Fórum dos Leitores

BRASIL HOJE

O Estado de S.Paulo

09 Março 2015 | 02h06

O País dos absurdos

O presidente do Senado Federal, ao ver seu nome incluído na lista dos políticos que serão investigados na Lava Jato, afronta o procurador-geral da República; ao ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, quando de sua aposentadoria voluntária, foi indeferida sua inscrição pela OAB; Dilma Rousseff não nomeia substituto para Joaquim Barbosa no STF; Fernando Collor de Mello e Lindbergh Farias (ex-cara-pintada/UNE) estão no mesmo rol que inclui Renan Calheiros e outros. O País necessita de uma faxina geral e urgente. E o mínimo que deve ocorrer é o PT reconhecer que seu projeto falhou e foi efetivamente prejudicial ao povo brasileiro, ao ultrapassar os danos causados pelo mensalão e pelo rombo na Petrobrás.

MARIA LUCIA RUHNKE JORGE

mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

PETROLÃO

A lista negra

Quando um político é condenado ou seu nome aparece em alguma falcatrua, é comum aparecerem problemas de coração, pressão alta, mal-estar, etc., levando a uma visita ao Hospital Sírio-Libanês ou ao Albert Einstein (por que não o SUS?). Vamos apostar em quem será o primeiro da lista a se internar? Na hora de roubar o dinheiro do povo, a saúde deles está mil por cento, sem nenhuma queixa. Estranho, não?

ADRIANA AULISIO

aulisiodri@gmail.com

São Paulo

Festa infantil

En festa de crianças, quando um adulto surpreende a molecada aprontando, ouvem-se desculpas como: foi sem querer, não fui eu, foi ele que começou, não tenho nada que ver com isso, e, enfim, a culpa é dele! É daí que o PT tira suas maduras desculpas quando se vê enrascado.

SILVANO ANTONIO ROXO

silvanoroxo@terra.com.br

Santana de Parnaíba

Perspectivas

Saiu a lista inicial dos políticos envolvidos no petrolão. Mas, e daí? Não sou pessimista, mas sem um Joaquim Barbosa duvido que algum desses perca o mandato ou vá para a cadeia.

LAÉRCIO ZANINI

spettro17@hotmail.com

Garça

Na boca do forno

A PRG não divulgou uma simples lista contendo nomes, mas sim uma receita para a maior pizza do mundo. Aguardem!

EUGENIO DE ARAUJO SILVA

eugenio-araujo@uol.com.br

Canela (RS)

Corruptos

Quanto maior a lista do Janot, maior será o tamanho da pizza. Não há esperança.

GUTO PACHECO

daniguto@uol.com.br

São Paulo

12 anos de arrastão

Não entendo como ainda é possível alguém acreditar em punição para corrupto no Brasil depois que um escândalo dessa magnitude ocorre seguindo o guia metódico de tantos outros. Durante os 12 anos de governo do PT nossos Poderes se deterioraram nas mãos desses vândalos da política organizados em quadrilhas e comandados por elementos que em nada ficam a dever aos ladrões que viraram personagens lendários, como Al Capone, Madame Satã, Ronald Biggs, etc. Nos últimos 12 anos os brasileiros amargaram as piores mazelas nas mãos desses políticos e governantes que se esmeraram na prática da corrupção: nem bem acaba um escândalo, já começa outro. Políticos e governantes mentirosos e debochados que negam seus atos abjetos, enquanto banalizam a corrupção e a imoralidade para preservar seu status quo de canalhas. A grande verdade é que durante estes 12 anos de arrastão que tivemos no Brasil, com os governos Lula e Dilma, nossos políticos nunca puderam andar de cabeça erguida.

FRANCISCO RIBEIRO MENDES

mendes.brasilia@gmail.com

Brasília

Ano sabático lucrativo

Outro grupo de políticos na Papuda? Movimentaram fortunas roubadas da Petrobrás e as disfarçaram como doações de campanha, tal qual o caixa 2 do mensalão. Se por acaso vierem a ser condenados, terão ano sabático na Papuda e sairão como heróis - e ricos! - para debochar dos contribuintes, que pagarão pelos prejuízos. E viva a PaTifaria!

