Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO E BRAVATAS

O Estado de S.Paulo

08 Março 2015 | 02h04

Em berço esplêndido

Nunca antes na História deste país se falou tanto em corrupção. De uns anos para cá o que mais temos no noticiário são escândalos. De mensalão a Lava Jato, hoje petrolão, a população se estarrece com o número de agentes públicos que se apropriam, em proveito próprio e alheio, de numerário arduamente adimplido pelo cidadão honesto. Deparamo-nos com agentes que agem com manifesta intenção espúria e contrária aos princípios da administração pública, verdadeiros criminosos que buscam perpetrar o locupletamento em prejuízo da sociedade mediante corrupção e propina. Não obstante a tentativa do governo de acobertar os crimes perpetrados, todos os fatos acima narrados acabaram caindo no conhecimento público. Será? À exceção da nova lista de investigados pelo Ministério Público Federal, paira pergunta que não quer calar: onde está em tantas delações, em tantos esquemas que envolvem, além de políticos de alto escalão, partidos inteiros, em especial um que "domina" o País, o nome de Lula da Silva? Ou estamos diante de um homem que deveria ser canonizado ou diante do pai de todos os nefastos. Não é crível que o líder do partido envolvido em tantos escândalos, alguém que se faz representar a própria Petrobrás em viagens administrativas, não tenha relação com tantos políticos envolvidos! Estamos diante de uma imoralidade qualificada pelo dano ao erário. Em tantas delações, Lula não é citado? Qual a razão dessa blindagem? Contemplamos em berço esplêndido os agentes públicos desprezarem a ética em sua conduta. Até quando? Meus sentimentos à Nação brasileira, por ter em sua liderança a mais alta cúpula de agentes ímprobos.

REGIS DANIEL LUSCENTI

luscenti@bol.com.br

Ourinhos

Mãe gentil

O PAC (programa de aceleração da corrupção) nasceu em berço esplêndido, no governo de Lula e Dilma, e está completando 12 anos com o risco de continuar a crescer. Cabe a nós, brasileiros, exigir que sua vida seja ceifada. Por todos os problemas que seu partido criou para o País, Lula está desmoralizado, mas não perde uma chance de piorar a já desastrosa situação. Esse senhor, que nutre um ódio irracional por todos os que o contrariam, considera absurdo que seus oponentes tenham os mesmos direitos que ele, chegando ao ponto de ameaçá-los dizendo, numa tentativa desesperada de reverter a situação, que caso continuem desobedecendo às suas ordens vai apelar (acreditem) para o exército do famigerado Stédile. Também classificou a roubalheira na Petrobrás como uma simples e inofensiva caca de alguns membros da imensa família que faz parte do governo do PT. Lula, realmente, subestima a inteligência do povo, se bem que nada que venha dele seja capaz de nos surpreender. O País ficaria eternamente grato se Lula parasse de dizer asneiras e procurasse algo de útil para fazer na vida, deixando o povo brasileiro em paz. O bom senso diria amém.

IARA MORAES

iaramoraes1@hotmail.com

Bragança Paulista

Petrolão, confusão, inflação

O Brasil está sofrendo uma série de abalos sísmicos com epicentro em Brasília. A bola de neve do petrolão finalmente chegou ao Congresso Nacional. Neste, a base aliada do governo mostrou que pode fazer a CPI da Petrobrás como deve ser. E que não se deve governar por medidas provisórias (antes tarde que nunca). O dólar ultrapassou a barreira dos R$ 3 - isso pode, num primeiro momento, ajudar as exportações, mas, sem dúvida, vai aumentar a já descontrolada inflação, porque a maioria dos insumos (químicos, farmacêuticos, eletrônicos, etc.) é importada. Enquanto isso, ninguém mais fala em educação, saúde, segurança e qualidade de vida. Realmente, a Dilma conseguiu piorar a herança maldita do Lula!

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

Momento grave

Nem mesmo a crise do último governo de Getúlio Vargas - a minoria congressual, o envolvimento de um de seus irmãos em conduta não aceitável, o atentado alvitrado por Gregório Fortunato contra Carlos Lacerda na Rua Tonelero, o governo militar encastelado na República do Galeão, que levaram ao suicídio do presidente - parece ter a gravidade da crise de hoje, em que meia centena de parlamentares é investigada sob a soberania máxima do Supremo Tribunal Federal, entre eles os presidentes das Casas do Congresso Nacional. Claro que investigados não são acusados, processos, tampouco condenados. Porém estamos celeremente caminhando em direção a um sítio dantesco, a momentos políticos de extrema gravidade para a Nação. E a impressão que temos é que essas adversidades, aos olhos da presidente e do PT, podem ser facilmente dribladas, tal como um dia nos foi dito que tirariam de letra a crise internacional.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Sempre é bom lembrar

"Foi gostoso passar pela Presidência da República e terminar o mandato vendo os Estados Unidos em crise, vendo a Europa em crise, vendo o Japão em crise, quando eles sabiam tudo para resolver os problemas da crise brasileira, da crise da Bolívia, da crise da Rússia, da crise do México" (Lula, 29/12/2010).

