Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

10 Março 2015 | 02h04

O pronunciamento na TV

De que país a dona Dilma falou no domingo, na TV? Ela afirmou que estamos com pleno emprego, inflação sob controle, pequenos aumentos de preço de energia e de combustíveis provisórios... Alguém ainda acredita?

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

Os marqueteiros da presidenta são sensacionais, conseguem transformar a situação péssima que o País atravessa e mudam tudo para melhor. Ela e esses sanguessugas do pobre povo não vivem o dia a dia do brasileiro para entenderem como a situação é grave. Eles vivem em outro planeta. Pobre povo brasileiro.

TANAY JIM BACELLAR

tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

Desagrado geral

Vixe, o que tem de gente indignada com o discurso escrito por João Santana e lido pela presidente Dilma em horário nobre não é brincadeira. Caramba, o cara desagradou até aos militontos!

SÉRGIO BARBOSA

sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

Como seu criador, a poste está convencida de que com papo-furado se resolvem problemas. Aí, quando os protestos surgem, os dois ficam atônitos: "Como? Falei tão bem!".

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

Mentiras a granel

Seca e crise mundial, as causas da crise brasileira segundo Dilma em seu discurso. Crise mundial não temos. Temos, sim, uma boa recuperação dos EUA e até algo da Europa. Crise mesmo, apenas em países periféricos como a Grécia e na catastrófica Venezuela. A seca realmente existe, mas a principal é a seca de ética, competência e humildade, qualidades que o governo petista não tem e geraram a patifaria fiscal no primeiro mandato de Dilma. Reconhecimento dos erros? Jamais. E de tantas mentiras ditas, haja confiança do povo na fala da presidenta. Até lembrava o Maduro. Só faltou satanizar o Tio Sam. E viva o panelaço!

JOSÉ EDUARDO ZAMBON ELIAS

zambonelias@estadao.com.br

Marília

No pronunciamento, o que se viu foi mais do mesmo: extrema falta de humildade, com sobras de mentiras, arrogância, prepotência. A reação foi o que se viu.

JOSÉ SERGIO TRABBOLD

jsergiotrabbold@hotmail.com

São Paulo

Enfim, Dilma falou muito, não disse nada e foi recebida por tremendo panelaço em todo o País. Mentira tem perna curta...

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Lambança

Dilma precisa entender que não queremos pagar pela lambança que ela fez com a economia do País. Não aceitamos Pasadena e toda a corrupção que se instalou na Petrobrás. Chega de mentiras! Queremos o Brasil de volta!

CARLOS DE OLIVEIRA AVILA

gardjota@gmail.com

São Paulo

Gostaria de lembrar à presidenta que paciência e compreensão não enchem a barriga de ninguém. Não se pode ter paciência com um governo que vem arrasando o País. Nem compreensão diante da roubalheira geral e irrestrita, que aumenta a cada dia.

J. TREFFIS

jotatreffis@outlook.com

Rio de Janeiro

Panelaço

Já votei no PT, não sou burguesa, mas participei do panelaço. Assim como eu, milhares. E agora, qual a desculpa?

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

Chega a ser hilário o PT impingir à oposição a iniciativa de "financiar" a manifestação espontânea da população durante o pronunciamento da presidenta gerenta Dillma. É dar à oposição um crédito que não tem. Essa oposicinha é incapaz de organizar um reles piquenique de escoteiros, imagine um panelaço em 12 capitais do País. Menos, PT, menos.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Chega

Nem no impeachment de Fernando Collor vi uma mobilização popular tão espontânea como no domingo. Enquanto discursava em cadeia nacional, milhares de vizinhos piscavam as luzes de suas casas e gritavam: "Fora, Dilma, fora, PT". Termino com os versos da belíssima canção dos geniais Milton Nascimento e Fernando Brant, curiosamente chamada Notícias do Brasil (os Pássaros Trazem): "Aqui vive um povo que merece mais respeito/ Sabe, belo é o povo como é belo todo amor/ Aqui vive um povo que é mar e que é rio/ E seu destino é um dia se juntar". Nós nos juntaremos, sim, dia 15.

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

Manifestação do dia 15

Não é verdade que todos os grupos que planejam manifestações no dia 15 o façam por apoiar o impeachment (Confusão é tudo o que Lula quer, 8/3, A3). Há vários grupos que pretendem protestar contra a corrupção, a favor de apurações isentas e do fim da má gestão da coisa pública. Ao rotular os movimentos dentro de uma bandeira única, o Estado deixa de levar em consideração a diversidade e a complexidade dos movimentos populares e a partir disso justifica considerá-los inoportunos. A sociedade civil, por desorganizada que seja, não pode ficar assistindo passivamente a seu destino ser decidido por alguns notáveis e outros nem tanto, participando apenas pela mídia, como esse distinto jornal. Felizmente, é impossível que todas as movimentações de um país sejam parte de uma orquestra bem organizada para maximizar um resultado particular. A democracia é assim, ruidosa e confusa, mas é o que temos.