GUSTAVO A. S. MURGEL

gustavomurgel@hotmail.com

Campinas

Sugestão

Com o volume de parlamentares envolvidos no petrolão, sugiro que as próximas eleições sejam feitas em penitenciárias. Faz mais sentido.

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

'VAMOS À GUERRA!'

As Armas e a democracia

Pertinente, corajosa e patriótica a postura do general de Exército R/1 Rômulo Bini Pereira acerca da verdadeira afronta do ex-presidente Lulla contra as instituições democráticas do nosso país ao bradar "vamos à guerra!", convocando o exército do famigerado Stédile (7/3, A2). O alerta do general, mais do que um aviso prévio, serve para todos aqueles que se insurgirem contra nosso sistema democrático: serão combatidos pelas nossas Forças Armadas. Avante, Brasil!

TERCILIO EUGÊNIO DI MARZIO

tercilio.e@terra.com.br

Campinas

O Exército de Caxias

Parabéns ao ilustre general Rômulo Bini Pereira pela extraordinária abordagem de tema delicado nestes dias em que a Nação parece estar sob um barril de pólvora. Quando um ex-presidente da República convocou seu exército, o de Stédile, cheguei a pensar se o verdadeiro e valoroso Exército de Caxias ainda existia ou havia sido suprimido.

GLÓRIA ANARUMA

gloria.anaruma@gmail.com

Jundiaí

Já começou?!

Lamentável o sr. Lula "paz e amor" incitar à guerra com o exército do Stédile. Até quando vamos conviver com esses depredadores da Constituição? O exército das mascaradas já destruiu anos de pesquisas da Suzano...

JOÃO MENDES

mendesjoao@ig.com.br

São Paulo

Segundo o Estadão (7/3, E5), a polícia de Itapetininga investiga a invasão da Suzano que resultou na destruição de mudas de eucalipto. Na mesma página está o nome da responsável pela invasão, que não são as mulheres compradas ou enganadas pelo MST. É Atiliana Brunetto, coordenadora nacional do MST, que deveria ser presa.

SERGIO PEDREIRA DE FREITAS

serpedreira@terra.com.br

Arceburgo (MG)

CÉU E INFERNO

Com a inflação chegando a 7,7% ao ano e o dólar a mais de R$ 3,00, como pode a presidente Dilma Rousseff falar em reajustar o Imposto de Renda em 4,5%? O Congresso Nacional deixará o povo informado desapontado e decepcionado se não derrubar o veto do governo. Isso é um absurdo a olhos vistos, explícito e imoral. Não estamos mais suportando a vergonha de carregar nas costas uma presidente e toda a sua tropa com tantas despesas e tantos impostos. Acrescente-se a este “status quo” os desarranjos da base de apoio do governo no Congresso, com tantos nomes incluídos na lista apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Às vezes tenho vontade de desistir do Brasil e de contrariar Marina Silva e seu ex-parceiro falecido Eduardo Campos. Eles devem estar com uma megadepressão, Campos no céu e Marina aqui, no inferno.  
 
Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com
Rio de Janeiro

*
ÉRAMOS FELIZES?

Do anedotista Guido Mantega, poucos dias antes do segundo turno das eleições do ano passado: “Vai quebrar a cara quem apostar na alta do dólar”. Sinto que estou começando a ficar com saudade do ex-ministro. Era incompetente, mas seu bom humor ajudava a aliviar as tensões. Ter de aturar, hoje em dia, o insípido Joaquim Levy e seu vício por impostos passa aquela impressão de que “eu era feliz, mas não sabia”.

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br 
Pindamonhangaba

*
TEMPOS DIFÍCEIS

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, neófito em política, cobra do Congresso Nacional rapidez na aprovação das medidas contidas no “pacote” do governo para elevar a arrecadação e cortar gastos. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, vem a público repudiar notícias de que teria interferido na Procuradoria-Geral da República para incluir políticos na lista enviada ao STF por Rodrigo Janot. O senador José Pimentel (PT-CE) culpa a crise de 2008 pelo estado calamitoso de nossa economia. E o deputado Sibá Machado (PT-AC) pede que o STF omita os nomes dos políticos envolvidos na Operação Lava Jato. E a cereja do bolo do governo petista foi presenteada por ninguém melhor que a senadora Marta Suplicy (PT-SP), que, num surto de autocrítica, afirmou que o governo recém-empossado consegue reunir duas condições: “a negação da realidade e trabalhar com estratégia errada”, o que leva a vaca para o atoleiro, exatamente onde nos encontramos. 
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
É PRECISO FÉ

