto é, fazendo “muito barulho”, o que a imprensa escrita não consegue fazer, mostrando “com clareza de onde tudo vem vindo” de modo a poderem “opinar sobre o destino que querem lhe impor, antes que seja tarde”. O País, por meio de suas entidades governamentais e judiciárias, agora também com a responsabilidade de não decepcionar a Nação em face do tema em curso, decorrente da entrega dos nomes dos políticos envolvidos nas falcatruas da Petrobrás ao STF, tem que dar um basta na insuflação da insubordinação e enquadrar os seus responsáveis nos ditames da lei.

Sebastião Hetem sebahetem@ig.com.br 
Taiuva

*
JOSÉ GENOINO LIVRE DA PENA

O conceito de justiça é, infelizmente, ingênuo, principalmente no nosso país, onde temos leis arcaicas e um Judiciário corrupto. Não existe justiça! Existe a lei! No caso do mensaleiro José Genoino, a lei, nesta fase do processo jurídico, foi cumprida com rigor. 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com 
Santana de Parnaíba

*
PERDÃO JUDICIAL

Os ministros do Supremo Tribunal Federal, ao aprovarem, por unanimidade, a extinção da pena de um condenado pela própria Corte, desferiu um tapa na cara de todo o cidadão que vive dentro da legalidade, pendendo, com este ato, a sua confiabilidade, ou o chamado “dois pesos e duas medidas”. Genoino pode, eu não.

Glória Anaruma gloria.anaruma@gmail.com
Jundiaí 

*
INDULTO

Condenado por corrupção ativa pelos ministros do Supremo em 2012 a 4 anos e 8 meses de prisão, Genoino foi  beneficiado pelo indulto natalino após cumprir parte da pena. Interessante a nossa Justiça: quem votou pela extinção da pena de Genoino são os mesmos ministros do STF que há tão pouco tempo o condenaram.
 
Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com 
São Paulo

*
LIVRE COMO UM PÁSSARO

Para o Supremo Tribunal Federal, o indulto se revela como instrumento de política criminal de que dispõe a presidente da República, decisão esta sujeita apenas ao critério de conveniência e da oportunidade. Frisa-se que o decreto presidencial de indulto é um ato político e estritamente arbitrário da presidente da República. O decreto presidencial estabelece ainda as condições para a concessão do indulto, apontando os presos que podem e os que não podem ser contemplados e determina o papel de cada órgão envolvido em sua aplicação. Numa época em que a presidente da República vem optando por atuar despoticamente por via de decretos, pode-se reiterar o sentimento de consternação por que passa a sociedade mais discernida deste país. O indulto pode, sim, ser utilizado com fins políticos. Para a concessão, porém, não se contempla a condenação por crimes contra o patrimônio, contra o erário e os crimes de colarinho branco. O que pesa contrariamente à concessão do indulto pela presidente Dilma ao mensaleiro do PT é o evidente desgaste moral por que passa o seu governo. O indulto a José Genoino poderia representar mais uma fagulha a incrementar o inferno que representa o governo PT segundo a opinião de parcela significativa da sociedade. O desgaste que a presidente Dilma Rousseff poderá sofrer com o indulto configura-se comprometido com a ideologia vigente imposta pelo sistema. A bem da verdade, nada poderia fazer o Supremo Tribunal Federal, por tratar-se de ato arbitrário da presidente, permitido pela Carta Constitucional, se fossem preenchidos os requisitos, mas que não é o caso, por conferir privilégios às razões políticas em lugar das razões de direito. No tocante a Genoino, poderíamos adentrar ao campo da moralidade: o indulto é legal, porém imoral!

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net
São Paulo 

*
MANÉS

Claro que o perdoado pode reassumir suas funções no PT, cheio de “manés” como Genoino, que, quando interessa, também é quinta coluna até dos colegas. Daqui a pouco será um candidato ao Senado, para substituir o outro “mané” Suplicy.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com
São Bernardo do Campo