ARNALDO ROCHA

rochaarnaldo@yahoo.com

São Paulo

Inteligência x truculência

O impeachment interessa a quem está acuado. As ruas ocupadas por movimentos contra a corrupção fragilizam os argumentos de golpe e fortalecem a Lava Jato, dão força ao juiz Sergio Moro, à Polícia Federal, ao Judiciário. É o ideal de 100% dos brasileiros e evita o conflito social. Esse é o grande medo delles. O poder se conquista com truculência ou com ideais que envolvem todo o povo.

NELIO ESQUERDO

nelioesquerdo@terra.com.br

São Paulo

A PACIÊNCIA DOS BRASILEIROS

A presidente Dilma Rousseff, em discurso na TV e no rádio, conclamou a população brasileira a ter paciência. O que queremos, presidente Dilma – e para isso nossa paciência já se esgotou faz tempo –, é que a senhora reconheça seus erros. Reconheça que seu primeiro mandato fracassou. Reconheça que você perdeu apoio político em ambas as Casas do Congresso. Reconheça que seu partido fica pregando o ódio entre as classes ou que “as elites não aceitam a ascensão dos pobres” – como gosta de dizer o sr. Luiz Inácio Lula da Silva. Não temos ódio dos pobres, sra. Dilma, mas temos ódio, sim, ricos e pobres desta nação, das falcatruas, da corrupção, da propaganda enganosa, da inflação alta, da recessão e da incompetência administrativa. O que queremos não são larápios, sra. presidente, mas pessoas competentes e preparadas que possam administrar este país e realizar as reformas política, trabalhista, previdenciária, entre outras que vêm sendo proteladas há anos. Queremos um Estado menor e mais competente. Indivíduos comprometidos com o crescimento do Brasil. Uma nação que permita que os brasileiros honestos e trabalhadores possam prosperar e que forneça serviços de qualidade para a população. Queremos, finalmente, um país onde políticos e servidores corruptos sejam exemplarmente punidos e afastados definitivamente da vida pública. Faça a sua parte, sra. presidente Dilma. Reduza o número de ministérios e de cargos comissionados, a farra dos cartões de crédito corporativos e a roubalheira nas estatais e empresas públicas e forneça educação, saúde e segurança de qualidade. Quem sabe assim a senhora não precisará ir à televisão pedir para o povo ter paciência.  
 
Fábio Zatz fzatz@uol.com.br 
São Paulo
  
*
DISCURSO FALIDO

Para a presidente Dilma Rousseff, a crise no Brasil é culpa de toda a humanidade que está fora de nossas fronteiras. Chega de mentiras. Ela vive onde?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER

Domingo, ouvindo o discurso de Dilma no rádio, eu disse para a minha mulher: “Estou me sentindo um sueco em crise”.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
CRISE

O Brasil não “vive” uma crise (que é passageira, transitória, circunstancial), como declara a Dama de Vermelho, Dilma Rousseff. O Brasil está mergulhado, inserido na corrupção institucional! E o “pai” do PAC (“Plano Arquitetado para a Corrupção”) todos sabem muito bem quem é.

Clênio Falcão Lins Caldas clenio.caldas@gmail.com 
São Paulo

*
O PRONUNCIAMENTO DA PRESIDENTE

Sugiro que, para o próximo pronunciamento nacional da Presidência da República, o governo contrate Cid Moreira para ler o texto do marqueteiro João Santana. Será muito mais agradável de ouvir e terá maior impacto.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente 

*
LEVIANA

No ridículo pronunciamento na TV, Dilma foi Levyana.

Daniel Arjona de Andrade Hara haradaniel734@gmail.com 
Griesheim, Alemanha

*
CACHORRO MORTO

Sobre o interesse do público pelo pronunciamento do Dia das Mulheres por dona Dilma: ninguém perde tempo chutando cachorro morto.

Vitório F. Massoni suporte@eam.com.br
São Paulo

*
MANIFESTAÇÕES CONTRA DILMA

Foram impressionantes as manifestações espontâneas que aconteceram no domingo à noite, quando a nossa “presidenta” Dilma apareceu na TV, aqui, na minha vizinhança no Morumbi. Gritos, xingamentos, vaias, vuvuzelas, panelaços e buzinaços de automóveis durante todo o tempo do pronunciamento dela. Parecia final de Copa do Mundo. Acho que nem o “exército do Stédile” do general Lula vai conseguir segurar esta presidente incompetente muito mais tempo na Presidência. Vamos aguardar o dia 15 de março.
 