MAURÍCIO RODRIGUES DE SOUZA

mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

Alucinações

Peguei o "trem-bala" em Campinas e fui até o Rio de Janeiro visitar instalações da "mais rentável e bem administrada empresa de petróleo do mundo", que "brevemente vai abarrotar de recursos os orçamentos dos Estados". Essa empresa está sofrendo o assédio dos partidos de oposição, que querem iniciar uma privatização vendendo parte do seu patrimônio, num total de US$ 13 bilhões. Aproveitei para visitar alguns "campeões empreendedores", todos em dia com o pagamento de enormes empréstimos do BNDES. Após abastecer um carro alugado com o combustível produzido pelas "refinarias do Ceará e do Maranhão", fui até o Nordeste para navegar pelas águas do "canal de desvio do Rio São Francisco". Notei que a população estava muito feliz com a "inflação baixa", "impostos reduzidos" e "pleno-emprego". Uns poucos desempregados haviam cursado o Pronatec e estavam prestes a dobrar seus salários. Pequenos proprietários inundavam o mercado com "mamona para o biodiesel". Vi também uma gigantesca exposição de cataventos (aerogeradores) que só não estavam produzindo energia elétrica porque esta sobrava no País - e também pelo pormenor de terem esquecido de construir a linha de transmissão. Para ir a Brasília fiquei até em dúvida onde pegar o avião, dada a existência de "800 aeroportos" disponíveis. Finalmente cheguei à capital e fui visitar um presídio profeticamente batizado de presídio da "papuda".

NÍVEO AURÉLIO VILLA

niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

A mulher, por seus próprios méritos e por sua importância na vida social do mundo, merece todos os dias do ano e por toda uma eternidade ser lembrada com reverência, e não somente no Dia Internacional da Mulher. No dia 8 de março do ano de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova York entraram em greve, ocupando a fábrica para reivindicar a redução de um horário de mais de 16 horas por dia de trabalho para 10 horas. Essas operárias, que recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram fechadas na fábrica, onde, entretanto, se declarara um incêndio e cerca de 130 mulheres morreram queimadas. Em 1910, numa conferência internacional de mulheres realizada na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o 8 de março como o Dia Internacional da Mulher, e desde 1975 o dia 8 de março é comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher. Se, de um lado, nos dias que correm infelizmente as estatísticas revelam altos índices de violência que ainda se pratica contra as mulheres, em que pese a Lei Maria da Penha, de outro lado, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) recentemente divulgou em estudo a salutar realidade de um porcentual elevado da presença feminina no mercado de trabalho, intitulado Gerência tem 45% de Mulheres. Com todos os méritos e as honras que lhes são devidas, temos mulheres atuando com brilhantismo como presidentes de países, governadoras de Estados, prefeitas, senadoras, deputadas, vereadoras, ministras de Estado, ministras no Supremo Tribunal Federal, no Superior Tribunal de Justiça, no Tribunal Superior do Trabalho, nos Tribunais Regionais do Trabalho, nos Tribunais Regionais Federais, nos Tribunais de Justiça, nas Varas Federais e Estaduais, nas Procuradorias Federal e Estadual, nos Juizados Especiais, nas Polícias Federal, Estadual e Municipal, na Escola Superior do Ministério Público, jornalistas, cientistas, físicas, astronautas, aeronautas, advogadas, médicas, odontologistas, psicólogas, professoras, enólogas, atrizes, joquetas e em tantas outras atividades, inclusive em cargos das mais altas relevâncias, todas a exercer as suas atribuições em igualdade de condições com os homens. A bem da verdade, a posição conquistada pela mulher na evolução dos tempos rompeu com as amarras, permitindo que ela tenha fontes de rendas próprias. A mulher já não é mais a figura lendária de "costela de Adão", dependente do homem e por ele permanentemente assistida. O sumo pontífice João Paulo II, referindo-se à mulher, sabiamente disse: "Os homens que pensam que as mulheres nasceram para servi-los devem reformular seu pensamento". 

Mario Pallazini mpallazini@hotmail.com 
São Paulo

*
CORRUPTOS, CORRUPTORES E MANDANTES
 
A nova CPI da Petrobrás convocou os pivôs da corrupção na estatal e os dois ex-presidentes da época dos acontecimentos. Mas, por enquanto, não chamou as empreiteiras envolvidas no caso. Para revestir-se de seriedade e chegar a bons resultados, os empresários não podem ficar de fora. Os operadores dos desvios têm de esclarecer à CPI e à Nação todos os pormenores da ação criminosa e, principalmente, declinar o nome dos mandantes do esquema para que estes também possam ser alcançados pelos tentáculos da lei. É preciso saber, fundamentalmente, quem se beneficiava com a compra de apoio político e com o enriquecimento indevido de políticos e figuras que hoje já se encontram identificadas como recebedoras do dinheiro sujo. Vivemos momentos vergonhosos. Se os homens e mulheres investidos no poder quiserem, ainda é tempo de endireitar o País e recolocá-lo no caminho do progresso e da justiça social. Agora é a vez dos deputados da CPI aproveitarem a grande oportunidade de dizer a que vieram.
 
Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br
São Paulo

*
CPI DA PETROBRÁS

Esta CPI me lembra o saudoso Chacrinha: "Vim para confundir, não para esclarecer".

Newton da Silva Bauer bauernewton@gmail.com 
São Paulo

*
EMBROMAÇÃO

As CPIs geram despesas, depoimentos vazios, brigas, disputas pelo poder, trocas de acusação e, também, resultados pífios.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com 
Niterói (RJ)

*
O SUFOCO DA PETROBRÁS

A Petrobrás faz planejamento de longo prazo, sempre para os próximos dez anos. Em 2010, a Petrobrás decidiu que iria dobrar de tamanho em apenas dois anos. Isso significava dobrar o número de funcionários, os custos, o faturamento, a produção, o lucro, etc. Para realizar esse planejamento, a empresa foi à Ásia, aos Estados Unidos e à Europa a fim de pedir empréstimos. A dívida começa na captação do dinheiro no exterior. Os projetos básicos são feitos pela Petrobrás. Os projetos de detalhamento, a construção de plataformas e terminais são feitos pelas grandes empreiteiras e qualquer alteração é cobrada como extra-escopo. O Petróleo começa a ser explorado com um atraso de aproximadamente dois anos. Uma plataforma produz 180 mil barris de petróleo por dia e ainda produz gás. O valor do barril de petróleo que torna todo este investimento viável é em torno de US$ 100,00. Nos últimos meses o valor do barril caiu para US$ 50,00. Vender o petróleo pela metade do preço e ter uma empresa com o dobro dos custos, além de uma dívida gigantesca, é claro sinal de graves problemas financeiros.
 
José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br
Rio de Janeiro

*
PETROLÃO

Diz um ditado que "o melhor negócio do mundo é uma empresa petrolífera bem administrada. E o segundo melhor é uma empresa petrolífera mal administrada". Sob a administração do PT, no entanto, a Petrobrás é a empresa mais endividada do mundo, caminhando para a falência!
 
Candido Antonio de Pretto depretto@uol.com.br 
São Paulo

*
OPERAÇÃO LAVA JATO

A Procuradoria-Geral da República entregou ao Supremo Tribunal Federal (STF) 28 pedidos de abertura de inquérito da Operação Lava Jato, e os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, ambos do PMDB, foram os primeiros nomes confirmados. Será que por engano deixaram de citar um ex-presidente e uma presidenta? 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
INOCENTES

A divulgação dos nomes indicados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e que foram encaminhados ao Supremo Tribunal Federal não deveria merecer tanto alarde. Afinal de contas, o procurador indica quem vai ser submetido a inquérito. Considerá-los culpados é um julgamento prévio, pois não tiveram a oportunidade de se defender. Até que isso aconteça, todos eles são inocentes, independentemente do partido a que pertençam. 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
LULA E DILMA

A pergunta a ser respondida é: o que leva um homem como Rodrigo Janot a expor sua carreira, imagem e vida pessoal omitindo no mínimo a prevaricação de Lula e Dilma no caso petrolão?!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com 
São Paulo

*
ONDE ESTÁ LULA?

Algum motivo importante está excluindo o ex-presidente Lula do caso Lava Jato. O assalto à Petrobrás começou no primeiro mandato do ex-presidente, envolvendo políticos dos partidos que o apoiaram e outros. Há a informações, também, dos desastres que Lula provocou na Petrobrás (propositais?) durante seus governos, como o planejamento de instalações que se sabia em mercados inadequados, em que sua determinação "custou" impressionantes R$ 2,7 bilhões, e ainda a compra da deficiente refinaria de Pasadena, com que a Petrobrás teve um prejuízo de US$ 1,18 bilhão. Foram apenas dois grandes prejuízos diante de dezenas em que Lula esteve aparentemente presente. Hoje existem milhares de demitidos em empresas falidas ou quase falidas, pela deficiente e "desonesta" administração da Petrobrás, sob comando de envolvidos em enormes roubalheiras, das quais, aparentemente, o ex-presidente participou ou pelo menos sabia, como mencionaram testemunhos. Falando em Lula, estranha também a empresa Odebrecht não ter sido mencionada pela imprensa como participante da "farra" das comissões sobre projetos, obras e outros serviços.  Uma empresa responsável por inúmeros contratos de obras e para um governo e estatal que cobravam "pedágio" de todas as prestadoras de serviço, estranho uma não ser submetida a iguais tratos?  Qual o "milagre"? Causa espécie essa omissão num meio pecador onde se encontra alguém sem pecado. A impressão é de que a forte ligação da Odebrecht com Lula a está salvando, enquanto suas concorrestes estão "queimando no inferno".

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br 
São Paulo

*
'NUNCA EXISTIU'

Só falta Lula falar, como no mensalão, que no futuro "todo mundo vai ver que esta história de petrolão nunca existiu".