*
A DEPORTAÇÃO DE BATTISTI

Cesare Battisti, mafioso italiano e amigo dos petistas, finalmente tem seus dias contados no Brasil, porque a Justiça Federal, por decisão da juíza Adverci Rates Mendes de Abreu, mandou deportá-lo para Itália. Battisti, no currículo de Lula, é um exemplar cristalino das inúmeras ações funestas do ex-presidente em desrespeito às nossas instituições. Esse cidadão, mesmo sendo condenado a prisão perpétua em seu país por quatro assassinatos, teve guarida do ex-presidente Lula, que ignorou o pedido da Justiça italiana para sua extradição em 2009, criando um contencioso diplomático desnecessário e prejudicial à imagem do Brasil. Lógico que Lula, coerente com a sua filosofia de que tudo pode no poder, já que agiu também como protetor de seus corruptos do mensalão (e agora tenta o mesmo com os seus envolvidos na Operação Lava Jato), não perdeu tempo no curso de seu segundo mandato para sacramentar de forma autoritária a permanência no Brasil de um mafioso amigo do PT como Battisti. Mas, se o Planalto nesta era petista tem se lixado para a legalidade e o exercício da ética, a juíza da 20.ª Vara do Distrito Federal afirmou em seu despacho: “No presente caso, trata-se, na verdade de estrangeiro em situação irregular no Brasil. E não faz jus à obtenção nem de visto nem de permanência”. Ou seja, se realmente estamos órfãos há 12 anos de um governo federal, pelo menos a Justiça brasileira procura fazer a sua parte. Ainda bem.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
TROCA

Finalmente este país mostra que tem vergonha na cara e deporta Cesare Battisti. Agora falta que a Itália envie Henrique Pizzolato, o meliante que é nosso, para cumprimento de pena em cadeia local. Quanto àquele senhor que nada sabe sobre crimes da sua espécie, vamos ter de esperar mais um pouco.

José Roberto Sant’Ana jrsantana10@gmail.com 
Rio Claro 

*
MISSÃO IMPOSSÍVEL

A cada dia aparecem novas informações sobre a crescente instabilidade econômico-financeira do Brasil, motivada pela calamitosa administração pública executada pela presidente no seu primeiro mandato. Os resultados das contas públicas de 2014 são alarmantes. O pequeno ou nenhum superávit primário alcançado deveria teoricamente cobrir os juros e a amortização mensal da monumental dívida pública, de quase R$ 3 trilhões, dispêndios que montaram a mais de R$ 1 bilhão no período. Além disso, o governo arrasta despesas de R$ 226 bilhões em “restos a pagar”, o que deverá ser incluído na programação financeira. Ainda a manutenção das elevadas reservas de US$ 370 bilhões – uma suposta garantia de credibilidade – gera uma sensível perda de juros, quando a sua aplicação rende apenas 2% e o custo da dívida, 12% a 13% (Selic), dando um prejuízo de R$ 100 bilhões anualmente. Contas externas do País tiveram um rombo de US$ 90,94 bilhões no ano passado. Finalmente, o desastre econômico da Petrobrás poderá exigir significativos subsídios financeiros do governo para evitar uma conjuntura pré-falimentar da empresa. O ministro Joaquim Levy, incumbido de diligenciar sozinho o saneamento dessas deploráveis circunstâncias – ainda ante a má vontade da presidenta, de seu ParTido, do Congresso e o surpreendente silêncio da oposição –, parece estar cada vez mais enfrentando uma missão impossível. Mas a esperança é a última que morre.

Pablo L. Mainzer plmainzer@hotmail.com 
São Paulo

*
IDADE DAS TREVAS

Aumentos desenfreados da energia elétrica, greves por todos os lados, mormente a dos caminhoneiros, falta d’água, aumentos vertiginosos de impostos, roubalheiras desenfreadas na Petrobrás, Eletrobrás e em outros órgãos do governo lulopetista, Lula convocando o MST e o MTST e suas tropas para “baterem” em quem se opuser ao desgoverno do PT, desemprego em alta, inflação crescente, crescimento econômico negativo, etc., etc. e tal. Dessa maneira, estamos entrando em definitivo na Idade das Trevas (quando teremos de viver no escuro ou à custa de lamparinas tocadas a carbureto ou a óleo de baleia), que o PT e seus aliados de carteirinha nos estão impondo goela abaixo para ficarmos até pior do que a Venezuela dos “venerados” Hugo Chávez e Nicolás Maduro, a quem o PT tanto elogia pelo “exemplo de democracia” lá existente. A que ponto chegamos por causa desta política bolivariana do PT de Lula, Dilma, Rui Falcão, Berzoini, Vaccarezza, Dirceu, Genoino e tantos outros que se arvoravam como salvadores da Pátria e acabaram nos jogando num mar de lama jamais visto antes neste país. As falcatruas e mentiras lulopetistas correm à solta faz tempo e tem grande parcela de culpa a população que ainda crê neste grupelho que se apossou do poder à custa de programas assistencialistas/votos de cabresto e querem se perpetuar no poder a todo custo, não medindo esforços, continuando a iludir todo um povo desavisado com falsas promessas de que tudo está lindo e maravilhoso. Só se for para este bando! Como é amplamente sabido, a mentira não tem pernas curtas, como dizem, ela nem sequer tem pernas.
 
Boris Becker borisbecker@uol.com.br 
São Paulo 
 
*
AUMENTO GERAL DE IMPOSTOS

Chega! Nossa esperança em Joaquim Levy era o corte de gastos do governo, e não o aumento do gigantismo do Estado. Tenha honradez e saia, ministro!