Mais uma, esta do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro (PTB-PE): “Reafirmo que vamos ter uma balança positiva este ano, há elementos para acreditar nisso”. Antes tivesse ficado quieto, pois afirmou tal absurdo mesmo após a balança ter sido registrado o pior resultado para o mês de fevereiro, atingindo déficit de US$ 2,83 bilhões, um recorde absoluto desde 1980. Ou seja, além de nos gozar e subestimar, querem que acreditemos em Papai Noel, na Cegonha e no Coelhinho da Páscoa, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
O NAUFRÁGIO DA ECONOMIA BRASILEIRA

Nunca antes no Brasil, ou em quaisquer outros países do mundo, um governante e seu partido conseguiram arrasar em tão pouco tempo uma economia florescente. A lambança econômica que a presidente Dilma Rousseff comandou está tendo efeitos devastadores que necessitarão de anos para ser reparados. O dr. Joaquim Levy que o diga.

Luigi Petti luigirpetti@gmail.com 
São Paulo
 
*
CRISE MORAL E ÉTICA

A crise por que passa o País e até o mundo não é econômica, muito menos de economês, e nem sequer de República, uma mera enganação do cacique e do pajé. Mas é a crise de moral e ética dos governantes, que vem da época adâmica do cacique e do pajé, cuja moral era e ainda é mentir para governar. 
 
Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com
São Bernardo do Campo
 
*
O CUSTO DA BRINCADEIRA

Gostaria de saber se a presidente Dilma vai à tevê anunciar mais um aumento na energia elétrica. Em 6 de setembro de 2014, através da Medida Provisória 579, Dilma anunciou a mais forte redução na tarifa de energia elétrica, era ano eleitoral. Passadas as eleições, Dilma foi reeleita e, com dois meses de governo, essa senhora aumentou a energia em mais de 80%. Isso sem contar os cortes nos benefícios sociais, que ela prometeu não mexer, aumentou a desoneração tributária da folha de pagamentos das empresas em 150%. De acordo com declaração do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, a desoneração da folha de pagamento feita pela equipe econômica do governo Dilma 1 foi uma “brincadeira” que custou ao governo R$ 25 bilhões por ano. De brincadeira em brincadeira vamos pagar a conta dos incompetentes e irresponsáveis, que ao invés de praticar uma política econômica séria, gastaram nosso dinheiro num estelionato eleitoral jamais visto.  Isso é só o começo. Vem mais aumento de impostos e desemprego.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com  
São Paulo

*
ECONOMIA BRASILEIRA

A vaca tossiu, deu uma “escorregadinha” e foi para o brejo.

Luiz Carlos Tiessi tiessilc@hotmail.com 
Jacarezinho (PR)

*
PRIMEIRO GOVERNO DILMA

Joaquim Levy só não falou que a “escorregadinha” de Dilma Rousseff foi no topo do tobogã.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
TOMBAÇO

Eu não sou médica, mas gostaria de saber como uma “escorregadinha” quebra a espinha dorsal da vítima e a torna paraplégica.

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br 
São Paulo

*
CICLO ‘AGRÍCOLA’

Lula colheu o que o FHC plantou e Dilma colheu o que o Lula plantou. O sucessor de Dilma não deverá colher nada porque as sementes plantadas, de má qualidade, não germinam.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
AJUDINHA

Na esteira da Operação Lava Jato, milhares de brasileiros ficarão desempregados. Portanto, aconselho a presidente Dilma Rousseff a criar, urgentemente, a “Bolsa Desemprego”, sustentada, é claro, com os bilhões de reais recuperados dos malfeitores. Isso irá ajudar os desempregados a pagarem as contas e não passarem fome por conta da roubalheira praticada no governo. Seria como uma devolução do erário, até que a economia volte a florescer com a queda evidente do PT.
 
Valdy Callado valdypinto@hotmail.com 
São Paulo

*
DESCULPAS

As notícias pipocam minuto a minuto. Na verdade a única notícia que os brasileiros esperam é o pedido formal de desculpas que a presidente Dilma nos deve diante de todas as barbaridades que cometeu e que estão afetando a todos, que acabam tendo de pagar a conta de tanta incompetência.