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
CERTO, PORÉM ERRADO

Ao evocar o dispositivo constitucional que não permite que o chefe do Executivo seja investigado por qualquer ato que não seja relacionado com o exercício do cargo da Presidência, pedindo o arquivamento da investigação contra Dilma Rousseff, o procurador Rodrigo Janot pode até estar certo. Porém, como se diz no interior: "Cê tá certo, mas tá errado...".

Luciano Harary lharary@hotmail.com 
São Paulo

*
IMPEACHMENT

Algo flagrantemente errado precisa acontecer para que um presidente sofra impeachment. Mas muitas vezes isso não basta. Disse certa vez um político europeu acusado que não se preocupava, porque todo dia "outro porco passa pela vila", quer dizer, o povo se distrairá. Fernando Collor foi deposto porque não apareceu outro porco. Agora são tantos os porcos que não se sabe onde se concentrar. Será que, então, Dilma escapará só por isso?
 
Harald Hellmuth hhellmuth7@gmail.com
São Paulo

*
O VICE

Já que vão fazer manifestações este mês pedindo o impeachment de Dilma, sugiro pedir a mesma coisa ao vice-presidente, Michel Temer. Só colocar o vice não adianta. Precisamos é de eleições presidenciais, isso sim.

Marcelo Cioti marcelo.cioti@gmail.com 
Atibaia

*
DESABAFO

Usarei palavras e redação simples e, se der, escreverei por tópicos. Existe, mesmo, "liberdade de expressão" neste país? Então, lá vai: há 14 anos que não voto, por desencantamento e por problemas físicos. Sempre fui apartidária. Na última campanha eleitoral, torci muito para Aécio Neves ganhar. Ao mesmo tempo, fiquei feliz com o resultado, porque me dei conta de que Dilma iria "rexer beira de pinico" ou de "vaso noturno". Que iria enfrentar com os desmandos e mentiras dos quatro anos de reinado. O que aconteceu? Nós, o povo, que estamos roendo o dito cujo! Mentiras, impostos, inflação, leis trabalhistas abonadas, Imposto de Renda sem revisão, etc. Em compensação, suas viagens - à nossa custa - levam e trazem de Porto Alegre filha, neto e babá. Lembro-me que em Portugal foram a um hotel de "20 estrelas" e não se hospedaram na embaixada brasileira. Agora a tal dieta de 2 mil por dia... Dilma jamais foi "dona de casa", na acepção da palavra, pois não faz ideia do que os brasileiros passam no dia a dia. Nós não economizamos, nós cortamos as despesas de alimentação. Agora Dilma criou o lema "Brasil, Pátria Educadora". Ela passaria numa prova do Enem? 

Cleri Verdi Carvalho anettekramer@hotmail.com 
Santana de Parnaíba

*
ENGANADOS DE NOVO

Disseram-nos, entre cínicos sorrisos, que eram postes. Mas postes são fortes e resistentes, iluminam os caminhos, suportam cabos que levam energia e comunicação. Não, não são postes. São apenas cones, inúteis objetos pintados de vermelho que só servem para bloquear os caminhos e sinalizar buracos e desastres.

César Garcia cfmgarcia@gmail.com 
São Paulo

*
12 ANOS NO PODER

Se nós não pararmos o PT, o PT para o Brasil.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com  
São Paulo

*
A HERANÇA DE LULA

O Brasil é hoje uma nação falida em todos os aspectos, a pouca honestidade existente até 2003, na política e até mesmo na sociedade brasileira, exauriu com a subida de Lula ao poder. Naquela época uma grande parte dos brasileiros (na qual não estou incluído) achava o maior charme, sofisticação e "democracia pura" eleger um sindicalista para presidente da República. Só que ele é um aleijado de competência, de educação, de decência para gerir o dinheiro público, de dignidade, de humildade, de sabedoria, etc. Sem dúvida, Lula tem uma concepção moral bem diferente da dos brasileiros honestos. Infelizmente, Lula destruiu o Brasil.

José Francisco Peres França kyko.jf@gmail.com
Espírito Santo do Pinhal

*
SEMPRE ELE

O principal beneficiário dos desvios de dinheiro do mensalão nunca foi ouvido, citado ou incomodado pela Justiça. Ele é o principal mentor, articulador e beneficiário de tudo de errado que ocorreu na Petrobrás nos últimos 12 anos, mas não foi lembrado, citado ou incomodado pela tal lista do Janot, nem como testemunha. Invisível, intocável, inexpugnável, nada o atinge, nunca, a oposição se borra de medo de tocar no seu nome e o Brasil se curva diante de seu novo Deus, Lula. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br  
São Paulo