Sonia Maria Benfatti Resstel sbresstel@gmail.com 
São José do Rio Preto

*
ABACAXI
 
Dona Dilma, o ministro Joaquim Levy não foi infeliz ao criticar as desonerações feitas no seu primeiro mandato, não. Está, sim, com muitas dificuldades para descascar o tremendo abacaxi que o primeiro governo da senhora lhe deixou.
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
RISCOS DO AJUSTE

O maior risco do ajuste fiscal é o mau uso da arrecadação aumentada e de outros resultados obtidos, colocando os ganhos no mesmo saco sem fundo do assistencialismo, com vistas a 2018. Por isso, fora Dilma, fora Lula e fora PT! Pelo impeachment!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br
São Paulo

*
A ALTA DOS JUROS

Lamentável que o Banco Central tenha aumentado a taxa de juros pela quarta vez seguida, passando para absurdos 12,75% ao ano. Quem ganha com isso são o mercado financeiro, os banqueiros e rentistas. E quem perde, só para variar, somos nós, o povo brasileiro, que pagaremos essa conta amarga.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
ECONOMIA DE ENERGIA

Quero fazer minha parte para contribuir para a economia de energia, assim como tenho feito com a água. Fui atrás de lâmpadas de led, que são mais econômicas. Quase caí de costas com os preços das mesmas, e minha maior surpresa foi com a alíquota de imposto incidente sobre elas: quase 40%. Por que o governo não faz sua parte neste quesito, para estimular a população a trocar suas lâmpadas?

Ziza de Ferran zizadeferran@gmail.com
São Paulo

*
PROJETO DE LEI 8.305/14

Nossa laboriosa Câmara dos Deputados acaba de aprovar o Projeto de Lei 8.305/14, do também laborioso Senado, que qualifica “feminicídio” (?!) como crime hediondo e o autor terá de cumprir pena maior em regime fechado. Como assim? Estes nossos congressistas são mesmo incríveis: quando não estão em conluios espúrios, usam a criatividade para deturpar a Constituição (Artigo 5.º, todos são iguais perante a lei) e o artigo 7.º da Declaração Universal dos Direito Humanos. Pelamordedeus, como ficam o infanticídio, o “gaycídio”, o “afrocídio” e todos os outros “cídios”? 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 
São Caetano do Sul 

*
ASSASSINATO DE MULHERES

Crime hediondo para assassinado de mulher é uma lei justa para proteger a mais divina de todas as criações de Deus. Para ateus ou agnósticos, digamos que não há na natureza humana nada mais bonito que uma mulher, por dentro e por fora.

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 
São Paulo

*
MANUTENÇÃO DAS AUDIÊNCIAS DE CUSTÓDIA
 
Cumprimento o Tribunal de Justiça de São Paulo pela visão corajosa e moderna, ao adotar a audiência de custódia. Como toda medida inovadora, poderá mexer em zonas de conforto de servidores, mas está destinada ao sucesso. A audiência de custódia trará maior celeridade ao processo, contribuindo para reduzir o sentimento de impunidade em São Paulo e no Brasil. A medida também coopera para proteger a integridade do preso e evitar que pessoas, especialmente as mais pobres, fiquem encarceradas sem real necessidade, preservando, assim, os direitos humanos.

Coronel Alvaro Batista Camilo, vereador contato@coronelcamilo.com.br 
São Paulo

*
GRAFITE

Nota mil para o artigo “Queremos ser a capital do grafite?”, de Roberto Duailibi (4/3, A2), chamando a atenção para a violência arbitrária contra os cidadãos desta cidade cometida por quem tem a autoridade (?) de assegurar o seu bem-estar. Infelizmente, é reflexo do que está acontecendo em todo o País. 

J. Roberto Whitaker Penteado jroberto@espm.br
São Paulo

*
NÃO NOS REPRESENTAM

Agradeço ao sr. Roberto Duailibi. Há tempos venho pensando nisto: grafite e pichação. Realmente, fazem parte de um grupo artístico que não representa a grandeza e a pujança da cidade de São Paulo. É extremamente desagradável ver as manifestações fascistas em monumentos e áreas públicas. A arte contraditória deveria ter outro destino, e não sermos obrigados a conviver com tudo isso.