J. Treffis jotatreffis@outlook.com 
Rio de Janeiro

*
LIDERANÇA, OU A FALTA DELA

Incrível como os governos petistas de Lula e Dilma escancararam de vez o toma lá, dá cá. O mensalão foi o mais grave sintoma deste mal que impregnou o Congresso de tal forma que, hoje em dia, dona Dilma brada em alto e bom som, com grande naturalidade, que seus “aliados” deixam de acatar suas medidas apesar de ter-lhes distribuído inumeráveis ministérios e milhares de cargos. Pergunto: será que a presidenta conhece o sentido da palavra liderança? Creio que não, porque liderar implica ter dignidade, respeito próprio e ao outro, sendo mútuo, o que significa conseguir avanços para o País persuadindo congressistas de todos os partidos, das necessidades do povo e o fazendo interessada tão somente nos destinos da Nação, sem ter de oferecer vantagens em troca. Essa deveria ser a imagem de uma mandatária da qual um país poderia se orgulhar. Talvez fizesse bem a dona Dilma inspirar-se na vida pública de Margareth Thatcher, de Golda Meir e da atual primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, e de Michelle Bachelet, do Chile, para que tenha uma ideia do que é ser uma líder de respeito que não precisa mentir a seu povo nem berrar com subalternos imaginando ser dessa forma que se autoafirma em seu cargo. O resultado de sua postura bizarra é precisar recorrer frequentemente a seu antecessor, perdida que fica em meio ao vácuo de sua forma áspera e arrogante de comandar. Para presidir seria preciso ter assegurados, antes de mais nada, a admiração e o respeito dos brasileiros, de cara limpa, dispensando o marketing obsessivo e outros artificialismos, usando tão somente a força de suas ideias, se as tivesse, princípios éticos para se conduzir, valores a defender com coerência, ao invés de declarar, como se natural fosse, fazer “o diabo” para vencer eleições, só para citar um exemplo. Que não se queixe agora a presidente pela crise que seu governo atravessa, pois dignidade e respeito, uma vez perdidos ou nunca tidos, dificilmente se recuperam, nem com marqueteiro nem com um Lula desmoralizado e enfraquecido moral e fisicamente. 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br
São Paulo

*
OS RATOS MARRONS DO PT

Nada como um dia após o outro! E o jornalista Eugênio Bucci, em seu artigo no “Estadão” com o título “Quando a ética vira comédia” (5/3, A2), nos traz à memória um fato importante apresentado na campanha de Lula, em 2002. Ou seja, uma farsa corrente e histórica do petismo na comunicação com seus eleitores. Escreve o jornalista: “Já no ano eleitoral de 2002, o partido (PT) veiculou na televisão um filme publicitário que soava como ameaça física. A câmera mostrava um bando de ratos marrons sobre o chão de brancura imaculada roendo a bandeira do Brasil e, depois, a arrastando para dentro da toca. Ao final, um locutor em off declamava pausadamente: “Ou a gente acaba com eles, ou eles acabam com o Brasil. Xô, corrupção! Uma campanha do PT e do povo brasileiro”. Esses tais ratos marrons hoje nós todos sabemos, e temos a certeza absoluta, de que foram criados e formaram suas quadrilhas para assaltar as nossas estatais, já naquela época, no quintal do Partido dos Trabalhadores. Obrigado pela lembrança, caro Eugênio Bucci.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
O DEDO

Por que será que todo político, quando discursa, aponta o dedo indicador para a plateia? Será que tem alguma coisa com alguém? Pobre povo brasileiro.

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com 
São Caetano do Sul 

*
FORÇA POLÍTICA

O PMDB velho de guerra, o maior partido do Congresso, ocupa a vice-presidência da República, as presidências da Câmara e do Senado, tem o maior número de governadores e milhares de prefeitos espalhados País afora. Por oportuno, a esta altura do campeonato, cabe perguntar quem é mesmo que governa o Brasil?