*
TABU

Finalmente Lula retorna às manchetes, não mais como "o cara", mas como o que realmente é: um fracassado. Exceto pelo enriquecimento pessoal e de amigos e familiares, em tudo o que fez Lula fracassou. O Brasil foi sua maior vítima, um país que Cabral descobriu e ele destruiu. Inteligente, carismático, intuitivo, mas, acima de tudo, "esperto", Lula é o retrato vivo do pior brasileiro, um "macunaímico" sem caráter. Ninguém conhece o povo brasileiro como ele. E por meio dessa vantagem sobre qualquer outro, Lula se fez presidente e distribuiu aos seus vassalos o pior dos legados: o ócio da renda ilusória chamada Bolsa Família. Com 25 milhões de eleitores encabrestados, Lula, o mítico ser divino, mantém o poder de fato sobre a política nacional, para vergonha dos que pensam e não se mantêm seus escravos. É chegada a hora de vencermos o tabu. De colocarmos este nefasto personagem em seu devido lugar e exigir justiça. No dia 15 de março, vamos todos para as ruas, unidos, fortes e com a determinação de devolver ao Brasil o seu livre e promissor destino, e aos brasileiros de bem o orgulho usurpado pela escória que se apoderou da Nação. 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br
São Paulo

*
INSANIDADE

Lula incita "exército" de João Pedro Stédile, do Movimento dos Sem-Terra (MST), a defender o governo nas ruas, no seu discurso em defesa da Petrobrás na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Rio de Janeiro. Leiam parte do discurso: "O que estamos vendo é a criminalização da ascensão de uma classe social neste país. As pessoas subiram um degrau e isso incomoda a elite". "Nossa querida Dilma tem que levantar a cabeça e dizer: eu ganhei as eleições. E governar o País. Não pode ficar dando trela senão ficamos paralisados. Nós ganhamos a eleição e parecemos envergonhados. Eles perderam e andam por aí, pomposos." "Em vez de ficarmos chorando, vamos defender o que é nosso. Defender a Petrobrás é defender a democracia e defender a democracia é defender a continuidade do desenvolvimento social neste país. Quero paz e democracia, mas também sabemos brigar. Sobretudo quando o Stédile colocar o exército dele nas ruas." Lula fala como uma encarnação do demônio. Não tem o que fazer em casa, não gosta de ler nem de prestar serviço comunitário. É um espírito de porco errante, intrometendo-se no governo como se fosse sua propriedade. Mas o que causa perplexidade é a imbecilidade de "intelectuais" petistas se prestarem a lamber as botas de Lula e a seguir os seus "conselhos". Lula é o maior vivaldino que apareceu para tirar proveito da coisa pública. Quando um cidadão sem eira nem beira entra para a política e de lá sai em condições econômicas e financeiras formidáveis, é porque ganhou na loteria ou se locupletou da "res publica". Lula não tem escrúpulo nem respeito com a moralidade pública. Como ex-presidente da República, deveria ter comportamento de estadista, e não incitar a desordem ao convocar segmento subversivo dos sem-terra para afrontar manifestações democráticas da sociedade, que não aceitam os malfeitos de um partido e governo mancomunados com irregularidades na Petrobrás. Temos hoje no País, inusitadamente, duas pessoas governando o Brasil. Situação "sui generis" que ofende a normalidade do Estado Democrático de Direito. Lula se equivoca ao se autoconsiderar imprescindível ao País. A sua empáfia de continuar a orientar o governo revela traço de despotismo, falta de educação e beira ao ridículo. Lula deveria fazer uma visita aos cemitérios para ver os jazigos dos "imortais ou imprescindíveis", seria muito bom para reflexão. 

Júlio César Cardoso juliocmcardoso@hotmail.com  
Balneário Camboriú (SC)           

*
INVASÃO EM ITAPETININGA

Na manhã de quinta-feira, 5 de março, um ato de selvageria, que faz parte da "Marcha Nacional de Lutas do MST", mostrou que João Pedro Stédile, citado por Lula como comandante de um "exército" que pode sair às ruas para infernizar a sociedade, conta com um arruaceiro regimento feminino, cuja petulância, violência e desrespeito às leis formam uma força adicional a uma organização que poderá incendiar o País. A Suzano, empresa de papel e celulose na cidade de Itapetininga (SP), apresentaria à CTN Bio, órgão do governo federal, uma nova espécie transgênica de tupiniquins regressou calmamente como se estivesse regressando de um divertido piquenique, mas que não passa de uma afronta aos direitos de propriedade que vê o Estado de Direito ser violado impunemente. Até agora o governo não se manifestou sobre esse ato de barbárie.
 
Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
'O EXÉRCITO DO STÉDILE'

Depois de o presidente Lula (ele ainda é) nos ameaçar ao declarar que poderá colocar "o exército do Stédile" nas ruas, pergunto o que nossas Forças Armadas estão esperando para fechar o Cambalacho Nacional e trancafiar todo o governo petista na cadeia, a começar pelo ex-presidente? Esperam que ele transforme o País numa "Brazuela" bolivariana?  

Laércio Zannini spettro17@hotmail.com 
São Paulo

*
ESTAMOS EM GUERRA?

Recado ao ex presidente petralha, Stédile & cia. e a quem interessar possa: venham pra cima, não temos medo!