Antonio Carlos Martins acmartins@uol.com.br  
São Paulo

*
PANELA VAZIA

O panelaço que se realizou em quase todo o País e principalmente no Estado de São Paulo, organizado por redes sociais, não passa de uma repulsa do povo contra o atual desgoverno petista. Efetuado na rua e pelas portas e janelas das residências, durante o discurso na TV da presidente Dilma em rede nacional, este movimento popular nada mais foi do que um protesto da população mais sofrida do nosso Brasil, pelo aumento cotidiano do custo de vida, notadamente do nosso patriótico feijãozinho, cuja ausência as panelas não se cansam de reclamar. Panela vazia não enche barriga.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 
Assis

*
CAMPANHA

Cumprimento todos os que aderiram à campanha do panelaço durante o discurso da presidente. Já está mais do que na hora de fazermos algo pelo nosso Brasil. O que temos assistidos nestes últimos 12 anos é de deixar-nos perplexos. Hoje conhecemos o PT: ele veio para isso mesmo, e toda a grana roubada serviu de apoio para se perpetuarem no governo. É uma vergonha ver tanta gente que apoiou estas manobras, artistas, atores, deputados, senadores, ministros, juízes e alguns servidores. Cadeia não é só para ladrão de celular, é para colarinho branco também.

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br   
São Paulo

*
PROTESTO EM MINAS GERAIS

Uai! – como dizem os mineiros –, não foram eles que elegeram e decidiram as eleições a favor do partido que se diz dos trabalhadores? Aí eles promovem o panelaço. Eles estão fazendo o “mea culpa”? Pobre povo brasileiro!

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com  
São Caetano do Sul 

*
PANELAÇO

O panelaço, o buzinaço, as luzes piscando nas varandas, tudo foi maravilhoso. Mas o que mais gostei mesmo foi o fato de ter ficado batendo panela na janela e não ter assistido às mentiras da presidente na TV. 

Silvio Schaefer excess@netpoint.com.br
São Paulo

*
PARA 1.º DE ABRIL

Dilma, no Dia Internacional da Mulher, leu um discurso do começo ao fim sem se dar conta de que era o discurso preparado para o dia 1º de abril.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br 
São Paulo

*
REAÇÕES AO PANELAÇO

Definitivamente, não sei em que país vivem Dilma, “ele”, que nos chama de “eles”, o exército brancaleone de Stédile e toda a sua turma. Dilma aparece em rede nacional de TV, aproveitando o Dia Internacional da Mulher, e pede paciência para que compartilhemos e paguemos, juntos, a conta altíssima pelos desmandos e prejuízos que “ela”, sua equipe e seu partido de forma irresponsável causaram ao nosso país. Apenas se aproveitou da ocasião para tentar livrar sua cara, o que definitivamente está difícil. Diante do panelaço que aconteceu pelo Brasil no horário do discurso na TV, o governo afirmou que o ato da população foi “um fracasso”. Mas, se “ela” se preocupou em dizer isso, já é uma prova de que não foi um fracasso. O petralha de plantão vice-presidente do PT, Alberto Cantalice, por sua vez, disse que tratou-se de uma manifestação da burguesia e da classe média alta. Mas que visão tosca! Gostaria de perguntar a ele em que classe social neste país existe satisfação e esperança de um Brasil melhor.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com 
São Paulo

*
BONDES

Buzinaço e panelaço em cidades pelo País são alertas para Dilma! O.k. E o resto? Panelaço foi orquestração golpista e fracassou, avalia PT... Sosseguem, Lula, Aloizio Mercadante, Rui Falcão, petistas e outros mais. Os senhores perderam o bonde da história. E logo vem o bonde do tigrão: leva todo mundo, inclusive o chefe.

Jose Roberto Palma palmajoseroberto@yahoo.com
São Paulo

*
PANELAS

Os petralhas juram que não houve panelaços. Então por que, nas lojas que vendem panelas, a partir das 11 horas de segunda-feira, não havia mais panelas e a justificativa era de “estoque esgotado”?