J. S. Decol decoljs@globo.com   
São Paulo

*
O INAPROPRIADO PEDIDO DO SENADOR

Há tantas novidades e perplexidades na Operação Lava Jato que, às vezes, nem nos apercebemos de desvirtuamentos graves. O pedido de acesso ao inquérito formulado por Renan Calheiros, por exemplo, é, por si só, um festival de impropriedades. Primeiro porque invoca resoluções do Conselho Superior do Ministério Público e do Conselho Nacional do Ministério Público que são completamente inaplicáveis ao caso. As resoluções regulamentam a investigação criminal conduzida pelo Ministério Público, tema cercado de problemas e que foi objeto de disciplina própria dos órgãos superiores do Ministério Público a fim de evitarem abusos. Na lista enviada ao Supremo Tribunal Federal, no entanto, o inquérito é instalado perante o Judiciário, não o Ministério Público. É no inquérito, agora conduzido pelo Judiciário, que o senador terá condições de se defender, tal qual o teria, se o inquérito fosse conduzido pelo Ministério Público, nas formas das resoluções invocadas erroneamente pela defesa do senador. Afora o equívoco jurídico, há um grave vício de probidade. Com efeito, o pedido de abertura de inquérito é contra o senhor Renan Calheiros, que, pessoal e individualmente, é acusado de praticar infrações penais. A defesa do senhor Renan Calheiros deve ser feita por advogado contratado, e não pela Advocacia do Senado federal que, por força da Resolução n.º 58 de 1972, tem como fundamento de sua atuação a consultoria e assessoramento jurídicos à mesa, à comissão diretora e à diretoria-geral. A se confirmar a notícia veiculada pelo “Estado” de que o senhor Renan Calheiros fez uso da Advocacia do Senado para sua defesa em processo crime, além da defesa na Lava Jato, é possível que tenha de se defender também da acusação de improbidade administrativa (art. 9º, IV, da Lei n. 8.429, de junho de 1992).

Roberto Machado Filho dalledone@live.com
São Paulo

*
CADÊ A VERGONHA?

No Japão político pego em atos de corrupção, com vergonha, se mata diante de câmeras da TV para, supostamente, limpar com sangue a honra da família. Se o mesmo ocorresse aqui, será que sobraria alguém para apagar as luzes do Congresso?  Onde estão a ética, a moral, o brio e a vergonha de nossos (falsos) representantes? Apesar de circularem pela mídia e na Justiça tantas delações, listas e testemunhos de personalidades diretamente envolvidas no desvio de milhões de nosso dinheiro em estatais e empresas públicas, tudo fica no barulho e nas discussões. Infelizmente, parece que com esta gente falta “chá de vergonha” e sobra óleo de peroba. Até quando?
 
Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br
São Paulo 

*
CÂMARA DOS DEPUTADOS

Para Cid Gomes, a Câmara dos Deputados tem 300 ou 400 “achacadores”. Para Lula, tinha o mesmo número de “picaretas”. Quem tem razão?

Ely Weinstein elyw@terra.com.br 
São Paulo

*
A PÁTRIA EDUCADORA E OS PICARETAS

A declaração de Cid Gomes (ministro de Educação) acusando a existência de deputados “picaretas” (“há uma maioria de 300 picaretas que defendem apenas seus próprios interesses”) não surpreende pelo dito, pois isso é de sabença geral, mas merece reflexão. A língua diz o que o coração sente e, nos repentes, a verdade salta. A verdade dita pelo ministro causou tanta repercussão, não pelo que disse, mas por ser o ministro que cuida da “educação”. Aqui o espanto. Por onde começa a “educação” do povo, se não do exemplo de seus maiores? O presidente da República (o PT) e os presidentes do Supremo e do Legislativo. Vede: “Renan estourou o ‘teto’ de 3% da propina”? Os presidentes do Senado e da Câmara apontados como corruptos de carteirinha. Todos os dias e o dia todo deparamo-nos, por onde lançarmos vista, com a corrupção. Na maioria das terras e povos, naquelas onde se preza o bom senso, como demonstra Aristóteles, é lei natural que os sábios e honestos governem e os que menos sabem obedeçam. Mas, caro Aristóteles, exclua dessa lista o Brasil. Por estas tórridas paragens a lei natural perdeu fôlego, e correm à solta outros costumes – os de, para alcançar prêmios, conseguir pastas, abocanhar títulos, alçar-se a ministérios e, sem sustos nem arrepios, até mesmo vestir toga e sedas da mais alta Corte de Justiça, basta só um passaporte: descartem-se o saber, o merecimento, a justeza de conduta, o salvo conduto dos princípios, que nada disso importa. Bastam a “picaretagem”, a cartada certa do “compadrio”, ou, baixando o nível, os “bons préstimos”, estes que rendem ricas e vitalícias prebendas. 