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com 
São Paulo

*
SE SOBRAR BRASIL...

Após o discurso de Lula na Associação Brasileira de Imprensa (ABI) no dia 24/2, não pode restar mais nenhuma dúvida de que é ele - e sempre foi - quem governa o País. Dilma é nada, apenas um drone que ali foi colocada para segurar a vaga do poderoso chefão, que pretende voltar triunfante em 2018. Como as coisas estão ficando complicadas, com a dificuldade crescente de Dilma até para falar, com a persistência do juiz Sérgio Moro e de procuradores da Lava Jato em apurar a corrupção na Petrobrás, bem como a insistência da população se organizando para o ato de 15/3, Lula entrou em desespero e, provavelmente, usará de todas as prerrogativas lícitas ou ilícitas, morais ou imorais das quais sempre se valeu para não perder o poder. Estamos aguardando conhecer a lista de Janot e a postura de Teori Zanascki, além daquele grupo que se intitula oposição, para termos uma ideia do que será feito no Brasil. Se sobrar Brasil.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br 
São Paulo

*
A MENTALIDADE DO CAUDILHO

O desempenho de Luiz Inácio Lula da Silva na política tem causado estranheza a alguns desavisados, mas quem é da geração que acompanha há décadas a performance dessa figura não tem surpresa alguma. Lula é e sempre foi um líder sindical, formado nas fileiras da mais tosca prática política, em que ocorrem os embates mais primitivos da luta pelo comando das massas. Quem tem mais de 60 anos já viu muita coisa acontecer no sindicalismo praticante, desde traições de última hora nas eleições sindicais e, não raro, crimes terríveis nos renhidos embates entre os diversos grupos. São pessoas rudes, que põem em prática expedientes rudes para se manterem no mando a qualquer preço. A incitação ao confronto entre "nós e eles" que Lula vem fazendo na cena política nada mais é do que um costume longevo da sua atuação. Seguidores como o presidente do PT do Rio de Janeiro e prefeito do município de Maricá - cujo apelido é QuaQuá - não pestanejam em reverberar as ordens do chefe e mandar os apaniguados "partirem pra porrada contra essa burguesia que aí está". O "exército do Stédile" vai para as ruas a mando do líder petista a hora que ele determinar. Por esse rumo também irão outros comandados, cuja capacidade de análise do momento nacional e do bem comum é nenhuma, a não ser manter o partido nos postos políticos e estratégicos de manipulação das massas, convertendo-as em multidões ululantes em defesa do líder e intimidação de quem lhes faça oposição. Nada diferente de mandachuvas como Hitler, Stalin e outros que direcionaram nações no rumo desastroso do totalitarismo. Também o uso de colocarem testas de ferro ou "postes" à frente de governos, para manipulá-los nos bastidores, cevar aliados famintos de poder e riqueza para lhes dar suporte é coisa de rotina para tais tipos de lideranças, que também não titubeiam em atear fogo para dominar terras arrasadas. Esconder as práticas abomináveis, os golpes mais torpes e tudo o que ocorre nos enredos nebulosos de bastidores é arte para eles. Reações tímidas, complacentes, resignadas e frouxas de opositores eventuais também são muito bem-vindas, porque alargam os espaços para o mandachuva e seus apadrinhados agirem mais livremente. Só há uma solução para obstar a marcha do caudilho sobre o poder público: rigorosa observância das normas constitucionais, doa a quem doer, alerta das pessoas esclarecidas prestigiando as autoridades a serviço da lei e, sobretudo, a preparação consciente do voto para mudar o cenário a partir de ares renovados nas eleições.
 
Luiz C. Soares Fernandes luiz68017@gmail.com 
São Paulo
                    
*
COMO PODE?

Lula disse, há 25 anos, que na Câmara federal tinha 300 picaretas. Cid Gomes, ministro da Educação, diz que atualmente há 400 achacadores na mesma Câmara. Como se vê, estamos evoluindo. Daqui a alguns anos, alguém dirá que são 513.

Adalberto Amaral Allegrini adalberto.allegrini@gmail.com 
Bragança Paulista

*
O BRASIL DO 'SE'
 