Mário A. Dente dente28@gmail.com
São Paulo

*
DILMA E O BRASIL

À presidente Dilma falta muita coisa: competência, humildade, sinceridade, realismo, etc. Em compensação, sobram-lhe arrogância, teimosia, mentiras, demagogia, etc. O que é fácil – distribuir o dinheiro do contribuinte – ela soube fazer até passar dos limites, e agora todos sofrem as consequências. À “nova classe”, endividada, pode-se prever um retorno à penúria, pela estagnação econômica e inflação. Pensa no Brasil? Então pegue a bolsa e vá para casa, já.

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com 
São Paulo 

*
BASTA

Absolutamente verdadeiras e urgentes as opiniões e colocações dos senhores Miguel Reale Júnior e Rômulo Bini Pereira (“Renúncia já” e “Vamos à guerra!”, 7/3, A2). Ambos os artigos, de uma lucidez impressionante, traduzem o sentimento real da sociedade brasileira, que quer o bem e o desenvolvimento do País. Basta estarmos com os olhos e ouvidos abertos para termos a certeza de que basta desta hipocrisia e do sarcasmo dos governantes atuais e do Partido dos Trabalhadores. A sociedade está órfã e precisa do apoio das instituições democráticas para realizar de modo organizado e pacífico a mudança desejada para um governo sério, honesto e transparente. Os atuais governantes, deputados e senadores se esquecem de que estão onde estão para defender e lutar por ideais da sociedade, e não são nada além de trabalhadores cujo único patrão é o povo que os elegeu! Vamos tentar demonstrar isso no dia 15 de março, pacífica e democraticamente, respeitando o patrimônio público e privado.

Beatriz Soubihe beatrizsoubihe@gmail.com
São Paulo

*
‘VAMOS À GUERRA!’

Muito lúcido o artigo do general Rômulo Bini Pereira na edição de sábado do “Estadão”. Como filho de militar, sei bem o que se passa na caserna. Se o general se arvorou em escrever tal crítica, com certeza, teve liberação de seus superiores. Enfatiza ainda o general que as administrações anteriores das Forças Armadas foram frágeis, cômodas e até mesmo dissonantes com tudo o que se passou nos últimos anos no País. Não desejo de maneira alguma um golpe militar ou até mesmo um impeachment, que considero algo ilegal, pois desde o Império todos eles foram de uma incompetência dantesca. Mas o que nos resta, a não ser uma resposta das nossas Forças Armadas? Somos vítimas de um Executivo incompetente, de um Legislativo corrupto e nojento, de um Judiciário conivente e de um povo em parte patético pela quase inação e pelo medo da perda de determinadas vantagens. Então nos resta uma ação das Forças Armadas, para um mandato tampão que talvez (embora não creia absolutamente nisso) nos traga de volta a decência. Para isso, teriam de ser extirpados este governo incompetente, este Congresso para lá de corrupto e, vou até mais, todos os cargos nos Estados e nos municípios deste país tão vilipendiado. Depois seria aguardar que dessa depuração moral surgisse uma nova política, por meio de eleições gerais. Tudo isso é sonhar demais, mas a esperança é a última que morre.

Paulo Neves usppd@yahoo.com.br 
Porto Alegre

*
A DÚVIDA

Excelente o artigo “Vamos à guerra!”, do general do Exército R/1 Rômulo Bini Pereira, ex-chefe do Estado Maior da Defesa (7/3, A2). A convocação do “exército do Stédile”, líder do Movimento dos Sem Terra (MST), pelo ex-presidente Lula para desestabilizar o País e continuar no poder foi uma verdadeira afronta ao Brasil. Como disse o general, é querer incendiar o País, com agitadores de ruas. As Forças Armadas têm como objetivo principal defender o Brasil, como fez no passado recente contra os comunistas soviéticos que estavam prestes a introduzir sua política comunista em nosso país. Agora, com o governo do PT no poder, tendo como ministro da Defesa o petista Jaques Wagner, duvido que as Forças Armadas consigam exercer a digníssima função de defender o Brasil das garras dos ávidos pelo poder que estão destruindo a economia brasileira. Salve-se quem puder! 
 
Valdy Callado valdypinto@hotmail.com 
São Paulo

*
RECADO CLARO

Até que enfim alguém neste país resolve dar um recado claro àqueles que se denominam “nós” (7/3, A2): que nossas Forças Armadas, pelo menos o Exército, não estão dormindo o sono dos omissos.

Aloisio A. De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br  
Limeira

*
DEFESA DA ORDEM

Cumprimento o general Rômulo Bini Pereira pela sua postura no sentido de defender a ordem, a democracia e a Pátria, e espero que essa mesma atitude seja compartilhada pelos comandantes das Forças Armadas.