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br
São Paulo

*
SEMENTE
 
Num país em que “dá azia” ler, onde imperam a corrupção e a impunidade, Rodney Miranda, prefeito de Vila Velha (ES), começou a implantar escola em tempo integral, de manhã ao final da tarde, com três refeições. Além das aulas normais, professores de plantão para reforço e atividades culturais ou esportivas. Lembro do meu amigo Dionelo, nos anos 80, com três filhos pequenos, de Brasília foi trabalhar em Londres: custo zero na escola das crianças em tempo integral e mestres para dirimir dúvidas, deveres de casa feitos na escola, além de atividades esportivas e culturais e todos os dias, obrigatoriamente, levar um livro da biblioteca para casa (os pais eram orientados a só auxiliar sobre o livro se os filhos solicitassem). Pois bem, nas vindas ao Brasil, o maior peso na bagagem das crianças era de livros. Hoje, todos formados, casados, residentes em Londres e nos Estados Unidos. Tomara que a semente plantada por Rodney Miranda prolifere, espalhe por todo o Brasil. Só assim deixaremos de ser um eterno país do Terceiro Mundo. 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 
Vila Velha (ES)

*
PIZZARIA GERAL

Ao retirar Dilma Rousseff do rol de lista dos investigados pelo petrolão, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, colocou mais uma pizza no forno, que poderá ser encomendada, a partir de agora, nos cardápios da Pizzaria Geral, sob o título “Ella não sabia de nada”. Mais um desserviço aos contribuintes prestado pelo sr. Janot ao Brasil. Obrigada por nada.

Glória Anaruma gloria.anaruma@gmail.com 
Jundiaí 

*
DETALHES DA LEI

Pequenos detalhes da lei brasileira vão sendo relembrados para o povo brasileiro. Então um presidente da República não pode ser investigado por crimes que ocorreram enquanto o mesmo não era presidente da República? Ainda que a lei seja absurda, já que o mesmo poderá ser investigado após o mandato, o povo tem o direito de conhecer as evidências de crime que envolvem o atual mandatário. No caso da presidente Dilma, a Justiça não pode investigá-la, mas o povo pode exigir o seu impeachment, se as evidências de que ela está envolvida no maior escândalo de corrupção da história da humanidade (e esse não é um exagero da minha parte) forem fortes o suficiente. Transparência e publicidade já!

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com 
Santana de Parnaíba

*
DILMA E O DESPACHO DE JANOT
 
Ao contrário do pedido de arquivamento relativo a Aécio Neves, por delação referente a Furnas, Dilma Rousseff foi citada no despacho de Janot porque foi mencionada várias vezes durante a Operação Lava Jato. Entretanto, não pediu o arquivamento, resultando, então, que haverá possibilidades de apurações, embora os fatos tenham se dado anteriormente a 2011, quando assumiu a Presidência. Porém, atos do passado merecem pesar no item atos de improbidade, tanto que muitos parlamentares irão aproveitar-se da deixa para exigir explicações à presidente, o que a levará a uma situação de maior fraqueza perante as forças parlamentares.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
A MULHER DE CÉSAR

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, reagiu com extrema indignação às afirmações do senador Aécio Neves de que o governo teria agido para incluir nomes de políticos da oposição na lista de Janot. O ministro não é a pessoa com mais credibilidade para tal, pois nunca conseguiu explicar com coerência o encontro com advogados de uma empreiteira envolvida no caso. Vale, aqui, no sentido filosófico, o velho ditado romano de 60 a.C.: “À mulher de César não basta ser honesta, tem de parecer honesta”.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br                                    
Rio de Janeiro 

*
INQUÉRITOS DA LAVA JATO

Os pedidos de abertura de inquérito de Janot seguem o ritual do “engana que eu gosto”.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com 
São Paulo

*
SEM SURPRESAS

A lista de Janot está mais para José Mojica Marins do que para Alfred Hitchcock!
  