Nelas cabem tudo, do lixo à mesquinharia. Se as medidas provisórias não tivessem se transformado no balaio constitucional que repugna qualquer primeiranista de Direito, Renan Calheiros não posaria de cavaleiro templário defensor de nobre causa ao devolver um entulho jurídico a mais do Executivo dos tantos que engoliu sem mugir nem tossir. Se o Brasil não fosse a Republiqueta que envergonha os brasileiros do bem, Renan Calheiros jamais voltaria a ser presidente do Senado. E Dias Toffoli, nomeado ministro do STF. Significa dizer que, com ou sem crise, ato heroico de um dos poderes da República nos dá a certeza de o Brasil ser o país do "se". A medida provisória, mais autoritária e promiscua que o decreto lei dos militares, tem a medida exata do ânimo perverso de mando que o Estado brasileiro - supostamente democrático de direito - tem: o poder pode tudo. Nos povos civilizados, não pode. Brasília encena, neste momento, peça de cálculos e suspeitas. Calcula-se, na engenharia dos canalhas - dos quais falava o inglês Samuel Johnson -, que o triângulo das bermudas, constituído por Michel Temer, Renan Calheiros e Eduardo Cunha, articula a trilha que leve o primeiro à Presidência da República com a remoção de Dilma Rousseff pelo "impeachment". Argumentos legais não faltam para que o processo seja deflagrado. Suspeita-se, atrás da cortina desse palco de cínicos atores, que o indiciamento de políticos e empresários arrolados na Operação Lava Jato produza tão grave crise institucional que, na turbulência, o PMDB aflore com um esperto salvador da Pátria do tipo José Sarney em 1985. O Judiciário não conta como suporte do equilíbrio constitucional, da ponderação e do bom senso da nacionalidade. Desde que Lewandowski, Toffoli, Zavascki e Barroso ganharam a toga - Weber entra, sim, como reserva desse quarteto -, o Supremo é visto pela Nação como o apêndice supurado ou estuporado do Palácio do Planalto. Ainda está na memória decente nacional o acolhimento dos embargos infringentes na fase final do julgamento do mensalão para salvar do cárcere fechado e prolongado patifes que conspiraram contra a democracia e a República. Na semana passada, José Genoino teve a liberdade de volta com menos de ano de cumprimento da pena, que já era pluma. Tudo sob medida. Tudo no faz de conta da República do PT, na qual a verdade está no "se". E não no fato.

José Maria Leal Paes josemarialealpaes@gmail.com 
Belém

*
HORA DO FEDERALISMO!
  
Com a atual crise política, com o PMDB ocupando as presidências da Câmara e do Senado e - junto com o PSDB - com o "maior número de governos estaduais e milhares de prefeituras", como destaca a Eliane Cantanhêde no seu "Eles têm nojo da gente" (6/3, A7), mais do que oportuna seria uma iniciativa do Congresso visando à descentralização administrativa do País. É incompreensível que governadores e prefeitos - num país com as dimensões geográficas do Brasil - sintam-se travados nos seus planos de desenvolvimento por causa do absurdo centralismo do modelo nacional. Nos Estados Unidos até em setores mais complexos, como o da energia elétrica - com o sistema todo interligado -, o poder concedente é regional, por bacias hidrográficas e com autonomia para decidir sobre tarifas e caducidade das concessões sem a interferência federal.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br
São Paulo

*
CARTA À CLASSE POLÍTICA BRASILEIRA

Por causa da sua incompetência, meu irmão pretende mudar de país, imagina morar no Canadá, onde, apesar de muito frio, acredita terá uma vida mais justa, um país mais digno para criar seus filhos. Por causa da sua falta de respeito com as pessoas do nosso país, uma família vai crescer sem saber das suas origens, da sua terra, meus sobrinhos vão crescer sem os avós, sem a convivência alegre dos primos. Por causa desta ganância desenfreada de poder e dinheiro da classe política que abandonou todos os princípios elementares da ética, eu não terei o prazer de contar histórias da minha vida às crianças da minha família. Por causa da sua falha em fazer o seu trabalho com um mínimo de respeito a quem confiou a vocês o cargo público, uma simples pizza numa quarta-feira qualquer ficará impossível. Pela sua falha em não preservar parques, uma família será desfeita. Assim como a minha, infinitas outras famílias se desmancham simplesmente porque não aguentam mais essa falta de respeito com as pessoas. Eu só queria um mínimo de condições para levar a vida sem me preocupar com a existência desta sua classe, um mínimo de educação e respeito com a vida de quem mora neste país. Como pensam um país com tanta gente vivendo longe, tantas cabeças boas, gente digna e disposta a fazer a vida aqui e construir um país, mas que jogou a toalha, pendurou a chuteira e apagou a luz do aeroporto porque não aguentam mais tanta roubalheira, tanto descaso, tanto abandono, tanta falta de respeito com os nascidos brasileiros? Não dá para fazer o que é certo? Todos aprenderam desde cedo o certo e o errado, o justo, o digno, o que são valores importantes que passamos aos nossos. Eu só queria que meu irmão ficasse, mas, por sua falha, ele vai. Não passou da hora de fazer um país decente?

Camila Alvite camilaalvite@gmail.com 
São Paulo

*
PRIVILÉGIOS POLÍTICOS

Fica difícil de ensinar a nossos filhos noções de patriotismo, moralidade e civismo num país onde há diferenças tão gritantes na hora de julgar o cidadão comum e na hora de julgar políticos "blindados".
 
Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com
Bauru

*
LEMBRANDO LUTHER KING

Como o País atravessa no momento uma grave crise política, econômica e de corrupção, segue uma frase de Martin Luther King, que, no dia 4 de março, completou 47 anos de seu assassinato: "O que me preocupa não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons".