Marcos Antonio Carlutto mcarlutto@terra.com.br
São Paulo

*
MILITANTES EM AÇÃO

Obedecendo às ordens de Lula, militantes “cumpanheiras” do MST invadiram um centro de pesquisa genética em Itapetininga (SP) e simplesmente jogaram no lixo pesquisas em desenvolvimento há anos. E estavam armadas apenas de enxadas e da ideologia de “nós contra eles” na cabeça. Obedecendo às ordens do profeta Maomé, militantes do Estado Islâmico atacam em pouco tempo obras do Museu de Mossul e um sítio arqueológico munidos de marretas, de furadeiras e de uma ideologia fanática e religiosa na cabeça. Qual a distância entre uma ação e outra?
 
Giovani Lima Montenegro giovani.limamontenegro@gmail.com 
São Paulo

*
TRÁGICAS SEMELHANÇAS

Se existe alguma diferença entre as figuras sombrias do Estado Islâmico destruindo a marretadas monumentos que representam 3.500 anos de civilização e as mulheres encapuzadas do MST-Lula destruindo 14 anos de pesquisa científica que visa a melhorar a produção de madeira de eucalipto transgênico com menor consumo de água, essa diferença é apenas de grau e de estágio da barbárie. É hora de acordar da letargia imposta ao País pelo ilusionismo lulopetista combinado com a omissão da oposição. Os “exércitos” obscurantistas do MST, MTST e outras siglas que representam o ódio à civilização, à ciência, à ordem política, econômica e social, ao trabalho e à ética podem e devem ser contidos enquanto é tempo. Se não há leis para isso, é preciso criá-las. Basta um pouco de vontade política e responsabilidade para com os assuntos de fundamental importância para o País pelo Congresso e demais instituições ainda sólidas e relativamente livres. Se não, correremos o risco de, num futuro não muito distante, ver o MST não apenas destruindo ciência, cortando árvores, arrasando lavouras e matando animais, mas decapitando pessoas, como faz o seu congênere do Oriente Médio.

Jorge Manuel de Oliveira jmoliv11@hotmail.com 
Guarulhos

*
A CORRUPÇÃO NA PETROBRÁS

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou abertura de investigação contra políticos beneficiados pelo esquema de corrupção na Petrobrás. Sendo assim: NÃO à permanência do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB) no cargo; NÃO à permanência do presidente da Câmara dos Deputados, deputado Eduardo Cunha (PMDB), no cargo: NÃO à permanência de 11 senadores no Congresso listados pelo procurador-geral da República; NÃO à permanência de 26 deputados federais na Câmara listados pelo procurador-geral da República. Enfim, NÃO a qualquer tipo de acordo entre os políticos em torno dos nomes dos investigados. Chegou o momento da a população dizer NÃO.

Sandra Caricchio sandra.caricchio@yahoo.com.br 
Campinas

*
CONGRESSO DESMORALIZADO
 
Com mais esta leva de inquéritos policiais, fica a pergunta: que moral têm esses congressistas para nos legislar, salvo raras exceções? Já passou da hora de o brasileiro aprender a escolher seus representantes. Sapato, dentadura, consulta gratuita, churrasco de graça, promessa de emprego público, etc. não revelam o bom político, indicam seu caráter oportunista, aproveitador da boa-fé do eleitor. Eleito, vem o efeito: a crise que está afetando a todos, exceto eles, protegidos pelos salários que autoestabelecem, ajuda de custo, casa e viagens e assessores que nós pagamos. Temos dois caminhos: despertar para mudar essa realidade ou caímos no buraco sem fim. Estamos na beirada dele.
 
Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com 
Ribeirão Preto
    
*
ABERTURA DE INQUÉRITOS

Na lista de Rodrigo Janot, o PP ocupa o primeiro lugar. Não é mera coincidência, já que o PP é o partido de Paulo Maluf.
 
Fausto Ferraz Filho  faustofefi@ig.com.br 
São Paulo

*
POÇO FUNDO

Quando nós imaginávamos que a política no Brasil havia chegado ao fundo do poço, descobrimos que o poço é mais profundo do que os falsos poços de petróleo do pré-sal! A cúpula do poder no Brasil está envolvida com o crime organizado. O que podia se esperar quando o PT (antigo partido da pureza nacional) se aliou com antigos adversários corruptos, como, por exemplo, Renan Calheiros, a família Sarney, Romero Jucá, Collor de Mello, Paulo Maluf, Edison Lobão, entre outros? O PT é o responsável por ter se aliado com o que existe de mais sórdido na política nacional. Que nojo! Ou o Brasil tira o PT do poder ou desaparece com a Nação!