Robert Haller robelisa1@terra.com.br 
São Paulo

*
PUNIÇÃO

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Rondônia cassou os mandatos do governador Confúcio Moura (PMDB) e de seu vice, Daniel Pereira (PSB). O governador Confúcio foi acusado de abuso de poder econômico por distribuir almoço e refrigerantes para mais de 2 mil pessoas que participaram da convenção do PMDB, realizada em junho de 2014, em Porto Velho. E o PT, que alugou “trocentos” ônibus, pagou lanches, tubaínas e deu camisetas para que as massas de manobra agitassem aquelas bandeiras vermelhas na campanha para a reeleição da presidente Dilma? Ela não foi e não será cassada, já que usou os mesmos meio$ que o governador Confúcio? Por que dois pesos e duas medidas?

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com 
Porto Feliz 

*
ONDE ESTAVA O MINISTRO DA JUSTIÇA? 

Mulheres armadas do Movimento dos Sem Terra (MST) invadiram centro de pesquisa e destruíram anos de pesquisa, em Itapetininga (SP), e as autoridades dizem estar procurando os responsáveis. Dá para acreditar nesse absurdo? Onde está o ministro José Eduardo Cardozo? Será que só tem tempo para acobertar as falcatruas de Dilma Rousseff na Petrobrás? Será que o exército de Lula está acima da lei e da ordem? Sr. ministro, tome vergonha nesta cara e aja conforme a lei, colocando definitivamente estes vândalos como bandidos e criminosos.

Marco Aurélio Rehder marcoarehder@yahoo.com.br 
São Paulo

*
CONCLAMAÇÃO À GUERRA

Em reunião recente do PT na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), tivemos uma amostra do poder dos petralhas. O povo que têm o direito de protestar foi agredido covardemente por militantes uniformizados do PT. Se não bastasse tal truculência, o ex-presidente Lula conclamou seus capangas do MST (“o exército do Stédile”) a não ficarem parados e iniciarem uma guerra para defender os ladrões do Brasil. Devemos nos precaver, porque os baderneiros pagos pelo partido tentarão tumultuar o direito de exigirmos que bandidos sejam presos, julgados e condenados. 
               
Wilson Matiotta loluvies@gmail.com 
São Paulo

*
OS CAMISA VERMELHA

Lula, convocando ferozmente o pessoal do MST para atacar os que são oposição a “elles”, incitando “guerra”, nos fez lembrar outros movimentos sanguinários como aqueles das camisas pardas e os camisas negras fascistas, que nasceram da convocação de marginais pagos. Os camisas vermelhas são recrutados para receber R$ 50,00, sanduíche e refresco para atacar os que fazem passeatas pacíficas. Precisamos nos preocupar muito com estes.
 
Leila E. Leitão
São Paulo 
 
*
PRÉDIOS NO CENTRO DA CIDADE

O centro da cidade de São Paulo começa a receber novos prédios, que ocuparão pequenos terrenos, como estacionamentos ou pequenos imóveis demolidos, adensando ainda mais o volume construtivo da região. Essa não seria uma razão objetiva para aprovar a implantação integral do Parque Augusta, única área verde disponível no centro?
 
Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br 
São Paulo

*
PROBLEMAS MAIORES

O prefeito Fernando Haddad vem demonstrando reiteradamente que prefere obras estéticas em detrimento das de conteúdo. Entre elas, as intermináveis ciclovias, cuja pintura vem progressivamente desaparecendo, não pelo uso, mas pela tinta de péssima qualidade; e os grafites de mau gosto (ou, melhor, pichações oficiais) espalhados pela cidade, cujo exemplo maior são os deprimentes desenhos dos Arcos do Jânio. Quando é que o prefeito começará a se ocupar dos verdadeiros problemas da cidade de São Paulo? 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 
São Paulo

*
ARCO ÍRIS

Com a cidade pintada de vermelho (ciclovias) e com o apoio do prefeito Fernando Haddad aos grafiteiros, fica clara a forte relação que ele tem com as tintas, isso não se pode negar. A cara de palhaço, com nariz vermelho, boca branca, careca amarela e olhos espantado fica para o paulistano.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br 
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.