Sofia Wadhy sofiawadhy@gmail.com
São Paulo

*
PESADELOS VISUAIS

O artigo de Roberto Duailib é definitivo. Que se crie um espaço para a “street art”, grafite, pichação! Quem quiser apreciar tais maravilhas que vá até lá.  Onde está a lei da democracia que diz terminar a liberdade de um onde começa a do outro? Por que sou obrigado a conviver diariamente com estes horrores? Criem um lugar para eles, cobrem um ingresso simbólico (para ajudar os “novos”), chamem os jornalistas do politicamente correto e que todos se transformem em Banksys e Basquiats, oxalá! Mas, afinal, quem pensam que são estes “artistas”? Mucha, Chéret, Cassandre, que no século 20 inundavam as ruas com seus cartazes, obras-primas, fruto de estudo, disciplina e consagração crítica? E, assim mesmo, permitidos em locais restritos e com duração limitada. Felizmente, no Rio, uma das piores “exposições” destes alucinados ficava no muro comprido do Jóquei Clube da Rua Jardim Botânico, que em boa hora foi repintado, fazendo jus ao tombamento. Tenho visto pouca gente se levantar contra estes pesadelos visuais, acho que com medo de ser considerado de direita, reaça, antiquado. Por isso, mais uma vez, o articulista e o “Estadão” estão de parabéns. Como fundador-presidente do Instituto Art Déco Brasil, que desde 2005 vem pesquisando, preservando e celebrando nossa herança dos anos 1920-1960, abomino estas e quaisquer interferências em bens comuns, na paisagem urbana que pertence a todos (e não a um grupo de “artistas”), uma herança de nossos antepassados. 

Márcio Alves Roiter marcioroiter@uol.com.br 
Rio de Janeiro

*
IGNORÂNCIA TEM LIMITES

A opinião do sr. Roberto Duailib sobre os grafites na cidade de São Paulo me fez pensar em temas muito mais amplos. A questão não está mais na apropriação da arte por vozes oprimidas pelas forças hegemônicas, mas, sim, na construção de pensamento da educação privada que tanto se expande num país como o Brasil. Ao ler/ver/escutar sobre o sucateamento da educação pública (principalmente em nosso querido Tucanistão e num ano de eleição no esquema Fla-Flu), penso que, às vezes, o problema não é a educação ser pública, mas, sim, a educação como um todo estar mal estruturada. Ler os pensamentos do sr. Duailib sobre uma vertente artística legítima me faz pensar que erramos não só na educação pública, mas também na privada. O grafite, por definição, é uma voz oprimida dentro das questões tanto do mercado da arte como do próprio urbanismo. Políticas urbanas como as “broken windows” (ou janelas quebradas), em que a repressão policial é usada para reprimir qualquer possibilidade de uso orgânico do espaço demonstram a força e o poder de articulação de uma expressão que usa as ruas e os muros como telas e meios de comunicação com os “comuns”. Só esse argumento simples e extremamente visível em qualquer periferia (não à toa que a Polícia Militar é o meio para o genocídio de jovens negros e pobres) demonstra que a expressão artística do grafite não é nada “fascista”. Não nasce e não se propaga por meio de discursos e conceitos restritivos. Muito pelo contrário. O grafite surge como uma expressão latente de uma camada da população diretamente oprimida por causa do discurso hegemônico, privado, que entende que o gosto da arte está ligado às elites, e não às periferias. A administração municipal fez muito bem ao estruturar uma grande avenida, com circulação diária de pessoas extremamente alta, como tela para estas vozes até então escondidas em guetos e em articulações alternativas. Passar todos os dias pela Avenida 23 de Maio e ver diferentes traços e prospecções artísticas é de uma progressão imensurável comparada às administrações anteriores que tivemos nesta grande metrópole. São Paulo, para informação do sr. Duailib, não é só reconhecida por estes eventos privados de que ele tanto se orgulha (como “feiras, exposições, convenções, reuniões importantes”). Não. São Paulo é reconhecida, inclusive no mundo da arte internacional (eu entendi que ele não entende sobre arte. Tudo bem, mas vamos pensar sobre o tema, antes de escrever para um grande jornal), por sua vocação em arte de rua. Se o autor conheceu Os Gêmeos em sua fase de expor em galerias e fazer trabalhos comissionados, que saiba que eles começaram como qualquer outro grafiteiro: ocupando os muros que estavam ali e separavam a vida deles da sua vida de elite paulistana. O grafite tem, sim, “relevância mundial”, muito mais do que o articulista imagina pelo seu desconhecimento do que é arte e quais discussões existem dentre deste campo. Sinto-me extremamente frustrado ao ler tal artigo num grande jornal, principalmente por saber que o sr. Duailib não é nenhum ignorante em termos de formação. E, se não é, por que decide ser tão ignorante publicamente? Acredito que nós devemos não só discutir os problemas da formação pública, mas também incluir os problemas da formação privada, porque opiniões sem nenhum embasamento ou teor crítico como estas só trazem a desinformação para uma cidade para lá de caótica como São Paulo. E viva o grafite!

Thiago Carrapatoso thiago.carrapatoso@gmail.com 
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.