José Milton Galindo galindo52@hotmail.com 
Eldorado

*
PETROLÃO

Vendo a lista enorme de políticos envolvidos num só esquema, fico imaginando o que se descobriria se investigassem todos os ministérios.
 
Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com
Bauru

*
AUSÊNCIA

Surpresas pela presença de certos nomes na lista de Rodrigo Janot acredito não haver. Surpresas, sim, pela ausência de alguns figurões, que, como sempre, iriam alegar que nada sabiam ou foram traídos. Será? 
 
Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
TEMOR

Os nossos parlamentares não estão nem um pouco preocupados com a lista da Operação Lava Jato, pois eles têm foro privilegiado. Em linguagem popular, é o seguinte: se no Brasil tivesse pena de morte, os nossos políticos seriam executados na sauna.

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br
São Paulo

*
PROBLEMA HISTÓRICO

Não vou defender ninguém. Tampouco vou julgar se a presidente Dilma tem ou não alguma coisa que ver com a Petrobrás, a Lava Jato, etc. e tal. O “Estado” de sábado, 7 de março, noticiou que o STF abriu investigação contra vários parlamentares. Então é só a Dilma a grande vilã? Em épocas passadas, há relatos de propinas, falcatruas cometidas por políticos. Há relatos de obras públicas superfaturadas. O problema deste país é histórico. Nós já começamos mal há mais de 500 anos. Fomos explorados, não colonizados. E para cá vinham bandidos, marginais, ladrões. Deu no que deu. Há gente de bem, é claro. Há os que querem mudar essa situação. Mas o mal não está só na Petrobrás. As histórias escusas vão muito mais além. Isso acontece desde a época do Brasil colônia. Muita gente passou impune, e ainda passa.

Odair Pinto de Jesus odair.pj@gmail.com 
São Paulo

*
A PUNIÇÃO NECESSÁRIA

Por muito, mas muito menos nossas cadeias estão lotadas de ladrões de galinha. Já passou da hora de a Polícia Federal e nosso STF acordarem para a realidade que estamos atravessando. Quem comprovadamente roubou deve devolver e cumprir cadeia. O fruto do roubo não deve servir de herança a seus familiares.

Carlos Alberto Duarte carlosadu@yahoo.com.br
São Paulo

*
VERGONHA DESTE PAÍS

Não bastassem os políticos subestimarem a inteligência do cidadão brasileiro, agora temos poderes que deveriam proteger o País da roubalheira dando guarida ao governo e a partidos políticos no maior roubo de que se tem notícia da República. Como pode o PT, partido do governo que corrompeu políticos e empreiteiras, figurar na lista do procurador-geral como um simples coadjuvante? Logo o governo Lula, que colocou Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró, Renato Duque, Pedro Barusco e José Sérgio Gabrielli na Petrobrás, além de Dilma no Conselho da estatal? As empreiteiras que sempre ganharam muito porque souberam pagar muito às campanhas pagarão o pato? A história do mensalão vai se repetir no petrolão, algum Marcos Valério das empreiteiras vai para o xadrez e os políticos vão continuar dando as cartas e achacando os cofres públicos. E nós vamos pagar a conta, pois quem pensou que aqueles que têm a caneta nas mãos iriam punir alguém, esqueça, antes de agir, eles devem obrigação aos cargos que ocupam. Pátria miserável e deseducadora. Sinto vergonha deste país.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
TRISTEZA PROFUNDA
 
Cada vez que eu recebo o jornal “Estadão”, só ao olhar para as suas manchetes, uma profunda tristeza vai se apossando de mim. Terminando de ler as notícias principais, vem aquela imensa vergonha em ser brasileira, algo jamais sentido anos atrás (mesmo com a “culpa de FHC”), até muito pelo contrário, havia em mim um grande orgulho por ter nascido nesta terra “abençoada por Deus”, que, bem ou mal, tinha antes da era PT mais prós do que contras, e não estava mergulhada em corrupção e escândalos políticos. Serão 50 pessoas investigadas pelo STF, a maioria parlamentares. E eu pergunto: já que eles não têm vergonha na cara diante dos seus eleitores, será que nem mesmo em nome de seus familiares, mãe, pai, filhos, esposa, serão esses desregrados capazes de fazer um “mea culpa”, pedindo perdão por tanta leviandade e ganância? Ou será que vão continuar com a mesma cara de pau de sempre, negando o inegável? 

Mirna Machado mirnamac@uol.com.br 
Guarulhos

*
A CONTA NÃO BATE

Publicaram o nome de 50 pessoas no esquema Lava Jato. A conta está errada. E o resto? Cadê o nome dos mandantes? Estou sentindo cheiro de coisa podre.
  