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com  
Campinas 

*
JUSTIÇA

Como confiar na Justiça no Brasil depois de absolver José Genoino e não investigar Dilma Rousseff entre os envolvidos no petrolão? E Lula, então, nem pensar. Pobre Brasil, um país sem justiça!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com
São Paulo

*
SACRIFÍCIOS A SUPORTAR

Temos o samba que afirma que papagaio come milho e periquito leva fama. O governo populista do lulopetismo explorou por demais as benesses para as classes menos favorecidas, exibindo o saco de bondades conforme determinações do marqueteiro contratado. Agora chegou a hora de jogar, em substituição, o saco de maldades, e é bastante dolorido o efeito para todas as classes sociais. Ataca-se a desoneração das folhas de pagamento, sobem mais os juros, os bancos retraem na concessão de crédito e os empregos vão decrescendo aos poucos. E o PT, que atirou os elementos para cima, recebe-os de volta na cara, aceitando, caladamente, o neoliberalismo com suas políticas impostas à Nação, como forma de consertar o estrago e eliminar os perigos de terra arrasada. O PT sofre o vexame de ter de engolir, na plenitude, as medidas neoliberais, mas o povo sofre na pele o aperto que precisa ser dado para os reparos necessários na ordem econômica. Triste filme populista, embora menos triste que o venezuelano!

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br 
Rio Claro

*
GOVERNO DILMA 2, O PREVISÍVEL

Declarado o resultado das eleições, escrevi neste espaço "logo pagaremos a conta com juros e correção". Bem, as faturas estão e continuarão chegando, aumentos da conta de luz, combustível, dólar alto, mais impostos, em resumo, venezuelização do Brasil. Não precisava ser especialista para prever essa situação. O governo Dilma 1 implodiu a Petrobrás por combinação de corrupção e mau gerenciamento fenomenal; derrubou a Eletrobrás pela demagogia eleitoreira de diminuir os custos de eletricidade, sem correspondente aumento de produtividade; ignorou, sem cerimônia, a Lei de Responsabilidade Fiscal, pilar da estabilidade econômica, e por aí vai. Agora cabe à sociedade, à oposição e à imprensa pressionar para que este governo tome o rumo certo, introduzindo as reformas políticas e econômicas urgentes e necessárias para aumentar a competitividade e o crescimento do País, ao invés de governar por medidas provisórias, ficar somente na propaganda, travar "batalhas" com "golpistas" imaginários e culpar o governo de FHC por seu desastroso desempenho.

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com
São Paulo

*
AJUSTE FISCAL

"Estadão", 6/3/2015, página B4: "Montadoras demitem 1.846 em fevereiro" e "Governo tenta convencer S&P de que ajuste dará resultado". Francamente, esse ajuste proposto pelo ministro Joaquim Levy não passa de uma brincadeira de mau gosto com o povo brasileiro. A meu ver, fazer um tremendo estardalhaço só para aumentar impostos e subtrair dos trabalhadores os direitos adquiridos ao longo dos anos é fácil, porque a resistência é muito menor. Gostaria de ver do ministro Levy essa mesma disposição para diminuir o tamanho da máquina pública e diminuir o número de ministérios, pois estes 39 ministérios hoje existentes no governo federal não passam de um imenso cabide para acomodar os apaniguados que vivem à custa do erário e não trazem nenhum benefício ao País. 
 
José da Silva jsilvame@hotmail.com 
Osasco

*
ÁRDUA TAREFA

Esperamos que o ilustre ministro Joaquim Levy continue na sua árdua tarefa de tentar colocar novamente o País nos eixos. Que não se abata com as grosserias e desconsiderações da chefa. S. Exa. é muito maior do que a insignificância da chefa. Continue firme, ministro, o Brasil confia.

José Luiz Tedesco tedescoporto@hotmail.com 
Presidente Epitácio 

*
CONFIANÇA EXAGERADA NO FUTURO

O Partido dos Trabalhadores projetou o seu futuro no poder com tanta confiança que não vacilou em postergar compromissos inadiáveis de um ano para o outro ou até de um mandato para outro, dando origem ao que mais alardeavam ao fustigar a oposição: as heranças malditas.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br  
Monte Santo de Minas (MG)

*
EM MEIO AO CAOS

Como bem disse o senador José Serra (PSDB-SP) em seu primeiro discurso na tribuna do plenário do Senado, sobre a caótica situação econômica que o País atravessa: "O Brasil se desindustrializou sob o ímpeto dessa política (do PT), paradoxalmente, comandada, não digo nem que conscientemente, por um ex-operário industrial". Pois é...

J. S. Decol  decoljs@globo.com 
São Paulo

*
À ESQUERDA

A solução para os percalços do governo está à esquerda. Falta à presidenta Dilma pulso firme para governar com contínuo diálogo com movimentos sociais e sindicalistas. Taxar grandes fortunas, aperfeiçoar a universalização do acesso ao ensino superior e garantir a democratização de renda, além de averiguação de denúncias de corrupção. Outras medidas urgentes e pouco faladas são a demarcação de terras, reforma política e democratização da mídia. Para ontem. 

Jônathas Arruda  jonathasarruda@live.com 
Recife 

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.