Carlos Avino carlosavino.jaks@hotmail.com 
São Paulo

*
QUADRILHA SEM CHEFE

A lista elaborada pelo procurador-geral da República apresentou nomes já bem conhecidos no mercado das tramoias políticas e muitos inexpressivos e pouco conhecidos. Mas por que o nome do “arquiteto” dessa assombrosa roubalheira não aparece? Não existe quadrilha sem chefe, portanto o sr. Janot ficou devendo isso à Nação. Foi por medo ou por gratidão mesmo?

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com 
São Paulo 

*
INCOMPLETA

Lista de Janot: 8 do PMDB e 8 do PT. Cadê o resto? Os 31 do PP seriam os “bois de piranha”?
   
Anibal V. Fillip aniverofil@uol.com.br 
Santos 

*
BOIS DE PIRANHA

Parodiando uma música cantada por Nelson Gonçalves em idos tempos: “Naquela lista tá faltando Ele, tá faltando Ela e a tristeza tá doendo em nós”. Janot que me desculpe, mas uma boa parte dos nomes citados é de “bois de piranha”.

Maria Sueli de Almeida sueli2@terra.com.br  
Curitiba

*
NÃO SABIAM

Mesmo se for comprovada a participação dos caciques do PT e de seu aliado principal, o PMDB, no esquema do petrolão, estou convicto de que as correspondentes cúpulas de partidos e a presidente não tomaram qualquer providência, pois não sabiam e não suspeitavam de nada. É rir para não chorar!

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com
São Paulo

*
DILMA FORA DA LISTA

A “cara” usa dinheiro ilegal na campanha, mas não pode ser investigada porque foi em outro mandato. Como assim?  Alguma coisa está errada.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com 
São Paulo

*
O FIEL ESCUDEIRO

Surpreso com a veemente defesa da senhora que governa (?) o País feita pelo sr. José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça, sugiro que ele deixe sua pasta ministerial e assuma a banca de defensor dos políticos citados na Operação Lava Jato. A Nação agradecerá. Onde já se viu um ministro de Estado da Justiça se arrogar defensor da sua patroa, sendo que a explicação que ele deu na televisão deveria ter sido feita por um douto ministro de tribunal ou por um douto professor de Direito Constitucional, indivíduos plenamente justificados para tal explicação? O sr. Cardozo deve ter a postura de ministro de Estado, como tivemos exemplos de figuras como Paulo Brossard, Miguel Reale Júnior, entre muitos outros que souberam e sabem honrar seus desideratos, nunca se intrometendo nos assuntos políticos criminais envolvendo outrem. Mas, como fiel escudeiro, tratou de esbravejar, querendo dar lição de Constituição à plateia perplexa.
 
Henrique Gândara clineurohenrique@uol.com.br
Ribeirão Preto

*
MINISTRO DO PT

José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça ou porta-voz do Planalto?
 
Robert Haller robelisa1@terra.com.br 
São Paulo

*
OS IMPLICADOS

Todos os políticos indiciados pelo STF declaram-se “surpresos e indignados” com a inclusão de seus nomes na lista do procurador-geral. Surpresos porque nunca acreditaram que os operadores do esquema de corrupção fossem delatá-los. Indignados porque sempre se acharam acima dos mortais e acreditaram que isso jamais aconteceria com eles. Os únicos que caíram na real foram Roseana Sarney, que encerrou a carreira política antes do fim do mandato, e Édison Lobão, que sumiu quando as primeiras conjecturas da lista de Janot surgiram. Seu sumiço e inclusive a ausência na campanha eleitoral de seu filho foram mais do que nunca confissões de culpa. Antes mesmo de a relação de Teori Zavascki ser pública, Édison Lobão já buscava advogado para sua defesa.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 
São Paulo 

*
AINDA TEM O SUPREMO

Senhores deputados e senadores, não se preocupem com as investigações que estarão por vir após terem seus nomes citados por delatores na Lava Jato. No final, os nobres parlamentares serão julgados, conforme confere a Constituição, pelos ilibados juízes do Supremo Tribunal Federal, onde a grande maioria fará de tudo para absolvê-los, assim como aconteceu recentemente com os condenados do caso mensalão, que depois da aposentaria do magnífico juiz Joaquim Barbosa foram postos em liberdade. Caso aconteça algum imprevisto durante o julgamento, não se preocupem, sempre aparecerá um juiz com o recurso dos famigerados embargos infringentes para inocentá-los de vez.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br
São Paulo

*
LAVA JATO, A PONTA DO ICEBERG

Como disse o juiz Sérgio Moro, “vamos seguir o dinheiro”. Ele tem 200% de razão. Foi assim que a Itália conseguiu prender inúmeros bandidos e que a Receita Federal americana prendeu mafiosos nas décadas de 1930 e 1940. Sigam o dinheiro! E, se nós, brasileiros, seguirmos o dinheiro, veremos inúmeras falcatruas no BNDES, na Caixa Econômica Federal, no Banco do Brasil, no Ministério dos Transportes e num sem número de órgãos federais. Todas essas empresas, entidades, ministérios, secretarias, enfim, tudo foi tomado pela militância petista. Todo este conjunto é um grande negócio. Aliás, desafio qualquer militante deste partido (PT) a me contradizer. Não nos esqueçamos da “base aliada”, que não passa de um ajuntamento de bandidos. Em São Paulo, temos o PCC. No Brasil, temos o PT. São tão bandidos quanto os outros. Só que oficializados. Vejam o Jilmar Tatto em São Paulo...

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com 
São Paulo

*
MEMÓRIA CURTA

O ex-deputado federal pelo PT do Paraná sr. André Vargas não ter seu nome cogitado em lista alguma significa dizer que seu nome não foi sequer aventado na Operação Lava Jato. Para um leigo em assuntos jurídicos, como eu, mas sabedor que sou de ter um pouco de bom senso, me parece essa ser uma injustiça cometida contra o sr. André Vargas quando de sua cassação. Devo ressaltar que não conheço o sr. André Vargas e nunca o vi nem de perto, e há mais de 30 anos não vou à cidade de Londrina, no Paraná, onde provavelmente reside o sr. André Vargas. Apenas para lembrar, todo mundo já havia esquecido esse fato.  

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
AÉCIO NEVES

As instituições deste país vão bem mal com este aparelhamento desesperado e brutal. Como pode o sistema processual do “petrolão” incluir e expor aos quatro ventos o político mais importante da oposição a partir de um depoimento miserável, conseguido sabe lá de que jeito, em que o delator diz que ouviu falar que Aécio Neves tinha influência numa diretoria de Furnas há 15 anos? É mesmo? E daí? Quanto ele levou? Quem pagou? Quem levou a mala? Cadê os detalhes da contravenção? Pode ser até verdade que ele tenha tido influência lá, não duvido, mas as autoridades oficiais do processo, pagas regiamente com nosso dinheiro público, incluírem de forma manipulada um depoimento dessa qualidade e profundidade num processo de indiciamento dessa gravidade e magnitude é algo triste, deplorável, coisa de delinquentes políticos profissionais, que perderam a noção de tudo. Mas o tiro, de tão torto, pode sair pela culatra. Estão menosprezando a capacidade intelectual da massa votante.

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br 
Cotia

*
MULHERES NO PARLAMENTO

Lamentável que o Brasil ocupe a 116.ª posição no ranking de representação feminina no Parlamento. Estamos atrás até mesmo dos países do machista e retrógrado Oriente Médio nesse quesito. Não dá para entender por que as próprias mulheres não votam nas mulheres. Elas são mais da metade da população brasileira e vivem mais do que os homens, em regra, mas são subrepresentadas. Não se admite que as mulheres sejam tão mal e pouco representadas na política brasileira. Inaceitável.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
APAGÃO NA CAPITAL

Lendo a notícia “Capital tem chuva de granizo e alagamentos” na edição de sábado (7/3), deparei-me com este trecho: “Moradores da Vila Matilde, na zona leste, e da Brasilândia, na zona norte, relataram falta de energia, mas a Eletropaulo afirmou que não havia registro de bairros inteiros sem luz”. Escrevo para contestar a informação da Eletropaulo: o bairro inteiro do Jardim São Paulo ficou sem luz na sexta-feira (6/3/2015), das 18h30 às 21h30, quando foi restabelecida a energia. Não houve um ponto de luz na Avenida Leôncio de Magalhães inteira nesse intervalo de tempo. Todos nós, moradores, ficamos três horas sem energia elétrica, e ficamos desapontados ao perceber que não há repercussão, tampouco esclarecimentos, sobre o que ocasionou esse apagão que trouxe prejuízos a padarias, bares, postos de gasolina e outros estabelecimentos comerciais do bairro, além de prejudicar as pessoas que, como eu, estavam retornando do trabalho. Deparei-me com ruas escuras, semáforos e postes de luz apagados, num breu total. Sensação de insegurança, impotência e frustração, tendo em vista que todos pagamos as contas em dia.

Fernando Januário Pimenta fejapimenta@hotmail.com 
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.